Successfully reported this slideshow.

Níveis de interpretação de um texto

1.837 visualizações

Publicada em

Tópicos do percurso gerativo do sentido aplicados a textos literários e jornalísticos.

Publicada em: Educação
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Níveis de interpretação de um texto

  1. 1. Interpretação de textos Níveis de leitura
  2. 2. Superficial Qual o tipo de manifestação textual? Verbal: só palavras → romance, carta, processo, poema, etc. Não-verbal (sem palavras): imagens, cores, formas, sons, movimentos → quadros, esculturas, música instrumental, etc. Sincrético: verbal + não-verbal → cinema, teatro, jornal, HQ, charges, etc.
  3. 3. Superficial Qual o tipo de texto?  Prosa: carta, crônica, notícia, conto, manual de instrução, relatório, etc.  Versos: poesia, poema, hai-kai
  4. 4. Superficial Qual o gênero do texto?  Narrativo/Descritivo  Expositivo  Dissertativo  Opinativo  Argumentativo
  5. 5. “Tendo o agente ciência de sua impunidade, está dando justo motivo à imperiosa mudança na idade limite imputabilidade , que deve efetivamente começar aos dezesseis anos, inclusive, devido à precocidade consciência delitual resultante dos acelerados processos de comunicação que caracterizam nosso tempo”. (MIGUEL REALE)
  6. 6. Nível intermediário Elementos que podem compor um texto:  Quem?  O que?  Quando?  Onde?  Como?  Por quê?
  7. 7. Nível intermediário Os sujeitos se relacionam entre si em busca de determinados objetos. Tais objetos também são conhecidos como objetos de desejo ou objetos-valor e podem aparecer como algo concreto (prático) ou abstrato (mítico). Prático: uma jóia, casa, dinheiro Mítico: sucesso, poder, status
  8. 8. Essas relações podem ser conflituosas ou amistosas. Os conflitos podem advir do choque de classes, dos interesses que separam o público do privado, das regras que regem as instituições e os indivíduos, etc.
  9. 9. Nível profundo Qualquer tipo de texto carrega em si temas, que aparecem recobertos por elementos figurativos. Esses temas se organizam em torno de um tema mais abrangente que lhes dá unidade, coesão. Chamamos a isso unidade temática.
  10. 10. Tema 01 Abuso de poder Tema 02 Subversão Elementos figurativos  policiais, grandes, uniformizados, à direita,  crianças de fralda, chupeta, no paredão, de costas, à esquerda. Elementos figurativos  expressão facial de desforra do bebê, fralda suja,  mãos sujas do policial, expressão de nojo.
  11. 11. Tema 03 Inocência Tema 04 Culpa Elementos figurativos  olhar dos dois bebês, “cabelos” domados Elementos figurativos  olhar do terceiro bebê, cabelo em pé, fralda suja. Tema aglutinador Despreparo da instituição para cuidar do cidadão comum Elementos figurativos  fala do policial, postura deselegante, escrita irregular
  12. 12. O Boi (Carlos Drummond de Andrade) Ó solidão do boi no campo, ó solidão do homem na rua! Entre carros, trens, telefones, Entre gritos, o ermo profundo. Ó solidão do boi no campo, Ó milhões sofrendo sem praga! Se há noite ou sol, é indiferente, A escuridão rompe com o dia. Ó solidão do boi no campo, Homens torcendo-se calados! A cidade é inexplicável E as casas não têm sentido algum. Ó solidão do boi no campo! O navio-fantasma passa Em silêncio na rua cheia. Se uma tempestade de amor caísse! As mãos unidas, a vida salva... Mas o tempo é firme. O boi é só. No campo imenso a torre de petróleo.
  13. 13. Dante e Virgílio chegam ao segundo círculo “E como o sol aos cegos não se ostenta, Assim também às sombras que alivia, Não mais do céu a luz olhos alenta. Fio de ferro as pálpebras prendia A todas, como ao gavião selvage Para domar-lhe a condição bravia.” (Divina Comédia, Dante)
  14. 14. Canecas, Bispo do Rosário
  15. 15. Bicho de Sete Cabeças (Zeca Baleiro) Não dá pé Não tem pé, nem cabeça Não tem ninguém que mereça Não tem coração que esqueça Não tem jeito mesmo Não tem dó no peito Não tem nem talvez ter feito O que você me fez desapareça Cresça e desapareça... Não tem dó no peito Não tem jeito Não tem ninguém que mereça Não tem coração que esqueça Não tem pé, não tem cabeça Não dá pé, não é direito Não foi nada Eu não fiz nada disso E você fez Um Bicho de Sete Cabeças... Não dá pé Não tem pé, nem cabeça Não tem ninguém que mereça (Não tem ninguém que mereça) Não tem coração que esqueça (Não tem pé, não tem cabeça) Não tem jeito mesmo Não tem dó no peito (Não dá pé, não é direito) Não tem nem talvez ter feito (Não foi nada, eu não fiz nada disso) O que você me fez desapareça (E você fez um) Cresça e desapareça... (Bicho de Sete Cabeças) Bicho de Sete Cabeças! Bicho de Sete Cabeças! Bicho de Sete Cabeças!
  16. 16. Acordei bemol (Paulo Leminski) acordei bemol tudo estava sustenido sol fazia só não fazia sentido

×