Pequena contribuição à história dos jogos e brincadeiras

11.846 visualizações

Publicada em

slides sobre jogos e brincadeiras

Publicada em: Educação
0 comentários
3 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
11.846
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
24
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
287
Comentários
0
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Pequena contribuição à história dos jogos e brincadeiras

  1. 1.  Graças ao diário do médico Heroard, podemosimaginar como era a vida de uma criança no inicio doséculo XVII, como eram suas brincadeiras, e a queetapas de seu desenvolvimento físico e mental cadauma delas correspondia. Embora essa criança fosse um Delfim de França, ofuturo Luis XIII, seu caso permanece típico, pois nacorte de Henrique IV as crianças reais, legitimas oubastardas, recebiam o mesmo tratamento que todasas outras crianças nobres, não existindo ainda umadiferença absoluta entre os palácios reais e oscastelos fidalgos.
  2. 2.  Luis XIII nasceu a 27 de setembro de 1601. Seu médicoHeroard deixou-nos um registro minucioso de todos osseus feitos e gestos. Com um ano e cinco meses, Heroard registra que omenino "toca violino e canta ao mesmo tempo". Antes, elese contentava com os brinquedos habituais dospequeninos, como o cavalo de pau, o cata- vento ou opião. Com um ano e meio, porém, já lhe colocam um violino nasmãos: o violino ainda não era um instrumento nobre, era arebeca que acompanhava as danças nas bodas e nasfestas das aldeias. De toda forma, percebe-se aimportância do canto e da música nessa época.
  3. 3.  Com um ano e dez meses, somos informados de que o Delfim"continua a tocar seu pequeno tambor, com todos os tipos detoques": cada companhia tinha seu tambor e sua marchaprópria. Começam a lhe ensinar a falar: "Fazem-no pronunciaras silabas separadamente, antes de dizer as palavras. O menino tem apenas dois anos, e eis que, "levado ao gabinetedo Rei, dança ao som do violino todos os tipos de danças". Maisuma vez observamos a precocidade da música e da dança naeducação dos meninos dessa época. Na noite de Natal de 1604, aos três anos, o Delfim participa dafesta e das comemorações tradicionais. "Antes da ceia, ele viu aacha de Natal ser acesa, e dançou e cantou pela chegada doNatal." Ganha alguns presentes: uma bola e algumas"quinquilharias italianas", entre as quais uma pomba mecânica,brinquedos destinados tanto à Rainha quanto a ele.
  4. 4.  Ele ia fazer quatro anos dentro de poucos dias e já sabia aomenos o nome das cordas do alaúde, que era um instrumentonobre: "Ele toca com a ponta dos dedos nos lábios dizendo: estaé a baixa". Nessa época, o Delfim começa a aprender a ler. Aos três anos ecinco meses, "ele gosta de um livro com as figuras da Bíblia: suaama lhe nomeia as letras e ele as conhece todas".Ensinam-lhe aseguir as quadras de Pibrac, regras de etiqueta e de moralidadeque as crianças tinham de aprender de cor. A partir dos quatro anos, começa a aprender a escrever: seumestre é um clérigo da capela do castelo chamado Dumont. "Elemandou trazer sua escrivaninha para a sala de jantar, paraescrever sob a orientação de Dumont, e disse: - Estouescrevendo meu exemplo e estou indo para a escola”.
  5. 5.  Aos quatro anos e meio, "ele vestiu uma máscara, foi aos aposentos do Reipara dançar um bale, e recusou-se a tirar a máscara, não querendo serreconhecido". Muitas vezes ele se fantasia de "camareira da Picardia", depastora ou de menina (ainda usava a túnica dos meninos). "Apos a ceia,assistiu à dança ao som das canções de um certo Laforest", um soldado-coreógrafo, também autor de farsas. Cada vez mais, o Delfim se mistura com os adultos e assiste a seusespetáculos. Ele tem cinco anos. "Foi levado ao pátio atrás do canil (emFontainebleau) para assistir a uma luta entre os bretões que trabalhavamnas obras do Rei." "Foi levado ate o Rei no salão de baile para ver os cãeslutando com os ursos e o touro." "Foi ao pátio coberto do jogo da péla paraassistir a uma corrida de texugos." E, acima de tudo, ele participa dosbalés. Aos seis anos, um escrevente profissional substitui o clérigo da capela:"Ele escreveu seu exemplo. Beaugrand, o escrevente do Rei, mostrou-lhecomo escrever”. Joga o jogo dos ofícios e brinca de mímica, jogos de salãoque consistiam em adivinhar as profissões e as histórias que eramrepresentadas por mímica. Essas brincadeiras também eram brincadeirasde adolescentes e de adultos.
  6. 6.  As coisas mudam quando ele se aproxima de seu sétimoaniversário: abandona o traje da infância e sua educação éentregue então aos cuidados dos homens; ele deixa"Mamangas", Mme de Montglas, e passa àresponsabilidade de M. de Soubise. Tenta-se então fazê-lo abandonar os brinquedos daprimeira infância, essencialmente as brincadeiras debonecas: "Não deveis mais brincar com essesbrinquedinhos (os brinquedos alemães), nem brincar decarreteiro: agora sois um menino grande, não sois maiscriança". Ele começa a aprender a montar a cavalo, a atirar e acaçar. Joga jogos de azar: "Ele participou de uma rifa eganhou uma turqueza".
  7. 7. Ele agora tem mais de nove anos: "Após a ceia, foiaos aposentos da Rainha, brincou de cabra-cega efez com que a Rainha, as princesas e as damasbrincassem também". Com um pouco mais de 13 anos, ainda brinca deesconder. Um pouco mais de bonecas e debrinquedos alemães antes dos sete anos, um poucomais de caça, cavalos, armas e talvez teatro apósessa idade: a mudança se faz insensivelmente nessalonga sequência de divertimentos que a criança tomaemprestada dos adultos ou divide com eles.
  8. 8.  Essa ambiguidade da boneca e da réplica persistiria durante aIdade Média, por mais tempo ainda no campo: a boneca eratambém o perigoso instrumento do feiticeiro e do bruxo. No século XIX, o bibelô tornou-se um objeto de salão, de vitrina,mas continuou a ser a redução de um objeto familiar: umacadeirinha, um movelzinho ou uma louça minúscula, que jamaisse destinaram às brincadeiras de crianças. Nesse gosto pelo bibelô devemos reconhecer umasobrevivência burguesa da arte popular dos presépios italianosou das casas alemãs. Ainda em 1747, Barbier escreve. "Inventaram-se em Paris unsbrinquedos chamados fantoches... O teatro de marionetes parece ter sido uma outra manifestaçãoda mesma arte popular da ilusão em miniatura, que produziu asquinquilharias alemãs e os presépios napolitanos.
  9. 9.  Os meninos brincavam com as meninas. Dentro doslimites da primeira infância, a discriminação modernaentre meninas e meninos era menos nítida: ambos ossexos usavam o mesmo traje, o mesmo vestido. A infância tornava-se o repositório dos costumesabandonados pelos adultos. Por volta de 1600, a especialização das brincadeirasatingia apenas a primeira infância, depois dos três ouquatro anos, ela se atenuava e desaparecia. Em geral eram jogos de cavalaria, como a caça, mashavia também jogos populares.
  10. 10.  A criança desempenhava aqui mais uma vezum dos papéis essenciais previstos pelatradição: as refeições de família. Hoje em dia não temos mais idéia do lugar quea música e a dança ocupavam na vidaquotidiana. As crianças praticavam a músicamuito cedo.A mesma precocidade é observadana prática da dança.
  11. 11.  Qual era a atitude moral tradicional comrelação jogos, brincadeiras e divertimentos, que ocupavam um lugar tãoimportante nas sociedades antigas?
  12. 12.  De um lado, os jogos eram todos admitidossem reservas nem discriminação pela grandemaioria. Por outro lado, e ao mesmo tempo,uma minoria poderosa e cuIta de moralistasrigorosos os condenava quase todos de formaigualmente absoluta, e denunciava suaimoralidade, sem admitir praticamentenenhuma exceção. A indiferença moral da maioria e a intolerânciade uma elite educadora coexistiram durantemuito tempo.
  13. 13.  Ao longo dos séculos XVII e XVIII, porém,estabeleceu-se um compromisso que anunciava aatitude moderna com relação aos jogos,fundamentalmente diferente da atitude antiga: A utilidade social dos jogos de azar: cartas. Os jogos esportivos são belos de se ver, mas malapropriados para se ganhar dinheiro:dados Em benefício do cálculo e do esforço intelectual dojogador: dessa forma, certos jogos de cartas ou de xadrez. Exercícios físicos não são tanto os jogos, e simtodos os trabalhos manuais tarefas domésticas.
  14. 14.  Daí as inúmeras cenas de crianças jogandocartas, dados, gamão etc., que a arteconservou até nossos dias.
  15. 15.  O jogo sob todas as suas formas -o esporte, o jogo de salão, o jogode azar - ocupava um lugarimportantíssimo, que se perdeuem nossas sociedades técnicas,mas que ainda hoje encontramosnas sociedades primitivas ouarcaicas : quadras de péla, assalas de bilhar e as pistas deboliche.
  16. 16.  Os humanistas do Renascimento, em sua reaçãoantiescolástica, já haviam percebido aspossibilidades educativas dos jogos. Mas foramos colégios jesuítas que impuseram pouco apouco às pessoas de bem e amantes da ordemuma menos radical com relação aos jogos. Assim disciplinados, os divertimentosreconhecidos como bons foram admitidos erecomendados, e considerados a partir de entãocomo meios de educação tão estimáveis quantoos estudos.
  17. 17.  Admitiu-se cada vez mais a necessidade dosexercícios físicos. No fim do século XVIII, os jogos de exercíciosreceberam uma outra justificativa, desta vez patriótica:eles preparavam os rapazes para a guerra.Compreenderam-se então os benefícios que aeducação física podia trazer a instrução militar. Nessaépoca, que assistiu ao nascimento dos nacionalismosmodernos, o treinamento do soldado tornou-se umatécnica quase cientifica. Estabeleceu-se umparentesco entre os jogos educativos dos jesuítas, aginástica dos médicos, o treinamento do soldado e asnecessidades do patriotismo.
  18. 18.  No fim da Idade Média,os jogos de desafioestavam em grande moda. Esse tipo de brincadeira se originou nos costumesda corte. Em seguida passou para a cançãopopular e para as brincadeiras infantis. Mas osadultos e os jovens que já haviam deixado ainfância não abandonavam inteiramente essesjogos.
  19. 19.  Uma estampa de Epinal do século XIX, representaainda esses mesmos jogos, mas se intitula "Jogos deOutrora", o que indica que a moda começava aabandoná-los e que eles se tornavam provincianos,quando não infantis ou populares: a cabra-cega, ojogo do assobio, a faca na bacia com água, oesconde-esconde, o passarinho voa, o cavaleirogentil, o homem que não ri, o pote do amor, orabugento, a berlinda, o beijo embaixo do castiçal, oberço do amor. Alguns desses jogos se tornariam brincadeiras decriança, enquanto outros conservariam o caráterambíguo e pouco inocente que outrora fizera com quefossem condenados pelos moralistas.
  20. 20.  Na primeira metade do século XVII. Sorel distingue asbrincadeiras de salão dos "jogos de exercício" e dos "jogosde azar". Os dois últimos são "comuns a todo tipo de pessoa, nãosendo menos praticados pelos criados do que pelossenhores, são tão fáceis para as pessoas ignorantes egrosseiras como para as pessoas cultas e sutis". Os jogos desalão, ao contrário, são jogos de espírito e de conversação". Em principio, "eles só podem agradar a pessoas de boacondição, educadas na civilidade e na galanteria, capazes decompor discursos e réplicas, cheias de julgamento e saber, enão podem ser jogados por outros".Na realidade, porém,nessa época, os jogos de salão também eram comuns àscrianças e ao povo, às "pessoas ignorantes e grosseiras"..
  21. 21.  No século XVII, havia uma distinção entre os jogos dos adultos edos fidalgos, e os jogos das crianças e dos vilões. A distinção era antiga e remontava à Idade Média. Mas na IdadeMedia, a partir do século XII, ela se aplicava apenas a certos jogos,pouco numerosos e muito particulares: os jogos de cavalaria. Antesdisso, antes da constituição definitiva da idéia de nobreza, os jogoseram comuns a todos, independentemente da condição social. Partimos de um estado social em que os mesmos jogos ebrincadeiras eram comuns a todas as idades e a todas as classes.O fenômeno que se deve sublinhar é o abandono desses jogospelos adultos das classes sociais superiores, e, simultaneamente,sua sobrevivência entre o povo e as crianças dessas classesdominantes. É notável que a antiga comunidade dos jogos se tenha rompido aomesmo tempo entre as crianças e os adultos e entre o povo e aburguesia. Essa coincidência nos permite entrever desde já umarelação entre o sentimento da infância e o sentimento de classe.

×