Aluna: Talissa Ferreira LealOrientador: Msc. Guilherme DiasBanca Examinadora: Msc. Carlos Frederico Coelho                ...
   Fatos e dados empíricos   Pré-sal: A grande descoberta   A esperança brasileira de se tornar um Global-player e    G...
Especialização                               Ricardiana em                                 Vantagens                      ...
“O petróleo é 10 por cento de economia e 90 por cento de    política”. YERGIN, D. 2003, p. 331 (apud SÉBILE-LOPEZ, 2006) ...
   Dados relevantes da história econômica e industrial    holandesa   A atual e desenvolvida economia holandesa   A des...
A participação percentual das exportações deHistórico da taxa cambial do Florim em relação   bens e serviços no PIB holand...
   Antecedentes históricos da economia e indústria brasileira   A descoberta do Pré-sal   O Novo Marco Regulatório   O...
Discurso do governo para a defesa da indústria   A Participação das exportações de bens e serviçoscontra a Doença Holandes...
   Problema:    “As condições existentes na Holanda dos anos de 1960, 1970    e 1980 são as mesmas encontradas no Brasil ...
   Ainda é prematuro o julgamento crítico de equivalência da Doença    Holandesa dos Países Baixos entre as décadas de 19...
Doença Holandesa e Pré-sal
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Doença Holandesa e Pré-sal

621 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
621
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
4
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Doença Holandesa e Pré-sal

  1. 1. Aluna: Talissa Ferreira LealOrientador: Msc. Guilherme DiasBanca Examinadora: Msc. Carlos Frederico Coelho Msc. Juliana Benício
  2. 2.  Fatos e dados empíricos Pré-sal: A grande descoberta A esperança brasileira de se tornar um Global-player e Global-trader de maior relevância Da euforia à realidade A Doença Holandesa: introdução histórico-conceitual-Reservas do Mar do Norte-
  3. 3. Especialização Ricardiana em Vantagens Comparativas Altas exportações de Dano à indústria Recursos nacional Naturais – sem valor agregadoQueda das Apreciaçãoexportações cambial gerais Perda de Aumento das competitividade importações no mercado gerais internacional
  4. 4. “O petróleo é 10 por cento de economia e 90 por cento de política”. YERGIN, D. 2003, p. 331 (apud SÉBILE-LOPEZ, 2006) A importância do estudo da Economia Política Internacional O estudo político-econômico direcionado aos países subdesenvolvidos da América Latina: CEPAL A defesa do controle estatal na economia para a ascensão no cenário e mercado internacional Contraposição com o liberalismo O conceito de desindustrialização Nova teoria nacional da macroeconomia do desenvolvimento
  5. 5.  Dados relevantes da história econômica e industrial holandesa A atual e desenvolvida economia holandesa A descoberta das jazidas de Gás Natural e a análise empírica da Doença Holandesa na economia dos Países Baixos Da Doença Holandesa ao Milagre holandês -Moderação salarial, redução de carga fiscal industrial e despesas públicas e diminuição das políticas de bem-estar-social
  6. 6. A participação percentual das exportações deHistórico da taxa cambial do Florim em relação bens e serviços no PIB holandês no período 1960 àao Dólar 1997ƒ 4.00ƒ 3.50ƒ 3.00ƒ 2.50ƒ 2.00ƒ 1.50 1950 1951 1952 1953 1954 1955 1956 1957 1958 1959 1960 1961 1962 1963 1964 1965 1966 1967 1968 1969 1970 1971 1972 1973 1974 1975 1976 1977 1978 1979 1980 1981 1982 1983 1984 1985 1986 1987 1988 1989 1990 A derrocada do emprego industrial na Holanda dos anos 1960 e 1970
  7. 7.  Antecedentes históricos da economia e indústria brasileira A descoberta do Pré-sal O Novo Marco Regulatório O novo sistema de Partilha, a criação da Petro-sal e o Fundo Social Soberano Análises de discursos do governo brasileiro em relação ao Pré-sal O debate sobre a presença da Doença Holandesa no Brasil
  8. 8. Discurso do governo para a defesa da indústria A Participação das exportações de bens e serviçoscontra a Doença Holandesa nos PIBs brasileiro, holandês e mundial Taxa de câmbio nominal: a desvalorização do US$ comercial
  9. 9.  Problema: “As condições existentes na Holanda dos anos de 1960, 1970 e 1980 são as mesmas encontradas no Brasil a partir de 2008, especialmente no que se refere ao petróleo do Pré- sal?” Hipótese 1: “O país vivencia um cenário de desindustrialização, pois perde participação dos bens e serviços comercializáveis no PIB e possui elevada apreciação cambial desde 2008.” Hipótese 2: “O sistema de Partilha é uma maneira de salvaguardar a maioria dos lucros advindos dos poços do Pré- sal, descobertos a partir de 2008 como propriedades do Estado brasileiro.”
  10. 10.  Ainda é prematuro o julgamento crítico de equivalência da Doença Holandesa dos Países Baixos entre as décadas de 1960 e 1980, exatamente por que o petróleo do Pré-sal ainda não foi exportado e mesmo que haja comprovações de um cenário de desindustrialização, provenientes da perda de participação da exportação dos bens e serviços comercializáveis no PIB e a elevada apreciação cambial desde 2008, entende-se que essa desindustrialização não pode ser atribuída à exportação de crude oil do Pré-sal. A hipótese sobre o sistema de Partilha é uma afirmativa verdadeira, pois esse, em todas as regulações busca o maior controle governamental para que maiores lucros sejam adquiridos para a União. O crescimento baseado na exportação de produtos sem valor industrial agregado, como as commodities, não promove mudança estrutural cíclica econômica e também o crescimento especializado estritamente na exportação desses recursos finitos é mais vulnerável às mudanças do mercado internacional e a conduta da demanda externa.

×