PROJETO ESTUDO DO MEIO NO DIQUE DO TORORÓ:
UMA EXPERIÊNCIA NO
PIBID GEOGRAFIA/UFBA
Ana Lúcia Araújo
Cássio Santos
Cristian...
desenvolvimento de um olhar crítico e investigativo sobre a aparente
naturalidade do viver social. (LOPES e PONTUSCHKA, 20...
orientação geográfica para que pudessem ler o mapa e então descobrissem a nossa
próxima parada. Levamos fotografias aéreas...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Resumo vii semin+írio pibid projeto estudo do meio no dique do toror+ô

399 visualizações

Publicada em

Artigo para o VII Seminário PIBID/UFBA – com o tema - “PROJETO ESTUDO DO MEIO NO DIQUE DO TORORÓ: Uma Experiência no PIBID Geografia/UFBA”.

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
399
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
9
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Resumo vii semin+írio pibid projeto estudo do meio no dique do toror+ô

  1. 1. PROJETO ESTUDO DO MEIO NO DIQUE DO TORORÓ: UMA EXPERIÊNCIA NO PIBID GEOGRAFIA/UFBA Ana Lúcia Araújo Cássio Santos Cristiane Araújo Louise Nobre Tainá Cruz Zenildes Protázio Subprojeto de Geografia1 - Colégio Estadual da Bahia- Central alom62@hotmail.com. cassio.santos.silva@hotmail.com; cris_araujo2012@yahoo.com.br; lounobre@gmail.com; tynna_wm@hotmail.com; zenildessantos@gmail.com INTRODUÇÃO E PERÍODO DE REALIZAÇÃO Neste texto serão apresentadas as atividades que estão sendo desenvolvidas no Colégio Estadual Bahia – Central a partir da ação “Estudo do Meio no Dique do Tororó”. OBJETIVO Essa ação tem como objetivo analisar e compreender as ações antrópicas no meio ambiente, bem como as mudanças espaciais advindas do processo de urbanização ao longo do tempo no Dique do Tororó e seu entorno. REFERENCIAL TEÓRICO A equipe utilizou como referencial o texto “Estudo do Meio: teoria e prática”, dos autores Claudivan Sanches Lopes e Nídia Nacib Pontuschka, pois corrobora com a opinião dos autores. A importância deste método de ensino evidencia-se neste trecho: O Estudo do Meio pode ser compreendido como um método de ensino interdisciplinar que visa proporcionar aos alunos e aos professores o contato direto com determinada realidade, um meio qualquer, rural ou urbano, que se decida estudar. Esta atividade pedagógica se concretiza pela imersão orientada na complexidade de um determinado espaço geográfico, do estabelecimento de um diálogo inteligente com o mundo, com o intuito de verificar e de produzir novos conhecimentos. Entende-se, e este é o objetivo deste trabalho, que a realização dos Estudos do Meio em todos os níveis de ensino, mas particularmente na educação básica, pode tornar mais significativo o processo ensino-aprendizagem e proporcionar aos seus atores o 1 Coordenadores do PIBID subprojeto Geografia: Prof. Dr. Wendel Henrique Baumgartner e Profa. MSc.Érika do Carmo Cerqueira.
  2. 2. desenvolvimento de um olhar crítico e investigativo sobre a aparente naturalidade do viver social. (LOPES e PONTUSCHKA, 2009) A partir da discussão teórica, compreendemos que os alunos do ensino básico devem ser incentivados a estudar Geografia in loco, no seu dia a dia. Por este motivo escolhemos o Dique do Tororó como espaço de realização da ação, pois ele faz parte do cotidiano dos alunos do Colégio Central, que em sua maioria deslocam-se pela área para chegar à escola. Além do papel de estimular o olhar crítico sobre o espaço através de atividades pré e pós aula de campo, o Estudo do Meio pode trabalhar as emoções dos alunos a partir das memórias sobre a área de estudo, a interação com os colegas, as lições de cidadania e os conteúdos de Geografia. METODOLOGIA As atividades para as três turmas de terceiro ano do Ensino Médio que tem participação dos alunos do Pibid, foram iniciadas no mês de Julho. No primeiro contato foi apresentado aos alunos a ideia do Estudo do Meio e qual a sua importância no ensino de Geografia, bem como a área escolhida e as atividades que seriam solicitas ao longo da unidade. Para tornar o estudo mais dinâmico e participativo, dividimo-los em cinco matrizes de observação: Histórico do Dique e seu entorno; Urbanização; Impactos Ambientais; Utilização do Espaço; Transformações na Paisagem. Além da divisão das matrizes, nós fizemos uma visita pré-campo para definição do roteiro, elaboramos mapa para os alunos contendo a área de estudo e as paradas para explanação de cada bolsista, e pesquisamos fotografias aéreas e imagens antigas para mostrar aos alunos no dia da visita. A primeira intervenção foi sobre o histórico, e preparamos uma apresentação com imagens antigas e atuais do Dique do Tororó. Nós destacamos as funções do passado e do presente para que os alunos observassem que a paisagem no entorno passou por transformações. A partir desta intervenção, solicitamos dos alunos um registro, poderia ser uma redação, um desenho ou uma matéria de jornal, sobre o Dique que tivesse relação com memórias do passado. O objetivo da tarefa era de estimular o resgaste das memórias sobre o Dique do Tororó e fazer com que refletissem sobre o olhar que eles tinham e tem acerca da área de estudo, pois isto provocaria um diálogo envolvendo teoria e prática. Após a realização da primeira atividade com os alunos sobre o Dique do Tororó, fomos ao campo. No caminho a pé para o Dique do Tororó, os alunos logo relembraram os questionamentos sobre o relevo da cidade abordado nas aulas. A discussão da primeira parada foi sobre as funções do Dique desde o século XVIII e as mudanças ao longo do tempo, até se tornar um espaço público, uma área de lazer. Trabalhamos também
  3. 3. orientação geográfica para que pudessem ler o mapa e então descobrissem a nossa próxima parada. Levamos fotografias aéreas para que os alunos pudessem observar a evolução da ocupação urbana e o desmatamento de áreas verdes no entorno do Dique. Em uma parada estratégica observamos dois exemplos de ocupação urbana: a sem planejamento e a planejada, respectivamente o Jardim Baiano (bairro de Nazaré) de um lado e o Engenho Velho de Brotas, de outro. Por fim, buscamos uma discussão sobre o Dique como um espaço público e explicamos a segunda atividade, um questionário contendo perguntas sobre acessibilidade, segurança e manutenção, entre outros. Esta atividade será retomada até o fim do ano, em na sala de aula, para analisarmos o perfil do frequentador do Dique. As questões culturais permearam a nossa visita e foi o que essencialmente esperávamos despertar nos alunos, uma visão interdisciplinar do meio estudado, tendo a Geografia como ponto de partida e de chegada. Todos os alunos fizeram o descarte das embalagens do lanche em lixeiras e discutimos sobre o descarte do lixo. Por fim, voltamos para o colégio. CONSIDERAÇÕES FINAIS Após finalizarmos as atividades no Dique, as próximas atividades serão em sala de aula e os alunos elaborarão charges e paródias em equipes. No final da unidade, um mural será confeccionado pelas três turmas, que irão expor as atividades desenvolvidas ao longo do projeto e as fotos da saída de campo. Toda a comunidade escolar poderá apreciar a exposição. O estudo até então tem se mostrado relevante para nós bolsistas e para a supervisora, bem como para os alunos. De acordo com o diálogo sobre atuação do PIBID em sala, os estudantes têm se sentido estimulados a pensar e estudar a Geografia de forma integrada, que é o objetivo do Estudo do Meio e do nosso grupo neste projeto. REFERÊNCIAS CAVALCANTI, Lana. de S. A geografia escolar e a cidade: ensaios sobre o ensino de geografia para a vida urbana cotidiana. Campinas (SP): Papirus, 2008. LOPES, Claudivan S.; PONTUSCHKA, Nídia N. Estudo do Meio: teoria e prática. Geografia (Londrina), v. 18, p. 173-191, 2009. Disponível em: <http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/geografia/article/viewFile/2360/3383> Acesso em 12 /jul/ 2014. VERGER, Pierre. Imagens Dique do Tororó. Fundação Pierre Verger. Disponível em: < http://www.pierreverger.org/br/>. Acesso em 11/jul/2014.

×