O Modelo de Auto-Avaliação assenta, na sua concepção e metodologia de aplicação, na apropriação da biblioteca escolar pela...
Fórum 2
Fórum 2
Fórum 2
Fórum 2
Fórum 2
Fórum 2
Fórum 2
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Fórum 2

186 visualizações

Publicada em

  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Fórum 2

  1. 1. O Modelo de Auto-Avaliação assenta, na sua concepção e metodologia de aplicação, na apropriação da biblioteca escolar pela escola e no reconhecimento do seu valor, enquanto estrutura de apoio pedagógico ao serviço das aprendizagens. Procure os factores críticos de sucesso que correspondem a estes domínios/ subdomínios e, a partir deles, faça uma análise à situação da sua biblioteca escolar. Identifique pontos fracos e fortes e delineie estratégias que conduzam a uma maior apropriação e reconhecimento do valor da BE.Depois desta análise, identifique o domínio que requer mais atenção e que em função de mais algumas circunstâncias contextuais deva ser objecto de avaliação.Obs: - A tabela divide-se, por conveniência de gestão de espaço, em duas partes. <br />Professora Bibliotecária (PB) a exercer funções numa Biblioteca Escolar (BE) de 1º Ciclo<br />Tabela – Parte 1IndicadoresPontos fortesPontos fracosA - Articulação curricular da biblioteca escolar com as estruturas de coordenação e supervisão pedagógica e com os docentes.A coordenadora dos PB tem lugar no conselho pedagógico, a fim de integrar a BE no projecto educativo, no regulamento interno e nos planos anual e plurianual de actividades;A PB reúne com os docentes para conhecer os diferentes currículos, programas e orientações curriculares, visando integrar as actividades da BE nas suas planificações;A BE colabora com a coordenadora da escola e todos os outros docentes com o objectivo de conhecer os diferentes projectos curriculares e de se envolver no planeamento das respectivas actividades, estratégias e recursos. A PB reúne com professores para programar e incluir materiais e o espaço da BE na actividade das áreas curriculares não disciplinares; O espaço da BE nem sempre é rentabilizado pelos docentes no âmbito das suas actividades educativas/lectivas;Insuficiente articulação com as áreas curriculares no campo do desenvolvimento de competências de localização, análise, síntese, aplicação e avaliação das aprendizagens;A - Promoção das literacias da informação, tecnológica e digitalA BE promove actividades de formação de utilizadores com turmas e com docentes, no início do ano lectivo;Produção e partilha de materiais com outras escolas e BE;São produzidos materiais em colaboração com os professores, atendendo ao nível de escolaridade dos alunos e às suas competências;A BE promove o projecto “Monitores da BE”, onde os alunos do 4º ano realizam algumas tarefas de PB no período do intervalo;A BE apoia os docentes no desenvolvimento de programas e projectos curriculares de acção, inovação pedagógica e formação existentes na escola. Por vezes, sente-se necessidade de fazer mais actividades de formação de utilizadores, ao longo do ano lectivo;Aumentar o nível de incorporação das TIC nos serviços informativos e educativos oferecidos pela BE. (existem poucos computadores e esta é uma área muito pouco utilizada, face às “ofertas” dos dias de hoje);Produzir guiões e outros materiais de apoio à pesquisa e utilização da informação pelos alunos;B - Leitura e literaciaA BE promove contactos com professores para tentar adequar a colecção aos currículos e necessidades dos alunos;A BE promove o projecto “Mini Biblioteca”, disponibilizando livros para serem utilizados na sala de aula;A BE organiza, coordena e participa em actividades relacionadas com a promoção da leitura: feira do livro, encontro com escritores/ilustradores, visitas à Biblioteca Municipal, criação de concursos, elaboração do jornal escolar, celebração de efemérides, comemoração de dias nacionais/internacionais, a semana da leitura, elaboração do jornal escolar, etc.;A BE incentiva e premeia a leitura e os melhores leitores, no final do ano lectivo;Fraca adesão dos pais/encarregados de educação nas actividades de leitura promovidas pela BE;Falta de aproveitamento dos recursos existentes na BE, por parte de alguns docentes;A BE não é reconhecida, por todos os docentes, como um espaço aberto e com recursos capazes de facilitar as aprendizagens e o sucesso dos alunos;Os alunos não conseguem respeitar algumas das regras do espaço da BE;C - Apoio a actividades livres, extra-curriculares e de enriquecimento curricular.A BE promove várias iniciativas de carácter lúdico e cultural: exposições, feira do livro, concursos, jogos, peddy-papers, celebração de efemérides, etc.;A PB participa com regularidade nas reuniões de trabalho concelhias ou interconcelhias promovidas pela BM/ Serviço de Apoio às Bibliotecas Escolares (SABE) e RBE; A BE desenvolve projectos ou actividades continuadas com os pais e encarregados de educação; Fraca adesão dos pais/encarregados de educação nas iniciativas promovidas;Fundo documental a precisar de ser renovado e reforçado;Falta de verba para equilíbrio orçamental;Carência dos alunos proporem e organizarem autonomamente projectos e actividades;C - Projectos e parceriasA BE promove e participa em projectos em parceria com o agrupamento; A BE desenvolve actividades e participa em projectos de diferentes entidades: CM, Biblioteca Municipal, Junta de Freguesia, Associações, etc;A BE desenvolve actividades e projectos comuns com outras escolas, agrupamento e BE;A BE promove a itinerância do fundo documental com outras escolas do agrupamento;A PB reúne com docentes do agrupamento, outras escolas e BE, programando e partilhando experiências;A CM nem sempre disponibiliza o transporte para que os alunos possam ir à BM participar em actividades. O custo do transporte público, por vezes, fica muito dispendioso;D - Articulação da biblioteca com a escola. Acesso e serviços prestados pela bibliotecaO coordenador dos PB do agrupamento tem acento no Conselho Pedagógico;A BE está contemplada no regulamento interno;A BE define os seus objectivos de acordo com o projecto curricular de escola e projectos curriculares de turma;O PAA da BE é programado de acordo com os documentos orientadores do agrupamento e/ou escola;Fraca capacidade dos docentes considerarem a BE uma mais-valia na prática pedagógica;Prática educativa centrada na sala de aula;A PB, para alguns docentes, só vai “exigir” mais trabalho e “desperdício de tempo”;D - Condições humanas e materiais para a prestação dos serviçosSão atribuídas verbas para aquisição de livros do PNL;A PB recorre a diferentes meios para promover recursos e actividades que realiza;Promove actividades envolvendo toda a comunidade escolar;A PB exerce a maior parte do seu trabalho numa só BE;A BE oferece diferentes projectos ao longo do ano lectivo (planificados em articulação com os docentes da escola);A BE faz avaliação das suas actividades;É elaborado um relatório mensal sobre as actividades da BE que é divulgado no Conselho Pedagógico;A PB revela um papel de liderança forte e eficaz;A PB participa em reuniões e planifica actividades em articulação com os docentes;A PB possui formação e competências adequadas ao seu conteúdo funcional, nos termos da legislação vigente;A PB forma os alunos para o uso da BE, para as diferentes literacias e acompanha-os em trabalho orientado na BE;BE dotada de mobiliário em bom estado e com espaço apelativo;A BE tem internet nos computadores;A BE possui um blogue onde divulga informação;A BE disponibiliza um guião de utilizador a todos os utentes com indicações sobre o recursos da BE, áreas funcionais, horário, regras de utilização, …A PB trabalha articuladamente com outras BE/escolas e com o exterior;O número de funcionárias na escola é escasso; a BE não é uma prioridade;Falta e desinteresse em frequentar formação nesta área, por parte das técnicas operacionais;A BE não está aberta à hora do almoço, por falta de funcionários;A auto-avaliação das actividades também deverá ter em conta a opinião dos colegas e não apenas a dos alunos; O espaço da BE é um pouco reduzido para a realização de trabalhos de grupo ou de ateliês;O número de computadores é escasso para dar resposta às solicitações;D - Gestão da colecção/ da informaçãoPartilha de documentação entre BE;O plano anual de actividades da BE relaciona-se, em termos de objectivos operacionais, com o apoio ao currículo, com o plano anual de actividades da escola e com outros projectos em desenvolvimento;Atribuição de verba para aquisição de material;A PB faz uma avaliação da colecção e reforça as áreas mais carenciadas, de acordo com a verba existente;A PB reúne com os outros docentes para seleccionar materiais a adquirir;Existe requisição domiciliária;OS alunos e professores recorrem ao material da BE;A informação está organizada segundo regras e linguagens normalizadas (na catalogação, classificação e indexação). Situação com o apoio da Biblioteca Municipal (BM);A BE realiza actividades de apresentação/ exposição de livros e outros recursos de informação. Apesar de existir uma Política Documental, esta deverá ser reformulada à realidade actual;Melhorar o fundo documental (muitos dos livros e cassetes de vídeo, por exemplo, estão velhos e pouco apelativos);Fraco número de documentos em suporte digital;A BE não possui catálogo informatizado;<br />Tabela – Parte 2IndicadoresAcções de comunicação e de trabalho com a escola que contribuam para uma melhorar apropriação da BE e reconhecimento do seu valor. A - Articulação curricular da biblioteca escolar com as estruturas de coordenação e supervisão pedagógica e com os docentes.Organizar acções informais de formação sobre a BE junto dos docentes;Apresentar aos docentes sugestões de trabalho conjunto em torno do tratamento de diferentes unidades de ensino e temas, levando-os a perceber que a BE possui muitos recursos, mais do que aqueles que eles imaginam;Reforçar a articulação entre a BE e a sala de aula;Reunir com os docentes das actividades curriculares não disciplinares (com maior frequência) a fim de se encontrarem maior número de recursos, adequados às necessidades sentidas; A PB reúne com as professoras do ensino especial e apoio educativo, no sentido de programar actividades e rentabilizar recursos existentes;A - Promoção das literacias da informação, tecnológica e digitalPromover uma política de escola orientada para o ensino sistemático de competências tecnológicas, digitais e de informação;Aumentar o nível de incorporação das TIC nos serviços informativos e educativos oferecidos pela BE;Aproveitar as reuniões com os professores para promover as tecnologias de informação e comunicação;B - Leitura e literaciaUtilizar a WEB e outras fontes de informação na prospecção e identificação dos interesses dos alunos;Divulgar conteúdos em ambientes digitais, fomentando a sua utilização;Definir prioridades e acções de melhoria, partindo dos resultados analisados em reuniões;C - Apoio a actividades livres, extra-curriculares e de enriquecimento curricular.Melhorar a difusão dos recursos existentes; Melhorar os mecanismos de promoção de marketing da BE, divulgando junto da comunidade educativa;Promover acções de angariação de verbas que permitam um maior equilíbrio nas áreas em deficit;C - Projectos e pareceriasEncontrar soluções junto dos parceiros sociais;Divulgar e promover a BE como determinante no sucesso escolar, de modo a que os pais/encarregados de educação sintam vontade em participar e colaborar na vida dos filhos;D - Articulação da biblioteca com a escola. Acesso e serviços prestados pela bibliotecaFormação a todos os docentes, a nível das BE; Divulgar resultados junto dos órgãos de administração e gestão, pois apoiam o trabalho da BE, a fim de encontrar soluções; Produzir e partilhar materiais usados e produzidos noutras escolas, BE (trabalhando colaborativamente com os professores);D - Condições humanas e materiais para a prestação dos serviçosAfectar uma técnica operacional à BE, disponibilizando mais tempo à PB; D - Gestão da colecção/ da informaçãoMapear e inventariar os recursos existentes (adquirindo recursos nas áreas em deficit);Insistir, mais uma vez, com a BM para que seja instalado o catálogo informatizado;<br />Perante a análise da situação, qual dos domínios lhe parece dever ser já objecto de avaliação? Indique, se necessário outros factores que foram considerados.A BE deve ser um núcleo de organização pedagógica, promovendo acções integradas nas restantes actividades da escola e fazer parte activa dos documentos de referência da escola/agrupamento. Mas não devemos esquecer que “As relações que se estabelecem entre a escola e a biblioteca escolar podem assumir-se como determinantes ou inibidoras do seu sucesso.” É por isso que o papel do PB é importante, e determinantes são também os resultados que surgirão a partir da implementação do MAABE. Ora, avaliar o trabalho da BE afigura-se como uma necessidade pois permite, entre outros aspectos, identificar os pontos fortes e as fraquezas para, mais tarde, analisar e perspectivar melhorias. Implementar o modelo de avaliação pressupõe toda uma dinâmica que irá envolver todos os intervenientes no processo. Assim, desde a divulgação no Conselho Pedagógico, passando pela adesão dos órgãos de gestão, responsáveis por apoiar e criar condições para que o PB e a sua equipa possam dinamizar o processo, até à participação dos professores e alunos, parceiros indispensáveis e essenciais à implementação do modelo de auto-avaliação, há todo um trabalho a ser feito. A implementação do modelo tem como principal objectivo melhorar a qualidade dos serviços prestados pela BE e, simultaneamente, permitir o reconhecimento da BE enquanto espaço de aprendizagem por excelência, promotora do sucesso educativo. O Domínio D pareceu-me ser aquele que deverá ser objecto de avaliação. Provavelmente, a análise dos resultados obtidos, faria com que os órgãos de gestão sentissem necessidade em alterar práticas, contribuindo para um melhor funcionamento da BE na escola. Neste domínio, pareceu-me importante distinguir alguns dos pontos fracos: Parcial adesão dos professores na utilização do espaço da BE. Ainda existem professores que trabalham muito autonomamente e apenas no espaço da sala de aula. Por vezes, ouve-se dizer: “Temos este livro na BE? Não fazia ideia!” Embora, a PB tente divulgar e trabalhar colaborativamente, existe ainda alguma resistência, por parte de alguns colegas.Limitações nos recursos humanos disponíveis. Infelizmente, na escola, foi reduzido o número de técnicas operacionais, o que leva a Direcção a canalizar os recursos para outras áreas. Com certeza que a existência de uma técnica operacional na BE traria maior disponibilidade para a PB organizar e planificar actividades em maior número, envolver-se em mais projectos, etc. Por outro lado, a BE poderia ter um horário de atendimento mais alargado. Tudo isto, para não mencionar a falta de formação nesta área, por parte das técnicas operacionais.Escassa integração das novas tecnologias de informação e comunicação. O número de computadores a funcionar é muito reduzido, face à procura existente. Perante o extraordinário desenvolvimento das tecnologias, a escola não tem conseguido dar resposta, ficando muito aquém do pretendido e daquilo que se poderia fazer junto dos alunos, e até mesmo dos professores. Seria também uma boa oportunidade para melhorar a política de difusão da informação, com o objectivo de divulgar recursos de informação e incentivar o seu uso. Fracos recursos financeiros. O aumento de verbas para o crescimento do acervo da BE seria, sem dúvida, uma mais-valia. Ser capaz de conseguir ampliar a verba para a actualização da colecção, mesmo recorrendo a outros meios (doações, patrocínios, etc.).Inexistência do catálogo informático. Traria uma maior rapidez na pesquisa, na criação de guiões e na realização de inventários, por exemplo.<br />Bibliografia:<br />RBE (2010), Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas Escolares (Outubro.2010)<br />RBE (2010), Para Uma Gestão da Biblioteca do Agrupamento, 2010<br />Texto da Sessão<br />

×