SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 2
Baixar para ler offline
O BOLO-REI
                                            António Torrado
                                             escreveu e
                                    Cristina Malaquias ilustrou




   O      bolo-rei tomava-se muito sério. Não havia
discussão: ele era o rei dos bolos.
   Como tal, quando lhe caiu uma passa da coroa, ordenou
ao bolo-inglês:
   – Traz-me essa passa de volta.
   O bolo-inglês fez-se desentendido e respondeu:
   – Sorry! I don't understand...
   O que queria dizer na dele que pedia desculpa, mas não
tinha entendido.
   Então, o bolo-rei virou-se para um bolo de natas e deu a
mesma ordem. Queria, outra vez, a passa a ornamentar-lhe
a coroa.
   O bolo de natas tinha uma fala atrapalhada, por causa do
excesso de natas.
   – Flá, plefe, pflu, pfló...
                                              1
© APENA - APDD – Cofinanciado pelo POSI e pela Presidência do Conselho de Ministros
Não se percebia nada.
  O bolo-rei, muito irritado, ordenou ao bolo de amêndoa,
que lhe respondeu:
  – Também a mim me caiu uma amêndoa torrada e não
me queixo.
  O bolo-rei, cada vez mais exasperado, deu a mesma
ordem a um pudim de gelatina, mas o pudim de gelatina
era muito frágil, muito nervoso e só tremeu, tremeu,
incapaz de dizer ou fazer o que quer que fosse.
  – São uns rebeldes estes meus súbditos – concluiu, numa
grande exaltação, o bolo-rei. – Condeno-os a que sejam
todos cortados às fatias.
  E assim aconteceu. Mas nem o bolo-rei escapou.


   FIM




                                              2
© APENA - APDD – Cofinanciado pelo POSI e pela Presidência do Conselho de Ministros

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Não abras este livro
Não abras este livroNão abras este livro
Não abras este livroTatianaCarmo4
 
Conto torrado teatro_vem-ai-ze-das-moscas_historias-tradicionais
Conto torrado teatro_vem-ai-ze-das-moscas_historias-tradicionaisConto torrado teatro_vem-ai-ze-das-moscas_historias-tradicionais
Conto torrado teatro_vem-ai-ze-das-moscas_historias-tradicionaisMaria Ferreira
 
Mais Lengalengas
Mais LengalengasMais Lengalengas
Mais LengalengasLuis Rolhas
 
Corre, corre, cabacinha de alice vieira texto integral
Corre, corre, cabacinha de alice vieira   texto integralCorre, corre, cabacinha de alice vieira   texto integral
Corre, corre, cabacinha de alice vieira texto integralBibliotecadaEscoladaPonte
 
Conto torrado trinta-por-uma-linha_18pages
Conto torrado trinta-por-uma-linha_18pagesConto torrado trinta-por-uma-linha_18pages
Conto torrado trinta-por-uma-linha_18pagesRita Arantes
 
Ficha «O príncipe com orelhas de burro» de Adolfo Coelho
Ficha «O príncipe com orelhas de burro» de Adolfo CoelhoFicha «O príncipe com orelhas de burro» de Adolfo Coelho
Ficha «O príncipe com orelhas de burro» de Adolfo CoelhoSilvia Barrocal
 
O beijo da palavrinha mia couto
O beijo da palavrinha mia couto O beijo da palavrinha mia couto
O beijo da palavrinha mia couto Sousa Martins
 
Ficha de avaliação diagnóstica Lp - Príncipe com Orelhas de Burro
Ficha de avaliação diagnóstica Lp  - Príncipe com Orelhas de BurroFicha de avaliação diagnóstica Lp  - Príncipe com Orelhas de Burro
Ficha de avaliação diagnóstica Lp - Príncipe com Orelhas de BurroCentral Didática
 
O H perdeu uma perna
O H perdeu uma pernaO H perdeu uma perna
O H perdeu uma pernaCarla Paias
 
A lenda de arlequim
A lenda de arlequimA lenda de arlequim
A lenda de arlequimcasmaria
 
História do homem biscoito
História do homem biscoitoHistória do homem biscoito
História do homem biscoitobeaet
 
Adivinhas de natal
Adivinhas de natalAdivinhas de natal
Adivinhas de natalaasf
 
A oficina do pai natal- pdf
A oficina do pai natal- pdfA oficina do pai natal- pdf
A oficina do pai natal- pdfIsa Crowe
 
Quem da prenda ao pai natal
Quem da prenda ao pai natalQuem da prenda ao pai natal
Quem da prenda ao pai natalAna Moreira
 

Mais procurados (20)

Não abras este livro
Não abras este livroNão abras este livro
Não abras este livro
 
História de outono
História de outonoHistória de outono
História de outono
 
Conto torrado teatro_vem-ai-ze-das-moscas_historias-tradicionais
Conto torrado teatro_vem-ai-ze-das-moscas_historias-tradicionaisConto torrado teatro_vem-ai-ze-das-moscas_historias-tradicionais
Conto torrado teatro_vem-ai-ze-das-moscas_historias-tradicionais
 
A fada palavrinha
A fada palavrinhaA fada palavrinha
A fada palavrinha
 
Mais Lengalengas
Mais LengalengasMais Lengalengas
Mais Lengalengas
 
Corre, corre, cabacinha de alice vieira texto integral
Corre, corre, cabacinha de alice vieira   texto integralCorre, corre, cabacinha de alice vieira   texto integral
Corre, corre, cabacinha de alice vieira texto integral
 
A Abóbora Gigante
A Abóbora GiganteA Abóbora Gigante
A Abóbora Gigante
 
Conto torrado trinta-por-uma-linha_18pages
Conto torrado trinta-por-uma-linha_18pagesConto torrado trinta-por-uma-linha_18pages
Conto torrado trinta-por-uma-linha_18pages
 
Poemas de Natal
Poemas de NatalPoemas de Natal
Poemas de Natal
 
Ficha «O príncipe com orelhas de burro» de Adolfo Coelho
Ficha «O príncipe com orelhas de burro» de Adolfo CoelhoFicha «O príncipe com orelhas de burro» de Adolfo Coelho
Ficha «O príncipe com orelhas de burro» de Adolfo Coelho
 
O beijo da palavrinha mia couto
O beijo da palavrinha mia couto O beijo da palavrinha mia couto
O beijo da palavrinha mia couto
 
Ficha de avaliação diagnóstica Lp - Príncipe com Orelhas de Burro
Ficha de avaliação diagnóstica Lp  - Príncipe com Orelhas de BurroFicha de avaliação diagnóstica Lp  - Príncipe com Orelhas de Burro
Ficha de avaliação diagnóstica Lp - Príncipe com Orelhas de Burro
 
O H perdeu uma perna
O H perdeu uma pernaO H perdeu uma perna
O H perdeu uma perna
 
Natal nas asas do arco-íris
Natal nas asas do arco-írisNatal nas asas do arco-íris
Natal nas asas do arco-íris
 
A lenda de arlequim
A lenda de arlequimA lenda de arlequim
A lenda de arlequim
 
História do homem biscoito
História do homem biscoitoHistória do homem biscoito
História do homem biscoito
 
Poesias de Natal
Poesias de NatalPoesias de Natal
Poesias de Natal
 
Adivinhas de natal
Adivinhas de natalAdivinhas de natal
Adivinhas de natal
 
A oficina do pai natal- pdf
A oficina do pai natal- pdfA oficina do pai natal- pdf
A oficina do pai natal- pdf
 
Quem da prenda ao pai natal
Quem da prenda ao pai natalQuem da prenda ao pai natal
Quem da prenda ao pai natal
 

Mais de Sílvia Bastos (20)

Pinta os teus direitos
Pinta os teus direitosPinta os teus direitos
Pinta os teus direitos
 
BE AAL
BE AALBE AAL
BE AAL
 
Cartaz feira do livro 2014
Cartaz feira do livro 2014Cartaz feira do livro 2014
Cartaz feira do livro 2014
 
D. inês e d. pedro
D. inês e d. pedroD. inês e d. pedro
D. inês e d. pedro
 
D. inês e d. pedro
D. inês e d. pedroD. inês e d. pedro
D. inês e d. pedro
 
Camões
CamõesCamões
Camões
 
Camões
CamõesCamões
Camões
 
História de Portugal
História de PortugalHistória de Portugal
História de Portugal
 
História de Portugal
História de PortugalHistória de Portugal
História de Portugal
 
Livros do outono
Livros do outonoLivros do outono
Livros do outono
 
A mosca fosca compor
A mosca fosca comporA mosca fosca compor
A mosca fosca compor
 
12.24 oficina dos brinquedos
12.24   oficina dos brinquedos12.24   oficina dos brinquedos
12.24 oficina dos brinquedos
 
12.23 entrevista com o pai natal
12.23   entrevista com o pai natal12.23   entrevista com o pai natal
12.23 entrevista com o pai natal
 
Segredo do rio
Segredo do rioSegredo do rio
Segredo do rio
 
Ppt
PptPpt
Ppt
 
O velho, o rapaz e o burro expresso
O velho, o rapaz e o burro expressoO velho, o rapaz e o burro expresso
O velho, o rapaz e o burro expresso
 
Lagartinha comilona.pps
Lagartinha comilona.ppsLagartinha comilona.pps
Lagartinha comilona.pps
 
10 numa cama
10 numa cama10 numa cama
10 numa cama
 
Saturno
SaturnoSaturno
Saturno
 
Vénus
VénusVénus
Vénus
 

O bolo-rei e seus súbditos rebeldes

  • 1. O BOLO-REI António Torrado escreveu e Cristina Malaquias ilustrou O bolo-rei tomava-se muito sério. Não havia discussão: ele era o rei dos bolos. Como tal, quando lhe caiu uma passa da coroa, ordenou ao bolo-inglês: – Traz-me essa passa de volta. O bolo-inglês fez-se desentendido e respondeu: – Sorry! I don't understand... O que queria dizer na dele que pedia desculpa, mas não tinha entendido. Então, o bolo-rei virou-se para um bolo de natas e deu a mesma ordem. Queria, outra vez, a passa a ornamentar-lhe a coroa. O bolo de natas tinha uma fala atrapalhada, por causa do excesso de natas. – Flá, plefe, pflu, pfló... 1 © APENA - APDD – Cofinanciado pelo POSI e pela Presidência do Conselho de Ministros
  • 2. Não se percebia nada. O bolo-rei, muito irritado, ordenou ao bolo de amêndoa, que lhe respondeu: – Também a mim me caiu uma amêndoa torrada e não me queixo. O bolo-rei, cada vez mais exasperado, deu a mesma ordem a um pudim de gelatina, mas o pudim de gelatina era muito frágil, muito nervoso e só tremeu, tremeu, incapaz de dizer ou fazer o que quer que fosse. – São uns rebeldes estes meus súbditos – concluiu, numa grande exaltação, o bolo-rei. – Condeno-os a que sejam todos cortados às fatias. E assim aconteceu. Mas nem o bolo-rei escapou. FIM 2 © APENA - APDD – Cofinanciado pelo POSI e pela Presidência do Conselho de Ministros