Marta vivia junto ao vasto mar azul. Nas noites de Verão ela sentava-se na praia, olhava para as ondas e ficava a sonhar c...
Certa noite Marta reparou em algo a cintilar numa poça entre as rochas.<br /> Ouviu também uma vozinha gritar: “ Ajuda-me!...
Marta mal queria acreditar: era uma sereia ! Uma linda e pequenina sereia!<br /> Será que estava a sonhar? Marta teve a ce...
Marta pegou na sereia e levou-a com muito cuidado, nos seus braços pelas escadas acima, em direcção a sua casa. Ao lado da...
A pequenina sereia sorriu-lhe quando mergulhou na água. <br />“ Eu sou a Talita, e tu, como te chamas?”<br />“ Marta ,” re...
Logo de manhã, Marta saltou da cama e correu para o aquário. <br />Será que tinha sido tudo um sonho? Marta ficou a olhar ...
…viu Talita . “ Ainda aqui estás!”, gritou Marta, maravilhada. “ Claro que sim,” respondeu<br />a Talita , a rir. “ Onde é...
Marta e Talita conversaram durante todo o dia. <br />Talita contou-lhe sobre um mundo onde as sereias nadavam por entre os...
À noite os seus sonhos encheram-se de sereias e magia, num sítio muito distante e especial, lá longe, no fundo do mar. <br />
Aos poucos , a Talita foi melhorando. Ao recuperar a sua magia, a cauda dela brilhava agora cada vez mais, e transformava ...
“Quem me dera ser uma sereia, “ disse certa noite a Marta. <br />“É muito bom, “ disse a Talita, pensativamente. “ Eu e as...
“É excitante, mas também pode ser muito perigoso, “ disse a Talita. <br />“Quando fiquei ferida naquela terrível tempestad...
Marta suspirou. As amigas da Talita devem estar muito preocupadas com ela!<br /> “ Oh, Talita,  tens de voltar para junto ...
Talita de repente teve uma ideia e sorriu. “ Eu posso mostrar-te, se quiseres. Fecha os olhos…”<br />A Talita começou entã...
De repente, Marta e Talita nadavam e acompanhavam os golfinhos enquanto estes dançavam através da água. Nadaram mais e mai...
Nessa noite , quando Marta adormeceu, conseguiu ainda ouvir a canção da baleia e sentir<br /> os grãos de areia a fazer có...
Na manhã seguinte, Marta segurou Talita na suas mãos para a levar pela última vez até à beira-mar.<br />
“Não estejas triste, Marta,“ disse Talita suavemente, dando-lhe uma concha muito especial. <br />“ Quando sentires a minha...
Com um abanar da sua cauda brilhante, a pequena sereia despediu-se e afastou-se a nadar.<br />Foi então que a Marta viu ap...
 E …Colori, colorado está o conto acabado!<br />Formatado por Susana Pinhal<br />Janeiro de 2011<br />
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

A Pequenina Sereia

1.335 visualizações

Publicada em

0 comentários
4 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.335
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
57
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
70
Comentários
0
Gostaram
4
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A Pequenina Sereia

  1. 1.
  2. 2. Marta vivia junto ao vasto mar azul. Nas noites de Verão ela sentava-se na praia, olhava para as ondas e ficava a sonhar com aventuras mágicas e maravilhosas.<br />
  3. 3. Certa noite Marta reparou em algo a cintilar numa poça entre as rochas.<br /> Ouviu também uma vozinha gritar: “ Ajuda-me! Por favor ajuda-me!”<br />
  4. 4. Marta mal queria acreditar: era uma sereia ! Uma linda e pequenina sereia!<br /> Será que estava a sonhar? Marta teve a certeza que não quando a sereia a chamou outra vez : “ Ajuda-me, por favor! Eu feri a minha cauda na tempestade da última noite e não consigo voltar para casa!”<br />“ Oh, pobrezinha!” disse a Marta aproximando-se da poça de água. “ Eu vou ajudar-te.”<br />“Obrigada, ” sussurou a sereia.<br />“Comigo estarás a salvo,”disse a Marta, docemente. “ Eu vou cuidar de ti.”<br />
  5. 5. Marta pegou na sereia e levou-a com muito cuidado, nos seus braços pelas escadas acima, em direcção a sua casa. Ao lado da sua cama havia um grande aquário de vidro. <br />Era o lugar idealpara a sereia descansar.<br />
  6. 6. A pequenina sereia sorriu-lhe quando mergulhou na água. <br />“ Eu sou a Talita, e tu, como te chamas?”<br />“ Marta ,” respondeu ela, sorrindo também. <br />Marta ficou acordada por muito tempo, deitada na cama, a observar a sua nova amiga enquanto esta dormia. <br />“ Eu bem sabia que as sereias existem, “ sussurrou Marta para os peixes.<br /> “Agora deixem-na dormir e portem-se bem, está bem?”<br />
  7. 7. Logo de manhã, Marta saltou da cama e correu para o aquário. <br />Será que tinha sido tudo um sonho? Marta ficou a olhar ansiosamente através do vidro , <br />até que …<br />
  8. 8. …viu Talita . “ Ainda aqui estás!”, gritou Marta, maravilhada. “ Claro que sim,” respondeu<br />a Talita , a rir. “ Onde é que haveria de estar?”<br />Talita parecia estar muito melhor e Marta reparou que a sua cauda se movia suavemente.<br />Marta nunca tinha visto algo tão bonito em toda a sua vida.<br />
  9. 9. Marta e Talita conversaram durante todo o dia. <br />Talita contou-lhe sobre um mundo onde as sereias nadavam por entre os corais, <br />brincando com os cavalos marinhos. Marta quase sentia a água e via a luz e as cores do oceano.<br />
  10. 10. À noite os seus sonhos encheram-se de sereias e magia, num sítio muito distante e especial, lá longe, no fundo do mar. <br />
  11. 11. Aos poucos , a Talita foi melhorando. Ao recuperar a sua magia, a cauda dela brilhava agora cada vez mais, e transformava o aquário num reluzente e maravilhoso mundo submarino. Todos os dias, depois da escola, a Marta corria para casa, para ficar a conversar com a Talita, horas a fio. As duas tornaram-se nas melhores amigas.<br />
  12. 12. “Quem me dera ser uma sereia, “ disse certa noite a Marta. <br />“É muito bom, “ disse a Talita, pensativamente. “ Eu e as minhas amigas viajamos por todo o mundo . Usamos a nossa magia para ajudar os peixes apanhados nas redes ou feridos. Outras vezes, com a nossa cauda brilhante, guiamos e ajudamos os marinheiros a encontrar o caminho de volta a casa nas noites de tempestade.”<br />“ Uau!” disse a Marta espantada. “Não sabia!”<br />
  13. 13. “É excitante, mas também pode ser muito perigoso, “ disse a Talita. <br />“Quando fiquei ferida naquela terrível tempestade, uma onda enorme afastou-me para longe das minhas amigas e atirou-me para as rochas…” choramingou a Talita. “ Devem estar muito aflitas à minha procura.”<br />
  14. 14. Marta suspirou. As amigas da Talita devem estar muito preocupadas com ela!<br /> “ Oh, Talita, tens de voltar para junto das tuas amigas!”<br />“ Sim tenho de voltar,” disse a Talita. “ Mas vou sentir muito a tua falta.”<br />“ Se ao menos não tivéssemos que dizer adeus!” fungou a Marta “ Quem me dera ir contigo, ou apenas visitar o teu mundo mágico.”<br />
  15. 15. Talita de repente teve uma ideia e sorriu. “ Eu posso mostrar-te, se quiseres. Fecha os olhos…”<br />A Talita começou então a cantar uma suave e cadenciada canção. Marta fechando os olhos e respirando profundamente, sentiu a magia a rodeá-la e o som embalador do oceano a ficar cada vez mais perto de si…<br />
  16. 16. De repente, Marta e Talita nadavam e acompanhavam os golfinhos enquanto estes dançavam através da água. Nadaram mais e mais através do oceano quente e azul, até o sol poente transformar as areias brancas em ouro.<br />
  17. 17. Nessa noite , quando Marta adormeceu, conseguiu ainda ouvir a canção da baleia e sentir<br /> os grãos de areia a fazer cócegas nos pés.<br />
  18. 18. Na manhã seguinte, Marta segurou Talita na suas mãos para a levar pela última vez até à beira-mar.<br />
  19. 19. “Não estejas triste, Marta,“ disse Talita suavemente, dando-lhe uma concha muito especial. <br />“ Quando sentires a minha falta, “ disse ela, “ encosta a concha no teu ouvido e ouvirás a magia do oceano a sussurrar lá dentro.”<br />
  20. 20. Com um abanar da sua cauda brilhante, a pequena sereia despediu-se e afastou-se a nadar.<br />Foi então que a Marta viu aparecer mais duas caudas brilhantes ao lado da Talita. <br />A Marta sabia que quando sentisse saudades dela , poderia ouvir os sons no interior da concha <br />e olhar para os clarões de brilho no mar, porque Talita estaria sempre perto.<br />
  21. 21. E …Colori, colorado está o conto acabado!<br />Formatado por Susana Pinhal<br />Janeiro de 2011<br />

×