Avaliações Bimestrais - 2013 – 6º ao 9º ano – 1
AVALIAÇÃO DE LÍNGUA PORTUGUESA – 2º BIMESTRE
Escola:
Aluno:
Prof.(a)

Ano/...
.

.
.
.
.

Avaliações Bimestrais - 2013 – 6º ao 9º ano – 1

07. Só as línguas vivas têm essa capacidade de
enriquecimento...
Avaliações Bimestrais - 2013 – 6º ao 9º ano – 1

15. “... uma noite de vento sul e chuva, tanto lá como
aqui”, a expressão...
Avaliações Bimestrais - 2013 – 6º ao 9º ano – 1
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

AVAL_7º_LP_CRUZ_CE

665 visualizações

Publicada em

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
665
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
16
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

AVAL_7º_LP_CRUZ_CE

  1. 1. Avaliações Bimestrais - 2013 – 6º ao 9º ano – 1 AVALIAÇÃO DE LÍNGUA PORTUGUESA – 2º BIMESTRE Escola: Aluno: Prof.(a) Ano/ Turma: 7º ano 03. "Eu olhei aquilo e meu estômago enrolou de vez". As aspas foram usadas nesse trecho para (A) destacar a falar do narrador. (B) descrever o pensamento do autor. (C) instruir sobre a produção de húmus. (D) demostrar o valor proteico das minhocas. 04. "Ela é a melhor fonte proteica de origem animal", garante”, nesse trecho, o autor faz (A) uma instrução. (B) uma descrição. (C) uma explicação. (D) uma negação. 05. "Além disso, tem vitaminas e sais minerais", as palavras destacadas indicam (A) palavras com rimas. (B) expressão exagerada. (C) exposição de ideias. (D) enumeração de características. 01. Que sentimento expressa o “AAAAAH!” de Juju no primeiro quadrinho? (A) Culpa. (C) Alegria. (B) Medo. (D) Nojo. 06. “Mas já se pensa na possibilidade de incluí-la na dieta humana.”, a palavra destacada se refere a (A) fonte proteica. (B) ração animal. (C) dieta humana. (D) farinha de mandioca. Nada de radicalismos 02. Juju se sente assim diante de uma simples minhoca porque (A) sente nojo por minhocas. (B) disfarça quando ver minhocas. (C) aprecia aulas sobre minhocas. (D) entende tudo sobre minhocas. Uma exótica iguaria As minhocas são ricas em fontes de proteína As minhocas já fazem parte do cardápio exótico de algumas tribos indígenas. Para os chineses, são um prato refinado. Que o diga o jogador de futebol Murilo, do Sport Club Internacional, de Porto Alegre, RS, que trabalhou quatro meses no clube Xandu, na China, e ficou horrorizado quando lhe serviram uma sopa de minhocas. "Eu olhei aquilo e meu estômago enrolou de vez", lembra. O garçom ainda tentou convencê-lo de que se tratava de um bom alimento, dizendo "good, good". Mas Murilo fez que não ouviu. Ele ficaria surpreso ao saber que, no Brasil, já existem empresas pesquisando a produção de uma farinha de minhoca para ser utilizada, por enquanto, como ração animal. Mas já se pensa na possibilidade de incluí-la na dieta humana. Segundo a farmacêutica Lucette Morais, que deu consultoria à empresa Minhoca e Cia, empresa de Brasília produtora de húmus, a farinha de minhoca chega a ter 78% de proteína. "Ela é a melhor fonte proteica de origem animal", garante. "Além disso, tem vitaminas e sais minerais." […] http://galileu.globo.com/edic/92/nossa_terra1.htm Sérgio Nogueira Duarte Por muito tempo, em nossas escolas, os professores ensinavam como "erro" o uso de galicismos. Era proibido falar ou escrever abajur, chofer, detalhe... Éramos obrigados a substituir por quebra-luz, motorista e pormenor. E o tempo provou que estávamos enganados. Hoje todos nós usamos – sem culpa ou pecado – abajur, chofer e detalhe. temos até um belíssimo reveillon, no sua forma original. Agora os inimigos são os anglicismos. Palavras e expressões inglesas infestam e poluem a nossa fala. Temos um festival de beach, play off, delivery, shopping, brainstorming, software, marketing e tantos outros. A presença de termos estrangeiros no uso diário de uma língua não é crime, nem sinal de fraqueza. Ao contrário, é sinal de vitalidade. Só as línguas vivas têm essa capacidade de enriquecimento. A forte presença do inglês na língua portuguesa é reflexo da globalização, do imperialismo econômico, do desenvolvimento tecnológico americano etc. Poderíamos citar muitas outras causas, mas há uma em espacial que merece destaque: a paixão do brasileiro em geral pelas "coisas estrangeiras". Nós adoramos a grife, o carro importado, a palavra estrangeira. Tudo dá status. É, portanto, um problema muito mais cultural do que linguístico. Valorizar a língua portuguesa, sim; fechar as portas, não. [...] http://pibidletras.blogspot.com.br/2009/09/ola-pessoal.html
  2. 2. . . . . . Avaliações Bimestrais - 2013 – 6º ao 9º ano – 1 07. Só as línguas vivas têm essa capacidade de enriquecimento.” Para o autor capacidade de enriquecimento é (A)capacidade de aumentar o vocabulário, incorporando novas palavras e expressões. (B)capacidade de melhorar a compreensão das palavras e expressões estrangeiras. (C) capacidade de falar com clareza todas as palavras do idioma. (D) capacidade de explicar o uso das palavras novas que aparecem na língua portuguesa. 08. O trecho que apresenta o ponto de vista do autor é (A) “Agora, o inimigo são os anglicismos. Palavras e expressões inglesas infestam e poluem a nossa fala.” (B) “E o tempo provou que estávamos enganados. Hoje todos nós usamos – sem culpa ou pecado – ...” (C) “A presença de termos estrangeiros no uso diário de uma língua não é crime, nem sinal de fraqueza...” (D) “poderíamos citar muitas outras coisas, mas há uma em especial que merece destaque...” “O idioma está sendo deturpado” Aldo Rebelo A desnacionalização linguística pode ser vista a olho nu nas ruas de nossas cidades. A minha intenção ao propor esse projeto foi evitar a descaracterização da língua portuguesa. Nosso idioma está sendo desfigurado por um excesso de estrangeirismos incorporados ao vocabulário de forma estranha à grafia e à pronúncia clássica do português. Quem sai às ruas, principalmente de uma grande cidade como a de São Paulo ou Rio de Janeiro, corre o risco de precisar de dicionário bilíngue para entender o que dizem as faixas, os cartazes, os rótulos de produtos. Os jornais e a publicidade estão cheios de palavras e expressões incompreensíveis para o povo brasileiro. O problema é ostensivo nos shopping centers, a começar do nome desses centros comerciais. […] REBELO A. Jornal do Brasil, Caderno Política, 1º de abril, 2001, p.4 09. As aspas usadas no título do texto indicam (A) uma enumeração. (B) uma citação. (C) uma explicação. (D) uma negação. 10. A ideia central do texto é (A) a valorização da Língua Portuguesa. (B) a utilização de estrangeirismo em nosso idioma. (C) a apresentação do projeto de lei pelo deputado. (D) a deturpação de palavras estrangeiras mal pronunciadas. 11.O autor afirma que há “um excesso de estrangeirismo” na nossa língua. Para ele, isso é ruim porque (A) confunde as pessoas. (B) incentiva o mal uso da nossa língua. (C) desfigura nossa língua. (D) obriga as pessoas a usá-los. 12. “Os jornais e a publicidade estão cheios de palavras...”, a palavra destaca indica (A) adição. (B) alternância. (C) oposição. (D) explicação. A OUTRA NOITE Rubem Braga Outro dia fui a São Paulo e resolvi voltar à noite, uma noite de vento sul e chuva, tanto lá como aqui. Quando vinha para casa de táxi, encontrei um amigo e o trouxe até Copacabana; e contei a ele que lá em cima, além das nuvens, estava um luar lindo, de lua cheia; e que as nuvens feias que cobriam a cidade eram, vistas de cima, enluaradas, colchões de sonho, alvas, uma paisagem irreal. Depois que o meu amigo desceu do carro, o chofer aproveitou um sinal fechado para voltar-se para mim: – O senhor vai desculpar, eu estava aqui a ouvir sua conversa. Mas, tem mesmo luar lá em cima? Confirmei: sim, acima da nossa noite preta e enlamaçada e torpe havia uma outra - pura, perfeita e linda. – Mas, que coisa. . . Ele chegou a pôr a cabeça fora do carro para olhar o céu fechado de chuva. Depois continuou guiando mais lentamente. Não sei se sonhava em ser aviador ou pensava em outra coisa. – Ora, sim senhor. . . E, quando saltei e paguei a corrida, ele me disse um "boa noite" e um "muito obrigado ao senhor" tão sinceros, tão veementes, como se eu lhe tivesse feito um presente de rei. (BRAGA, Rubem). A outra noite. In: PARA gostar de ler: crônicas. São Paulo: Ática, 1979. 13. A finalidade do texto é (A) convencer. (B) informar. (C) divertir. (D) relatar. 14. “...contei a ele que lá em cima, além das nuvens, estava um luar lindo, de lua cheia...”, a palavra destacada se refere (A) ao taxista (B) ao amigo. (C) ao aviador. (D) ao escritor.
  3. 3. Avaliações Bimestrais - 2013 – 6º ao 9º ano – 1 15. “... uma noite de vento sul e chuva, tanto lá como aqui”, a expressão destacada indica (A) tempo. (B) modo. (C) lugar. (D) dúvida. Provérbios Modernizados No sentido de aprimorar cada vez mais a linguagem de nossos leitores, apresentamos aqui alguns conhecidíssimos provérbios, tendo o cuidado de vazá-los para a linguagem mais digna e menos obsoleta do que aquela em que usualmente são apresentados. Veja o leitor se consegue descobrir, dentro desta roupagem nova, o provérbio velho. FERNANDES, Millôr. Provérbios modernizados. In.: Lições de um ignorante. Rio de Janeiro: Jozé Alvaro Editor, 3. ed, 1967. 16. No texto, a expressão “roupagem nova”, tem o mesmo sentido de (A) linguagem modernizada. (B) linguagem preferida. (C) linguagem esquisita. (D) linguagem ideal. 17. Em relação aos provérbios, o autor considera que (A) a linguagem é menos culta e social. (B) a linguagem é muito digna e obsoleta. (C) a linguagem é obsoleta e social. (D) a linguagem é pouco digna e antiquada. Aquele que anuncia por palavras tudo que satisfaz ao seu ego, tende a perceber pelos órgãos da audição coisas que não se destinam a aumentar-lhe o sentimento de euforia. 18. O provérbio que tem o mesmo sentido do provérbio modernizado acima é (A) Santo de casa não obra milagre. (B) Águas passadas não movem moinho. (C) De grão em grão a galinha enche o papo. (D) Quem diz o que quer ouve o que não quer.
  4. 4. Avaliações Bimestrais - 2013 – 6º ao 9º ano – 1

×