Avaliações Bimestrais - 2013 – 6º ao 9º ano – 1

_______________________________________________-_________________________...
Avaliações Bimestrais - 2013 – 6º ao 9º ano – 1

_______________________________________________-_________________________...
Avaliações Bimestrais - 2013 – 6º ao 9º ano – 1

_______________________________________________-_________________________...
Avaliações Bimestrais - 2013 – 6º ao 9º ano – 1

_______________________________________________-_________________________...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Aval 7ºano 4ºbimestre

1.639 visualizações

Publicada em

Aval_LP_7º_4º Bimestre_Cruz_CE

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.639
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
14
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Aval 7ºano 4ºbimestre

  1. 1. Avaliações Bimestrais - 2013 – 6º ao 9º ano – 1 _______________________________________________-____________________________________________ AVALIAÇÃO DE LÍNGUA PORTUGUESA – 4º BIMESTRE Escola: Aluno: Prof.(a) Ano/ Turma: 7º ano * Leia o trecho da entrevista. A REVOLTA DAS PALAVRAS uma fábula moderna José Paulo Paes Um dia, elas se cansaram de estar sendo usadas de maneira errada por pessoas sem escrúpulos, que só queriam tirar vantagens para si, sem se importar de causar prejuízo aos outros. Certa noite, […] elas fizeram uma reunião. A reunião foi presidida pelas duas palavras mais prejudicadas pelo mau uso — ou seja, a Verdade e a Mentira. — Minhas irmãs — disse a Verdade —, nós precisamos tomar providências para acabar com os abusos na maneira como somos usadas. A mim, me usam constantemente as pessoas desonestas quando querem se aproveitar da ingenuidade de gente de boa-fé. — É isso mesmo — confirmou a Mentira. — Os desonestos também abusam de mim quando chamam de mentiroso alguém que diga algo verdadeiro que possa prejudicá-los. E, embora eu não queira, sou obrigada a servir de disfarce das más intenções deles. […] Talvez vocês estejam pensando aí com seus botões que, afinal de contas durou apenas um dia, a Revolta das Palavras não adiantou coisa alguma. […] A revolta das palavras: uma fábula moderna. São Paulo: Companhia das Letrinhas, 1999. [s. p.]. 03. De acordo com o texto, as palavras resolveram fazer uma reunião porque (A) estavam sendo usadas de maneira errada. (B) causavam prejuízos aos outros. (C) queriam tirar vantagens para si. (D) eram pouco usadas pelas pessoas. Revista da Criação, São Paulo. Editora Meio & Mensagem, n. 78, set. 2001, p.12. (fragmento). 01. Para o entrevistado a publicidade é (A) formadora de opinião. (B) exploradora da cidadania. (C) conhecedora da sociedade. (D) controladora da comunicação. 02. “Para comunicar e informar sobre ideias”, o termo destacado indica (A) explicação. (B) oposição. (C) alternância. (D) adição. 04. No texto, o termo “los”, substitui a palavra (A) desonestos. (B) escrúpulos. (C) outros. (D) abusos. 05. “Talvez vocês estejam pensando aí com seus botões que, afinal de contas,...” Nesse trecho, é marca de linguagem informal (A) talvez. (B) aí. (C) seus. (D) que.
  2. 2. Avaliações Bimestrais - 2013 – 6º ao 9º ano – 1 _______________________________________________-____________________________________________ 06. A frase que expressa a hipótese de que ainda não pensam assim, mas pode vir a pensar é (A) se pensam assim, se enganam. (B) se pensaram assim, se enganaram. (C) se pensassem assim, se enganariam. (D) se pensarem assim, se enganarão. Não Existe Democracia Sem Imprensa Livre. Não existe Imprensa Livre Sem Propaganda. ' Sem a livre iniciativa e a concorrência comercial não haveria publicidade. Sem a publicidade, não existiriam tantos veículos de comunicação de massa que recebem, da propaganda comercial, o suporte necessário para chegar a todos os segmentos da população, independentemente do seu nível econômico. Sem a publicidade, seria difícil lançar produtos, ampliar suas vendas, promover a concorrência e gerar as economias de escala que resultam em qualidade melhor e preços menores. Seria ainda mais problemático sustentar a multiplicidade dos meios de informação, que divulgam ideias, investigam mazelas e estimulam o debate político. Seria, acima de tudo, virtualmente impossível sustentar uma imprensa livre, vigorosa e independente, alicerce - como sabem todos os ditadores – do primado da lei e da democracia. Neste dia 4 de dezembro, dia mundial da propaganda, a homenagem do Grupo Abril a todos que fazem a propaganda brasileira. E que colaboram para consolidar a nossa democracia. Veja, São Paulo: Abril, n.49, 4 de dez. 1996. 07. O trecho que expressa uma opinião do autor é (A) “... o suporte necessário para chegar a todos...” (B) “... gerar as economias de escala...” (C) “Sem a publicidade seria difícil lançar produtos,...” (D) “Neste dia 4 de dezembro dia mundial da propaganda,...” 08. No trecho “O matreiro bicho torceu o focinho.” A expressão destacada significa (A) o esquisito bicho . (B) o calmo bicho. (C) o esperto bicho. (D) o estranho bicho. 09. “— Estão verdes — murmurou. — Uvas verdes, só para cachorro.” A palavra destacada tem o mesmo sentido de (A) falar baixinho. (B) falar rápido (C) falar zangado. (D) falar esquisito. 10. “A raposa ouvindo o barulhinho voltou depressa e pôs-se a farejar…”, a expressão destacada dá ideia do (A) local para onde a raposa foi. (B) modo como a raposa voltou. (C) motivo por que a raposa voltou. (D) tempo em que a raposa voltou. 11. A moral da fábula é (A) “A raposa e as uvas”. (B) “O matreiro bicho torceu o focinho”. (C) “— Uvas verdes só pra cachorro”. (D) “Quem desdenha quer comprar”.
  3. 3. Avaliações Bimestrais - 2013 – 6º ao 9º ano – 1 _______________________________________________-____________________________________________ 12. Essa texto é uma (A) narração. (B) descrição. (C) injunção. (D) dissertação. 14. Esse texto é (A) uma fábula. (C) um conto. (B) uma crônica. (D) um depoimento. 15.“O que é o desenvolvimento!” A exclamação no trecho, sugere (A) espanto. (B) medo. (C) admiração. (D) incerteza. 16. O uso das reticências no final do segundo parágrafo indica (A) dúvida. (B) enumeração. (C) interrupção. (D) continuidade. 17.No primeiro parágrafo, a expressão “mensagens coloridas” se refere (A) aos cobertores. (B) aos anúncios. (C) às lãs. (D) às malhas. 13. A finalidade principal do texto é (A) convencer. (B) relatar. (C) descrever. (D) criticar. 18.“Mas a página aconchegante instala imediatamente o inverno...”, a palavra destacada da ideia de (A) tempo. (B) lugar. (C) modo. (D) intensidade. OLHADOR DE ANÚNCIO Carlos Drummond de Andrade Eis que se aproxima o inverno, pelo menos nas revistas, cheias de anúncios de cobertores, lãs e malhas. O que é o desenvolvimento! Em outros tempos, se o indivíduo sentia frio, passava na loja e adquiria os seus agasalhos. Hoje são os agasalhos que lhe batem à porta, em belas mensagens coloridas. E nunca vêm sós. O cobertor traz consigo uma linda mulher, que se apresta para se recolher debaixo de sua “nova textura antialérgica”, e a legenda: “Nosso cobertor aquece os corpos de quem já tem o coração quente.” A mulher parece convidar-nos: “Venha também.” Ficamos perturbados. Faz calor, um calor daqueles. Mas a página aconchegante instala imediatamente o inverno, o sentimo-nos na aflita necessidade de proteger o irmão corpo sob a maciez desse cobertor, e... Rio de Janeiro: Record, 1998, p. 151 – 152. https://www.google.com.br 19. Esse texto serve para (A) anunciar um produto. (B) dar um ensinamento. (C) mandar um recado. (D) narrar um fato.
  4. 4. Avaliações Bimestrais - 2013 – 6º ao 9º ano – 1 _______________________________________________-____________________________________________ Conversa fiada Era uma vez um homem muito velho que, por não ter muito o que fazer, ficava pescando num lago. Era uma vez um menino muito novo que também não tinha muito o que fazer e ficava pescando no mesmo lago. Um dia, os dois se encontraram, lado a lado, na pescaria, e no mesmo momento, exatamente no mesmo instante, sentiram aquela puxadinha que indica que o peixe mordeu a isca. [...] Quando apareceram os respectivos peixes, porém, decepção: o peixe do menino era muito velho e o peixe do velho era muito novo! O velho disse para o menino: – Você não pode pescar esse peixe tão velho! Deixe que ele viva o pouco da vida que lhe resta. O menino respondeu: – E o que você vai fazer com este peixe tão novo? Ele é tão pequeno... deixe que ele viva mais um pouco! O velho e o menino olharam um para o outro e, sem perder tempo, jogaram os peixes no lago. Ficaram amigos e agora, quando não têm muito o que fazer, vão até o lago, cumprimentam os peixes e matam o tempo jogando conversa fora. FRATE, Diléa. Histórias para Acordar. São Paulo: Companhia das Letrinhas, 1996 20. O fato em torno do qual se desenvolveu a narrativa foi (A) o retorno dos peixes ao lago. (B) o peixe do velho ser muito velho. (C) o peixe do menino ser novo e pequeno. (D) o encontro e a pescaria do menino com e o velho.

×