Módulo 5 avulso teatro

189 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
189
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Módulo 5 avulso teatro

  1. 1. UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBAPRO-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃOPROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIAPIBID LETRASPROJETO:CLICCULTURA, LITERATURA E CRIATIVIDADE: DO ERUDITO AO POPULARPROFESSORES:FLÁVIA KELLYANNE MEDEIROS DA SILVAGABRIELA SANTANA DE OLIVEIRALÍGIA ALBUQUERQUE QUEIROZPRISCILA DA SILVA SANTANA RODRIGUESVANESSA KISHIMA DO BÚMÓDULO 05: TEATROALUNO:_____________________________________www.projetoclicraul.blogspot.com
  2. 2. MÚSICA: CÁLICE(chico buarque)Pai! Afasta de mim esse cálicePai! Afasta de mim esse cálicePai! Afasta de mim esse cáliceDe vinho tinto de sanguePai! Afasta de mim esse cálicePai! Afasta de mim esse cálicePai! Afasta de mim esse cáliceDe vinho tinto de sangueComo beber dessa bebida amargaTragar a dor e engolir a labuta?Mesmo calada a boca resta o peitoSilêncio na cidade não se escutaDe que me vale ser filho da santa?Melhor seria ser filho da outraOutra realidade menos mortaTanta mentira, tanta força brutaPai! Afasta de mim esse cálicePai! Afasta de mim esse cálicePai! Afasta de mim esse cáliceDe vinho tinto de sangueComo é difícil acordar caladoSe na calada da noite eu me danoQuero lançar um grito desumanoQue é uma maneira de ser escutadoEsse silêncio todo me atordoaAtordoado eu permaneço atentoNa arquibancada, prá a qualquer momentoVer emergir o monstro da lagoa.Pai! Afasta de mim esse cálicePai! Afasta de mim esse cálice
  3. 3. Pai! Afasta de mim esse cáliceDe vinho tinto de sangueDe muito gorda a porca já não anda (Cálice!)De muito usada a faca já não cortaComo é difícil, Pai, abrir a porta (Cálice!)Essa palavra presa na gargantaEsse pileque homérico no mundoDe que adianta ter boa vontade?Mesmo calado o peito resta a cucaDos bêbados do centro da cidadePai! Afasta de mim esse cálicePai! Afasta de mim esse cálicePai! Afasta de mim esse cáliceDe vinho tinto de sangueTalvez o mundo não seja pequeno (Cale-se!)Nem seja a vida um fato consumado (Cale-se!)Quero inventar o meu próprio pecado (Cale-se!)Quero morrer do meu próprio veneno (Pai! Cale-se!)Quero perder de vez tua cabeça! (Cale-se!)Minha cabeça perder teu juízo. (Cale-se!)Quero cheirar fumaça de óleo diesel (Cale-se!)Me embriagar até que alguém me esqueça (Cale-se!)PARA NÃO DIZER QUE NÃO FALEI DAS FLORES(Geraldo Vandré)Caminhando e cantandoE seguindo a cançãoSomos todos iguaisBraços dados ou não
  4. 4. Nas escolas, nas ruasCampos, construçõesCaminhando e cantandoE seguindo a cançãoVem, vamos emboraQue esperar não é saberQuem sabe faz a horaNão espera acontecerPelos campos há fomeEm grandes plantaçõesPelas ruas marchandoIndecisos cordõesAinda fazem da florSeu mais forte refrãoE acreditam nas floresVencendo o canhãoVem, vamos emboraQue esperar não é saberQuem sabe faz a horaNão espera acontecerHá soldados armadosAmados ou nãoQuase todos perdidosDe armas na mãoNos quartéis lhes ensinamUma antiga lição:De morrer pela pátriaE viver sem razãoVem, vamos emboraQue esperar não é saberQuem sabe faz a horaNão espera acontecerNas escolas, nas ruasCampos, construçõesSomos todos soldadosArmados ou nãoCaminhando e cantandoE seguindo a canção
  5. 5. Somos todos iguaisBraços dados ou nãoOs amores na menteAs flores no chãoA certeza na frenteA história na mãoCaminhando e cantandoE seguindo a cançãoAprendendo e ensinandoUma nova liçãoVem, vamos emboraQue esperar não é saberQuem sabe faz a horaNão espera acontecer.PEÇA: RODA VIVAI ATO:Um humilde e presunçoso cantor chamado Benedito Silva se apresenta ao público.Em seguida, Anjo entra em cena mostrando a receita do sucesso, dando uma de protetore rapidamente discute os percentuais das partes nos lucros, determinando que ficará comvinte por cento de tudo.Benedito acha muito, mas Anjo passa uma receita inversa para mostrar-lhe a porcariaque era, diante do que iria ficar, e declamando a algo que exalta à moda, à propaganda eao estrangeiro.Entra em cena Juliana, que se identifica como esposa de Benedito. Anjo não gosta e diza ela que Benedito vai mudar completamente, inclusive de nome, enquanto tendaseduzí-la discretamente. Juliana lhe dá um chega pra lá e ele declama seus dotes deAnjo da Guarda.Benedito volta à cena todo brilhoso, Juliana estranha, reclama e o compara a uma bichalouca, no que Benedito diz: New Look.Entra em cena o personagem Mané, debruçado numa mesa com copo e garrafa decachaça.
  6. 6. Obs. Mané era um antigo amigo do Chico nos tempos da Consolação e do Sambafo.Benedito canta pra ele um chorinho que conta dos seus planos e mudanças, noque Mané responde: – Você nunca me enganou!Em seguida, Anjo descobre um pseudônimo para Benedito Silva: Ben Silver, passa umareceita de sucesso baseada na obediência à televisão, fala da onipotência da câmera e daimensa platéia que ela dá e o artista não vê.Juliana canta a primeira parte da composição Sem Fantasia:Vem, meu menino vadioVem, sem mentir pra vocêVem, mas vem sem fantasiaQue da noite pro diaVocê não vai crescerVem, por favor, não evitesMeu amor, meus convitesMinha dor, meus apelosVou te-envolver nos cabelosVem perder-te-em meus braçosPelo-amor de DeusVem que-eu te quero fracoVem que-eu te quero toloVem que-eu te quero todo meuEm seguida, entram em cena Anjo e Capeta, juntos, cantando a marcha:Nós somos velhos amigosNós somos os maioraisQuando nós tamos unidosAi dos mortaisEles se alegram com poucoE depois ficam pra trásNós tamos sempre na ondaE não passamos jamaisNão somos como o otárioQue nunca sabe o que fazDepois de almoçar c´o vigárioJantamos com SatanásCapeta grita: - Extra! Extra!Faz propaganda de Ben Silver, no que é interrompido por Anjo, que anuncia achegada de Sua Eminência o IBOPE. Em seguida Anjo declama um poema quetrata dos poderes do Ibope entre a venerada televisão e o povo.
  7. 7. Depois, Benedito fala dos bens materiais, que ambiciona para si, sonha com umalambique pro Mané e pão para o povo. Se gaba da fama vindoura no que Manédiz ser uma merda. Fim do primeiro ato.II ATOPelo fato do segundo ato da peça ser muito mais denso que o primeiro, o dividiem 3 outras partes, mas convém salientar que ela ocorreu somente em doisatos.Benedito abre o segundo ato cantando, em resposta para Juliana, a segundaparte da composição Sem Fantasia:Eu quero te dizerQue o instante de te verCustou tanto penarNão vou me arrependerSó vim te convencerQue eu vim pra não morrerDe tanto te esperarEu quero te contarDas chuvas que apanheiDas noites que vareiNo escuro a te buscarEu quero te mostrarAs marcas que ganheiNas lutas contra o reiNas discussões com DeusE agora que chegueiEu quero a recompensaEu quero a prenda imensaDos carinhos teusObs. Os 4 últimos versos são cantados de forma simultânea com os 4 versosabaixo, fazendo coincidir os sons de Teus e Meu, num bonito efeito deinterpretação poética.Vem que-eu te quero fracoVem que-eu te quero toloVem que-eu te quero todoMeuEntra em cena uma câmera, com musiqueta prefixo, e uma voz anunciando setratar do programa O Artista na Intimidade.
  8. 8. Tentando disfarçar Juliana, a voz sugere a Ben Silver que apresente a sua mãe,e quando ele diz ter ela falecido, o Capeta entra novamente em cena:- Extra! Ben Silver é casado!Suas fãs o condenam pela traição de seus sonhos, pois é o povo quem faz oídolo e ao povo ele pertence. Volta o Capeta:- A César o que é de César! Extra!Anjo intervém e dá uma grana pro Capeta argumentando ser Juliana irmã deBen Silver. A quantia leva Capeta a achar que ela não era “tão irmã assim”, noque Anjo retruca “ser irmã até demais”. Terminadas as negociações doparentesco, Capeta brada:- Extra! Desmentido o casamento de Ben Silver, sua mulher era sua irmã!Na cena seguinte Benedito se queixa dos fãs a Mané:- Eles pensam que a gente vai melhorar alguma coisa…eles pensam que a genteé o dono da verdade……Parece que eles não têm mais em quem acreditar,sabe? Então eles confiam na gente. Eles esperam que a gente, não sei oquê…Apesar de várias tentativas de Mané cortar o papo, Benedito continua:- Mas a gente não calcula em que vai dar e quando a gente quer parar, cadêforça? Então a gente se deixa levar…covarde…envergonhado...Obs. Esse fragmento da peça certamente explica a pensamentos pertencentes aoutras composições vinouras, tais como:E aí me dá uma tristeza no meu peitoFeito um despeito de eu não ter como lutar(Gente Humilde)Ou mesmo pertencente à outra composição da própria peça, Roda Viva:A gente vai contra a correnteAté não poder resistirNa volta do barco é que senteO quanto deixou de cumprirFIM......

×