CULTURA POP JAPONESA
Histórias e curiosidades
<<< ÍNDICE >>>
© Alexandre Nagado, Michel Matsuda e Rodrigo de Goes
Todos os...
CULTURA POP JAPONESA
Histórias e curiosidades
<<< ÍNDICE >>>
© Alexandre Nagado, Michel Matsuda e Rodrigo de Goes
Todos os...
CULTURA POP JAPONESA
Histórias e curiosidades
<<< ÍNDICE >>>
© Alexandre Nagado, Michel Matsuda e Rodrigo de Goes
Todos os...
CULTURA POP JAPONESA
Histórias e curiosidades
<<< ÍNDICE >>>
© Alexandre Nagado, Michel Matsuda e Rodrigo de Goes
Todos os...
CULTURA POP JAPONESA
Histórias e curiosidades
<<< ÍNDICE >>>
© Alexandre Nagado, Michel Matsuda e Rodrigo de Goes
Todos os...
CULTURA POP JAPONESA
Histórias e curiosidades
<<< ÍNDICE >>>
© Alexandre Nagado, Michel Matsuda e Rodrigo de Goes
Todos os...
CULTURA POP JAPONESA
Histórias e curiosidades
<<< ÍNDICE >>>
© Alexandre Nagado, Michel Matsuda e Rodrigo de Goes
Todos os...
CULTURA POP JAPONESA
Histórias e curiosidades
<<< ÍNDICE >>>
© Alexandre Nagado, Michel Matsuda e Rodrigo de Goes
Todos os...
CULTURA POP JAPONESA
Histórias e curiosidades
<<< ÍNDICE >>>
© Alexandre Nagado, Michel Matsuda e Rodrigo de Goes
Todos os...
CULTURA POP JAPONESA
Histórias e curiosidades
<<< ÍNDICE >>>
© Alexandre Nagado, Michel Matsuda e Rodrigo de Goes
Todos os...
CULTURA POP JAPONESA
Histórias e curiosidades
<<< ÍNDICE >>>
© Alexandre Nagado, Michel Matsuda e Rodrigo de Goes
Todos os...
CULTURA POP JAPONESA
Histórias e curiosidades
<<< ÍNDICE >>>
© Alexandre Nagado, Michel Matsuda e Rodrigo de Goes
Todos os...
CULTURA POP JAPONESA
Histórias e curiosidades
<<< ÍNDICE >>>
© Alexandre Nagado, Michel Matsuda e Rodrigo de Goes
Todos os...
CULTURA POP JAPONESA
Histórias e curiosidades
<<< ÍNDICE >>>
© Alexandre Nagado, Michel Matsuda e Rodrigo de Goes
Todos os...
CULTURA POP JAPONESA
Histórias e curiosidades
<<< ÍNDICE >>>
© Alexandre Nagado, Michel Matsuda e Rodrigo de Goes
Todos os...
CULTURA POP JAPONESA
Histórias e curiosidades
<<< ÍNDICE >>>
© Alexandre Nagado, Michel Matsuda e Rodrigo de Goes
Todos os...
CULTURA POP JAPONESA
Histórias e curiosidades
<<< ÍNDICE >>>
© Alexandre Nagado, Michel Matsuda e Rodrigo de Goes
Todos os...
CULTURA POP JAPONESA
Histórias e curiosidades
<<< ÍNDICE >>>
© Alexandre Nagado, Michel Matsuda e Rodrigo de Goes
Todos os...
CULTURA POP JAPONESA
Histórias e curiosidades
<<< ÍNDICE >>>
© Alexandre Nagado, Michel Matsuda e Rodrigo de Goes
Todos os...
CULTURA POP JAPONESA
Histórias e curiosidades
<<< ÍNDICE >>>
© Alexandre Nagado, Michel Matsuda e Rodrigo de Goes
Todos os...
CULTURA POP JAPONESA
Histórias e curiosidades
<<< ÍNDICE >>>
© Alexandre Nagado, Michel Matsuda e Rodrigo de Goes
Todos os...
CULTURA POP JAPONESA
Histórias e curiosidades
<<< ÍNDICE >>>
© Alexandre Nagado, Michel Matsuda e Rodrigo de Goes
Todos os...
CULTURA POP JAPONESA
Histórias e curiosidades
<<< ÍNDICE >>>
© Alexandre Nagado, Michel Matsuda e Rodrigo de Goes
Todos os...
CULTURA POP JAPONESA
Histórias e curiosidades
<<< ÍNDICE >>>
© Alexandre Nagado, Michel Matsuda e Rodrigo de Goes
Todos os...
CULTURA POP JAPONESA
Histórias e curiosidades
<<< ÍNDICE >>>
© Alexandre Nagado, Michel Matsuda e Rodrigo de Goes
Todos os...
CULTURA POP JAPONESA
Histórias e curiosidades
<<< ÍNDICE >>>
© Alexandre Nagado, Michel Matsuda e Rodrigo de Goes
Todos os...
CULTURA POP JAPONESA
Histórias e curiosidades
<<< ÍNDICE >>>
© Alexandre Nagado, Michel Matsuda e Rodrigo de Goes
Todos os...
CULTURA POP JAPONESA
Histórias e curiosidades
<<< ÍNDICE >>>
© Alexandre Nagado, Michel Matsuda e Rodrigo de Goes
Todos os...
CULTURA POP JAPONESA
Histórias e curiosidades
<<< ÍNDICE >>>
© Alexandre Nagado, Michel Matsuda e Rodrigo de Goes
Todos os...
CULTURA POP JAPONESA
Histórias e curiosidades
<<< ÍNDICE >>>
© Alexandre Nagado, Michel Matsuda e Rodrigo de Goes
Todos os...
CULTURA POP JAPONESA
Histórias e curiosidades
<<< ÍNDICE >>>
© Alexandre Nagado, Michel Matsuda e Rodrigo de Goes
Todos os...
CULTURA POP JAPONESA
Histórias e curiosidades
<<< ÍNDICE >>>
© Alexandre Nagado, Michel Matsuda e Rodrigo de Goes
Todos os...
CULTURA POP JAPONESA
Histórias e curiosidades
<<< ÍNDICE >>>
© Alexandre Nagado, Michel Matsuda e Rodrigo de Goes
Todos os...
CULTURA POP JAPONESA
Histórias e curiosidades
<<< ÍNDICE >>>
© Alexandre Nagado, Michel Matsuda e Rodrigo de Goes
Todos os...
CULTURA POP JAPONESA
Histórias e curiosidades
<<< ÍNDICE >>>
© Alexandre Nagado, Michel Matsuda e Rodrigo de Goes
Todos os...
CULTURA POP JAPONESA
Histórias e curiosidades
<<< ÍNDICE >>>
© Alexandre Nagado, Michel Matsuda e Rodrigo de Goes
Todos os...
CULTURA POP JAPONESA
Histórias e curiosidades
<<< ÍNDICE >>>
© Alexandre Nagado, Michel Matsuda e Rodrigo de Goes
Todos os...
CULTURA POP JAPONESA
Histórias e curiosidades
<<< ÍNDICE >>>
© Alexandre Nagado, Michel Matsuda e Rodrigo de Goes
Todos os...
CULTURA POP JAPONESA
Histórias e curiosidades
<<< ÍNDICE >>>
© Alexandre Nagado, Michel Matsuda e Rodrigo de Goes
Todos os...
CULTURA POP JAPONESA
Histórias e curiosidades
<<< ÍNDICE >>>
© Alexandre Nagado, Michel Matsuda e Rodrigo de Goes
Todos os...
CULTURA POP JAPONESA
Histórias e curiosidades
<<< ÍNDICE >>>
© Alexandre Nagado, Michel Matsuda e Rodrigo de Goes
Todos os...
CULTURA POP JAPONESA
Histórias e curiosidades
<<< ÍNDICE >>>
© Alexandre Nagado, Michel Matsuda e Rodrigo de Goes
Todos os...
CULTURA POP JAPONESA
Histórias e curiosidades
<<< ÍNDICE >>>
© Alexandre Nagado, Michel Matsuda e Rodrigo de Goes
Todos os...
CULTURA POP JAPONESA
Histórias e curiosidades
<<< ÍNDICE >>>
© Alexandre Nagado, Michel Matsuda e Rodrigo de Goes
Todos os...
CULTURA POP JAPONESA
Histórias e curiosidades
<<< ÍNDICE >>>
© Alexandre Nagado, Michel Matsuda e Rodrigo de Goes
Todos os...
CULTURA POP JAPONESA
Histórias e curiosidades
<<< ÍNDICE >>>
© Alexandre Nagado, Michel Matsuda e Rodrigo de Goes
Todos os...
CULTURA POP JAPONESA
Histórias e curiosidades
<<< ÍNDICE >>>
© Alexandre Nagado, Michel Matsuda e Rodrigo de Goes
Todos os...
CULTURA POP JAPONESA
Histórias e curiosidades
<<< ÍNDICE >>>
© Alexandre Nagado, Michel Matsuda e Rodrigo de Goes
Todos os...
CULTURA POP JAPONESA
Histórias e curiosidades
<<< ÍNDICE >>>
© Alexandre Nagado, Michel Matsuda e Rodrigo de Goes
Todos os...
CULTURA POP JAPONESA
Histórias e curiosidades
<<< ÍNDICE >>>
© Alexandre Nagado, Michel Matsuda e Rodrigo de Goes
Todos os...
CULTURA POP JAPONESA
Histórias e curiosidades
<<< ÍNDICE >>>
© Alexandre Nagado, Michel Matsuda e Rodrigo de Goes
Todos os...
CULTURA POP JAPONESA
Histórias e curiosidades
<<< ÍNDICE >>>
© Alexandre Nagado, Michel Matsuda e Rodrigo de Goes
Todos os...
CULTURA POP JAPONESA
Histórias e curiosidades
<<< ÍNDICE >>>
© Alexandre Nagado, Michel Matsuda e Rodrigo de Goes
Todos os...
CULTURA POP JAPONESA
Histórias e curiosidades
<<< ÍNDICE >>>
© Alexandre Nagado, Michel Matsuda e Rodrigo de Goes
Todos os...
CULTURA POP JAPONESA
Histórias e curiosidades
<<< ÍNDICE >>>
© Alexandre Nagado, Michel Matsuda e Rodrigo de Goes
Todos os...
CULTURA POP JAPONESA
Histórias e curiosidades
<<< ÍNDICE >>>
© Alexandre Nagado, Michel Matsuda e Rodrigo de Goes
Todos os...
CULTURA POP JAPONESA
Histórias e curiosidades
<<< ÍNDICE >>>
© Alexandre Nagado, Michel Matsuda e Rodrigo de Goes
Todos os...
CULTURA POP JAPONESA
Histórias e curiosidades
<<< ÍNDICE >>>
© Alexandre Nagado, Michel Matsuda e Rodrigo de Goes
Todos os...
CULTURA POP JAPONESA
Histórias e curiosidades
<<< ÍNDICE >>>
© Alexandre Nagado, Michel Matsuda e Rodrigo de Goes
Todos os...
CULTURA POP JAPONESA
Histórias e curiosidades
<<< ÍNDICE >>>
© Alexandre Nagado, Michel Matsuda e Rodrigo de Goes
Todos os...
CULTURA POP JAPONESA
Histórias e curiosidades
<<< ÍNDICE >>>
© Alexandre Nagado, Michel Matsuda e Rodrigo de Goes
Todos os...
CULTURA POP JAPONESA
Histórias e curiosidades
<<< ÍNDICE >>>
© Alexandre Nagado, Michel Matsuda e Rodrigo de Goes
Todos os...
CULTURA POP JAPONESA
Histórias e curiosidades
<<< ÍNDICE >>>
© Alexandre Nagado, Michel Matsuda e Rodrigo de Goes
Todos os...
CULTURA POP JAPONESA
Histórias e curiosidades
<<< ÍNDICE >>>
© Alexandre Nagado, Michel Matsuda e Rodrigo de Goes
Todos os...
CULTURA POP JAPONESA
Histórias e curiosidades
<<< ÍNDICE >>>
© Alexandre Nagado, Michel Matsuda e Rodrigo de Goes
Todos os...
CULTURA POP JAPONESA
Histórias e curiosidades
<<< ÍNDICE >>>
© Alexandre Nagado, Michel Matsuda e Rodrigo de Goes
Todos os...
Cultura pop japonesa histórias e curiosidades
Cultura pop japonesa histórias e curiosidades
Cultura pop japonesa histórias e curiosidades
Cultura pop japonesa histórias e curiosidades
Cultura pop japonesa histórias e curiosidades
Cultura pop japonesa histórias e curiosidades
Cultura pop japonesa histórias e curiosidades
Cultura pop japonesa histórias e curiosidades
Cultura pop japonesa histórias e curiosidades
Cultura pop japonesa histórias e curiosidades
Cultura pop japonesa histórias e curiosidades
Cultura pop japonesa histórias e curiosidades
Cultura pop japonesa histórias e curiosidades
Cultura pop japonesa histórias e curiosidades
Cultura pop japonesa histórias e curiosidades
Cultura pop japonesa histórias e curiosidades
Cultura pop japonesa histórias e curiosidades
Cultura pop japonesa histórias e curiosidades
Cultura pop japonesa histórias e curiosidades
Cultura pop japonesa histórias e curiosidades
Cultura pop japonesa histórias e curiosidades
Cultura pop japonesa histórias e curiosidades
Cultura pop japonesa histórias e curiosidades
Cultura pop japonesa histórias e curiosidades
Cultura pop japonesa histórias e curiosidades
Cultura pop japonesa histórias e curiosidades
Cultura pop japonesa histórias e curiosidades
Cultura pop japonesa histórias e curiosidades
Cultura pop japonesa histórias e curiosidades
Cultura pop japonesa histórias e curiosidades
Cultura pop japonesa histórias e curiosidades
Cultura pop japonesa histórias e curiosidades
Cultura pop japonesa histórias e curiosidades
Cultura pop japonesa histórias e curiosidades
Cultura pop japonesa histórias e curiosidades
Cultura pop japonesa histórias e curiosidades
Cultura pop japonesa histórias e curiosidades
Cultura pop japonesa histórias e curiosidades
Cultura pop japonesa histórias e curiosidades
Cultura pop japonesa histórias e curiosidades
Cultura pop japonesa histórias e curiosidades
Cultura pop japonesa histórias e curiosidades
Cultura pop japonesa histórias e curiosidades
Cultura pop japonesa histórias e curiosidades
Cultura pop japonesa histórias e curiosidades
Cultura pop japonesa histórias e curiosidades
Cultura pop japonesa histórias e curiosidades
Cultura pop japonesa histórias e curiosidades
Cultura pop japonesa histórias e curiosidades
Cultura pop japonesa histórias e curiosidades
Cultura pop japonesa histórias e curiosidades
Cultura pop japonesa histórias e curiosidades
Cultura pop japonesa histórias e curiosidades
Cultura pop japonesa histórias e curiosidades
Cultura pop japonesa histórias e curiosidades
Cultura pop japonesa histórias e curiosidades
Cultura pop japonesa histórias e curiosidades
Cultura pop japonesa histórias e curiosidades
Cultura pop japonesa histórias e curiosidades
Cultura pop japonesa histórias e curiosidades
Cultura pop japonesa histórias e curiosidades
Cultura pop japonesa histórias e curiosidades
Cultura pop japonesa histórias e curiosidades
Cultura pop japonesa histórias e curiosidades
Cultura pop japonesa histórias e curiosidades
Cultura pop japonesa histórias e curiosidades
Cultura pop japonesa histórias e curiosidades
Cultura pop japonesa histórias e curiosidades
Cultura pop japonesa histórias e curiosidades
Cultura pop japonesa histórias e curiosidades
Cultura pop japonesa histórias e curiosidades
Cultura pop japonesa histórias e curiosidades
Cultura pop japonesa histórias e curiosidades
Cultura pop japonesa histórias e curiosidades
Cultura pop japonesa histórias e curiosidades
Cultura pop japonesa histórias e curiosidades
Cultura pop japonesa histórias e curiosidades
Cultura pop japonesa histórias e curiosidades
Cultura pop japonesa histórias e curiosidades
Cultura pop japonesa histórias e curiosidades
Cultura pop japonesa histórias e curiosidades
Cultura pop japonesa histórias e curiosidades
Cultura pop japonesa histórias e curiosidades
Cultura pop japonesa histórias e curiosidades
Cultura pop japonesa histórias e curiosidades
Cultura pop japonesa histórias e curiosidades
Cultura pop japonesa histórias e curiosidades
Cultura pop japonesa histórias e curiosidades
Cultura pop japonesa histórias e curiosidades
Cultura pop japonesa histórias e curiosidades
Cultura pop japonesa histórias e curiosidades
Cultura pop japonesa histórias e curiosidades
Cultura pop japonesa histórias e curiosidades
Cultura pop japonesa histórias e curiosidades
Cultura pop japonesa histórias e curiosidades
Cultura pop japonesa histórias e curiosidades
Cultura pop japonesa histórias e curiosidades
Cultura pop japonesa histórias e curiosidades
Cultura pop japonesa histórias e curiosidades
Cultura pop japonesa histórias e curiosidades
Cultura pop japonesa histórias e curiosidades
Cultura pop japonesa histórias e curiosidades
Cultura pop japonesa histórias e curiosidades
Cultura pop japonesa histórias e curiosidades
Cultura pop japonesa histórias e curiosidades
Cultura pop japonesa histórias e curiosidades
Cultura pop japonesa histórias e curiosidades
Cultura pop japonesa histórias e curiosidades
Cultura pop japonesa histórias e curiosidades
Cultura pop japonesa histórias e curiosidades
Cultura pop japonesa histórias e curiosidades
Cultura pop japonesa histórias e curiosidades
Cultura pop japonesa histórias e curiosidades
Cultura pop japonesa histórias e curiosidades
Cultura pop japonesa histórias e curiosidades
Cultura pop japonesa histórias e curiosidades
Cultura pop japonesa histórias e curiosidades
Cultura pop japonesa histórias e curiosidades
Cultura pop japonesa histórias e curiosidades
Cultura pop japonesa histórias e curiosidades
Cultura pop japonesa histórias e curiosidades
Cultura pop japonesa histórias e curiosidades
Cultura pop japonesa histórias e curiosidades
Cultura pop japonesa histórias e curiosidades
Cultura pop japonesa histórias e curiosidades
Cultura pop japonesa histórias e curiosidades
Cultura pop japonesa histórias e curiosidades
Cultura pop japonesa histórias e curiosidades
Cultura pop japonesa histórias e curiosidades
Cultura pop japonesa histórias e curiosidades
Cultura pop japonesa histórias e curiosidades
Cultura pop japonesa histórias e curiosidades
Cultura pop japonesa histórias e curiosidades
Cultura pop japonesa histórias e curiosidades
Cultura pop japonesa histórias e curiosidades
Cultura pop japonesa histórias e curiosidades
Cultura pop japonesa histórias e curiosidades
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Cultura pop japonesa histórias e curiosidades

734 visualizações

Publicada em

Curiosidades sobre anime manga etc.

Publicada em: Mídias sociais
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
734
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
182
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
44
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Cultura pop japonesa histórias e curiosidades

  1. 1. CULTURA POP JAPONESA Histórias e curiosidades <<< ÍNDICE >>> © Alexandre Nagado, Michel Matsuda e Rodrigo de Goes Todos os direitos reservados. Página2 CULTURA POP JAPONESA Histórias e curiosidades Alexandre Nagado (organizador) Michel Matsuda Rodrigo de Goes 1ª edição: março de 2011
  2. 2. CULTURA POP JAPONESA Histórias e curiosidades <<< ÍNDICE >>> © Alexandre Nagado, Michel Matsuda e Rodrigo de Goes Todos os direitos reservados. Página3 ÍNDICE  Introdução - Pág. 04  Prefácio (Marcelo Cassaro) - Pág. 06  Cap. 1: Mangá – Os quadrinhos mais populares do mundo – Pág. 10  Cap. 2: Animê – Mangá em movimento – Pág. 50  Cap. 3: Tokusatsu – O reino dos monstros de borracha – Pág. 121  Cap. 4: Variedades - Música, moda, games, coisas legais e seres bizarros – Pág. 177  Epílogo: O grande terremoto – Pág. 197  Bibliografia – Pág. 199  Os autores – Pág. 201 Projeto, organização e edição: Alexandre Nagado Texto e pesquisa: Alexandre Nagado, Michel Matsuda e Rodrigo de Goes Todas as imagens contidas neste livro foram utilizadas para fins de divulgação. - Agradecimentos a Marcelo Duarte (Panda Books). - Esta obra é dedicada ao valente povo japonês.
  3. 3. CULTURA POP JAPONESA Histórias e curiosidades <<< ÍNDICE >>> © Alexandre Nagado, Michel Matsuda e Rodrigo de Goes Todos os direitos reservados. Página4 INTRODUÇÃO O universo do entretenimento produzido no Japão tem criado séries e personagens que vêm conquistando admiradores no mundo há décadas. Indo além de grupos de aficionados, a chamada cultura pop japonesa se infiltrou na mídia, extrapolou as fronteiras da colônia japonesa e criou modas, manias e influenciou muita gente. Mangá, animê, tokusatsu, games, músicas, moda... O Japão virou pop. No Brasil, a popularidade de tais produções gerou fãs apaixonados, ávidos por informações vindas do outro lado do mundo. Este livro é para os fãs que adoram conhecer saborosos detalhes de produção que ajudam a entender melhor as coisas que tanto gosta. E também para aqueles apreciadores eventuais e nostálgicos que guardam perguntas em seu íntimo sobre assuntos que pouca gente domina. Indo além, este livro também apresenta a origem de vários termos recorrentes, curiosidades comportamentais e explicações conceituais que farão o leitor mergulhar num universo que abrange muito mais do que quadrinhos, músicas, desenhos animados, games e gente fantasiada. Agrupados em tópicos de fácil leitura até para um não-iniciado (a razão de ser desta obra), este trabalho não tem a pretensão de apresentar um tratado sobre cultura pop japonesa e nem de ser uma referência ou guia completo sobre o assunto.
  4. 4. CULTURA POP JAPONESA Histórias e curiosidades <<< ÍNDICE >>> © Alexandre Nagado, Michel Matsuda e Rodrigo de Goes Todos os direitos reservados. Página5 O que esperamos é que este livro possa se transformar em tema para muitas e animadas conversas. Aquele detalhe que ninguém tinha percebido, aquele boato que correu pela internet, aquele autor cujo trabalho todo mundo comenta mas que você nunca prestou atenção... E também despertar a atenção em assuntos que poderão ser melhor explorados em outras fontes. Os tópicos estão organizados ora por cronologia, ora por similaridade. Em outros casos, a opção foi falar primeiro do que é mais conhecido pelo público brasileiro não-iniciado, para depois, didaticamente, retroceder e explicar de onde vieram as ideias. Mas também tem muita coisa aleatória, curiosidades soltas que afloravam na memória e que precisavam ser registradas para não serem esquecidas. Por isso, não se acanhe em começar a ler de qualquer ponto. Vai funcionar do mesmo jeito. Sinceramente, aposto que você vai acabar lendo esta obra muitas vezes sem perceber, cada vez prestando mais atenção em algum tema ou detalhe, estabelecendo suas próprias conexões entre os assuntos. E vai descobrir que este livro também conta um pouco de mitologia, história, religião, costumes, esportes, comportamento e cultura geral. Assuntos que farão você aprender muito sobre o Japão e perceber que a cultura pop japonesa é tão rica quanto divertida. Boa leitura! - Alexandre Nagado Ilha Solteira (SP), 09 de março de 2011.
  5. 5. CULTURA POP JAPONESA Histórias e curiosidades <<< ÍNDICE >>> © Alexandre Nagado, Michel Matsuda e Rodrigo de Goes Todos os direitos reservados. Página6 PREFÁCIO Escrevi Holy Avenger por amar animê e mangá. Como eu, muitos brasileiros também amam animê e mangá. Era o final da década de 1990. O novo fenômeno nas bancas eram os mangás oficiais de Cavaleiros do Zodíaco e Dragon Ball Z, alcançando vendas muito acima de quaisquer outros quadrinhos no Brasil. Muitos diziam ser ―moda passageira‖; hoje, dúzias de outros mangás enchem as bancas. Houve muito oportunismo na época. Autores e editoras nacionais tentando copiar o estilo. Quase nenhum desses títulos durou muito — os fãs sabiam reconhecer a diferença entre uma HQ oportunista, e o trabalho de alguém com amor verdadeiro por mangá. Na mesma época, depois de algumas minisséries bem-sucedidas na antiga Editora Trama, recebi sinal verde para uma série longa. Holy Avenger tinha traço de Erica Awano, em estilo indiscutivelmente japonês (muito embora minha narrativa não fosse assim tão próxima dos mangás originais). A conselho dela, nunca usei o termo ―mangá‖ para tratar da Holy. Você pode procurar: nenhum texto, nenhum anúncio, nenhuma propaganda jamais disse que Holy Avenger era um mangá. Por quê? Se os mangás eram sucesso comercial, porque não associar Holy Avenger a eles? Decidimos assim porque sempre houve polêmica
  6. 6. CULTURA POP JAPONESA Histórias e curiosidades <<< ÍNDICE >>> © Alexandre Nagado, Michel Matsuda e Rodrigo de Goes Todos os direitos reservados. Página7 sobre o que deveria ser considerado um ―mangá verdadeiro‖. Mangá é a palavra japonesa para história em quadrinhos — então, a rigor, toda HQ é um mangá? Ou talvez sejam apenas histórias dentro de certo estilo, com olhos grandes e speedylines (linhas de velocidade)? Ou ainda, somente histórias feitas no Japão, por e para japoneses? Por tudo isso, nunca chamamos Holy Avenger de mangá. O mesmo respeito e cautela podem ser vistos hoje na Turma da Mônica Jovem, não um mangá, mas uma revista em ―estilo mangá‖. Mais tarde, em 2007, o Ministério dos Assuntos Estrangeiros do Japão criou o Concurso Internacional de Mangás, para premiar trabalhos nesse estilo feitos em outros países. Das centenas de trabalhos inscritos, Holy Avenger foi o único finalista brasileiro. Eu e Erica Awano recebemos, em mãos, certificados do então Ministro Taro Aso (mais tarde ele se tornaria Primeiro Ministro do Japão). E ali diz que Holy Avenger é um mangá. Se o Governo Japonês diz que é, quem sou eu para discordar? Qualquer fã pode apontar dúzias de diferenças entre quadrinhos Orientais e Ocidentais. Eu, quando estou explicando para um leigo, em geral escolho a seguinte: na maioria dos quadrinhos de super-heróis, o protagonista recebe seus poderes de graça — já nascem com ele, ou chegam por acidente. Superman tem poderes por ser extraterrestre. O Homem-
  7. 7. CULTURA POP JAPONESA Histórias e curiosidades <<< ÍNDICE >>> © Alexandre Nagado, Michel Matsuda e Rodrigo de Goes Todos os direitos reservados. Página8 Aranha foi picado por uma aranha radioativa. Batman, milionário. X-Men, mutantes. Hulk, bomba gama. Nos comics, grande poder não vem com grande responsabilidade; ele vem com grande facilidade. Nos mangás e animês, quase nunca vemos isso acontecer — o povo japonês não acredita em conquista sem esforço, sem sacrifício. Street Fighters levam anos dominando seus estilos de luta e golpes especiais, como qualquer artista marcial. Cavaleiros do Zodíaco vivem o inferno em lugares terríveis antes de manifestar seu Cosmo. Ninjas das Vilas Ocultas estudam na escola e obedecem mestres. Mesmo para o eventual sayajin, nascido em outro planeta, o poder só vem com muito treinamento duro em gravidade pesada. Enfim, mangás e animês são focados em seu público — o povo japonês. Gente disciplinada que valoriza o esforço, a determinação, a força de vontade. Levantar-se após cair. Ser arrasado por bombas atômicas, reconstruir a nação e tornar-se a segunda maior potência econômica mundial. Mas também gente tímida e introspectiva, com dificuldade para relacionar-se. Gente conformada com a vida rigorosa de trabalho e estudo. Gente que não chora ou reclama; procura conforto no mangá e animê. Gente muito diferente de nós. Assim, é espantoso que suas histórias sejam tão amadas aqui nos trópicos.
  8. 8. CULTURA POP JAPONESA Histórias e curiosidades <<< ÍNDICE >>> © Alexandre Nagado, Michel Matsuda e Rodrigo de Goes Todos os direitos reservados. Página9 Conheci Alexandre Nagado no final dos anos 80, quando escrevíamos HQs licenciadas de Jaspion e Changeman para a Editora Abril. Mais tarde, quando me afastei da revista Street Fighter, eu o recomendei para assumir meu lugar como roteirista. E anos depois, quando a Editora Trama lançava novos títulos nacionais, um deles seria em estilo mangá; Nagado foi minha primeira escolha, com seu Blue Fighter. Nagado é, hoje, um dos maiores estudiosos de cultura pop japonesa no Brasil. E seu convite para escrever este prefácio foi um privilégio — porque as pessoas envolvidas neste livro amam animê, mangá e tokusatsu. Sobre isso não existe dúvida. Esses artistas agora trazem curiosidades e bastidores dessas obras japonesas que tanto apreciamos. Ajudam a desvendar coisas, a princípio, misteriosas. Nomes engraçados. Enredos estranhos. Personagens esquisitos. Histórias que nunca entendemos totalmente, mas mesmo assim amamos. Graças ao esforço deles, você vai descobrir coisas especiais sobre aquela série, aquele herói, aquela aventura que marcou sua vida. E talvez, também descubra porque isso acabou acontecendo. — Marcelo Cassaro Roteirista de quadrinhos, escritor de livros de RPG, desenhista e editor.
  9. 9. CULTURA POP JAPONESA Histórias e curiosidades <<< ÍNDICE >>> © Alexandre Nagado, Michel Matsuda e Rodrigo de Goes Todos os direitos reservados. Página10 CAPÍTULO 1: MANGÁ – OS QUADRINHOS MAIS POPULARES DO MUNDO 1) O QUE SIGNIFICA MANGÁ? - Mangá é a palavra que define as histórias em quadrinhos e os gibis japoneses, que conquistaram leitores no mundo inteiro, tornando-se verdadeiro fenômeno editorial em vários países. Mas o que pouca gente sabe é que nem sempre foi assim. Quando a palavra foi usada pela primeira vez, lá pelo século XIX pelo artista Katsushika Hokusai, mangá tinha outro sentido. A palavra dava nome a desenhos engraçados, como as charges e caricaturas que já faziam parte da tradição japonesa de artes visuais voltadas ao consumo popular. A palavra mangá pode ser traduzida como ―desenho divertido‖ e o termo apareceu com os Hokusai Mangá, série de estudos figurativos cujo primeiro volume (de um total de 15) foi publicado em 1814. Hokusai, nascido em 1760 e falecido em 1849, é famoso no mundo inteiro, mas não por causa de mangá ou desenhos humorísticos. É dele uma série de xilogravuras ukiyo-ê chamada ―36 Vistas do Monte Fuji‖ e seu desenho mais famoso é o Vagalhão de Kanagawa, a onda gigante que ele retratou com
  10. 10. CULTURA POP JAPONESA Histórias e curiosidades <<< ÍNDICE >>> © Alexandre Nagado, Michel Matsuda e Rodrigo de Goes Todos os direitos reservados. Página11 muito estilo e virou sua marca registrada no mundo inteiro. 2) MANGÁ EM ROLOS – Muito antes da palavra mangá ser usada pela primeira vez, já existiam ilustrações humorísticas e caricaturas no Japão, pelo menos desde o chamado Período Heian (794- 1185 d.C.). Um dos mais antigos exemplares desse tipo de trabalho que ainda existe em bom estado é o Chôjûgiga (―Desenhos engraçados de animais‖), uma série de ilustrações com animais humanizados em situações cômicas, comumente representando sacerdotes. O trabalho, com um traço leve e dinâmico, foi feito por um monge budista conhecido como Tôba (1053~1140), no século XII. Fazendo jus à denominação ―rolos de animais‖ (nome pelo qual pesquisadores ocidentais se referem), o material está distribuído em um rolo de papel com cerca de 10 metros de comprimento. A relíquia está preservada no Museu Internacional do Mangá, na cidade de Kyoto.
  11. 11. CULTURA POP JAPONESA Histórias e curiosidades <<< ÍNDICE >>> © Alexandre Nagado, Michel Matsuda e Rodrigo de Goes Todos os direitos reservados. Página12 3) OSAMU TEZUKA - DE MÉDICO A DEUS - Osamu Tezuka, nascido em 1928 e falecido em 1989, foi considerado o ―Deus do Mangá‖, tamanha a revolução que ele promoveu. A partir dele, o mangá ficou mais expressivo no desenho, cinematográfico nos enquadramentos e mais segmentado. Mas ele também foi marcante em outras áreas. Seu personagem Astro Boy marcou época na TV e seu herói Magma Taishi (Embaixador Magma), conhecido no Brasil como Vingadores do Espaço, foi o primeiro seriado colorido da TV japonesa, em julho de 1966. Sua prolífica carreira inclui ainda as séries A Princesa e o Cavaleiro, O Menino Biônico, Don Drácula, Buda, Black Jack, Kimba, Adolf, Hi no Tori e muitas outras, totalizando mais de 700 criações. E ele quase não seguiu a carreira artística, pois estudou medicina, curso que fez ao mesmo tempo em que começava a ganhar fama publicando seus quadrinhos profissionalmente. 4) POR QUE OLHOS GRANDES? – Primeiro, vamos esclarecer que nem todo mangá tem os famosos olhos grandes e brilhantes que tantos amam. Os primeiros mangás nem tinham essa característica, que acabou se tornando a mais facilmente reconhecível dos quadrinhos e animações japonesas. Quem começou isso foi o pioneiro do moderno mangá, Osamu Tezuka, na década de 1940. Os motivos foram vários.
  12. 12. CULTURA POP JAPONESA Histórias e curiosidades <<< ÍNDICE >>> © Alexandre Nagado, Michel Matsuda e Rodrigo de Goes Todos os direitos reservados. Página13 Tezuka era fã de um teatro tradicional chamado Takarazuká, que é interpretado somente por mulheres (em contraposição ao masculino Kabuki) e no qual as atrizes usam fortes maquiagens para realçar os olhos. O criador do Astro Boy também adorava animações Disney, em especial o Bambi (de 1942) e seus olhos verticais e cheios de brilho e sentimento. Esses olhos dão muita expressividade às figuras e permitem que, mesmo num quadrinho pequeno em uma página, seja fácil identificar o que se passa com o personagem. A resposta para a questão inicial é que olhos grandes são expressivos e o mangá é um meio onde a expressividade é uma característica essencial. 5) O SOM DO SILÊNCIO - Onomatopeias são aquelas palavras que representam sons. Nos quadrinhos, são escritas com letras desenhadas para realçar seu efeito dramático numa história. Nos quadrinhos japoneses, as onomatopeias são usadas mais ostensivamente do que em qualquer outro lugar, sendo importantes até na composição visual e diagramação de uma página. Além das representações sonoras diferentes do ocidente (um latido é "wan wan", uma explosão é "dokan" e por aí vai), há também aquelas onomatopeias que reforçam estados de espírito, gestos ou dramatizam situações, criando atmosfera. E o exemplo mais marcante é que existe até uma onomatopeia para definir o silêncio: é "shiiin‖.
  13. 13. CULTURA POP JAPONESA Histórias e curiosidades <<< ÍNDICE >>> © Alexandre Nagado, Michel Matsuda e Rodrigo de Goes Todos os direitos reservados. Página14 6) ANMITSU HIME: UM MANGÁ PARA TEMPOS DIFÍCEIS – Um traço comum às sociedades que passam por tempos difíceis é o de que quanto piores as coisas ficam, mais alegres e otimistas se tornam os conteúdos dos entretenimentos oferecidos ao povo. No Japão pós-segunda guerra mundial, um país arrasado onde a vida cotidiana era muito difícil, a coisa não era diferente. Nesse cenário, uma série de mangá para meninas de tom leve e despreocupado acabou ganhando destaque: Anmitsu Hime (Princesa Anmitsu) de Shosuke Kurakane. Publicada originalmente entre 1949 e 1955, a série se passa em uma versão fantasiosa do Japão feudal e narra as aventuras da princesinha Anmitsu, cujo nome significa doce de feijão com mel. Teimosa e rebelde, Anmitsu leva seus pais e professores à loucura com suas travessuras, já que se recusa terminantemente a comportar-se de maneira devida à alguém de sua posição. Tudo é levado em tom humorístico, sempre tendo como cenário o castelo de Amakara. Um lugar repleto de alegria cheio de festas com (principalmente) muita comida. Mesmo após o seu cancelamento, a série permaneceu com seu espaço conquistado no coração dos japoneses. Tanto que, de lá até os dias de hoje, já foram realizados dois filmes, três novelas e uma série de animação com as aventuras da princesinha. Houve até mesmo um remake do mangá, feito em 1986 por Izumi Takemoto. Sem dúvida, Anmitsu Hime foi o perfeito retrato dos sonhos de uma época muito dura.
  14. 14. CULTURA POP JAPONESA Histórias e curiosidades <<< ÍNDICE >>> © Alexandre Nagado, Michel Matsuda e Rodrigo de Goes Todos os direitos reservados. Página15 7) ASHITA NO JOE: MAIS QUE UM PERSONAGEM – Apesar desse fato parecer um tanto estranho ao modo de pensar ocidental, o mangá para os japoneses é muito mais do que um simples entretenimento. Ele está tão enraizado na cultura popular que, em alguns casos, chega a funcionar como agente transformador da sociedade, influenciando até mesmo a autoestima do povo. Um exemplo lapidar desse fenômeno é o lendário mangá Ashita no Joe (Joe do Amanhã), escrito por Asao Takamori (Ikki Kajiwara) e desenhado por Tetsuya Chiba. Publicado entre 1968 e 1973 na revista semanal Shonen Magazine, o mangá conta a história de Joe Yabuki, um delinquente juvenil revoltado e encrenqueiro que sai de uma origem pra lá de humilde para se tornar um dos boxeadores mais famosos do mundo. Isso, é claro, após passar por todos os sofrimentos e dificuldades possíveis e imagináveis. A série ganhou tamanha força, que os jovens das classes menos favorecidas do Japão passaram a adotar Joe como ídolo e modelo de esperança, tratando-o quase como uma pessoa real. Essa devoção transformou-o em um personagem folclórico, cuja figura é usada até hoje como exemplo de superação. Para corroborar esse
  15. 15. CULTURA POP JAPONESA Histórias e curiosidades <<< ÍNDICE >>> © Alexandre Nagado, Michel Matsuda e Rodrigo de Goes Todos os direitos reservados. Página16 fato, a editora Kodansha iniciou em 2009 a republicação do mangá original nas páginas da revista semanal Gendain, título que tem como alvo um público masculino adulto formado em sua maioria por funcionários de empresas do meio corporativo, os famosos ―salaryman‖. O objetivo declarado da editora é usar o mangá para levantar o moral desses leitores, muito abalado após a crise econômica de 2008. Em fevereiro de 2011, uma versão live-action para cinema foi lançada, com o cantor e ator Tomohisa Yamashita como Joe e Yûsuke Iseya como o rival Rikiishi. Se é verdade que algo é real desde que se acredite em sua existência, pode-se dizer que Joe Yabuki está mais vivo do que nunca. 8) FUNERAL PARA UM LUTADOR (DE PAPEL) – Um bom exemplo de até onde pode chegar o amor dos fãs por um personagem, ocorreu no Japão em março de 1970. Em um momento culminante do popularíssimo mangá de boxe Ashita no Joe, o protagonista Joe Yabuki enfrentou seu arquirrival Toru Rikiishi em um combate histórico, que terminou com a morte de Rikiishi. O fato causou tamanha comoção entre os leitores, que o polêmico artista de vanguarda Shuji Terayama, fã de boxe e da série, chegou mesmo a convocá-los para uma cerimônia funerária em homenagem ao morto. E assim, mais de 700 pessoas compareceram à tal cerimônia, devidamente trajados de preto e portando incensos e coroas de flores. Em um ringue de boxe montado nas dependências da editora Kodansha, um monge budista oficiou os ritos e encomendou a alma de Toru Rikiishi. Uma
  16. 16. CULTURA POP JAPONESA Histórias e curiosidades <<< ÍNDICE >>> © Alexandre Nagado, Michel Matsuda e Rodrigo de Goes Todos os direitos reservados. Página17 cerimônia verdadeira para um personagem de mangá. 9) FAZENDO TRABALHO DE MULHER - Shôjo mangá é o tipo de história em quadrinhos para meninas adolescentes, um gênero que já teve títulos como Guerreiras Mágicas de Rayearth, Peach Girl e Sailor Moon. Mas apesar de ter surgido a partir do trabalho de Osamu Tezuka com a série A Princesa e o Cavaleiro, o shojo manga logo se tornou um produto sempre feito de mulheres para mulheres. Ou quase sempre. Um certo quadrinhista chamado Akira Matsumoto começou a publicar profissionalmente com apenas 15 anos após vencer um concurso da revista Manga Shonen Magazine, em 1953. Mas apesar do começo promissor, ele teve dificuldade em se manter no mercado com trabalhos mais pessoais e acabou desenhando para revistas femininas. Como o nome Akira também pode ser usado para mulheres (apesar de ser menos comum do que para homens), muitas leitoras nem devem ter percebido que eram desenhos de homem. Quando ele conseguiu se desvencilhar das românticas e quase sempre adocicadas revistas shojo e teve a chance de publicar trabalhos mais densos e viris, passou a assinar Leiji Matsumoto, seu novo nome artístico. E foi assim que ele ganhou espaço entre os grandes nomes do mangá e do animê, com trabalhos como Patrulha Estelar, Capitão Harlock, Galaxy Express 999, Submarine Super 99 e os clipes em animê da dupla francesa Daft Punk, que formaram o DVD Interstella 5555: The 5tory of the 5ecret 5tar 5ystem.
  17. 17. CULTURA POP JAPONESA Histórias e curiosidades <<< ÍNDICE >>> © Alexandre Nagado, Michel Matsuda e Rodrigo de Goes Todos os direitos reservados. Página18 10) O HOMEM QUE PRODUZIU 770 MANGÁS! - Com revistas semanais ditando o ritmo no mercado de mangás, é comum que os desenhistas de ponta tenham que produzir quase 20 páginas de quadrinhos por semana. Isso dá quase 80 por mês, uma marca impressionante, mesmo considerando que os autores trabalhem com assistentes para fazer a ―parte chata‖ do trabalho, como pintar áreas de preto, completar cenários, aplicar tons de cinza, traçar linhas de movimento (speedylines), etc. Porém, no auge da fama e com encomendas de várias revistas ao mesmo tempo, o lendário Osamu Tezuka e sua equipe já tiveram que produzir cerca de 300 páginas num único mês. Mas o recorde absoluto foi de Shotaro Ishinomori, um discípulo de Tezuka e criador de títulos como Kamen Rider, Cyborg 009, Sabu to Ichi Torimono Hikae, Green Grass, Hotel, Patrine, Goranger (o precursor do gênero Super Sentai) e muitos outros. Ishinomori chegou à inalcançável marca de 500 páginas escritas e desenhadas em um único mês. Também entrou para o Guiness Book of Records, por ter produzido mais de 128 mil páginas de quadrinhos em 770 mangás ao longo de uma carreira de 45 anos. Se Osamu Tezuka era o Deus do Mangá, Ishinomori era o Rei.
  18. 18. CULTURA POP JAPONESA Histórias e curiosidades <<< ÍNDICE >>> © Alexandre Nagado, Michel Matsuda e Rodrigo de Goes Todos os direitos reservados. Página19 11) O REI DO MANGÁ E A NUMEROLOGIA - Apesar de famoso por trabalhos no campo da ficção científica, Shotaro Ishinomori era um homem supersticioso. Nascido como Shotaro Onodera, assumiu o nome artístico inicialmente como Shotaro Ishimori. Influenciado pela numerologia que, no Japão, leva em conta o número de traços usado para escrever as letras do nome, ele passou a assinar Ishinomori. A mudança aconteceu em 1986, mas não parece ter feito muita diferença. Naquela época, ele já havia criado os mangás de Kamen Rider, Goranger, Inazuman, Esquadrão Arco-Íris (Rainbow Sentai Robin), Henshin Ninja Arashi, Cyborg 009 e muitos outros sucessos que foram adaptados para a TV. Em termos comerciais, seus maiores sucessos aconteceram antes da mudança do nome artístico. 12) O FIM DO MUNDO, SEGUNDO SHOTARO ISHINOMORI - O consagrado autor Shotaro Ishinomori tinha uma crença: a de que o mundo não passaria do ano 2000. Essa convicção era tão arraigada que os enredos de suas histórias de ficção científica futurista – sempre com uma visão pessimista do mundo - nunca passavam do ano de 1999. No mangá original de Kamen Rider Black, por exemplo, o herói e seu irmão Shadow Moon travam seu duelo final nos escombros de Tóquio no ano 1999, uma data não muito distante da data de publicação dessa história, que foi em 1988 na revista Shonen Sunday. De certa forma, o mundo acabou mesmo pra ele antes do ano 2000. O venerado Sensei (mestre) Shotaro Ishinomori faleceu em 28 de janeiro de 1998, aos 60 anos, por problemas cardíacos.
  19. 19. CULTURA POP JAPONESA Histórias e curiosidades <<< ÍNDICE >>> © Alexandre Nagado, Michel Matsuda e Rodrigo de Goes Todos os direitos reservados. Página20 13) OS PRIMEIROS MANGÁS BRASILEIROS – Nos dias de hoje, é muito comum que dúzias de trabalhos realizados no estilo mangá surjam nas bancas e livrarias. Muitos acreditam que tamanha influência se deve à explosão dos animês ocorrida a partir da metade dos anos 1990, o que faria do chamado mangá brasileiro um fenômeno recente. Na verdade, os primeiros mangás brasileiros surgiram por volta da metade dos anos 1960, pelas mãos de um jovem roteirista, desenhista e editor chamado Minami Keizi. Nascido na cidade paulista de Getulina no ano de 1945, Keizi passou a infância e a adolescência consumindo mangás originais vindos do Japão. Em 1964 criou o personagem ―Tupãzinho, O Guri Atômico‖, fortemente baseado em Astro Boy. Entretanto, teve de modificar o personagem por imposição dos editores, que preferiam um estilo de desenho mais americanizado. Após a transformação, Tupãzinho foi publicado em tiras no jornal Diário Popular e chegou a ter revista própria, publicada em 1966 pela editora Pan Juvenil. No mesmo ano e editora, Keizi publicou o Álbum Encantado, um livro de fábulas escrito por ele e ilustrado (sob sua orientação) em estilo mangá por renomados artistas da época, com destaque para Fabiano J. Dias. Ambos os trabalhos, são considerados os pioneiros do gênero no Brasil.
  20. 20. CULTURA POP JAPONESA Histórias e curiosidades <<< ÍNDICE >>> © Alexandre Nagado, Michel Matsuda e Rodrigo de Goes Todos os direitos reservados. Página21 Além disso, como editor-chefe da editora paulista Edrel (sucessora da Pan Juvenil), Keizi abriu as portas para um talentoso grupo de jovens artistas que posteriormente viriam a se consagrar não somente no meio das HQs nacionais, mas também no das artes plásticas: Paulo Fukue, Fernando Ikoma e o lendário Cláudio Seto, o grande mestre do mangá brasileiro. Foram valorosos pioneiros em uma época distante. Cláudio Seto, autor de O Samurai e muitos outros personagens, faleceu em 2008, aos 64 anos. Minami Keizi faleceu em 2009, também aos 64 anos. Ambos deixaram suas marcas na história do mangá brasileiro. 14) MANGÁ NA UNIVERSIDADE - Histórias em quadrinhos – mangá incluído – se tornaram um tema recorrente em trabalhos e pesquisas em faculdades de comunicação. Trata-se de uma valorização dos quadrinhos como arte e cultura no mundo todo, mas sempre houve muita resistência para que o assunto fosse levado a sério, ainda mais no sisudo ambiente acadêmico. Nessa área, o trabalho pioneiro foi feito no Brasil, na Escola de Comunicações e Artes (ECA), da USP, em São Paulo. A professora Sonia Maria Bibe-Luyten fez sua tese de mestrado sobre mangá em 1971, uma época em que o tema era desconhecido da maioria das pessoas. Com o título Mangá – O Poder dos Quadrinhos Japoneses, o trabalho pioneiro em pesquisa acadêmica sobre mangás foi transformado em livro em 1991 pela editora Estação Liberdade. Em 2001, foi relançado pela editora Hedra. 15) A VITÓRIA DA PERSISTÊNCIA - Nascido em 1945, o artista Go Nagai é conhecido por ter
  21. 21. CULTURA POP JAPONESA Histórias e curiosidades <<< ÍNDICE >>> © Alexandre Nagado, Michel Matsuda e Rodrigo de Goes Todos os direitos reservados. Página22 criado o clássico e revolucionário robô gigante Mazinger Z, em 1972. Mas também é considerado um autor profano, associado a trabalhos com forte teor de violência e erotismo, características que já lhe renderam muitas críticas por inserir elementos considerados inadequados para séries infanto-juvenis. Suas produções para adultos o fizeram um autor tão cultuado quanto polêmico devido aos limites que vive ultrapassando. Mas polêmicas à parte, é inegável sua importância na cultura pop japonesa, pois além de Mazinger Z, criou títulos como Cutey Honey, Devilman e muitos outros que ganharam legiões de fãs. Sua carreira é um exemplo de curiosa obstinação. Quando jovem, após contrair uma diarreia que durou mais de 3 semanas, ele temeu estar com câncer de intestino e passou a imaginar que ia morrer logo. Decidiu realizar seu sonho de criança e se tornar um autor de mangá. Logo descobriu-se que não tinha nada tão grave e ele foi medicado, mas já havia se decidido a não seguir os estudos e começou a mandar testes para editoras. Consta que ele já mostrava muito talento desde cedo mas sua mãe, secretamente, ligava para os editores e pedia que não chamassem seu filho, pois ela não queria que ele fosse um artista profissional e sim que seguisse uma carreira tradicional. Porém, um dia um desses testes que ele ingenuamente mandava foi visto pelo veterano Shotaro Ishinomori, que conseguiu convencer sua mãe a deixá-lo seguir seu sonho. De assistente de Ishinomori, Go Nagai logo alçou voo solo e se consagrou como um dos mais importantes autores de mangá. E tudo começou com uma grande dor de barriga...
  22. 22. CULTURA POP JAPONESA Histórias e curiosidades <<< ÍNDICE >>> © Alexandre Nagado, Michel Matsuda e Rodrigo de Goes Todos os direitos reservados. Página23 16) O SEGREDO DA SHONEN JUMP - Lançada em 1968 pela editora Shueisha, a revista Shûkan Shonen Jump (Salto Jovem – Semanal) é voltada ao público adolescente masculino (shonen) e se transformou no maior sucesso editorial da Terra do Sol Nascente. Com mais de 400 páginas em papel jornal e impressa na maior parte em preto-e-branco (um formato comum no país), a revista já teve picos de venda de mais de 5 milhões de exemplares por edição. De suas
  23. 23. CULTURA POP JAPONESA Histórias e curiosidades <<< ÍNDICE >>> © Alexandre Nagado, Michel Matsuda e Rodrigo de Goes Todos os direitos reservados. Página24 páginas, saíram títulos como Dragon Ball, Cavaleiros do Zodíaco, Super Campeões, Naruto, Slam Dunk, Hikaru no Gô, Samurai X, Video Girl Ai, Dr. Slump, Gen – Pés Descalços, One Piece, Yu Yu Hakusho, Death Note, Yu-Gi-Oh, Shaman King e muitos outros. Parte do segredo da revista está em sua forte política editorial. Enquetes são feitas periodicamente perguntando a seus leitores 3 questões: 1- Qual a palavra que mais aquece seus corações, 2- O que eles sentem ser a coisa mais importante na vida e 3- O que os deixa mais felizes. As respostas são, ―amizade‖, ―esforço‖ e ―vitória‖, respectivamente. Basta uma lida em duas séries campeãs de épocas diferentes, como Naruto e Cavaleiros do Zodíaco, para ver que essa política vem sendo seguida nas séries de maior apelo popular. Com diversos títulos derivados no Japão, a Shonen Jump estreou nos EUA com uma versão mensal em novembro de 2002, apesar da capa indicar ―janeiro de 2003‖. 17) AFTERNOON: O MAIOR GIBI DO MUNDO – Muita gente acha os almanaques japoneses de mangá parecidos com listas telefônicas. Não existe mangá que mereça mais esse apelido que a revista mensal Afternoon, da Ed. Kodansha, com mais de 1.000 páginas por edição. A Afternoon publicou a série Ah! Megami Sama (Oh My Goddess!), de Kosuke Fujishima, de bastante repercussão no Japão e que teve seu animê já visto no Brasil. Outra série conhecida no Brasil é Mugen no Juunin (Blade – A Lâmina do Imortal), de Hiroaki Samura. A Afternoon foi fundada em 1987 e é também a revista de quadrinhos mensal mais ―pesada‖ do mundo, com cerca de 1 kg de papel por edição. Essa não
  24. 24. CULTURA POP JAPONESA Histórias e curiosidades <<< ÍNDICE >>> © Alexandre Nagado, Michel Matsuda e Rodrigo de Goes Todos os direitos reservados. Página25 dá pra guardar no meio dos livros pra ler escondido na escola... 18) REI DO FUTEBOL POR ACASO – Não há como discutir que o nome mais representativo da história dos mangás ligados ao tema futebol é o do mangaká Yoichi Takahashi. Especialista em mangás esportivos, ele é considerado um dos grandes responsáveis pela popularização do futebol no Japão durante os anos 80. Tudo devido ao seu megassucesso Super Campeões (Captain Tsubasa, no original), série produzida em várias fases ao longo de mais de vinte anos e cujas versões em animê rodaram o mundo. Mas o mais engraçado dessa história é que, ao contrário do que se poderia imaginar, Takahashi não era fã de futebol. Segundo ele mesmo, a primeira vez que assistiu a uma partida foi aos 17 anos de idade, através de uma transmissão de TV enquanto jantava com amigos em um restaurante italiano. Foi só a partir daí que ele tomou conhecimento do que era o esporte. 19) O SENHOR DOS DESAFIOS – Muito mais do que um grande roteirista de mangás esportivos (gênero ainda pouco difundido no Brasil), ele foi um dos maiores da história do gênero. Sua capacidade sem igual de trabalhar com ação dramática e temas de superação, garantiram-lhe um lugar entre os grandes. Por isso mesmo, torna-se impossível contar a história do mangá moderno sem citar o nome de Ikki Kajiwara. Nascido como Asaki Takamori em 1936, ele chegou ao estrelato na segunda metade dos anos 60 produzindo para a revista Shonen Magazine aquelas que seriam as suas três obras primas: Kyoujin no Hoshi (A Estrela
  25. 25. CULTURA POP JAPONESA Histórias e curiosidades <<< ÍNDICE >>> © Alexandre Nagado, Michel Matsuda e Rodrigo de Goes Todos os direitos reservados. Página26 dos Gigantes) desenhada por Noboru Kawasaki e que tinha como tema o beisebol, Tiger Mask ilustrada por Naoki Tsuji e que abordava a luta livre e a mais do que lendária obra sobre boxe Ashita no Joe, que teve o traço de Tetsuya Chiba e foi assinada por Kajiwara com o pseudônimo de Asao Takamori. Sua obra mais conhecida no Brasil é a versão em animê do mangá biográfico Kick no Oni (O demônio do Chute), desenhado por Ken Nakajô e que romanceava a vida do kickboxer japonês Tadashi Sawamura. Produzida pela Toei Animation em 1970, a série de animê fez grande sucesso no Brasil entre o final dos anos 70 e o início dos 80, sendo aqui exibida com o nome de Sawamu, o demolidor. No início de 1987, Kajiwara faleceu precocemente aos 50 anos, deixando atrás de si um legado imortal. 20) UM MANGÁ EM DOZE ASSALTOS – Famoso por seus mangás de guerreiros fantásticos, Masami Kurumada possui uma obra do gênero esportivo pouco conhecida no ocidente, mas muito famosa no Japão: Ring ni Kakero (Arrisque tudo no Ringue!). Publicada entre 1977 e 1981 na revista semanal Shonen Jump, a história fala da vida de três personagens: O jovem boxeador Ryuuji Takane, seu arquirrival Jun Kenzaki e a irmã de Takane, Kiku, que é também sua treinadora. Recheada de combates, dramas e histórias de superação, a série é considerada um dos exemplos mais representativos do que é chamado de ―Estilo Shonen Jump‖ de fazer mangá. Além disso, suas lutas épicas cheias de golpes especiais e referências a mitologia grega, serviram de base para Kurumada desenvolver Os Cavaleiros do Zodíaco. O próprio protagonista, Ryuuji Takane,
  26. 26. CULTURA POP JAPONESA Histórias e curiosidades <<< ÍNDICE >>> © Alexandre Nagado, Michel Matsuda e Rodrigo de Goes Todos os direitos reservados. Página27 serviu de modelo para o cavaleiro Seiya. Anos mais tarde, após o fim de B’t X, o autor resolveu retomar a série. E assim, no ano de 2000, a revista mensal Super Jump iniciou a publicação de Ring ni Kakero 2, desta vez contando a história de outro boxeador: Rindo Kenzaki, filho de Jun e Kiku. 21) RUMIKO TAKAHASHI: A RAINHA DO MANGÁ – Tudo começou em 1978, quando uma desconhecida estudante universitária ganhou um concurso de novos talentos promovido pela editora Shogakukan. Mais do que uma nova artista, nascia para o mundo não só o maior nome feminino da história do mangá mas também das HQs em geral: Rumiko Takahashi. Nas décadas que se seguiram, ela enfileirou um sucesso atrás do outro: Urusei Yatsura, Maison Ikoku, Ranma ½, InuYasha e mais recentemente, Kyokai no Rinne. Quase todos lançados na revista semanal Shonen Sunday, de quem se tornou uma das marcas, juntamente com Mitsuru Adachi e Gosho Aoyama. Sucesso de público sem precedentes, as coletâneas de seus trabalhos já venderam ao redor do mundo a absurda marca de mais de 170 milhões de exemplares, o que a tornou a artista de quadrinhos mulher mais bem paga do planeta. Os dados sobre sua fortuna são guardados a sete chaves, mas é fato de que desde os anos 90 ela se tornou uma das pessoas físicas que
  27. 27. CULTURA POP JAPONESA Histórias e curiosidades <<< ÍNDICE >>> © Alexandre Nagado, Michel Matsuda e Rodrigo de Goes Todos os direitos reservados. Página28 mais paga imposto de renda no Japão... O que não é pouco. Se Tezuka é o Deus e Ishinomori o Rei, Takahashi merece ser chamada de Rainha. 22) FAMÍLIA DE SUCESSO? – Responda rápido: Além de serem renomados mangakás, o que Rumiko Takahashi (Ranma ½ e InuYasha), Yoichi Takahashi (Super Campeões) e Kazuki Takahashi (Yu-Gi-Oh!) tem mais em comum? A resposta é... Absolutamente nada. Sim, porque ao contrário do que se poderia imaginar à primeira vista, eles não são parentes. Apesar de parecer bem diferente e exótico para nós, Takahashi é um sobrenome extremamente popular entre os japoneses e juntamente com Sato, Suzuki, Tanaka e Watanabe, forma o grupo dos cinco sobrenomes mais utilizados pelos cidadãos do arquipélago. Como se pode ver, o Japão também tem os seus ―Silvas‖. 23) NA PORTA DO BANHEIRO – Na série de mangá e animê Ranma ½, o herói Ranma Saotome se transforma em mulher quando é molhado com água fria e só volta a ser homem quando é molhado com água quente. Porém, tão pitoresca quanto essa transformação é a história de como ela foi criada. Durante a elaboração do projeto, a autora Rumiko Takahashi estava quebrando a cabeça para encontrar uma transformação que fosse diferente e divertida. Enquanto mentalizava alternadamente imagens de homens e mulheres, ela acabou se detendo nas figuras colocadas nas portas dos banheiros masculinos e femininos. Como os banheiros lembravam água, foi daí que ela tirou a ideia. Quanto ao nome Ranma, ele não foi escolhido por acaso. Por ter a peculiaridade de poder ser
  28. 28. CULTURA POP JAPONESA Histórias e curiosidades <<< ÍNDICE >>> © Alexandre Nagado, Michel Matsuda e Rodrigo de Goes Todos os direitos reservados. Página29 utilizado tanto por homens quanto por mulheres, ele acabou se tornando a escolha perfeita para batizar o personagem. 24) INU-YASHA, O DEMÔNIO GUARDIÃO – Na mitologia hindu budista, Yasha é o nome que se dá a uma espécie de entidade sobrenatural que pode eventualmente ser domesticada para funcionar como um demônio guardião para casas e templos. Como Inu significa Cão, pode-se dizer em uma tradução bem livre que InuYasha é algo como Cão Demônio Guardião. Já a roupa do herói é vermelha devido ao costume de se colocar nas entradas dos templos estátuas de Yashas pintadas com esta cor. As mesmas estátuas também costumam apresentar dentes caninos proeminentes, o que nos remete à espada do herói, que é chamada de Tetsusaiga. Esse nome significa ―Canino de Ferro Destruidor‖, e vem do fato de que a espada foi feita a partir de um dos dentes caninos do falecido Cão Demônio, pai de InuYasha. 25) AYRTON SENNA, HERÓI DOS MANGÁS – Modelo de disciplina e determinação, o tricampeão mundial Ayrton Senna é talvez o brasileiro mais conhecido e reverenciado na Terra do Sol Nascente. Mas muito antes de sua
  29. 29. CULTURA POP JAPONESA Histórias e curiosidades <<< ÍNDICE >>> © Alexandre Nagado, Michel Matsuda e Rodrigo de Goes Todos os direitos reservados. Página30 morte trágica em 1994 lançar uma aura ainda mais heroica sobre o piloto, ele já era retratado como um grande herói através de alguns mangás. O principal foi F no Senkou – Ayrton Senna no Chousen (ou ―O Brilho da Fórmula – O Desafio de Ayrton Senna‖), onde o campeonato de 1991 foi retratado de forma emocionante graças ao trabalho de Koyuu Nishimura (conceito), Katsuhiro Nagasawa e Hirohisa Onikubo. A série foi publicada no mesmo ano, pela renomada Shonen Jump. O famoso carro de Senna na época, o McLaren 27, também estampou diversas capas da revista, ao lado de personagens de series famosas da Jump, como Dragon Ball, Video Girl Ai, City Hunter e outras. 26) O VERDADEIRO MANGÁ DE AUTOR – Em japonês, a palavra "doujinshi" designava originalmente qualquer publicação independente produzida por um ou mais escritores. Com o tempo, o termo se estendeu a outras formas de expressão artística e acabou incluindo o mangá. Mas, ao contrário de antigamente, estes são hoje muito mais do que simples produções caseiras. Em uma definição mais atual os doujinshi de mangá são revistas de pequena tiragem, produzidas pelos próprios autores e que graças à tecnologia, conseguem apresentar um acabamento gráfico de alto nível. Em vista disso, muitos autores que não desejam ver suas criações submetidas ao severo controle das grandes editoras publicam-nas como dojinshi, conseguindo inclusive sobreviver de suas vendas. Até mesmo profissionais consagrados chegam a lançar mão desse recurso como uma maneira de se expressarem mais livremente.
  30. 30. CULTURA POP JAPONESA Histórias e curiosidades <<< ÍNDICE >>> © Alexandre Nagado, Michel Matsuda e Rodrigo de Goes Todos os direitos reservados. Página31 27) COMIKET - O EVENTO GIGANTESCO – Se existe um paraíso para o doujinshi (os fanzines japoneses), esse lugar é o evento conhecido como Comic Market, ou simplesmente Comiket. Realizado duas vezes por ano (Nos meses de agosto e dezembro) no megacentro de convenções Tokyo Big Sight, o Comiket conta com cerca de 35.000 grupos de artistas que ali se reúnem para venderem os seus trabalhos. Durante três dias, os corredores do local ficam abarrotados de fãs, colecionadores, cosplayers e, é claro, caçadores de talentos a serviço das editoras, que estão sempre atrás de alguma estrela emergente. Sem equivalentes em nenhum outro lugar do mundo, o Comiket é visitado por um público médio de 500.000 pessoas, o que interfere até mesmo na logística da cidade de Tóquio, que é obrigada a criar esquemas de policiamento e transporte. Nada mal para um evento que começou em 1975 com 32 grupos de artistas e um público de apenas 600 pessoas. 28) TOKIWA - UMA CASA LENDÁRIA - Já pensou visitar uma casa onde vivessem todos os seus autores de mangá favoritos? Esse ―lugar dos sonhos‖ existiu mesmo, e sua fama começou em 1952, quando o ainda jovem Osamu Tezuka se mudou para lá, sendo logo seguido por outros autores. Batizada Tokiwa-sô, a pensão foi, durante um tempo, lar e local de trabalho de mestres como Osamu Tezuka (A Princesa e o Cavaleiro, Buda, Kimba), Shotaro Ishinomori (Kamen Rider, Cyborg 009), a dupla Fujiko F. Fujio (Doraemon, Super Dínamo) e muitos outros. Os autores colaboravam entre si e trocavam ideias, ajudando a formatar a indústria
  31. 31. CULTURA POP JAPONESA Histórias e curiosidades <<< ÍNDICE >>> © Alexandre Nagado, Michel Matsuda e Rodrigo de Goes Todos os direitos reservados. Página32 dos mangás e tornando o lugar o mais importante estúdio (mesmo que informal) que já existiu no Japão. O local foi demolido em 1982 e em seu lugar, um monumento foi construído. Uma homenagem justa a uma geração que moldou o que seria a base da cultura pop japonesa. 29) BURONSON: UM ROTEIRISTA DURÃO – Em 1969 ocorreu um fato inusitado: O técnico em manutenção de radares Yoshiyuki Okamura deu baixa de seu posto nas forças armadas japonesas para tornar-se... roteirista de mangá. Não só conseguiu o seu intento, como tornou-se um dos maiores. Adotando o pseudônimo de Buronson (homenagem ao ator americano Charles Bronson, de quem também adotou o vistoso bigode), ele rapidamente construiu uma sólida carreira no gênero dos mangás de ação e combate, atingindo a consagração entre 1983 e 1988 com a série Hokuto no Ken (Fist of the North Star). Realizada em parceria com o desenhista Tetsuo Hara, a série é considerada um dos maiores clássicos da história da revista Shonen Jump. Outro gênero que marcou a carreira de Buronson foram as histórias policiais, notadamente as criadas em parceria com o genial desenhista Ryoichi Ikegami: Strain, Heat e a obra-prima Sanctuary, publicada entre 1990 e 1995 na revista Big Comic Superior e lançada (incompleta) no Brasil pela Conrad Editora. Esta última foi assinada por Buronson com outro pseudônimo: Sho Fumimura. Seu mais recente sucesso é o mangá histórico LORD, que tem como cenário a China antiga. A série estreou em 2004 pela Big Comic Superior, ilustrada pelo velho parceiro Ikegami.
  32. 32. CULTURA POP JAPONESA Histórias e curiosidades <<< ÍNDICE >>> © Alexandre Nagado, Michel Matsuda e Rodrigo de Goes Todos os direitos reservados. Página33 30) FUJIKO F. FUJIO: UM AUTOR QUE VALEU POR DOIS – Quando os jovens mangakás Hiroshi Fujimoto e Motô Abiko resolveram formar uma dupla no início dos anos 50, adoraram um nome único: Fujiko Fujio, que tornou-se uma marca lendária ao assinar alguns dos mais populares mangás de todos os tempos. O curioso é que, apesar de assinarem como uma dupla, cada criação era feita por apenas um deles, já que os trabalhos de Fujimoto eram mais voltados para o público infantil e os de Abiko para o público infanto-juvenil e adulto. O auge dos dois ocorreu durante as décadas de 60 e 70, quando criaram uma avalanche de séries imortais: Ninja Hattori-kun, Kaibutsu-kun, Warau Salesman, Mangá Michi, Pro Golfer Saru e Shonen Jidai, criadas por Abiko e Obake no Q- Tarô, Esper Mami, Kiteretsu Daihyakka, Paa-man (conhecida no Brasil como Super Dínamo) e Doraemon, criadas por Fujimoto. A parceria foi oficialmente dissolvida no final dos anos 80, mas ambos encontraram uma solução bem criativa para continuarem com o uso do famoso pseudônimo. Fujimoto passou a assinar como Fujiko F. Fujio, e continuou a trabalhar em Doraemon até a sua morte em 1996. Já Abiko tornou-se Fujiko Fujio (A) e, apesar da idade bem avançada, permanece na ativa até os dias de hoje. Em homenagem a Fujiko Fujio, foi anunciada em 2010 a construção de um grandioso museu na cidade de Kawasaki. 31) BATMAN E OUTROS HERÓIS AMERICANOS EM MANGÁ – Com todas as suas peculiaridades e toda sua força de comunicação perante o público local, o mangá não tem concorrentes em seu país de origem.
  33. 33. CULTURA POP JAPONESA Histórias e curiosidades <<< ÍNDICE >>> © Alexandre Nagado, Michel Matsuda e Rodrigo de Goes Todos os direitos reservados. Página34 Personagens estrangeiros são publicados lá, mas sem a grande força popular que os produtos locais têm. O grande mercado de leitores japoneses sempre atraiu os olhos das grandes editoras dos EUA, a Marvel e a DC Comics. Batman é o que teve mais versões em mangá. Entre 1966 e 67, uma divertida série de mangás da revista Shonen King e assinadas por Jiro Kuwata (desenhista do Oitavo Homem) mostravam Batman e Robin num clima que abraçava o estilo exagerado e espalhafatoso do live-action estrelado pelo roliço Adam West. Uma compilação foi publicada nos EUA com o título Batmanga em 2008. Em 2000, veio o mangá de Kia Asamiya (editado no Brasil pela Mythos), autor que também trabalhou com versões japonesas de X-Men e Star Wars. Batman também ganhou uma versão de Katsuhiro Otomo (de Akira) na série de especiais Batman – Preto e Branco (editado no Brasil pela Panini). O Superman foi o primeiro de todos os super- heróis americanos a ser adaptado por um artista japonês para o público local, tendo tido sua versão mangá em 1960, por Tatsuo Yoshida, o
  34. 34. CULTURA POP JAPONESA Histórias e curiosidades <<< ÍNDICE >>> © Alexandre Nagado, Michel Matsuda e Rodrigo de Goes Todos os direitos reservados. Página35 criador do Speed Racer. Pelo lado da Marvel, ficaram famosas as versões de Homem-Aranha (por Ryoichi Ikegami) e X-Men (por Hiroshi Higuchi, Koji Yasue, Miyako Kojima, Reiji Hajihara). Ambos foram publicados também no Brasil pela Mythos Editora. 32) CLAMP: A MÁQUINA DE FAZER SUCESSOS – Na metade dos anos 80, elas eram apenas mais um dentre milhares de grupos de garotas que se reuniam para criarem os seus fanzines. Anos depois, tornaram-se estrelas do primeiro time, conhecidas por emplacarem um sucesso após o outro. O nome do grupo roda o mundo como uma espécie de grife do mangá de qualidade, o que faz com que nenhum fã do gênero deixe de respeitar o trabalho do grupo CLAMP. Formado inicialmente por onze integrantes, o número desceu para sete e finalmente a quatro: A líder e roteirista Ageha Okawa e as ilustradoras Mokona, Tsubaki Nekoi e Satsuki Igarashi, e foi com essa formação que elas alcançaram o estrelato. Além da qualidade e da quantidade das obras produzidas, o que chama a atenção nelas é a sua versatilidade incomum. Já produziram mangás de praticamente todos os gêneros, trabalhando com aventura, drama e comédia. Isso para um público tanto masculino, quanto feminino. E de todas as idades. Por isso mesmo, não é de se estranhar que as encadernações de seus trabalhos tenham vendido mais de 100 milhões de cópias em todo o mundo. Para completar ainda trabalham como ilustradoras e character designers de animês, como no caso do badalado Code Geass, da produtora Sunrise.
  35. 35. CULTURA POP JAPONESA Histórias e curiosidades <<< ÍNDICE >>> © Alexandre Nagado, Michel Matsuda e Rodrigo de Goes Todos os direitos reservados. Página36 33) AS AUTORAS QUE SÃO BATATAS – Em inglês a palavra ―clamp‖ tem muitos significados, sendo ―braçadeira‖, ―fita‖ e ―grampo‖, alguns dos mais comuns. Só que as integrantes do grupo que leva esse nome, com a habitual irreverência que as caracteriza, preferem dar outra explicação para o sentido da palavra que escolheram para se batizarem. O clamp em questão é um termo que vem da agricultura norte-americana. Para não deixarem as suas colheitas de vegetais a céu aberto, os agricultores americanos costumam empilhá-las em um local preparado e cobri-las com palha e terra para que assim se protejam das intempéries. A esse tipo de pilha, se dá o nome de clamp. Como os vegetais mais utilizados nessa prática são as batatas, as artistas gostam de dizer que o CLAMP delas significa ―Pilha de Batatas‖. 34) BRINCANDO COM OS NOMES – Não se pode negar que o uso de pseudônimos é uma espécie de instituição entre os artistas de mangá. Muitos sabem brincar muito bem com isso, sendo um bom exemplo o das integrantes do grupo CLAMP. Quando explodiram no início dos anos 90, elas se chamavam: Mokona Apapa, Mick Nekoi, Satsuki Igarashi e Nanase Okawa. Entretanto em 2004, por ocasião do 15º aniversário do grupo, elas resolveram mudar os seus nomes. Mokona retirou o Apapa, por achar que soava muito infantil. Mick mudou para Tsubaki, porque não gostava de ouvir que o seu nome lembrava o de Mick Jagger. Satsuki Igarashi manteve a pronúncia mas trocou os caracteres, enquanto Nanase virou Ageha por motivo nenhum, ela só quis acompanhar as
  36. 36. CULTURA POP JAPONESA Histórias e curiosidades <<< ÍNDICE >>> © Alexandre Nagado, Michel Matsuda e Rodrigo de Goes Todos os direitos reservados. Página37 colegas. Acontecerão outras mudanças ainda? Só o tempo dirá... 35) X: O FIM ESTÁ PRÓXIMO? – O poderoso Kamui Shirou tem quinze anos e carrega nos ombros um fardo digno de um deus: Decidir entre a sobrevivência ou da raça humana ou da Terra, sabendo que a escolha por uma implicará necessariamente na destruição da outra. É dessa premissa, que fala do apocalipse e do final dos tempos, que nasceu X, a mais forte e polêmica das obras do grupo CLAMP. Surgida em 1992 na revista Asuka, a série causou grande impacto ao misturar um roteiro pesado, carregado de dramas psicológicos e extrema violência, com um traço suave e delicado típico dos mangás para meninas. Mas, infelizmente para o CLAMP, não foi só o conteúdo que deu fama à X. Algumas suspensões que impediram a conclusão da série, que já deveria ter terminado há um bom tempo, também a deixaram famosa. Tudo começou em 1995, quando um devastador terremoto atingiu o Japão, deixando milhares de vítimas. Como o mangá mostrava muitos terremotos, a série ficou visada pelos leitores e a editora houve por bem suspendê-la por algum tempo. Logo após a volta, outro problema: Em 1997, um adolescente psicopata de quatorze anos assassinou brutalmente duas crianças em um crime que chocou o Japão. Apesar do fato não ter nenhuma relação com animês ou mangás, os políticos japoneses passaram a patrulhar a indústria do entretenimento e X, devido ao seu conteúdo, foi novamente suspensa. Finalmente em 2003, uma divergência sobre o conteúdo entre o CLAMP e a editora tirou novamente a série do ar, sem previsão de
  37. 37. CULTURA POP JAPONESA Histórias e curiosidades <<< ÍNDICE >>> © Alexandre Nagado, Michel Matsuda e Rodrigo de Goes Todos os direitos reservados. Página38 retorno. Pelo visto, apesar de as autoras afirmarem seguidamente que pretendem concluir a série, o final de X parece tão incerto quanto as profecias de Nostradamus. 36) SHURATO BY CLAMP? - Em seu começo de carreira, quando ainda faziam trabalhos profissionais conjuntamente com doujinshis, elas criaram duas obras com o então famoso personagem Shurato: ―Watashi no Himitsu Heiki‖ de 89 e ―Tenku Senki Shurato Original Memory: Dreamer‖ de 90, este último acabou sendo publicado na revista Newtype Comic Genki no Moto. 37) LIDANDO COM PRAZOS - Produzir histórias seriadas semanais exige uma produção extensa. Mesmo com a ajuda de assistentes que se encarregam do acabamento, os autores estão sempre lutando contra prazos e sendo pressionados por seus editores para nunca atrasarem uma entrega. Isso já gerou situações que se tornariam embaraçosas, como o que aconteceu com o autor Yoshihiro Togashi. Durante a produção de Hunter x Hunter, para não atrasar a entrega de suas páginas semanais para a Shonen Jump, ele já teve que enviar para serem publicadas páginas inacabadas, até mesmo com esboços a lápis sem muita definição. Dentro do competitivo mundo do mangá, se ele fosse um autor menor ou iniciante, já teria sido demitido. 38) SAILOR MOON E A LENDA DA ROUPA DE MARINHEIRO - Publicada entre os anos de 1992 e 1997 nas revistas Nakayoshi e Run Run
  38. 38. CULTURA POP JAPONESA Histórias e curiosidades <<< ÍNDICE >>> © Alexandre Nagado, Michel Matsuda e Rodrigo de Goes Todos os direitos reservados. Página39 da editora Kodansha, e transformada em um animê de 200 episódios pela Toei Animation (fora especiais de cinema, um musical estilo Broadway e uma série tokusatsu), Sailor Moon foi um dos ícones dos anos 1990. A história das 5 adolescentes com superpoderes, que misturava comédia e romance com batalhas épicas, acabou se tornando um dos grandes clássicos da história moderna do gênero animê e mangá, levando fama e fortuna à sua autora, Naoko Takeuchi. Entretanto, uma pergunta óbvia sempre pairou no ar: Porque as heroínas Moon, Mars, Mercury, Júpiter e Vênus receberam o curioso prenome Sailor? A explicação é a seguinte: A partir do final do século XIX, o Japão passou a adotar o sistema educacional inglês em suas instituições de ensino, o que incluía copiar o padrão dos uniformes escolares. Os uniformes para meninas eram uma estilização dos
  39. 39. CULTURA POP JAPONESA Histórias e curiosidades <<< ÍNDICE >>> © Alexandre Nagado, Michel Matsuda e Rodrigo de Goes Todos os direitos reservados. Página40 uniformes utilizados pelos marinheiros da Royal Navy (Marinha Real Inglesa) e, por este motivo, eram popularmente conhecidos como sailor fuku. O termo é uma mistura da palavra inglesa sailor, que significa marinheiro, e da palavra japonesa fuku, que significa roupa. Com o tempo, o termo sofreu uma contração, e o uniforme passou a ser conhecido como seifuku. Até os dias de hoje, a vestimenta é amplamente utilizada nas escolas e tornou-se uma espécie de marca registrada das estudantes japonesas, notadamente as que estão na faixa dos 13 aos 15 anos. 39) A PRECURSORA DAS GUERREIRAS LUNARES Foi pelo fato das heroínas de Sailor Moon usarem como uniforme estilizações do clássico seifuku, que elas receberam a designação de Guerreiras Sailor. O curioso é que este conceito não foi criado pela autora para Sailor Moon. Ele nasceu em sua obra anterior: Codename wa Sailor V, série publicada em 1991 na revista Run Run e que contava as aventuras de Sailor Vênus, a primeira das guerreiras a ser criada e que foi incorporada à equipe de Serena. Foi o sucesso dessa primeira série que impulsionou a criação de Sailor Moon. 40) SAILOR MOON - SIGNIFICADOS DOS NOMES - Durante a criação das Guerreiras Sailor, Naoko Takeuchi preocupou-se em dar às personagens nomes que tivessem um sentido relacionado às suas personalidades. Na versão original, Sailor Moon chama-se Usagi Tsukino (Pronuncia-se Ussaguí) ou, se adotarmos o hábito japonês de colocar o sobrenome antes do nome, Tsukino Usagi. Esse nome significa literalmente Coelho da Lua ou, se preferirmos,
  40. 40. CULTURA POP JAPONESA Histórias e curiosidades <<< ÍNDICE >>> © Alexandre Nagado, Michel Matsuda e Rodrigo de Goes Todos os direitos reservados. Página41 Coelha da Lua, já que o idioma japonês não faz essa flexão de gênero. O sentido do nome está relacionado a elementos clássicos da mitologia japonesa, que apresentam a lua como a morada dos coelhos. Quanto às outras... Sailor Mercury é Ami Mizuno ou Mizuno Ami, que pode ser traduzido como Espírito da Água ou Amiga da Água. Sailor Mars é Rei Hino ou Hino Rei, o Espírito do Fogo. Sailor Júpiter é Makoto Kino ou Kino Makoto (Lita, para os ocidentais), a Verdade da Madeira ou Sinceridade da Madeira. Já Sailor Vênus é Minako Aino ou Aino Minako (Mina, no ocidente), a Bela Filha do Amor. 41) HERÓI DE SMOKING - Sem dúvida, Tuxedo Mask não pode reclamar da vida. Além de ter nascido bonito, inteligente e podre de rico, ele ainda tira uma de herói e é o namorado da Sailor Moon. Seu nome vem do original Tuxedo Kamen, que significa literalmente o Mascarado de Tuxedo. Mas, o que diabos é Tuxedo? Bem, esse é o nome que os americanos dão à roupa de gala que nós por aqui chamamos de Smoking ou Black-Tie. A origem do termo é bem pitoresca: Em 1860, o alfaiate inglês Henry Poole criou a tal roupa para o Príncipe Eduardo VII, futuro Rei da Inglaterra. Em visita ao país, o americano James Potter encantou-se com a roupa e pediu ao mesmo alfaiate que lhe fizesse uma igual. De volta aos Estados Unidos, a roupa nova de Potter fez grande sucesso entre os membros do clube chique que ele frequentava, tanto que todos começaram a copiá-la, tornando o seu uso muito comum em jantares e cerimônias. Como o tal clube chamava-se Tuxedo Park Club, foi daí que surgiu a denominação da roupa. Voltando ao
  41. 41. CULTURA POP JAPONESA Histórias e curiosidades <<< ÍNDICE >>> © Alexandre Nagado, Michel Matsuda e Rodrigo de Goes Todos os direitos reservados. Página42 personagem... Chamado no ocidente de Darien, na versão original, seu nome civil tem um significado bem imponente: Mamoru Chiba ou Chiba Mamoru, significa o Protetor da Terra. 42) CASÓRIO NO MUNDO DOS MANGÁS - Quando eles anunciaram que estavam apaixonados e pretendiam se casar, o mundo do mangá quase veio abaixo. Afinal de contas, não é todo dia que duas superestrelas do ramo como Naoko Takeuchi (criadora de Sailor Moon) e Yoshihiro Togashi (criador de Yu Yu Hakusho e Hunter X Hunter) resolvem juntar os trapinhos. E assim, no dia 6 de janeiro de 1999, eles contraíram núpcias em uma badaladíssima cerimônia digna de artistas pop. Desde então, Hime (Princesa) e Ouji (Príncipe), como gostam de se chamar um ao outro, vivem ricos e felizes e já tiveram até um filho, cujo nome não foi divulgado para a imprensa e a quem eles se referem apenas como Petit Ouji (Pequeno Príncipe). 43) NASCIDO POR AQUI – Misturando ação, magia e erotismo, a série de mangá Greed Packet Unlimited, publicada na revista Dengeki Maoh, seria para nós apenas mais um bom título do gênero se não fosse uma peculiaridade: Seu autor, Kamiya Yuu é brasileiro. Sim, porque este é o pseudônimo de Lucas Thiago Furukawa, um mineiro de Uberaba que se mudou para o Japão aos 7 anos de idade. Autodidata, ele começou a desenhar por ser fã de mangás, animês e games. Foi em uma edição do Comiket que um olheiro da prestigiada editora Media Works gostou do seu trabalho e lhe ofereceu uma oportunidade, transformando-o no primeiro
  42. 42. CULTURA POP JAPONESA Histórias e curiosidades <<< ÍNDICE >>> © Alexandre Nagado, Michel Matsuda e Rodrigo de Goes Todos os direitos reservados. Página43 mangaká profissional no Japão, nascido no Brasil. O que chama atenção em seu trabalho é que Kamiya dispensa o uso de lápis e papel, realizando o trabalho de arte diretamente no computador através do uso de um pen tablet, o que pode se tornar cada vez mais comum. Além dos mangás, ele também trabalha como ilustrador e designer de games. 44) SAMURAI X: INVENTANDO NOMES – Criada em 1994 por Nobuhiro Watsuki para a revista Shonen Jump, a série Rurouni Kenshin (distribuída no ocidente como Samurai X) conta as aventuras do samurai Kenshin Himura, também conhecido como Battousai, o Retalhador. O curioso é que Rurouni é uma palavra que não existe na língua japonesa, sendo um neologismo criado por Watsuki. A nova palavra foi baseada em Rurou, que significa errante ou andarilho, para designar uma pessoa que anda pelo mundo sem destino. Outra palavra criada, foi o apelido Battousai. Ela foi inspirada em Battou, uma técnica samurai que consiste em sacar a espada e cortar o inimigo com apenas um único movimento. Já o
  43. 43. CULTURA POP JAPONESA Histórias e curiosidades <<< ÍNDICE >>> © Alexandre Nagado, Michel Matsuda e Rodrigo de Goes Todos os direitos reservados. Página44 nome Kenshin foi criado a partir das palavras Ken (espada) e Shin (Coração), significando literalmente ―Coração da Espada‖. Quanto ao nome Samurai X, este foi baseado na cicatriz que o protagonista leva em seu rosto. 45) KENSHIN E O MODELO HISTÓRICO – Kenshin Himura, protagonista da série Samurai X, foi baseado em uma pessoa real: O samurai Gensai Kawakami. Nascido em 1834, ele abandonou os seus estudos de monge para se dedicar à arte da espada. Sua peculiaridade era a sua aparência frágil: Possuía traços delicados, cabelos compridos e era facilmente confundido com uma mulher. Mas, ao contrário do que sua aparência poderia indicar, Kawakami era um assassino brutal e implacável, talvez o maior de seu tempo. Trabalhou como samurai executor para o Ishin Shishi (Grupo de revolucionários que, durante a década de 1860, ajudou a derrubar o regime do Shogunato, substituindo-o pelo do Imperador) e matou tantos inimigos que ganhou o apelido de Hitokiri (Retalhador de pessoas), alcunha que também foi transportada para o personagem Kenshin. Seu destino, entretanto, não foi tão feliz quanto o do personagem. Suas ideias xenófobas e isolacionistas o colocaram em rota de colisão com as políticas do novo regime, que passou a vê-lo como uma ameaça. Por esse motivo, em 1871, ele foi preso e executado pelo mesmo governo que um dia ajudara a empossar. 46) ONE PIECE E O VERDADEIRO TESOURO – Criada em 1997 por Eiichiro Oda para a revista Shonen Jump, a série One Piece encantou o mundo contando as aventuras do destemido
  44. 44. CULTURA POP JAPONESA Histórias e curiosidades <<< ÍNDICE >>> © Alexandre Nagado, Michel Matsuda e Rodrigo de Goes Todos os direitos reservados. Página45 pirata Monkey D. Luffy, que navega pelos mares de seu mundo em busca do One Piece, o maior tesouro de todos os tempos. Entretanto, mais de 60 volumes encadernados e mais de 490 episódios de animê depois, o verdadeiro tesouro revelou-se ser a própria série. Sim, porque ao bater em 2010 a marca de mais de 200 milhões de volumes encadernados vendidos, One Piece consagrou-se como o mangá de maior vendagem de todos os tempos. Só para se ter uma idéia, esse número chega próximo a vendagem de todas as obras de Rumiko Takahashi ou de todas as obras do grupo CLAMP. De fato, One Piece pode ser chamado de o maior tesouro de todos os tempos, principalmente pelo seu autor. 47) VAGABOND - UMA ESPADA E SEUS CAMINHOS - Publicada desde 1998 na revista Morning (da Editora Kodansha), a série Vagabond de Takehiko Inoue já se igualou em prestígio a grandes clássicos do gênero samurai, tais como A Lenda de Kamui, de Sanpei Shirato e Lobo Solitário, de Kazuo Koike e Goseki Kojima.
  45. 45. CULTURA POP JAPONESA Histórias e curiosidades <<< ÍNDICE >>> © Alexandre Nagado, Michel Matsuda e Rodrigo de Goes Todos os direitos reservados. Página46 Criada como uma versão em mangá do romance Musashi de Eiji Yoshikawa, a série extrapolou e ganhou luz própria. Tudo graças ao talento de Inoue, que soube preservar a estrutura básica da história e ao mesmo tempo reinventar personagens e situações de modo inusitado e surpreendente. Isso fez de Vagabond um épico de fantasia heroica inspirado na vida de Miyamoto Musashi, o maior samurai da história do Japão. O curioso é que o romance original, publicado em capítulos diários no jornal Asahi Shimbun entre os anos de 1935 e 1939, também teve um caráter muito mais fantasioso do que biográfico. Yoshikawa, na época um já consagrado escritor de romances históricos, trabalhou a biografia de Musashi de modo a torná-la o mais interessante possível. Em suma, romanceou tudo o que podia e inventou o que faltava. Isso foi feito de um modo tão brilhante, que sua obra acabou entrando no imaginário popular do Japão contemporâneo. De fato, o grande espadachim Musashi por si só já teve a sua glória, conquistada através de seus feitos. Mas é certo que a grande capacidade de mestres como Yoshikawa e Inoue de contá-los só serviu e ainda serve para aumentar cada vez mais o tamanho de sua lenda.
  46. 46. CULTURA POP JAPONESA Histórias e curiosidades <<< ÍNDICE >>> © Alexandre Nagado, Michel Matsuda e Rodrigo de Goes Todos os direitos reservados. Página47 48) DEATH NOTE BANIDO NA CHINA – Criado por Tsugumi Ohba (roteiro) e Takeshi Obata (arte), a série Death Note estreou na Shonen Jump semanal em dezembro de 2003 e gerou 12 volumes encadernados (chamados tankohon ou tankobon), que foram lançados no Brasil pela editora JBC. Conta a história do estudante Light (Raito) Yagami, que se torna um
  47. 47. CULTURA POP JAPONESA Histórias e curiosidades <<< ÍNDICE >>> © Alexandre Nagado, Michel Matsuda e Rodrigo de Goes Todos os direitos reservados. Página48 serial killer ao encontrar um caderno de um Shinigami (Deus da Morte da mitologia japonesa), que permite matar alguém apenas escrevendo seu nome no caderno. Apelidado ―Kira‖ (uma corruptela japonesa para ―killer‖), Yagami é perseguido pelo detetive excêntrico ―L‖, numa trama cheia de suspense e reviravoltas. O sucesso gerou um romance literário, uma série em animê de 37 episódios (Studio Madhouse, 2006), games e longas em animê e live-action, além de uma aclamada peça de teatro brasileira chamada O Caderno da Morte – Death Note (Cia Zero-Zero de Teatro, 2008). Mas na China, a popularidade da série criou problemas com o governo local. Em 2005, autoridades da cidade de Shenyang, na província de Liaoning, proibiram a presença do mangá em suas escolas. Tudo porque estudantes estavam adaptando seus cadernos para parecerem com o caderno negro da série e estavam escrevendo nele nomes de inimigos e desafetos a quem desejavam o mal, incluindo professores. Foi dito que estavam protegendo seus jovens da má influência que a leitura de Death Note poderia trazer, mas também se combateu a pirataria editorial. A proibição aos mangás de Death Note se estendeu a outras cidades, como Shangai, Beijing e Lanzhou. Mesmo com esse incidente, Death Note foi publicado legal e normalmente em Hong Kong e Taiwan. 49) INSPIRAÇÃO OU PLÁGIO? - Em outubro de 2005, surgiu uma notícia inusitada no mercado de mangás. Yuki Suetsugu, que escrevia shojo mangá para a revista mensal Bessatsu Friend, da Kodansha, havia sido acusada de plagiar outras obras em suas
  48. 48. CULTURA POP JAPONESA Histórias e curiosidades <<< ÍNDICE >>> © Alexandre Nagado, Michel Matsuda e Rodrigo de Goes Todos os direitos reservados. Página49 próprias historias. Em Eden no Hana, Suetsugu utilizou varias cenas de basquete do cultuado Slam Dunk, de Takehiko Inoue. Suetsugu reconheceu o próprio erro e pediu desculpas aos leitores em seu blog, que fora encerrado posteriormente, junto com seu site oficial. Por causa disso, a Kodansha tinha determinado o recolhimento de todos os mangás encadernados do autor, assim como o cancelamento de sua obra mais recente, Silver (na revista Bessatsu Friend). Todo o material seria analisado para saber o quanto ela havia copiado. Além do Slam Dunk, há referências a outros mangás como Real, também de Takehiko Inoue, e Bastard, de Kazushi Hagiwara. Suetsugu também se aproveitou de fotos de modelos e ilustrações publicitárias. 50) BRITNEY HAMADA, UMA AUTORA EXÓTICA! – Britney Hamada é uma jovem autora de mangás que surgiu em 2006 e vem ganhando fama, mas não pelo seu trabalho em si, mas por seu lado exótico. Pra começar, Britney talvez seja a primeira autora de mangá estilo "gal" de Shibuya, aquele tipo de garota com visual extravagante, que habita os arredores do bairro da moda de Shibuya. As gals tem como características o cabelo loiro, pele
  49. 49. CULTURA POP JAPONESA Histórias e curiosidades <<< ÍNDICE >>> © Alexandre Nagado, Michel Matsuda e Rodrigo de Goes Todos os direitos reservados. Página50 bronzeada, muita maquiagem e, principalmente, gírias incompreensíveis. Só que o mais interessante, ela não tem casa, escreve os mangás dentro de uma cabine tipo internet café, chamada de Manga Kissaten de Shibuya, inclusive, morando dentro dessa cabine. É que nesses lugares o cliente pode passar a noite, já que tem até chuveiro! Mesmo com o dinheiro começando a entrar, ela diz que prefere continuar morando na cabine porque Shibuya é o seu reduto, e tema das suas histórias. Na verdade, ela tem casa, mas prefere não morar com a mãe. Britney resolveu entrar para esse meio, quando entrou numa livraria apenas para se proteger da chuva, e acabou pegando um mangá do Fujiko Fujio (A) para folhear. O título era o Manga Michi (ou ―O Caminho do Mangá‖), uma historinha de autoajuda sobre dois garotos que sonham em ser autores de mangá. Ela ficou encantada e resolveu ali mesmo, comprar todos os 14 volumes de uma vez. Sua série mais recente é a Hamada Britney no Manga de Wakaru Moe Business (Negócios nos quadrinhos moe), pela Sunday Gene-X, sendo que “moe” é (geralmente) uma gíria para personagens de meninas fofas e adoráveis. CAPÍTULO 2: ANIMÊ – MANGÁ EM MOVIMENTO 51) ANIME OU ANIMÊ? - A palavra é uma contração à moda japonesa de ―animation‖, termo em inglês para definir animações de qualquer tipo. Animações experimentais já eram feitas no Japão na década de 1910, mas a indústria realmente decolou com a entrada do
  50. 50. CULTURA POP JAPONESA Histórias e curiosidades <<< ÍNDICE >>> © Alexandre Nagado, Michel Matsuda e Rodrigo de Goes Todos os direitos reservados. Página51 estúdio Toei, que aconteceu oficialmente em 22 de outubro de 1958, com a estreia de Hakujaden, exibido por aqui como ―A Lenda da Serpente Branca‖. Quando a palavra começou a se difundir no ocidente para classificar os desenhos animados japoneses, usou-se a grafia ―anime‖, já que a romanização (transcrição para alfabeto romano) internacional da palavra não usa acentos. Mas a leitura sempre foi ―animê‖ para se aproximar mais da pronúncia japonesa. No Brasil, como a principal fonte de informações para as revistas que surgiram nos anos 90 eram publicações dos EUA, alguns redatores e jornalistas liam a palavra como anime e julgavam ser ela uma paroxítona. É o que aconteceu no Brasil com palavras como ―yakuza‖ e ―sakura‖, que deveriam ser lidas como ―yakuzá‖ e ―sakurá‖, mas em geral não são. A palavra animê não consta (ainda) em dicionários no Brasil, mas vários pesquisadores, jornalistas e redatores têm preferido grafar o acento circunflexo para uma pronúncia mais correta, assim como sempre foi feito com a palavra mangá. 52) ASTRO BOY E O MENINO BIÔNICO – UM CASO DE AUTO- PLÁGIO? – Criado em mangá no ano de 1951 por Osamu Tezuka, o lendário personagem Astro Boy (Tetsuwan Atom, no original) foi o protagonista da
  51. 51. CULTURA POP JAPONESA Histórias e curiosidades <<< ÍNDICE >>> © Alexandre Nagado, Michel Matsuda e Rodrigo de Goes Todos os direitos reservados. Página52 primeira série de animê com personagem fixo exibida pela TV japonesa, e que veio a estrear na Fuji TV em 01/01/1963. Na história, Astro Boy é um garoto robô dotado de sentimentos humanos e que usa seus grandes poderes para proteger a humanidade. Produzida pelo próprio autor, a série teve 193 episódios e foi um grande sucesso em vários países do mundo, principalmente nos Estados Unidos, onde até ganhou uma versão em quadrinhos feita por artistas locais em 1965, pela editora Gold Key. Essa serie original permanece inédita no Brasil. O público brasileiro entretanto, veio a conhecer um personagem bem parecido através de um animê exibido pela TV Record na década de 1980: O Menino Biônico (Jetter Mars, no original). Na história, Jet Marte é um garoto robô dotado de sentimentos humanos e que usa seus grandes poderes para proteger a humanidade. Um plágio? Na verdade não... Criado pelo próprio Tezuka em 1977, Jet Marte era uma versão modernizada do Astro Boy. Infelizmente, a ideia não emplacou e a série teve apenas 27 episódios. Mas, os fãs brasileiros não ficaram sem conhecer o personagem original, cujo remake foi exibido no Cartoon Network e TV Globo, além de ter sido lançado em DVD. Realizada em 2003 pela Tezuka Productions, esta série contou com 50 episódios e ajudou a renovar o interesse mundial pelo personagem, o
  52. 52. CULTURA POP JAPONESA Histórias e curiosidades <<< ÍNDICE >>> © Alexandre Nagado, Michel Matsuda e Rodrigo de Goes Todos os direitos reservados. Página53 que culminou na produção de um ambicioso longa-metragem em computação gráfica realizado nos EUA (2009). De todo modo, o Menino Biônico deixou a sua marca aqui no Brasil, e muitos ainda confundem Jet Marte com Astro Boy. Para encerrar, uma curiosidade trash food: Durante muitos anos, Jet Marte apareceu na embalagem de uma popularíssima pipoquinha doce. Lembram-se? Era uma daquelas de saquinho vermelho. 53) OS PRIMEIROS ANIMÊS TELEVISIVOS – Antes mesmo do famoso Astro Boy, a emissora TBS exibiu Manga Calendar. Tratava-se de uma serie de curtas sobre datas comemorativas e históricas dirigida por Ryuichi Yokoyama. A produção, do estúdio Otogi, estreou na emissora TBS em 1 de maio de 1961. Em sua primeira fase, com vinhetas de 3 minutos, a série foi chamada de Instant History. O título Otogi Manga Calendar veio em 25 de junho de 1962, quando as vinhetas passaram a ter 5 minutos. A primeira fase teve 312 episódios e a segunda, 54. Por ter tido o formato de documentário, com exibição de fotos e até algumas filmagens de locais históricos, muitos pesquisadores desconsideram esse trabalho como pioneiro das séries de TV em animê, colocando-o num patamar diferente, o que também não está de todo errado. E antes de tudo isso, a produção Mittsu no Hanashi (―Três Histórias‖) foi uma antologia de meia hora com animações experimentais de Keiko Kozonoe, exibida em 15 de janeiro de 1960 no canal estatal NHK. Essas produções – Manga Calendar e Mittsu no Hanashi – podem ser consideradas cada uma delas a seu
  53. 53. CULTURA POP JAPONESA Histórias e curiosidades <<< ÍNDICE >>> © Alexandre Nagado, Michel Matsuda e Rodrigo de Goes Todos os direitos reservados. Página54 modo (série e especial) como um ―marco zero‖ para os animês exibidos na TV. 54) MESTRES DO ANIMÊ E A PIRATARIA - A luta contra a pirataria remete ao inicio da indústria da animação. Por volta da década de 1950, havia no Japão um mercado negro de filmes estadunidenses e europeus contrabandeados. Os filmes eram vendidos em rolos (já que na época nem o VHS havia sido inventado) para serem vistos com projetores. Entre os que procuravam por animações ocidentais, havia três jovens que acabaram sendo até investigados pela polícia, já que os filmes que eles compravam eram fruto de contrabando e seus nomes estavam na lista de clientes de um vendedor que fora pego pelas autoridades. Eram eles Osamu Tezuka, Shotaro Ishinomori e Leiji Matsumoto, que depois se tornariam três dos nomes mais importantes da história do mangá e do animê. Ironicamente, eles – e toda a indústria do animê – sofreriam grandes perdas financeiras com o mercado de pirataria. 55) KIMBA X SIMBA – Um pequeno leão branco é criado para ser o Imperador da Selva e vive muitas aventuras com seus amigos animais e também humanos enquanto aprende valiosas lições sobre a vida. Criado em
  54. 54. CULTURA POP JAPONESA Histórias e curiosidades <<< ÍNDICE >>> © Alexandre Nagado, Michel Matsuda e Rodrigo de Goes Todos os direitos reservados. Página55 1950 por Osamu Tezuka, a saga de Kimba (Leo, no original) foi publicada na revista Manga Shonen (ed. Gakudosha) e gerou posteriormente um animê (1965~66), visto em vários países, inclusive no Brasil, onde foi exibido na extinta TV Tupi (canal 4). Outras versões animadas foram produzidas, fazendo de Kimba um personagem bastante reconhecido no Japão e em vários países do mundo. Quando a Disney lançou o longa-metragem O Rei Leão (The Lion King, 1994) foi lançado, as semelhanças entre os personagens de Simba e Kimba chamou a atenção dos japoneses. Logo, mais de mil profissionais de mangá e animê assinaram uma petição exigindo que a Disney reconhecesse que seu longa fora inspirado pelo trabalho de Tezuka. A Disney alegou que nenhum de seus profissionais jamais havia assistido a série de Kimba, o que é bastante duvidoso, visto que a série original foi exibida com sucesso nos EUA. A controvérsia não envolvia o roteiro, mas personagens e situações, o que a Disney declarou serem apenas coincidências. Apesar de todo o barulho que foi feito na época, nada aconteceu com a toda poderosa Disney. 56) OITAVO HOMEM: HERÓI MAU EXEMPLO – Acostumados a explodir ou desmembrar inimigos, super-heróis japoneses podem não ser lá um bom exemplo de
  55. 55. CULTURA POP JAPONESA Histórias e curiosidades <<< ÍNDICE >>> © Alexandre Nagado, Michel Matsuda e Rodrigo de Goes Todos os direitos reservados. Página56 politicamente correto, conceito estadunidense que se espalhou pelo mundo. Mas um personagem específico teria que ser alterado para existir no mundo contemporâneo. Estamos falando de Eito Man (de 1965), conhecido também como Eight Man e que foi lançado no Brasil como O Oitavo Homem. A trama revolucionária e pioneira para a época mostrava um policial que era assassinado e revivia como um robô superpoderoso (alguém se lembrou do Robocop?). De aparência humanoide e dotado de super-velocidade (como o herói Flash, da DC Comics), o Oitavo Homem recarregava suas energias de um modo inusitado: ele fumava um cigarro especial. O hábito pouco recomendável foi mostrado também na versão em minissérie de 3 partes para vídeo nos anos 1990 (exibida no canal pago Multishow) e na versão live-action para cinema produzida na mesma época. Nestes tempos de conscientização e campanha global contra o tabaco, é inimaginável que essa inusitada fonte de energia seja mantida em alguma nova versão que venha a ser produzida. 57) ROTEIROS PERDIDOS, HISTÓRIAS INÉDITAS - Hoje em dia, a negociação dos direitos de exibição de um animê no Brasil acontece depois de longas reuniões empresariais e envolve uma organização que não existia 30 anos atrás. Por causa disso, mancadas ocorreram. Uma delas foi
  56. 56. CULTURA POP JAPONESA Histórias e curiosidades <<< ÍNDICE >>> © Alexandre Nagado, Michel Matsuda e Rodrigo de Goes Todos os direitos reservados. Página57 com a série A Princesa e o Cavaleiro (no original, Ribbon no Kishi – ou ―O Cavaleiro da Fita‖), criação imortal de Osamu Tezuka, o Deus do Mangá. A série, de 1967, foi trazida da maneira como todas as demais: vieram rolos de filme com os episódios sem as vozes (somente a trilha musical e efeitos sonoros), para que a dublagem brasileira fosse inserida. Junto, vinham os roteiros originais para serem traduzidos. No entanto, por algum descuido, os textos de cerca de 20 episódios foram perdidos. Sem internet na época, com dificuldades em se contatar os responsáveis no Japão e com a série tendo que estrear, restou ao diretor de dublagem Gilberto Baroli criar diálogos que fossem coerentes com as imagens que assistia. O trabalho foi impecável, tornando as histórias brasileiras tão boas quanto as originais, sem que ninguém percebesse nada de estranho. Na série, Baroli também era o vilão Satã. Anos depois, Baroli ganharia fama entre fãs de anime ao interpretar outro vilão, o poderoso Saga de Gêmeos na série Os Cavaleiros do Zodíaco. 58) SPEED RACER? GO MIFUNE? METEORO? - Com uma série clássica reprisada centenas de vezes em vários países, séries derivadas feitas nos EUA, versões em quadrinhos e uma badalada versão live-action produzida em Hollywood pelos criadores de Matrix, Speed Racer talvez seja o herói japonês mais conhecido no mundo. Criação de Tatsuo Yoshida, que produziu a versão em mangá, Speed Racer
  57. 57. CULTURA POP JAPONESA Histórias e curiosidades <<< ÍNDICE >>> © Alexandre Nagado, Michel Matsuda e Rodrigo de Goes Todos os direitos reservados. Página58 estrelou um animê em 1967 com 52 episódios, em uma série que ganharia o mundo ainda no final da década de 1960. Mas o nome Speed Racer foi uma criação da distribuidora Trans Lux, que lançou a série no ocidente, a fim de usar um nome mais sonoro. O herói na verdade se chamava Go Mifune – por isso o ―G‖ em sua camisa e o ―M‖ em seu capacete. Mas o astro da série era mesmo o carro Mach (―Maha‖, em japonês) 5, afinal o título original em japonês era Maha Go Go Go, um trocadilho bilíngue intraduzível que usava a palavra ―go‖ como o número 5 em japonês, o termo em inglês para ―avante‖ e também o nome do piloto. Com seu nome original, o audaz esportista só é conhecido mesmo no Japão. No mundo inteiro, ele é Speed Racer. Ou melhor, exceto na Argentina, onde o nacionalismo obrigou a criação de um novo nome: Meteoro. 59) MAZINGER Z: NASCIDO NUM ENGARRAFAMENTO – Em um movimentado dia na primeira metade da década de 1970, o autor de mangás Go Nagai estava preso em um congestionamento. Grande fã de Astro Boy e Tetsujin 28 Goh (conhecido no Brasil como O Homem de Aço), ele vivia às voltas com ideias para criar uma historia com robôs sem copiar conceitos de seus heróis favoritos. Foi quando ele imaginou como seria bom poder passar sobre os carros que
  58. 58. CULTURA POP JAPONESA Histórias e curiosidades <<< ÍNDICE >>> © Alexandre Nagado, Michel Matsuda e Rodrigo de Goes Todos os direitos reservados. Página59 estavam na frente dirigindo um robô gigante! Tempos depois, ele lançaria no mangá e animê as aventuras de Mazinger Z. Até então, os robôs eram dotados de vida própria ou então eram controlados à distância por humanos. Mazinger Z tinha um piloto dentro de sua cabeça, uma ideia que influenciou profundamente o mercado japonês, que veria reflexos da ideia de Go Nagai em séries e franquias de grande sucesso. Extremamente popular e icônico no gênero, voltou às TVs do Japão em 2009, com uma série chamada Shin (novo) Mazinger Z. O que pouca gente lembra ou comenta é que a ideia de um robô gigante com cabine de controle na cabeça havia aparecido na série Muteki Gouriki (1969), de Mitsuteru Yokoyama (autor de Robô Gigante). O recurso foi usado pelos vilões da serie e ficou meio esquecido, não sendo possível afirmar que tenha inspirado – consciente ou inconscientemente – Go Nagai. Antes deles, porém, o brasileiro Messias de Melo havia criado Audaz (1939), um dos primeiros robôs gigantes dos quadrinhos e que já era operado por humanos em seu interior. Ainda assim, voltando à indústria japonesa, é certo dizer que Go Nagai revolucionou os robôs gigantes japoneses. . 60) O PINÓQUIO JAPONÊS E O FANTASMA DO GRILO FALANTE - Tradicionalmente, mangás e animês sempre foram produções mais violentas e com mais concessão a cenas picantes que suas contrapartes ocidentais. Produções infanto-juvenis, especialmente até os anos 1980, traziam cenas
  59. 59. CULTURA POP JAPONESA Histórias e curiosidades <<< ÍNDICE >>> © Alexandre Nagado, Michel Matsuda e Rodrigo de Goes Todos os direitos reservados. Página60 consideradas muito fortes para o público ocidental, onde quadrinhos e animação são mais associados com o público mais infantil. Isso motivou (e motiva até hoje) cortes e edições em vários momentos de diversas séries, a fim de não "chocar" as crianças ocidentais (na visão dos censores das emissoras e distribuidoras). Um caso marcante ocorreu com a versão japonesa de Pinóquio, o conto de Carlo Collodi que ganhou adaptações no mundo inteiro, sendo a mais famosa o longa animado da Disney, de 1940. Batizado de Kashi no Ki Mokku (ou Mokku do Carvalho), o "Pinóquio japonês" era uma história dramática e violenta, com mortes trágicas acontecendo em meio a histórias cheias de monstros horripilantes e pesadelos surreais – cortesia de Yoshitaka Amano, que se tornaria famoso com os designs do game Final Fantasy e do animê Vampire Hunter D. Uma cena marca bem a diferença entre a visão ocidental e a oriental. Logo no primeiro episódio, assim que ganha vida, Pinóquio anda desajeitadamente pela oficina de Gepeto e, sem querer, derruba um martelo em cima do Grilo Falante. O bichinho sai cambaleante e cai morto, de olhos abertos e com a boca se enchendo de espuma. Depois, ele reaparece como fantasminha a acompanha Pinóquio durante toda a série. A cena da morte, realmente violenta, foi vista no Brasil quando Pinóquio foi exibido na extinta TV Tupi, durante toda a década de 1970. Muitos anos depois, no canal pago Fox Kids, Pinóquio foi exibido com cópias novas, adaptadas pela Saban Entertainment e com nova dublagem e nova trilha sonora. Entre as muitas alterações, a cena da morte do grilo teve seu desfecho cortado, o que deixou meio sem sentido ele aparecer como
  60. 60. CULTURA POP JAPONESA Histórias e curiosidades <<< ÍNDICE >>> © Alexandre Nagado, Michel Matsuda e Rodrigo de Goes Todos os direitos reservados. Página61 fantasma depois. A série foi produzida em 1972 pela Tatsunoko Productions e rendeu 52 episódios. 61) O PEQUENO PRÍNCIPE - UMA ÚNICA VISITA À TERRA! – As Aventuras do Pequeno Príncipe foi uma série em animê exibida pelo SBT no final da década de 1980. Mesmo sem uma animação de grande qualidade, a série compensava com histórias muito legais e cheias de lições de moral. Baseada na obra original de Antoine de Saint-Exupéry, de 1943, contava a história do Pequeno Príncipe, um garotinho órfão que vivia em companhia de sua Rosa, no pequenino asteroide B612. A cada episódio, ele agarrava a cauda de um cometa e partia em direção a diversos planetas, em especial à Terra. Entretanto, no anime, diferente do romance original, o Príncipe veio à Terra apenas uma única vez e decidiu ficar vivendo no nosso planeta. Aquelas cenas repetidas, do Príncipe agarrando os cometas, foi uma adaptação da versão americana, e nos episódios em que ele dizia estar em outro planeta similar, era na verdade a Terra. Hoshi no Ôjisama Petit Prince (título em japonês), foi produzido em 1978, e contou com 39 episódios (35 exibidos e 4 inéditos). A versão americana teve apenas 26 episódios, todos exibidos no Brasil. A série foi licenciada em vídeo pela Hotvideo, entre 86/87, e posteriormente exibida no programa Show Maravilha, em 1988. Depois, ela voltaria a ser reprisada em setembro de 1999. 62) DON DRÁCULA, O MENOR SERIADO EM ANIMÊ! – Oriundo do mangá de Osamu Tezuka, a série Don Drácula ficou conhecida por ser o
  61. 61. CULTURA POP JAPONESA Histórias e curiosidades <<< ÍNDICE >>> © Alexandre Nagado, Michel Matsuda e Rodrigo de Goes Todos os direitos reservados. Página62 animê a ser cancelado com o menor número de episódios exibidos - apenas 4 - na região de Tokyo, isso em 1982. Algumas províncias chegaram a ter 7 episódios exibidos, e para exportação, foram vendidos todos os 8 episódios produzidos. No início da extinta TV Manchete, a breve série era exibida diariamente, com intermináveis reprises dos mesmos 8 capítulos. Nunca houve uma explicação plausível para o cancelamento da série. Na única fonte disponível, a Wikipédia, consta que foi por causa da falência da agência de publicidade que cuidava do seriado. A produção teria começado um ano antes da estreia, e 21 dos 26 episódios já teriam sido escritos. E havia uma boa quantidade de histórias, já que o mangá, publicado na revista semanal Shônen Champion (da Akita Shoten) teve três volumes encadernados. Em 1988, uma única fita de vídeo foi lançada, compilando 5 episódios em 90 minutos. Em 2002, todos os 8 episódios foram lançados em DVD, e em 2007, disponibilizados pelo site Yahoo! Dôga. Numa declaração do roteirista Takao Koyama, que escreveu 19 dos 21 episódios encomendados originalmente, a tal agência andou dando calote, e não havia pago à TV Tokyo o valor da transmissão referente ao mês de maio. Sem trabalho, sem receber por
  62. 62. CULTURA POP JAPONESA Histórias e curiosidades <<< ÍNDICE >>> © Alexandre Nagado, Michel Matsuda e Rodrigo de Goes Todos os direitos reservados. Página63 Don Drácula, com um filho recém-nascido e sem dinheiro, Koyama acabou indo trabalhar na Toei, onde ganharia prestígio com as séries Dragon Ball e Os Cavaleiros do Zodíaco. 63) PATRULHA ESTELAR E O NAVIO VOADOR – O animê Patrulha Estelar foi um grande sucesso na época da estreia da extinta TV Manchete, na década de 1980. O nome foi adaptado de Star Blazers, título que recebeu nos EUA o seriado Uchuu Senkan Yamato (ou ―Encouraçado Espacial Yamato‖). Na saga apresentada aqui, jovens militares vivem no Cruzador Espacial Argo, a maior arma das Forças de Defesa da Terra contra invasores espaciais. A mudança de nome – comum em adaptações feitas nos EUA – matou a ideia original do autor Leiji Matsumoto. Com 263 metros de comprimento e pesando mais de 70 mil toneladas, o Yamato foi o navio mais importante da Marinha Imperial Japonesa durante a Segunda Guerra Mundial, tendo sido afundado pela aviação estadunidense em 1945. Na concepção original, o navio era retirado do leito seco do Oceano Pacífico em 1999 e transformado em uma poderosa espaçonave que aproveitava a estrutura de artilharia original. Com as mudanças feitas na adaptação ocidental, todas as referências ao navio foram retiradas, seja
  63. 63. CULTURA POP JAPONESA Histórias e curiosidades <<< ÍNDICE >>> © Alexandre Nagado, Michel Matsuda e Rodrigo de Goes Todos os direitos reservados. Página64 com mudanças no roteiro ou edição de imagens, já que na primeira temporada da serie, apareciam imagens do navio em combate contra os Aliados. Certamente a motivação maior para a alteração foi o Japão ter sido aliado do nazismo na Segunda Guerra Mundial. 64) OS OUTROS ―YAMATOS‖ VOADORES – A ideia de mostrar um renascido Yamato como um navio voador apareceu em um mangá de 1961 chamado Denkou Ozma, do próprio Matsumoto. No caso, era uma espaçonave batizada em homenagem ao antigo navio. No mesmo ano, a revista de ficção científica Hi no Maru publicou um conto de Ikki Kajiwara (de Ashita no Joe) intitulado Shin Senkan Yamato, onde aparecia o Yamato reconstruído como um navio voador e com um capitão chamado Okita. Em 1963, a história ganhou versão em mangá assinada por Tetsuya Dan para a revista Shonen Gaho. Quando o animê e mangá de Matsumoto vieram a público em 1974, Kajiwara acusou um suposto plágio, mas nada aconteceu. 65) DERROTA NA TV, VITÓRIA NO CINEMA - O Yamato foi o desenho animado que detonou o
  64. 64. CULTURA POP JAPONESA Histórias e curiosidades <<< ÍNDICE >>> © Alexandre Nagado, Michel Matsuda e Rodrigo de Goes Todos os direitos reservados. Página65 primeiro "anime boom", e a história é bastante peculiar. A série de TV original (1974) teve audiência modesta e seus 26 episódios não repercutiram muito. Porém, em agosto de 1977, um compacto da serie foi exibido em cinemas. Mesmo que a animação em si fosse tecnicamente limitada, o roteiro épico, os cenários espaciais e a imponente trilha sonora pareciam ter nascido para serem apreciados na tela grande e o sucesso foi enorme, dando início ao chamado ―Yamato Panic‖. O público ultrapassou 2,5 milhões de pessoas. Isso impulsionou a produção de um novo longa, o Sarabá Uchuu Senkan Yamato ~ Ai no senshi tachi (ou ―Adeus, Encouraçado Espacial Yamato - Guerreiros do Amor‖), onde a tripulação enfrentava o inimigo supremo, o Cometa Império. Tendo estreado em agosto de 1978, teve 4,3 milhões de público. Produzido pela Toei Animation, a obra gerou uma verdadeira febre pelo país. Mas a febre que começava a tomar conta do Japão tinha um gosto amargo, pois o final do longa era trágico, com a morte dos protagonistas e a destruição da espaçonave, sem margem para continuação. A opção para os produtores não matarem sua ―galinha dos ovos de ouro‖ logo no início foi anunciar que aquela era uma história alternativa. Assim, meses depois, estrearia a série Yamato 2, com uma nova versão da batalha contra o Cometa Império. Essa foi a versão que conquistou muitos fãs no Brasil, com o nome de Patrulha Estelar. A respeito da relativamente baixa audiência da primeira série no Japão, cerca de 4 a 8%, foi por causa da concorrência com a série Heidi (―Alps no Shôjo Heidi‖, ou Heidi - A garota dos Alpes), exibida no mesmo horário e que fez sucesso
  65. 65. CULTURA POP JAPONESA Histórias e curiosidades <<< ÍNDICE >>> © Alexandre Nagado, Michel Matsuda e Rodrigo de Goes Todos os direitos reservados. Página66 também no Brasil, ao ser exibida nos anos 1970 durante o programa Silvio Santos, aos domingos. Sucesso consagrado, Heidi (que tinha um iniciante Hayao Miyazaki em sua equipe de criação) estava em seus episódios finais quando começou o Yamato, não dando muita chance à nova e ainda desconhecida produção. 66) YAMATO E A BATALHA NOS TRIBUNAIS - O Yamato foi alvo de uma batalha judicial que se estendeu por anos. O produtor Yoshinobu Nishizaki e o mangaká Leiji Matsumoto se desentenderam sobre os direitos autorais da série e foram para os tribunais. Veio de Nishizaki o conceito original de uma série com temática espacial que utilizasse o famoso navio de guerra Yamato como base para uma espaçonave em aventuras épicas. Até a chegada de Matsumoto ao projeto, outros artistas tentaram em vão desenvolver o conceito original para algo funcional. Quando Matsumoto chegou, fez roteiro, design dos personagens, cenários, espaçonaves, uniformes, dirigiu a série e até
  66. 66. CULTURA POP JAPONESA Histórias e curiosidades <<< ÍNDICE >>> © Alexandre Nagado, Michel Matsuda e Rodrigo de Goes Todos os direitos reservados. Página67 mesmo produziu metade dos story-boards usados como base pelos animadores. E ainda fez um mangá simultaneamente à série de TV. Certamente, o Yamato só decolou graças à sua genialidade. Mas o fato é que os dois sempre dividiram os créditos de direção ao longo da saga. Em 1994, Nishizaki promoveu o lançamento da minissérie para vídeo Yamato 2520, com novos personagens e uma nova espaçonave, projetada pelo renomado Syd Mead, o designer estadunidense de Alien - O Oitavo Passageiro, Blade Runner e Tron. Isso motivou uma briga com Matsumoto, que processou Nishizaki por quebra de direitos autorais. Os dois entraram em desacordo sobre a divisão dos direitos e iniciaram disputa na justiça para ter exclusividade sobre a obra. Num primeiro momento, Matsumoto venceu. Produziu o mangá Great Yamato, novas animações foram anunciadas, mas tudo acabou ficando posteriormente paralisado por ações judiciais. Nesse meio tempo, Nishizaki foi preso, por envolvimento com drogas e comércio ilegal de armas. A situação chegou a final em 2008, com a vitória de Nishizaki, que logo anunciou a produção de um novo longa, retomando a história original. E assim, Yamato Re-Birth estreou nos cinemas japoneses em 12 de dezembro de 2009. Não teve grande repercussão, pois concorreu diretamente com longas de One Piece (o grande sucesso da temporada), Kamen Riders e os Ultras. Ainda assim, mal o filme saiu de cartaz e foi anunciada uma grandiosa versão live-action, estrelada pelo famoso ator e cantor da banda Smap, Takuya Kimura, que estrearia em dezembro de 2010. Produção badalada e de sucesso, teve direito até

×