O slideshow foi denunciado.
Utilizamos seu perfil e dados de atividades no LinkedIn para personalizar e exibir anúncios mais relevantes. Altere suas preferências de anúncios quando desejar.
a4 DIÁRIO DA SERRA
SEXTA-FEIRA, 23 DE JANEIRO DE 2015Saúde
COLUNA DO ALEMÃO
* é colaborador do Diário e escreve as sextas-...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Tétano: Você está protegido?

214 visualizações

Publicada em

Colaboração e alerta sobre os Riscos do Tétano ao jornal Diário da Serra - Botucatu - SP

Publicada em: Saúde e medicina
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Tétano: Você está protegido?

  1. 1. a4 DIÁRIO DA SERRA SEXTA-FEIRA, 23 DE JANEIRO DE 2015Saúde COLUNA DO ALEMÃO * é colaborador do Diário e escreve as sextas-feiras. contato: Rubens de Almeida - Alemão - alemao.famesp@gmail.com Que “coisa” mara- vilhosa! Imagino que esta será a reação de quem acompanhar até o final, esta minha manifestação de hoje em forma de artigo. Mais que uma manifesta- ção é um orgulho enorme. Primeiramente, por- que neste Brasil injusto em quase todos os aspec- tos; onde a política é mui- to mais partidária do que efetivamente equação para suprir as necessidades do povo e que, podemos dizer, pelo “andar da carruagem” sempre será visto que tudo só retrocede e quase nada é feito de bom, por exemplo, para melhorar o caos da saúde, direito fundamen- tal que obrigatoriamente por força de lei deveria ser prioridade. Essa obrigação, infelizmente é ignorada pelos nossos governantes, aos cidadãos que adoecem e precisam de tratamento; o descaso é geral, e não im- porta onde você reside, seja aqui, ali ou acolá, a preca- riedade é sem limites e pre- cedentes. Mesmo com esse estúpido projeto do gover- no federal chamado “Mais Médicos”, em plena vigên- cia, quando alguém adoece e precisa se deslocar (em nome dessas injustiças ci- tadas) de sua cidade para realizar qualquer tipo de tratamento de saúde, em outra localidade, “o bicho vai pegar”; a desordem é geral. Parece até que quem fica doente faz opção por vi- veressatristesituação,tala maneira como são tratadas em todos os lugares. Longe de mim, querer imaginar que aqui no nosso Hospital das Clínicas é tudo perfeito e não enfrentamos dissabo- res dos mais variados nesse sentido; tenho a consciência de que neste grandioso com- plexo hospitalar também existem abusos e desrespei- tos, no entanto, numa esca- la bem pequena, longe, bem longe do que se vê em todos os cantos desse país nortea- IMPOSSÍVEL NÃO ENALTECER OS NOVE ANOS DE ATIVIDADES DAS CASAS DE APOIO DA FAMESP do por picaretas insensíveis. Por isso não há como deixar de enaltecer, que aqui na nossa hospitalei- ra e solidária “CIDADE DOS BONS ARES E DAS BOAS ESCOLAS”, mais precisamente no Hospital das Clínicas da UNESP, nossos irmãos que vem de fora, em busca de trata- mento, pelo menos encon- tram uma receptividade que todo ser humano me- rece, especialmente nesses momentos tão delicados. A maior prova do que estou “dizendo” é o tratamento humanitário dispensado pela FAMESP (Fundação para o Desen- volvimento Médico e Hos- pitalar) a todos aqueles que vêm ao nosso HC buscar saídas para os seus proble- mas de saúde. Há exatos nove anos a Fundação que ampara essa monumental “Casa de Saúde” da região, coloca à disposição de uma imensidão de pacientes, nada menos do que quatro Casas de Apoio. Você, caro leitor, pode perguntar: o que isso significa para a socieda- de como um todo, nos dias atuais? Talvez, diante de toda essa “insensibilidade” humana vivenciada por grande parte da população brasileira, será difícil res- ponder. Contudo, se este questionamento “cair no colo” de quem já utilizou esse benefício, certamen- te as glórias serão citadas com muita força. Com certeza, para quem sai da sua casa e, sequer tem esperanças de um dia, voltar curado à sua terra natal, ter um respaldo do nível oferecido por essas casas de apoio é algo bastante expressivo e “pra” lá de necessário. Sem dúvida alguma, esse cari- nho dispensado, além de amenizar, um pouco, o so- frimento das pessoas enfer- mas, ainda pode contribuir na recuperação daquele ir- mão que esteve a princípio, “sem chão”. Essa maravilha co- meçou a funcionar no ano de 2006. Na oportunidade foi criada uma unidade que visava tão somente receber pacientes oncológicos de outras cidades. Uma estru- tura foi montada com ca- pacidade para recepcionar 44 pacientes e seus acom- panhantes. Hoje, passados nove anos, do lançamento desse maravilhoso pro- grama do bem, existem, nada menos, do que quatro abrigos, nas imediações do Hospital que acolhem, dia- riamente, pouco mais de cem pessoas. Além da “casa”, cons- truída lá atrás, que abri- ga pacientes oncológicos, existe mais uma que rece- be crianças, pacientes do ambulatório de Oncologia Infantil; outra que abraça mãezinhas que dão à luz bebês prematuros e, por fim, uma que é a salvação daquelas pessoas que fa- zem um determinado tipo de Hemodiálise e não pos- suem em suas residências um local adequado para esse procedimento. Isto é ou não fantástico? Claro que se trata de um programa que de- veria fazer parte de todas as instituições de saúde do país, no entanto, para de- terminados “homens públi- cos” que fazem parte desse verdadeiro “entulho” com o qual, está sendo trans- formada a classe política brasileira, nada disso vale a pena. Por sinal, tive o cui- dado de projetar durante a estada do Doutor Arthur Chioro, ao nosso hospital (com anuência da sua as- sessoria), uma visita do atual Ministro da Saúde nesses empreendimentos, o que só não ocorreu pelo fato de alguns desses “en- gomadinhos” travestidos de políticos aqui da terri- nha, terem programado uma reunião política que até agora ninguém soube da real “importância”. Deixando esses per- calços de lado, até porque, a vida tem que seguir, que- ro parabenizar todos os di- rigentes da FAMESP, por caminharem contra essa corrente maldita (onde nin- guém faz nada “pra” nin- guém) que virou mania nos quatro cantos deste Brasil Brasileiro, em especial o seu Diretor Presidente, Professor Doutor Pasqual Barretti (um ser humano que dispensa comentários quando o assunto é bem servir), pela beleza desse empreendimento que, sem dúvida alguma é de extre- ma valia a todos os pacien- tes que se tratam no nosso Hospital das Clínicas. Como um dos fun- cionários mais antigos da Instituição UNESP, afinal, estou perto de completar 47 anos de serviços prestados à nossa eterna “faculda- de” e, mais ainda, por ser responsável pelo cuidado (com tudo) que a Fundação dispensa para oferecer um serviço de qualidade a todos os usuários dessas “casas”, cumprimento e abraço cari- nhosamente, um a um, to- dos os meus colegas, muito particularmente a minha companheira Solange de Moraes, eterna Assistente Social das “causas” do bem, que nesses anos todos têm acolhido gente do Brasil in- teiro nesses “lares” encan- tadores chamados “Casas de Apoio”. Parabéns, queri- dos amigos e amigas. De maneira bastan- te carinhosa abraço, nesta semana, três leitores es- peciais dos meus “causos” aqui contados que, para a minha satisfação, me fazem companhia em tudo o que tento realizar, juntamente com outras pessoas, por um mundo melhor para todos: meu irmão Romildo Perez, um churrasqueiro de pri- meira linha que, por um descuido imperdoável, dei- xei de citá-lo na homenagem prestada aos amigos Fran- cisco Cezar e Azor de Pau- la e os amigos Professores Hamilton da Rosa Pereira e José Roberto Fioretto. COMONASCERAMAS“CASASDEAPOIO” Quis Deus que um dia (dessesquesóaforçaDELE podedarsuporteparacon- tinuarmos a ir em frente) eu me deparasse com um senhor da cidade de Para- guaçu Paulista (lamento por não me lembrar do seu nome) que estava dei- tado embaixo de uma das muitas árvores existentes dentro do campus Univer- sitáriodaUNESP,sentindo- -se muito mal. Claro que de imediato busquei ajudá-lo, no entan- to, sua esposa (uma senho- ra também idosa) me disse que aquele ‘mal estar’ era passageiro, pois todo dia após as aplicações que ele recebia o quadro era o mesmo. Muito enjôo e depois de alguns minutos tudo voltava ao normal. Fiquei muitíssimo in- dignado com tudo o que acabava de presenciar, até porque, achava aquilo um abuso. Mesmo aliviado ao ouvir as justificativas daquela senhora, imedia- tamente, levei o fato ao conhecimento do Doutor Pasqual Barretti, na opor- tunidade, Supervisor do HC. Pressenti que algo de bom iria acontecer, pois, o amigo Pasqual, logo no primeiro momento me fez acreditar que aquela quei- xa seria o ponto de largada para a solução dos muitos problemas deste nível en- frentados pelos pacientes, especialmente, aqueles que residem em cidades distantes de Botucatu. Gra- ças a Deus tudo caminhou do“jeitoqueagentegosta”. Estávamos vivendo o mês de julho de 2005, bem próximo do final do meu mandato à frente da ASU (AssociaçãodosServidores da UNESP) e, naquele mes- mo mês recebi autorização do ilustre Supervisor para, junto com a Assistente So- cial,SolangedeMoraes-na época responsável pelo Serviço Social Médico do HC-esboçarumprograma que viesse por fim a essas lacunas (injustiças) ocorri- das normalmente nos pós atendimentos médicos, dispensados pelo HC. Sem medo de errar, pensamos em montar uma “casa” que pudesse abrigar, com dignidade, todos esses pacientes “fo- rasteiros”. Nosso primeiro passo foi correr atrás de um prédio que oferecesse condições, no sentido do projeto sair do papel. Não deu outra: poucos meses depois (janeiro de 2006) inauguramos a primeira Casa de Apoio ao Paciente Oncológico, com capacida- de para acolher 44 “hóspe- des” de outras localidades, quesesubmetemaquimio e radioterapia aqui no nos- so HC. Foi prazeroso de- mais! O funcionamento do primeiro “abrigo” cami- nhava maravilhosamente bem, apesar do número pequeno de colaboradores que tínhamos ao nosso lado (cinco funcionários e cinco plantonistas), tanto que vislumbrávamos um segundo empreendimento deste nível. Isso foi só uma questão de tempo: dois anos após essa brilhante conquista, a “casa” que hoje abriga crianças tam- bém começou a funcionar. Tudo foi acontecen- do de um jeito magistral, algo que possibilitou outra “moradia” sendo entregue alguns meses adiante. Ali- ás, uma oportunidade que tivemos em ver os nossos esforços serem reconheci- dos fora de Botucatu, mais propriamente, na esfera maior do país. O Ministé- rio da Saúde veio “buscar” o nosso programa com vistas a implantá-lo em outras cidades brasileiras. Salve, Salve! Hoje, com as graças DELE, o nosso PAI e tam- bém com todo o respaldo necessário da Diretoria da FAMESP, possuímos quatro “lares” carinho- sos; conseguimos acolher 104 pessoas (pacientes e seus acompanhantes) e somos um “time” de qua- se cinquenta colaborado- res, entre funcionários, plantonistas e voluntários, bastante unido e pronto para oferecer um serviço de qualidade a quem nos procura. Caso de tétano traz à tona a discussão sobre a necessidade de atenção a doença Paciente deu entrada com quadro grave no HCFMB no dia 13 de janeiro DA REDAÇÃO opiniao@diariodaserra.jor.br No último dia 13 de janeiro, um jovem de 27 anos deu entrada no Hospital das Clínicas da Faculdade de Medici- na de Botucatu (HCFMB) com um quadro grave de tétano. O paciente se feriu com uma lâmina cerca de 15 dias antes do surgimento dos sinto- mas, e, apesar do atraso da vacina de tétano (úl- tima dose tomada pelo paciente em 2002), foi possível realizar com eficácia a prevenção pós-acidente. O tétano é uma doença infecciosa grave, não contagiosa, hoje em dia rara, mas que pode ser fatal. A en- fermidade mata 50% das pessoas em idade adulta e 85% das pessoas que tem mais de 60 anos. No último levanta- mento realizado pelo Mi- nistério da Saúde, entre os anos de 2001 e 2011, houve uma queda de 44% nas incidências de casos de tétano no Brasil. Mas por ser uma doença rara, as pessoas, de uma for- ma geral, não se preocu- pam com a prevenção. “Existe uma falsa sen- sação de segurança em relação ao tétano porque está cada vez mais raro, cada vez mais difícil de ver um caso. Mas isso não significa que as pes- soas devem deixar de se preocupar”, afirma Ale- xandre Naime Barbosa, médico infectologista e professor da FMB. O especialista explica que a vacina antitetâni- ca deve ser dada desde o momento em que a pes- soa nasce e, posterior- mente, deve ser realiza- do o controle das doses. “Quando a criança nasce ela vai tomar três doses, quando ela completa 5 anos é dada mais uma dose e depois a cada dez anos, durante toda a vida adulta, a vacina tem que ser reforçada”, explica. Outro modo para se combater a doença é a avaliação do ferimento para que o médico de- termine qual a gravi- dade do corte, mesmo em pessoas que estejam com a vacinação em dia. Isso porque a vacina dá uma proteção para uma determinada quantidade de toxina, se a pessoa re- cebe uma quantia muito maior dessa toxina, é ne- cessário que seja aplica- da uma dose de reforço. E, se o caso for conside- rado muito grave, e a va- cina estiver atrasada, o paciente, além de tomar esse reforço, terá que to- mar um soro com os an- ticorpos prontos. A vacina antitetânica faz parte do calendário vacinal brasileiro, é to- talmente gratuita e pode ser tomada em qualquer unidade básica de saúde. Se a pessoa estiver com dúvida e sem a carteira de vacinação ela deve ir a um posto de saúde que, mesmo nessa situação, a dose será dada. Alexandre Naime Barbosa: “Existe uma falsa sensação de segurança em relação ao tétano porque está cada vez mais difícil de ver um caso. Mas isso não significa que as pessoas devem deixar de se preocupar” DIVULGAÇÃO

×