SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 1
Baixar para ler offline
a3DIÁRIO DA SERRA
QUINTA-FEIRA, 25 DE JUNHO DE 2015 Saúde
Portaria autoriza tratamento revolucionário
contra a hepatite C para pacientes do SUS
O Sistema Único
de Saúde (SUS)
terá três novos
medicamentos para
o tratamento da
hepatite viral C
crônica
MAYSA SANTOS
cultura@diariodaserra.jor.br
Portaria da Secretaria
de Ciência, Tecnologia e
Insumos Estratégicos, do
Ministério da Saúde, publi-
cada no último dia 23 (ter-
ça-feira) no Diário Oficial
da União garante o uso dos
medicamentos sofosbuvir,
daclatasvir e simeprevir
na rede pública de saúde.
Após anos de espera, o Sis-
tema Único de Saúde (SUS)
receberá as três medica-
ções para o tratamento da
hepatite viral C crônica.
Os remédios já existem
no mercado americano e
europeu desde meados de
2013 e só agora chegaram
ao Brasil.
De acordo com o mé-
dico Infectologista e res-
ponsável pelo Serviço de
Infectologia da UNESP e
professor de Infectologia
da Faculdade de Medici-
na de Botucatu (FMB), Dr.
Alexandre Naime Barbosa,
essas medicações são uma
verdadeira revolução no
tratamento da hepatite C.
O especialista salienta que
o tratamento antigo permi-
tia a cura de no máximo
40%, chegando até 50% dos
pacientes. Ou seja, pratica-
mente metade dos infecta-
dos eram curados, e a ou-
tra metade, não.
“Fora isso, o tratamento
antigo, além de ter baixa
eficácia, tinha muito efeito
colateral. Era mais ou me-
nos como uma quimiotera-
pia, mais light. O paciente
tinha muita febre, dor no
corpo, dor de cabeça, a
pessoa passava mal duran-
te um ano de tratamento.
Lembrando que as drogas
antigas eram injetáveis, o
paciente precisava tomar
uma injeção uma vez por
semana. Esse tratamento
novo é feito todo com com-
primidos via oral. O trata-
mento atual sobe o percen-
tual de cura desses antigos
50% para 90%, em alguns
casos 95% dos pacientes
conseguem se curar”, afir-
ma.
Os benefícios das no-
vas medicações vão muito
além. Segundo o especia-
lista, os efeitos colaterais
praticamente não existem
e o tratamento ao invés
de durar um ano, passa a
ter duração de no máximo
seis meses. Por isso, era tão
aguardado por pacientes e
médicos no Brasil. No en-
tanto, o custo do mesmo é
alto, girando em torno de
R$ 100 mil a R$ 130 mil
por paciente. Portanto, o
governo aderiu a estraté-
gia de tratar primeiro os
casos mais graves, ou seja,
as pessoas que estão com a
doença de moderada inten-
sa a muito grave.
“A data para receber-
mos essas drogas depende
da disponibilidade finan-
ceira que o Ministério da
Saúde vai fornecer. Os me-
dicamentos serão adqui-
ridos de maneira centrali-
zada pelo ministério para
distribuição aos estados.
O pessoal do ministério
está falando muito na data
de julho ou agosto, mas é
importante deixar claro,
essa não é uma previsão
dos médicos, mas sim do
governo”, conclui Dr. Bar-
bosa. A previsão é que no
primeiro ano de uso será
adquirido o suficiente para
o atendimento de 15 mil
pacientes.
Hepatite C, uma doença silenciosa!
Grupos de risco devem fazer o exame preventivo
A hepatite C é uma
doença traiçoeira, pois
fica oculta no organismo
durante muito tempo. O
individuo pode contrair
o vírus e demorar até 40
anos para apresentar os
primeiros sintomas. E
quando acontece o sinal
clínico, já é muito tarde
e o paciente pode estar
em um nível avançado
de cirrose. Por esse mo-
tivo, o Infectologista Dr.
Barbosa alerta que a pa-
tologia é perigosa e que é
essencial que as pessoas
façam o exame preventi-
vamente.
O vírus da hepatite C
se instala no fígado e co-
meça a destruir o órgão
aos poucos. Por ser silen-
ciosa, a doença vai des-
truindo-o, substituindo
as células por um tecido
chamado pelos médicos
de fibrose. Depois de um
tempo, o fígado é toma-
do por esse tecido e fica
com o aspecto de uma
grande cicatriz. Quando
isso ocorre, o órgão não
consegue mais funcionar
e é detectada a cirrose.
No entanto, outra conse-
qüência mais grave do
vírus no organismo é o
câncer.
Todas as pessoas
que tiveram algum
tipo de contato com
sangue contaminado
(todos que receberam
transfusão de sangue
até 1994), pessoas que
utilizaram seringas e
agulhas não descar-
táveis, inclusive para
uso de drogas ilícitas,
pessoas que receberam
injeção (antigamente
era comum não ter se-
ringas de plástico) e
pessoas nascidas entre
1945 e 1980 (70% dos
casos) estão na faixa de
risco e devem realizar
o exame preventivo.
Cerca de 40% das pes-
soas infectadas pelo
vírus, os médicos não
conseguem descobrir
de onde contraíram a
doença. Manicures e
dentistas são possíveis
fontes de contágio.
Para realizar o exa-
me, basta procurar
qualquer Unidade Bási-
ca de Saúde do municí-
pio ou o SAE de Infecto-
logia “Domingos Alves
Meira”. Para mais infor-
mações: (14) 3811-6535.
Dr. Alexandre
Barbosa: “O
tratamento atual
sobe o percentual de
cura desses antigos
50% para 90%,
em alguns casos
95% dos pacientes
conseguem se curar”
ILUSTRAÇÃO
FOTOS: SIDNEY TROVÃO
ARQUIVO PESSOAL
Desculpem-nos pelos transtornos! no dia 23/06 no dia 24/06
Após a veiculação da
matéria pelo Diário, que
informava a obstrução
das calçadas da Rua Dr.
Jaguaribe, em decorrên-
cia das obras de constru-
ção de galerias pluviais
no local, e do conhe-
cimento da secretaria
municipal de obras, a
empreiteira responsável
pela execução do projeto
retirou os materiais que
impediam o livre fluxo
de pedestres e morado-
res. Após a retirada de
tijolos, maquinários e
materiais metálicos, a
calçada do lado direito,
no sentido de descida,
voltou a estar livre para
a passagem de pessoas.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Hepatite C - Epidemiologia, Triagem e Manejo 2015
Hepatite C - Epidemiologia, Triagem e Manejo 2015Hepatite C - Epidemiologia, Triagem e Manejo 2015
Hepatite C - Epidemiologia, Triagem e Manejo 2015Alexandre Naime Barbosa
 
HIV/Aids em 2016 Manejo e Prevenção nos dias de hoje
HIV/Aids em 2016  Manejo e Prevenção nos dias de hojeHIV/Aids em 2016  Manejo e Prevenção nos dias de hoje
HIV/Aids em 2016 Manejo e Prevenção nos dias de hojeAlexandre Naime Barbosa
 
Vacina Anti HIV Mais de 30 anos depois, onde estamos?
Vacina Anti HIV  Mais de 30 anos depois, onde estamos?Vacina Anti HIV  Mais de 30 anos depois, onde estamos?
Vacina Anti HIV Mais de 30 anos depois, onde estamos?Alexandre Naime Barbosa
 
Campanha nacional de vacinação contra a gripe começa dia 22
Campanha nacional de vacinação contra a gripe começa dia 22Campanha nacional de vacinação contra a gripe começa dia 22
Campanha nacional de vacinação contra a gripe começa dia 22Ministério da Saúde
 
Aula HIV Aids DST Prevencao Calouros Unesp 2015
Aula HIV Aids DST Prevencao Calouros Unesp 2015Aula HIV Aids DST Prevencao Calouros Unesp 2015
Aula HIV Aids DST Prevencao Calouros Unesp 2015Alexandre Naime Barbosa
 
Global health e doencas infecciosas 2019 infectologia - alexandre naime ba...
Global health e doencas infecciosas  2019   infectologia - alexandre naime ba...Global health e doencas infecciosas  2019   infectologia - alexandre naime ba...
Global health e doencas infecciosas 2019 infectologia - alexandre naime ba...Alexandre Naime Barbosa
 
Poliovírus e Poliomielite: Estamos próximos da erradicação?
Poliovírus e Poliomielite: Estamos próximos da erradicação?Poliovírus e Poliomielite: Estamos próximos da erradicação?
Poliovírus e Poliomielite: Estamos próximos da erradicação?Alexandre Naime Barbosa
 
Infecção pelo HIV Aids HIV Aids Manejo Liga de Infectologia 2015
Infecção pelo HIV Aids HIV Aids Manejo Liga de Infectologia 2015Infecção pelo HIV Aids HIV Aids Manejo Liga de Infectologia 2015
Infecção pelo HIV Aids HIV Aids Manejo Liga de Infectologia 2015Alexandre Naime Barbosa
 
Ebola - 2019 - Alexandre Barbosa - Infectologia
Ebola - 2019 - Alexandre Barbosa - InfectologiaEbola - 2019 - Alexandre Barbosa - Infectologia
Ebola - 2019 - Alexandre Barbosa - InfectologiaAlexandre Naime Barbosa
 
Ministerio da Saúde amplia tratamento de HIV
Ministerio da Saúde amplia tratamento de HIVMinisterio da Saúde amplia tratamento de HIV
Ministerio da Saúde amplia tratamento de HIVMinistério da Saúde
 

Mais procurados (20)

Hepatite C - Epidemiologia, Triagem e Manejo 2015
Hepatite C - Epidemiologia, Triagem e Manejo 2015Hepatite C - Epidemiologia, Triagem e Manejo 2015
Hepatite C - Epidemiologia, Triagem e Manejo 2015
 
Doenças Negligenciadas 2016
Doenças Negligenciadas 2016Doenças Negligenciadas 2016
Doenças Negligenciadas 2016
 
HIV/Aids em 2016 Manejo e Prevenção nos dias de hoje
HIV/Aids em 2016  Manejo e Prevenção nos dias de hojeHIV/Aids em 2016  Manejo e Prevenção nos dias de hoje
HIV/Aids em 2016 Manejo e Prevenção nos dias de hoje
 
Vacina Anti HIV Mais de 30 anos depois, onde estamos?
Vacina Anti HIV  Mais de 30 anos depois, onde estamos?Vacina Anti HIV  Mais de 30 anos depois, onde estamos?
Vacina Anti HIV Mais de 30 anos depois, onde estamos?
 
Profilaxia do Tétano
Profilaxia do TétanoProfilaxia do Tétano
Profilaxia do Tétano
 
Campanha nacional de vacinação contra a gripe começa dia 22
Campanha nacional de vacinação contra a gripe começa dia 22Campanha nacional de vacinação contra a gripe começa dia 22
Campanha nacional de vacinação contra a gripe começa dia 22
 
Aula HIV Aids DST Prevencao Calouros Unesp 2015
Aula HIV Aids DST Prevencao Calouros Unesp 2015Aula HIV Aids DST Prevencao Calouros Unesp 2015
Aula HIV Aids DST Prevencao Calouros Unesp 2015
 
Global health e doencas infecciosas 2019 infectologia - alexandre naime ba...
Global health e doencas infecciosas  2019   infectologia - alexandre naime ba...Global health e doencas infecciosas  2019   infectologia - alexandre naime ba...
Global health e doencas infecciosas 2019 infectologia - alexandre naime ba...
 
A Aids depois dos 60 anos
A Aids depois dos 60 anosA Aids depois dos 60 anos
A Aids depois dos 60 anos
 
Eventos de massa | Dengue
Eventos de massa | DengueEventos de massa | Dengue
Eventos de massa | Dengue
 
Poliovírus e Poliomielite: Estamos próximos da erradicação?
Poliovírus e Poliomielite: Estamos próximos da erradicação?Poliovírus e Poliomielite: Estamos próximos da erradicação?
Poliovírus e Poliomielite: Estamos próximos da erradicação?
 
Profilaxia da Raiva
Profilaxia da RaivaProfilaxia da Raiva
Profilaxia da Raiva
 
Hepatite C - Epidemiologia 2014
Hepatite C - Epidemiologia 2014Hepatite C - Epidemiologia 2014
Hepatite C - Epidemiologia 2014
 
Crescem casos de hepatites
Crescem casos de hepatitesCrescem casos de hepatites
Crescem casos de hepatites
 
Cenário atual e estratégias adotadas Febre Amarela Silvestre Brasil - 2017
Cenário atual e estratégias adotadas  Febre Amarela Silvestre   Brasil - 2017Cenário atual e estratégias adotadas  Febre Amarela Silvestre   Brasil - 2017
Cenário atual e estratégias adotadas Febre Amarela Silvestre Brasil - 2017
 
Infecção pelo HIV Aids HIV Aids Manejo Liga de Infectologia 2015
Infecção pelo HIV Aids HIV Aids Manejo Liga de Infectologia 2015Infecção pelo HIV Aids HIV Aids Manejo Liga de Infectologia 2015
Infecção pelo HIV Aids HIV Aids Manejo Liga de Infectologia 2015
 
Ebola - 2019 - Alexandre Barbosa - Infectologia
Ebola - 2019 - Alexandre Barbosa - InfectologiaEbola - 2019 - Alexandre Barbosa - Infectologia
Ebola - 2019 - Alexandre Barbosa - Infectologia
 
CT Epidemiologia - 21.03.16 - COMPLICAÇÕES NEUROLÓGICAS ASSOCIADAS AS ARBOVIR...
CT Epidemiologia - 21.03.16 - COMPLICAÇÕES NEUROLÓGICAS ASSOCIADAS AS ARBOVIR...CT Epidemiologia - 21.03.16 - COMPLICAÇÕES NEUROLÓGICAS ASSOCIADAS AS ARBOVIR...
CT Epidemiologia - 21.03.16 - COMPLICAÇÕES NEUROLÓGICAS ASSOCIADAS AS ARBOVIR...
 
Prevenção DST/Aids SIPAT 2013
Prevenção DST/Aids SIPAT 2013Prevenção DST/Aids SIPAT 2013
Prevenção DST/Aids SIPAT 2013
 
Ministerio da Saúde amplia tratamento de HIV
Ministerio da Saúde amplia tratamento de HIVMinisterio da Saúde amplia tratamento de HIV
Ministerio da Saúde amplia tratamento de HIV
 

Destaque (20)

Matériel requis et contribution scolaire maternelle 2015 2016
Matériel requis et contribution scolaire maternelle 2015 2016Matériel requis et contribution scolaire maternelle 2015 2016
Matériel requis et contribution scolaire maternelle 2015 2016
 
Rubrica wmv mel
Rubrica wmv melRubrica wmv mel
Rubrica wmv mel
 
H2 Central - Digital Trends White Paper
H2 Central - Digital Trends White PaperH2 Central - Digital Trends White Paper
H2 Central - Digital Trends White Paper
 
eGO Gestion Biens
eGO Gestion BienseGO Gestion Biens
eGO Gestion Biens
 
earleyConfFinal
earleyConfFinalearleyConfFinal
earleyConfFinal
 
Abcde de hepatites para agentes comunitários de saúde
Abcde de hepatites para agentes comunitários de saúdeAbcde de hepatites para agentes comunitários de saúde
Abcde de hepatites para agentes comunitários de saúde
 
Apresentação hepatite c
Apresentação hepatite cApresentação hepatite c
Apresentação hepatite c
 
Hepatite c
Hepatite cHepatite c
Hepatite c
 
Novo tratamento para hepatite C
Novo tratamento para hepatite CNovo tratamento para hepatite C
Novo tratamento para hepatite C
 
Hepatites Virais - Campanha 2015 e Novo Protocolo Clínico
Hepatites Virais - Campanha 2015 e Novo Protocolo ClínicoHepatites Virais - Campanha 2015 e Novo Protocolo Clínico
Hepatites Virais - Campanha 2015 e Novo Protocolo Clínico
 
Hepatite
HepatiteHepatite
Hepatite
 
Hepatites Virais
Hepatites ViraisHepatites Virais
Hepatites Virais
 
gpu
gpugpu
gpu
 
A la vora del mar
A la vora del marA la vora del mar
A la vora del mar
 
Notas i periodo informatica grado 6 b 2012 facebook
Notas i periodo informatica grado 6 b 2012 facebookNotas i periodo informatica grado 6 b 2012 facebook
Notas i periodo informatica grado 6 b 2012 facebook
 
Introdução à informática
Introdução à informáticaIntrodução à informática
Introdução à informática
 
Equity bazaar 13.07.2016
Equity bazaar 13.07.2016Equity bazaar 13.07.2016
Equity bazaar 13.07.2016
 
Rapport om-moderneledelse
Rapport om-moderneledelseRapport om-moderneledelse
Rapport om-moderneledelse
 
How to Play Poker
How to Play PokerHow to Play Poker
How to Play Poker
 
I 864
I 864I 864
I 864
 

Semelhante a SUS recebe tratamento revolucionário contra hepatite C

Fórum Nacional Oncoguia é destaque na Folha de S.Paulo
Fórum Nacional Oncoguia é destaque na Folha de S.PauloFórum Nacional Oncoguia é destaque na Folha de S.Paulo
Fórum Nacional Oncoguia é destaque na Folha de S.PauloOncoguia
 
XI Fórum Nacional - Folha de S.Paulo
XI Fórum Nacional - Folha de S.PauloXI Fórum Nacional - Folha de S.Paulo
XI Fórum Nacional - Folha de S.PauloFrancielle Oliveira
 
XI Fórum Nacional Oncoguia - Folha de S.Paulo
XI Fórum Nacional Oncoguia - Folha de S.PauloXI Fórum Nacional Oncoguia - Folha de S.Paulo
XI Fórum Nacional Oncoguia - Folha de S.PauloOncoguia
 
Tuberculose em Salvador - Uma questão de Saúde Pública
Tuberculose em Salvador -  Uma questão de Saúde PúblicaTuberculose em Salvador -  Uma questão de Saúde Pública
Tuberculose em Salvador - Uma questão de Saúde PúblicaÉrica Rangel
 
Carta Aberta ao Ministério da Saúde sobre o câncer do colo do útero
Carta Aberta ao Ministério da Saúde sobre o câncer do colo do úteroCarta Aberta ao Ministério da Saúde sobre o câncer do colo do útero
Carta Aberta ao Ministério da Saúde sobre o câncer do colo do úteroOncoguia
 
Câncer: uma realidade brasileira
Câncer: uma realidade brasileiraCâncer: uma realidade brasileira
Câncer: uma realidade brasileiraOncoguia
 
NAPP-Saúde e SNS-PT_sobre o fim da pandemia.pdf
NAPP-Saúde e SNS-PT_sobre o fim da pandemia.pdfNAPP-Saúde e SNS-PT_sobre o fim da pandemia.pdf
NAPP-Saúde e SNS-PT_sobre o fim da pandemia.pdfComunicaoPT
 
Humanização do Atendimento de Jovens Portadores De Doenças Crônicas
Humanização do Atendimento de Jovens Portadores De Doenças CrônicasHumanização do Atendimento de Jovens Portadores De Doenças Crônicas
Humanização do Atendimento de Jovens Portadores De Doenças CrônicasAssociação Viva e Deixe Viver
 
Ministério da Saúde recomenda que municípios intensifiquem ações para atingir...
Ministério da Saúde recomenda que municípios intensifiquem ações para atingir...Ministério da Saúde recomenda que municípios intensifiquem ações para atingir...
Ministério da Saúde recomenda que municípios intensifiquem ações para atingir...Ministério da Saúde
 
Pesquisas do Oncoguia mostra visão sobre câncer por quem mora na favela
Pesquisas do Oncoguia mostra visão sobre câncer por quem mora na favelaPesquisas do Oncoguia mostra visão sobre câncer por quem mora na favela
Pesquisas do Oncoguia mostra visão sobre câncer por quem mora na favelaOncoguia
 
Livro - Farmácia Clínica e Serviços Farmacêuticos
Livro - Farmácia Clínica e Serviços FarmacêuticosLivro - Farmácia Clínica e Serviços Farmacêuticos
Livro - Farmácia Clínica e Serviços FarmacêuticosCassyano Correr
 
II Consenso Brasileiro em Doença de Chagas, 2015
 II Consenso Brasileiro em Doença de Chagas, 2015 II Consenso Brasileiro em Doença de Chagas, 2015
II Consenso Brasileiro em Doença de Chagas, 2015Centro Universitário Ages
 
Por que não é momento de flexibilizar isolamento social
Por que não é momento de flexibilizar isolamento socialPor que não é momento de flexibilizar isolamento social
Por que não é momento de flexibilizar isolamento socialPaulo Souza
 

Semelhante a SUS recebe tratamento revolucionário contra hepatite C (20)

Fórum Nacional Oncoguia é destaque na Folha de S.Paulo
Fórum Nacional Oncoguia é destaque na Folha de S.PauloFórum Nacional Oncoguia é destaque na Folha de S.Paulo
Fórum Nacional Oncoguia é destaque na Folha de S.Paulo
 
Quarentena
QuarentenaQuarentena
Quarentena
 
XI Fórum Nacional - Folha de S.Paulo
XI Fórum Nacional - Folha de S.PauloXI Fórum Nacional - Folha de S.Paulo
XI Fórum Nacional - Folha de S.Paulo
 
XI Fórum Nacional Oncoguia - Folha de S.Paulo
XI Fórum Nacional Oncoguia - Folha de S.PauloXI Fórum Nacional Oncoguia - Folha de S.Paulo
XI Fórum Nacional Oncoguia - Folha de S.Paulo
 
Tuberculose em Salvador - Uma questão de Saúde Pública
Tuberculose em Salvador -  Uma questão de Saúde PúblicaTuberculose em Salvador -  Uma questão de Saúde Pública
Tuberculose em Salvador - Uma questão de Saúde Pública
 
Carta Aberta ao Ministério da Saúde sobre o câncer do colo do útero
Carta Aberta ao Ministério da Saúde sobre o câncer do colo do úteroCarta Aberta ao Ministério da Saúde sobre o câncer do colo do útero
Carta Aberta ao Ministério da Saúde sobre o câncer do colo do útero
 
Câncer: uma realidade brasileira
Câncer: uma realidade brasileiraCâncer: uma realidade brasileira
Câncer: uma realidade brasileira
 
136 576-1-pb
136 576-1-pb136 576-1-pb
136 576-1-pb
 
Capacitação dos ACS sobre Tb em Santa Maria - RS
Capacitação dos ACS sobre Tb em Santa Maria - RSCapacitação dos ACS sobre Tb em Santa Maria - RS
Capacitação dos ACS sobre Tb em Santa Maria - RS
 
NAPP-Saúde e SNS-PT_sobre o fim da pandemia.pdf
NAPP-Saúde e SNS-PT_sobre o fim da pandemia.pdfNAPP-Saúde e SNS-PT_sobre o fim da pandemia.pdf
NAPP-Saúde e SNS-PT_sobre o fim da pandemia.pdf
 
ATUALIDADES 26-8.pptx
ATUALIDADES 26-8.pptxATUALIDADES 26-8.pptx
ATUALIDADES 26-8.pptx
 
Humanização do Atendimento de Jovens Portadores De Doenças Crônicas
Humanização do Atendimento de Jovens Portadores De Doenças CrônicasHumanização do Atendimento de Jovens Portadores De Doenças Crônicas
Humanização do Atendimento de Jovens Portadores De Doenças Crônicas
 
Ministério da Saúde recomenda que municípios intensifiquem ações para atingir...
Ministério da Saúde recomenda que municípios intensifiquem ações para atingir...Ministério da Saúde recomenda que municípios intensifiquem ações para atingir...
Ministério da Saúde recomenda que municípios intensifiquem ações para atingir...
 
Pesquisas do Oncoguia mostra visão sobre câncer por quem mora na favela
Pesquisas do Oncoguia mostra visão sobre câncer por quem mora na favelaPesquisas do Oncoguia mostra visão sobre câncer por quem mora na favela
Pesquisas do Oncoguia mostra visão sobre câncer por quem mora na favela
 
A cirurgia segura. uma exigência do século xxi
A cirurgia segura. uma exigência do século xxiA cirurgia segura. uma exigência do século xxi
A cirurgia segura. uma exigência do século xxi
 
Livro - Farmácia Clínica e Serviços Farmacêuticos
Livro - Farmácia Clínica e Serviços FarmacêuticosLivro - Farmácia Clínica e Serviços Farmacêuticos
Livro - Farmácia Clínica e Serviços Farmacêuticos
 
II Consenso Brasileiro em Doença de Chagas, 2015
 II Consenso Brasileiro em Doença de Chagas, 2015 II Consenso Brasileiro em Doença de Chagas, 2015
II Consenso Brasileiro em Doença de Chagas, 2015
 
Por que não é momento de flexibilizar isolamento social
Por que não é momento de flexibilizar isolamento socialPor que não é momento de flexibilizar isolamento social
Por que não é momento de flexibilizar isolamento social
 
Setemi News
Setemi NewsSetemi News
Setemi News
 
Setemi News
Setemi NewsSetemi News
Setemi News
 

Mais de Alexandre Naime Barbosa

Novas Estratégias de PrEP e PEP PrEP Sob Demanda, Longa Duração e DoxiPEP
Novas Estratégias de PrEP e PEP  PrEP Sob Demanda, Longa Duração e DoxiPEPNovas Estratégias de PrEP e PEP  PrEP Sob Demanda, Longa Duração e DoxiPEP
Novas Estratégias de PrEP e PEP PrEP Sob Demanda, Longa Duração e DoxiPEPAlexandre Naime Barbosa
 
Covid-19 Leve Atualizacao do Manejo Clinico
Covid-19 Leve Atualizacao do Manejo ClinicoCovid-19 Leve Atualizacao do Manejo Clinico
Covid-19 Leve Atualizacao do Manejo ClinicoAlexandre Naime Barbosa
 
Efetividade Vacinas Covid CNNEI 2022.pptx
Efetividade Vacinas Covid CNNEI 2022.pptxEfetividade Vacinas Covid CNNEI 2022.pptx
Efetividade Vacinas Covid CNNEI 2022.pptxAlexandre Naime Barbosa
 
Dengue - Epidemiologia e Manejo InfectoNNE Out 2022 v2.pptx
Dengue - Epidemiologia e Manejo InfectoNNE Out 2022 v2.pptxDengue - Epidemiologia e Manejo InfectoNNE Out 2022 v2.pptx
Dengue - Epidemiologia e Manejo InfectoNNE Out 2022 v2.pptxAlexandre Naime Barbosa
 
Doencas Emergentes Pos Pandemia CFM 2022
Doencas Emergentes Pos Pandemia CFM 2022Doencas Emergentes Pos Pandemia CFM 2022
Doencas Emergentes Pos Pandemia CFM 2022Alexandre Naime Barbosa
 
Desafios Divulgação Cientifica Pandemia.pptx
Desafios Divulgação Cientifica Pandemia.pptxDesafios Divulgação Cientifica Pandemia.pptx
Desafios Divulgação Cientifica Pandemia.pptxAlexandre Naime Barbosa
 
SARS-COV-2 e Covid-19 Atualização do Manejo Clínico
SARS-COV-2 e Covid-19 Atualização do Manejo ClínicoSARS-COV-2 e Covid-19 Atualização do Manejo Clínico
SARS-COV-2 e Covid-19 Atualização do Manejo ClínicoAlexandre Naime Barbosa
 
Diretriz Tratamento Covid SBI InfectoSul.pptx
Diretriz Tratamento Covid SBI InfectoSul.pptxDiretriz Tratamento Covid SBI InfectoSul.pptx
Diretriz Tratamento Covid SBI InfectoSul.pptxAlexandre Naime Barbosa
 
Hepatite C - Situação atual do tratamento no contexto do Brasil
Hepatite C - Situação atual do tratamento no contexto do BrasilHepatite C - Situação atual do tratamento no contexto do Brasil
Hepatite C - Situação atual do tratamento no contexto do BrasilAlexandre Naime Barbosa
 
Covid-19 Moderada/Grave Tratamento de Pacientes Hospitalizados
Covid-19 Moderada/Grave Tratamento de Pacientes HospitalizadosCovid-19 Moderada/Grave Tratamento de Pacientes Hospitalizados
Covid-19 Moderada/Grave Tratamento de Pacientes HospitalizadosAlexandre Naime Barbosa
 
Dengue - Impacto Epidemiologico e Manejo Clinico
Dengue - Impacto Epidemiologico e Manejo ClinicoDengue - Impacto Epidemiologico e Manejo Clinico
Dengue - Impacto Epidemiologico e Manejo ClinicoAlexandre Naime Barbosa
 
Prevencao e Terapeutica da Covid-19 com Anticorpos Monoclonais
Prevencao e Terapeutica da Covid-19 com Anticorpos MonoclonaisPrevencao e Terapeutica da Covid-19 com Anticorpos Monoclonais
Prevencao e Terapeutica da Covid-19 com Anticorpos MonoclonaisAlexandre Naime Barbosa
 
Atualizacoes Aprendizados e Perspectivas Pandemia Covid
Atualizacoes Aprendizados e Perspectivas Pandemia CovidAtualizacoes Aprendizados e Perspectivas Pandemia Covid
Atualizacoes Aprendizados e Perspectivas Pandemia CovidAlexandre Naime Barbosa
 

Mais de Alexandre Naime Barbosa (20)

Novas Estratégias de PrEP e PEP PrEP Sob Demanda, Longa Duração e DoxiPEP
Novas Estratégias de PrEP e PEP  PrEP Sob Demanda, Longa Duração e DoxiPEPNovas Estratégias de PrEP e PEP  PrEP Sob Demanda, Longa Duração e DoxiPEP
Novas Estratégias de PrEP e PEP PrEP Sob Demanda, Longa Duração e DoxiPEP
 
Vacuna anti COVID-19 2023
Vacuna anti COVID-19 2023Vacuna anti COVID-19 2023
Vacuna anti COVID-19 2023
 
Covid-19 Leve Atualizacao do Manejo Clinico
Covid-19 Leve Atualizacao do Manejo ClinicoCovid-19 Leve Atualizacao do Manejo Clinico
Covid-19 Leve Atualizacao do Manejo Clinico
 
Monkeypox CMBT Nov 2022.pptx
Monkeypox CMBT Nov 2022.pptxMonkeypox CMBT Nov 2022.pptx
Monkeypox CMBT Nov 2022.pptx
 
Efetividade Vacinas Covid CNNEI 2022.pptx
Efetividade Vacinas Covid CNNEI 2022.pptxEfetividade Vacinas Covid CNNEI 2022.pptx
Efetividade Vacinas Covid CNNEI 2022.pptx
 
Dengue - Epidemiologia e Manejo InfectoNNE Out 2022 v2.pptx
Dengue - Epidemiologia e Manejo InfectoNNE Out 2022 v2.pptxDengue - Epidemiologia e Manejo InfectoNNE Out 2022 v2.pptx
Dengue - Epidemiologia e Manejo InfectoNNE Out 2022 v2.pptx
 
Doencas Emergentes Pos Pandemia CFM 2022
Doencas Emergentes Pos Pandemia CFM 2022Doencas Emergentes Pos Pandemia CFM 2022
Doencas Emergentes Pos Pandemia CFM 2022
 
Desafios Divulgação Cientifica Pandemia.pptx
Desafios Divulgação Cientifica Pandemia.pptxDesafios Divulgação Cientifica Pandemia.pptx
Desafios Divulgação Cientifica Pandemia.pptx
 
SARS-COV-2 e Covid-19 Atualização do Manejo Clínico
SARS-COV-2 e Covid-19 Atualização do Manejo ClínicoSARS-COV-2 e Covid-19 Atualização do Manejo Clínico
SARS-COV-2 e Covid-19 Atualização do Manejo Clínico
 
Movimentos Anti-Vacina Brasil 2022.pptx
Movimentos Anti-Vacina Brasil 2022.pptxMovimentos Anti-Vacina Brasil 2022.pptx
Movimentos Anti-Vacina Brasil 2022.pptx
 
Diretriz Tratamento Covid SBI InfectoSul.pptx
Diretriz Tratamento Covid SBI InfectoSul.pptxDiretriz Tratamento Covid SBI InfectoSul.pptx
Diretriz Tratamento Covid SBI InfectoSul.pptx
 
Hepatite C - Situação atual do tratamento no contexto do Brasil
Hepatite C - Situação atual do tratamento no contexto do BrasilHepatite C - Situação atual do tratamento no contexto do Brasil
Hepatite C - Situação atual do tratamento no contexto do Brasil
 
Covid-19 Moderada/Grave Tratamento de Pacientes Hospitalizados
Covid-19 Moderada/Grave Tratamento de Pacientes HospitalizadosCovid-19 Moderada/Grave Tratamento de Pacientes Hospitalizados
Covid-19 Moderada/Grave Tratamento de Pacientes Hospitalizados
 
Uso Racional Antibioticos Idosos
Uso Racional Antibioticos IdososUso Racional Antibioticos Idosos
Uso Racional Antibioticos Idosos
 
Infeccao pelo HIV e Covid-19
Infeccao pelo HIV e Covid-19Infeccao pelo HIV e Covid-19
Infeccao pelo HIV e Covid-19
 
Dengue - Impacto Epidemiologico e Manejo Clinico
Dengue - Impacto Epidemiologico e Manejo ClinicoDengue - Impacto Epidemiologico e Manejo Clinico
Dengue - Impacto Epidemiologico e Manejo Clinico
 
Hepatite C - O que falta resolver?
Hepatite C - O que falta resolver?Hepatite C - O que falta resolver?
Hepatite C - O que falta resolver?
 
Novas Perspectivas no Manejo Covid 2022
Novas Perspectivas no Manejo Covid 2022Novas Perspectivas no Manejo Covid 2022
Novas Perspectivas no Manejo Covid 2022
 
Prevencao e Terapeutica da Covid-19 com Anticorpos Monoclonais
Prevencao e Terapeutica da Covid-19 com Anticorpos MonoclonaisPrevencao e Terapeutica da Covid-19 com Anticorpos Monoclonais
Prevencao e Terapeutica da Covid-19 com Anticorpos Monoclonais
 
Atualizacoes Aprendizados e Perspectivas Pandemia Covid
Atualizacoes Aprendizados e Perspectivas Pandemia CovidAtualizacoes Aprendizados e Perspectivas Pandemia Covid
Atualizacoes Aprendizados e Perspectivas Pandemia Covid
 

SUS recebe tratamento revolucionário contra hepatite C

  • 1. a3DIÁRIO DA SERRA QUINTA-FEIRA, 25 DE JUNHO DE 2015 Saúde Portaria autoriza tratamento revolucionário contra a hepatite C para pacientes do SUS O Sistema Único de Saúde (SUS) terá três novos medicamentos para o tratamento da hepatite viral C crônica MAYSA SANTOS cultura@diariodaserra.jor.br Portaria da Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos, do Ministério da Saúde, publi- cada no último dia 23 (ter- ça-feira) no Diário Oficial da União garante o uso dos medicamentos sofosbuvir, daclatasvir e simeprevir na rede pública de saúde. Após anos de espera, o Sis- tema Único de Saúde (SUS) receberá as três medica- ções para o tratamento da hepatite viral C crônica. Os remédios já existem no mercado americano e europeu desde meados de 2013 e só agora chegaram ao Brasil. De acordo com o mé- dico Infectologista e res- ponsável pelo Serviço de Infectologia da UNESP e professor de Infectologia da Faculdade de Medici- na de Botucatu (FMB), Dr. Alexandre Naime Barbosa, essas medicações são uma verdadeira revolução no tratamento da hepatite C. O especialista salienta que o tratamento antigo permi- tia a cura de no máximo 40%, chegando até 50% dos pacientes. Ou seja, pratica- mente metade dos infecta- dos eram curados, e a ou- tra metade, não. “Fora isso, o tratamento antigo, além de ter baixa eficácia, tinha muito efeito colateral. Era mais ou me- nos como uma quimiotera- pia, mais light. O paciente tinha muita febre, dor no corpo, dor de cabeça, a pessoa passava mal duran- te um ano de tratamento. Lembrando que as drogas antigas eram injetáveis, o paciente precisava tomar uma injeção uma vez por semana. Esse tratamento novo é feito todo com com- primidos via oral. O trata- mento atual sobe o percen- tual de cura desses antigos 50% para 90%, em alguns casos 95% dos pacientes conseguem se curar”, afir- ma. Os benefícios das no- vas medicações vão muito além. Segundo o especia- lista, os efeitos colaterais praticamente não existem e o tratamento ao invés de durar um ano, passa a ter duração de no máximo seis meses. Por isso, era tão aguardado por pacientes e médicos no Brasil. No en- tanto, o custo do mesmo é alto, girando em torno de R$ 100 mil a R$ 130 mil por paciente. Portanto, o governo aderiu a estraté- gia de tratar primeiro os casos mais graves, ou seja, as pessoas que estão com a doença de moderada inten- sa a muito grave. “A data para receber- mos essas drogas depende da disponibilidade finan- ceira que o Ministério da Saúde vai fornecer. Os me- dicamentos serão adqui- ridos de maneira centrali- zada pelo ministério para distribuição aos estados. O pessoal do ministério está falando muito na data de julho ou agosto, mas é importante deixar claro, essa não é uma previsão dos médicos, mas sim do governo”, conclui Dr. Bar- bosa. A previsão é que no primeiro ano de uso será adquirido o suficiente para o atendimento de 15 mil pacientes. Hepatite C, uma doença silenciosa! Grupos de risco devem fazer o exame preventivo A hepatite C é uma doença traiçoeira, pois fica oculta no organismo durante muito tempo. O individuo pode contrair o vírus e demorar até 40 anos para apresentar os primeiros sintomas. E quando acontece o sinal clínico, já é muito tarde e o paciente pode estar em um nível avançado de cirrose. Por esse mo- tivo, o Infectologista Dr. Barbosa alerta que a pa- tologia é perigosa e que é essencial que as pessoas façam o exame preventi- vamente. O vírus da hepatite C se instala no fígado e co- meça a destruir o órgão aos poucos. Por ser silen- ciosa, a doença vai des- truindo-o, substituindo as células por um tecido chamado pelos médicos de fibrose. Depois de um tempo, o fígado é toma- do por esse tecido e fica com o aspecto de uma grande cicatriz. Quando isso ocorre, o órgão não consegue mais funcionar e é detectada a cirrose. No entanto, outra conse- qüência mais grave do vírus no organismo é o câncer. Todas as pessoas que tiveram algum tipo de contato com sangue contaminado (todos que receberam transfusão de sangue até 1994), pessoas que utilizaram seringas e agulhas não descar- táveis, inclusive para uso de drogas ilícitas, pessoas que receberam injeção (antigamente era comum não ter se- ringas de plástico) e pessoas nascidas entre 1945 e 1980 (70% dos casos) estão na faixa de risco e devem realizar o exame preventivo. Cerca de 40% das pes- soas infectadas pelo vírus, os médicos não conseguem descobrir de onde contraíram a doença. Manicures e dentistas são possíveis fontes de contágio. Para realizar o exa- me, basta procurar qualquer Unidade Bási- ca de Saúde do municí- pio ou o SAE de Infecto- logia “Domingos Alves Meira”. Para mais infor- mações: (14) 3811-6535. Dr. Alexandre Barbosa: “O tratamento atual sobe o percentual de cura desses antigos 50% para 90%, em alguns casos 95% dos pacientes conseguem se curar” ILUSTRAÇÃO FOTOS: SIDNEY TROVÃO ARQUIVO PESSOAL Desculpem-nos pelos transtornos! no dia 23/06 no dia 24/06 Após a veiculação da matéria pelo Diário, que informava a obstrução das calçadas da Rua Dr. Jaguaribe, em decorrên- cia das obras de constru- ção de galerias pluviais no local, e do conhe- cimento da secretaria municipal de obras, a empreiteira responsável pela execução do projeto retirou os materiais que impediam o livre fluxo de pedestres e morado- res. Após a retirada de tijolos, maquinários e materiais metálicos, a calçada do lado direito, no sentido de descida, voltou a estar livre para a passagem de pessoas.