Perfil do
Empreendedor
de Serviços
Dezembro 2013
Pesquisa do SPC Brasil
revela perfil confiante dos
empreendedores de serviços
e perspectivas positivas de
investimento no ...
Os principais segmentos de atividades dos
entrevistados são bares, restaurantes, lanchonetes,
bufês, salão (e serviços) de...
Pode-se afirmar, portanto, que o setor de serviços
não está em seu melhor momento, mas se encontra
distante de um contexto...
O quadro abaixo detalha a renda familiar e a escolaridade da amostra. Verifica-se que, como já esperado,
os empreendedores...
COMO INICIOU A VIDA PROFISSIONAL no setor de
COMO INICIOU A VIDA PROFISSIONAL
no setor de serviços? Viu uma oportunidade.
...
A pesquisa captou diversas qualidades dos empreendedores que se tornam diferenciais importantes
de quem está nesse mercado...
O quadro abaixo sintetiza os atributos que os empreendedores acreditam ser essenciais para o sucesso
profissional. A autoc...
Além dos atributos positivos do quadro anterior, a maioria (60%) dos entrevistados se considera bem
capacitada para enfren...
Dedicação ao trabalho
O empreendedor do setor de serviços trabalha um pouco mais que as 8h48m diárias estabelecidas
pela l...
O empreendedor está trabalhando mais horas por dia que o assalariado
e também tirando menos dias de férias. A pesquisa ind...
Percebe-se que esse aspecto da formalidade
varia de uma região para outra. Há, como indica
o quadro abaixo, uma maior conc...
Funcionários e terceirização
O quadro abaixo demonstra que o número de funcionários que trabalham no negócio do
entrevista...
Ainda assim, no geral, 34% dos empresários
consideram necessário que o funcionário
tivesse cursos técnicos, e outros 19%
d...
Gestão do negócio
A pesquisa quis saber de que local as pessoas administram o seu negócio, e o resultado
demonstra como os...
Ressalta-se também que, entre os empreendedores do sexo feminino, há maior tendência de trabalhar em
casa (29% contra 17% ...
COMO É FEITA A PROSPECÇÃO DE NOVOS CLIENTES
Em seu negócio?FEITA A PROSPECÇÃO
COMO É

Em seu negócio?

(respostas múltipla...
PRETENDE FAZER INVESTIMENTO EM SEU NEGÓCIO EM 2014?
PRETENDE FAZER INVESTIMENTO EM SEU NEGÓCIO EM 2014?

	
  

Maioria do...
Por fim, vale ressaltar que parte dos empresários pode estar
utilizando predominantemente capital próprio por desconhecer
...
Esse cenário demonstra que tem sido acertada a política governamental de incentivo à ampliação
dos pequenos negócios no pa...
Análise da pesquisa do empreendedor de serviços
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Análise da pesquisa do empreendedor de serviços

262 visualizações

Publicada em

Publicada em: Economia e finanças
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
262
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Análise da pesquisa do empreendedor de serviços

  1. 1. Perfil do Empreendedor de Serviços Dezembro 2013
  2. 2. Pesquisa do SPC Brasil revela perfil confiante dos empreendedores de serviços e perspectivas positivas de investimento no setor Eles são persistentes, demonstram muita confiança em si mesmos, têm paixão pelo que fazem, avaliam que contam com boa experiência de mercado e não têm medo de ousar. Enfim, eles se consideram um “sucesso profissional”. Essas são algumas das principais características dos empreendedores do setor de serviços no país, cujo perfil foi traçado pela mais recente pesquisa realizada pelo SPC Brasil no período de 4 a 13 de novembro de 2013. Em sua maioria, os entrevistados avaliam que esse sucesso depende fundamentalmente deles próprios, pois 44% trabalham mais tempo por dia em relação à média dos assalariados e mais da metade desses empreendedores nem tira férias. Eles estão acostumados a se virarem sozinhos, pois a maior parte deles usa capital próprio – até porque desconhecem os programas de financiamento disponíveis. Mesmo carregando praticamente sozinhos o empreendimento, eles estão otimistas: quase 60% pretendem fazer investimentos em seus próprios negócios em 2014. 2
  3. 3. Os principais segmentos de atividades dos entrevistados são bares, restaurantes, lanchonetes, bufês, salão (e serviços) de beleza, conserto e confecção de roupas, taxi, motoristas e transportes particulares. A pesquisa, intitulada “Perfil do Empreendedor Prestador de Serviço”, foi realizada nas 27 capitais brasileiras, com público-alvo formado por proprietários de empresas formais e informais com atuação em diversos ramos de atividade de serviços. Foram registrados 653 casos, gerando uma margem de erro no geral de 3,8 pontos percentuais para um intervalo de confiança a 95%. Objetivos da pesquisa A pesquisa teve como objetivo traçar as características do empreendedor do setor de serviços; caracterizar o seu negócio atual; identificar as suas principais práticas e as dificuldades encontradas na gestão do negócio; perceber como é feito o treinamento e a capacitação dos funcionários; traçar uma perspectiva de futuro para o negócio; e registrar o uso de tecnologias no empreendimento. Contexto Macroeconômico Diversos indicadores conjunturais confirmam que o otimismo dos empreendedores captado pela pesquisa continua presente em todo o segmento do setor de serviços do país – apesar de o cenário da área já ter sido mais positivo em passado recente. Dados divulgados em outubro pela Fundação Getúlio Vargas, por exemplo, indicam que empresários do setor continuam otimistas, mas menos do que em anos anteriores. O Índice de Confiança de Serviços (ICS) da instituição atingiu, em outubro, 116,1 pontos, contra 121,5 pontos de 12 meses antes. Acima de 100 pontos, o ICS indica confiança do setor. Outro indicador relevante é detectado pela pesquisa mensal de serviços do IBGE, que mede a evolução da receita nominal do setor de serviços. Em setembro de 2013, o índice avançou 9,6% em relação ao mesmo mês do ano anterior. Isso demonstra que a receita nominal das empresas do segmento continua crescendo em um ritmo forte – e bem acima da inflação. Como assinalado, o resultado é muito bom, mas já foi melhor. Em janeiro do ano passado, por exemplo, o percentual superou 12%. 3
  4. 4. Pode-se afirmar, portanto, que o setor de serviços não está em seu melhor momento, mas se encontra distante de um contexto ruim. E é nesse cenário que os empreendedores pesquisados demonstram seu otimismo em relação à conjuntura atual e futura. Desde que a legislação brasileira instituiu a categoria do Microempreendedor Individual (MEI), em 2009, tem sido muito expressiva a busca dessa modalidade jurídica entre os empresários. Entre novembro de 2010 e novembro de 2013, o número de MEIs no país saltou de 712 mil para 3 milhões e 594 mil, num crescimento de 404%. Em 2011, eram 1 milhão e 580 mil e, no ano seguinte, 2 milhões e 616 mil. Os MEIs podem ter receita bruta anual de até R$ 60 mil e representam 57% dos entrevistados da pesquisa do SPC Brasil, cujos resultados são apresentados a seguir. Principais resultados Caracterização da amostra A amostra da pesquisa foi representada por 50% de homens e igual percentual de mulheres. Verificou-se maior percentual feminino (56% contra 44% masculino) no universo das empresas informais, possivelmente em função de maior disponibilidade delas para atividades de âmbito doméstico, como costura, culinária etc. Proporcionalmente, os homens têm maior predominância no negócio formal (54% contra 46%), que normalmente funciona em escritórios e estabelecimentos comerciais. Em relação à idade, verifica-se que há maior predominância (mais de 70%) de maiores de 35 anos na direção dos negócios. A experiência de mercado é uma característica dos empreendedores e os mais maduros (50 anos ou mais) têm uma presença de maior destaque no setor formal (31,2%) do que no informal (21,8%). Isso se deve, provavelmente, a melhor escolaridade e formação técnica, aspectos típicos dos profissionais mais maduros e mais bem estabelecidos. Confira os dados no quadro abaixo. EMPRESÁRIOS DO SETOR DE SERVIÇOS SÃO LIGEIRAMENTE MAIS VELHOS QUE MÉDIA DA POPULAÇÃO ADULTA EMPRESÁRIOS DO SETOR DE SERVIÇOS SÃO LIGEIRAMENTE MAIS VELHOS QUE MÉDIA DA POPULAÇÃO ADULTA GÊNEROGrupo n°1 IDADE Pertence a um estrato 1. Sexo Total Feminino Formal Masculino Informal 50% 50% 46% Total Feminino Formal Masculino Informal 44% 50% 46% 56% 17,7% Total 5,6% 20,5% 54% n°1 Grupo Pertence a um estrato 1. Sexo 56% CENSO IBGE 2010 28,8% 46,2% 18,5% 10,5% 23,6% 4,0% 18 a 24 25 a 34 35 a 49 Faixa etária dos entrevistados pelo SPC Brasil 50% 54% 24,4% Formal 6,0% 19,8% Informal 5,0% 21,8% 43,0% 27,6% 51,5% 3,6% 17,2% 4,6% 50 a 64 65 ou mais 44% Verifica-se maior percentual de mulheres entre os empreendedores informais. Verifica-se maior percentual de pessoas maduras entre os empreendedores formais (acima de 50 anos). 4 Base: 623 / 384 / 239 P1
  5. 5. O quadro abaixo detalha a renda familiar e a escolaridade da amostra. Verifica-se que, como já esperado, os empreendedores formais têm uma renda maior, certamente pela melhor rentabilidade de seu negócio: recebem em média 20% a mais que os informais (R$ 4.354,43 contra R$ 3.611,24). Da mesma maneira, os representantes do setor formal têm maior grau de escolaridade (35% contra 15% com ensino superior ou mais). Em geral, o empreendedor de serviços tem ensino médio (54%), confirmando a percepção deles de que experiência de mercado é mais relevante no ramo do negócio em questão do que formação escolar superior. EMPRESÁRIOS DO SETOR DE SERVIÇOS TÊM RENDA EMPRESÁRIOS DO SETOR DE SERVIÇOS TÊM MAIOR QUE A MÉDIA DA RENDA POPULAÇÃO MAIOR QUE A MÉDIA DA POPULAÇÃO RENDA MÉDIA BRUTA ESCOLARIDADE Média de renda mensal Geral R$ 4.060,40 Formal R$ 4.354,43 Informal R$ PESQ Sem escolaridade 1%   3.611,24 Ensino Fundamental Ensino Médio PNAD 2012 R$ 2.676,00 Superior/Pós graduado 2%   TSE 2013* 1% 7% 14% 48% 54% 38% 27% 8%   Abrir planilha ‘classe econômica’ Empreendedores formais possuem renda familiar mais alta. Empreendedores formais possuem maior grau de escolaridade. *Excluindo percentual de “não informado” + “Lê e escreve” Base: 623 / 384 / 239 P1 Atributos de sucesso Antes de se tornarem empresários, 48% dos entrevistados nunca tinham trabalhado com serviços ou em empresas do segmento. Isso demonstra a determinação e o destemor de quem entra na área, sem medo de encarar o novo ou o desconhecido. No setor informal, cresce o percentual (26% contra 13% do formal) dos que apostam na habilidade, aptidão e no conhecimento próprio para abrir seu negócio. No geral, outros 20% começaram na família, e 29% tiveram experiência prévia, entre os quais, 23% começaram a trabalhar com terceiros e resolveram seguir por conta própria, numa iniciativa típica de quem opta pelo empreendedorismo. 5
  6. 6. COMO INICIOU A VIDA PROFISSIONAL no setor de COMO INICIOU A VIDA PROFISSIONAL no setor de serviços? Viu uma oportunidade. serviços? Viu uma oportunidade. INFORMAL 21% 21% 22% 18% 13% 26% Nunca tinha trabalhado em uma empresa prestadora de serviços antes e foi a única opção que vi para ter uma renda 5% 2% 10% Nunca tinha trabalhado uma empresa prestadora de serviços e fui convidado a participar de uma sociedade em um empreendimento no mesmo segmento 4% 5% 2% Negócio da família: vem passando de geração, meu pai me passou e não tive como recusar 11% 13% 7% Negócio da família: vem passando de geração e vi uma oportunidade de modificar o negócio e fazê-lo crescer Negócio da família: vem passando de geração, outros parentes me passaram e não tive como recusar Trabalhava em uma empresa prestadora de serviços e optei por criar um negócio próprio (experiência prévia) 6% 8% 3% 3% 3% 4% 23% 24% 21% Trabalhava em uma empresa prestadora de serviços e fui convidado a participar de uma sociedade em um empreendimento no mesmo segmento (experiência prévia) 6% 7% 3% Outro Negócio de Família (20%) FORMAL Nunca tinha trabalhado com serviços antes mas em razão de minha aptidão/habilidade/ conhecimento na área considerei uma boa oportunidade Experiência Prévia (29%) GERAL Nunca tinha trabalhado com serviços antes e vi uma oportunidade Nunca tinha trabalhado (48%) COMO INICIOU NO SETOR DE SERVIÇOS (Resposta única) 3% 4% 2% Base: 623 / 384 / 239 P6 Mais da metade dos empresários (57%) está há cinco anos ou mais no setor, mesmo sem ter nunca trabalhado com serviços antes. HÁ QUANTO TEMPO ESTÁ NO SETOR DE SERVIÇOS?* HÁ QUANTO TEMPO ESTÁ NO SETOR DE SERVIÇOS?  Empreendedores formais estão há mais tempo trabalhando no setor de serviços = maior experiência. 4% GERAL 3% Até 3 anos: Acima de 3 anos: 20% 80% FORMAL 14% 86% INFORMAL 32% 68% *Refere-se que ao tempo de experiência do empreendedor no setor de serviços e não ao tempo de existência do negócio dele. Base: 623 / 384 / 239 6 P5
  7. 7. A pesquisa captou diversas qualidades dos empreendedores que se tornam diferenciais importantes de quem está nesse mercado. O quadro abaixo apresenta a primeira delas: 92% dos entrevistados se consideram empreendedores de sucesso. Dentro desse percentual, a grande maioria relaciona o sucesso à recompensa financeira e ao fato de trabalhar com o que gosta. PENSANDO NA SUA CARREIRA PROFISSIONAL PENSANDO NA SUA CARREIRA PROFISSIONAL Você considera um profissional de sucesso? Você se se considera um profissional de sucesso?    Maioria se considera empreendedor de sucesso! Grupo n°1 Pertence a um estrato 81. O(a) Sr(a) se considera um profissional de sucesso? (RU- Espontânea) Total 92% 8% POR QUAL PRINCIPAL MOTIVO VOCÊ SE CONSIDERA UM PROFISSIONAL DE SUCESSO? Além de ter grandes recompensas financeiras gosto do que faço Tenho/ já tive grandes conquistas financeiras com meu trabalho Não tenho recompensas financeiras mas gosto do que faço Formal 93% 7% Outro Grupo n°1 GERAL 56% 28% 16% <1% Pertence a um estrato Base: 574 16. O(a) sr(a) recorreu ao SEBRAE ou outra instituição que disponibilizam serviço de apoio ao micro empreendedor? (RU- Espontânea) Informal 90% Sim Não 15% Total 10% Formal Informal 25% POR QUAL PRINCIPAL MOTIVO VOCÊ NÃO SE 85% CONSIDERA UM PROFISSIONAL DE SUCESSO? Não tenho nem nunca tive grandes conquistas financeiras com meu trabalho Apesar de ter 75% grandes recompensas financeiras, não gosto do que faço Não tenho recompensas financeiras nem gosto do que faço 96% Base: 49 7 61% 8% 8% 22% Outro Base: 623 / 384 / 239 GERAL P81/P82/P83
  8. 8. O quadro abaixo sintetiza os atributos que os empreendedores acreditam ser essenciais para o sucesso profissional. A autoconfiança vem em primeiro lugar, com incidência de 64% na pesquisa – entre os que destacam a persistência (32%) e a confiança (32%) como as principais qualidades do empresário do setor. Talvez por enfrentar mais dificuldades para atuar legalmente, os formais se mostram mais persistentes (35%) que os informais (26%) em seu negócio, e são também mais ousados (16% contra 10%). Paixão e talento são atributos relevantes também, como demonstra o quadro abaixo. Por sua vez, maior parcela de informais (43% contra 25% dos formais) atribuem o sucesso à confiança. APENAS PARA QUEM SE CONSIDERA UM PROFISSIONAL DE SUCESSO APENAS PARA QUEM SE CONSIDERA UM PROFISSIONAL DE SUCESSO A MAIORIA DAS CONQUISTAS PROFISSIONAIS A MAIORIA DAS CONQUISTAS Que você teve se deveram principalmente a...* PROFISSIONAIS Que você teve se deveram principalmente a...*    Empreendedores se veem como profissionais persistentes, confiantes, apaixonados ou talentosos. Atribuem a estas 3 virtudes o sucesso do negócio. Autoconfiança: 64% 32% 32% Formal 35% 25% Informal 26% 43% 21% 22% 14% 1% 2% 16% 20% 10% <1% Sua persistência. Geralmente diante de um grande desafio ou fracasso você não desiste você se motiva a superar aquela situação Confiança. Mesmo quando desconfiam de seus planos ou ideias você se mantém firme, pois confia em si mesmo e sabe que tem potencial Paixão ou talento. Você é uma pessoa habilidosa e/ou apaixonada pelo que faz e isso o diferencia dos outros profissionais da área Ousadia. Muitas vezes o seu sucesso aconteceu pois teve coragem de fazer aquilo que poucas pessoas ou ninguém fez Nenhuma das características acima Base: 574 / 359 / 215 *Essa  questão  foi  aplicada  apenas  para  os  entrevistados  que  se  consideram  um  profissional  de  sucesso   8 P84
  9. 9. Além dos atributos positivos do quadro anterior, a maioria (60%) dos entrevistados se considera bem capacitada para enfrentar os novos desafios que terá no mercado no futuro. E outros 30% avaliam que são, pelo menos, parcialmente capacitados, elevando para 90% o total dos que acreditam ter alguma capacitação. PENSANDO NA SUA NA SUA CAPACITAÇÃO ATUAL PENSANDO CAPACITAÇÃO ATUAL Você se Você considera preparado para o futuro do setor de serviços? se considera preparado para o futuro do setor de serviços?    A maioria dos empreendedores se considerada bem capacitado para o futuro do setor de serviços. ESCOLARIDADE SE CONSIDERA PREPARADO PARA O FUTURO DO SETOR DE SERVIÇOS?* GERAL FORMAL INFORMAL 4% 3% 30% Até Ensino Médio Superior/ Pós-graduado 4% 4% 3% 30% 31% 30% 32% 60% 60% 61% 59% 63% 6% 6% 5% 7% 2% Me considero mal capacitado Me considero parcialmente capacitado Me considero bem capacitado Não sei avaliar Base: 623 / 384 / 239 / 452 / 171 P54 Surge, então, uma definição interessante. Para 40% dos pesquisados, “ser capacitado” é ter experiência de mercado. Entre os informais, esse percentual eleva-se para 46%. Levandose em conta que a escolaridade predominante do profissional pesquisado é o ensino médio (54%), não deixa de ter sentido o fato de muitos não colocarem a realização de cursos como um atributo essencial de capacitação, como destaca o quadro abaixo. APENAS PARA QUEM SE CONSIDERA APENAS PARA QUEM SE CONSIDERA BEM CAPACITADO BEM CAPACITADO QUAL TIPO DE CAPACITAÇÃOCAPACITAÇÃO QUAL TIPO DE VOCÊ TEVE PARA ESTAR Bem preparado para o futuro do setor de serviços?* VOCÊ TEVE PARA ESTAR Bem preparado para o futuro do setor de serviços?*    A capacitação está atrelada principalmente a experiência de mercado. ESCOLARIDADE TIPO DE CAPACITAÇÃO QUE TEVE GERAL FORMAL INFORMAL nenhum curso, apenas experiência de mercado 40% 35% 46% 50% 15% cursos longos (duração de mais de 1 ano) 16% 17% 13% 16% 14% cursos médios (duração de até 1 ano) 14% 13% 17% 16% 11% cursos curtos (duração de dias/semanas) 11% 9% 14% 11% 10% graduação direcionada para serviços 6% 9% 2% 2% 18% pós-graduação/especialização para serviços 9% 11% 5% 1% 27% Consultoria (mentoria empresarial) 4% 5% 3% 4% 5% <1% <1% 0% 0% <1% Outra Base: 376 / 231 / 145 / 268 / 108 *Essa  questão  foi  aplicada  apenas  para  os  entrevistados  que  se  consideram  bem  capacitados   9 Até Ensino Superior/PósMédio graduado P56
  10. 10. Dedicação ao trabalho O empreendedor do setor de serviços trabalha um pouco mais que as 8h48m diárias estabelecidas pela lei para os celetistas. Do total de pesquisados, 56% afirmam que trabalham até 9 horas por dia, e 44% avaliam que trabalham dez ou mais horas por dia – percentual que sobe para 49% entre os formais e cai para 35% entre os informais. No caso do formal, a tendência a trabalhar mais pode se dever a um maior investimento no futuro da empresa – o que nem sempre ocorre entre os que mantêm um negócio à margem da legislação. Entre os que trabalham 10 horas ou mais, há um predomínio do homem (50%) em relação à mulher (37%). GERALMENTE, QUANTAS HORAS POR DIA VOCÊ TRABALHA? GERALMENTE, QUANTAS HORAS POR DIA VOCÊ TRABALHA?    No geral, 45% dos empreendedores mantêm uma carga de trabalho similar a funcionários CLT. Já empreendedores formais tendem a dedicar mais horas ao trabalho, comparativamente. CARGA HORÁRIA DE TRABALHO GERAL FORMAL Até 9 horas 56% 51% 65% 63% 50% Menos de oito horas por dia 11% 7% 17% 17% 6% Oito horas por dia 31% 31% 32% 33% 29% Nove horas por dia 14% 13% 16% 13% 15% Acima de 10 horas 44% 49% 35% 37% 50% Dez horas por dia 21% 21% 22% 18% Onze horas por dia 3% 4% 2% 4% 3% Doze horas por dia 12% 15% 7% 10% 14% 8% 9% 4% 5% Carga horária média diária 24% 9% Mais de doze horas por dia INFORMAL FEMININO MASCULINO Base: 623 / 384 / 239 / 310 / 313 10 Geral 8:08 Formal 9:11 Informal 6:05 Carga  horária  média  diária   (Pesquisa Mercado Informal 2013) 8:07   P76
  11. 11. O empreendedor está trabalhando mais horas por dia que o assalariado e também tirando menos dias de férias. A pesquisa indica que 51% dos pesquisados simplesmente não tiram férias. Entre os que conseguem uns dias de descanso, apenas 3% têm quatro semanas (como o celetista) ou mais de férias; 19% passam apenas uma semana de folga; 31% tiram três semanas; e 47% saem por quinze dias. Percebe-se, portanto, que o empreendedor de serviços tira menos férias por não ter pessoas para delegar o trabalho e devido à baixa qualificação dos funcionários. VOCÊ TIRA FÉRIAS? VOCÊ TIRA FÉRIAS?    2 em cada 4 empreendedores não tiram férias. Grupo n°1 Pertence a um estrato 77. O(a) Sr(a) tira férias? Anotar (RU - Espontânea) NORMALMENTE, QUAL A DURAÇÃO DE SUAS FÉRIAS? 51% Formal 50% 50% 49% 51% Total 15% INFORMAL 19% 15% 22% De 7 a 15 dias corridos 49% FORMAL Até 7 dias corridos Total GERAL 47% 45% 52% 36% 26% 4% <1% Grupo n°1 Pertence a um estrato a 30 dias corridos De 15 31% 16. O(a) sr(a) recorreu ao SEBRAE ou outra instituição que disponibilizam serviço de apoio ao micro empreendedor? (RU- Espontânea) Informal Sim Não Base: 623 / 384 / 239 Formal Mais de 30 dias corridos 85% 25% 3% 75% Informal 96% Base: 308 / 191 / 117 P77/P78 Legalidade e faturamento A pesquisa indica também que é expressiva a informalidade no setor: 38% das empresas não possuem CNPJ. À medida que cresce o nível de escolaridade do empresário, o percentual de 62% de empresas que existem legalmente tende a subir, passando de 55% entre os que só possuem ensino médio para 78% entre os que têm graduação ou pós. O resultado é previsível na medida em que o negócio formal tende a ser mais complexo, exigindo, portanto, maior escolaridade do responsável por ele. 11
  12. 12. Percebe-se que esse aspecto da formalidade varia de uma região para outra. Há, como indica o quadro abaixo, uma maior concentração de empreendimentos formais nas regiões Sul (88%) e Nordeste (81%) do que nas regiões Sudeste (47%), Centro Oeste (51%) e Norte (58%) que possuem negócios mais informais. A SUA EMPRESA TEM CNPJ? de Pessoa Jurídica) A SUA EMPRESA TEM CNPJ? (Cadastro Nacional (Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica)    A maioria dos empreendedores são formais. E quanto maior a escolaridade, maior a formalização dos negócios. SUA EMPRESA TEM CNPJ? ESCOLARIDADE REGIÃO GERAL Até Ensino Médio Sim 62% 55% 78% 51% 81% 58% 47% 88% Não 38% 45% 22% 49% 19% 42% 53% 12% Superior/ CENTROPósNORDESTE NORTE SUDESTE OESTE graduado SUL Base: 623 / 384 / 239 / 82 / 151 / 55 / 261 / 74 P10 Em relação ao faturamento bruto anual, 57% dos entrevistados estão na faixa de até R$ 61.000,00, o que praticamente corresponde ao limite de R$ 60.000,00 da legislação que criou o MEI. O quadro abaixo demonstra ainda que o setor formal tende a conseguir um faturamento bruto anual mais elevado – em uma tendência inversa ao que se percebe no setor informal. FAIXA DE FATURAMENTO BRUTO ANUAL (Em R$)BRUTO FAIXA DE FATURAMENTO ANUAL (Em R$) GERAL EMPREENDEDOR SERVIÇOS 2013 FORMAL INFORMAL Até R$61.000,00 57% 39% 87% De R$61.001,00 a R$123.000,00 18% 26% 6% De R$123.001,00 a R$377.000,00 8% 11% 2% De R$377.001,00 a R$754.000,00 3% 5% <1% De R$754.001,00 a R$1.145.000,00 2% 3% 0% De R$1.145.001,00 a R$2.290.000,00 1% 2% <1% Acima de R$2.290.000,00 0% 2% 0% Ns/Nr 8% 11% 4% FAIXA DE FATURAMENTO ANUAL BRUTO Base: 623 / 384 / 239 12 P18
  13. 13. Funcionários e terceirização O quadro abaixo demonstra que o número de funcionários que trabalham no negócio do entrevistado tende a subir na medida em que o setor se torna formal. No geral, 88% das microempresas têm de zero a nove funcionários. Esse percentual cai para 81% entre as formais e sobe para 98% entre as informais. Apesar de apenas 10% das empresas em geral se classificarem como pequenas e empregarem de 10 a 49 pessoas, esse percentual sobe para 16% no setor formal e cai para apenas 1% no informal. QUAL É O É O DE TOTAL DE TRABALHAM QUALNº TOTALNº FUNCIONÁRIOS QUEFUNCIONÁRIOS QUE TRABALHAM No seu negócio, independente de serem registrados ou não? No seu negócio, independente de serem registrados ou não? NÚMERO DE FUNCIONÁRIOS GERAL FORMAL INFORMAL Micro (0 a 9) 88% 81% 98% 0 1a4 5a9 28% 46% 13% 18% 45% 19% 45% 49% 4% Pequena (10 a 49) 10% 16% 1% 10 a 19 20 a 49 8% 3% 12% 4% 1% 0% Média/Grande (> de 49) 2% 3% 0% 50 a 99 100 a 249 250 a 499 Acima de 500 1% 1% 0% 0% 2% 1% 0% 0% 0% 0% 0% 0% Base: 623 / 384 / 239 Além de atuarem com um baixo número de funcionários, os empreendedores pesquisados não estão preocupados com a educação formal deles. No geral, 36% afirmaram que não consideram necessário nenhum tipo de curso, sendo suficiente apenas a experiência de mercado. Eles agem, com o funcionário, de forma coerente, na medida em que também valorizam mais, para si mesmos, como visto anteriormente, a experiência de mercado em detrimento de cursos de capacitação. Essa realidade é mais perceptível ainda entre os informais. 13 P15
  14. 14. Ainda assim, no geral, 34% dos empresários consideram necessário que o funcionário tivesse cursos técnicos, e outros 19% dão valor a cursos de atendimento, com tendência de alta entre os formais (23% contra 10% dos informais). Vale ressaltar que 78% dos entrevistados não possuem sócio participando do negócio e igual percentual afirma também não ter parentes atuando na empresa como funcionário. Ou seja, os empresários não contam com pessoas mais próximas ou de mais confiança no empreendimento. APENAS PARA QUEM POSSUI EQUIPE DE FUNCIONÁRIOS APENAS PARA QUEM CONSIDERA NECESSÁRIO QUAL TIPO DE CAPACITAÇÃO VOCÊ POSSUI EQUIPE DE FUNCIONÁRIOS QUAL TIPO DE CAPACITAÇÃO VOCÊ CONSIDERA NECESSÁRIO Para que seu funcionáriofuncionáriopreparado para o futuro do setor setor de serviços? esteja esteja preparado para o futuro do de serviços?* Para que seu * TIPO DE CAPACITAÇÃO NECESSÁRIA PARA OS FUNCIONÁRIOS GERAL FORMAL INFORMAL Nenhum curso, apenas experiência de mercado 36% 29% 52% Cursos técnicos 34% 34% 31% Cursos de atendimento e vendas 19% 23% 10% Curso de graduação 6% 8% <1% Pós-graduação/especialização voltada para serviços 3% 4% 2% Outro 2% 2% 4% Base: 447 / 316 / 131 *Essa  questão  foi  aplicada  apenas  para  os  entrevistados  que  têm  funcionários   P57 ALGUM DOS SERVIÇOS OFERTADOS NO SEU NEGÓCI ALGUM DOS SERVIÇOS OFERTADOS NO SEU NEGÓCIO A pesquisa detectou também São terceirizados? São terceirizados? que é muito baixa a terceirização de serviços (20%) no segmento, Verifica-se maior percentual de terceirização Grupo n°1 com uma tendência de alta (27%) entre os empreendedores formais = maior demanda. Pertence a um estrato entre as empresas formais e de 11. Alguns dos serviços ofertados no seu negócio são terceirizados, ou seja, realizados por outra empresa? (RU - Espontânea) queda entre as informais (10%), como verificado abaixo. 80% Total 20%    Sim Não Formal 27% 73% Grupo n°1 Pertence a um estrato 16. O(a) sr(a) recorreu ao SEBRAE ou outra instituição que disponibilizam serviço de ap Informal 10% Sim Não Base: 623 / 384 / 239 14 90% Total Formal Informal 15% 85% 25% P11 75% 96%
  15. 15. Gestão do negócio A pesquisa quis saber de que local as pessoas administram o seu negócio, e o resultado demonstra como os informais tendem a trabalhar mais na própria residência, o que é mais fácil ocorrer no segmento de serviços do que em outros, como o varejo, por exemplo. No geral, 66% disseram que fazem a gestão do negócio no endereço comercial. O percentual sobre para 82% entre os formais e cai para 40% entre os informais. O cenário se inverte entre os que administram de casa, que são 23% no geral, mas esse número chega a 44% entre os informais e se reduz para apenas 10% entre os formais. Vale ressaltar que os custos de manutenção de um endereço comercial são muito elevados, a começar pelo aluguel. Trabalhar em casa contribui também para que o segmento informal mantenha-se mais invisível à luz da fiscalização. DE ONDE VOCÊ VOCÊ O SEU NEGÓCIO? DE ONDEADMINISTRAADMINISTRA O SEU NEGÓCIO?    Empreendedores informais administram o negócio principalmente de casa. LOCAL EM QUE ADMINISTRA O NEGÓCIO GERAL FORMAL SEXO INFORMAL FEMININO MASCULINO Da minha casa 23% 10% 44% 29% 17% Do próprio endereço comercial 66% 82% 40% 63% 69% Varia, não preciso de um escritório fixo para realizar minhas funções. 11% 8% 16% 8% 14% Outro <1% 0% <1% 0% <1% Base: 623 / 384 / 239 / 310 / 313 15 P14
  16. 16. Ressalta-se também que, entre os empreendedores do sexo feminino, há maior tendência de trabalhar em casa (29% contra 17% dos homens), como mostra o quadro abaixo. Muitas vezes, o tipo de serviço prestado por elas é mais passível de ser feito em casa, como consertos de roupa, fornecimento de refeição etc. A forma de pagamento mais utilizada para os serviços prestados pelo empreendedor ainda é dinheiro (62%). O percentual sobe para 82% entre os informais, certamente pela maior dificuldade de operação com outros meios de pagamento, e cai no setor formal (49%). E é nesse segmento que se eleva a utilização de outras formas de pagamento, como cartões de crédito e débito e boletos, como destacado no quadro abaixo. PENSANDO NAS SEU ESTABELECIMENTO PENSANDO NAS VENDAS DO VENDAS DO SEU ESTABELECIMENTO Qual é a forma forma de pagamento mais utilizada? Qual é a de pagamento mais utilizada? FORMA DE PAGAMENTO MAIS UTILIZADA GERAL FORMAL INFORMAL 62% 49% 82% Cartão de Crédito a vista 9% 13% 3% Boleto bancário 7% 10% 3% Cartão Débito 7% 10% 2% Cartão crédito parcelado 7% 10% 2% Cheque pré-datado 4% 3% 4% Cheque a vista 1% 1% 2% Emissão de nota fiscal 1% 1% 2% Outro 1% 2% <1% Dinheiro Base: 623 / 384 / 239 P32 Dizem que a melhor propaganda ainda é “a boca do povo”. O ditado se confirma no setor pesquisado. De acordo com o quadro abaixo, 59% dos entrevistados utilizam a indicação de clientes, parceiros e mesmo outras empresas do ramo para divulgar o negócio. Mas 28% dos entrevistados, um expressivo percentual, admitem que não fazem nenhum tipo de prospecção. Esse percentual cai, naturalmente, para 24% entre os formais e sobe para 33% entre os informais, que têm menos estrutura de divulgação do seu empreendimento. Em sentido inverso estão os formais, que utilizam mais os meios publicitários, como anúncios, telemarketing, mala direta etc. 16
  17. 17. COMO É FEITA A PROSPECÇÃO DE NOVOS CLIENTES Em seu negócio?FEITA A PROSPECÇÃO COMO É Em seu negócio? (respostas múltiplas) DE NOVOS CLIENTES [respostas múltiplas] PROSPECÇÃO DE NOVOS CLIENTES GERAL FORMAL INFORMAL Indicação 59% 59% 59% Indicação de clientes 49% 46% 55% 8% 11% 3% 2% 2% 1% Indicação de parceiros de negócio (vendedores que trabalham em segmentos relacionados, mas não são considerados concorrentes) Indicação de empresas concorrentes que fecharam o negócio e deixam seus clientes para outras empresas (clientes órfãos) Não faço prospecção de novos clientes 28% 24% 33% Publicidade (anúncios em meio impresso ou digital) 14% 19% 5% Telefone e Telemarketing 7% 9% 3% Mala direta (digital ou impressa) 5% 8% 1% Visitas à feiras e exposições do seu segmento 2% 3% <1% Outro 5% 6% 4% Base: 623 / 384 / 239 Perspectivas de investimento Em relação às perspectivas de investimento em seu negócio para o ano que vem, os empresários se mostraram otimistas. A maioria deles (57%) pretende fazer investimentos em 2014. O percentual sobe para 64% entre os formais, possivelmente pela maior capacidade de planejamento ou mesmo maior disponibilidade de recursos e acesso ao crédito. Entre os informais, o índice cai para 48% - o que ainda é muito expressivo. Os investimentos pretendidos priorizam a infraestrutura do negócio, como instalações (38%) e máquinas e equipamentos (32%). São investimentos no chamado capital fixo. 17 P36
  18. 18. PRETENDE FAZER INVESTIMENTO EM SEU NEGÓCIO EM 2014? PRETENDE FAZER INVESTIMENTO EM SEU NEGÓCIO EM 2014?    Maioria dos empreendedores pretende fazer investimento em seu negócio, principalmente os empreendedores formais. EM QUAL ÁREA DO SEU NEGÓCIO PRETENDE INVESTIR? Grupo n°1 GERAL FORMAL INFORMAL Ampliação/melhoria das instalações 38% 44% 26% Aquisição de máquinas e equipamentos 32% 30% 38% Divulgação/marketing 9% 7% 12% Investimento no processo de vendas 4% 5% 3% Pertence a um estrato Contratação de mão-de-obra 4% 16. O(a) sr(a) recorreu ao SEBRAE ou outra instituição que disponibilizam serviço de apoio ao micro empreendedor? (RU- Espontânea) 3% 6% 5% 2% Pertence a um estrato 67. O(A) Sr (a) pretende fazer investimentos no seu negócio em 2014?(RU- Espontânea) Total 57% Formal 43% 64% Informal 36% 48% 52% Total Sim Não Treinamento de mão-de-obra 15% Formal Base: 623 / 384 / 239 Grupo n°1 25% 4% 85% Desenvolvimento de serviços/processos 3% 2% 4% Formação de capital de giro 75% 3% 2% 4% <1% <1% 2% <1% <1% 0% 2% 2% 4% Investimento nas vendas eletrônicas de serviços Informal 96% Financiamento da produção Outro Base: 358 / 244 / 114 P67/P69 Os empresários que pretendem investir em 2014 devem, em sua maioria (70%), utilizar apenas capital próprio. O índice reduz-se um pouco no setor formal (67%), que tem mais acesso ao crédito, e eleva-se no informal (77%), que depende “das próprias pernas” para crescer. INVESTIMENTO NO PRÓPRIO NEGÓCIO INVESTIMENTO NO PRÓPRIO NEGÓCIO CONHECE OS PROGRAMAS DE Grupo n°1 FINANCIAMENTO De pequenas e Pertence empresas (PME)? médias a um estrato APENAS PARA QUEM PRETENDE INVESTIR NO NEGÓCIO EM 2014 Grupo n°1 O CAPITAL INVESTIDO TERÁ ORIGEM PRINCIPAL EM...* Pertence a um estrato 68. O capital a ser investido terá origem principal em...:(RU- Estimulada- Ler opções) 70. O(a) Sr (a) conhece os programas de financiamento de pequenas e médias empresas (PME)? (RU- Espontâne Total Formal Informal 70% Sim Não 67% 77% Capital próprio Bancos Financeiras Não sei, estou avaliando Outro Total 13% 5%12% 18% 58% Formal 11% 4% 42% 66% 34% 4% 4% 15% Informal Grupo n°1 41% 59% Total Pertence a um estrato 68. O capital a ser investido terá origem principal em...:(RU- Estimulada- Ler opções) Total Base: 358 / 244 / 114 *Essa  questão  foi  aplicada  apenas  para  os  entrevistados  que  pretendem  inves:r   no  seu  negócio  em  2014   Grupo n°1 Pertence a um estrato 16. O(a) sr(a) recorreu ao SEBRAE ou outra instituição que disponibilizam servi Formal Informal 18 70% Sim Não 67% 77% 13% 12% Formal Base: 623 / 384 / 239 18% 15% 25% P68 11% Informal 15% 96
  19. 19. Por fim, vale ressaltar que parte dos empresários pode estar utilizando predominantemente capital próprio por desconhecer (42%) os diversos programas de financiamento de pequenas e médias empresas disponíveis no mercado, como indicado abaixo. Conclusão Como assinalado pontualmente ao longo dessa análise, a pesquisa revelou um perfil arrojado dos entrevistados. Em geral, eles estão satisfeitos com a experiência de mercado já adquirida, são persistentes no negócio, demonstram paixão com o que fazem e têm uma certa dose de ousadia. Ao mesmo tempo, são relativamente solitários na condução do empreendimento – não contam com sócios ou parentes e nem dependem de programas de financiamento para tocar a empresa e investir mais em 2014. Os resultados demonstram ainda que os empresários do setor de serviços estão combinando, de forma sinérgica, dois ingredientes fundamentais para traçar um cenário otimista do segmento – confiança em sua própria capacidade empreendedora e nas perspectivas do seu negócio. O fato de grande parte dos empresários do setor estarem investindo, predominantemente, na ampliação e na melhoria das suas instalações, assim como na aquisição de máquinas e equipamentos, é uma demonstração de que não estão trabalhando apenas no curto prazo ou levando em conta o imediatismo da demanda. São investimentos em capital fixo que, como ressaltado acima, representam uma forte crença nas boas perspectivas do seu negócio e na capacidade de ampliar sua presença no mercado. 19
  20. 20. Esse cenário demonstra que tem sido acertada a política governamental de incentivo à ampliação dos pequenos negócios no país. Nos últimos sete anos, tem-se estabelecido uma legislação favorável a esse novo contexto, desde a criação da Lei Geral da Micro e Pequena Empresa, em 2006, passando pela implantação do sistema de tributação do Supersimples em 2007 (que promoveu uma redução de 40% dos impostos, em média). Em 2009, foi criada a figura do MEI e, em 2011, promoveu-se uma expressiva atualização dos limites de faturamento do Simples (permitindo a inclusão de novas parcelas de empresas). Não por outro motivo, de acordo com dados do Sebrae, os chamados pequenos negócios (MEI, micro e pequena empresas), que foram foco da atual pesquisa, respondem hoje por 25% do PIB nacional, 40% da massa salarial, 70% das novas vagas geradas por mês, 52% dos empregos formais e representam nada menos que 99% das empresas do país. A pesquisa do SPC Brasil demonstra que os empresários do setor de serviços estão em sintonia com a atual conjuntura econômica. Eles aproveitam o cenário favorável para investir, sempre confiantes em sua capacidade própria de gestão. 20

×