Inadimplência do consumidor sobe 2,83% e tem a
maior alta para abril desde 2010, indica SPC Brasil
De março para abril cer...
maior dificuldade para pagar suas pendências”, explica Honório Pinheiro, presidente da
CNDL. “A aceleração da inflação faz...
renan.miret@inpresspni.com.br
Vinicius Bruno
(11) 3251 2035 | 9 7142 0742
vinicius.bruno@spcbrasil.org.br
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Inadimplência do consumidor sobe 2,83% e tem a maior alta para abril desde 2010

241 visualizações

Publicada em

De março para abril cerca de 600 mil consumidores foram negativados. Aumento da inflação e taxas de juros aliado à piora nos índices de emprego dificultam o pagamento das dívidas.

Publicada em: Economia e finanças
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
241
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Inadimplência do consumidor sobe 2,83% e tem a maior alta para abril desde 2010

  1. 1. Inadimplência do consumidor sobe 2,83% e tem a maior alta para abril desde 2010, indica SPC Brasil De março para abril cerca de 600 mil consumidores foram negativados. Aumento da inflação e taxas de juros aliado à piora nos índices de emprego dificultam o pagamento das dívidas O indicador de dívidas em atraso apresentou em abril um aumento de 2,83% em relação a março – o maior crescimento para o mês desde o começo da série histórica, em 2010, de acordo com o banco de dados do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e a Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL). Na comparação com abril do ano passado, houve alta de 5,02%, o que mostra uma aceleração, já que em março a alta havia sido de 3,46% em relação ao mesmo mês de 2014. O número de devedores também teve alta em abril, tanto na comparação mensal quanto anual. Em relação ao mês anterior, a base de inadimplência avançou 1,16%; já na comparação com abril do ano passado, a alta foi de 3,77% - muito similar aos 3,76% verificados em março de 2015 ante o mesmo mês do ano anterior. Quatro em dez brasileiros estão inadimplentes O SPC Brasil estima que, entre março e abril de 2015, cerca de 600 mil consumidores foram incluídos em listas de devedores negativados. Com este resultado, já são 55,3 milhões de devedores, número equivalente a 37,9% da população entre 18 e 95 anos. Quantidade de Devedores em atraso Quantidade de Dívidas em atraso Variação anual Variação anual Segundos os especialistas do SPC Brasil, os dados apurados mostram que a pressão exercida pela alta da inflação, pelo aumento das taxas de juros e pela piora dos indicadores econômicos, como renda e emprego, se sobressaíram à queda na base de crédito da economia, resultando no avanço no número de devedores. “Os bancos passaram a ser mais rigorosos na hora de conceder financiamentos, mas com o desemprego atingindo níveis mais altos e a inflação subindo, o consumidor fica com
  2. 2. maior dificuldade para pagar suas pendências”, explica Honório Pinheiro, presidente da CNDL. “A aceleração da inflação faz com que o planejamento financeiro seja prejudicado, já que há perda constante do poder de compra. Além disso, a escalada nas taxas de juros encarece as parcelas”, afirma Pinheiro. Dívidas atrasadas em até 180 dias avançam 6,99% em abril A variação mensal do número de dívidas em atraso, que teve alta de 2,83% em abril, tem como destaque as pendências em atraso entre 90 e 180 dias, que avançaram 6,99%, e as dívidas com até 90 dias de atraso, que cresceram 5,71%. Em relação a abril de 2014, a faixa que registrou maior variação foi das dívidas com 3 a 5 anos de atraso, com aumento de 14,59%, e que contribuiu com 4,09 pontos percentuais para a alta de 5,02% do indicador. Comunicação lidera os segmentos com dívidas atrasadas A abertura dos credores das dívidas mostra o segmento de Comunicação liderando a alta anual do número de pendências: em abril, o setor apresentou um aumento de 12,10% do total de dívidas. No entanto, a segunda maior variação, que vinha sendo registrada pelo segmento de Água e Luz, foi substituída pelo setor de Bancos, cuja variação anual foi de 7,53%. O Comércio, por sua vez, recuou 0,32%. No total de dívidas em atraso, o segmento de Bancos continua liderando com 48,43% de participação – quase metade das dívidas. Em seguida, aparece o Co mércio, com 20,10%, e Comunicação, com 15,23%. Quantidade de Dívidas em atraso por setor credor Variação anual (abr/2015) Fonte: SPC Brasil. Baixe o material completo e a série histórica em: https://www.spcbrasil.org.br/imprensa/indices-economicos Informações à imprensa Renan Miret (11) 3254 8810 | 9 7215 6303
  3. 3. renan.miret@inpresspni.com.br Vinicius Bruno (11) 3251 2035 | 9 7142 0742 vinicius.bruno@spcbrasil.org.br

×