Idosos atribuem nota oito em índice da 
Felicidade criado pelo SPC Brasil 
Em sua maioria, satisfeitos com o presente e ot...
Os resultados da pesquisa também mostram que parte considerável dos 
entrevistados prefere evitar rótulos. Para 15% dos co...
chances de atingir a felicidade (5,3%) segundo os idosos ouvidos pelo 
levantamento. 
DESEJOS DA TERCEIRA IDADE 
Entre os ...
Informações à Imprensa
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Indice de felicidade na terceira idade

370 visualizações

Publicada em

Pesquisa do SPC Brasil e Meu Bolso Feliz mostra o nível de felicidade da terceira idade brasileira.

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
370
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Indice de felicidade na terceira idade

  1. 1. Idosos atribuem nota oito em índice da Felicidade criado pelo SPC Brasil Em sua maioria, satisfeitos com o presente e otimistas com o futuro, consumidores da terceira idade acreditam que vão viver até os 89 anos, mostra levantamento O “Felizômetro”, índice criado pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e Meu Bolso Feliz para mensurar o grau de felicidade dos consumidores acima dos 60 anos, mostra que a maioria das pessoas da terceira idade está satisfeita com as atuais condições de vida. De acordo com o levantamento realizado com 631 idosos em todas as capitais brasileiras, sete em cada dez entrevistados atribuem nota igual ou superior a oito na hora de expressar a satisfação com o seu modo de vida. Os resultados indicam que a sensação de felicidade varia entre os gêneros e aumenta à medida que melhoram a condição social e o nível de educação formal dos entrevistados. Entre as mulheres, o grau de plena satisfação atinge 81% da amostra e apresenta níveis mais avançados entre os que têm idade entre 66 a 70 anos (83%), formação superior (83%) e pertencem as classes A e B (85%). Para esses consumidores, saúde e felicidade são questões inseparáveis. Para um quarto da amostra (25%), estar em boas condições físicas e mentais aparece como um dos fatores mais relevantes para aumentar as chances de felicidade e 77% dos entrevistados consideram-se pessoas saudáveis. “É claro que existem muitos idosos brasileiros em situação de vulnerabilidade, enfrentando solidão, problemas de saúde ou dificuldades financeiras. No entanto, a pesquisa desafia o senso comum e a imagem que se faz deles. Com a melhora da expectativa de vida e os avanços da medicina, os idosos de hoje já observam uma significativa evolução na qualidade de vida”, afirma o educador financeiro do portal ‘Meu Bolso Feliz’, José Vignoli. IDOSOS ESPERAM VIVER 15 ANOS A MAIS
  2. 2. Os resultados da pesquisa também mostram que parte considerável dos entrevistados prefere evitar rótulos. Para 15% dos consumidores acima dos 60 anos, não achar que se está na terceira idade é um dos fatores mais importantes para sentir-se feliz. Outra constatação curiosa do levantamento é que enquanto o IBGE estima em 81,6 anos a expectativa atual de vida da população brasileira, os idosos entrevistados pelo estudo dão a si mesmos uma expectativa maior: 89 anos de idade. Encarar a vida de forma positiva é uma das características mais marcantes desses consumidores. O estudo revela que a maioria dos entrevistados (62%) acredita ser mais otimista hoje em dia do que no passado e 36% ficaram mais vaidosos com o passar do tempo. “Com boa saúde e o otimismo em alta, as perspectivas para o futuro também são melhores. Por isso que essa parcela da população apresenta níveis tão elevados de satisfação e interessados em traçar planos para o futuro e prontos para aproveitar esta etapa da vida”, explica a economista-chefe do SPC Brasil, Marcela Kawauti. RAZÕES DA FELICIDADE Além de estar com a saúde em dia, entre as condições necessárias à felicidade a independência na hora de consumir (14,5%) foi uma das respostas mais citadas pelos entrevistados, seguida pelo fato de não precisar de empréstimos para adquirir coisas às quais os entrevistados não tinham acesso no passado (13,9%) e poder gerir as próprias contas livremente (7,6%). Os entrevistados indicam ainda que o caminho para a felicidade passa por desfrutar de uma situação financeira melhor do que no tempo em que eram jovens (6,8%). Aproveitar o tempo livre também parece ser importante. Entre as ações que conduzem à uma vida mais feliz, atividades de lazer realizadas com muito mais frequência respondem por 6,3%, na avaliação dos idosos entrevistados. Mas ao mesmo tempo em que valorizam a diversão, os entrevistados mostram que os rumos da vida profissional têm peso na consolidação da própria felicidade: entre os fatores que podem deixar a vida mais feliz está o fato de ser uma pessoa realizada profissionalmente (68%). Ter como prioridade aproveitar a vida sem preocupações também está entre as condições que aumentam as
  3. 3. chances de atingir a felicidade (5,3%) segundo os idosos ouvidos pelo levantamento. DESEJOS DA TERCEIRA IDADE Entre os principais planos e desejos para o futuro, mais da metade (51%) dos consumidores da terceira idade afirma que pretende aproveitar a vida junto de seus familiares e amigos. Em segundo lugar aparece a vontade de ajudar os filhos, deixando-os bem financeiramente (29%), enquanto que na terceira posição vem o desejo de viajar e conhecer outros lugares do Brasil (23%). “Com boa saúde e sentindo-se otimistas, felizes e dispostos, os consumidores da terceira idade parecem estar prontos para aproveitar, de maneira intensa, aquela que pode ser uma das melhores etapas de suas vidas. A pesquisa identificou indivíduos cheios de planos e com vontade de desfrutar mais da companhia de amigos e familiares. Um fato interessante é que os idosos demonstram preocupação em ajudar seus filhos e parentes financeiramente, mas ao mesmo tempo não abrem mão de investir em sua própria qualidade de vida” afirma a economista-chefe do SPC Brasil, Marcela Kawauti. Metodologia Para criar o índice de Felicidade dos Idosos (Felizômetro), o SPC Brasil (Serviço de Proteção ao Crédito) e o portal ‘Meu Bolso Feliz’ entrevistaram pessoalmente 631 pessoas acima dos 60 anos nas 27 capitais brasileiras. As variáveis observadas para a criação do índice foram: percepção da saúde, independência – seja para a gestão do orçamento ou consumo -, o não pertencimento ao grupo da terceira idade, a condição financeira, lazer, a realização profissional e vontade de aproveitar a vida. Baixe a pesquisa na íntegra em https://www.spcbrasil.org.br/imprensa/pesquisas
  4. 4. Informações à Imprensa

×