A passagem do modelo tribal para monarquia imperio de davi e salomão.

8.973 visualizações

Publicada em

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
8.973
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
246
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
109
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A passagem do modelo tribal para monarquia imperio de davi e salomão.

  1. 1. 1 PÓS-GRADUAÇÃO EM TEOLOGIA Com enfoque em ensino religioso LEANDRO SOARES DE SOUSAA PASSAGEM DO MODELO TRIBAL PARA MONARQUIA E A FORMAÇÃO DO IMPÉRIO DE DAVI E SALOMÃO Trabalho apresentado ao prof. José Ademar Kaefer da disciplina LITERATURA BÍBLICA - PRIMEIRO TESTAMENTO como avaliação e exigência para aprovação. Rio de Janeiro Novembro- 2012
  2. 2. 21) VISÃO GERAL DA PASSAGEM DO MODELO TRIBAL PARA MONARQUIA ....... 11.2) PASSAGEM PARA A MONARQUIA ..................................................................... 41.3) PRIMEIRA EXPERIÊNCIA DE MONARQUIA........................................................ 51.4) INÍCIO DA MONARQUIA SOB SAUL..................................................................... 62) O REINADO DE DAVI.............................................................................................. 82.1) DAVI CONQUISTA JERUSALÉM......................................................................... 92.2) A ARCA É TRANSFERIDA PARA JERUSALÉM................................................. 92.3) AS GUERRAS DE DAVI........................................................................................ 92.4) DAVI ENGRAVIDA BETSABEIA........................................................................... 102.5) NASCIMENTO DE SALOMÃO............................................................................. 102.6) ABSALÃO TOMA O PODER.................................................................................. 102.7) DAVI FAZ O CENSO DE ISRAEL......................................................................... 112.8) ADONIAS SE REI E DAVI CONSTITUI SALOMÃO SEU SUCESSOR 112.9) MORTE DE DAVI................................................................................................... 12 133) A HEGEMONIA NA FORMAÇÃO DO IMPÉRIO DE DAVI..................................... 133.1) MEDIDAS DE DAVI PARA CONSOLIDAR O PODER.......................................... 133.2) POR QUE DAVI NÃO ERA UM REI JUSTO? ...................................................... 144) O REINADO DE SALOMÃO.................................................................................... 144.1) PRIMEIRAS MEDIDAS DE SALOMÃO PARA CONSOLIDAR SEU REINO........ 144.2) A NARRATIVA BÍBLICA DE SALOMÃO.............................................................. 154.3) O INÍCIO DO REINADO DE SALOMÃO............................................................... 154.4) CONSTRUÇÃO DO TEMPLO.............................................................................. 164.5) ESCOLHA DE JEROBOÃO................................................................................... 164.6) MORTE DE SALOMÃO......................................................................................... 175) CONSIDERAÇÕES FINAIS....................................................................................... 176) BIBLIOGRAFIA.......................................................................................................... 18
  3. 3. 3 1) VISÃO GERAL SOBRE A PASSAGEM DO MODELO TRIBAL PARA MONARQUIA Tanto a Bíblia quanto historiadores e pesquisadores afirmam que um dospontos centrais para a decadência do modelo tribal israelita, de certo modo, teria sidoa fraca união e falta de força, tecnologia e organização militar da mesma, perante osataques filisteus. Segundo descrição de John Bright (1980)1, os filisteus eram um povopouco numeroso. Os mesmos possuíam como modelo estatal uma aristocracia militar,e como sugere não só seus nomes personativos, mas também seu modelo religioso,como os nomes de seus deuses, podemos ver, claramente, uma influencia Canaanita.Tal influência é explicada segundo Bright (1980), por certa miscigenação entre os doispovos, dessa forma, ocasionando uma assimilação cultural por parte filistéia, decaracterísticas tanto religiosas, quanto político/militares dos cananeus. Tendo osfilisteus imigrado para a terra de Canaã, pouco tempo após Israel, estando em guerraesses dois desde o período dos Juízes – época do modelo Tribal Israelita. EsseTribal durou aproximadamente duzentos anos (cerca de 1210 a 1020/1010 a.C.),tendo recebido o golpe decisivo responsável pelo seu declínio, aproximadamente, em1050 a.C., na batalha descrita em 1 Samuel, 4, na qual em uma investida frustradacontra os filisteus, além da morte da maioria dos combatentes, a Arca da Aliança,símbolo da presença de YHWH2 junto ao povo hebreu, foi tomada e levada pelosfilisteus. Assim, os filisteus, segundo John Bright, destruíram o santuário da Liga Tribalem Silo e espalharam suas guarnições, ocupando assim a terra. Segundo o mesmoautor, os filisteus afirmaram o seu monopólio do ferro, sendo o mesmo só abundanteentre os hebreus apenas no reinado de Davi. Quanto às causas, que levaram àunificação dos hebreus, em um único Estado monárquico, segundo narra a Bíblia, osanciãos de cada tribo de Israel se reuniram com Samuel no santuário de Ramá, ondeo mesmo morava no intuito de lhe fazer um pedido: [...] Constitui sobre nós um rei, oqual exerça a justiça entre nós, como acontece em todas as nações” (1 Sm 8, 4-5).1 BRIGHT, John. História de Israel. Tradução de Euclides Carneiro da Silva. São Paulo: 4º ed. Paulinas,1980, p. 284.2 Essas quatro letras encontradas na bíblia representam o poder eterno de Deus. É um verbo conjugávele por isso, encontramos mais de uma tradução. Por ser um verbo conjugável, quem o pronuncia semsaber exatamente, pode estar se referindo a um Deus no passado, (que já foi), ou no presente ou nofuturo. Os católicos dizem Javé, os protestantes Jeová e alguns teólogos mais letrados dizem JAVO. Mas,a maioria, não sabe o que diz, porque quando fala não conhece o significado. Por isso, sabiamente,alguns judeus do passado alteraram o tetragrama para evitar que não se falasse o nome de Deus demaneira fútil. Chamar Deus de Jeová, Javé ou Javo pode ser fútil. Repare que eu não afirmo que é fútil,mas que? pode ser?. O correto é referir-se a Deus como aquele que é o que quiser ser.
  4. 4. 4 Em suma, a Bíblia e também o que afirmam alguns pesquisadores como HenriCazelles(1986)3, sustentam o mesmo motivo para a instalação de um modelomonárquico em Israel. O motivo que é considerado, como sendo o que possui maissustentação histórica, no que concerne ao processo de unificação das tribos de YHWHem um único Estado, e que, não por acaso, tornou-se uma hipótese de pesquisa foi ofato de que, no final do século XI a.C., – data da formação da Monarquia unificada deIsrael –, Estados e civilizações vizinhas, como o Egito Faraônico a região daMesopotâmia, estavam enfraquecidos. O Reino unificado de Israel iniciou-se comSaul, tendo sido ungido por Samuel e escolhido como primeiro rei, tanto por YHWHquanto pelo povo, tendo Saul governado aproximadamente de dez a vinte anos(1020/1010 (?) a 1000 a.C.). Logo, a bíblica e a de Cazelles (1986) complementam-se,indicando que haveria somente um desejo de imitação dos povos vizinhos, naconstituição da Monarquia unificada de Israel.1.2) PASSAGEM PARA A MONARQUIA4 De acordo Gass (2011) há causas internas e externas para o surgimento damonarquia.Como causas externas podemos destacar que os reis que queriamcontinuar a cobrar impostos dos israelitas;os filisteus atacavam a Israelconstantemente (Jz 3,31). O exemplo das tribos era um modelo que atraiam cada vezmais escravos que fugiam do seus senhores e integrando a clãs de Israel (1 sm25,10). As causas internas para o surgimento da monarquia está redação dos livrosbíblicos. Os livros da bíblia que narram a historia da monarquia é 1-2 Sm e 1-2 Rs.Estes livros tem uma longa história.começaram a ser escrito durante a monarquiaunida sobre o rei Salomão e sua redação final só se deu durante o exílio babilônico(587-539 a.C.). essa ultima redação foi feita por um grupo que analizou a historia deIsrael a partir das ideias do livro do deuteronômio. Logo, esse grupo reuniu tradiçõesproféticas do Norte com os interesses da dinastia de Davi, no sul, como veremosadiante. Assim Gass(2011) sustenta que certamente havia duas versões ou linha depensamento da sagrada escritura: a popular e a Oficial. A principal redação de 1-2 Sm e 1-2 Rs ocorreu durante a monarquia de Josias(640-609 a.C). Por isso Samuel e Reis fazem parte da grande obra deteronomista.Logo aos reis não faltavam razões para acabar com o modelo das tribos do hebreus.3 CAZELLES, Henri. História Política de Israel: desde as origens até Alexandre Magno. Tradução de CácioGomes. São Paulo: Paulinas, 1986, p. 121.4 GASS, Ildo Bohn. Uma Introdução à Bíblia. Formação do império de Davi e Salomão. V. 3, CEBI, Paulus,2ªedição, 2011.
  5. 5. 5 Em 1Samuel 1-15 , encontramos três causas internas que contribuíram para oenfraquecimento do sistema tribal: 1) a corrupção de sacerdotes; 2) a corrupção deJuízes; 3) a introdução do arado de ferro e do boi na agricultura.1) Corrupção dos sacerdotes= em 1 Sm 2,12-17, alguns grupos sacerdotais no meiodas tribos começaram a expropriar o que era dos camponeses. No texto ossacerdotes, que já tinham direito a uma porção da oferta, exigem a carne crua, a qualpoderia ser comercializada depois de seca, ou seja, havia sacerdotes que seaproveitavam das carnes das oferendas a Deus a fim de fazer churrasco para si. ACorupção chegou não só para sacerdotes mas também para Juízes que deveriam seros primeiros responsáveis por zela pela justiça.2)Corrupção de Juízes= diante da perversão do DIREITO, houve anciãos quepropuseram como alternativa um rei. Aqui, entra a importância de Samuel que eraprofeta atento a voz do povo diante da proposta dos anciãos e sensível à voz deDeus.ele não era favorável a proposta dos anciãos por um rei para governa. Por issoSamuel deixa claro que optar por um rei é rejeitar o próprio Deus. Depois, em 1 Sm12,19 diz que “pedir um rei foi nosso maior pecado”.3) O boi5 e arado de ferro permitiram o aumento da produção= A entrada do boi influirádiretamente na relação com a produção, a qual, auxiliada pelo ele, formará oexcedente necessário para manter a estrutura monárquica, ou seja, é o boi que vaipossibilitar a monarquia através da produção excedente6.1.3) PRIMEIRA EXPERIÊNCIA DE MONARQUIA Jz 9,1-6: primeira experiência de monarquia dentro das tribos, onde houvealegação de que seria melhor ser governado por um só homem e que fosse parentedeles. Com a prata do templo de Baal-Berit, Abimelec contratou homens para matar os70 líderes de então, para que ele fosse instituído como rei. Seu reinado durou muitopouco tempo.A prata que existia neste templo vinha do comércio, ou seja, algumacoisa da produção da tribo estava sendo acumulada para poder ser comercializada, oque era contra as leis tribais, pois possibilitava a manipulação do poder. O texto5 Quem se criou na roca ou sabe da lida com o campo sabe da importância dos bois naagricultura familiar. Eles servem para puxar o arado na lavra da terra. Servem também paratransportar a produção, puxando carroça.6 A introdução do arado com lâmina de ferro e puxado por bois aumentaram produçãoagrícola. Daí apareceram as desigualdades sociais. Logo a sociedade israelita, no final dotempo dos Juizes , já estava dividida em classes (1Sm 25). A solidariedade, aos poucos deulugar aos ineresses dos grupos mais poderosos. cf: GASS, Ildo Bohn. Uma Introdução à Bíblia.Formação do império de Davi e Salomão. V. 3, CEBI, Paulus, 2ªedição, 2011,p.17.
  6. 6. 6também fala dos senhores de Siquém (ou proprietário de Siquém) mostrando assimque há uma formação de grupos que começam a centralizar o poder. Os Juízes acumulam poder (Jz 10,3-5): O texto mostra um juiz (Jair) ligado a30 pessoas, com 30 jumentos e 30 cidades. Isto pode ser visto como uma rede decomércio, pois os jumentos e bois serviam para o transporte. Jz 12,8-13: outros juízestambém se organizando em redes e acumulando poder. Não se trata de dominaçãosobre todas as tribos, porém já são atitudes que fogem do propósito das tribos.1.4) INÍCIO DA MONARQUIA SOB SAUL Segundo o Professor Ciro Cardoso7, o reinado de Saul somente exerceu umaquebra parcial do modelo político e institucional da época da Confederação Tribal,tendo ele apenas traçado e iniciado “(...) um esboço de instituições estatais e deexército permanente.” Saul exerceu o importante papel de introdutor da monarquia,entretanto, mesmo assim, seu reinado não possuiu grande relevância, pois, ainda deacordo com os ensinamentos de Cardoso(1990) o rei Saul “[...] foi acima de tudo umchefe militar carismático, espécie de novo juiz, mas em escala muito ampliada” Segundo Gass (2011) há Quatro versões para o início da monarquia:1) Pedido(1Sm 8); 2) Unção (1Sm 9,1-10,16); 3) Eleição (1Sm 10,17-27); 4) Aclamação (1Sm11,1-15).1:Pedido – cap. 8; Versículos 1 a 4: causas internas; Versículo 5: causa externa – Asmonarquias possuíam um exército permanente e uma vocação para a conquista, oque pode ter deixado as tribos com medo. Assim pediram um rei para governá-los.Versículos 10 a 17: trata-se de um texto posterior a Saul. Os aspectos da monarquiaaqui apresentados se referem ao período de Salomão. O que mais caracteriza estetexto como antimonárquico é a afirmação de que “eles estão rejeitando a mim (Javé)”.Pois na sociedade tribal o rei é YHWH.“Nem eu nem meu filho seremos reis de vocês.O rei de vocês será Javé” (Jz 8,23).2:Unção 1 Sm 9,1 – 10,16= Não há nada neste texto que transpareça uma crítica àmonarquia. A menção da unção é posterior à época do acontecimento. Esta unçãopode não ter acontecido, pois não aparece posteriormente. Além disso, na época deSaul não havia estrutura para uma unção: templo, sacerdotes, etc.O texto não fala derei, mas de um chefe do povo. A palavra NAGUID significa chefe.7 CARDOSO, Ciro Flamarion. Antiguidade Oriental: política e religião. Os povos do OrientePróximo. Reis e sacerdotes. Poder e religião. São Paulo: Contexto, 1990.
  7. 7. 73:Eleição 1 Sm 10,17-27= Dificilmente se entregaria à sorte a escolha de um rei.Otexto também traz a perspectiva de que escolher um rei é o mesmo que rejeitar a Javé(v 19). Na Bíblia existem dois tipos de sorteio: um para escolher a porção da terra quecada tribo ocupará, e outro é o sorteio para encontrar o culpado por algum fatoocorrido. O caráter do sorteio neste texto de 1Sm é o segundo, que servia paraencontrar o culpado. Talvez, por isso, Saul estaria escondido. Ele seria o culpado portomar o lugar de YHWH no reinado. Isto mostra que o texto é antimonárquico.4: Aclamação 1 Sm 11,1-15= Segundo Gass(2011)Provavelmente este texto é o quemais se aproxima do que ocorreu efetivamente. A convocação que Saul fez para aguerra não foi dirigida a todo o Israel, mas somente aos donos dos bois 8ameaçando-os com perda de seu gado( 1 Sm 11,7). Assim já se formava um exército a serviço dosdonos de bois, e não apenas um exército de defesa formado por camponeses. Não foipor acaso que o primeiro rei surgiu ao redor do entroncamento das rotas comerciaisnorte-sul e leste oeste nas redondezas de Jerusalém. A junta de bois que Saul destruiu pode representar duas coisas. Primeiro: poderepresentar o que os inimigos fariam com os bois deles em um possível ataque.Segundo: o que o próprio Saul faria com os bois daqueles que ele convocou para aguerra caso não fossem para a guerra com ele.O texto também mostra que aconcentração de poder leva os poderosos a se voltar tanto contra os inimigos quantocontra os próprios membros da tribo, desde que sejam contra este poder (v 12). Saul foi ungido como chefe militar, representando os interesses dos donos debois. Sua forte liderança levou os proprietários de bois a transformá-lo em primeirochefe de um exército permanente. Saul se pareceu mais com um líder militar do quecom um rei. Era semelhante aos juízes como Gedeão e Jefté, que comandavam oexército na época das tribos. Mas, já havia uma grande diferença entre eles. Os juízesapós a campanha militar, voltavam a seu trabalho no campo. Saul não voltou mais.Tornou-se líder militar permanente. Desempenhou, portanto, o papel de juiz e chefemilitar permanente, tal como os anciãos haviam pedido a Samuel (1Sm 8,20). É importante destacar que Saul assume o sacerdócio. Ele toma a iniciativa deoferecer sacrifícios, ultrapassando suas funções e usurpando a função sacerdotal(1Sm 13, 1-15). Ele cria um exército permanente, donde se deduz uma tributação paraseu sustento. Em suma podemos sustentar que Saul representou uma faseintermediária entre a sociedade tribal e a monarquia.8 O boi era um bem valioso. Era necessário proteger os bens. Logo boi exige um exercitopermanente para garantir a livre circulação das mercadorias dos camponeses mais ricos.
  8. 8. 82) O REINADO DE DAVI Para entender o Reinado de Davi vejamos um breve panorama da narraçãobíblica para depois desmistificarmos alguns ponto da formação do império de Davi.2.1) DAVI CONQUISTA JERUSALÉM (1004 A.C.) Jerusalém coube como herança à Tribo de Benjamin (Js 18:28). ConformeJs 10, Adoni-Zedeque, rei de Jerusalém na época da entrada de Israel em Canaã,arregimentou outros quatro reis da região, a saber: Hoão, rei de Hebrom, Pirão, rei deJarmute, Jafia, rei de Laquis e Debir, rei de Eglom, para atacar os gibeonitas quehaviam feito paz com Israel.Josué foi ao combate a estes reis e os derrotou naqueleque chamamos o mais longo dos dias. No entanto, a cidade de Jerusalémpermaneceu intocada, uma vez que a batalha se travou às portas de Gibeon e “Nãopuderam, porém, os filhos de Judá expulsar os jebuseus que habitavam emJerusalém”. (Js 15:63). Conforme Jz 1:7-8, ainda nos tempos de Josué, as tribos deJudá e Simeão atacaram a cidade e a incendiaram na guerra contra os cananeus, masa cidade continuou a ser habitada pelos jebuseus uma vez que não cabia nem a Judánem a Simeão ocupá-la.Coube a Davi tomá-la, por volta de seu sexto ano de reinado,conforme nos relata 2 Sm 5: 5-9: “Em Hebrom reinou sobre Judá sete anos e seismeses, e em Jerusalém reinou trinta e três anos sobre todo o Israel e Judá.E partiu orei com os seus homens a Jerusalém, contra os jebuseus que habitavam naquelaterra; e falaram a Davi, dizendo: Não entrarás aqui, pois os cegos e os coxos terepelirão, querendo dizer: Não entrará Davi aqui. Porém Davi tomou a fortaleza deSião; esta é a cidade de Davi. Porque Davi disse naquele dia: Qualquer que ferir aosjebuseus, suba ao canal e fira aos coxos e aos cegos, a quem a alma de Daviodeia.Por isso se diz: Nem cego nem coxo entrará nesta casa. Assim habitou Davi na
  9. 9. 9fortaleza, e a chamou a cidade de Davi; e Davi foi edificando em redor, desde Milopara dentro.”Davi passou a reinar de Jerusalém a partir do Anno Mundi 2893,descontados 33 anos desde a data de sua morte.2.2) A ARCA É TRANSFERIDA PARA JERUSALÉM (998 A.C.) A Arca foi tomada pelos filisteus no Anno Mundi 2878 e veio a permanecer emQuiriate-Jearim apor 20 anos, até que Davi a transportasse para Jerusalém, o que veioa acontecer no Anno Mundi 2898 (2878 + 20). Seria então, o 13º ano de reinado deDavi, em seu 6º ano reinando em Jerusalém.2.3) AS GUERRAS DE DAVI (998 -993 A.C.) Davi empreendeu um longo período de guerras contra os filisteus, moabitas, eos reis ao norte e sul de Israel, estendendo desta forma as fronteiras de Israel atéalém do Rio Eufrares (2 Sm 8:1-3).Tomou o que seria hoje a faixa de Gaza e sujeitouos filisteus. Consolidou as fronteiras da Tribo de Rubem com o território de Moabe,ficando tanto estes quanto os filisteus tributários de Israel. Empreendeu umacampanha de sucesso em direção ao norte de Israel, contra o reino de Zobá,estendendo as fronteiras até o Rio Eufrates, dominando a Siria, quando esta saiu emdefesa de Hadadezer, rei de Zobá.Também a Siria passou a pagar tributos a Israel (2Sm 8:5-6). Davi sujeitou também os amonitas e amalequitas (2 Sm 8:12) consolidandoas fronteiras da transjordânia e junto com os irmãos Joabe e Absai conquistou osedomitas ao sul (1 Cr 18:12-13).As fronteiras consolidadas por Davi eram as mesmasprometidas por Deus a Abraão, conforme Gn 15:18: “fez o Senhor uma aliança comAbrão, dizendo: À tua descendência tenho dado esta terra, desde o rio do Egito até aogrande rio Eufrates”.Deus relembrou a Josué as mesmas fronteiras quando Israelentrou em Canaã: “Para Todo o lugar que pisar a planta do vosso pé, vo-lo tenhodado, como eu disse a Moisés. Desde o deserto e do Líbano, até ao grande rio, o rioEufrates, toda a terra dos heteus, e até o grande mar para o poente do sol, será ovosso termo. Ninguém te poderá resistir, todos os dias da tua vida; como fui comMoisés, assim serei contigo; não te deixarei nem te desampararei. Esforça-te, e tembom ânimo; porque tu farás a este povo herdar a terra que jurei a seus pais lhes daria”(Js 1:3-6).As fronteiras estabelecidas por Davi subsistirão até o fim dos dias deSolamão.
  10. 10. 102.4) DAVI ENGRAVIDA BETSABEIA (993 A.C.) Ao fim da guerra contra os amonitas, Rabá, a capital de Amon ainda estava empé e cabia a Davi conquistá-la definitivamente. Por uma razão desconhecida, Davi, aoinvés dele próprio liderar a conquista de Rabá, envia Joabe, comandante de seuexército, para tomar a cidade e permenece ele próprio em Jerusalém. É nestacircunstância que ele toma Betsabeia e a engravida. É bastante conhecido odesenrolar da história que culmina com o assassinato de Urias, o heteu, marido deBetsabeia. Tempos depois da morte de Urias a cidade veio a ser conquistada e Joabechama Davi para que ele mesmo entre na cidade como conquistador de Rabá.2.5) NASCIMENTO DE SALOMÃO (992 A.C.) Conforme 2 Sm 11:27 Davi tomou depois da morte de Urias Betsabeia comoesposa e ela gerou Salomão. Podemos supor que Salomão tenha nascido no anoseguinte à morte de Urias.2.6) ABSALÃO TOMA O PODER (981 A.C.) De acordo com a lei de Moisés escrita em Lv 20:10, deveriam ser punidos coma morte tanto Davi quanto Bate-Seba, porém foram ambos poupados.No entanto, apesada sentença pronunciada pelo profeta Natã causou efeitos que vieram a durar portoda a vida de Davi: “Porque, pois, desprezaste a palavra do Senhor, fazendo o maldiante de seus olhos? A Urias, o heteu, feriste à espada, e a sua mulher tomaste portua mulher; e a ele mataste com a espada dos filhos de Amom. Agora, pois, não seapartará a espada jamais da tua casa, porquanto me desprezaste, e tomaste a mulherde Urias, o heteu, para ser tua mulher. Assim diz o Senhor: Eis que suscitarei da tuaprópria casa o mal sobre ti, e tomarei tuas mulheres perante os teus olhos, e as dareia teu próximo, o qual se deitará com tuas mulheres perante este sol. Porque tu ofizeste em oculto, mas eu farei este negócio perante todo o Israel e perante osol.Então disse Davi a Natã: Pequei contra o Senhor. E disse Natã a Davi: Também oSenhor perdoou o teu pecado; não morrerás.” (2 Sm 12:9-13).A sentença de Natã seconcretizou dentro da própria casa de Davi, começando com o assassinato de Amnonpor seu próprio irmão Absalão, que posteriormente viria a tomar o reino de Davi epossuir à luz do dia todas as concubinas de seu pai. Amnon seria no inconscientepopular o sucessor de Davi por ser o seu primogênito. Podemos supor então, que avingança de Absalão pela violação de sua irmã não foi uma atitude meramentepassional, mas um ato possivelmente planejado de eliminação do mais provávelsucessor de direito ao trono de Israel, uma vez que Absalão, como mostram os fatos
  11. 11. 11subsequentes, tinha para si a ambição de reinar sobre Israel.Dois anos após aviolação de sua irmã, Absalão matou Amnon, fugindo para Gesur, terra dos parentesde sua mãe. Lembremos que Absalão, filho de Davi, era neto de Talmai, rei de Gesur(2 Sm 3:3). Absalão viria a permanecer ali por 3 anos (2 Sm 13:38), após o que Daviconsentiu que Joabe, comandante do exército de Israel, trouxesse o jovem de volta aJerusalém. Passaram-se dois anos até que Davi se avistasse com Absalão (2 Sm 14:33) eo perdoasse, e quatro anos mais, para que Absalão, sobre o pretexto de fazersacrifícios em Hebrom (2 Sm 15:7), saísse de Jerusalém e fizesse um levante contraDavi, o que obrigou o rei a fugir de Jerusalém com toda sua família. 2 Sm 15:7estabelece que foram quatro anos o tempo passado entre o perdão de Davi e a saídade Absalão para presumidamente ir sacrificar em Hebrom. Algumas versões traduzemcomo 40 anos, o que é bastante improvável. Temos, desta forma, que o golpe de Absalão veio a acontecer cerca de 11anos após o nascimento de Salomão, no 30º ano de governo de Davi, mesmo ano emque Absalão veio a ser morto por Joabe (2 Sm 18:14).2.7) DAVI FAZ O CENSO DE ISRAEL (972 A.C.) Em 2Sm 24:1 diz que Davi resenceou o povo e por esta causa Israel foiseveramente punido. Não há muitas explicações que nos permitam entender por qualrazão Deus estava contrariado com Israel. Foi o último ato de governo de Davi, umano antes da sua morte.2.8) ADONIAS SE PROCLAMA REI E DAVI CONSTITUI SALOMÃO SEUSUCESSOR (971 A.C.) Adonias, o quarto filho de Davi, nascido em Hebrom, vendo que seu pai estavavelho, e contando com o apoio de Joabe (1 Rs 1:7), comandante dos exércitos deIsrael e do sacerdote Abiatar, auto-proclamou-se rei de Israel.Davi tinha neste tempo70 anos, idade que não justificaria seu estado de prostração, não fosse o tipo de vidaque levou, não somente por causa das muitas privações que passou durante asguerras que lotou, como também pelos muitos dissabores emocionais que enfrentouem sua vida privada, tanto pelas decisões infelizes que tomou como pela turbulentavida familiar.1 Rs 1:17 nos mostra que Davi já havia feito um juramento a Bate-Sebade empossar Salomão como seu sucessor, o que ele cumpre, estimulado pelo profetaNatã (1 Rs 1:22-40).
  12. 12. 122.9) MORTE DE DAVI (971 A.C.) Conforme 2 Sm 5:5, Davi reinou em Hebrom sete anos e seis meses, e emJerusalém reinou trinta e três anos, o que totaliza quarenta anos e meio, sobre todo oIsrael e Judá, concluindo-se desta forma, que Davi reinou seis meses no seu ano deascensão, e transferiu, próximo de sua morte, de forma tardia e conturbada o reinopara Salomão. Em 1 Rs 2:1-12 vemos as instruções que Davi deu a Salomão antes desua morte: que seguisse pelo caminho de Deus, e que fizesse justiça a algumaspessoas que lhe haviam causado muitos males. A vida de Davi para com Deus foi irrepreensível até os acontecimentos que olevaram a matar Urias. Vê-se, de fato, um profundo arrependimento por este atopublicado nas palavras do Salmo 51, que tradicionalmente se credita terem sidoescritas por Davi depois e por causa da morte de Urias. Como sabemos Deus operdoou, mas fez com que as consequências de seu ato perdurassem por toda suavida. Davi, próximo de morrer, instruiu Salomão a matar Joabe, comandante de seuexército, justificando que este, por sua vez, havia matado dois homens melhores queele, a saber, Abner e Amasa (1 Rs 2:32). Recomendou também a Salomão quefizesse justiça a Simei que o amaldiçoou quando fugia de Absalão. O próprio Davi,quando aconteceu este fato, impediu Absai de matar Simei (2 Sm 19:21) porqueentendia que a maldição que este lançava contra ele vinha de Deus, masaparentemente mudou de ideia em seus últimos dias de vida. Joabe de fato matouAbner por vingança porque este havia matado Asael, seu irmão, e matou Amasaporque este fora o chefe do exército de Absalão em sua tentativa de tomar o trono deDavi, e mesmo assim, depois disto, Davi fez dele chefe de seu exército em lugar deJoabe (2 Sm 19:13). Joabe não só matou o novo comandante do exército, comocontinuou a liderar o exército de Israel, mesmo contra a vontade aparente de Davi. Há que se notar que Joabe prestou grandes serviços a Davi ao lado de quemlutou todas as guerras e sempre lhe foi fiel. Davi não se lembrou de mencionar umacoisa de fato concreta, quando instruiu o novo rei: que Joabe apoiara Adonias na suatentativa de reinar sobre Israel em lugar de Salomão, o que, de uma certa forma,poderia ser pretexto para sua exclusão do círculo de sua confiança, mas nunca demorte a um homem que lhe fora como que o braço direito e de muitas maneiras, oinstrumento usado por Deus para garantir-lhe o trono.Mas é Joabe a maior testemunha sobre a morte premeditada de Urias; é a ele a quemDavi manda que o próprio Urias leve sua sentença de morte quando lutava para
  13. 13. 13conquistar a cidade de Rabá. Joabe não é nomeado entre os valentes de Davi norelato de 2 Sm 23:8-39, mas Urias, paradoxalmente lá está.3) A HEGEMONIA NA FORMAÇÃO DO IMPÉRIO DE DAVI O Rei Davi levou a cabo o empreendimento iniciado por Saul, consolidando oestado monárquico. Mesmo após a morte de Saul houve disputa entre as famílias deDavi e Saul. Isso representava um perigo para o reinado de Davi. Desta forma, Davitoma medidas violentas para garantir o poder.A conquista do poder: Somente com a morte de Saul, Davi pode ser ungido rei.Porém, no primeiro momento o foi apenas rei de Judá, no Sul. No Norte ficou Isbaal,filho de Saul (2Sm 2). Para Davi conquistar o poder entre todas as tribos, foinecessário matar Abner, chefe do exército de Saul (2Sm 3,26) e também Isbaal9 filhode Saul (2Sm 4,5). Os textos bíblicos nunca atribuem culpa a Davi sobre osassassinatos que possibilitaram sua ascensão ao trono: Saul foi morto na luta contraos filisteus. Davi lamentou sua morte (2Sm 1,11) e matou o assassino de Saul (2Sm1,13-16). Abner: foi morto por Joab (chefe dos oficiais de Davi). Davi se declarainocente (2Sm 3, 28). Isbaal: Foi morto por Recab e Baana. Davi os condena à mortepor terem matado Isbaal (2Sm 4, 9-12). Apesar de ser considerado Rei Justo, Davi chega ao poder através deassassinatos e conspirações, assim como acontecerá com Salomão. Essa é aconseqüência de um sistema injusto. É possível distinguir claramente dois momentos na vida de Davi. Na primeirafase, Davi foi um líder popular solidário com os mais excluídos do seu tempo, depoisde ter sido músico, escudeiro e chefe militar de Saul (quando matou Golias, 1Sm17).No segundo período, Davi lutou pelo poder, consolidando o seu reinado. E não foipor acaso que houve resistência do povo enquanto ele foi rei sobre Judá e Israel.3.1) MEDIDAS DE DAVI PARA CONSOLIDAR O PODER Davi levou para Jerusalém a Arca de YHWH, centralizando-a na capital.Fundou uma dinastia, tentando garantir o poder a seus descendentes. Adotou aideologia da filiação divina dos reis. Aumentou o contingente de soldados profissionais;Organizou melhor a burocracia estatal, não só aumentando os chefes militares, mastambém os sacerdotes. Conquistou todos os povos da redondeza, exceto os fenícios.9 O nome do filho de Saul, Isbaal, foi mudado para Is-Bosete. Isbaal significa homem de Baal eIs-Bosete significa filho da vergonha. Certamente o nome original era Isbaal, porém, na épocada redação evitava-se o nome Baal, então trocaram para Boset. Isto explica a diferença entrealgumas traduções bíblica (2Sm 2,8).
  14. 14. 14Quebrando, assim, o principio do exército de defesa para exército de ataque econquista. Quis construir um templo para YHWH, a exemplo dos deuses cananeus eassim como já edificara um para si. Porém o profeta Natã se opôs (2Sm 7,1-7).3.2) POR QUE DAVI NÃO ERA UM REI JUSTO? Porque fez guerras, promoveu massacres, saques, tributação e trabalhosforçados. Não marchava à frente do povo(1Sm 8,20 e 2Sm 11,1). Além de não ir àsguerras, abusava das mulheres dos soldados (2Sm 11, 2-27). Quando Davi estava seaproximando do fim do seu mandato, isto é, quando estava próximo de sua morte,aumentaram as intrigas palacianas. Muita coisa estava em jogo. Quem iria substituir orei de um grande império? Agora, vamos entender a sucessão de Davi para Salomão.4) O REINADO DE SALOMÃO 10 (970- 931 a.c) O reinado de Salomão está descrito em 1Rs 3-11. Davi fundou uma dinastia,portanto seu sucessor seria seu filho mais velho. No entanto, Amnon havia sido mortopor Absalão, seu irmão . Adonias foi o quarto filho e era o legítimo herdeiro do tronode Davi. Salomão também era filho de Davi11, mas havia ainda 5 irmãos antes dele.Porém, Ele tinha a pretensão de ser o rei no lugar de seu pai Davi. Então começouuma rivalidade com o seu irmão Adonias. Destes dois candidatos ganharia quemtivesse mais força política. E nisso Salomão foi vitorioso.4.1) PRIMEIRAS MEDIDAS DE SALOMÃO PARA CONSOLIDAR SEU REINO Primeiro ele manipula seu pai, Davi, e o coloca contra Adonias, a fim de seraclamado Rei (1Rs 1). Depois, matou Adonias, de quem tomou o legítimo direito aotrono (1Rs 2,12-25). Mandou matar Joab, para substituir por outro chefe do exército.Por ultimo, mandou matar Semei, que era do Clã de Saul, e havia estado contraDavi.“Assim se consolidou a realeza nas mãos de Salomão”(1Rs 2,46). Salomão aperfeiçoa o sistema tributário. Ele empreende grandes construções:o Templo, seu palácio, palácio para a filha do faraó, fortalezas militares, cidadesarmazéns, cidade portuária, etc. (Tudo com trabalho forçado: 1Rs 6, 27-ss). Oprincipio da Riqueza e luxo na corte do rei Salomão(1Rs 10,1-13.14-25).10 Nasceu em Jerusalém, a capital do império ( 2 Sm 5,13-16).11 A mãe de Salomão era Betsabeia( 1 rs 1,8) que era mulher do estrangeiro Urias, o hitita (2rs 11,3). Elajunto com Natã, manobra Davi para nomear Salomão como rei (1 rs 1,11-31).
  15. 15. 15 O Rei Salomão impôs um fardo muito pesado ao povo (1Rs 12, 1-5). Isso gerouum descontentamento muito grande que dará início a uma revolta contra seu reinado.O resultado será a divisão do Reino.4.2) A NARRATIVA BÍBLICA DE SALOMÃO4.3) O INÍCIO DO REINADO DE SALOMÃO (971 A.C.) Salomão reinou depois da morte de Davi por 40 anos, contado seu ano deascensão. Conforme 1 Cr 29:1 Salomão era “ainda moço e tenro” quando começou agovernar. Teria 21 anos na ocasião do início de seu reinado. Três coisas chamam aatenção sobre sua figura: sua conhecida sabedoria, o fato de haver construído oTemplo, e sua infidelidade a Deus, que terá como efeito a divisão do reino depois desua morte. Alguns princípios que deveriam nortear a monarquia em Israel já haviam sidoeditados como lei pelo próprio Moisés, conforme o capítulo 17 de Deuteronômio.Foram, no entanto, sistematicamente negados ou esquecidos por quase a totalidadedos reis, mas é na verdade no reinado de Salomão que se constata de certa forma asua mais abusiva negação. O próprio texto nos explica: “Porém ele (o rei) não multiplicará para si cavalos, nem fará voltar o povo ao Egito para multiplicar cavalos; pois o SENHOR vos tem dito: Nunca mais voltareis por este caminho. Tampouco para si multiplicará mulheres, para que o seu coração não se desvie; nem prata nem ouro multiplicará muito para si.” (Dt 17:16-17)
  16. 16. 164.4) CONSTRUÇÃO DO TEMPLO12 (968 A.C. A 961 A.C.) Como Deus houvesse negado a Davi (por haver sido um homem de guerras)que ele construísse o Seu Templo, coube a Salomão fazê-lo. (2 Sm 7:12-13). Deacordo com 1 Rs 6:38, Salomão demorou 7 anos para concluir a obra.O Templo estaráem pé por 367 anos até que seja destruído por Nabucodonozor (2 Rs 25:8-9).4.5) ESCOLHA DE JEROBOÃO (934 A.C.) Salomão é um exemplo de que pouco vale a sabedoria sem submissãoespiritual. Governou Israel no auge de seu esplendor, gozando dos benefícios dasconquistas das fronteiras de Davi (2 Cr 9:26) que fizeram dos povos ao redor de Israelpagadores de impostos com os quais Salomão pode empreender grandes obras.Construiu o Templo, o palácio real, murou Jerusalém, construiu cidades armazéns,navios (1 Rs 9:10-28), e fez propagar sua fama pelo mundo vindo a exceder a todosos governantes de seu tempo (1 Rs 10:23). De acordo com 1 Rs 4:32-33: “disse três mil provérbios, e foram os seuscânticos mil e cinco. Também falou das árvores, desde o cedro que está no Líbano atéao hissopo que nasce na parede; também falou dos animais e das aves, e dos répteise dos peixes”. Desfrutou, desta forma, da paz conquistada por seu pai e pode dedicar-se a uma vida de cultura e prazeres. Contrariando a Lei de Moisés (Dt 7:3-4) que proibia o casamento com mulheresestrangeiras, casou-se com 700 mulheres e possuiu 300 concubinas (1 Rs 11:3) quelhe fizeram inclinar para a idolatria, causa pela qual o reino de Israel veio a ser divido.Vejamos a sentença de Deus contida em 1 Rs 11:11-13: “Assim disse o Senhor a Salomão: Pois que houve isto em ti, que não guardaste a minha aliança e os meus estatutos que te mandei, certamente rasgarei de ti este reino, e o darei a teu servo. Todavia nos teus dias não o farei, por amor de Davi, teu pai; da mão de teu filho o rasgarei; Porém todo o reino não rasgarei; uma tribo darei a teu filho, por amor de meu servo Davi, e por amor a Jerusalém, que tenho escolhido.”12 O Templo que Salomão construiu para o Deus de Israel, em Jerusalém, objetivava, sobretudo, guardarno seu recinto mais sagrado: o Santo dos Santos, a Arca da Aliança do Sinai, a qual continha os DezMandamentos enviados por Deus a Moisés, segundo relatado no Livro bíblico do Êxodo. Este templo foichamado de Templo de Salomão ou 1º Templo de Jerusalém, uma vez que o mesmo foi destruído no ano586 a.C., quando da invasão e conquista do Reino de Judá, pelo Império Neobabilônico. Neste episódio aArca da Aliança desapareceu para sempre. O 2º Templo de Jerusalém começou a ser edificado nomesmo século VI a.C., após o Rei persa aquemênida Ciro, o Grande ter libertado os judeus de seucativeiro na Babilônia. Entretanto este 2º Templo só foi aumentado e embelezado ao tempo do reinadode Herodes Magno (37 a 4 a.C.), por isso é também conhecido por Templo de Herodes, o qual foiincendiado pelas tropas romanas, chefiadas por Tito, filho o Imperador Vespasiano, e futuro Imperador deRoma, no verão do ano 70 d.C., quando a primeira revolta judaica contra Roma, na Judeia, já caminhavapara a derrota dos judeus. O que restou deste 2º Templo, é hoje o local mais sagrado para o judaísmo: oMuro das Lamentações, que apoiava o Monte do Templo.
  17. 17. 17 Conforme podemos observar no estudo do reino de Jeroboão, a sentençaacima veio a ser pronunciada dois anos antes da morte de Salomão, ano que assinalao início da contagem do tempo de reinado de Jeroboão, sem que ainda ele tivessesido empossado como rei. Algumas das esposas de Salomão eram provavelmente israelitas, masnenhuma delas é mencionada. Naamá, uma amonita (2 Cr 12:13), filha de um dospovos contra quem Davi combateu, veio a ser mãe de Roboão, sucessor de Salomãoe causador da divisão do reino de Israel.4.6) MORTE DE SALOMÃO( 932 A.C.) Salomão morreu no Anno Mundi 2964 com cerca de 61 anos de idade,bastante jovem para os padrões de sua época. Foi sucedido por seu filho Roboão.5) CONSIDERAÇÕES FINAIS Neste trabalho analisamos as principais razões que levaram à ruptura dasociedade tribal, dando origem à monarquia. Olhamos um pouco mais de perto o inícioda monarquia sob Saul e como Davi organizou um verdadeiro império. Por fim,descrevemos como Salomão levou adiante o projeto de seu pai, consolidando osistema tributário. Foi durante esse período histórico que nasceu a literatura bíblica, osseus primeiros escritos, com textos que serviram de legitimação religiosa das novasestruturas e outros, oriundos da resistência popular, que serviram para conscientizaras pessoas no presente, lembrando o passado em vista de um novo futuro.
  18. 18. 186) BIBLIOGRAFIABRIGHT, John. História de Israel. Tradução de Euclides Carneiro da Silva. SãoPaulo: 4º ed. Paulinas, 1980.CARDOSO, Ciro Flamarion. Antiguidade Oriental: política e religião. Os povosdo Oriente Próximo. Reis e sacerdotes. Poder e religião. São Paulo: Contexto,1990.CAZELLES, Henri. História Política de Israel: desde as origens até AlexandreMagno. Tradução de Cácio Gomes. São Paulo: Paulinas, 1986.GASS, Ildo Bohn. Uma Introdução à Bíblia. Formação do império de Davi eSalomão. V. 3, CEBI, Paulus, 2ªedição, 2011.MCELENEY, Neil J., c.S.P. Novo Comentário Bíblico São Jeronimo. EditoraPaulus. 1ª edição,2011.HARRINGTON, Wilfrid J. “Chave para a Bíblia”. Coleção: Biblioteca de estudosbíblicos. Editora Paulus. 8ª edição. 2007.Enciclopédia Ilustrada da Bíblia – Pat Alexander, Edições Paulinas 1987.A Bíblia de Jerusalém (BJ) – Editora Paulus, 10ª impressão 2001.

×