PROJETO LER É ARTE: AS DIFERENTES LINGUAGENS DA ARTE                                                                      ...
2                         (...)nossa penetração na realidade, portanto, é sempre mediada por linguagens, por              ...
3REFERÊNCIAS³BARBOSA, Ana Mae. (org.) Inquietações e mudanças no ensino de arte. São Paulo: Cortez,2002.HERNANDEZ, Fernand...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

04 pré projeto-ler é arte-as diferentes linguagens da arte_soniamarisrittmann_final

3.657 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.657
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
21
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

04 pré projeto-ler é arte-as diferentes linguagens da arte_soniamarisrittmann_final

  1. 1. PROJETO LER É ARTE: AS DIFERENTES LINGUAGENS DA ARTE Sônia Maris Rittmann*Resumo: Esse artigo é uma reflexão sobre o ensino-aprendizagem das diferentes linguagensda Arte presentes nos 10 anos do Projeto Ler é Arte. Pretende-se aqui enfatizar o processo deensino-aprendizagem em artes visuais baseado na experiência concreta do pensar-fazer-contextualizar arte em sintonia com as vivências e poéticas pessoais dos alunos e professores.Palavras-chave: arte, educação, ensino-aprendizagem, linguagens, leituraINTRODUÇÃO “Toda linguagem artística é um modo singular de o homem refletir – reflexão/reflexo – seu estar no mundo”. (Miriam Celeste Martins) O presente pré-projeto pretende se debruçar sobre as diferentes linguagens da arte,desenvolvidas a partir do Projeto Ler é Arte, realizado há 10 anos na EEEB Profº GentilViegas Cardoso, em Alvorada-RS. Figura 1 – Desenho à lápis de cor Fonte: aluno Gabriel, 2011DESENVOLVIMENTO Quando falamos em linguagens, devemos lembrar que o homem é um ser simbólico, ecomo tal, capaz de criar símbolos, que têm a função de ordenar e interpretar o mundo em quevive. Usamos a linguagem, verbal e não-verbal, para nos expressar e re-ordenar o mundo anossa volta. Dito de outra forma é através da linguagem que interagimos com o outro e com omundo. Nas palavras de Miriam Celeste Martins:* Professora de Língua, Literatura e Artes. EEEB Profº Gentil Viegas Cardoso. Alvorada-RS.
  2. 2. 2 (...)nossa penetração na realidade, portanto, é sempre mediada por linguagens, por sistemas simbólicos. O mundo, por sua vez, tem o significado que construímos para ele. Uma construção que se realiza pela representação de objetos, ideias e conceitos que, por meio dos diferentes sistemas simbólicos, diferentes linguagens, a nossa consciência produz.¹ Pensar a arte-educação, a partir da experiência concreta do Projeto Ler é Arte²,pretende ser um debruçar-se com um olhar aprofundado sobre o ensino-aprendizagem emartes visuais, mais especificamente, seguindo a proposta triangular de Ana Mae Barbosa³,sobre a criação, percepção e conhecimento histórico e cultural das artes visuais; sobre asrelações estabelecidas entre as diferentes linguagens – teatro, dança, fotografia, escultura,desenho, poesia, instalações, videoarte, cinema, etc. - desenvolvidas pelos alunos durante oProjeto. A arte é criação das linguagens – visual, musical, cinema, dança, poesia – que searticulam, se conectam e dão corpo ao que o homem pretende dizer. Lembremos que ohomem se utiliza das linguagens desde os remotos tempos das cavernas, manifestando seusdesejos, sonhos, ideias, medos... Hoje, os grafites nas paredes e muros espalhadas pelo mundocomprovam que esse desejo de expressar-se plasticamente não morreu. O ser humano, por serum ser da linguagem, deixa sua marca, seus signos, seus símbolos em todas as partes. O pré-projeto de pesquisa, embasado no Projeto Ler é Arte, parte do pressuposto quetoda aprendizagem deva tentar estabelecer um processo de inferências entre os conhecimentosque se possui e os novos conhecimentos a serem construídos. Para tanto, apresentar as obrasde arte contextualizadas, como produto cultural e histórico, situadas em tempos e locaisdiferentes, com formas e conteúdos distintos, possibilitará uma maior compreensão dasdiferentes linguagens e códigos utilizados pelos artistas. Apreendendo esses códigos, osalunos serão capazes de criar seus próprios trabalhos, relacionando-os ao seu mundo, as suasconcepções de vida, expressando-se através das diferentes linguagens com as quais tiveramcontato, seja através das pranchas de imagens, dos mapas conceituais construídos, dos objetosde aprendizagem, das diversas leituras e atividades propostas no “atelier de artes”. Materiaisque foram pensados e criados ao longo do curso de Artes Visuais e que são constantementere-significados na prática pedagógica e na relação estabelecida com o Projeto Ler é Arte.CONCLUSÃO Re-pensar a função da arte na educação, na escola ou fora dela, parece ser essencialpara o entendimento do pré-projeto. A experiência estética-criativa proporcionada peloProjeto Ler é Arte; o desenvolvimento das diferentes linguagens, a leitura de imagens(ROSSI), a interpretação do mundo contemporâneo a partir das relações entre arte e educação;a possibilidade de ensinar-aprender arte através da experiência em arte, como um ser humanoque produz, pensa e contextualiza arte são os requisitos indispensáveis para a realização eaprofundamento dessa pesquisa em arte. Nesse ir e vir do pensamento, da criação, dapesquisa, da escuta do outro, e, por que não, do prazer em fazer arte, aprender em conjunto,duvidando de nossas certezas, tentando entender esse mundo em que vivemos, muitas vezestão caótico e incompreensível, como uma possibilidade de transgressão (HERNANDÈZ), demudança de paradigmas, de “desautomatização”, de “desrotinização” de nossas práticasescolares, de ver as coisas com outros olhos, ou pelo menos, a partir de outros pontos de vista,de forma mais poética.
  3. 3. 3REFERÊNCIAS³BARBOSA, Ana Mae. (org.) Inquietações e mudanças no ensino de arte. São Paulo: Cortez,2002.HERNANDEZ, Fernando. Cultura Visual, mudança educativa e projeto de trabalho. PortoAlegre: Artmed, 2000._____________. Transgressão e mudança na educação. Porto Alegre: Artmed, 1998.¹MARTINS, Miriam Celeste. Teoria e prática do ensino de arte: a língua do mundo. SãoPaulo: FTD. 2009.____________. Aprendiz da arte: trilhas do sensível olhar-pensante. São Paulo: EspaçoPedagógico, 1992.ROSSI, Maria Helena Wagner. Imagens que falam: leitura da arte na escola. Porto Alegre:Editora Mediação, 2003.Site:²PROJETO LER É ARTE. Disponível em http://projetolerearte.blogspot.com.br/ . Acesso em15/07/2012RITTMANN, Sônia Maris. Objetos de Aprendizagem, Mapas Conceituais, Pranchas deImagens. Plurissignificação. Disponível em http://plurissignificacao.blogspot.com.br/Acesso em 15³07/2012.

×