Diabetes

1.366 visualizações

Publicada em

Apresentação breve e simples sobre a doença diabetes mellitus

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.366
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
57
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Diabetes

  1. 1. DIABETES Dra. Giovana G. M. Vassaitis CRF/SP 69.387
  2. 2. O QUE É DIABETES? É uma doença decorrente da falta de insulina e/ou da incapacidade da insulina exercer sua função. Caracterizada pelo aumento da glicose (açúcar) no sangue. A insulina é um hormônio responsável por capturar a glicose no sangue e colocá-la dentro das células.
  3. 3. TIPOS DE DIABETES I. Tipo 1 Doença auto-imune, com destruição total das células beta do pâncreas (responsáveis pela produção de insulina). Se desenvolve na infância ou adolescência, e não pode ser tratada com comprimidos, apenas com insulina. II. Tipo 2 (+ 90%) Diminuição da produção e/ou resistência à insulina (tem insulina, mas ela não funciona). Na maioria se desenvolve após os 35 anos e está associado a outras doenças, como obesidade, hipertensão arterial e dislipidemia.
  4. 4. QUAIS SÃO OS SINTOMAS?
  5. 5. QUAIS OS FATORES DE RISCO? • Idade acima de 35 anos • Obesidade • História familiar de diabetes • Diabetes gestacional ou filhos nascidos com mais de 4 quilos • Hipertensão arterial sistêmica • Problemas de colesterol • Pré-Diabetes • Populações de risco (negros, hispânicos, escandinavos e indígenas)
  6. 6. EXAMES PARA DETECÇÃO • Glicemia em jejum: mede a glicose no sangue após 8 horas de jejum. • Teste oral de tolerância à glicose (TOTG ou Curva Glicêmica): mede a glicose no sangue após 8 horas de jejum e após 2 horas da ingestão de água com 75g de glicose. • Hemoglobina Glicada (HbA1c): usado apenas para acompanhamento de diabetes, reflete a glicemia dos últimos 120 dias.
  7. 7. QUAL O TRATAMENTO?
  8. 8. MEDICAMENTOS ORAIS Hipoglicemiantes Orais: Medicamentos que provocam a diminuição da glicemia plasmática (nível de açúcar do sangue). • Estimulando a produção de insulina:
  9. 9. MEDICAMENTOS ORAIS • Reduzindo a absorção de glicose: • Reduzindo a produção de glucagon:
  10. 10. INSULINAS Insulina de Ação Rápida (R) Também denominada Insulina Regular, Simples ou Cristalina. É uma solução clara de aspecto límpido e transparente, que tem inicio de ação aproximadamente em 30 minutos, com um pico de ação em 2 horas e um tempo de ação de 8 horas.
  11. 11. INSULINAS Insulina de Ação Intermediaria (NPH) A combinação de insulina e de uma substancia retardadora, resulta na formação de cristais que dão ao liquido aparência turva. A suspensão deve ser agitada suave e uniformemente antes de cada injeção. O inicio de ação é de aproximadamente de 1 hora e meia, com um pico de ação entre 4 e 12 horas, e um tempo de ação de 20 horas.
  12. 12. INSULINAS Insulina Premisturada (NPH+R) São preparados de insulina, pré-misturados de ação rápida e de ação intermediaria. Consequentemente esse tipo de preparação tem um perfil de ação combinado entre os dois tipos. O inicio de ação é de aproximadamente 30 minutos, um pico de 2 horas e um segundo pico entre 4 e 12 horas e um tempo de ação de 20 horas.
  13. 13. INSULINAS Análogos de Insulina com ação ultra-rápida e basal: Não ocorre na natureza, mas executa a mesma ação da insulina humana. São mais facilmente absorvidos, agem mais rapidamente do que a insulina natural (ultra- rápida), e aqueles que são liberados lentamente durante um período de 8 e 24 horas, portanto fornece um nível de insulina para o dia (basal). Ultra-rápida Basal
  14. 14. INSULINAS OBS: Todas as Insulinas e os Análogos estão padronizados em 100 (UI/ml). Estão disponíveis em frascos de 10 ml para aplicação com seringas e/ou em refil de 3,0 ml para aplicação no sistema de canetas (pen). LEMBRETE: 1mL = 100UI ou 1UI = 0,01mL
  15. 15. APLICAÇÃO INSULINA Desde que foi decidido pelo médico o tratamento com insulina, você deve prestar muita atenção no tipo de insulina prescrita, nas doses recomendadas, não podendo o paciente mudar nem o tipo, nem a dose, sem a devida orientação médica.
  16. 16. LOCAIS DE APLICAÇÃO DE INSULINA OBS: É importante alternar o local de cada aplicação de insulina, fazendo rodízio, pois quando uma área é utilizada muitas vezes para injetar-se, pode haver problemas degenerativos locais e prejudicar a absorção da insulina, não controlando bem o Diabetes.
  17. 17. AGULHAS, SERINGAS E CANETAS É comum perguntar-se: “Qual o tamanho de agulha mais indicado para o meu caso?” Ao iniciar-se a insulinoterapia a orientação quanto ao tamanho da agulha era baseado de acordo com o IMC (índice de massa corpórea) da pessoa. O conceito de que pessoas magras devem usar agulha mais curta, enquanto que pessoas com sobrepeso ou obesas devem usar agulha mais longa, começou a ser mudado após pesquisa cientifica apresentada no Congresso da Associação Americana de Diabetes (ADA), em 2010. Sabe-se que, deve-se aplicar insulina no tecido subcutâneo (camada abaixo da pele). A pesquisa demonstrou que a espessura da pele não ultrapassa a 3,2 mm e que a absorção da insulina não foi alterada quando aplicada com agulha de 4 mm quer em pessoas magras, com sobrepeso ou obesas. Obteve-se o mesmo controle glicêmico, comparado com pessoas que mantiveram a aplicação de insulina com o uso de agulhas tradicionais. Acredita-se que com mais esse avanço na aplicação de insulina, por ser mais confortável, praticamente indolor, levará a uma maior e melhor adesão dos diabéticos ao tratamento com insulina. Quanto menor o tamanho da agulha, menor o risco de ter aplicação IM (intramuscular).
  18. 18. AGULHAS, SERINGAS E CANETAS
  19. 19. AGULHAS, SERINGAS E CANETAS A escolha da seringa deve ser feita de acordo com a dose (quantidade) de insulina recomendada pelo médico.
  20. 20. AGULHAS, SERINGAS E CANETAS Uma caneta de insulina é um instrumento que se parece com uma caneta com cartucho. Algumas canetas utilizam cartuchos de insulina recarregáveis e outros modelos de canetas são descartáveis. Os usuários giram um disco para selecionar a dose desejada de insulina e pressionam um botão no final, para depositar a insulina logo abaixo da pele.
  21. 21. BOMBAS EXTERNA DE INSULINA As bombas externas de insulina se conectam a um tubo de plástico estreito e flexível que termina com uma agulha inserida logo abaixo da pele próxima do abdômen. Os usuários acertam a bomba para que ela dê um escoamento firme ou uma quantidade "basal" de insulina continuamente, ao longo do dia. O monitoramento freqüente de glicose sangüínea é essencial para determinar as dosagens de insulina e para assegurar que a insulina é fornecida.
  22. 22. HIPOGLICEMIA A hipoglicemia é a queda excessiva de açúcar no sangue. O aparecimento dos sintomas é rápida, e os níveis de glicose no sangue estão abaixo de 70 mg/dL. Causas da Hipoglicemia: • Excesso de exercícios físicos; • Falta de uma refeição regular ou fora do horário; • Pouca quantidade de alimentos; • Vômitos ou diarréia; ou infecções em geral • Administração de alta dose de insulina ou ingestão de maior quantidade de hipoglicemiantes orais; • Consumo de bebidas alcoólicas. Sintomas da Hipoglicemia: • Fome súbita; • Fadiga; • Tremores; • Tontura; • Taquicardia; • Suores; • Pele fria, pálida e úmida; • Visão turva ou dupla; • Dor de cabeça; • Dormência nos lábios e língua; • Irritabilidade; • Desorientação; • Mudança de comportamento; • Convulsões; • Limitação do conhecimento. Como evitar a Hipoglicemia. • Programar suas atividades físicas; • Ingerir alimentos extras antes de exercícios físicos; • Cumprir o plano alimentar: horário, quantidade e qualidade dos alimentos; • Informar seu médico imediatamente em caso de vômitos e diarréia, ou infecções agudas. • Utilizar a medicação prescrita nas doses e horários indicados pelo médico; • Evitar bebidas alcoólicas.
  23. 23. COMPLICAÇÕES E CUIDADOS Altos níveis de glicose no sangue podem provocar: • Alterações nos grandes e pequenos vasos sanguíneos • Alterações nos nervos • Diminuir a resistência do corpo no combate ás infecções • Problemas oculares • Doença renal • Ataques cardíacos • Derrame cerebral • Pressão alta • Má circulação, formigamento nas mãos e nos pés • Problemas sexuais • Amputações
  24. 24. CUIDADOS COM OS PÉS Os pacientes diabéticos devem cuidar muito bem dos pés, pois o diabetes pode afetar os nervos dos pés e causar problemas de circulação. Podem ter sensação de formigamento, perder a sensibilidade dos pés e não sentir dor, pressão ou alteração de temperatura. Se tiver uma lesão qualquer, podem não se dar conta dela imediatamente, ficando sujeita a infecções. A infecção ou falta de circulação do sangue pode causar até mesmo, necessidade de amputação.

×