SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 46
PNAIC- Pacto Nacional pela
Alfabetização na Idade Certa
Orientadora de Estudo Solange Goulart de Souza
Unidade 5 do ano 1 e 2 Gêneros textuais .
DATA Atividades do encontro Tarefas a
distância
8DEAGOSTODE2013
• Apresentar um vídeo “Agradecimento aos professores “
•Entregar o caderno do registro encapado . Leitura do registro
da ultima aula 17/06/2013. O caderno foi entregue à
alfabetizadora
•Socialização dos quadros de rotina do 1º ano e 2º ano
• Entrega dos trabalhos
•Socialização dos conceitos do lúdico
•Carta do projeto coruja e sorteio dos temas a serem
trabalhados.
• Trabalhar na unidade 5 ano 1 e ano 2 trabalhos com gêneros
textuais na sala de aula .
•
Os diferentes textos a serviço da perspectiva do alfabetizador letrando
Na unidade 5 ano 1
Os autores Soares (2004) e Morais (2005) fazem
críticas as atividades mecanizadas e
descontextualizadas da vivencia da criança . Nos
relatos dos nossos autores da literatura brasileira
percebe-se a forma como era vista a educação e o
ensino :
José Lins Rego : “ A preguiça é a chave da pobreza”
Graciliano Ramos : educação rígida
Atividades propostas giravam em torno da repetição ,
memorização de letras , sílabas, palavras e ou frases
soltas
Graciliano Ramos de
Oliveira foi um
romancista, cronista,
contista, jornalista,
político e memorialista
brasileiro do século XX,
mais conhecido por seu
livro Vidas Secas. 27 de
outubro de 1892,
20 de março de 1953,
José Lins do Rego Cavalcanti foi
um escritor brasileiro que, ao
lado de Graciliano Ramos, Érico
Veríssimo e Jorge Amado, figura
como um dos romancistas
regionalistas mais prestigiosos
da literatura nacional.
3 de julho de 1901
12 de setembro de 1957
Magda Soares ( 1998) “Alfabetizar” é adquirir a
tecnologia da escrita alfabética e tornam-se “letrados”
ou seja fazem uso efetivo e competente desta
tecnologia da escrita em situações reais de leitura e
produção de textos
João Ubaldo Ribeiro relata em um texto Memória de
um Livro (1995) , sua vivência na infância com os
livros. “Livros por toda parte da casa “
A leitura e a escrita segundo os autores Leal ( 2005 ) e
Santos ( 2005) não devem ser praticas espontâneas
todavia devem ter um significado ao grupo e a criança .
João Ubaldo Osório Pimentel
Ribeiro é um escritor, jornalista,
roteirista e professor brasileiro,
formado em direito e membro
da Academia Brasileira de Letras.
É ganhador do Prêmio Camões
de 2008, maior premiação para
autores de língua portuguesa.
Livro famoso : Casa dos Budas
Ditosos. 1999
Os diferentes textos a serviço da perspectiva do alfabetizador letrando
Pagina 8 unidade 5
O desafio é pensar sobre situações diversificadas de leitura e escrita . Estas situações ,
segundo Leal e Albuquerque ( 2005) podem ser agrupadas em quatro tipos principais :
Um trabalho efetivo implica , portanto na realização em sala de aula de
atividades as mais variadas, em torno dos eixos e deve ser componente
curricular Língua Portuguesa.
Oralidade
Análise lingüísticaLeitura
Produção textual
DIREITOS DE APRENDIZAGEM .
Unidade 1 ano 1 e 2
Fala e escrita parte 1
Que contribuições podem oferecer às crianças ,quando a leitura é feita por outras
pessoas?
Que contribuições podem ser dadas quando a criança é estimulada a ler com
autonomia?
Fala e escrita parte 2
Que contribuições podem ser dadas quando a criança é estimulada a ler com
autonomia?
Quais contribuições podem ser dadas quando produzimos textos com nosso
alunos ?
Quais contribuições podem ser dadas quando encorajamos nossas crianças
escreverem sozinhas ?
Em relação aos textos orais , também podemos destacar que é relevante promover situações
planejadas de ensino , que possam ajudar as crianças aprender a:
Fala e escrita parte 3
PNAIC- Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa.
11º Encontro – Orientadora Solange Goulart de Souza.
Dia 15 de agosto de 2013 .
Continuação do Caderno do PNAIC Unidade 5 – Os diferentes textos
nas salas de aula .
Data Atividades do encontro Tarefas
11ºencontrodoPNAIC–Data15/08/2013
Leitura do Caderno de Registro.
 Vídeo da Mafalda – Ensino tradicional .
 Construindo uma história em grupo
.Instrumento musical de percussão Pau de
Chuva .
Costurando idéias com o grupo sobre nosso
projeto “ As visitas das corujas às escolas”.
 Entrega dos quadros de rotina .
 Continuar o Estudo do caderno 5 ano 1 e 2
do PNAIC .
Atividades com os cadernos .
Entrar em acordo com o
grupo .
Quais necessidades do
grupo.
Construção do projeto “ Visita das corujas às escolas”
Trabalhar sobre os eixos de ensino pois culminam os direitos de
aprendizagem e alguns itens da avaliação do município.
Analise lingüística : Alice , Elisiane , Solange , Rosangela , Ana Paula .
Oralidade :
Produção Textual :Luciana e Maria Tereza .
Leitura : Maria do Carmo , Lidiane , Maria Luiza , Carmem, Marineusa .
Unidade 5 ano 2
Por que ensinar gêneros textuais na escola ?
Unidade 5 ano 2
Por que ensinar gêneros textuais na escola ?
Que cuidados devemos tomar quando trabalhamos a alfabetização na
perspectiva do letramento .
Aprofundamento sobre os gêneros textuais
Conforme os PCNs a língua falada e língua escrita não se opõem de
forma dicotômica nem são produções em situações polares .
Os gêneros são textos que apresentam elementos mais ou menos estáveis , estando
diretamente ligados a situações sociais onde ocorrem interações pela linguagem , e
surgem ou desaparecem de acordo com novas necessidades sociais .
Tipo textual Gênero textual Domínio discursivo
Narração
Cultura literária ficcional
Conto maravilhoso , contos de fadas ,
fábulas , lendas , narrativa de aventura ,
romance , novela, piada , paródia ,
conto , narrativa de ficção científica ,
narrativa mítica .
Argumentação
Discussão de problemas
sociais controversos
Texto de opinião, carta ao leitor , carta
de reclamação , carta de solicitação,
deliberação informal ,,editorial
,requerimento , ensaio , resenha crítica
dialogo argumentativo debate regrado,
discurso de defesa . Jurídico , discurso
jornalístico.
Exposição
Transmissão e construção de
saberes
Texto expositivo , artigo enciclopédico ,
entrevista de especialista , texto
explicativo, tomada de notas , resumos
de textos explicativos e expositivos,
resenhas , relatórios científicos , relato
de experiências científicas
Conferencia
Descrição
Instruções e prescrições
Instruções de uso , instruções de
montagem , receita , regulamento ,
regras de jogo, consignas diversas ,
textos prescritivos
Descrever algo .
Relatar
Documentação e
memorização das ações
humanas
Relatos de experiência vivida , relatos de
viagem, diário íntimo , testemunho ,
anedota , autobiografia , notícia ,
reportagem , currículo vitae , crônica
mundana , crônica esportiva , biografia
Testemunho
Tipo de suportes
OUTDOOR
QUADRO DE AVISOS
TELEFONE
REVISTA CIENTÍFICA
REVISTA
JORNAL
LIVRO DIDÁTICO
LIVRO
ENCARTE
FOLDER
LUMINOSOS
FAIXAS
EMBALAGENS
PARA-CHOQUES E
PARALAMAS DE
CAMINHÃO
ROUPAS
CORPO HUMANO
PAREDES
MUROS
PARADAS DE ÔNIBUS
ESTAÇÃO DE METRÔ
CALÇADA , FACHADAS
CORREIOS
PROGRAMA DE, E-MAIL
INTERNET
HOMAPAGE E SITE
MODALIDADE ESCRITA ESFERAS
DISCURSIVAS
Esfera escolar
Verbete de enciclopédia infantil;
Artigo de divulgação científica para
crianças.
Explicação; Exposição oral
Esfera jornalístIca
Manchete; Notícia; Entrevista;
Resenha; Artigo de opinião
Notícia televisiva e radiofônica;
Comentário de notícias; Relato de
acontecimento do cotidiano;
Entrevista
Esfera literária
Conto de repetição; Conto
Tradicional; Fábula; Lenda e Mito;
Canção; Cordel; Poema Visual;
Poema
Conto de repetição; Conto
Tradicional; Fábula; Lenda e Mito;
Canção; Cordel; Rap
Esfera cotidiana
Bilhete; Receita; Regras de jogos;
Carta, E-mail; Roteiro e mapa de
localização.
Recado; Receita; Regras de jogos;
Relato de experiências vividas;
Descrição de itinerário
Esfera da vida pública
Carta de solicitação e de
reclamação; Requerimento e carta
de solicitação, de reclamação;
Estatuto; Currículo
Debate; Solicitação, reclamação;
Debate regrado; Entrevista
profissional
PROCEDIMENTOS ENVOLVIDOS NO MODELO DAS SEQUÊNCIAS DIDÁTICAS
1ºApresentação da proposta de trabalho
2ºAvaliando o conhecimento prévio do
aluno
3ºApresentando o gênero
4ºPropor ao aluno a escrita do texto
6ºOrganizar e sistematizar o
conhecimento sobre o gênero
5ºAmpliar o repertório do aluno
7ºFazer uma produção escrita coletiva
8ºFazer uma produção escrita individual
9ºFazer uma revisão e reescrever
individualmente
10ºSocialização do conhecimento
Textos literários ( contos, poemas,
história em quadrinhos);
· Jornalísticos (notícias);
· Epistolares (cartas, bilhetes, cartões,
convites);
· Publicitários (anúncios, propagandas);
· Instrucionais ( receitas, listagens,
manuais de instrução);
· Textos não-verbais, mistos e
humorísticos (rótulos, logotipos, placas);
· Científicos (tabelas, gráficos);
· Informativos e outros
Uma dica interessante é elaborar
um portifólio com as crianças. Você pode
pedir que elas tragam de casa diferentes
gêneros textuais:
Com os que ainda não dominam a leitura
e a escrita pode-se fazer um trabalho
com oralidade e depois um texto
coletivo.
A professora será a escriba das crianças.
Depois elas copiarão o texto coletivo do
quadro.
Os maiores podem criar suas próprias
produções, observando a ligação entre a
linguagem oral e a escrita.
Através destas atividades, as crianças irão
perceber que a linguagem, além de
transmitir informações, pode revelar o
que elas pensam (real ou imaginário),
contribuindo para a formação de
operações mentais mais complexas.
Tente usar o recurso do portifólio com
seus alunos. Garanto que eles vão
adorar!!!
Receitas, bulas de remédio, instruções de jogo,
manuais de funcionamento e de uso de aparelhos
domésticos e de máquinas, prospectos de
concursos, manuais do consumidor, guias de
cidades, folhetos explicativos sobre prevenção de
doenças e epidemias, etc.; são textos que
diariamente circulam entre nós, dando-nos
orientações, por meio de uma linguagem clara e
objetiva.
Alguns apresentam uma estrutura mais ou menos
padronizada, como as receitas e as bulas de
remédio; os demais empregam a forma que for
mais conveniente para atingir sua principal
finalidade: INSTRUIR O LEITOR.
A receita é um gênero textual que apresenta
duas partes bem definidas – ingredientes e
modo de fazer -, que podem ou não vir
indicadas por títulos. A primeira parte apenas
relaciona os ingredientes, estipulando as
quantidades necessárias, indicadas em gramas,
xícaras, colheres, pitadas, etc.
No modo de fazer, os verbos se apresentam
quase sempre no modo imperativo (o modo
verbal que expressa ordem, conselho, etc.)
Essa parte indica, passo a passo, a sequência
dos procedimentos e da junção dos
ingredientes a ser seguida para se obter o
melhor resultado da receita
– Exemplo: pastéis de forno recheados de
goiaba. Às vezes, o imperativo é substituído
pelo infinitivo, como, por exemplo, “Preparar a
massa: misturar com as pontas dos dedos [...]”,
“Aos poucos, abrir pequenas porções da massa
[...]”, etc.
Características da RECEITA:
.
~ Contém título;
.
~ Normalmente apresenta uma estrutura
constituída de: título, ingredientes e modo de
preparo ou de fazer;
.
~ No modo de fazer, os verbos geralmente são
empregados no imperativo;
.
~ Pode conter indicação de calorias por porção,
rendimento, dicas de preparo ou de como
decorar e servir, etc.;
.
~ A linguagem direta, clara e objetiva;
.
~ Emprega o padrão culto da língua.
.
Trabalho com o gênero RECEITA
1- Apresentação de uma situação ( necessidade/
motivo da produção)
Receita da bruxa
2- Seleção do gênero textual
3- Reconhecimento do gênero selecionado
a) Pesquisa sobre o gênero
b) Leitura de textos do gênero, explorando e
estabelecendo relações entre:
Sua função social:
.Para que serve este gênero?
.Como tomamos geralmente conhecimento
desse gênero?
.Onde se encontram escritos?
. Quem costuma ler textos desse gênero ?
. São textos que divertem ou ensinam? Como
percebemos isso
Seu conteúdo temático:
• As receitas exploram que assunto? Por quê?
• Do que falam as receitas ?
• As receitas possuem indicação do autor ?
• O que mais as crianças sabem sobre o
assunto?
• Qual a importância da receita ?
Sua estrutura composicional:
• Como estão organizadas as receitas?
• Poderá convidar os alunos para observar os
suportes e as receitas que estão em exposição
na sala?
• Perceber: o que há de comum em todas elas?
O que há de diferente? Como estão
organizadas?
c) Seleção de um texto do
gênero para um estudo
mais específico
RECEITA DE BRIGADEIRO
Para o grupo pensar...
• Vamos organizar as atividades com o gênero
considerando...
- Sua função social
- Seu conteúdo temático
- sua estrutura composicional
- Seu estilo ( análise linguística)
4- PRODUÇÃO DE TEXTO DO GÊNERO
• - Apresentar os ingredientes da receita e os alunos
escreverem o modo de fazer
Ex: Receita de brigadeiro
• 1 lata de leite condensado
• 4 colheres (sopa) de chocolate em pó ou achocolatado
• 1 colher (sopa) de margarina
• chocolate granulado ou granulado colorido
Modo de fazer: ( produção escrita)
5- Reescrita do texto
• Como você trabalharia a reescrita dessa
receita? Que aspecto(s) poderia(m) ser
privilegiado(s)?
• Você pode refletir com seus alunos, os
seguintes pontos:
Revisem o texto que vocês escreveram,
verificando se:
a) está dividido em duas partes: ingredientes e
modo de fazer;
b) contém todos os ingredientes necessários;
c) apresenta detalhadamente como fazer o
brigadeiro;
Ler e reler o que escrevemos para
comprovar se o texto expressa bem
nossa intenção, se é apropriado para
aqueles que vão ler, se é coerente, isto
é, se é clara a idéia central e subtemas,
se as partes do texto estão bem
conectadas, se tem a forma adequada
ao tipo de texto, se a ortografia é
correta e a sintaxe apropriada;
6- Circulação do gênero
• Como vocês poderão fazer circular a receita de
brigadeiro escrita pelas crianças ....
PARA FINALIZAR....
Agora vamos
escrever uma
receita de
memória para os
nossos colegas ....

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Oralidade e gêneros orais: um olhar sobre as práticas orais em sala de aula
Oralidade e gêneros orais: um olhar sobre as práticas orais em sala de aulaOralidade e gêneros orais: um olhar sobre as práticas orais em sala de aula
Oralidade e gêneros orais: um olhar sobre as práticas orais em sala de aulaDenise Oliveira
 
Direitos de aprendizagem oralidade
Direitos de aprendizagem   oralidadeDireitos de aprendizagem   oralidade
Direitos de aprendizagem oralidademariaelidias
 
OT Lingua Portuguesa - escolas prioritarias
OT Lingua Portuguesa - escolas prioritariasOT Lingua Portuguesa - escolas prioritarias
OT Lingua Portuguesa - escolas prioritariasClaudia Elisabete Silva
 
Generostextuais3 130820223103-phpapp01
Generostextuais3 130820223103-phpapp01Generostextuais3 130820223103-phpapp01
Generostextuais3 130820223103-phpapp01Jhosyrene Oliveira
 
Unidade 5 - PNAIC - Gêneros Textuais
Unidade 5 - PNAIC - Gêneros TextuaisUnidade 5 - PNAIC - Gêneros Textuais
Unidade 5 - PNAIC - Gêneros TextuaisElaine Cruz
 
2ª formação leitura e escrita
2ª formação   leitura e escrita2ª formação   leitura e escrita
2ª formação leitura e escritaPNAIC UFSCar
 
Projeto ProduçãO De Textos
Projeto ProduçãO De TextosProjeto ProduçãO De Textos
Projeto ProduçãO De Textosguest67b92
 
LEITURA NOS ANOS INICIAIS - ENSINO FUNDAMENTAL
LEITURA NOS ANOS INICIAIS - ENSINO FUNDAMENTALLEITURA NOS ANOS INICIAIS - ENSINO FUNDAMENTAL
LEITURA NOS ANOS INICIAIS - ENSINO FUNDAMENTALEdlauva Santos
 
Gêneros textuais
Gêneros textuaisGêneros textuais
Gêneros textuaisNAPNE
 
Eixos Língua Portuguesa
Eixos Língua PortuguesaEixos Língua Portuguesa
Eixos Língua PortuguesaShirley Lauria
 
Pnaic producao textos_orais_escritos
Pnaic producao textos_orais_escritosPnaic producao textos_orais_escritos
Pnaic producao textos_orais_escritosClaudio Pessoa
 
Gêneros textuais na sala de aula
Gêneros textuais na sala de aulaGêneros textuais na sala de aula
Gêneros textuais na sala de aulaRosilane
 
Direitos de aprendizagem produção de textos
Direitos de aprendizagem   produção de textosDireitos de aprendizagem   produção de textos
Direitos de aprendizagem produção de textosmariaelidias
 
1.lingua portuguesa-4o-e-5o-ano
1.lingua portuguesa-4o-e-5o-ano1.lingua portuguesa-4o-e-5o-ano
1.lingua portuguesa-4o-e-5o-anoMaria Vasconcellos
 
Direitos de aprendizagem leitura
Direitos de aprendizagem   leituraDireitos de aprendizagem   leitura
Direitos de aprendizagem leituramariaelidias
 

Mais procurados (20)

Projeto - Os gêneros textuais na EJA
Projeto - Os gêneros textuais na EJAProjeto - Os gêneros textuais na EJA
Projeto - Os gêneros textuais na EJA
 
Oralidade e gêneros orais: um olhar sobre as práticas orais em sala de aula
Oralidade e gêneros orais: um olhar sobre as práticas orais em sala de aulaOralidade e gêneros orais: um olhar sobre as práticas orais em sala de aula
Oralidade e gêneros orais: um olhar sobre as práticas orais em sala de aula
 
Gêneros textuais
Gêneros textuaisGêneros textuais
Gêneros textuais
 
Direitos de aprendizagem oralidade
Direitos de aprendizagem   oralidadeDireitos de aprendizagem   oralidade
Direitos de aprendizagem oralidade
 
OT Lingua Portuguesa - escolas prioritarias
OT Lingua Portuguesa - escolas prioritariasOT Lingua Portuguesa - escolas prioritarias
OT Lingua Portuguesa - escolas prioritarias
 
Generostextuais3 130820223103-phpapp01
Generostextuais3 130820223103-phpapp01Generostextuais3 130820223103-phpapp01
Generostextuais3 130820223103-phpapp01
 
Unidade 5 - parte 2
Unidade 5 - parte 2Unidade 5 - parte 2
Unidade 5 - parte 2
 
Pacto lp unidade 1
Pacto lp   unidade 1Pacto lp   unidade 1
Pacto lp unidade 1
 
Unidade 5 - PNAIC - Gêneros Textuais
Unidade 5 - PNAIC - Gêneros TextuaisUnidade 5 - PNAIC - Gêneros Textuais
Unidade 5 - PNAIC - Gêneros Textuais
 
2ª formação leitura e escrita
2ª formação   leitura e escrita2ª formação   leitura e escrita
2ª formação leitura e escrita
 
Projeto ProduçãO De Textos
Projeto ProduçãO De TextosProjeto ProduçãO De Textos
Projeto ProduçãO De Textos
 
LEITURA NOS ANOS INICIAIS - ENSINO FUNDAMENTAL
LEITURA NOS ANOS INICIAIS - ENSINO FUNDAMENTALLEITURA NOS ANOS INICIAIS - ENSINO FUNDAMENTAL
LEITURA NOS ANOS INICIAIS - ENSINO FUNDAMENTAL
 
Gêneros textuais
Gêneros textuaisGêneros textuais
Gêneros textuais
 
Eixos Língua Portuguesa
Eixos Língua PortuguesaEixos Língua Portuguesa
Eixos Língua Portuguesa
 
Pnaic producao textos_orais_escritos
Pnaic producao textos_orais_escritosPnaic producao textos_orais_escritos
Pnaic producao textos_orais_escritos
 
Generos textuais ano 2
Generos textuais ano 2Generos textuais ano 2
Generos textuais ano 2
 
Gêneros textuais na sala de aula
Gêneros textuais na sala de aulaGêneros textuais na sala de aula
Gêneros textuais na sala de aula
 
Direitos de aprendizagem produção de textos
Direitos de aprendizagem   produção de textosDireitos de aprendizagem   produção de textos
Direitos de aprendizagem produção de textos
 
1.lingua portuguesa-4o-e-5o-ano
1.lingua portuguesa-4o-e-5o-ano1.lingua portuguesa-4o-e-5o-ano
1.lingua portuguesa-4o-e-5o-ano
 
Direitos de aprendizagem leitura
Direitos de aprendizagem   leituraDireitos de aprendizagem   leitura
Direitos de aprendizagem leitura
 

Destaque

COLETÂNEA DE ATIVIDADES DO 5º ANO
COLETÂNEA DE ATIVIDADES DO 5º ANOCOLETÂNEA DE ATIVIDADES DO 5º ANO
COLETÂNEA DE ATIVIDADES DO 5º ANOMara Sueli
 
LINGUA PORTUGUES CADERNO DE ATIVIDADE 5º ANO_1º_e_2º_BIMESTRE-PAIC+ ALUNO
LINGUA PORTUGUES CADERNO DE ATIVIDADE 5º ANO_1º_e_2º_BIMESTRE-PAIC+ ALUNOLINGUA PORTUGUES CADERNO DE ATIVIDADE 5º ANO_1º_e_2º_BIMESTRE-PAIC+ ALUNO
LINGUA PORTUGUES CADERNO DE ATIVIDADE 5º ANO_1º_e_2º_BIMESTRE-PAIC+ ALUNOorientadoresdeestudopaic
 
Oficina de produção de texto
Oficina de produção de textoOficina de produção de texto
Oficina de produção de textoElia Rejany
 
Caderno de atividade - 5º ano - Programa Primeiros Saberes da Infância
Caderno de atividade - 5º ano - Programa Primeiros Saberes da InfânciaCaderno de atividade - 5º ano - Programa Primeiros Saberes da Infância
Caderno de atividade - 5º ano - Programa Primeiros Saberes da InfânciaJairo Felipe
 
Unidade 5 a diversidade textual em sala de aula final
Unidade 5 a diversidade textual em sala de aula  finalUnidade 5 a diversidade textual em sala de aula  final
Unidade 5 a diversidade textual em sala de aula finalNaysa Taboada
 
Simulado com descritores PROEB português 5º ano
Simulado com descritores PROEB português 5º anoSimulado com descritores PROEB português 5º ano
Simulado com descritores PROEB português 5º anoSilvânia Silveira
 
Atividade para trabalhar com dificuldades ortográficas
Atividade para trabalhar com dificuldades ortográficasAtividade para trabalhar com dificuldades ortográficas
Atividade para trabalhar com dificuldades ortográficasDaiana Neumann
 
Leitura e interpretacao_de_textos
Leitura e interpretacao_de_textosLeitura e interpretacao_de_textos
Leitura e interpretacao_de_textosMarcos Ataide
 
SIMULADO 4º ANO FUNDAMENTAL
SIMULADO 4º ANO FUNDAMENTALSIMULADO 4º ANO FUNDAMENTAL
SIMULADO 4º ANO FUNDAMENTALCristina Brandão
 
Atividades lúdicas interpretação e produção de texto
Atividades lúdicas interpretação e produção de textoAtividades lúdicas interpretação e produção de texto
Atividades lúdicas interpretação e produção de textoSilvana Pinto
 
O Gênero Literário Ficção Científica
O Gênero Literário Ficção CientíficaO Gênero Literário Ficção Científica
O Gênero Literário Ficção CientíficaKathy Vasconcellos
 
Conteúdos diversos 5 ano português
Conteúdos diversos 5 ano portuguêsConteúdos diversos 5 ano português
Conteúdos diversos 5 ano portuguêsCarla Silva
 

Destaque (20)

Apostila gêneros textuais 4º ano
Apostila gêneros textuais  4º anoApostila gêneros textuais  4º ano
Apostila gêneros textuais 4º ano
 
Unidade 5 - parte 1
Unidade 5 - parte 1Unidade 5 - parte 1
Unidade 5 - parte 1
 
COLETÂNEA DE ATIVIDADES DO 5º ANO
COLETÂNEA DE ATIVIDADES DO 5º ANOCOLETÂNEA DE ATIVIDADES DO 5º ANO
COLETÂNEA DE ATIVIDADES DO 5º ANO
 
145 EXERCÍCIOS DE ORTOGRAFIA
145 EXERCÍCIOS DE ORTOGRAFIA145 EXERCÍCIOS DE ORTOGRAFIA
145 EXERCÍCIOS DE ORTOGRAFIA
 
Avaliacao bimestral-de-lingua-portuguesa 5
Avaliacao bimestral-de-lingua-portuguesa 5Avaliacao bimestral-de-lingua-portuguesa 5
Avaliacao bimestral-de-lingua-portuguesa 5
 
LINGUA PORTUGUES CADERNO DE ATIVIDADE 5º ANO_1º_e_2º_BIMESTRE-PAIC+ ALUNO
LINGUA PORTUGUES CADERNO DE ATIVIDADE 5º ANO_1º_e_2º_BIMESTRE-PAIC+ ALUNOLINGUA PORTUGUES CADERNO DE ATIVIDADE 5º ANO_1º_e_2º_BIMESTRE-PAIC+ ALUNO
LINGUA PORTUGUES CADERNO DE ATIVIDADE 5º ANO_1º_e_2º_BIMESTRE-PAIC+ ALUNO
 
Oficina de produção de texto
Oficina de produção de textoOficina de produção de texto
Oficina de produção de texto
 
Caderno de atividade - 5º ano - Programa Primeiros Saberes da Infância
Caderno de atividade - 5º ano - Programa Primeiros Saberes da InfânciaCaderno de atividade - 5º ano - Programa Primeiros Saberes da Infância
Caderno de atividade - 5º ano - Programa Primeiros Saberes da Infância
 
Unidade 5 a diversidade textual em sala de aula final
Unidade 5 a diversidade textual em sala de aula  finalUnidade 5 a diversidade textual em sala de aula  final
Unidade 5 a diversidade textual em sala de aula final
 
Simulado com descritores PROEB português 5º ano
Simulado com descritores PROEB português 5º anoSimulado com descritores PROEB português 5º ano
Simulado com descritores PROEB português 5º ano
 
Atividade para trabalhar com dificuldades ortográficas
Atividade para trabalhar com dificuldades ortográficasAtividade para trabalhar com dificuldades ortográficas
Atividade para trabalhar com dificuldades ortográficas
 
Apostila texto
Apostila textoApostila texto
Apostila texto
 
Leitura e interpretacao_de_textos
Leitura e interpretacao_de_textosLeitura e interpretacao_de_textos
Leitura e interpretacao_de_textos
 
SIMULADO 4º ANO FUNDAMENTAL
SIMULADO 4º ANO FUNDAMENTALSIMULADO 4º ANO FUNDAMENTAL
SIMULADO 4º ANO FUNDAMENTAL
 
Simulado 5 ano
Simulado 5 anoSimulado 5 ano
Simulado 5 ano
 
Atividades lúdicas interpretação e produção de texto
Atividades lúdicas interpretação e produção de textoAtividades lúdicas interpretação e produção de texto
Atividades lúdicas interpretação e produção de texto
 
O Gênero Literário Ficção Científica
O Gênero Literário Ficção CientíficaO Gênero Literário Ficção Científica
O Gênero Literário Ficção Científica
 
Conteúdos diversos 5 ano português
Conteúdos diversos 5 ano portuguêsConteúdos diversos 5 ano português
Conteúdos diversos 5 ano português
 
Bolo de chocolate
Bolo de chocolateBolo de chocolate
Bolo de chocolate
 
5 ano
5 ano5 ano
5 ano
 

Semelhante a PNAIC e gêneros textuais na alfabetização

Generostextuaisparte1 130731201208-phpapp02
Generostextuaisparte1 130731201208-phpapp02Generostextuaisparte1 130731201208-phpapp02
Generostextuaisparte1 130731201208-phpapp02Jhosyrene Oliveira
 
Reuniao de Agosto - EJA
Reuniao de Agosto - EJAReuniao de Agosto - EJA
Reuniao de Agosto - EJAntm.pedagogico
 
Apresentaçãp projeto de leitura nos anos iniciais
Apresentaçãp projeto de leitura nos anos iniciaisApresentaçãp projeto de leitura nos anos iniciais
Apresentaçãp projeto de leitura nos anos iniciaisleao162010
 
Universidade do estado do rio de janeiro
Universidade do estado do rio de janeiroUniversidade do estado do rio de janeiro
Universidade do estado do rio de janeiromarta santos
 
Alive: apresentação da coleção ALIVE
Alive: apresentação da coleção ALIVEAlive: apresentação da coleção ALIVE
Alive: apresentação da coleção ALIVEVera Menezes
 
Slide jornada 1 - Fundamental 1
Slide jornada 1 - Fundamental 1Slide jornada 1 - Fundamental 1
Slide jornada 1 - Fundamental 1cfvila
 
Relatos de experiências.ppt
Relatos de experiências.pptRelatos de experiências.ppt
Relatos de experiências.pptLidiane Freitas
 
Unidade 5 a diversidade textual e as áreas de conhecimento versão final
Unidade 5 a diversidade textual e as áreas de conhecimento versão finalUnidade 5 a diversidade textual e as áreas de conhecimento versão final
Unidade 5 a diversidade textual e as áreas de conhecimento versão finalNaysa Taboada
 
FORMAÇÃO DO SEGUNDO CICLO NO MUNICÍPIO DE PONTES E LACERDA
FORMAÇÃO DO SEGUNDO CICLO NO MUNICÍPIO DE PONTES E LACERDAFORMAÇÃO DO SEGUNDO CICLO NO MUNICÍPIO DE PONTES E LACERDA
FORMAÇÃO DO SEGUNDO CICLO NO MUNICÍPIO DE PONTES E LACERDAweleslima
 
Análise de livro didático-CEREJA
Análise de livro didático-CEREJAAnálise de livro didático-CEREJA
Análise de livro didático-CEREJAÉrica Camargo
 
Situações que a rotina necessita contemplar
Situações que a rotina necessita contemplarSituações que a rotina necessita contemplar
Situações que a rotina necessita contemplarorientacoesdidaticas
 
Situaesquearotinanecessitacontemplar 120628125647-phpapp01
Situaesquearotinanecessitacontemplar 120628125647-phpapp01Situaesquearotinanecessitacontemplar 120628125647-phpapp01
Situaesquearotinanecessitacontemplar 120628125647-phpapp01Isabela Maggot
 
Situaesquearotinanecessitacontemplar 120628125647-phpapp01
Situaesquearotinanecessitacontemplar 120628125647-phpapp01Situaesquearotinanecessitacontemplar 120628125647-phpapp01
Situaesquearotinanecessitacontemplar 120628125647-phpapp01Flávia Boni
 
Plano de curso 7 ano 2017
Plano de curso 7 ano 2017Plano de curso 7 ano 2017
Plano de curso 7 ano 2017Jaiza Nobre
 
Trilhas pedagógicas correta pronta
Trilhas pedagógicas correta prontaTrilhas pedagógicas correta pronta
Trilhas pedagógicas correta prontaTatiana Schiavon
 
Oficina de Gêneros Textuais em sala de aula
Oficina de Gêneros Textuais em sala de aulaOficina de Gêneros Textuais em sala de aula
Oficina de Gêneros Textuais em sala de aulaJosilene Borges
 
Reescrevendo histórias
Reescrevendo históriasReescrevendo histórias
Reescrevendo históriasNeemias
 

Semelhante a PNAIC e gêneros textuais na alfabetização (20)

Gêneros textuais anos inicias
Gêneros textuais   anos iniciasGêneros textuais   anos inicias
Gêneros textuais anos inicias
 
Generostextuaisparte1 130731201208-phpapp02
Generostextuaisparte1 130731201208-phpapp02Generostextuaisparte1 130731201208-phpapp02
Generostextuaisparte1 130731201208-phpapp02
 
Reunião de Agosto
Reunião de AgostoReunião de Agosto
Reunião de Agosto
 
Generostextuaisparte1 130731201208-phpapp02
Generostextuaisparte1 130731201208-phpapp02Generostextuaisparte1 130731201208-phpapp02
Generostextuaisparte1 130731201208-phpapp02
 
Reuniao de Agosto - EJA
Reuniao de Agosto - EJAReuniao de Agosto - EJA
Reuniao de Agosto - EJA
 
Apresentaçãp projeto de leitura nos anos iniciais
Apresentaçãp projeto de leitura nos anos iniciaisApresentaçãp projeto de leitura nos anos iniciais
Apresentaçãp projeto de leitura nos anos iniciais
 
Universidade do estado do rio de janeiro
Universidade do estado do rio de janeiroUniversidade do estado do rio de janeiro
Universidade do estado do rio de janeiro
 
Alive: apresentação da coleção ALIVE
Alive: apresentação da coleção ALIVEAlive: apresentação da coleção ALIVE
Alive: apresentação da coleção ALIVE
 
Slide jornada 1 - Fundamental 1
Slide jornada 1 - Fundamental 1Slide jornada 1 - Fundamental 1
Slide jornada 1 - Fundamental 1
 
Relatos de experiências.ppt
Relatos de experiências.pptRelatos de experiências.ppt
Relatos de experiências.ppt
 
Unidade 5 a diversidade textual e as áreas de conhecimento versão final
Unidade 5 a diversidade textual e as áreas de conhecimento versão finalUnidade 5 a diversidade textual e as áreas de conhecimento versão final
Unidade 5 a diversidade textual e as áreas de conhecimento versão final
 
FORMAÇÃO DO SEGUNDO CICLO NO MUNICÍPIO DE PONTES E LACERDA
FORMAÇÃO DO SEGUNDO CICLO NO MUNICÍPIO DE PONTES E LACERDAFORMAÇÃO DO SEGUNDO CICLO NO MUNICÍPIO DE PONTES E LACERDA
FORMAÇÃO DO SEGUNDO CICLO NO MUNICÍPIO DE PONTES E LACERDA
 
Análise de livro didático-CEREJA
Análise de livro didático-CEREJAAnálise de livro didático-CEREJA
Análise de livro didático-CEREJA
 
Situações que a rotina necessita contemplar
Situações que a rotina necessita contemplarSituações que a rotina necessita contemplar
Situações que a rotina necessita contemplar
 
Situaesquearotinanecessitacontemplar 120628125647-phpapp01
Situaesquearotinanecessitacontemplar 120628125647-phpapp01Situaesquearotinanecessitacontemplar 120628125647-phpapp01
Situaesquearotinanecessitacontemplar 120628125647-phpapp01
 
Situaesquearotinanecessitacontemplar 120628125647-phpapp01
Situaesquearotinanecessitacontemplar 120628125647-phpapp01Situaesquearotinanecessitacontemplar 120628125647-phpapp01
Situaesquearotinanecessitacontemplar 120628125647-phpapp01
 
Plano de curso 7 ano 2017
Plano de curso 7 ano 2017Plano de curso 7 ano 2017
Plano de curso 7 ano 2017
 
Trilhas pedagógicas correta pronta
Trilhas pedagógicas correta prontaTrilhas pedagógicas correta pronta
Trilhas pedagógicas correta pronta
 
Oficina de Gêneros Textuais em sala de aula
Oficina de Gêneros Textuais em sala de aulaOficina de Gêneros Textuais em sala de aula
Oficina de Gêneros Textuais em sala de aula
 
Reescrevendo histórias
Reescrevendo históriasReescrevendo histórias
Reescrevendo histórias
 

Mais de Solange Goulart

PNAIC Orientadora de Estudos Solange Goulart de Souza - Girafa e o mede palmo
PNAIC Orientadora de Estudos Solange Goulart de Souza - Girafa e o mede palmo PNAIC Orientadora de Estudos Solange Goulart de Souza - Girafa e o mede palmo
PNAIC Orientadora de Estudos Solange Goulart de Souza - Girafa e o mede palmo Solange Goulart
 
PNAIC Grandezas e medidas .Girafa e o Mede Palmo .
PNAIC Grandezas e medidas .Girafa e o Mede Palmo .PNAIC Grandezas e medidas .Girafa e o Mede Palmo .
PNAIC Grandezas e medidas .Girafa e o Mede Palmo .Solange Goulart
 
PNAIC Caderno Medidas e Grandezas Caderno 6
PNAIC Caderno Medidas e Grandezas Caderno 6PNAIC Caderno Medidas e Grandezas Caderno 6
PNAIC Caderno Medidas e Grandezas Caderno 6Solange Goulart
 
PNAIC - Orientadora de Estudos Solange Goulart de Souza . Município de Biguaçu
PNAIC - Orientadora de Estudos Solange Goulart de Souza . Município de Biguaçu PNAIC - Orientadora de Estudos Solange Goulart de Souza . Município de Biguaçu
PNAIC - Orientadora de Estudos Solange Goulart de Souza . Município de Biguaçu Solange Goulart
 
Encontro do dia 11/08/2014 Caderno 5 Geometria PNAIC Orientadora Solange Goul...
Encontro do dia 11/08/2014 Caderno 5 Geometria PNAIC Orientadora Solange Goul...Encontro do dia 11/08/2014 Caderno 5 Geometria PNAIC Orientadora Solange Goul...
Encontro do dia 11/08/2014 Caderno 5 Geometria PNAIC Orientadora Solange Goul...Solange Goulart
 
Caderno 5 geometria PNAIC
Caderno 5 geometria PNAIC Caderno 5 geometria PNAIC
Caderno 5 geometria PNAIC Solange Goulart
 
Encontro do dia 30 de junho e 07de julho PNAIC
Encontro do dia 30 de junho e 07de julho PNAIC Encontro do dia 30 de junho e 07de julho PNAIC
Encontro do dia 30 de junho e 07de julho PNAIC Solange Goulart
 
Caderno Resolução de problemas e Educação Especial -PNAIC 2014
Caderno Resolução de problemas e Educação Especial -PNAIC 2014 Caderno Resolução de problemas e Educação Especial -PNAIC 2014
Caderno Resolução de problemas e Educação Especial -PNAIC 2014 Solange Goulart
 
Encontro do dia 30 de junho e 07de julho
Encontro do dia 30 de junho e 07de julhoEncontro do dia 30 de junho e 07de julho
Encontro do dia 30 de junho e 07de julhoSolange Goulart
 
Situações problemas sobre o livro Beleléu
Situações problemas sobre o livro Beleléu Situações problemas sobre o livro Beleléu
Situações problemas sobre o livro Beleléu Solange Goulart
 
Sequencia didática de Matemática Alfabetizadora Eva Anilda Silveira
Sequencia didática de Matemática Alfabetizadora Eva Anilda Silveira Sequencia didática de Matemática Alfabetizadora Eva Anilda Silveira
Sequencia didática de Matemática Alfabetizadora Eva Anilda Silveira Solange Goulart
 
Sequencia didática Alfabetizadora Maria do Carmo
Sequencia didática Alfabetizadora Maria do Carmo Sequencia didática Alfabetizadora Maria do Carmo
Sequencia didática Alfabetizadora Maria do Carmo Solange Goulart
 
Caderno 2 Quantificação registro e agrupamentos Orientadora Solange Goulart ...
Caderno 2 Quantificação registro e agrupamentos  Orientadora Solange Goulart ...Caderno 2 Quantificação registro e agrupamentos  Orientadora Solange Goulart ...
Caderno 2 Quantificação registro e agrupamentos Orientadora Solange Goulart ...Solange Goulart
 
Construção do sistema decimal caderno 4- Orientadora de Estudos Solange Goula...
Construção do sistema decimal caderno 4- Orientadora de Estudos Solange Goula...Construção do sistema decimal caderno 4- Orientadora de Estudos Solange Goula...
Construção do sistema decimal caderno 4- Orientadora de Estudos Solange Goula...Solange Goulart
 
Sequencia Didática - Matemática é mais que continhas . Alfabetizadora Goreti ...
Sequencia Didática - Matemática é mais que continhas . Alfabetizadora Goreti ...Sequencia Didática - Matemática é mais que continhas . Alfabetizadora Goreti ...
Sequencia Didática - Matemática é mais que continhas . Alfabetizadora Goreti ...Solange Goulart
 
A MATEMÁTICA NOS CONTOS CLÁSSICOS-Professora alfabetizadora Karla Cecília Fer...
A MATEMÁTICA NOS CONTOS CLÁSSICOS-Professora alfabetizadora Karla Cecília Fer...A MATEMÁTICA NOS CONTOS CLÁSSICOS-Professora alfabetizadora Karla Cecília Fer...
A MATEMÁTICA NOS CONTOS CLÁSSICOS-Professora alfabetizadora Karla Cecília Fer...Solange Goulart
 
Sequencia Didática.Figuras geométricas- Professora Doraci Escola Viegas Munic...
Sequencia Didática.Figuras geométricas- Professora Doraci Escola Viegas Munic...Sequencia Didática.Figuras geométricas- Professora Doraci Escola Viegas Munic...
Sequencia Didática.Figuras geométricas- Professora Doraci Escola Viegas Munic...Solange Goulart
 
Sequencia Didática da professora Doraci Helena Prim Pauli e de seus alunos do...
Sequencia Didática da professora Doraci Helena Prim Pauli e de seus alunos do...Sequencia Didática da professora Doraci Helena Prim Pauli e de seus alunos do...
Sequencia Didática da professora Doraci Helena Prim Pauli e de seus alunos do...Solange Goulart
 
Sequencia didática Multiplicação Professora Graziela de Melo
Sequencia didática Multiplicação  Professora Graziela de MeloSequencia didática Multiplicação  Professora Graziela de Melo
Sequencia didática Multiplicação Professora Graziela de MeloSolange Goulart
 
Quarto econtro organização do trabalho pedagógico
Quarto econtro organização do trabalho pedagógicoQuarto econtro organização do trabalho pedagógico
Quarto econtro organização do trabalho pedagógicoSolange Goulart
 

Mais de Solange Goulart (20)

PNAIC Orientadora de Estudos Solange Goulart de Souza - Girafa e o mede palmo
PNAIC Orientadora de Estudos Solange Goulart de Souza - Girafa e o mede palmo PNAIC Orientadora de Estudos Solange Goulart de Souza - Girafa e o mede palmo
PNAIC Orientadora de Estudos Solange Goulart de Souza - Girafa e o mede palmo
 
PNAIC Grandezas e medidas .Girafa e o Mede Palmo .
PNAIC Grandezas e medidas .Girafa e o Mede Palmo .PNAIC Grandezas e medidas .Girafa e o Mede Palmo .
PNAIC Grandezas e medidas .Girafa e o Mede Palmo .
 
PNAIC Caderno Medidas e Grandezas Caderno 6
PNAIC Caderno Medidas e Grandezas Caderno 6PNAIC Caderno Medidas e Grandezas Caderno 6
PNAIC Caderno Medidas e Grandezas Caderno 6
 
PNAIC - Orientadora de Estudos Solange Goulart de Souza . Município de Biguaçu
PNAIC - Orientadora de Estudos Solange Goulart de Souza . Município de Biguaçu PNAIC - Orientadora de Estudos Solange Goulart de Souza . Município de Biguaçu
PNAIC - Orientadora de Estudos Solange Goulart de Souza . Município de Biguaçu
 
Encontro do dia 11/08/2014 Caderno 5 Geometria PNAIC Orientadora Solange Goul...
Encontro do dia 11/08/2014 Caderno 5 Geometria PNAIC Orientadora Solange Goul...Encontro do dia 11/08/2014 Caderno 5 Geometria PNAIC Orientadora Solange Goul...
Encontro do dia 11/08/2014 Caderno 5 Geometria PNAIC Orientadora Solange Goul...
 
Caderno 5 geometria PNAIC
Caderno 5 geometria PNAIC Caderno 5 geometria PNAIC
Caderno 5 geometria PNAIC
 
Encontro do dia 30 de junho e 07de julho PNAIC
Encontro do dia 30 de junho e 07de julho PNAIC Encontro do dia 30 de junho e 07de julho PNAIC
Encontro do dia 30 de junho e 07de julho PNAIC
 
Caderno Resolução de problemas e Educação Especial -PNAIC 2014
Caderno Resolução de problemas e Educação Especial -PNAIC 2014 Caderno Resolução de problemas e Educação Especial -PNAIC 2014
Caderno Resolução de problemas e Educação Especial -PNAIC 2014
 
Encontro do dia 30 de junho e 07de julho
Encontro do dia 30 de junho e 07de julhoEncontro do dia 30 de junho e 07de julho
Encontro do dia 30 de junho e 07de julho
 
Situações problemas sobre o livro Beleléu
Situações problemas sobre o livro Beleléu Situações problemas sobre o livro Beleléu
Situações problemas sobre o livro Beleléu
 
Sequencia didática de Matemática Alfabetizadora Eva Anilda Silveira
Sequencia didática de Matemática Alfabetizadora Eva Anilda Silveira Sequencia didática de Matemática Alfabetizadora Eva Anilda Silveira
Sequencia didática de Matemática Alfabetizadora Eva Anilda Silveira
 
Sequencia didática Alfabetizadora Maria do Carmo
Sequencia didática Alfabetizadora Maria do Carmo Sequencia didática Alfabetizadora Maria do Carmo
Sequencia didática Alfabetizadora Maria do Carmo
 
Caderno 2 Quantificação registro e agrupamentos Orientadora Solange Goulart ...
Caderno 2 Quantificação registro e agrupamentos  Orientadora Solange Goulart ...Caderno 2 Quantificação registro e agrupamentos  Orientadora Solange Goulart ...
Caderno 2 Quantificação registro e agrupamentos Orientadora Solange Goulart ...
 
Construção do sistema decimal caderno 4- Orientadora de Estudos Solange Goula...
Construção do sistema decimal caderno 4- Orientadora de Estudos Solange Goula...Construção do sistema decimal caderno 4- Orientadora de Estudos Solange Goula...
Construção do sistema decimal caderno 4- Orientadora de Estudos Solange Goula...
 
Sequencia Didática - Matemática é mais que continhas . Alfabetizadora Goreti ...
Sequencia Didática - Matemática é mais que continhas . Alfabetizadora Goreti ...Sequencia Didática - Matemática é mais que continhas . Alfabetizadora Goreti ...
Sequencia Didática - Matemática é mais que continhas . Alfabetizadora Goreti ...
 
A MATEMÁTICA NOS CONTOS CLÁSSICOS-Professora alfabetizadora Karla Cecília Fer...
A MATEMÁTICA NOS CONTOS CLÁSSICOS-Professora alfabetizadora Karla Cecília Fer...A MATEMÁTICA NOS CONTOS CLÁSSICOS-Professora alfabetizadora Karla Cecília Fer...
A MATEMÁTICA NOS CONTOS CLÁSSICOS-Professora alfabetizadora Karla Cecília Fer...
 
Sequencia Didática.Figuras geométricas- Professora Doraci Escola Viegas Munic...
Sequencia Didática.Figuras geométricas- Professora Doraci Escola Viegas Munic...Sequencia Didática.Figuras geométricas- Professora Doraci Escola Viegas Munic...
Sequencia Didática.Figuras geométricas- Professora Doraci Escola Viegas Munic...
 
Sequencia Didática da professora Doraci Helena Prim Pauli e de seus alunos do...
Sequencia Didática da professora Doraci Helena Prim Pauli e de seus alunos do...Sequencia Didática da professora Doraci Helena Prim Pauli e de seus alunos do...
Sequencia Didática da professora Doraci Helena Prim Pauli e de seus alunos do...
 
Sequencia didática Multiplicação Professora Graziela de Melo
Sequencia didática Multiplicação  Professora Graziela de MeloSequencia didática Multiplicação  Professora Graziela de Melo
Sequencia didática Multiplicação Professora Graziela de Melo
 
Quarto econtro organização do trabalho pedagógico
Quarto econtro organização do trabalho pedagógicoQuarto econtro organização do trabalho pedagógico
Quarto econtro organização do trabalho pedagógico
 

PNAIC e gêneros textuais na alfabetização

  • 1. PNAIC- Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa Orientadora de Estudo Solange Goulart de Souza Unidade 5 do ano 1 e 2 Gêneros textuais .
  • 2. DATA Atividades do encontro Tarefas a distância 8DEAGOSTODE2013 • Apresentar um vídeo “Agradecimento aos professores “ •Entregar o caderno do registro encapado . Leitura do registro da ultima aula 17/06/2013. O caderno foi entregue à alfabetizadora •Socialização dos quadros de rotina do 1º ano e 2º ano • Entrega dos trabalhos •Socialização dos conceitos do lúdico •Carta do projeto coruja e sorteio dos temas a serem trabalhados. • Trabalhar na unidade 5 ano 1 e ano 2 trabalhos com gêneros textuais na sala de aula . •
  • 3.
  • 4. Os diferentes textos a serviço da perspectiva do alfabetizador letrando Na unidade 5 ano 1 Os autores Soares (2004) e Morais (2005) fazem críticas as atividades mecanizadas e descontextualizadas da vivencia da criança . Nos relatos dos nossos autores da literatura brasileira percebe-se a forma como era vista a educação e o ensino : José Lins Rego : “ A preguiça é a chave da pobreza” Graciliano Ramos : educação rígida Atividades propostas giravam em torno da repetição , memorização de letras , sílabas, palavras e ou frases soltas Graciliano Ramos de Oliveira foi um romancista, cronista, contista, jornalista, político e memorialista brasileiro do século XX, mais conhecido por seu livro Vidas Secas. 27 de outubro de 1892, 20 de março de 1953, José Lins do Rego Cavalcanti foi um escritor brasileiro que, ao lado de Graciliano Ramos, Érico Veríssimo e Jorge Amado, figura como um dos romancistas regionalistas mais prestigiosos da literatura nacional. 3 de julho de 1901 12 de setembro de 1957
  • 5. Magda Soares ( 1998) “Alfabetizar” é adquirir a tecnologia da escrita alfabética e tornam-se “letrados” ou seja fazem uso efetivo e competente desta tecnologia da escrita em situações reais de leitura e produção de textos João Ubaldo Ribeiro relata em um texto Memória de um Livro (1995) , sua vivência na infância com os livros. “Livros por toda parte da casa “ A leitura e a escrita segundo os autores Leal ( 2005 ) e Santos ( 2005) não devem ser praticas espontâneas todavia devem ter um significado ao grupo e a criança . João Ubaldo Osório Pimentel Ribeiro é um escritor, jornalista, roteirista e professor brasileiro, formado em direito e membro da Academia Brasileira de Letras. É ganhador do Prêmio Camões de 2008, maior premiação para autores de língua portuguesa. Livro famoso : Casa dos Budas Ditosos. 1999 Os diferentes textos a serviço da perspectiva do alfabetizador letrando
  • 6. Pagina 8 unidade 5 O desafio é pensar sobre situações diversificadas de leitura e escrita . Estas situações , segundo Leal e Albuquerque ( 2005) podem ser agrupadas em quatro tipos principais :
  • 7. Um trabalho efetivo implica , portanto na realização em sala de aula de atividades as mais variadas, em torno dos eixos e deve ser componente curricular Língua Portuguesa. Oralidade Análise lingüísticaLeitura Produção textual DIREITOS DE APRENDIZAGEM . Unidade 1 ano 1 e 2
  • 8. Fala e escrita parte 1
  • 9. Que contribuições podem oferecer às crianças ,quando a leitura é feita por outras pessoas?
  • 10. Que contribuições podem ser dadas quando a criança é estimulada a ler com autonomia?
  • 11. Fala e escrita parte 2
  • 12. Que contribuições podem ser dadas quando a criança é estimulada a ler com autonomia?
  • 13. Quais contribuições podem ser dadas quando produzimos textos com nosso alunos ?
  • 14. Quais contribuições podem ser dadas quando encorajamos nossas crianças escreverem sozinhas ?
  • 15. Em relação aos textos orais , também podemos destacar que é relevante promover situações planejadas de ensino , que possam ajudar as crianças aprender a:
  • 16. Fala e escrita parte 3
  • 17. PNAIC- Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa. 11º Encontro – Orientadora Solange Goulart de Souza. Dia 15 de agosto de 2013 . Continuação do Caderno do PNAIC Unidade 5 – Os diferentes textos nas salas de aula .
  • 18. Data Atividades do encontro Tarefas 11ºencontrodoPNAIC–Data15/08/2013 Leitura do Caderno de Registro.  Vídeo da Mafalda – Ensino tradicional .  Construindo uma história em grupo .Instrumento musical de percussão Pau de Chuva . Costurando idéias com o grupo sobre nosso projeto “ As visitas das corujas às escolas”.  Entrega dos quadros de rotina .  Continuar o Estudo do caderno 5 ano 1 e 2 do PNAIC . Atividades com os cadernos . Entrar em acordo com o grupo . Quais necessidades do grupo.
  • 19.
  • 20. Construção do projeto “ Visita das corujas às escolas” Trabalhar sobre os eixos de ensino pois culminam os direitos de aprendizagem e alguns itens da avaliação do município. Analise lingüística : Alice , Elisiane , Solange , Rosangela , Ana Paula . Oralidade : Produção Textual :Luciana e Maria Tereza . Leitura : Maria do Carmo , Lidiane , Maria Luiza , Carmem, Marineusa .
  • 21. Unidade 5 ano 2 Por que ensinar gêneros textuais na escola ?
  • 22. Unidade 5 ano 2 Por que ensinar gêneros textuais na escola ? Que cuidados devemos tomar quando trabalhamos a alfabetização na perspectiva do letramento .
  • 23. Aprofundamento sobre os gêneros textuais Conforme os PCNs a língua falada e língua escrita não se opõem de forma dicotômica nem são produções em situações polares . Os gêneros são textos que apresentam elementos mais ou menos estáveis , estando diretamente ligados a situações sociais onde ocorrem interações pela linguagem , e surgem ou desaparecem de acordo com novas necessidades sociais .
  • 24. Tipo textual Gênero textual Domínio discursivo Narração Cultura literária ficcional Conto maravilhoso , contos de fadas , fábulas , lendas , narrativa de aventura , romance , novela, piada , paródia , conto , narrativa de ficção científica , narrativa mítica . Argumentação Discussão de problemas sociais controversos Texto de opinião, carta ao leitor , carta de reclamação , carta de solicitação, deliberação informal ,,editorial ,requerimento , ensaio , resenha crítica dialogo argumentativo debate regrado, discurso de defesa . Jurídico , discurso jornalístico. Exposição Transmissão e construção de saberes Texto expositivo , artigo enciclopédico , entrevista de especialista , texto explicativo, tomada de notas , resumos de textos explicativos e expositivos, resenhas , relatórios científicos , relato de experiências científicas Conferencia Descrição Instruções e prescrições Instruções de uso , instruções de montagem , receita , regulamento , regras de jogo, consignas diversas , textos prescritivos Descrever algo . Relatar Documentação e memorização das ações humanas Relatos de experiência vivida , relatos de viagem, diário íntimo , testemunho , anedota , autobiografia , notícia , reportagem , currículo vitae , crônica mundana , crônica esportiva , biografia Testemunho
  • 25. Tipo de suportes OUTDOOR QUADRO DE AVISOS TELEFONE REVISTA CIENTÍFICA REVISTA JORNAL LIVRO DIDÁTICO LIVRO ENCARTE FOLDER LUMINOSOS FAIXAS EMBALAGENS PARA-CHOQUES E PARALAMAS DE CAMINHÃO ROUPAS CORPO HUMANO PAREDES MUROS PARADAS DE ÔNIBUS ESTAÇÃO DE METRÔ CALÇADA , FACHADAS CORREIOS PROGRAMA DE, E-MAIL INTERNET HOMAPAGE E SITE
  • 26.
  • 27.
  • 28. MODALIDADE ESCRITA ESFERAS DISCURSIVAS Esfera escolar Verbete de enciclopédia infantil; Artigo de divulgação científica para crianças. Explicação; Exposição oral Esfera jornalístIca Manchete; Notícia; Entrevista; Resenha; Artigo de opinião Notícia televisiva e radiofônica; Comentário de notícias; Relato de acontecimento do cotidiano; Entrevista Esfera literária Conto de repetição; Conto Tradicional; Fábula; Lenda e Mito; Canção; Cordel; Poema Visual; Poema Conto de repetição; Conto Tradicional; Fábula; Lenda e Mito; Canção; Cordel; Rap Esfera cotidiana Bilhete; Receita; Regras de jogos; Carta, E-mail; Roteiro e mapa de localização. Recado; Receita; Regras de jogos; Relato de experiências vividas; Descrição de itinerário Esfera da vida pública Carta de solicitação e de reclamação; Requerimento e carta de solicitação, de reclamação; Estatuto; Currículo Debate; Solicitação, reclamação; Debate regrado; Entrevista profissional
  • 29. PROCEDIMENTOS ENVOLVIDOS NO MODELO DAS SEQUÊNCIAS DIDÁTICAS 1ºApresentação da proposta de trabalho 2ºAvaliando o conhecimento prévio do aluno 3ºApresentando o gênero 4ºPropor ao aluno a escrita do texto 6ºOrganizar e sistematizar o conhecimento sobre o gênero 5ºAmpliar o repertório do aluno 7ºFazer uma produção escrita coletiva 8ºFazer uma produção escrita individual 9ºFazer uma revisão e reescrever individualmente 10ºSocialização do conhecimento
  • 30. Textos literários ( contos, poemas, história em quadrinhos); · Jornalísticos (notícias); · Epistolares (cartas, bilhetes, cartões, convites); · Publicitários (anúncios, propagandas); · Instrucionais ( receitas, listagens, manuais de instrução); · Textos não-verbais, mistos e humorísticos (rótulos, logotipos, placas); · Científicos (tabelas, gráficos); · Informativos e outros Uma dica interessante é elaborar um portifólio com as crianças. Você pode pedir que elas tragam de casa diferentes gêneros textuais:
  • 31. Com os que ainda não dominam a leitura e a escrita pode-se fazer um trabalho com oralidade e depois um texto coletivo. A professora será a escriba das crianças. Depois elas copiarão o texto coletivo do quadro. Os maiores podem criar suas próprias produções, observando a ligação entre a linguagem oral e a escrita. Através destas atividades, as crianças irão perceber que a linguagem, além de transmitir informações, pode revelar o que elas pensam (real ou imaginário), contribuindo para a formação de operações mentais mais complexas. Tente usar o recurso do portifólio com seus alunos. Garanto que eles vão adorar!!!
  • 32. Receitas, bulas de remédio, instruções de jogo, manuais de funcionamento e de uso de aparelhos domésticos e de máquinas, prospectos de concursos, manuais do consumidor, guias de cidades, folhetos explicativos sobre prevenção de doenças e epidemias, etc.; são textos que diariamente circulam entre nós, dando-nos orientações, por meio de uma linguagem clara e objetiva. Alguns apresentam uma estrutura mais ou menos padronizada, como as receitas e as bulas de remédio; os demais empregam a forma que for mais conveniente para atingir sua principal finalidade: INSTRUIR O LEITOR.
  • 33. A receita é um gênero textual que apresenta duas partes bem definidas – ingredientes e modo de fazer -, que podem ou não vir indicadas por títulos. A primeira parte apenas relaciona os ingredientes, estipulando as quantidades necessárias, indicadas em gramas, xícaras, colheres, pitadas, etc.
  • 34. No modo de fazer, os verbos se apresentam quase sempre no modo imperativo (o modo verbal que expressa ordem, conselho, etc.) Essa parte indica, passo a passo, a sequência dos procedimentos e da junção dos ingredientes a ser seguida para se obter o melhor resultado da receita – Exemplo: pastéis de forno recheados de goiaba. Às vezes, o imperativo é substituído pelo infinitivo, como, por exemplo, “Preparar a massa: misturar com as pontas dos dedos [...]”, “Aos poucos, abrir pequenas porções da massa [...]”, etc.
  • 35. Características da RECEITA: . ~ Contém título; . ~ Normalmente apresenta uma estrutura constituída de: título, ingredientes e modo de preparo ou de fazer; . ~ No modo de fazer, os verbos geralmente são empregados no imperativo; . ~ Pode conter indicação de calorias por porção, rendimento, dicas de preparo ou de como decorar e servir, etc.; . ~ A linguagem direta, clara e objetiva; . ~ Emprega o padrão culto da língua. .
  • 36. Trabalho com o gênero RECEITA 1- Apresentação de uma situação ( necessidade/ motivo da produção) Receita da bruxa 2- Seleção do gênero textual 3- Reconhecimento do gênero selecionado a) Pesquisa sobre o gênero b) Leitura de textos do gênero, explorando e estabelecendo relações entre:
  • 37. Sua função social: .Para que serve este gênero? .Como tomamos geralmente conhecimento desse gênero? .Onde se encontram escritos? . Quem costuma ler textos desse gênero ? . São textos que divertem ou ensinam? Como percebemos isso
  • 38. Seu conteúdo temático: • As receitas exploram que assunto? Por quê? • Do que falam as receitas ? • As receitas possuem indicação do autor ? • O que mais as crianças sabem sobre o assunto? • Qual a importância da receita ?
  • 39. Sua estrutura composicional: • Como estão organizadas as receitas? • Poderá convidar os alunos para observar os suportes e as receitas que estão em exposição na sala? • Perceber: o que há de comum em todas elas? O que há de diferente? Como estão organizadas?
  • 40. c) Seleção de um texto do gênero para um estudo mais específico RECEITA DE BRIGADEIRO
  • 41. Para o grupo pensar... • Vamos organizar as atividades com o gênero considerando... - Sua função social - Seu conteúdo temático - sua estrutura composicional - Seu estilo ( análise linguística)
  • 42. 4- PRODUÇÃO DE TEXTO DO GÊNERO • - Apresentar os ingredientes da receita e os alunos escreverem o modo de fazer Ex: Receita de brigadeiro • 1 lata de leite condensado • 4 colheres (sopa) de chocolate em pó ou achocolatado • 1 colher (sopa) de margarina • chocolate granulado ou granulado colorido Modo de fazer: ( produção escrita)
  • 43. 5- Reescrita do texto • Como você trabalharia a reescrita dessa receita? Que aspecto(s) poderia(m) ser privilegiado(s)? • Você pode refletir com seus alunos, os seguintes pontos: Revisem o texto que vocês escreveram, verificando se: a) está dividido em duas partes: ingredientes e modo de fazer; b) contém todos os ingredientes necessários; c) apresenta detalhadamente como fazer o brigadeiro;
  • 44. Ler e reler o que escrevemos para comprovar se o texto expressa bem nossa intenção, se é apropriado para aqueles que vão ler, se é coerente, isto é, se é clara a idéia central e subtemas, se as partes do texto estão bem conectadas, se tem a forma adequada ao tipo de texto, se a ortografia é correta e a sintaxe apropriada;
  • 45. 6- Circulação do gênero • Como vocês poderão fazer circular a receita de brigadeiro escrita pelas crianças ....
  • 46. PARA FINALIZAR.... Agora vamos escrever uma receita de memória para os nossos colegas ....