Briófitas e Pteridófitos Alunos(a):Delly,Jessika A,Priscila O,e Maxwell. 2º ANO ¨U¨
<ul><li>De uma maneira bem simples, podemos dizer que as briófitas e as pteridófitas são vegetais que não dão flores. As b...
<ul><li>O musgos e as hepáticas são os principais representantes das briófitas. O conjunto de musgos forma uma espécie de ...
<ul><li>Reprodução: </li></ul><ul><li>A reprodução das briófitas apresenta duas fases: uma assexuada e outra sexuada.Os mu...
<ul><li>O esporófito possui uma haste e uma cápsula, no interior da qual formam-se os esporos. Quando maduros, os esporos ...
 
 
<ul><li>A relação das briófitas com a água:   </li></ul><ul><li>             As briófitas enfrentam os mesmos problemas de...
<ul><li>             Muitas briófitas estão confinadas a ambientes úmidos, mas algumas são capazes de tolerar a deficiênci...
<ul><li>             Muitas briófitas estão confinadas a ambientes úmidos, mas algumas são capazes de tolerar a deficiênci...
<ul><li>Ocorrem, em geral, em substratos úmidos, permeáveis e estão bem representadas na base de troncos de árvores, em br...
<ul><li>    A condução de água nas briófitas, assim, pode se processar pelos seguintes mecanismos: </li></ul><ul><li>a - a...
<ul><li>b - através de espaços intercelulares; c - de célula a célula, através das paredes celulares; d - por espaços capi...
Pteridófitas <ul><li>Na evolução das plantas, as pteridófitas foram os primeiros vegetais a apresentar um sistema de vasos...
<ul><li>Reprodução: </li></ul><ul><li>             As pteridófitas, como as briófitas, se reproduzem por meio de um ciclo ...
<ul><li>    Quando os esporos amadurecem, os soros abrem-se, deixando-os cair no solo úmido; cada esporo, então, pode germ...
O que é Briófitas? <ul><li>As briófitas são características de ambientes terrestre úmido, embora algumas apresentem adapta...
O que é Pteridófitas? <ul><li>As pteridofitas são normalmente usadas como plantas ornamentais, sendo o emaranhado das raíz...
As briófitas podem apresentar três tipos de reprodução  . <ul><li>1. Gamética: Em condições adequadas de umidade, os anter...
<ul><li>Fragmentação : desenvolvimento de fragmentos do talo em outro indivíduo.  </li></ul><ul><li>Gemas (ou propágulos) ...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Pri, Max, Delly, JéH

1.999 visualizações

Publicada em

Trabalho realizado pelos alunos da Escola Estadual Bom Jesus-Município de três Lagoas

Publicada em: Educação, Tecnologia
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.999
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
10
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
39
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Pri, Max, Delly, JéH

  1. 1. Briófitas e Pteridófitos Alunos(a):Delly,Jessika A,Priscila O,e Maxwell. 2º ANO ¨U¨
  2. 2. <ul><li>De uma maneira bem simples, podemos dizer que as briófitas e as pteridófitas são vegetais que não dão flores. As briófitas: </li></ul><ul><li>São plantas pequenas, geralmente com alguns poucos centímetros de altura, que vivem em lugares úmidos e sombrios. </li></ul><ul><li>Uma das características mais marcantes das briófitas é a ausência de vasos para a condução de nutrientes. Estes são transportados de célula a célula por todo o vegetal. É por isso que não existem briófitas muito grandes. O transporte de água de célula a célula é muito lento e as células mais distantes morreriam desidratadas. </li></ul>
  3. 3. <ul><li>O musgos e as hepáticas são os principais representantes das briófitas. O conjunto de musgos forma uma espécie de &quot;tapete&quot; esverdeado, observado comumente nos solos, muros e barrancos úmidos. Podem formar uma ampla cobertura sobre o solo, protegendo-o contra a erosão. </li></ul><ul><li>As briófitas não tem raízes. Fixam-se ao solo por meio de filamentos chamados rizóides, que absorvem a água e os sais minerais de que o vegetal necessita. Também não possuem verdadeiro caule. Tem uma haste denominada caulóide que não apresenta vasos para a condução da seiva. Suas &quot;folhas&quot; denominam-se filóides e são apenas partes achatadas do caulóide. </li></ul>
  4. 4. <ul><li>Reprodução: </li></ul><ul><li>A reprodução das briófitas apresenta duas fases: uma assexuada e outra sexuada.Os musgos verdes que podemos ver num muro úmido são plantas sexuadas que representam a fase chamada de gametófito, isto é, fase produtora de gametas. </li></ul><ul><li>O gametófito masculino produz gametas móveis, com flagelos, chamados de anterozóides. Já o feminino produz gametas imóveis, chamados de oosferas. Levados pelas gotas de chuva, os anterozóides alcançam a planta feminina e nadam em direção à oosfera. Da união de um anterozóide com uma oosfera, surge o zigoto, que, sobre a planta feminina cresce e forma um embrião, que se desenvolve originando a fase assexuada chamada de esporófito, isto é, fase produtora de esporos. </li></ul>
  5. 5. <ul><li>O esporófito possui uma haste e uma cápsula, no interior da qual formam-se os esporos. Quando maduros, os esporos são liberados e podem germinar no solo úmido. Cada esporo, então, pode formar uma espécie de &quot;broto&quot; chamado de protonema. Cada protonema, por sua vez, desenvolve-se e origina um novo musgo verde (gametófito). </li></ul><ul><li>               </li></ul>
  6. 8. <ul><li>A relação das briófitas com a água: </li></ul><ul><li>            As briófitas enfrentam os mesmos problemas de sobrevivência que as plantas vasculares no ambiente terrestre. A água é essencial para o metabolismo, mas é um suprimento limitado errático no ambiente acima do solo. Briófitas e plantas vasculares exemplificam dois padrões alternativos de adaptação a essas condições. </li></ul><ul><li>As briófitas têm de utilizar a água onde e quando ela está disponível acima do solo, enquanto as plantas vasculares possuem raízes e um sistema de condução eficiente. </li></ul>
  7. 9. <ul><li>            Muitas briófitas estão confinadas a ambientes úmidos, mas algumas são capazes de tolerar a deficiência hídrica e outras são extremamente tolerantes à dessecação e altamente adaptadas a uma existência poiquilo-hídrica, ocorrendo, desse modo, em ambientes hídricos, mésicos e xéricos. </li></ul>
  8. 10. <ul><li>            Muitas briófitas estão confinadas a ambientes úmidos, mas algumas são capazes de tolerar a deficiência hídrica e outras são extremamente tolerantes à dessecação e altamente adaptadas a uma existência poiquilo-hídrica, ocorrendo, desse modo, em ambientes hídricos, mésicos e xéricos. </li></ul>
  9. 11. <ul><li>Ocorrem, em geral, em substratos úmidos, permeáveis e estão bem representadas na base de troncos de árvores, em brejos e em solos bem drenados. Nas briófitas ecto-hídricas, a água é facilmente absorvida (e perdida) e conduzida sobre a sua superfície, sendo o movimento desta muito mais difuso. Ocorrem principalmente em substratos impermeáveis e com pouca disponibilidade de água, tais como troncos de árvores, rochas e em solos pedregosos e compactados. São capazes de armazenar grandes quantidades de água após a chuva ou orvalho. </li></ul><ul><li>Existem muitas briófitas que combinam mecanismos de condução endo e ecto-hídricos, sendo chamadas, então, de &quot;mixo-hídricas&quot;. </li></ul>
  10. 12. <ul><li>   A condução de água nas briófitas, assim, pode se processar pelos seguintes mecanismos: </li></ul><ul><li>a - através de células condutoras especializadas, os hidróides, os quais são desprovidos de protoplasto vivo na maturidade mas não apresentam paredes celulares lignificadas; existem, também, células condutoras de fotossintatos, os leptóides, que mantêm vivo o seu protoplasto na maturidade. </li></ul>
  11. 13. <ul><li>b - através de espaços intercelulares; c - de célula a célula, através das paredes celulares; d - por espaços capilares externos; e - através de células parenquimáticas condutoras; f - através de células hialinas especializadas, providas de poros. </li></ul>
  12. 14. Pteridófitas <ul><li>Na evolução das plantas, as pteridófitas foram os primeiros vegetais a apresentar um sistema de vasos para conduzir nutrientes. Assim, possuem raiz, caule e folha verdadeiros. Seu caule é geralmente subterrâneo e é denominado rizoma. A samambaia e a avenca são exemplos desse grupo de vegetais. </li></ul><ul><li>            A maioria das pteridófitas é terrestre e habita, de preferência, lugares úmidos e sombrios. A samambaia e a avenca podem viver sobre outras plantas, mas sem prejudicá-las. O dendezeiro é uma das hospedeiras preferidas dessas pteridófitas. </li></ul>
  13. 15. <ul><li>Reprodução: </li></ul><ul><li>            As pteridófitas, como as briófitas, se reproduzem por meio de um ciclo que apresenta uma fase assexuada e outra sexuada. </li></ul><ul><li>            Uma samambaia-de-metro, por exemplo, que é comum em residências, é uma planta assexuada produtora de esporos. Por isso, ela representa a fase chamada de esporófito. </li></ul><ul><li>            Em certas épocas, na superfície inferior das folhas da samambaia, formam-se pontos escuros chamados de soros, onde se produzem os esporos. </li></ul>
  14. 16. <ul><li>   Quando os esporos amadurecem, os soros abrem-se, deixando-os cair no solo úmido; cada esporo, então, pode germinar e originar um prótalo, uma plantinha bem pequena em forma de coração. O prótalo é uma planta sexuada, produtora de gametas; por isso, ele representa a fase chamada de gametófito. </li></ul><ul><li>            No prótalo, formam-se os anterozóides e as oosferas. O anterozóides, deslocando-se em água, nada em direção à oosfera, fecundando-a. Surge, então, o zigoto, que se desenvolve, transformando-se em uma nova samambaia. Quando adulta, esta planta forma soros, iniciando novo ciclo de reprodução. </li></ul><ul><li>            Este processo de reprodução em um ciclo com uma fase assexuada e outra sexuada denomina-se alternância de gerações. </li></ul>
  15. 17. O que é Briófitas? <ul><li>As briófitas são características de ambientes terrestre úmido, embora algumas apresentem adaptações que permitem a ocupação dos mais variados tipos de ambientes, resistindo tanto à imersão, em ambientes totalmente aquáticos, como a desidratação quando atuam como sucessores primários na colonização, por exemplo, de rochas nuas ou mesmo ao congelamento em regiões polares. Apresenta-se, entretanto sempre dependentes da água, ao menos para o deslocamento do anterozóide flagelado até a oosfera. Esta Divisão não possui representante marinha. </li></ul>
  16. 18. O que é Pteridófitas? <ul><li>As pteridofitas são normalmente usadas como plantas ornamentais, sendo o emaranhado das raízes dos fetos arborescentes utilizados como substrato para o cultivo de orquídeas. O tronco da samambaiaçu é utilizado para fazer xaxim. Algumas pteridófitas são usadas como vermífugos. Tradicionalmente usadas na culinária oriental, alguns brotos de samambaia têm ação comprovadamente cancerígena. </li></ul>
  17. 19. As briófitas podem apresentar três tipos de reprodução . <ul><li>1. Gamética: Em condições adequadas de umidade, os anterozóides pequenos e biflagelados são liberados pelo rompimento da parede do anterídio, enquanto as células do canal do arquegônio rompem-se, liberando um fluido que direciona os anterozóides até a oosfera, havendo então a fecundação; </li></ul><ul><li>2. Espórica: A liberação dos esporos ocorre através de movimentos higroscópicos dos dentes do peristômio. Esses movimentos são devidos a variação da umidade do ar; </li></ul><ul><li>3. Vegetativa - 4 formas de reprodução: </li></ul>
  18. 20. <ul><li>Fragmentação : desenvolvimento de fragmentos do talo em outro indivíduo. </li></ul><ul><li>Gemas (ou propágulos) : estruturas especialmente diferenciadas, com forma definida, que darão origem a um novo indivíduo. As gemas são produzidas dentro de estrutas em forma de taça denominadas conceptáculos. </li></ul><ul><li>Aposporia : desenvolvimento do esporófito em gametófito sem que ocorra meiose. Normalmente ocorre a partir de um fragmento da seta cuja regeneração origina um gametófito. Pode resultar na formação de organismos poliplóides. </li></ul><ul><li>Apogamia : desenvolvimento do gametófito em esporófito sem que haja fecundação. Pode ocorrer não apenas a partir de gametas, mas também de filídios ou do própio protonema. </li></ul>

×