A OBRA DO ESPÍRITO
SANTO NA SALVAÇÃO
A. W. Pink
Traduzido do original em Inglês
The Holy Spirit's Work in Salvation
By A. W. Pink
Via: EternalLifeMinistries.org
Tradução ...
Issuu.com/oEstandarteDeCristo
Por Arthur Walkington Pink
Em Atos 19 aprendemos que quando o apóstolo Paulo chegou a Éfeso,...
Issuu.com/oEstandarteDeCristo
incapaz de fazer qualquer coisa. E, por dizer que as operações do Espírito no coração e na
c...
Issuu.com/oEstandarteDeCristo
evidente e obscura da obra do Espírito. Se há um momento mais do que qualquer outro em
que o...
Issuu.com/oEstandarteDeCristo
“aceitar a Cristo”. Em2 Coríntios3:5, lemos: “Não que sejamos capazes, por nós, de pensar
al...
Issuu.com/oEstandarteDeCristo
para ela reside na nossa regeneração pelo Espírito Santo. Toda a nossa iminência para o
esta...
Issuu.com/oEstandarteDeCristo
esforços para mostrar a simplicidade do “caminho da salvação”, eles perderam de vista as
dif...
Issuu.com/oEstandarteDeCristo
que eu “vou” a Ele. Deve haver vida e luz (visão) antes que possa haver movimento. Um
bebê t...
Issuu.com/oEstandarteDeCristo
graça Ele fez de você verdadeiramente um “crente”, que o leitor dê a Deus, o Espírito, a
hon...





































10 Sermões — R. M. M’Cheyne
Adoração — A. W. Pin...
Issuu.com/oEstandarteDeCristo
2 Coríntios 4
1
2
Por isso, tendo este ministério, segundo a misericórdia que nos foi feita,...
A obra do espírito santo na salvação   arthur walkington pink
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

A obra do espírito santo na salvação arthur walkington pink

125 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
125
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A obra do espírito santo na salvação arthur walkington pink

  1. 1. A OBRA DO ESPÍRITO SANTO NA SALVAÇÃO A. W. Pink
  2. 2. Traduzido do original em Inglês The Holy Spirit's Work in Salvation By A. W. Pink Via: EternalLifeMinistries.org Tradução por Amanda Ramalho Revisão e Capa por William Teixeira 1ª Edição: Dezembro de 2014 Salvo indicação em contrário, as citações bíblicas usadas nesta tradução são da versão Almeida Corrigida Fiel | ACF • Copyright © 1994, 1995, 2007, 2011 Sociedade Bíblica Trinitariana do Brasil. Traduzido e publicado em Português pelo website oEstandarteDeCristo.com, sob a licença Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International Public License. Você está autorizado e incentivado a reproduzir e/ou distribuir este material em qualquer formato, desde que informe o autor, as fontes originais e o tradutor, e que também não altere o seu conteúdo nem o utilize para quaisquer fins comerciais. A Obra do Espírito Santo na Salvação Issuu.com/oEstandarteDeCristo
  3. 3. Issuu.com/oEstandarteDeCristo Por Arthur Walkington Pink Em Atos 19 aprendemos que quando o apóstolo Paulo chegou a Éfeso, ele perguntou a alguns discípulos de João Batista: “recebestes vós o Espírito Santo quando crestes?” (v. 2) e nos é dito: “eles disseram-lhe: Nós nem ainda ouvimos que haja Espírito Santo”. É triste dizer: a história se repetiu. Sem dúvida, se fosse feita a mesma pergunta aos membros de centenas das chamadas “igrejas” (nas quais o modernismo e o mundanismo imperam), eles seriam obrigados a retornar uma resposta idêntica. A razão pela qual aqueles discípulos em Éfeso não conheciam o Espírito Santo foi, muito provavelmente, porque eles haviam si- do batizados na Judéia pelo precursor de Cristo e, em seguida, voltaram para Éfeso, onde eles permaneceram na ignorância do que havia acontecido no dia de Pentecostes. Mas a razão pela qual os membros da “igreja” comumente não sabem nada sobre a terceira pes- soa da Trindade é porque os pregadores deles não falam sobre Ele. Também não é muito melhor com muitas das igrejas ainda consideradas como ortodoxas. Embora a pessoa do Espírito não seja repudiada e embora Seu nome possa, ocasional- mente, ser mencionado, contudo, com apenas raras exceções há qualquer ensino bíblico definitivo dado sobre os ofícios e operações do Consolador Divino. Quanto à Sua obra na salvação, isso é pouquíssimo compreendido até mesmo por Cristãos professos. Na maioria dos lugares onde o Senhor Jesus ainda é formalmente reconhecido como o único Salvador para os pecadores, o ensino atual é que Cristo tornou possível que os homens sejam sal- vos, mas que eles próprios devem decidir se eles serão salvos. A ideia agora tão ampla- mente predominante é que Cristo é oferecido para aceitação do homem, e que ele deve “aceitar a Cristo como seu Salvador pessoal”, “dar o seu coração para Jesus”, “tomar a sua decisão por Cristo” e etc. se quiser que o sangue da cruz sirva para remir seus pecados. Assim, de acordo com essa concepção, a obra consumada de Cristo, a maior obra de todos os tempos e em todo o universo é deixada na dependência da vontade inconstante do homem para saber se será um sucesso ou um fracasso! Entrando agora num círculo mais estreito da Cristandade, em lugares onde ainda é enten- dido que o Espírito Santo tem uma missão e ministério em conexão com a pregação do Evangelho, a ideia geral prevalece mesmo onde o Evangelho de Cristo é fielmente pregado, o Espírito Santo convence os homens do pecado e lhes revela a sua necessidade de um Salvador. Mas, alémdisso, muito poucosestão dispostos air. A teoria que prevalece nesses lugares é que o pecador tem que cooperar com o Espírito, que ele mesmo deve ceder ao Espírito “se esforçando” ou ele não vai e não pode ser salvo. Mas esta teoria perniciosa que insulta a Deus nega duas coisas: argumentar que o homemnatural é capaz de cooperar com o Espírito é negar que ele está “morto em delitos e pecados”, pois um homem morto é
  4. 4. Issuu.com/oEstandarteDeCristo incapaz de fazer qualquer coisa. E, por dizer que as operações do Espírito no coração e na consciência de um homem podem ser resistidas, opostas, é negar Sua onipotência! Antes, prosseguindo adiante, e a fim de abrir o caminho para o que se segue, algumas palavras precisam ser ditas sobre “o meu Espírito não contenderá para sempre com o homem” (Gênesis 6:3) e “vós sempre resistis ao Santo Espírito” (Atos 7:51). Agora, essas passagens se referem ao trabalho externo do Espírito, isto é, o seu testemunho através da Palavra pregada. 1 Pedro 3:18-20 mostra que foi o Espírito de Cristo em Noé, que “se esforçou” com os antediluvianos enquanto o patriarca pregava a eles (2 Pedro 2:5). Assim, Atos 7:51 explica as palavras: “A qual dos profetas não perseguiram vossos pais”. Como disse Neemias: “Porém estendeste a tua benignidade sobre eles por muitos anos, e testi- ficaste contra eles pelo teu Espírito, pelo ministério dos teus profetas” (Neemias 9:30). O trabalho externo do Espírito, Seu testemunho através das Escrituras, uma vez que recai sobre o ouvido externo do homem natural, é sempre “resistido” e rejeitado, o que somente demonstra solenemente o terrível fato de que “a inclinação da carne é inimizade contra Deus” (Romanos 8:7). Mas o que vamos hoje salientar é que a Escritura revela outra obra do Espírito Santo, uma obra que é interna, imperceptível e invisível. Esta obra é sempre eficaz. É a obra do Espírito na salvação, começado no coração com o novo nascimento, continuado ou mantido ao longo de todo o curso da vida do Cristão na terra, e concluído e consumado no céu. Isto é o que é referido em Filipenses 1:6: “aquele que em vós começou a boa obra a aperfeiçoará.” Isto é o que está em vista em Salmos 138:8: “O Senhor aperfei- çoará o que me toca”. Este trabalho é feito pelo Espírito em cada um dos “eleitos de Deus”, e neles apenas. Tem sido dito que “a parte e o oficio do Espírito Santo na salvação dos eleitos de Deus con- siste em renová-los. Ele vivifica os herdeiros da glória com a vida espiritual, ilumina a mente para conhecer a Cristo, O revela a eles, forma a Cristo em seus corações e os leva a cons- truir todas as suas esperanças de glória eterna somente nEle. Ele derrama o amor do Pai em seus corações, e dá-lhes um sentido real do mesmo na experiência de Sua obra gra- ciosa e eficaz em suas almas, eles são levados a dizer como o salmista: ‘Bem-aventurado aquele a quem tu escolhes, e fazes chegar a ti, para que habite em teus átrios’ (Salmos 65:4)”. Um dos enganos do dia é que uma crença evangélica em Cristo repousa sobre o poder do homem não regenerado, de modo que pela realização do que é ingenuamente chamado de “um simples ato de fé”, ele se torna um homem renovado. Em outras palavras, supõe-se que o homem é o iniciante da sua própria salvação. Ele dá o primeiro passo, e Deus faz o restante; ele “acredita” e, em seguida, Deus vem e o salva. Isto não é senão uma negação
  5. 5. Issuu.com/oEstandarteDeCristo evidente e obscura da obra do Espírito. Se há um momento mais do que qualquer outro em que o pecador se encontra necessitado do poder do Espírito é no princípio. “Aquele que nega a necessidade do Espírito, no início, não pode acreditar emSua obra nas fases seguin- tes. Não, não pode acreditar na necessidade da obra do Espírito de forma alguma. A maior e mais insuperável dificuldade se encontra no começo. Se o pecador pode superar essa parte sem o Espírito, ele pode facilmente superar o restante. Se ele não precisa do Espírito para capacitá-lo a crer, ele não precisará dEle para capacitá-lo a amar” (Horatius Bonar). Erram muito os que pensam que depois que o Espírito fez o Seu trabalho na consciência, segue que é o homem quem deve dizer se ele quer ser regenerado ou não, se ele irá crer ou não. O Espírito de Deus não espera que o pecador exerça a sua vontade para crer; Ele opera nos “eleitos” “tanto o querer como o efetuar”. (Filipenses 2:13) Portanto, Jeová declara: “Eu fui achado pelos que não me buscavam” (Isaías 65:1, citado por Paulo em Romanos 10:20). Pois “crer” em Cristo de forma salvífica é um ato sobrenatural, o efeito da graça sobrenatural. Não há mais poder no homem caído para crer para a salvação de sua alma do que mérito de sua autoria que lhe dá direito ao favor de Deus; assim, ele é tão dependente do Espírito por poder como de Cristo por merecimento. A obra do Espírito é aplicar a redenção que o Senhor Jesus comprou para o Seu povo, e os filhos de Deus devem sua salvação a Um tanto quanto ao Outro. Em Tito 3:5, a salvação dos remidos é expressamente atribuída a Deus, o Espírito: “Não pelas obras de justiça que houvéssemos feito, mas segundo a sua misericórdia, nos salvou pela lavagem da regeneração e da renovação do Espírito Santo”. “Se for perguntado em que sentido os homens podem ser chamados de “salvos” pela renovação do Espírito, a res- posta é óbvia: Há uma série de verdades a que nenhuma delas pode ser perdida. Somos salvos pelo propósito Divino, pois Deus nos elegeu para a salvação, somos salvos pela expiação como o fundamento meritório do todo, somos salvos pela fé, como o vínculo de união a Cristo, somos salvos pela graça, em contraste com as obras feitas, somos salvos pela verdade enquanto carregamos o testemunho de Deus, e, como aqui é dito: somos sal- vos pela renovação do Espírito Santo, como a produção de fé no coração”. (Prof. Smeaton) A REGENERAÇÃO É PELO ESPÍRITO “E vos vivificou estando vós mortos em delitos e pecados” (Efésios 2:1). A vivificação dos que estão mortos em delitos é a obra da terceira pessoa da Trindade: “O que é nascido do Espírito é espírito” (João 3:6). O homem natural está morto espiritualmente. Ele está vivo para o pecado e para o mundo, mas morto para Deus: “separados da vida de Deus” (Efésios 4:18). Se esta verdade solene fosse realmente crida, haveria um fim à controvérsia sobre o nosso tema presente. Um homem morto não pode “cooperar” com o Espírito, nem pode
  6. 6. Issuu.com/oEstandarteDeCristo “aceitar a Cristo”. Em2 Coríntios3:5, lemos: “Não que sejamos capazes, por nós, de pensar alguma coisa, como de nós mesmos”. Isto é dito aos Cristãos. Se o regenerado não tem capacidade de “pensar” espiritualmente, ainda muito menos capazes são os não-regenera- dos. “Ora, o homem natural não compreende as coisas do Espírito de Deus, porque lhe parecem loucura; e não pode entendê-las, porque elas se discernem espiritualmente” (1 Coríntios 2:14) O que poderia ser mais claro? O “homem natural” está caído em seu estado não- regenerado. A menos que ele nasça do alto, ele é completamente desprovido de discerni- mento espiritual. Nosso Senhor expressamente declarou: “Na verdade, na verdade te digo que aquele que não nascer de novo, não pode ver o reino de Deus” (João 3:3). O “homem natural” não pode ver a si mesmo, a sua ruína, sua depravação, a imundícia da sua justiça própria. Não importa o quão claramente a verdade de Deus lhe seja apresentada, sendo cego, ele não pode discernir tanto o seu significado espiritual ou a sua própria necessidade. A compreensão espiritual do Evangelho é verdadeiramente devida à operação do Espírito Santo, assim como Ele é o Autor da revelação Divina. A vida espiritual deve preceder a visão espiritual, e o próprio Espírito deve entrar no coração antes que haja a “vida”: “porei em vós o meu Espírito, e vivereis” (Ezequiel 37:14). A obra do Espírito na regeneração é um milagre Divino, que é primeiramente o resultado da Sua introdução de poder sobrenatural. É a vivificação de umcadáver espiritual; é o trazer uma alma morta à vida. O próprio pecador não mais pode realizá-lo por um ato de sua pró- pria vontade do que ele pode criar um universo. Este milagre da graça é descrito nas Escri- turas como: “a sobreexcelente grandeza do seu poder sobre nós, os que cremos, segundo a operação da força do seu poder, que manifestou em Cristo, ressuscitando-o dentre os mortos, e pondo-o à sua direita nos céus” (Efésios 1:19-20). “O mesmo poder que foi empre- gado para levantar Cristo dentre os mortos é exercido na regeneração... A ressurreição de Cristo é o modelo exemplar de nossa ressurreição espiritual, segundo a qual, conforme o Espírito Santo operou nEle, para que Ele operasse em nós uma obra conforme à Sua ressurreição. Assim como a ressurreição de Cristo foi a grande declaração dEle ser o Filho de Deus, também a regeneração é a declaração de sermos filhos de Deus, sendo a prova da nossa adoção, e também a primeira descoberta de nossa eleição. Como a ressurreição de Cristo é o primeiro passo para o Seu reino eterno e glória, do mesmo modo a regene- ração é a primeira introdução aberta para a todas as bênçãos do estado de graça na qual o filho de Deus está agora introduzido” (S. E. Pierce). A APTIDÃO PARA O CÉU É POR MEIO ESPÍRITO Nosso título para a glória reside unicamente na justiça de Cristo; nossa aptidão pessoal
  7. 7. Issuu.com/oEstandarteDeCristo para ela reside na nossa regeneração pelo Espírito Santo. Toda a nossa iminência para o estado celeste foi operada em nós na regeneração. Escrevendo aos regenerados de Colos- senses o apóstolo disse: “Dando graças ao Pai que nos fez idôneos para participar da herança dos santos na luz”. E então ele mostra no que esta “idoneidade” consiste: “O qual nos tirou da potestade das trevas, e nos transportou para o reino do Filho do seu amor” [Colossenses 1:12-13]. Este título não vem deles; sua “idoneidade” os antecede. O Espírito Santo criou neles uma natureza que é capacitada para conhecer e desfrutar do Deus Triuno. Em nosso estado não-regenerado estávamos completamente sob o poder das trevas, isto é, do pecado e de Satanás, e erámos menos capazes de nos livrar do cativeiro do que Jo- nas foi capaz de escapar da barriga do grande peixe. Nós nos “assentávamos na escuridão” e “na região e sombra da morte” (Mateus 4:16). Estávamos “cativos”, “sujeitos” e na “prisão”. (Isaías 61:1) Nós éramos aqueles que “não tinham esperança, e estavam sem Deus no mundo” (Efésios 2:12). A partir desse estado terrível cada alma renovada foi “liberta” pelo poder gracioso, soberano e invencível do Espírito Santo, e tem sido “transportado para o reino do Filho amado de Deus”. Então que cada leitor igualmente honre, adore e louve a Ele, como ao Pai e ao Filho. A JUSTIFICAÇÃO E SANTIFICAÇÃO SÃO PELO ESPÍRITO “E é o que alguns têm sido; mas haveis sido lavados, mas haveis sido santificados, mas haveis sido justificados em nome do Senhor Jesus, e pelo Espírito do nosso Deus” (1 Coríntios 6:11). Esta é uma Escritura notável e pouco ponderada. Isso nos conduziria a muito longe de nosso tema que estamos tentando expor completamente. Duas coisas aqui nós claramente destacamos: as três bênçãos da salvação enumeradas neste versículo são referidas: em primeiro lugar, pelo “nome” ou méritos de Cristo como Sua própria causa obtida; e depois pelo Espírito Santo, que faz com que os eleitos sejam participantes deles por Sua própria aplicação eficaz. Ele é quemilumina a mente e abre o coração para receber e ter certeza de que eles são “lavados, santificados e justificados”. A FÉ É PELO ESPÍRITO Um servo de Deus profundamente instruído certa vez escreveu a um jovem pregador, “Nunca apresente a fé como sendo um ato tão ‘simples’ que o trabalho do Espírito não se faça necessário para produzi-la”. No entanto, isso é o que tem sido comumente feito. Uma grande parte dos evangelistas dos últimos séculos tem mostrado um zelo que não está de acordo com o conhecimento (Romanos 10:2), e manifestaram uma preocupação muito maior em ver almas salvas do que em pregar a verdade de Deus em sua pureza. Em seus
  8. 8. Issuu.com/oEstandarteDeCristo esforços para mostrar a simplicidade do “caminho da salvação”, eles perderam de vista as dificuldades da salvação (Lucas 18:24, 1 Pedro 4:18). Em sua urgente responsabilidade de fazer o homem crer, eles ignoraram o fato de que ninguém pode acreditar até que o Espírito conceda a fé. Pois apresentar Cristo ao pecador e, em seguida, largá-lo de volta a sua pró- pria vontade, é zombar dele em seu desamparo; a obra do Espírito no coração é tão real e urgentemente necessária, como foi o trabalho de Cristo na cruz. Pois o fato do coração ser realmente levado a acreditar e confiar em Deus é um ato espiritual, um “bom fruto”, e se o homem caído possui poder inerente de fazer o bem, segue-se que apresentar a expiação para ele é completamente desnecessário. Não há meio-termo entre a vida e a morte; nenhum estágio intermediário entre a conversão e não-conversão. A outorga da vida eterna é instantânea; somos “criados em Cristo Jesus” (Efésios 2:10) É um erro gravíssimo supor que depois que o Espírito de Deus tem feito a Sua obra no pecador, ainda permanece para ele a incumbência de ser regenerado ou não, se ele deve crer ou não. Todos os que são recipientes de Suas operações sobrenaturais são regenerados, efetivamente convertidos e realmente acreditam. Não é que o Espírito dá a capacidade de acreditar e aguarda o indivíduo exercer a sua vontade de crer: não, Ele opera nos eleitos “tanto o querer como o efetuar” (Filipenses 2:13). Eu posso dizer a um homem que na sala ao lado, existe uma luz acesa, e ele pode não acreditar em mim, mas deixe-me levá-lo para a sala onde a luz está, e tão logo ele veja a luz por si mesmo ele é irresistivelmente persuadido. Assim, um servo de Deus pode dizer a um homem que Cristo é suficiente para o principal dos pecadores, e ele não acreditar; mas quando Cristo é “revelado nele” (Gálatas 1:16), ele não pode deixar de confiar nEle. Veja 2 Coríntios 4:6. Como o homemperversamente inverte a ordemda verdade de Deus. Eles pedemaos peca- dores mortos para virem a Cristo, supondo que eles têm o poder ou vontade de fazê-lo. Considerando que Cristo clara e enfaticamente afirmou: “Ninguém pode vir a mim, se o Pai que me enviou o não trouxer” (João 6:44). “Vir a Cristo” é o afeto do coração sendo atraído para Ele, e como pode uma pessoa amar o que ela não conhece? Veja João 4:10. Ah, é o Espírito que deve levar Cristo para mim, revelá-lO em mim antes que eu possa realmente conhecê-lO. “Vir a Cristo” é um ato interior e espiritual, não um ato externo e natural. Verda- deiramente, “o homem natural não compreende as coisas do Espírito de Deus, porque lhe parecem loucura; e não pode entendê-las, porque elas se discernem espiritualmente” (1 Coríntios 2:14) Não podemos “olhar para Cristo” até que tenhamos nascido de novo (João 3:3). A graça salvadora é algo mais do que um fato objetivo que nos é apresentado; é uma ope- ração subjetiva forjada dentro de nós. Como não é pelo meu discernimento natural que eu descubro a minha necessidade de Cristo, também não é por minha força natural e vontade
  9. 9. Issuu.com/oEstandarteDeCristo que eu “vou” a Ele. Deve haver vida e luz (visão) antes que possa haver movimento. Um bebê tem que nascer, e possuir visão e força, também, antes que seja capaz de “vir” até o seu pai. Crer em Cristo é um ato sobrenatural, o produto de um poder sobrenatural. Pode- se, por meio de frases gramaticaise proposições das Escrituras ensinar a verdade espiritual para outro, mas isso não pode iluminar a mente dele a esse respeito. Ele pode dizer a um homem que Deus é santo, mas ele não pode dar a ele uma consciência de que Deus é san- to. Ele pode dizer a ele que o pecado é infinitamente hediondo, mas ele não pode gerar ne- le um sentimento ou fazê-lo compreender de coração que é assim. Para aqueles que esta- vam bem familiarizados com isso exteriormente, Cristo disse: “Não me conheceis a mim, nem a meu Pai” (João 8:19) Um homem pode “conhecer” o caminho da justiça (2 Pedro 2:21), teoricamente, intelectualmente, mas isso é uma questão muito diferente (embora muito poucos sejam interiormente cientes disso) de um conhecimento experimental e espi- ritual dEle: “temos portanto o mesmo espírito de fé, como está escrito: Cri, por isso falei; nós cremos também, por isso também falamos” (2 Coríntios 4:13) Aqui, o Espírito de Deus fala de acordo com a obra que Ele opera. “O título 'Espírito de fé’ dá a entender que o Espírito Santo é o autor de fé; pois, nem todos os homens têm fé; ou seja, não é dada a to- dos e não pertence a todos (2 Tessalonicenses 3:2). A designação significa que a causa, a aquisição da fé é a partir do Espírito Santo, que produz esse efeito por um chamado invi- sível, um convite que acompanha, de acordo com o beneplácito de Sua vontade, a procla- mação externa do Evangelho. A fé, portanto, da qual Ele é o autor, não é afetada pela própria força do ouvinte, ou pela própria vontade efetiva do ouvinte... A operação especial do Espíritoinclina o pecador, anteriormente avesso, para receber os convites do Evangelho; pois é somente Ele, atuando como o Espírito de fé, que remove a inimizade da mente carnal contra as doutrinas da cruz, pois sem tais, as doutrinas pareceriam desnecessárias, tolas ou ofensivas” (Prof. Smeaton). Escrevendo aos santos de Filipos, o apóstolo declarou: “A vós é dado... crer nele” (1:29). A fé é “dom” de Deus como Efésios 2:8-9 afirma positivamente. Não é um dom oferecido para a aceitação do homem, mas, na verdade, conferido aos filhos de Deus, soprados neles. Ele a concedeu a cada umdos “eleitos de Deus” no seu tempo determinado pelo Espírito Santo. Não é produzida pela vontade da criatura, mas é “fé no poder de Deus” (Colossenses 2:12) É uma “obra” do Espírito Santo, pela Sua atuação sobrenatural. O Espírito Santo é dado por Cristo para este fim, a saber, para que cada um daqueles por quem Ele morreu seja levado ao conhecimento da salvação da verdade, portanto, é-nos dito: “por Ele (não por nossa vontade) credes em Deus” (1 Pedro 1:21). Em 1 Coríntios 3:5 nos é dito que: “crestes... conforme o que o Senhor deu a cada um”; assim em Efésios 6:23 é declarado: “Paz seja com os irmãos, e amor com fé da parte de Deus Pai e da do Senhor Jesus Cristo”. O próprio grau e força da nossa fé é determinado unicamente por Deus: “pense com mo- deração, conforme a medida da fé que Deus repartiu a cada um” (Romanos 12:3). Se pela
  10. 10. Issuu.com/oEstandarteDeCristo graça Ele fez de você verdadeiramente um “crente”, que o leitor dê a Deus, o Espírito, a honra, a glória e o louvor por isso. A SALVAÇAO É TOTALMENTE APLICADA PELO ESPÍRITO “Mas devemos sempre dar graças a Deus por vós, irmãos amados do Senhor, por vos ter Deus elegido desde o princípio para a salvação, em santificação do Espírito, e fé da ver- dade” (2 Tessalonicenses 2:13). A missão do Espírito na terra é aplicar aos eleitos de Deus o resgate proposto por Deus Pai e comprado por Deus, o Filho, para eles. O Espírito Santo está aqui para fazer o bem às almas dos herdeiros da glória pelos frutos das dores de parto da alma de Cristo. Isso Ele faz por meio do Evangelho, pelos escritos e pelo ministério oral da Escritura, pois a Palavra de Deus é o único instrumento que Ele emprega ou utiliza. A Palavra de Deus é “a palavra da vida” (Filipenses 2:16), mas ela só se torna vida na expe- riência da alma individual pela operação imediata e aplicação do Espírito de Deus. Como Paulo escreveu aos santos de Tessalônica: “Mas devemos sempre dar graças a Deus por vós, irmãos amados do Senhor, por vos ter Deus elegido desde o princípio para a salvação, em santificação do Espírito, e fé da verdade” (2 Tessalonicenses 2:13). Isto não é para negar a eficácia da própria Palavra, mas é para insistir que a agência direta do Espírito sobre o coração é absolutamente necessária para a recepção da Palavra. A Palavra é lâm- pada para o nosso caminho, mas deve haver uma abertura dos olhos do nosso entendi- mento pelo Espírito antes que possamos ver a Sua luz. A salvação dos eleitos de Deus foi proposta, planejada e provida por Deus Pai, antes da fundação do mundo. Foi adquirida e garantida pela encarnação, obediência, morte e res- surreição do Filho de Deus. É revelada, aplicada neles por Deus, o Espírito. Assim, “do Senhor vem a salvação” (Jonas 2:9), e o homem não tem parte ou põe a mão nela em qualquer ponto. O filho de Deus não é o conquistador, mas o recipiente dela. A fé não é uma condição que o pecador eleito deve atingir a fim de obter a salvação, mas é o meio e canal através do qual ele pessoalmente goza a salvação do Triuno Jeová. Sola Scriptura! Sola Gratia! Sola Fide! Solus Christus! Soli Deo Gloria!
  11. 11.                                      10 Sermões — R. M. M’Cheyne Adoração — A. W. Pink Agonia de Cristo — J. Edwards Batismo, O — John Gill Batismo de Crentes por Imersão, Um Distintivo Neotestamentário e Batista — William R. Downing Bênçãos do Pacto — C. H. Spurgeon Biografia de A. W. Pink, Uma — Erroll Hulse Carta de George Whitefield a John Wesley Sobre a Doutrina da Eleição Cessacionismo, Provando que os Dons Carismáticos Cessaram — Peter Masters Como Saber se Sou um Eleito? ou A Percepção da Eleição — A. W. Pink Como Ser uma Mulher de Deus? — Paul Washer Como Toda a Doutrina da Predestinação é corrompida pelos Arminianos — J. Owen Confissão de Fé Batista de 1689 Conversão — John Gill Cristo É Tudo Em Todos — Jeremiah Burroughs Cristo, Totalmente Desejável — John Flavel Defesa do Calvinismo, Uma — C. H. Spurgeon Deus Salva Quem Ele Quer! — J. Edwards Discipulado no T empo dos Puritanos, O — W. Bevins Doutrina da Eleição, A — A. W. Pink Eleição & Vocação — R. M. M’Cheyne Eleição Particular — C. H. Spurgeon Especial Origem da Instituição da Igreja Evangélica, A — J. Owen Evangelismo Moderno — A. W. Pink Excelência de Cristo, A — J. Edwards Gloriosa Predestinação, A — C. H. Spurgeon Guia Para a Oração Fervorosa, Um — A. W. Pink Igrejas do Novo Testamento — A. W. Pink In Memoriam, a Canção dos Suspiros — Susannah Spurgeon Incomparável Excelência e Santidade de Deus, A — Jeremiah Burroughs Infinita Sabedoria de Deus Demonstrada na Salvação dos Pecadores, A — A. W. Pink Jesus! – C. H. Spurgeon Justificação,PropiciaçãoeDeclaração —C.H.Spurgeon Livre Graça, A — C. H. Spurgeon Marcas de Uma Verdadeira Conversão — G. Whitefield Mito do Livre-Arbítrio, O — Walter J. Chantry Natureza da Igreja Evangélica, A — John Gill OUTRAS LEITURAS QUE RECOMENDAMOS Baixe estes e outros e-books gratuitamente no site oEstandarteDeCristo.com. — Issuu.com/oEstandarteDeCristo Sola Fide • Sola Scriptura • Sola Gratia • Solus Christus • Soli Deo Gloria —  Natureza e a Necessidade da Nova Criatura, Sobre a — John Flavel  Necessário Vos é Nascer de Novo — Thomas Boston  Necessidade de Decidir-se Pela Verdade, A — C. H. Spurgeon  Objeções à Soberania de Deus Respondidas — A. W. Pink  Oração — Thomas Watson  Pacto da Graça, O — Mike Renihan  Paixão de Cristo, A — Thomas Adams  Pecadores nas Mãos de Um Deus Irado — J. Edwards  Pecaminosidade do Homem em Seu Estado Natural — Thomas Boston  Plenitude do Mediador, A — John Gill  Porção do Ímpios, A — J. Edwards  Pregação Chocante — Paul Washer  Prerrogativa Real, A — C. H. Spurgeon  Queda, a Depravação Total do Homem em seu Estado Natural..., A, Edição Comemorativa de Nº 200  Quem Deve Ser Batizado? — C. H. Spurgeon  Quem São Os Eleitos? — C. H. Spurgeon  Reformação Pessoal & na Oração Secreta — R. M. M'Cheyne  Regeneração ou Decisionismo? — Paul Washer  Salvação Pertence Ao Senhor, A — C. H. Spurgeon  Sangue, O — C. H. Spurgeon  Semper Idem — Thomas Adams  Sermões de Páscoa — Adams, Pink, Spurgeon, Gill, Owen e Charnock  Sermões Graciosos (15 Sermões sobre a Graça de Deus) — C. H. Spurgeon  Soberania da Deus na Salvação dos Homens, A — J. Edwards  Sobre aNossa Conversão a Deuse Como Essa Doutrina é Totalmente Corrompida Pelos Arminianos — J. Owen  Somente as Igrejas Congregacionais se Adequam aos Propósitos de Cristo na Instituição de Sua Igreja — J. Owen  Supremacia e o Poder de Deus, A — A. W. Pink  Teologia Pactual e Dispensacionalismo — William R. Downing  Tratado Sobre a Oração, Um — John Bunyan  Tratado Sobre o Amor de Deus, Um — Bernardo de Claraval  Um Cordão de Pérolas Soltas, Uma Jornada Teológica no Batismo de Crentes — Fred Malone
  12. 12. Issuu.com/oEstandarteDeCristo 2 Coríntios 4 1 2 Por isso, tendo este ministério, segundo a misericórdia que nos foi feita, não desfalecemos; Antes, rejeitamos as coisas que por vergonha se ocultam, não andando com astúcia nem falsificando a palavra de Deus; e assim nos recomendamos à consciência de todo o homem, 3 4 entendimentos dos incrédulos, para que lhes não resplandeça a luz do evangelho da glória 5 Jesus, o Senhor; e nós mesmos somos vossos servos por amor de Jesus. 6 Porque Deus, que disse que das trevas resplandecesse a luz, é quem resplandeceu em nossos corações, 7 este tesouro em vasos de barro, para que a excelência do poder seja de Deus, e não de nós. 8 Em tudo somos atribulados, mas não angustiados; perplexos, mas não desanimados. 9 Perseguidos, mas não desamparados; abatidos, mas não destruídos; 10 Trazendo sempre por toda a parte a mortificação do Senhor Jesus no nosso corpo, para que a vida de Jesus se manifeste também nos nossos corpos; 11 E assim nós, que vivemos, estamos sempre entregues à morte por amor de Jesus, para que a vida de Jesus se manifeste também na nossa carne mortal. 12 De maneira que em nós opera a morte, mas em vós a vida. 13 E temos portanto o mesmo espírito de fé, como está escrito: Cri, por isso falei; nós cremos também, por isso também falamos. 14 Sabendo que o que ressuscitou o Senhor Jesus nos ressuscitará também por Jesus, e nos apresentará convosco. 15 Porque tudo isto é por amor de vós, para que a graça, multiplicada por meio de muitos, faça abundar a ação de graças para glória de Deus. 16 Por isso não desfalecemos; mas, ainda que o nosso homem exterior se corrompa, o interior, contudo, se renova de dia em dia. 17 Porque a nossa leve e momentânea tribulação produz para nós um peso eterno de glória mui excelente; 18 Não atentando nós nas coisas que se veem, mas nas que se não veem; porque as que se veem são temporais, e as que se não veem são eternas.

×