SlideShare uma empresa Scribd logo
PlatelmintosPlatelmintos
• Animais de vida livre – animais que não são fixos, conseguem
se locomover e não são dependentes de outros seres vivos
para realizar seus metabolismos;
• Animais parasitas - são aqueles que vivem no corpo de
outros animais ou em plantas (hospedeiros), dependendo
destes para sobreviver;
• Cisticercose - Doença causada pela ingestão dos ovos da
Taenia solium;
• Ectoparasitas - parasitas que se instalam fora do corpo do
hospedeiro;
VocabulárioVocabulário ee ConceitosConceitos::
• Esquistossomose - Doença crônica causada por parasitas do
gênero Schistosoma;
• Fragmentação - Tipo de reprodução assexuada, em que
ocorre uma fissão corporal. Cada metade se regenera e
forma uma nova planária;
• Hermafrodita - animal que possui órgãos sexuais dos dois
sexos, em um mesmo indivíduo;
• Muco - substância visco-elástica de origem biológica. É
produzido como método de proteção de superfícies no ser
vivo, contra a desidratação, ataque químico, bacteriológico ou
simplesmente como lubrificante;
VocabulárioVocabulário ee ConceitosConceitos::
• Predadores - são os animais que atacam, matam e se
alimentam de presas, em geral, indivíduos de outras espécies;
• Profilaxia - Conjunto de medidas que têm por finalidade
prevenir ou atenuar as doenças, suas complicações e
consequências;
• Protonefrídeos - órgãos excretores formados por tubos com
uma extremidade aberta e outra interna, fechada;
• Quimiorreceptores - receptor sensorial sensível à presença
ou concentração de determinadas substâncias químicas;
VocabulárioVocabulário ee ConceitosConceitos::
• Saprófagos – animais que alimentam de cadáveres de plantas
e/ou animais;
• Teníase - Doença causada pela Tênia;
• Trematódeos - Classe do filo Platelmintos composta por
espécies de endo- e ectoparasitas;
• Turbelários - Classe do filo Platelmintos que engloba as
espécies aquáticas de vida livre, predadores e saprófagos ;
• Vermes - denominação popular para os filos platelmintos,
nematódeos e anelídeos.
•
VocabulárioVocabulário ee ConceitosConceitos::
Esquema Organizacional Global de PlatelmintosEsquema Organizacional Global de PlatelmintosEsquema Organizacional Global de PlatelmintosEsquema Organizacional Global de Platelmintos
Platelmintos
Definição
Filo formado por animais de corpo achatado
dorsoventralmente, em forma de laminas ou fitas
Características
Triblásticos e acelomados
Apresentam cefalização
Simetria bilateral
Morfologia e
Fisiologia
Respiração, Circulação e Excreção
Digestão
Coordenação
Revestimento
Classificação
Tubelários
Tremátodeos
Cestódeos
Digestão
Tubo digestório incompleto Não possuem abertura anal
Apresentam digestão intra e extracelular
Respiração,
circulação e
excreção
Trocas gasosas ocorrem por difusão
Cavidade digestória distribui o alimento
Esquema Organizacional Parcial deEsquema Organizacional Parcial de
Morfologia e FisiologiaMorfologia e Fisiologia
Esquema Organizacional Parcial deEsquema Organizacional Parcial de
Morfologia e FisiologiaMorfologia e Fisiologia
Morfologia e
Fisiologia
Coordenação
Revestimento
Dois gânglios cerebrais ligados entre
si por dois cordões nervosos
Sistema Nervoso Centralizado
Possuem ocelos e quimiorreceptores
Platelmintos
vida Livre
Platelmintos
Parasitas
Muco e cílios na epiderme
Cutícula protetora na epiderme
Alguns parasitas retiram alimento do hospedeiro
Não apresentam sist.
Respiratório e Circulatório
Excreção realizado pelas células-flama
Reino
Animalia
(Animal)
Definição
Divisão
(Filos)
Poríferos
Cnidários
Características
Reino formado por todas as espécies de animais
Composição Animais
Eucariontes pluricelulares
Heterotróficos
Presença de Sistema Nervoso e Muscular
Simetria Radial ou Bilateral
Ciclo de vida Diplobionte
Desenvolvimento embrionário típico
Capacidade de locomoção
Câmara Digestiva
Platelmintos
Esquema Organizacional GlobalEsquema Organizacional Global
do Reino Animaldo Reino Animal
Esquema Organizacional GlobalEsquema Organizacional Global
do Reino Animaldo Reino Animal
Esquema Organizacional Global de PlatelmintosEsquema Organizacional Global de PlatelmintosEsquema Organizacional Global de PlatelmintosEsquema Organizacional Global de Platelmintos
Platelmintos
Definição
Filo formado por animais de corpo achatado
dorsoventralmente, em forma de laminas ou fitas
Características
Triblásticos e acelomados
Apresentam cefalização
Simetria bilateral
Morfologia e
Fisiologia
Respiração, Circulação e Excreção
Digestão
Coordenação
Revestimento
Classificação
Tubelários
Tremátodeos
Cestódeos
 O filo Platyhelmintes (platelmintos) é formado por vermes
achatados, alongados, em forma de lâminas ou fitas, e neles se
distinguem uma cabeça e uma região caudal. Podem ser de vida
livre ou parasitas.
DefiniçãoDefinição
Vermes : denominação popular
para os filos platelmintos,
nematódeos e anelídeos.
Fonte: http://www.presenteparahomem.com.br/
o-que-sao-as-planarias/
Esquema Organizacional Global de PlatelmintosEsquema Organizacional Global de PlatelmintosEsquema Organizacional Global de PlatelmintosEsquema Organizacional Global de Platelmintos
Platelmintos
Definição
Filo formado por animais de corpo achatado
dorsoventralmente, em forma de laminas ou fitas
Características
Triblásticos e acelomados
Apresentam cefalização
Simetria bilateral
Morfologia e
Fisiologia
Respiração, Circulação e Excreção
Digestão
Coordenação
Revestimento
Classificação
Tubelários
Tremátodeos
Cestódeos
RelembrandoRelembrando......
RelembrandoRelembrando......
 São triblásticos e acelomados.
 Podem possuir cefalização. A região anterior do corpo é
delimitada por uma cabeça, onde se localiza uma maior
concentração de órgãos sensoriais e de tecido nervoso que o
resto do corpo.
 Possuem simetria bilateral.
CaracterísticasCaracterísticas
Fonte: http://cfb702materia.blogspot.com.br/2011_06_01_archive.html
Fonte: http://www.ancorador.com.br/educacao/concursos-publicos-passar-concurso-publico
TENTE FAZER SOZINHO!!TENTE FAZER SOZINHO!!
Questão
1) Dugesia tigrina é um verme platelminto que possui o corpo
achatado dorsoventralmente. Qual das seguintes características
não corresponde ao filo a que ela pertence:
a) Simetria bilateral;
b) Cefalização;
c) Ausência de celoma;
d) Corpo segmentado.
Questão
1) Dugesia tigrina é um verme platelminto que possui o corpo
achatado dorsoventralmente. Qual das seguintes características
não corresponde ao filo a que ela pertence:
a) Simetria bilateral;
b) Cefalização;
c) Ausência de celoma;
d) Corpo segmentado.
Resposta
Platelmintos Características
Triblásticos e acelomados
Apresentam cefalização
Simetria bilateral
a) Simetria bilateral;
b) Cefalização;
c) Ausência de celoma;
d) Corpo segmentado.
Esquema Organizacional Global de PlatelmintosEsquema Organizacional Global de PlatelmintosEsquema Organizacional Global de PlatelmintosEsquema Organizacional Global de Platelmintos
Platelmintos
Definição
Filo formado por animais de corpo achatado
dorsoventralmente, em forma de laminas ou fitas
Características
Triblásticos e acelomados
Apresentam cefalização
Simetria bilateral
Morfologia e
Fisiologia
Respiração, Circulação e Excreção
Digestão
Coordenação
Revestimento
Classificação
Tubelários
Tremátodeos
Cestódeos
 Os platelminto de vida livre produzem um muco na epiderme que
facilita o movimento, realizado com ajuda dos cílios que revestem
a face ventral.
 Os parasitas possuem uma cutícula protetora sobre a epiderme.
MorfologiaMorfologia ee FisiologiaFisiologia
Fonte: BIOLOGIA – César da Silva Júnior; Sezar Sasson & Nelson Caldini Júnior (2010)
 Animais de vida livre apresentam tubo digestório incompleto
(sem ânus), com digestão intra e extracelular.
 Alguns parasitas não possuem tubo digestório, retirando o
alimento já digerido do sangue do hospedeiro.
MorfologiaMorfologia ee FisiologiaFisiologia
Fonte: BIOLOGIA – César da Silva Júnior; Sezar Sasson & Nelson Caldini Júnior (2010)
MorfologiaMorfologia ee FisiologiaFisiologia
Fonte: Fonte: Biologia Hoje – Sérgio Linhares e Fernando Gewandsznjder (2011)
Não apresentam sistema respiratório e circulatório, pois
como são animais achatados, a distancia corporal se
torna pequena.
 A respiração se da por difusão e a cavidade digestória
distribui o alimento pelo corpo.
MorfologiaMorfologia ee FisiologiaFisiologia
MorfologiaMorfologia ee FisiologiaFisiologia
Fonte: http://www.netxplica.com/manual.virtual/exercicios
/bio10/osmorregulacao/10.BIO.osmorregulacao.invertebrados.htm
 Sistema nervoso mais desenvolvido que dos Cnidários. Possui dois
gânglios cerebrais, ligados entre si por dois cordões nervosos.
MorfologiaMorfologia ee FisiologiaFisiologia
Fonte: Biologia Hoje – Sérgio Linhares e
Fernando Gewandsznjder (2011)
Além da cefalização, há também
a centralização do sistema
nervoso, o que permite
movimentos mais sofisticados.
Possuem também ocelos, nas
formas livres e
quimiorreceptores, que assinalam
a presença de substâncias
químicas
úteis ou nocivas.
Digestão
Tubo digestório incompleto Não possuem abertura anal
Apresentam digestão intra e extracelular
Respiração,
circulação e
excreção
Trocas gasosas ocorrem por difusão
Cavidade digestória distribui o alimento
Esquema Organizacional Parcial deEsquema Organizacional Parcial de
Morfologia e FisiologiaMorfologia e Fisiologia
Esquema Organizacional Parcial deEsquema Organizacional Parcial de
Morfologia e FisiologiaMorfologia e Fisiologia
Morfologia e
Fisiologia
Coordenação
Revestimento
Dois gânglios cerebrais ligados entre
si por dois cordões nervosos
Sistema Nervoso Centralizado
Possuem ocelos e quimiorreceptores
Platelmintos
vida Livre
Platelmintos
Parasitas
Muco e cílios na epiderme
Cutícula protetora na epiderme
Alguns parasitas retiram alimento do hospedeiro
Não apresentam sist.
Respiratório e Circulatório
Excreção realizado pelas células-flama
Fonte: http://www.ancorador.com.br/educacao/concursos-publicos-passar-concurso-publico
TENTE FAZER SOZINHO!!TENTE FAZER SOZINHO!!
Questão
2) (MED. SANTA CASA) Das características abaixo, qual não serve
para mostrar que os platelmintos são mais adiantados que os
cnidários:
a) Simetria bilateral, com diferenciação antero-posterior e
dorsoventral;
b) Presença de células nervosas;
c) Mesoderme como um terceiro folheto germinativo;
d) Sistema Nervoso Centralizado.
Questão
2) (MED. SANTA CASA) Das características abaixo, qual não serve
para mostrar que os platelmintos são mais adiantados que os
cnidários:
a) Simetria bilateral, com diferenciação antero-posterior e
dorsoventral;
b) Presença de células nervosas;
c) Mesoderme como um terceiro folheto germinativo;
d) Sistema Nervoso Centralizado.
Resposta
a) Simetria bilateral, com diferenciação antero-posterior e
dorsoventral;
Cnidários Características Simetria Radial
Platelmintos Características Simetria bilateral
VERDADEIRO
Resposta
b) Presença de células nervosas;
Morfologia e
Fisiologia
Coordenação Não há gânglios nem cérebro Sistema Nervoso DifusoCnidários
Dois gânglios cerebrais
ligados entre si por dois
cordões nervosos
Sistema Nervoso Centralizado
Morfologia e
Fisiologia
CoordenaçãoPlatelmintos
FALSO
Resposta
c) Mesoderme como um terceiro folheto germinativo;
DiblásticosCnidários Características
Platelmintos Características Triblásticos
VERDADEIRO
Resposta
d) Sistema Nervoso Centralizado.
Morfologia e
Fisiologia
Coordenação Não há gânglios nem cérebro Sistema Nervoso DifusoCnidários
Dois gânglios cerebrais
ligados entre si por dois
cordões nervosos
Sistema Nervoso Centralizado
Morfologia e
Fisiologia
CoordenaçãoPlatelmintos
VERDADEIRO
Resposta
2) (MED. SANTA CASA) Das características abaixo, qual não serve
para mostrar que os platelmintos são mais adiantados que os
cnidários:
a) Simetria bilateral, com diferenciação antero-posterior e
dorsoventral;
b) Presença de células nervosas;
c) Mesoderme como um terceiro folheto germinativo;
d) Sistema Nervoso Centralizado.
Questão
3) Observe as frases abaixo e depois marque a alternativa que
contenha as palavras que as completem.
I. Os platelmintos são animais -____________________ e
acelomados.
II. Os platelmintos não apresentam sistema circulatório e
_________________ diferenciado.
III. O sistema ---------------________________ dos platelmintos
é mais desenvolvido que o dos cnidários.
IV. As tênias são _______________.
V. Os platelmintos são classificados nas classes turbelários,
trematódeos e ___________.
Questão
a)      Triblásticos, respiratório, nervoso, monoicas, cestódeos.
b)      Diblásticos, excretor, respiratório, dioicas, cestódeos.
c)       Triblásticos, excretor, circulatório, hermafrofitas, cestódeos.
d)      Triblásticos, nervoso, respiratório, dioicas, nematódeos
e)      Diblásticos, nervoso, excretor, monoicas, nematódeos.
Questão
3) Observe  as  frases  abaixo  e  depois  marque  a  alternativa  que 
contenha as palavras que as completem.
I.        Os platelmintos são animais ­____________________ e 
acelomados.
II.      Os platelmintos não apresentam sistema circulatório e 
_________________ diferenciado.
III.    O sistema ­­­­­­­­­­­­­­­________________ dos platelmintos 
é mais desenvolvido que o dos cnidários.
IV.    As tênias são _______________.
V.      Os platelmintos são classificados nas classes turbelários, 
trematódeos e ___________.
Questão
a)      Triblásticos, respiratório, nervoso, monoicas, cestódeos.
b)      Diblásticos, excretor, respiratório, dioicas, cestódeos.
c)       Triblásticos, excretor, circulatório, hermafrofitas, cestódeos.
d)      Triblásticos, nervoso, respiratório, dioicas, nematódeos
e)      Diblásticos, nervoso, excretor, monoicas, nematódeos.
Resposta
Platelmintos
Características
Triblásticos e acelomados
Apresentam cefalização
Simetria bilateral
Respiração,
circulação e
excreção
Trocas gasosas ocorrem
por difusão
Cavidade digestória distribui o alimento
Morfologia e
Fisiologia
Não apresentam sist.
Respiratório e Circulatório
Excreção realizado pelas células-flama
Resposta
Morfologia e
Fisiologia
Coordenação Não há gânglios nem cérebro Sistema Nervoso DifusoCnidários
Dois gânglios cerebrais
ligados entre si por dois
cordões nervosos
Sistema Nervoso Centralizado
Morfologia e
Fisiologia
CoordenaçãoPlatelmintos
Tênia Reprodução
Hermafroditas ou
Monoicas
Resposta
I.        Os platelmintos são animais ­____________________ e 
acelomados.
II.      Os platelmintos não apresentam sistema circulatório e 
_________________ diferenciado.
III.    O sistema ­­­­­­­­­­­­­­­________________ dos platelmintos é 
mais desenvolvido que o dos cnidários.
IV.    As tênias são _______________.
V.      Os platelmintos são classificados nas classes turbelários, 
trematódeos e ___________.
a)      Triblásticos, respiratório, nervoso, monoicas, cestódeos
Triblásticos
respiratório
nervoso
monoicas
cestódeos
VERDADEIRO
Resposta
I.        Os platelmintos são animais ­____________________ e 
acelomados.
II.      Os platelmintos não apresentam sistema circulatório e 
_________________ diferenciado.
III.    O sistema ­­­­­­­­­­­­­­­________________ dos platelmintos é 
mais desenvolvido que o dos cnidários.
IV.    As tênias são _______________.
V.      Os platelmintos são classificados nas classes turbelários, 
trematódeos e ___________.
b)      Diblásticos, excretor, respiratório, dioicas, cestódeos.
Diblásticos
excretor
respiratório
dioicas
cestódeos
FALSO
Resposta
I.        Os platelmintos são animais ­____________________ e 
acelomados.
II.      Os platelmintos não apresentam sistema circulatório e 
_________________ diferenciado.
III.    O sistema ­­­­­­­­­­­­­­­________________ dos platelmintos é 
mais desenvolvido que o dos cnidários.
IV.    As tênias são _______________.
V.      Os platelmintos são classificados nas classes turbelários, 
trematódeos e ___________.
c)       Triblásticos, excretor, circulatório, hermafrofitas, cestódeos.
excretor
circulatório
hermafrofitas
cestódeos
FALSO
Triblásticos
Resposta
I.        Os platelmintos são animais ­____________________ e 
acelomados.
II.      Os platelmintos não apresentam sistema circulatório e 
_________________ diferenciado.
III.    O sistema ­­­­­­­­­­­­­­­________________ dos platelmintos é 
mais desenvolvido que o dos cnidários.
IV.    As tênias são _______________.
V.      Os platelmintos são classificados nas classes turbelários, 
trematódeos e ___________.
d)      Triblásticos, nervoso, respiratório, dioicas, nematódeos.
nervoso
respiratório
dioicas
nematódeos
FALSO
Triblásticos
Resposta
a)      Triblásticos, respiratório, nervoso, monoicas, cestódeos.
b)      Diblásticos, excretor, respiratório, dioicas, cestódeos.
c)       Triblásticos, excretor, circulatório, hermafrofitas, cestódeos.
d)      Triblásticos, nervoso, respiratório, dioicas, nematódeos
e)      Diblásticos, nervoso, excretor, monoicas, nematódeos.
Esquema Organizacional Global de PlatelmintosEsquema Organizacional Global de PlatelmintosEsquema Organizacional Global de PlatelmintosEsquema Organizacional Global de Platelmintos
Platelmintos
Definição
Filo formado por animais de corpo achatado
dorsoventralmente, em forma de laminas ou fitas
Características
Triblásticos e acelomados
Apresentam cefalização
Simetria bilateral
Morfologia e
Fisiologia
Respiração, Circulação e Excreção
Digestão
Coordenação
Revestimento
Classificação
Tubelários
Tremátodeos
Cestódeos
TurbeláriosTurbelários
Fonte: http://cifonauta.cebimar.usp.br/photo/9875/)
A  maioria  das  espécies  é  aquática  de  vida  livre,  pouco  são 
terrestres e parasitas. São  predadores e saprófagos  (alimentam de 
cadáveres de plantas e animais).
 A  maioria  dos  turbelários  movem­se  inteiramente  através  de 
cílios; as espécies grandes são marcantemente achatados e movem­
se através dos cílios e ondulação muscular sobre a grande superfície 
ventral. 
Fonte: http://bioglossa.wikispaces.com/Ocelos
TurbeláriosTurbelários
Fonte: Biologia Hoje – Sérgio Linhares e 
 Fernando Gewandsznjder (2011)
Fragmentação:  a  planária  pode  realizar  reprodução  assexuada 
caminhando com parte anterior  e a posterior do corpo em sentidos 
contrários  e  cortando  ao  meio.  Posteriormente,  uma  metade 
regenera a outra.
Reprodução Assexuada
TurbeláriosTurbelários
Fonte: BIOLOGIA – César da Silva Júnior;
 Sezar Sasson & Nelson Caldini Júnior (2010)
Possuem  grande  poder  de  regeneração.  Quando  seccionadas  em 
um ou mais pedaços, cada um deles pode originar um novo individuo.
Reprodução Assexuada
TurbeláriosTurbelários
Fonte: http://www.ebah.com.br/content/ABAAABnecAK/aula­06­
platelmintos­nematelmintos
Os  turbelários  são  hermafroditas  (apresenta  testículo  e  ovários), 
com  sistemas  reprodutores  adaptados  à  fertilização  interna  e  à 
deposição de ovos. E a fecundação é cruzada.
Apresenta  desenvolvimento 
embrionário direto. 
Após  a  formação  da  célula­ovo 
ou zigoto, o embrião irá dar origem 
a uma nova planária.
Reprodução Sexuada
Esquema Organizacional ParcialEsquema Organizacional Parcial
de Turbeláriosde Turbelários
Esquema Organizacional ParcialEsquema Organizacional Parcial
de Turbeláriosde Turbelários
Turbelário
s
Definição
Locomoção
Espécies aquáticas de vida livre, predadores e saprófagos
Através de cílios
Através dos cílios e ondulação muscular
Espécies pequenas
Espécies maiores
Reprodução Tipos
Assexuada Fragmentação
Fissão corporal. Cada metade se
regenera e forma uma nova planária
Sexuada
São hermafroditas, com fecundação cruzada
Apresentam fertilização interna
e deposição de ovos
Desenvolvimento embrionário direto
Fonte: http://www.ancorador.com.br/educacao/concursos­publicos­passar­concurso­publico
TENTE FAZER SOZINHO!!TENTE FAZER SOZINHO!!
Questão
4) Comente a seguinte afirmação:
“A  maioria  das  espécies  de  Turbelários  (Classe  de  platelmintos)   
são parasitas obrigatórios, sendo responsáveis por doenças como 
teníase e esquistossomose”.
Questão
4) Comente a seguinte afirmação:
“A  maioria  das  espécies  de  Turbelários  (Classe  de  platelmintos)   
são parasitas obrigatórios, sendo responsáveis por doenças como 
teníase e esquistossomose”.
Resposta
Turbelários Definição Espécies aquáticas de vida livre, predadores e saprófagos
Resposta
A maioria das espécies é aquática de vida livre, pouco 
são  terrestres  e  parasitas.  Teníase  e  esquistossomose  são 
doenças causadas por platelmintos que pertencem a outras 
classes.
Questão
5) Observe a figura:
Que  animal  está  aparecendo  na  figura  e  qual  filo  e  classe  ele 
pertence?  Que  tipo  de  característica  pertinente  a  esse  filo  está 
sendo demonstrado? Explique como ocorre
Fonte: BIOLOGIA – César da Silva Júnior;
 Sezar Sasson & Nelson Caldini Júnior (2010)
Questão
5) Observe a figura:
Que  animal  está  aparecendo  na  figura  e  qual  filo  e  classe  ele 
pertence?  Que  tipo  de  característica  pertinente  a  esse  filo  está 
sendo demonstrado? Explique como ocorre.
Fonte: BIOLOGIA – César da Silva Júnior;
 Sezar Sasson & Nelson Caldini Júnior (2010)
Resposta
Resposta
O  animal  é  a  planária,  que  pertence  ao  filo 
platelminto  e  a  classe  dos  Turbelários.  Na  figura,  está 
acontecendo  um  processo  de  reprodução  assexuada 
denominada,  laceração.  Nessa  reprodução,  ocorre  a  fissão 
corporal  e  cada  metade  se  regenera  formando  um  novo 
individuo.
Turbelários
Definição Espécies aquáticas de vida livre, predadores e saprófagos
Reprodução Tipos Assexuada Laceração
Fissão corporal. Cada
metade se regenera e forma
uma nova planária
Platelmintos Classificação Turbelários
Esquema Organizacional Global de PlatelmintosEsquema Organizacional Global de PlatelmintosEsquema Organizacional Global de PlatelmintosEsquema Organizacional Global de Platelmintos
Platelmintos
Definição
Filo formado por animais de corpo achatado
dorsoventralmente, em forma de laminas ou fitas
Características
Triblásticos e acelomados
Apresentam cefalização
Simetria bilateral
Morfologia e
Fisiologia
Respiração, Circulação e Excreção
Digestão
Coordenação
Revestimento
Classificação
Tubelários
Trematódeos
Cestódeos
TrematódeosTrematódeos
Fonte: http://http://biologandoonline.blogspot.com.br
/2012/02/esquistossomose.html
Espécies  parasitas.  Apresentam 
o corpo revestido por uma cutícula 
com ventosas de fixação.
Possuem  tubo  digestório 
incompleto,  com  a  presença  de 
boca e ausência de ânus.
 Os trematódeos são hermafroditas,
     e os seus sistemas reprodutores estão adaptados à copulação e à
     fertilização interna.
TrematódeosTrematódeos
Trematódeos  monogêneos:  são  principalmente 
ectoparasitas (parasitas que se instalam fora do corpo do 
hospedeiro) de peixes. 
O  ciclo  de  vida  envolve  apenas  um  hospedeiro  para  o 
adulto, e um novo hospedeiro é atingido através de uma 
larva de vida livre, denominada oncomiracídio.
TrematódeosTrematódeos
Trematódeos digêneos: são  endoparasitas  (parasitas  que  vivem 
no interior do corpo do hospedeiro) e constituem o maior grupo de 
platelmintos parasitas. 
O ciclo de vida envolve de dois a quatro hospedeiros e um certo 
número  de  distintos  estágios  de  desenvolvimento,  incluindo  dois 
tipos de larvas (miracídio e cercária). 
As  espécies  de  esquistossomos  (Schistosoma)  estão  entre  os 
grupos  de  parasitas  mais  disseminados  e  mais  danosos  para  o 
homem.
Esquema Organizacional Parcial de TrematódeosEsquema Organizacional Parcial de TrematódeosEsquema Organizacional Parcial de TrematódeosEsquema Organizacional Parcial de Trematódeos
Trematódeo
s
Definição
Características
Classe do filo Platelmintos composta por espécies de endo- e ectoparasitas
Corpo revestido por uma cutícula com ventosas de fixação
Hermafroditas
Tipos
Monogêneos
Definição Ectoparasitas de peixes
Digêneos
Definição
Ciclo de vida
Principal grupo
Tubo digestório incompleto
Realizam copulação e à fertilização é interna
Ciclo de vida
Apenas um hospedeiro para o adulto
Novo hospedeiro é atingido através dos oncomiracídios
Maior grupo de platelmintos parasitas. São endoparasitas
Dois a quatro hospedeiros
Possuem distintos estágios de desenvolvimento
Dois tipos de larvas: miracídio e cercária
Esquistossomose
TrematódeosTrematódeos
Parasita representado por três espécies que provocam doenças em 
milhões de pessoas no mundo.
Esquistossomo
TrematódeosTrematódeos
Parasita representado por três espécies que provocam doenças em 
milhões de pessoas no mundo.
Esquistossomo
TrematódeosTrematódeos
Fonte: http://www.portalsaofrancisco.com.br/alfa/
esquistossomose/index.php
Causa  da  doença  conhecida  como 
esquistossomose  intestinal  ou  barriga 
d’água.
O esquistossomo macho mede cerca 
de 1 cm e possui duas  ventosas e um 
sulco  ao  longo  do  corpo  (canal 
ginecóforo),  no  qual  abriga  a  fêmea 
(mede  cerca  de  1,5cm)  durante  a 
cópula.
Schistosoma mansoni
TrematódeosTrematódeos
Após  a  postura  dos  ovos,  a 
fêmea  permanece  no  sulco  do 
macho ou o abandona.
Completam  o  seu 
desenvolvimento  no  sistema 
porta­hepático (veias que ligam o 
intestino ao fígado) do hospedeiro 
definitivo, o ser humano.
Os  adultos  desta  espécie 
habitam  as  veias  intestinais. 
Causando inchaço do abdômen. 
Fonte: http://www.mdsaude.com/
2011/11/esquistossomose­ciclo.html
Esquema Organizacional Parcial de TrematódeosEsquema Organizacional Parcial de TrematódeosEsquema Organizacional Parcial de TrematódeosEsquema Organizacional Parcial de Trematódeos
Trematódeo
s
Definição
Características
Classe do filo Platelmintos composta por espécies de endo- e ectoparasitas
Corpo revestido por uma cutícula com ventosas de fixação
Hermafroditas
Tipos
Monogêneos
Definição Ectoparasitas de peixes
Digêneos
Definição
Ciclo de vida
Principal grupo
Tubo digestório incompleto
Realizam copulação e à fertilização é interna
Ciclo de vida
Apenas um hospedeiro para o adulto
Novo hospedeiro é atingido através dos oncomiracídios
Maior grupo de platelmintos parasitas. São endoparasitas
Dois a quatro hospedeiros
Possuem distintos estágios de desenvolvimento
Dois tipos de larvas: miracídio e cercária
Esquistossomose
Esquema Organizacional Parcial de EsquistossomoseEsquema Organizacional Parcial de EsquistossomoseEsquema Organizacional Parcial de EsquistossomoseEsquema Organizacional Parcial de Esquistossomose
Esquistossomose
Definição
Tipo
Doença crônica causada por parasitas do gênero Schistosoma
Macho abriga fêmea no ginecóforo durante a cópula
Características
Intestinal
ou
Barriga d’água
Adultos habitam as veias
intestinais do homem
Causando inchaço
abdominal
TrematódeosTrematódeos
Ciclo de vida
A fêmea coloca os ovos nas veias e 
capilares  da  parede  do  intestino, 
provocando inflamação, facilitando a 
passagem  dos  ovos  para  a  cavidade 
intestinal.  Com  isso  os  ovos  são 
eliminados pelas fezes.
Se  estas  chegarem  até  água,  os 
ovos  se  romperão  e  liberarão  uma 
larva  ciliada,  miracídio.  Essa  só  irá 
sobreviver  se  penetrar  em  um 
caramujo  da  família  dos 
planorbídeos.
Fonte: http://blog.medicinia.com.br/category/esquistossomose/
TrematódeosTrematódeos
Ciclo de vida
No caramujo o miracídio irá crescer e 
se  transformar  no  esporocisto 
primário.
Este,  por  reprodução  assexuada, 
forma  vários  esporócitos  secundários, 
que  originam  outro  tipo  de  larva, 
cercária.
A  cercária  abandona  o  caramujo  e 
pode penetrar na pele ou mucosas do 
ser humano, quando entra em contato 
com a água contaminada.
Fonte: http://interna.coceducacao.com.br
/ebook/pages/1943.htm
Fonte: http://www.casal.al.gov.br/sevicos­oferecidos/outros­servicos/meio­ambiente/attachment/esquistossomose­2//
TrematódeosTrematódeos
Esquema Organizacional Parcial de EsquistossomoseEsquema Organizacional Parcial de EsquistossomoseEsquema Organizacional Parcial de EsquistossomoseEsquema Organizacional Parcial de Esquistossomose
Esquistossomose
Definição
Tipo
Doença crônica causada por parasitas do gênero Schistosoma
Macho abriga fêmea no ginecóforo durante a cópula
Características
Ciclo de
vida
Fezes do homem doente caem na água
Forma-se os
esporócitos primários
Intestinal
ou
Barriga d’água
Adultos habitam as veias
intestinais do homem
Causando inchaço
abdominal
Ovos se transformam em miracídios
Miracídios penetram no
caramujo planorbídio
Hospedeiro Intermediário
Reprodução Assexuada:
Esporócito secundário
Esporócito secundário originam cercárias
Cercárias abandonam caramujo
Cercárias penetram na
pele ou mucosa do
homem
Hospedeiro Definitivo
No homem, Cercárias
crescem e se
desenvolvem
Migram para as veias do
intestino onde irão
copular
Fezes irão ter os ovos do esquistossomose
TrematódeosTrematódeos
A contaminação ocorre através do contato humano com
água contaminada com cercárias liberadas dos caramujos
infectados.
 Os sintomas são: Diarréia, febres, cólicas, dores de
cabeça, náuseas, tonturas, sonolência, emagrecimento,
endurecimento e o aumento de volume do fígado e
hemorragias que causam vômitos e fezes escurecidas.
Fonte: http://interna.coceducacao.com.br
/ebook/pages/1943.htm
Fonte: http://www.mdsaude.com/2011/11/esquistossomose-sintomas.html
TrematódeosTrematódeos
Fonte: http://www.jornaledicaodobrasil.com.br/site/
brasil-desenvolve-vacina-contra-a-esquistossomose/
TrematódeosTrematódeos
Profilaxia
O combate a esta doença passa necessariamente
por medidas de saneamento básico. Águas e
sistemas de esgoto devem ter sempre as águas
tratadas. Os caramujos, hospedeiros intermediários
do parasita, devem ser eliminados. Ao entrar em
águas paradas ou sujas, deve haver uma proteção
nos pés com botas de borracha.
TrematódeosTrematódeos
Curiosidade
Brasil desenvolve vacina contra a esquistossomose
Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) divulgou os resultados dostestes
clínicos de segurança da vacina.
Segundo a pesquisadora, além de eficiente, “é uma vacina segura”.
Os testes em larga escala serão feitos no Brasil e na África.
http://www.jornaledicaodobrasil.com.br/site/brasil-desenvolve-vacina-contra-a-esquistossomose/
Esquema Organizacional Parcial de EsquistossomoseEsquema Organizacional Parcial de EsquistossomoseEsquema Organizacional Parcial de EsquistossomoseEsquema Organizacional Parcial de Esquistossomose
Esquistossomose
Definição
Tipo
Doença crônica causada por parasitas do gênero Schistosoma
Características
Ciclo de vida
Intestinal
ou
Barriga d’água
Sintomas
Diarréia, febres, cólicas, dores de cabeça,
náuseas, tonturas, sonolência, emagrecimento,
endurecimento e o aumento de volume do fígado
e hemorragias que causam vômitos e fezes
escurecidas
Profilaxia
Saneamento Básico
Eliminação de caramujo
Usar proteção para os pés quando em
contato com água parada ou suja
Fonte: http://www.ancorador.com.br/educacao/concursos-publicos-passar-concurso-publico
TENTE FAZER SOZINHO!!TENTE FAZER SOZINHO!!
Questão
6) (FUVEST) Qual das doenças abaixo não é transmitida por um
inseto:
a) Doença de Chagas;
b) Malária;
c) Filaríase;
d) Esquistossomose;
e) Úlcera de Bauru.
Questão
6) (FUVEST) Qual das doenças abaixo não é transmitida por um
inseto:
a) Doença de Chagas;
b) Malária;
c) Filaríase;
d) Esquistossomose;
e) Úlcera de Bauru.
Resposta
Esquistossomose Definição
Doença crônica causada por parasitas do gênero
Schistosoma
Platelmintos Classificação
Tubelários
Tremátodeos
Cestódeos
Definição Classe do filo Platelmintos composta por espécies de endo- e ectoparasitas
Tipos Digêneos
Definição
Principal grupo
Maior grupo de platelmintos parasitas. São endoparasitas
Esquistossomose
Tremátodeos
Resposta
Resposta
a) Doença de Chagas;
b) Malária;
c) Filaríase;
d) Esquistossomose;
e) Úlcera de Bauru.
Questão
7) (FUVEST) Dos parasitas do homem, comuns no Brasil, o que é
transmitido por um caramujo é:
a) Ascaris
b) Taenia
c) Plasmodium
d) Schistosoma
e) Trypanosoma Fonte: http://blog.medicinia.com.br/category/esquistossomose/
Questão
7) (FUVEST) Dos parasitas do homem, comuns no Brasil, o que é
transmitido por um caramujo é:
a) Ascaris
b) Taenia
c) Plasmodium
d) Schistosoma
e) Trypanosoma Fonte: http://blog.medicinia.com.br/category/esquistossomose/
Resposta
Esquistossomose Tipo
Intestinal
ou
Barriga d’água
Caramujo planorbídioHospedeiro Intermediário
a)Ascaris
b) Taenia
c) Plasmodium
d) Schistosoma
e) Trypanosoma
Questão
8) (UFMG - 94) – Observe as figuras que se referem ao ciclo da
esquistossomose mansônica.
Questão
Em relação às figuras, é correto afirmar-se que:
A) a infecção ocorre em 1 pelas formas 4, 2 e 3.
B) a meiose ocorre da fase 4 para a fase 5.
C) a passagem do indivíduo 4 pelo indivíduo 6 é necessária para que
ele dê origem a 5.
D) o indivíduo indicado por 4 é o hospedeiro definitivo do parasita.
E) os indivíduos indicados em 2 localizam-se no sistema porta-
hepático de 6.
Questão
8) (UFMG - 94) – Observe as figuras que se referem ao ciclo da
esquistossomose mansônica.
Questão
Em relação às figuras, é correto afirmar-se que:
A) a infecção ocorre em 1 pelas formas 4, 2 e 3.
B) a meiose ocorre da fase 4 para a fase 5.
C) a passagem do indivíduo 4 pelo indivíduo 6 é necessária para que
ele dê origem a 5.
D) o indivíduo indicado por 4 é o hospedeiro definitivo do parasita.
E) os indivíduos indicados em 2 localizam-se no sistema porta-
hepático de 6.
Esquistossomose Tipo
Macho abriga fêmea no ginecóforo durante a cópula
Características
Ciclo de
vida
Fezes do homem doente caem na água
Forma-se os
esporócitos primários
Intestinal
ou
Barriga d’água
Adultos habitam as veias
intestinais do homem
Causando inchaço
abdominal
Ovos se transformam em miracídios
Miracídios penetram no
caramujo planorbídio
Hospedeiro Intermediário
Reprodução Assexuada:
Esporócito secundário
Esporócito secundário originam cercárias
Cercárias abandonam caramujo
Cercárias penetram na
pele ou mucosa do
homem
Hospedeiro Definitivo
No homem, Cercárias
crescem e se
desenvolvem
Migram para as veias do
intestino onde irão
copular
Fezes irão ter os ovos do esquistossomose
Resposta
Fonte: http://www.casal.al.gov.br/sevicos-oferecidos/outros-servicos/meio-ambiente/attachment/esquistossomose-2//
Resposta
A) a infecção ocorre em 1 pelas formas 4, 2 e 3.
FALSO
Resposta
B) a meiose ocorre da fase 4 para a fase 5.
FALSO
Resposta
C) a passagem do indivíduo 4 pelo indivíduo 6 é necessária para que
ele dê origem a 5.
VERDADEIRO
Resposta
D) o indivíduo indicado por 4 é o hospedeiro definitivo do parasita.
FALSO
Resposta
E) os indivíduos indicados em 2 localizam-se no sistema porta-
hepático de 6.
FALSO
Resposta
A) a infecção ocorre em 1 pelas formas 4, 2 e 3.
B) a meiose ocorre da fase 4 para a fase 5.
C) a passagem do indivíduo 4 pelo indivíduo 6 é necessária para que
ele dê origem a 5.
D) o indivíduo indicado por 4 é o hospedeiro definitivo do parasita.
E) os indivíduos indicados em 2 localizam-se no sistema porta-
hepático de 6.
Questão
9) (UEL-PR) – O esquema abaixo representa o ciclo de vida do
esquistossomo. O esquistossomo pode ser encontrado na água
sob as formas I, II e III, que são, respectivamente:
a) Miracídio, cercária e ovo.
b) Ovo, cercária e miracídio.
c) Cercária, miracídio e cercária.
d) Ovo, miracídio, e cercária.
e) Miracídio, ovo e cercária.
Homem Caramujo
I II
III
Questão
9) (UEL-PR) – O esquema abaixo representa o ciclo de vida do
esquistossomo. O esquistossomo pode ser encontrado na água
sob as formas I, II e III, que são, respectivamente:
a) Miracídio, cercária e ovo.
b) Ovo, cercária e miracídio.
c) Cercária, miracídio e cercária.
d) Ovo, miracídio, e cercária.
e) Miracídio, ovo e cercária.
Homem Caramujo
I II
III
Resposta
Fonte: http://www.casal.al.gov.br/sevicos-oferecidos/outros-servicos/meio-ambiente/attachment/esquistossomose-2//
Resposta
Homem Caramujo
I II
III
I
II
III
OVO
MIRACÍDIO
CERCÁRIA
a) Miracídio, cercária e ovo.
b) Ovo, cercária e miracídio.
c) Cercária, miracídio e cercária.
d) Ovo, miracídio, e cercária.
e) Miracídio, ovo e cercária.
Esquema Organizacional Global de PlatelmintosEsquema Organizacional Global de PlatelmintosEsquema Organizacional Global de PlatelmintosEsquema Organizacional Global de Platelmintos
Platelmintos
Definição
Filo formado por animais de corpo achatado
dorsoventralmente, em forma de laminas ou fitas
Características
Triblásticos e acelomados
Apresentam cefalização
Simetria bilateral
Morfologia e
Fisiologia
Respiração, Circulação e Excreção
Digestão
Coordenação
Revestimento
Classificação
Tubelários
Tremátodeos
Cestódeos
CestódeosCestódeos
 Os cestódeos são endoparasitas obrigatórios de muitos grupos de
vertebrados. Seu ciclo de vida inclui um ou mais hospedeiros
intermediários (invertebrados e/ou vertebrados).
 Os principais representantes dessa classe são a Taenia solium e a
Taenia saginata, vermes que se desenvolvem , principalmente, no
tubo digestório dos vertebrados e causam doenças no ser humano
(hospedeiro definitivo).
 As tênias são popularmente conhecidas de solitárias porque
habitualmente se mostram isoladas, uma apenas em cada
indivíduo.
CestódeosCestódeos
 O corpo de uma tênia é dividido
em três partes: cabeça ou
escólex, colo ou região
proglotogênica (geradora de
proglotes) e tronco ou estróbilo.
Sua cabeça possui, além de
quatro ventosas (nenhuma
funciona como boca), uma
coroa de ganchos quitinosos, o
rostro ou rostelum, que ajuda a
fixação do parasita ao intestino
da pessoa.
Fonte: http://biocurioso.blogspot.com.br/2010_08_01_archive.html
CestódeosCestódeos
 A partir do colo, são formados
os anéis ou proglotes, que
podem atingir grande número
ao longo do corpo de uma
solitária. As proglotes crescem
por divisão (estrobilização).
 O tronco ou estróbilo, apresenta
anéis imaturos, anéis maduros e
anéis grávidos (portando de 30
mil a 50 mil ovos embrionados
cada um).
Fonte: http://biocurioso.blogspot.com.br/2010_08_01_archive.html
CestódeosCestódeos
Fonte: http://biocurioso.blogspot.com.br/2010_08_01_archive.html
CestódeosCestódeos
 Possuem uma cutícula protetora,
vários cordões nervosos e até
quatro canais excretores que
percorrem todo o estrobilo.
 A tênia não possui tubo digestório
e retiram o alimento já digerido do
sangue do hospedeiro. Fonte: http://biologiafilo.blogspot.com.br/2010/09/teniase-e-
doenca-causada-por-tenias_01.html
CestódeosCestódeos
 São hermafroditas: cada anel possui útero, testículos, ovários e
outras partes do sistema reprodutor masculino e do feminino.
Realiza autofecundação, produzindo anéis cheios de ovos, que são
expulsos com as fezes.
Fonte: http://matheusbrito11766.blogspot.com.br/2012_05_01_archive.html
Esquema Organizacional Parcial de CestódeosEsquema Organizacional Parcial de CestódeosEsquema Organizacional Parcial de CestódeosEsquema Organizacional Parcial de Cestódeos
Cestódeos
Definição
Principal
representante
Classe do filo Platelmintos composta por espécies de endoparasitas de corpo achatado
Tênia
Taenia solium e Taenia saginataEspécies
Morfologia Tronco ou estróbilo
Geradora de
proglotes
Cabeça ou
escólex
Colo ou
região proglotogênica
Possui 4 ventosas e/ou 1
coroa de ganchos quitinosos
Epiderme com cutícula protetora
Corpo
Vários cordões nervosos
Canais excretores que percorrem todo o estróbilo
Não possui tubo digestório
Retiram alimento do
hospedeiro
Reproduçã
o
Hermafroditas
Cada proglote possuem sist. reprodutor
masculino e feminino
Realiza autofecundação
produzindo proglotes
cheias de ovos
CestódeosCestódeos
 É causada por duas espécies de Tênia.
 A tenia adulta vive presa à parede do intestino delgado, onde
ocorre a autofecundação e, consequentemente, a liberação das
proglotes fecundadas pelas fezes.
Teníase
CestódeosCestódeos
 Após a eliminação das proglotes fecundadas pelas fezes, ela se
desintegra e libera os ovos. Cada ovo contém um embrião,
denominado oncosfera ou hexacanto.
 O embrião é caracterizado pelo seu formato esférico e conter
seis espinhos.
Teníase
Fonte: http://www.portalsaofrancisco.com.br/alfa/filo-platelmintos/filo-platelmintos-13.php
CestódeosCestódeos
Ciclo de Vida
 Fezes contendo os ovos podem
contaminar a água e alimentos, que
são ingeridos por bois e porcos.
 No estômago destes, a casca do
ovo é destruída, liberando a
oncosfera, que fura a parede do
intestino e se aloja na musculatura
do animal.
 Ela cresce e assume o aspecto de
uma vesícula cheia de líquido,
cisticerco.
Fonte: http://www.portalsaofrancisco.com.br/
alfa/filo-platelmintos/filo-platelmintos-13.php
CestódeosCestódeos
Ciclo de Vida
Ao se alimentar de carne crua, mal cozida ou mal assada,
o ser humano se contamina.
Ao chegar no intestino delgado, o cisticerco desenvagina o
escólex. E esse se prende a mucosa intestinal e alcançam
o estágio adulto.
CestódeosCestódeos
Ciclo de Vida
Fonte: http://www.portalsaofrancisco.com.br/alfa/filo-platelmintos/filo-platelmintos-13.php
Esquema Organizacional Parcial de CestódeosEsquema Organizacional Parcial de CestódeosEsquema Organizacional Parcial de CestódeosEsquema Organizacional Parcial de Cestódeos
Cestódeos
Definição
Principal
representante
Classe do filo Platelmintos composta por espécies de endoparasitas de corpo achatado
Tênia
Espécies
Morfologia
Reproduçã
o
Teníase
Definição Doença causada pela Tênia
Hospedeiro
intermediário
Porco
Boi
Espécie
Espécie
Taenia solium
Taenia
saginata
Hospedeiro definitivo Homem
Ciclo de
vida
Proglotes fecundadas são
eliminadas pelas fezes
Liberam os
ovos
Cada ovo contém embrião
Oncosfera ou
Hexacanto
Bois ou porcos ingerem
alimentos contaminados
Oncosfera é liberada no
estômago desses animais
Se alojam
na musculatura
Oncosfera cresce e se
desenvolve
Cisticerco
Homem se alimenta da carne
contendo os cisticercos
Cisticercos chegam
ao int. delgado
Desenvaginam
Excólex
Individuo adulto se desenvolve
no intestino delgado
Autofecundação e liberação de
próglotides nas fezes
CestódeosCestódeos
A profilaxia (prevenção) da teníase consiste em
saneamento básico (tratamento de água e esgoto),
fiscalização das carnes de porco e boi; cozimento
prolongado da carne com cisticerco antes da ingestão;
tratamento de doentes e bons programas de educação e
sensibilização, incentivando bons hábitos de higiene no dia
a dia.
Sintomas
Dores de cabeça e abdominais, perda de peso, alterações do
apetite, enjoos, perturbações nervosas, irritação, fadiga e
insônia.
Esquema Organizacional Parcial de CestódeosEsquema Organizacional Parcial de CestódeosEsquema Organizacional Parcial de CestódeosEsquema Organizacional Parcial de Cestódeos
Cestódeos
Definição
Principal
representante
Classe do filo Platelmintos composta por espécies de endoparasitas de corpo achatado
Tênia
Espécies
Morfologia
Reproduçã
o
Teníase
Definição Doença causada pela Tênia
Hospedeiro
intermediário
Porco
Boi
Espécie
Espécie
Taenia solium
Taenia
saginata
Hospedeiro definitivo Homem
Ciclo de vida
Sintomas
Profilaxia
Saneamento básico
Fiscalização sanitária das carnes
Cozimento adequado de carnes
Programas de educação e
sensibilização
Dores de cabeça e abdominais,
perda de peso, alterações do
apetite, enjoos, perturbações
nervosas, irritação, fadiga e
insônia
CestódeosCestódeos
Cisticercose
 É causada pela ingestão acidental dos ovos da Taenia solium.
 Ao se ingerir os ovos da T. solium, este parasita se encaminha do
trato digestório à corrente sanguínea, e se aloja em órgãos como
cérebro, olhos, coluna ou músculos.
Fonte: http://aprenderaaprender.webnode.com.br/album
/invertebrados1/vermes-cisticercose-no-cerebro-jpg1/
CestódeosCestódeos
Cisticercose
 A gravidade da doença depende muito da região infestada.
 Um cisticerco localizado no cérebro, por exemplo, pode causar
dores de cabeça, convulsões, confusão mental e até morte sendo,
obviamente, o caso clínico mais grave.
 Alojada na coluna e região muscular, causa dor e dificuldades de
locomoção e na região ocular, distúrbios visuais e até cegueira.
CestódeosCestódeos
Cisticercose
Profilaxia (prevenção): não defecar ao ar livre;
lavar sempre as mãos, principalmente antes de se
alimentar e após usar o sanitário; não utilizar fezes
humanas, nem esgoto como adubo; não irrigar horta com
água de rio; lavar bem as frutas e verduras antes de ingeri-
las; tomar água apenas se estiver tratada e
acompanhamento médico dos portadores de cisticercose
e teníase são as principais formas de evitar seu contágio e
o de outras pessoas a curto e a longo prazo.
Esquema Organizacional Parcial de CestódeosEsquema Organizacional Parcial de CestódeosEsquema Organizacional Parcial de CestódeosEsquema Organizacional Parcial de Cestódeos
Cestódeos
Definição
Principal
representante
Classe do filo Platelmintos composta por espécies de endoparasitas de corpo achatado
Tênia
Espécies
Morfologia
Reproduçã
o
Cisticercose
Definição
Doença causada pela ingestão
dos ovos da Taenia solium
Ciclo de
vida
Sintomas
Profilaxia
Saneamento básico
Lavar sempre as mãos
Não utilizar fezes humanas,
nem esgoto como adubo
Lavar bem as frutas e verduras
antes de ingeri-las
Teníase
Ingestão dos ovos da Taenia solium
Cisticerco se encaminha do trato
digestório à corrente sanguínea
Se aloja em órgãos como cérebro, olhos,
coluna ou músculos
Gravidade da doença depende
região infestada
Cérebro, pode causar dores de cabeça,
convulsões, confusão mental e até morte
Coluna e região muscular, causa dor e
dificuldades de locomoção e na região
ocular, distúrbios visuais e cegueira
Tomar água tratada
Fonte: http://www.ancorador.com.br/educacao/concursos-publicos-passar-concurso-publico
TENTE FAZER SOZINHO!!TENTE FAZER SOZINHO!!
Questão
10) (FUVEST) Na cisticercose, o homem pode fazer o papel de
hospedeiro intermediário no ciclo evolutivo da Taenia solium
(tênia). Isto acontece porque:
a) ingeriu ovos de tênia;
b) andou descalço em terras contaminadas;
c) foi picado por "barbeiro";
d) comeu carne de porco ou de vaca com larvas de tênia;
e) nadou em água com caramujo contaminado.
Questão
10) (FUVEST) Na cisticercose, o homem pode fazer o papel de
hospedeiro intermediário no ciclo evolutivo da Taenia solium
(tênia). Isto acontece porque:
a) ingeriu ovos de tênia;
b) andou descalço em terras contaminadas;
c) foi picado por "barbeiro";
d) comeu carne de porco ou de vaca com larvas de tênia;
e) nadou em água com caramujo contaminado.
Resposta
Cisticercose Definição Doença causada pela ingestão dos ovos da Taenia solium
a) ingeriu ovos de tênia;
b) andou descalço em terras contaminadas;
c) foi picado por "barbeiro";
Cisticercose Definição Doença causada pela ingestão dos ovos da Taenia solium
VERDADEIRO
FALSO
FALSO
Doenças de
Chagas
Definição
Doença causada pelo protozoário do gênero Trypanosoma e
transmitida através do mosquito "barbeiro"
Resposta
d) comeu carne de porco ou de vaca com larvas de tênia;
e) nadou em água com caramujo contaminado.
Teníase Definição
Doença causada pela ingestão de carne de porco ou vaca
contaminados com larvas da Tênia
FALSO
Esquistossomose
Ciclo de
vida
Cercárias abandonam caramujo
Cercárias penetram na
pele ou mucosa do
homem
Hospedeiro Definitivo
FALSO
Resposta
10) (FUVEST) Na cisticercose, o homem pode fazer o papel de
hospedeiro intermediário no ciclo evolutivo da Taenia solium
(tênia). Isto acontece porque:
a) ingeriu ovos de tênia;
b) andou descalço em terras contaminadas;
c) foi picado por "barbeiro";
d) comeu carne de porco ou de vaca com larvas de tênia;
e) nadou em água com caramujo contaminado.
Questão
11) (UFES) Para não se contrair doenças como cisticercose e teníase,
deve-se evitar, respectivamente:
a) comer verduras mal-lavadas e comer carne bovina ou suína mal
passada;
b) comer carne bovina ou suína mal passada e nadar em lagoas
desconhecidas;
c) comer carne com cisticerco e comer carne bovina ou suína mal
passada;
d) nadar em lagoas desconhecidas e andar descalço;
e) andar descalço e comer verduras mal lavadas.
Questão
11) (UFES) Para não se contrair doenças como cisticercose e teníase,
deve-se evitar, respectivamente:
a) comer verduras mal lavadas e comer carne bovina ou suína mal
passada;
b) comer carne bovina ou suína mal passada e nadar em lagoas
desconhecidas;
c) comer carne com cisticerco e comer carne bovina ou suína mal
passada;
d) nadar em lagoas desconhecidas e andar descalço;
e) andar descalço e comer verduras mal lavadas.
Resposta
Teníase Profilaxia
Saneamento básico
Fiscalização sanitária das carnes
Cozimento adequado de carnes
Programas de educação e
sensibilização
Cisticercose Profilaxia
Saneamento básico
Lavar sempre as mãos
Não utilizar fezes humanas,
nem esgoto como adubo
Lavar bem as frutas e verduras
antes de ingeri-las
Tomar água tratada
Resposta
a) comer verduras mal lavadas e comer carne bovina ou suína mal
passada;
b) comer carne bovina ou suína mal passada e nadar em lagoas
desconhecidas;
c) comer carne com cisticerco e comer carne bovina ou suína mal
passada;
d) nadar em lagoas desconhecidas e andar descalço;
e) andar descalço e comer verduras mal lavadas.
Questão
12) Observe a figura a seguir e assinale a alternativa errada:
Questão
a) A imagem nos mostra o ciclo da Taenia saginata, pois seu hospedeiro
intermediário é o boi.
b) Uma tênia adulta vive presa à parede do intestino delgado, onde ocorre sua
autofecundação.
c) Quando as fezes de uma pessoa contaminada são depositadas no solo por
falta de instalações sanitárias adequadas, os ovos desse verme podem
contaminar água e verduras e ser ingerido pelo porco ou pelo boi.
d) Uma vez no corpo do hospedeiro intermediário, o ovo do verme eclode
liberando o cisticerco, que se aloja nos músculos do animal. Nos músculos ele
cresce e assume o aspecto de uma bolsa cheia de líquido chamado de oncosfera.
e) O diagnóstico dessa doença é feito através de exames de fezes.
Questão
12) Observe a figura a seguir e assinale a alternativa errada:
Questão
a) A imagem nos mostra o ciclo da Taenia saginata, pois seu hospedeiro
intermediário é o boi.
b) Uma tênia adulta vive presa à parede do intestino delgado, onde ocorre sua
autofecundação.
c) Quando as fezes de uma pessoa contaminada são depositadas no solo por
falta de instalações sanitárias adequadas, os ovos desse verme podem
contaminar água e verduras e ser ingerido pelo porco ou pelo boi.
d) Uma vez no corpo do hospedeiro intermediário, o ovo do verme eclode
liberando o cisticerco, que se aloja nos músculos do animal. Nos músculos ele
cresce e assume o aspecto de uma bolsa cheia de líquido chamado de oncosfera.
e) O diagnóstico dessa doença é feito através de exames de fezes.
Resposta
a) A imagem nos mostra o ciclo da Taenia saginata, pois seu hospedeiro
intermediário é o boi.
b) Uma tênia adulta vive presa à parede do intestino delgado, onde ocorre sua
autofecundação.
Teníase
Hospedeiro
intermediário
Porco
Boi
Espécie
Espécie
Taenia solium
Taenia
saginata
VERDADEIRO
Ciclo de
vida
Homem se alimenta da carne contendo os cisticercos
Cisticercos chegam ao int. delgado Desenvaginam Excólex
Individuo adulto se desenvolve no intestino delgado
Autofecundação e liberação de próglotides nas fezes
Teníase
VERDADEIRO
Resposta
c) Quando as fezes de uma pessoa contaminada são depositadas no solo por
falta de instalações sanitárias adequadas, os ovos desse verme podem
contaminar água e verduras e ser ingerido pelo porco ou pelo boi.
Proglotes fecundadas são
eliminadas pelas fezes
Liberam os
ovos
Cada ovo contém embrião Oncosfera ou Hexacanto
Bois ou porcos ingerem
alimentos contaminados
Oncosfera é liberada no
estômago desses animais
Se alojam
na musculatura
Ciclo de
vida
Teníase
VERDADEIRO
Resposta
d) Uma vez no corpo do hospedeiro intermediário, o ovo do verme eclode
liberando o cisticerco, que se aloja nos músculos do animal. Nos músculos ele
cresce e assume o aspecto de uma bolsa cheia de líquido chamado de oncosfera.
e) O diagnóstico dessa doença é feito através de exames de fezes.
Proglotes fecundadas são
eliminadas pelas fezes
Liberam os ovos
Cada ovo contém embrião Oncosfera ou Hexacanto
Bois ou porcos ingerem
alimentos contaminados
Oncosfera é liberada no
estômago desses animais
Se alojam
na musculatura
Ciclo de
vida
Teníase
FALSO
VERDADEIRO
Resposta
a) A imagem nos mostra o ciclo da Taenia saginata, pois seu hospedeiro
intermediário é o boi.
b) Uma tênia adulta vive presa à parede do intestino delgado, onde ocorre sua
autofecundação.
c) Quando as fezes de uma pessoa contaminada são depositadas no solo por
falta de instalações sanitárias adequadas, os ovos desse verme podem
contaminar água e verduras e ser ingerido pelo porco ou pelo boi.
d) Uma vez no corpo do hospedeiro intermediário, o ovo do verme eclode
liberando o cisticerco, que se aloja nos músculos do animal. Nos músculos ele
cresce e assume o aspecto de uma bolsa cheia de líquido chamado de oncosfera.
e) O diagnóstico dessa doença é feito através de exames de fezes.
Reino
Animalia
(Animal)
Definição
Divisão
(Filos)
Poríferos
Cnidários
Características
Reino formado por todas as espécies de animais
Composição Animais
Eucariontes pluricelulares
Heterotróficos
Presença de Sistema Nervoso e Muscular
Simetria Radial ou Bilateral
Ciclo de vida Diplobionte
Desenvolvimento embrionário típico
Capacidade de locomoção
Câmara Digestiva
Platelmintos
Esquema Organizacional GlobalEsquema Organizacional Global
do Reino Animaldo Reino Animal
Esquema Organizacional GlobalEsquema Organizacional Global
do Reino Animaldo Reino Animal
Esquema Organizacional Global de PlatelmintosEsquema Organizacional Global de PlatelmintosEsquema Organizacional Global de PlatelmintosEsquema Organizacional Global de Platelmintos
Platelmintos
Definição
Filo formado por animais de corpo achatado
dorsoventralmente, em forma de laminas ou fitas
Características
Triblásticos e acelomados
Apresentam cefalização
Simetria bilateral
Morfologia e
Fisiologia
Respiração, Circulação e Excreção
Digestão
Coordenação
Revestimento
Classificação
Tubelários
Tremátodeos
Cestódeos
BibliografiaBibliografia
 Júnior, C. S, Sasson, S. & Júnior, N. C. BIOLOGIA. 10ª ed., São Paulo: Editora Saraiva, 2010. Vol. 2 , 576
p. il.
 Linhares, S. & Gewandsznajder, F. Biologia Hoje – Os seres vivos. 1ª ed., São Paulo: Editora Ática S.A.,
2011. Vol.2, 512 p. il.
 Acesso em 22/10/2012, disponível em:
<http://invertebrados1.blog.com/>
 Acesso em 22/10/2012, disponível em:
<http://oparasito.blogspot.com.br/2011_04_01_archive.html>
 Acesso em 22/10/2012, disponível em:
<http://www.infoescola.com/animais/sistema-respiratorio-dos-platelmintos/>
BibliografiaBibliografia
 Acesso em 22/10/2012, disponível em:
<http://www.rios-galegos.com/ins48.htm>
 Acesso em 22/10/2012, disponível em:
<http://www.brasilescola.com/doencas/esquistossomose.htm>
 Acesso em 22/10/2012, disponível em:
<http://www.presenteparahomem.com.br/o-que-sao-as-planarias/>
 Acesso em 22/10/2012, disponível em:
<http://cfb702materia.blogspot.com.br/2011_06_01_archive.html>
 Acesso em 22/10/2012, disponível em:
<http://www.ebah.com.br/content/ABAAABnecAK/aula-06-platelmintos-nematelmintos>
BibliografiaBibliografia
 Acesso em 24/10/2012, disponível em:
<http://cifonauta.cebimar.usp.br/photo/9875/>
 Acesso em 24/10/2012, disponível em:
<http://bioglossa.wikispaces.com/Ocelos>
 Acesso em 24/10/2012, disponível em:
<http://biologandoonline.blogspot.com.br/2012/02/esquistossomose.html>
 Acesso em 24/10/2012, disponível em:
<http://www.portalsaofrancisco.com.br/alfa/esquistossomose/index.php>
 Acesso em 24/10/2012, disponível em:
<http://www.mdsaude.com/2011/11/esquistossomose-ciclo.html>
BibliografiaBibliografia
 Acesso em 24/10/2012, disponível em:
<http://blog.medicinia.com.br/category/esquistossomose/>
 Acesso em 24/10/2012, disponível em:
<http://www.casal.al.gov.br/sevicos-oferecidos/outros-servicos/meio-ambiente/attachment/ esquistossomose-2/>
 Acesso em 24/10/2012, disponível em:
<http://www.mdsaude.com/2011/11/esquistossomose-sintomas.html>
 Acesso em 24/10/2012, disponível em:
<http://www.jornaledicaodobrasil.com.br/site/brasil-desenvolve-vacina-contra-a-esquistossomose/>
 Acesso em 24/10/2012, disponível em:
<http://matheusbrito11766.blogspot.com.br/2012_05_01_archive.html>
BibliografiaBibliografia
 Acesso em 25/10/2012, disponível em:
<: http://www.portalsaofrancisco.com.br/alfa/filo-platelmintos/filo-platelmintos-13.php>
 Acesso em 25/10/2012, disponível em:
<http://aprenderaaprender.webnode.com.br/album/invertebrados1/vermes-cisticercose-no-cerebro-
jpg1/>
Obrigado pela atenção!!
centro.apoio.bernardo.nunes@gmail.com

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Reino Plantas
Reino PlantasReino Plantas
Reino Plantas
infoeducp2
 
MEMBRANA PLASMÁTICA E TRANSPORTE
MEMBRANA PLASMÁTICA E TRANSPORTEMEMBRANA PLASMÁTICA E TRANSPORTE
MEMBRANA PLASMÁTICA E TRANSPORTE
MARCIAMP
 
Introducao histologia
Introducao histologia Introducao histologia
Introducao histologia
Thais Benicio
 
Membrana plasmática slides COMPLETO
Membrana plasmática slides COMPLETOMembrana plasmática slides COMPLETO
Membrana plasmática slides COMPLETO
Sheila Cassenotte
 
Aula 07 núcleo e cromossomos
Aula 07   núcleo e cromossomosAula 07   núcleo e cromossomos
Aula 07 núcleo e cromossomos
Hamilton Nobrega
 
Núcleo celular
Núcleo celularNúcleo celular
Núcleo celular
César Milani
 
Membrana plasmática #1
Membrana plasmática #1Membrana plasmática #1
Membrana plasmática #1
icsanches
 
Tecido nervoso
Tecido nervosoTecido nervoso
Tecido nervoso
Andreza Campos
 
Aula 1 origem e evolução das células
Aula 1   origem e evolução das célulasAula 1   origem e evolução das células
Aula 1 origem e evolução das células
Ed_Fis_2015
 
Divisão celular
Divisão celularDivisão celular
Divisão celular
Gabriel Mendes de Almeida
 
Núcleo cromossomos
Núcleo cromossomosNúcleo cromossomos
Núcleo cromossomos
César Milani
 
Organização do Organismo
Organização do OrganismoOrganização do Organismo
Organização do Organismo
Clécio Bubela
 
Apresentação de células
Apresentação de célulasApresentação de células
Apresentação de células
cejlrodrigues
 
Aula de gametogenese
Aula de gametogeneseAula de gametogenese
Aula de gametogenese
Fatima Comiotto
 
Características gerais dos animais
Características gerais dos animaisCaracterísticas gerais dos animais
Características gerais dos animais
Eldon Clayton
 
I.2 características dos seres vivos
I.2 características dos seres vivosI.2 características dos seres vivos
I.2 características dos seres vivos
Rebeca Vale
 
Fungos
FungosFungos
Reticulo endoplasmático
Reticulo endoplasmáticoReticulo endoplasmático
Reticulo endoplasmático
Anjo da Luz
 
Aula sobre histologia
Aula sobre   histologiaAula sobre   histologia
Aula sobre histologia
Marcionedes De Souza
 
Animais invertebrados parte 1
Animais invertebrados   parte 1Animais invertebrados   parte 1
Animais invertebrados parte 1
Grazi Grazi
 

Mais procurados (20)

Reino Plantas
Reino PlantasReino Plantas
Reino Plantas
 
MEMBRANA PLASMÁTICA E TRANSPORTE
MEMBRANA PLASMÁTICA E TRANSPORTEMEMBRANA PLASMÁTICA E TRANSPORTE
MEMBRANA PLASMÁTICA E TRANSPORTE
 
Introducao histologia
Introducao histologia Introducao histologia
Introducao histologia
 
Membrana plasmática slides COMPLETO
Membrana plasmática slides COMPLETOMembrana plasmática slides COMPLETO
Membrana plasmática slides COMPLETO
 
Aula 07 núcleo e cromossomos
Aula 07   núcleo e cromossomosAula 07   núcleo e cromossomos
Aula 07 núcleo e cromossomos
 
Núcleo celular
Núcleo celularNúcleo celular
Núcleo celular
 
Membrana plasmática #1
Membrana plasmática #1Membrana plasmática #1
Membrana plasmática #1
 
Tecido nervoso
Tecido nervosoTecido nervoso
Tecido nervoso
 
Aula 1 origem e evolução das células
Aula 1   origem e evolução das célulasAula 1   origem e evolução das células
Aula 1 origem e evolução das células
 
Divisão celular
Divisão celularDivisão celular
Divisão celular
 
Núcleo cromossomos
Núcleo cromossomosNúcleo cromossomos
Núcleo cromossomos
 
Organização do Organismo
Organização do OrganismoOrganização do Organismo
Organização do Organismo
 
Apresentação de células
Apresentação de célulasApresentação de células
Apresentação de células
 
Aula de gametogenese
Aula de gametogeneseAula de gametogenese
Aula de gametogenese
 
Características gerais dos animais
Características gerais dos animaisCaracterísticas gerais dos animais
Características gerais dos animais
 
I.2 características dos seres vivos
I.2 características dos seres vivosI.2 características dos seres vivos
I.2 características dos seres vivos
 
Fungos
FungosFungos
Fungos
 
Reticulo endoplasmático
Reticulo endoplasmáticoReticulo endoplasmático
Reticulo endoplasmático
 
Aula sobre histologia
Aula sobre   histologiaAula sobre   histologia
Aula sobre histologia
 
Animais invertebrados parte 1
Animais invertebrados   parte 1Animais invertebrados   parte 1
Animais invertebrados parte 1
 

Destaque

Aula 5 platelmintes
Aula 5 platelmintesAula 5 platelmintes
Aula 5 platelmintes
Grupo UNIASSELVI
 
Curiosidades sobre a água
Curiosidades sobre a águaCuriosidades sobre a água
Curiosidades sobre a água
saosantiago
 
Platelmintos 3º 1
Platelmintos 3º 1Platelmintos 3º 1
Platelmintos 3º 1
Dina Carvalho
 
Filo Arthropoda
Filo ArthropodaFilo Arthropoda
Filo Arthropoda
Diego Yamazaki Bolano
 
Platelmintos
PlatelmintosPlatelmintos
Platelmintos
barbara_carlini
 
Platelmintos
PlatelmintosPlatelmintos
Platelmintos
Altair Hoepers
 
Platyelminthes (platelmintos)
Platyelminthes (platelmintos)Platyelminthes (platelmintos)
Platyelminthes (platelmintos)
Bio Sem Limites
 
7º ano cap 16 anelideos
7º ano cap 16   anelideos7º ano cap 16   anelideos
7º ano cap 16 anelideos
ISJ
 
Atenção
AtençãoAtenção
Anelideos
AnelideosAnelideos
Anelideos
Altair Hoepers
 
Zoo 2 de anelídeos a equinodermos
Zoo 2   de anelídeos a equinodermosZoo 2   de anelídeos a equinodermos
Zoo 2 de anelídeos a equinodermos
aulasdotubao
 
Platelmintos
PlatelmintosPlatelmintos
Platelmintos
profatatiana
 
PLATELMINTOS (TÊNIA SOLIUM E SAGINATA)
PLATELMINTOS (TÊNIA SOLIUM E SAGINATA)PLATELMINTOS (TÊNIA SOLIUM E SAGINATA)
PLATELMINTOS (TÊNIA SOLIUM E SAGINATA)
EDINALDO PEREIRA
 
Reino Animalia
Reino Animalia Reino Animalia
Reino Animalia
Antonio Pinto Pereira
 
Platelmintos & nematodeos
Platelmintos & nematodeosPlatelmintos & nematodeos
Platelmintos & nematodeos
Nóh Lopez
 
Anelídeos
AnelídeosAnelídeos
Anelídeos
Alessandra Firmino
 
Platelmintos
PlatelmintosPlatelmintos
Platelmintos
betahanke10
 
Filo platyhelminthes e Nematoda
Filo platyhelminthes e NematodaFilo platyhelminthes e Nematoda
Filo platyhelminthes e Nematoda
Gabriel Lopes (Guma)
 
Reino animalia, anelideos
Reino animalia, anelideosReino animalia, anelideos
Reino animalia, anelideos
IVORASSWEILER
 
Platelmintos
PlatelmintosPlatelmintos
Platelmintos
Guerra98212
 

Destaque (20)

Aula 5 platelmintes
Aula 5 platelmintesAula 5 platelmintes
Aula 5 platelmintes
 
Curiosidades sobre a água
Curiosidades sobre a águaCuriosidades sobre a água
Curiosidades sobre a água
 
Platelmintos 3º 1
Platelmintos 3º 1Platelmintos 3º 1
Platelmintos 3º 1
 
Filo Arthropoda
Filo ArthropodaFilo Arthropoda
Filo Arthropoda
 
Platelmintos
PlatelmintosPlatelmintos
Platelmintos
 
Platelmintos
PlatelmintosPlatelmintos
Platelmintos
 
Platyelminthes (platelmintos)
Platyelminthes (platelmintos)Platyelminthes (platelmintos)
Platyelminthes (platelmintos)
 
7º ano cap 16 anelideos
7º ano cap 16   anelideos7º ano cap 16   anelideos
7º ano cap 16 anelideos
 
Atenção
AtençãoAtenção
Atenção
 
Anelideos
AnelideosAnelideos
Anelideos
 
Zoo 2 de anelídeos a equinodermos
Zoo 2   de anelídeos a equinodermosZoo 2   de anelídeos a equinodermos
Zoo 2 de anelídeos a equinodermos
 
Platelmintos
PlatelmintosPlatelmintos
Platelmintos
 
PLATELMINTOS (TÊNIA SOLIUM E SAGINATA)
PLATELMINTOS (TÊNIA SOLIUM E SAGINATA)PLATELMINTOS (TÊNIA SOLIUM E SAGINATA)
PLATELMINTOS (TÊNIA SOLIUM E SAGINATA)
 
Reino Animalia
Reino Animalia Reino Animalia
Reino Animalia
 
Platelmintos & nematodeos
Platelmintos & nematodeosPlatelmintos & nematodeos
Platelmintos & nematodeos
 
Anelídeos
AnelídeosAnelídeos
Anelídeos
 
Platelmintos
PlatelmintosPlatelmintos
Platelmintos
 
Filo platyhelminthes e Nematoda
Filo platyhelminthes e NematodaFilo platyhelminthes e Nematoda
Filo platyhelminthes e Nematoda
 
Reino animalia, anelideos
Reino animalia, anelideosReino animalia, anelideos
Reino animalia, anelideos
 
Platelmintos
PlatelmintosPlatelmintos
Platelmintos
 

Semelhante a www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Biologia - Platelmintos

Platelmintosaula1
Platelmintosaula1Platelmintosaula1
Platelmintosaula1
chaincoimbra
 
Invertebrados - por Fabia Mello
Invertebrados - por Fabia MelloInvertebrados - por Fabia Mello
Invertebrados - por Fabia Mello
Thiago Vieira
 
Zoologiainvertebrados 131019203941-phpapp02
Zoologiainvertebrados 131019203941-phpapp02Zoologiainvertebrados 131019203941-phpapp02
Zoologiainvertebrados 131019203941-phpapp02
MARISTA , UVA, FIC, FAINTER, GÊNESIS
 
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Biologia - Características Gerais dos Animais
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Biologia -  Características Gerais dos Animaiswww.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Biologia -  Características Gerais dos Animais
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Biologia - Características Gerais dos Animais
Annalu Jannuzzi
 
Estudos dos Platelmintos_ Unizambeze 2024.pptx
Estudos dos Platelmintos_ Unizambeze 2024.pptxEstudos dos Platelmintos_ Unizambeze 2024.pptx
Estudos dos Platelmintos_ Unizambeze 2024.pptx
AntnioSalvadorLuis
 
Aula de Zoologia - Invertebrados (Power Point)
Aula de Zoologia - Invertebrados (Power Point)Aula de Zoologia - Invertebrados (Power Point)
Aula de Zoologia - Invertebrados (Power Point)
Bio
 
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Zoologia dos Invertebrados
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Zoologia dos InvertebradosSlides da aula de Biologia (Renato) sobre Zoologia dos Invertebrados
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Zoologia dos Invertebrados
Turma Olímpica
 
fdocumentos.tips_aula-de-zoologia-invertebrados-power-point.ppt
fdocumentos.tips_aula-de-zoologia-invertebrados-power-point.pptfdocumentos.tips_aula-de-zoologia-invertebrados-power-point.ppt
fdocumentos.tips_aula-de-zoologia-invertebrados-power-point.ppt
DanielMedina333918
 
Platyhelminthes, nematodos e nematomorfha
Platyhelminthes, nematodos e nematomorfhaPlatyhelminthes, nematodos e nematomorfha
Platyhelminthes, nematodos e nematomorfha
Luís André Cassiano Filho
 
Zoologia de invertebrados - Estudo 2
Zoologia de invertebrados - Estudo 2Zoologia de invertebrados - Estudo 2
Zoologia de invertebrados - Estudo 2
Gilmar Giraldelli
 
Zoologia dos Invertebrados
Zoologia dos InvertebradosZoologia dos Invertebrados
Zoologia dos Invertebrados
Carlos Priante
 
Introducao
IntroducaoIntroducao
Introducao
eebniltonkucker
 
Folhas invertebrados slides
Folhas invertebrados slidesFolhas invertebrados slides
Folhas invertebrados slides
Claudiapadao
 
Fasciola Hepatica (Trabalho de Zoologia dos Invertebrados)
Fasciola Hepatica (Trabalho de Zoologia dos Invertebrados)Fasciola Hepatica (Trabalho de Zoologia dos Invertebrados)
Fasciola Hepatica (Trabalho de Zoologia dos Invertebrados)
Míria Alves Cirqueira
 
Folhas invertebrados slides
Folhas invertebrados slidesFolhas invertebrados slides
Folhas invertebrados slides
Claudiapadao
 
Apresentação1 reino animal
Apresentação1   reino animalApresentação1   reino animal
Apresentação1 reino animal
Fernanda Venuto
 
Intro_discip Embrio.pdf
Intro_discip Embrio.pdfIntro_discip Embrio.pdf
Intro_discip Embrio.pdf
IgorAlves153
 
Apostila Zoologia - de Porífera a Mollusca
Apostila Zoologia - de Porífera a MolluscaApostila Zoologia - de Porífera a Mollusca
Apostila Zoologia - de Porífera a Mollusca
Gabriel Martins
 
Poriferos
PoriferosPoriferos
Poriferos
eebniltonkucker
 
Reino animal i
Reino animal iReino animal i
Reino animal i
GabrielaMansur
 

Semelhante a www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Biologia - Platelmintos (20)

Platelmintosaula1
Platelmintosaula1Platelmintosaula1
Platelmintosaula1
 
Invertebrados - por Fabia Mello
Invertebrados - por Fabia MelloInvertebrados - por Fabia Mello
Invertebrados - por Fabia Mello
 
Zoologiainvertebrados 131019203941-phpapp02
Zoologiainvertebrados 131019203941-phpapp02Zoologiainvertebrados 131019203941-phpapp02
Zoologiainvertebrados 131019203941-phpapp02
 
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Biologia - Características Gerais dos Animais
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Biologia -  Características Gerais dos Animaiswww.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Biologia -  Características Gerais dos Animais
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Biologia - Características Gerais dos Animais
 
Estudos dos Platelmintos_ Unizambeze 2024.pptx
Estudos dos Platelmintos_ Unizambeze 2024.pptxEstudos dos Platelmintos_ Unizambeze 2024.pptx
Estudos dos Platelmintos_ Unizambeze 2024.pptx
 
Aula de Zoologia - Invertebrados (Power Point)
Aula de Zoologia - Invertebrados (Power Point)Aula de Zoologia - Invertebrados (Power Point)
Aula de Zoologia - Invertebrados (Power Point)
 
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Zoologia dos Invertebrados
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Zoologia dos InvertebradosSlides da aula de Biologia (Renato) sobre Zoologia dos Invertebrados
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Zoologia dos Invertebrados
 
fdocumentos.tips_aula-de-zoologia-invertebrados-power-point.ppt
fdocumentos.tips_aula-de-zoologia-invertebrados-power-point.pptfdocumentos.tips_aula-de-zoologia-invertebrados-power-point.ppt
fdocumentos.tips_aula-de-zoologia-invertebrados-power-point.ppt
 
Platyhelminthes, nematodos e nematomorfha
Platyhelminthes, nematodos e nematomorfhaPlatyhelminthes, nematodos e nematomorfha
Platyhelminthes, nematodos e nematomorfha
 
Zoologia de invertebrados - Estudo 2
Zoologia de invertebrados - Estudo 2Zoologia de invertebrados - Estudo 2
Zoologia de invertebrados - Estudo 2
 
Zoologia dos Invertebrados
Zoologia dos InvertebradosZoologia dos Invertebrados
Zoologia dos Invertebrados
 
Introducao
IntroducaoIntroducao
Introducao
 
Folhas invertebrados slides
Folhas invertebrados slidesFolhas invertebrados slides
Folhas invertebrados slides
 
Fasciola Hepatica (Trabalho de Zoologia dos Invertebrados)
Fasciola Hepatica (Trabalho de Zoologia dos Invertebrados)Fasciola Hepatica (Trabalho de Zoologia dos Invertebrados)
Fasciola Hepatica (Trabalho de Zoologia dos Invertebrados)
 
Folhas invertebrados slides
Folhas invertebrados slidesFolhas invertebrados slides
Folhas invertebrados slides
 
Apresentação1 reino animal
Apresentação1   reino animalApresentação1   reino animal
Apresentação1 reino animal
 
Intro_discip Embrio.pdf
Intro_discip Embrio.pdfIntro_discip Embrio.pdf
Intro_discip Embrio.pdf
 
Apostila Zoologia - de Porífera a Mollusca
Apostila Zoologia - de Porífera a MolluscaApostila Zoologia - de Porífera a Mollusca
Apostila Zoologia - de Porífera a Mollusca
 
Poriferos
PoriferosPoriferos
Poriferos
 
Reino animal i
Reino animal iReino animal i
Reino animal i
 

Mais de Annalu Jannuzzi

www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Química - Dispersões e Soluções
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Química - Dispersões e Soluçõeswww.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Química - Dispersões e Soluções
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Química - Dispersões e Soluções
Annalu Jannuzzi
 
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Química - Balanceamento Por Oxirreducão
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Química -  Balanceamento Por Oxirreducão  www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Química -  Balanceamento Por Oxirreducão
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Química - Balanceamento Por Oxirreducão
Annalu Jannuzzi
 
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Literatura - Vanguarda
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Literatura - Vanguardawww.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Literatura - Vanguarda
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Literatura - Vanguarda
Annalu Jannuzzi
 
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Literatura - Primeira fase do Modernismo
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Literatura - Primeira fase do Modernismowww.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Literatura - Primeira fase do Modernismo
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Literatura - Primeira fase do Modernismo
Annalu Jannuzzi
 
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Literatura - Barroco
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Literatura - Barrocowww.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Literatura - Barroco
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Literatura - Barroco
Annalu Jannuzzi
 
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - História - Período Colonial
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - História - Período Colonialwww.EquarparaEnsinoMedio.com.br - História - Período Colonial
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - História - Período Colonial
Annalu Jannuzzi
 
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - História - Mercantilismo.
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - História - Mercantilismo.www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - História - Mercantilismo.
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - História - Mercantilismo.
Annalu Jannuzzi
 
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - História - Era Vargas
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - História -  Era Vargaswww.EquarparaEnsinoMedio.com.br - História -  Era Vargas
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - História - Era Vargas
Annalu Jannuzzi
 
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - História - Baixa Idade Média
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - História -  Baixa Idade Médiawww.EquarparaEnsinoMedio.com.br - História -  Baixa Idade Média
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - História - Baixa Idade Média
Annalu Jannuzzi
 
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - História - Alta Idade Média
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - História -  Alta Idade Médiawww.EquarparaEnsinoMedio.com.br - História -  Alta Idade Média
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - História - Alta Idade Média
Annalu Jannuzzi
 
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Geografia - População Brasileira
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Geografia -  População Brasileira www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Geografia -  População Brasileira
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Geografia - População Brasileira
Annalu Jannuzzi
 
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Geografia - Bases Físicas do Brasil
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Geografia -  Bases Físicas do Brasilwww.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Geografia -  Bases Físicas do Brasil
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Geografia - Bases Físicas do Brasil
Annalu Jannuzzi
 
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Biologia - Reino Plantae - Briófitas e Pter...
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Biologia - Reino Plantae - Briófitas e Pter...www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Biologia - Reino Plantae - Briófitas e Pter...
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Biologia - Reino Plantae - Briófitas e Pter...
Annalu Jannuzzi
 
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Biologia - Poríferos e Cnidários
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Biologia -  Poríferos e Cnidárioswww.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Biologia -  Poríferos e Cnidários
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Biologia - Poríferos e Cnidários
Annalu Jannuzzi
 
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Biologia - Ecologia - Os Biomas Brasileiro...
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Biologia -  Ecologia - Os Biomas Brasileiro...www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Biologia -  Ecologia - Os Biomas Brasileiro...
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Biologia - Ecologia - Os Biomas Brasileiro...
Annalu Jannuzzi
 
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Biologia - Ecologia - Biosfera - Parte 3.
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Biologia -  Ecologia - Biosfera - Parte 3.www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Biologia -  Ecologia - Biosfera - Parte 3.
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Biologia - Ecologia - Biosfera - Parte 3.
Annalu Jannuzzi
 
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Biologia - Classificação dos seres vivos.
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Biologia -  Classificação dos seres vivos.www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Biologia -  Classificação dos seres vivos.
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Biologia - Classificação dos seres vivos.
Annalu Jannuzzi
 

Mais de Annalu Jannuzzi (17)

www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Química - Dispersões e Soluções
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Química - Dispersões e Soluçõeswww.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Química - Dispersões e Soluções
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Química - Dispersões e Soluções
 
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Química - Balanceamento Por Oxirreducão
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Química -  Balanceamento Por Oxirreducão  www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Química -  Balanceamento Por Oxirreducão
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Química - Balanceamento Por Oxirreducão
 
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Literatura - Vanguarda
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Literatura - Vanguardawww.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Literatura - Vanguarda
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Literatura - Vanguarda
 
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Literatura - Primeira fase do Modernismo
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Literatura - Primeira fase do Modernismowww.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Literatura - Primeira fase do Modernismo
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Literatura - Primeira fase do Modernismo
 
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Literatura - Barroco
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Literatura - Barrocowww.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Literatura - Barroco
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Literatura - Barroco
 
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - História - Período Colonial
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - História - Período Colonialwww.EquarparaEnsinoMedio.com.br - História - Período Colonial
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - História - Período Colonial
 
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - História - Mercantilismo.
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - História - Mercantilismo.www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - História - Mercantilismo.
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - História - Mercantilismo.
 
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - História - Era Vargas
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - História -  Era Vargaswww.EquarparaEnsinoMedio.com.br - História -  Era Vargas
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - História - Era Vargas
 
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - História - Baixa Idade Média
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - História -  Baixa Idade Médiawww.EquarparaEnsinoMedio.com.br - História -  Baixa Idade Média
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - História - Baixa Idade Média
 
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - História - Alta Idade Média
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - História -  Alta Idade Médiawww.EquarparaEnsinoMedio.com.br - História -  Alta Idade Média
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - História - Alta Idade Média
 
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Geografia - População Brasileira
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Geografia -  População Brasileira www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Geografia -  População Brasileira
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Geografia - População Brasileira
 
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Geografia - Bases Físicas do Brasil
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Geografia -  Bases Físicas do Brasilwww.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Geografia -  Bases Físicas do Brasil
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Geografia - Bases Físicas do Brasil
 
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Biologia - Reino Plantae - Briófitas e Pter...
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Biologia - Reino Plantae - Briófitas e Pter...www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Biologia - Reino Plantae - Briófitas e Pter...
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Biologia - Reino Plantae - Briófitas e Pter...
 
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Biologia - Poríferos e Cnidários
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Biologia -  Poríferos e Cnidárioswww.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Biologia -  Poríferos e Cnidários
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Biologia - Poríferos e Cnidários
 
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Biologia - Ecologia - Os Biomas Brasileiro...
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Biologia -  Ecologia - Os Biomas Brasileiro...www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Biologia -  Ecologia - Os Biomas Brasileiro...
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Biologia - Ecologia - Os Biomas Brasileiro...
 
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Biologia - Ecologia - Biosfera - Parte 3.
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Biologia -  Ecologia - Biosfera - Parte 3.www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Biologia -  Ecologia - Biosfera - Parte 3.
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Biologia - Ecologia - Biosfera - Parte 3.
 
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Biologia - Classificação dos seres vivos.
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Biologia -  Classificação dos seres vivos.www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Biologia -  Classificação dos seres vivos.
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Biologia - Classificação dos seres vivos.
 

Último

Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Mary Alvarenga
 
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica BasicaExercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
ElinarioCosta
 
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Centro Jacques Delors
 
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
GracinhaSantos6
 
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
Manuais Formação
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
Crisnaiara
 
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
AlessandraRibas7
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
CarlosJean21
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdfPrimeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Maurício Bratz
 
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
AdrianoMontagna1
 
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdfAula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
vitorreissouzasilva
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
HelenStefany
 
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogiaAVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
KarollayneRodriguesV1
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
ARIADNEMARTINSDACRUZ
 
formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...
JakiraCosta
 
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicosDNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
jonny615148
 
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
SidneySilva523387
 

Último (20)

Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
 
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica BasicaExercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
 
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
 
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
 
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
 
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
 
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdfPrimeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
 
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
 
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdfAula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
 
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogiaAVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
 
formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...
 
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicosDNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
 
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
 

www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Biologia - Platelmintos

  • 1.
  • 3.
  • 4.
  • 5. • Animais de vida livre – animais que não são fixos, conseguem se locomover e não são dependentes de outros seres vivos para realizar seus metabolismos; • Animais parasitas - são aqueles que vivem no corpo de outros animais ou em plantas (hospedeiros), dependendo destes para sobreviver; • Cisticercose - Doença causada pela ingestão dos ovos da Taenia solium; • Ectoparasitas - parasitas que se instalam fora do corpo do hospedeiro; VocabulárioVocabulário ee ConceitosConceitos::
  • 6. • Esquistossomose - Doença crônica causada por parasitas do gênero Schistosoma; • Fragmentação - Tipo de reprodução assexuada, em que ocorre uma fissão corporal. Cada metade se regenera e forma uma nova planária; • Hermafrodita - animal que possui órgãos sexuais dos dois sexos, em um mesmo indivíduo; • Muco - substância visco-elástica de origem biológica. É produzido como método de proteção de superfícies no ser vivo, contra a desidratação, ataque químico, bacteriológico ou simplesmente como lubrificante; VocabulárioVocabulário ee ConceitosConceitos::
  • 7. • Predadores - são os animais que atacam, matam e se alimentam de presas, em geral, indivíduos de outras espécies; • Profilaxia - Conjunto de medidas que têm por finalidade prevenir ou atenuar as doenças, suas complicações e consequências; • Protonefrídeos - órgãos excretores formados por tubos com uma extremidade aberta e outra interna, fechada; • Quimiorreceptores - receptor sensorial sensível à presença ou concentração de determinadas substâncias químicas; VocabulárioVocabulário ee ConceitosConceitos::
  • 8. • Saprófagos – animais que alimentam de cadáveres de plantas e/ou animais; • Teníase - Doença causada pela Tênia; • Trematódeos - Classe do filo Platelmintos composta por espécies de endo- e ectoparasitas; • Turbelários - Classe do filo Platelmintos que engloba as espécies aquáticas de vida livre, predadores e saprófagos ; • Vermes - denominação popular para os filos platelmintos, nematódeos e anelídeos. • VocabulárioVocabulário ee ConceitosConceitos::
  • 9. Esquema Organizacional Global de PlatelmintosEsquema Organizacional Global de PlatelmintosEsquema Organizacional Global de PlatelmintosEsquema Organizacional Global de Platelmintos Platelmintos Definição Filo formado por animais de corpo achatado dorsoventralmente, em forma de laminas ou fitas Características Triblásticos e acelomados Apresentam cefalização Simetria bilateral Morfologia e Fisiologia Respiração, Circulação e Excreção Digestão Coordenação Revestimento Classificação Tubelários Tremátodeos Cestódeos
  • 10. Digestão Tubo digestório incompleto Não possuem abertura anal Apresentam digestão intra e extracelular Respiração, circulação e excreção Trocas gasosas ocorrem por difusão Cavidade digestória distribui o alimento Esquema Organizacional Parcial deEsquema Organizacional Parcial de Morfologia e FisiologiaMorfologia e Fisiologia Esquema Organizacional Parcial deEsquema Organizacional Parcial de Morfologia e FisiologiaMorfologia e Fisiologia Morfologia e Fisiologia Coordenação Revestimento Dois gânglios cerebrais ligados entre si por dois cordões nervosos Sistema Nervoso Centralizado Possuem ocelos e quimiorreceptores Platelmintos vida Livre Platelmintos Parasitas Muco e cílios na epiderme Cutícula protetora na epiderme Alguns parasitas retiram alimento do hospedeiro Não apresentam sist. Respiratório e Circulatório Excreção realizado pelas células-flama
  • 11. Reino Animalia (Animal) Definição Divisão (Filos) Poríferos Cnidários Características Reino formado por todas as espécies de animais Composição Animais Eucariontes pluricelulares Heterotróficos Presença de Sistema Nervoso e Muscular Simetria Radial ou Bilateral Ciclo de vida Diplobionte Desenvolvimento embrionário típico Capacidade de locomoção Câmara Digestiva Platelmintos Esquema Organizacional GlobalEsquema Organizacional Global do Reino Animaldo Reino Animal Esquema Organizacional GlobalEsquema Organizacional Global do Reino Animaldo Reino Animal
  • 12. Esquema Organizacional Global de PlatelmintosEsquema Organizacional Global de PlatelmintosEsquema Organizacional Global de PlatelmintosEsquema Organizacional Global de Platelmintos Platelmintos Definição Filo formado por animais de corpo achatado dorsoventralmente, em forma de laminas ou fitas Características Triblásticos e acelomados Apresentam cefalização Simetria bilateral Morfologia e Fisiologia Respiração, Circulação e Excreção Digestão Coordenação Revestimento Classificação Tubelários Tremátodeos Cestódeos
  • 13.  O filo Platyhelmintes (platelmintos) é formado por vermes achatados, alongados, em forma de lâminas ou fitas, e neles se distinguem uma cabeça e uma região caudal. Podem ser de vida livre ou parasitas. DefiniçãoDefinição Vermes : denominação popular para os filos platelmintos, nematódeos e anelídeos. Fonte: http://www.presenteparahomem.com.br/ o-que-sao-as-planarias/
  • 14. Esquema Organizacional Global de PlatelmintosEsquema Organizacional Global de PlatelmintosEsquema Organizacional Global de PlatelmintosEsquema Organizacional Global de Platelmintos Platelmintos Definição Filo formado por animais de corpo achatado dorsoventralmente, em forma de laminas ou fitas Características Triblásticos e acelomados Apresentam cefalização Simetria bilateral Morfologia e Fisiologia Respiração, Circulação e Excreção Digestão Coordenação Revestimento Classificação Tubelários Tremátodeos Cestódeos
  • 17.  São triblásticos e acelomados.  Podem possuir cefalização. A região anterior do corpo é delimitada por uma cabeça, onde se localiza uma maior concentração de órgãos sensoriais e de tecido nervoso que o resto do corpo.  Possuem simetria bilateral. CaracterísticasCaracterísticas Fonte: http://cfb702materia.blogspot.com.br/2011_06_01_archive.html
  • 19. Questão 1) Dugesia tigrina é um verme platelminto que possui o corpo achatado dorsoventralmente. Qual das seguintes características não corresponde ao filo a que ela pertence: a) Simetria bilateral; b) Cefalização; c) Ausência de celoma; d) Corpo segmentado.
  • 20. Questão 1) Dugesia tigrina é um verme platelminto que possui o corpo achatado dorsoventralmente. Qual das seguintes características não corresponde ao filo a que ela pertence: a) Simetria bilateral; b) Cefalização; c) Ausência de celoma; d) Corpo segmentado.
  • 21. Resposta Platelmintos Características Triblásticos e acelomados Apresentam cefalização Simetria bilateral a) Simetria bilateral; b) Cefalização; c) Ausência de celoma; d) Corpo segmentado.
  • 22. Esquema Organizacional Global de PlatelmintosEsquema Organizacional Global de PlatelmintosEsquema Organizacional Global de PlatelmintosEsquema Organizacional Global de Platelmintos Platelmintos Definição Filo formado por animais de corpo achatado dorsoventralmente, em forma de laminas ou fitas Características Triblásticos e acelomados Apresentam cefalização Simetria bilateral Morfologia e Fisiologia Respiração, Circulação e Excreção Digestão Coordenação Revestimento Classificação Tubelários Tremátodeos Cestódeos
  • 23.  Os platelminto de vida livre produzem um muco na epiderme que facilita o movimento, realizado com ajuda dos cílios que revestem a face ventral.  Os parasitas possuem uma cutícula protetora sobre a epiderme. MorfologiaMorfologia ee FisiologiaFisiologia Fonte: BIOLOGIA – César da Silva Júnior; Sezar Sasson & Nelson Caldini Júnior (2010)
  • 24.  Animais de vida livre apresentam tubo digestório incompleto (sem ânus), com digestão intra e extracelular.  Alguns parasitas não possuem tubo digestório, retirando o alimento já digerido do sangue do hospedeiro. MorfologiaMorfologia ee FisiologiaFisiologia Fonte: BIOLOGIA – César da Silva Júnior; Sezar Sasson & Nelson Caldini Júnior (2010)
  • 25. MorfologiaMorfologia ee FisiologiaFisiologia Fonte: Fonte: Biologia Hoje – Sérgio Linhares e Fernando Gewandsznjder (2011)
  • 26. Não apresentam sistema respiratório e circulatório, pois como são animais achatados, a distancia corporal se torna pequena.  A respiração se da por difusão e a cavidade digestória distribui o alimento pelo corpo. MorfologiaMorfologia ee FisiologiaFisiologia
  • 27. MorfologiaMorfologia ee FisiologiaFisiologia Fonte: http://www.netxplica.com/manual.virtual/exercicios /bio10/osmorregulacao/10.BIO.osmorregulacao.invertebrados.htm
  • 28.  Sistema nervoso mais desenvolvido que dos Cnidários. Possui dois gânglios cerebrais, ligados entre si por dois cordões nervosos. MorfologiaMorfologia ee FisiologiaFisiologia Fonte: Biologia Hoje – Sérgio Linhares e Fernando Gewandsznjder (2011) Além da cefalização, há também a centralização do sistema nervoso, o que permite movimentos mais sofisticados. Possuem também ocelos, nas formas livres e quimiorreceptores, que assinalam a presença de substâncias químicas úteis ou nocivas.
  • 29. Digestão Tubo digestório incompleto Não possuem abertura anal Apresentam digestão intra e extracelular Respiração, circulação e excreção Trocas gasosas ocorrem por difusão Cavidade digestória distribui o alimento Esquema Organizacional Parcial deEsquema Organizacional Parcial de Morfologia e FisiologiaMorfologia e Fisiologia Esquema Organizacional Parcial deEsquema Organizacional Parcial de Morfologia e FisiologiaMorfologia e Fisiologia Morfologia e Fisiologia Coordenação Revestimento Dois gânglios cerebrais ligados entre si por dois cordões nervosos Sistema Nervoso Centralizado Possuem ocelos e quimiorreceptores Platelmintos vida Livre Platelmintos Parasitas Muco e cílios na epiderme Cutícula protetora na epiderme Alguns parasitas retiram alimento do hospedeiro Não apresentam sist. Respiratório e Circulatório Excreção realizado pelas células-flama
  • 31. Questão 2) (MED. SANTA CASA) Das características abaixo, qual não serve para mostrar que os platelmintos são mais adiantados que os cnidários: a) Simetria bilateral, com diferenciação antero-posterior e dorsoventral; b) Presença de células nervosas; c) Mesoderme como um terceiro folheto germinativo; d) Sistema Nervoso Centralizado.
  • 32. Questão 2) (MED. SANTA CASA) Das características abaixo, qual não serve para mostrar que os platelmintos são mais adiantados que os cnidários: a) Simetria bilateral, com diferenciação antero-posterior e dorsoventral; b) Presença de células nervosas; c) Mesoderme como um terceiro folheto germinativo; d) Sistema Nervoso Centralizado.
  • 33. Resposta a) Simetria bilateral, com diferenciação antero-posterior e dorsoventral; Cnidários Características Simetria Radial Platelmintos Características Simetria bilateral VERDADEIRO
  • 34. Resposta b) Presença de células nervosas; Morfologia e Fisiologia Coordenação Não há gânglios nem cérebro Sistema Nervoso DifusoCnidários Dois gânglios cerebrais ligados entre si por dois cordões nervosos Sistema Nervoso Centralizado Morfologia e Fisiologia CoordenaçãoPlatelmintos FALSO
  • 35. Resposta c) Mesoderme como um terceiro folheto germinativo; DiblásticosCnidários Características Platelmintos Características Triblásticos VERDADEIRO
  • 36. Resposta d) Sistema Nervoso Centralizado. Morfologia e Fisiologia Coordenação Não há gânglios nem cérebro Sistema Nervoso DifusoCnidários Dois gânglios cerebrais ligados entre si por dois cordões nervosos Sistema Nervoso Centralizado Morfologia e Fisiologia CoordenaçãoPlatelmintos VERDADEIRO
  • 37. Resposta 2) (MED. SANTA CASA) Das características abaixo, qual não serve para mostrar que os platelmintos são mais adiantados que os cnidários: a) Simetria bilateral, com diferenciação antero-posterior e dorsoventral; b) Presença de células nervosas; c) Mesoderme como um terceiro folheto germinativo; d) Sistema Nervoso Centralizado.
  • 38. Questão 3) Observe as frases abaixo e depois marque a alternativa que contenha as palavras que as completem. I. Os platelmintos são animais -____________________ e acelomados. II. Os platelmintos não apresentam sistema circulatório e _________________ diferenciado. III. O sistema ---------------________________ dos platelmintos é mais desenvolvido que o dos cnidários. IV. As tênias são _______________. V. Os platelmintos são classificados nas classes turbelários, trematódeos e ___________.
  • 40. Questão 3) Observe  as  frases  abaixo  e  depois  marque  a  alternativa  que  contenha as palavras que as completem. I.        Os platelmintos são animais ­____________________ e  acelomados. II.      Os platelmintos não apresentam sistema circulatório e  _________________ diferenciado. III.    O sistema ­­­­­­­­­­­­­­­________________ dos platelmintos  é mais desenvolvido que o dos cnidários. IV.    As tênias são _______________. V.      Os platelmintos são classificados nas classes turbelários,  trematódeos e ___________.
  • 42. Resposta Platelmintos Características Triblásticos e acelomados Apresentam cefalização Simetria bilateral Respiração, circulação e excreção Trocas gasosas ocorrem por difusão Cavidade digestória distribui o alimento Morfologia e Fisiologia Não apresentam sist. Respiratório e Circulatório Excreção realizado pelas células-flama
  • 43. Resposta Morfologia e Fisiologia Coordenação Não há gânglios nem cérebro Sistema Nervoso DifusoCnidários Dois gânglios cerebrais ligados entre si por dois cordões nervosos Sistema Nervoso Centralizado Morfologia e Fisiologia CoordenaçãoPlatelmintos Tênia Reprodução Hermafroditas ou Monoicas
  • 49. Esquema Organizacional Global de PlatelmintosEsquema Organizacional Global de PlatelmintosEsquema Organizacional Global de PlatelmintosEsquema Organizacional Global de Platelmintos Platelmintos Definição Filo formado por animais de corpo achatado dorsoventralmente, em forma de laminas ou fitas Características Triblásticos e acelomados Apresentam cefalização Simetria bilateral Morfologia e Fisiologia Respiração, Circulação e Excreção Digestão Coordenação Revestimento Classificação Tubelários Tremátodeos Cestódeos
  • 50. TurbeláriosTurbelários Fonte: http://cifonauta.cebimar.usp.br/photo/9875/) A  maioria  das  espécies  é  aquática  de  vida  livre,  pouco  são  terrestres e parasitas. São  predadores e saprófagos  (alimentam de  cadáveres de plantas e animais).  A  maioria  dos  turbelários  movem­se  inteiramente  através  de  cílios; as espécies grandes são marcantemente achatados e movem­ se através dos cílios e ondulação muscular sobre a grande superfície  ventral.  Fonte: http://bioglossa.wikispaces.com/Ocelos
  • 51. TurbeláriosTurbelários Fonte: Biologia Hoje – Sérgio Linhares e   Fernando Gewandsznjder (2011) Fragmentação:  a  planária  pode  realizar  reprodução  assexuada  caminhando com parte anterior  e a posterior do corpo em sentidos  contrários  e  cortando  ao  meio.  Posteriormente,  uma  metade  regenera a outra. Reprodução Assexuada
  • 52. TurbeláriosTurbelários Fonte: BIOLOGIA – César da Silva Júnior;  Sezar Sasson & Nelson Caldini Júnior (2010) Possuem  grande  poder  de  regeneração.  Quando  seccionadas  em  um ou mais pedaços, cada um deles pode originar um novo individuo. Reprodução Assexuada
  • 53. TurbeláriosTurbelários Fonte: http://www.ebah.com.br/content/ABAAABnecAK/aula­06­ platelmintos­nematelmintos Os  turbelários  são  hermafroditas  (apresenta  testículo  e  ovários),  com  sistemas  reprodutores  adaptados  à  fertilização  interna  e  à  deposição de ovos. E a fecundação é cruzada. Apresenta  desenvolvimento  embrionário direto.  Após  a  formação  da  célula­ovo  ou zigoto, o embrião irá dar origem  a uma nova planária. Reprodução Sexuada
  • 54. Esquema Organizacional ParcialEsquema Organizacional Parcial de Turbeláriosde Turbelários Esquema Organizacional ParcialEsquema Organizacional Parcial de Turbeláriosde Turbelários Turbelário s Definição Locomoção Espécies aquáticas de vida livre, predadores e saprófagos Através de cílios Através dos cílios e ondulação muscular Espécies pequenas Espécies maiores Reprodução Tipos Assexuada Fragmentação Fissão corporal. Cada metade se regenera e forma uma nova planária Sexuada São hermafroditas, com fecundação cruzada Apresentam fertilização interna e deposição de ovos Desenvolvimento embrionário direto
  • 56. Questão 4) Comente a seguinte afirmação: “A  maioria  das  espécies  de  Turbelários  (Classe  de  platelmintos)    são parasitas obrigatórios, sendo responsáveis por doenças como  teníase e esquistossomose”.
  • 57. Questão 4) Comente a seguinte afirmação: “A  maioria  das  espécies  de  Turbelários  (Classe  de  platelmintos)    são parasitas obrigatórios, sendo responsáveis por doenças como  teníase e esquistossomose”.
  • 58. Resposta Turbelários Definição Espécies aquáticas de vida livre, predadores e saprófagos Resposta A maioria das espécies é aquática de vida livre, pouco  são  terrestres  e  parasitas.  Teníase  e  esquistossomose  são  doenças causadas por platelmintos que pertencem a outras  classes.
  • 59. Questão 5) Observe a figura: Que  animal  está  aparecendo  na  figura  e  qual  filo  e  classe  ele  pertence?  Que  tipo  de  característica  pertinente  a  esse  filo  está  sendo demonstrado? Explique como ocorre Fonte: BIOLOGIA – César da Silva Júnior;  Sezar Sasson & Nelson Caldini Júnior (2010)
  • 60. Questão 5) Observe a figura: Que  animal  está  aparecendo  na  figura  e  qual  filo  e  classe  ele  pertence?  Que  tipo  de  característica  pertinente  a  esse  filo  está  sendo demonstrado? Explique como ocorre. Fonte: BIOLOGIA – César da Silva Júnior;  Sezar Sasson & Nelson Caldini Júnior (2010)
  • 61. Resposta Resposta O  animal  é  a  planária,  que  pertence  ao  filo  platelminto  e  a  classe  dos  Turbelários.  Na  figura,  está  acontecendo  um  processo  de  reprodução  assexuada  denominada,  laceração.  Nessa  reprodução,  ocorre  a  fissão  corporal  e  cada  metade  se  regenera  formando  um  novo  individuo. Turbelários Definição Espécies aquáticas de vida livre, predadores e saprófagos Reprodução Tipos Assexuada Laceração Fissão corporal. Cada metade se regenera e forma uma nova planária Platelmintos Classificação Turbelários
  • 62. Esquema Organizacional Global de PlatelmintosEsquema Organizacional Global de PlatelmintosEsquema Organizacional Global de PlatelmintosEsquema Organizacional Global de Platelmintos Platelmintos Definição Filo formado por animais de corpo achatado dorsoventralmente, em forma de laminas ou fitas Características Triblásticos e acelomados Apresentam cefalização Simetria bilateral Morfologia e Fisiologia Respiração, Circulação e Excreção Digestão Coordenação Revestimento Classificação Tubelários Trematódeos Cestódeos
  • 63. TrematódeosTrematódeos Fonte: http://http://biologandoonline.blogspot.com.br /2012/02/esquistossomose.html Espécies  parasitas.  Apresentam  o corpo revestido por uma cutícula  com ventosas de fixação. Possuem  tubo  digestório  incompleto,  com  a  presença  de  boca e ausência de ânus.  Os trematódeos são hermafroditas,      e os seus sistemas reprodutores estão adaptados à copulação e à      fertilização interna.
  • 64. TrematódeosTrematódeos Trematódeos  monogêneos:  são  principalmente  ectoparasitas (parasitas que se instalam fora do corpo do  hospedeiro) de peixes.  O  ciclo  de  vida  envolve  apenas  um  hospedeiro  para  o  adulto, e um novo hospedeiro é atingido através de uma  larva de vida livre, denominada oncomiracídio.
  • 65. TrematódeosTrematódeos Trematódeos digêneos: são  endoparasitas  (parasitas  que  vivem  no interior do corpo do hospedeiro) e constituem o maior grupo de  platelmintos parasitas.  O ciclo de vida envolve de dois a quatro hospedeiros e um certo  número  de  distintos  estágios  de  desenvolvimento,  incluindo  dois  tipos de larvas (miracídio e cercária).  As  espécies  de  esquistossomos  (Schistosoma)  estão  entre  os  grupos  de  parasitas  mais  disseminados  e  mais  danosos  para  o  homem.
  • 66. Esquema Organizacional Parcial de TrematódeosEsquema Organizacional Parcial de TrematódeosEsquema Organizacional Parcial de TrematódeosEsquema Organizacional Parcial de Trematódeos Trematódeo s Definição Características Classe do filo Platelmintos composta por espécies de endo- e ectoparasitas Corpo revestido por uma cutícula com ventosas de fixação Hermafroditas Tipos Monogêneos Definição Ectoparasitas de peixes Digêneos Definição Ciclo de vida Principal grupo Tubo digestório incompleto Realizam copulação e à fertilização é interna Ciclo de vida Apenas um hospedeiro para o adulto Novo hospedeiro é atingido através dos oncomiracídios Maior grupo de platelmintos parasitas. São endoparasitas Dois a quatro hospedeiros Possuem distintos estágios de desenvolvimento Dois tipos de larvas: miracídio e cercária Esquistossomose
  • 69. TrematódeosTrematódeos Fonte: http://www.portalsaofrancisco.com.br/alfa/ esquistossomose/index.php Causa  da  doença  conhecida  como  esquistossomose  intestinal  ou  barriga  d’água. O esquistossomo macho mede cerca  de 1 cm e possui duas  ventosas e um  sulco  ao  longo  do  corpo  (canal  ginecóforo),  no  qual  abriga  a  fêmea  (mede  cerca  de  1,5cm)  durante  a  cópula. Schistosoma mansoni
  • 70. TrematódeosTrematódeos Após  a  postura  dos  ovos,  a  fêmea  permanece  no  sulco  do  macho ou o abandona. Completam  o  seu  desenvolvimento  no  sistema  porta­hepático (veias que ligam o  intestino ao fígado) do hospedeiro  definitivo, o ser humano. Os  adultos  desta  espécie  habitam  as  veias  intestinais.  Causando inchaço do abdômen.  Fonte: http://www.mdsaude.com/ 2011/11/esquistossomose­ciclo.html
  • 71. Esquema Organizacional Parcial de TrematódeosEsquema Organizacional Parcial de TrematódeosEsquema Organizacional Parcial de TrematódeosEsquema Organizacional Parcial de Trematódeos Trematódeo s Definição Características Classe do filo Platelmintos composta por espécies de endo- e ectoparasitas Corpo revestido por uma cutícula com ventosas de fixação Hermafroditas Tipos Monogêneos Definição Ectoparasitas de peixes Digêneos Definição Ciclo de vida Principal grupo Tubo digestório incompleto Realizam copulação e à fertilização é interna Ciclo de vida Apenas um hospedeiro para o adulto Novo hospedeiro é atingido através dos oncomiracídios Maior grupo de platelmintos parasitas. São endoparasitas Dois a quatro hospedeiros Possuem distintos estágios de desenvolvimento Dois tipos de larvas: miracídio e cercária Esquistossomose
  • 72. Esquema Organizacional Parcial de EsquistossomoseEsquema Organizacional Parcial de EsquistossomoseEsquema Organizacional Parcial de EsquistossomoseEsquema Organizacional Parcial de Esquistossomose Esquistossomose Definição Tipo Doença crônica causada por parasitas do gênero Schistosoma Macho abriga fêmea no ginecóforo durante a cópula Características Intestinal ou Barriga d’água Adultos habitam as veias intestinais do homem Causando inchaço abdominal
  • 73. TrematódeosTrematódeos Ciclo de vida A fêmea coloca os ovos nas veias e  capilares  da  parede  do  intestino,  provocando inflamação, facilitando a  passagem  dos  ovos  para  a  cavidade  intestinal.  Com  isso  os  ovos  são  eliminados pelas fezes. Se  estas  chegarem  até  água,  os  ovos  se  romperão  e  liberarão  uma  larva  ciliada,  miracídio.  Essa  só  irá  sobreviver  se  penetrar  em  um  caramujo  da  família  dos  planorbídeos. Fonte: http://blog.medicinia.com.br/category/esquistossomose/
  • 74. TrematódeosTrematódeos Ciclo de vida No caramujo o miracídio irá crescer e  se  transformar  no  esporocisto  primário. Este,  por  reprodução  assexuada,  forma  vários  esporócitos  secundários,  que  originam  outro  tipo  de  larva,  cercária. A  cercária  abandona  o  caramujo  e  pode penetrar na pele ou mucosas do  ser humano, quando entra em contato  com a água contaminada. Fonte: http://interna.coceducacao.com.br /ebook/pages/1943.htm
  • 76. Esquema Organizacional Parcial de EsquistossomoseEsquema Organizacional Parcial de EsquistossomoseEsquema Organizacional Parcial de EsquistossomoseEsquema Organizacional Parcial de Esquistossomose Esquistossomose Definição Tipo Doença crônica causada por parasitas do gênero Schistosoma Macho abriga fêmea no ginecóforo durante a cópula Características Ciclo de vida Fezes do homem doente caem na água Forma-se os esporócitos primários Intestinal ou Barriga d’água Adultos habitam as veias intestinais do homem Causando inchaço abdominal Ovos se transformam em miracídios Miracídios penetram no caramujo planorbídio Hospedeiro Intermediário Reprodução Assexuada: Esporócito secundário Esporócito secundário originam cercárias Cercárias abandonam caramujo Cercárias penetram na pele ou mucosa do homem Hospedeiro Definitivo No homem, Cercárias crescem e se desenvolvem Migram para as veias do intestino onde irão copular Fezes irão ter os ovos do esquistossomose
  • 77. TrematódeosTrematódeos A contaminação ocorre através do contato humano com água contaminada com cercárias liberadas dos caramujos infectados.  Os sintomas são: Diarréia, febres, cólicas, dores de cabeça, náuseas, tonturas, sonolência, emagrecimento, endurecimento e o aumento de volume do fígado e hemorragias que causam vômitos e fezes escurecidas. Fonte: http://interna.coceducacao.com.br /ebook/pages/1943.htm
  • 79. TrematódeosTrematódeos Profilaxia O combate a esta doença passa necessariamente por medidas de saneamento básico. Águas e sistemas de esgoto devem ter sempre as águas tratadas. Os caramujos, hospedeiros intermediários do parasita, devem ser eliminados. Ao entrar em águas paradas ou sujas, deve haver uma proteção nos pés com botas de borracha.
  • 80. TrematódeosTrematódeos Curiosidade Brasil desenvolve vacina contra a esquistossomose Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) divulgou os resultados dostestes clínicos de segurança da vacina. Segundo a pesquisadora, além de eficiente, “é uma vacina segura”. Os testes em larga escala serão feitos no Brasil e na África. http://www.jornaledicaodobrasil.com.br/site/brasil-desenvolve-vacina-contra-a-esquistossomose/
  • 81. Esquema Organizacional Parcial de EsquistossomoseEsquema Organizacional Parcial de EsquistossomoseEsquema Organizacional Parcial de EsquistossomoseEsquema Organizacional Parcial de Esquistossomose Esquistossomose Definição Tipo Doença crônica causada por parasitas do gênero Schistosoma Características Ciclo de vida Intestinal ou Barriga d’água Sintomas Diarréia, febres, cólicas, dores de cabeça, náuseas, tonturas, sonolência, emagrecimento, endurecimento e o aumento de volume do fígado e hemorragias que causam vômitos e fezes escurecidas Profilaxia Saneamento Básico Eliminação de caramujo Usar proteção para os pés quando em contato com água parada ou suja
  • 83. Questão 6) (FUVEST) Qual das doenças abaixo não é transmitida por um inseto: a) Doença de Chagas; b) Malária; c) Filaríase; d) Esquistossomose; e) Úlcera de Bauru.
  • 84. Questão 6) (FUVEST) Qual das doenças abaixo não é transmitida por um inseto: a) Doença de Chagas; b) Malária; c) Filaríase; d) Esquistossomose; e) Úlcera de Bauru.
  • 85. Resposta Esquistossomose Definição Doença crônica causada por parasitas do gênero Schistosoma Platelmintos Classificação Tubelários Tremátodeos Cestódeos Definição Classe do filo Platelmintos composta por espécies de endo- e ectoparasitas Tipos Digêneos Definição Principal grupo Maior grupo de platelmintos parasitas. São endoparasitas Esquistossomose Tremátodeos
  • 86. Resposta Resposta a) Doença de Chagas; b) Malária; c) Filaríase; d) Esquistossomose; e) Úlcera de Bauru.
  • 87. Questão 7) (FUVEST) Dos parasitas do homem, comuns no Brasil, o que é transmitido por um caramujo é: a) Ascaris b) Taenia c) Plasmodium d) Schistosoma e) Trypanosoma Fonte: http://blog.medicinia.com.br/category/esquistossomose/
  • 88. Questão 7) (FUVEST) Dos parasitas do homem, comuns no Brasil, o que é transmitido por um caramujo é: a) Ascaris b) Taenia c) Plasmodium d) Schistosoma e) Trypanosoma Fonte: http://blog.medicinia.com.br/category/esquistossomose/
  • 89. Resposta Esquistossomose Tipo Intestinal ou Barriga d’água Caramujo planorbídioHospedeiro Intermediário a)Ascaris b) Taenia c) Plasmodium d) Schistosoma e) Trypanosoma
  • 90. Questão 8) (UFMG - 94) – Observe as figuras que se referem ao ciclo da esquistossomose mansônica.
  • 91. Questão Em relação às figuras, é correto afirmar-se que: A) a infecção ocorre em 1 pelas formas 4, 2 e 3. B) a meiose ocorre da fase 4 para a fase 5. C) a passagem do indivíduo 4 pelo indivíduo 6 é necessária para que ele dê origem a 5. D) o indivíduo indicado por 4 é o hospedeiro definitivo do parasita. E) os indivíduos indicados em 2 localizam-se no sistema porta- hepático de 6.
  • 92. Questão 8) (UFMG - 94) – Observe as figuras que se referem ao ciclo da esquistossomose mansônica.
  • 93. Questão Em relação às figuras, é correto afirmar-se que: A) a infecção ocorre em 1 pelas formas 4, 2 e 3. B) a meiose ocorre da fase 4 para a fase 5. C) a passagem do indivíduo 4 pelo indivíduo 6 é necessária para que ele dê origem a 5. D) o indivíduo indicado por 4 é o hospedeiro definitivo do parasita. E) os indivíduos indicados em 2 localizam-se no sistema porta- hepático de 6.
  • 94. Esquistossomose Tipo Macho abriga fêmea no ginecóforo durante a cópula Características Ciclo de vida Fezes do homem doente caem na água Forma-se os esporócitos primários Intestinal ou Barriga d’água Adultos habitam as veias intestinais do homem Causando inchaço abdominal Ovos se transformam em miracídios Miracídios penetram no caramujo planorbídio Hospedeiro Intermediário Reprodução Assexuada: Esporócito secundário Esporócito secundário originam cercárias Cercárias abandonam caramujo Cercárias penetram na pele ou mucosa do homem Hospedeiro Definitivo No homem, Cercárias crescem e se desenvolvem Migram para as veias do intestino onde irão copular Fezes irão ter os ovos do esquistossomose
  • 96. Resposta A) a infecção ocorre em 1 pelas formas 4, 2 e 3. FALSO
  • 97. Resposta B) a meiose ocorre da fase 4 para a fase 5. FALSO
  • 98. Resposta C) a passagem do indivíduo 4 pelo indivíduo 6 é necessária para que ele dê origem a 5. VERDADEIRO
  • 99. Resposta D) o indivíduo indicado por 4 é o hospedeiro definitivo do parasita. FALSO
  • 100. Resposta E) os indivíduos indicados em 2 localizam-se no sistema porta- hepático de 6. FALSO
  • 101. Resposta A) a infecção ocorre em 1 pelas formas 4, 2 e 3. B) a meiose ocorre da fase 4 para a fase 5. C) a passagem do indivíduo 4 pelo indivíduo 6 é necessária para que ele dê origem a 5. D) o indivíduo indicado por 4 é o hospedeiro definitivo do parasita. E) os indivíduos indicados em 2 localizam-se no sistema porta- hepático de 6.
  • 102. Questão 9) (UEL-PR) – O esquema abaixo representa o ciclo de vida do esquistossomo. O esquistossomo pode ser encontrado na água sob as formas I, II e III, que são, respectivamente: a) Miracídio, cercária e ovo. b) Ovo, cercária e miracídio. c) Cercária, miracídio e cercária. d) Ovo, miracídio, e cercária. e) Miracídio, ovo e cercária. Homem Caramujo I II III
  • 103. Questão 9) (UEL-PR) – O esquema abaixo representa o ciclo de vida do esquistossomo. O esquistossomo pode ser encontrado na água sob as formas I, II e III, que são, respectivamente: a) Miracídio, cercária e ovo. b) Ovo, cercária e miracídio. c) Cercária, miracídio e cercária. d) Ovo, miracídio, e cercária. e) Miracídio, ovo e cercária. Homem Caramujo I II III
  • 105. Resposta Homem Caramujo I II III I II III OVO MIRACÍDIO CERCÁRIA a) Miracídio, cercária e ovo. b) Ovo, cercária e miracídio. c) Cercária, miracídio e cercária. d) Ovo, miracídio, e cercária. e) Miracídio, ovo e cercária.
  • 106. Esquema Organizacional Global de PlatelmintosEsquema Organizacional Global de PlatelmintosEsquema Organizacional Global de PlatelmintosEsquema Organizacional Global de Platelmintos Platelmintos Definição Filo formado por animais de corpo achatado dorsoventralmente, em forma de laminas ou fitas Características Triblásticos e acelomados Apresentam cefalização Simetria bilateral Morfologia e Fisiologia Respiração, Circulação e Excreção Digestão Coordenação Revestimento Classificação Tubelários Tremátodeos Cestódeos
  • 107. CestódeosCestódeos  Os cestódeos são endoparasitas obrigatórios de muitos grupos de vertebrados. Seu ciclo de vida inclui um ou mais hospedeiros intermediários (invertebrados e/ou vertebrados).  Os principais representantes dessa classe são a Taenia solium e a Taenia saginata, vermes que se desenvolvem , principalmente, no tubo digestório dos vertebrados e causam doenças no ser humano (hospedeiro definitivo).  As tênias são popularmente conhecidas de solitárias porque habitualmente se mostram isoladas, uma apenas em cada indivíduo.
  • 108. CestódeosCestódeos  O corpo de uma tênia é dividido em três partes: cabeça ou escólex, colo ou região proglotogênica (geradora de proglotes) e tronco ou estróbilo. Sua cabeça possui, além de quatro ventosas (nenhuma funciona como boca), uma coroa de ganchos quitinosos, o rostro ou rostelum, que ajuda a fixação do parasita ao intestino da pessoa. Fonte: http://biocurioso.blogspot.com.br/2010_08_01_archive.html
  • 109. CestódeosCestódeos  A partir do colo, são formados os anéis ou proglotes, que podem atingir grande número ao longo do corpo de uma solitária. As proglotes crescem por divisão (estrobilização).  O tronco ou estróbilo, apresenta anéis imaturos, anéis maduros e anéis grávidos (portando de 30 mil a 50 mil ovos embrionados cada um). Fonte: http://biocurioso.blogspot.com.br/2010_08_01_archive.html
  • 111. CestódeosCestódeos  Possuem uma cutícula protetora, vários cordões nervosos e até quatro canais excretores que percorrem todo o estrobilo.  A tênia não possui tubo digestório e retiram o alimento já digerido do sangue do hospedeiro. Fonte: http://biologiafilo.blogspot.com.br/2010/09/teniase-e- doenca-causada-por-tenias_01.html
  • 112. CestódeosCestódeos  São hermafroditas: cada anel possui útero, testículos, ovários e outras partes do sistema reprodutor masculino e do feminino. Realiza autofecundação, produzindo anéis cheios de ovos, que são expulsos com as fezes. Fonte: http://matheusbrito11766.blogspot.com.br/2012_05_01_archive.html
  • 113. Esquema Organizacional Parcial de CestódeosEsquema Organizacional Parcial de CestódeosEsquema Organizacional Parcial de CestódeosEsquema Organizacional Parcial de Cestódeos Cestódeos Definição Principal representante Classe do filo Platelmintos composta por espécies de endoparasitas de corpo achatado Tênia Taenia solium e Taenia saginataEspécies Morfologia Tronco ou estróbilo Geradora de proglotes Cabeça ou escólex Colo ou região proglotogênica Possui 4 ventosas e/ou 1 coroa de ganchos quitinosos Epiderme com cutícula protetora Corpo Vários cordões nervosos Canais excretores que percorrem todo o estróbilo Não possui tubo digestório Retiram alimento do hospedeiro Reproduçã o Hermafroditas Cada proglote possuem sist. reprodutor masculino e feminino Realiza autofecundação produzindo proglotes cheias de ovos
  • 114. CestódeosCestódeos  É causada por duas espécies de Tênia.  A tenia adulta vive presa à parede do intestino delgado, onde ocorre a autofecundação e, consequentemente, a liberação das proglotes fecundadas pelas fezes. Teníase
  • 115. CestódeosCestódeos  Após a eliminação das proglotes fecundadas pelas fezes, ela se desintegra e libera os ovos. Cada ovo contém um embrião, denominado oncosfera ou hexacanto.  O embrião é caracterizado pelo seu formato esférico e conter seis espinhos. Teníase Fonte: http://www.portalsaofrancisco.com.br/alfa/filo-platelmintos/filo-platelmintos-13.php
  • 116. CestódeosCestódeos Ciclo de Vida  Fezes contendo os ovos podem contaminar a água e alimentos, que são ingeridos por bois e porcos.  No estômago destes, a casca do ovo é destruída, liberando a oncosfera, que fura a parede do intestino e se aloja na musculatura do animal.  Ela cresce e assume o aspecto de uma vesícula cheia de líquido, cisticerco. Fonte: http://www.portalsaofrancisco.com.br/ alfa/filo-platelmintos/filo-platelmintos-13.php
  • 117. CestódeosCestódeos Ciclo de Vida Ao se alimentar de carne crua, mal cozida ou mal assada, o ser humano se contamina. Ao chegar no intestino delgado, o cisticerco desenvagina o escólex. E esse se prende a mucosa intestinal e alcançam o estágio adulto.
  • 118. CestódeosCestódeos Ciclo de Vida Fonte: http://www.portalsaofrancisco.com.br/alfa/filo-platelmintos/filo-platelmintos-13.php
  • 119. Esquema Organizacional Parcial de CestódeosEsquema Organizacional Parcial de CestódeosEsquema Organizacional Parcial de CestódeosEsquema Organizacional Parcial de Cestódeos Cestódeos Definição Principal representante Classe do filo Platelmintos composta por espécies de endoparasitas de corpo achatado Tênia Espécies Morfologia Reproduçã o Teníase Definição Doença causada pela Tênia Hospedeiro intermediário Porco Boi Espécie Espécie Taenia solium Taenia saginata Hospedeiro definitivo Homem Ciclo de vida Proglotes fecundadas são eliminadas pelas fezes Liberam os ovos Cada ovo contém embrião Oncosfera ou Hexacanto Bois ou porcos ingerem alimentos contaminados Oncosfera é liberada no estômago desses animais Se alojam na musculatura Oncosfera cresce e se desenvolve Cisticerco Homem se alimenta da carne contendo os cisticercos Cisticercos chegam ao int. delgado Desenvaginam Excólex Individuo adulto se desenvolve no intestino delgado Autofecundação e liberação de próglotides nas fezes
  • 120. CestódeosCestódeos A profilaxia (prevenção) da teníase consiste em saneamento básico (tratamento de água e esgoto), fiscalização das carnes de porco e boi; cozimento prolongado da carne com cisticerco antes da ingestão; tratamento de doentes e bons programas de educação e sensibilização, incentivando bons hábitos de higiene no dia a dia. Sintomas Dores de cabeça e abdominais, perda de peso, alterações do apetite, enjoos, perturbações nervosas, irritação, fadiga e insônia.
  • 121. Esquema Organizacional Parcial de CestódeosEsquema Organizacional Parcial de CestódeosEsquema Organizacional Parcial de CestódeosEsquema Organizacional Parcial de Cestódeos Cestódeos Definição Principal representante Classe do filo Platelmintos composta por espécies de endoparasitas de corpo achatado Tênia Espécies Morfologia Reproduçã o Teníase Definição Doença causada pela Tênia Hospedeiro intermediário Porco Boi Espécie Espécie Taenia solium Taenia saginata Hospedeiro definitivo Homem Ciclo de vida Sintomas Profilaxia Saneamento básico Fiscalização sanitária das carnes Cozimento adequado de carnes Programas de educação e sensibilização Dores de cabeça e abdominais, perda de peso, alterações do apetite, enjoos, perturbações nervosas, irritação, fadiga e insônia
  • 122. CestódeosCestódeos Cisticercose  É causada pela ingestão acidental dos ovos da Taenia solium.  Ao se ingerir os ovos da T. solium, este parasita se encaminha do trato digestório à corrente sanguínea, e se aloja em órgãos como cérebro, olhos, coluna ou músculos. Fonte: http://aprenderaaprender.webnode.com.br/album /invertebrados1/vermes-cisticercose-no-cerebro-jpg1/
  • 123. CestódeosCestódeos Cisticercose  A gravidade da doença depende muito da região infestada.  Um cisticerco localizado no cérebro, por exemplo, pode causar dores de cabeça, convulsões, confusão mental e até morte sendo, obviamente, o caso clínico mais grave.  Alojada na coluna e região muscular, causa dor e dificuldades de locomoção e na região ocular, distúrbios visuais e até cegueira.
  • 124. CestódeosCestódeos Cisticercose Profilaxia (prevenção): não defecar ao ar livre; lavar sempre as mãos, principalmente antes de se alimentar e após usar o sanitário; não utilizar fezes humanas, nem esgoto como adubo; não irrigar horta com água de rio; lavar bem as frutas e verduras antes de ingeri- las; tomar água apenas se estiver tratada e acompanhamento médico dos portadores de cisticercose e teníase são as principais formas de evitar seu contágio e o de outras pessoas a curto e a longo prazo.
  • 125. Esquema Organizacional Parcial de CestódeosEsquema Organizacional Parcial de CestódeosEsquema Organizacional Parcial de CestódeosEsquema Organizacional Parcial de Cestódeos Cestódeos Definição Principal representante Classe do filo Platelmintos composta por espécies de endoparasitas de corpo achatado Tênia Espécies Morfologia Reproduçã o Cisticercose Definição Doença causada pela ingestão dos ovos da Taenia solium Ciclo de vida Sintomas Profilaxia Saneamento básico Lavar sempre as mãos Não utilizar fezes humanas, nem esgoto como adubo Lavar bem as frutas e verduras antes de ingeri-las Teníase Ingestão dos ovos da Taenia solium Cisticerco se encaminha do trato digestório à corrente sanguínea Se aloja em órgãos como cérebro, olhos, coluna ou músculos Gravidade da doença depende região infestada Cérebro, pode causar dores de cabeça, convulsões, confusão mental e até morte Coluna e região muscular, causa dor e dificuldades de locomoção e na região ocular, distúrbios visuais e cegueira Tomar água tratada
  • 127. Questão 10) (FUVEST) Na cisticercose, o homem pode fazer o papel de hospedeiro intermediário no ciclo evolutivo da Taenia solium (tênia). Isto acontece porque: a) ingeriu ovos de tênia; b) andou descalço em terras contaminadas; c) foi picado por "barbeiro"; d) comeu carne de porco ou de vaca com larvas de tênia; e) nadou em água com caramujo contaminado.
  • 128. Questão 10) (FUVEST) Na cisticercose, o homem pode fazer o papel de hospedeiro intermediário no ciclo evolutivo da Taenia solium (tênia). Isto acontece porque: a) ingeriu ovos de tênia; b) andou descalço em terras contaminadas; c) foi picado por "barbeiro"; d) comeu carne de porco ou de vaca com larvas de tênia; e) nadou em água com caramujo contaminado.
  • 129. Resposta Cisticercose Definição Doença causada pela ingestão dos ovos da Taenia solium a) ingeriu ovos de tênia; b) andou descalço em terras contaminadas; c) foi picado por "barbeiro"; Cisticercose Definição Doença causada pela ingestão dos ovos da Taenia solium VERDADEIRO FALSO FALSO Doenças de Chagas Definição Doença causada pelo protozoário do gênero Trypanosoma e transmitida através do mosquito "barbeiro"
  • 130. Resposta d) comeu carne de porco ou de vaca com larvas de tênia; e) nadou em água com caramujo contaminado. Teníase Definição Doença causada pela ingestão de carne de porco ou vaca contaminados com larvas da Tênia FALSO Esquistossomose Ciclo de vida Cercárias abandonam caramujo Cercárias penetram na pele ou mucosa do homem Hospedeiro Definitivo FALSO
  • 131. Resposta 10) (FUVEST) Na cisticercose, o homem pode fazer o papel de hospedeiro intermediário no ciclo evolutivo da Taenia solium (tênia). Isto acontece porque: a) ingeriu ovos de tênia; b) andou descalço em terras contaminadas; c) foi picado por "barbeiro"; d) comeu carne de porco ou de vaca com larvas de tênia; e) nadou em água com caramujo contaminado.
  • 132. Questão 11) (UFES) Para não se contrair doenças como cisticercose e teníase, deve-se evitar, respectivamente: a) comer verduras mal-lavadas e comer carne bovina ou suína mal passada; b) comer carne bovina ou suína mal passada e nadar em lagoas desconhecidas; c) comer carne com cisticerco e comer carne bovina ou suína mal passada; d) nadar em lagoas desconhecidas e andar descalço; e) andar descalço e comer verduras mal lavadas.
  • 133. Questão 11) (UFES) Para não se contrair doenças como cisticercose e teníase, deve-se evitar, respectivamente: a) comer verduras mal lavadas e comer carne bovina ou suína mal passada; b) comer carne bovina ou suína mal passada e nadar em lagoas desconhecidas; c) comer carne com cisticerco e comer carne bovina ou suína mal passada; d) nadar em lagoas desconhecidas e andar descalço; e) andar descalço e comer verduras mal lavadas.
  • 134. Resposta Teníase Profilaxia Saneamento básico Fiscalização sanitária das carnes Cozimento adequado de carnes Programas de educação e sensibilização Cisticercose Profilaxia Saneamento básico Lavar sempre as mãos Não utilizar fezes humanas, nem esgoto como adubo Lavar bem as frutas e verduras antes de ingeri-las Tomar água tratada
  • 135. Resposta a) comer verduras mal lavadas e comer carne bovina ou suína mal passada; b) comer carne bovina ou suína mal passada e nadar em lagoas desconhecidas; c) comer carne com cisticerco e comer carne bovina ou suína mal passada; d) nadar em lagoas desconhecidas e andar descalço; e) andar descalço e comer verduras mal lavadas.
  • 136. Questão 12) Observe a figura a seguir e assinale a alternativa errada:
  • 137. Questão a) A imagem nos mostra o ciclo da Taenia saginata, pois seu hospedeiro intermediário é o boi. b) Uma tênia adulta vive presa à parede do intestino delgado, onde ocorre sua autofecundação. c) Quando as fezes de uma pessoa contaminada são depositadas no solo por falta de instalações sanitárias adequadas, os ovos desse verme podem contaminar água e verduras e ser ingerido pelo porco ou pelo boi. d) Uma vez no corpo do hospedeiro intermediário, o ovo do verme eclode liberando o cisticerco, que se aloja nos músculos do animal. Nos músculos ele cresce e assume o aspecto de uma bolsa cheia de líquido chamado de oncosfera. e) O diagnóstico dessa doença é feito através de exames de fezes.
  • 138. Questão 12) Observe a figura a seguir e assinale a alternativa errada:
  • 139. Questão a) A imagem nos mostra o ciclo da Taenia saginata, pois seu hospedeiro intermediário é o boi. b) Uma tênia adulta vive presa à parede do intestino delgado, onde ocorre sua autofecundação. c) Quando as fezes de uma pessoa contaminada são depositadas no solo por falta de instalações sanitárias adequadas, os ovos desse verme podem contaminar água e verduras e ser ingerido pelo porco ou pelo boi. d) Uma vez no corpo do hospedeiro intermediário, o ovo do verme eclode liberando o cisticerco, que se aloja nos músculos do animal. Nos músculos ele cresce e assume o aspecto de uma bolsa cheia de líquido chamado de oncosfera. e) O diagnóstico dessa doença é feito através de exames de fezes.
  • 140. Resposta a) A imagem nos mostra o ciclo da Taenia saginata, pois seu hospedeiro intermediário é o boi. b) Uma tênia adulta vive presa à parede do intestino delgado, onde ocorre sua autofecundação. Teníase Hospedeiro intermediário Porco Boi Espécie Espécie Taenia solium Taenia saginata VERDADEIRO Ciclo de vida Homem se alimenta da carne contendo os cisticercos Cisticercos chegam ao int. delgado Desenvaginam Excólex Individuo adulto se desenvolve no intestino delgado Autofecundação e liberação de próglotides nas fezes Teníase VERDADEIRO
  • 141. Resposta c) Quando as fezes de uma pessoa contaminada são depositadas no solo por falta de instalações sanitárias adequadas, os ovos desse verme podem contaminar água e verduras e ser ingerido pelo porco ou pelo boi. Proglotes fecundadas são eliminadas pelas fezes Liberam os ovos Cada ovo contém embrião Oncosfera ou Hexacanto Bois ou porcos ingerem alimentos contaminados Oncosfera é liberada no estômago desses animais Se alojam na musculatura Ciclo de vida Teníase VERDADEIRO
  • 142. Resposta d) Uma vez no corpo do hospedeiro intermediário, o ovo do verme eclode liberando o cisticerco, que se aloja nos músculos do animal. Nos músculos ele cresce e assume o aspecto de uma bolsa cheia de líquido chamado de oncosfera. e) O diagnóstico dessa doença é feito através de exames de fezes. Proglotes fecundadas são eliminadas pelas fezes Liberam os ovos Cada ovo contém embrião Oncosfera ou Hexacanto Bois ou porcos ingerem alimentos contaminados Oncosfera é liberada no estômago desses animais Se alojam na musculatura Ciclo de vida Teníase FALSO VERDADEIRO
  • 143. Resposta a) A imagem nos mostra o ciclo da Taenia saginata, pois seu hospedeiro intermediário é o boi. b) Uma tênia adulta vive presa à parede do intestino delgado, onde ocorre sua autofecundação. c) Quando as fezes de uma pessoa contaminada são depositadas no solo por falta de instalações sanitárias adequadas, os ovos desse verme podem contaminar água e verduras e ser ingerido pelo porco ou pelo boi. d) Uma vez no corpo do hospedeiro intermediário, o ovo do verme eclode liberando o cisticerco, que se aloja nos músculos do animal. Nos músculos ele cresce e assume o aspecto de uma bolsa cheia de líquido chamado de oncosfera. e) O diagnóstico dessa doença é feito através de exames de fezes.
  • 144. Reino Animalia (Animal) Definição Divisão (Filos) Poríferos Cnidários Características Reino formado por todas as espécies de animais Composição Animais Eucariontes pluricelulares Heterotróficos Presença de Sistema Nervoso e Muscular Simetria Radial ou Bilateral Ciclo de vida Diplobionte Desenvolvimento embrionário típico Capacidade de locomoção Câmara Digestiva Platelmintos Esquema Organizacional GlobalEsquema Organizacional Global do Reino Animaldo Reino Animal Esquema Organizacional GlobalEsquema Organizacional Global do Reino Animaldo Reino Animal
  • 145. Esquema Organizacional Global de PlatelmintosEsquema Organizacional Global de PlatelmintosEsquema Organizacional Global de PlatelmintosEsquema Organizacional Global de Platelmintos Platelmintos Definição Filo formado por animais de corpo achatado dorsoventralmente, em forma de laminas ou fitas Características Triblásticos e acelomados Apresentam cefalização Simetria bilateral Morfologia e Fisiologia Respiração, Circulação e Excreção Digestão Coordenação Revestimento Classificação Tubelários Tremátodeos Cestódeos
  • 146. BibliografiaBibliografia  Júnior, C. S, Sasson, S. & Júnior, N. C. BIOLOGIA. 10ª ed., São Paulo: Editora Saraiva, 2010. Vol. 2 , 576 p. il.  Linhares, S. & Gewandsznajder, F. Biologia Hoje – Os seres vivos. 1ª ed., São Paulo: Editora Ática S.A., 2011. Vol.2, 512 p. il.  Acesso em 22/10/2012, disponível em: <http://invertebrados1.blog.com/>  Acesso em 22/10/2012, disponível em: <http://oparasito.blogspot.com.br/2011_04_01_archive.html>  Acesso em 22/10/2012, disponível em: <http://www.infoescola.com/animais/sistema-respiratorio-dos-platelmintos/>
  • 147. BibliografiaBibliografia  Acesso em 22/10/2012, disponível em: <http://www.rios-galegos.com/ins48.htm>  Acesso em 22/10/2012, disponível em: <http://www.brasilescola.com/doencas/esquistossomose.htm>  Acesso em 22/10/2012, disponível em: <http://www.presenteparahomem.com.br/o-que-sao-as-planarias/>  Acesso em 22/10/2012, disponível em: <http://cfb702materia.blogspot.com.br/2011_06_01_archive.html>  Acesso em 22/10/2012, disponível em: <http://www.ebah.com.br/content/ABAAABnecAK/aula-06-platelmintos-nematelmintos>
  • 148. BibliografiaBibliografia  Acesso em 24/10/2012, disponível em: <http://cifonauta.cebimar.usp.br/photo/9875/>  Acesso em 24/10/2012, disponível em: <http://bioglossa.wikispaces.com/Ocelos>  Acesso em 24/10/2012, disponível em: <http://biologandoonline.blogspot.com.br/2012/02/esquistossomose.html>  Acesso em 24/10/2012, disponível em: <http://www.portalsaofrancisco.com.br/alfa/esquistossomose/index.php>  Acesso em 24/10/2012, disponível em: <http://www.mdsaude.com/2011/11/esquistossomose-ciclo.html>
  • 149. BibliografiaBibliografia  Acesso em 24/10/2012, disponível em: <http://blog.medicinia.com.br/category/esquistossomose/>  Acesso em 24/10/2012, disponível em: <http://www.casal.al.gov.br/sevicos-oferecidos/outros-servicos/meio-ambiente/attachment/ esquistossomose-2/>  Acesso em 24/10/2012, disponível em: <http://www.mdsaude.com/2011/11/esquistossomose-sintomas.html>  Acesso em 24/10/2012, disponível em: <http://www.jornaledicaodobrasil.com.br/site/brasil-desenvolve-vacina-contra-a-esquistossomose/>  Acesso em 24/10/2012, disponível em: <http://matheusbrito11766.blogspot.com.br/2012_05_01_archive.html>
  • 150. BibliografiaBibliografia  Acesso em 25/10/2012, disponível em: <: http://www.portalsaofrancisco.com.br/alfa/filo-platelmintos/filo-platelmintos-13.php>  Acesso em 25/10/2012, disponível em: <http://aprenderaaprender.webnode.com.br/album/invertebrados1/vermes-cisticercose-no-cerebro- jpg1/>