SlideShare uma empresa Scribd logo
Netweaving
  na comunicação
  organizacional
  online



Netweaving
Treinamentos e                           Professores
  Workshops PaperCliQ                             Marcel Ayres
                                                  Diretor de Criação e Mídias Sociais
                                                  marcel.ayres@papercliq.com.br
 A PaperCliQ – Comunicação e                      @marcelayres
 Estratégia Digital oferece treinamentos
 e workshops para empresas, escolas ou
 grupos.
                                                  Renata Cerqueira
 Os slides a seguir são a adaptação de            Diretora de Atendimento e Conteúdo
 um workshop que compôs um conjunto               renata.cerqueira@papercliq.com.br
                                                  @renatacbc
 de cinco workshops para treinamento
 interno em Comunicação Digital para
 uma empresa baiana.
                                                  Tarcízio Silva
                                                  Consultor de Mídias Sociais
                                                  tarcizio.silva@papercliq.com.br
                                                  @tarushijio




Netweaving
Sumário

     1. Redes e Netweaving
     2. Colaboração e Conteúdo Gerado pelo Usuário
     3. Troca de Valores Simbólicos
     4. Melhores Práticas de Netweaving




Netweaving
1. Redes e Netweaving




Netweaving
O que é Netweaving?

     Netweaving é a “arte de tecer redes”. Envolve animação e
     articulação de redes e seus atores. Ao contrário de
     networking, não é egocêntrica, centrada no indivíduo, mas sim
     na comunidade como um todo.
     Tecer redes significa estreitar, fortalecer e criar conexões entre
     as pessoas. Em ambientes de comunicação organizacional ou
     corporativa, o conceito de netweaving pode ser utilizado para
     que a equipe atue de forma mais efetiva, trazendo benefícios
     para todos os atores envolvidos: equipe, marca, empresa,
     clientes, consumidores, público em geral.




Netweaving
Mas o que são redes? E redes sociais?

     Redes são agrupamentos de pessoas, objetos, lugares (nós
     ou atores), interligados por conexões uni, bi ou
     multidirecionais. Abaixo, três tipos de redes.

      Redes centralizadas são redes
      na qual todos os nós
      convergem a um único centro.
      Redes “descentralizadas” são
      redes que, na verdade,
      possuem vários centros.




Netweaving
Redes Sociais e Sociedade

     Todas as sociedades se estruturam
     em rede, porque o ser humano é um
     ser social e, portanto, estabelece
     conexões com as pessoas a seu
     redor.
     Apesar das novas tecnologias, é
     sempre preciso lembrar disso. Rede
     Social não é Orkut, Facebook etc.
     Mas podem ser potencializadas,
     criadas e geridas através destas
     ferramentas.                         Imagem:
                                          http://www.flickr.com/phot
                                          os/99113784@N00/




Netweaving
Redes distribuídas

                      Redes        distribuídas,    não-
                      hierárquicas, permitem que os seus
                      atores sintam-se mais compelidos a
                      colaborar     e      procurar  por
                      informações e apoio em geral.
                      Em tese, são os tipos de redes mais
                      democráticas e fluídas. A rede
                      mundial de computadores tem o
                      potencial de ser assim, ficando na
                      prática entre descentralizada e
                      distribuída.




Netweaving
A importância da estrutura em rede

     Porque entender as redes é importante para a comunicação
     corporativa?
     Em 1967, Stanley Milgram realizou uma experiência nos
     Estados Unidos. Enviou cartas para centenas de pessoas,
     pedindo que elas entregassem as cartas para uma
     determinada pessoa no outro lado do país. Mas não havia
     endereço nem CEP específico.
     Então as pessoas precisaram resolver a questão: “Quem eu
     conheço que pode conhecer alguém que conheça esta
     pessoa?”




Netweaving
Seis graus de separação

     O experimento de Milgram
     resultou em um máximo de 6
     graus de separação entre
     quem enviou a carta e quem a
     recebeu. Ou seja, em teoria,
     entre quaisquer duas pessoas
     no mundo estariam, no máximo,
     outras cinco.

                                     Imagem adaptada de:
                                     http://richclark.wordpress.
                                     com/2009/05/01/how-
                                     does-viral-marketing-
                                     work/




Netweaving
Mundo Pequeno

     A partir daquele experimento, ainda utilizando de um meio
     físico como envio de cartas, foi desenvolvida a teoria “Small
     World”, ou “Mundo Pequeno” em inglês. Ou seja, através das
     conexões entre as pessoas o mundo é no final das contas,
     “pequeno”.
     Com o desenvolvimento de novas tecnologias da informação e
     da comunicação, cada vez mais baratas, rápidas e ubíquas, o
     nosso mundo é cada vez “menor”. A possibilidade de uma
     pessoa se comunicar com a outra e o potencial de uma
     informação se espalhar pelo mundo é enorme.




Netweaving
Conceitos Básicos de Netweaving

     • Clustering / Aglomeramento
     • Swarming / Enxameamento
     • Crunching / Amassamento




Netweaving
Clustering

     Um cluster é, na topologia da rede, uma área em que os nós
     estão mais próximos. A possibilidade de conexões múltiplas e
     mútuas entre os atores presentes no cluster é grande. Ou
     seja, configuram-se aglomerações na rede.




Netweaving
Swarming

     Swarming é a dinâmica de mobilização de grandes grupos. A
     referência aos enxames, de abelhas, por exemplo, é para dar
     conta do aspecto coordenado das ações.




Netweaving
Crunching

     Como a teoria do Small World, já vista, através do crunching
     os atores na rede vão se aproximando devido ao número de
     conexões e menores distâncias sociais entre as pessoas.




Netweaving
2. Colaboração,
       plataformas e CGU




Netweaving
Colaboração e conteúdo gerado pelo
 usuário
     Em iniciativas comerciais de empresas que estão se
     posicionando na internet e mídias sociais, a colaboração e o
     conteúdo gerado pelo usuário possuem papel central.
     Por colaboração, entende-se a interação entre dois ou mais
     usuários para que consigam um objetivo em comum.
     Já o conteúdo gerado pelo usuário pode ser originado de um
     processo colaborativo espontâneo ou motivado.




Netweaving
Apoio

     Desde os tempos do IRC, a internet é um lugar de apoio. As
     pessoas ajudam umas às outras, se houver algum tipo de
     identificação.
     Os fóruns, que efervesceram durante a década de 1990 (e
     foram, inclusive, incorporados como ferramenta em redes
     sociais como Orkut e Facebook) ainda são muito utilizados
     para apoio mútuo.




Netweaving
Plataformas

     Como já foi visto, a web potencializa
     oportunidades de criação, manutenção
     e fortalecimento de conexões, através
     de suas ferramentas de sociabilidade.
     Algumas delas são voltadas a criação
     de comunidades específicas, em torno
     de um interesse, local, organização,
     categoria etc.




Netweaving
O internauta e a organização

     Nesse contexto, pode-se entender todos usuários de internet
     com algum interesse pelo produto, marca, empresa ou setor
     como potencialmente parte de uma rede ou comunidade de
     leitores, colaboradores ou até advogados de marca.
     Com o custo baixo por interação única e tendo cada internauta
     seu poder de comunicação, a internet é um lugar em que a
     comunicação deve beneficiar a todos. Nessa perspectiva,
     deve-se pensar além de números exatos de compra e venda.
     Elogios à empresa, experiências lúdicas, status social,
     feedback, satisfação pessoal, disseminação de conteúdo,
     indicação de produto, visitação, informação, conversas são
     muitas das “moedas” de trocas entre pessoas e empresas na
     web.


Netweaving
3. Troca de Valores
       Simbólicos




Netweaving
Influência e capital social

     Mesmo iniciativas aparentemente de fundo totalmente altruísta
     representam a troca de valores. O valor, no âmbito da
     comunicação e da interação social, não significa valor
     financeiro ou monetário.
     As pessoas interagem por causa de diferentes motivações.
     Dinâmicas de status social, troca de valores simbólicos,
     fortalecimento das relações ou mesmo a autosatisfação
     emocional ou cognitiva são alguns dos motivadores.
     Nos próximos slides, análise de seis tipos de influência e de
     quatro valores do capital social.




Netweaving
Influência

     Para se falar de netweaving, do ponto de vista de quem o
     pratica, é necessário entender como influenciar os outros
     atores da rede a participarem. Segundo Robert Cialdini, são
     6 as táticas da influência ética:
     • Reciprocidade
     • Afeição
     • Consenso
     • Autoridade
     • Compromisso e Consistência
     • Escassez



Netweaving
Reciprocidade

     As pessoas gostam de ser retribuídas pelo que fazem e
     sentem-se na obrigação de retribuir uma gentileza ou favor
     (ou ofensa!) na mesma ou em maior intensidade.




Netweaving
Afeição

     Afeição, ou simpatia, é um valor que predispõe as pessoas a
     se comportarem de determinada forma.
     Se outro ator da rede social de uma pessoa pela qual esta
     tenha afeição se comporta de determinado jeito, é provável
     que esta também avalie – conscientemente ou não – agir da
     mesma forma.
     É uma dinâmica que explica, junto à Autoridade e Consenso, o
     papel importantíssimo das recomendações e do boca-a-boca,
     práticas potencializadas pela internet.




Netweaving
Consenso

     A pressão social dos pares, seja declarada ou não, exerce
     uma força importante no comportamento das pessoas.
     Se, por exemplo, em um fórum, um comentarista vai
     responder a uma pergunta feita a todos os membros, o
     conjunto das respostas anteriores é levado em conta. Devido
     ao medo de rejeição social e vontade de se “adequar”, o
     caminho, do ponto de vista psico-social, menos dispendioso é
     concordar com sua rede.




Netweaving
Autoridade

     Autoridade é o conhecimento ou capacidade reconhecida de
     alguém em determinada área ou assunto.
     O peso social das opiniões e comportamentos das pessoas
     não é o mesmo. Se alguém que possui autoridade age ou fala
     de determinada forma, tal comportamento é mais valorizado e
     usado como exemplo do que o mesmo em outras pessoas.




Netweaving
Compromisso e Consistência

     As pessoas exercem papéis sociais em suas diversas redes e
     ambientes. Pai, mãe, profissional, amigo, jogador de tênis,
     “animador da turma” etc.
     Associado ao conjunto de papéis de cada grupo e os
     comportamentos passados, espera-se que as pessoas
     mantenham seus compromissos (amizades, práticas,
     comprometimento com as causas da comunidade) e
     consistência de estilo, personalidade etc.




Netweaving
Escassez

     A escassez de alguma coisa é um poderoso motivador. Se as
     pessoas necessitam de dinheiro, tempo, informação, recursos,
     apoio social etc., elas se esforçarão mais para obtê-los.
     Essa dinâmica pode ser empregada positivamente, por
     exemplo, através de benefícios exclusivos. Digamos que uma
     empresa de software pode convidar alguns poucos membros
     da comundidade para serem beta testers. Se a condição de
     beta tester for um diferencial (Autoridade), os membros
     poderão se esforçar mais em realizar ações (colaborar,
     produzir conteúdo) para alcançar este status escasso.




Netweaving
Valores do Capital Social

     Capital social é um conceito com diversas definições. Para os
     objetivos desta apresentação, utilizaremos a categorização
     dos principais valores do capital social que são
     potencializados pelas redes sociais na internet.
     Estes valores foram elencados no livro Redes Sociais na
     Internet, de Raquel Recuero, a partir de trabalho de vários
     autores, especialmente Bertolini e Bravo.




Netweaving
Valores do Capital Social

     Os 4 principais valores são:


       1. Visibilidade
       2. Popularidade
       3. Reputação
       4. Autoridade




Netweaving
Visibilidade

     Visibilidade é uma característica própria da internet como
     meio de comunicação. A estrutura de rede menos centralizada
     da internet, em comparação à estruturas de broadcasting
     como os sistemas de TV, permitem que a visibilidade de
     conteúdos, atores e temas seja facilitada.
     Entre pessoas com interesses semelhantes, a visibilidade
     permite que estas sejam mais “encontráveis”, facilitando os
     contatos.




Netweaving
Popularidade

     Já a popularidade se representa através de indicadores
     quantitativos. Geralmente é apresentada através da
     quantidade de conexões, posts, visitantes etc.




Netweaving
Reputação

     Reputação é um valor qualitativo sobre a capacidade ou
     conhecimento de alguém sobre determinado assunto ou
     matéria.


     A reputação é um valor social. Não se refere ao que o ator diz
     de si, mas sim ao conjunto de impressões que as outras
     pessoas tem dele.




Netweaving
Autoridade

     Nesta perspectiva, Autoridade é a capacidade efetiva de
     alguém com reputação de mudar comportamentos de outras
     pessoas de sua rede.




Netweaving
4. Melhores Práticas de
       Netweaving




Netweaving
Fomentando participação

     Alguns parâmetros para o fomento de netweaving de
     qualidade e ético devem ser seguidos:


     • Influência Ética
     • Liberdade de Expressão
     • Gerenciamento de Conflitos
     • Regras Declaradas e Regras Tácitas




Netweaving
Influência Ética

     Em primeiro lugar, relembrar: técnicas de influência e
     persuasão são muito relativas.
     Em estruturas de rede, especialmente com objetivos
     comerciais, o que deve ser fomentado são atividades
     colaborativas que também tragam benefícios a todos os
     atores.
     Tentar enganar, prometer prêmios difíceis de serem
     alcançados e utilizar os atores apenas como meio de
     disseminação é anti-ético e de pouco valor.




Netweaving
Gerenciamento de Conflitos

     Em que momentos um gerenciador de perfil ou comunidade
     deve entrar em ação quando existe um conflito?
     De modo geral, isso deve ser avaliado se acontecer em
     espaços específicos da marca (comunidades, grupos, fóruns,
     listas).
     Se ocorrida em outro local, a interferência corporativa pode
     ser entendida como uma intromissão vigilantista e deve ser
     evitada.




Netweaving
Liberdade de Expressão

     Em relação com o tópico anterior, é preciso respeitar a
     liberdade de expressão das pessoas.
     No caso de funcionários, a publicação de diretrizes sensatas
     de uso de mídias sociais pode ser uma técnica interessante.
     Mas sempre sem entrar na intimidade e espaços particulares
     do funcionário.
     No caso de clientes e consumidores, não se deve
     desencorajar a livre crítica. Apenas em casos de blasfêmia ou
     ofensa pessoal isso deve ser levado negativamente. Sempre é
     melhor conhecer um detrator




Netweaving
Regras Declaradas e Regras Tácitas

     Em comunidades online específicas, sempre é bom ter regras
     definidas e bem claras. Mas não regras castradoras.
     As regras tácitas também devem ser observadas. Grupos
     geralmente exercem pressão social interna sobre seus
     membros, incentivando determinados tipos de comportamento
     e desencorajando outros.




Netweaving
Fontes
     http://www.slideshare.net/augustodefranco

     http://www.slideshare.net/ChristopherA/tactics-of-persuasion-influence-bgiedu

     http://www.portaljj.com.br/interna.asp?Int_IDSecao=43&int_id=73849

     http://lasindias.net/indianopedia/Netweaving

     http://www.midia21.net/nportal/content/para-fazer-netweaving

     http://redessociais.net

     http://www.planyourmeetings.com/feature/2008/01/beyond-networking




Netweaving
Marcel Ayres – Diretor de Criação e Mídias
              Sociais
              marcel.ayres@papercliq.com.br
              www.twitter.com/marcelayres
              www.marcelayres.com/blog

                        + Conteúdo:        No Twitter:
               www.papercliq.com.br        @papercliq
          www.papercliq.com.br/blog        @marcelayres
         www.slideshare.net/papercliq      @renatacbc
                                           @tarushijio




Netweaving

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Reinventando o desenvolvimento local
Reinventando o desenvolvimento localReinventando o desenvolvimento local
Reinventando o desenvolvimento local
augustodefranco .
 
Aula 1 disciplina topicos avancados em adm final 2012.1
Aula 1   disciplina topicos avancados em adm final 2012.1Aula 1   disciplina topicos avancados em adm final 2012.1
Aula 1 disciplina topicos avancados em adm final 2012.1
Angelo Peres
 
Km brasil 2011 final
Km brasil 2011   finalKm brasil 2011   final
Km brasil 2011 final
Sidney Sossai
 
REDES SÃO AMBIENTES DE INTERAÇÃO, NÃO DE PARTICIPAÇÃO
REDES SÃO AMBIENTES DE INTERAÇÃO, NÃO DE PARTICIPAÇÃOREDES SÃO AMBIENTES DE INTERAÇÃO, NÃO DE PARTICIPAÇÃO
REDES SÃO AMBIENTES DE INTERAÇÃO, NÃO DE PARTICIPAÇÃO
augustodefranco .
 
Redes sociais: você pode fazer
Redes sociais: você pode fazerRedes sociais: você pode fazer
Redes sociais: você pode fazer
augustodefranco .
 
Mila San - Minicurso Programas de Aprendizagem sobre redes sociais
Mila San - Minicurso Programas de Aprendizagem sobre redes sociaisMila San - Minicurso Programas de Aprendizagem sobre redes sociais
Mila San - Minicurso Programas de Aprendizagem sobre redes sociais
CICI2011
 
Interação - Um simples ato de comunicação ou uma relação entre indivíduos?
Interação - Um simples ato de comunicação ou uma relação entre indivíduos?Interação - Um simples ato de comunicação ou uma relação entre indivíduos?
Interação - Um simples ato de comunicação ou uma relação entre indivíduos?
comunidadedepraticas
 
Para configurar ambientes de cocriação interativa
Para configurar ambientes de cocriação interativaPara configurar ambientes de cocriação interativa
Para configurar ambientes de cocriação interativa
augustodefranco .
 
Uma nova proposta para a Escola de-Redes
Uma nova proposta para a Escola de-RedesUma nova proposta para a Escola de-Redes
Uma nova proposta para a Escola de-Redes
augustodefranco .
 
Trabalho sobre Inteligência Coletiva, Redes Sociais e Inclusão Digital
Trabalho sobre Inteligência Coletiva, Redes Sociais e Inclusão DigitalTrabalho sobre Inteligência Coletiva, Redes Sociais e Inclusão Digital
Trabalho sobre Inteligência Coletiva, Redes Sociais e Inclusão Digital
Renan Cardoso
 
Texto 1 Gfal%5 B48727%5 D
Texto 1 Gfal%5 B48727%5 DTexto 1 Gfal%5 B48727%5 D
Texto 1 Gfal%5 B48727%5 D
Erick Caniso
 
Rede social
Rede socialRede social
Rede social
chuqih
 
Netweaving 17set08
Netweaving 17set08Netweaving 17set08
Netweaving 17set08
augustodefranco .
 
Uma breve historia da aprendizagem em rede
Uma breve historia da aprendizagem em redeUma breve historia da aprendizagem em rede
Uma breve historia da aprendizagem em rede
augustodefranco .
 
Empreendimentos em rede
Empreendimentos em redeEmpreendimentos em rede
Empreendimentos em rede
augustodefranco .
 
Comunidades de Prática: conceitos, resultados e métodos de gestão
Comunidades de Prática: conceitos, resultados e métodos de gestãoComunidades de Prática: conceitos, resultados e métodos de gestão
Comunidades de Prática: conceitos, resultados e métodos de gestão
Jose Claudio Terra
 
ROTEIRO PARA ENTRAR NA E=R
ROTEIRO PARA ENTRAR NA E=RROTEIRO PARA ENTRAR NA E=R
ROTEIRO PARA ENTRAR NA E=R
augustodefranco .
 
Como se tornar um netweaver
Como se tornar um netweaverComo se tornar um netweaver
Como se tornar um netweaver
augustodefranco .
 
Comunidade de prática síntese
Comunidade de prática   sínteseComunidade de prática   síntese
Comunidade de prática síntese
Escola do Futuro/GV & Skill Idiomas/ GV
 

Mais procurados (19)

Reinventando o desenvolvimento local
Reinventando o desenvolvimento localReinventando o desenvolvimento local
Reinventando o desenvolvimento local
 
Aula 1 disciplina topicos avancados em adm final 2012.1
Aula 1   disciplina topicos avancados em adm final 2012.1Aula 1   disciplina topicos avancados em adm final 2012.1
Aula 1 disciplina topicos avancados em adm final 2012.1
 
Km brasil 2011 final
Km brasil 2011   finalKm brasil 2011   final
Km brasil 2011 final
 
REDES SÃO AMBIENTES DE INTERAÇÃO, NÃO DE PARTICIPAÇÃO
REDES SÃO AMBIENTES DE INTERAÇÃO, NÃO DE PARTICIPAÇÃOREDES SÃO AMBIENTES DE INTERAÇÃO, NÃO DE PARTICIPAÇÃO
REDES SÃO AMBIENTES DE INTERAÇÃO, NÃO DE PARTICIPAÇÃO
 
Redes sociais: você pode fazer
Redes sociais: você pode fazerRedes sociais: você pode fazer
Redes sociais: você pode fazer
 
Mila San - Minicurso Programas de Aprendizagem sobre redes sociais
Mila San - Minicurso Programas de Aprendizagem sobre redes sociaisMila San - Minicurso Programas de Aprendizagem sobre redes sociais
Mila San - Minicurso Programas de Aprendizagem sobre redes sociais
 
Interação - Um simples ato de comunicação ou uma relação entre indivíduos?
Interação - Um simples ato de comunicação ou uma relação entre indivíduos?Interação - Um simples ato de comunicação ou uma relação entre indivíduos?
Interação - Um simples ato de comunicação ou uma relação entre indivíduos?
 
Para configurar ambientes de cocriação interativa
Para configurar ambientes de cocriação interativaPara configurar ambientes de cocriação interativa
Para configurar ambientes de cocriação interativa
 
Uma nova proposta para a Escola de-Redes
Uma nova proposta para a Escola de-RedesUma nova proposta para a Escola de-Redes
Uma nova proposta para a Escola de-Redes
 
Trabalho sobre Inteligência Coletiva, Redes Sociais e Inclusão Digital
Trabalho sobre Inteligência Coletiva, Redes Sociais e Inclusão DigitalTrabalho sobre Inteligência Coletiva, Redes Sociais e Inclusão Digital
Trabalho sobre Inteligência Coletiva, Redes Sociais e Inclusão Digital
 
Texto 1 Gfal%5 B48727%5 D
Texto 1 Gfal%5 B48727%5 DTexto 1 Gfal%5 B48727%5 D
Texto 1 Gfal%5 B48727%5 D
 
Rede social
Rede socialRede social
Rede social
 
Netweaving 17set08
Netweaving 17set08Netweaving 17set08
Netweaving 17set08
 
Uma breve historia da aprendizagem em rede
Uma breve historia da aprendizagem em redeUma breve historia da aprendizagem em rede
Uma breve historia da aprendizagem em rede
 
Empreendimentos em rede
Empreendimentos em redeEmpreendimentos em rede
Empreendimentos em rede
 
Comunidades de Prática: conceitos, resultados e métodos de gestão
Comunidades de Prática: conceitos, resultados e métodos de gestãoComunidades de Prática: conceitos, resultados e métodos de gestão
Comunidades de Prática: conceitos, resultados e métodos de gestão
 
ROTEIRO PARA ENTRAR NA E=R
ROTEIRO PARA ENTRAR NA E=RROTEIRO PARA ENTRAR NA E=R
ROTEIRO PARA ENTRAR NA E=R
 
Como se tornar um netweaver
Como se tornar um netweaverComo se tornar um netweaver
Como se tornar um netweaver
 
Comunidade de prática síntese
Comunidade de prática   sínteseComunidade de prática   síntese
Comunidade de prática síntese
 

Destaque

Frelich escritos-o-caminho-até-francisco
Frelich escritos-o-caminho-até-franciscoFrelich escritos-o-caminho-até-francisco
Frelich escritos-o-caminho-até-francisco
Eugenio Hansen, OFS
 
Acuarelas
AcuarelasAcuarelas
Acuarelas
George Martin
 
Bullying grupo b
Bullying grupo bBullying grupo b
Bullying grupo b
Ana Lúcia Freilão Água
 
MATEMATICARLOS - CONJUNTOS
MATEMATICARLOS - CONJUNTOSMATEMATICARLOS - CONJUNTOS
MATEMATICARLOS - CONJUNTOS
CARLOS EDUARDO MORAES PIRES
 
16. FAO-IFAD - Jóvenes y Empleo Decente en República Dominicana 2
16. FAO-IFAD - Jóvenes y Empleo Decente en República Dominicana 216. FAO-IFAD - Jóvenes y Empleo Decente en República Dominicana 2
16. FAO-IFAD - Jóvenes y Empleo Decente en República Dominicana 2
FAO
 
Tempo MáGico
Tempo MáGicoTempo MáGico
Tempo MáGico
Anna Menge
 
Estudio de casos. Canal Montecaseros
Estudio de casos. Canal MontecaserosEstudio de casos. Canal Montecaseros
Estudio de casos. Canal Montecaseros
FAO
 
Integración de conocimientos tradicionales
Integración de conocimientos tradicionalesIntegración de conocimientos tradicionales
Integración de conocimientos tradicionales
FAO
 
30010
3001030010
Pdfmercado
PdfmercadoPdfmercado
Série Nossa História: Complexo Sete de Abril
Série Nossa História:Complexo Sete de AbrilSérie Nossa História:Complexo Sete de Abril
Série Nossa História: Complexo Sete de Abril
museudotelefone
 
alguna foto buena, malos fondos
alguna foto buena, malos fondosalguna foto buena, malos fondos
alguna foto buena, malos fondos
guest4a8910
 
Redes De Computadores Alberane - 1
Redes De Computadores Alberane - 1Redes De Computadores Alberane - 1
Redes De Computadores Alberane - 1
Alberane Lúcio Thiago da Cunha
 
Informações complementares
Informações complementaresInformações complementares
Informações complementares
a48683
 
Juegos
JuegosJuegos
Banca de las Oportunidades
Banca de las OportunidadesBanca de las Oportunidades
Banca de las Oportunidades
FAO
 

Destaque (20)

Frelich escritos-o-caminho-até-francisco
Frelich escritos-o-caminho-até-franciscoFrelich escritos-o-caminho-até-francisco
Frelich escritos-o-caminho-até-francisco
 
Acuarelas
AcuarelasAcuarelas
Acuarelas
 
10939
1093910939
10939
 
12104
1210412104
12104
 
12100
1210012100
12100
 
10877
1087710877
10877
 
Bullying grupo b
Bullying grupo bBullying grupo b
Bullying grupo b
 
MATEMATICARLOS - CONJUNTOS
MATEMATICARLOS - CONJUNTOSMATEMATICARLOS - CONJUNTOS
MATEMATICARLOS - CONJUNTOS
 
16. FAO-IFAD - Jóvenes y Empleo Decente en República Dominicana 2
16. FAO-IFAD - Jóvenes y Empleo Decente en República Dominicana 216. FAO-IFAD - Jóvenes y Empleo Decente en República Dominicana 2
16. FAO-IFAD - Jóvenes y Empleo Decente en República Dominicana 2
 
Tempo MáGico
Tempo MáGicoTempo MáGico
Tempo MáGico
 
Estudio de casos. Canal Montecaseros
Estudio de casos. Canal MontecaserosEstudio de casos. Canal Montecaseros
Estudio de casos. Canal Montecaseros
 
Integración de conocimientos tradicionales
Integración de conocimientos tradicionalesIntegración de conocimientos tradicionales
Integración de conocimientos tradicionales
 
30010
3001030010
30010
 
Pdfmercado
PdfmercadoPdfmercado
Pdfmercado
 
Série Nossa História: Complexo Sete de Abril
Série Nossa História:Complexo Sete de AbrilSérie Nossa História:Complexo Sete de Abril
Série Nossa História: Complexo Sete de Abril
 
alguna foto buena, malos fondos
alguna foto buena, malos fondosalguna foto buena, malos fondos
alguna foto buena, malos fondos
 
Redes De Computadores Alberane - 1
Redes De Computadores Alberane - 1Redes De Computadores Alberane - 1
Redes De Computadores Alberane - 1
 
Informações complementares
Informações complementaresInformações complementares
Informações complementares
 
Juegos
JuegosJuegos
Juegos
 
Banca de las Oportunidades
Banca de las OportunidadesBanca de las Oportunidades
Banca de las Oportunidades
 

Semelhante a Workshop de Netweaving na Comunicação Organizacional

Cap5netsmart
Cap5netsmartCap5netsmart
Cap5netsmart
Aparecida Dias
 
Cap5 netsmart
Cap5 netsmartCap5 netsmart
Cap5 netsmart
Ana Toscano
 
A Revolução das Redes - por Eduardo Mace
A Revolução das Redes - por Eduardo MaceA Revolução das Redes - por Eduardo Mace
A Revolução das Redes - por Eduardo Mace
SCALE
 
Netweaving
NetweavingNetweaving
Netweaving
Sinapse
 
3 marketing nas redes sociais
3   marketing nas redes sociais3   marketing nas redes sociais
3 marketing nas redes sociais
cefaprodematupa
 
Apresentacao Weblab Drica
Apresentacao Weblab DricaApresentacao Weblab Drica
Apresentacao Weblab Drica
Danilo Carlos de Góes Silva
 
Redes e Conectivismo
Redes e ConectivismoRedes e Conectivismo
Redes e Conectivismo
Thiago Petra
 
Inteligência Coletiva
Inteligência ColetivaInteligência Coletiva
Inteligência Coletiva
Elvis Fusco
 
Sonho Escola De Redes 2009
Sonho Escola De Redes 2009Sonho Escola De Redes 2009
Sonho Escola De Redes 2009
Maria Fernanda Teixeira da Costa
 
Comunicação digital
Comunicação digitalComunicação digital
Comunicação digital
bgfreire
 
Comunicação digital
Comunicação digitalComunicação digital
Comunicação digital
bgfreire
 
A Engrenagem E AforçA Da ColaboraçãO Em Massa
A Engrenagem E AforçA Da ColaboraçãO Em MassaA Engrenagem E AforçA Da ColaboraçãO Em Massa
A Engrenagem E AforçA Da ColaboraçãO Em Massa
minasinvest
 
Como as novas mídias podem apoiar minha iniciativa social? Tema do Green Drin...
Como as novas mídias podem apoiar minha iniciativa social? Tema do Green Drin...Como as novas mídias podem apoiar minha iniciativa social? Tema do Green Drin...
Como as novas mídias podem apoiar minha iniciativa social? Tema do Green Drin...
Social Good Brasil
 
A engrenagem e aforça da colaboração em massa
A engrenagem e aforça da colaboração em massaA engrenagem e aforça da colaboração em massa
A engrenagem e aforça da colaboração em massa
minasinvest
 
A Engrenagem E AforçA Da ColaboraçãO Em Massa
A Engrenagem E AforçA Da ColaboraçãO Em MassaA Engrenagem E AforçA Da ColaboraçãO Em Massa
A Engrenagem E AforçA Da ColaboraçãO Em Massa
guestfbbe779f
 
Augusto de Franco - Minicurso Programa de Aprendizagem sobre Redes Sociais_CI...
Augusto de Franco - Minicurso Programa de Aprendizagem sobre Redes Sociais_CI...Augusto de Franco - Minicurso Programa de Aprendizagem sobre Redes Sociais_CI...
Augusto de Franco - Minicurso Programa de Aprendizagem sobre Redes Sociais_CI...
CICI2011
 
Introdução às redes sociais e crowdfunding
Introdução às redes sociais e crowdfundingIntrodução às redes sociais e crowdfunding
Introdução às redes sociais e crowdfunding
Julio Haddad
 
Redes operativas e grupos operativos aproximações.
Redes operativas e grupos operativos  aproximações.Redes operativas e grupos operativos  aproximações.
Redes operativas e grupos operativos aproximações.
Sinapse
 
Artigo abrapcorp
Artigo abrapcorpArtigo abrapcorp
Artigo abrapcorp
Laís Bueno
 
Atores Em Rede
Atores Em RedeAtores Em Rede
Atores Em Rede
angelatijiwa
 

Semelhante a Workshop de Netweaving na Comunicação Organizacional (20)

Cap5netsmart
Cap5netsmartCap5netsmart
Cap5netsmart
 
Cap5 netsmart
Cap5 netsmartCap5 netsmart
Cap5 netsmart
 
A Revolução das Redes - por Eduardo Mace
A Revolução das Redes - por Eduardo MaceA Revolução das Redes - por Eduardo Mace
A Revolução das Redes - por Eduardo Mace
 
Netweaving
NetweavingNetweaving
Netweaving
 
3 marketing nas redes sociais
3   marketing nas redes sociais3   marketing nas redes sociais
3 marketing nas redes sociais
 
Apresentacao Weblab Drica
Apresentacao Weblab DricaApresentacao Weblab Drica
Apresentacao Weblab Drica
 
Redes e Conectivismo
Redes e ConectivismoRedes e Conectivismo
Redes e Conectivismo
 
Inteligência Coletiva
Inteligência ColetivaInteligência Coletiva
Inteligência Coletiva
 
Sonho Escola De Redes 2009
Sonho Escola De Redes 2009Sonho Escola De Redes 2009
Sonho Escola De Redes 2009
 
Comunicação digital
Comunicação digitalComunicação digital
Comunicação digital
 
Comunicação digital
Comunicação digitalComunicação digital
Comunicação digital
 
A Engrenagem E AforçA Da ColaboraçãO Em Massa
A Engrenagem E AforçA Da ColaboraçãO Em MassaA Engrenagem E AforçA Da ColaboraçãO Em Massa
A Engrenagem E AforçA Da ColaboraçãO Em Massa
 
Como as novas mídias podem apoiar minha iniciativa social? Tema do Green Drin...
Como as novas mídias podem apoiar minha iniciativa social? Tema do Green Drin...Como as novas mídias podem apoiar minha iniciativa social? Tema do Green Drin...
Como as novas mídias podem apoiar minha iniciativa social? Tema do Green Drin...
 
A engrenagem e aforça da colaboração em massa
A engrenagem e aforça da colaboração em massaA engrenagem e aforça da colaboração em massa
A engrenagem e aforça da colaboração em massa
 
A Engrenagem E AforçA Da ColaboraçãO Em Massa
A Engrenagem E AforçA Da ColaboraçãO Em MassaA Engrenagem E AforçA Da ColaboraçãO Em Massa
A Engrenagem E AforçA Da ColaboraçãO Em Massa
 
Augusto de Franco - Minicurso Programa de Aprendizagem sobre Redes Sociais_CI...
Augusto de Franco - Minicurso Programa de Aprendizagem sobre Redes Sociais_CI...Augusto de Franco - Minicurso Programa de Aprendizagem sobre Redes Sociais_CI...
Augusto de Franco - Minicurso Programa de Aprendizagem sobre Redes Sociais_CI...
 
Introdução às redes sociais e crowdfunding
Introdução às redes sociais e crowdfundingIntrodução às redes sociais e crowdfunding
Introdução às redes sociais e crowdfunding
 
Redes operativas e grupos operativos aproximações.
Redes operativas e grupos operativos  aproximações.Redes operativas e grupos operativos  aproximações.
Redes operativas e grupos operativos aproximações.
 
Artigo abrapcorp
Artigo abrapcorpArtigo abrapcorp
Artigo abrapcorp
 
Atores Em Rede
Atores Em RedeAtores Em Rede
Atores Em Rede
 

Mais de Marcel Ayres

Metaverso | De Facebook para Meta
Metaverso | De Facebook para Meta   Metaverso | De Facebook para Meta
Metaverso | De Facebook para Meta
Marcel Ayres
 
Inteligência de Conteúdo: Ferramentas, Dados e Insights
Inteligência de Conteúdo: Ferramentas, Dados e InsightsInteligência de Conteúdo: Ferramentas, Dados e Insights
Inteligência de Conteúdo: Ferramentas, Dados e Insights
Marcel Ayres
 
Interações Lúdicas em Jogos e Brincadeiras mediadas por TIC: Contexto da Pand...
Interações Lúdicas em Jogos e Brincadeiras mediadas por TIC: Contexto da Pand...Interações Lúdicas em Jogos e Brincadeiras mediadas por TIC: Contexto da Pand...
Interações Lúdicas em Jogos e Brincadeiras mediadas por TIC: Contexto da Pand...
Marcel Ayres
 
Apresentações de Si e Gerenciamento de Impressões em Lives do Instagram
Apresentações de Si e Gerenciamento de Impressões em Lives do InstagramApresentações de Si e Gerenciamento de Impressões em Lives do Instagram
Apresentações de Si e Gerenciamento de Impressões em Lives do Instagram
Marcel Ayres
 
Marketing Conversacional: Automações, Performance e Inteligência de Dados
Marketing Conversacional: Automações, Performance e Inteligência de DadosMarketing Conversacional: Automações, Performance e Inteligência de Dados
Marketing Conversacional: Automações, Performance e Inteligência de Dados
Marcel Ayres
 
Marketing Conversacional e Chatbots
Marketing Conversacional e ChatbotsMarketing Conversacional e Chatbots
Marketing Conversacional e Chatbots
Marcel Ayres
 
Star Wars: Uma Historia Disney | #CPBA2
Star Wars: Uma Historia Disney | #CPBA2Star Wars: Uma Historia Disney | #CPBA2
Star Wars: Uma Historia Disney | #CPBA2
Marcel Ayres
 
Transformação Digital: oportunidades e desafios no segmento financeiro
Transformação Digital: oportunidades e desafios no segmento financeiroTransformação Digital: oportunidades e desafios no segmento financeiro
Transformação Digital: oportunidades e desafios no segmento financeiro
Marcel Ayres
 
O Universo (Digital) de Star Wars
O Universo (Digital) de Star Wars O Universo (Digital) de Star Wars
O Universo (Digital) de Star Wars
Marcel Ayres
 
Game Thinking - Conceitos e Possibilidades de Aplicação
Game Thinking - Conceitos e Possibilidades de AplicaçãoGame Thinking - Conceitos e Possibilidades de Aplicação
Game Thinking - Conceitos e Possibilidades de Aplicação
Marcel Ayres
 
33º WebHour | Meme vs hype
33º WebHour | Meme vs hype33º WebHour | Meme vs hype
33º WebHour | Meme vs hype
Marcel Ayres
 
Métricas Mobile - Possibilidades e Desafios para 2015
Métricas Mobile - Possibilidades e Desafios para 2015Métricas Mobile - Possibilidades e Desafios para 2015
Métricas Mobile - Possibilidades e Desafios para 2015
Marcel Ayres
 
Internet das coisas e mobile marketing limites e possibilidades
Internet das coisas e mobile marketing limites e possibilidadesInternet das coisas e mobile marketing limites e possibilidades
Internet das coisas e mobile marketing limites e possibilidades
Marcel Ayres
 
Monitoramento e Opinião
Monitoramento e OpiniãoMonitoramento e Opinião
Monitoramento e Opinião
Marcel Ayres
 
Estratégias para o Posicionamento Profissional nas Mídias Sociais
Estratégias para o Posicionamento Profissional nas Mídias SociaisEstratégias para o Posicionamento Profissional nas Mídias Sociais
Estratégias para o Posicionamento Profissional nas Mídias Sociais
Marcel Ayres
 
Consumo e Métricas em Mídias Sociais
Consumo e Métricas em Mídias SociaisConsumo e Métricas em Mídias Sociais
Consumo e Métricas em Mídias Sociais
Marcel Ayres
 
Comunicação Digital - transformações, desafios e oportunidades
Comunicação Digital - transformações, desafios e oportunidadesComunicação Digital - transformações, desafios e oportunidades
Comunicação Digital - transformações, desafios e oportunidades
Marcel Ayres
 
Netnografia e coolhunting: Identificando aspectos comportamentais e tendência...
Netnografia e coolhunting: Identificando aspectos comportamentais e tendência...Netnografia e coolhunting: Identificando aspectos comportamentais e tendência...
Netnografia e coolhunting: Identificando aspectos comportamentais e tendência...
Marcel Ayres
 
Lista de Softwares Nacionais de Monitoramento de Marcas e Conversações
Lista de Softwares Nacionais de Monitoramento de Marcas e ConversaçõesLista de Softwares Nacionais de Monitoramento de Marcas e Conversações
Lista de Softwares Nacionais de Monitoramento de Marcas e Conversações
Marcel Ayres
 
Midias Sociais e Eleicoes 2010
Midias Sociais e Eleicoes 2010Midias Sociais e Eleicoes 2010
Midias Sociais e Eleicoes 2010
Marcel Ayres
 

Mais de Marcel Ayres (20)

Metaverso | De Facebook para Meta
Metaverso | De Facebook para Meta   Metaverso | De Facebook para Meta
Metaverso | De Facebook para Meta
 
Inteligência de Conteúdo: Ferramentas, Dados e Insights
Inteligência de Conteúdo: Ferramentas, Dados e InsightsInteligência de Conteúdo: Ferramentas, Dados e Insights
Inteligência de Conteúdo: Ferramentas, Dados e Insights
 
Interações Lúdicas em Jogos e Brincadeiras mediadas por TIC: Contexto da Pand...
Interações Lúdicas em Jogos e Brincadeiras mediadas por TIC: Contexto da Pand...Interações Lúdicas em Jogos e Brincadeiras mediadas por TIC: Contexto da Pand...
Interações Lúdicas em Jogos e Brincadeiras mediadas por TIC: Contexto da Pand...
 
Apresentações de Si e Gerenciamento de Impressões em Lives do Instagram
Apresentações de Si e Gerenciamento de Impressões em Lives do InstagramApresentações de Si e Gerenciamento de Impressões em Lives do Instagram
Apresentações de Si e Gerenciamento de Impressões em Lives do Instagram
 
Marketing Conversacional: Automações, Performance e Inteligência de Dados
Marketing Conversacional: Automações, Performance e Inteligência de DadosMarketing Conversacional: Automações, Performance e Inteligência de Dados
Marketing Conversacional: Automações, Performance e Inteligência de Dados
 
Marketing Conversacional e Chatbots
Marketing Conversacional e ChatbotsMarketing Conversacional e Chatbots
Marketing Conversacional e Chatbots
 
Star Wars: Uma Historia Disney | #CPBA2
Star Wars: Uma Historia Disney | #CPBA2Star Wars: Uma Historia Disney | #CPBA2
Star Wars: Uma Historia Disney | #CPBA2
 
Transformação Digital: oportunidades e desafios no segmento financeiro
Transformação Digital: oportunidades e desafios no segmento financeiroTransformação Digital: oportunidades e desafios no segmento financeiro
Transformação Digital: oportunidades e desafios no segmento financeiro
 
O Universo (Digital) de Star Wars
O Universo (Digital) de Star Wars O Universo (Digital) de Star Wars
O Universo (Digital) de Star Wars
 
Game Thinking - Conceitos e Possibilidades de Aplicação
Game Thinking - Conceitos e Possibilidades de AplicaçãoGame Thinking - Conceitos e Possibilidades de Aplicação
Game Thinking - Conceitos e Possibilidades de Aplicação
 
33º WebHour | Meme vs hype
33º WebHour | Meme vs hype33º WebHour | Meme vs hype
33º WebHour | Meme vs hype
 
Métricas Mobile - Possibilidades e Desafios para 2015
Métricas Mobile - Possibilidades e Desafios para 2015Métricas Mobile - Possibilidades e Desafios para 2015
Métricas Mobile - Possibilidades e Desafios para 2015
 
Internet das coisas e mobile marketing limites e possibilidades
Internet das coisas e mobile marketing limites e possibilidadesInternet das coisas e mobile marketing limites e possibilidades
Internet das coisas e mobile marketing limites e possibilidades
 
Monitoramento e Opinião
Monitoramento e OpiniãoMonitoramento e Opinião
Monitoramento e Opinião
 
Estratégias para o Posicionamento Profissional nas Mídias Sociais
Estratégias para o Posicionamento Profissional nas Mídias SociaisEstratégias para o Posicionamento Profissional nas Mídias Sociais
Estratégias para o Posicionamento Profissional nas Mídias Sociais
 
Consumo e Métricas em Mídias Sociais
Consumo e Métricas em Mídias SociaisConsumo e Métricas em Mídias Sociais
Consumo e Métricas em Mídias Sociais
 
Comunicação Digital - transformações, desafios e oportunidades
Comunicação Digital - transformações, desafios e oportunidadesComunicação Digital - transformações, desafios e oportunidades
Comunicação Digital - transformações, desafios e oportunidades
 
Netnografia e coolhunting: Identificando aspectos comportamentais e tendência...
Netnografia e coolhunting: Identificando aspectos comportamentais e tendência...Netnografia e coolhunting: Identificando aspectos comportamentais e tendência...
Netnografia e coolhunting: Identificando aspectos comportamentais e tendência...
 
Lista de Softwares Nacionais de Monitoramento de Marcas e Conversações
Lista de Softwares Nacionais de Monitoramento de Marcas e ConversaçõesLista de Softwares Nacionais de Monitoramento de Marcas e Conversações
Lista de Softwares Nacionais de Monitoramento de Marcas e Conversações
 
Midias Sociais e Eleicoes 2010
Midias Sociais e Eleicoes 2010Midias Sociais e Eleicoes 2010
Midias Sociais e Eleicoes 2010
 

Workshop de Netweaving na Comunicação Organizacional

  • 1. Netweaving na comunicação organizacional online Netweaving
  • 2. Treinamentos e Professores Workshops PaperCliQ Marcel Ayres Diretor de Criação e Mídias Sociais marcel.ayres@papercliq.com.br A PaperCliQ – Comunicação e @marcelayres Estratégia Digital oferece treinamentos e workshops para empresas, escolas ou grupos. Renata Cerqueira Os slides a seguir são a adaptação de Diretora de Atendimento e Conteúdo um workshop que compôs um conjunto renata.cerqueira@papercliq.com.br @renatacbc de cinco workshops para treinamento interno em Comunicação Digital para uma empresa baiana. Tarcízio Silva Consultor de Mídias Sociais tarcizio.silva@papercliq.com.br @tarushijio Netweaving
  • 3. Sumário 1. Redes e Netweaving 2. Colaboração e Conteúdo Gerado pelo Usuário 3. Troca de Valores Simbólicos 4. Melhores Práticas de Netweaving Netweaving
  • 4. 1. Redes e Netweaving Netweaving
  • 5. O que é Netweaving? Netweaving é a “arte de tecer redes”. Envolve animação e articulação de redes e seus atores. Ao contrário de networking, não é egocêntrica, centrada no indivíduo, mas sim na comunidade como um todo. Tecer redes significa estreitar, fortalecer e criar conexões entre as pessoas. Em ambientes de comunicação organizacional ou corporativa, o conceito de netweaving pode ser utilizado para que a equipe atue de forma mais efetiva, trazendo benefícios para todos os atores envolvidos: equipe, marca, empresa, clientes, consumidores, público em geral. Netweaving
  • 6. Mas o que são redes? E redes sociais? Redes são agrupamentos de pessoas, objetos, lugares (nós ou atores), interligados por conexões uni, bi ou multidirecionais. Abaixo, três tipos de redes. Redes centralizadas são redes na qual todos os nós convergem a um único centro. Redes “descentralizadas” são redes que, na verdade, possuem vários centros. Netweaving
  • 7. Redes Sociais e Sociedade Todas as sociedades se estruturam em rede, porque o ser humano é um ser social e, portanto, estabelece conexões com as pessoas a seu redor. Apesar das novas tecnologias, é sempre preciso lembrar disso. Rede Social não é Orkut, Facebook etc. Mas podem ser potencializadas, criadas e geridas através destas ferramentas. Imagem: http://www.flickr.com/phot os/99113784@N00/ Netweaving
  • 8. Redes distribuídas Redes distribuídas, não- hierárquicas, permitem que os seus atores sintam-se mais compelidos a colaborar e procurar por informações e apoio em geral. Em tese, são os tipos de redes mais democráticas e fluídas. A rede mundial de computadores tem o potencial de ser assim, ficando na prática entre descentralizada e distribuída. Netweaving
  • 9. A importância da estrutura em rede Porque entender as redes é importante para a comunicação corporativa? Em 1967, Stanley Milgram realizou uma experiência nos Estados Unidos. Enviou cartas para centenas de pessoas, pedindo que elas entregassem as cartas para uma determinada pessoa no outro lado do país. Mas não havia endereço nem CEP específico. Então as pessoas precisaram resolver a questão: “Quem eu conheço que pode conhecer alguém que conheça esta pessoa?” Netweaving
  • 10. Seis graus de separação O experimento de Milgram resultou em um máximo de 6 graus de separação entre quem enviou a carta e quem a recebeu. Ou seja, em teoria, entre quaisquer duas pessoas no mundo estariam, no máximo, outras cinco. Imagem adaptada de: http://richclark.wordpress. com/2009/05/01/how- does-viral-marketing- work/ Netweaving
  • 11. Mundo Pequeno A partir daquele experimento, ainda utilizando de um meio físico como envio de cartas, foi desenvolvida a teoria “Small World”, ou “Mundo Pequeno” em inglês. Ou seja, através das conexões entre as pessoas o mundo é no final das contas, “pequeno”. Com o desenvolvimento de novas tecnologias da informação e da comunicação, cada vez mais baratas, rápidas e ubíquas, o nosso mundo é cada vez “menor”. A possibilidade de uma pessoa se comunicar com a outra e o potencial de uma informação se espalhar pelo mundo é enorme. Netweaving
  • 12. Conceitos Básicos de Netweaving • Clustering / Aglomeramento • Swarming / Enxameamento • Crunching / Amassamento Netweaving
  • 13. Clustering Um cluster é, na topologia da rede, uma área em que os nós estão mais próximos. A possibilidade de conexões múltiplas e mútuas entre os atores presentes no cluster é grande. Ou seja, configuram-se aglomerações na rede. Netweaving
  • 14. Swarming Swarming é a dinâmica de mobilização de grandes grupos. A referência aos enxames, de abelhas, por exemplo, é para dar conta do aspecto coordenado das ações. Netweaving
  • 15. Crunching Como a teoria do Small World, já vista, através do crunching os atores na rede vão se aproximando devido ao número de conexões e menores distâncias sociais entre as pessoas. Netweaving
  • 16. 2. Colaboração, plataformas e CGU Netweaving
  • 17. Colaboração e conteúdo gerado pelo usuário Em iniciativas comerciais de empresas que estão se posicionando na internet e mídias sociais, a colaboração e o conteúdo gerado pelo usuário possuem papel central. Por colaboração, entende-se a interação entre dois ou mais usuários para que consigam um objetivo em comum. Já o conteúdo gerado pelo usuário pode ser originado de um processo colaborativo espontâneo ou motivado. Netweaving
  • 18. Apoio Desde os tempos do IRC, a internet é um lugar de apoio. As pessoas ajudam umas às outras, se houver algum tipo de identificação. Os fóruns, que efervesceram durante a década de 1990 (e foram, inclusive, incorporados como ferramenta em redes sociais como Orkut e Facebook) ainda são muito utilizados para apoio mútuo. Netweaving
  • 19. Plataformas Como já foi visto, a web potencializa oportunidades de criação, manutenção e fortalecimento de conexões, através de suas ferramentas de sociabilidade. Algumas delas são voltadas a criação de comunidades específicas, em torno de um interesse, local, organização, categoria etc. Netweaving
  • 20. O internauta e a organização Nesse contexto, pode-se entender todos usuários de internet com algum interesse pelo produto, marca, empresa ou setor como potencialmente parte de uma rede ou comunidade de leitores, colaboradores ou até advogados de marca. Com o custo baixo por interação única e tendo cada internauta seu poder de comunicação, a internet é um lugar em que a comunicação deve beneficiar a todos. Nessa perspectiva, deve-se pensar além de números exatos de compra e venda. Elogios à empresa, experiências lúdicas, status social, feedback, satisfação pessoal, disseminação de conteúdo, indicação de produto, visitação, informação, conversas são muitas das “moedas” de trocas entre pessoas e empresas na web. Netweaving
  • 21. 3. Troca de Valores Simbólicos Netweaving
  • 22. Influência e capital social Mesmo iniciativas aparentemente de fundo totalmente altruísta representam a troca de valores. O valor, no âmbito da comunicação e da interação social, não significa valor financeiro ou monetário. As pessoas interagem por causa de diferentes motivações. Dinâmicas de status social, troca de valores simbólicos, fortalecimento das relações ou mesmo a autosatisfação emocional ou cognitiva são alguns dos motivadores. Nos próximos slides, análise de seis tipos de influência e de quatro valores do capital social. Netweaving
  • 23. Influência Para se falar de netweaving, do ponto de vista de quem o pratica, é necessário entender como influenciar os outros atores da rede a participarem. Segundo Robert Cialdini, são 6 as táticas da influência ética: • Reciprocidade • Afeição • Consenso • Autoridade • Compromisso e Consistência • Escassez Netweaving
  • 24. Reciprocidade As pessoas gostam de ser retribuídas pelo que fazem e sentem-se na obrigação de retribuir uma gentileza ou favor (ou ofensa!) na mesma ou em maior intensidade. Netweaving
  • 25. Afeição Afeição, ou simpatia, é um valor que predispõe as pessoas a se comportarem de determinada forma. Se outro ator da rede social de uma pessoa pela qual esta tenha afeição se comporta de determinado jeito, é provável que esta também avalie – conscientemente ou não – agir da mesma forma. É uma dinâmica que explica, junto à Autoridade e Consenso, o papel importantíssimo das recomendações e do boca-a-boca, práticas potencializadas pela internet. Netweaving
  • 26. Consenso A pressão social dos pares, seja declarada ou não, exerce uma força importante no comportamento das pessoas. Se, por exemplo, em um fórum, um comentarista vai responder a uma pergunta feita a todos os membros, o conjunto das respostas anteriores é levado em conta. Devido ao medo de rejeição social e vontade de se “adequar”, o caminho, do ponto de vista psico-social, menos dispendioso é concordar com sua rede. Netweaving
  • 27. Autoridade Autoridade é o conhecimento ou capacidade reconhecida de alguém em determinada área ou assunto. O peso social das opiniões e comportamentos das pessoas não é o mesmo. Se alguém que possui autoridade age ou fala de determinada forma, tal comportamento é mais valorizado e usado como exemplo do que o mesmo em outras pessoas. Netweaving
  • 28. Compromisso e Consistência As pessoas exercem papéis sociais em suas diversas redes e ambientes. Pai, mãe, profissional, amigo, jogador de tênis, “animador da turma” etc. Associado ao conjunto de papéis de cada grupo e os comportamentos passados, espera-se que as pessoas mantenham seus compromissos (amizades, práticas, comprometimento com as causas da comunidade) e consistência de estilo, personalidade etc. Netweaving
  • 29. Escassez A escassez de alguma coisa é um poderoso motivador. Se as pessoas necessitam de dinheiro, tempo, informação, recursos, apoio social etc., elas se esforçarão mais para obtê-los. Essa dinâmica pode ser empregada positivamente, por exemplo, através de benefícios exclusivos. Digamos que uma empresa de software pode convidar alguns poucos membros da comundidade para serem beta testers. Se a condição de beta tester for um diferencial (Autoridade), os membros poderão se esforçar mais em realizar ações (colaborar, produzir conteúdo) para alcançar este status escasso. Netweaving
  • 30. Valores do Capital Social Capital social é um conceito com diversas definições. Para os objetivos desta apresentação, utilizaremos a categorização dos principais valores do capital social que são potencializados pelas redes sociais na internet. Estes valores foram elencados no livro Redes Sociais na Internet, de Raquel Recuero, a partir de trabalho de vários autores, especialmente Bertolini e Bravo. Netweaving
  • 31. Valores do Capital Social Os 4 principais valores são: 1. Visibilidade 2. Popularidade 3. Reputação 4. Autoridade Netweaving
  • 32. Visibilidade Visibilidade é uma característica própria da internet como meio de comunicação. A estrutura de rede menos centralizada da internet, em comparação à estruturas de broadcasting como os sistemas de TV, permitem que a visibilidade de conteúdos, atores e temas seja facilitada. Entre pessoas com interesses semelhantes, a visibilidade permite que estas sejam mais “encontráveis”, facilitando os contatos. Netweaving
  • 33. Popularidade Já a popularidade se representa através de indicadores quantitativos. Geralmente é apresentada através da quantidade de conexões, posts, visitantes etc. Netweaving
  • 34. Reputação Reputação é um valor qualitativo sobre a capacidade ou conhecimento de alguém sobre determinado assunto ou matéria. A reputação é um valor social. Não se refere ao que o ator diz de si, mas sim ao conjunto de impressões que as outras pessoas tem dele. Netweaving
  • 35. Autoridade Nesta perspectiva, Autoridade é a capacidade efetiva de alguém com reputação de mudar comportamentos de outras pessoas de sua rede. Netweaving
  • 36. 4. Melhores Práticas de Netweaving Netweaving
  • 37. Fomentando participação Alguns parâmetros para o fomento de netweaving de qualidade e ético devem ser seguidos: • Influência Ética • Liberdade de Expressão • Gerenciamento de Conflitos • Regras Declaradas e Regras Tácitas Netweaving
  • 38. Influência Ética Em primeiro lugar, relembrar: técnicas de influência e persuasão são muito relativas. Em estruturas de rede, especialmente com objetivos comerciais, o que deve ser fomentado são atividades colaborativas que também tragam benefícios a todos os atores. Tentar enganar, prometer prêmios difíceis de serem alcançados e utilizar os atores apenas como meio de disseminação é anti-ético e de pouco valor. Netweaving
  • 39. Gerenciamento de Conflitos Em que momentos um gerenciador de perfil ou comunidade deve entrar em ação quando existe um conflito? De modo geral, isso deve ser avaliado se acontecer em espaços específicos da marca (comunidades, grupos, fóruns, listas). Se ocorrida em outro local, a interferência corporativa pode ser entendida como uma intromissão vigilantista e deve ser evitada. Netweaving
  • 40. Liberdade de Expressão Em relação com o tópico anterior, é preciso respeitar a liberdade de expressão das pessoas. No caso de funcionários, a publicação de diretrizes sensatas de uso de mídias sociais pode ser uma técnica interessante. Mas sempre sem entrar na intimidade e espaços particulares do funcionário. No caso de clientes e consumidores, não se deve desencorajar a livre crítica. Apenas em casos de blasfêmia ou ofensa pessoal isso deve ser levado negativamente. Sempre é melhor conhecer um detrator Netweaving
  • 41. Regras Declaradas e Regras Tácitas Em comunidades online específicas, sempre é bom ter regras definidas e bem claras. Mas não regras castradoras. As regras tácitas também devem ser observadas. Grupos geralmente exercem pressão social interna sobre seus membros, incentivando determinados tipos de comportamento e desencorajando outros. Netweaving
  • 42. Fontes http://www.slideshare.net/augustodefranco http://www.slideshare.net/ChristopherA/tactics-of-persuasion-influence-bgiedu http://www.portaljj.com.br/interna.asp?Int_IDSecao=43&int_id=73849 http://lasindias.net/indianopedia/Netweaving http://www.midia21.net/nportal/content/para-fazer-netweaving http://redessociais.net http://www.planyourmeetings.com/feature/2008/01/beyond-networking Netweaving
  • 43. Marcel Ayres – Diretor de Criação e Mídias Sociais marcel.ayres@papercliq.com.br www.twitter.com/marcelayres www.marcelayres.com/blog + Conteúdo: No Twitter: www.papercliq.com.br @papercliq www.papercliq.com.br/blog @marcelayres www.slideshare.net/papercliq @renatacbc @tarushijio Netweaving