SlideShare uma empresa Scribd logo
Universidade Federal de Campina Grande- UFCG
Centro de Educação e Saúde- CES
Unidade Acadêmica de Educação-UAE
C. Curricular :Psicologia da Educação
Violência na escola
Reflexões sobre o papel do educador
Docente: Izayana Feitosa
Discentes: Alyne Daniele
Fabrícia Maísa
Cuité/2013
O que é violência?
A Organização Mundial de Saúde (2002) define
violência como:
“(...)o uso intencional de força física ou poder, sob a
forma de ameaça ou real, contra si mesmo, contra outra
pessoa ou contra um grupo ou comunidade, que resulta ou
tem uma grande chance de resultar em lesão, morte, dano
psicológico ,alterações no desenvolvimento ou privações"
“ São todos os atos ou ações de violência, comportamentos
agressivos e antisociais, incluindo conflitos interpessoais
,danos ao patrimônio, atos
criminosos,marginalizações, discriminações,dentre outros
praticados por, e entre a comunidade escolar
(alunos,Professores, funcionários, familiares e estranhos à
escola) no ambiente escolar”
(PRIOTTO, BONETI, 2009, p. 162)
Violência Escolar
Segundo Charlot (2002) ,quando falamos de violência
escolar é preciso destinguir: a violência na escola,à
escola, da escola;
 Violência na escola : é aquela que se produz dentro do espaço
escolar, sem estar ligada à natureza e às atividades da
instituição escolar, é o tipo de violência que poderia acontecer
em qualquer outro local;
 Violência à escola: está ligada à natureza e ás atividades da
instituição escolar;
 Violência da escola : é uma violência institucional, simbólica,
exercida através da maneira como a instituição e seus agentes
os tratam.
Para Abramovay(2003) e Priotto(2008) a violência
escolar pode se expressar através dos seguintes
eventos:
Violência Física :de um indivíduo ou grupo contra a integridade
de outro ou de grupos e também contra si mesmo;
Agressão Física: porte de armas que ferem , sangram e matam;
Violência Simbólica :Verbal- Institucional, baseado no abuso do
poder e autoritarismo;
Violência verbal : incivilidades , humilhações e palavras
grosseiras , intimidação ou bullying .
São apontadas como causas da violência :
 Família: a pobreza, violência doméstica, alcoolismo, tóxico
dependência, desagregação dos casais, ausência de
valores, detenção prisional ,etc ;
 Pais omissos: ausentes dos problemas escolares, coniventes
com os erros dos filhos, não incentivando os estudos, não
impondo limites aos filhos, jogando para a escola a
responsabilidade da família;
 Os indivíduos que vivem estes problemas familiares são
sujeitos e alvos de violência.
São apontadas como causas da violência:
 Os alunos: falta de perspectivas, descrença nas instituições,
desinteresse pela escola, falta de identificação com os
professores e com a escola, consumo de drogas e as más
companhias;
São apontadas como causas da violência:
 Os grupos e turmas : Influenciam certos comportamentos que
os adolescentes demonstram, sendo o resultado de processos
de imitação de outros membros do grupo.
 Em certas manifestações públicas de violência, os jovens
procuram obter segurança, respeito e prestígio pela restante
comunidade escolar.
São apontadas como causas da violência:
• A Desigualdade Social: Os problemas causados pela
desigualdade social, tais como a miséria, a fome, o estresse
causado pelo desemprego, a falta de condições dignas de
sobrevivência, a falta de acesso a bens como saúde e educação
têm sido freqüentemente relacionados à violência.
São apontadas como causas da violência:
 Influência da Mídia( rádio, TV, revistas, jornais,etc.)
• A mídia contribui significativamente para a difusão
das violências, e a visão por ela veiculada sobre os jovens interfere na
imagem produzida pela sociedade ;
• As informações veiculadas provocam pânico e terror, quando
mostramos jovens relacionados a muitos atos de incivilidades e
violências;
• Muitas vezes a mídia serve como “escola” para atos de agressividade.
Bullying
• Bully : significa agredir, intimidar, atacar.
• O bullying envolve todas as atitudes agressivas, intencionais e
repetitivas ,adotadas por uma ou mais pessoas contra outra
,que acontecem sem motivação evidente, causando dor e
angústia.
• A maioria dos bullies são meninos, já, as meninas que são
bullies utilizam, métodos indiretos ,como fofocas, a
manipulação de amigos, mentiras e a exclusão de outros de
um grupo.
Nogueira (2007),identificou três tipos de atores
envolvidos no bullying:
• O agressor: Atinge o colega com repetidas humilhações ou
depreciações porque quer ser mais popular, se sentir
poderoso e obter uma boa imagem de si mesmo.
• A vítima : Costuma ser tímida ou pouco sociável e foge do
padrão do restante da turma pela aparência física (raça,
altura, peso), pelo comportamento (melhor desempenho na
escola) ou ainda pela religião.
• O espectador : é aquele que presencia as situações de
violência e não interfere, ou porque tem medo de também ser
atingido, ou porque sente prazer com o sofrimento da vítima.
Cyberbulliyng
• É a forma pela qual um indivíduo ou grupo de
indivíduos busca causar dano a outro de modo
repetitivo, com o uso de tecnologias eletrônicas, como
celular e computador.
Cyberbulliyng
• No espaço virtual, os xingamentos e as provocações estão
permanentemente atormentando as vítimas. Antes, o
constrangimento ficava restrito aos momentos de convívio
dentro da escola;
• Os jovens utilizam cada vez mais ferramentas de internet e de
troca de mensagens via celular e muitas vezes se expõem
mais do que devem;
• A tecnologia permite que, em alguns casos, seja muito difícil
identificar o(s) agressor(es), o que aumenta a sensação de
impotência.
Doenças relacionadas as vítimas do
bulliyng
• Angústia ;
• Ataques de ansiedade ;
• Transtorno do pânico ;
• Depressão ;
• Anorexia ;
• Bulimia ;
• Fobia escolar ;
• Problemas de socialização.
Atitudes da escola para combate à violência:
1. Lugar de encontro de diversidade cultural e habilitado para
formas criativas de solidariedade;
2. Potencial estratégico para tecer relações com a comunidade,
especialmente a família, tendo os pais como parceiros para tal
fim;
3. Possibilidade de experimentar medidas de prevenção e de
acompanhar tanto a população-foco como as experiências
implementadas de políticas públicas;
4. Formação de valores e transmissão de conhecimentos, o que
tem prosseguimento nos processos de interação não somente
entre professores e alunos, mas também entre os próprios
estudantes.
Pesquisa do IBGE (2010)
• Tocantins 26,2 %
• Natal e Belém 26,7%
• Salvador 27,2%.
Violência na escola
Debate
Qual o papel de nós educadores
para contribuir com diminuição
da violência escolar ?
Referências
ABRAMOVAY, Miriam.Cotidiano das escolas: entre violências. Brasília: UNESCO no
Brasil, 2005. 404 p.
ABRAMOVAY, Miriam; RUA, Maria das Graças. Violências nas escolas. 2. ed.
Brasília-DF: UNESCO, 2002.
CHARLOT, B. (2002). A violência na escola: como os sociólogos
franceses abordam essa questão. Sociologias, 4(8), 432-443.
BONETI, Lindomar Wessler; PRIOTTO, Elis Palma. Violência
Escolar: na escola, da escola e contra a escola. Revista
Diálogo Educacional, v. 9, n. 26, p. 161-179, Pontifícia
Universidade Católica do Paraná, Curitiba, 2009.
http://pt.scribd.com/doc/50386959/Conceito-de-violencia-pela-OMS
CAMPOS,Ricardo Herculano:JORGE,Cardoso D. Samia:Violência na escola: uma
reflexão sobre o bullying e a prática educativa, Em Aberto, Brasília, v. 23, n. 83, p
107-128, mar. 2010
NOGUEIRA, R. A prática de violência entre pares: o bullying nas escolas. Revista
Ibero americana de Educação, v. 37, p. 93-102, 2005.
http://revistaescola.abril.com.br/
http://www.pucpr.br/eventos/educere/educere2008/anais/pdf/162_301.pdf

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Apresentação bullying
Apresentação bullyingApresentação bullying
Bullying - Entre alunos
Bullying - Entre alunosBullying - Entre alunos
Bullying - Entre alunos
Igreja Adventista do Sétimo Dia
 
Apresentação bullying
Apresentação bullyingApresentação bullying
Apresentação bullying
Parceiros Voluntários
 
Bullying na Escola
Bullying na EscolaBullying na Escola
Violência nas escolas palestra para crianças
Violência nas escolas palestra para criançasViolência nas escolas palestra para crianças
Violência nas escolas palestra para crianças
laboratório de informática cef15
 
Violencia Escolar
Violencia EscolarViolencia Escolar
Violencia Escolar
guest49e5af
 
Bullying na escola
Bullying na escolaBullying na escola
Bullying na escola
Isabella Paiva Pereira
 
Bullying
BullyingBullying
Bullying
Pedro Peixoto
 
Bullying
Bullying Bullying
Aula 8 adolescência e bullying
Aula 8   adolescência e bullyingAula 8   adolescência e bullying
Aula 8 adolescência e bullying
ariadnemonitoria
 
Bullying no ambiente escolar
Bullying no ambiente escolarBullying no ambiente escolar
Bullying no ambiente escolar
Instituto Hartmann Regueira
 
Bullying - Nao e Coisa de Crianca
Bullying - Nao e Coisa de CriancaBullying - Nao e Coisa de Crianca
Bullying - Nao e Coisa de Crianca
flaviamazs
 
Bullying: o que é e como combatê-lo?
Bullying: o que é e como combatê-lo?Bullying: o que é e como combatê-lo?
Bullying: o que é e como combatê-lo?
Thiago de Almeida
 
Bulllying
BulllyingBulllying
Bulllying
Célia Menezes
 
A violência escolar ao longo da história
A violência escolar ao longo da históriaA violência escolar ao longo da história
A violência escolar ao longo da história
Maria Aparecida S Ferreira
 
Campanha educativa bullying
Campanha educativa bullyingCampanha educativa bullying
Campanha educativa bullying
Liliane Machado
 
Bullying
BullyingBullying
Bullying
veronicasilva
 
bullying
bullyingbullying
bullying
cmatos2010
 
Palestra sobre bullying
Palestra sobre bullyingPalestra sobre bullying
Bullying apresentação
Bullying apresentaçãoBullying apresentação
Bullying apresentação
-
 

Mais procurados (20)

Apresentação bullying
Apresentação bullyingApresentação bullying
Apresentação bullying
 
Bullying - Entre alunos
Bullying - Entre alunosBullying - Entre alunos
Bullying - Entre alunos
 
Apresentação bullying
Apresentação bullyingApresentação bullying
Apresentação bullying
 
Bullying na Escola
Bullying na EscolaBullying na Escola
Bullying na Escola
 
Violência nas escolas palestra para crianças
Violência nas escolas palestra para criançasViolência nas escolas palestra para crianças
Violência nas escolas palestra para crianças
 
Violencia Escolar
Violencia EscolarViolencia Escolar
Violencia Escolar
 
Bullying na escola
Bullying na escolaBullying na escola
Bullying na escola
 
Bullying
BullyingBullying
Bullying
 
Bullying
Bullying Bullying
Bullying
 
Aula 8 adolescência e bullying
Aula 8   adolescência e bullyingAula 8   adolescência e bullying
Aula 8 adolescência e bullying
 
Bullying no ambiente escolar
Bullying no ambiente escolarBullying no ambiente escolar
Bullying no ambiente escolar
 
Bullying - Nao e Coisa de Crianca
Bullying - Nao e Coisa de CriancaBullying - Nao e Coisa de Crianca
Bullying - Nao e Coisa de Crianca
 
Bullying: o que é e como combatê-lo?
Bullying: o que é e como combatê-lo?Bullying: o que é e como combatê-lo?
Bullying: o que é e como combatê-lo?
 
Bulllying
BulllyingBulllying
Bulllying
 
A violência escolar ao longo da história
A violência escolar ao longo da históriaA violência escolar ao longo da história
A violência escolar ao longo da história
 
Campanha educativa bullying
Campanha educativa bullyingCampanha educativa bullying
Campanha educativa bullying
 
Bullying
BullyingBullying
Bullying
 
bullying
bullyingbullying
bullying
 
Palestra sobre bullying
Palestra sobre bullyingPalestra sobre bullying
Palestra sobre bullying
 
Bullying apresentação
Bullying apresentaçãoBullying apresentação
Bullying apresentação
 

Semelhante a Violência na escola

Bullyind e desrespeito: como acabar com essa cultura na escola
Bullyind  e desrespeito: como acabar com essa cultura na escolaBullyind  e desrespeito: como acabar com essa cultura na escola
Bullyind e desrespeito: como acabar com essa cultura na escola
Cristiana de Oliveira
 
TCC 2011-PEDAGOGIA Sobre VIOLÊNCIA NA ESCOLA
TCC 2011-PEDAGOGIA Sobre VIOLÊNCIA NA ESCOLATCC 2011-PEDAGOGIA Sobre VIOLÊNCIA NA ESCOLA
TCC 2011-PEDAGOGIA Sobre VIOLÊNCIA NA ESCOLA
regina luzia barros
 
Projeto bullying
Projeto bullyingProjeto bullying
Projeto bullying
William Marques
 
Bullying
BullyingBullying
Palestra gabriel chalita em manaus 210809
Palestra gabriel chalita em manaus 210809Palestra gabriel chalita em manaus 210809
Palestra gabriel chalita em manaus 210809
SimoneHelenDrumond
 
Bullying não tem graça
Bullying não tem graçaBullying não tem graça
Bullying não tem graça
Rubens Junior
 
Violência na escola
Violência na escolaViolência na escola
Violência na escola
Gabriela Costeira
 
Violência e Escola
Violência e EscolaViolência e Escola
Violência e Escola
Washington Luiz Ribeiro
 
Bullying ruben24 octávio22_monica21_susana25
Bullying ruben24 octávio22_monica21_susana25Bullying ruben24 octávio22_monica21_susana25
Bullying ruben24 octávio22_monica21_susana25
monica15171
 
Bullying
BullyingBullying
Projeto Bullying
Projeto BullyingProjeto Bullying
Projeto Bullying
barreto coelho
 
Bullying
BullyingBullying
Bullying
Livres.art.br
 
Palestra8anorafael[1]
Palestra8anorafael[1]Palestra8anorafael[1]
Palestra8anorafael[1]
Gisele Alves
 
Aula 2 ensino de lutas - bullying
Aula 2   ensino de lutas - bullyingAula 2   ensino de lutas - bullying
Aula 2 ensino de lutas - bullying
Jeeser Alves de Almeida
 
Bullying
BullyingBullying
Bullying
Tgokart
 
Bullying
BullyingBullying
Bullying
Tgokart
 
Bullying
BullyingBullying
Bullying
rfzamith
 
Esquema bullying
Esquema bullyingEsquema bullying
Esquema bullying
Laura Reis
 
BULLYING NÃO É BRINCADEIRA 1 ANO.ppt
BULLYING NÃO É BRINCADEIRA 1 ANO.pptBULLYING NÃO É BRINCADEIRA 1 ANO.ppt
BULLYING NÃO É BRINCADEIRA 1 ANO.ppt
JhonatandaSilva16
 
Doc 154
Doc 154Doc 154
Doc 154
ACECTALCT
 

Semelhante a Violência na escola (20)

Bullyind e desrespeito: como acabar com essa cultura na escola
Bullyind  e desrespeito: como acabar com essa cultura na escolaBullyind  e desrespeito: como acabar com essa cultura na escola
Bullyind e desrespeito: como acabar com essa cultura na escola
 
TCC 2011-PEDAGOGIA Sobre VIOLÊNCIA NA ESCOLA
TCC 2011-PEDAGOGIA Sobre VIOLÊNCIA NA ESCOLATCC 2011-PEDAGOGIA Sobre VIOLÊNCIA NA ESCOLA
TCC 2011-PEDAGOGIA Sobre VIOLÊNCIA NA ESCOLA
 
Projeto bullying
Projeto bullyingProjeto bullying
Projeto bullying
 
Bullying
BullyingBullying
Bullying
 
Palestra gabriel chalita em manaus 210809
Palestra gabriel chalita em manaus 210809Palestra gabriel chalita em manaus 210809
Palestra gabriel chalita em manaus 210809
 
Bullying não tem graça
Bullying não tem graçaBullying não tem graça
Bullying não tem graça
 
Violência na escola
Violência na escolaViolência na escola
Violência na escola
 
Violência e Escola
Violência e EscolaViolência e Escola
Violência e Escola
 
Bullying ruben24 octávio22_monica21_susana25
Bullying ruben24 octávio22_monica21_susana25Bullying ruben24 octávio22_monica21_susana25
Bullying ruben24 octávio22_monica21_susana25
 
Bullying
BullyingBullying
Bullying
 
Projeto Bullying
Projeto BullyingProjeto Bullying
Projeto Bullying
 
Bullying
BullyingBullying
Bullying
 
Palestra8anorafael[1]
Palestra8anorafael[1]Palestra8anorafael[1]
Palestra8anorafael[1]
 
Aula 2 ensino de lutas - bullying
Aula 2   ensino de lutas - bullyingAula 2   ensino de lutas - bullying
Aula 2 ensino de lutas - bullying
 
Bullying
BullyingBullying
Bullying
 
Bullying
BullyingBullying
Bullying
 
Bullying
BullyingBullying
Bullying
 
Esquema bullying
Esquema bullyingEsquema bullying
Esquema bullying
 
BULLYING NÃO É BRINCADEIRA 1 ANO.ppt
BULLYING NÃO É BRINCADEIRA 1 ANO.pptBULLYING NÃO É BRINCADEIRA 1 ANO.ppt
BULLYING NÃO É BRINCADEIRA 1 ANO.ppt
 
Doc 154
Doc 154Doc 154
Doc 154
 

Último

A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
Relatório de Atividades 2018 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2018 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2018 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2018 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
marcos oliveira
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
principeandregalli
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
felipescherner
 
Guerra e Paz Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Guerra e Paz Maria Inês Aroeira Braga.ppsxGuerra e Paz Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Guerra e Paz Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Falcão Brasil
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
responder de alfabetização e questoe.pdf
responder de alfabetização e questoe.pdfresponder de alfabetização e questoe.pdf
responder de alfabetização e questoe.pdf
marcos oliveira
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
LeilaVilasboas
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
Sandra Pratas
 
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptxAPA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
orquestrasinfonicaam
 

Último (20)

A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
Relatório de Atividades 2018 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2018 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2018 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2018 CENSIPAM.pdf
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
 
Guerra e Paz Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Guerra e Paz Maria Inês Aroeira Braga.ppsxGuerra e Paz Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Guerra e Paz Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
responder de alfabetização e questoe.pdf
responder de alfabetização e questoe.pdfresponder de alfabetização e questoe.pdf
responder de alfabetização e questoe.pdf
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
 
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptxAPA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
 

Violência na escola

  • 1. Universidade Federal de Campina Grande- UFCG Centro de Educação e Saúde- CES Unidade Acadêmica de Educação-UAE C. Curricular :Psicologia da Educação Violência na escola Reflexões sobre o papel do educador Docente: Izayana Feitosa Discentes: Alyne Daniele Fabrícia Maísa Cuité/2013
  • 2. O que é violência? A Organização Mundial de Saúde (2002) define violência como: “(...)o uso intencional de força física ou poder, sob a forma de ameaça ou real, contra si mesmo, contra outra pessoa ou contra um grupo ou comunidade, que resulta ou tem uma grande chance de resultar em lesão, morte, dano psicológico ,alterações no desenvolvimento ou privações"
  • 3. “ São todos os atos ou ações de violência, comportamentos agressivos e antisociais, incluindo conflitos interpessoais ,danos ao patrimônio, atos criminosos,marginalizações, discriminações,dentre outros praticados por, e entre a comunidade escolar (alunos,Professores, funcionários, familiares e estranhos à escola) no ambiente escolar” (PRIOTTO, BONETI, 2009, p. 162) Violência Escolar
  • 4. Segundo Charlot (2002) ,quando falamos de violência escolar é preciso destinguir: a violência na escola,à escola, da escola;  Violência na escola : é aquela que se produz dentro do espaço escolar, sem estar ligada à natureza e às atividades da instituição escolar, é o tipo de violência que poderia acontecer em qualquer outro local;  Violência à escola: está ligada à natureza e ás atividades da instituição escolar;  Violência da escola : é uma violência institucional, simbólica, exercida através da maneira como a instituição e seus agentes os tratam.
  • 5. Para Abramovay(2003) e Priotto(2008) a violência escolar pode se expressar através dos seguintes eventos: Violência Física :de um indivíduo ou grupo contra a integridade de outro ou de grupos e também contra si mesmo; Agressão Física: porte de armas que ferem , sangram e matam; Violência Simbólica :Verbal- Institucional, baseado no abuso do poder e autoritarismo; Violência verbal : incivilidades , humilhações e palavras grosseiras , intimidação ou bullying .
  • 6. São apontadas como causas da violência :  Família: a pobreza, violência doméstica, alcoolismo, tóxico dependência, desagregação dos casais, ausência de valores, detenção prisional ,etc ;  Pais omissos: ausentes dos problemas escolares, coniventes com os erros dos filhos, não incentivando os estudos, não impondo limites aos filhos, jogando para a escola a responsabilidade da família;  Os indivíduos que vivem estes problemas familiares são sujeitos e alvos de violência.
  • 7. São apontadas como causas da violência:  Os alunos: falta de perspectivas, descrença nas instituições, desinteresse pela escola, falta de identificação com os professores e com a escola, consumo de drogas e as más companhias;
  • 8. São apontadas como causas da violência:  Os grupos e turmas : Influenciam certos comportamentos que os adolescentes demonstram, sendo o resultado de processos de imitação de outros membros do grupo.  Em certas manifestações públicas de violência, os jovens procuram obter segurança, respeito e prestígio pela restante comunidade escolar.
  • 9. São apontadas como causas da violência: • A Desigualdade Social: Os problemas causados pela desigualdade social, tais como a miséria, a fome, o estresse causado pelo desemprego, a falta de condições dignas de sobrevivência, a falta de acesso a bens como saúde e educação têm sido freqüentemente relacionados à violência.
  • 10. São apontadas como causas da violência:  Influência da Mídia( rádio, TV, revistas, jornais,etc.) • A mídia contribui significativamente para a difusão das violências, e a visão por ela veiculada sobre os jovens interfere na imagem produzida pela sociedade ; • As informações veiculadas provocam pânico e terror, quando mostramos jovens relacionados a muitos atos de incivilidades e violências; • Muitas vezes a mídia serve como “escola” para atos de agressividade.
  • 11. Bullying • Bully : significa agredir, intimidar, atacar. • O bullying envolve todas as atitudes agressivas, intencionais e repetitivas ,adotadas por uma ou mais pessoas contra outra ,que acontecem sem motivação evidente, causando dor e angústia. • A maioria dos bullies são meninos, já, as meninas que são bullies utilizam, métodos indiretos ,como fofocas, a manipulação de amigos, mentiras e a exclusão de outros de um grupo.
  • 12. Nogueira (2007),identificou três tipos de atores envolvidos no bullying: • O agressor: Atinge o colega com repetidas humilhações ou depreciações porque quer ser mais popular, se sentir poderoso e obter uma boa imagem de si mesmo. • A vítima : Costuma ser tímida ou pouco sociável e foge do padrão do restante da turma pela aparência física (raça, altura, peso), pelo comportamento (melhor desempenho na escola) ou ainda pela religião. • O espectador : é aquele que presencia as situações de violência e não interfere, ou porque tem medo de também ser atingido, ou porque sente prazer com o sofrimento da vítima.
  • 13. Cyberbulliyng • É a forma pela qual um indivíduo ou grupo de indivíduos busca causar dano a outro de modo repetitivo, com o uso de tecnologias eletrônicas, como celular e computador.
  • 14. Cyberbulliyng • No espaço virtual, os xingamentos e as provocações estão permanentemente atormentando as vítimas. Antes, o constrangimento ficava restrito aos momentos de convívio dentro da escola; • Os jovens utilizam cada vez mais ferramentas de internet e de troca de mensagens via celular e muitas vezes se expõem mais do que devem; • A tecnologia permite que, em alguns casos, seja muito difícil identificar o(s) agressor(es), o que aumenta a sensação de impotência.
  • 15. Doenças relacionadas as vítimas do bulliyng • Angústia ; • Ataques de ansiedade ; • Transtorno do pânico ; • Depressão ; • Anorexia ; • Bulimia ; • Fobia escolar ; • Problemas de socialização.
  • 16. Atitudes da escola para combate à violência: 1. Lugar de encontro de diversidade cultural e habilitado para formas criativas de solidariedade; 2. Potencial estratégico para tecer relações com a comunidade, especialmente a família, tendo os pais como parceiros para tal fim; 3. Possibilidade de experimentar medidas de prevenção e de acompanhar tanto a população-foco como as experiências implementadas de políticas públicas; 4. Formação de valores e transmissão de conhecimentos, o que tem prosseguimento nos processos de interação não somente entre professores e alunos, mas também entre os próprios estudantes.
  • 17. Pesquisa do IBGE (2010) • Tocantins 26,2 % • Natal e Belém 26,7% • Salvador 27,2%.
  • 19. Debate Qual o papel de nós educadores para contribuir com diminuição da violência escolar ?
  • 20. Referências ABRAMOVAY, Miriam.Cotidiano das escolas: entre violências. Brasília: UNESCO no Brasil, 2005. 404 p. ABRAMOVAY, Miriam; RUA, Maria das Graças. Violências nas escolas. 2. ed. Brasília-DF: UNESCO, 2002. CHARLOT, B. (2002). A violência na escola: como os sociólogos franceses abordam essa questão. Sociologias, 4(8), 432-443. BONETI, Lindomar Wessler; PRIOTTO, Elis Palma. Violência Escolar: na escola, da escola e contra a escola. Revista Diálogo Educacional, v. 9, n. 26, p. 161-179, Pontifícia Universidade Católica do Paraná, Curitiba, 2009. http://pt.scribd.com/doc/50386959/Conceito-de-violencia-pela-OMS CAMPOS,Ricardo Herculano:JORGE,Cardoso D. Samia:Violência na escola: uma reflexão sobre o bullying e a prática educativa, Em Aberto, Brasília, v. 23, n. 83, p 107-128, mar. 2010 NOGUEIRA, R. A prática de violência entre pares: o bullying nas escolas. Revista Ibero americana de Educação, v. 37, p. 93-102, 2005. http://revistaescola.abril.com.br/ http://www.pucpr.br/eventos/educere/educere2008/anais/pdf/162_301.pdf