SlideShare uma empresa Scribd logo
Caro(a) professor(a)
As aulas de acompanhamento educativo (anteriormente
designadas aulas de substituição) vieram colocar novos
desafios às escolas e aos professores.
Esta realidade vivida pelos professores levou-nos a
acompanhar algumas experiências no sentido de conhe-
cer as melhores formas de desenvolver actividades nas
aulas de acompanhamento educativo.
Das várias experiências que fomos acompanhando, cons-
tatámos que, para além de outros registos organizativos,
a situação de trabalho no contexto da sala de aula é a
preferida pelos professores. Não sendo professor da dis-
ciplina, o docente substituto encontra nas fichas de tra-
balho um meio de optimizar a relação pedagógica face a
uma turma que não conhece.
Como responsáveis pela edição de manuais e materiais de
apoio para os alunos, não podíamos deixar de colaborar
com os professores nesta nova situação pedagógica.
Assim, disponibilizamos um conjunto de fichas para oito
disciplinas – Língua Portuguesa, Inglês, Francês, História,
Geografia, Matemática, Ciências Físico-Químicas e Ciên-
cias Naturais. Para cada professor será disponibilizado,
em papel e em CD, o volume correspondente à sua disci-
plina. Estas fichas poderão ser organizadas num dossier
interdisciplinar a ser usado pelos professores de acordo
com o esquema organizativo adoptado pela escola. Este
material poderá, também, ser utilizado, como recurso
pedagógico, noutros contextos de ensino-aprendizagem.
1 – 2 –
HISTÓRIA 7.° ANO
FICHA 1
O PALEOLÍTICO
SOCIEDADES RECOLECTORAS E AS PRIMEIRAS SOCIEDADES PRODUTORAS
NOME N.º TURMA
PROFESSOR AVALIAÇÃO
1. Será que consegues ajudar os hominídeos que andam
perdidos no tempo?
(Ajuda: coloca a letra no respectivo quadrado)
4. O Homem conseguiu aperfeiçoar alguns destes instrumentos gra-
ças à descoberta do fogo. O fogo trouxe ainda outras alterações às
suas condições de vida. Assinála-as com um X.
Instrumentos mais perfeitos
Iluminação das cavernas
Arrefecimento das cavernas
Valorização da vida individual
Cozinhar os alimentos
Defesa contra os animais ferozes
3. No Paleolítico, fabricavam vários tipos de instrumentos.
Como se chamavam?
(Ajuda: faz a ligação entre os objectos e os seus nomes.)
• • Arpões
• • Biface
• • Raspador
Homo habilis
A
Homo sapiens
C
Homo erectus
B
Homo sapiens sapiens
D
2. Há duas características essenciais que nos distinguem dos primatas.
Descobre-as com a ajuda das imagens.
5. Nesta imagem podemos ver alguns homens que vêm de uma
caçada. Em baixo tens as suas memórias desse dia. Consegues
completar a mensagem?
“Hoje, apenas conseguimos capturar animais de
porte, como , ,
e .
Mesmo caçando em grupo, os e os
, ou seja, os grandes herbívoros escaparam-nos.
Logo agora, que precisava de e
para fazer uma tenda nova. A minha está tão velhinha! Já não bastava
a falta de frutos. Bem, teremos que procurar outro lugar para viver.”
Estas pinturas e gravuras aparecem nas paredes e tectos das
e ao ar livre. Chama-se arte ou
.
Só as é que podíamos transportar quando
andávamos de terra em terra.
6. Esta caçada não correu muito bem. Sabes por quê?
Os homens do Paleolítico acreditavam que deviam realizar ritos
mágicos para as caçadas correrem bem.
Como podes observar nas imagens, algumas caçadas corriam
bem melhor!
1
HISTÓRIA 7.° ANO
FICHA 2
O NEOLÍTICO
SOCIEDADES RECOLECTORAS E AS PRIMEIRAS SOCIEDADES PRODUTORAS
NOME N.º TURMA
PROFESSOR AVALIAÇÃO
1. Pinta no mapa a região onde se localizaram os primeiros aldea-
mentos do Neolítico?
2. Este texto foi enviado por um aluno a um homem do Neolítico. Ao
lê-lo notarás que tem quatro erros. Sublinha-os.
Olá, Yussuf!
Estive a navegar na Internet (não sabes o que é, mas noutra carta
explicar-te-ei) e fiquei a saber que vocês, no Neolítico, deixaram de
ser sedentários e passaram a ser nómadas, porque se fixaram em
terras férteis. Como tal, para além da agricultura, dedicavam-se tam-
bém à indústria metalúrgica e à extracção mineira.
A figura representa uma ou .
A figura representa um .
A figura representa uma .
3. Como viste, aquele teu colega desconhecia algumas característi-
cas da economia de produção do Neolítico. E tu, consegues identi-
ficar, na sopa de letras, algumas actividades, materiais e instru-
mentos usados nesta altura.
4. Vamos jogar ao “caça a verdade”. Quais são as frases verdadeiras?
Assinala-as com um X.
Nas primeiras comunidades neolíticas não havia diferenciação
social.
Nessas comunidades, havia divisão do trabalho pelos vários
elementos do aldeamento.
A defesa, a pastorícia e a pesca eram as tarefas das mulheres.
Os camponeses e os artesãos eram os mais poderosos.
A diferenciação social baseava-se no tipo de trabalho, na idade
e no sexo.
5. A cantar e a rimar é mais fácil memorizar.
Completa os seguintes versos.
6. Vamos construir puzzles. Ordena as figuras de forma a reconstruí-
res as imagens.
Vivo no Neolítico
Adoro a terra e os ani-
mais
Presto então culto
Aos fenómenos
.
Feitos de pedra
E de dimensões enor-
mes
Construo menires
Antas ou
.
Por que os faço?
É ainda duvidoso,
Mas são a prova
Do meu sentido
.
0 300 km
N
Mar
Mediterrâneo
Mar Negro
Mar Vermelho
0 300 km
N
Mar
Mediterrâneo
Mar Negro
Mar Vermelho
F O I C E N C B
J M R T Q E A V
K U A R A D O D
M O E A R F L Z
D I O E P X C N
C E S T A R I A
C
S
S
F
A
U
A
W
E
D
T
J
V
Z L A H M O I U O X E
A S V R E P Y C Q I Z
O
N
A
F
A
R O X G K S E D L E K
1 2
321
1 2 3 4
3 4
1
1
1
2
3
4
Tigre
Eufrates
Nilo
Indo
Ganges
Amarelo
Mar Mediterrâneo
MarVermelho
N
0 2000 km
HISTÓRIA 7.° ANO
FICHA 3
A CIVILIZAÇÃO EGÍPCIA
UMA CIVILIZAÇÃO DOS GRANDES RIOS
NOME N.º TURMA
PROFESSOR AVALIAÇÃO
O faraó precisa que construas a pirâmide para a sua vida eterna.
Por cada resposta correcta, ganhas os blocos de pedra necessá-
rios à tua grandiosa construção.
1. Os faraós eram os chefes supremos de uma civilização. Qual?
(Se a resposta estiver correcta, podes pintar o primeiro bloco) 5. Os egípcios desenvolveram várias ciências. Descobre quatro na
sopa de letras.
(Se acertaste na resposta, podes pintar o sexto e o sétimo blocos)
(Se a resposta estiver correcta, pinta os três blocos seguintes)
4. Os Egípcios eram um povo politeísta, ou seja, prestavam culto
a vários deuses. Lembras-te dos atributos dos deuses representa-
dos?
2. Para além dessa civilização, outras três se formaram junto dos
grandes rios. Faz a legenda do mapa.
6. Os Egípcios também foram exímios arquitectos, escultores e pin-
tores. Preenche os espaços em branco para conseguires o teu
último bloco.
As manifestações artísticas egípcias manifestam a sua profunda reli-
giosidade. Este povo construiu grandiosos ,
mais conhecidos por pirâmides, assim como templos. Estes monu-
mentos eram decorados com pinturas, esculturas e
.
Na pintura, os artistas representavam os seres humanos segundo a
lei da . Na escultura, as figuras humanas eram
esculpidas de forma .
3. Como já sabes, a sociedade egípcia era muito estratificada. Ordena
por ordem crescente de importância os vários estratos sociais.
Escribas
Sacerdotes
Artífices
Faraó e família
Escravos
Camponeses
(Se a resposta estiver correcta, podes pintar o quarto e quinto blocos)
1 - Civilização .
2 - Civilização .
3 - Civilização .
4 - Civilização .
(Se a resposta estiver correcta, podes pintar o segundo e o terceiro blocos)
Deuses
Atributos
Osíris Ísis Hórus Anúbis Tot
M A T E M A T I C A
U I D A T O X G O P
M S T Q E I V M R U
U T R A D S D U I H
O R A R I E Z O N J
I O E P C O N L A R
E N T A I P A P R I
A O S D N C V O A C
L M O P A S D B V F
Z I M O R A R D X I
E A S J T I Q N G O
F
A
U
O
P
J
A
S
S
C
N
T
W
R K E B H X N E U Y M E
E
I
I
E
G
F
A
X
B
2
HISTÓRIA 7.° ANO
FICHA 4
A CIVILIZAÇÃO GREGA NO SÉCULO V A. C.
OS GREGOS NO SÉCULO V A. C.
NOME N.º TURMA
PROFESSOR AVALIAÇÃO
1. Na Antiguidade Clássica, desenvolveu-se na Península Balcânica a
Civilização Grega. Decifra as frases sobre essa civilização.
2. As pólis ou cidades-estados foram fundamentais para
o desenvolvimento da Civilização Grega. Consegues resolver
o crucigrama?
3. Na sociedade ateniense do século V a. C. existiam três grupos
sociais diferentes. Faz a correspondência dos balões com as res-
pectivas imagens.
4. O cidadão ateniense tinha uma formação física e intelectual em
diversas áreas e manifestações culturais. Descobre-as a partir
das imagens.
5. A democracia ateniense tinha características diferentes
da democracia portuguesa. Assinala, com um X, as frases verda-
deiras.
A democracia ateniense era uma democracia directa, ou seja,
todos os cidadãos tomavam decisões.
Quer na democracia ateniense quer na nossa democracia, não há
igualdade de direitos entre os cidadãos.
Em qualquer regime democrático, o poder judicial é exercido
pelos juízes e pelos tribunais.
A democracia ateniense permitia a existência do ostracismo e da
pena de morte.
6. Os ideais artísticos da Civilização Grega acabaram por influenciar
a cultura europeia. Assinala as características da arquitectura
grega, circundando as palavras correctas.
Horizontal
1. Parte mais elevada
da cidade.
2. Local destinado
ao comércio.
3. Cidade-mãe.
4. Cidade-estado mais rica
no século V a. C.
Vertical
1. Forma de organização
política na Grécia.
2. Local onde se estabele-
cem relações com o
exterior.
3. Cidade nova fundada pela
cidade-mãe.
4. Importante cidade-
-estado no Peloponeso.
5. Mar que banha a Grécia.
Tenho mais de 20 anos e os
meus pais são atenienses. Já
cumpri o serviço militar.
Fomos capturados na
guerra e agora servimos na
casa do cidadão Péricles.
Movimento
Perfeição
Desequilíbrio
Ordens arqui-
tectónicas
Proporção
Desordem
Colossal
Simetria
3
5 2
4
4
1
1
3
A B C D E É F G H I J L M
N O Ó P Q R S T U V X Z
.
.
.
Não nasci em Atenas, mas
consideram-me um homem livre.
Sou um artesão.
N
LUSITÂNIA
0 30 km
C R I S T I A N I S M O
I
HISTÓRIA 7.° ANO
FICHA 5O MUNDO ROMANO E O CRISTIANISMO
O MUNDO ROMANO NO APOGEU DO IMPÉRIO
ORIGEM E DIFUSÃO DO CRISTIANISMO
NOME N.º TURMA
PROFESSOR AVALIAÇÃO
1. Ajuda o soldado romano a chegar à Lusitânia
sem passar duas vezes pelo mesmo número.
4. Sabes jogar à Toto-História? Só tens de assinalar a opção cor-
recta! Não vale palpites! Põe à prova os teus conhecimentos.
6. Quer nas conquistas quer nestas construções, os deuses romanos
sempre apoiaram os Romanos. Cada um tinha a sua função. És
capaz de fazer a correspondência entre as colunas?
7. No tempo do imperador Augusto surgiu o Cristianismo. Progressi-
vamente, os Romanos tornaram-se monoteístas. Completa o cru-
cigrama.
5. Por todo o Império, os Romanos, fizeram uma série de constru-
ções. Lembras-te como se chamam? Coloca o número correspon-
dente junto à imagem
1 - Arco do Triunfo 2 - Coliseu 3 - Aqueduto
2. A conquista de toda a Península Ibérica foi uma tarefa difícil. Mas,
segundo o dito popular, não há ganho sem trabalho. Decifra os
nomes de algumas cidades romanas estabelecidas em território
actualmente português.
3. Para integrarem os povos conquistados os Romanos usaram
vários instrumentos de integração. Descobre-os na sopa de letras.
Cidades Romanas
1QUAVIAEAFLA
OPOLISI
TAAUGUSCARABRA
LIAPAXIU
BRIGACONIM
BORAE
Nome actual
2
3
4
5
6
L A O N I M E O M D A A V
A S J I U A X O B L D D E
T C K E Ç E E O V A O M I
U O L A D I R E I T O I Y
R M X E R T C S D I B N A
S E A I E E I T O M J I R
O R U R I A T R G L E S F
P C N W O D O A A O F T P
A I C S P M L D V M T R A
R O M A N I Z A Ç A O A R
O C E S I F G S F A T Ç P
M P W C I D A D A N I A T
C O S T U M E S O P O O
Quem foi o primeiro impe-
rador romano?
1 - Flávio X - Augusto 2 - Filipe
Qual foi o regime político
estabelecido por Octávio
César Augusto?
1 - Império X - República 2 - Monarquia
Quem comandava as
legiões do exército
romano?
1 - Plebeus X - Senadores 2 - Imperador
Qual era a ordem consti-
tuída pelos governantes do
Império?
BACO • • DEUSA DA SABEDORIA
NEPTUNO • • DEUS DO FOGO
MARTE • • DEUS DO VINHO
MINERVA • • DEUSA DO AMOR
VULCANO • • DEUS DO MAR
VÉNUS • • DEUS DA GUERRA
1 - Ordem
Senatorial
X - Ordem
Equestre
2 - Ordem dos
Decuriões
1. Messias do Cristianismo
2. Imperador que promulgou
o Édito de Milão
3. Imperador que tornou o
Cristianismo religião oficial
do Império
4. Livro sagrado
do Cristianismo
5. Local de reunião
dos cristãos
6. Nome dado aos discípulos
de Cristo.
1
2
3
4
5
6
1
2
3
3
3
4
4
5
5
6
7
7
8
8
8
9
9
9
9
10
10
10
10
11
12
11
116
2
2
HISTÓRIA 7.° ANO
FICHA 6
AS INVASÕES BÁRBARAS E A FORMAÇÃO DA CRISTANDADE OCIDENTAL
A EUROPA DO SÉCULO VI AO SÉCULO IX
NOME N.º TURMA
PROFESSOR AVALIAÇÃO
1. Já sabes que, a partir do
século V, diversos povos
bárbaros invadiram e
conquistaram o Império
Romano do Ocidente.
Decifra as palavras.
2. Estes bárbaros fixaram-se em diferentes regiões do antigo Impé-
rio Romano, onde formaram reinos. Localiza-os no mapa.
5. A invasão muçulmana atingiu sobretudo a Península Ibérica.
Aquela civilização foi brilhante em várias áreas, desde a economia
até à cultura. Propomos-te que ajudes o Abdelilah a chegar à mes-
quita para fazer as suas orações. Sempre que parares para pedi-
res informações, os habitantes da cidade colocam-te uma questão
sobre a sua cultura.
Boa sorte e não te metas por atalhos!!!
Toledo
Mar
Mediterrâneo
OCEANO
ATLÂNTICO
Paris
REINO
DOS SUEVOS
REINO
DOS
Lombardos
Saxões
Búlgaros
Hunos
REINO
DOS VÂNDALOS
Eslavos
Mar Negro
Mar
do
Norte
Mar
Báltico
Roma Constantinopla
Cartago
REINO
DOS
Atenas
Ravena
REINO
DOS
REINOS
REINO
DA
BURGÚNDIA
IMPÉRIO ROMANO DO ORIENTE
N
0 500 km
3. As invasões bárbaras provocaram a destruição, a morte e o medo.
Por conseguinte, as populações refugiaram-se nas zonas rurais e nos
mosteiros. És capaz de seleccionar a palavra certa da coluna da direita?
4. Entre o século VIII e X, a Europa sofreu uma nova vaga de invasões,
protagonizada pelos Muçulmanos, Vikings e Húngaros. Completa o cru-
cigrama.
6. A Europa Medieval acabou por ter origem nesta miscelânea de
povos e culturas. Atribui cada objecto ao seu respectivo povo ou
cultura.
Alguns Povos Bárbaros
A S
S
N - S Õ
I I
R
Fundador da Ordem reli-
giosa dos beneditinos.
Aquele que dirige um mos-
teiro.
Clero que vive junto das
populações.
Clero que vive segundo uma
regra.
Aqueles que vivem nos mos-
teiros.
Centros de difusão cultural
Mosteiros
Clero regular
Clero secular
S. Bento de Núrsia
Monges
Abade
Horizontal
1. Povos invasores do Norte da
Europa
2. Outro nome dado aos Húngaros
3. Invasores vindos do Norte de
África
4. Acções de saque dos Vikings
Vertical
1. Nome dos barcos vikings
2. Povos do Norte da Europa que
devastaram a Itália
3. Terra dos Normandos
3
1
1
2
3
2
4
1 – Quando surgiu a religião muçulmana?
.
2 – Onde surgiu a religião muçulmana?
.
3 – Quem foi Maomé?
.
4 – O que é o Corão?
.
5 – Refere dois mandamentos do Corão.
.
6 – Como se chama a guerra santa dos Muçulmanos?
.
7 – Chegaste ao mercado! Indica dois produtos que estão à venda.
.
8 – O mercado está cheio de gente. Avança uma casa para poupares
tempo.
9 – Estás a passar por um campo que está a ser regado. Qual é o
instrumento usado?
.
10 – Já consegues avistar a mesquita! Indica duas características da
arquitectura muçulmana.
.
Ave simbólica Bíblia Alcorão
HISTÓRIA 7.° ANO
FICHA 7
INVASÃO MUÇULMANA DA PENÍNSULA IBÉRICA E RECONQUISTA CRISTÃ
CRISTÃOS E MUÇULMANOS NA PENÍNSULA IBÉRICA
NOME N.º TURMA
PROFESSOR AVALIAÇÃO
1. Como já aprendeste, em 711, os Muçulmanos, vindos do Norte
de África, invadiram, com rapidez e facilidade, a Península Ibérica.
A riqueza cultural da civilização islâmica manifestou-se em várias
áreas. Preenche a tabela.
Douro
Tejo
Guadiana
Guadalquivir
Ebro
Mar
Mediterrâneo
OCEANO
ATLÂNTICO
Navarra
Condado da
Catalunha
Aragão0 150 km
N
2. Houve, no entanto, um pequeno número de Visigodos que não aceitou
o domínio muçulmano, refugiando-se nas Astúrias e nos Pirenéus.
Estes iniciaram a Reconquista, dando origem a novos reinos e condados.
Faz a legenda do mapa.
3. A civilização muçulmana deixou marcas profundas no Sul do país,
área mais povoada e rica da Península Ibérica. Completa as pala-
vras cruzadas.
4. Foi a partir deste processo de Reconquista que se veio a formar
Portugal. No entanto, o processo foi lento e complexo. Queres
saber mais? Então, joga…
Arte Literatura Religião Matemática Cidades
Azulejo
Alcorão
Zero
Medina
Mil e Uma Noites
Poesia
Alaúde
Meca
Guerra Santa
Cúpulas
Minarete
Bagdad
Mesquita
Álgebra
Córdova
Cada aluno deve dizer uma letra até se completar as expressões. Se a letra pedida não fizer parte da expressão, completa-se
uma parte do corpo do enforcado. Quem conseguir acertar, escreve a expressão seguinte. O professor tem a lista das expres-
sões do jogo.
Boa sorte!
Horizontal
1.
2. Cristãos que viviam nos territó-
rios muçulmanos.
3. Cidade da Galiza, onde D. Afonso
Henriques prometeu fidelidade
a Afonso VII, rei de Leão.
4.
Vertical
1.
2. Cristãos que se converteram
ao Islão.
3. Cidade algarvia conquistada
por D. Afonso III.
4. Cidade alentejana com diversos
vestígios muçulmanos.
ROM
O
R
T
U
C
A S T U R I
L
E
P
A S
AZ A
3 4
4
2
2
1
1
3
HISTÓRIA 7.° ANO
FICHA 8ECONOMIA NOS SÉCULOS XII A XIV
DESENVOLVIMENTO ECONÓMICO. RELAÇÕES SOCIAIS E PODER POLÍTICO.
LISBOA NOS CIRCUITOS DO COMÉRCIO EUROPEU
NOME N.º TURMA
PROFESSOR AVALIAÇÃO
1. As feiras medievais eram locais de comércio, mas também luga-
res de festa e de convívio. O seu aparecimento esteve relacionado
com uma série de progressos técnicos na agricultura e nos trans-
portes. Assinala as imagens intrusas.
4. Sabes que muitas escolas e municípios já recriaram feiras medie-
vais. É um projecto que exige trabalho e conhecimento. Será que
estás preparado para participar?
Cultura de
Primavera
Pousio
Cultura de
Inverno
2. Para além dos progressos técnicos representados, houve outros que
se encontram na sopa de letras. Descobre-os.
3. Entre os séculos XII e XIV, em Portugal, foram criadas várias feiras.
Extrai do mapa os nomes que faltam na grelha.
5. A partir do século XII, as cidades europeias revelaram um grande
desenvolvimento. Completa os espaços em branco.
6. Viver nas cidades medievais não era fácil. Por vezes, era gente
a mais para um espaço tão reduzido. És capaz de reconstruir
o burgo de Feurs em França.
A ordem correcta das peças do puzzle é
A D U B A Ç A O C A
R S T Q E I V M R L
R P O R T U L A N O
O R A R I E Z O N S
T O E P C O N L A S
E N T A B P A P R U
I O S D N C V O A B
A R U D A R R E F C
S I B O R A R D X I
0 50 km
N
Melgaço
P. de Lima
Guimarães
Bragança
Miranda do
Douro
Coimbra Covilhã
Leiria
Santarém
Évora
Beja
Ourique
Loulé
Sabugal
GuardaViseu
Lamego
Valença
Feiras fundadas
no século XII
Feiras fundadas
no século XIII
Feiras fundadas
no século XIV
OCEANO
ATLÂNTICO
Trancoso
FEIRAS CRIADAS NO SÉCULO XII
FEIRAS CRIADAS NO SÉCULO XIII
FEIRAS CRIADAS NO SÉCULO XIV
TOTO-HISTÓRIA
1
Durante a realização das feiras medievais, os feirantes tinham direito a
1 - protecção de vidas e bens X - alojamento nos castelos 2 - refeições gratuitas
2
As feiras francas eram
1 - feiras realizadas em França X - feiras onde só se vendia gado 2 - feiras
isentas de impostos
3
Em Portugal, vários monarcas promoveram a criação de feiras através da atri-
buição de
1 - cartas de foral X - cartas de feira 2 - cartas de navegação
4
As principais feiras da Europa foram
1 - feiras da Champanha X- feiras modernas 2 - feiras equestres
5
O transporte dos produtos até às feiras era feito principalmente por
1 - navegadores X - almocreves 2 - camponeses
6
As vias de comunicação que aqueles transportadores usavam eram
1 - os lagos X - os rios 2 - as estradas
A reanimação das ficou a dever-se princi-
palmente ao desenvolvimento do .
A população urbana cresceu, em parte, devido ao êxodo
.
Nos novos burgos, viviam os , que se dedi-
cavam sobretudo ao e ao comércio.
Artesanato
Cidades
Burgueses
Rural
Comércio
1
5 6
2
4
31
HISTÓRIA 7.° ANO
FICHA 9
FOME, PESTE E GUERRA
CRISES E REVOLUÇÃO NO SÉCULO XIV
NOME N.º TURMA
PROFESSOR AVALIAÇÃO
1. O século XIV foi um século de crise para os vários países europeus.
Decifra as frases.
3. No entanto, foram sendo apresentadas soluções para resolver a
crise económica e social, através da Lei das Sesmarias.
Descobre-as no jogo da forca.
2. Portugal não conseguiu escapar àquela crise económica e social,
acrescentando-se ainda uma crise política.
Completa o crucigrama.
4. Em Portugal viveu-se mesmo um clima de instabilidade com a
questão dinástica após a morte de D. Fernando. És capaz de orde-
nar cronologicamente os acontecimentos?
Preparação da conspiração para assassinar
o conde Andeiro.
Cerco da cidade de Lisboa.
Batalha de Aljubarrota.
D. Leonor Teles assume a regência do reino.
Tratado de Salvaterra de Magos.
Povo aclama D. João Mestre de Avis “regedor
e defensor do reino”.
Arraia-miúda apoia D. João Mestre de Avis.
Nuno Álvares Pereira sai vitorioso na
Batalha dos Atoleiros.
Inauguração da Dinastia de Avis.
Aclamação de D. João Mestre de Avis, como rei de Portugal
(D. João I).
1411 – Assinatura da paz definitiva com Castela.
Morte de D. Fernando.
Reunião das Cortes em Coimbra.
Horizontal
1. Rei cuja morte provocou a crise
de 1383-1385
2. O mesmo que peste (pl.)
3.
4. Grande falta de alimentos no
séc. XIV (pl.)
5. Herdeira do trono português em
1383
6. Cidade portuguesa onde houve
tumultos em 1383
Vertical
1. Tipo de confrontos entre Portu-
gal e Castela
2. Cidade portuguesa onde se fez a
aclamação do Mestre de Avis
3.
4. Nome da mudança repentina e
perigosa na vida política portu-
guesa nos anos de 1383-1385
5. Local da batalha decisiva da
independência portuguesa em
1385.
6. Medida de D. Fernando para
resolver a crise agrícola nacio-
nal
R E V O L T A
V
I
S
S
2
2
3
3
1
1
4
4
6
6
5
5
Cada aluno deve dizer uma letra até se completar as expressões. Se a letra
pedida não fizer parte da expressão, completa-se uma parte do corpo do
enforcado. Quem conseguir acertar, escreve a expressão seguinte. O pro-
fessor tem a lista das expressões do jogo.
Boa sorte!
A B C D E É F G H I J L M
N O Ó P Q R S T U V X Z
.
X - Instrumentos mais perfeitos
X - Iluminação das cavernas
X - Cozinhar os alimentos
X - Defesa contra os animais ferozes
“Hoje, apenas conseguimos capturar animais de pequeno porte, como coelhos,
renas, aves e veados.
Mesmo caçando em grupo, os mamutes e os bisontes, ou seja, os grandes herbívoros
escaparam-nos. Logo agora, que precisava de ossos e peles para fazer uma tenda
nova. A minha está tão velhinha! Já não bastava a falta de frutos. Bem, teremos que
procurar outro lugar para viver”.
Estas pinturas e gravuras aparecem nas paredes e tectos das cavernas e ao ar livre.
Chama-se arte rupestre ou parietal. Só as Vénus é que podíamos transportar
quando andávamos de terra em terra.
6
5
4
D Homo Habilis A Homo Erectus C Homo Sapiens B Homo Sapiens Sapiens
1 – Oponência do polegar;
2 – Verticalidade/Bipedia
32
1
PROPOSTA DE RESOLUÇÃO
A figura representa uma anta ou dolmen.
FICHA 1
1
FICHA 2
1- Civilização Egípcia
2- Civilização Suméria
3- Civilização Hindu
4- Civilização Chinesa
A sociedade egípcia
Faraó e família
Sacerdotes
Escribas
Artífices
Camponeses
Escravos6
5
4
3
2
1
32
4
0 300 km
NN
Mar Negro
Mar
Vermelho
0 300 km0
Mar
Vermelho
0
Mar
Mediterrâneo
Vivo no Neolítico
Adoro a terra e os animais
Presto então culto
Aos fenómenos naturais.
Feitos de pedra
E de dimensões enormes
Construo menires
Antas ou dolmens.
Por que os faço?
É ainda duvidoso,
Mas são a prova
Do meu sentido religioso.
32
14
1 3
2 4
6
2
5
A figura representa um menir. A figura representa uma deusa-mãe.
2
3
1
Deuses
Atributos
Osíris
Deus da terra
e das semen-
teiras
Ísis
Deusa da fer-
tilidade
Hórus
Deus da res-
surreição
Anúbis
Deus dos
mortos
Tot
Deus da
escrita e da
sabedoria
Olá, Yussuf!
Estive na navegar na Internet (não sabes o que é, mas noutra carta explicar-te-ei) e
fiquei a saber que vocês, no Neolítico, deixaram de ser sedentários e passaram a ser
nómadas, porque se fixaram em terras férteis. Como tal, para além da agricultura,
dedicavam-se também à indústria metalúrgica e à extracção mineira.
X - Nessas comunidades, havia divisão do trabalho pelos vários elementos do aldeamento.
X - A diferenciação social baseava-se no tipo de trabalho, na idade e no sexo.
5
4
3
2
As manifestações artísticas egípcias
manifestam a sua profunda religiosidade.
Este povo construiu grandiosos túmulos,
mais conhecidos por pirâmides, assim
como templos. Estes monumentos eram
decorados com pinturas, esculturas e
baixos-relevos.
Na pintura, os artistas representavam os
seres humanos segundo a lei da frontali-
dade. Na escultura, as figuras humanas
eram esculpidas de forma rígida.
6
A Grécia fica no Mediterrâneo.
Na Grécia existiam as pólis.
As pólis eram cidades independentes.
1
FICHA 4
M E
OGA R
T
S
ELOPORCA
-
E N A
I
N
O
L
O
C
STA
D
A
D
I
C
A
D
O
R O
N
I
O
J
P O
P
R
T
O
L
A
T
R
A
P
S
E
E3
5 2
4
4
1
1
3
2
3
Teatro; Jogos Olímpicos; Filosofia
-A democracia ateniense era uma democracia directa, ou seja, todos os cida-
dãos tomavam decisões.
-Em qualquer regime democrático, o poder judicial é exercido pelos juízes e
pelos tribunais.
-A democracia ateniense permitia a existência do ostracismo e da pena de morte.
6
X
X
X5
4
• • Arpões
• • Biface
• • Raspador
Os faraós eram os chefes supremos da civilização egípcia.1
FICHA 3
Tenho mais de 20 anos e os
meus pais são atenienses. Já
cumpri o serviço militar.
Não nasci em Atenas, mas consi-
deram-me um homem livre. Sou
um artesão.
Fomos capturados na
guerra e agora servimos na
casa do cidadão Péricles.
Movimento
Perfeição
Desequilíbrio
Ordens Arqui-
tectónicas
Colunas
Desordem
Colossal
Simetria
F O I C E N C B
J M R T Q E A V
K U A R A D O D
M O E A R F L Z
D I O E P X C N
C E S T A R I A
C
S
S
F
A
U
A
W
E
D
T
J
V
Z L A H M O I U O X E
A S V R E P Y C Q I Z
O
N
A
F
A
R O X G K S E D L E K
M A T E M A T I C A
U I D A T O X G O P
M S T Q E I V M R U
U T R A D S D U I H
O R A R I E Z O N J
I O E P C O N L A R
E N T A I P A P R I
A O S D N C V O A C
L M O P A S D B V F
Z I M O R A R D X I
E A S J T I Q N G O
F
A
U
O
P
J
A
S
S
C
N
T
W
R K E B H X N E U Y M E
E
I
I
E
G
F
A
X
B
BACO • • DEUSA DA SABEDORIA
NEPTUNO • • DEUS DO FOGO
MARTE • • DEUS DO VINHO
MINERVA • • DEUSA DO AMOR
VULCANO • • DEUS DO MAR
VÉNUS • • DEUS DA GUERRA
PROPOSTA DE RESOLUÇÃO
1
2
2
3
3
FICHA 5
I
L A O N I M E O M D A A V
A S J I U A X O B L D D E
T C K E Ç E E O V A O M I
U O L A D I R E I T O I Y
R M X E R T C S D I B N A
S E A I E E I T O M J I R
O R U R I A T R G L E S F
P C N W O D O A A O F T P
A I C S P M L D V M T R A
R O M A N I Z A Ç A O A R
O C E S I F G S F A T Ç P
M P W C I D A D A N I A T
C O S T U M E S O P O O
4
5
Quem foi o primeiro impe-
rador romano?
X - Augusto
Qual foi o regime político
estabelecido por Octávio
César Augusto?
1 - Império
Quem comandava as
legiões do exército
romano?
2 - Imperador
Qual era a ordem consti-
tuída pelos governantes do
Império?
1 - Ordem
Senatorial
6
7
C R I
S
T
O
R
C
S
T
A
N
T
I
N
P
N
O
C
T
E
O
D
O
S
I
O
I
B
L
I
A
B
A
C
U
M
B
A
S
T
A
C
N I S M O
S
T
O
L
O
S
P
A
1
2
3
4
5
6
1
FICHA 6
Mar
Mediterrâneo
OCEANO
ATLÂNTICO
REINO
DOS SUEVOS
REINO
DOS
OSTROGODOS
Lombardos
Saxões
Búlgaros
Hunos
Eslavos
REINO
DOS VISIGODOS
Atenas
REINO
DOS
FRANCOS
REINOS
ANGLO-
-SAXÕES
REINO
DA
BURGÚNDIA
IMPÉRIO ROMANO DO ORIENTE
REINO
DOS VÂNDALOS
N
0 500 km
Alguns Povos bárbaros
VÂNDALOS
SUEVOS
ANGLO-SAXÕES
VISIGODOS
FRANCOS
Fundador da Ordem religiosa dos
beneditinos.
Aquele que dirige um mosteiro.
Clero que vive junto das populações.
Clero que vive segundo uma regra.
Aqueles que vivem nos mosteiros.
Centros de difusão cultural
S. Bento de Núrsia
Abade
Clero secular
Clero regular
Monges
Mosteiros
4
AIGAM R E S
M
A N O SMLUÇUM
N
D
I
A
L H A G E N S
R
A
K
K
A
R
D
ON M A N
G
A
R
O
S
U
H
D O S
P
O
N
3
1
1
2
3
2
4
1- Século VII.
2- Península Arábica.
3- Foi um profeta, fundador do Islamismo.
4- É o livro sagrado dos muçulmanos.
5
5- Crença em Alá e orar cinco vezes por dia na direcção de Meca.
6- Chama-se djihad.
7- Sedas da China e ouro de África.
9- Nora ou azenha.
10- O arco em ferradura e o azulejo.
Pagãos; Católicos; Mulçulmanos6
1 Arte
Azulejo
Literatura
Mil e Uma Noites
Religião
Alcorão
Matemática
Zero
Cidades
Meca
Alaúde Poesia Guerra Santa Álgebra Medina
Cúpulas Minarete Bagdad
Mesquita Córdova
FICHA 7
Cidades Romanas
A1QUAVIAEAFLA
OPOLISI
TAAUGUSCARABRA
LIAPAXIU
BRIGACONIM
BORAE
Nome actual
Chaves
O2 Lisboa
BRA3 Braga
PAX4 Beja
CO5 Coimbra
E
QUA
LI
CA
IU
NIM
BO
SI
RA
LIA
BRI
RA
FLA
PO
AU
GA
VIAE
GUS TA
6 Évora
2 1 3
Muçulmanos
Leão e Castela
Condado Portucalense
3
2
ROM
U
L
AÇ
U
O
R
T
U
C
A S T U R I
L
E
P
M R A
R
O
F
B E
R
T
O
L
A S
M
S
D
I
S
AZ A
3 4
4
2
2
1
1
3
4 B A T A L H A D E S. M A M E D E
T R A T A D O D E Z A M O R A
B U L A M A N I F E S T I S P R O B A T U M
T R A T A D O D E A L C A N I S E S
B A T A L H A D E O U R I Q U E
S A N C H O I I
A F O N S O I I I
12
11
11
10
10
10
9
8
8
7
7
6
5
5
4
4
3
3
3
2
1
2
2
6
8
10
9
9
9
11
Horizontais
1- Cidade onde D. Afonso Henriques conseguiu
o título de rei.
4- Região montanhosa do Norte da Península
Ibérica, a partir da qual os cristãos iniciaram
o processo de reconquista.
Verticais
1 - Nome antigo da cidade do Porto.
A reanimação das cidades ficou a dever-se principalmente ao desenvolvimento do
comércio. A população urbana cresceu, em parte, devido ao êxodo rural. Nos novos bur-
gos, viviam os burgueses, que se dedicavam sobretudo ao artesanato e ao comércio.
A ordem correcta das peças do puzzle é6
5
PROPOSTA DE RESOLUÇÃO
2
3
4
A Peste Negra assolou a Europa
A fome provocou revoltas.
A Guerra dos Cem Anos agravou a crise.
Horizontais
1- D. Fernando; 2- Epidemias; 3- Agitação ou levantamentos populares resultantes
do descontentamento.; 4- Fomes; 5- Beatriz; 6- Lisboa
Verticais
1- Guerras; 2- Coimbra; 3- Nome da Ordem militar e religiosa de que D. João era
mestre.; 4- Crise; 5- Aljubarrota; 6- Sesmarias
3
2
1
FICHA 9
TABELAMENTO DOS SALÁRIOS
OBRIGAÇÃO DE CULTIVO DAS TERRAS
PROIBIÇÃO DA MENDICIDADE
A D U B A Ç A O C A
R S T Q E I V M R L
R P O R T U L A N O
O R A R I E Z O N S
T O E P C O N L A S
E N T A B P A P R U
I O S D N C V O A B
A R U D A R R E F C
S I B O R A R D X I
FEIRAS CRIADAS NO SÉCULO XII
Ponte de Lima
Melgaço
FEIRAS CRIADAS NO SÉCULO XIII
Valença
Bragança
FEIRAS CRIADAS NO SÉCULO XIV
Viseu
Guimarães
TOTO-HISTÓRIA
1 1- protecção de vidas e bens
2 2- feiras isentas de impostos
3 X- Cartas de Feira
4 1- Feiras da Champanha
5 X- almocreves
6 2- as estradas
Preparação da conspiração para assassinar o conde Andeiro.
Cerco da cidade de Lisboa.
Batalha de Aljubarrota.
D. Leonor Teles assume a regência do reino.
Tratado de Salvaterra de Magos.
Povo aclama D. João Mestre de Avis “regedor e defensor do reino”.
Arraia-miúda apoia D. João Mestre de Avis.
Nuno Álvares Pereira sai vitorioso na Batalha dos Atoleiros.
Inauguração da Dinastia de Avis.
Aclamação de D. João Mestre de Avis, como rei de Portugal (D. João I).
1411 – Assinatura da paz definitiva com Castela.
Morte de D. Fernando.
Reunião das Cortes em Coimbra.9
2
13
10
11
8
5
6
1
3
12
7
44
43
1
5
62
1
FICHA 8
X
X

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Teste rochas 7º ano
Teste rochas 7º anoTeste rochas 7º ano
Teste rochas 7º ano
Sofia Ribeiro
 
ciencias-naturais-teste-sobre-minerais-e-rochas
ciencias-naturais-teste-sobre-minerais-e-rochasciencias-naturais-teste-sobre-minerais-e-rochas
ciencias-naturais-teste-sobre-minerais-e-rochas
Catarina Pereira
 
Teste de avaliação_população e povoamento
Teste de avaliação_população e povoamentoTeste de avaliação_população e povoamento
Teste de avaliação_população e povoamento
Raquel Antunes
 
Ficha de avaliaçao_-_relevo,_rios,_litoral,_catástrofes
Ficha de avaliaçao_-_relevo,_rios,_litoral,_catástrofesFicha de avaliaçao_-_relevo,_rios,_litoral,_catástrofes
Ficha de avaliaçao_-_relevo,_rios,_litoral,_catástrofes
Linda Pereira
 
Teste Diagnóstico
Teste DiagnósticoTeste Diagnóstico
Teste Diagnóstico
Patrícia Morais
 
Terra, um planeta especial
Terra, um planeta especialTerra, um planeta especial
Terra, um planeta especial
Joana Costa Pinto
 
Ficha janeiro em
Ficha janeiro emFicha janeiro em
Ficha janeiro em
Study With Us
 
1ª Ficha avaliação CN- 5º ano - 2021-22.docx
1ª Ficha avaliação CN- 5º ano - 2021-22.docx1ª Ficha avaliação CN- 5º ano - 2021-22.docx
1ª Ficha avaliação CN- 5º ano - 2021-22.docx
CarlaLaurencio
 
2º teste 7 nee
2º teste 7  nee2º teste 7  nee
2º teste 7 nee
Recepção /Atendimento
 
1ª Ficha De AvaliaçãO
1ª Ficha De AvaliaçãO1ª Ficha De AvaliaçãO
1ª Ficha De AvaliaçãO
Susana Sobrenome
 
Teste de História 8º ano- Porto Editora
Teste de História 8º ano- Porto EditoraTeste de História 8º ano- Porto Editora
Teste de História 8º ano- Porto Editora
Zé Mário
 
Ficha de estudo do meio - 1ª dinastia - 4º ano
Ficha de estudo do meio - 1ª dinastia - 4º anoFicha de estudo do meio - 1ª dinastia - 4º ano
Ficha de estudo do meio - 1ª dinastia - 4º ano
Ana Tapadinhas
 
Física e Química 7º Ano - Resumo
Física e Química 7º Ano - ResumoFísica e Química 7º Ano - Resumo
Física e Química 7º Ano - Resumo
ricardodavidtt
 
Teste diagnóstico_7
Teste diagnóstico_7Teste diagnóstico_7
Teste diagnóstico_7
Mayjö .
 
Teste historia renascimento
Teste historia renascimentoTeste historia renascimento
Teste historia renascimento
Alexandra Ribeiro
 
Ficha de avaliação estrutura etária, distribuição e migrações
Ficha de avaliação   estrutura etária, distribuição e migraçõesFicha de avaliação   estrutura etária, distribuição e migrações
Ficha de avaliação estrutura etária, distribuição e migrações
Linda Pereira
 
Ficha de trabalho nº 9 (países europeus)
Ficha de trabalho nº 9 (países europeus)Ficha de trabalho nº 9 (países europeus)
Ficha de trabalho nº 9 (países europeus)
Andreia Margarido
 
Ficha UE
Ficha UEFicha UE
Ficha ava 4a
Ficha ava 4aFicha ava 4a
Ficha ava 4a
Sofia Mendes
 
Ficha de trabalho_nº1
Ficha de trabalho_nº1Ficha de trabalho_nº1
Ficha de trabalho_nº1
Deolinda Silva
 

Mais procurados (20)

Teste rochas 7º ano
Teste rochas 7º anoTeste rochas 7º ano
Teste rochas 7º ano
 
ciencias-naturais-teste-sobre-minerais-e-rochas
ciencias-naturais-teste-sobre-minerais-e-rochasciencias-naturais-teste-sobre-minerais-e-rochas
ciencias-naturais-teste-sobre-minerais-e-rochas
 
Teste de avaliação_população e povoamento
Teste de avaliação_população e povoamentoTeste de avaliação_população e povoamento
Teste de avaliação_população e povoamento
 
Ficha de avaliaçao_-_relevo,_rios,_litoral,_catástrofes
Ficha de avaliaçao_-_relevo,_rios,_litoral,_catástrofesFicha de avaliaçao_-_relevo,_rios,_litoral,_catástrofes
Ficha de avaliaçao_-_relevo,_rios,_litoral,_catástrofes
 
Teste Diagnóstico
Teste DiagnósticoTeste Diagnóstico
Teste Diagnóstico
 
Terra, um planeta especial
Terra, um planeta especialTerra, um planeta especial
Terra, um planeta especial
 
Ficha janeiro em
Ficha janeiro emFicha janeiro em
Ficha janeiro em
 
1ª Ficha avaliação CN- 5º ano - 2021-22.docx
1ª Ficha avaliação CN- 5º ano - 2021-22.docx1ª Ficha avaliação CN- 5º ano - 2021-22.docx
1ª Ficha avaliação CN- 5º ano - 2021-22.docx
 
2º teste 7 nee
2º teste 7  nee2º teste 7  nee
2º teste 7 nee
 
1ª Ficha De AvaliaçãO
1ª Ficha De AvaliaçãO1ª Ficha De AvaliaçãO
1ª Ficha De AvaliaçãO
 
Teste de História 8º ano- Porto Editora
Teste de História 8º ano- Porto EditoraTeste de História 8º ano- Porto Editora
Teste de História 8º ano- Porto Editora
 
Ficha de estudo do meio - 1ª dinastia - 4º ano
Ficha de estudo do meio - 1ª dinastia - 4º anoFicha de estudo do meio - 1ª dinastia - 4º ano
Ficha de estudo do meio - 1ª dinastia - 4º ano
 
Física e Química 7º Ano - Resumo
Física e Química 7º Ano - ResumoFísica e Química 7º Ano - Resumo
Física e Química 7º Ano - Resumo
 
Teste diagnóstico_7
Teste diagnóstico_7Teste diagnóstico_7
Teste diagnóstico_7
 
Teste historia renascimento
Teste historia renascimentoTeste historia renascimento
Teste historia renascimento
 
Ficha de avaliação estrutura etária, distribuição e migrações
Ficha de avaliação   estrutura etária, distribuição e migraçõesFicha de avaliação   estrutura etária, distribuição e migrações
Ficha de avaliação estrutura etária, distribuição e migrações
 
Ficha de trabalho nº 9 (países europeus)
Ficha de trabalho nº 9 (países europeus)Ficha de trabalho nº 9 (países europeus)
Ficha de trabalho nº 9 (países europeus)
 
Ficha UE
Ficha UEFicha UE
Ficha UE
 
Ficha ava 4a
Ficha ava 4aFicha ava 4a
Ficha ava 4a
 
Ficha de trabalho_nº1
Ficha de trabalho_nº1Ficha de trabalho_nº1
Ficha de trabalho_nº1
 

Semelhante a Varias fichas-de-trabalho-de-historia

História - Pré história
História - Pré históriaHistória - Pré história
História - Pré história
Dorinha Matias
 
Grecia antiga
Grecia antigaGrecia antiga
Grecia antiga
Nelton Araujo
 
4º ano 3ª apostila
4º ano 3ª apostila4º ano 3ª apostila
4º ano 3ª apostila
analucia798837
 
enemaulao-120318075454-phpapp01.pdf
enemaulao-120318075454-phpapp01.pdfenemaulao-120318075454-phpapp01.pdf
enemaulao-120318075454-phpapp01.pdf
Renecassio Vasconcelos
 
Roteiro diversidade autoral_1
Roteiro diversidade autoral_1Roteiro diversidade autoral_1
Roteiro diversidade autoral_1
escolacaiosergio
 
O ofício de etnólogo ou como ter anthropological blues, Roberto Damata
O ofício de etnólogo ou como ter anthropological blues, Roberto DamataO ofício de etnólogo ou como ter anthropological blues, Roberto Damata
O ofício de etnólogo ou como ter anthropological blues, Roberto Damata
Maracy Guimaraes
 
Prova do simulado 1 ano da escola Acy Jesus (noite 2010)
Prova do simulado 1 ano da escola Acy Jesus (noite 2010)Prova do simulado 1 ano da escola Acy Jesus (noite 2010)
Prova do simulado 1 ano da escola Acy Jesus (noite 2010)
Nilson
 
05 por que estudamos história
05   por que estudamos história05   por que estudamos história
05 por que estudamos história
Renata Telha
 
Historia vol 1
Historia vol 1Historia vol 1
Historia vol 1
Blaunier Matheus
 
Portifolio pcte matutino
Portifolio pcte matutinoPortifolio pcte matutino
Portifolio pcte matutino
Delziene Jesus
 
Ae vh7 ficha_avaliacao_3b
Ae vh7 ficha_avaliacao_3bAe vh7 ficha_avaliacao_3b
Ae vh7 ficha_avaliacao_3b
Cristina Albuquerque
 
6ano sugestão avaliacao
6ano sugestão avaliacao6ano sugestão avaliacao
6ano sugestão avaliacao
Nivea Neves
 
Escola Estadual Antonio Carlos de Brito
Escola Estadual Antonio Carlos de BritoEscola Estadual Antonio Carlos de Brito
Escola Estadual Antonio Carlos de Brito
weleslima
 
66hhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhh6649.pdf
66hhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhh6649.pdf66hhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhh6649.pdf
66hhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhh6649.pdf
LEANDROSPANHOL1
 
Leitura de imagens em todas as disciplinas
Leitura de imagens em todas as disciplinasLeitura de imagens em todas as disciplinas
Leitura de imagens em todas as disciplinas
Fabiola Oliveira
 
Teste História 1 7ºB.pdf
Teste História 1 7ºB.pdfTeste História 1 7ºB.pdf
Teste História 1 7ºB.pdf
PauloAlexandredaRoch
 
A atitude científica
A atitude científica A atitude científica
A atitude científica
Katharine Fontes
 
HistóRia E Conhecimento
HistóRia E Conhecimento HistóRia E Conhecimento
HistóRia E Conhecimento
Carlos Teles de Menezes Junior
 
Genese social da_gente_bandeirante_1944
Genese social da_gente_bandeirante_1944Genese social da_gente_bandeirante_1944
Genese social da_gente_bandeirante_1944
Pedro Duracenko
 
Fundamental 1 - Carandá Vivavida
Fundamental 1 - Carandá VivavidaFundamental 1 - Carandá Vivavida
Fundamental 1 - Carandá Vivavida
Carandá Vivavida
 

Semelhante a Varias fichas-de-trabalho-de-historia (20)

História - Pré história
História - Pré históriaHistória - Pré história
História - Pré história
 
Grecia antiga
Grecia antigaGrecia antiga
Grecia antiga
 
4º ano 3ª apostila
4º ano 3ª apostila4º ano 3ª apostila
4º ano 3ª apostila
 
enemaulao-120318075454-phpapp01.pdf
enemaulao-120318075454-phpapp01.pdfenemaulao-120318075454-phpapp01.pdf
enemaulao-120318075454-phpapp01.pdf
 
Roteiro diversidade autoral_1
Roteiro diversidade autoral_1Roteiro diversidade autoral_1
Roteiro diversidade autoral_1
 
O ofício de etnólogo ou como ter anthropological blues, Roberto Damata
O ofício de etnólogo ou como ter anthropological blues, Roberto DamataO ofício de etnólogo ou como ter anthropological blues, Roberto Damata
O ofício de etnólogo ou como ter anthropological blues, Roberto Damata
 
Prova do simulado 1 ano da escola Acy Jesus (noite 2010)
Prova do simulado 1 ano da escola Acy Jesus (noite 2010)Prova do simulado 1 ano da escola Acy Jesus (noite 2010)
Prova do simulado 1 ano da escola Acy Jesus (noite 2010)
 
05 por que estudamos história
05   por que estudamos história05   por que estudamos história
05 por que estudamos história
 
Historia vol 1
Historia vol 1Historia vol 1
Historia vol 1
 
Portifolio pcte matutino
Portifolio pcte matutinoPortifolio pcte matutino
Portifolio pcte matutino
 
Ae vh7 ficha_avaliacao_3b
Ae vh7 ficha_avaliacao_3bAe vh7 ficha_avaliacao_3b
Ae vh7 ficha_avaliacao_3b
 
6ano sugestão avaliacao
6ano sugestão avaliacao6ano sugestão avaliacao
6ano sugestão avaliacao
 
Escola Estadual Antonio Carlos de Brito
Escola Estadual Antonio Carlos de BritoEscola Estadual Antonio Carlos de Brito
Escola Estadual Antonio Carlos de Brito
 
66hhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhh6649.pdf
66hhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhh6649.pdf66hhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhh6649.pdf
66hhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhh6649.pdf
 
Leitura de imagens em todas as disciplinas
Leitura de imagens em todas as disciplinasLeitura de imagens em todas as disciplinas
Leitura de imagens em todas as disciplinas
 
Teste História 1 7ºB.pdf
Teste História 1 7ºB.pdfTeste História 1 7ºB.pdf
Teste História 1 7ºB.pdf
 
A atitude científica
A atitude científica A atitude científica
A atitude científica
 
HistóRia E Conhecimento
HistóRia E Conhecimento HistóRia E Conhecimento
HistóRia E Conhecimento
 
Genese social da_gente_bandeirante_1944
Genese social da_gente_bandeirante_1944Genese social da_gente_bandeirante_1944
Genese social da_gente_bandeirante_1944
 
Fundamental 1 - Carandá Vivavida
Fundamental 1 - Carandá VivavidaFundamental 1 - Carandá Vivavida
Fundamental 1 - Carandá Vivavida
 

Mais de Drª Conceição Figueiredo

historia 7 ano
historia 7 anohistoria 7 ano
HGP 6ano_
HGP 6ano_HGP 6ano_
HISTORIA 5 ANO
HISTORIA 5 ANOHISTORIA 5 ANO
Migraçoes
MigraçoesMigraçoes
Ematematica 7 ano
Ematematica 7 anoEmatematica 7 ano
Ematematica 7 ano
Drª Conceição Figueiredo
 
Matemática 7 ano
Matemática 7 anoMatemática 7 ano
Matemática 7 ano
Drª Conceição Figueiredo
 
Eqmatemática 7 ano
Eqmatemática 7 anoEqmatemática 7 ano
Eqmatemática 7 ano
Drª Conceição Figueiredo
 
Alq1 misturas
Alq1 misturasAlq1 misturas
historia 7 ano
historia 7 anohistoria 7 ano
Francês 8 ano
Francês 8 anoFrancês 8 ano
Trabalho de geografia
Trabalho de geografiaTrabalho de geografia
Trabalho de geografia
Drª Conceição Figueiredo
 
áLgebra linear i programa
áLgebra linear i   programaáLgebra linear i   programa
áLgebra linear i programa
Drª Conceição Figueiredo
 
Proposta exame 4
Proposta exame 4Proposta exame 4
Proposta exame 4
Drª Conceição Figueiredo
 
O turismo
O turismoO turismo

Mais de Drª Conceição Figueiredo (16)

historia 7 ano
historia 7 anohistoria 7 ano
historia 7 ano
 
HGP 6ano_
HGP 6ano_HGP 6ano_
HGP 6ano_
 
HISTORIA 5 ANO
HISTORIA 5 ANOHISTORIA 5 ANO
HISTORIA 5 ANO
 
Migraçoes
MigraçoesMigraçoes
Migraçoes
 
Ematematica 7 ano
Ematematica 7 anoEmatematica 7 ano
Ematematica 7 ano
 
Matemática 7 ano
Matemática 7 anoMatemática 7 ano
Matemática 7 ano
 
Eqmatemática 7 ano
Eqmatemática 7 anoEqmatemática 7 ano
Eqmatemática 7 ano
 
Teste 2
Teste 2Teste 2
Teste 2
 
Alq1 misturas
Alq1 misturasAlq1 misturas
Alq1 misturas
 
historia 7 ano
historia 7 anohistoria 7 ano
historia 7 ano
 
Francês 8 ano
Francês 8 anoFrancês 8 ano
Francês 8 ano
 
Trabalho de geografia
Trabalho de geografiaTrabalho de geografia
Trabalho de geografia
 
áLgebra linear i programa
áLgebra linear i   programaáLgebra linear i   programa
áLgebra linear i programa
 
Fiche de travaille nº 2
Fiche de travaille nº 2Fiche de travaille nº 2
Fiche de travaille nº 2
 
Proposta exame 4
Proposta exame 4Proposta exame 4
Proposta exame 4
 
O turismo
O turismoO turismo
O turismo
 

Último

Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Leonel Morgado
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Mary Alvarenga
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
arodatos81
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
Sandra Pratas
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
felipescherner
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
marcos oliveira
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
deboracorrea21
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
LeilaVilasboas
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
marcos oliveira
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Colaborar Educacional
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 

Último (20)

Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 

Varias fichas-de-trabalho-de-historia

  • 1. Caro(a) professor(a) As aulas de acompanhamento educativo (anteriormente designadas aulas de substituição) vieram colocar novos desafios às escolas e aos professores. Esta realidade vivida pelos professores levou-nos a acompanhar algumas experiências no sentido de conhe- cer as melhores formas de desenvolver actividades nas aulas de acompanhamento educativo. Das várias experiências que fomos acompanhando, cons- tatámos que, para além de outros registos organizativos, a situação de trabalho no contexto da sala de aula é a preferida pelos professores. Não sendo professor da dis- ciplina, o docente substituto encontra nas fichas de tra- balho um meio de optimizar a relação pedagógica face a uma turma que não conhece. Como responsáveis pela edição de manuais e materiais de apoio para os alunos, não podíamos deixar de colaborar com os professores nesta nova situação pedagógica. Assim, disponibilizamos um conjunto de fichas para oito disciplinas – Língua Portuguesa, Inglês, Francês, História, Geografia, Matemática, Ciências Físico-Químicas e Ciên- cias Naturais. Para cada professor será disponibilizado, em papel e em CD, o volume correspondente à sua disci- plina. Estas fichas poderão ser organizadas num dossier interdisciplinar a ser usado pelos professores de acordo com o esquema organizativo adoptado pela escola. Este material poderá, também, ser utilizado, como recurso pedagógico, noutros contextos de ensino-aprendizagem.
  • 2. 1 – 2 – HISTÓRIA 7.° ANO FICHA 1 O PALEOLÍTICO SOCIEDADES RECOLECTORAS E AS PRIMEIRAS SOCIEDADES PRODUTORAS NOME N.º TURMA PROFESSOR AVALIAÇÃO 1. Será que consegues ajudar os hominídeos que andam perdidos no tempo? (Ajuda: coloca a letra no respectivo quadrado) 4. O Homem conseguiu aperfeiçoar alguns destes instrumentos gra- ças à descoberta do fogo. O fogo trouxe ainda outras alterações às suas condições de vida. Assinála-as com um X. Instrumentos mais perfeitos Iluminação das cavernas Arrefecimento das cavernas Valorização da vida individual Cozinhar os alimentos Defesa contra os animais ferozes 3. No Paleolítico, fabricavam vários tipos de instrumentos. Como se chamavam? (Ajuda: faz a ligação entre os objectos e os seus nomes.) • • Arpões • • Biface • • Raspador Homo habilis A Homo sapiens C Homo erectus B Homo sapiens sapiens D 2. Há duas características essenciais que nos distinguem dos primatas. Descobre-as com a ajuda das imagens. 5. Nesta imagem podemos ver alguns homens que vêm de uma caçada. Em baixo tens as suas memórias desse dia. Consegues completar a mensagem? “Hoje, apenas conseguimos capturar animais de porte, como , , e . Mesmo caçando em grupo, os e os , ou seja, os grandes herbívoros escaparam-nos. Logo agora, que precisava de e para fazer uma tenda nova. A minha está tão velhinha! Já não bastava a falta de frutos. Bem, teremos que procurar outro lugar para viver.” Estas pinturas e gravuras aparecem nas paredes e tectos das e ao ar livre. Chama-se arte ou . Só as é que podíamos transportar quando andávamos de terra em terra. 6. Esta caçada não correu muito bem. Sabes por quê? Os homens do Paleolítico acreditavam que deviam realizar ritos mágicos para as caçadas correrem bem. Como podes observar nas imagens, algumas caçadas corriam bem melhor!
  • 3. 1 HISTÓRIA 7.° ANO FICHA 2 O NEOLÍTICO SOCIEDADES RECOLECTORAS E AS PRIMEIRAS SOCIEDADES PRODUTORAS NOME N.º TURMA PROFESSOR AVALIAÇÃO 1. Pinta no mapa a região onde se localizaram os primeiros aldea- mentos do Neolítico? 2. Este texto foi enviado por um aluno a um homem do Neolítico. Ao lê-lo notarás que tem quatro erros. Sublinha-os. Olá, Yussuf! Estive a navegar na Internet (não sabes o que é, mas noutra carta explicar-te-ei) e fiquei a saber que vocês, no Neolítico, deixaram de ser sedentários e passaram a ser nómadas, porque se fixaram em terras férteis. Como tal, para além da agricultura, dedicavam-se tam- bém à indústria metalúrgica e à extracção mineira. A figura representa uma ou . A figura representa um . A figura representa uma . 3. Como viste, aquele teu colega desconhecia algumas característi- cas da economia de produção do Neolítico. E tu, consegues identi- ficar, na sopa de letras, algumas actividades, materiais e instru- mentos usados nesta altura. 4. Vamos jogar ao “caça a verdade”. Quais são as frases verdadeiras? Assinala-as com um X. Nas primeiras comunidades neolíticas não havia diferenciação social. Nessas comunidades, havia divisão do trabalho pelos vários elementos do aldeamento. A defesa, a pastorícia e a pesca eram as tarefas das mulheres. Os camponeses e os artesãos eram os mais poderosos. A diferenciação social baseava-se no tipo de trabalho, na idade e no sexo. 5. A cantar e a rimar é mais fácil memorizar. Completa os seguintes versos. 6. Vamos construir puzzles. Ordena as figuras de forma a reconstruí- res as imagens. Vivo no Neolítico Adoro a terra e os ani- mais Presto então culto Aos fenómenos . Feitos de pedra E de dimensões enor- mes Construo menires Antas ou . Por que os faço? É ainda duvidoso, Mas são a prova Do meu sentido . 0 300 km N Mar Mediterrâneo Mar Negro Mar Vermelho 0 300 km N Mar Mediterrâneo Mar Negro Mar Vermelho F O I C E N C B J M R T Q E A V K U A R A D O D M O E A R F L Z D I O E P X C N C E S T A R I A C S S F A U A W E D T J V Z L A H M O I U O X E A S V R E P Y C Q I Z O N A F A R O X G K S E D L E K 1 2 321 1 2 3 4 3 4 1 1
  • 4. 1 2 3 4 Tigre Eufrates Nilo Indo Ganges Amarelo Mar Mediterrâneo MarVermelho N 0 2000 km HISTÓRIA 7.° ANO FICHA 3 A CIVILIZAÇÃO EGÍPCIA UMA CIVILIZAÇÃO DOS GRANDES RIOS NOME N.º TURMA PROFESSOR AVALIAÇÃO O faraó precisa que construas a pirâmide para a sua vida eterna. Por cada resposta correcta, ganhas os blocos de pedra necessá- rios à tua grandiosa construção. 1. Os faraós eram os chefes supremos de uma civilização. Qual? (Se a resposta estiver correcta, podes pintar o primeiro bloco) 5. Os egípcios desenvolveram várias ciências. Descobre quatro na sopa de letras. (Se acertaste na resposta, podes pintar o sexto e o sétimo blocos) (Se a resposta estiver correcta, pinta os três blocos seguintes) 4. Os Egípcios eram um povo politeísta, ou seja, prestavam culto a vários deuses. Lembras-te dos atributos dos deuses representa- dos? 2. Para além dessa civilização, outras três se formaram junto dos grandes rios. Faz a legenda do mapa. 6. Os Egípcios também foram exímios arquitectos, escultores e pin- tores. Preenche os espaços em branco para conseguires o teu último bloco. As manifestações artísticas egípcias manifestam a sua profunda reli- giosidade. Este povo construiu grandiosos , mais conhecidos por pirâmides, assim como templos. Estes monu- mentos eram decorados com pinturas, esculturas e . Na pintura, os artistas representavam os seres humanos segundo a lei da . Na escultura, as figuras humanas eram esculpidas de forma . 3. Como já sabes, a sociedade egípcia era muito estratificada. Ordena por ordem crescente de importância os vários estratos sociais. Escribas Sacerdotes Artífices Faraó e família Escravos Camponeses (Se a resposta estiver correcta, podes pintar o quarto e quinto blocos) 1 - Civilização . 2 - Civilização . 3 - Civilização . 4 - Civilização . (Se a resposta estiver correcta, podes pintar o segundo e o terceiro blocos) Deuses Atributos Osíris Ísis Hórus Anúbis Tot M A T E M A T I C A U I D A T O X G O P M S T Q E I V M R U U T R A D S D U I H O R A R I E Z O N J I O E P C O N L A R E N T A I P A P R I A O S D N C V O A C L M O P A S D B V F Z I M O R A R D X I E A S J T I Q N G O F A U O P J A S S C N T W R K E B H X N E U Y M E E I I E G F A X B
  • 5. 2 HISTÓRIA 7.° ANO FICHA 4 A CIVILIZAÇÃO GREGA NO SÉCULO V A. C. OS GREGOS NO SÉCULO V A. C. NOME N.º TURMA PROFESSOR AVALIAÇÃO 1. Na Antiguidade Clássica, desenvolveu-se na Península Balcânica a Civilização Grega. Decifra as frases sobre essa civilização. 2. As pólis ou cidades-estados foram fundamentais para o desenvolvimento da Civilização Grega. Consegues resolver o crucigrama? 3. Na sociedade ateniense do século V a. C. existiam três grupos sociais diferentes. Faz a correspondência dos balões com as res- pectivas imagens. 4. O cidadão ateniense tinha uma formação física e intelectual em diversas áreas e manifestações culturais. Descobre-as a partir das imagens. 5. A democracia ateniense tinha características diferentes da democracia portuguesa. Assinala, com um X, as frases verda- deiras. A democracia ateniense era uma democracia directa, ou seja, todos os cidadãos tomavam decisões. Quer na democracia ateniense quer na nossa democracia, não há igualdade de direitos entre os cidadãos. Em qualquer regime democrático, o poder judicial é exercido pelos juízes e pelos tribunais. A democracia ateniense permitia a existência do ostracismo e da pena de morte. 6. Os ideais artísticos da Civilização Grega acabaram por influenciar a cultura europeia. Assinala as características da arquitectura grega, circundando as palavras correctas. Horizontal 1. Parte mais elevada da cidade. 2. Local destinado ao comércio. 3. Cidade-mãe. 4. Cidade-estado mais rica no século V a. C. Vertical 1. Forma de organização política na Grécia. 2. Local onde se estabele- cem relações com o exterior. 3. Cidade nova fundada pela cidade-mãe. 4. Importante cidade- -estado no Peloponeso. 5. Mar que banha a Grécia. Tenho mais de 20 anos e os meus pais são atenienses. Já cumpri o serviço militar. Fomos capturados na guerra e agora servimos na casa do cidadão Péricles. Movimento Perfeição Desequilíbrio Ordens arqui- tectónicas Proporção Desordem Colossal Simetria 3 5 2 4 4 1 1 3 A B C D E É F G H I J L M N O Ó P Q R S T U V X Z . . . Não nasci em Atenas, mas consideram-me um homem livre. Sou um artesão.
  • 6. N LUSITÂNIA 0 30 km C R I S T I A N I S M O I HISTÓRIA 7.° ANO FICHA 5O MUNDO ROMANO E O CRISTIANISMO O MUNDO ROMANO NO APOGEU DO IMPÉRIO ORIGEM E DIFUSÃO DO CRISTIANISMO NOME N.º TURMA PROFESSOR AVALIAÇÃO 1. Ajuda o soldado romano a chegar à Lusitânia sem passar duas vezes pelo mesmo número. 4. Sabes jogar à Toto-História? Só tens de assinalar a opção cor- recta! Não vale palpites! Põe à prova os teus conhecimentos. 6. Quer nas conquistas quer nestas construções, os deuses romanos sempre apoiaram os Romanos. Cada um tinha a sua função. És capaz de fazer a correspondência entre as colunas? 7. No tempo do imperador Augusto surgiu o Cristianismo. Progressi- vamente, os Romanos tornaram-se monoteístas. Completa o cru- cigrama. 5. Por todo o Império, os Romanos, fizeram uma série de constru- ções. Lembras-te como se chamam? Coloca o número correspon- dente junto à imagem 1 - Arco do Triunfo 2 - Coliseu 3 - Aqueduto 2. A conquista de toda a Península Ibérica foi uma tarefa difícil. Mas, segundo o dito popular, não há ganho sem trabalho. Decifra os nomes de algumas cidades romanas estabelecidas em território actualmente português. 3. Para integrarem os povos conquistados os Romanos usaram vários instrumentos de integração. Descobre-os na sopa de letras. Cidades Romanas 1QUAVIAEAFLA OPOLISI TAAUGUSCARABRA LIAPAXIU BRIGACONIM BORAE Nome actual 2 3 4 5 6 L A O N I M E O M D A A V A S J I U A X O B L D D E T C K E Ç E E O V A O M I U O L A D I R E I T O I Y R M X E R T C S D I B N A S E A I E E I T O M J I R O R U R I A T R G L E S F P C N W O D O A A O F T P A I C S P M L D V M T R A R O M A N I Z A Ç A O A R O C E S I F G S F A T Ç P M P W C I D A D A N I A T C O S T U M E S O P O O Quem foi o primeiro impe- rador romano? 1 - Flávio X - Augusto 2 - Filipe Qual foi o regime político estabelecido por Octávio César Augusto? 1 - Império X - República 2 - Monarquia Quem comandava as legiões do exército romano? 1 - Plebeus X - Senadores 2 - Imperador Qual era a ordem consti- tuída pelos governantes do Império? BACO • • DEUSA DA SABEDORIA NEPTUNO • • DEUS DO FOGO MARTE • • DEUS DO VINHO MINERVA • • DEUSA DO AMOR VULCANO • • DEUS DO MAR VÉNUS • • DEUS DA GUERRA 1 - Ordem Senatorial X - Ordem Equestre 2 - Ordem dos Decuriões 1. Messias do Cristianismo 2. Imperador que promulgou o Édito de Milão 3. Imperador que tornou o Cristianismo religião oficial do Império 4. Livro sagrado do Cristianismo 5. Local de reunião dos cristãos 6. Nome dado aos discípulos de Cristo. 1 2 3 4 5 6 1 2 3 3 3 4 4 5 5 6 7 7 8 8 8 9 9 9 9 10 10 10 10 11 12 11 116 2 2
  • 7. HISTÓRIA 7.° ANO FICHA 6 AS INVASÕES BÁRBARAS E A FORMAÇÃO DA CRISTANDADE OCIDENTAL A EUROPA DO SÉCULO VI AO SÉCULO IX NOME N.º TURMA PROFESSOR AVALIAÇÃO 1. Já sabes que, a partir do século V, diversos povos bárbaros invadiram e conquistaram o Império Romano do Ocidente. Decifra as palavras. 2. Estes bárbaros fixaram-se em diferentes regiões do antigo Impé- rio Romano, onde formaram reinos. Localiza-os no mapa. 5. A invasão muçulmana atingiu sobretudo a Península Ibérica. Aquela civilização foi brilhante em várias áreas, desde a economia até à cultura. Propomos-te que ajudes o Abdelilah a chegar à mes- quita para fazer as suas orações. Sempre que parares para pedi- res informações, os habitantes da cidade colocam-te uma questão sobre a sua cultura. Boa sorte e não te metas por atalhos!!! Toledo Mar Mediterrâneo OCEANO ATLÂNTICO Paris REINO DOS SUEVOS REINO DOS Lombardos Saxões Búlgaros Hunos REINO DOS VÂNDALOS Eslavos Mar Negro Mar do Norte Mar Báltico Roma Constantinopla Cartago REINO DOS Atenas Ravena REINO DOS REINOS REINO DA BURGÚNDIA IMPÉRIO ROMANO DO ORIENTE N 0 500 km 3. As invasões bárbaras provocaram a destruição, a morte e o medo. Por conseguinte, as populações refugiaram-se nas zonas rurais e nos mosteiros. És capaz de seleccionar a palavra certa da coluna da direita? 4. Entre o século VIII e X, a Europa sofreu uma nova vaga de invasões, protagonizada pelos Muçulmanos, Vikings e Húngaros. Completa o cru- cigrama. 6. A Europa Medieval acabou por ter origem nesta miscelânea de povos e culturas. Atribui cada objecto ao seu respectivo povo ou cultura. Alguns Povos Bárbaros A S S N - S Õ I I R Fundador da Ordem reli- giosa dos beneditinos. Aquele que dirige um mos- teiro. Clero que vive junto das populações. Clero que vive segundo uma regra. Aqueles que vivem nos mos- teiros. Centros de difusão cultural Mosteiros Clero regular Clero secular S. Bento de Núrsia Monges Abade Horizontal 1. Povos invasores do Norte da Europa 2. Outro nome dado aos Húngaros 3. Invasores vindos do Norte de África 4. Acções de saque dos Vikings Vertical 1. Nome dos barcos vikings 2. Povos do Norte da Europa que devastaram a Itália 3. Terra dos Normandos 3 1 1 2 3 2 4 1 – Quando surgiu a religião muçulmana? . 2 – Onde surgiu a religião muçulmana? . 3 – Quem foi Maomé? . 4 – O que é o Corão? . 5 – Refere dois mandamentos do Corão. . 6 – Como se chama a guerra santa dos Muçulmanos? . 7 – Chegaste ao mercado! Indica dois produtos que estão à venda. . 8 – O mercado está cheio de gente. Avança uma casa para poupares tempo. 9 – Estás a passar por um campo que está a ser regado. Qual é o instrumento usado? . 10 – Já consegues avistar a mesquita! Indica duas características da arquitectura muçulmana. . Ave simbólica Bíblia Alcorão
  • 8. HISTÓRIA 7.° ANO FICHA 7 INVASÃO MUÇULMANA DA PENÍNSULA IBÉRICA E RECONQUISTA CRISTÃ CRISTÃOS E MUÇULMANOS NA PENÍNSULA IBÉRICA NOME N.º TURMA PROFESSOR AVALIAÇÃO 1. Como já aprendeste, em 711, os Muçulmanos, vindos do Norte de África, invadiram, com rapidez e facilidade, a Península Ibérica. A riqueza cultural da civilização islâmica manifestou-se em várias áreas. Preenche a tabela. Douro Tejo Guadiana Guadalquivir Ebro Mar Mediterrâneo OCEANO ATLÂNTICO Navarra Condado da Catalunha Aragão0 150 km N 2. Houve, no entanto, um pequeno número de Visigodos que não aceitou o domínio muçulmano, refugiando-se nas Astúrias e nos Pirenéus. Estes iniciaram a Reconquista, dando origem a novos reinos e condados. Faz a legenda do mapa. 3. A civilização muçulmana deixou marcas profundas no Sul do país, área mais povoada e rica da Península Ibérica. Completa as pala- vras cruzadas. 4. Foi a partir deste processo de Reconquista que se veio a formar Portugal. No entanto, o processo foi lento e complexo. Queres saber mais? Então, joga… Arte Literatura Religião Matemática Cidades Azulejo Alcorão Zero Medina Mil e Uma Noites Poesia Alaúde Meca Guerra Santa Cúpulas Minarete Bagdad Mesquita Álgebra Córdova Cada aluno deve dizer uma letra até se completar as expressões. Se a letra pedida não fizer parte da expressão, completa-se uma parte do corpo do enforcado. Quem conseguir acertar, escreve a expressão seguinte. O professor tem a lista das expres- sões do jogo. Boa sorte! Horizontal 1. 2. Cristãos que viviam nos territó- rios muçulmanos. 3. Cidade da Galiza, onde D. Afonso Henriques prometeu fidelidade a Afonso VII, rei de Leão. 4. Vertical 1. 2. Cristãos que se converteram ao Islão. 3. Cidade algarvia conquistada por D. Afonso III. 4. Cidade alentejana com diversos vestígios muçulmanos. ROM O R T U C A S T U R I L E P A S AZ A 3 4 4 2 2 1 1 3
  • 9. HISTÓRIA 7.° ANO FICHA 8ECONOMIA NOS SÉCULOS XII A XIV DESENVOLVIMENTO ECONÓMICO. RELAÇÕES SOCIAIS E PODER POLÍTICO. LISBOA NOS CIRCUITOS DO COMÉRCIO EUROPEU NOME N.º TURMA PROFESSOR AVALIAÇÃO 1. As feiras medievais eram locais de comércio, mas também luga- res de festa e de convívio. O seu aparecimento esteve relacionado com uma série de progressos técnicos na agricultura e nos trans- portes. Assinala as imagens intrusas. 4. Sabes que muitas escolas e municípios já recriaram feiras medie- vais. É um projecto que exige trabalho e conhecimento. Será que estás preparado para participar? Cultura de Primavera Pousio Cultura de Inverno 2. Para além dos progressos técnicos representados, houve outros que se encontram na sopa de letras. Descobre-os. 3. Entre os séculos XII e XIV, em Portugal, foram criadas várias feiras. Extrai do mapa os nomes que faltam na grelha. 5. A partir do século XII, as cidades europeias revelaram um grande desenvolvimento. Completa os espaços em branco. 6. Viver nas cidades medievais não era fácil. Por vezes, era gente a mais para um espaço tão reduzido. És capaz de reconstruir o burgo de Feurs em França. A ordem correcta das peças do puzzle é A D U B A Ç A O C A R S T Q E I V M R L R P O R T U L A N O O R A R I E Z O N S T O E P C O N L A S E N T A B P A P R U I O S D N C V O A B A R U D A R R E F C S I B O R A R D X I 0 50 km N Melgaço P. de Lima Guimarães Bragança Miranda do Douro Coimbra Covilhã Leiria Santarém Évora Beja Ourique Loulé Sabugal GuardaViseu Lamego Valença Feiras fundadas no século XII Feiras fundadas no século XIII Feiras fundadas no século XIV OCEANO ATLÂNTICO Trancoso FEIRAS CRIADAS NO SÉCULO XII FEIRAS CRIADAS NO SÉCULO XIII FEIRAS CRIADAS NO SÉCULO XIV TOTO-HISTÓRIA 1 Durante a realização das feiras medievais, os feirantes tinham direito a 1 - protecção de vidas e bens X - alojamento nos castelos 2 - refeições gratuitas 2 As feiras francas eram 1 - feiras realizadas em França X - feiras onde só se vendia gado 2 - feiras isentas de impostos 3 Em Portugal, vários monarcas promoveram a criação de feiras através da atri- buição de 1 - cartas de foral X - cartas de feira 2 - cartas de navegação 4 As principais feiras da Europa foram 1 - feiras da Champanha X- feiras modernas 2 - feiras equestres 5 O transporte dos produtos até às feiras era feito principalmente por 1 - navegadores X - almocreves 2 - camponeses 6 As vias de comunicação que aqueles transportadores usavam eram 1 - os lagos X - os rios 2 - as estradas A reanimação das ficou a dever-se princi- palmente ao desenvolvimento do . A população urbana cresceu, em parte, devido ao êxodo . Nos novos burgos, viviam os , que se dedi- cavam sobretudo ao e ao comércio. Artesanato Cidades Burgueses Rural Comércio 1 5 6 2 4 31
  • 10. HISTÓRIA 7.° ANO FICHA 9 FOME, PESTE E GUERRA CRISES E REVOLUÇÃO NO SÉCULO XIV NOME N.º TURMA PROFESSOR AVALIAÇÃO 1. O século XIV foi um século de crise para os vários países europeus. Decifra as frases. 3. No entanto, foram sendo apresentadas soluções para resolver a crise económica e social, através da Lei das Sesmarias. Descobre-as no jogo da forca. 2. Portugal não conseguiu escapar àquela crise económica e social, acrescentando-se ainda uma crise política. Completa o crucigrama. 4. Em Portugal viveu-se mesmo um clima de instabilidade com a questão dinástica após a morte de D. Fernando. És capaz de orde- nar cronologicamente os acontecimentos? Preparação da conspiração para assassinar o conde Andeiro. Cerco da cidade de Lisboa. Batalha de Aljubarrota. D. Leonor Teles assume a regência do reino. Tratado de Salvaterra de Magos. Povo aclama D. João Mestre de Avis “regedor e defensor do reino”. Arraia-miúda apoia D. João Mestre de Avis. Nuno Álvares Pereira sai vitorioso na Batalha dos Atoleiros. Inauguração da Dinastia de Avis. Aclamação de D. João Mestre de Avis, como rei de Portugal (D. João I). 1411 – Assinatura da paz definitiva com Castela. Morte de D. Fernando. Reunião das Cortes em Coimbra. Horizontal 1. Rei cuja morte provocou a crise de 1383-1385 2. O mesmo que peste (pl.) 3. 4. Grande falta de alimentos no séc. XIV (pl.) 5. Herdeira do trono português em 1383 6. Cidade portuguesa onde houve tumultos em 1383 Vertical 1. Tipo de confrontos entre Portu- gal e Castela 2. Cidade portuguesa onde se fez a aclamação do Mestre de Avis 3. 4. Nome da mudança repentina e perigosa na vida política portu- guesa nos anos de 1383-1385 5. Local da batalha decisiva da independência portuguesa em 1385. 6. Medida de D. Fernando para resolver a crise agrícola nacio- nal R E V O L T A V I S S 2 2 3 3 1 1 4 4 6 6 5 5 Cada aluno deve dizer uma letra até se completar as expressões. Se a letra pedida não fizer parte da expressão, completa-se uma parte do corpo do enforcado. Quem conseguir acertar, escreve a expressão seguinte. O pro- fessor tem a lista das expressões do jogo. Boa sorte! A B C D E É F G H I J L M N O Ó P Q R S T U V X Z .
  • 11. X - Instrumentos mais perfeitos X - Iluminação das cavernas X - Cozinhar os alimentos X - Defesa contra os animais ferozes “Hoje, apenas conseguimos capturar animais de pequeno porte, como coelhos, renas, aves e veados. Mesmo caçando em grupo, os mamutes e os bisontes, ou seja, os grandes herbívoros escaparam-nos. Logo agora, que precisava de ossos e peles para fazer uma tenda nova. A minha está tão velhinha! Já não bastava a falta de frutos. Bem, teremos que procurar outro lugar para viver”. Estas pinturas e gravuras aparecem nas paredes e tectos das cavernas e ao ar livre. Chama-se arte rupestre ou parietal. Só as Vénus é que podíamos transportar quando andávamos de terra em terra. 6 5 4 D Homo Habilis A Homo Erectus C Homo Sapiens B Homo Sapiens Sapiens 1 – Oponência do polegar; 2 – Verticalidade/Bipedia 32 1 PROPOSTA DE RESOLUÇÃO A figura representa uma anta ou dolmen. FICHA 1 1 FICHA 2 1- Civilização Egípcia 2- Civilização Suméria 3- Civilização Hindu 4- Civilização Chinesa A sociedade egípcia Faraó e família Sacerdotes Escribas Artífices Camponeses Escravos6 5 4 3 2 1 32 4 0 300 km NN Mar Negro Mar Vermelho 0 300 km0 Mar Vermelho 0 Mar Mediterrâneo Vivo no Neolítico Adoro a terra e os animais Presto então culto Aos fenómenos naturais. Feitos de pedra E de dimensões enormes Construo menires Antas ou dolmens. Por que os faço? É ainda duvidoso, Mas são a prova Do meu sentido religioso. 32 14 1 3 2 4 6 2 5 A figura representa um menir. A figura representa uma deusa-mãe. 2 3 1 Deuses Atributos Osíris Deus da terra e das semen- teiras Ísis Deusa da fer- tilidade Hórus Deus da res- surreição Anúbis Deus dos mortos Tot Deus da escrita e da sabedoria Olá, Yussuf! Estive na navegar na Internet (não sabes o que é, mas noutra carta explicar-te-ei) e fiquei a saber que vocês, no Neolítico, deixaram de ser sedentários e passaram a ser nómadas, porque se fixaram em terras férteis. Como tal, para além da agricultura, dedicavam-se também à indústria metalúrgica e à extracção mineira. X - Nessas comunidades, havia divisão do trabalho pelos vários elementos do aldeamento. X - A diferenciação social baseava-se no tipo de trabalho, na idade e no sexo. 5 4 3 2 As manifestações artísticas egípcias manifestam a sua profunda religiosidade. Este povo construiu grandiosos túmulos, mais conhecidos por pirâmides, assim como templos. Estes monumentos eram decorados com pinturas, esculturas e baixos-relevos. Na pintura, os artistas representavam os seres humanos segundo a lei da frontali- dade. Na escultura, as figuras humanas eram esculpidas de forma rígida. 6 A Grécia fica no Mediterrâneo. Na Grécia existiam as pólis. As pólis eram cidades independentes. 1 FICHA 4 M E OGA R T S ELOPORCA - E N A I N O L O C STA D A D I C A D O R O N I O J P O P R T O L A T R A P S E E3 5 2 4 4 1 1 3 2 3 Teatro; Jogos Olímpicos; Filosofia -A democracia ateniense era uma democracia directa, ou seja, todos os cida- dãos tomavam decisões. -Em qualquer regime democrático, o poder judicial é exercido pelos juízes e pelos tribunais. -A democracia ateniense permitia a existência do ostracismo e da pena de morte. 6 X X X5 4 • • Arpões • • Biface • • Raspador Os faraós eram os chefes supremos da civilização egípcia.1 FICHA 3 Tenho mais de 20 anos e os meus pais são atenienses. Já cumpri o serviço militar. Não nasci em Atenas, mas consi- deram-me um homem livre. Sou um artesão. Fomos capturados na guerra e agora servimos na casa do cidadão Péricles. Movimento Perfeição Desequilíbrio Ordens Arqui- tectónicas Colunas Desordem Colossal Simetria F O I C E N C B J M R T Q E A V K U A R A D O D M O E A R F L Z D I O E P X C N C E S T A R I A C S S F A U A W E D T J V Z L A H M O I U O X E A S V R E P Y C Q I Z O N A F A R O X G K S E D L E K M A T E M A T I C A U I D A T O X G O P M S T Q E I V M R U U T R A D S D U I H O R A R I E Z O N J I O E P C O N L A R E N T A I P A P R I A O S D N C V O A C L M O P A S D B V F Z I M O R A R D X I E A S J T I Q N G O F A U O P J A S S C N T W R K E B H X N E U Y M E E I I E G F A X B
  • 12. BACO • • DEUSA DA SABEDORIA NEPTUNO • • DEUS DO FOGO MARTE • • DEUS DO VINHO MINERVA • • DEUSA DO AMOR VULCANO • • DEUS DO MAR VÉNUS • • DEUS DA GUERRA PROPOSTA DE RESOLUÇÃO 1 2 2 3 3 FICHA 5 I L A O N I M E O M D A A V A S J I U A X O B L D D E T C K E Ç E E O V A O M I U O L A D I R E I T O I Y R M X E R T C S D I B N A S E A I E E I T O M J I R O R U R I A T R G L E S F P C N W O D O A A O F T P A I C S P M L D V M T R A R O M A N I Z A Ç A O A R O C E S I F G S F A T Ç P M P W C I D A D A N I A T C O S T U M E S O P O O 4 5 Quem foi o primeiro impe- rador romano? X - Augusto Qual foi o regime político estabelecido por Octávio César Augusto? 1 - Império Quem comandava as legiões do exército romano? 2 - Imperador Qual era a ordem consti- tuída pelos governantes do Império? 1 - Ordem Senatorial 6 7 C R I S T O R C S T A N T I N P N O C T E O D O S I O I B L I A B A C U M B A S T A C N I S M O S T O L O S P A 1 2 3 4 5 6 1 FICHA 6 Mar Mediterrâneo OCEANO ATLÂNTICO REINO DOS SUEVOS REINO DOS OSTROGODOS Lombardos Saxões Búlgaros Hunos Eslavos REINO DOS VISIGODOS Atenas REINO DOS FRANCOS REINOS ANGLO- -SAXÕES REINO DA BURGÚNDIA IMPÉRIO ROMANO DO ORIENTE REINO DOS VÂNDALOS N 0 500 km Alguns Povos bárbaros VÂNDALOS SUEVOS ANGLO-SAXÕES VISIGODOS FRANCOS Fundador da Ordem religiosa dos beneditinos. Aquele que dirige um mosteiro. Clero que vive junto das populações. Clero que vive segundo uma regra. Aqueles que vivem nos mosteiros. Centros de difusão cultural S. Bento de Núrsia Abade Clero secular Clero regular Monges Mosteiros 4 AIGAM R E S M A N O SMLUÇUM N D I A L H A G E N S R A K K A R D ON M A N G A R O S U H D O S P O N 3 1 1 2 3 2 4 1- Século VII. 2- Península Arábica. 3- Foi um profeta, fundador do Islamismo. 4- É o livro sagrado dos muçulmanos. 5 5- Crença em Alá e orar cinco vezes por dia na direcção de Meca. 6- Chama-se djihad. 7- Sedas da China e ouro de África. 9- Nora ou azenha. 10- O arco em ferradura e o azulejo. Pagãos; Católicos; Mulçulmanos6 1 Arte Azulejo Literatura Mil e Uma Noites Religião Alcorão Matemática Zero Cidades Meca Alaúde Poesia Guerra Santa Álgebra Medina Cúpulas Minarete Bagdad Mesquita Córdova FICHA 7 Cidades Romanas A1QUAVIAEAFLA OPOLISI TAAUGUSCARABRA LIAPAXIU BRIGACONIM BORAE Nome actual Chaves O2 Lisboa BRA3 Braga PAX4 Beja CO5 Coimbra E QUA LI CA IU NIM BO SI RA LIA BRI RA FLA PO AU GA VIAE GUS TA 6 Évora 2 1 3 Muçulmanos Leão e Castela Condado Portucalense 3 2 ROM U L AÇ U O R T U C A S T U R I L E P M R A R O F B E R T O L A S M S D I S AZ A 3 4 4 2 2 1 1 3 4 B A T A L H A D E S. M A M E D E T R A T A D O D E Z A M O R A B U L A M A N I F E S T I S P R O B A T U M T R A T A D O D E A L C A N I S E S B A T A L H A D E O U R I Q U E S A N C H O I I A F O N S O I I I 12 11 11 10 10 10 9 8 8 7 7 6 5 5 4 4 3 3 3 2 1 2 2 6 8 10 9 9 9 11 Horizontais 1- Cidade onde D. Afonso Henriques conseguiu o título de rei. 4- Região montanhosa do Norte da Península Ibérica, a partir da qual os cristãos iniciaram o processo de reconquista. Verticais 1 - Nome antigo da cidade do Porto.
  • 13. A reanimação das cidades ficou a dever-se principalmente ao desenvolvimento do comércio. A população urbana cresceu, em parte, devido ao êxodo rural. Nos novos bur- gos, viviam os burgueses, que se dedicavam sobretudo ao artesanato e ao comércio. A ordem correcta das peças do puzzle é6 5 PROPOSTA DE RESOLUÇÃO 2 3 4 A Peste Negra assolou a Europa A fome provocou revoltas. A Guerra dos Cem Anos agravou a crise. Horizontais 1- D. Fernando; 2- Epidemias; 3- Agitação ou levantamentos populares resultantes do descontentamento.; 4- Fomes; 5- Beatriz; 6- Lisboa Verticais 1- Guerras; 2- Coimbra; 3- Nome da Ordem militar e religiosa de que D. João era mestre.; 4- Crise; 5- Aljubarrota; 6- Sesmarias 3 2 1 FICHA 9 TABELAMENTO DOS SALÁRIOS OBRIGAÇÃO DE CULTIVO DAS TERRAS PROIBIÇÃO DA MENDICIDADE A D U B A Ç A O C A R S T Q E I V M R L R P O R T U L A N O O R A R I E Z O N S T O E P C O N L A S E N T A B P A P R U I O S D N C V O A B A R U D A R R E F C S I B O R A R D X I FEIRAS CRIADAS NO SÉCULO XII Ponte de Lima Melgaço FEIRAS CRIADAS NO SÉCULO XIII Valença Bragança FEIRAS CRIADAS NO SÉCULO XIV Viseu Guimarães TOTO-HISTÓRIA 1 1- protecção de vidas e bens 2 2- feiras isentas de impostos 3 X- Cartas de Feira 4 1- Feiras da Champanha 5 X- almocreves 6 2- as estradas Preparação da conspiração para assassinar o conde Andeiro. Cerco da cidade de Lisboa. Batalha de Aljubarrota. D. Leonor Teles assume a regência do reino. Tratado de Salvaterra de Magos. Povo aclama D. João Mestre de Avis “regedor e defensor do reino”. Arraia-miúda apoia D. João Mestre de Avis. Nuno Álvares Pereira sai vitorioso na Batalha dos Atoleiros. Inauguração da Dinastia de Avis. Aclamação de D. João Mestre de Avis, como rei de Portugal (D. João I). 1411 – Assinatura da paz definitiva com Castela. Morte de D. Fernando. Reunião das Cortes em Coimbra.9 2 13 10 11 8 5 6 1 3 12 7 44 43 1 5 62 1 FICHA 8 X X