SlideShare uma empresa Scribd logo
- Variações linguísticas -
Mas é bom que os homens, no interior de um mesmo idioma - para nós o francês - tenham várias
línguas. Se eu fosse legislador [...] longe de impor uma unificação [...], eu encorajaria, pelo
contrário, a aprendizagem simultânea de várias línguas francesas, com funções diversas,
promovidas à igualdade.
Roland Barthes
1. Apontamentos sobre variações linguísticas
- A língua não é uniforme, pois apresenta variedades: cada usuário fala de uma maneira diferente.
- Todas as línguas apresentam variações: inglês, francês, espanhol.
- A língua portuguesa surgiu de uma variedade do latim: o latim vulgar.
- A língua tem formas variáveis porque as sociedades são divididas em grupos.
- O uso de uma determinada variedade lingüística serve para marcar a inclusão do indivíduo em um
determinado grupo: processo identitário.
- Existe um julgamento social sobre as variedades linguísticas / preconceito linguístico.
- As variações ocorrem em todos os níveis da língua: fonético, morfológico, sintático e lexical.
- O conceito de erro linguístico deve ser substituído pelo de adequação linguística.
- Todas as variantes linguísticas são corretas desde que consigam cumprir o papel fundamental de uma
língua: a interação verbal entre as pessoas.
- O bom usuário da língua é aquele que domina as diferentes variantes do seu idioma e sabe usá-las
apropriadamente.
2. Tipos de variações linguísticas
a) Variantes diatópicas, regionais ou geográficas: são as variações que ocorrem de uma região para
outra.
b) Variantes diastráticas ou sociais: são as variações que ocorrem de um grupo social para outro.
Incluem as gírias e os jargões.
c) Variantes diafásicas ou situacionais: são as variações que ocorrem de uma situação de comunicação
para outra. O uso da linguagem informal e o uso da linguagem formal.
d) Variantes diacrônicas, históricas ou temporais: são as variações que ocorrem de uma época para
outra. Arcaísmos e neologismos.
Obs. 1: o cruzamento desses fatores torna ainda mais complexo o fenômeno da variação linguística.
Obs. 2: a norma culta da língua e a variante popular.
3. Variações linguísticas no código escrito
- Na escrita, as variações linguísticas são usadas como parte do processo de construção de uma identidade
para o narrador ou para a personagem e como recurso de adequação da língua da personagem à situação
comunicativa.
- O autor deve usar coerentemente as variantes linguísticas tendo em vista a verossimilhança do texto.
4. Leitura relacionada à variação linguística
Inácio da Catingueira e Romano
Graciliano Ramos
Li, há dias, numa revista a cantoria ou “martelo” que, há perto de setenta anos, Inácio da
Catingueira teve com Romano, em Patos, na Paraíba. Inácio da Catingueira, um negro, era apenas Inácio;
Romano, pessoa de família, possuía um nome mais comprido - era Francisco Romano do Teixeira, irmão
de Veríssimo Romano, cangaceiro e poeta, pai de Josué Romano, também cantador, enfim um Romano
bem classificado, cheio de suficiência, até com alguns discípulos.
Nessa antiga pendência, de que se espalharam pelo Nordeste muitas versões, Inácio tratava o
outro por “meu branco”, declarava-se inferior a ele. Com imensa bazófia, Romano concordava, achava
que era assim mesmo, e de quando em quando introduzia no “martelo” uma palavra difícil com o intuito
INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE
CAMPUS NATAL CIDADE ALTA – CURSO TÉCNICO SUBSEQUENTE EM EVENTOS E GUIA DE TURISMO
DISCIPLINA: LÍNGUA PORTUGUESA – PROF. MARCEL MATIAS
ALUNO (A): ____________________________________________________________________
evidente de atrapalhar o adversário. O preto defendia-se a seu modo, torcia o corpo, inclinava-se modesto:
“Seu Romano, eu só garanto é que ciência eu não tenho”.
Essa ironia, essa deliciosa malícia negra, não fez mossa na casca de Francisco Romano, que
recebeu as alfinetadas como se elas fossem elogios e no fim da cantiga esmagou o inimigo com uma
razoável quantidade de burrices, tudo sem nexo, à-toa: “Latona, Cibele, Ísis, Vulcano, Netuno...”. Jogou o
disparate em cima do outro e pediu a resposta, que não podia vir, naturalmente, porque Inácio era
analfabeto, nunca ouvira falar em semelhantes horrores e fez o que devia fazer - amunhecou, entregou os
pontos, assim: “Seu Romano, desse jeito eu não posso acompanhá-lo. Se desse um nó em ‘martelo’, viria
eu desatá-lo. Mas como foi em ciência, cante só que eu já me calo”.
Com o entusiasmo dos ouvintes, Romano, vencedor, ofereceu umas palavras de consolação ao
pobre do negro, palavras idiotas que serviram para enterrá-lo.
Isto aconteceu há setenta anos. E desde então, o herói de Patos se multiplicou em descendentes
que nos têm impingido com abundância variantes de Cibele, Ísis, Latona, Vulcano, etc.
Muita gente aceita isso. Nauseada, mas aceita, para mostrar sabedoria, quando todos deviam
gritar honestamente que, tratando-se de “martelo”, Netuno e Minerva não têm cabimento.
Inácio da Catingueira, que homem! Foi uma das figuras mais interessantes da literatura brasileira,
apesar de não saber ler. Como os seus olhos brindados de negro viam as coisas! É certo que temos outros
sabidos demais. Mas há uma sabedoria alambicada que nos torna ridículos.
O ano passado vi o livro dum sujeito notável que declarava, com medonhos solecismos, ter sido
um ótimo estudante de gramática. Não podia haver coisa mais extraordinária. O cidadão a afirmar, numa
linguagem erradíssima, que sabia escrever.
Imaginei as caras dos outros leitores. Não vi nenhuma. Como, porém, ninguém protestou, julgo
que todos, gramáticos e literatos, engoliram o que o homem disse, exatamente como aconteceu em Patos,
há setenta anos.
Que pedantismo e que miséria! Ali bocados de mitologia, aqui um português arrevessado,
pretensioso e manco.
Não devemos, contudo, perder as esperanças. Inácio da Catingueira, esse honesto conterrâneo do
Sr. José Américo e do Sr. Lins do Rego, esse tipo direito sensato, extravagância viva num país de
insensatos, deixou descendentes. Graças a Deus isto é verdade. Será preciso mencioná-los? Talvez não
seja, talvez os parentes dele se ofendam, porque enfim, Inácio era preto e, se não me engano, solteiro.
Certamente muitos preferem descender dos Romanos, que sempre foram os donos intelectuais
do Brasil.
- Exercícios -
1. (FUVEST)
Maior Legal, Meu
a) Identifique o tipo de linguagem que predomina no texto acima e transcreva os termos que justificam
sua classificação.
b) Com que finalidade foi utilizada a variante lingüística predominante nesse anúncio?
2. (FUVEST) O trecho a seguir alude às variações da linguagem, especialmente à:
O português é o latim numa evolução de vinte séculos, ao qual cedo se incorporaram elementos gregos,
das línguas indígenas da Península Ibérica, dos conquistadores godos e árabes e, posteriormente, uma
quantidade enorme de palavras francesas, provençais, italianas, espanholas, inglesas, alemãs e, também,
das línguas africanas, asiáticas e americanas.
(CUNHA, Celso. Língua portuguesa e realidade brasileira. 2 ed., Rio de Janeiro, Tempo Brasileiro, 1970, p. 29)
a) Variante diafásica. c) Variante diacrônica.
b) Variante diatópica. d) Variante diastrática.
“Você ainda não está ligado no Universo Online, brother? Olha o que você está perdendo. O
Universo Online dá acesso à Internet – mais de 40 milhões de brothers do mundo inteiro já se
ligaram nessa.”
(UNIVERSO ONLINE)

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a variacoes linguisticas - eventos e guia de turismo.doc

Variedades linguisticas Pt. 1
Variedades linguisticas Pt. 1Variedades linguisticas Pt. 1
Variedades linguisticas Pt. 1
Sadrak Silva
 
Sociedade, ideologia e língua(s)
Sociedade, ideologia e língua(s)Sociedade, ideologia e língua(s)
Sociedade, ideologia e língua(s)
fromgaliza
 
Aspectos de história da língua portuguesa no enem
Aspectos de história da língua portuguesa no enemAspectos de história da língua portuguesa no enem
Aspectos de história da língua portuguesa no enem
ma.no.el.ne.ves
 
Nossa lingua portuguesa
Nossa lingua portuguesaNossa lingua portuguesa
Nossa lingua portuguesa
Cristiane Paula Czepak Cris
 
História da Língua Portuguesa - APP
História da Língua Portuguesa - APPHistória da Língua Portuguesa - APP
História da Língua Portuguesa - APP
Antonio Pinto Pereira
 
APOSTILA DE INTERPRETAÇÃO TEXTUAL COM QUESTÕES DE SEMIÓTICA.
APOSTILA DE INTERPRETAÇÃO TEXTUAL COM QUESTÕES DE SEMIÓTICA.APOSTILA DE INTERPRETAÇÃO TEXTUAL COM QUESTÕES DE SEMIÓTICA.
APOSTILA DE INTERPRETAÇÃO TEXTUAL COM QUESTÕES DE SEMIÓTICA.
Antônio Fernandes
 
Ufmg 2001
Ufmg 2001Ufmg 2001
Ufmg 2001
ma.no.el.ne.ves
 
Diferenças Linguísticas
Diferenças Linguísticas Diferenças Linguísticas
Diferenças Linguísticas
Ramon Ferreira
 
O Bandeirante - n.207 - Fevereiro de 2010
O Bandeirante - n.207 - Fevereiro de 2010O Bandeirante - n.207 - Fevereiro de 2010
O Bandeirante - n.207 - Fevereiro de 2010
Marcos Gimenes Salun
 
Etnolinguismo luso africano na formação do brasil
Etnolinguismo luso africano na formação do brasilEtnolinguismo luso africano na formação do brasil
Etnolinguismo luso africano na formação do brasil
historiapucgoias
 
Caetano Veloso: "Língua"
Caetano Veloso: "Língua"Caetano Veloso: "Língua"
Caetano Veloso: "Língua"
Burghard Baltrusch
 
Módulo 1
Módulo 1Módulo 1
Módulo 1
Beto Batis
 
Apresentação-Abralin-2021-PPT.pptx
Apresentação-Abralin-2021-PPT.pptxApresentação-Abralin-2021-PPT.pptx
Apresentação-Abralin-2021-PPT.pptx
TicianeRibeiro2
 
Variações linguísticas
Variações linguísticasVariações linguísticas
Variações linguísticas
Andriane Cursino
 
variaeslingusticas-150714203732-lva1-app6891.pptx
variaeslingusticas-150714203732-lva1-app6891.pptxvariaeslingusticas-150714203732-lva1-app6891.pptx
variaeslingusticas-150714203732-lva1-app6891.pptx
Antônia marta Silvestre da Silva
 
Modernismo2
Modernismo2Modernismo2
Modernismo2
Edir Alonso
 
Material de Apoio - Português 1
Material de Apoio - Português 1Material de Apoio - Português 1
Material de Apoio - Português 1
Fernando Alves
 
Língua-variedades e registro.ppt
Língua-variedades e registro.pptLíngua-variedades e registro.ppt
Língua-variedades e registro.ppt
MarluceBrum1
 
Apostila Língua Portuguesa
Apostila Língua PortuguesaApostila Língua Portuguesa
Apostila Língua Portuguesa
Laboratório de Informática
 
Opinião 30 out 2
Opinião 30 out 2Opinião 30 out 2
Opinião 30 out 2
Sergyo Vitro
 

Semelhante a variacoes linguisticas - eventos e guia de turismo.doc (20)

Variedades linguisticas Pt. 1
Variedades linguisticas Pt. 1Variedades linguisticas Pt. 1
Variedades linguisticas Pt. 1
 
Sociedade, ideologia e língua(s)
Sociedade, ideologia e língua(s)Sociedade, ideologia e língua(s)
Sociedade, ideologia e língua(s)
 
Aspectos de história da língua portuguesa no enem
Aspectos de história da língua portuguesa no enemAspectos de história da língua portuguesa no enem
Aspectos de história da língua portuguesa no enem
 
Nossa lingua portuguesa
Nossa lingua portuguesaNossa lingua portuguesa
Nossa lingua portuguesa
 
História da Língua Portuguesa - APP
História da Língua Portuguesa - APPHistória da Língua Portuguesa - APP
História da Língua Portuguesa - APP
 
APOSTILA DE INTERPRETAÇÃO TEXTUAL COM QUESTÕES DE SEMIÓTICA.
APOSTILA DE INTERPRETAÇÃO TEXTUAL COM QUESTÕES DE SEMIÓTICA.APOSTILA DE INTERPRETAÇÃO TEXTUAL COM QUESTÕES DE SEMIÓTICA.
APOSTILA DE INTERPRETAÇÃO TEXTUAL COM QUESTÕES DE SEMIÓTICA.
 
Ufmg 2001
Ufmg 2001Ufmg 2001
Ufmg 2001
 
Diferenças Linguísticas
Diferenças Linguísticas Diferenças Linguísticas
Diferenças Linguísticas
 
O Bandeirante - n.207 - Fevereiro de 2010
O Bandeirante - n.207 - Fevereiro de 2010O Bandeirante - n.207 - Fevereiro de 2010
O Bandeirante - n.207 - Fevereiro de 2010
 
Etnolinguismo luso africano na formação do brasil
Etnolinguismo luso africano na formação do brasilEtnolinguismo luso africano na formação do brasil
Etnolinguismo luso africano na formação do brasil
 
Caetano Veloso: "Língua"
Caetano Veloso: "Língua"Caetano Veloso: "Língua"
Caetano Veloso: "Língua"
 
Módulo 1
Módulo 1Módulo 1
Módulo 1
 
Apresentação-Abralin-2021-PPT.pptx
Apresentação-Abralin-2021-PPT.pptxApresentação-Abralin-2021-PPT.pptx
Apresentação-Abralin-2021-PPT.pptx
 
Variações linguísticas
Variações linguísticasVariações linguísticas
Variações linguísticas
 
variaeslingusticas-150714203732-lva1-app6891.pptx
variaeslingusticas-150714203732-lva1-app6891.pptxvariaeslingusticas-150714203732-lva1-app6891.pptx
variaeslingusticas-150714203732-lva1-app6891.pptx
 
Modernismo2
Modernismo2Modernismo2
Modernismo2
 
Material de Apoio - Português 1
Material de Apoio - Português 1Material de Apoio - Português 1
Material de Apoio - Português 1
 
Língua-variedades e registro.ppt
Língua-variedades e registro.pptLíngua-variedades e registro.ppt
Língua-variedades e registro.ppt
 
Apostila Língua Portuguesa
Apostila Língua PortuguesaApostila Língua Portuguesa
Apostila Língua Portuguesa
 
Opinião 30 out 2
Opinião 30 out 2Opinião 30 out 2
Opinião 30 out 2
 

Mais de EdilmaBrando1

15-03-2021 Português - Conto, págs.42 e 43.pptx
15-03-2021 Português - Conto, págs.42 e 43.pptx15-03-2021 Português - Conto, págs.42 e 43.pptx
15-03-2021 Português - Conto, págs.42 e 43.pptx
EdilmaBrando1
 
16-03-2021 Português - Gênero Notícia, págs.46 a 48.pptx
16-03-2021 Português - Gênero Notícia, págs.46 a 48.pptx16-03-2021 Português - Gênero Notícia, págs.46 a 48.pptx
16-03-2021 Português - Gênero Notícia, págs.46 a 48.pptx
EdilmaBrando1
 
Definicao-de-arte - aula sobre o capítulo de introdução.
Definicao-de-arte - aula sobre o capítulo de introdução.Definicao-de-arte - aula sobre o capítulo de introdução.
Definicao-de-arte - aula sobre o capítulo de introdução.
EdilmaBrando1
 
CIENCIAS.parte do livro didatico para aula.
CIENCIAS.parte do livro didatico para aula.CIENCIAS.parte do livro didatico para aula.
CIENCIAS.parte do livro didatico para aula.
EdilmaBrando1
 
ARTE - Monocromia para utilizar nas aulas de arte
ARTE - Monocromia para utilizar nas aulas de arteARTE - Monocromia para utilizar nas aulas de arte
ARTE - Monocromia para utilizar nas aulas de arte
EdilmaBrando1
 
18-03-2021 Português -verbo no gerúndio, págs.49 e 50.pptx
18-03-2021 Português -verbo no gerúndio, págs.49 e 50.pptx18-03-2021 Português -verbo no gerúndio, págs.49 e 50.pptx
18-03-2021 Português -verbo no gerúndio, págs.49 e 50.pptx
EdilmaBrando1
 
Português -Gerúndio . Aula sobre verbo ter
Português -Gerúndio . Aula sobre verbo terPortuguês -Gerúndio . Aula sobre verbo ter
Português -Gerúndio . Aula sobre verbo ter
EdilmaBrando1
 
ARTE - Impressionismo - releitura da obra de Monet -15-02.pptx
ARTE - Impressionismo - releitura da obra de Monet -15-02.pptxARTE - Impressionismo - releitura da obra de Monet -15-02.pptx
ARTE - Impressionismo - releitura da obra de Monet -15-02.pptx
EdilmaBrando1
 
Ciências - Cap. 8 - pág,140 a 148.pptx
Ciências - Cap. 8 - pág,140 a 148.pptxCiências - Cap. 8 - pág,140 a 148.pptx
Ciências - Cap. 8 - pág,140 a 148.pptx
EdilmaBrando1
 
ARTE - Policromia- Tarsila do Amaral ..pptx
ARTE - Policromia- Tarsila do Amaral ..pptxARTE - Policromia- Tarsila do Amaral ..pptx
ARTE - Policromia- Tarsila do Amaral ..pptx
EdilmaBrando1
 
Apostila de português 3 º bimestre.pptx
Apostila de português 3 º bimestre.pptxApostila de português 3 º bimestre.pptx
Apostila de português 3 º bimestre.pptx
EdilmaBrando1
 
16-02 - ARTES.pptx
16-02 - ARTES.pptx16-02 - ARTES.pptx
16-02 - ARTES.pptx
EdilmaBrando1
 
apresentação Eletiva culturando.pptx
apresentação Eletiva culturando.pptxapresentação Eletiva culturando.pptx
apresentação Eletiva culturando.pptx
EdilmaBrando1
 
Produção Textual - ler é uma aventura. - Copia.pptx
Produção Textual - ler é uma aventura. - Copia.pptxProdução Textual - ler é uma aventura. - Copia.pptx
Produção Textual - ler é uma aventura. - Copia.pptx
EdilmaBrando1
 
12-03-2021 Português - AULA DUPLA.pptx
12-03-2021 Português - AULA DUPLA.pptx12-03-2021 Português - AULA DUPLA.pptx
12-03-2021 Português - AULA DUPLA.pptx
EdilmaBrando1
 
2º ano - Redação- tema 6.pptx
2º ano - Redação- tema 6.pptx2º ano - Redação- tema 6.pptx
2º ano - Redação- tema 6.pptx
EdilmaBrando1
 
Apostila de matemática 3º bimestre.pptx
Apostila de matemática 3º bimestre.pptxApostila de matemática 3º bimestre.pptx
Apostila de matemática 3º bimestre.pptx
EdilmaBrando1
 
tipologiatextual-230317235329-fb91fd71 (1).pptx
tipologiatextual-230317235329-fb91fd71 (1).pptxtipologiatextual-230317235329-fb91fd71 (1).pptx
tipologiatextual-230317235329-fb91fd71 (1).pptx
EdilmaBrando1
 
eletiva - tinta.pptx
eletiva - tinta.pptxeletiva - tinta.pptx
eletiva - tinta.pptx
EdilmaBrando1
 
Apostila de geografia - 2º BIMESTRE.pptx
Apostila de geografia - 2º BIMESTRE.pptxApostila de geografia - 2º BIMESTRE.pptx
Apostila de geografia - 2º BIMESTRE.pptx
EdilmaBrando1
 

Mais de EdilmaBrando1 (20)

15-03-2021 Português - Conto, págs.42 e 43.pptx
15-03-2021 Português - Conto, págs.42 e 43.pptx15-03-2021 Português - Conto, págs.42 e 43.pptx
15-03-2021 Português - Conto, págs.42 e 43.pptx
 
16-03-2021 Português - Gênero Notícia, págs.46 a 48.pptx
16-03-2021 Português - Gênero Notícia, págs.46 a 48.pptx16-03-2021 Português - Gênero Notícia, págs.46 a 48.pptx
16-03-2021 Português - Gênero Notícia, págs.46 a 48.pptx
 
Definicao-de-arte - aula sobre o capítulo de introdução.
Definicao-de-arte - aula sobre o capítulo de introdução.Definicao-de-arte - aula sobre o capítulo de introdução.
Definicao-de-arte - aula sobre o capítulo de introdução.
 
CIENCIAS.parte do livro didatico para aula.
CIENCIAS.parte do livro didatico para aula.CIENCIAS.parte do livro didatico para aula.
CIENCIAS.parte do livro didatico para aula.
 
ARTE - Monocromia para utilizar nas aulas de arte
ARTE - Monocromia para utilizar nas aulas de arteARTE - Monocromia para utilizar nas aulas de arte
ARTE - Monocromia para utilizar nas aulas de arte
 
18-03-2021 Português -verbo no gerúndio, págs.49 e 50.pptx
18-03-2021 Português -verbo no gerúndio, págs.49 e 50.pptx18-03-2021 Português -verbo no gerúndio, págs.49 e 50.pptx
18-03-2021 Português -verbo no gerúndio, págs.49 e 50.pptx
 
Português -Gerúndio . Aula sobre verbo ter
Português -Gerúndio . Aula sobre verbo terPortuguês -Gerúndio . Aula sobre verbo ter
Português -Gerúndio . Aula sobre verbo ter
 
ARTE - Impressionismo - releitura da obra de Monet -15-02.pptx
ARTE - Impressionismo - releitura da obra de Monet -15-02.pptxARTE - Impressionismo - releitura da obra de Monet -15-02.pptx
ARTE - Impressionismo - releitura da obra de Monet -15-02.pptx
 
Ciências - Cap. 8 - pág,140 a 148.pptx
Ciências - Cap. 8 - pág,140 a 148.pptxCiências - Cap. 8 - pág,140 a 148.pptx
Ciências - Cap. 8 - pág,140 a 148.pptx
 
ARTE - Policromia- Tarsila do Amaral ..pptx
ARTE - Policromia- Tarsila do Amaral ..pptxARTE - Policromia- Tarsila do Amaral ..pptx
ARTE - Policromia- Tarsila do Amaral ..pptx
 
Apostila de português 3 º bimestre.pptx
Apostila de português 3 º bimestre.pptxApostila de português 3 º bimestre.pptx
Apostila de português 3 º bimestre.pptx
 
16-02 - ARTES.pptx
16-02 - ARTES.pptx16-02 - ARTES.pptx
16-02 - ARTES.pptx
 
apresentação Eletiva culturando.pptx
apresentação Eletiva culturando.pptxapresentação Eletiva culturando.pptx
apresentação Eletiva culturando.pptx
 
Produção Textual - ler é uma aventura. - Copia.pptx
Produção Textual - ler é uma aventura. - Copia.pptxProdução Textual - ler é uma aventura. - Copia.pptx
Produção Textual - ler é uma aventura. - Copia.pptx
 
12-03-2021 Português - AULA DUPLA.pptx
12-03-2021 Português - AULA DUPLA.pptx12-03-2021 Português - AULA DUPLA.pptx
12-03-2021 Português - AULA DUPLA.pptx
 
2º ano - Redação- tema 6.pptx
2º ano - Redação- tema 6.pptx2º ano - Redação- tema 6.pptx
2º ano - Redação- tema 6.pptx
 
Apostila de matemática 3º bimestre.pptx
Apostila de matemática 3º bimestre.pptxApostila de matemática 3º bimestre.pptx
Apostila de matemática 3º bimestre.pptx
 
tipologiatextual-230317235329-fb91fd71 (1).pptx
tipologiatextual-230317235329-fb91fd71 (1).pptxtipologiatextual-230317235329-fb91fd71 (1).pptx
tipologiatextual-230317235329-fb91fd71 (1).pptx
 
eletiva - tinta.pptx
eletiva - tinta.pptxeletiva - tinta.pptx
eletiva - tinta.pptx
 
Apostila de geografia - 2º BIMESTRE.pptx
Apostila de geografia - 2º BIMESTRE.pptxApostila de geografia - 2º BIMESTRE.pptx
Apostila de geografia - 2º BIMESTRE.pptx
 

Último

OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
LeticiaRochaCupaiol
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
JoanaFigueira11
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
fagnerlopes11
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
todorokillmepls
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
CarinaSantos916505
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
KleginaldoPaz2
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
silvamelosilva300
 
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdfJOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
ClaudiaMainoth
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
LILIANPRESTESSCUDELE
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
MarceloMonteiro213738
 

Último (20)

OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
 
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdfJOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
 

variacoes linguisticas - eventos e guia de turismo.doc

  • 1. - Variações linguísticas - Mas é bom que os homens, no interior de um mesmo idioma - para nós o francês - tenham várias línguas. Se eu fosse legislador [...] longe de impor uma unificação [...], eu encorajaria, pelo contrário, a aprendizagem simultânea de várias línguas francesas, com funções diversas, promovidas à igualdade. Roland Barthes 1. Apontamentos sobre variações linguísticas - A língua não é uniforme, pois apresenta variedades: cada usuário fala de uma maneira diferente. - Todas as línguas apresentam variações: inglês, francês, espanhol. - A língua portuguesa surgiu de uma variedade do latim: o latim vulgar. - A língua tem formas variáveis porque as sociedades são divididas em grupos. - O uso de uma determinada variedade lingüística serve para marcar a inclusão do indivíduo em um determinado grupo: processo identitário. - Existe um julgamento social sobre as variedades linguísticas / preconceito linguístico. - As variações ocorrem em todos os níveis da língua: fonético, morfológico, sintático e lexical. - O conceito de erro linguístico deve ser substituído pelo de adequação linguística. - Todas as variantes linguísticas são corretas desde que consigam cumprir o papel fundamental de uma língua: a interação verbal entre as pessoas. - O bom usuário da língua é aquele que domina as diferentes variantes do seu idioma e sabe usá-las apropriadamente. 2. Tipos de variações linguísticas a) Variantes diatópicas, regionais ou geográficas: são as variações que ocorrem de uma região para outra. b) Variantes diastráticas ou sociais: são as variações que ocorrem de um grupo social para outro. Incluem as gírias e os jargões. c) Variantes diafásicas ou situacionais: são as variações que ocorrem de uma situação de comunicação para outra. O uso da linguagem informal e o uso da linguagem formal. d) Variantes diacrônicas, históricas ou temporais: são as variações que ocorrem de uma época para outra. Arcaísmos e neologismos. Obs. 1: o cruzamento desses fatores torna ainda mais complexo o fenômeno da variação linguística. Obs. 2: a norma culta da língua e a variante popular. 3. Variações linguísticas no código escrito - Na escrita, as variações linguísticas são usadas como parte do processo de construção de uma identidade para o narrador ou para a personagem e como recurso de adequação da língua da personagem à situação comunicativa. - O autor deve usar coerentemente as variantes linguísticas tendo em vista a verossimilhança do texto. 4. Leitura relacionada à variação linguística Inácio da Catingueira e Romano Graciliano Ramos Li, há dias, numa revista a cantoria ou “martelo” que, há perto de setenta anos, Inácio da Catingueira teve com Romano, em Patos, na Paraíba. Inácio da Catingueira, um negro, era apenas Inácio; Romano, pessoa de família, possuía um nome mais comprido - era Francisco Romano do Teixeira, irmão de Veríssimo Romano, cangaceiro e poeta, pai de Josué Romano, também cantador, enfim um Romano bem classificado, cheio de suficiência, até com alguns discípulos. Nessa antiga pendência, de que se espalharam pelo Nordeste muitas versões, Inácio tratava o outro por “meu branco”, declarava-se inferior a ele. Com imensa bazófia, Romano concordava, achava que era assim mesmo, e de quando em quando introduzia no “martelo” uma palavra difícil com o intuito INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE CAMPUS NATAL CIDADE ALTA – CURSO TÉCNICO SUBSEQUENTE EM EVENTOS E GUIA DE TURISMO DISCIPLINA: LÍNGUA PORTUGUESA – PROF. MARCEL MATIAS ALUNO (A): ____________________________________________________________________
  • 2. evidente de atrapalhar o adversário. O preto defendia-se a seu modo, torcia o corpo, inclinava-se modesto: “Seu Romano, eu só garanto é que ciência eu não tenho”. Essa ironia, essa deliciosa malícia negra, não fez mossa na casca de Francisco Romano, que recebeu as alfinetadas como se elas fossem elogios e no fim da cantiga esmagou o inimigo com uma razoável quantidade de burrices, tudo sem nexo, à-toa: “Latona, Cibele, Ísis, Vulcano, Netuno...”. Jogou o disparate em cima do outro e pediu a resposta, que não podia vir, naturalmente, porque Inácio era analfabeto, nunca ouvira falar em semelhantes horrores e fez o que devia fazer - amunhecou, entregou os pontos, assim: “Seu Romano, desse jeito eu não posso acompanhá-lo. Se desse um nó em ‘martelo’, viria eu desatá-lo. Mas como foi em ciência, cante só que eu já me calo”. Com o entusiasmo dos ouvintes, Romano, vencedor, ofereceu umas palavras de consolação ao pobre do negro, palavras idiotas que serviram para enterrá-lo. Isto aconteceu há setenta anos. E desde então, o herói de Patos se multiplicou em descendentes que nos têm impingido com abundância variantes de Cibele, Ísis, Latona, Vulcano, etc. Muita gente aceita isso. Nauseada, mas aceita, para mostrar sabedoria, quando todos deviam gritar honestamente que, tratando-se de “martelo”, Netuno e Minerva não têm cabimento. Inácio da Catingueira, que homem! Foi uma das figuras mais interessantes da literatura brasileira, apesar de não saber ler. Como os seus olhos brindados de negro viam as coisas! É certo que temos outros sabidos demais. Mas há uma sabedoria alambicada que nos torna ridículos. O ano passado vi o livro dum sujeito notável que declarava, com medonhos solecismos, ter sido um ótimo estudante de gramática. Não podia haver coisa mais extraordinária. O cidadão a afirmar, numa linguagem erradíssima, que sabia escrever. Imaginei as caras dos outros leitores. Não vi nenhuma. Como, porém, ninguém protestou, julgo que todos, gramáticos e literatos, engoliram o que o homem disse, exatamente como aconteceu em Patos, há setenta anos. Que pedantismo e que miséria! Ali bocados de mitologia, aqui um português arrevessado, pretensioso e manco. Não devemos, contudo, perder as esperanças. Inácio da Catingueira, esse honesto conterrâneo do Sr. José Américo e do Sr. Lins do Rego, esse tipo direito sensato, extravagância viva num país de insensatos, deixou descendentes. Graças a Deus isto é verdade. Será preciso mencioná-los? Talvez não seja, talvez os parentes dele se ofendam, porque enfim, Inácio era preto e, se não me engano, solteiro. Certamente muitos preferem descender dos Romanos, que sempre foram os donos intelectuais do Brasil. - Exercícios - 1. (FUVEST) Maior Legal, Meu a) Identifique o tipo de linguagem que predomina no texto acima e transcreva os termos que justificam sua classificação. b) Com que finalidade foi utilizada a variante lingüística predominante nesse anúncio? 2. (FUVEST) O trecho a seguir alude às variações da linguagem, especialmente à: O português é o latim numa evolução de vinte séculos, ao qual cedo se incorporaram elementos gregos, das línguas indígenas da Península Ibérica, dos conquistadores godos e árabes e, posteriormente, uma quantidade enorme de palavras francesas, provençais, italianas, espanholas, inglesas, alemãs e, também, das línguas africanas, asiáticas e americanas. (CUNHA, Celso. Língua portuguesa e realidade brasileira. 2 ed., Rio de Janeiro, Tempo Brasileiro, 1970, p. 29) a) Variante diafásica. c) Variante diacrônica. b) Variante diatópica. d) Variante diastrática. “Você ainda não está ligado no Universo Online, brother? Olha o que você está perdendo. O Universo Online dá acesso à Internet – mais de 40 milhões de brothers do mundo inteiro já se ligaram nessa.” (UNIVERSO ONLINE)