SlideShare uma empresa Scribd logo
Utilidade, Valor e Aplicabilidade 
da Interdisciplinaridade 
Capitulo II 
Disciplina: Prática V 
Professor (a): Andréia 
Bruno Djvan Ramos Barbosa 
José Henrique Bernardino 
Rodrigo Moura e Silva
Interdisciplinaridade 
• O que é isso?
• Processo de integração recíproca entre as 
disciplinas e campos de conhecimento. 
Constitui uma associação de disciplinas, 
por conta de um projeto ou de um objeto 
que lhes sejam comuns. 
• Inter (entre) disciplinas, ou seja, estudos 
realizados sobre o mesmo tema em áreas 
diferentes.
Interdisciplinaridade: 
• Envolve mais de uma disciplina; 
• Adota uma perspectiva teórico-metodológica 
comum para as disciplinas envolvidas; 
• Promove a integração dos resultados 
obtidos; 
• Busca a solução dos problemas através da 
articulação de disciplinas pelos seus 
representantes; 
• Os interesses próprios de cada disciplina são 
preservados.
O uso da metodologia 
interdisciplinar 
• Quando falamos em interdisciplinaridade, 
estamos de algum modo nos referindo a uma 
espécie de interação entre as disciplinas ou 
áreas do saber. ( CARLOS, et. al.); 
• Devemos cuidar para perceber os diferentes 
níveis de interação, que dependendo do grau 
de diálogo existente entre as disciplinas, 
podem assumir os níveis de Multi, Pluri e 
Transdisciplinaridade.
• Multidisciplinaridade: 
• Mais de uma disciplina; aparentemente, 
não tem relação uma com a outra; cada 
disciplina permanece com sua 
metodologia própria; não há um resultado 
integrado.
• Plurisciplinaridade: 
• Sistema de um só nível e de objetivos múltiplos; 
cooperação mas sem coordenação; há troca 
entre elas, ainda que não seja organizada; 
propõe estudar o mesmo objeto em várias 
disciplinas ao mesmo tempo. Sua finalidade 
ainda é “multidisciplinar”.
• Transdisciplinaridade: 
• Etapa superior a interdisciplinaridade; não 
atinge apenas as interações ou reciprocidades, 
mas situa essas relações no interior de um 
sistema total; interação global das várias 
ciências; inovador; não é possível separar as 
matérias.
• Os PCN’s por exemplo, propõem pensar o 
ensino e a organização do currículo na 
escola brasileira, considerando a construção 
do conhecimento por parte do aluno e o 
desenvolvimento de competências 
necessárias para entender e intervir na sua 
realidade. 
• Para que isso aconteça, os documentos 
sugerem um ensino contextualizado e 
interdisciplinar, possibilitando fazer relações 
entre as diferentes áreas do conhecimento.
Metodologia do trabalho 
interdisciplinar implica em: 
1. Integração de conteúdos e interação dos sujeitos 
envolvidos com a socialização e construção do 
saber; 
2. Um professor, mediador, humanizado, formador 
e agente de inclusão social; 
3. Passar de uma concepção fragmentária para 
uma concepção unitária do conhecimento; 
4. Superar a dicotomia entre o ensino e pesquisa, 
considerando o estudo e a pesquisa, a partir da 
contribuição das diversas ciências; 
5. Ensino e aprendizagem centrado numa visão de 
que aprendemos ao longo de toda a vida.
• Muita gente acha, porém, que basta falar 
sobre o mesmo assunto para trabalhar de 
forma interdisciplinar.
• Ao utilizar os conhecimentos de outras áreas 
que não são de seu conhecimento, você 
pode encontrar dificuldades. 
• Mas aprender com os colegas é uma das 
grandes vantagens dessa prática, que 
estimula a pesquisa, a curiosidade e a 
vontade de ir aos detalhes para entender que 
o mundo não é disciplinar / fragmentado.
A realidade é um banco de ideias 
 O caminho mais seguro para fazer a relação entre 
as disciplinas é se basear em uma situação real. 
 Os transportes ou as condições sanitárias do 
bairro, por exemplo, são temas que rendem 
desdobramentos em várias áreas. 
 Isso não significa carga de trabalho além da 
prevista no currículo: A abordagem interdisciplinar 
permite que conteúdos que você daria de forma 
convencional, seguindo um livro didático, sejam 
ensinados e aplicados na prática o que dá sentido 
ao estudo.
• Para que a dinâmica dê certo, planejamento e 
sistematização são fundamentais. 
• Ainda mais se muitos professores vão participar. 
É preciso tempo para reuniões, em que se 
decide quando os conteúdos previstos serão 
dados para que uma disciplina auxilie a outra.
Vejamos o exemplo 
de projeto 
interdisciplinar:
1) Um grupo de mãos dadas para ensinar: 
• Quando o apagão de 2001 forçou milhões de 
brasileiros a reduzir o consumo de energia 
elétrica, a professora de Ciências Maria Lúcia 
Sanches Callegari, do Colégio Santa Maria, em 
São Paulo. 
• Fez uma proposta ás 5º séries: construir um 
aquecedor solar. Logo a ideia despertou o 
interesse de outras cinco professoras para o 
trabalho coletivo, montaram um projeto conjunto, 
que vem se repetindo anualmente.
• A professora de Geografia trabalhou o clima brasileiro e 
conceitos de orientação utilizando a bússola. 
• A de Matemática pediu uma pesquisa sobre o consumo de 
energia dos eletrodomésticos e explorou conceitos de 
proporção ao calcular o tamanho das placas solares de 
acordo com o volume das caixas d’água. 
• Em História, foram resgatados os motivos econômicos que 
causaram a degradação do meio ambiente brasileiro. 
• Nas aulas de Ciências, os estudantes pesquisaram as fontes 
de energia no país e quais alternativas apresentam menos 
impacto ambiental. 
• Em Língua Portuguesa, os alunos elaboraram questionários 
para entrevistar as famílias que receberiam o equipamento. 
• As avaliações também são formuladas de maneira 
interdisciplinar.
 Utilidade: 
desenvolver trabalhos de integração dos conteúdos 
de uma disciplina com outras áreas de conhecimento 
é uma das propostas apresentadas pelos PCN`s que 
contribui para o aprendizado do aluno. 
 Valor: 
combinação de atividades do professor e dos alunos. 
O conhecimento dos princípios e diretrizes, métodos, 
procedimentos e outras formas organizativas. 
 Aplicabilidade: 
implica na articulação de ações disciplinares que 
buscam um interesse em comum. Dessa forma, só 
será eficaz se for uma maneira eficiente de se atingir 
metas educacionais previamente estabelecidas e 
compartilhadas pelos atores da unidade escolar.
Obrigado!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Slides planejamento escolar
Slides planejamento escolarSlides planejamento escolar
Slides planejamento escolar
Ananda Lima
 
Estágio supervisionado no ensino fundamental 6 periodo
Estágio supervisionado no ensino fundamental   6 periodoEstágio supervisionado no ensino fundamental   6 periodo
Estágio supervisionado no ensino fundamental 6 periodo
Elvis Reis
 
ATPC Como Espaço de Formação - Gestão da Sala de Aula
ATPC Como Espaço de Formação - Gestão da Sala de AulaATPC Como Espaço de Formação - Gestão da Sala de Aula
ATPC Como Espaço de Formação - Gestão da Sala de Aula
Claudia Elisabete Silva
 
Modelo capa plano_inicial (1)
Modelo capa plano_inicial (1)Modelo capa plano_inicial (1)
Modelo capa plano_inicial (1)
CIRIA LIMA
 
Diário de bordo capa
Diário de bordo    capaDiário de bordo    capa
Diário de bordo capa
Marilia Paula
 
Orientações estágio educação infantil - cópia
  Orientações estágio educação infantil - cópia  Orientações estágio educação infantil - cópia
Orientações estágio educação infantil - cópia
Larissa Soares
 
Relatório de observação
Relatório de observaçãoRelatório de observação
Relatório de observação
Arte Tecnologia
 
Artigo relatório de estágio na educação infantil.
Artigo relatório de estágio na educação infantil.Artigo relatório de estágio na educação infantil.
Artigo relatório de estágio na educação infantil.
renatalguterres
 
Currículo - Pedagogia para Concursos
Currículo - Pedagogia para ConcursosCurrículo - Pedagogia para Concursos
Currículo - Pedagogia para Concursos
Adriano Martins
 
Trabalhando Ciências da Natureza nos Anos Iniciais
Trabalhando Ciências da Natureza nos Anos IniciaisTrabalhando Ciências da Natureza nos Anos Iniciais
Trabalhando Ciências da Natureza nos Anos Iniciais
luciany-nascimento
 
Plano de aula interdisciplinar matemática e ciências
Plano de aula interdisciplinar matemática e ciênciasPlano de aula interdisciplinar matemática e ciências
Plano de aula interdisciplinar matemática e ciências
olgacileia
 
Construtivismo
ConstrutivismoConstrutivismo
Construtivismo
Greicy Kely
 
Educacao avaliacao-qualitativa-e-inovacao-cipriano-luckesi
Educacao avaliacao-qualitativa-e-inovacao-cipriano-luckesiEducacao avaliacao-qualitativa-e-inovacao-cipriano-luckesi
Educacao avaliacao-qualitativa-e-inovacao-cipriano-luckesi
PROIDDBahiana
 
Avaliação da aprendizagem
Avaliação da aprendizagemAvaliação da aprendizagem
Avaliação da aprendizagem
Cleyton Carvalho
 
Meu pré projeto joiara nara
Meu pré projeto joiara naraMeu pré projeto joiara nara
Meu pré projeto joiara nara
joiramara
 
Relatorio estagio educação infantil
Relatorio estagio educação infantil Relatorio estagio educação infantil
Relatorio estagio educação infantil
filicianunes
 
Formação recomposição da Aprendizagem
Formação recomposição da Aprendizagem Formação recomposição da Aprendizagem
Formação recomposição da Aprendizagem
carmensilva723002
 
Slides tcc definitivo.
Slides tcc definitivo.Slides tcc definitivo.
Slides tcc definitivo.
Regiane Rodrigues de Sousa
 
Interdisciplinaridade
InterdisciplinaridadeInterdisciplinaridade
Interdisciplinaridade
Gerdian Teixeira
 
08 avaliacao-e-registro
08 avaliacao-e-registro08 avaliacao-e-registro
08 avaliacao-e-registro
Joao Balbi
 

Mais procurados (20)

Slides planejamento escolar
Slides planejamento escolarSlides planejamento escolar
Slides planejamento escolar
 
Estágio supervisionado no ensino fundamental 6 periodo
Estágio supervisionado no ensino fundamental   6 periodoEstágio supervisionado no ensino fundamental   6 periodo
Estágio supervisionado no ensino fundamental 6 periodo
 
ATPC Como Espaço de Formação - Gestão da Sala de Aula
ATPC Como Espaço de Formação - Gestão da Sala de AulaATPC Como Espaço de Formação - Gestão da Sala de Aula
ATPC Como Espaço de Formação - Gestão da Sala de Aula
 
Modelo capa plano_inicial (1)
Modelo capa plano_inicial (1)Modelo capa plano_inicial (1)
Modelo capa plano_inicial (1)
 
Diário de bordo capa
Diário de bordo    capaDiário de bordo    capa
Diário de bordo capa
 
Orientações estágio educação infantil - cópia
  Orientações estágio educação infantil - cópia  Orientações estágio educação infantil - cópia
Orientações estágio educação infantil - cópia
 
Relatório de observação
Relatório de observaçãoRelatório de observação
Relatório de observação
 
Artigo relatório de estágio na educação infantil.
Artigo relatório de estágio na educação infantil.Artigo relatório de estágio na educação infantil.
Artigo relatório de estágio na educação infantil.
 
Currículo - Pedagogia para Concursos
Currículo - Pedagogia para ConcursosCurrículo - Pedagogia para Concursos
Currículo - Pedagogia para Concursos
 
Trabalhando Ciências da Natureza nos Anos Iniciais
Trabalhando Ciências da Natureza nos Anos IniciaisTrabalhando Ciências da Natureza nos Anos Iniciais
Trabalhando Ciências da Natureza nos Anos Iniciais
 
Plano de aula interdisciplinar matemática e ciências
Plano de aula interdisciplinar matemática e ciênciasPlano de aula interdisciplinar matemática e ciências
Plano de aula interdisciplinar matemática e ciências
 
Construtivismo
ConstrutivismoConstrutivismo
Construtivismo
 
Educacao avaliacao-qualitativa-e-inovacao-cipriano-luckesi
Educacao avaliacao-qualitativa-e-inovacao-cipriano-luckesiEducacao avaliacao-qualitativa-e-inovacao-cipriano-luckesi
Educacao avaliacao-qualitativa-e-inovacao-cipriano-luckesi
 
Avaliação da aprendizagem
Avaliação da aprendizagemAvaliação da aprendizagem
Avaliação da aprendizagem
 
Meu pré projeto joiara nara
Meu pré projeto joiara naraMeu pré projeto joiara nara
Meu pré projeto joiara nara
 
Relatorio estagio educação infantil
Relatorio estagio educação infantil Relatorio estagio educação infantil
Relatorio estagio educação infantil
 
Formação recomposição da Aprendizagem
Formação recomposição da Aprendizagem Formação recomposição da Aprendizagem
Formação recomposição da Aprendizagem
 
Slides tcc definitivo.
Slides tcc definitivo.Slides tcc definitivo.
Slides tcc definitivo.
 
Interdisciplinaridade
InterdisciplinaridadeInterdisciplinaridade
Interdisciplinaridade
 
08 avaliacao-e-registro
08 avaliacao-e-registro08 avaliacao-e-registro
08 avaliacao-e-registro
 

Semelhante a Utilidade, Valor e Aplicabilidade da Interdisciplinaridade.

Apresentação valdriano interdisciplinaridade - cópia
Apresentação valdriano   interdisciplinaridade - cópiaApresentação valdriano   interdisciplinaridade - cópia
Apresentação valdriano interdisciplinaridade - cópia
Elioneide Pedagoga
 
3 formação pnaic
3 formação pnaic3 formação pnaic
3 formação pnaic
Nadylva Guedes
 
Curriculo por projetos
Curriculo por projetos   Curriculo por projetos
Curriculo por projetos
Telma da Silva Barbosa
 
Fundamentos e metodologias de ensino das séries iniciais
Fundamentos e metodologias de ensino das séries iniciaisFundamentos e metodologias de ensino das séries iniciais
Fundamentos e metodologias de ensino das séries iniciais
Marcos Augusto
 
Texto para estudo ou atividade a natureza da educação
Texto para estudo ou atividade  a natureza da educaçãoTexto para estudo ou atividade  a natureza da educação
Texto para estudo ou atividade a natureza da educação
pactoensinomedioufu
 
Metodologias
MetodologiasMetodologias
Metodologias
jmpg2011
 
Abordagens-Curriculares-Professora-Giselly-Dias-Mais-Aprovacao-1.pdf
Abordagens-Curriculares-Professora-Giselly-Dias-Mais-Aprovacao-1.pdfAbordagens-Curriculares-Professora-Giselly-Dias-Mais-Aprovacao-1.pdf
Abordagens-Curriculares-Professora-Giselly-Dias-Mais-Aprovacao-1.pdf
AnaCaroline190326
 
Tcc qubra de paradigma engenharia
Tcc qubra de paradigma engenhariaTcc qubra de paradigma engenharia
Tcc qubra de paradigma engenharia
Daniel Nascimento
 
Metodologias
MetodologiasMetodologias
Metodologias
jmpg2011
 
Dicas interdisciplinaridade[1]
Dicas interdisciplinaridade[1]Dicas interdisciplinaridade[1]
Dicas interdisciplinaridade[1]
centrodeensinoedisonlobao
 
DISCUTINDO CONTROVÉRSIAS SOCIOCIENTÍFICAS NO ENSINO DE CIÊNCIAS POR MEIO DO “...
DISCUTINDO CONTROVÉRSIAS SOCIOCIENTÍFICAS NO ENSINO DE CIÊNCIAS POR MEIO DO “...DISCUTINDO CONTROVÉRSIAS SOCIOCIENTÍFICAS NO ENSINO DE CIÊNCIAS POR MEIO DO “...
DISCUTINDO CONTROVÉRSIAS SOCIOCIENTÍFICAS NO ENSINO DE CIÊNCIAS POR MEIO DO “...
ProfessorPrincipiante
 
Ensinar ciências por investigação. em que estamos de acordo.
Ensinar ciências por investigação. em que estamos de acordo.Ensinar ciências por investigação. em que estamos de acordo.
Ensinar ciências por investigação. em que estamos de acordo.
Samuel Robaert
 
U4
U4U4
Didatica i u4
Didatica i u4Didatica i u4
Didatica i u4
Cida Cerqueira
 
Guia de aprendizagem física 2º ano 1º bim
Guia de aprendizagem física 2º ano 1º bim Guia de aprendizagem física 2º ano 1º bim
Guia de aprendizagem física 2º ano 1º bim
Emanuel Alves
 
Interdisciplinaridade
InterdisciplinaridadeInterdisciplinaridade
Interdisciplinaridade
Geraldo Vicente
 
10 ec interdisciplinaridade
10 ec interdisciplinaridade10 ec interdisciplinaridade
10 ec interdisciplinaridade
Mariana Correia
 
10 ec interdisciplinaridade
10 ec interdisciplinaridade10 ec interdisciplinaridade
10 ec interdisciplinaridade
Mariana Correia
 
Aula 1. artigo santo e luz (2013). didatica no ensino superior perspectiv...
Aula 1. artigo santo e luz  (2013).  didatica no ensino superior   perspectiv...Aula 1. artigo santo e luz  (2013).  didatica no ensino superior   perspectiv...
Aula 1. artigo santo e luz (2013). didatica no ensino superior perspectiv...
Karlla Costa
 
Vt6[1]
Vt6[1]Vt6[1]
Vt6[1]
adrianamnf13
 

Semelhante a Utilidade, Valor e Aplicabilidade da Interdisciplinaridade. (20)

Apresentação valdriano interdisciplinaridade - cópia
Apresentação valdriano   interdisciplinaridade - cópiaApresentação valdriano   interdisciplinaridade - cópia
Apresentação valdriano interdisciplinaridade - cópia
 
3 formação pnaic
3 formação pnaic3 formação pnaic
3 formação pnaic
 
Curriculo por projetos
Curriculo por projetos   Curriculo por projetos
Curriculo por projetos
 
Fundamentos e metodologias de ensino das séries iniciais
Fundamentos e metodologias de ensino das séries iniciaisFundamentos e metodologias de ensino das séries iniciais
Fundamentos e metodologias de ensino das séries iniciais
 
Texto para estudo ou atividade a natureza da educação
Texto para estudo ou atividade  a natureza da educaçãoTexto para estudo ou atividade  a natureza da educação
Texto para estudo ou atividade a natureza da educação
 
Metodologias
MetodologiasMetodologias
Metodologias
 
Abordagens-Curriculares-Professora-Giselly-Dias-Mais-Aprovacao-1.pdf
Abordagens-Curriculares-Professora-Giselly-Dias-Mais-Aprovacao-1.pdfAbordagens-Curriculares-Professora-Giselly-Dias-Mais-Aprovacao-1.pdf
Abordagens-Curriculares-Professora-Giselly-Dias-Mais-Aprovacao-1.pdf
 
Tcc qubra de paradigma engenharia
Tcc qubra de paradigma engenhariaTcc qubra de paradigma engenharia
Tcc qubra de paradigma engenharia
 
Metodologias
MetodologiasMetodologias
Metodologias
 
Dicas interdisciplinaridade[1]
Dicas interdisciplinaridade[1]Dicas interdisciplinaridade[1]
Dicas interdisciplinaridade[1]
 
DISCUTINDO CONTROVÉRSIAS SOCIOCIENTÍFICAS NO ENSINO DE CIÊNCIAS POR MEIO DO “...
DISCUTINDO CONTROVÉRSIAS SOCIOCIENTÍFICAS NO ENSINO DE CIÊNCIAS POR MEIO DO “...DISCUTINDO CONTROVÉRSIAS SOCIOCIENTÍFICAS NO ENSINO DE CIÊNCIAS POR MEIO DO “...
DISCUTINDO CONTROVÉRSIAS SOCIOCIENTÍFICAS NO ENSINO DE CIÊNCIAS POR MEIO DO “...
 
Ensinar ciências por investigação. em que estamos de acordo.
Ensinar ciências por investigação. em que estamos de acordo.Ensinar ciências por investigação. em que estamos de acordo.
Ensinar ciências por investigação. em que estamos de acordo.
 
U4
U4U4
U4
 
Didatica i u4
Didatica i u4Didatica i u4
Didatica i u4
 
Guia de aprendizagem física 2º ano 1º bim
Guia de aprendizagem física 2º ano 1º bim Guia de aprendizagem física 2º ano 1º bim
Guia de aprendizagem física 2º ano 1º bim
 
Interdisciplinaridade
InterdisciplinaridadeInterdisciplinaridade
Interdisciplinaridade
 
10 ec interdisciplinaridade
10 ec interdisciplinaridade10 ec interdisciplinaridade
10 ec interdisciplinaridade
 
10 ec interdisciplinaridade
10 ec interdisciplinaridade10 ec interdisciplinaridade
10 ec interdisciplinaridade
 
Aula 1. artigo santo e luz (2013). didatica no ensino superior perspectiv...
Aula 1. artigo santo e luz  (2013).  didatica no ensino superior   perspectiv...Aula 1. artigo santo e luz  (2013).  didatica no ensino superior   perspectiv...
Aula 1. artigo santo e luz (2013). didatica no ensino superior perspectiv...
 
Vt6[1]
Vt6[1]Vt6[1]
Vt6[1]
 

Mais de Bruno Djvan Ramos Barbosa

TRANSLOCAÇÃO DE SOLUTOS PELO FLOEMA
TRANSLOCAÇÃO DE SOLUTOS PELO FLOEMATRANSLOCAÇÃO DE SOLUTOS PELO FLOEMA
TRANSLOCAÇÃO DE SOLUTOS PELO FLOEMA
Bruno Djvan Ramos Barbosa
 
Sistema Reprodutor Comparado - Fisiologia Comparada
Sistema Reprodutor Comparado - Fisiologia ComparadaSistema Reprodutor Comparado - Fisiologia Comparada
Sistema Reprodutor Comparado - Fisiologia Comparada
Bruno Djvan Ramos Barbosa
 
Umbuzeiro - Caatinga
Umbuzeiro - Caatinga Umbuzeiro - Caatinga
Umbuzeiro - Caatinga
Bruno Djvan Ramos Barbosa
 
Sistema Reprodutor Masculino e Feminino
Sistema Reprodutor Masculino e Feminino Sistema Reprodutor Masculino e Feminino
Sistema Reprodutor Masculino e Feminino
Bruno Djvan Ramos Barbosa
 
Síndrome de Down
Síndrome de Down Síndrome de Down
Síndrome de Down
Bruno Djvan Ramos Barbosa
 
Educação sexual - Estágio Supervisionado III e IV
Educação sexual - Estágio Supervisionado III e IVEducação sexual - Estágio Supervisionado III e IV
Educação sexual - Estágio Supervisionado III e IV
Bruno Djvan Ramos Barbosa
 
cactáceas da caatinga
cactáceas da caatinga cactáceas da caatinga
cactáceas da caatinga
Bruno Djvan Ramos Barbosa
 
Avaliação da dinâmica da água no solo, evapotranspiração da cultura e estado ...
Avaliação da dinâmica da água no solo, evapotranspiração da cultura e estado ...Avaliação da dinâmica da água no solo, evapotranspiração da cultura e estado ...
Avaliação da dinâmica da água no solo, evapotranspiração da cultura e estado ...
Bruno Djvan Ramos Barbosa
 
Água nas Plantas
Água nas PlantasÁgua nas Plantas
Água nas Plantas
Bruno Djvan Ramos Barbosa
 
Aplicação da Geoestatística em Ciências Agrarias
Aplicação da Geoestatística em Ciências AgrariasAplicação da Geoestatística em Ciências Agrarias
Aplicação da Geoestatística em Ciências Agrarias
Bruno Djvan Ramos Barbosa
 
Relações hídricas parte 7
Relações hídricas parte 7Relações hídricas parte 7
Relações hídricas parte 7
Bruno Djvan Ramos Barbosa
 
Relações hídricas
Relações hídricasRelações hídricas
Relações hídricas
Bruno Djvan Ramos Barbosa
 
Relações hídricas parte 13
Relações hídricas parte 13Relações hídricas parte 13
Relações hídricas parte 13
Bruno Djvan Ramos Barbosa
 
Relações hídricas parte 12
Relações hídricas parte 12Relações hídricas parte 12
Relações hídricas parte 12
Bruno Djvan Ramos Barbosa
 
Relações hídricas parte 11
Relações hídricas parte 11Relações hídricas parte 11
Relações hídricas parte 11
Bruno Djvan Ramos Barbosa
 
Relações hídricas parte 10
Relações hídricas parte 10Relações hídricas parte 10
Relações hídricas parte 10
Bruno Djvan Ramos Barbosa
 
Relações hídricas parte 9
Relações hídricas parte 9Relações hídricas parte 9
Relações hídricas parte 9
Bruno Djvan Ramos Barbosa
 
Relações hídricas parte 8
Relações hídricas parte 8Relações hídricas parte 8
Relações hídricas parte 8
Bruno Djvan Ramos Barbosa
 
Relações hídricas parte 6
Relações hídricas parte 6Relações hídricas parte 6
Relações hídricas parte 6
Bruno Djvan Ramos Barbosa
 
Relações hídricas parte 5
Relações hídricas parte 5Relações hídricas parte 5
Relações hídricas parte 5
Bruno Djvan Ramos Barbosa
 

Mais de Bruno Djvan Ramos Barbosa (20)

TRANSLOCAÇÃO DE SOLUTOS PELO FLOEMA
TRANSLOCAÇÃO DE SOLUTOS PELO FLOEMATRANSLOCAÇÃO DE SOLUTOS PELO FLOEMA
TRANSLOCAÇÃO DE SOLUTOS PELO FLOEMA
 
Sistema Reprodutor Comparado - Fisiologia Comparada
Sistema Reprodutor Comparado - Fisiologia ComparadaSistema Reprodutor Comparado - Fisiologia Comparada
Sistema Reprodutor Comparado - Fisiologia Comparada
 
Umbuzeiro - Caatinga
Umbuzeiro - Caatinga Umbuzeiro - Caatinga
Umbuzeiro - Caatinga
 
Sistema Reprodutor Masculino e Feminino
Sistema Reprodutor Masculino e Feminino Sistema Reprodutor Masculino e Feminino
Sistema Reprodutor Masculino e Feminino
 
Síndrome de Down
Síndrome de Down Síndrome de Down
Síndrome de Down
 
Educação sexual - Estágio Supervisionado III e IV
Educação sexual - Estágio Supervisionado III e IVEducação sexual - Estágio Supervisionado III e IV
Educação sexual - Estágio Supervisionado III e IV
 
cactáceas da caatinga
cactáceas da caatinga cactáceas da caatinga
cactáceas da caatinga
 
Avaliação da dinâmica da água no solo, evapotranspiração da cultura e estado ...
Avaliação da dinâmica da água no solo, evapotranspiração da cultura e estado ...Avaliação da dinâmica da água no solo, evapotranspiração da cultura e estado ...
Avaliação da dinâmica da água no solo, evapotranspiração da cultura e estado ...
 
Água nas Plantas
Água nas PlantasÁgua nas Plantas
Água nas Plantas
 
Aplicação da Geoestatística em Ciências Agrarias
Aplicação da Geoestatística em Ciências AgrariasAplicação da Geoestatística em Ciências Agrarias
Aplicação da Geoestatística em Ciências Agrarias
 
Relações hídricas parte 7
Relações hídricas parte 7Relações hídricas parte 7
Relações hídricas parte 7
 
Relações hídricas
Relações hídricasRelações hídricas
Relações hídricas
 
Relações hídricas parte 13
Relações hídricas parte 13Relações hídricas parte 13
Relações hídricas parte 13
 
Relações hídricas parte 12
Relações hídricas parte 12Relações hídricas parte 12
Relações hídricas parte 12
 
Relações hídricas parte 11
Relações hídricas parte 11Relações hídricas parte 11
Relações hídricas parte 11
 
Relações hídricas parte 10
Relações hídricas parte 10Relações hídricas parte 10
Relações hídricas parte 10
 
Relações hídricas parte 9
Relações hídricas parte 9Relações hídricas parte 9
Relações hídricas parte 9
 
Relações hídricas parte 8
Relações hídricas parte 8Relações hídricas parte 8
Relações hídricas parte 8
 
Relações hídricas parte 6
Relações hídricas parte 6Relações hídricas parte 6
Relações hídricas parte 6
 
Relações hídricas parte 5
Relações hídricas parte 5Relações hídricas parte 5
Relações hídricas parte 5
 

Último

Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
CarinaSantos916505
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
AntnioManuelAgdoma
 
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert EinsteinA Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
WelberMerlinCardoso
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
PatriciaZanoli
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
WelberMerlinCardoso
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
YeniferGarcia36
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
wagnermorais28
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
Pastor Robson Colaço
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
MateusTavares54
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
JoeteCarvalho
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
MarceloMonteiro213738
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 

Último (20)

Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
 
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert EinsteinA Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 

Utilidade, Valor e Aplicabilidade da Interdisciplinaridade.

  • 1. Utilidade, Valor e Aplicabilidade da Interdisciplinaridade Capitulo II Disciplina: Prática V Professor (a): Andréia Bruno Djvan Ramos Barbosa José Henrique Bernardino Rodrigo Moura e Silva
  • 3. • Processo de integração recíproca entre as disciplinas e campos de conhecimento. Constitui uma associação de disciplinas, por conta de um projeto ou de um objeto que lhes sejam comuns. • Inter (entre) disciplinas, ou seja, estudos realizados sobre o mesmo tema em áreas diferentes.
  • 4. Interdisciplinaridade: • Envolve mais de uma disciplina; • Adota uma perspectiva teórico-metodológica comum para as disciplinas envolvidas; • Promove a integração dos resultados obtidos; • Busca a solução dos problemas através da articulação de disciplinas pelos seus representantes; • Os interesses próprios de cada disciplina são preservados.
  • 5. O uso da metodologia interdisciplinar • Quando falamos em interdisciplinaridade, estamos de algum modo nos referindo a uma espécie de interação entre as disciplinas ou áreas do saber. ( CARLOS, et. al.); • Devemos cuidar para perceber os diferentes níveis de interação, que dependendo do grau de diálogo existente entre as disciplinas, podem assumir os níveis de Multi, Pluri e Transdisciplinaridade.
  • 6. • Multidisciplinaridade: • Mais de uma disciplina; aparentemente, não tem relação uma com a outra; cada disciplina permanece com sua metodologia própria; não há um resultado integrado.
  • 7. • Plurisciplinaridade: • Sistema de um só nível e de objetivos múltiplos; cooperação mas sem coordenação; há troca entre elas, ainda que não seja organizada; propõe estudar o mesmo objeto em várias disciplinas ao mesmo tempo. Sua finalidade ainda é “multidisciplinar”.
  • 8. • Transdisciplinaridade: • Etapa superior a interdisciplinaridade; não atinge apenas as interações ou reciprocidades, mas situa essas relações no interior de um sistema total; interação global das várias ciências; inovador; não é possível separar as matérias.
  • 9.
  • 10. • Os PCN’s por exemplo, propõem pensar o ensino e a organização do currículo na escola brasileira, considerando a construção do conhecimento por parte do aluno e o desenvolvimento de competências necessárias para entender e intervir na sua realidade. • Para que isso aconteça, os documentos sugerem um ensino contextualizado e interdisciplinar, possibilitando fazer relações entre as diferentes áreas do conhecimento.
  • 11. Metodologia do trabalho interdisciplinar implica em: 1. Integração de conteúdos e interação dos sujeitos envolvidos com a socialização e construção do saber; 2. Um professor, mediador, humanizado, formador e agente de inclusão social; 3. Passar de uma concepção fragmentária para uma concepção unitária do conhecimento; 4. Superar a dicotomia entre o ensino e pesquisa, considerando o estudo e a pesquisa, a partir da contribuição das diversas ciências; 5. Ensino e aprendizagem centrado numa visão de que aprendemos ao longo de toda a vida.
  • 12. • Muita gente acha, porém, que basta falar sobre o mesmo assunto para trabalhar de forma interdisciplinar.
  • 13. • Ao utilizar os conhecimentos de outras áreas que não são de seu conhecimento, você pode encontrar dificuldades. • Mas aprender com os colegas é uma das grandes vantagens dessa prática, que estimula a pesquisa, a curiosidade e a vontade de ir aos detalhes para entender que o mundo não é disciplinar / fragmentado.
  • 14. A realidade é um banco de ideias  O caminho mais seguro para fazer a relação entre as disciplinas é se basear em uma situação real.  Os transportes ou as condições sanitárias do bairro, por exemplo, são temas que rendem desdobramentos em várias áreas.  Isso não significa carga de trabalho além da prevista no currículo: A abordagem interdisciplinar permite que conteúdos que você daria de forma convencional, seguindo um livro didático, sejam ensinados e aplicados na prática o que dá sentido ao estudo.
  • 15. • Para que a dinâmica dê certo, planejamento e sistematização são fundamentais. • Ainda mais se muitos professores vão participar. É preciso tempo para reuniões, em que se decide quando os conteúdos previstos serão dados para que uma disciplina auxilie a outra.
  • 16. Vejamos o exemplo de projeto interdisciplinar:
  • 17. 1) Um grupo de mãos dadas para ensinar: • Quando o apagão de 2001 forçou milhões de brasileiros a reduzir o consumo de energia elétrica, a professora de Ciências Maria Lúcia Sanches Callegari, do Colégio Santa Maria, em São Paulo. • Fez uma proposta ás 5º séries: construir um aquecedor solar. Logo a ideia despertou o interesse de outras cinco professoras para o trabalho coletivo, montaram um projeto conjunto, que vem se repetindo anualmente.
  • 18.
  • 19. • A professora de Geografia trabalhou o clima brasileiro e conceitos de orientação utilizando a bússola. • A de Matemática pediu uma pesquisa sobre o consumo de energia dos eletrodomésticos e explorou conceitos de proporção ao calcular o tamanho das placas solares de acordo com o volume das caixas d’água. • Em História, foram resgatados os motivos econômicos que causaram a degradação do meio ambiente brasileiro. • Nas aulas de Ciências, os estudantes pesquisaram as fontes de energia no país e quais alternativas apresentam menos impacto ambiental. • Em Língua Portuguesa, os alunos elaboraram questionários para entrevistar as famílias que receberiam o equipamento. • As avaliações também são formuladas de maneira interdisciplinar.
  • 20.  Utilidade: desenvolver trabalhos de integração dos conteúdos de uma disciplina com outras áreas de conhecimento é uma das propostas apresentadas pelos PCN`s que contribui para o aprendizado do aluno.  Valor: combinação de atividades do professor e dos alunos. O conhecimento dos princípios e diretrizes, métodos, procedimentos e outras formas organizativas.  Aplicabilidade: implica na articulação de ações disciplinares que buscam um interesse em comum. Dessa forma, só será eficaz se for uma maneira eficiente de se atingir metas educacionais previamente estabelecidas e compartilhadas pelos atores da unidade escolar.
  • 21.