SlideShare uma empresa Scribd logo
UNIDADE 5 – ANO 1
OS DIFERENTES TEXTOS EM SALAS DE
ALFABETIZAÇÃO
UNIDADE 5 – ANO 1
OS DIFERENTES TEXTOS EM SALAS DE
ALFABETIZAÇÃO
UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO
CENTRO DE EDUCAÇÃO
NÚCLEO DE ALFABETIZAÇÃO, LEITURA E ESCRITA DO ESPÍRITO SANTO
PACTO NACIONAL PARA A ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA
FORMAÇÃO DE ORIENTADORES DE ESTUDO
Formadoras - 1º ano:
Elis Beatriz de Lima Falcão
Fabricia Pereira de Oliveira Dias
Maristela Gatti Piffer
19 de julho de 2013 - matutino
LEITURA DELEITELEITURA DELEITE
Em nossas discussões anteriores, enfatizamos reflexões sobre a entrada
dos gêneros textuais na alfabetização infantil. Tecemos considerações
sobre a importância da diversidade textual nesse contexto educativo,
mas também questionamos como o trabalho com a leitura e a escrita
deve tomar esses gêneros como respostas a um contexto de interação
verbal.
Nossas questões são formuladas a partir da análise de práticas
alfabetizadoras que, apesar de considerarem a importância dos gêneros
textuais, não os exploram devidamente e reduzem o trabalho com
texto, quase sempre, ao ensino de determinadas letras/sílabas.
Sabendo que essas práticas são alicerçadas em determinadas
concepções teóricas, refletimos também sobre diferentes abordagens
que podem subsidiar o trabalho com a leitura e a produção de textos,
entendendo suas implicações pedagógicas.
III - A diversidade textual e sua relação
com diferentes áreas do conhecimento
III - A diversidade textual e sua relação
com diferentes áreas do conhecimento
“Os gêneros sempre estiveram presentes na sala de aula, mas
em número reduzido e não diversificado, e sempre revestidos
de caráter institucionalmente escolar. Se, por um lado os
alunos têm tido acesso – do ponto de vista da leitura – a uma
maior diversidade de gêneros, por outro lado, no que se refere
à produção escrita, essa diversidade praticamente não existe.
[...] De maneira geral, não se exercita a linguagem escrita
(do ponto de vista discursivo) em sala de aula, o que se
exercita predominantemente é a língua em seus domínios
sintático, morfológico, lexical e fonológico. Em relação aos
gêneros orais, a situação não é muito diferente, poucos
livros didáticos exploram o trabalho com os gêneros nessa
modalidade” (SOUSA E PEREIRA , p. 92, XXXX).
“Os gêneros sempre estiveram presentes na sala de aula, mas
em número reduzido e não diversificado, e sempre revestidos
de caráter institucionalmente escolar. Se, por um lado os
alunos têm tido acesso – do ponto de vista da leitura – a uma
maior diversidade de gêneros, por outro lado, no que se refere
à produção escrita, essa diversidade praticamente não existe.
[...] De maneira geral, não se exercita a linguagem escrita
(do ponto de vista discursivo) em sala de aula, o que se
exercita predominantemente é a língua em seus domínios
sintático, morfológico, lexical e fonológico. Em relação aos
gêneros orais, a situação não é muito diferente, poucos
livros didáticos exploram o trabalho com os gêneros nessa
modalidade” (SOUSA E PEREIRA , p. 92, XXXX).
Nesse sentido, reiteramos o texto como o fio
condutor de todo o processo de ensino da língua
portuguesa, articulador das diferentes dimensões
da alfabetização.
E, dando continuidade às discussões, ponderamos
sobre como o texto também se apresenta como
elemento articulador das diferentes áreas de
conhecimento, uma vez que as práticas que
envolvem a linguagem é que determinam a
utilização dos gêneros discursivos.
Pensando um pouco sobre nossas práticas:
 Quais conhecimentos, além da língua
portuguesa, são trabalhados em sala de aula?
Quais têm sido priorizados?
 Os conhecimentos referentes às Ciências
Naturais e Sociais, à Arte, dentre outros, foram
e são produzidos por quem?
 O que materializa esses conhecimentos, ou seja,
como esses saberes são sistematizados e
disponibilizados à sociedade?
Em síntese, o texto materializa todos os
conhecimentos abrangendo a complexidade
pertinente a eles. É por meio dele que os
saberes são sistematizados e socializados. E,
em decorrência disso, o texto constitui-se num
elemento articulador das diferentes áreas de
conhecimento.
Assim, como potencializar o trabalho com os
diversos componentes curriculares a partir
dos textos utilizados nos livros didáticos de
alfabetização, por exemplo? Com quais
componentes curriculares eles dialogam?
Quais conhecimentos históricos, geográficos,
científicos, artísticos, etc. podem ser
sistematizados a partir do trabalho com esses
textos?
Tomaremos, novamente, o texto A vaca Mimosa e a
mosca Zenilda do livro A escola é nossa, para
exemplificar possibilidades de trabalho, nas quais foram
organizadas:
(LEAL E ALBUQUERQUE, PNAIC, 2012, Unidade 5, ano 1, p. 8-9)
Projeto Didático
TODOS JUNTOS CONTRA A DENGUE
Adaptações da sequência elaborada e
vivenciada pela Prof. ª: Fabricia Pereira
de Oliveira Dias
CONHECIMENTOS:
• Dengue: transmissão da doença, sintomas e
prevenção.
• Leitura de textos informativos (encontrados nos
folders, folhetos e revistas), notícia de jornal, mapas,
cartazes, poesia.
• Análise e reflexão sobre os textos que se referem à
dengue e ao seu transmissor.
• Produção de texto escrito: anúncios.
• Uso de g (diante do a, o, u) e de gu (diante de e, i).
OBJETIVOS LEITURA
• Identificar e explorar diferentes gêneros textuais.
• Relacionar textos verbais e não-verbais, construindo
sentidos.
• Antecipar sentidos e ativar conhecimentos prévios relativos
aos textos a serem lidos pelo professor ou pelas crianças.
• Confirmar ou refutar hipóteses, tendo em vista a
construção de sentidos do texto.
• Realizar inferências em textos de diferentes gêneros e
temáticas, lidos pelo professor ou outro leitor experiente.
• Estabelecer relação de intertextualidade entre textos.
• Avaliar criticamente os textos lidos.
Direitos de Aprendizagem
Língua Portuguesa
• Participar de interações orais em sala de aula,
questionando, sugerindo, argumentando e
respeitando os turnos de fala.
• Produzir textos orais de diferentes gêneros, com
diferentes propósitos (experiências pessoais).
• Produzir textos de diferentes gêneros, atendendo a
diferentes finalidades, por meio da atividade de um
escriba.
• Produzir textos de diferentes gêneros, com autonomia,
atendendo a diferentes finalidades.
• Utilizar vocabulário diversificado e adequado ao
gênero e às finalidades propostas.
• Planejar a escrita de textos considerando o contexto
de produção: organizar roteiros, planos gerais para
atender a diferentes finalidades, com ajuda de escriba.
• Distinguir desenho e escrita.
• Diferenciar letras de outros símbolos.
• Compreender a orientação e alinhamento convencionais da
escrita na língua portuguesa.
• Compreender que palavras diferentes compartilham certas
letras.
• Segmentar palavras em textos.
• Reconhecer e nomear as letras do alfabeto.
• Reconhecer diferentes tipos de letras em textos de
diferentes gêneros e suportes textuais.
• Conhecer e fazer uso das grafias de palavras com
correspondências regulares contextuais entre letras ou
grupos de letras e seu valor sonoro, especificamente o
G/GU.
1º dia
1. Iniciar um roda de conversa a partir da retomada da
história A Vaca Mimosa e a Mosca Zenilda, lembrando a
turma onde era a casa da Mosca Zenilda:
 Onde a mosca Zenilda morava?
 Por que ela escolheu o velho sapato para ser a sua “casa”?
 Como será que o sapato foi parar no meio do mato?
 O que pode acontecer quando deixamos sapatos ou outros
recipientes jogados na natureza? E se chover, o que
acontece?
 As moscas e os mosquitos podem ser perigosos? Por quê?
 Vocês conhecem alguma doença que é transmitida por
eles?
 Atualmente a dengue, que é uma doença transmitida por
um tipo de mosquito que tem causado muitos problemas
para as pessoas. Você conhece alguém que teve dengue?
 Como podemos evitar essa doença?
 Será que no lugar onde vivemos existem muitos casos?
2. Conversando sobre essa parte da história:
3. Vamos ler uma notícia
que traz informações
importantes sobre esse
assunto:
(disponível em http://g1.globo.com/espirito-
santo/noticia/2013/05 /es -registra-mais-de-
53-mil-casos-de-dengue-em-seis-meses.html)
 De acordo com a notícia, há muitos casos de Dengue no
nosso Estado?
 Houve pessoas que morreram por causa da doença?
 Como isso poderia ter sido evitado?
 Onde você mora tem muita gente “pegando” dengue?
 Será que o nosso Estado é o único do Brasil que ainda não
conseguiu acabar com a Dengue? Vocês conhecem outros
lugares que também têm dengue?
4. Conversando sobre as informações do texto:
Mapa da dengue 2011
Disponível em: http://www.dengue.org.br/
5. Veja neste mapa como estava a situação da Dengue no Brasil em 2011:
 O que indica a cor branca?
Quais são os lugares do Brasil
que o risco de Dengue é baixo?
 E a cor amarela? Quais
lugares o risco é moderado?
 Tem lugares com risco alto?
Quais?
 E a cor vinho, o que indica?
Há menos ou mais lugares do
Brasil nessa situação?
 O Espírito Santo está em qual
situação?
DIREITOS DE APRENDIZAGEM
Até o momento, qual área, excetuando-se Língua
Portuguesa, está sendo contemplada?
Consultar o caderno PNAIC, Unidade 5, p.39 e
marcar os direitos gerais que foram
contemplados.
Direitos de Aprendizagem - Geografia
Para ajudarmos no combate à dengue, é preciso,
primeiramente, conhecer um pouco mais sobre essa
doença. Procure textos que falem sobre a dengue e
traga para a escola. Compartilharemos as informações
encontradas com os colegas em nossa roda de
conversa.
6. Ampliando conhecimentos:
2º dia
1. Retomar a atividade de casa, pedindo as crianças que
apresentem o material coletado e fazer a leitura dos
textos com a turma. Organizar um cartaz com os
textos trazidos pelas crianças.
2. Convidar a turma a ouvir a leitura de
outro texto que fala sobre a doença
publicado na página da revista Ciência
Hoje das Crianças, na internet.
Unidade 5 a diversidade textual e as áreas de conhecimento versão final
Unidade 5 a diversidade textual e as áreas de conhecimento versão final
Unidade 5 a diversidade textual e as áreas de conhecimento versão final
(disponível em: http://chc.cienciahoje.uol.com.br/
dengue-a-batalha-contra-os-pernilongos/)
 A partir do que lemos, qual inseto nos transmite a dengue?
 No texto, o mosquito é chamado de pernilongo.Você
conhece outros nomes dados ao mosquito? Com quem
aprendeu este nome?
 Qualquer mosquito transmite a dengue?
 Que sintomas foram destacados no texto que podem
indicar que estamos com dengue?
 O que devemos fazer para acabar com a dengue? Por
quê?
 Você acha que todas as pessoas já sabem o que fazer
para acabar com a dengue?
 Com a leitura desse texto aprendemos mais sobre a
dengue? Por quê?
3. Registro coletivo: o que aprendemos sobre a Dengue
O objetivo dessa produção dos textos é registrar as informações estudadas
e apropriadas pelas crianças, tendo em vista a função mnemônica da
escrita. Essa produção pode ocorrer em vários momentos, de acordo com
os estudos realizados com as crianças. Vejamos alguns exemplos:
Textos produzidos com crianças do 1º ano, Prof.ª Fabricia Pereira de Oliveira Dias.
De acordo com o que já
estudamos, deixe
registrado os sintomas
da dengue para que
não nos esqueçamos
deles.
1. Refletindo sobre como
escrevemos e lemos
3º dia
O que o menino está sentindo de acordo com a
imagem abaixo?
Escreva na linha abaixo, o sintoma que você
relacionou com essa imagem?
_______________________________
Quando você escreveu, usou os sinais ##? Por quê?
O que deve aparecer no lugar desses sinais?
• Sobre esse dois outros
sintomas: Qual palavra tem mais
letras?
Com qual letra começam?
Se iniciarmos FEBRE com a
letra L, que palavra
formamos?
__________________
Como vimos, a dengue é uma doença que pode
até matar. Vamos saber mais sobre os
cuidados que devemos tomar. Para isso, vamos
fazer a leitura de um livro que está relacionado
com nosso tema de estudo.
Essa história foi escrita por Maxs Porto. E as
ilustrações foram feitas por um desenhista
chamado Carti.
Vamos saber um pouco mais sobre o autor do
livro.
4º dia
Maximiano de Figueredo é
natural de Caratinga (MG),
nasceu em 14 de outubro de
1944. Já foi contemplado com 54
prêmios literários. Ele escreve
para adultos, jovens e crianças.
Além de escritor ele também é
jornalista, poeta, artista plástico
e publicitário.
1. Leitura da biografia do autor:
• Vocês já conheciam o autor?
• Já leram algum outro livro escrito por ele?
• Para quem o autor gosta de escrever?
• Vamos localizar no mapa do Brasil, o Estado em
que o autor nasceu?
 O que vocês vêem na capa do livro?
 Há desenhos? O que estão
mostrando?
 Por que será que tem um campo de
futebol dentro do pneu?
 Que bichinhos representam os
jogadores?
 E nas arquibancadas?
 Qual o título da história?
 Vamos copiá-lo no caderno?
 Por que será que tem esse título/
 Vamos ler a história e ficar
sabendo!!
2. Antecipação inicial do conteúdo do texto:
3. Leitura do livro:
Unidade 5 a diversidade textual e as áreas de conhecimento versão final
Unidade 5 a diversidade textual e as áreas de conhecimento versão final
Unidade 5 a diversidade textual e as áreas de conhecimento versão final
Unidade 5 a diversidade textual e as áreas de conhecimento versão final
Unidade 5 a diversidade textual e as áreas de conhecimento versão final
Unidade 5 a diversidade textual e as áreas de conhecimento versão final
Unidade 5 a diversidade textual e as áreas de conhecimento versão final
• Quem conta (narra) a história?
• Qual a origem do mosquito? (mostrar no
Globo Terrestre o continente africano)
• Como o mosquito se descreve?
• Na visão do mosquito, quem é responsável
pelo surgimento das doenças que ele
transmite?
• Qual a opinião de vocês a respeito disso?
• O que vocês sabem sobre o “fumacê”?
• O que você não sabia e aprendeu com o livro
“Que febre de mosquito”?
4. Conversando sobre o texto:
QUE FEBRE DE MOSQUITO!
MAXS PORTES
[...]
SE DEIXO A QUEM EU PIQUEI
MUITO DOENTE, PERRENGUE,
É QUE NÃO ME APRESENTEI:
SOU O TRANSMISSOR DA DENGUE!
AO ME VEREM HÁ QUEM GRITE
DE SURPRESA E DE VITÓRIA:
- ALI O AEDES AEGYPTI!!!
... E FINDA, ASSIM, MINHA
HISTÓRIA.
Obs: Escrever esse trecho da
história no papel cenário ou no
quadro para fazer nova leitura,
junto com as crianças,
apontando as palavras para
que percebam os aspectos
formais do texto como:
direcionamento da escrita,
espaços entre as palavras, onde
estão escritas as palavras, as
rimas, a organização do texto
em versos, os limites gráficos
entre os versos (estrofes).
5. Compreensão da escrita no texto:
As crianças devem receber o trecho
da história para ser colado no
caderno. Em seguida, propor as
seguintes questões:
 Pinte o que não é letra. Se não é letra o que é? Para que
esses sinais foram usados no texto?
 Pinte os espaços em branco entre as palavras. Há palavras
formadas por uma letra? Quais? E por duas letras?
 Qual verso tem menos palavras? E mais palavras? Circule-
os.
 Mosquito é apenas um dos nomes desse bichinho que o
texto fala. Dependendo do lugar o mosquito também pode
ter outros nomes. Vamos listar alguns nomes de como esse
bichinho é conhecido.
 Você já ouviu a palavra “PERRENGUE”? O que ela significa?
 Localize e pinte as palavras dengue e perrengue. O que
elas têm em comum?
• Observe o som da letra g nas palavras abaixo.
DENGUE PERNILONGO
• O som da letra G é o mesmo? Por quê?
• Vamos encontrar no livro que lemos outras palavras
em que este som aparece. Vamos escrevê-las em um
mural, organizando-as em colunas.
• Registre nosso mural em seu caderno.
• De acordo com o que vemos nas colunas, quando
devemos usar a letra g para que ela tenha este som?
1. Estudo da letra G
5º dia
PESSOA FRUTA
INSTRUMENTO
MUSICAL
ANIMAL PROFISSÃO OBJETO
• Material: cartela dividida em colunas.
• Objetivo: completar as colunas com palavras que apresentem o som
[g], grafando-o corretamente. Este som pode aparecer em qualquer
lugar das palavras. Não precisa ser no início.
• Como jogar: o jogo pode acontecer em duplas ou em trios. Quem
completar primeiro a cartela, ganha o jogo.
Possíveis adaptações: às crianças que ainda não estão alfabetizadas,
pode ser solicitado que desenhem o que pretendem escrever.
2. Adedonha diferente
Agora é a nossa vez de contribuir na luta contra
o mosquito da dengue. Nós já sabemos o que
fazer para acabar com essa doença! Vamos,
então, avisar às pessoas, alertando sobre o que
cada um deve fazer para eliminá-lo. Qual texto
podemos elaborar para atender nosso
objetivo?
6º dia
1. Conhecendo textos que foram produzidos com
essa finalidade:
Estes textos - encontrados em
folder ou cartazes - em sua
grande maioria foram
produzidos e distribuídos pelo
Governo Federal e prefeituras
a fim de que todas as pessoas
fossem alertadas quanto ao
perigo que a dengue
representa.
Obs: Aproveitar também
anúncios encontrados pelas
crianças.
Que tipo de informações encontramos nesses textos
e naqueles que vocês trouxeram? Contam alguma
história, por exemplo?
Vocês percebem quantas imagens, cores, formas
diferentes de escrever aparecem nesses textos que a
professora trouxe? Por que são usados nesses textos?
Ao terminarmos a leitura dos textos, podemos dizer
para que foram produzidos?
Esses textos foram produzidos para convencer as pessoas a
mudarem seus hábitos e colaborarem na prevenção da dengue.
Eles são escritos em cartazes para serem utilizados em
campanhas de utilidade pública ou comunitárias. As campanhas
sempre têm um lema.
Esses textos foram produzidos para convencer as pessoas a
mudarem seus hábitos e colaborarem na prevenção da dengue.
Eles são escritos em cartazes para serem utilizados em
campanhas de utilidade pública ou comunitárias. As campanhas
sempre têm um lema.
 Volte aos cartazes e localize os lemas das campanhas.
 Qual é o lema dessa campanha?
 Para defender esse lema foram
utilizadas só letras? O que mais
aparece além das letras?
 Como esses desenhos
colaboram no sentido da
campanha?
 Na sua opinião, esse texto
consegue atender o objetivo de
conscientizar as pessoas a
colaborarem no combate à
Dengue? Por quê?
2. Vamos ler outros textos de campanha contra a
dengue distribuídos pelo Governo Federal:
TEXTO 1:
 Quem promoveu essa campanha?
 Localize o lema da campanha. Por que
essa frase foi escrita com letras
maiores?
 Qual é o lema dessa campanha?
 Você concorda que para combater a
dengue não podemos ficar parados?
Por quê?
 E a água, por que não pode ficar
parada?
 Você acha que essa mensagem é boa
para incentivar as pessoas a
colaborarem no combate à dengue?
 Há ilustrações no cartaz? O que elas
mostram?
 Na sua opinião as ilustrações ajudam a
entender melhor o lema da campanha?
Por quê?
 Qual dos dois cartazes você acha que
pode colaborar mais no combate à
dengue? Por quê?
TEXTO 2:
Lembram o que conversamos sobre as campanhas de
combate à dengue? Vimos que para realizar essas
campanhas as pessoas produzem textos sobre o
assunto, chamando a atenção dos leitores para o
problema.
Vimos que os textos são escritos em cartazes com
informações básicas e objetivas, possuem muitas
imagens, usam muitas cores e suas letras precisam ser
visíveis.
7º dia
1. Retomando o que aprendemos:
Onde será feita a campanha?
 Quem queremos atingir?
 Qual será o lema da campanha?
O que mais devemos incluir nos cartazes?
 Que tipo de letras utilizaremos?
 Terá ilustrações? Quais?
 Terá o nome da turma que está promovendo a
campanha? Onde devemos escrever o nome da
turma?
2. Planejando a Campanha Comunitária de
Combate à dengue da turma:
3. Revisão coletiva dos textos:
Depois da revisão e da produção
final dos textos definir com as
crianças como pretendem realizar a
campanha na escola.
Os cartazes podem ser afixados na
escola ou entregues nas salas de
aula, com apresentação dos
objetivos que levavam às crianças a
realizarem a campanha. Essa
apresentação pode ser ensaiada
previamente em sala, tendo em vista
uma conversa sobre a necessidade
de saber o que e como falar diante
de um público específico.
8º dia
1. Realização da Campanha Comunitária:
Foto: Crianças do 1º ano, Prof.ª Fabricia Pereira
de Oliveira Dias, realizando a campanha na
escola.
CAMPANHA NA COMUNIDADE
Foto: Crianças do 1º ano, Prof.ª Fabricia Pereira
de Oliveira Dias, realizando a campanha na
comunidade.
DIREITOS DE APRENDIZAGEM
Que outra área está sendo contemplada?
Consultar o caderno PNAIC, Unidade 5, p.37 e 38
e marcar os direitos que foram contemplados.
Direitos de Aprendizagem – Ciências
Naturais
Algumas considerações..Algumas considerações..
Parafraseando Pereira e Sousa (s/d, p. 83), acreditamos
que o trabalho com o texto amplia as possibilidades de
trabalho na alfabetização “[...] quando reconhecemos
que os textos não possuem um sentido, mas sentidos;
quando confrontamos leituras, textos; quando
sabemos que não se lê o mesmo texto da mesma
maneira, ainda que o leitor seja o mesmo; quando
reconhecemos que, a cada vez que voltamos a um
texto, o lemos de modo diferente, exatamente porque
já não somos os mesmos: mudou nosso conhecimento
lingüístico, nosso conhecimento de mundo, nossos
objetivos já não são os mesmos, até nosso humor
alterou-se”.
Nesse sentido, a proposta de trabalho apresentada nos permite,
dentre outros objetivos, a articulação entre os diferentes saberes.
E, com isso, garantimos também os Direitos de Aprendizagem.
No que se refere ao ensino das Ciências Naturais e da Geografia, o
PNAIC deixa registrado:
OUTROS PROJETOS DIDÁTICOS
DIFERENTES LUGARES: A CIDADE ONDE VIVO
O TRÂNSITO E OS LUGARES ONDE VIVO:MINHA CA
 MEIRELES, C. Ou isto ou Aquilo. Rio de Janeiro: Nova Fronteira,
2002.
 Dengue: a batalha contra os pernilongos. (disponível em:
http://chc.cienciahoje.uol.com.br/
dengue-a-batalha-contra-os-pernilongos/)
 http://espacoeducar-liza.blogspot.com/2009/04/dengue-pode-
matar-baixe-aqui-gibizinho.html
 http://picasaweb.google.com/LadyLuNickel/ProjetoDengue#
 http://www.releituras.com/cmeireles_bio.asp .67
 SOUSA, M. E. V; PEREIRA, R. C. M. Do texto para o mundo e do
mundo para o texto: movimentos de leitura e de escrita.
(Disponível em http://portal.virtual.ufpb.br/biblioteca-
virtual/files/leitura_e_produaao_de_texto_i_1359990314.pdf)
ReferênciasReferências

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Sequencia DIDATICA - PARTINDO DE UM CONTEÚDO
Sequencia DIDATICA - PARTINDO DE UM CONTEÚDOSequencia DIDATICA - PARTINDO DE UM CONTEÚDO
Sequencia DIDATICA - PARTINDO DE UM CONTEÚDO
Secretaria Municipal de Educação de Dona Inês/PB
 
Sequencia Didática - Formigas
Sequencia Didática - FormigasSequencia Didática - Formigas
Sequencia Didática - Formigas
Tatiana Carla Scalabrin
 
Actividades compreensão e expressão da oralidade
Actividades compreensão e expressão da oralidadeActividades compreensão e expressão da oralidade
Actividades compreensão e expressão da oralidade
ascotas
 
Projeto tatu e_o_lobo
Projeto tatu e_o_loboProjeto tatu e_o_lobo
Projeto tatu e_o_lobo
Professora Cida
 
Sequência didática: O Leão e o Ratinho
Sequência didática: O Leão e o RatinhoSequência didática: O Leão e o Ratinho
Sequência didática: O Leão e o Ratinho
Shirley Lauria
 
Sequência didática piada
Sequência didática piadaSequência didática piada
Sequência didática piada
Professora Cida
 
Projeto Pedagogico
Projeto PedagogicoProjeto Pedagogico
Projeto Pedagogico
eudeszinho
 
Sequencia didática Salada de Frutas
Sequencia didática Salada de FrutasSequencia didática Salada de Frutas
Sequencia didática Salada de Frutas
Marisa Seara
 
Sequência didática: O Leão e o Ratinho
Sequência didática: O Leão e o RatinhoSequência didática: O Leão e o Ratinho
Sequência didática: O Leão e o Ratinho
Shirley Lauria
 
Sequencia didatica 10 de fevereriro a 28 de março amada n
Sequencia didatica  10  de fevereriro a 28 de março  amada nSequencia didatica  10  de fevereriro a 28 de março  amada n
Sequencia didatica 10 de fevereriro a 28 de março amada n
julliana brito
 
Projeto jardim das onze horas cre são caetano correto
Projeto jardim das onze horas   cre são caetano corretoProjeto jardim das onze horas   cre são caetano correto
Projeto jardim das onze horas cre são caetano correto
Marisa Seara
 
Apresentação do conto chapeuzinho vermelho
Apresentação do conto  chapeuzinho vermelhoApresentação do conto  chapeuzinho vermelho
Apresentação do conto chapeuzinho vermelho
eliane
 
Sequência didática " Viviana a rainha do pijama"
Sequência didática " Viviana a rainha do pijama"Sequência didática " Viviana a rainha do pijama"
Sequência didática " Viviana a rainha do pijama"
Isabel Rosa
 
Seqdidaticas ef alfa
Seqdidaticas ef alfaSeqdidaticas ef alfa
Seqdidaticas ef alfa
Juliane Silva
 
Sd um minutinho
Sd um minutinhoSd um minutinho
Sd um minutinho
Cledineia Carvalho Santos
 
Sequência didática Parlenda
Sequência didática ParlendaSequência didática Parlenda
Sequência didática Parlenda
Ana Luiza
 
Para PNAIC-Sequencia didática -1
Para PNAIC-Sequencia didática -1Para PNAIC-Sequencia didática -1
Para PNAIC-Sequencia didática -1
Graça Sousa
 
I seminário de alfabetização de mesquita pnaic
I seminário de alfabetização de mesquita   pnaicI seminário de alfabetização de mesquita   pnaic
I seminário de alfabetização de mesquita pnaic
Ailtonbrasil Antunes
 
Sequência gabriela 1
 Sequência gabriela 1 Sequência gabriela 1
Sequência gabriela 1
Marisa Seara
 

Mais procurados (19)

Sequencia DIDATICA - PARTINDO DE UM CONTEÚDO
Sequencia DIDATICA - PARTINDO DE UM CONTEÚDOSequencia DIDATICA - PARTINDO DE UM CONTEÚDO
Sequencia DIDATICA - PARTINDO DE UM CONTEÚDO
 
Sequencia Didática - Formigas
Sequencia Didática - FormigasSequencia Didática - Formigas
Sequencia Didática - Formigas
 
Actividades compreensão e expressão da oralidade
Actividades compreensão e expressão da oralidadeActividades compreensão e expressão da oralidade
Actividades compreensão e expressão da oralidade
 
Projeto tatu e_o_lobo
Projeto tatu e_o_loboProjeto tatu e_o_lobo
Projeto tatu e_o_lobo
 
Sequência didática: O Leão e o Ratinho
Sequência didática: O Leão e o RatinhoSequência didática: O Leão e o Ratinho
Sequência didática: O Leão e o Ratinho
 
Sequência didática piada
Sequência didática piadaSequência didática piada
Sequência didática piada
 
Projeto Pedagogico
Projeto PedagogicoProjeto Pedagogico
Projeto Pedagogico
 
Sequencia didática Salada de Frutas
Sequencia didática Salada de FrutasSequencia didática Salada de Frutas
Sequencia didática Salada de Frutas
 
Sequência didática: O Leão e o Ratinho
Sequência didática: O Leão e o RatinhoSequência didática: O Leão e o Ratinho
Sequência didática: O Leão e o Ratinho
 
Sequencia didatica 10 de fevereriro a 28 de março amada n
Sequencia didatica  10  de fevereriro a 28 de março  amada nSequencia didatica  10  de fevereriro a 28 de março  amada n
Sequencia didatica 10 de fevereriro a 28 de março amada n
 
Projeto jardim das onze horas cre são caetano correto
Projeto jardim das onze horas   cre são caetano corretoProjeto jardim das onze horas   cre são caetano correto
Projeto jardim das onze horas cre são caetano correto
 
Apresentação do conto chapeuzinho vermelho
Apresentação do conto  chapeuzinho vermelhoApresentação do conto  chapeuzinho vermelho
Apresentação do conto chapeuzinho vermelho
 
Sequência didática " Viviana a rainha do pijama"
Sequência didática " Viviana a rainha do pijama"Sequência didática " Viviana a rainha do pijama"
Sequência didática " Viviana a rainha do pijama"
 
Seqdidaticas ef alfa
Seqdidaticas ef alfaSeqdidaticas ef alfa
Seqdidaticas ef alfa
 
Sd um minutinho
Sd um minutinhoSd um minutinho
Sd um minutinho
 
Sequência didática Parlenda
Sequência didática ParlendaSequência didática Parlenda
Sequência didática Parlenda
 
Para PNAIC-Sequencia didática -1
Para PNAIC-Sequencia didática -1Para PNAIC-Sequencia didática -1
Para PNAIC-Sequencia didática -1
 
I seminário de alfabetização de mesquita pnaic
I seminário de alfabetização de mesquita   pnaicI seminário de alfabetização de mesquita   pnaic
I seminário de alfabetização de mesquita pnaic
 
Sequência gabriela 1
 Sequência gabriela 1 Sequência gabriela 1
Sequência gabriela 1
 

Destaque

A vaca mimosa
A vaca mimosaA vaca mimosa
A vaca mimosa
bibliopbi
 
Atividade de matemática tratamento da informação - dengue
Atividade de matemática    tratamento da informação - dengueAtividade de matemática    tratamento da informação - dengue
Atividade de matemática tratamento da informação - dengue
CLEAN LOURENÇO
 
Caderno de atividade - 5º ano - Programa Primeiros Saberes da Infância
Caderno de atividade - 5º ano - Programa Primeiros Saberes da InfânciaCaderno de atividade - 5º ano - Programa Primeiros Saberes da Infância
Caderno de atividade - 5º ano - Programa Primeiros Saberes da Infância
Jairo Felipe
 
Ações Estratégicas para Enfrentamento da Dengue - Verão 2011/2012
Ações Estratégicas para Enfrentamento da Dengue - Verão 2011/2012Ações Estratégicas para Enfrentamento da Dengue - Verão 2011/2012
Ações Estratégicas para Enfrentamento da Dengue - Verão 2011/2012
Ministério da Saúde
 
Vamos combater a dengue!
Vamos combater a dengue!Vamos combater a dengue!
Vamos combater a dengue!
Rafael Nunan
 
Slides da dengue
Slides da dengueSlides da dengue
Slides da dengue
Romero Diniz
 
Prevenção à Dengue
Prevenção à DenguePrevenção à Dengue
Prevenção à Dengue
Sueli Menezes
 
Slides dengue pdf
Slides dengue pdfSlides dengue pdf
Slides dengue pdf
Michelle Cirilo
 
Sugestões de atividades - Tratamento da Informação
Sugestões de atividades - Tratamento da InformaçãoSugestões de atividades - Tratamento da Informação
Sugestões de atividades - Tratamento da Informação
Fabiana Esteves
 
Caderno do aluno 4º ano língua portuguesa
Caderno do aluno 4º ano língua portuguesaCaderno do aluno 4º ano língua portuguesa
Caderno do aluno 4º ano língua portuguesa
Silvânia Silveira
 
Plano de curso arte 5º ano
Plano de curso arte   5º anoPlano de curso arte   5º ano
Plano de curso arte 5º ano
Mary Alvarenga
 
DENGUE x MATEMATICA - Interdisciplinarizando as atividades
DENGUE x MATEMATICA - Interdisciplinarizando as atividadesDENGUE x MATEMATICA - Interdisciplinarizando as atividades
DENGUE x MATEMATICA - Interdisciplinarizando as atividades
Walter Cordova
 
Avaliacao bimestral-de-lingua-portuguesa 5
Avaliacao bimestral-de-lingua-portuguesa 5Avaliacao bimestral-de-lingua-portuguesa 5
Avaliacao bimestral-de-lingua-portuguesa 5
Atividades Diversas Cláudia
 
COLETÂNEA DE ATIVIDADES DO 5º ANO
COLETÂNEA DE ATIVIDADES DO 5º ANOCOLETÂNEA DE ATIVIDADES DO 5º ANO
COLETÂNEA DE ATIVIDADES DO 5º ANO
Mara Sueli
 
LINGUA PORTUGUES CADERNO DE ATIVIDADE 5º ANO_1º_e_2º_BIMESTRE-PAIC+ ALUNO
LINGUA PORTUGUES CADERNO DE ATIVIDADE 5º ANO_1º_e_2º_BIMESTRE-PAIC+ ALUNOLINGUA PORTUGUES CADERNO DE ATIVIDADE 5º ANO_1º_e_2º_BIMESTRE-PAIC+ ALUNO
LINGUA PORTUGUES CADERNO DE ATIVIDADE 5º ANO_1º_e_2º_BIMESTRE-PAIC+ ALUNO
orientadoresdeestudopaic
 
Estratégias de leitura (cursista Maria Zilma da Silva)
Estratégias de leitura  (cursista  Maria Zilma da Silva)Estratégias de leitura  (cursista  Maria Zilma da Silva)
Estratégias de leitura (cursista Maria Zilma da Silva)
Marta Pereira
 
Características que distinguem os animais.
Características que distinguem os animais.Características que distinguem os animais.
Características que distinguem os animais.
Ana Paula Garcia
 
Case Dengue Ville - Social media brasil 2010
Case Dengue Ville - Social media brasil 2010Case Dengue Ville - Social media brasil 2010
Case Dengue Ville - Social media brasil 2010
Lápis Raro
 
Maria vai com as outras 2ºano
Maria vai com as outras 2ºanoMaria vai com as outras 2ºano
Maria vai com as outras 2ºano
MARIA JOSÉ SILVA DE ARAÚJO
 
Regulamento Ténis de Mesa (Masculino e Feminino) - Interiscas 2012
Regulamento Ténis de Mesa (Masculino e Feminino) - Interiscas 2012Regulamento Ténis de Mesa (Masculino e Feminino) - Interiscas 2012
Regulamento Ténis de Mesa (Masculino e Feminino) - Interiscas 2012
AE ISCAP
 

Destaque (20)

A vaca mimosa
A vaca mimosaA vaca mimosa
A vaca mimosa
 
Atividade de matemática tratamento da informação - dengue
Atividade de matemática    tratamento da informação - dengueAtividade de matemática    tratamento da informação - dengue
Atividade de matemática tratamento da informação - dengue
 
Caderno de atividade - 5º ano - Programa Primeiros Saberes da Infância
Caderno de atividade - 5º ano - Programa Primeiros Saberes da InfânciaCaderno de atividade - 5º ano - Programa Primeiros Saberes da Infância
Caderno de atividade - 5º ano - Programa Primeiros Saberes da Infância
 
Ações Estratégicas para Enfrentamento da Dengue - Verão 2011/2012
Ações Estratégicas para Enfrentamento da Dengue - Verão 2011/2012Ações Estratégicas para Enfrentamento da Dengue - Verão 2011/2012
Ações Estratégicas para Enfrentamento da Dengue - Verão 2011/2012
 
Vamos combater a dengue!
Vamos combater a dengue!Vamos combater a dengue!
Vamos combater a dengue!
 
Slides da dengue
Slides da dengueSlides da dengue
Slides da dengue
 
Prevenção à Dengue
Prevenção à DenguePrevenção à Dengue
Prevenção à Dengue
 
Slides dengue pdf
Slides dengue pdfSlides dengue pdf
Slides dengue pdf
 
Sugestões de atividades - Tratamento da Informação
Sugestões de atividades - Tratamento da InformaçãoSugestões de atividades - Tratamento da Informação
Sugestões de atividades - Tratamento da Informação
 
Caderno do aluno 4º ano língua portuguesa
Caderno do aluno 4º ano língua portuguesaCaderno do aluno 4º ano língua portuguesa
Caderno do aluno 4º ano língua portuguesa
 
Plano de curso arte 5º ano
Plano de curso arte   5º anoPlano de curso arte   5º ano
Plano de curso arte 5º ano
 
DENGUE x MATEMATICA - Interdisciplinarizando as atividades
DENGUE x MATEMATICA - Interdisciplinarizando as atividadesDENGUE x MATEMATICA - Interdisciplinarizando as atividades
DENGUE x MATEMATICA - Interdisciplinarizando as atividades
 
Avaliacao bimestral-de-lingua-portuguesa 5
Avaliacao bimestral-de-lingua-portuguesa 5Avaliacao bimestral-de-lingua-portuguesa 5
Avaliacao bimestral-de-lingua-portuguesa 5
 
COLETÂNEA DE ATIVIDADES DO 5º ANO
COLETÂNEA DE ATIVIDADES DO 5º ANOCOLETÂNEA DE ATIVIDADES DO 5º ANO
COLETÂNEA DE ATIVIDADES DO 5º ANO
 
LINGUA PORTUGUES CADERNO DE ATIVIDADE 5º ANO_1º_e_2º_BIMESTRE-PAIC+ ALUNO
LINGUA PORTUGUES CADERNO DE ATIVIDADE 5º ANO_1º_e_2º_BIMESTRE-PAIC+ ALUNOLINGUA PORTUGUES CADERNO DE ATIVIDADE 5º ANO_1º_e_2º_BIMESTRE-PAIC+ ALUNO
LINGUA PORTUGUES CADERNO DE ATIVIDADE 5º ANO_1º_e_2º_BIMESTRE-PAIC+ ALUNO
 
Estratégias de leitura (cursista Maria Zilma da Silva)
Estratégias de leitura  (cursista  Maria Zilma da Silva)Estratégias de leitura  (cursista  Maria Zilma da Silva)
Estratégias de leitura (cursista Maria Zilma da Silva)
 
Características que distinguem os animais.
Características que distinguem os animais.Características que distinguem os animais.
Características que distinguem os animais.
 
Case Dengue Ville - Social media brasil 2010
Case Dengue Ville - Social media brasil 2010Case Dengue Ville - Social media brasil 2010
Case Dengue Ville - Social media brasil 2010
 
Maria vai com as outras 2ºano
Maria vai com as outras 2ºanoMaria vai com as outras 2ºano
Maria vai com as outras 2ºano
 
Regulamento Ténis de Mesa (Masculino e Feminino) - Interiscas 2012
Regulamento Ténis de Mesa (Masculino e Feminino) - Interiscas 2012Regulamento Ténis de Mesa (Masculino e Feminino) - Interiscas 2012
Regulamento Ténis de Mesa (Masculino e Feminino) - Interiscas 2012
 

Semelhante a Unidade 5 a diversidade textual e as áreas de conhecimento versão final

Unidade 5 a diversidade textual em sala de aula final
Unidade 5 a diversidade textual em sala de aula  finalUnidade 5 a diversidade textual em sala de aula  final
Unidade 5 a diversidade textual em sala de aula final
Naysa Taboada
 
Unidade 5 a diversidade textual em sala de aula final
Unidade 5 a diversidade textual em sala de aula  finalUnidade 5 a diversidade textual em sala de aula  final
Unidade 5 a diversidade textual em sala de aula final
Naysa Taboada
 
Unidade 5 - PNAIC - Gêneros Textuais
Unidade 5 - PNAIC - Gêneros TextuaisUnidade 5 - PNAIC - Gêneros Textuais
Unidade 5 - PNAIC - Gêneros Textuais
Elaine Cruz
 
Metodologia do ensino
Metodologia do ensinoMetodologia do ensino
Metodologia do ensino
José Antonio Ferreira da Silva
 
sequecia didatica bliogr5afias do 3 ao 5 ano.pdf
sequecia didatica bliogr5afias do 3 ao 5 ano.pdfsequecia didatica bliogr5afias do 3 ao 5 ano.pdf
sequecia didatica bliogr5afias do 3 ao 5 ano.pdf
RaabedosSantosBorges
 
307081.pptx
307081.pptx307081.pptx
307081.pptx
IsaialaSantos
 
Da fala a_escrita
Da fala a_escritaDa fala a_escrita
Da fala a_escrita
Allewerton Silveira
 
Da fala a_escrita
Da fala a_escritaDa fala a_escrita
Da fala a_escrita
Allewerton Silveira
 
Texto 05 - FORMAÇÃO DO SEGUNDO CICLO NO MUNICÍPIO DE PONTES E LACERDA
Texto 05 - FORMAÇÃO DO SEGUNDO CICLO NO MUNICÍPIO DE PONTES E LACERDATexto 05 - FORMAÇÃO DO SEGUNDO CICLO NO MUNICÍPIO DE PONTES E LACERDA
Texto 05 - FORMAÇÃO DO SEGUNDO CICLO NO MUNICÍPIO DE PONTES E LACERDA
weleslima
 
Unidade 5 parte 1
Unidade 5    parte 1Unidade 5    parte 1
Unidade 5 parte 1
Lais Renata
 
Educacao no campo_unidade_5_miolo
Educacao no campo_unidade_5_mioloEducacao no campo_unidade_5_miolo
Educacao no campo_unidade_5_miolo
Fabiana Barbom Mendes
 
Apresentação ELUNEAL.pptx
Apresentação ELUNEAL.pptxApresentação ELUNEAL.pptx
Apresentação ELUNEAL.pptx
SueliGodoi6
 
Unidade 5 - parte 1
Unidade 5 - parte 1Unidade 5 - parte 1
Unidade 5 - parte 1
Bete Feliciano
 
Formação maio 30/05/2017
Formação maio 30/05/2017Formação maio 30/05/2017
Formação maio 30/05/2017
Dyone Andrade
 
Práticas pedagógicas no letramento do aluno surdo
Práticas pedagógicas no letramento do aluno surdoPráticas pedagógicas no letramento do aluno surdo
Práticas pedagógicas no letramento do aluno surdo
Grupo Educação, Mídias e Comunidade Surda
 
O que é discurso helena brandão
O que é discurso helena brandãoO que é discurso helena brandão
O que é discurso helena brandão
Rose Moraes
 
Universidade do estado do rio de janeiro
Universidade do estado do rio de janeiroUniversidade do estado do rio de janeiro
Universidade do estado do rio de janeiro
marta santos
 
Pauta
PautaPauta
Ii reunião alfabetização_eixos_norteadores
Ii reunião alfabetização_eixos_norteadoresIi reunião alfabetização_eixos_norteadores
Ii reunião alfabetização_eixos_norteadores
Rosemary Batista
 
ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO.pdf
ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO.pdfALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO.pdf
ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO.pdf
Andrea491870
 

Semelhante a Unidade 5 a diversidade textual e as áreas de conhecimento versão final (20)

Unidade 5 a diversidade textual em sala de aula final
Unidade 5 a diversidade textual em sala de aula  finalUnidade 5 a diversidade textual em sala de aula  final
Unidade 5 a diversidade textual em sala de aula final
 
Unidade 5 a diversidade textual em sala de aula final
Unidade 5 a diversidade textual em sala de aula  finalUnidade 5 a diversidade textual em sala de aula  final
Unidade 5 a diversidade textual em sala de aula final
 
Unidade 5 - PNAIC - Gêneros Textuais
Unidade 5 - PNAIC - Gêneros TextuaisUnidade 5 - PNAIC - Gêneros Textuais
Unidade 5 - PNAIC - Gêneros Textuais
 
Metodologia do ensino
Metodologia do ensinoMetodologia do ensino
Metodologia do ensino
 
sequecia didatica bliogr5afias do 3 ao 5 ano.pdf
sequecia didatica bliogr5afias do 3 ao 5 ano.pdfsequecia didatica bliogr5afias do 3 ao 5 ano.pdf
sequecia didatica bliogr5afias do 3 ao 5 ano.pdf
 
307081.pptx
307081.pptx307081.pptx
307081.pptx
 
Da fala a_escrita
Da fala a_escritaDa fala a_escrita
Da fala a_escrita
 
Da fala a_escrita
Da fala a_escritaDa fala a_escrita
Da fala a_escrita
 
Texto 05 - FORMAÇÃO DO SEGUNDO CICLO NO MUNICÍPIO DE PONTES E LACERDA
Texto 05 - FORMAÇÃO DO SEGUNDO CICLO NO MUNICÍPIO DE PONTES E LACERDATexto 05 - FORMAÇÃO DO SEGUNDO CICLO NO MUNICÍPIO DE PONTES E LACERDA
Texto 05 - FORMAÇÃO DO SEGUNDO CICLO NO MUNICÍPIO DE PONTES E LACERDA
 
Unidade 5 parte 1
Unidade 5    parte 1Unidade 5    parte 1
Unidade 5 parte 1
 
Educacao no campo_unidade_5_miolo
Educacao no campo_unidade_5_mioloEducacao no campo_unidade_5_miolo
Educacao no campo_unidade_5_miolo
 
Apresentação ELUNEAL.pptx
Apresentação ELUNEAL.pptxApresentação ELUNEAL.pptx
Apresentação ELUNEAL.pptx
 
Unidade 5 - parte 1
Unidade 5 - parte 1Unidade 5 - parte 1
Unidade 5 - parte 1
 
Formação maio 30/05/2017
Formação maio 30/05/2017Formação maio 30/05/2017
Formação maio 30/05/2017
 
Práticas pedagógicas no letramento do aluno surdo
Práticas pedagógicas no letramento do aluno surdoPráticas pedagógicas no letramento do aluno surdo
Práticas pedagógicas no letramento do aluno surdo
 
O que é discurso helena brandão
O que é discurso helena brandãoO que é discurso helena brandão
O que é discurso helena brandão
 
Universidade do estado do rio de janeiro
Universidade do estado do rio de janeiroUniversidade do estado do rio de janeiro
Universidade do estado do rio de janeiro
 
Pauta
PautaPauta
Pauta
 
Ii reunião alfabetização_eixos_norteadores
Ii reunião alfabetização_eixos_norteadoresIi reunião alfabetização_eixos_norteadores
Ii reunião alfabetização_eixos_norteadores
 
ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO.pdf
ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO.pdfALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO.pdf
ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO.pdf
 

Mais de Naysa Taboada

Fc
FcFc
1º encontro apresentação
1º encontro   apresentação1º encontro   apresentação
1º encontro apresentação
Naysa Taboada
 
1º encontro apresentação 28-11-17
1º encontro   apresentação 28-11-171º encontro   apresentação 28-11-17
1º encontro apresentação 28-11-17
Naysa Taboada
 
Simulado tema específico
Simulado tema específicoSimulado tema específico
Simulado tema específico
Naysa Taboada
 
Alfab letramento 2005. gadotti
Alfab letramento 2005. gadottiAlfab letramento 2005. gadotti
Alfab letramento 2005. gadotti
Naysa Taboada
 
Alfabetização e letramento ptg
Alfabetização e letramento ptgAlfabetização e letramento ptg
Alfabetização e letramento ptg
Naysa Taboada
 
Alfa e letramento 2005. gadotti
Alfa e letramento 2005. gadottiAlfa e letramento 2005. gadotti
Alfa e letramento 2005. gadotti
Naysa Taboada
 
Alfa e Letra em busca de um método?
Alfa e Letra em busca de um método?Alfa e Letra em busca de um método?
Alfa e Letra em busca de um método?
Naysa Taboada
 
Associacionismo
AssociacionismoAssociacionismo
Associacionismo
Naysa Taboada
 
Questões norteadoras
Questões norteadorasQuestões norteadoras
Questões norteadoras
Naysa Taboada
 
Alfabetização e letramento caminhos e descaminhos
Alfabetização e letramento caminhos e descaminhosAlfabetização e letramento caminhos e descaminhos
Alfabetização e letramento caminhos e descaminhos
Naysa Taboada
 
Alfabetização e letramento caminhos e descaminhos
Alfabetização e letramento caminhos e descaminhosAlfabetização e letramento caminhos e descaminhos
Alfabetização e letramento caminhos e descaminhos
Naysa Taboada
 
24 de novembro
24 de novembro24 de novembro
24 de novembro
Naysa Taboada
 
Alinhamento 1 ao 5 ano
Alinhamento   1 ao 5 anoAlinhamento   1 ao 5 ano
Alinhamento 1 ao 5 ano
Naysa Taboada
 
Plano de aula
Plano de aulaPlano de aula
Plano de aula
Naysa Taboada
 
Conteúdos de ensino
Conteúdos de ensinoConteúdos de ensino
Conteúdos de ensino
Naysa Taboada
 
Pnaic 17 novembro
Pnaic 17 novembroPnaic 17 novembro
Pnaic 17 novembro
Naysa Taboada
 
Pnaic 27 de outubro
Pnaic 27 de outubroPnaic 27 de outubro
Pnaic 27 de outubro
Naysa Taboada
 
Pnaic 26 de outubro
Pnaic 26 de outubroPnaic 26 de outubro
Pnaic 26 de outubro
Naysa Taboada
 
Pnaic 2º encontro
Pnaic 2º encontroPnaic 2º encontro
Pnaic 2º encontro
Naysa Taboada
 

Mais de Naysa Taboada (20)

Fc
FcFc
Fc
 
1º encontro apresentação
1º encontro   apresentação1º encontro   apresentação
1º encontro apresentação
 
1º encontro apresentação 28-11-17
1º encontro   apresentação 28-11-171º encontro   apresentação 28-11-17
1º encontro apresentação 28-11-17
 
Simulado tema específico
Simulado tema específicoSimulado tema específico
Simulado tema específico
 
Alfab letramento 2005. gadotti
Alfab letramento 2005. gadottiAlfab letramento 2005. gadotti
Alfab letramento 2005. gadotti
 
Alfabetização e letramento ptg
Alfabetização e letramento ptgAlfabetização e letramento ptg
Alfabetização e letramento ptg
 
Alfa e letramento 2005. gadotti
Alfa e letramento 2005. gadottiAlfa e letramento 2005. gadotti
Alfa e letramento 2005. gadotti
 
Alfa e Letra em busca de um método?
Alfa e Letra em busca de um método?Alfa e Letra em busca de um método?
Alfa e Letra em busca de um método?
 
Associacionismo
AssociacionismoAssociacionismo
Associacionismo
 
Questões norteadoras
Questões norteadorasQuestões norteadoras
Questões norteadoras
 
Alfabetização e letramento caminhos e descaminhos
Alfabetização e letramento caminhos e descaminhosAlfabetização e letramento caminhos e descaminhos
Alfabetização e letramento caminhos e descaminhos
 
Alfabetização e letramento caminhos e descaminhos
Alfabetização e letramento caminhos e descaminhosAlfabetização e letramento caminhos e descaminhos
Alfabetização e letramento caminhos e descaminhos
 
24 de novembro
24 de novembro24 de novembro
24 de novembro
 
Alinhamento 1 ao 5 ano
Alinhamento   1 ao 5 anoAlinhamento   1 ao 5 ano
Alinhamento 1 ao 5 ano
 
Plano de aula
Plano de aulaPlano de aula
Plano de aula
 
Conteúdos de ensino
Conteúdos de ensinoConteúdos de ensino
Conteúdos de ensino
 
Pnaic 17 novembro
Pnaic 17 novembroPnaic 17 novembro
Pnaic 17 novembro
 
Pnaic 27 de outubro
Pnaic 27 de outubroPnaic 27 de outubro
Pnaic 27 de outubro
 
Pnaic 26 de outubro
Pnaic 26 de outubroPnaic 26 de outubro
Pnaic 26 de outubro
 
Pnaic 2º encontro
Pnaic 2º encontroPnaic 2º encontro
Pnaic 2º encontro
 

Unidade 5 a diversidade textual e as áreas de conhecimento versão final

  • 1. UNIDADE 5 – ANO 1 OS DIFERENTES TEXTOS EM SALAS DE ALFABETIZAÇÃO UNIDADE 5 – ANO 1 OS DIFERENTES TEXTOS EM SALAS DE ALFABETIZAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE EDUCAÇÃO NÚCLEO DE ALFABETIZAÇÃO, LEITURA E ESCRITA DO ESPÍRITO SANTO PACTO NACIONAL PARA A ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA FORMAÇÃO DE ORIENTADORES DE ESTUDO Formadoras - 1º ano: Elis Beatriz de Lima Falcão Fabricia Pereira de Oliveira Dias Maristela Gatti Piffer 19 de julho de 2013 - matutino
  • 3. Em nossas discussões anteriores, enfatizamos reflexões sobre a entrada dos gêneros textuais na alfabetização infantil. Tecemos considerações sobre a importância da diversidade textual nesse contexto educativo, mas também questionamos como o trabalho com a leitura e a escrita deve tomar esses gêneros como respostas a um contexto de interação verbal. Nossas questões são formuladas a partir da análise de práticas alfabetizadoras que, apesar de considerarem a importância dos gêneros textuais, não os exploram devidamente e reduzem o trabalho com texto, quase sempre, ao ensino de determinadas letras/sílabas. Sabendo que essas práticas são alicerçadas em determinadas concepções teóricas, refletimos também sobre diferentes abordagens que podem subsidiar o trabalho com a leitura e a produção de textos, entendendo suas implicações pedagógicas. III - A diversidade textual e sua relação com diferentes áreas do conhecimento III - A diversidade textual e sua relação com diferentes áreas do conhecimento
  • 4. “Os gêneros sempre estiveram presentes na sala de aula, mas em número reduzido e não diversificado, e sempre revestidos de caráter institucionalmente escolar. Se, por um lado os alunos têm tido acesso – do ponto de vista da leitura – a uma maior diversidade de gêneros, por outro lado, no que se refere à produção escrita, essa diversidade praticamente não existe. [...] De maneira geral, não se exercita a linguagem escrita (do ponto de vista discursivo) em sala de aula, o que se exercita predominantemente é a língua em seus domínios sintático, morfológico, lexical e fonológico. Em relação aos gêneros orais, a situação não é muito diferente, poucos livros didáticos exploram o trabalho com os gêneros nessa modalidade” (SOUSA E PEREIRA , p. 92, XXXX). “Os gêneros sempre estiveram presentes na sala de aula, mas em número reduzido e não diversificado, e sempre revestidos de caráter institucionalmente escolar. Se, por um lado os alunos têm tido acesso – do ponto de vista da leitura – a uma maior diversidade de gêneros, por outro lado, no que se refere à produção escrita, essa diversidade praticamente não existe. [...] De maneira geral, não se exercita a linguagem escrita (do ponto de vista discursivo) em sala de aula, o que se exercita predominantemente é a língua em seus domínios sintático, morfológico, lexical e fonológico. Em relação aos gêneros orais, a situação não é muito diferente, poucos livros didáticos exploram o trabalho com os gêneros nessa modalidade” (SOUSA E PEREIRA , p. 92, XXXX).
  • 5. Nesse sentido, reiteramos o texto como o fio condutor de todo o processo de ensino da língua portuguesa, articulador das diferentes dimensões da alfabetização. E, dando continuidade às discussões, ponderamos sobre como o texto também se apresenta como elemento articulador das diferentes áreas de conhecimento, uma vez que as práticas que envolvem a linguagem é que determinam a utilização dos gêneros discursivos.
  • 6. Pensando um pouco sobre nossas práticas:  Quais conhecimentos, além da língua portuguesa, são trabalhados em sala de aula? Quais têm sido priorizados?  Os conhecimentos referentes às Ciências Naturais e Sociais, à Arte, dentre outros, foram e são produzidos por quem?  O que materializa esses conhecimentos, ou seja, como esses saberes são sistematizados e disponibilizados à sociedade?
  • 7. Em síntese, o texto materializa todos os conhecimentos abrangendo a complexidade pertinente a eles. É por meio dele que os saberes são sistematizados e socializados. E, em decorrência disso, o texto constitui-se num elemento articulador das diferentes áreas de conhecimento.
  • 8. Assim, como potencializar o trabalho com os diversos componentes curriculares a partir dos textos utilizados nos livros didáticos de alfabetização, por exemplo? Com quais componentes curriculares eles dialogam? Quais conhecimentos históricos, geográficos, científicos, artísticos, etc. podem ser sistematizados a partir do trabalho com esses textos?
  • 9. Tomaremos, novamente, o texto A vaca Mimosa e a mosca Zenilda do livro A escola é nossa, para exemplificar possibilidades de trabalho, nas quais foram organizadas: (LEAL E ALBUQUERQUE, PNAIC, 2012, Unidade 5, ano 1, p. 8-9)
  • 10. Projeto Didático TODOS JUNTOS CONTRA A DENGUE Adaptações da sequência elaborada e vivenciada pela Prof. ª: Fabricia Pereira de Oliveira Dias
  • 11. CONHECIMENTOS: • Dengue: transmissão da doença, sintomas e prevenção. • Leitura de textos informativos (encontrados nos folders, folhetos e revistas), notícia de jornal, mapas, cartazes, poesia. • Análise e reflexão sobre os textos que se referem à dengue e ao seu transmissor. • Produção de texto escrito: anúncios. • Uso de g (diante do a, o, u) e de gu (diante de e, i).
  • 12. OBJETIVOS LEITURA • Identificar e explorar diferentes gêneros textuais. • Relacionar textos verbais e não-verbais, construindo sentidos. • Antecipar sentidos e ativar conhecimentos prévios relativos aos textos a serem lidos pelo professor ou pelas crianças. • Confirmar ou refutar hipóteses, tendo em vista a construção de sentidos do texto. • Realizar inferências em textos de diferentes gêneros e temáticas, lidos pelo professor ou outro leitor experiente. • Estabelecer relação de intertextualidade entre textos. • Avaliar criticamente os textos lidos. Direitos de Aprendizagem Língua Portuguesa
  • 13. • Participar de interações orais em sala de aula, questionando, sugerindo, argumentando e respeitando os turnos de fala. • Produzir textos orais de diferentes gêneros, com diferentes propósitos (experiências pessoais). • Produzir textos de diferentes gêneros, atendendo a diferentes finalidades, por meio da atividade de um escriba. • Produzir textos de diferentes gêneros, com autonomia, atendendo a diferentes finalidades. • Utilizar vocabulário diversificado e adequado ao gênero e às finalidades propostas. • Planejar a escrita de textos considerando o contexto de produção: organizar roteiros, planos gerais para atender a diferentes finalidades, com ajuda de escriba.
  • 14. • Distinguir desenho e escrita. • Diferenciar letras de outros símbolos. • Compreender a orientação e alinhamento convencionais da escrita na língua portuguesa. • Compreender que palavras diferentes compartilham certas letras. • Segmentar palavras em textos. • Reconhecer e nomear as letras do alfabeto. • Reconhecer diferentes tipos de letras em textos de diferentes gêneros e suportes textuais. • Conhecer e fazer uso das grafias de palavras com correspondências regulares contextuais entre letras ou grupos de letras e seu valor sonoro, especificamente o G/GU.
  • 15. 1º dia 1. Iniciar um roda de conversa a partir da retomada da história A Vaca Mimosa e a Mosca Zenilda, lembrando a turma onde era a casa da Mosca Zenilda:
  • 16.  Onde a mosca Zenilda morava?  Por que ela escolheu o velho sapato para ser a sua “casa”?  Como será que o sapato foi parar no meio do mato?  O que pode acontecer quando deixamos sapatos ou outros recipientes jogados na natureza? E se chover, o que acontece?  As moscas e os mosquitos podem ser perigosos? Por quê?  Vocês conhecem alguma doença que é transmitida por eles?  Atualmente a dengue, que é uma doença transmitida por um tipo de mosquito que tem causado muitos problemas para as pessoas. Você conhece alguém que teve dengue?  Como podemos evitar essa doença?  Será que no lugar onde vivemos existem muitos casos? 2. Conversando sobre essa parte da história:
  • 17. 3. Vamos ler uma notícia que traz informações importantes sobre esse assunto: (disponível em http://g1.globo.com/espirito- santo/noticia/2013/05 /es -registra-mais-de- 53-mil-casos-de-dengue-em-seis-meses.html)
  • 18.  De acordo com a notícia, há muitos casos de Dengue no nosso Estado?  Houve pessoas que morreram por causa da doença?  Como isso poderia ter sido evitado?  Onde você mora tem muita gente “pegando” dengue?  Será que o nosso Estado é o único do Brasil que ainda não conseguiu acabar com a Dengue? Vocês conhecem outros lugares que também têm dengue? 4. Conversando sobre as informações do texto:
  • 19. Mapa da dengue 2011 Disponível em: http://www.dengue.org.br/ 5. Veja neste mapa como estava a situação da Dengue no Brasil em 2011:  O que indica a cor branca? Quais são os lugares do Brasil que o risco de Dengue é baixo?  E a cor amarela? Quais lugares o risco é moderado?  Tem lugares com risco alto? Quais?  E a cor vinho, o que indica? Há menos ou mais lugares do Brasil nessa situação?  O Espírito Santo está em qual situação?
  • 20. DIREITOS DE APRENDIZAGEM Até o momento, qual área, excetuando-se Língua Portuguesa, está sendo contemplada? Consultar o caderno PNAIC, Unidade 5, p.39 e marcar os direitos gerais que foram contemplados.
  • 22. Para ajudarmos no combate à dengue, é preciso, primeiramente, conhecer um pouco mais sobre essa doença. Procure textos que falem sobre a dengue e traga para a escola. Compartilharemos as informações encontradas com os colegas em nossa roda de conversa. 6. Ampliando conhecimentos:
  • 23. 2º dia 1. Retomar a atividade de casa, pedindo as crianças que apresentem o material coletado e fazer a leitura dos textos com a turma. Organizar um cartaz com os textos trazidos pelas crianças. 2. Convidar a turma a ouvir a leitura de outro texto que fala sobre a doença publicado na página da revista Ciência Hoje das Crianças, na internet.
  • 28.  A partir do que lemos, qual inseto nos transmite a dengue?  No texto, o mosquito é chamado de pernilongo.Você conhece outros nomes dados ao mosquito? Com quem aprendeu este nome?  Qualquer mosquito transmite a dengue?  Que sintomas foram destacados no texto que podem indicar que estamos com dengue?  O que devemos fazer para acabar com a dengue? Por quê?  Você acha que todas as pessoas já sabem o que fazer para acabar com a dengue?  Com a leitura desse texto aprendemos mais sobre a dengue? Por quê?
  • 29. 3. Registro coletivo: o que aprendemos sobre a Dengue O objetivo dessa produção dos textos é registrar as informações estudadas e apropriadas pelas crianças, tendo em vista a função mnemônica da escrita. Essa produção pode ocorrer em vários momentos, de acordo com os estudos realizados com as crianças. Vejamos alguns exemplos: Textos produzidos com crianças do 1º ano, Prof.ª Fabricia Pereira de Oliveira Dias.
  • 30. De acordo com o que já estudamos, deixe registrado os sintomas da dengue para que não nos esqueçamos deles. 1. Refletindo sobre como escrevemos e lemos 3º dia
  • 31. O que o menino está sentindo de acordo com a imagem abaixo? Escreva na linha abaixo, o sintoma que você relacionou com essa imagem? _______________________________ Quando você escreveu, usou os sinais ##? Por quê? O que deve aparecer no lugar desses sinais?
  • 32. • Sobre esse dois outros sintomas: Qual palavra tem mais letras? Com qual letra começam? Se iniciarmos FEBRE com a letra L, que palavra formamos? __________________
  • 33. Como vimos, a dengue é uma doença que pode até matar. Vamos saber mais sobre os cuidados que devemos tomar. Para isso, vamos fazer a leitura de um livro que está relacionado com nosso tema de estudo. Essa história foi escrita por Maxs Porto. E as ilustrações foram feitas por um desenhista chamado Carti. Vamos saber um pouco mais sobre o autor do livro. 4º dia
  • 34. Maximiano de Figueredo é natural de Caratinga (MG), nasceu em 14 de outubro de 1944. Já foi contemplado com 54 prêmios literários. Ele escreve para adultos, jovens e crianças. Além de escritor ele também é jornalista, poeta, artista plástico e publicitário. 1. Leitura da biografia do autor: • Vocês já conheciam o autor? • Já leram algum outro livro escrito por ele? • Para quem o autor gosta de escrever? • Vamos localizar no mapa do Brasil, o Estado em que o autor nasceu?
  • 35.  O que vocês vêem na capa do livro?  Há desenhos? O que estão mostrando?  Por que será que tem um campo de futebol dentro do pneu?  Que bichinhos representam os jogadores?  E nas arquibancadas?  Qual o título da história?  Vamos copiá-lo no caderno?  Por que será que tem esse título/  Vamos ler a história e ficar sabendo!! 2. Antecipação inicial do conteúdo do texto:
  • 36. 3. Leitura do livro:
  • 44. • Quem conta (narra) a história? • Qual a origem do mosquito? (mostrar no Globo Terrestre o continente africano) • Como o mosquito se descreve? • Na visão do mosquito, quem é responsável pelo surgimento das doenças que ele transmite? • Qual a opinião de vocês a respeito disso? • O que vocês sabem sobre o “fumacê”? • O que você não sabia e aprendeu com o livro “Que febre de mosquito”? 4. Conversando sobre o texto:
  • 45. QUE FEBRE DE MOSQUITO! MAXS PORTES [...] SE DEIXO A QUEM EU PIQUEI MUITO DOENTE, PERRENGUE, É QUE NÃO ME APRESENTEI: SOU O TRANSMISSOR DA DENGUE! AO ME VEREM HÁ QUEM GRITE DE SURPRESA E DE VITÓRIA: - ALI O AEDES AEGYPTI!!! ... E FINDA, ASSIM, MINHA HISTÓRIA. Obs: Escrever esse trecho da história no papel cenário ou no quadro para fazer nova leitura, junto com as crianças, apontando as palavras para que percebam os aspectos formais do texto como: direcionamento da escrita, espaços entre as palavras, onde estão escritas as palavras, as rimas, a organização do texto em versos, os limites gráficos entre os versos (estrofes). 5. Compreensão da escrita no texto: As crianças devem receber o trecho da história para ser colado no caderno. Em seguida, propor as seguintes questões:
  • 46.  Pinte o que não é letra. Se não é letra o que é? Para que esses sinais foram usados no texto?  Pinte os espaços em branco entre as palavras. Há palavras formadas por uma letra? Quais? E por duas letras?  Qual verso tem menos palavras? E mais palavras? Circule- os.  Mosquito é apenas um dos nomes desse bichinho que o texto fala. Dependendo do lugar o mosquito também pode ter outros nomes. Vamos listar alguns nomes de como esse bichinho é conhecido.  Você já ouviu a palavra “PERRENGUE”? O que ela significa?  Localize e pinte as palavras dengue e perrengue. O que elas têm em comum?
  • 47. • Observe o som da letra g nas palavras abaixo. DENGUE PERNILONGO • O som da letra G é o mesmo? Por quê? • Vamos encontrar no livro que lemos outras palavras em que este som aparece. Vamos escrevê-las em um mural, organizando-as em colunas. • Registre nosso mural em seu caderno. • De acordo com o que vemos nas colunas, quando devemos usar a letra g para que ela tenha este som? 1. Estudo da letra G 5º dia
  • 48. PESSOA FRUTA INSTRUMENTO MUSICAL ANIMAL PROFISSÃO OBJETO • Material: cartela dividida em colunas. • Objetivo: completar as colunas com palavras que apresentem o som [g], grafando-o corretamente. Este som pode aparecer em qualquer lugar das palavras. Não precisa ser no início. • Como jogar: o jogo pode acontecer em duplas ou em trios. Quem completar primeiro a cartela, ganha o jogo. Possíveis adaptações: às crianças que ainda não estão alfabetizadas, pode ser solicitado que desenhem o que pretendem escrever. 2. Adedonha diferente
  • 49. Agora é a nossa vez de contribuir na luta contra o mosquito da dengue. Nós já sabemos o que fazer para acabar com essa doença! Vamos, então, avisar às pessoas, alertando sobre o que cada um deve fazer para eliminá-lo. Qual texto podemos elaborar para atender nosso objetivo? 6º dia
  • 50. 1. Conhecendo textos que foram produzidos com essa finalidade: Estes textos - encontrados em folder ou cartazes - em sua grande maioria foram produzidos e distribuídos pelo Governo Federal e prefeituras a fim de que todas as pessoas fossem alertadas quanto ao perigo que a dengue representa. Obs: Aproveitar também anúncios encontrados pelas crianças.
  • 51. Que tipo de informações encontramos nesses textos e naqueles que vocês trouxeram? Contam alguma história, por exemplo? Vocês percebem quantas imagens, cores, formas diferentes de escrever aparecem nesses textos que a professora trouxe? Por que são usados nesses textos? Ao terminarmos a leitura dos textos, podemos dizer para que foram produzidos? Esses textos foram produzidos para convencer as pessoas a mudarem seus hábitos e colaborarem na prevenção da dengue. Eles são escritos em cartazes para serem utilizados em campanhas de utilidade pública ou comunitárias. As campanhas sempre têm um lema. Esses textos foram produzidos para convencer as pessoas a mudarem seus hábitos e colaborarem na prevenção da dengue. Eles são escritos em cartazes para serem utilizados em campanhas de utilidade pública ou comunitárias. As campanhas sempre têm um lema.  Volte aos cartazes e localize os lemas das campanhas.
  • 52.  Qual é o lema dessa campanha?  Para defender esse lema foram utilizadas só letras? O que mais aparece além das letras?  Como esses desenhos colaboram no sentido da campanha?  Na sua opinião, esse texto consegue atender o objetivo de conscientizar as pessoas a colaborarem no combate à Dengue? Por quê? 2. Vamos ler outros textos de campanha contra a dengue distribuídos pelo Governo Federal: TEXTO 1:
  • 53.  Quem promoveu essa campanha?  Localize o lema da campanha. Por que essa frase foi escrita com letras maiores?  Qual é o lema dessa campanha?  Você concorda que para combater a dengue não podemos ficar parados? Por quê?  E a água, por que não pode ficar parada?  Você acha que essa mensagem é boa para incentivar as pessoas a colaborarem no combate à dengue?  Há ilustrações no cartaz? O que elas mostram?  Na sua opinião as ilustrações ajudam a entender melhor o lema da campanha? Por quê?  Qual dos dois cartazes você acha que pode colaborar mais no combate à dengue? Por quê? TEXTO 2:
  • 54. Lembram o que conversamos sobre as campanhas de combate à dengue? Vimos que para realizar essas campanhas as pessoas produzem textos sobre o assunto, chamando a atenção dos leitores para o problema. Vimos que os textos são escritos em cartazes com informações básicas e objetivas, possuem muitas imagens, usam muitas cores e suas letras precisam ser visíveis. 7º dia 1. Retomando o que aprendemos:
  • 55. Onde será feita a campanha?  Quem queremos atingir?  Qual será o lema da campanha? O que mais devemos incluir nos cartazes?  Que tipo de letras utilizaremos?  Terá ilustrações? Quais?  Terá o nome da turma que está promovendo a campanha? Onde devemos escrever o nome da turma? 2. Planejando a Campanha Comunitária de Combate à dengue da turma:
  • 56. 3. Revisão coletiva dos textos:
  • 57. Depois da revisão e da produção final dos textos definir com as crianças como pretendem realizar a campanha na escola. Os cartazes podem ser afixados na escola ou entregues nas salas de aula, com apresentação dos objetivos que levavam às crianças a realizarem a campanha. Essa apresentação pode ser ensaiada previamente em sala, tendo em vista uma conversa sobre a necessidade de saber o que e como falar diante de um público específico. 8º dia 1. Realização da Campanha Comunitária: Foto: Crianças do 1º ano, Prof.ª Fabricia Pereira de Oliveira Dias, realizando a campanha na escola.
  • 58. CAMPANHA NA COMUNIDADE Foto: Crianças do 1º ano, Prof.ª Fabricia Pereira de Oliveira Dias, realizando a campanha na comunidade.
  • 59. DIREITOS DE APRENDIZAGEM Que outra área está sendo contemplada? Consultar o caderno PNAIC, Unidade 5, p.37 e 38 e marcar os direitos que foram contemplados.
  • 60. Direitos de Aprendizagem – Ciências Naturais
  • 61. Algumas considerações..Algumas considerações.. Parafraseando Pereira e Sousa (s/d, p. 83), acreditamos que o trabalho com o texto amplia as possibilidades de trabalho na alfabetização “[...] quando reconhecemos que os textos não possuem um sentido, mas sentidos; quando confrontamos leituras, textos; quando sabemos que não se lê o mesmo texto da mesma maneira, ainda que o leitor seja o mesmo; quando reconhecemos que, a cada vez que voltamos a um texto, o lemos de modo diferente, exatamente porque já não somos os mesmos: mudou nosso conhecimento lingüístico, nosso conhecimento de mundo, nossos objetivos já não são os mesmos, até nosso humor alterou-se”.
  • 62. Nesse sentido, a proposta de trabalho apresentada nos permite, dentre outros objetivos, a articulação entre os diferentes saberes. E, com isso, garantimos também os Direitos de Aprendizagem. No que se refere ao ensino das Ciências Naturais e da Geografia, o PNAIC deixa registrado:
  • 63. OUTROS PROJETOS DIDÁTICOS DIFERENTES LUGARES: A CIDADE ONDE VIVO O TRÂNSITO E OS LUGARES ONDE VIVO:MINHA CA
  • 64.  MEIRELES, C. Ou isto ou Aquilo. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2002.  Dengue: a batalha contra os pernilongos. (disponível em: http://chc.cienciahoje.uol.com.br/ dengue-a-batalha-contra-os-pernilongos/)  http://espacoeducar-liza.blogspot.com/2009/04/dengue-pode- matar-baixe-aqui-gibizinho.html  http://picasaweb.google.com/LadyLuNickel/ProjetoDengue#  http://www.releituras.com/cmeireles_bio.asp .67  SOUSA, M. E. V; PEREIRA, R. C. M. Do texto para o mundo e do mundo para o texto: movimentos de leitura e de escrita. (Disponível em http://portal.virtual.ufpb.br/biblioteca- virtual/files/leitura_e_produaao_de_texto_i_1359990314.pdf) ReferênciasReferências

Notas do Editor

  1. NESSAS INDAGAÇÕES INICIAIS, PRETENDI PENSAR COM ELAS QUE OS DIFERENTES SABERES SÃO PRODUZIDOS POR HOMENS E MULHERES SITUADOS NO TEMPO QUE MATERIALIZAM-NOS POR MEIO DE ENUNCIADOS, OU SEJA, POR MEIO DOS TEXTOS.
  2. A LETRA G ANTES DE A, O, U TEM UM SOM E ANTES DE E, I TEM OUTRO...