SlideShare uma empresa Scribd logo
discentes
ALOYANA SOUZA
CRISTIAN BERNARDO
JAILSON SANTOS
PAULA LUIZA
RODOLFO AMORIM
WILLIAM MONTEIRO
professora
CAMILA SAMPAIO
Uma análise
sobre o Ciclo
PDCA como um
método para
solução de
problemas da
qualidade
Maceió, novembro de 2014
Augusto V. M. da Fonseca
Dario Ikuo Miyake
Depto. de Engenharia de Produção, EPUSP
O Planejamento Estratégico é uma técnica
gerencial essencial para a boa administração.
Por meio da análise do ambiente de uma
organização, é possível se fazer um diagnóstico
de oportunidades e ameaças, pontos fortes e
fracos para o cumprimento da sua missão.
Maceió, novembro de 2014
01
Maceió, novembro de 2014
O PDCA
O método hoje conhecido
como PDCA, foi criado na
década de 30 por Walter A.
Shewart. Foi popularizado
por William Edward Deming
na década de 50, o que o
tornou mundialmente
reconhecido por aplicá-lo
no Japão.
Essa forma de agir serve
tanto para implantação de
novas ideias como para
solução de problemas.
01
Maceió, novembro de 2014
As etapas do CICLO PDCA estão descritas a seguir:
O ciclo tem início com a definição de um plano, baseado em
diretrizes ou políticas da empresa. A fase PLAN do ciclo
PDCA é subdividida em cinco etapas, as quais são elencadas
a seguir:
1) Identificação do problema;
2) Estabelecer meta;
3) Análise do fenômeno;
4) Análise do processo (causas);
5) Plano de ação.
01
Maceió, novembro de 2014
1) Identificação do Problema: é realizado todas as vezes que a
empresa se deparar com um resultado (efeito) indesejado,
provindo de um processo (conjunto de causas).
2) Estabelecer meta: o problema será sempre a meta não
alcançada, sendo a diferença entre o resultado atual e um
valor desejado chamado META. Toda meta a ser definida
deverá sempre ser constituída de três partes - objetivo
gerencial, prazo e valor.
3) Análise do fenômeno: análise detalhada do problema
detectado e suas características, por meio de fatos e dados
coletados.
01
Maceió, novembro de 2014
4) Análise de processo: buscar as causas mais importantes que
provocam o problema, através da análise das características
importantes.
5) Plano de ação: é o produto de todo processo referente à
etapa PLAN em que estão contidas, em detalhes, todas as
ações que deverão ser tomadas para se atingir a meta
proposta inicialmente. Para sua elaboração a metodologia mais
indicada é o 5W1H ou 5W2H.
01
Maceió, novembro de 2014
PLAN
No treinamento, a organização deverá efetuar a divulgação do
plano a todos os funcionários envolvidos para que fiquem
cientes. Assim, o plano de ação poderá ser colocado em prática.
Durante a sua execução, deve-se efetuar verificações periódicas
no local em que as ações estão sendo efetuadas, a fim de
manter o controle e eliminar possíveis dúvidas que possam
ocorrer ao longo da execução.
Todas as ações e os resultados bons ou ruins devem ser
registrados para alimentar a etapa seguinte do ciclo PDCA, o
“Check”.
01
Maceió, novembro de 2014
DO
Execução do plano, que consiste no treinamento dos
envolvidos no método a ser empregado, a execução
propriamente dita e a coleta de dados para posterior
análise.
Essa etapa se subdivide em duas:
1) Treinamento
2) Execução da ação
01
Maceió, novembro de 2014
CHECK
O terceiro passo do PDCA é a análise ou verificação dos
resultados alcançados e dados coletados.
Ela pode ocorrer concomitantemente com a realização do
plano quando se verifica se o trabalho está sendo feito da
forma devida, ou após a execução quando são feitas
análises estatísticas dos dados e verificação dos itens de
controle.
Nesta fase podem ser detectados erros ou falhas.
01
Maceió, novembro de 2014
ACT
Último módulo do ciclo PDCA é caracterizado pela
realização das ações corretivas, ou seja, a correção da falhas
encontradas no passo anterior e pelo processo de
padronização das ações executadas, cuja eficácia foi
verificada anteriormente. É nessa fase que se inicia
novamente o ciclo levando ao processo de Melhoria
Contínua.
01
Maceió, novembro de 2014
ACTION PLAN
CHECK DO
A P
DC
ATUE NO PROCESSO
EM FUNÇÃO DOS
RESULTADOS
ESTABELEÇA
AS METAS
DETERMINE OS
MÉTODOS PARA
ALCANÇAR AS
METAS
VERIFIQUE OS
EFEITOS DO TRABALHO
EXECUTADO
EXECUTE O
TRABALHO
EDUQUE E
TREINE
01
Maceió, novembro de 2014
Ishikawa (1985) ampliação
dos passos do Ciclo PDCA:
1) Definir metas e objetivos;
2) Definir métodos para
atingir as metas;
3) Educar e treinar;
4) Executar a tarefa;
5) Verificar resultados da
implementação;
6) Atuar corretivamente
(realizar a ação de forma
apropriada).
01
INTRODUÇÃO
• Uma organização (empresa) precisa buscar atingir seus objetivos e metas, visando melhorar
seu desempenho no mundo globalizado e cada vez mais competitivo e turbulento. Para tal,
ela deve se adaptar às várias mudanças de mercado, o que acaba por exigir novas
abordagens no seu sistema de gestão.
Maceió, novembro de 2014
02
Metodologia da Pesquisa
O tipo de pesquisa utilizado neste
trabalho é o teórico-conceitual.
 Foi buscado levantar conhecimentos que
dessem uma visão panorâmica da
problemática tomada como objeto de estudo.
 O tema foi examinado sob um novo ângulo,
através da concatenação de ideias, fortemente
calcadas em fundamentos teóricos.
Maceió, novembro de 2014
03
Metodologia da Pesquisa
• Foram utilizadas referências bibliográficas com
conteúdos da área da qualidade e de assuntos
subjacentes ao cerne deste estudo, como os de
metodologia científica.
• A isto, soma-se o objetivo do artigo, que visou uma
combinação dos assuntos que fosse relevante e atual,
partindo da premissa que o ciclo PDCA é atualmente o
modelo conceitual mais bem conhecido entre os
praticantes da gestão da qualidade para o balizamento
de processos de melhoria sistematizados.
Maceió, novembro de 2014
03
Desempenho da empresa (1)
Gestão da Qualidade Total (TQM)(1)
Solução de problemas da qualidade
- Conhecimento (3)
- Solução de problemas (4)
- Problemas na área da qualidade
Metodologia (5)
Métodos
- Definições (5)
- Métodos analíticos tradicionais
- Ciclo PDCA (6, 7)
- Métodos baseados em causas (9)
- Métodos calcados na criatividade e inovação
(10)
- Critérios para a avaliação de métodos (8)
Técnicas e ferramentas (5)
Maceió, novembro de 2014
03
A metodologia, o método e a técnica
• A palavra método literalmente significa
“ordenação do caminho”. A idéia subjacente é a
da “ordenação do caminho com vistas a
alcançar um objetivo”. Já o método científico é a
“ordenação dos procedimentos de investigação
com vistas a buscar um conhecimento
científico” (ABRAMCZUK, 2004).
Maceió, novembro de 2014
06
A metodologia, o método e a técnica
Para a solução de problemas:
 o emprego do método deve vir
acompanhado da metodologia e da
técnica.
Segundo Thiollent (1996, p. 25), “a metodologia é entendida como
disciplina que se relaciona com a epistemologia ou a filosofia da
ciência. Seu objetivo consiste em analisar as características dos vários
métodos disponíveis [...]. Além de ser uma disciplina que estuda os
métodos, a metodologia é também considerada como modo de
conduzir a pesquisa”.
Maceió, novembro de 2014
06
A metodologia, o método e a técnica
Já a técnica possui, em geral, um objetivo muito mais
restrito do que o método (THIOLLENT, op. cit. p. 26).
“os métodos têm graus variáveis de abrangência.
Podem ser chamados simplesmente técnicas, ou
métodos de menor grau, isto é, de maior
especialização, com os quais se obtêm resultados
parciais ou muito delimitados” (THIOLLENT, 1983).
Maceió, novembro de 2014
06
A metodologia, o método e a técnica
A metodologia trata do estudo dos métodos e do processo
gerador dos métodos. Também é possível dizer que o método é a
estratégia da ação e a técnica é a tática da ação. O método indica
o que fazer (quais as etapas a serem seguidas) e a técnica indica
como fazer (a forma mais adequada de fazer).
Campos (1992, p. 209), sob o âmbito do TQC (Total Quality Control),
coloca que “o método é a seqüência lógica para se atingir a meta
desejada”. A ferramenta (vista aqui como sinônimo de técnica) “é o
recurso a ser utilizado no método”. Ele enfatiza que não adianta
conhecer várias ferramentas se o método não é dominado, pois o que
realmente soluciona os problemas é o método e não as ferramentas.
Maceió, novembro de 2014
06
Os ciclos PDCA
• PDCA para o planejamento, controle e melhoria
da qualidade
• PDCA quando utilizado para atingir metas padrão
ou para manter os resultados num certo nível
desejado.
• PDCA de inovação, o plano de ação de
implementação do processo
• PDCA de melhoria.
• PDCA do planejamento da qualidade (ou de
inovação)
Maceió, novembro de 2014
07
O que é planejamento?
• Ação planejada versus ação improvisada
• Seria possível uma vida ou uma sociedade totalmente
planejada?  Não. Daí a coexistência das duas formas de
agir
Maceió, novembro de 2014
07
Planejar = antecipar racionalmente uma ação, um
resultado que se quer, uma guerra ou batalha, uma
construção, uma reorganização do espaço...
• Pressupõe um Plano
• Existe desde a pré-história, mas se expandiu
com o pensamento racional
Maceió, novembro de 2014
07
O que é um Plano?
• É uma antecipação do futuro com objetivos e
meios ou recursos, levando em conta um
tempo com suas etapas ou fases.
• Vem depois (ou a partir) de um diagnóstico,
um estudo da realidade onde se vai intervir;
ao diagnóstico segue-se um prognóstico e
deste propostas de ação.
Maceió, novembro de 2014
07
Um Plano deve levar em conta:
• 1. Tempo (curto, médio ou longo prazo)
• 2. Espaço ou área de abrangência
• 3. Atividade, setores abrangidos
• 4. Recursos disponíveis
• 5. Estratégias a serem implementadas e o
Cronograma
Maceió, novembro de 2014
07
Utilização
• Estabelecimento de metas de melhoria.
• Resolucão de problemas críticos
(gerenciamento de rotina)
Maceió, novembro de 2014
07
Padronização
Diretrizes da alta administração
Ação
corretiva
Revisão periodica dos
problemas crônicos
Problema
crônicos
prioritarios
Metas
Mantém
Melhora
PDCA
• Características da metodologia para análise e
solução de problemas:
Simplicidade
Eficiência para utilização em nível operacional
Valorização de fatos
Medição e análise do problema global
Identificação das causas reais do problema
Maceió, novembro de 2014
08
MÉTODO DE ANÁLISE E SOLUÇÃO DE PROBLEMAS
PDCA FLUXOGRAMA FASE
1 Identificação do problema
2 Observação
3 Análise
4 Plano de Ação
P
5 Ação
D 6 Verificação
C 7 Padronização
A 8 Melhoria continua
Maceió, novembro de 2014
08
EXEMPLO
• A empresa Queijo Cheese. Comercializa
queijo do tipo coalho. Recentemente, ela
perdeu alguns contratos devido à problemas
de qualidade às exigências dos clientes.
• Preocupados com esta situação, seus diretores
contrataram uma consultoria externa para
diagnosticar e propor soluções para os
problemas encontrados
Maceió, novembro de 2014
08
EXEMPLO
• A seqüência da operação
obedecia à seguinte orientação:
O leite que chegava era
despejado diretamente no
tanque de armazenamento,
independentemente da
qualidade da matéria-prima
recebida; os funcionários eram
distribuídos a partir de forma
que participassem de todos os
processos, desde a recepção do
leite até a embalagem final; os
trabalhadores localizavam não
poderiam ficar parados, e
sempre havia rodízio entre eles.
• A área onde a material-prima
era recebida na ocasião era
muito suja e possuía alta
infestação de aves.
• Os padrões recomendados pelo
corpo técnico da empresa eram
os seguintes:
• Armazenar o leite recebido;
pasteurizar; resfriar e bombear
novamente para o tanque de
armazenamento frio; no período
de fabricação, bombear para os
tanques de coagulação;
• A quantidade de coalho
utilizada era padrão para o
tanque utilizado, sendo assim
somente necessário pesar e
adicionar ao leite.
Maceió, novembro de 2014
08
EXEMPLO
• A turma que efetuava o trabalho compunha-se de 50 trabalhadores, sob
o comando de um encarregado.
• Cada trabalhador realizava pelo menos 3 tarefas no mesmo dia.
• Apenas 28 trabalhadores usavam a balança para pesar a quantidade de
coalho necessário.
• Detectou-se que oito trabalhadores, os mais antigos na fabrica, usavam
da técnica do olhometro para medir a quantidade de coalho.
• Do total de trabalhadores, 14 eram novatos e não haviam recebido
nenhum treinamento.
• Seis trabalhadores não tinham boa higiene.
• Independentemente da situação do dia, havia orientação, passada pelo
encarregado, de que deveriam ser produzidos 1ton de queijo/dia.
Maceió, novembro de 2014
08
EXEMPLO
• A quantidade de coalho usada foi avaliada para cada funcionário,
onde.
• Cerca de 3dias após a produção, 50 peças de queijos foram avaliadas.
Os resultados foram os seguintes:
• Cinco peças totalmente fora dos padrões legislativos.
• Quinze peças parcialmente quebradiças, sem um bom corte.
• Nove peças aparentemente sem o peso líquido descrito na
embalagem correto.
• Vinte e uma peças totalmente.
• Analise o diagnóstico e conclua utilizando o MASP:
Maceió, novembro de 2014
08
5W2H (Ferramenta usada para caracterizar um problema ou para estabelecer
um plano de ação corretiva)
• O que aconteceu?
– A empresa está perdendo os contratos dos clientes
• Por que aconteceu?
– A empresa não atende as exigências dos clientes
• Onde foram identificados os problemas?
– O produto não esta adéquo
• Quem eram os responsáveis?
– Trabalhadores experientes e trabalhadores novatos
• Quando aconteceu?
– Nos últimos 5 contratos
• Como aconteceu?
– Através da falta de um controle de qualidade efetivo, com trabalhadores
novatos, com problemas de dosagens na aplicação do coalho, com a falta de
treinamento, com a falta de planejamento.
• Quanto custou?
– A perda de cinco contratos que totalizariam R$100.000,00 + a perda de
imagem da empresa
Maceió, novembro de 2014
08
CAUSA-EFEITO
• Matéria-prima:
– Qualidade
– Condições de armazenamento
• Mão-de-obra:
– Falta de treinamento
– Falta de conscientização e/ou competência
Maceió, novembro de 2014
08
PLANO DE AÇÃO
• Causa 1: Medição do coalho:
• O que será feito?
– Dosadores padrão
• Por que será feito?
– Porque a dosagem media está menor que a recomendada
• Como será feito?
– Os dosadores serão encaminhados para o fabricante.
• Quem será o responsável?
– O encarregado da linha de produção
• Quando será realizado
– De 15 a 18 de dezembro
• Onde será realizado?
– Nas dependências do fabricante
• Quanto custará?
– R$50,00/dosador
Maceió, novembro de 2014
08
OUTRAS POSSÍVEIS AÇÕES
• Verificar as condições de armazenamento do leite;
• Verificar a eficiência do coalho utilizado (qualidade);
• Padronização das atividades realizadas pelos funcionários
• Eliminar o trabalho por tarefas;
• Treinar o pessoal
• Treinar o pessoal de supervisão
• Distribuir panfletos e orientar sobre a importância de uma boa higiene
• Efetuar avaliações semanais da equipe pelo encarregado
• Avaliar periodicamente produto final
• Planejar a atividade por períodos.
Maceió, novembro de 2014
08
PDCA FLUXOGRAMA FASE OBJETIVO
P
Identificaçãodo problema Definirclaramenteo problema e reconhecer sua importância
Observação Investigaras característicasespecificas do problema com uma visão ampla e sob vários pontos de vista
Análise Descobriras causas fundamentais
Plano de ação Conceber um plano para bloquear as causas fundamentais
D Ação Bloquear as causas fundamentais
C
Verificação Verificaro bloqueio efetivo
N (Bloqueiofoi efetivo?)
A
Padronização Prevenircontra o reaparecimentodo problema
Conclusão Recapitulartodo o processo de solução do problema para trabalho futuro.
?
40
O PDCA como Método de Solução de
Problemas de Múltiplos Passos
“Uma família de métodos de solução de problemas consiste
de procedimentos de múltiplos passos para ir
desempenhando todas as atividades necessárias para
solucionar algum ou todos os problemas”.
• O PDCA tende a ser altamente genérico.
• O método representa um processo sem fim, fazendo
repetidamente um questionamento dos trabalhos detalhados
de um determinado processo. Cada vez que se concluir a
quarta etapa do ciclo, se inicia novamente a primeira etapa e
“roda-se” novamente o PDCA.
Maceió, novembro de 2014
09
Os Métodos de Solução de Problemas
Baseados no Estudo das Causas
Os métodos para a solução de problemas recorrem ao
descobrimento e análise das causas.
Causa Raiz - Motivo original para uma determinada condição.
A análise da causa raiz (root cause analysis – RCA), é um
método “desenvolvido para a auxiliar a identificar não apenas
o que e como um evento ocorreu, mas também por quê ele
ocorreu”.
Maceió, novembro de 2014
10
42
Os “cinco porquês” é uma técnica bastante simples
para se chegar à causa raiz de um problema. É
implementada perguntando por quê após cada
resposta até se conseguir responder cinco porquês.
Perguntando “por quê” seguidamente os sintomas
começam a serem revelados até que a verdadeira
causa do problema, a causa raiz é revelada.(cinco
é apenas um número figurativo).
Técnica: Cinco Por quês
Maceió, novembro de 2014
10
43
Esta ferramenta é muito usada na área de qualidade, mas
na prática se aplica em qualquer área,
e inclusive pode ser muito útil no dia a dia.
Exemplo:
Alternativas aos métodos analíticos tradicionais
Além dos métodos de solução de problemas de múltiplos passos
e baseados no estudo das causas, como o PDCA, é preciso
conhecer outros métodos, os quais utilizarão muito mais
criatividade e inventividade do que a racionalidade.
Um grande exemplo destes novos métodos é a TRIZ
Que vêm do Russo
Teoriya Resheniya Izobretatelskikh Zadatch
Traduzindo para o português
Teoria da Solução Inventiva de Problemas
Maceió, novembro de 2014
11
Aplicação da TRIZ
A TRIZ é aplicada da seguinte maneira: Um problema
específico é reformulado em um problema genérico da TRIZ, e
então, as ferramentas da TRIZ são introduzidas para analisar e
propor uma solução geral. Assim, uma solução genérica é
interpretada para resolver um problema inventivo específico.
A figura abaixo ilustra a explicação:
Maceió, novembro de 2014
11
Premissas da TRIZ, segundo seu inventor o
soviético Genrich Altshuller
1- O designer é a meta
2- A determinação precisa das contradições ajudam a solucionar o
problema
3- O processo de inovação pode ser estruturado de forma
sistemática
4- Inspiração não precisa ser necessariamente randômica
5- Aplicação de soluções comuns melhoram e aceleram o processo
de inovação
Maceió, novembro de 2014
11
Empresas que utilizam TRIZ
1- Ford
2- Siemens
3- Boeing
4- IBM
5- Motorola
6- U.S. Navy
7- Exxon
8- Xerox
9- Chrysler
10- Samsung
Maceió, novembro de 2014
11
Produto produzido a partir da metodologia PDCA aliada a TRIZ
Embalagens auto-aquecidas
Maceió, novembro de 2014
11
Conclusões
Em resumo, cada vez que um problema é identificado e
solucionado, o processo trabalhado pelo ciclo PDCA passa para um
novo patamar de qualidade, uma vez que os problemas que antes
afligiam o processo agora passam a serem vistos como
oportunidades de melhorias.
Este ciclo possui uma vantagem ímpar por poder ser aplicado em
inúmeros ramos de atividade, como construção civil, empresarial,
jurídico, setor alimentício entre outros exemplos.
Maceió, novembro de 2014
12
Conclusões
Por fim, é importante lembrar que o processo de melhoria contínua
deve sempre continuar, não precisando necessariamente ter uma
conclusão. O processo de melhoria proporcionado pelo PDCA deve
ter por base as ações corretivas do ciclo primário, por isso, sempre
ao final de cada ciclo deve-se iniciar um novo circuito, tendo em
vista uma melhoria ainda mais específica do processo e das suas
etapas.
Maceió, novembro de 2014
12
OBRIGADO(a)!
Uma análise sobre o ciclo pdca como um método para solução de problemas da qualidade
CONTROLE DE QUALIDADE NA INDUSTRIA DE ALIMENTOS
Uma análise sobre o Ciclo
PDCA como um método para
solução de problemas da
qualidade
Referências:
1. FONSECA, A., V., M., F.;; Miyake, D., I. Uma análise sobre o Ciclo PDCA como um método para solução de problemas da qualidade. XXVI ENEGEP - Fortaleza, CE,
Brasil, 9 a 11 de Outubro de 2006
2. CAMPOS, V. F. TQC: Controle da qualidadetotal no estilo japonês. Minas Gerais/ Nova Lima: INDG, 2004.
3. ISHIKAWA,Kaoru. What Is Total Quality Control?: The Japanese Way. Hardcove, 1985.
4. Disponível em: http://www.duplofoco.com.br/ciclo-pdca/como-aplicar-o-ciclo-pdcaem-sua-empresa/,Acesso em 22 de Novembro de 2014.
5. Disponível em: www.madeira.ufpr.br/disciplinasprofaghislaine/PDCA-p-g.ppt, Acesso em 22 de Novembro de 2014.
6. Disponível em: http://www.portal-administracao.com/2014/08/ciclo-pdca-conceito-e-aplicacao.htmlAcesso em 22 de Novembro de 2014.
7. Disponível em: cascavel.ufsm.br/tede/tde/_busca/arquivo.php?codArquivo=4128 Acesso em 22 de Novembro de 2014.
discentes
ALOYANA SOUZA
CRISTIAN BERNARDO
JAILSON SANTOS
PAULA LUIZA
RODOLFO AMORIM
WILLIAM MONTEIRO
Professora
CAMILA SAMPAIO

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Kaizen
KaizenKaizen
PDCA - OPERAÇÃO
PDCA - OPERAÇÃOPDCA - OPERAÇÃO
PDCA - OPERAÇÃO
Ana C S Zeferino
 
Resumo Ciclo PDCA
Resumo Ciclo PDCAResumo Ciclo PDCA
Resumo Ciclo PDCA
Joubert Dini Guimaraes
 
Ciclo PDCA
Ciclo PDCACiclo PDCA
Ciclo PDCA
Antonio Virgilho
 
Ciclo PDCA
Ciclo PDCACiclo PDCA
Ciclo PDCA
Alessandro Fazenda
 
Apresentação workshop 1 - Ciclo PDCA
Apresentação workshop 1 - Ciclo PDCAApresentação workshop 1 - Ciclo PDCA
Apresentação workshop 1 - Ciclo PDCA
Bruno Pacheco
 
Aula 1 - Gestão da Qualidade
Aula 1 - Gestão da QualidadeAula 1 - Gestão da Qualidade
Aula 1 - Gestão da Qualidade
Unidade Acedêmica de Engenharia de Produção
 
O que é ISO
O que é ISOO que é ISO
O que é ISO
elliando dias
 
Diagrama de causa e efeito
Diagrama de causa e efeitoDiagrama de causa e efeito
Diagrama de causa e efeito
Amanda Bispo
 
1 slides - diagrama de causa e efeito (ishikawa)
1   slides - diagrama de causa e efeito (ishikawa)1   slides - diagrama de causa e efeito (ishikawa)
1 slides - diagrama de causa e efeito (ishikawa)
Caio Roberto de Souza Filho
 
Administração de Produção - Just in Time (JIT)
Administração de Produção - Just in Time (JIT)Administração de Produção - Just in Time (JIT)
Administração de Produção - Just in Time (JIT)
douglas
 
Método para análise e melhoria de processos
Método para análise e melhoria de processosMétodo para análise e melhoria de processos
Método para análise e melhoria de processos
Jorge Covacs
 
Ciclo pdca
Ciclo pdcaCiclo pdca
Ciclo pdca
Jefferson Oliveira
 
Melhoria Continua
Melhoria ContinuaMelhoria Continua
Melhoria Continua
CLT Valuebased Services
 
Treinamento Organizacional
Treinamento OrganizacionalTreinamento Organizacional
Treinamento Organizacional
Daniela Gomes dos Santos
 
Gestão da qualidade
Gestão da qualidadeGestão da qualidade
Gestão da qualidade
Adriano Pereira
 
Gestão da qualidade
Gestão da qualidadeGestão da qualidade
Gestão da qualidade
Pricila Yessayan
 
Ferramentas da qualidade
Ferramentas da qualidadeFerramentas da qualidade
Ferramentas da qualidade
Fabricio Pangoni
 
5W2H
5W2H5W2H
KPI\'s
KPI\'sKPI\'s

Mais procurados (20)

Kaizen
KaizenKaizen
Kaizen
 
PDCA - OPERAÇÃO
PDCA - OPERAÇÃOPDCA - OPERAÇÃO
PDCA - OPERAÇÃO
 
Resumo Ciclo PDCA
Resumo Ciclo PDCAResumo Ciclo PDCA
Resumo Ciclo PDCA
 
Ciclo PDCA
Ciclo PDCACiclo PDCA
Ciclo PDCA
 
Ciclo PDCA
Ciclo PDCACiclo PDCA
Ciclo PDCA
 
Apresentação workshop 1 - Ciclo PDCA
Apresentação workshop 1 - Ciclo PDCAApresentação workshop 1 - Ciclo PDCA
Apresentação workshop 1 - Ciclo PDCA
 
Aula 1 - Gestão da Qualidade
Aula 1 - Gestão da QualidadeAula 1 - Gestão da Qualidade
Aula 1 - Gestão da Qualidade
 
O que é ISO
O que é ISOO que é ISO
O que é ISO
 
Diagrama de causa e efeito
Diagrama de causa e efeitoDiagrama de causa e efeito
Diagrama de causa e efeito
 
1 slides - diagrama de causa e efeito (ishikawa)
1   slides - diagrama de causa e efeito (ishikawa)1   slides - diagrama de causa e efeito (ishikawa)
1 slides - diagrama de causa e efeito (ishikawa)
 
Administração de Produção - Just in Time (JIT)
Administração de Produção - Just in Time (JIT)Administração de Produção - Just in Time (JIT)
Administração de Produção - Just in Time (JIT)
 
Método para análise e melhoria de processos
Método para análise e melhoria de processosMétodo para análise e melhoria de processos
Método para análise e melhoria de processos
 
Ciclo pdca
Ciclo pdcaCiclo pdca
Ciclo pdca
 
Melhoria Continua
Melhoria ContinuaMelhoria Continua
Melhoria Continua
 
Treinamento Organizacional
Treinamento OrganizacionalTreinamento Organizacional
Treinamento Organizacional
 
Gestão da qualidade
Gestão da qualidadeGestão da qualidade
Gestão da qualidade
 
Gestão da qualidade
Gestão da qualidadeGestão da qualidade
Gestão da qualidade
 
Ferramentas da qualidade
Ferramentas da qualidadeFerramentas da qualidade
Ferramentas da qualidade
 
5W2H
5W2H5W2H
5W2H
 
KPI\'s
KPI\'sKPI\'s
KPI\'s
 

Semelhante a Uma análise sobre o ciclo pdca como um método para solução de problemas da qualidade

O ciclo pdca e outras metodologias curso aula 1
O ciclo pdca e outras  metodologias curso aula 1O ciclo pdca e outras  metodologias curso aula 1
O ciclo pdca e outras metodologias curso aula 1
DeyseQueirosSantos
 
Apresentação pdca
Apresentação pdcaApresentação pdca
Apresentação pdca
emc5714
 
apostila3.pdf
apostila3.pdfapostila3.pdf
apostila3.pdf
Fabiano Favretto
 
Ferramentas da qualidade
Ferramentas da qualidadeFerramentas da qualidade
Ferramentas da qualidade
Luiz Claudio Santana
 
MBA SGI UNISANTA - Disciplina: Ferramentas Gerenciais
MBA SGI UNISANTA - Disciplina: Ferramentas GerenciaisMBA SGI UNISANTA - Disciplina: Ferramentas Gerenciais
MBA SGI UNISANTA - Disciplina: Ferramentas Gerenciais
Marco Viveiros
 
Almoxarife e seus principais desafios na logistica
Almoxarife e seus principais desafios na logisticaAlmoxarife e seus principais desafios na logistica
Almoxarife e seus principais desafios na logistica
silvasidnalva87
 
Masp
MaspMasp
Ciclo PDCA: o guia definitivo das principais aplicações
Ciclo PDCA: o guia definitivo das principais aplicaçõesCiclo PDCA: o guia definitivo das principais aplicações
Ciclo PDCA: o guia definitivo das principais aplicações
Adm. Daniel Paulino
 
386 enegep2006 pdca
386 enegep2006 pdca386 enegep2006 pdca
386 enegep2006 pdca
Edmarso
 
Apresentação sobre a Ferramenta da Qualidade Ciclo PDCA
Apresentação sobre a Ferramenta da Qualidade  Ciclo PDCAApresentação sobre a Ferramenta da Qualidade  Ciclo PDCA
Apresentação sobre a Ferramenta da Qualidade Ciclo PDCA
PauloEdisonAtaides
 
PDCA.pdf
PDCA.pdfPDCA.pdf
Aula 1 - GESTÃO DE PROCESSOS.pdf
Aula 1 - GESTÃO DE PROCESSOS.pdfAula 1 - GESTÃO DE PROCESSOS.pdf
Aula 1 - GESTÃO DE PROCESSOS.pdf
Denise459384
 
Guia de mapeamento de processos
Guia de mapeamento de processosGuia de mapeamento de processos
Guia de mapeamento de processos
neliapires
 
PROCESSO DE PLANEJAMENTO EM ENFERMAGEM
PROCESSO DE PLANEJAMENTO EM ENFERMAGEMPROCESSO DE PLANEJAMENTO EM ENFERMAGEM
PROCESSO DE PLANEJAMENTO EM ENFERMAGEM
Centro Universitário Ages
 
Conceitos Avaliação da Formação
Conceitos Avaliação da FormaçãoConceitos Avaliação da Formação
Conceitos Avaliação da Formação
João Lima
 
Aula PDCA - Ciclo Plan Do Check Act
Aula PDCA - Ciclo Plan Do Check ActAula PDCA - Ciclo Plan Do Check Act
Aula PDCA - Ciclo Plan Do Check Act
Túlio Martins
 
Framework
FrameworkFramework
Framework
cacarangel
 
Semana de Comércio Exterior e Logística - Aplicação de ferramentas de melhori...
Semana de Comércio Exterior e Logística - Aplicação de ferramentas de melhori...Semana de Comércio Exterior e Logística - Aplicação de ferramentas de melhori...
Semana de Comércio Exterior e Logística - Aplicação de ferramentas de melhori...
Conselho Regional de Administração de São Paulo
 
10ecd48bac7a6e14dfc859ce6c8890ef
10ecd48bac7a6e14dfc859ce6c8890ef10ecd48bac7a6e14dfc859ce6c8890ef
10ecd48bac7a6e14dfc859ce6c8890ef
Anderson Tiago
 
Estudo do método de trabalho
Estudo do método de trabalhoEstudo do método de trabalho
Estudo do método de trabalho
Mauro Enrique
 

Semelhante a Uma análise sobre o ciclo pdca como um método para solução de problemas da qualidade (20)

O ciclo pdca e outras metodologias curso aula 1
O ciclo pdca e outras  metodologias curso aula 1O ciclo pdca e outras  metodologias curso aula 1
O ciclo pdca e outras metodologias curso aula 1
 
Apresentação pdca
Apresentação pdcaApresentação pdca
Apresentação pdca
 
apostila3.pdf
apostila3.pdfapostila3.pdf
apostila3.pdf
 
Ferramentas da qualidade
Ferramentas da qualidadeFerramentas da qualidade
Ferramentas da qualidade
 
MBA SGI UNISANTA - Disciplina: Ferramentas Gerenciais
MBA SGI UNISANTA - Disciplina: Ferramentas GerenciaisMBA SGI UNISANTA - Disciplina: Ferramentas Gerenciais
MBA SGI UNISANTA - Disciplina: Ferramentas Gerenciais
 
Almoxarife e seus principais desafios na logistica
Almoxarife e seus principais desafios na logisticaAlmoxarife e seus principais desafios na logistica
Almoxarife e seus principais desafios na logistica
 
Masp
MaspMasp
Masp
 
Ciclo PDCA: o guia definitivo das principais aplicações
Ciclo PDCA: o guia definitivo das principais aplicaçõesCiclo PDCA: o guia definitivo das principais aplicações
Ciclo PDCA: o guia definitivo das principais aplicações
 
386 enegep2006 pdca
386 enegep2006 pdca386 enegep2006 pdca
386 enegep2006 pdca
 
Apresentação sobre a Ferramenta da Qualidade Ciclo PDCA
Apresentação sobre a Ferramenta da Qualidade  Ciclo PDCAApresentação sobre a Ferramenta da Qualidade  Ciclo PDCA
Apresentação sobre a Ferramenta da Qualidade Ciclo PDCA
 
PDCA.pdf
PDCA.pdfPDCA.pdf
PDCA.pdf
 
Aula 1 - GESTÃO DE PROCESSOS.pdf
Aula 1 - GESTÃO DE PROCESSOS.pdfAula 1 - GESTÃO DE PROCESSOS.pdf
Aula 1 - GESTÃO DE PROCESSOS.pdf
 
Guia de mapeamento de processos
Guia de mapeamento de processosGuia de mapeamento de processos
Guia de mapeamento de processos
 
PROCESSO DE PLANEJAMENTO EM ENFERMAGEM
PROCESSO DE PLANEJAMENTO EM ENFERMAGEMPROCESSO DE PLANEJAMENTO EM ENFERMAGEM
PROCESSO DE PLANEJAMENTO EM ENFERMAGEM
 
Conceitos Avaliação da Formação
Conceitos Avaliação da FormaçãoConceitos Avaliação da Formação
Conceitos Avaliação da Formação
 
Aula PDCA - Ciclo Plan Do Check Act
Aula PDCA - Ciclo Plan Do Check ActAula PDCA - Ciclo Plan Do Check Act
Aula PDCA - Ciclo Plan Do Check Act
 
Framework
FrameworkFramework
Framework
 
Semana de Comércio Exterior e Logística - Aplicação de ferramentas de melhori...
Semana de Comércio Exterior e Logística - Aplicação de ferramentas de melhori...Semana de Comércio Exterior e Logística - Aplicação de ferramentas de melhori...
Semana de Comércio Exterior e Logística - Aplicação de ferramentas de melhori...
 
10ecd48bac7a6e14dfc859ce6c8890ef
10ecd48bac7a6e14dfc859ce6c8890ef10ecd48bac7a6e14dfc859ce6c8890ef
10ecd48bac7a6e14dfc859ce6c8890ef
 
Estudo do método de trabalho
Estudo do método de trabalhoEstudo do método de trabalho
Estudo do método de trabalho
 

Mais de Centro de Ciências Agrárias - CECA / Universidade Federal de Alagoas - UFAL

BIOLOGIA E COMPORTAMENTO DO Rhynchophorus palmarum 
BIOLOGIA E COMPORTAMENTO DO Rhynchophorus palmarum BIOLOGIA E COMPORTAMENTO DO Rhynchophorus palmarum 
BIOLOGIA E COMPORTAMENTO DO Rhynchophorus palmarum 
Centro de Ciências Agrárias - CECA / Universidade Federal de Alagoas - UFAL
 
AULA DE DETERIORACÃO DE SEMENTES
AULA DE DETERIORACÃO DE SEMENTESAULA DE DETERIORACÃO DE SEMENTES
COMPOSICAO QUIMICA DA SEMENTE
COMPOSICAO QUIMICA DA SEMENTECOMPOSICAO QUIMICA DA SEMENTE
ESTRESSE POR CHOQUE TÉRMICO
ESTRESSE POR  CHOQUE TÉRMICOESTRESSE POR  CHOQUE TÉRMICO
ACLIMATIZACÃO DE MICROPLANTAS
ACLIMATIZACÃO DE MICROPLANTASACLIMATIZACÃO DE MICROPLANTAS
PROJETO DE PESQUISA DE MESTRADO
PROJETO DE PESQUISA DE MESTRADOPROJETO DE PESQUISA DE MESTRADO
TIPOS DE ÓVULOS E MORFOLOGIA DA SEMENTE
TIPOS DE ÓVULOS E MORFOLOGIA DA SEMENTETIPOS DE ÓVULOS E MORFOLOGIA DA SEMENTE
Viabilidade de sementes de Libidibia ferrea (Mart. ex Tul.) L.P. Queiroz var....
Viabilidade de sementes de Libidibia ferrea (Mart. ex Tul.) L.P. Queiroz var....Viabilidade de sementes de Libidibia ferrea (Mart. ex Tul.) L.P. Queiroz var....
Viabilidade de sementes de Libidibia ferrea (Mart. ex Tul.) L.P. Queiroz var....
Centro de Ciências Agrárias - CECA / Universidade Federal de Alagoas - UFAL
 
Estresse Térmico
Estresse TérmicoEstresse Térmico
Fitohormônios - Estrigolactonas
Fitohormônios - EstrigolactonasFitohormônios - Estrigolactonas
Análise sensorial de chocolate teste triangular simples
Análise sensorial de chocolate   teste triangular simplesAnálise sensorial de chocolate   teste triangular simples
Análise sensorial de chocolate teste triangular simples
Centro de Ciências Agrárias - CECA / Universidade Federal de Alagoas - UFAL
 
Laranja beterraba - cajá, da matéria-prima ao produto final
Laranja   beterraba - cajá, da matéria-prima ao produto finalLaranja   beterraba - cajá, da matéria-prima ao produto final
Laranja beterraba - cajá, da matéria-prima ao produto final
Centro de Ciências Agrárias - CECA / Universidade Federal de Alagoas - UFAL
 
Higiene e Sanitização na Industria de Alimentos
Higiene e Sanitização na Industria de AlimentosHigiene e Sanitização na Industria de Alimentos
Descarte de resíduos
Descarte de resíduosDescarte de resíduos
Composição química e contração muscular da carne
Composição química e contração muscular da carneComposição química e contração muscular da carne
Composição química e contração muscular da carne
Centro de Ciências Agrárias - CECA / Universidade Federal de Alagoas - UFAL
 
Sistemas anaeróbios
Sistemas anaeróbiosSistemas anaeróbios
Tratamento de resíduos farmacêuticos
Tratamento de resíduos farmacêuticosTratamento de resíduos farmacêuticos
Umidade e sólidos totais
Umidade e sólidos totaisUmidade e sólidos totais
Propriedades coligativas; tonoscopia - físico-química
Propriedades coligativas; tonoscopia - físico-químicaPropriedades coligativas; tonoscopia - físico-química
Propriedades coligativas; tonoscopia - físico-química
Centro de Ciências Agrárias - CECA / Universidade Federal de Alagoas - UFAL
 
Reação de produção de ácido acético a partir do etanol - Química Orgânica I
Reação de produção de ácido acético a partir do etanol - Química Orgânica IReação de produção de ácido acético a partir do etanol - Química Orgânica I
Reação de produção de ácido acético a partir do etanol - Química Orgânica I
Centro de Ciências Agrárias - CECA / Universidade Federal de Alagoas - UFAL
 

Mais de Centro de Ciências Agrárias - CECA / Universidade Federal de Alagoas - UFAL (20)

BIOLOGIA E COMPORTAMENTO DO Rhynchophorus palmarum 
BIOLOGIA E COMPORTAMENTO DO Rhynchophorus palmarum BIOLOGIA E COMPORTAMENTO DO Rhynchophorus palmarum 
BIOLOGIA E COMPORTAMENTO DO Rhynchophorus palmarum 
 
AULA DE DETERIORACÃO DE SEMENTES
AULA DE DETERIORACÃO DE SEMENTESAULA DE DETERIORACÃO DE SEMENTES
AULA DE DETERIORACÃO DE SEMENTES
 
COMPOSICAO QUIMICA DA SEMENTE
COMPOSICAO QUIMICA DA SEMENTECOMPOSICAO QUIMICA DA SEMENTE
COMPOSICAO QUIMICA DA SEMENTE
 
ESTRESSE POR CHOQUE TÉRMICO
ESTRESSE POR  CHOQUE TÉRMICOESTRESSE POR  CHOQUE TÉRMICO
ESTRESSE POR CHOQUE TÉRMICO
 
ACLIMATIZACÃO DE MICROPLANTAS
ACLIMATIZACÃO DE MICROPLANTASACLIMATIZACÃO DE MICROPLANTAS
ACLIMATIZACÃO DE MICROPLANTAS
 
PROJETO DE PESQUISA DE MESTRADO
PROJETO DE PESQUISA DE MESTRADOPROJETO DE PESQUISA DE MESTRADO
PROJETO DE PESQUISA DE MESTRADO
 
TIPOS DE ÓVULOS E MORFOLOGIA DA SEMENTE
TIPOS DE ÓVULOS E MORFOLOGIA DA SEMENTETIPOS DE ÓVULOS E MORFOLOGIA DA SEMENTE
TIPOS DE ÓVULOS E MORFOLOGIA DA SEMENTE
 
Viabilidade de sementes de Libidibia ferrea (Mart. ex Tul.) L.P. Queiroz var....
Viabilidade de sementes de Libidibia ferrea (Mart. ex Tul.) L.P. Queiroz var....Viabilidade de sementes de Libidibia ferrea (Mart. ex Tul.) L.P. Queiroz var....
Viabilidade de sementes de Libidibia ferrea (Mart. ex Tul.) L.P. Queiroz var....
 
Estresse Térmico
Estresse TérmicoEstresse Térmico
Estresse Térmico
 
Fitohormônios - Estrigolactonas
Fitohormônios - EstrigolactonasFitohormônios - Estrigolactonas
Fitohormônios - Estrigolactonas
 
Análise sensorial de chocolate teste triangular simples
Análise sensorial de chocolate   teste triangular simplesAnálise sensorial de chocolate   teste triangular simples
Análise sensorial de chocolate teste triangular simples
 
Laranja beterraba - cajá, da matéria-prima ao produto final
Laranja   beterraba - cajá, da matéria-prima ao produto finalLaranja   beterraba - cajá, da matéria-prima ao produto final
Laranja beterraba - cajá, da matéria-prima ao produto final
 
Higiene e Sanitização na Industria de Alimentos
Higiene e Sanitização na Industria de AlimentosHigiene e Sanitização na Industria de Alimentos
Higiene e Sanitização na Industria de Alimentos
 
Descarte de resíduos
Descarte de resíduosDescarte de resíduos
Descarte de resíduos
 
Composição química e contração muscular da carne
Composição química e contração muscular da carneComposição química e contração muscular da carne
Composição química e contração muscular da carne
 
Sistemas anaeróbios
Sistemas anaeróbiosSistemas anaeróbios
Sistemas anaeróbios
 
Tratamento de resíduos farmacêuticos
Tratamento de resíduos farmacêuticosTratamento de resíduos farmacêuticos
Tratamento de resíduos farmacêuticos
 
Umidade e sólidos totais
Umidade e sólidos totaisUmidade e sólidos totais
Umidade e sólidos totais
 
Propriedades coligativas; tonoscopia - físico-química
Propriedades coligativas; tonoscopia - físico-químicaPropriedades coligativas; tonoscopia - físico-química
Propriedades coligativas; tonoscopia - físico-química
 
Reação de produção de ácido acético a partir do etanol - Química Orgânica I
Reação de produção de ácido acético a partir do etanol - Química Orgânica IReação de produção de ácido acético a partir do etanol - Química Orgânica I
Reação de produção de ácido acético a partir do etanol - Química Orgânica I
 

Uma análise sobre o ciclo pdca como um método para solução de problemas da qualidade

  • 1. discentes ALOYANA SOUZA CRISTIAN BERNARDO JAILSON SANTOS PAULA LUIZA RODOLFO AMORIM WILLIAM MONTEIRO professora CAMILA SAMPAIO
  • 2. Uma análise sobre o Ciclo PDCA como um método para solução de problemas da qualidade Maceió, novembro de 2014 Augusto V. M. da Fonseca Dario Ikuo Miyake Depto. de Engenharia de Produção, EPUSP
  • 3. O Planejamento Estratégico é uma técnica gerencial essencial para a boa administração. Por meio da análise do ambiente de uma organização, é possível se fazer um diagnóstico de oportunidades e ameaças, pontos fortes e fracos para o cumprimento da sua missão. Maceió, novembro de 2014 01
  • 4. Maceió, novembro de 2014 O PDCA O método hoje conhecido como PDCA, foi criado na década de 30 por Walter A. Shewart. Foi popularizado por William Edward Deming na década de 50, o que o tornou mundialmente reconhecido por aplicá-lo no Japão. Essa forma de agir serve tanto para implantação de novas ideias como para solução de problemas. 01
  • 5. Maceió, novembro de 2014 As etapas do CICLO PDCA estão descritas a seguir: O ciclo tem início com a definição de um plano, baseado em diretrizes ou políticas da empresa. A fase PLAN do ciclo PDCA é subdividida em cinco etapas, as quais são elencadas a seguir: 1) Identificação do problema; 2) Estabelecer meta; 3) Análise do fenômeno; 4) Análise do processo (causas); 5) Plano de ação. 01
  • 6. Maceió, novembro de 2014 1) Identificação do Problema: é realizado todas as vezes que a empresa se deparar com um resultado (efeito) indesejado, provindo de um processo (conjunto de causas). 2) Estabelecer meta: o problema será sempre a meta não alcançada, sendo a diferença entre o resultado atual e um valor desejado chamado META. Toda meta a ser definida deverá sempre ser constituída de três partes - objetivo gerencial, prazo e valor. 3) Análise do fenômeno: análise detalhada do problema detectado e suas características, por meio de fatos e dados coletados. 01
  • 7. Maceió, novembro de 2014 4) Análise de processo: buscar as causas mais importantes que provocam o problema, através da análise das características importantes. 5) Plano de ação: é o produto de todo processo referente à etapa PLAN em que estão contidas, em detalhes, todas as ações que deverão ser tomadas para se atingir a meta proposta inicialmente. Para sua elaboração a metodologia mais indicada é o 5W1H ou 5W2H. 01
  • 8. Maceió, novembro de 2014 PLAN No treinamento, a organização deverá efetuar a divulgação do plano a todos os funcionários envolvidos para que fiquem cientes. Assim, o plano de ação poderá ser colocado em prática. Durante a sua execução, deve-se efetuar verificações periódicas no local em que as ações estão sendo efetuadas, a fim de manter o controle e eliminar possíveis dúvidas que possam ocorrer ao longo da execução. Todas as ações e os resultados bons ou ruins devem ser registrados para alimentar a etapa seguinte do ciclo PDCA, o “Check”. 01
  • 9. Maceió, novembro de 2014 DO Execução do plano, que consiste no treinamento dos envolvidos no método a ser empregado, a execução propriamente dita e a coleta de dados para posterior análise. Essa etapa se subdivide em duas: 1) Treinamento 2) Execução da ação 01
  • 10. Maceió, novembro de 2014 CHECK O terceiro passo do PDCA é a análise ou verificação dos resultados alcançados e dados coletados. Ela pode ocorrer concomitantemente com a realização do plano quando se verifica se o trabalho está sendo feito da forma devida, ou após a execução quando são feitas análises estatísticas dos dados e verificação dos itens de controle. Nesta fase podem ser detectados erros ou falhas. 01
  • 11. Maceió, novembro de 2014 ACT Último módulo do ciclo PDCA é caracterizado pela realização das ações corretivas, ou seja, a correção da falhas encontradas no passo anterior e pelo processo de padronização das ações executadas, cuja eficácia foi verificada anteriormente. É nessa fase que se inicia novamente o ciclo levando ao processo de Melhoria Contínua. 01
  • 12. Maceió, novembro de 2014 ACTION PLAN CHECK DO A P DC ATUE NO PROCESSO EM FUNÇÃO DOS RESULTADOS ESTABELEÇA AS METAS DETERMINE OS MÉTODOS PARA ALCANÇAR AS METAS VERIFIQUE OS EFEITOS DO TRABALHO EXECUTADO EXECUTE O TRABALHO EDUQUE E TREINE 01
  • 13. Maceió, novembro de 2014 Ishikawa (1985) ampliação dos passos do Ciclo PDCA: 1) Definir metas e objetivos; 2) Definir métodos para atingir as metas; 3) Educar e treinar; 4) Executar a tarefa; 5) Verificar resultados da implementação; 6) Atuar corretivamente (realizar a ação de forma apropriada). 01
  • 14. INTRODUÇÃO • Uma organização (empresa) precisa buscar atingir seus objetivos e metas, visando melhorar seu desempenho no mundo globalizado e cada vez mais competitivo e turbulento. Para tal, ela deve se adaptar às várias mudanças de mercado, o que acaba por exigir novas abordagens no seu sistema de gestão. Maceió, novembro de 2014 02
  • 15. Metodologia da Pesquisa O tipo de pesquisa utilizado neste trabalho é o teórico-conceitual.  Foi buscado levantar conhecimentos que dessem uma visão panorâmica da problemática tomada como objeto de estudo.  O tema foi examinado sob um novo ângulo, através da concatenação de ideias, fortemente calcadas em fundamentos teóricos. Maceió, novembro de 2014 03
  • 16. Metodologia da Pesquisa • Foram utilizadas referências bibliográficas com conteúdos da área da qualidade e de assuntos subjacentes ao cerne deste estudo, como os de metodologia científica. • A isto, soma-se o objetivo do artigo, que visou uma combinação dos assuntos que fosse relevante e atual, partindo da premissa que o ciclo PDCA é atualmente o modelo conceitual mais bem conhecido entre os praticantes da gestão da qualidade para o balizamento de processos de melhoria sistematizados. Maceió, novembro de 2014 03
  • 17. Desempenho da empresa (1) Gestão da Qualidade Total (TQM)(1) Solução de problemas da qualidade - Conhecimento (3) - Solução de problemas (4) - Problemas na área da qualidade Metodologia (5) Métodos - Definições (5) - Métodos analíticos tradicionais - Ciclo PDCA (6, 7) - Métodos baseados em causas (9) - Métodos calcados na criatividade e inovação (10) - Critérios para a avaliação de métodos (8) Técnicas e ferramentas (5) Maceió, novembro de 2014 03
  • 18. A metodologia, o método e a técnica • A palavra método literalmente significa “ordenação do caminho”. A idéia subjacente é a da “ordenação do caminho com vistas a alcançar um objetivo”. Já o método científico é a “ordenação dos procedimentos de investigação com vistas a buscar um conhecimento científico” (ABRAMCZUK, 2004). Maceió, novembro de 2014 06
  • 19. A metodologia, o método e a técnica Para a solução de problemas:  o emprego do método deve vir acompanhado da metodologia e da técnica. Segundo Thiollent (1996, p. 25), “a metodologia é entendida como disciplina que se relaciona com a epistemologia ou a filosofia da ciência. Seu objetivo consiste em analisar as características dos vários métodos disponíveis [...]. Além de ser uma disciplina que estuda os métodos, a metodologia é também considerada como modo de conduzir a pesquisa”. Maceió, novembro de 2014 06
  • 20. A metodologia, o método e a técnica Já a técnica possui, em geral, um objetivo muito mais restrito do que o método (THIOLLENT, op. cit. p. 26). “os métodos têm graus variáveis de abrangência. Podem ser chamados simplesmente técnicas, ou métodos de menor grau, isto é, de maior especialização, com os quais se obtêm resultados parciais ou muito delimitados” (THIOLLENT, 1983). Maceió, novembro de 2014 06
  • 21. A metodologia, o método e a técnica A metodologia trata do estudo dos métodos e do processo gerador dos métodos. Também é possível dizer que o método é a estratégia da ação e a técnica é a tática da ação. O método indica o que fazer (quais as etapas a serem seguidas) e a técnica indica como fazer (a forma mais adequada de fazer). Campos (1992, p. 209), sob o âmbito do TQC (Total Quality Control), coloca que “o método é a seqüência lógica para se atingir a meta desejada”. A ferramenta (vista aqui como sinônimo de técnica) “é o recurso a ser utilizado no método”. Ele enfatiza que não adianta conhecer várias ferramentas se o método não é dominado, pois o que realmente soluciona os problemas é o método e não as ferramentas. Maceió, novembro de 2014 06
  • 22. Os ciclos PDCA • PDCA para o planejamento, controle e melhoria da qualidade • PDCA quando utilizado para atingir metas padrão ou para manter os resultados num certo nível desejado. • PDCA de inovação, o plano de ação de implementação do processo • PDCA de melhoria. • PDCA do planejamento da qualidade (ou de inovação) Maceió, novembro de 2014 07
  • 23. O que é planejamento? • Ação planejada versus ação improvisada • Seria possível uma vida ou uma sociedade totalmente planejada?  Não. Daí a coexistência das duas formas de agir Maceió, novembro de 2014 07
  • 24. Planejar = antecipar racionalmente uma ação, um resultado que se quer, uma guerra ou batalha, uma construção, uma reorganização do espaço... • Pressupõe um Plano • Existe desde a pré-história, mas se expandiu com o pensamento racional Maceió, novembro de 2014 07
  • 25. O que é um Plano? • É uma antecipação do futuro com objetivos e meios ou recursos, levando em conta um tempo com suas etapas ou fases. • Vem depois (ou a partir) de um diagnóstico, um estudo da realidade onde se vai intervir; ao diagnóstico segue-se um prognóstico e deste propostas de ação. Maceió, novembro de 2014 07
  • 26. Um Plano deve levar em conta: • 1. Tempo (curto, médio ou longo prazo) • 2. Espaço ou área de abrangência • 3. Atividade, setores abrangidos • 4. Recursos disponíveis • 5. Estratégias a serem implementadas e o Cronograma Maceió, novembro de 2014 07
  • 27. Utilização • Estabelecimento de metas de melhoria. • Resolucão de problemas críticos (gerenciamento de rotina) Maceió, novembro de 2014 07
  • 28. Padronização Diretrizes da alta administração Ação corretiva Revisão periodica dos problemas crônicos Problema crônicos prioritarios Metas Mantém Melhora
  • 29. PDCA • Características da metodologia para análise e solução de problemas: Simplicidade Eficiência para utilização em nível operacional Valorização de fatos Medição e análise do problema global Identificação das causas reais do problema Maceió, novembro de 2014 08
  • 30. MÉTODO DE ANÁLISE E SOLUÇÃO DE PROBLEMAS PDCA FLUXOGRAMA FASE 1 Identificação do problema 2 Observação 3 Análise 4 Plano de Ação P 5 Ação D 6 Verificação C 7 Padronização A 8 Melhoria continua Maceió, novembro de 2014 08
  • 31. EXEMPLO • A empresa Queijo Cheese. Comercializa queijo do tipo coalho. Recentemente, ela perdeu alguns contratos devido à problemas de qualidade às exigências dos clientes. • Preocupados com esta situação, seus diretores contrataram uma consultoria externa para diagnosticar e propor soluções para os problemas encontrados Maceió, novembro de 2014 08
  • 32. EXEMPLO • A seqüência da operação obedecia à seguinte orientação: O leite que chegava era despejado diretamente no tanque de armazenamento, independentemente da qualidade da matéria-prima recebida; os funcionários eram distribuídos a partir de forma que participassem de todos os processos, desde a recepção do leite até a embalagem final; os trabalhadores localizavam não poderiam ficar parados, e sempre havia rodízio entre eles. • A área onde a material-prima era recebida na ocasião era muito suja e possuía alta infestação de aves. • Os padrões recomendados pelo corpo técnico da empresa eram os seguintes: • Armazenar o leite recebido; pasteurizar; resfriar e bombear novamente para o tanque de armazenamento frio; no período de fabricação, bombear para os tanques de coagulação; • A quantidade de coalho utilizada era padrão para o tanque utilizado, sendo assim somente necessário pesar e adicionar ao leite. Maceió, novembro de 2014 08
  • 33. EXEMPLO • A turma que efetuava o trabalho compunha-se de 50 trabalhadores, sob o comando de um encarregado. • Cada trabalhador realizava pelo menos 3 tarefas no mesmo dia. • Apenas 28 trabalhadores usavam a balança para pesar a quantidade de coalho necessário. • Detectou-se que oito trabalhadores, os mais antigos na fabrica, usavam da técnica do olhometro para medir a quantidade de coalho. • Do total de trabalhadores, 14 eram novatos e não haviam recebido nenhum treinamento. • Seis trabalhadores não tinham boa higiene. • Independentemente da situação do dia, havia orientação, passada pelo encarregado, de que deveriam ser produzidos 1ton de queijo/dia. Maceió, novembro de 2014 08
  • 34. EXEMPLO • A quantidade de coalho usada foi avaliada para cada funcionário, onde. • Cerca de 3dias após a produção, 50 peças de queijos foram avaliadas. Os resultados foram os seguintes: • Cinco peças totalmente fora dos padrões legislativos. • Quinze peças parcialmente quebradiças, sem um bom corte. • Nove peças aparentemente sem o peso líquido descrito na embalagem correto. • Vinte e uma peças totalmente. • Analise o diagnóstico e conclua utilizando o MASP: Maceió, novembro de 2014 08
  • 35. 5W2H (Ferramenta usada para caracterizar um problema ou para estabelecer um plano de ação corretiva) • O que aconteceu? – A empresa está perdendo os contratos dos clientes • Por que aconteceu? – A empresa não atende as exigências dos clientes • Onde foram identificados os problemas? – O produto não esta adéquo • Quem eram os responsáveis? – Trabalhadores experientes e trabalhadores novatos • Quando aconteceu? – Nos últimos 5 contratos • Como aconteceu? – Através da falta de um controle de qualidade efetivo, com trabalhadores novatos, com problemas de dosagens na aplicação do coalho, com a falta de treinamento, com a falta de planejamento. • Quanto custou? – A perda de cinco contratos que totalizariam R$100.000,00 + a perda de imagem da empresa Maceió, novembro de 2014 08
  • 36. CAUSA-EFEITO • Matéria-prima: – Qualidade – Condições de armazenamento • Mão-de-obra: – Falta de treinamento – Falta de conscientização e/ou competência Maceió, novembro de 2014 08
  • 37. PLANO DE AÇÃO • Causa 1: Medição do coalho: • O que será feito? – Dosadores padrão • Por que será feito? – Porque a dosagem media está menor que a recomendada • Como será feito? – Os dosadores serão encaminhados para o fabricante. • Quem será o responsável? – O encarregado da linha de produção • Quando será realizado – De 15 a 18 de dezembro • Onde será realizado? – Nas dependências do fabricante • Quanto custará? – R$50,00/dosador Maceió, novembro de 2014 08
  • 38. OUTRAS POSSÍVEIS AÇÕES • Verificar as condições de armazenamento do leite; • Verificar a eficiência do coalho utilizado (qualidade); • Padronização das atividades realizadas pelos funcionários • Eliminar o trabalho por tarefas; • Treinar o pessoal • Treinar o pessoal de supervisão • Distribuir panfletos e orientar sobre a importância de uma boa higiene • Efetuar avaliações semanais da equipe pelo encarregado • Avaliar periodicamente produto final • Planejar a atividade por períodos. Maceió, novembro de 2014 08
  • 39. PDCA FLUXOGRAMA FASE OBJETIVO P Identificaçãodo problema Definirclaramenteo problema e reconhecer sua importância Observação Investigaras característicasespecificas do problema com uma visão ampla e sob vários pontos de vista Análise Descobriras causas fundamentais Plano de ação Conceber um plano para bloquear as causas fundamentais D Ação Bloquear as causas fundamentais C Verificação Verificaro bloqueio efetivo N (Bloqueiofoi efetivo?) A Padronização Prevenircontra o reaparecimentodo problema Conclusão Recapitulartodo o processo de solução do problema para trabalho futuro. ?
  • 40. 40 O PDCA como Método de Solução de Problemas de Múltiplos Passos “Uma família de métodos de solução de problemas consiste de procedimentos de múltiplos passos para ir desempenhando todas as atividades necessárias para solucionar algum ou todos os problemas”. • O PDCA tende a ser altamente genérico. • O método representa um processo sem fim, fazendo repetidamente um questionamento dos trabalhos detalhados de um determinado processo. Cada vez que se concluir a quarta etapa do ciclo, se inicia novamente a primeira etapa e “roda-se” novamente o PDCA. Maceió, novembro de 2014 09
  • 41. Os Métodos de Solução de Problemas Baseados no Estudo das Causas Os métodos para a solução de problemas recorrem ao descobrimento e análise das causas. Causa Raiz - Motivo original para uma determinada condição. A análise da causa raiz (root cause analysis – RCA), é um método “desenvolvido para a auxiliar a identificar não apenas o que e como um evento ocorreu, mas também por quê ele ocorreu”. Maceió, novembro de 2014 10
  • 42. 42 Os “cinco porquês” é uma técnica bastante simples para se chegar à causa raiz de um problema. É implementada perguntando por quê após cada resposta até se conseguir responder cinco porquês. Perguntando “por quê” seguidamente os sintomas começam a serem revelados até que a verdadeira causa do problema, a causa raiz é revelada.(cinco é apenas um número figurativo). Técnica: Cinco Por quês Maceió, novembro de 2014 10
  • 43. 43 Esta ferramenta é muito usada na área de qualidade, mas na prática se aplica em qualquer área, e inclusive pode ser muito útil no dia a dia. Exemplo:
  • 44. Alternativas aos métodos analíticos tradicionais Além dos métodos de solução de problemas de múltiplos passos e baseados no estudo das causas, como o PDCA, é preciso conhecer outros métodos, os quais utilizarão muito mais criatividade e inventividade do que a racionalidade. Um grande exemplo destes novos métodos é a TRIZ Que vêm do Russo Teoriya Resheniya Izobretatelskikh Zadatch Traduzindo para o português Teoria da Solução Inventiva de Problemas Maceió, novembro de 2014 11
  • 45. Aplicação da TRIZ A TRIZ é aplicada da seguinte maneira: Um problema específico é reformulado em um problema genérico da TRIZ, e então, as ferramentas da TRIZ são introduzidas para analisar e propor uma solução geral. Assim, uma solução genérica é interpretada para resolver um problema inventivo específico. A figura abaixo ilustra a explicação: Maceió, novembro de 2014 11
  • 46. Premissas da TRIZ, segundo seu inventor o soviético Genrich Altshuller 1- O designer é a meta 2- A determinação precisa das contradições ajudam a solucionar o problema 3- O processo de inovação pode ser estruturado de forma sistemática 4- Inspiração não precisa ser necessariamente randômica 5- Aplicação de soluções comuns melhoram e aceleram o processo de inovação Maceió, novembro de 2014 11
  • 47. Empresas que utilizam TRIZ 1- Ford 2- Siemens 3- Boeing 4- IBM 5- Motorola 6- U.S. Navy 7- Exxon 8- Xerox 9- Chrysler 10- Samsung Maceió, novembro de 2014 11
  • 48. Produto produzido a partir da metodologia PDCA aliada a TRIZ Embalagens auto-aquecidas Maceió, novembro de 2014 11
  • 49. Conclusões Em resumo, cada vez que um problema é identificado e solucionado, o processo trabalhado pelo ciclo PDCA passa para um novo patamar de qualidade, uma vez que os problemas que antes afligiam o processo agora passam a serem vistos como oportunidades de melhorias. Este ciclo possui uma vantagem ímpar por poder ser aplicado em inúmeros ramos de atividade, como construção civil, empresarial, jurídico, setor alimentício entre outros exemplos. Maceió, novembro de 2014 12
  • 50. Conclusões Por fim, é importante lembrar que o processo de melhoria contínua deve sempre continuar, não precisando necessariamente ter uma conclusão. O processo de melhoria proporcionado pelo PDCA deve ter por base as ações corretivas do ciclo primário, por isso, sempre ao final de cada ciclo deve-se iniciar um novo circuito, tendo em vista uma melhoria ainda mais específica do processo e das suas etapas. Maceió, novembro de 2014 12
  • 53. CONTROLE DE QUALIDADE NA INDUSTRIA DE ALIMENTOS Uma análise sobre o Ciclo PDCA como um método para solução de problemas da qualidade Referências: 1. FONSECA, A., V., M., F.;; Miyake, D., I. Uma análise sobre o Ciclo PDCA como um método para solução de problemas da qualidade. XXVI ENEGEP - Fortaleza, CE, Brasil, 9 a 11 de Outubro de 2006 2. CAMPOS, V. F. TQC: Controle da qualidadetotal no estilo japonês. Minas Gerais/ Nova Lima: INDG, 2004. 3. ISHIKAWA,Kaoru. What Is Total Quality Control?: The Japanese Way. Hardcove, 1985. 4. Disponível em: http://www.duplofoco.com.br/ciclo-pdca/como-aplicar-o-ciclo-pdcaem-sua-empresa/,Acesso em 22 de Novembro de 2014. 5. Disponível em: www.madeira.ufpr.br/disciplinasprofaghislaine/PDCA-p-g.ppt, Acesso em 22 de Novembro de 2014. 6. Disponível em: http://www.portal-administracao.com/2014/08/ciclo-pdca-conceito-e-aplicacao.htmlAcesso em 22 de Novembro de 2014. 7. Disponível em: cascavel.ufsm.br/tede/tde/_busca/arquivo.php?codArquivo=4128 Acesso em 22 de Novembro de 2014. discentes ALOYANA SOUZA CRISTIAN BERNARDO JAILSON SANTOS PAULA LUIZA RODOLFO AMORIM WILLIAM MONTEIRO Professora CAMILA SAMPAIO