SlideShare uma empresa Scribd logo
Um Apólogo
Machado de Assis
Era uma vez uma agulha, que disse a um novelo de linha:
— Por que está você com esse ar, toda cheia de si, toda enrolada, para fingir que vale
alguma cousa neste mundo?
— Deixe-me, senhora.
— Que a deixe? Que a deixe, por quê? Porque lhe digo que está com um ar
insuportável? Repito que sim, e falarei sempre que me der na cabeça.
— Que cabeça, senhora? A senhora não é alfinete, é agulha. Agulha não tem cabeça.
Que lhe importa o meu ar? Cada qual tem o ar que Deus lhe deu. Importe-se com a sua vida e
deixe a dos outros.
— Mas você é orgulhosa.
— Decerto que sou.
— Mas por quê?
— É boa! Porque coso. Então os vestidos e enfeites de nossa ama, quem é que os
cose, senão eu?
— Você? Esta agora é melhor. Você é que os cose? Você ignora que quem os cose
sou eu e muito eu?
— Você fura o pano, nada mais; eu é que coso, prendo um pedaço ao outro, dou feição
aos babados...
— Sim, mas que vale isso? Eu é que furo o pano, vou adiante, puxando por você, que
vem atrás obedecendo ao que eu faço e mando...
— Também os batedores vão adiante do imperador.
— Você é imperador?
— Não digo isso. Mas a verdade é que você faz um papel subalterno, indo adiante; vai
só mostrando o caminho, vai fazendo o trabalho obscuro e ínfimo. Eu é que prendo, ligo,
ajunto...
Estavam nisto, quando a costureira chegou à casa da baronesa. Não sei se disse que
isto se passava em casa de uma baronesa, que tinha a modista ao pé de si, para não andar
atrás dela. Chegou a costureira, pegou do pano, pegou da agulha, pegou da linha, enfiou a
linha na agulha, e entrou a coser. Uma e outra iam andando orgulhosas, pelo pano adiante,
que era a melhor das sedas, entre os dedos da costureira, ágeis como os galgos de Diana —
para dar a isto uma cor poética. E dizia a agulha:
— Então, senhora linha, ainda teima no que dizia há pouco? Não repara que esta
distinta costureira só se importa comigo; eu é que vou aqui entre os dedos dela, unidinha a
eles, furando abaixo e acima...
A linha não respondia; ia andando. Buraco aberto pela agulha era logo enchido por ela,
silenciosa e ativa, como quem sabe o que faz, e não está para ouvir palavras loucas. A agulha,
vendo que ela não lhe dava resposta, calou-se também, e foi andando. E era tudo silêncio na
saleta de costura; não se ouvia mais que o plic-plic-plic-plic da agulha no pano. Caindo o sol, a
costureira dobrou a costura, para o dia seguinte. Continuou ainda nessa e no outro, até que no
quarto acabou a obra, e ficou esperando o baile.
Veio a noite do baile, e a baronesa vestiu-se. A costureira, que a ajudou a vestir-se,
levava a agulha espetada no corpinho, para dar algum ponto necessário. E enquanto
compunha o vestido da bela dama, e puxava de um lado ou outro, arregaçava daqui ou dali,
alisando, abotoando, acolchetando, a linha para mofar da agulha, perguntou-lhe:
— Ora, agora, diga-me, quem é que vai ao baile, no corpo da baronesa, fazendo parte
do vestido e da elegância? Quem é que vai dançar com ministros e diplomatas, enquanto você
volta para a caixinha da costureira, antes de ir para o balaio das mucamas? Vamos, diga lá.
Parece que a agulha não disse nada; mas um alfinete, de cabeça grande e não menor
experiência, murmurou à pobre agulha:
— Anda, aprende, tola. Cansas-te em abrir caminho para ela e ela é que vai gozar da
vida, enquanto aí ficas na caixinha de costura. Faze como eu, que não abro caminho para
ninguém. Onde me espetam, fico.
Contei esta história a um professor de melancolia, que me disse, abanando a cabeça:
— Também eu tenho servido de agulha a muita linha ordinária!
Texto extraído do livro "Para Gostar de Ler - Volume 9 - Contos", Editora Ática - São Paulo,
1984, pág. 59.
Texto Um apólogo.
1- O que significa a palavra apólogo?
2- Esse texto está escrito em prosa ou em poesia? Explique.
3- Qual a relação entre o título do texto e o texto.
4- Com qual dos dois personagens você mais se identificou? Na sua vida real você é
mais linha ou mais agulha? Por quê?
5- Analisando os personagens ( agulha e novelo) comente as características psicológicas
de cada um. e qual a relação existente entre eles.
6- Onde se passa a história?
7- “Anda aprende, tola. Cansas-te em abrir caminho para ela e ela é que vai gozar da
vida, enquanto aí ficas na caixinha de costura. Faze como eu, que não abro caminho
para ninguém” analisando a fala acima – de um alfinete – como poderíamos
caracterizar seus valores psicologicamente?
8- “E era tudo silêncio na saleta de costura; não se ouvia mais que o plic-plic-plic da
agulha no pano.” A parte sublinhada da frase foi utilizada representar o som da agulha
o pano. Denominamos a isso de onomatopéia. Dê outros exemplos de escrita para
representar algum tipo de som. (Exemplo o barulho da chuva, do vento, uma batida na
porta, entre outros.)
9- Quem são os personagens? Qual o motivo da discussão entre a agulha e a linha?
10- Utilize um dicionário, se necessário, e reescreva a frase usando um sinônimo para as
palavras destacadas. “Mas a verdade é que você faz um papel subalterno, indo
adiante; vai só mostrando o caminho, vai fazendo o trabalho obscuro e ínfimo.”
11- Num determinado momento a linha se calou, por quê?
12- Quantos dias a costureira trabalhou para terminar o vestido da baronesa?
13- Identifique o significado de coser e cozer.
14- Em qual parágrafo do texto podemos localizar o narrador?
15- “Agulha não tem cabeça.” Você já ouviu esta frase dita a alguém? Se sim, que
significado ela tem? Se não, faça uma pesquisa para descobrir.
16- Qual o sentido que podemos atribuir a: “Também os batedores vão adiante do
imperador”?
17- Que sentido poderíamos atribuir à expressão “ professor de melancolia”?
18- Ao final do texto o professor de melancolia diz: “- Também eu tenho servido de agulha
a muita linha ordinária.” O que isto significa?
19- Qual a moral da história?
20- Após leitura do texto “ Um apólogo” relembre a fábula “ A cigarra e a formiga”.
Compare seus personagens e fale sobre a importância do trabalho de cada um.
21- O autor utiliza qual figura de linguagem para as personagens?
22- O autor expressa nesse texto algum tipo de pensamento ou opinião. Onde isso fica
evidente?
20 - Na sociedade atual, quem faz o papel de linha e agulha?
23- Em que época você imagina que o texto tenha sido escrito?
24- Há alguma marca lingüística (modo de escrever) da época em que Machado de Assis
escreveu este conto?
25- O uso de palavras como “cousa” e “mofar” é comum em textos da atualidade? A que
período de tempo nos remete esta linguagem?
26- Releia o início do texto e preste atenção em “Era uma vez”. Você conhece alguma
história que poderia ser escrita começando da mesma maneira? Procure lembrar e
tente passar para o papel.
27- Por que a agulha se achava mais importante que o novelo de linha?
27 - A linha demonstra-se sempre arrogante. Sabendo da importância da agulha apresente
pontos em que ambas são importantes nas suas funções e responda: Uma poderia fazer o
seu trabalho sem a ajuda da outra, por quê?
28 - Você concorda com o comportamento da linha? Dê sua opinião?

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Um Apólogo: Texto magnífico de Machado de Assis

AGRISSÊNIOR NOTÍCIAS - Nº 629 an 18 julho_2017
AGRISSÊNIOR NOTÍCIAS - Nº 629 an 18 julho_2017AGRISSÊNIOR NOTÍCIAS - Nº 629 an 18 julho_2017
AGRISSÊNIOR NOTÍCIAS - Nº 629 an 18 julho_2017
Roberto Rabat Chame
 
Trabalho AV1 - Livro Parte I 3º ano - Gênesis Colégio e Curso
Trabalho AV1 - Livro Parte I 3º ano - Gênesis Colégio e CursoTrabalho AV1 - Livro Parte I 3º ano - Gênesis Colégio e Curso
Trabalho AV1 - Livro Parte I 3º ano - Gênesis Colégio e Curso
jasonrplima
 
Um apólogo avaliação 6º ano texto narrativo e verbos
Um apólogo avaliação 6º ano texto narrativo e verbosUm apólogo avaliação 6º ano texto narrativo e verbos
Um apólogo avaliação 6º ano texto narrativo e verbos
Anna Vaz Boechat
 
Produção de-texto-9º-ano-narrativa (1)
Produção de-texto-9º-ano-narrativa (1)Produção de-texto-9º-ano-narrativa (1)
Produção de-texto-9º-ano-narrativa (1)
Julia Nogueira
 
Fábulas
FábulasFábulas
EDIT. 4
EDIT. 4EDIT. 4
Edit 1
Edit 1Edit 1
livrorodra
livrorodralivrorodra
livrorodra
Tales SN
 
conto_escola_assis_2ed.pdf
conto_escola_assis_2ed.pdfconto_escola_assis_2ed.pdf
conto_escola_assis_2ed.pdf
Janaina127399
 
Olimpíada categoria poesias (5º e 6º ano)
Olimpíada categoria  poesias (5º e 6º ano)Olimpíada categoria  poesias (5º e 6º ano)
Olimpíada categoria poesias (5º e 6º ano)
Maria de Jesus Câmara
 
D8.pptx
D8.pptxD8.pptx
D8.pptx
TainTorres4
 
Oficina de leitura atividades
Oficina de leitura   atividadesOficina de leitura   atividades
Oficina de leitura atividades
Meire Lopes
 
Oficina de leitura atividades
Oficina de leitura   atividadesOficina de leitura   atividades
Oficina de leitura atividades
Junior Pereira
 
Modernismo 1ª fase
Modernismo 1ª faseModernismo 1ª fase
Modernismo 1ª fase
Cynthia Funchal
 
Prova 6º c artes
Prova 6º c artesProva 6º c artes
Prova 6º c artes
Zivaini Pio de Santana
 
MADAME BOVARY - Gustave Flaubert
MADAME BOVARY - Gustave FlaubertMADAME BOVARY - Gustave Flaubert
MADAME BOVARY - Gustave Flaubert
Edson Mamprin
 
Livro a casa da Madrinha
Livro a casa da MadrinhaLivro a casa da Madrinha
Livro a casa da Madrinha
Cleiton Cunha
 
Retalhos vivos
Retalhos vivosRetalhos vivos
Retalhos vivos
António Sequeira
 
Ideias do canario
Ideias do canarioIdeias do canario
Ideias do canario
Joao Maria John Sincero
 
A vassoura nova
A vassoura novaA vassoura nova
A vassoura nova
reeaceituno
 

Semelhante a Um Apólogo: Texto magnífico de Machado de Assis (20)

AGRISSÊNIOR NOTÍCIAS - Nº 629 an 18 julho_2017
AGRISSÊNIOR NOTÍCIAS - Nº 629 an 18 julho_2017AGRISSÊNIOR NOTÍCIAS - Nº 629 an 18 julho_2017
AGRISSÊNIOR NOTÍCIAS - Nº 629 an 18 julho_2017
 
Trabalho AV1 - Livro Parte I 3º ano - Gênesis Colégio e Curso
Trabalho AV1 - Livro Parte I 3º ano - Gênesis Colégio e CursoTrabalho AV1 - Livro Parte I 3º ano - Gênesis Colégio e Curso
Trabalho AV1 - Livro Parte I 3º ano - Gênesis Colégio e Curso
 
Um apólogo avaliação 6º ano texto narrativo e verbos
Um apólogo avaliação 6º ano texto narrativo e verbosUm apólogo avaliação 6º ano texto narrativo e verbos
Um apólogo avaliação 6º ano texto narrativo e verbos
 
Produção de-texto-9º-ano-narrativa (1)
Produção de-texto-9º-ano-narrativa (1)Produção de-texto-9º-ano-narrativa (1)
Produção de-texto-9º-ano-narrativa (1)
 
Fábulas
FábulasFábulas
Fábulas
 
EDIT. 4
EDIT. 4EDIT. 4
EDIT. 4
 
Edit 1
Edit 1Edit 1
Edit 1
 
livrorodra
livrorodralivrorodra
livrorodra
 
conto_escola_assis_2ed.pdf
conto_escola_assis_2ed.pdfconto_escola_assis_2ed.pdf
conto_escola_assis_2ed.pdf
 
Olimpíada categoria poesias (5º e 6º ano)
Olimpíada categoria  poesias (5º e 6º ano)Olimpíada categoria  poesias (5º e 6º ano)
Olimpíada categoria poesias (5º e 6º ano)
 
D8.pptx
D8.pptxD8.pptx
D8.pptx
 
Oficina de leitura atividades
Oficina de leitura   atividadesOficina de leitura   atividades
Oficina de leitura atividades
 
Oficina de leitura atividades
Oficina de leitura   atividadesOficina de leitura   atividades
Oficina de leitura atividades
 
Modernismo 1ª fase
Modernismo 1ª faseModernismo 1ª fase
Modernismo 1ª fase
 
Prova 6º c artes
Prova 6º c artesProva 6º c artes
Prova 6º c artes
 
MADAME BOVARY - Gustave Flaubert
MADAME BOVARY - Gustave FlaubertMADAME BOVARY - Gustave Flaubert
MADAME BOVARY - Gustave Flaubert
 
Livro a casa da Madrinha
Livro a casa da MadrinhaLivro a casa da Madrinha
Livro a casa da Madrinha
 
Retalhos vivos
Retalhos vivosRetalhos vivos
Retalhos vivos
 
Ideias do canario
Ideias do canarioIdeias do canario
Ideias do canario
 
A vassoura nova
A vassoura novaA vassoura nova
A vassoura nova
 

Um Apólogo: Texto magnífico de Machado de Assis

  • 1. Um Apólogo Machado de Assis Era uma vez uma agulha, que disse a um novelo de linha: — Por que está você com esse ar, toda cheia de si, toda enrolada, para fingir que vale alguma cousa neste mundo? — Deixe-me, senhora. — Que a deixe? Que a deixe, por quê? Porque lhe digo que está com um ar insuportável? Repito que sim, e falarei sempre que me der na cabeça. — Que cabeça, senhora? A senhora não é alfinete, é agulha. Agulha não tem cabeça. Que lhe importa o meu ar? Cada qual tem o ar que Deus lhe deu. Importe-se com a sua vida e deixe a dos outros. — Mas você é orgulhosa. — Decerto que sou. — Mas por quê? — É boa! Porque coso. Então os vestidos e enfeites de nossa ama, quem é que os cose, senão eu? — Você? Esta agora é melhor. Você é que os cose? Você ignora que quem os cose sou eu e muito eu? — Você fura o pano, nada mais; eu é que coso, prendo um pedaço ao outro, dou feição aos babados... — Sim, mas que vale isso? Eu é que furo o pano, vou adiante, puxando por você, que vem atrás obedecendo ao que eu faço e mando... — Também os batedores vão adiante do imperador. — Você é imperador? — Não digo isso. Mas a verdade é que você faz um papel subalterno, indo adiante; vai só mostrando o caminho, vai fazendo o trabalho obscuro e ínfimo. Eu é que prendo, ligo, ajunto... Estavam nisto, quando a costureira chegou à casa da baronesa. Não sei se disse que isto se passava em casa de uma baronesa, que tinha a modista ao pé de si, para não andar atrás dela. Chegou a costureira, pegou do pano, pegou da agulha, pegou da linha, enfiou a linha na agulha, e entrou a coser. Uma e outra iam andando orgulhosas, pelo pano adiante, que era a melhor das sedas, entre os dedos da costureira, ágeis como os galgos de Diana — para dar a isto uma cor poética. E dizia a agulha: — Então, senhora linha, ainda teima no que dizia há pouco? Não repara que esta distinta costureira só se importa comigo; eu é que vou aqui entre os dedos dela, unidinha a eles, furando abaixo e acima... A linha não respondia; ia andando. Buraco aberto pela agulha era logo enchido por ela, silenciosa e ativa, como quem sabe o que faz, e não está para ouvir palavras loucas. A agulha, vendo que ela não lhe dava resposta, calou-se também, e foi andando. E era tudo silêncio na saleta de costura; não se ouvia mais que o plic-plic-plic-plic da agulha no pano. Caindo o sol, a costureira dobrou a costura, para o dia seguinte. Continuou ainda nessa e no outro, até que no quarto acabou a obra, e ficou esperando o baile. Veio a noite do baile, e a baronesa vestiu-se. A costureira, que a ajudou a vestir-se, levava a agulha espetada no corpinho, para dar algum ponto necessário. E enquanto compunha o vestido da bela dama, e puxava de um lado ou outro, arregaçava daqui ou dali, alisando, abotoando, acolchetando, a linha para mofar da agulha, perguntou-lhe: — Ora, agora, diga-me, quem é que vai ao baile, no corpo da baronesa, fazendo parte do vestido e da elegância? Quem é que vai dançar com ministros e diplomatas, enquanto você volta para a caixinha da costureira, antes de ir para o balaio das mucamas? Vamos, diga lá. Parece que a agulha não disse nada; mas um alfinete, de cabeça grande e não menor experiência, murmurou à pobre agulha: — Anda, aprende, tola. Cansas-te em abrir caminho para ela e ela é que vai gozar da vida, enquanto aí ficas na caixinha de costura. Faze como eu, que não abro caminho para ninguém. Onde me espetam, fico. Contei esta história a um professor de melancolia, que me disse, abanando a cabeça: — Também eu tenho servido de agulha a muita linha ordinária! Texto extraído do livro "Para Gostar de Ler - Volume 9 - Contos", Editora Ática - São Paulo, 1984, pág. 59.
  • 2. Texto Um apólogo. 1- O que significa a palavra apólogo? 2- Esse texto está escrito em prosa ou em poesia? Explique. 3- Qual a relação entre o título do texto e o texto. 4- Com qual dos dois personagens você mais se identificou? Na sua vida real você é mais linha ou mais agulha? Por quê? 5- Analisando os personagens ( agulha e novelo) comente as características psicológicas de cada um. e qual a relação existente entre eles. 6- Onde se passa a história? 7- “Anda aprende, tola. Cansas-te em abrir caminho para ela e ela é que vai gozar da vida, enquanto aí ficas na caixinha de costura. Faze como eu, que não abro caminho para ninguém” analisando a fala acima – de um alfinete – como poderíamos caracterizar seus valores psicologicamente? 8- “E era tudo silêncio na saleta de costura; não se ouvia mais que o plic-plic-plic da agulha no pano.” A parte sublinhada da frase foi utilizada representar o som da agulha o pano. Denominamos a isso de onomatopéia. Dê outros exemplos de escrita para representar algum tipo de som. (Exemplo o barulho da chuva, do vento, uma batida na porta, entre outros.) 9- Quem são os personagens? Qual o motivo da discussão entre a agulha e a linha? 10- Utilize um dicionário, se necessário, e reescreva a frase usando um sinônimo para as palavras destacadas. “Mas a verdade é que você faz um papel subalterno, indo adiante; vai só mostrando o caminho, vai fazendo o trabalho obscuro e ínfimo.” 11- Num determinado momento a linha se calou, por quê? 12- Quantos dias a costureira trabalhou para terminar o vestido da baronesa? 13- Identifique o significado de coser e cozer. 14- Em qual parágrafo do texto podemos localizar o narrador? 15- “Agulha não tem cabeça.” Você já ouviu esta frase dita a alguém? Se sim, que significado ela tem? Se não, faça uma pesquisa para descobrir. 16- Qual o sentido que podemos atribuir a: “Também os batedores vão adiante do imperador”? 17- Que sentido poderíamos atribuir à expressão “ professor de melancolia”? 18- Ao final do texto o professor de melancolia diz: “- Também eu tenho servido de agulha a muita linha ordinária.” O que isto significa? 19- Qual a moral da história? 20- Após leitura do texto “ Um apólogo” relembre a fábula “ A cigarra e a formiga”. Compare seus personagens e fale sobre a importância do trabalho de cada um. 21- O autor utiliza qual figura de linguagem para as personagens? 22- O autor expressa nesse texto algum tipo de pensamento ou opinião. Onde isso fica evidente? 20 - Na sociedade atual, quem faz o papel de linha e agulha? 23- Em que época você imagina que o texto tenha sido escrito? 24- Há alguma marca lingüística (modo de escrever) da época em que Machado de Assis escreveu este conto? 25- O uso de palavras como “cousa” e “mofar” é comum em textos da atualidade? A que período de tempo nos remete esta linguagem? 26- Releia o início do texto e preste atenção em “Era uma vez”. Você conhece alguma história que poderia ser escrita começando da mesma maneira? Procure lembrar e tente passar para o papel. 27- Por que a agulha se achava mais importante que o novelo de linha? 27 - A linha demonstra-se sempre arrogante. Sabendo da importância da agulha apresente pontos em que ambas são importantes nas suas funções e responda: Uma poderia fazer o seu trabalho sem a ajuda da outra, por quê? 28 - Você concorda com o comportamento da linha? Dê sua opinião?