SlideShare uma empresa Scribd logo
CUIDADOS DE
HIGIENE
CONFORTO E
ELIMINAÇÃOFormadora: Enfª Mafalda Pinto
Formanda: RutePancha
Mediadora: Drª Claúdia Lameiras
Coordenadora: Drª Susana Carvalho
A higiene “é uma necessidade
humana básica,
imprescindível para a
condição de vida saudável.”
09/09/2020
09/09/2020 2
Nos anos 60 MASLOW identificou várias necessidades humanas
que motivam o comportamento. Defendeu a existência de 5
níveis de necessidades humanas e hierarquizou-as de acordo
com a sua importância
Necessidades fisiológicas – 1.º nível;
Necessidades de segurança e proteção – 2.º nível;
Necessidades de amor e de pertença – 3.ºnível;
Necessidades de afeto e autoestima – 4º-nível
Necessidades de autorrealização – 5.º nível.
AS NECESSIDADES FISIOLÓGICAS SÃO AS MAIS IMPORTANTES. SÃO AQUELAS ATIVIDADES NECESSÁRIAS À MANUTENÇÃO DA VIDA, TAIS COMO
RESPIRAR E ALIMENTAR-SE.
CADA NÍVEL SUPERIOR REPRESENTA ALGO MENOS IMPORTANTE À EXISTÊNCIA HUMANA DO QUE AS ANTERIORES.
MASLOW ACREDITAVA QUE SÓ DEPOIS DAS NECESSIDADES FISIOLÓGICAS ESTAREM SATISFEITAS, É QUE OS INDIVÍDUOS PROCURARIAM A
SATISFAÇÃO DAS NECESSIDADES MENOS CRUCIAIS DA VIDA
 O conforto está interligado com as
necessidades básicas do ser humano
que se manifestam pela necessidade
de proteção diante dos perigos físicos,
de ameaças psicológicas e de dor.
 Durante a sua hospitalização, o
utente deverá receber conforto e
segurança. Os utentes entendem que
os cuidados de higienização
necessários, bem como, todos
consideraram a higiene importante
para a sua saúde, reconhecendo que
esta interfere na qualidade de vida
09/09/2020 3
 Pode-se observar que o significado e a importância da
higiene e do banho para os utentes estão associados com
a ideia de saúde e de doença.
 Afirmaram que o banho e uma boa higiene corporal
auxiliam no alívio de dores e da própria doença ajudando
a recuperar ou manter a saúde.
 Objetivos dos cuidados aos utentes:
 Assegurar limpeza do corpo
 Assegurar o bem-estar e uma boa autoestima da pessoa
cuidada
 Prevenir a irritação da pele
 Manter as mãos e unhas limpas e com bom comprimento
 Favorecer o relaxamento e a comunicação
 Os cuidados com a higiene são fundamentais para evitar
problemas que podem surgir durante o tratamento.
 Manter a limpeza do ambiente, da cama e do cuidado nas
trocas de roupas, pois devem ser mudadas várias vezes
para evitar infeções e complicações.
09/09/2020 4
. O CONTRIBUTO DO/A TÉCNICO/A AUXILIAR DE SAÚDE, NA EQUIPA
MULTIDISCIPLINAR, PARA A SATISFAÇÃO DAS NECESSIDADES HUMANAS BÁSICAS DO
UTENTE: HIGIENE CONFORTO E ELIMINAÇÃO
 No que respeita à satisfação das necessidades básicas dos utentes, compete ao TAS, entre outras funções as seguintes:
 Colaborar sob supervisão, na prestação de cuidados de higiene e conforto aos utentes.
 Ajudar nas tarefas de recolha de material para análise.
 Velar pela manutenção do material utilizado nos cuidados prestados aos utentes;
 Assegurar a manutenção das condições de higiene nos respetivos locais de trabalho.
 As práticas que usualmente têm maior impacto na higiene e no conforto físico dos utentes são: higiene do ambiente, banho de
aspersão (banho de chuveiro), banho na cama, higiene do couro cabeludo, oral e íntima, adequação da cama e sua arrumação,
troca de fraldas, massagem de conforto, mobilização no leito e readequação do vestuário.
 Cabe ao TAS estabelecer um canal de comunicação com o utente, mantendo um bom vínculo de confiança, para o
estabelecimento de práticas de conforto (medidas reais e concretas).
 O mais importante é não conformar-se com o cuidado básico; é necessário a reavaliação diária e constante para que o conforto
domine.
 Um utente nunca é igual ao outro, ainda que a manifestação da doença seja igual para a maioria. Observar a singularidade de
cada um é o que nos guia para o conforto do utente.
 Paralelamente ao bom contacto humano, é necessária uma boa preparação técnica. Assim, o TAS deve oferecer boa destreza
manual, leveza e precisão de movimentos, limpeza e método de trabalho, associados a uma adequada preparação teórica.
 Inserido numa equipa, e em contacto diário com os colegas, os enfermeiros, os médicos, ou outros técnicos, necessita de ter
capacidade de relacionamento, à custa do respeito mútuo, da consideração, da boa educação e do espírito de colaboração.
Relativamente ao utente, tem de ser compreensivo, amável, simpático, alegre, capaz de lhe incutir coragem e confiança, que
são premissas essenciais para a obtenção de um elevado nível da qualidade de cuidados.
09/09/2020 5
“Para que não
haja problemas,
as condutas de
intervenção e
diagnóstico
profissional
deve ser
sempre
realizada por
um profissional
legalmente
habilitado para
tal prática.”
 Cuidados de higiene e conforto
 Em toda e qualquer fase da vida cada pessoa saudável ou não, quer ou prima por
obter a sua independência. Essa independência permite a cada um de nós
satisfazer cada uma das necessidades humanas básicas.
 No entanto, em qualquer uma das fases do ciclo da vida necessitamos de um
cuidador que auxilie na satisfação das necessidades, mas a implicação de um
cuidador não quer dizer necessariamente que se está utente, pois com saúde ou
sem ela todos têm direito à independência.
 O Ambiente Terapêutico, é o meio físico e social envolvente em ambiente
hospitalar e ou institucional. É neste espaço que se planeia e realiza a
tarefa para que os resultados sejam os esperados. É nele que se avalia as
necessidades afetadas do utente; todo e qualquer cuidado prestado serão
individualizados; nele teremos que demonstrar empatia e compreensão, é
importante conseguir privacidade e respeitar a intimidade do utente e
nunca esquecer de promover e estimula-lo a desenvolver atividades sejam
elas de caris ocupacional seja no aspeto do cuidar.
 Para qualquer tipo de utente ou são, o TAS deve ter em conta a idade; o
nível de perceção e compreensão; o estado emocional e as limitações físicas
e cognitivas.
 Perante o utente e de maneira a prestar bons cuidados é fundamental
providenciar um ambiente calmo e seguro; evitar ruídos, respeitar a
privacidade, crenças e valores; explicar os procedimentos a realizar e
encorajar o utente a colaborar na realização dos cuidados.
09/09/2020 6
 A HIGIENE é um conjunto de meios e regras que procuram garantir o bem-estar
físico e mental, promovendo a saúde e prevenindo a doença. Na vida quotidiana,
satisfazemos as nossas próprias necessidades, no entanto durante o
envelhecimento e durante a doença, a capacidade de nos Auto cuidarmos diminui e
a carência de cuidados de higiene aumenta.
 A higiene pessoal é decisiva no que respeita a fatores pessoais e ambientais que
incidem na saúde física e mental dos utentes. Por este motivo, os cuidados de
higiene exigem uma atitude integral e globalizante que valorize as condições
físicas, psicológicas, sociais e funcionais de cada utente.
 A falta de higiene não é apenas um problema que pode interferir com a saúde.
Contribui também, e de forma decisiva, para uma diminuição da autoestima e
dificulta a integração social. Sublinhemos que alguns residentes podem já sentir-se
diminuídos nestas áreas por negligenciarem habitualmente a sua própria higiene.
 Por higiene do ambiente entende-se a manutenção do espaço físico por onde o
utente circula ou se encontra instalado.
 O conjunto de práticas objetivando a redução do número de infeções hospitalares
ou comunitárias não é um fator secundário na execução da assistência ao utente.
De facto, as precauções-padrão devem ser reforçadas pela equipe multiprofissional
junto às equipas de saúde em atenção básica, ambulatórios e aos cuidadores
familiares que realizam os cuidados diariamente O espaço físico onde o utente está
acomodado deve ser um ambiente que favoreça o conforto, acolhimento e proteção
de riscos externos à sua condição clínica atual. A equipa que assiste o utente
deverá realizar uma análise sistemática e contínua do plano de cuidados
objetivando, sempre, um planeamento assistencial viável.
 Esta realidade faz com que os utentes, particularmente os mais dependentes,
tenham uma grande necessidade de ajuda, seja parcial ou total, para a
manutenção da sua higiene corporal, integridade da pele, higiene pessoal e estética
necessária para assegurar a sua dignidade e manutenção de seus papéis sociais
frente a si mesmo.
09/09/2020 7
 A consideração pela pessoa implica o respeito pela
sua privacidade e intimidade. Correspondem a
necessidades profundas de todas as pessoas e não
diminuem com a idade. Dai que deve haver a
maior preocupação e delicadeza em tudo o que se
prende com a privacidade e intimidade do utente.
 Merece especial atenção a sua garantia em todas
as tarefas que respeitem à higiene íntima, às
relações com os outros, às chamadas telefónicas e
a todos os problemas e questões pessoais e
familiares.
09/09/2020 8
 Para se manter saudável, o organismo deve eliminar os
produtos resultantes do metabolismo. Este processo
denomina-se eliminação, constituindo uma necessidade
fundamental.
 A necessidade de eliminação dos resíduos corporais é
particularmente afetada pela imobilidade e pelo
envelhecimento. Assim, os utentes quando apresentam
redução da capacidade de locomoção ou quando
imobilizados no leito, têm geralmente necessidade de
ajuda na eliminação intestinal/ vesical. Pode acontecer
também que, por patologias específicas ou inespecíficas,
possa ocorrer uma incontinência das fezes e da urina,
que deverão ser objeto de avaliação e de cuidados por
parte da equipa de saúde.
 As situações de dificuldade na eliminação dos resíduos
corporais, nem sempre são devidas a transtornos
patológicos ou fisiológicos (envelhecimento), pois muitas
das vezes ocorrem por razões psicológicas ou por simples
modificação dos hábitos da pessoa. Lembremos que
muitas vezes, no hospital, o utente não tem o clima de
privacidade a que está habituado, particularmente
quando não pode deslocar-se às instalações sanitárias,
para satisfazer as suas necessidades de eliminação.
09/09/2020 9
 Vestir e despir-se, exige muita coordenação, destreza, equilíbrio,
uma boa amplitude de movimentos e força muscular. Estas funções
são afetadas por um grande número de doenças e também pelo
envelhecimento do sistema músculoesquelético, situações em que é
necessário dar ajuda à pessoa afetada.
 Manter a temperatura do corpo dentro dos limites normais O ser
humano tem de manter a temperatura corporal dentro dos limites
normais, para conservar o seu estado de saúde e bem-estar. A
termorregulação permite manter o equilíbrio entre a produção e a
perda de calor. As temperaturas elevadas podem surgir em qualquer
idade na presença de processos infecciosos. Podem ser de
aparecimento súbito ou gradual, de forma contínua ou intermitente,
com grandes ou pequenas variações durante o dia.
 Também as temperaturas baixas ou muito baixas revelam situações
patológicas, algumas delas podendo estar relacionadas com a
insatisfação da necessidade de e beber comer adequadamente
09/09/2020 10
 A independência na satisfação da
necessidade de estar limpo e cuidado,
permite ao ser humano manter a saúde
física e emocional. O significado da
necessidade de limpeza e os meios
utilizados para a satisfação dessa
necessidade, variam em função da pessoa.
 Tal como em relação ao vestuário, é
necessária muita coordenação, destreza e
equilíbrio, assim como uma boa amplitude
dos movimentos e força muscular para
efetuar os cuidados de higiene corporal.
 Os cuidados relacionados com a higiene
corporal são muito importantes para a
manutenção ou restabelecimento da
independência do utente. Fazem parte da
higiene corporal o banho, o escovar os
dentes, o corte e limpeza das unhas, a
barba, lavagem do cabelo e o pentear.
 Uma pele limpa e íntegra ajuda a prevenir
infeções e outras complicações, e promove a
autoestima
09/09/2020 11
 O TAS deve assegurar o cumprimento de boas
práticas na prestação de cuidados de higiene, no que
respeita à promoção da sua manutenção e
autonomia. Na prestação dos cuidados de higiene,
cada utente tem de ser tratado com respeito pelos
seus direitos e deveres, pela sua identidade, hábitos e
modos de vida e ser-lhe assegurada privacidade,
autonomia, dignidade e confidencialidade, sob pena
de se estar a violar os direitos dos indivíduos e,
consequentemente, não se garantir a qualidade dos
serviços.
 A sexualidade integra os aspetos biológicos, físicos,
psicossociais e comportamentais, expressos em
necessidades e impulsos de masculinidade ou
feminilidade em interação com outros.
 O respeito pela intimidade e sexualidade do utente
deve ser preservado durante os cuidados de higiene,
as visitas médicas, os tratamentos pré e pós
operatórios, radiografias, o transporte em maca e em
todos os momentos do seu internamento.
09/09/2020 12
09/09/2020 13
 A higiene é um ramo da medicina que visa a prevenção da doença.
 A descoberta de que vários micróbios causam doenças, fez com que
a higiene se tornasse fundamental.
 A limpeza do corpo, das roupas, dos utensílios e das habitações,
diminuiu sensivelmente o risco de infeção por fungos, bactérias e
vírus.
 A higiene pessoal, cuidado básico para a saúde e bem-estar do ser
humano, é uma atividade incorporada na rotina diária e difere
entre culturas e épocas. Entende-se por higiene pessoal a corporal e
íntima, a oral e a do couro cabeludo.
 A higiene pode ser:
 Parcial: É aquela que tem em conta os cuidados específicos de cada
parte do corpo, frequentemente as regiões com secreção abundante
e maior carência de higiene (cara e boca, mãos, axilas, pés e
genitais). Total: consiste no banho total, completo, desde a higiene
ao corpo até ao cortar das unhas e cuidados com o cabelo.
 Na cama OU no chuveiro, consoante as características da pessoa de
quem se cuida.

09/09/2020 14
 Esta parte dos conteúdos, irá incidir sobre os
diversos tipo de cuidados de higiene e conforto
que qualquer utente deve satisfazer como
necessidade básica. A satisfação desta
necessidade humana básica além de contribuir
para a independência do individuo, contribui
para manter o seu corpo limpo, ter uma
aparência cuidada e manter a pele saudável.
 Como benefícios de um boa higiene,
apresentam-se os seguintes:
 Pele saudável – isenta de infeções;
 Melhora a circulação sanguínea;
 Induz o sono e repouso;
 Autoestima;
 Bem-estar físico e psíquico – conforto.
 Para uma melhor compreensão, dos vários
tipos de higiene e após uma avaliação inicial
do utente pode perceber-se que tipo de ajuda o
utente em questão necessita. Neste caso fala-
se em higiene sem ajuda; com ajuda total ou
com ajuda parcial. Derivando do tipo de
dependência que o utente apresenta.
09/09/2020 15
 Entende-se por Ajuda total, lavar o corpo, trocar de roupa e arranjar o individuo e
estimulá-lo a fazê-lo; Ajuda Parcial, consiste em lavar até 54% do corpo e assisti-lo a
trocar de roupa e a arranjar-se.
 3.1. Etapas dos cuidados de higiene a utentes dependentes
 3.1.1. Preparar todo o material necessário:
 Luvas e aventais descartáveis
 Esponja
 Sabão líquido neutro
 Uma bacia com água tépida (se banho na cama)
 Toalhas limpas
 Creme hidratante e anti alergénico
 Escova ou pente para o cabelo
 Escova de dentes e pasta dentífrica ou elixir
 Fraldas descartáveis, se necessário
 Saco de plástico para o lixo e para a roupa suja
 Roupa limpa para o idoso e/ou para a cama
 3.2. Vestir-se e despir-se
 O vestuário desempenha um papel primordial no bem-estar psicológico da pessoa.
Estar bem arranjado e bem vestido, proporciona segurança e autoconfiança.
 O vestuário deve ser adequado ao utente, tendo em conta o seu conforto, apresentação
e ser prático
09/09/2020 16
09/09/2020 17
09/09/2020 18
09/09/2020 19

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

UFCD 6580 - Cuidados na Saúde a populações mais vulneráveis - outras doenças ...
UFCD 6580 - Cuidados na Saúde a populações mais vulneráveis - outras doenças ...UFCD 6580 - Cuidados na Saúde a populações mais vulneráveis - outras doenças ...
UFCD 6580 - Cuidados na Saúde a populações mais vulneráveis - outras doenças ...
João Silva
 
UFCD -6579- Cuidados de Saúde Mental
UFCD -6579-  Cuidados de Saúde MentalUFCD -6579-  Cuidados de Saúde Mental
UFCD -6579- Cuidados de Saúde Mental
Nome Sobrenome
 
Tarefas e funções do Técnico Auxiliar de Saúde no Bloco Operatório e no Servi...
Tarefas e funções do Técnico Auxiliar de Saúde no Bloco Operatório e no Servi...Tarefas e funções do Técnico Auxiliar de Saúde no Bloco Operatório e no Servi...
Tarefas e funções do Técnico Auxiliar de Saúde no Bloco Operatório e no Servi...
I.Braz Slideshares
 
1 tipologia de material clínico
1   tipologia de material clínico1   tipologia de material clínico
1 tipologia de material clínico
João Silva
 
UFCD - 6579 Cuidados na Saúde Mental
UFCD -  6579 Cuidados na Saúde MentalUFCD -  6579 Cuidados na Saúde Mental
UFCD - 6579 Cuidados na Saúde Mental
Nome Sobrenome
 
UFCD - 6585 - CUIDADOS E TRANSPORTE NAS UNIDADES E SERVIÇOS DA REDE NACIONAL ...
UFCD - 6585 - CUIDADOS E TRANSPORTE NAS UNIDADES E SERVIÇOS DA REDE NACIONAL ...UFCD - 6585 - CUIDADOS E TRANSPORTE NAS UNIDADES E SERVIÇOS DA REDE NACIONAL ...
UFCD - 6585 - CUIDADOS E TRANSPORTE NAS UNIDADES E SERVIÇOS DA REDE NACIONAL ...
Manualis
 
UFCD - 6558 -Act. Técnico Auxiliar de Saude.pptx
UFCD - 6558 -Act. Técnico Auxiliar de Saude.pptxUFCD - 6558 -Act. Técnico Auxiliar de Saude.pptx
UFCD - 6558 -Act. Técnico Auxiliar de Saude.pptx
Nome Sobrenome
 
PPT UFCD 6558_Atividade Profissional do Técnico Auxiliar de Saúde
PPT UFCD 6558_Atividade Profissional do Técnico Auxiliar de SaúdePPT UFCD 6558_Atividade Profissional do Técnico Auxiliar de Saúde
PPT UFCD 6558_Atividade Profissional do Técnico Auxiliar de Saúde
Isabel Henriques
 
UFCD_6567 Noções Gerais sobre o Sistema Gastrointestinal, Urinário e Genito-R...
UFCD_6567 Noções Gerais sobre o Sistema Gastrointestinal, Urinário e Genito-R...UFCD_6567 Noções Gerais sobre o Sistema Gastrointestinal, Urinário e Genito-R...
UFCD_6567 Noções Gerais sobre o Sistema Gastrointestinal, Urinário e Genito-R...
Manuais Formação
 
Aula saude do idoso
Aula saude do idosoAula saude do idoso
Aula saude do idoso
morgausesp
 
Curso Cuidador de Idoso (slides)
Curso Cuidador de Idoso (slides)Curso Cuidador de Idoso (slides)
Curso Cuidador de Idoso (slides)
Ana Hollanders
 
Aula Central de material Esterilizado
Aula Central de material EsterilizadoAula Central de material Esterilizado
Aula Central de material Esterilizado
Conceição Quirino
 
Ufcd 6580 cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice (1)
Ufcd 6580 cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice (1)Ufcd 6580 cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice (1)
Ufcd 6580 cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice (1)
Manuais Formação
 
Humanização Na Assistencia de Enfermagem
Humanização Na Assistencia de  EnfermagemHumanização Na Assistencia de  Enfermagem
Humanização Na Assistencia de Enfermagem
Charles Lima
 
U. 7 - Roupas e Equipamentos de Protecção Individual
U. 7 -  Roupas e Equipamentos de Protecção IndividualU. 7 -  Roupas e Equipamentos de Protecção Individual
U. 7 - Roupas e Equipamentos de Protecção Individual
I.Braz Slideshares
 
higiene e conforto do paciente
higiene e conforto do pacientehigiene e conforto do paciente
higiene e conforto do paciente
Viviane da Silva
 
Aula biossegurança
Aula biossegurançaAula biossegurança
Aula biossegurança
Renatbar
 
SAÚDE DO IDOSO: ENFERMAGEM
SAÚDE DO IDOSO: ENFERMAGEMSAÚDE DO IDOSO: ENFERMAGEM
SAÚDE DO IDOSO: ENFERMAGEM
Centro Universitário Ages
 
Manual de procedimentos de higienização e limpeza em controlo da infecção
Manual de procedimentos de higienização e limpeza em controlo da infecçãoManual de procedimentos de higienização e limpeza em controlo da infecção
Manual de procedimentos de higienização e limpeza em controlo da infecção
Paulo Vaz
 
UFCD - 6561 -Equipas Multidisciplinares .pptx
UFCD - 6561 -Equipas Multidisciplinares  .pptxUFCD - 6561 -Equipas Multidisciplinares  .pptx
UFCD - 6561 -Equipas Multidisciplinares .pptx
Nome Sobrenome
 

Mais procurados (20)

UFCD 6580 - Cuidados na Saúde a populações mais vulneráveis - outras doenças ...
UFCD 6580 - Cuidados na Saúde a populações mais vulneráveis - outras doenças ...UFCD 6580 - Cuidados na Saúde a populações mais vulneráveis - outras doenças ...
UFCD 6580 - Cuidados na Saúde a populações mais vulneráveis - outras doenças ...
 
UFCD -6579- Cuidados de Saúde Mental
UFCD -6579-  Cuidados de Saúde MentalUFCD -6579-  Cuidados de Saúde Mental
UFCD -6579- Cuidados de Saúde Mental
 
Tarefas e funções do Técnico Auxiliar de Saúde no Bloco Operatório e no Servi...
Tarefas e funções do Técnico Auxiliar de Saúde no Bloco Operatório e no Servi...Tarefas e funções do Técnico Auxiliar de Saúde no Bloco Operatório e no Servi...
Tarefas e funções do Técnico Auxiliar de Saúde no Bloco Operatório e no Servi...
 
1 tipologia de material clínico
1   tipologia de material clínico1   tipologia de material clínico
1 tipologia de material clínico
 
UFCD - 6579 Cuidados na Saúde Mental
UFCD -  6579 Cuidados na Saúde MentalUFCD -  6579 Cuidados na Saúde Mental
UFCD - 6579 Cuidados na Saúde Mental
 
UFCD - 6585 - CUIDADOS E TRANSPORTE NAS UNIDADES E SERVIÇOS DA REDE NACIONAL ...
UFCD - 6585 - CUIDADOS E TRANSPORTE NAS UNIDADES E SERVIÇOS DA REDE NACIONAL ...UFCD - 6585 - CUIDADOS E TRANSPORTE NAS UNIDADES E SERVIÇOS DA REDE NACIONAL ...
UFCD - 6585 - CUIDADOS E TRANSPORTE NAS UNIDADES E SERVIÇOS DA REDE NACIONAL ...
 
UFCD - 6558 -Act. Técnico Auxiliar de Saude.pptx
UFCD - 6558 -Act. Técnico Auxiliar de Saude.pptxUFCD - 6558 -Act. Técnico Auxiliar de Saude.pptx
UFCD - 6558 -Act. Técnico Auxiliar de Saude.pptx
 
PPT UFCD 6558_Atividade Profissional do Técnico Auxiliar de Saúde
PPT UFCD 6558_Atividade Profissional do Técnico Auxiliar de SaúdePPT UFCD 6558_Atividade Profissional do Técnico Auxiliar de Saúde
PPT UFCD 6558_Atividade Profissional do Técnico Auxiliar de Saúde
 
UFCD_6567 Noções Gerais sobre o Sistema Gastrointestinal, Urinário e Genito-R...
UFCD_6567 Noções Gerais sobre o Sistema Gastrointestinal, Urinário e Genito-R...UFCD_6567 Noções Gerais sobre o Sistema Gastrointestinal, Urinário e Genito-R...
UFCD_6567 Noções Gerais sobre o Sistema Gastrointestinal, Urinário e Genito-R...
 
Aula saude do idoso
Aula saude do idosoAula saude do idoso
Aula saude do idoso
 
Curso Cuidador de Idoso (slides)
Curso Cuidador de Idoso (slides)Curso Cuidador de Idoso (slides)
Curso Cuidador de Idoso (slides)
 
Aula Central de material Esterilizado
Aula Central de material EsterilizadoAula Central de material Esterilizado
Aula Central de material Esterilizado
 
Ufcd 6580 cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice (1)
Ufcd 6580 cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice (1)Ufcd 6580 cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice (1)
Ufcd 6580 cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice (1)
 
Humanização Na Assistencia de Enfermagem
Humanização Na Assistencia de  EnfermagemHumanização Na Assistencia de  Enfermagem
Humanização Na Assistencia de Enfermagem
 
U. 7 - Roupas e Equipamentos de Protecção Individual
U. 7 -  Roupas e Equipamentos de Protecção IndividualU. 7 -  Roupas e Equipamentos de Protecção Individual
U. 7 - Roupas e Equipamentos de Protecção Individual
 
higiene e conforto do paciente
higiene e conforto do pacientehigiene e conforto do paciente
higiene e conforto do paciente
 
Aula biossegurança
Aula biossegurançaAula biossegurança
Aula biossegurança
 
SAÚDE DO IDOSO: ENFERMAGEM
SAÚDE DO IDOSO: ENFERMAGEMSAÚDE DO IDOSO: ENFERMAGEM
SAÚDE DO IDOSO: ENFERMAGEM
 
Manual de procedimentos de higienização e limpeza em controlo da infecção
Manual de procedimentos de higienização e limpeza em controlo da infecçãoManual de procedimentos de higienização e limpeza em controlo da infecção
Manual de procedimentos de higienização e limpeza em controlo da infecção
 
UFCD - 6561 -Equipas Multidisciplinares .pptx
UFCD - 6561 -Equipas Multidisciplinares  .pptxUFCD - 6561 -Equipas Multidisciplinares  .pptx
UFCD - 6561 -Equipas Multidisciplinares .pptx
 

Semelhante a UFCD - 6574- Cuidados na Higiene, Conforto e Eliminação

Tecnologias leves para o cuidado em saúde mental
Tecnologias leves para o cuidado em saúde mentalTecnologias leves para o cuidado em saúde mental
Tecnologias leves para o cuidado em saúde mental
CENAT Cursos
 
Grupo 2
Grupo 2Grupo 2
Grupo 2
Grupo 2Grupo 2
Manual de cuidador adulto final
Manual de cuidador adulto finalManual de cuidador adulto final
Manual de cuidador adulto final
gcmrs
 
psf
psfpsf
Apostila do Cuidador de Idosos.pdf
Apostila do Cuidador de Idosos.pdfApostila do Cuidador de Idosos.pdf
Apostila do Cuidador de Idosos.pdf
FlavioDuccini
 
O acolhimento nas práticas de produção de saúde hrms
O acolhimento nas práticas de produção de saúde  hrmsO acolhimento nas práticas de produção de saúde  hrms
O acolhimento nas práticas de produção de saúde hrms
Adélia Correia
 
AULA 4 - HUMANIZAÇÃO DO SUS .ppt
AULA 4 - HUMANIZAÇÃO DO SUS .pptAULA 4 - HUMANIZAÇÃO DO SUS .ppt
AULA 4 - HUMANIZAÇÃO DO SUS .ppt
FLAVIAAMELIACOSTAFAR
 
SlidesdoPSF.ppt
SlidesdoPSF.pptSlidesdoPSF.ppt
SlidesdoPSF.ppt
RAFAEL COSTA
 
PSF PROGRAMA E SAUDE DA FAMILIA.ppt
PSF PROGRAMA E SAUDE DA FAMILIA.pptPSF PROGRAMA E SAUDE DA FAMILIA.ppt
PSF PROGRAMA E SAUDE DA FAMILIA.ppt
LucianaSousa469679
 
Dilema
DilemaDilema
Acolhimentoehumanização
AcolhimentoehumanizaçãoAcolhimentoehumanização
Acolhimentoehumanização
Saúde Hervalense
 
Humanização em enfermagem slides pptx...
Humanização em enfermagem slides pptx...Humanização em enfermagem slides pptx...
Humanização em enfermagem slides pptx...
jhordana1
 
Seminário saúde coletiva enfermagem 8º período
Seminário saúde coletiva enfermagem 8º períodoSeminário saúde coletiva enfermagem 8º período
Seminário saúde coletiva enfermagem 8º período
Laíz Coutinho
 
éTica e enfermagem
éTica e enfermageméTica e enfermagem
éTica e enfermagem
Maria Clara Figueiredo
 
Aula1
Aula1Aula1
Aula1
Ana Carol
 
aula 1 PDF.pdf
aula 1 PDF.pdfaula 1 PDF.pdf
aula 1 PDF.pdf
CarolMendona13
 
Cola
ColaCola
Humanização na Saúde
Humanização na SaúdeHumanização na Saúde
Humanização na Saúde
Ylla Cohim
 
Diretrizes aconselhamento
Diretrizes aconselhamentoDiretrizes aconselhamento
Diretrizes aconselhamento
Tânia Souza
 

Semelhante a UFCD - 6574- Cuidados na Higiene, Conforto e Eliminação (20)

Tecnologias leves para o cuidado em saúde mental
Tecnologias leves para o cuidado em saúde mentalTecnologias leves para o cuidado em saúde mental
Tecnologias leves para o cuidado em saúde mental
 
Grupo 2
Grupo 2Grupo 2
Grupo 2
 
Grupo 2
Grupo 2Grupo 2
Grupo 2
 
Manual de cuidador adulto final
Manual de cuidador adulto finalManual de cuidador adulto final
Manual de cuidador adulto final
 
psf
psfpsf
psf
 
Apostila do Cuidador de Idosos.pdf
Apostila do Cuidador de Idosos.pdfApostila do Cuidador de Idosos.pdf
Apostila do Cuidador de Idosos.pdf
 
O acolhimento nas práticas de produção de saúde hrms
O acolhimento nas práticas de produção de saúde  hrmsO acolhimento nas práticas de produção de saúde  hrms
O acolhimento nas práticas de produção de saúde hrms
 
AULA 4 - HUMANIZAÇÃO DO SUS .ppt
AULA 4 - HUMANIZAÇÃO DO SUS .pptAULA 4 - HUMANIZAÇÃO DO SUS .ppt
AULA 4 - HUMANIZAÇÃO DO SUS .ppt
 
SlidesdoPSF.ppt
SlidesdoPSF.pptSlidesdoPSF.ppt
SlidesdoPSF.ppt
 
PSF PROGRAMA E SAUDE DA FAMILIA.ppt
PSF PROGRAMA E SAUDE DA FAMILIA.pptPSF PROGRAMA E SAUDE DA FAMILIA.ppt
PSF PROGRAMA E SAUDE DA FAMILIA.ppt
 
Dilema
DilemaDilema
Dilema
 
Acolhimentoehumanização
AcolhimentoehumanizaçãoAcolhimentoehumanização
Acolhimentoehumanização
 
Humanização em enfermagem slides pptx...
Humanização em enfermagem slides pptx...Humanização em enfermagem slides pptx...
Humanização em enfermagem slides pptx...
 
Seminário saúde coletiva enfermagem 8º período
Seminário saúde coletiva enfermagem 8º períodoSeminário saúde coletiva enfermagem 8º período
Seminário saúde coletiva enfermagem 8º período
 
éTica e enfermagem
éTica e enfermageméTica e enfermagem
éTica e enfermagem
 
Aula1
Aula1Aula1
Aula1
 
aula 1 PDF.pdf
aula 1 PDF.pdfaula 1 PDF.pdf
aula 1 PDF.pdf
 
Cola
ColaCola
Cola
 
Humanização na Saúde
Humanização na SaúdeHumanização na Saúde
Humanização na Saúde
 
Diretrizes aconselhamento
Diretrizes aconselhamentoDiretrizes aconselhamento
Diretrizes aconselhamento
 

Mais de Nome Sobrenome

UFCD - 6578 CUIDADOS DE SAUDE MATERNA 2
UFCD - 6578 CUIDADOS DE SAUDE MATERNA  2UFCD - 6578 CUIDADOS DE SAUDE MATERNA  2
UFCD - 6578 CUIDADOS DE SAUDE MATERNA 2
Nome Sobrenome
 
UFCD 366 Plano de Marketing.docx
UFCD 366 Plano de Marketing.docxUFCD 366 Plano de Marketing.docx
UFCD 366 Plano de Marketing.docx
Nome Sobrenome
 
UFCD-366- plano marketing.ppt
UFCD-366- plano marketing.pptUFCD-366- plano marketing.ppt
UFCD-366- plano marketing.ppt
Nome Sobrenome
 
UFCD 576 - IRC- .pptx
UFCD 576 - IRC- .pptxUFCD 576 - IRC- .pptx
UFCD 576 - IRC- .pptx
Nome Sobrenome
 
UFCD - 605 -FLUXOS GESTÃO FINANCEIRA 3ª Parte.pptx
UFCD - 605 -FLUXOS GESTÃO FINANCEIRA 3ª Parte.pptxUFCD - 605 -FLUXOS GESTÃO FINANCEIRA 3ª Parte.pptx
UFCD - 605 -FLUXOS GESTÃO FINANCEIRA 3ª Parte.pptx
Nome Sobrenome
 
UFCD 366 - ACT. 1 .docx
UFCD 366 - ACT. 1 .docxUFCD 366 - ACT. 1 .docx
UFCD 366 - ACT. 1 .docx
Nome Sobrenome
 
UFCD - 605- GESTÃO FLUXOS FINANCEIROS 2ª PARTE.pptx
UFCD - 605- GESTÃO FLUXOS FINANCEIROS 2ª PARTE.pptxUFCD - 605- GESTÃO FLUXOS FINANCEIROS 2ª PARTE.pptx
UFCD - 605- GESTÃO FLUXOS FINANCEIROS 2ª PARTE.pptx
Nome Sobrenome
 
UFCD -605 -GESTÃO FLUXOS FINANCEIROS.pptx
UFCD -605 -GESTÃO FLUXOS FINANCEIROS.pptxUFCD -605 -GESTÃO FLUXOS FINANCEIROS.pptx
UFCD -605 -GESTÃO FLUXOS FINANCEIROS.pptx
Nome Sobrenome
 
UFCD 7851 ARRUMAÇÃO de mercadorias EM ARMAZÉM.pptx
UFCD 7851 ARRUMAÇÃO de mercadorias EM ARMAZÉM.pptxUFCD 7851 ARRUMAÇÃO de mercadorias EM ARMAZÉM.pptx
UFCD 7851 ARRUMAÇÃO de mercadorias EM ARMAZÉM.pptx
Nome Sobrenome
 
UFCD 6214 - sistema_de_normalizao_contabilstica.pptx
UFCD 6214 - sistema_de_normalizao_contabilstica.pptxUFCD 6214 - sistema_de_normalizao_contabilstica.pptx
UFCD 6214 - sistema_de_normalizao_contabilstica.pptx
Nome Sobrenome
 
UFCD _6217_ .pptx
UFCD _6217_ .pptxUFCD _6217_ .pptx
UFCD _6217_ .pptx
Nome Sobrenome
 
UFCD- 10746- situações endêmicas pandêmicas -virus marburg.pptx
UFCD- 10746- situações endêmicas pandêmicas -virus marburg.pptxUFCD- 10746- situações endêmicas pandêmicas -virus marburg.pptx
UFCD- 10746- situações endêmicas pandêmicas -virus marburg.pptx
Nome Sobrenome
 
UFCD 6217 - Gastos Rendimentos e Resultados.pptx
UFCD 6217 - Gastos   Rendimentos e Resultados.pptxUFCD 6217 - Gastos   Rendimentos e Resultados.pptx
UFCD 6217 - Gastos Rendimentos e Resultados.pptx
Nome Sobrenome
 
UFCD - 6223- Direito Aplicado as Empresas.pptx
UFCD - 6223- Direito Aplicado as Empresas.pptxUFCD - 6223- Direito Aplicado as Empresas.pptx
UFCD - 6223- Direito Aplicado as Empresas.pptx
Nome Sobrenome
 
ufcd 607 - Instituições bancarias e titulos de credito , movimentaçao_das_con...
ufcd 607 - Instituições bancarias e titulos de credito , movimentaçao_das_con...ufcd 607 - Instituições bancarias e titulos de credito , movimentaçao_das_con...
ufcd 607 - Instituições bancarias e titulos de credito , movimentaçao_das_con...
Nome Sobrenome
 
UFCD-8518-Inventario.pptx
UFCD-8518-Inventario.pptxUFCD-8518-Inventario.pptx
UFCD-8518-Inventario.pptx
Nome Sobrenome
 
UFCD 7851 - Classificação de Stocks 1.pptx
UFCD 7851 - Classificação de Stocks 1.pptxUFCD 7851 - Classificação de Stocks 1.pptx
UFCD 7851 - Classificação de Stocks 1.pptx
Nome Sobrenome
 
UFCD - 7851- Aprovisionamento .Gestão de Stocks.pptx
UFCD - 7851- Aprovisionamento .Gestão de Stocks.pptxUFCD - 7851- Aprovisionamento .Gestão de Stocks.pptx
UFCD - 7851- Aprovisionamento .Gestão de Stocks.pptx
Nome Sobrenome
 
UFCD - 621 - Planeamento e controlo de produção- 5ª parte-2.pptx
UFCD - 621 - Planeamento e controlo de produção- 5ª parte-2.pptxUFCD - 621 - Planeamento e controlo de produção- 5ª parte-2.pptx
UFCD - 621 - Planeamento e controlo de produção- 5ª parte-2.pptx
Nome Sobrenome
 
UFCD - 621- Planeamento e controlo de produção- 4ª parte- 1.pptx
UFCD - 621- Planeamento e controlo de produção- 4ª parte- 1.pptxUFCD - 621- Planeamento e controlo de produção- 4ª parte- 1.pptx
UFCD - 621- Planeamento e controlo de produção- 4ª parte- 1.pptx
Nome Sobrenome
 

Mais de Nome Sobrenome (20)

UFCD - 6578 CUIDADOS DE SAUDE MATERNA 2
UFCD - 6578 CUIDADOS DE SAUDE MATERNA  2UFCD - 6578 CUIDADOS DE SAUDE MATERNA  2
UFCD - 6578 CUIDADOS DE SAUDE MATERNA 2
 
UFCD 366 Plano de Marketing.docx
UFCD 366 Plano de Marketing.docxUFCD 366 Plano de Marketing.docx
UFCD 366 Plano de Marketing.docx
 
UFCD-366- plano marketing.ppt
UFCD-366- plano marketing.pptUFCD-366- plano marketing.ppt
UFCD-366- plano marketing.ppt
 
UFCD 576 - IRC- .pptx
UFCD 576 - IRC- .pptxUFCD 576 - IRC- .pptx
UFCD 576 - IRC- .pptx
 
UFCD - 605 -FLUXOS GESTÃO FINANCEIRA 3ª Parte.pptx
UFCD - 605 -FLUXOS GESTÃO FINANCEIRA 3ª Parte.pptxUFCD - 605 -FLUXOS GESTÃO FINANCEIRA 3ª Parte.pptx
UFCD - 605 -FLUXOS GESTÃO FINANCEIRA 3ª Parte.pptx
 
UFCD 366 - ACT. 1 .docx
UFCD 366 - ACT. 1 .docxUFCD 366 - ACT. 1 .docx
UFCD 366 - ACT. 1 .docx
 
UFCD - 605- GESTÃO FLUXOS FINANCEIROS 2ª PARTE.pptx
UFCD - 605- GESTÃO FLUXOS FINANCEIROS 2ª PARTE.pptxUFCD - 605- GESTÃO FLUXOS FINANCEIROS 2ª PARTE.pptx
UFCD - 605- GESTÃO FLUXOS FINANCEIROS 2ª PARTE.pptx
 
UFCD -605 -GESTÃO FLUXOS FINANCEIROS.pptx
UFCD -605 -GESTÃO FLUXOS FINANCEIROS.pptxUFCD -605 -GESTÃO FLUXOS FINANCEIROS.pptx
UFCD -605 -GESTÃO FLUXOS FINANCEIROS.pptx
 
UFCD 7851 ARRUMAÇÃO de mercadorias EM ARMAZÉM.pptx
UFCD 7851 ARRUMAÇÃO de mercadorias EM ARMAZÉM.pptxUFCD 7851 ARRUMAÇÃO de mercadorias EM ARMAZÉM.pptx
UFCD 7851 ARRUMAÇÃO de mercadorias EM ARMAZÉM.pptx
 
UFCD 6214 - sistema_de_normalizao_contabilstica.pptx
UFCD 6214 - sistema_de_normalizao_contabilstica.pptxUFCD 6214 - sistema_de_normalizao_contabilstica.pptx
UFCD 6214 - sistema_de_normalizao_contabilstica.pptx
 
UFCD _6217_ .pptx
UFCD _6217_ .pptxUFCD _6217_ .pptx
UFCD _6217_ .pptx
 
UFCD- 10746- situações endêmicas pandêmicas -virus marburg.pptx
UFCD- 10746- situações endêmicas pandêmicas -virus marburg.pptxUFCD- 10746- situações endêmicas pandêmicas -virus marburg.pptx
UFCD- 10746- situações endêmicas pandêmicas -virus marburg.pptx
 
UFCD 6217 - Gastos Rendimentos e Resultados.pptx
UFCD 6217 - Gastos   Rendimentos e Resultados.pptxUFCD 6217 - Gastos   Rendimentos e Resultados.pptx
UFCD 6217 - Gastos Rendimentos e Resultados.pptx
 
UFCD - 6223- Direito Aplicado as Empresas.pptx
UFCD - 6223- Direito Aplicado as Empresas.pptxUFCD - 6223- Direito Aplicado as Empresas.pptx
UFCD - 6223- Direito Aplicado as Empresas.pptx
 
ufcd 607 - Instituições bancarias e titulos de credito , movimentaçao_das_con...
ufcd 607 - Instituições bancarias e titulos de credito , movimentaçao_das_con...ufcd 607 - Instituições bancarias e titulos de credito , movimentaçao_das_con...
ufcd 607 - Instituições bancarias e titulos de credito , movimentaçao_das_con...
 
UFCD-8518-Inventario.pptx
UFCD-8518-Inventario.pptxUFCD-8518-Inventario.pptx
UFCD-8518-Inventario.pptx
 
UFCD 7851 - Classificação de Stocks 1.pptx
UFCD 7851 - Classificação de Stocks 1.pptxUFCD 7851 - Classificação de Stocks 1.pptx
UFCD 7851 - Classificação de Stocks 1.pptx
 
UFCD - 7851- Aprovisionamento .Gestão de Stocks.pptx
UFCD - 7851- Aprovisionamento .Gestão de Stocks.pptxUFCD - 7851- Aprovisionamento .Gestão de Stocks.pptx
UFCD - 7851- Aprovisionamento .Gestão de Stocks.pptx
 
UFCD - 621 - Planeamento e controlo de produção- 5ª parte-2.pptx
UFCD - 621 - Planeamento e controlo de produção- 5ª parte-2.pptxUFCD - 621 - Planeamento e controlo de produção- 5ª parte-2.pptx
UFCD - 621 - Planeamento e controlo de produção- 5ª parte-2.pptx
 
UFCD - 621- Planeamento e controlo de produção- 4ª parte- 1.pptx
UFCD - 621- Planeamento e controlo de produção- 4ª parte- 1.pptxUFCD - 621- Planeamento e controlo de produção- 4ª parte- 1.pptx
UFCD - 621- Planeamento e controlo de produção- 4ª parte- 1.pptx
 

Último

saúde coletiva para tecnico em enfermagem
saúde coletiva para tecnico em enfermagemsaúde coletiva para tecnico em enfermagem
saúde coletiva para tecnico em enfermagem
DavyllaVerasMenezes
 
Medicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdf
Medicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdfMedicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdf
Medicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdf
jhordana1
 
higienização de espaços e equipamentos
higienização de    espaços e equipamentoshigienização de    espaços e equipamentos
higienização de espaços e equipamentos
Manuel Pacheco Vieira
 
3° Aula.ppt historia do Sistema Unico de Saude
3° Aula.ppt historia do Sistema Unico de Saude3° Aula.ppt historia do Sistema Unico de Saude
3° Aula.ppt historia do Sistema Unico de Saude
WilberthLincoln1
 
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
jhordana1
 
Teoria de enfermagem de Callista Roy.pdf
Teoria de enfermagem de Callista Roy.pdfTeoria de enfermagem de Callista Roy.pdf
Teoria de enfermagem de Callista Roy.pdf
jhordana1
 
Treinamento NR35_Trabalho em Altura 2024.pptx
Treinamento NR35_Trabalho em Altura 2024.pptxTreinamento NR35_Trabalho em Altura 2024.pptx
Treinamento NR35_Trabalho em Altura 2024.pptx
Ruan130129
 
Bioquímica [Salvo automaticamente] [Salvo automaticamente].pptx
Bioquímica [Salvo automaticamente] [Salvo automaticamente].pptxBioquímica [Salvo automaticamente] [Salvo automaticamente].pptx
Bioquímica [Salvo automaticamente] [Salvo automaticamente].pptx
BeatrizLittig1
 

Último (8)

saúde coletiva para tecnico em enfermagem
saúde coletiva para tecnico em enfermagemsaúde coletiva para tecnico em enfermagem
saúde coletiva para tecnico em enfermagem
 
Medicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdf
Medicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdfMedicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdf
Medicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdf
 
higienização de espaços e equipamentos
higienização de    espaços e equipamentoshigienização de    espaços e equipamentos
higienização de espaços e equipamentos
 
3° Aula.ppt historia do Sistema Unico de Saude
3° Aula.ppt historia do Sistema Unico de Saude3° Aula.ppt historia do Sistema Unico de Saude
3° Aula.ppt historia do Sistema Unico de Saude
 
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
 
Teoria de enfermagem de Callista Roy.pdf
Teoria de enfermagem de Callista Roy.pdfTeoria de enfermagem de Callista Roy.pdf
Teoria de enfermagem de Callista Roy.pdf
 
Treinamento NR35_Trabalho em Altura 2024.pptx
Treinamento NR35_Trabalho em Altura 2024.pptxTreinamento NR35_Trabalho em Altura 2024.pptx
Treinamento NR35_Trabalho em Altura 2024.pptx
 
Bioquímica [Salvo automaticamente] [Salvo automaticamente].pptx
Bioquímica [Salvo automaticamente] [Salvo automaticamente].pptxBioquímica [Salvo automaticamente] [Salvo automaticamente].pptx
Bioquímica [Salvo automaticamente] [Salvo automaticamente].pptx
 

UFCD - 6574- Cuidados na Higiene, Conforto e Eliminação

  • 1. CUIDADOS DE HIGIENE CONFORTO E ELIMINAÇÃOFormadora: Enfª Mafalda Pinto Formanda: RutePancha Mediadora: Drª Claúdia Lameiras Coordenadora: Drª Susana Carvalho A higiene “é uma necessidade humana básica, imprescindível para a condição de vida saudável.” 09/09/2020
  • 2. 09/09/2020 2 Nos anos 60 MASLOW identificou várias necessidades humanas que motivam o comportamento. Defendeu a existência de 5 níveis de necessidades humanas e hierarquizou-as de acordo com a sua importância Necessidades fisiológicas – 1.º nível; Necessidades de segurança e proteção – 2.º nível; Necessidades de amor e de pertença – 3.ºnível; Necessidades de afeto e autoestima – 4º-nível Necessidades de autorrealização – 5.º nível.
  • 3. AS NECESSIDADES FISIOLÓGICAS SÃO AS MAIS IMPORTANTES. SÃO AQUELAS ATIVIDADES NECESSÁRIAS À MANUTENÇÃO DA VIDA, TAIS COMO RESPIRAR E ALIMENTAR-SE. CADA NÍVEL SUPERIOR REPRESENTA ALGO MENOS IMPORTANTE À EXISTÊNCIA HUMANA DO QUE AS ANTERIORES. MASLOW ACREDITAVA QUE SÓ DEPOIS DAS NECESSIDADES FISIOLÓGICAS ESTAREM SATISFEITAS, É QUE OS INDIVÍDUOS PROCURARIAM A SATISFAÇÃO DAS NECESSIDADES MENOS CRUCIAIS DA VIDA  O conforto está interligado com as necessidades básicas do ser humano que se manifestam pela necessidade de proteção diante dos perigos físicos, de ameaças psicológicas e de dor.  Durante a sua hospitalização, o utente deverá receber conforto e segurança. Os utentes entendem que os cuidados de higienização necessários, bem como, todos consideraram a higiene importante para a sua saúde, reconhecendo que esta interfere na qualidade de vida 09/09/2020 3
  • 4.  Pode-se observar que o significado e a importância da higiene e do banho para os utentes estão associados com a ideia de saúde e de doença.  Afirmaram que o banho e uma boa higiene corporal auxiliam no alívio de dores e da própria doença ajudando a recuperar ou manter a saúde.  Objetivos dos cuidados aos utentes:  Assegurar limpeza do corpo  Assegurar o bem-estar e uma boa autoestima da pessoa cuidada  Prevenir a irritação da pele  Manter as mãos e unhas limpas e com bom comprimento  Favorecer o relaxamento e a comunicação  Os cuidados com a higiene são fundamentais para evitar problemas que podem surgir durante o tratamento.  Manter a limpeza do ambiente, da cama e do cuidado nas trocas de roupas, pois devem ser mudadas várias vezes para evitar infeções e complicações. 09/09/2020 4
  • 5. . O CONTRIBUTO DO/A TÉCNICO/A AUXILIAR DE SAÚDE, NA EQUIPA MULTIDISCIPLINAR, PARA A SATISFAÇÃO DAS NECESSIDADES HUMANAS BÁSICAS DO UTENTE: HIGIENE CONFORTO E ELIMINAÇÃO  No que respeita à satisfação das necessidades básicas dos utentes, compete ao TAS, entre outras funções as seguintes:  Colaborar sob supervisão, na prestação de cuidados de higiene e conforto aos utentes.  Ajudar nas tarefas de recolha de material para análise.  Velar pela manutenção do material utilizado nos cuidados prestados aos utentes;  Assegurar a manutenção das condições de higiene nos respetivos locais de trabalho.  As práticas que usualmente têm maior impacto na higiene e no conforto físico dos utentes são: higiene do ambiente, banho de aspersão (banho de chuveiro), banho na cama, higiene do couro cabeludo, oral e íntima, adequação da cama e sua arrumação, troca de fraldas, massagem de conforto, mobilização no leito e readequação do vestuário.  Cabe ao TAS estabelecer um canal de comunicação com o utente, mantendo um bom vínculo de confiança, para o estabelecimento de práticas de conforto (medidas reais e concretas).  O mais importante é não conformar-se com o cuidado básico; é necessário a reavaliação diária e constante para que o conforto domine.  Um utente nunca é igual ao outro, ainda que a manifestação da doença seja igual para a maioria. Observar a singularidade de cada um é o que nos guia para o conforto do utente.  Paralelamente ao bom contacto humano, é necessária uma boa preparação técnica. Assim, o TAS deve oferecer boa destreza manual, leveza e precisão de movimentos, limpeza e método de trabalho, associados a uma adequada preparação teórica.  Inserido numa equipa, e em contacto diário com os colegas, os enfermeiros, os médicos, ou outros técnicos, necessita de ter capacidade de relacionamento, à custa do respeito mútuo, da consideração, da boa educação e do espírito de colaboração. Relativamente ao utente, tem de ser compreensivo, amável, simpático, alegre, capaz de lhe incutir coragem e confiança, que são premissas essenciais para a obtenção de um elevado nível da qualidade de cuidados. 09/09/2020 5 “Para que não haja problemas, as condutas de intervenção e diagnóstico profissional deve ser sempre realizada por um profissional legalmente habilitado para tal prática.”
  • 6.  Cuidados de higiene e conforto  Em toda e qualquer fase da vida cada pessoa saudável ou não, quer ou prima por obter a sua independência. Essa independência permite a cada um de nós satisfazer cada uma das necessidades humanas básicas.  No entanto, em qualquer uma das fases do ciclo da vida necessitamos de um cuidador que auxilie na satisfação das necessidades, mas a implicação de um cuidador não quer dizer necessariamente que se está utente, pois com saúde ou sem ela todos têm direito à independência.  O Ambiente Terapêutico, é o meio físico e social envolvente em ambiente hospitalar e ou institucional. É neste espaço que se planeia e realiza a tarefa para que os resultados sejam os esperados. É nele que se avalia as necessidades afetadas do utente; todo e qualquer cuidado prestado serão individualizados; nele teremos que demonstrar empatia e compreensão, é importante conseguir privacidade e respeitar a intimidade do utente e nunca esquecer de promover e estimula-lo a desenvolver atividades sejam elas de caris ocupacional seja no aspeto do cuidar.  Para qualquer tipo de utente ou são, o TAS deve ter em conta a idade; o nível de perceção e compreensão; o estado emocional e as limitações físicas e cognitivas.  Perante o utente e de maneira a prestar bons cuidados é fundamental providenciar um ambiente calmo e seguro; evitar ruídos, respeitar a privacidade, crenças e valores; explicar os procedimentos a realizar e encorajar o utente a colaborar na realização dos cuidados. 09/09/2020 6
  • 7.  A HIGIENE é um conjunto de meios e regras que procuram garantir o bem-estar físico e mental, promovendo a saúde e prevenindo a doença. Na vida quotidiana, satisfazemos as nossas próprias necessidades, no entanto durante o envelhecimento e durante a doença, a capacidade de nos Auto cuidarmos diminui e a carência de cuidados de higiene aumenta.  A higiene pessoal é decisiva no que respeita a fatores pessoais e ambientais que incidem na saúde física e mental dos utentes. Por este motivo, os cuidados de higiene exigem uma atitude integral e globalizante que valorize as condições físicas, psicológicas, sociais e funcionais de cada utente.  A falta de higiene não é apenas um problema que pode interferir com a saúde. Contribui também, e de forma decisiva, para uma diminuição da autoestima e dificulta a integração social. Sublinhemos que alguns residentes podem já sentir-se diminuídos nestas áreas por negligenciarem habitualmente a sua própria higiene.  Por higiene do ambiente entende-se a manutenção do espaço físico por onde o utente circula ou se encontra instalado.  O conjunto de práticas objetivando a redução do número de infeções hospitalares ou comunitárias não é um fator secundário na execução da assistência ao utente. De facto, as precauções-padrão devem ser reforçadas pela equipe multiprofissional junto às equipas de saúde em atenção básica, ambulatórios e aos cuidadores familiares que realizam os cuidados diariamente O espaço físico onde o utente está acomodado deve ser um ambiente que favoreça o conforto, acolhimento e proteção de riscos externos à sua condição clínica atual. A equipa que assiste o utente deverá realizar uma análise sistemática e contínua do plano de cuidados objetivando, sempre, um planeamento assistencial viável.  Esta realidade faz com que os utentes, particularmente os mais dependentes, tenham uma grande necessidade de ajuda, seja parcial ou total, para a manutenção da sua higiene corporal, integridade da pele, higiene pessoal e estética necessária para assegurar a sua dignidade e manutenção de seus papéis sociais frente a si mesmo. 09/09/2020 7
  • 8.  A consideração pela pessoa implica o respeito pela sua privacidade e intimidade. Correspondem a necessidades profundas de todas as pessoas e não diminuem com a idade. Dai que deve haver a maior preocupação e delicadeza em tudo o que se prende com a privacidade e intimidade do utente.  Merece especial atenção a sua garantia em todas as tarefas que respeitem à higiene íntima, às relações com os outros, às chamadas telefónicas e a todos os problemas e questões pessoais e familiares. 09/09/2020 8
  • 9.  Para se manter saudável, o organismo deve eliminar os produtos resultantes do metabolismo. Este processo denomina-se eliminação, constituindo uma necessidade fundamental.  A necessidade de eliminação dos resíduos corporais é particularmente afetada pela imobilidade e pelo envelhecimento. Assim, os utentes quando apresentam redução da capacidade de locomoção ou quando imobilizados no leito, têm geralmente necessidade de ajuda na eliminação intestinal/ vesical. Pode acontecer também que, por patologias específicas ou inespecíficas, possa ocorrer uma incontinência das fezes e da urina, que deverão ser objeto de avaliação e de cuidados por parte da equipa de saúde.  As situações de dificuldade na eliminação dos resíduos corporais, nem sempre são devidas a transtornos patológicos ou fisiológicos (envelhecimento), pois muitas das vezes ocorrem por razões psicológicas ou por simples modificação dos hábitos da pessoa. Lembremos que muitas vezes, no hospital, o utente não tem o clima de privacidade a que está habituado, particularmente quando não pode deslocar-se às instalações sanitárias, para satisfazer as suas necessidades de eliminação. 09/09/2020 9
  • 10.  Vestir e despir-se, exige muita coordenação, destreza, equilíbrio, uma boa amplitude de movimentos e força muscular. Estas funções são afetadas por um grande número de doenças e também pelo envelhecimento do sistema músculoesquelético, situações em que é necessário dar ajuda à pessoa afetada.  Manter a temperatura do corpo dentro dos limites normais O ser humano tem de manter a temperatura corporal dentro dos limites normais, para conservar o seu estado de saúde e bem-estar. A termorregulação permite manter o equilíbrio entre a produção e a perda de calor. As temperaturas elevadas podem surgir em qualquer idade na presença de processos infecciosos. Podem ser de aparecimento súbito ou gradual, de forma contínua ou intermitente, com grandes ou pequenas variações durante o dia.  Também as temperaturas baixas ou muito baixas revelam situações patológicas, algumas delas podendo estar relacionadas com a insatisfação da necessidade de e beber comer adequadamente 09/09/2020 10
  • 11.  A independência na satisfação da necessidade de estar limpo e cuidado, permite ao ser humano manter a saúde física e emocional. O significado da necessidade de limpeza e os meios utilizados para a satisfação dessa necessidade, variam em função da pessoa.  Tal como em relação ao vestuário, é necessária muita coordenação, destreza e equilíbrio, assim como uma boa amplitude dos movimentos e força muscular para efetuar os cuidados de higiene corporal.  Os cuidados relacionados com a higiene corporal são muito importantes para a manutenção ou restabelecimento da independência do utente. Fazem parte da higiene corporal o banho, o escovar os dentes, o corte e limpeza das unhas, a barba, lavagem do cabelo e o pentear.  Uma pele limpa e íntegra ajuda a prevenir infeções e outras complicações, e promove a autoestima 09/09/2020 11
  • 12.  O TAS deve assegurar o cumprimento de boas práticas na prestação de cuidados de higiene, no que respeita à promoção da sua manutenção e autonomia. Na prestação dos cuidados de higiene, cada utente tem de ser tratado com respeito pelos seus direitos e deveres, pela sua identidade, hábitos e modos de vida e ser-lhe assegurada privacidade, autonomia, dignidade e confidencialidade, sob pena de se estar a violar os direitos dos indivíduos e, consequentemente, não se garantir a qualidade dos serviços.  A sexualidade integra os aspetos biológicos, físicos, psicossociais e comportamentais, expressos em necessidades e impulsos de masculinidade ou feminilidade em interação com outros.  O respeito pela intimidade e sexualidade do utente deve ser preservado durante os cuidados de higiene, as visitas médicas, os tratamentos pré e pós operatórios, radiografias, o transporte em maca e em todos os momentos do seu internamento. 09/09/2020 12
  • 14.  A higiene é um ramo da medicina que visa a prevenção da doença.  A descoberta de que vários micróbios causam doenças, fez com que a higiene se tornasse fundamental.  A limpeza do corpo, das roupas, dos utensílios e das habitações, diminuiu sensivelmente o risco de infeção por fungos, bactérias e vírus.  A higiene pessoal, cuidado básico para a saúde e bem-estar do ser humano, é uma atividade incorporada na rotina diária e difere entre culturas e épocas. Entende-se por higiene pessoal a corporal e íntima, a oral e a do couro cabeludo.  A higiene pode ser:  Parcial: É aquela que tem em conta os cuidados específicos de cada parte do corpo, frequentemente as regiões com secreção abundante e maior carência de higiene (cara e boca, mãos, axilas, pés e genitais). Total: consiste no banho total, completo, desde a higiene ao corpo até ao cortar das unhas e cuidados com o cabelo.  Na cama OU no chuveiro, consoante as características da pessoa de quem se cuida.  09/09/2020 14
  • 15.  Esta parte dos conteúdos, irá incidir sobre os diversos tipo de cuidados de higiene e conforto que qualquer utente deve satisfazer como necessidade básica. A satisfação desta necessidade humana básica além de contribuir para a independência do individuo, contribui para manter o seu corpo limpo, ter uma aparência cuidada e manter a pele saudável.  Como benefícios de um boa higiene, apresentam-se os seguintes:  Pele saudável – isenta de infeções;  Melhora a circulação sanguínea;  Induz o sono e repouso;  Autoestima;  Bem-estar físico e psíquico – conforto.  Para uma melhor compreensão, dos vários tipos de higiene e após uma avaliação inicial do utente pode perceber-se que tipo de ajuda o utente em questão necessita. Neste caso fala- se em higiene sem ajuda; com ajuda total ou com ajuda parcial. Derivando do tipo de dependência que o utente apresenta. 09/09/2020 15
  • 16.  Entende-se por Ajuda total, lavar o corpo, trocar de roupa e arranjar o individuo e estimulá-lo a fazê-lo; Ajuda Parcial, consiste em lavar até 54% do corpo e assisti-lo a trocar de roupa e a arranjar-se.  3.1. Etapas dos cuidados de higiene a utentes dependentes  3.1.1. Preparar todo o material necessário:  Luvas e aventais descartáveis  Esponja  Sabão líquido neutro  Uma bacia com água tépida (se banho na cama)  Toalhas limpas  Creme hidratante e anti alergénico  Escova ou pente para o cabelo  Escova de dentes e pasta dentífrica ou elixir  Fraldas descartáveis, se necessário  Saco de plástico para o lixo e para a roupa suja  Roupa limpa para o idoso e/ou para a cama  3.2. Vestir-se e despir-se  O vestuário desempenha um papel primordial no bem-estar psicológico da pessoa. Estar bem arranjado e bem vestido, proporciona segurança e autoconfiança.  O vestuário deve ser adequado ao utente, tendo em conta o seu conforto, apresentação e ser prático 09/09/2020 16