SlideShare uma empresa Scribd logo
Turismo


ACESSÍVEL
INTRODUÇÃO A UMA VIAGEM DE INCLUSÃO




               Volume I
Turismo


      ACESSÍVEL
      INTRODUÇÃO A UMA VIAGEM DE INCLUSÃO




BRASIL-2009
Brasil. Ministério do Turismo.

Turismo Acessível: Introdução a uma Viagem de Inclusão.
Volume I. Brasília: Ministério do Turismo, 2009, 48 p.

1. Turismo 2. Acessibilidade 3. Deficiência
MInISTéRIo do TuRISMo
ASSocIAção pARA vALoRIzAção de peSSoAS coM defIcIêncIA




                            Turismo


                           ACESSÍVEL
                            INTRODUÇÃO A UMA VIAGEM DE INCLUSÃO




                 Brasília, 2009
pReSIdenTe dA RepúBLIcA fedeRATIvA do BRASIL
                     LuIz InácIo LuLA dA SILVA
                           MInISTRo do TuRISMo
             LuIz EduArdo PErEIrA BArrETTo FILho
                          SecReTáRIo-execuTIvo
                  MárIo AuguSTo LoPES MoySéS
     SecReTáRIo nAcIonAL de pRogRAMAS de deSenvoLvIMenTo do TuRISMo
                     FrEdErIco SILVA dA coSTA
               SecReTáRIo nAcIonAL de poLíTIcAS do TuRISMo
                           AIrTon PErEIrA
dIReToRA de quALIfIcAção e ceRTIfIcAção e de pRodução ASSocIAdA Ao TuRISMo
                        rEgInA cAVALcAnTE
      dIReToR de eSTRuTuRAção, ARTIcuLAção e oRdenAMenTo TuRíSTIco
                     rIcArdo MArTInI MoESch
            cooRdenAdoR-geRAL de quALIfIcAção e ceRTIfIcAção
                       LucIAno PAIxão coSTA
                   cooRdenAdoRA-geRAL de SegMenTAção
                   SáSKIA FrEIrE LIMA dE cASTro
diretora de qualificação e certificação e de produção Associada ao Turismo – Regina cavalcante
coordenador geral de qualificação – Luciano paixão
equipe Técnica – evandro de Souza

diretor de estruturação, Articulação e ordenamento Turístico – Ricardo Moesch
coordenadora-geral de Segmentação – Sáskia Lima
equipe Técnica – Ana Beatriz Serpa
                   Bárbara Blaudt Rangel

prefeita da estância Hidromineral de Socorro – Marisa de Souza pinto fontana
diretor do depto. de Turismo e cultura de Socorro – carlos Alberto Tavares de Toledo
diretor de planejamento e urbanismo – Marcos José Lomônico
presidente da Associação para valorização de pessoas com deficiência – Sylvia cury
presidente do conselho deliberativo – Marcos Antônio gonçalves




coordenação Técnica                    equipe de Apoio                          colaboradores
eliana victor                          denilson gobbo nalin                     Alexis Ricardo Muñoz
Marcelo vitoriano                      Jorge gonçalves                          felipe Arns
Jobair ubiratan                        Sheila Trigilio                          José fernando franco
celso Salício                          fátima galeazzo                          Mara flora Lottici Krahl
                                                                                Rose franchini
equipe Técnica                         oxigênio desenvolvimento de
                                                                                Rubem Soares
cristiane ecker fornazieri             políticas públicas e Sociais
denise Simões Bras                     Martha del Bello
                                                                                editoração eletrônica
Marcelo Scarabeli                      francisco dias Barbosa
                                                                                flow design
patrícia cereguin
Rosemary Alonso
Sergio Salazar Salvati
Tais nunes
ApReSenTAção
desde o lançamento do Plano nacional de Turismo – PnT 2007/2010 – uma Viagem de Inclusão, o
Ministério do Turismo vem trabalhando para transformar o turismo em um importante mecanismo
de desenvolvimento econômico do Brasil e um grande indutor de inclusão social.

Para isso, vêm sendo desenvolvidas ações no mercado interno para estruturar os destinos e estimular
o consumo de produtos turísticos por clientes potenciais.

Uma dessas ações refere-se ao turismo acessível, no qual o Ministério do Turismo apóia projetos
que visam à acessibilidade urbana e à adaptação de atividades turísticas, contribuindo assim para
a melhoria da qualidade de vida da população local, bem como ampliando o acesso a turistas com
deficiência ou mobilidade reduzida, quer sejam idosos, crianças, gestantes, entre outros.

Nesse sentido, foi firmada parceria entre o Ministério do Turismo e a Associação para Valorização de
Pessoas com Deficiência (AVAPE) para execução do projeto Sensibilização para o Turismo Acessível, no
município de Socorro, em São Paulo.

Essa iniciativa visa promover o mapeamento da acessibilidade turística e a qualificação do receptivo
turístico local para o atendimento adequado a pessoas com deficiência e com mobilidade reduzida,
além de propor e divulgar roteiros adaptados em diferentes segmentos turísticos, tais como turismo
cultural, ecoturismo e turismo de aventura.

Com o objetivo de apresentar os resultados alcançados por meio desta experiência, foram produzidos
quatro volumes, intitulados Turismo Acessível.

o Volume I apresenta os conceitos e marcos legais em turismo e acessibilidade e orienta os gestores
públicos e privados para os procedimentos necessários ao bom desenvolvimento do turismo acessível
nos destinos.

Espera-se que essa experiência exitosa possa ser multiplicada em diversos outros destinos turísticos
brasileiros, ampliando e qualificando, assim, nossa oferta turística e transformando o Brasil em um
país acessível a todos.



                                                                             Ministério do Turismo




6
SuMáRIo
                                                                     Introdução a uma viagem de Inclusão

1. Introdução ao Turismo Inclusivo ..................................................................................................08
      1.1 Turismo – uma viagem de Inclusão .....................................................................................09
      1.2 políticas de Turismo e Inclusão Social ..................................................................................09
      1.3 Turismo Social ................................................................................................................... 10

2. entendendo o Turismo ............................................................................................................... 12
     2.1 Aspectos conceituais ........................................................................................................ 13
     2.2 Marcos Legais ................................................................................................................. 13

3. entendendo a deficiência ........................................................................................................... 15
     3.1 conceituação e caracterização da deficiência ....................................................................... 16
     3.2 Marcos Legais .................................................................................................................23
     3.3 Acessibilidade e Turismo ...................................................................................................26

4. Bases para o desenvolvimento do Turismo Acessível .....................................................................29
     4.1 preparando o destino para a Acessibilidade .........................................................................30
     4.2 planejamento participativo .................................................................................................30
     4.3 Buscando parceiras e financiamento....................................................................................32
     4.4 estabelecendo estratégias de comunicação ..........................................................................37
     4.5 Modelo de plano de Ação ..................................................................................................39

5. Bibliografia .............................................................................................................................. 41
InTRodução Ao TuRISMo
        IncLuSIvo

    1        1.1 TuRISMo – uMA vIAgeM de IncLuSão
             1.2 poLíTIcAS de TuRISMo e IncLuSão SocIAL
             1.3 TuRISMo SocIAL




8
1.1 TuRISMo – uMA vIAgeM de IncLuSão
O turismo é uma das atividades econômicas que tem tido as maiores taxas mundiais de crescimento
anual há várias décadas. Isto fez ampliar mercados antes inexplorados e atingir amplas camadas da
população, devido às diferentes facilidades de acessos e meios de transportes, aumento da renda e
ações promocionais.

Porém, o crescimento das viagens de turismo ainda não permitiu que todos os segmentos da popu-
lação fossem beneficiados para desfrutar do turismo de lazer. Pessoas com deficiência de diferentes
tipologias e pessoas com mobilidade reduzida, tais como idosos e obesos, também poderiam ser in-
cluídos nas estatísticas de exclusão social do turismo, pois encontram dificuldades para se adapta-
rem às instalações e equipamentos nas edificações turísticas e espaços de lazer, ao mesmo tempo em
que encontram prestadores de serviços sem qualificações específicas para um atendimento diferen-
ciado.

Mesmo com essas dificuldades, e talvez por consequência delas, a acessibilidade no turismo vem se
tornando prioridade do governo Federal. com a assinatura do decreto Federal nº. 5296/2004, pessoas
com deficiência, e com mobilidade reduzida passam a ter o direito de fazer turismo como mais um
meio de integração social.

Promover eventos e ações de sensibilização para os diferentes atores do poder público e privado so-
bre o assunto, além de desenvolver projetos em parceria com diferentes segmentos, contribui para o
avanço das políticas públicas voltadas para parcelas menos favorecidas da população brasileira.

O incentivo à acessibilidade no turismo promoverá a integração das pessoas com deficiência perma-
nentes e também daquelas com mobilidade reduzida, ou seja, idosos, crianças, gestantes, obesos em
diferentes graus, pessoas temporariamente imobilizadas devido a acidentes etc.


1.2 poLíTIcAS de TuRISMo e IncLuSão SocIAL
Para o Ministério do Turismo a igualdade social pressupõe garantir a acessibilidade a todos, indepen-
dentemente das diferenças, e entender a diversidade como regra e não com exceção. Nessa reflexão,
surge um novo paradigma, em que esses valores agregados conduzem a acessibilidade a uma cultura
na qual as necessidades das pessoas com deficiência e com restrição de mobilidade assumem um ca-
ráter estratégico de ação efetiva do Estado. nesse caso, é responsabilidade do Ministério do Turismo
sensibilizar e disseminar orientações acerca da acessibilidade nos mais diversos setores ligados direta
e indiretamente à atividade turística, tais como prestação de serviços, equipamentos e atividades tu-
rísticas.



                                                                                                      9
Assim, o Plano Nacional do Turismo 2007/2010 – Uma viagem de inclusão apresenta como objeti-
 vo fazer do turismo um indutor da inclusão social tanto com a criação de novos postos de trabalho
 quanto pelo consumo, com a absorção de novos turistas. Neste contexto, gerar incremento de renda
 e emprego nos destinos e ampliar o acesso das diferentes camadas da população ao turismo, o que
 inclui a acessibilidade às pessoas com deficiência e mobilidade reduzida, são os requisitos centrais do
 que vem sendo observado na estruturação de políticas para o Turismo Social.


 1.3 TuRISMo SocIAL
 O turismo focado no estímulo ao consumo de lazer para camadas sociais menos beneficiadas ao mes-
 mo tempo em que inclui as comunidades aonde ele se desenvolve, vem sendo considerado uma das
 melhores estratégias para a inclusão social, principalmente em países e regiões turísticas com dificul-
 dades de desenvolvimento econômico.

 Estimular o ordenamento e o arranjo dos micro e pequenos prestadores de serviços turísticos lo-
 cais, por meio de iniciativas de fomento tais como qualificação profissional e empreendedora, aces-
 so a micro-créditos, ações de resgate e valorização do patrimônio histórico e cultural e melhorias
 na infra-estrutura de regiões com potencial turístico são algumas das principais estratégias para
 se consolidar uma das atividades econômicas que mais geram renda e emprego por unidade de
 investimentos.

 Pelo lado do consumidor, estimular a oferta de pacotes turísticos fora das altas estações e facilitar o
 acesso ao financiamento das viagens, além das ações de marketing promocional de destinos, são as
 alternativas que vem sendo utilizadas com sucesso há alguns anos.

 neste raciocínio, ampliando o conceito de turismo social para uma visão mais ampla, encontramos
 segmentos da sociedade que, apesar de nem sempre se encaixarem economicamente nas camadas
 populares, tem tido dificuldades de realizar viagens de lazer. Pessoas com deficiência ou mobilidade
 reduzida encontram diferentes restrições para consumirem produtos turísticos, seja por ausência
 de acesso às instalações turísticas (de serviços e de lazer), seja pela inabilidade ou incapacidade no
 atendimento preferencial e personalizado para as diferentes tipologias que estes segmentos apre-
 sentam.

 Segundo Sassaki (2003), o processo de inclusão social acontece quando a sociedade é ajudada a mo-
 dificar seus sistemas de lazer e turismo para que todas as pessoas, com ou sem deficiência, possam
 participar juntas e ativamente de suas atividades nos mesmos locais, desfrutando de momentos de
 lazer em ambientes comuns. O mesmo autor defende que a atividade turística pode provocar uma
 satisfação pessoal ao realizar uma viagem ou ter acesso a uma atividade de lazer, pois são fatores que
 provocam sensações consideradas mais importantes para as pessoas.


10
Para o Ministério do Turismo, Turismo Social é a forma de conduzir e praticar a atividade turística,
promovendo a igualdade de oportunidades, a equidade, a solidariedade e o exercício da cidadania na
perspectiva da inclusão.

O desafio do mercado de turismo e de seus parceiros será lançar produtos que contribuam para a
inclusão, mas que não se destinem apenas a um grupo social. Um meio de hospedagem, ao informar
que é adaptado, deve atender aos critérios estabelecidos na NBR 9050:2004. Esta adequação, além de
atender à legislação pertinente, poderá ser vista como uma ação de responsabilidade social, oferecen-
do economia, segurança, comodidade e bom atendimento ao turista com deficiência. Os investimen-
tos realizados neste meio de hospedagem poderão ser destacados como uma proposta inovadora no
mercado.




                                                                                                    11
enTendendo
         o TuRISMo

     2   2.1 ASpecToS conceITuAIS
         2.2 MARcoS LegAIS




12
2.1 ASpecToS conceITuAIS
o turismo é movimento de pessoas, e por isto gera integração entre povos e culturas. Turismo é fenô-
meno econômico e social, formado por um conjunto de bens e serviços tangíveis e intangíveis, inte-
ragindo com as vontades psicossociais do viajante durante seu tempo livre. Fazer turismo é também
deslocamento e permanência voluntária fora de seu local de residência.

Várias definições vêm sendo usadas para entender o turismo. Porém, é senso comum que o turismo
possui uma grande importância sócio-econômica no mundo atual.

Por um lado, é uma necessidade para o bem-estar psico-físico do ser humano, principalmente para
aqueles que vivem nos centros urbanos. Por outro, o turismo é uma fonte importante de riqueza
econômica e um dos setores de mais rápido crescimento na economia mundial, considerado um fe-
nômeno no mundo inteiro e envolvendo um número crescente de postos de trabalho.

O conjunto de cinco elementos – atrativo, infra-estrutura, serviços, comunidade e turista – cria um
ambiente que chamamos de atmosfera do turismo. Cada qual exerce seu papel fundamental para
que a atividade turística se desenvolva com equilíbrio, gerando benefícios econômicos e sociais, e a
ausência de um destes elementos prejudica o desempenho do outro.

Quando os cinco elementos estão cientes de seu papel e o realizam de forma satisfatória, podemos
dizer que temos um turismo de qualidade. Na visão do consumidor de turismo, o conceito de quali-
dade dos produtos pode ser resumido em uma palavra: satisfação. Ou seja, se a satisfação do cliente
for atingida positivamente ou superada pelo prestador do serviço, pode-se ter como referência que o
produto possui qualidade. Porém, em se tratando de um consumidor com muitas facetas, motivadas
por interesses heterogêneos, não menos complicadas são as formas subjetivas deste consumidor de
avaliação do produto oferecido.

No caso do turismo oferecido ao cliente com deficiência ou com mobilidade reduzida, alguns dos
elementos podem necessitar de adequações para cumprirem seus papéis. E isto só acontecerá se hou-
verem investimentos, próprios ou de origem pública, para adequá-los e formatá-los a uma condição
de permitir o seu consumo. Desta forma, o turismo acessível de qualidade dependerá da mobilização
e de investimentos concretos por parte dos atores atuantes no turismo nos destinos, cabendo aos
gestores públicos locais a responsabilidade de articular e estimular estas ações.

2.2 MARcoS LegAIS
Em 2008, foi aprovado pelo congresso nacional, em uma iniciativa do Ministério do Turismo em
parceria com diversas entidades do setor, a Lei do Turismo – Lei Federal 11.771/2008. Esta Lei dispõe
sobre a Política Nacional de Turismo, define as atribuições do Governo Federal no planejamento, de-


                                                                                                    13
senvolvimento e estímulo ao setor turístico, disciplina a prestação de serviços turísticos, o cadastro, a
 classificação e a fiscalização dos prestadores de serviços turísticos e revoga a antiga jurisdição.

 Diversos instrumentos jurídicos ainda disciplinam a atividade turística no Brasil, porém eles devem
 ser absorvidos pela regulamentação da Lei. Desta forma as atividades e serviços turísticos de agências
 e operadores, as empresas organizadoras de eventos, transportadoras turísticas, meios de hospeda-
 gem, guias de turismo, entre outros, deverão observar esta nova legislação.

 Cabe destacar que diversas outras normas e leis incidem sobre as atividades turísticas, especialmente
 no caso da atividade ocorrer em ambientes naturais ou que envolvem o patrimônio cultural.

 Além destes instrumentos diretamente ligados à atividade turística, não se pode deixar de mencio-
 nar o Código de Defesa do Consumidor (CDC) que foi estabelecido pela Lei n.º 8.078/1990 como forma
 de proteção e defesa dos direitos dos consumidores em suas relações de consumo garantidas pela
 constituição Federal.

 O CDC é um instrumento fundamental ao segmento por garantir direitos a turistas que se sentirem
 lesados no consumo de produtos e serviços turísticos. Por fim, também devem se observadas as leis
 municipais que regulam o uso do território e a ocupação do solo, assim como as normas que regulam
 os padrões de edificações.




14
3
              enTendendo A defIcIêncIA

3.1 conceITuAção e cARAcTeRIzAção dA defIcIêncIA
                               3.2 MARcoS LegAIS
                     3.3 AceSSIBILIdAde e TuRISMo




                                                        15
3. enTendendo A defIcIêncIA
 A Constituição brasileira afirma que toda pessoa com deficiência deve ter as mesmas oportunidades e alcan-
 çar a sua independência social e econômica para integrar-se plenamente na sociedade, como parte de um
 processo em defesa da cidadania e do direito à inclusão social da pessoa com deficiência.
 Esta afirmação é corroborada pelo Programa de Ação Mundial para Pessoas Portadoras de Deficiência
 das Nações Unidas (ONU, 1982) que diz que:
 “Os países membros [da ONU] devem garantir que pessoas com deficiência tenham as mesmas opor-
 tunidades de desfrutar de atividades recreativas que têm os outros cidadãos. Isto envolve a possibilida-
 de de freqüentar restaurantes, cinemas, teatros, bibliotecas, etc., assim como locais de lazer, estádios
 esportivos, hotéis, praias e outros lugares de recreação. os países membros devem tomar a iniciativa
 removendo todos os obstáculos neste sentido. As autoridades de turismo, as agências de viagens, orga-
 nizações voluntárias e outras envolvidas na organização de atividades recreativas ou oportunidades de
 viagem devem oferecer serviços a todos e não discriminar as pessoas com deficiência.”
 Para tanto, é preciso conscientizar os empresários e órgãos ligados ao turismo para que sejam orien-
 tados e capacitados sobre os conceitos, normas e legislação referentes à inclusão e acessibilidade.

 3.1 conceITuAção e cARAcTeRIzAção dA defIcIêncIA
 Pessoas com deficiência são definidas, segundo o Decreto Federal n.º 914/1993, como “aquela que
 apresenta, em caráter permanente, perdas ou anomalias de sua estrutura ou função psicológica, fi-
 siológica ou anatômica, que gerem incapacidade para o desempenho de atividades, dentro do padrão
 considerado normal para o ser humano”. Ou ainda, segundo o Ministério da Justiça como “aquela que
 possui limitação ou incapacidade para o desempenho de algum tipo de atividade”
 Segundo a Organização das Nações Unidas (ONU) há cerca de 500 milhões de pessoas com defici-
 ência no mundo e 80% vivem em países em desenvolvimento. Já Organização Mundial da Saúde
 (OMS)apresenta dados que afirmam que cerca de 10% da população de países em desenvolvimento é
 formada por pessoas com deficiência. Dessas, 50% possuem deficiência mental; 20% têm deficiência
 física; 15% deficiência auditiva; 10% deficiência múltipla e 5%, deficiência visual.
 As estatísticas mais recentes no Brasil indicam que cerca de 24,5 milhões de pessoas no Brasil – 14,5% da
 população – possuem algum tipo de deficiência. Desses, 8,3% possuem deficiência mental; 4,1% deficiên-
 cia física; 22,9% deficiência motora; 48,1% deficiência visual e 16,7%, deficiência auditiva. (IBGE, 2000).
 O Ministério da Educação brasileiro estima que 30% das deficiências são causadas por doenças di-
 versas; 20% por problemas congênitos; 20% por desnutrição; 7% por acidentes domésticos; 5,5% por
 acidentes de trânsito; 2,5% devido a acidentes de trabalho e 15% por outras causas.


16
Em nosso país, segundo Moraes (2004) o número de pessoas com deficiência está diretamente asso-
ciado a fatores como: acidentes automobilísticos, ausência de cuidados na prevenção de acidentes
diversos, violência, erros médicos ou utilização de medicamentos com efeitos colaterais desencadea-
dores de deficiências, falta de acompanhamento da parturiente e da criança, fatos congênitos e, até
mesmo, a desinformação e a ignorância.




                         quAdRo – TIpoLogIA dAS defIcIêncIAS no BRASIL
                                     cenSo deMogRáfIco - 2000

 Tipo de deficiência      Visual         Motora            Auditiva           Mental            Física
      Homem             7.259.074      3.295.071          3.018.218         1.545.462          861.196
      Mulher            9.385.768      4.644.713          2.716.881         1.299.474          554.864
       Total           16.644.842      7.939.784          5.735.099         2.844.936         1.416.060



                               Deficiências      Pessoas com Deficiência       Pessoas com Deficiência
                                   (A)                     (B)                     Múltiplas (A-B)
           Homem               15.979.021             11.420.544                     4.558.477
           Mulher              18.601.700              13.179.712                    5.421.988
            Total              34.580.721             24.600.256                     9.980.465




    1 - O censo indica um número maior de deficiências do que de pessoas com deficiência, uma vez que “as
    pessoas incluídas em mais de um tipo de deficiência foram contadas apenas uma vez” (Fonte: IBGE, Censo
    Demográfico 2000, nota 1), portanto o número de pessoas que apresentam mais de uma deficiência é de
    quase 10 milhões.
    Se necessitar de dados mais específicos, como por exemplo, número de pessoas com deficiência por Es-
    tado consulte o site www.ibge.gov.br
    Fonte: IBGE - Censo Demográfico / * http://www.cedipod.org.br/Ibge1.htm



                                                                                                             17
conceIToS geRAIS
 Decreto nº. 5.296/2004 e ABNT NBR 9050:2004

 • Acessibilidade - Condição para utilização, com       impossibilite a expressão ou o recebimento de
 segurança e autonomia, total ou assistida, dos         mensagens por intermédio dos dispositivos,
 espaços, mobiliários e equipamentos urbanos,           meios ou sistemas de comunicação, sejam ou
 das edificações, dos serviços de transporte e dos      não de massa, bem como aqueles que dificultem
 dispositivos, sistemas e meios de comunicação e        ou impossibilitem o acesso à informação.
 informação, por pessoa com deficiência ou com
 mobilidade reduzida.                                   • Cão-guia - Animal treinado e responsável pela
                                                        condução com segurança da pessoa com defici-
 • Acessibilidade virtual - Garantia de mobilidade      ência visual.
 e usabilidade de recursos computacionais.
                                                        • Desenho Universal - Concepção de espaços, ar-
 • Ajudas técnicas – Produtos, instrumentos, equi-      tefatos e produtos que visam atender simultane-
 pamentos e tecnologia adaptados ou especial-           amente todas as pessoas, com diferentes carac-
 mente projetados para melhorar a funcionalida-         terísticas antropométricas e sensoriais, de forma
 de da pessoa com deficiência ou com mobilidade         autônoma, segura e confortável, constituindo-se
 reduzida, favorecendo a sua autonomia pessoal,         nos elementos ou soluções que compõem a aces-
 total ou assistida.                                    sibilidade.
 • Barreiras – Qualquer entrave ou obstáculo que        • Edificações de uso coletivo - Destinadas a ativi-
 limite ou impeça o acesso, a liberdade de movi-        dades de natureza comercial, hoteleira, cultural,
 mento, a circulação com segurança e a possibi-         esportiva, turística, recreativa, social, religiosa,
 lidade de as pessoas se comunicarem ou terem           educacional e de saúde.
 acesso à informação.
                                                        • Edificações de uso público - Administradas por
 • Barreira urbanística - as existentes nas vias pú-    entidades da Administração Pública direta e in-
 blicas e nos espaços de uso público.                   direta ou por empresas concessionárias ou per-
                                                        missionárias de serviços públicos, destinadas ao
 • Barreira nas edificações - as existentes no en-      público em geral.
 torno e interior das edificações de uso público e
 coletivo e nas áreas internas de uso comum nas         • Edificações de uso privado - Destinadas a habi-
 edificações de uso privado multifamiliar.              tações uni ou multifamiliares.
 • Barreiras nos transportes - as existentes nos ser-   • Elementos de urbanização - Componentes da
 viços de transportes que impedem ou dificultam         urbanização tais como pavimentação, sanea-
 o ingresso ao interior dos veículos de transporte      mento, distribuição de energia elétrica, ilumina-
 público, privado, aos terminais, às estações e aos     ção pública, abastecimento de água e paisagis-
 pontos de parada.                                      mo, dentre outros.
 • Barreira das informações e comunicações –            • Equipamento urbano - Bens públicos e priva-
 qualquer entrave ou obstáculo que dificulte ou         dos, de utilidade pública, destinados à prestação


18
de serviços necessários ao funcionamento da ci-       públicos, fontes públicas, lixeiras, toldos, mar-
dade, implantados mediante autorização do po-         quises, quiosques e outros.
der público, em espaços públicos e privados.
                                                      • Rota acessível - Trajeto contínuo, desobstruí-
• Incapacidade - Impedimento ou limitação de          do e sinalizado que conecta ambientes externos
ações causadas em conseqüência da deficiência.        ou internos de espaços e edificações, e que pode
                                                      ser utilizado de forma autônoma e segura por
• Mobilidade reduzida – Aquela pessoa que, não        todas as pessoas, inclusive as com deficiência.
se enquadrando no conceito de pessoa com defi-        A rota acessível externa pode incorporar esta-
ciência, tenha por qualquer motivo, dificuldade       cionamentos, calçadas rebaixadas, faixas de
de movimentar-se permanente ou temporaria-            travessia de pedestres, rampas; a interna pode
mente, gerando redução efetiva de mobilidade,         incluir corredores, pisos, rampas, escadas, ele-
flexibilidade, coordenação motora e percepção.        vadores.
• Mobilidade urbana - Conjunto de objetos exis-       • Símbolo Internacional de Acesso - Indica exis-
tentes nas vias e espaços públicos, como semáfo-      tência de equipamentos, mobiliário e de serviços
ros, postes de sinalização e iluminação, telefones    voltados à pessoa com deficiência.


TIpoLogIA dA defIcIêncIA e MoBILIdAde ReduzIdA
O Ministério da Justiça do Brasil classifica como pessoas com deficiência o indivíduo que possui li-
mitação ou incapacidade para o desempenho de algum tipo de atividade. A tipologia utilizada para
caracterizar a deficiência pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e usualmente aceita se divide
em: deficiência física (tetraplegia, paraplegia e outros), deficiência intelectual (leve, moderada, severa
e profunda), deficiência auditiva (total ou parcial), deficiência visual (cegueira total e baixa visão) e
deficiência múltipla (duas ou mais deficiências associadas). Acrescenta-se a este grupo as demais
parcelas da população que possuem mobilidade reduzida. A seguir, uma breve caracterização de cada
tipo de deficiência.

peSSoA coM defIcIêncIA InTeLecTuAL
A deficiência intelectual ou mental é aquela em que o indivíduo apresenta funcionamento intelec-
tual significativamente inferior à média, com manifestação antes dos dezoitos anos, e limitações as-
sociadas a duas ou mais áreas de habilidades adaptativas, tais como: comunicação, cuidado pessoal,
habilidades sociais, utilização dos recursos da comunicação, saúde e segurança, habilidades acadê-
micas, lazer e trabalho.
Ela tem sido graduada em níveis de comprometimento que variam entre leve, moderado, grave (ou
severo) e profundo. Entre as mais diversas complicações que estes níveis podem evidenciar, é de ex-
trema importância a concepção de que quanto maior o nível de comprometimento maior a necessi-


                                                                                                         19
dade de recursos e estratégias (apoios) para a promoção do
 bem estar da pessoa com deficiência. Conhecida anterior-
 mente como retardo mental ou deficiência mental, hoje em
 dia é reconhecida como deficiência intelectual (Declaração           Segundo a declaração de di-
 de Montreal – 06/10/2004).                                           reitos do Deficiente Mental,
                                                                      proclamada pela Assembléia
 peSSoA coM pARALISIA ceReBRAL                                        Geral das Nações Unidas em
                                                                      20 de dezembro de 1971, devem
 Cabe ressaltar que pessoas com paralisia cerebral - lesão de         ser resguardados os direitos:
 uma ou mais áreas do sistema nervoso central - podem ter
 como conseqüência alterações psicomotoras, podendo ou                • À igualdade com os demais
                                                                      seres humanos;
 não causar deficiência intelectual. Paralisia cerebral não é
 doença grave ou contagiosa. é fruto de lesão cerebral oca-           • À atenção médica, física,
 sionada antes, durante ou após o nascimento, provocando              educação, qualificação e reabi-
 desordem sobre os controles dos músculos do corpo. Trata-            litação profissional;
 se de uma condição e não de doença.
                                                                      • À segurança econômica e
 Pessoas com paralisia cerebral podem ter dificuldades para an-       exercício de atividade produti-
 dar, podem fazer movimentos involuntários com pernas e bra-          va ou ocupacional;
 ços e apresentar expressões faciais exacerbadas. Porém em geral,
 elas têm inteligência normal e, às vezes, até acima da média.        • À família e a um lar que lhe
                                                                      ofereça assistência;
 Se o indivíduo tiver dificuldade de fala e e isso puder dificul-
                                                                      • A um tutor qualificado,
 tar o entendimento, é importante solicitar que ele repita o
                                                                      quando indispensável;
 que disse, demonstrando assim interesse pela informação.
                                                                      • À proteção de toda forma de
 peSSoA coM defIcIêncIA fíSIcA                                        exploração, abuso ou trata-
                                                                      mento degradante;
 A pessoa com deficiência física é o indivíduo com alteração
 completa ou parcial de um ou mais segmentos do corpo,                • A um processo justo, que
 acarretando o comprometimento da função física, apresen-             leve em conta suas faculdades
 tando-se sob diversas formas.                                        mentais preservadas;

                                                                      • À salvaguardas jurídicas
 Segundo a coordenadoria nacional para Integração da Pessoa
                                                                      contra qualquer abuso, em
 Portadora de Deficiência - CORDE (1996) a deficiência física “tra-
                                                                      situações de maior compro-
 duz-se como alteração completa ou parcial de um ou mais seg-         metimento.
 mentos do corpo humano, tendo como conseqüência o compro-
 metimento da função motora”. Resende (2001) complementa
 dizendo que se apresenta sob diversas formas, dentre as quais:


20
a) Perda total ou parcial das funções motoras do(s) membro(s) inferior(es) e/ou superior(es) (pa-
    raplegia, paraparesia, monoplegia, monoparesia, tetraparesia, triplegia, triparesia).

    b) Perda total ou parcial das funções motoras de um hemisfério do corpo - direito ou esquerdo
    (hemiplegia, hemiparesia).

    c) Perda total de um determinado segmento de um membro superior ou inferior (amputação).

peSSoA coM defIcIêncIA AudITIvA/SuRdo
Deficiência auditiva é a perda da capacidade de ouvir, seja perda bilateral, parcial ou total, de quaren-
ta e um decibéis (dB) ou mais, aferida por audiograma nas freqüências de 500Hz, 1.000Hz, 2.000Hz
e 3.000Hz. Em termos clínico-patológicos, é classificada conforme o nível de perda: leve, moderada,
severa ou profunda.

A pessoa surda é o indivíduo que apresenta um rebaixamento auditivo parcial ou total onde pode
haver prejuízo na compreensão dos sons. O termo deficiente auditivo segue o conceito médico-pato-
lógico, ou seja, uma visão clínica. Portanto, em lugar de deficiente auditivo, recomenda-se utilizar a
terminologia surdo. Essa terminologia não está ligada ao grau de perda auditiva da pessoa e, sim, à
forma como ela se vê, ou seja, é um traço de identidade pessoal e do grupo. Portanto, o termo surdo
está associado à visão sócio-psico-antropológica dessa pessoa e não ao seu nível de capacidade de
ouvir.

Alguns surdos usam a fala oral e fazem leitura labial (ambas desenvolvidas através de treino fonoar-
ticulatório) e têm resto auditivo e, às vezes, usam aparelho auditivo para amplificar a sua capacidade
de audição. Entretanto, a grande maioria dos surdos comunica-se, de forma eficiente, apenas através
da Língua Brasileira de Sinais (Libras), que será melhor abordada no terceiro volume desta série: Bem
Atender no Turismo Acessível.

peSSoA coM defIcIêncIA vISuAL/cego
A deficiência visual pode ser caracterizada como cegueira, na qual a acuidade visual é igual ou menor que
0,05 no melhor olho, com a melhor correção óptica; ou como baixa visão, que significa acuidade visual entre
0,3 e 0,05 no melhor olho, com a melhor correção óptica. Há ainda os casos nos quais a somatória da medida
do campo visual em ambos os olhos é igual ou menor que 60°; ou a ocorrência simultânea de quaisquer das
condições anteriores (Decreto 5.296/2004).

Existem dois grupos dentro da deficiência visual: a cegueira e a visão subnormal, conforme segue:

      • A pessoa cega apresenta desde ausência total de visão até a perda da percepção luminosa.


                                                                                                          21
• A pessoa com baixa visão ou visão subnormal apresenta desde a capacidade de perce-
       ber luminosidade até o grau em que a deficiência visual interfira ou limite seu desem-
       penho.

 no volume Bem Atender no Turismo Acessível é possível compreender melhor as formas de comuni-
 cação com os cegos.

 peSSoA SuRdocegA
 Os indivíduos surdocegos são definidos como aqueles que têm perda substancial de visão e audição,
 de tal forma que a combinação das duas deficiências causa extrema dificuldade na conquista de me-
 tas educacionais, vocacionais, de lazer e sociais.

 peSSoA coM defIcIêncIA MúLTIpLA
 Associação de duas ou mais deficiências.

 peSSoA coM MoBILIdAde ReduzIdA
 Pessoa com mobilidade reduzida é o indivíduo que, não se enquadrando no conceito de pessoa com
 deficiência, tenha, por qualquer motivo, dificuldade de movimentar-se permanente ou temporaria-
 mente, gerando redução efetiva de mobilidade, flexibilidade, coordenação motora e percepção. A NBR
 9050:2004 entende por pessoa com mobilidade reduzida, além da pessoa com deficiência, o idoso, o
 obeso, a gestante, dentre outros, conforme apresentado a seguir:

       • Pessoa idosa – Indivíduo que atingiu a plenitude da idade, mas apresenta limitações fí-
       sicas, cardíacas e neurológicas. No Brasil, é considerada idosa a pessoa com 60 anos ou
       mais;

       • Pessoa obesa – Indivíduo que excedeu o índice de massa corporal (IMC) adequado para sua
       constituição física;

       • Outros - Mulheres gestantes, pessoas com crianças de colo etc.

 3.2 MARcoS LegAIS
  o Ministério do Turismo adota como parte da sua política estrutural a inclusão das pessoas com de-
 ficiência ou com mobilidade reduzida. A partir desse contexto, busca promover a acessibilidade dos
 espaços, equipamentos, serviços e informações turísticas. Versam sobre o assunto, entre outras, as
 seguintes legislações:


22
• Lei n.º 4.169, de 4 de dezembro de 1962 – oficializa as convenções Braille para uso na escrita e
leitura dos cegos e o Código de Contrações e Abreviaturas Braille.
• Lei n.º 7.405, de 12 de novembro de 1985 – torna obrigatória a colocação do Símbolo Interna-
cional de Acesso em todos os locais e serviços que permitam sua utilização por pessoas porta-
doras de deficiência e dá outras providências.
• Lei n.º 7.853, de 24 de outubro de 1989 – dispõe sobre o apoio às pessoas portadoras de deficiên-
cia, sua integração social, sobre a coordenadoria nacional para Integração da Pessoa Portadora
de Deficiência - Corde, institui a tutela jurisdicional de interesses coletivos ou difusos dessas
pessoas, disciplina a atuação do Ministério Público, define crimes, e dá outras providências.
• Lei n.º 8.160, de 8 de janeiro de 1991 – dispõe sobre a caracterização de símbolo que permita
a identificação de pessoas portadoras de deficiência auditiva.
• Lei n.º 8.899, de 29 de junho de 1994 – dispõe sobre o passe livre às pessoas com deficiência no
sistema de transporte coletivo interestadual.
• Decreto n.º 3.298, de 20 de dezembro de 1999 – disoõe sobre a Política Nacional para integra-
ção da pessoa com deficiência.
• Lei n.º 10.048, de 19 de dezembro de 2000 – dá prioridade de atendimento às pessoas que especi-
fica e dá outras providências.
• Lei n.º 10.098, de 19 de dezembro de 2000 – estabelece normas gerais e critérios básicos para a
promoção da acessibilidade das pessoas portadoras de deficiência ou com mobilidade reduzida.
• Decreto n.º 3.691, de 19 de dezembro de 2000 – regulamenta a Lei 8.899/1994.
• Lei n.º 10.436, de 24 de abril de 2002 – dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais - Libras e dá
outras providências.
• Lei n.º 10.741, de 01 de outubro de 2003 – dispõe sobre o Estatuto do Idoso.
• Instrução Normativa IPHAN n.º 1, de 25 de novembro de 2003 – dispõe sobre a acessibilidade
em Bens culturais.
• Decreto n.º 5.296, de 02 de dezembro de 2004 – regulamenta a Lei n.º 10.048/2000, que dá priori-
dade e atendimento às pessoas, e a Lei n.º 10.098/2000, que estabelece normas gerais e critérios bá-
sicos para a promoção da acessibilidade das pessoas com deficiência ou com mobilidade reduzida.
• Lei n.º 11.126, de 27 de junho de 2005 – dispõe sobre o direito da pessoa com deficiência visual
de ingressar e permanecer em ambientes de uso coletivo acompanhada de cão-guia.
• Decreto n.º 5.626, de 22 de dezembro de 2005 – regulamenta a Lei n.º 10.436/2002, que dispõe
sobre a Língua Brasileira de Sinais – Libras, e o art. 18 da Lei n.º 10.098/2000.
• Portaria n.º 310, de 31 de março de 2006 do Ministério das Comunicações – aprova a norma com-
plementar n.º 01/2006, que trata de recursos de acessibilidade para pessoas com deficiência, na pro-
gramação veiculada nos serviços de radiodifusão de sons e imagens e de retransmissão de televisão.


                                                                                                   23
• Decreto n.º 5.904, de 21 de setembro de 2006 – regulamenta a Lei n.º 11.126, de 27 de junho de
       2005, que dispõe sobre o direito da pessoa com deficiência visual de ingressar e permanecer
       em ambientes de uso coletivo acompanhada de cão-guia e dá outras providências.
       • Decreto Legislativo 186, de 09 de julho de 2008 – aprova o texto da Convenção Internacional
       Direitos da Pessoa com Deficiência.
       • ABNT NBR 14020:1997 – dispõe sobre a acessibilidade à pessoa portadora de deficiência em
       trem de longo percurso.
       • ABNT NBR 14022:1998 – dispõe sobre a acessibilidade à pessoa portadora de deficiência em
       ônibus e trólebus, para atendimento urbano e intermunicipal.
       • ABNT NBR 14273:1999 – dispõe sobre a acessibilidade à pessoa portadora de deficiência no
       transporte aéreo comercial.
       • ABNT NBR 13994:2000 – dispõe sobre os elevadores de passageiros – elevadores para trans-
       porte de pessoa portadora de deficiência.
       • ABNT NBR 9050:2004 – dispõe sobre a acessibilidade a edificações, mobiliário, espaços e
       equipamentos urbanos.
       • ABNT NBR 14021:2005 – dispõe sobre o transporte – acessibilidade no sistema de trem urbano
       ou metropolitano.
       • ABNT NBR 15250:2005 – dispõe sobre a acessibilidade em caixa de auto-atendimento bancário.
       • ABNT NBR 15290:2005 – dispõe sobre a acessibilidade em comunicação na televisão.
       • ABNT NBR 15320:2005 – dispõe sobre a acessibilidade à pessoa com deficiência no transporte rodoviário.
       • ABNT NBR 15450:2006 – dispõe sobre a acessibilidade em transporte aquaviário.
       • ABNT NBR 15599:2008 – dispõe sobre a acessibilidade na comunicação da prestação de serviços.
       • ABNT NBR 15646:2008 – dispõe sobre a plataforma elevatória veicular e rampa de acesso vei-
       cular para acessibilidade em veículos com características urbanas para o transporte coletivo de
       passageiros - Requisitos de desempenho, projeto, instalação e manutenção.
       • ABNT NBR 15570:2009 – dispõe sobre as especificações técnicas para fabricação de veículos de
       características urbanas para transporte coletivo de passageiros.

 Recomendações gerais e prazos – para desenvolvimento da acessibilidade, é importante observar as
 orientações contidas no documento Turismo e Acessibilidade: Manual de Orientações (Ministério do
 Turismo, 2006), incorporando recomendações e legislações pertinentes:

       • A acessibilidade no meio urbano deve ser observada no Plano Diretor Municipal, nos Planos
       Diretores de Transporte e de Trânsito, no Código de Obras, no Código de Postura, na Lei de Uso
       e ocupação do Solo e na Lei do Sistema Viário, conforme decreto n.º 5.296/2004.


24
• Para a concessão de Alvará de Funcionamento e da Carta de Habite-se, deve ser observado o
      cumprimento da acessibilidade previsto respectivamente no § 1º e § 2º do art. 13 do decreto n.º
      5.296/2004 e nas normas técnicas de acessibilidade da ABnT.
      • A aprovação de financiamento de projetos com a utilização de recursos públicos, entre eles os de natu-
      reza arquitetônica e urbanística, os tocantes à comunicação e informação e os referentes ao transporte
      coletivo, por meio de qualquer instrumento (convênio, acordo, ajuste, contrato ou similar), fica sujeita ao
      cumprimento das disposições do Decreto n.º 5.296/2004, conforme disposto no inciso III do artigo 2º.
      • As edificações de uso público já existentes devem estar adaptadas para a acessibilidade das
      pessoas com deficiência (§ 1º, art. 19, Decreto n.º 5.296/2004) a partir junho de 2007.
      • Os estabelecimentos de uso coletivo tiveram o prazo até dezembro de 2008 para realizarem
      as adaptações para acessibilidade (§ 8º, art. 23, Decreto n.º 5.296/2004).
      • Todos os veículos do transporte coletivo rodoviário, aquaviário, metroferroviário, ferroviário e
      aéreo deverão ser fabricados de acordo com as Normas de Acessibilidade até dezembro de 2007
      (art. 40 e art. 42, § 2º, Decreto n.º 5.296/2004).
      • Os serviços de transporte coletivo aéreo e os equipamentos de acesso às aeronaves deveriam
      estar acessíveis e disponíveis para serem operados por pessoas com deficiência ou com mobili-
      dade reduzida até dezembro de 2007 (art. 44, Decreto n.º 5.296/2004).
      • Toda a frota de veículos do transporte coletivo rodoviário, metroferroviário e ferroviário deve
      estar acessível a partir de dezembro de 2014 (art. 38, § 3º e art. 42, Decreto n.º 5.296/2004).
      • As empresas concessionárias e permissionárias dos serviços de transporte coletivo aquaviário
      devem garantir a acessibilidade da frota de veículos em circulação, inclusive de seus equipa-
      mentos, a partir de junho de 2009 (art. 41, Decreto n.º 5.296/2004).
      • A acessibilidade aos portais e endereços eletrônicos da Administração Pública deve estar acessí-
      vel às pessoas com deficiência visual a partir dezembro de 2005 (art. 47, Decreto n.º 5.296/2004).
      • Para a obtenção de financiamento público, é exigido o cumprimento da acessibilidade para
      as pessoas com deficiência visual, em portais e endereços eletrônicos de interesse público, a
      partir de junho de 2005 (art. 48, Decreto n.º 5.296/2004).
      • Os pronunciamentos do Presidente da República em rede de televisão devem ser acessíveis por meio
      de janela de Libras a partir de junho de 2005 (parágrafo único, art. 57, Decreto n.º 5.296/2004).
Importante referir que, para a plena aplicabilidade do Decreto n.º 5.296/2004 e da Lei n.º 10.098/2000,
os governos federal, estadual e municipal devem fortalecer a legislação sobre a acessibilidade nas
respectivas instâncias para garantir que todas as pessoas tenham o mesmo direito de acesso aos
espaços públicos, aos equipamentos, atrativos e serviços turísticos.


                                                                                                               25
Sendo assim, nas regiões turísticas, onde as questões da acessi-
 bilidade são reais para os próprios habitantes e para os turistas,   cabe também mencionar a
 todo o esforço deve ser feito pelos gestores públicos e agentes      convenção Interamericana para
 locais para inserir nas políticas de turismo as necessidades de      a Eliminação de todas as for-
 acessibilidade de todos os cidadãos. o setor turístico também        mas de discriminação contra as
 deve empreender ações visando à inserção das pessoas com de-         Pessoas Portadoras de Deficiên-
 ficiência no mercado de trabalho pela prestação de serviços tu-      cia, promulgada pelo decreto
 rísticos, em cumprimento à legislação.                               3.956/2001, que tem por objeti-
                                                                      vo propiciar a plena integração à
 compete ao conselho nacional dos direitos da Pessoa Portadora        sociedade das pessoas portado-
 de Deficiência (CONADE), aos Conselhos estaduais, municipais e       ras de deficiência.
 do Distrito Federal e às organizações representativas de pessoas
 com deficiência acompanhar e sugerir medidas para o cumpri-
 mento da acessibilidade.

 3.3 AceSSIBILIdAde e TuRISMo
 Se por um lado os receptivos turísticos no Brasil, de modo em geral, ainda demonstram sérias lacunas
 na acessibilidade das instalações e no atendimento com hospitalidade da pessoa com deficiência
 ou mobilidade reduzida, por outro temos a Constituição Brasileira, que afirma que toda pessoa com
 deficiência deve ter as mesmas oportunidades na sociedade e alcançar a sua independência social
 e econômica para integrar-se plenamente na sociedade, como parte de um processo em defesa da
 cidadania e do direito à inclusão social da pessoa com deficiência.

 Esta afirmação é corroborada pelo Programa de Ação Mundial para Pessoas Portadoras de Deficiência
 das Nações Unidas (ONU, 1982) que diz:

       “Os países membros [da ONU] devem garantir que pessoas com deficiência tenham as
       mesmas oportunidades de desfrutar de atividades recreativas que têm os outros cidadãos.
       Isto envolve a possibilidade de freqüentar restaurantes, cinemas, teatros, bibliotecas, etc.,
       assim como locais de lazer, estádios esportivos, hotéis, praias e outros lugares de recreação.
       os países membros devem tomar a iniciativa removendo todos os obstáculos neste senti-
       do. As autoridades de turismo, as agências de viagens, organizações voluntárias e outras
       envolvidas na organização de atividades recreativas ou oportunidades de viagem devem
       oferecer serviços a todos e não discriminar as pessoas com deficiência.”

 Para que isso aconteça, é preciso mobilizar e conscientizar os empresários e órgãos ligados ao turis-
 mo, qualificando-os por meio do conhecimento sobre os conceitos, normas e legislação referentes
 à inclusão e acessibilidade.


26
As barreiras arquitetônicas, comumente encontradas nas cidades, tanto nos espaços públicos como pri-
vados, são fatores que dificultam e, em algumas situações, impedem o deslocamento de pessoas com
deficiência ou mobilidade reduzida. Promover a acessibilidade faz parte do processo de inclusão social não
só das pessoas com deficiência, mas de todos que, permanentemente ou temporariamente, apresentam
dificuldade de locomoção, incluindo nesta categoria crianças, pessoas idosas, gestantes e obesos.

Acessibilidade é garantir que todos exerçam seus direitos de ir e vir, de acesso ao transporte, à comu-
nicação, à educação, ao trabalho e ao lazer.

Qualquer que seja o estabelecimento - turístico, comercial etc. - deve possuir adaptações que o turista
com deficiência tenha independência, autonomia e dignidade de forma coletiva ou individual. Estas
edificações deverão seguir o desenho universal que será utilizado na produção de espaços ou de ob-
jetos, permitindo a igualdade no seu emprego por todos, inclusive pelas pessoas com deficiências e
mobilidade reduzida.

A acessibilidade às edificações de uso público, coletivo ou privado deve ser garantida às pessoas com
deficiência ou mobilidade reduzida, conforme declina o Decreto Federal n.º 5296/2004 e as recomenda-
ções da NBR 9050:2004. Nos projetos arquitetônicos, design de produtos e equipamentos e adaptações
de edificações é fundamental que se leve em consideração a diversidade humana para que qualquer
pessoa, independentemente de suas limitações físicas, possa utilizar os espaços com conforto, autono-
mia e segurança.

O desenho universal baseia-se no respeito aos diferentes padrões humanos e na inclusão de todas
as pessoas nas mais diversas atividades, visando simplificar a vida para todos e beneficiando assim
pessoas com diversas limitações e capacidades.
                                                                           conforme a ABnT nBR 9050:2004
Para colocar em prática o conceito de desenho universal nos projetos e     acessível é:
produtos turísticos, deve-se levar em consideração as dimensões refe-
renciais para deslocamento das pessoas com deficiência ou mobilidade       “Espaço, edificação, mobili-
reduzida, juntamente com os equipamentos auxiliares que utilizam           ário, equipamento urbano
como: cadeira de rodas, bengalas, muletas, andadores ou cão-guia.          ou elemento que possa ser
                                                                           alcançado, acionado, utiliza-
Turismo Acessível é, portanto, o termo técnico para definir a “pos-        do e vivenciado por qualquer
sibilidade e condição do portador de deficiência alcançar e utilizar,      pessoa, inclusive aquelas
com segurança e autonomia, edificações e equipamentos de inte-             com mobilidade reduzida. O
resse turístico”.                                                          termo acessível implica tanto
                                                                           acessibilidade física como de
Segundo AGUIRRE (2003) para estabelecimentos tornarem-se aces-             comunicação.”
síveis, alguns importantes aspectos devem ser observados:


                                                                                                           27
• Estabelecimentos para informação e comercialização: acessos (estacionamento, desníveis
       e portas), circulação interior (desníveis e passagens livres, iluminação e revestimentos), mo-
       biliário (mesa, balcões e expositores), informação e sinalização acessível, e comunicação do
       Símbolo Internacional de Acessibilidade (SIA);
       • Estabelecimentos para alojamento: acessos (estacionamento, percurso até o edifício, zona
       de manobra, desníveis e portas de entrada e saída), circulação interior (passagens e percursos,
       zonas de manobra, elevadores e revestimentos), dormitórios, banheiros e cozinhas (dimensões,
       zona de manobra, porta de acesso), uso de sanitários (acessórios, comandos, ajudas técnicas,
       revestimento, alarmes), mobiliário (mesa e cadeiras, camas e armários), instalações (telefone,
       televisão, iluminação e temperatura - comando e controles), informação e sinalização acessí-
       vel, e comunicação do SIA;
       • Estabelecimentos de restauração: acessos (igual aos anteriores), circulação interior (distri-
       buição do espaço, passagens entre movéis e desníveis), sanitários (acesso e área de manobra,
       acessório, comandos, ajuda técnicas, revestimentos e alarmes), mobiliário (mesa, cadeiras, bar-
       ras e balcões), informação e sinalização acessível, e comunicação do SIA;
       • Estabelecimentos para lazer e recreação: neles é preciso estudar a acessibilidade individual a
       cada elemento e a acessibilidade ao conjunto geral.
 O mesmo autor afirma que os estabelecimentos turísticos devem informar a sua situação atual e as
 possibilidades reais de prestar um serviço turístico de qualidade a pessoa portadora de necessida-
 des especiais. Caso não parta deles, as agências de viagens deverão buscar e divulgar a informação
 (Aguirre, 2003).
 Por fim, qualificar os profissionais responsáveis pelo atendimento direto à pessoa com deficiência ou
 mobilidade reduzida gera um compromisso de respeito e de acolhimento a este segmento.
 Certamente, a garantia de satisfação no atendimento será um diferencial significativo para um am-
 plo mercado consumidor, o de viajantes com deficiência ou mobilidade reduzida, naquelas localida-
 des que estejam acessíveis às suas necessidades, desde agências e receptivos de viagem, aeroportos e
 empresas aéreas, hotéis, atrativos, bares, restaurantes e similares.




28
BASeS pARA o deSenvoLvIMenTo
           do TuRISMo AceSSíveL

 4.1 pRepARAndo o deSTIno pARA A AceSSIBILIdAde
                 4.2 pLAneJAMenTo pARTIcIpATIvo
                                                  4
     4.3 BuScAndo pARceIRAS e fInAncIAMenTo
4.4 eSTABeLecendo eSTRATégIAS de coMunIcAção
                 4.5 ModeLo de pLAno de Ação




                                                      29
4.1 pRepARAndo o deSTIno pARA A AceSSIBILIdAde
 O início de um projeto de acessibilidade turística nos municípios dá-se pela revisão das leis e normas
 locais complementares que disciplinam o uso do território e a prestação de serviços públicos.

 nesta revisão, é necessário incluir o conceito de acessibilidade e inclusão por meio do Plano diretor Mu-
 nicipal, Código de Posturas, Código de Obras e Edificações, Lei de Perímetro Urbano, Lei de Parcelamento
 do Solo urbano e Lei de uso de ocupação do Solo e o Plano diretor de Transporte. A base conceitual e
 normativa para promover a acessibilidade é o Art. 14 do decreto nº. 5.296/2004 e a nBr 9050:2004.

 Em seguida, é necessário realizar uma pré-avaliação da situação de acessibilidade nos serviços, atra-
 tivos e edificações de interesse turístico públicos e privados, além do acesso aos meios de transportes,
 mobiliário urbano, atendimento à pessoa com deficiência e a existência de sistemas de comunicação
 específicos.

 Com esta pré-avaliação é possível delimitar as diretrizes gerais de um projeto de acessibilidade tu-
 rística, vislumbrando-se as necessidades iniciais de parcerias e financiamentos e identificando os
 processos-chave para o deslanche do projeto.

 Os itens a seguir indicam os passos do planejamento para um projeto integrado de acessibilidade
 turística no município.

 4.2 pLAneJAMenTo pARTIcIpATIvo
 Como foi visto anteriormente, o turismo se desenvolve pelo trabalho de diferentes agentes que es-
 timulam e facilitam o consumo de produtos turísticos e envolvem os setores públicos, privados e
 não-governamentais. Visando seu planejamento e execução de forma otimizada, eficaz e eficiente,
 um projeto de turismo acessível deve compreender um processo de planejamento participativo que
 inclua os diferentes atores e, entre outras, as seguintes ações:

       • Articulação para a participação da comunidade e trade turístico (prestadores de serviço lo-
       cais) envolvidos direta ou indiretamente com o turismo no município por meio da criação de
       uma Comissão de Acessibilidade;

       • Articulação com as associações comerciais, Conselho Municipal de Turismo e entidades lo-
       cais que desenvolvem trabalhos com pessoas com deficiência para influenciar a sua participa-
       ção e, principalmente, respaldar as atividades a serem realizadas no destino;

       •Articulação junto aos órgãos do governo federal, fóruns estadual e regional de turismo e pre-
       feituras de entorno para um melhor envolvimento no projeto, de forma que seja a base para


30
uma mobilização ampla na região, visando estimular o trade turístico e os empreendimentos
      particulares a se adaptarem às normas de acessibilidade.

Estabelecido um fórum oficial de debates por meio da Comissão Permanente de Acessibilidade no
município, organizam-se reuniões de trabalho para definição e planejamento das estratégias e ati-
vidades do Projeto. Estas reuniões são úteis para a organização das ações, metas e responsabilidades
com as diferentes entidades e organizações parceiras, e para o estabelecimento de um mecanismo
regular de envolvimento e participação que gere compromisso de ações e facilite o monitoramento
de seu cumprimento por meio de cronogramas factíveis e definição clara dos objetivos do projeto.

Desta forma, nas reuniões com os parceiros são debatidos os principais temas e fases de um projeto
de acessibilidade turística no município, tais como:

      • Análises diagnósticas da situação atual e das necessidades básicas visando a acessibilidade
      no município;

      • Planos e projetos para a acessibilidade, definindo-se as ações estratégicas e os investimentos
      mínimos necessários para o sucesso do projeto, suas metas, responsabilidades e prazos de exe-
      cução;

      • Informes de atualizações e manutenção do envolvimento e participação dos parceiros, por
      meio de uma análise crítica do cumprimento do cronograma de ações previstas e executadas;

      • Avaliação dos resultados alcançados pelas organizações parceiras do projeto em sua área de
      atuação a fim de se manter uma mesma linha de trabalho e a adoção da mesma metodologia
      por todos, garantindo desta forma o maior aproveitamento e absorção das ações realizadas;

      • Avaliação final das ações aplicadas pelas organizações e empresas parceiras do projeto, por
      meio de relatórios da conclusão das ações, inclusive para registro histórico das fases do Projeto.

Durante a execução do projeto, deve-se estabelecer um grupo de monitoramento do planejamento
visando acompanhar a eficiência na execução das atividades do projeto. Este monitoramento se dá
por meio de visitas técnicas de trabalho com parceiros e prestadores de serviços para avaliação da
situação em que se encontram as ações programadas, visitas estas que devem ser comunicadas com
antecedência a todos os parceiros envolvidos.

A metodologia participativa tem também como objetivo perpetuar as ações iniciadas como um pro-
cesso contínuo de planejamento. Ações centralizadas por uma única organização correm risco de
descontinuidade administrativa e dificuldades de execução e monitoramento diante de um conjunto
complexo de ações que envolvem diferentes setores da sociedade local.


                                                                                                       31
4.3 BuScAndo pARceRIAS e fInAncIAMenTo
 Na fase de planejamento, dois itens são fundamentais para o sucesso da promoção da acessibilidade
 nos destinos turísticos: as parcerias entre os agentes públicos e privados do turismo e a busca por
 financiamento para obras de adaptação nas instalações, no mobiliário urbano, na aquisição de equi-
 pamentos e para a qualificação de pessoal, entre outros itens.

 Em âmbito local, as parcerias de um projeto de acessibilidade no turismo devem envolver os agentes
 locais direta e indiretamente ligados ao turismo, tais como os órgãos da Prefeitura (Secretarias de
 Turismo, Planejamento, Cultura, Esportes, entre outras), a Comissões de Acessibilidade, associações
 de defesa dos interesses das pessoas com deficiência e empresas turísticas de demais serviços asso-
 ciados (individualmente ou por meio de associações de empresas turísticas e do comércio local).

 Estas parcerias iniciam-se pela formação da Comissão de Acessibilidade, preferencialmente por estí-
 mulo e condução da prefeitura. Neste agrupamento de interesses não somente as ações de planeja-
 mento e monitoramento são prioritárias, mas também assegurar um ambiente saudável de debates
 para a criação e fortalecimento de parcerias visando:

       • aproximar as visões sobre os objetivos gerais da proposta de acessibilidade;

       •reunir melhores condições para o financiamento de ações públicas e privadas para a acessibi-
       lidade (mapeamento da acessibilidade; cursos de qualificação etc.);

       •desenvolver e operar roteiros integrados beneficiando um conjunto de prestadores de servi-
       ços da cadeia turística.




                                       pARceIRoS do pRoJeTo



        ÓRgãoS púBLIcoS                     TeRceIRo SeToR                    InIcIATIvA pRIvAdA




32
Além disso, o município deve buscar informações e conhecer os programas e ações desenvolvidos em âm-
bito federal, em especial no Ministério do Turismo e na Secretaria Especial dos Direitos Humanos, que
coordena o Programa Nacional de Acessibilidade. Este Programa pode contribuir para as seguintes ações:

      I - apoio e promoção de qualificação e especialização de recursos humanos em acessibilidade
      e ajudas técnicas;

      II - acompanhamento e aperfeiçoamento da legislação sobre acessibilidade;

      III - edição, publicação e distribuição de títulos referentes à temática da acessibilidade;

      IV - cooperação com Estados, Distrito Federal e Municípios para a elaboração de estudos e diag-
      nósticos sobre a situação da acessibilidade arquitetônica, urbanística, de transporte, comuni-
      cação e informação;

      V - apoio e realização de campanhas informativas e educativas sobre acessibilidade;

      VI - promoção de concursos nacionais sobre a temática da acessibilidade; e

      VII - estudos e proposição da criação e normatização do Selo Nacional de Acessibilidade.

Uma alternativa para a municipalidade é buscar o apoio técnico de organizações não ligadas direta-
mente às questões de acessibilidade, mas que contribuem em diferentes momentos do planejamen-
to, tais como Universidades (especialmente na fase de mapeamento da acessibilidade), associações
de engenheiros e arquitetos (para a execução e monitoramento de obras) e também bancos oficiais
ou privados (como futuros agentes financiadores).

Caso necessário, pode-se também recorrer à contratação de consultorias especializadas no assun-
to, muitas das quais são organizações não-governamentais, que possuem corpo técnico especiali-
zado para o desenvolvimento de um plano adequado à municipalidade, ou mesmo para contribuir
na condução gerencial do projeto, visto que muitas frentes de trabalho ocorrem concomitante-
mente.

Para regiões turísticas organizadas em associações ou consórcios municipais, é importante observar
a Lei Federal nº. 11.107/2005 de Consórcios Públicos, que permite a associação entre dois ou mais mu-
nicípios para a solução de problemas comuns da região.

As parcerias também são importantes para facilitar a obtenção de financiamentos para o projeto de
acessibilidade, seja por meio da reunião de recursos próprios entre os agentes públicos e privados
para pequenas obras e cursos de qualificação, seja para reunir melhores condições técnicas e fiduciá-
rias para obtenção de financiamentos mais significativos.


                                                                                                     33
O município poderá obter financiamento nos bancos públicos, em linhas de crédito específicos ou
 não para turismo; ou em programas estaduais ou federais de apoio a projetos de estruturação de
 produtos turísticos ou de incentivo à mobilidade urbana e acessibilidade.

 oS ITenS fInAncIáveIS São:

        • Revitalização da infra-estrutura do sistema viário em áreas degradadas: pavimentação de
        vias, implantação ou manutenção das calçadas, guias e sarjetas e sinalização viária necessária,
        que viabilizem a mobilidade e acessibilidade universal da população com conforto e seguran-
        ça, incluindo, quando couber, a implantação de ciclovias ou ciclofaixas;

        • Pavimentação de sistemas viários prioritários (itinerários de transporte coletivo nos bair-
        ros periféricos): implantação de pavimento novo nas vias não pavimentadas que fazem
        parte dos itinerários dos serviços de transporte coletivo, devendo constar do projeto a im-
        plantação ou manutenção das calçadas, guias e sarjetas e a sinalização viária necessária
        que viabilizem a mobilidade e acessibilidade universal da população com conforto e segu-
        rança;

        •Recuperação do sistema viário degradado: implantação de serviços de manutenção (fresa e
        recape) nas vias que fazem parte do itinerário dos serviços de transporte coletivo, cujo pavi-
        mento necessita de recuperação, devendo constar do projeto a implantação ou manutenção
        das calçadas, guias e sarjetas e a sinalização viária necessária, que viabilizem a mobilidade e
        acessibilidade universal da população com conforto e segurança;

        •Implantação de terminais, estações de embarque/desembarque e abrigos para pontos de pa-
        rada: implantação de infra-estrutura para o transporte coletivo urbano, tais como terminais de
        transporte, estações de embarque/desembarque e abrigos para pontos de parada, devendo ser
        incluídos projetos de sinalização viária necessária, garantindo acessibilidade universal, bem
        como a implantação de bicicletários e paraciclos, onde couber;

        • Pavimentação/recuperação de estradas vicinais municipais: implantação ou recuperação de
        estradas vicinais municipais ligando os distritos à sede, devendo ser incluído projeto de sinali-
        zação viária necessária, que viabilize a mobilidade e acessibilidade universal da população com
        conforto e segurança.

 Para o setor privado, o Proger Turismo Investimento financia empresas do segmento turístico, com
 faturamento bruto anual de até R$ 5 milhões, para a reforma de suas instalações ou a compra de bens
 e equipamentos. O apoio financeiro para investimento ou investimento com capital de giro associado
 possui recursos do Fundo de Amparo do Trabalhador (FAT), a projetos turísticos que proporcionem
 a geração ou manutenção de emprego e renda nos segmentos turísticos definidos pelos Ministérios


34
do Trabalho e Emprego e do Turismo. Informações sobre prazos e condições são disponibilizadas pe-
los bancos públicos que operam as linhas de crédito, como o Banco do Brasil ou a Caixa Econômica
Federal.

Os financiamentos são destinados para empresários individuais ou pessoas jurídicas de direito priva-
do do setor turístico legalmente estabelecidos e cadastrados no no sistema de cadastro dos prestado-
res de serviços turísticos, o cAdASTur, gerenciado pelo Ministério do Turismo.

Especificamente para a adaptação dos negócios à acessibilidade, as linhas de crédito podem atender
às seguintes oportunidades de negócios:

• Comércio varejista de artesanato e souvenires;

• Estabelecimentos hoteleiros, com ou sem restaurantes, exceto motéis;

• Alojamento turístico, camping e outros tipos de alojamentos;

• Transporte rodoviário de passageiros, não urbano;

• Serviços de locação de veículos;

• Transportes regular de bondes, funiculares, teleféricos ou trens próprios para exploração de pontos
turísticos;

• Atividades de agência de viagens e organizadores de viagens;

• Aluguel de automóveis;

• Gestão de salas de espetáculos e centros de convenções;

• Outras atividades relacionadas ao lazer - parques temáticos e aquáticos.


Os itens indispensáveis ao funcionamento do empreendimento turístico que podem ser financiados
são, entre outros:

• Bens e serviços;

• Construção civil (edificações comerciais novas) e reformas em edificações comerciais existentes;

• Instalações comerciais (elétrica, hidráulica, vitrines, balcões, etc), depuradores de resíduos, máqui-
nas e equipamentos novos ou usados com até cinco anos de uso - inclusive de origem estrangeira, já
internalizados, móveis e utensílios;


                                                                                                       35
• Veículos de fabricação nacional, modelo básico, novos ou usados com até cinco anos de uso, desti-
 nados a utilização na atividade comercial do empreendimento financiado, compreendendo ônibus,
 microônibus, vans e jipe, pick-up e furgão de até 2.000 cc, reboque e semi-reboques, motocicleta de
 até 125 cc. Motoneta, triciclo e quadricíclo de até 175 cc;

 • Despesas de transporte e seguro das máquinas e equipamentos objetos do financiamento;

 • Recuperação, montagem, engenharia, supervisão, manutenção e aquisição de partes e peças de
 máquinas e equipamentos;

 • Gestão empresarial, sistemas de qualidade, qualificação e treinamento.

 O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) também possui linhas de crédito
 específicas para o turismo com o objetivo de financiar empreendimentos do setor nas localidades que
 apresentem potencial para esta atividade, contribuindo para o desenvolvimento e competitividade
 do setor no país.

 Os empreendimentos financiáveis são:

 • Meios de hospedagem (hotéis, resorts, pousadas e assemelhados, exceto hotel-residência);

 • Equipamentos e prédios históricos (igrejas, casas de cultura e museus);

 • Parques temáticos; teatros e anfiteatros; teleféricos; sítios históricos, ambientais e arqueológicos;

 • Centros de compras e de convenções;

 • Parques de exposições e rodeios;

 • Parques de estâncias climáticas, termais e hidrominerais;

 • Marinas que incluam a guarda de embarcações, prestação de serviços náuticos e serviços públicos
 básicos;
 • Infra-estrutura turística, como urbanização, estradas, ferrovias, terminais rodoviários e ferroviários,
 estações marítimas e de passageiros;
 • Escolas destinadas à qualificação de mão-de-obra para o setor;
 • Outros segmentos integrados ao turismo.




36
Os itens financiáveis, associados ao projeto de investimentos são:
• Gastos com obras civis (construção e reforma), materiais e instalações;
• Equipamentos hoteleiros;
• Máquinas e equipamentos nacionais (elevador, escada rolante, equipamentos para cozinha indus-
trial, sistemas de refrigeração e de telefonia etc.);
• Qualificação profissional e treinamento de mão-de-obra;
• Informatização, incluindo a aquisição de equipamentos de processamento de dados e software;
• Embarcações e ônibus de fabricação nacional, destinados ao transporte de turistas;
• Desenvolvimento e implantação de sistemas para melhoria de qualidade e produtividade;
• Outros investimentos fixos.
O Fundo Geral de Turismo (Fungetur) é um fundo especial ligado ao turismo que objetiva a concessão
de crédito para implantação, melhoria, conservação e manutenção de empreendimentos turísticos.
Recentemente foi reformulado e hoje é operado em uma parceria do Ministério do Turismo com a
Caixa Econômica Federal.
Também podem ser acessadas por prestadores de serviços turísticos linhas de crédito não-específicas
para turismo, de acordo com o porte da empresa.

4.4 eSTABeLecendo eSTRATégIAS de coMunIcAção
Uma comunicação eficiente entre os parceiros e executores é uma das premissas para o alcance de maior
eficiência do projeto e item obrigatoriamente presente em todas as suas fases. A comunicação é relevante
tanto para assegurar a mobilização, envolvimento e participação de amplos setores envolvidos no tema
turismo e acessibilidade, quanto para dirigir-se com eficiência junto aos mercados emissores de turistas.

As dicas a seguir auxiliam os gestores dos projetos a desenvolver um mecanismo de comunicação
eficiente e que otimize os resultados finais.

fASe de MoBILIzAção e SenSIBILIzAção dA coMunIdAde
      • Realizar palestras com especialistas focadas em diferentes públicos: empresários, comunida-
      de local, técnicos dos órgãos públicos;
      • Publicar anúncios em jornais e rádios locais e distribuição de folheteria no comércio local e
      aos agentes turísticos acerca da importância do tema;


                                                                                                        37
• Manter um canal de comunicação permanente via telefone e e-mail, por meio de técnicos e
       profissionais previamente treinados para esclarecimentos e informações;
       • Manter um sítio eletrônico atualizado sobre o tema;
       • Promover eventos nos atrativos turísticos com empresários, gestores públicos e sociedade
       civil, convidando também pessoas com deficiência;
       • Realizar reuniões abertas à participação de quaisquer interessados para divulgar o início do
       projeto.

 fASe de pLAneJAMenTo e execução do pRoJeTo
       • Envolver especialistas em comunicação como parceiros importantes do projeto;
       • Manter uma comunicação eficiente com todos os parceiros por meio de boletins regulares,
       tanto em materiais impressos quanto por meio de sítios eletrônicos;
       • Comunicar amplamente o agendamento de reuniões técnicas da Comissão de Acessibilidade,
       assim como registrar e divulgar os resultados de cada uma delas;
       • Manter as ações planejadas no projeto em evidência na mídia impressa e em outros meios de
       comunicação, especialmente as rádios locais;
       • Elaborar informativos e releases para distribuição à mídia especializada, visando iniciar o
       processo de comercialização dos produtos turísticos acessíveis.

 fASe de fInALIzAção do pRoJeTo e InícIo dA dISTRIBuIção e coMeRcIALIzAção de pRoduToS e SeRvIçoS AceSSíveIS
       •Desenvolver um plano de marketing turístico, especialmente visando a promoção e distribui-
       ção dos roteiros, serviços e produtos de turismo acessível;
       • Manter um centro de visitantes com profissionais treinados para um receptivo eficiente e
       informativos em braille, tipos ampliados e outras formas de comunicação;
       • Elaborar folheteria para diferentes públicos – material promocional para agentes de viagens, fo-
       lheteria diversas para feiras e eventos de turismo, folheteria para comunicação direta com o visi-
       tante;
       • Manter um canal de comunicação eficiente via telefone, sítio eletrônico e e-mails.

 4.5 ModeLo de pLAno de Ação
 com a orientação das cartilhas desta série será possível propor e debater um plano de ação visando
 a acessibilidade turística no município. O planejamento de ações no formato organizado facilita o
 entendimento global do projeto, os esforços para seu financiamento, esclarece sobre a participação
 dos diferentes atores envolvidos e permite monitorar suas diferentes fases.


38
Cabe lembrar que o processo de planejamento é contínuo e que as ações estratégicas devem ser re-
vistas, especialmente após a elaboração do mapeamento e diagnóstico da acessibilidade, quando as
ações e investimentos necessários ficam melhor pontuados.

A seguir, um modelo básico de plano.

Ao mesmo tempo em que o plano disposto numa matriz organizada facilita sua execução e monito-
ramento, o cronograma de trabalho permite aos gestores e parceiros do projeto estabelecer priorida-
des de ações em função da disponibilidade de recursos e da sua capacidade de execução de tarefas
simultâneas.

Vale ressaltar que devem compor o projeto itens como introdução, objetivos, metas, metodologia e
orçamento, além dos itens apresentados a seguir.


                        pLAnILHA de AçÕeS do pRoJeTo
                                Estratégia 1: Articulação e Parcerias
     Ação             Prazo           Responsáveis        Custo         Fontes de Financiamento


                                       Estratégia 2: Comunicação
     Ação             Prazo             Responsáveis       Custo        Fontes de Financiamento


                            Estratégia 3: Obras no Mobiliário Urbano
     Ação             Prazo         Responsáveis       Custo         Fontes de Financiamento


                      Estratégia 4: Desenvolvimento de Cursos de Qualificação
     Ação             Prazo           Responsáveis      Custo         Fontes de Financiamento




                                                                                                  39
Estratégia 5: Mapeamento e Diagnóstico da Acessibilidade
      Ação           Prazo           Responsáveis     Custo         Fontes de Financiamento


                         Estratégia 6: Elaboração de Roteiros Acessíveis
      Ação           Prazo           Responsáveis       Custo         Fontes de Financiamento


                           Estratégia 7: Promoção e Comercialização
      Ação           Prazo          Responsáveis      Custo         Fontes de Financiamento




 cRonogRAMA de execução
       Ação      Responsáveis           Mês 1                 Mês 2                 Mês 3
     Descrever    Descrever




40
BIBLIogRAfIA
               5



                   41
RefeRêncIA BIBLIogRáfIcA
 AGUIRRE, Rafael Sanjuanbenito. Recreação E Turismo Para Todos. Rio de Janeiro: Educs, 2003

 AMErIcAn ASSocIATIon on MEnTAL rETArdATIon. Retardo mental: definição, classificação e siste-
 mas de apoio. 10. Ed. Porto Alegre: Artmed, 2006.

 BRASIL. Coordenadoria Nacional para Integração da Pessoa Portadora de Deficiência. Acessibilidade.
 Brasília: Secretaria Especial dos direitos humanos, 2005.

 BrASIL. Ministério das cidades. Programa Brasileiro de Acessibilidade Urbana Brasil Acessível – Aten-
 dimento Adequado às Pessoas com Deficiência e Restrição de Mobilidade. Brasília, 2005

 BrASIL. Ministério do Turismo. Turismo e acessibilidade: Manual de Orientações. Brasília, 2006.

 cAPoVILLA, F. c., rAPhAEL, W. d. Dicionário Enciclopédico Ilustrado Trilingüe da Língua de Sinais
 Brasileira. São Paulo: Edusp, 2001.

 dIAS, r. Sociologia do Turismo. São Paulo: Atlas, 2003.

 FErnAndES, E. Problemas lingüísticos e cognitivos do surdo.Rio de Janeiro: Agir, 1990.

 FErrEIrA, L. Por uma gramática das línguas de sinais. São Paulo: Tempo Brasileiro, UFRJ, 1993.

 FUNDAÇÃO VANZOLINI - Certificação pela NBR 9050:2004 - acessibilidade a edificações, mobiliário,
 espaços e equipamentos urbanos - Informações básicas para clientes. disponível em http://www.
 vanzolini.org.br/areas/certificacao/construquali/nbr9050/infobas-nbr9050-fcav.pdf

 hELEn KELLEr nATIonAL cEnTEr – noVA yorK. Comunicando com uma pessoa Surdocega (tradução
 de folheto).
 IBgE. Censo Demográfico.
 nErI, Marcelo. Retratos da Deficiência no Brasil. FGV, Rio de Janeiro, vol. 1, 2003.
 oMT. Introdução ao turismo. São Paulo: roca, 2001.
 PRADO, Adriana de Almeida; BARBOSA, Maria Beatriz. Oficina de Trabalho: o Direito de ir e vir –
 Acessibilidade nas Viagens Interestaduais. Salvador, 2004.


42
QuAdroS, r.M. O tradutor e intérprete de língua brasileira de sinais e Língua Portuguesa. Brasilia:
MEC-SEESP, 2004.

SAcKS, o.W. Vendo vozes: uma viagem ao mundo dos surdos. Tradução Laura Teixeira Motta. São
Paulo: companhia das Letras, 2002.

SASSAKI, r. K. Como chamar as pessoas que têm deficiência? disponível em http://sivc.saci.org.br/
files/chamar.pdf

SASSAKI, r. K. Inclusão no lazer e turismo em busca da qualidade de vida. São Paulo: áurea, 2003.

SocIEdAdE BrASILEIrA dE oToLogIA. Campanha da Saúde Auditiva – Perda Auditiva - Dicas para
comunicação com deficientes auditivos. disponível em http://www.saudeauditiva.org.br/imprensa/
imprensa_releases_detalhe.asp?id=8

VygoTSKy, L.S. Pensamento e Linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 1996.




LegISLAção
Lei nº 8.078, de 11 de setembro de 1990 – Dispõe sobre a Proteção do Consumidor e dá outras Provi-
dências.
Decreto nº 5.296, de 2 de Dezembro de 2004 – regulamenta a Lei nº 10.048, de 8 de novembro de
2000, que dá prioridade de atendimento às pessoas que especifica, e a Lei 10.098, de 19 de dezembro
de 2000, que estabelece normas gerais e critérios básicos para a promoção da acessibilidade das pes-
soas portadoras de deficiência ou com mobilidade reduzida, e dá outras providências.
Lei Federal nº 11.079, de 30 de dezembro de 2004 – Dispõe sobre as Parcerias Público-Privadas. Lei
Federal nº 11.107, de 6 de abril de 2005 - Dispõe sobre contratação de Consórcios Públicos.
Lei do Turismo – Lei Federal nº 11.771, de 17 de setembro de 2008 – Dispõe sobre a Política Nacional de
Turismo, define as atribuições do Governo Federal no planejamento, desenvolvimento e estímulo ao
setor turístico; revoga a Lei no 6.505, de 13 de dezembro de 1977, o Decreto-Lei no 2.294, de 21 de no-
vembro de 1986, e dispositivos da Lei no 8.181, de 28 de março de 1991; e dá outras providências.


                                                                                                      43
RefeRêncIA noRMATIvA
 ABNT NBR 9050:2004 - Acessibilidade a edificações, mobiliário, espaços e equipamentos urbanos.



 RefeRêncIAS ATRAvéS de SITeS
 •   www.abnt.org.br
 •   www.bb.com.br
 •   www.bndes.gov.br
 •   www.caixa.gov.br
 •   www.cc.msnscache.com
 •   www.cedipod.org.br
 •   www.cidades.gov.br
 •   www.cvi.org.br
 •   www.educ.fc.ul.pt
 •   www.entreamigos.com.br
 •   www.entreamigos.com.br
 •   www.feneis.com.br
 •   www.fundacaodorina.org.br
 •   www.iape.org.br
 •   www.ibc.gov.br
 •   www.info-handicap.lu
 •   www.laramara.org.br
 •   www.lerparaver.com
 •   www.mj.gov.br/sedh/ct/corde/
 •   www.planalto.gov.br
 •   www.presidencia.gov.br/cndi
 •   www.presidencia.gov.br/sedh/conade
 •   www.presidencia.gov.br/sedh/cord
 •   www.sarah.br
 •   www.seed.pr.gov.br


44
•   www.todosnos.unicamp.br
•   www.turismo.gov.br
•   www.turismo.gov.br
•   www.wikipedia.org
•   www6.senado.gov.br/sicon/




                                45
Turismo


ACESSÍVEL
INTRODUÇÃO A UMA VIAGEM DE INCLUSÃO
Turismo Inclusivo Brasil: Intro
Turismo Inclusivo Brasil: Intro

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Turismo acessível, manual de orientação para turismo de aventura, mtur, 2009
Turismo acessível, manual de orientação para turismo de aventura, mtur, 2009Turismo acessível, manual de orientação para turismo de aventura, mtur, 2009
Turismo acessível, manual de orientação para turismo de aventura, mtur, 2009
EcoHospedagem
 
Turismo acessível, conceitos, legislação e similares , mtur 2009
Turismo acessível, conceitos, legislação e similares , mtur 2009Turismo acessível, conceitos, legislação e similares , mtur 2009
Turismo acessível, conceitos, legislação e similares , mtur 2009
EcoHospedagem
 
Turismo e acessibilidade, manual de orientações, mtur 2006.
Turismo e acessibilidade, manual de orientações, mtur 2006.Turismo e acessibilidade, manual de orientações, mtur 2006.
Turismo e acessibilidade, manual de orientações, mtur 2006.
EcoHospedagem
 
Etica
EticaEtica
Classificação hoteleira pousada - cartilha de orientação básica
Classificação hoteleira   pousada - cartilha de orientação básicaClassificação hoteleira   pousada - cartilha de orientação básica
Classificação hoteleira pousada - cartilha de orientação básica
EcoHospedagem
 
Ecoturismo, orientações básicas, mtur 2008.
Ecoturismo, orientações básicas, mtur 2008.Ecoturismo, orientações básicas, mtur 2008.
Ecoturismo, orientações básicas, mtur 2008.
EcoHospedagem
 
Turismo cultural, orientações básicas, mtur 2008.
Turismo cultural, orientações básicas, mtur 2008.Turismo cultural, orientações básicas, mtur 2008.
Turismo cultural, orientações básicas, mtur 2008.
EcoHospedagem
 
Turismo de aventura, orientações básicas, mtur 2008.
Turismo de aventura, orientações básicas, mtur 2008.Turismo de aventura, orientações básicas, mtur 2008.
Turismo de aventura, orientações básicas, mtur 2008.
EcoHospedagem
 
Conduta do guia de turismo
Conduta do guia de turismoConduta do guia de turismo
Conduta do guia de turismo
Direito, Turismo, Mkt, Mídias Digitais
 
Classificação hoteleira flat apart-hotel - cartilha de orientação básica
Classificação hoteleira   flat apart-hotel - cartilha de orientação básicaClassificação hoteleira   flat apart-hotel - cartilha de orientação básica
Classificação hoteleira flat apart-hotel - cartilha de orientação básica
EcoHospedagem
 
Aula inaugural de Ecoturismo e Turismo de Aventura (IFSP Campus Cubatao)
Aula inaugural de Ecoturismo e Turismo de Aventura (IFSP Campus Cubatao)Aula inaugural de Ecoturismo e Turismo de Aventura (IFSP Campus Cubatao)
Aula inaugural de Ecoturismo e Turismo de Aventura (IFSP Campus Cubatao)
Aristides Faria
 
Turismo de base comunitária, mtur.
Turismo de base comunitária, mtur.Turismo de base comunitária, mtur.
Turismo de base comunitária, mtur.
EcoHospedagem
 
“ O código mundial de ética do turismo”
“ O código mundial de ética do turismo”“ O código mundial de ética do turismo”
“ O código mundial de ética do turismo”
A. Rui Teixeira Santos
 
Classificação hoteleira procedimentos para obter a classificação
Classificação hoteleira   procedimentos para obter a classificaçãoClassificação hoteleira   procedimentos para obter a classificação
Classificação hoteleira procedimentos para obter a classificação
EcoHospedagem
 
Segmentação do Turismo e o Mercado
Segmentação do Turismo e o MercadoSegmentação do Turismo e o Mercado
Segmentação do Turismo e o Mercado
Secretaria de Município de Turismo - Santa Maria / RS
 
Turismo Acessivel De Aventura
Turismo Acessivel De AventuraTurismo Acessivel De Aventura
Turismo Acessivel De Aventura
Scott Rains
 
Classificação hoteleira cama e café- cartilha de orientação básica
Classificação hoteleira   cama e café- cartilha de orientação básicaClassificação hoteleira   cama e café- cartilha de orientação básica
Classificação hoteleira cama e café- cartilha de orientação básica
EcoHospedagem
 
Segmentacao turismo livro1_avea_
Segmentacao turismo livro1_avea_Segmentacao turismo livro1_avea_
Segmentacao turismo livro1_avea_
LUZIA VERA silva
 
Turismo rural, orientações básicas, mtur 2008.
Turismo rural, orientações básicas, mtur 2008.Turismo rural, orientações básicas, mtur 2008.
Turismo rural, orientações básicas, mtur 2008.
EcoHospedagem
 
Caminhos do Prazer - Guia de destinos do Brasil
Caminhos do Prazer - Guia de destinos do Brasil Caminhos do Prazer - Guia de destinos do Brasil
Caminhos do Prazer - Guia de destinos do Brasil
Eduardopsilva
 

Mais procurados (20)

Turismo acessível, manual de orientação para turismo de aventura, mtur, 2009
Turismo acessível, manual de orientação para turismo de aventura, mtur, 2009Turismo acessível, manual de orientação para turismo de aventura, mtur, 2009
Turismo acessível, manual de orientação para turismo de aventura, mtur, 2009
 
Turismo acessível, conceitos, legislação e similares , mtur 2009
Turismo acessível, conceitos, legislação e similares , mtur 2009Turismo acessível, conceitos, legislação e similares , mtur 2009
Turismo acessível, conceitos, legislação e similares , mtur 2009
 
Turismo e acessibilidade, manual de orientações, mtur 2006.
Turismo e acessibilidade, manual de orientações, mtur 2006.Turismo e acessibilidade, manual de orientações, mtur 2006.
Turismo e acessibilidade, manual de orientações, mtur 2006.
 
Etica
EticaEtica
Etica
 
Classificação hoteleira pousada - cartilha de orientação básica
Classificação hoteleira   pousada - cartilha de orientação básicaClassificação hoteleira   pousada - cartilha de orientação básica
Classificação hoteleira pousada - cartilha de orientação básica
 
Ecoturismo, orientações básicas, mtur 2008.
Ecoturismo, orientações básicas, mtur 2008.Ecoturismo, orientações básicas, mtur 2008.
Ecoturismo, orientações básicas, mtur 2008.
 
Turismo cultural, orientações básicas, mtur 2008.
Turismo cultural, orientações básicas, mtur 2008.Turismo cultural, orientações básicas, mtur 2008.
Turismo cultural, orientações básicas, mtur 2008.
 
Turismo de aventura, orientações básicas, mtur 2008.
Turismo de aventura, orientações básicas, mtur 2008.Turismo de aventura, orientações básicas, mtur 2008.
Turismo de aventura, orientações básicas, mtur 2008.
 
Conduta do guia de turismo
Conduta do guia de turismoConduta do guia de turismo
Conduta do guia de turismo
 
Classificação hoteleira flat apart-hotel - cartilha de orientação básica
Classificação hoteleira   flat apart-hotel - cartilha de orientação básicaClassificação hoteleira   flat apart-hotel - cartilha de orientação básica
Classificação hoteleira flat apart-hotel - cartilha de orientação básica
 
Aula inaugural de Ecoturismo e Turismo de Aventura (IFSP Campus Cubatao)
Aula inaugural de Ecoturismo e Turismo de Aventura (IFSP Campus Cubatao)Aula inaugural de Ecoturismo e Turismo de Aventura (IFSP Campus Cubatao)
Aula inaugural de Ecoturismo e Turismo de Aventura (IFSP Campus Cubatao)
 
Turismo de base comunitária, mtur.
Turismo de base comunitária, mtur.Turismo de base comunitária, mtur.
Turismo de base comunitária, mtur.
 
“ O código mundial de ética do turismo”
“ O código mundial de ética do turismo”“ O código mundial de ética do turismo”
“ O código mundial de ética do turismo”
 
Classificação hoteleira procedimentos para obter a classificação
Classificação hoteleira   procedimentos para obter a classificaçãoClassificação hoteleira   procedimentos para obter a classificação
Classificação hoteleira procedimentos para obter a classificação
 
Segmentação do Turismo e o Mercado
Segmentação do Turismo e o MercadoSegmentação do Turismo e o Mercado
Segmentação do Turismo e o Mercado
 
Turismo Acessivel De Aventura
Turismo Acessivel De AventuraTurismo Acessivel De Aventura
Turismo Acessivel De Aventura
 
Classificação hoteleira cama e café- cartilha de orientação básica
Classificação hoteleira   cama e café- cartilha de orientação básicaClassificação hoteleira   cama e café- cartilha de orientação básica
Classificação hoteleira cama e café- cartilha de orientação básica
 
Segmentacao turismo livro1_avea_
Segmentacao turismo livro1_avea_Segmentacao turismo livro1_avea_
Segmentacao turismo livro1_avea_
 
Turismo rural, orientações básicas, mtur 2008.
Turismo rural, orientações básicas, mtur 2008.Turismo rural, orientações básicas, mtur 2008.
Turismo rural, orientações básicas, mtur 2008.
 
Caminhos do Prazer - Guia de destinos do Brasil
Caminhos do Prazer - Guia de destinos do Brasil Caminhos do Prazer - Guia de destinos do Brasil
Caminhos do Prazer - Guia de destinos do Brasil
 

Destaque

Turismo inclusivo
Turismo inclusivoTurismo inclusivo
Turismo inclusivo
Adriana Guilherme
 
Turismo Inclusivo em Hoteis: Casos Praticos Internacionais
Turismo Inclusivo em Hoteis: Casos Praticos InternacionaisTurismo Inclusivo em Hoteis: Casos Praticos Internacionais
Turismo Inclusivo em Hoteis: Casos Praticos Internacionais
Scott Rains
 
Turismo Accesible Curso. Definiciones
Turismo Accesible Curso. DefinicionesTurismo Accesible Curso. Definiciones
Turismo Accesible Curso. Definiciones
Alejandro López
 
Deficiência auditiva
Deficiência auditivaDeficiência auditiva
Deficiência auditiva
Tássia Oliveira
 
Inclusive Tourism - Brazil Asks for Best Practices
Inclusive Tourism - Brazil Asks for Best PracticesInclusive Tourism - Brazil Asks for Best Practices
Inclusive Tourism - Brazil Asks for Best Practices
Scott Rains
 
Campanha Bacardi
Campanha BacardiCampanha Bacardi
Campanha Bacardi
Talita Tata
 
Planejamento de marketing digital além da internet
Planejamento de marketing digital além da internetPlanejamento de marketing digital além da internet
Planejamento de marketing digital além da internet
KaduLima
 
Fanpage - Pitú
Fanpage - PitúFanpage - Pitú
Fanpage - Pitú
Ampla Comunicação
 
Palestra marketing digital turístico - 5º Salão do Turismo - 29mai2010
Palestra marketing digital turístico - 5º Salão do Turismo - 29mai2010Palestra marketing digital turístico - 5º Salão do Turismo - 29mai2010
Palestra marketing digital turístico - 5º Salão do Turismo - 29mai2010
Conrado Adolpho
 
3º WordPress Meetup RJ (2013)
3º WordPress Meetup RJ (2013)3º WordPress Meetup RJ (2013)
3º WordPress Meetup RJ (2013)
@cristianoweb
 
Vo Maria Pizza Frita
Vo Maria Pizza FritaVo Maria Pizza Frita
Vo Maria Pizza Frita
Cia de Franchising
 
Pitú - Dia do garçom 2013
Pitú - Dia do garçom 2013Pitú - Dia do garçom 2013
Pitú - Dia do garçom 2013
Ampla Comunicação
 
[Capacitação] Subproduto Turismo
[Capacitação] Subproduto Turismo[Capacitação] Subproduto Turismo
[Capacitação] Subproduto Turismo
icxgipbrazil
 
Franquia La Pizza Fritta
Franquia La Pizza FrittaFranquia La Pizza Fritta
Franquia La Pizza Fritta
Cia de Franchising
 
Boteco GloboNews
Boteco GloboNewsBoteco GloboNews
Boteco GloboNews
casescolunistas
 
E portfólio brainstorm consultorias
E portfólio brainstorm consultoriasE portfólio brainstorm consultorias
E portfólio brainstorm consultorias
Brainstorm Consultorias
 
Capacita brasil recepcionista
Capacita brasil recepcionistaCapacita brasil recepcionista
Capacita brasil recepcionista
Edilene Dias
 
Mapeamento No Turismo Acessível
Mapeamento No Turismo AcessívelMapeamento No Turismo Acessível
Mapeamento No Turismo Acessível
Scott Rains
 
Numérisé sur une imprimante multifonctions
Numérisé sur une imprimante multifonctionsNumérisé sur une imprimante multifonctions
Numérisé sur une imprimante multifonctions
Scott Rains
 
Turismo e a Internet - 5o Salao de Turismo - Sao Paulo 2010
Turismo e a Internet - 5o Salao de Turismo - Sao Paulo 2010Turismo e a Internet - 5o Salao de Turismo - Sao Paulo 2010
Turismo e a Internet - 5o Salao de Turismo - Sao Paulo 2010
In Press Porter Novelli
 

Destaque (20)

Turismo inclusivo
Turismo inclusivoTurismo inclusivo
Turismo inclusivo
 
Turismo Inclusivo em Hoteis: Casos Praticos Internacionais
Turismo Inclusivo em Hoteis: Casos Praticos InternacionaisTurismo Inclusivo em Hoteis: Casos Praticos Internacionais
Turismo Inclusivo em Hoteis: Casos Praticos Internacionais
 
Turismo Accesible Curso. Definiciones
Turismo Accesible Curso. DefinicionesTurismo Accesible Curso. Definiciones
Turismo Accesible Curso. Definiciones
 
Deficiência auditiva
Deficiência auditivaDeficiência auditiva
Deficiência auditiva
 
Inclusive Tourism - Brazil Asks for Best Practices
Inclusive Tourism - Brazil Asks for Best PracticesInclusive Tourism - Brazil Asks for Best Practices
Inclusive Tourism - Brazil Asks for Best Practices
 
Campanha Bacardi
Campanha BacardiCampanha Bacardi
Campanha Bacardi
 
Planejamento de marketing digital além da internet
Planejamento de marketing digital além da internetPlanejamento de marketing digital além da internet
Planejamento de marketing digital além da internet
 
Fanpage - Pitú
Fanpage - PitúFanpage - Pitú
Fanpage - Pitú
 
Palestra marketing digital turístico - 5º Salão do Turismo - 29mai2010
Palestra marketing digital turístico - 5º Salão do Turismo - 29mai2010Palestra marketing digital turístico - 5º Salão do Turismo - 29mai2010
Palestra marketing digital turístico - 5º Salão do Turismo - 29mai2010
 
3º WordPress Meetup RJ (2013)
3º WordPress Meetup RJ (2013)3º WordPress Meetup RJ (2013)
3º WordPress Meetup RJ (2013)
 
Vo Maria Pizza Frita
Vo Maria Pizza FritaVo Maria Pizza Frita
Vo Maria Pizza Frita
 
Pitú - Dia do garçom 2013
Pitú - Dia do garçom 2013Pitú - Dia do garçom 2013
Pitú - Dia do garçom 2013
 
[Capacitação] Subproduto Turismo
[Capacitação] Subproduto Turismo[Capacitação] Subproduto Turismo
[Capacitação] Subproduto Turismo
 
Franquia La Pizza Fritta
Franquia La Pizza FrittaFranquia La Pizza Fritta
Franquia La Pizza Fritta
 
Boteco GloboNews
Boteco GloboNewsBoteco GloboNews
Boteco GloboNews
 
E portfólio brainstorm consultorias
E portfólio brainstorm consultoriasE portfólio brainstorm consultorias
E portfólio brainstorm consultorias
 
Capacita brasil recepcionista
Capacita brasil recepcionistaCapacita brasil recepcionista
Capacita brasil recepcionista
 
Mapeamento No Turismo Acessível
Mapeamento No Turismo AcessívelMapeamento No Turismo Acessível
Mapeamento No Turismo Acessível
 
Numérisé sur une imprimante multifonctions
Numérisé sur une imprimante multifonctionsNumérisé sur une imprimante multifonctions
Numérisé sur une imprimante multifonctions
 
Turismo e a Internet - 5o Salao de Turismo - Sao Paulo 2010
Turismo e a Internet - 5o Salao de Turismo - Sao Paulo 2010Turismo e a Internet - 5o Salao de Turismo - Sao Paulo 2010
Turismo e a Internet - 5o Salao de Turismo - Sao Paulo 2010
 

Semelhante a Turismo Inclusivo Brasil: Intro

Turismo acessível, manual de orientação para o setor privado, mtur, 2009.
Turismo acessível, manual de orientação para o setor privado, mtur, 2009.Turismo acessível, manual de orientação para o setor privado, mtur, 2009.
Turismo acessível, manual de orientação para o setor privado, mtur, 2009.
EcoHospedagem
 
Turismo de saúde_versão_final_impresso_
Turismo de saúde_versão_final_impresso_Turismo de saúde_versão_final_impresso_
Turismo de saúde_versão_final_impresso_
Sixto Vargas
 
TURISMO RURAL: Orientações Básicas
TURISMO RURAL: Orientações BásicasTURISMO RURAL: Orientações Básicas
TURISMO RURAL: Orientações Básicas
Pedro Uva
 
manual-de-producao-associada-ao-turismo (1).pdf
manual-de-producao-associada-ao-turismo (1).pdfmanual-de-producao-associada-ao-turismo (1).pdf
manual-de-producao-associada-ao-turismo (1).pdf
RafaelArruda54
 
Guia caminhos do fazer guia de produtos associados ao turismo, mtur
Guia caminhos do fazer   guia de produtos associados ao turismo, mturGuia caminhos do fazer   guia de produtos associados ao turismo, mtur
Guia caminhos do fazer guia de produtos associados ao turismo, mtur
EcoHospedagem
 
cartilha17-10-31-10-2012.pdf
cartilha17-10-31-10-2012.pdfcartilha17-10-31-10-2012.pdf
cartilha17-10-31-10-2012.pdf
albertino fachin
 
Modulox20operacional 7 roteirizacao_turistica
Modulox20operacional 7 roteirizacao_turisticaModulox20operacional 7 roteirizacao_turistica
Modulox20operacional 7 roteirizacao_turistica
lucilaback
 
Turimso social dialógos do turismo uma viagem de inclusão
Turimso social dialógos do turismo uma viagem de inclusãoTurimso social dialógos do turismo uma viagem de inclusão
Turimso social dialógos do turismo uma viagem de inclusão
Mel Figueredo
 
Conheça a ONG Araucária!
Conheça a ONG Araucária!Conheça a ONG Araucária!
Conheça a ONG Araucária!
Alexandre Maitto
 
Plano Municipal de Desenvolvimento do Turismo
Plano Municipal de Desenvolvimento do Turismo Plano Municipal de Desenvolvimento do Turismo
Plano Municipal de Desenvolvimento do Turismo
Faculdade Maurício de Nassau
 
Cartilha de Turismo Rural
Cartilha de Turismo RuralCartilha de Turismo Rural
Cartilha de Turismo Rural
luisbramante
 
Turismo eventos
Turismo eventosTurismo eventos
Turismo eventos
Aline Aguiar
 
Turismo de aventura
Turismo de aventuraTurismo de aventura
Turismo de aventura
Paulo Russel
 
Turismo de aventura
Turismo de aventuraTurismo de aventura
Turismo de aventura
Paulo Russel
 
Diretrizes desenvolvimento turismo_rural
Diretrizes desenvolvimento turismo_ruralDiretrizes desenvolvimento turismo_rural
Diretrizes desenvolvimento turismo_rural
Pedro Uva
 
Instância de Governança da Grande Florianópolis
Instância de Governança da Grande FlorianópolisInstância de Governança da Grande Florianópolis
Instância de Governança da Grande Florianópolis
Renato Müller
 
Referencial animação.pdf
Referencial animação.pdfReferencial animação.pdf
Referencial animação.pdf
JoseAssis9
 
Turismo sustentável e alívio da pobreza no brasil
Turismo sustentável e alívio da pobreza no brasilTurismo sustentável e alívio da pobreza no brasil
Turismo sustentável e alívio da pobreza no brasil
Mel Figueredo
 
Simpósio turismo responsável nos destinos brasil 2014
Simpósio turismo responsável nos destinos brasil 2014Simpósio turismo responsável nos destinos brasil 2014
Simpósio turismo responsável nos destinos brasil 2014
Carolina Palhares
 
Módulo 6- Técnicas de informação turística.pdf
Módulo 6- Técnicas de informação turística.pdfMódulo 6- Técnicas de informação turística.pdf
Módulo 6- Técnicas de informação turística.pdf
ssuserdcfabe
 

Semelhante a Turismo Inclusivo Brasil: Intro (20)

Turismo acessível, manual de orientação para o setor privado, mtur, 2009.
Turismo acessível, manual de orientação para o setor privado, mtur, 2009.Turismo acessível, manual de orientação para o setor privado, mtur, 2009.
Turismo acessível, manual de orientação para o setor privado, mtur, 2009.
 
Turismo de saúde_versão_final_impresso_
Turismo de saúde_versão_final_impresso_Turismo de saúde_versão_final_impresso_
Turismo de saúde_versão_final_impresso_
 
TURISMO RURAL: Orientações Básicas
TURISMO RURAL: Orientações BásicasTURISMO RURAL: Orientações Básicas
TURISMO RURAL: Orientações Básicas
 
manual-de-producao-associada-ao-turismo (1).pdf
manual-de-producao-associada-ao-turismo (1).pdfmanual-de-producao-associada-ao-turismo (1).pdf
manual-de-producao-associada-ao-turismo (1).pdf
 
Guia caminhos do fazer guia de produtos associados ao turismo, mtur
Guia caminhos do fazer   guia de produtos associados ao turismo, mturGuia caminhos do fazer   guia de produtos associados ao turismo, mtur
Guia caminhos do fazer guia de produtos associados ao turismo, mtur
 
cartilha17-10-31-10-2012.pdf
cartilha17-10-31-10-2012.pdfcartilha17-10-31-10-2012.pdf
cartilha17-10-31-10-2012.pdf
 
Modulox20operacional 7 roteirizacao_turistica
Modulox20operacional 7 roteirizacao_turisticaModulox20operacional 7 roteirizacao_turistica
Modulox20operacional 7 roteirizacao_turistica
 
Turimso social dialógos do turismo uma viagem de inclusão
Turimso social dialógos do turismo uma viagem de inclusãoTurimso social dialógos do turismo uma viagem de inclusão
Turimso social dialógos do turismo uma viagem de inclusão
 
Conheça a ONG Araucária!
Conheça a ONG Araucária!Conheça a ONG Araucária!
Conheça a ONG Araucária!
 
Plano Municipal de Desenvolvimento do Turismo
Plano Municipal de Desenvolvimento do Turismo Plano Municipal de Desenvolvimento do Turismo
Plano Municipal de Desenvolvimento do Turismo
 
Cartilha de Turismo Rural
Cartilha de Turismo RuralCartilha de Turismo Rural
Cartilha de Turismo Rural
 
Turismo eventos
Turismo eventosTurismo eventos
Turismo eventos
 
Turismo de aventura
Turismo de aventuraTurismo de aventura
Turismo de aventura
 
Turismo de aventura
Turismo de aventuraTurismo de aventura
Turismo de aventura
 
Diretrizes desenvolvimento turismo_rural
Diretrizes desenvolvimento turismo_ruralDiretrizes desenvolvimento turismo_rural
Diretrizes desenvolvimento turismo_rural
 
Instância de Governança da Grande Florianópolis
Instância de Governança da Grande FlorianópolisInstância de Governança da Grande Florianópolis
Instância de Governança da Grande Florianópolis
 
Referencial animação.pdf
Referencial animação.pdfReferencial animação.pdf
Referencial animação.pdf
 
Turismo sustentável e alívio da pobreza no brasil
Turismo sustentável e alívio da pobreza no brasilTurismo sustentável e alívio da pobreza no brasil
Turismo sustentável e alívio da pobreza no brasil
 
Simpósio turismo responsável nos destinos brasil 2014
Simpósio turismo responsável nos destinos brasil 2014Simpósio turismo responsável nos destinos brasil 2014
Simpósio turismo responsável nos destinos brasil 2014
 
Módulo 6- Técnicas de informação turística.pdf
Módulo 6- Técnicas de informação turística.pdfMódulo 6- Técnicas de informação turística.pdf
Módulo 6- Técnicas de informação turística.pdf
 

Mais de Scott Rains

Graveur Coatantiec
Graveur CoatantiecGraveur Coatantiec
Graveur Coatantiec
Scott Rains
 
Guernsey Philatelic News Nov 1981 vol. 3
Guernsey Philatelic News Nov 1981 vol. 3Guernsey Philatelic News Nov 1981 vol. 3
Guernsey Philatelic News Nov 1981 vol. 3
Scott Rains
 
Turkey: International Year of Disabled Persons (IYDP)
Turkey: International Year of Disabled Persons (IYDP)Turkey: International Year of Disabled Persons (IYDP)
Turkey: International Year of Disabled Persons (IYDP)
Scott Rains
 
Belgium IYDP Data Sheet
Belgium IYDP Data SheetBelgium IYDP Data Sheet
Belgium IYDP Data Sheet
Scott Rains
 
Belgium's IYDP Stamps
Belgium's IYDP  StampsBelgium's IYDP  Stamps
Belgium's IYDP Stamps
Scott Rains
 
Tracing Disability Representation After the1981UN International Year of Disab...
Tracing Disability Representation After the1981UN International Year of Disab...Tracing Disability Representation After the1981UN International Year of Disab...
Tracing Disability Representation After the1981UN International Year of Disab...
Scott Rains
 
Catalyst spring summer-2015
Catalyst spring summer-2015Catalyst spring summer-2015
Catalyst spring summer-2015
Scott Rains
 
The Purpose of a Conference on Inclusive Tourism
 The Purpose of a Conference on Inclusive Tourism The Purpose of a Conference on Inclusive Tourism
The Purpose of a Conference on Inclusive Tourism
Scott Rains
 
San Marino Declaration on Inclusive Tourism - 2014
San Marino Declaration on Inclusive Tourism - 2014San Marino Declaration on Inclusive Tourism - 2014
San Marino Declaration on Inclusive Tourism - 2014
Scott Rains
 
Veterans with Disabilities Toolkit
Veterans with Disabilities ToolkitVeterans with Disabilities Toolkit
Veterans with Disabilities Toolkit
Scott Rains
 
On Disability and Tourism in Nepal: Article by Scott Rains and Interview with...
On Disability and Tourism in Nepal: Article by Scott Rains and Interview with...On Disability and Tourism in Nepal: Article by Scott Rains and Interview with...
On Disability and Tourism in Nepal: Article by Scott Rains and Interview with...
Scott Rains
 
Disability Rights in Nepal: NAPD Magazine
Disability Rights in Nepal: NAPD MagazineDisability Rights in Nepal: NAPD Magazine
Disability Rights in Nepal: NAPD Magazine
Scott Rains
 
Travel South Africa in a Wheelchair - Forward Magzine, Feb 2010
Travel South Africa in a Wheelchair - Forward Magzine, Feb 2010Travel South Africa in a Wheelchair - Forward Magzine, Feb 2010
Travel South Africa in a Wheelchair - Forward Magzine, Feb 2010
Scott Rains
 
The Matera Manifesto on Cultural Inclusion (In Italian and English)
The Matera Manifesto on Cultural Inclusion (In Italian and English)The Matera Manifesto on Cultural Inclusion (In Italian and English)
The Matera Manifesto on Cultural Inclusion (In Italian and English)
Scott Rains
 
Declaration Montreal sur Tourisme pour Tous
Declaration Montreal sur Tourisme pour TousDeclaration Montreal sur Tourisme pour Tous
Declaration Montreal sur Tourisme pour Tous
Scott Rains
 
Going to Wild Places I Could Only Dream About - Slideshow
Going to Wild Places I Could Only Dream About - SlideshowGoing to Wild Places I Could Only Dream About - Slideshow
Going to Wild Places I Could Only Dream About - Slideshow
Scott Rains
 
Destinations for All: How Far Have We Come?
Destinations for All: How Far Have We Come?Destinations for All: How Far Have We Come?
Destinations for All: How Far Have We Come?
Scott Rains
 
Montreal Declaration on Inclusive Tourism in Destinations
Montreal Declaration on Inclusive Tourism in DestinationsMontreal Declaration on Inclusive Tourism in Destinations
Montreal Declaration on Inclusive Tourism in Destinations
Scott Rains
 
S10 p1
S10 p1S10 p1
S10 p1
Scott Rains
 
S9 p4
S9 p4S9 p4

Mais de Scott Rains (20)

Graveur Coatantiec
Graveur CoatantiecGraveur Coatantiec
Graveur Coatantiec
 
Guernsey Philatelic News Nov 1981 vol. 3
Guernsey Philatelic News Nov 1981 vol. 3Guernsey Philatelic News Nov 1981 vol. 3
Guernsey Philatelic News Nov 1981 vol. 3
 
Turkey: International Year of Disabled Persons (IYDP)
Turkey: International Year of Disabled Persons (IYDP)Turkey: International Year of Disabled Persons (IYDP)
Turkey: International Year of Disabled Persons (IYDP)
 
Belgium IYDP Data Sheet
Belgium IYDP Data SheetBelgium IYDP Data Sheet
Belgium IYDP Data Sheet
 
Belgium's IYDP Stamps
Belgium's IYDP  StampsBelgium's IYDP  Stamps
Belgium's IYDP Stamps
 
Tracing Disability Representation After the1981UN International Year of Disab...
Tracing Disability Representation After the1981UN International Year of Disab...Tracing Disability Representation After the1981UN International Year of Disab...
Tracing Disability Representation After the1981UN International Year of Disab...
 
Catalyst spring summer-2015
Catalyst spring summer-2015Catalyst spring summer-2015
Catalyst spring summer-2015
 
The Purpose of a Conference on Inclusive Tourism
 The Purpose of a Conference on Inclusive Tourism The Purpose of a Conference on Inclusive Tourism
The Purpose of a Conference on Inclusive Tourism
 
San Marino Declaration on Inclusive Tourism - 2014
San Marino Declaration on Inclusive Tourism - 2014San Marino Declaration on Inclusive Tourism - 2014
San Marino Declaration on Inclusive Tourism - 2014
 
Veterans with Disabilities Toolkit
Veterans with Disabilities ToolkitVeterans with Disabilities Toolkit
Veterans with Disabilities Toolkit
 
On Disability and Tourism in Nepal: Article by Scott Rains and Interview with...
On Disability and Tourism in Nepal: Article by Scott Rains and Interview with...On Disability and Tourism in Nepal: Article by Scott Rains and Interview with...
On Disability and Tourism in Nepal: Article by Scott Rains and Interview with...
 
Disability Rights in Nepal: NAPD Magazine
Disability Rights in Nepal: NAPD MagazineDisability Rights in Nepal: NAPD Magazine
Disability Rights in Nepal: NAPD Magazine
 
Travel South Africa in a Wheelchair - Forward Magzine, Feb 2010
Travel South Africa in a Wheelchair - Forward Magzine, Feb 2010Travel South Africa in a Wheelchair - Forward Magzine, Feb 2010
Travel South Africa in a Wheelchair - Forward Magzine, Feb 2010
 
The Matera Manifesto on Cultural Inclusion (In Italian and English)
The Matera Manifesto on Cultural Inclusion (In Italian and English)The Matera Manifesto on Cultural Inclusion (In Italian and English)
The Matera Manifesto on Cultural Inclusion (In Italian and English)
 
Declaration Montreal sur Tourisme pour Tous
Declaration Montreal sur Tourisme pour TousDeclaration Montreal sur Tourisme pour Tous
Declaration Montreal sur Tourisme pour Tous
 
Going to Wild Places I Could Only Dream About - Slideshow
Going to Wild Places I Could Only Dream About - SlideshowGoing to Wild Places I Could Only Dream About - Slideshow
Going to Wild Places I Could Only Dream About - Slideshow
 
Destinations for All: How Far Have We Come?
Destinations for All: How Far Have We Come?Destinations for All: How Far Have We Come?
Destinations for All: How Far Have We Come?
 
Montreal Declaration on Inclusive Tourism in Destinations
Montreal Declaration on Inclusive Tourism in DestinationsMontreal Declaration on Inclusive Tourism in Destinations
Montreal Declaration on Inclusive Tourism in Destinations
 
S10 p1
S10 p1S10 p1
S10 p1
 
S9 p4
S9 p4S9 p4
S9 p4
 

Turismo Inclusivo Brasil: Intro

  • 1. Turismo ACESSÍVEL INTRODUÇÃO A UMA VIAGEM DE INCLUSÃO Volume I
  • 2. Turismo ACESSÍVEL INTRODUÇÃO A UMA VIAGEM DE INCLUSÃO BRASIL-2009
  • 3. Brasil. Ministério do Turismo. Turismo Acessível: Introdução a uma Viagem de Inclusão. Volume I. Brasília: Ministério do Turismo, 2009, 48 p. 1. Turismo 2. Acessibilidade 3. Deficiência
  • 4. MInISTéRIo do TuRISMo ASSocIAção pARA vALoRIzAção de peSSoAS coM defIcIêncIA Turismo ACESSÍVEL INTRODUÇÃO A UMA VIAGEM DE INCLUSÃO Brasília, 2009
  • 5. pReSIdenTe dA RepúBLIcA fedeRATIvA do BRASIL LuIz InácIo LuLA dA SILVA MInISTRo do TuRISMo LuIz EduArdo PErEIrA BArrETTo FILho SecReTáRIo-execuTIvo MárIo AuguSTo LoPES MoySéS SecReTáRIo nAcIonAL de pRogRAMAS de deSenvoLvIMenTo do TuRISMo FrEdErIco SILVA dA coSTA SecReTáRIo nAcIonAL de poLíTIcAS do TuRISMo AIrTon PErEIrA dIReToRA de quALIfIcAção e ceRTIfIcAção e de pRodução ASSocIAdA Ao TuRISMo rEgInA cAVALcAnTE dIReToR de eSTRuTuRAção, ARTIcuLAção e oRdenAMenTo TuRíSTIco rIcArdo MArTInI MoESch cooRdenAdoR-geRAL de quALIfIcAção e ceRTIfIcAção LucIAno PAIxão coSTA cooRdenAdoRA-geRAL de SegMenTAção SáSKIA FrEIrE LIMA dE cASTro
  • 6. diretora de qualificação e certificação e de produção Associada ao Turismo – Regina cavalcante coordenador geral de qualificação – Luciano paixão equipe Técnica – evandro de Souza diretor de estruturação, Articulação e ordenamento Turístico – Ricardo Moesch coordenadora-geral de Segmentação – Sáskia Lima equipe Técnica – Ana Beatriz Serpa Bárbara Blaudt Rangel prefeita da estância Hidromineral de Socorro – Marisa de Souza pinto fontana diretor do depto. de Turismo e cultura de Socorro – carlos Alberto Tavares de Toledo diretor de planejamento e urbanismo – Marcos José Lomônico presidente da Associação para valorização de pessoas com deficiência – Sylvia cury presidente do conselho deliberativo – Marcos Antônio gonçalves coordenação Técnica equipe de Apoio colaboradores eliana victor denilson gobbo nalin Alexis Ricardo Muñoz Marcelo vitoriano Jorge gonçalves felipe Arns Jobair ubiratan Sheila Trigilio José fernando franco celso Salício fátima galeazzo Mara flora Lottici Krahl Rose franchini equipe Técnica oxigênio desenvolvimento de Rubem Soares cristiane ecker fornazieri políticas públicas e Sociais denise Simões Bras Martha del Bello editoração eletrônica Marcelo Scarabeli francisco dias Barbosa flow design patrícia cereguin Rosemary Alonso Sergio Salazar Salvati Tais nunes
  • 7. ApReSenTAção desde o lançamento do Plano nacional de Turismo – PnT 2007/2010 – uma Viagem de Inclusão, o Ministério do Turismo vem trabalhando para transformar o turismo em um importante mecanismo de desenvolvimento econômico do Brasil e um grande indutor de inclusão social. Para isso, vêm sendo desenvolvidas ações no mercado interno para estruturar os destinos e estimular o consumo de produtos turísticos por clientes potenciais. Uma dessas ações refere-se ao turismo acessível, no qual o Ministério do Turismo apóia projetos que visam à acessibilidade urbana e à adaptação de atividades turísticas, contribuindo assim para a melhoria da qualidade de vida da população local, bem como ampliando o acesso a turistas com deficiência ou mobilidade reduzida, quer sejam idosos, crianças, gestantes, entre outros. Nesse sentido, foi firmada parceria entre o Ministério do Turismo e a Associação para Valorização de Pessoas com Deficiência (AVAPE) para execução do projeto Sensibilização para o Turismo Acessível, no município de Socorro, em São Paulo. Essa iniciativa visa promover o mapeamento da acessibilidade turística e a qualificação do receptivo turístico local para o atendimento adequado a pessoas com deficiência e com mobilidade reduzida, além de propor e divulgar roteiros adaptados em diferentes segmentos turísticos, tais como turismo cultural, ecoturismo e turismo de aventura. Com o objetivo de apresentar os resultados alcançados por meio desta experiência, foram produzidos quatro volumes, intitulados Turismo Acessível. o Volume I apresenta os conceitos e marcos legais em turismo e acessibilidade e orienta os gestores públicos e privados para os procedimentos necessários ao bom desenvolvimento do turismo acessível nos destinos. Espera-se que essa experiência exitosa possa ser multiplicada em diversos outros destinos turísticos brasileiros, ampliando e qualificando, assim, nossa oferta turística e transformando o Brasil em um país acessível a todos. Ministério do Turismo 6
  • 8. SuMáRIo Introdução a uma viagem de Inclusão 1. Introdução ao Turismo Inclusivo ..................................................................................................08 1.1 Turismo – uma viagem de Inclusão .....................................................................................09 1.2 políticas de Turismo e Inclusão Social ..................................................................................09 1.3 Turismo Social ................................................................................................................... 10 2. entendendo o Turismo ............................................................................................................... 12 2.1 Aspectos conceituais ........................................................................................................ 13 2.2 Marcos Legais ................................................................................................................. 13 3. entendendo a deficiência ........................................................................................................... 15 3.1 conceituação e caracterização da deficiência ....................................................................... 16 3.2 Marcos Legais .................................................................................................................23 3.3 Acessibilidade e Turismo ...................................................................................................26 4. Bases para o desenvolvimento do Turismo Acessível .....................................................................29 4.1 preparando o destino para a Acessibilidade .........................................................................30 4.2 planejamento participativo .................................................................................................30 4.3 Buscando parceiras e financiamento....................................................................................32 4.4 estabelecendo estratégias de comunicação ..........................................................................37 4.5 Modelo de plano de Ação ..................................................................................................39 5. Bibliografia .............................................................................................................................. 41
  • 9. InTRodução Ao TuRISMo IncLuSIvo 1 1.1 TuRISMo – uMA vIAgeM de IncLuSão 1.2 poLíTIcAS de TuRISMo e IncLuSão SocIAL 1.3 TuRISMo SocIAL 8
  • 10. 1.1 TuRISMo – uMA vIAgeM de IncLuSão O turismo é uma das atividades econômicas que tem tido as maiores taxas mundiais de crescimento anual há várias décadas. Isto fez ampliar mercados antes inexplorados e atingir amplas camadas da população, devido às diferentes facilidades de acessos e meios de transportes, aumento da renda e ações promocionais. Porém, o crescimento das viagens de turismo ainda não permitiu que todos os segmentos da popu- lação fossem beneficiados para desfrutar do turismo de lazer. Pessoas com deficiência de diferentes tipologias e pessoas com mobilidade reduzida, tais como idosos e obesos, também poderiam ser in- cluídos nas estatísticas de exclusão social do turismo, pois encontram dificuldades para se adapta- rem às instalações e equipamentos nas edificações turísticas e espaços de lazer, ao mesmo tempo em que encontram prestadores de serviços sem qualificações específicas para um atendimento diferen- ciado. Mesmo com essas dificuldades, e talvez por consequência delas, a acessibilidade no turismo vem se tornando prioridade do governo Federal. com a assinatura do decreto Federal nº. 5296/2004, pessoas com deficiência, e com mobilidade reduzida passam a ter o direito de fazer turismo como mais um meio de integração social. Promover eventos e ações de sensibilização para os diferentes atores do poder público e privado so- bre o assunto, além de desenvolver projetos em parceria com diferentes segmentos, contribui para o avanço das políticas públicas voltadas para parcelas menos favorecidas da população brasileira. O incentivo à acessibilidade no turismo promoverá a integração das pessoas com deficiência perma- nentes e também daquelas com mobilidade reduzida, ou seja, idosos, crianças, gestantes, obesos em diferentes graus, pessoas temporariamente imobilizadas devido a acidentes etc. 1.2 poLíTIcAS de TuRISMo e IncLuSão SocIAL Para o Ministério do Turismo a igualdade social pressupõe garantir a acessibilidade a todos, indepen- dentemente das diferenças, e entender a diversidade como regra e não com exceção. Nessa reflexão, surge um novo paradigma, em que esses valores agregados conduzem a acessibilidade a uma cultura na qual as necessidades das pessoas com deficiência e com restrição de mobilidade assumem um ca- ráter estratégico de ação efetiva do Estado. nesse caso, é responsabilidade do Ministério do Turismo sensibilizar e disseminar orientações acerca da acessibilidade nos mais diversos setores ligados direta e indiretamente à atividade turística, tais como prestação de serviços, equipamentos e atividades tu- rísticas. 9
  • 11. Assim, o Plano Nacional do Turismo 2007/2010 – Uma viagem de inclusão apresenta como objeti- vo fazer do turismo um indutor da inclusão social tanto com a criação de novos postos de trabalho quanto pelo consumo, com a absorção de novos turistas. Neste contexto, gerar incremento de renda e emprego nos destinos e ampliar o acesso das diferentes camadas da população ao turismo, o que inclui a acessibilidade às pessoas com deficiência e mobilidade reduzida, são os requisitos centrais do que vem sendo observado na estruturação de políticas para o Turismo Social. 1.3 TuRISMo SocIAL O turismo focado no estímulo ao consumo de lazer para camadas sociais menos beneficiadas ao mes- mo tempo em que inclui as comunidades aonde ele se desenvolve, vem sendo considerado uma das melhores estratégias para a inclusão social, principalmente em países e regiões turísticas com dificul- dades de desenvolvimento econômico. Estimular o ordenamento e o arranjo dos micro e pequenos prestadores de serviços turísticos lo- cais, por meio de iniciativas de fomento tais como qualificação profissional e empreendedora, aces- so a micro-créditos, ações de resgate e valorização do patrimônio histórico e cultural e melhorias na infra-estrutura de regiões com potencial turístico são algumas das principais estratégias para se consolidar uma das atividades econômicas que mais geram renda e emprego por unidade de investimentos. Pelo lado do consumidor, estimular a oferta de pacotes turísticos fora das altas estações e facilitar o acesso ao financiamento das viagens, além das ações de marketing promocional de destinos, são as alternativas que vem sendo utilizadas com sucesso há alguns anos. neste raciocínio, ampliando o conceito de turismo social para uma visão mais ampla, encontramos segmentos da sociedade que, apesar de nem sempre se encaixarem economicamente nas camadas populares, tem tido dificuldades de realizar viagens de lazer. Pessoas com deficiência ou mobilidade reduzida encontram diferentes restrições para consumirem produtos turísticos, seja por ausência de acesso às instalações turísticas (de serviços e de lazer), seja pela inabilidade ou incapacidade no atendimento preferencial e personalizado para as diferentes tipologias que estes segmentos apre- sentam. Segundo Sassaki (2003), o processo de inclusão social acontece quando a sociedade é ajudada a mo- dificar seus sistemas de lazer e turismo para que todas as pessoas, com ou sem deficiência, possam participar juntas e ativamente de suas atividades nos mesmos locais, desfrutando de momentos de lazer em ambientes comuns. O mesmo autor defende que a atividade turística pode provocar uma satisfação pessoal ao realizar uma viagem ou ter acesso a uma atividade de lazer, pois são fatores que provocam sensações consideradas mais importantes para as pessoas. 10
  • 12. Para o Ministério do Turismo, Turismo Social é a forma de conduzir e praticar a atividade turística, promovendo a igualdade de oportunidades, a equidade, a solidariedade e o exercício da cidadania na perspectiva da inclusão. O desafio do mercado de turismo e de seus parceiros será lançar produtos que contribuam para a inclusão, mas que não se destinem apenas a um grupo social. Um meio de hospedagem, ao informar que é adaptado, deve atender aos critérios estabelecidos na NBR 9050:2004. Esta adequação, além de atender à legislação pertinente, poderá ser vista como uma ação de responsabilidade social, oferecen- do economia, segurança, comodidade e bom atendimento ao turista com deficiência. Os investimen- tos realizados neste meio de hospedagem poderão ser destacados como uma proposta inovadora no mercado. 11
  • 13. enTendendo o TuRISMo 2 2.1 ASpecToS conceITuAIS 2.2 MARcoS LegAIS 12
  • 14. 2.1 ASpecToS conceITuAIS o turismo é movimento de pessoas, e por isto gera integração entre povos e culturas. Turismo é fenô- meno econômico e social, formado por um conjunto de bens e serviços tangíveis e intangíveis, inte- ragindo com as vontades psicossociais do viajante durante seu tempo livre. Fazer turismo é também deslocamento e permanência voluntária fora de seu local de residência. Várias definições vêm sendo usadas para entender o turismo. Porém, é senso comum que o turismo possui uma grande importância sócio-econômica no mundo atual. Por um lado, é uma necessidade para o bem-estar psico-físico do ser humano, principalmente para aqueles que vivem nos centros urbanos. Por outro, o turismo é uma fonte importante de riqueza econômica e um dos setores de mais rápido crescimento na economia mundial, considerado um fe- nômeno no mundo inteiro e envolvendo um número crescente de postos de trabalho. O conjunto de cinco elementos – atrativo, infra-estrutura, serviços, comunidade e turista – cria um ambiente que chamamos de atmosfera do turismo. Cada qual exerce seu papel fundamental para que a atividade turística se desenvolva com equilíbrio, gerando benefícios econômicos e sociais, e a ausência de um destes elementos prejudica o desempenho do outro. Quando os cinco elementos estão cientes de seu papel e o realizam de forma satisfatória, podemos dizer que temos um turismo de qualidade. Na visão do consumidor de turismo, o conceito de quali- dade dos produtos pode ser resumido em uma palavra: satisfação. Ou seja, se a satisfação do cliente for atingida positivamente ou superada pelo prestador do serviço, pode-se ter como referência que o produto possui qualidade. Porém, em se tratando de um consumidor com muitas facetas, motivadas por interesses heterogêneos, não menos complicadas são as formas subjetivas deste consumidor de avaliação do produto oferecido. No caso do turismo oferecido ao cliente com deficiência ou com mobilidade reduzida, alguns dos elementos podem necessitar de adequações para cumprirem seus papéis. E isto só acontecerá se hou- verem investimentos, próprios ou de origem pública, para adequá-los e formatá-los a uma condição de permitir o seu consumo. Desta forma, o turismo acessível de qualidade dependerá da mobilização e de investimentos concretos por parte dos atores atuantes no turismo nos destinos, cabendo aos gestores públicos locais a responsabilidade de articular e estimular estas ações. 2.2 MARcoS LegAIS Em 2008, foi aprovado pelo congresso nacional, em uma iniciativa do Ministério do Turismo em parceria com diversas entidades do setor, a Lei do Turismo – Lei Federal 11.771/2008. Esta Lei dispõe sobre a Política Nacional de Turismo, define as atribuições do Governo Federal no planejamento, de- 13
  • 15. senvolvimento e estímulo ao setor turístico, disciplina a prestação de serviços turísticos, o cadastro, a classificação e a fiscalização dos prestadores de serviços turísticos e revoga a antiga jurisdição. Diversos instrumentos jurídicos ainda disciplinam a atividade turística no Brasil, porém eles devem ser absorvidos pela regulamentação da Lei. Desta forma as atividades e serviços turísticos de agências e operadores, as empresas organizadoras de eventos, transportadoras turísticas, meios de hospeda- gem, guias de turismo, entre outros, deverão observar esta nova legislação. Cabe destacar que diversas outras normas e leis incidem sobre as atividades turísticas, especialmente no caso da atividade ocorrer em ambientes naturais ou que envolvem o patrimônio cultural. Além destes instrumentos diretamente ligados à atividade turística, não se pode deixar de mencio- nar o Código de Defesa do Consumidor (CDC) que foi estabelecido pela Lei n.º 8.078/1990 como forma de proteção e defesa dos direitos dos consumidores em suas relações de consumo garantidas pela constituição Federal. O CDC é um instrumento fundamental ao segmento por garantir direitos a turistas que se sentirem lesados no consumo de produtos e serviços turísticos. Por fim, também devem se observadas as leis municipais que regulam o uso do território e a ocupação do solo, assim como as normas que regulam os padrões de edificações. 14
  • 16. 3 enTendendo A defIcIêncIA 3.1 conceITuAção e cARAcTeRIzAção dA defIcIêncIA 3.2 MARcoS LegAIS 3.3 AceSSIBILIdAde e TuRISMo 15
  • 17. 3. enTendendo A defIcIêncIA A Constituição brasileira afirma que toda pessoa com deficiência deve ter as mesmas oportunidades e alcan- çar a sua independência social e econômica para integrar-se plenamente na sociedade, como parte de um processo em defesa da cidadania e do direito à inclusão social da pessoa com deficiência. Esta afirmação é corroborada pelo Programa de Ação Mundial para Pessoas Portadoras de Deficiência das Nações Unidas (ONU, 1982) que diz que: “Os países membros [da ONU] devem garantir que pessoas com deficiência tenham as mesmas opor- tunidades de desfrutar de atividades recreativas que têm os outros cidadãos. Isto envolve a possibilida- de de freqüentar restaurantes, cinemas, teatros, bibliotecas, etc., assim como locais de lazer, estádios esportivos, hotéis, praias e outros lugares de recreação. os países membros devem tomar a iniciativa removendo todos os obstáculos neste sentido. As autoridades de turismo, as agências de viagens, orga- nizações voluntárias e outras envolvidas na organização de atividades recreativas ou oportunidades de viagem devem oferecer serviços a todos e não discriminar as pessoas com deficiência.” Para tanto, é preciso conscientizar os empresários e órgãos ligados ao turismo para que sejam orien- tados e capacitados sobre os conceitos, normas e legislação referentes à inclusão e acessibilidade. 3.1 conceITuAção e cARAcTeRIzAção dA defIcIêncIA Pessoas com deficiência são definidas, segundo o Decreto Federal n.º 914/1993, como “aquela que apresenta, em caráter permanente, perdas ou anomalias de sua estrutura ou função psicológica, fi- siológica ou anatômica, que gerem incapacidade para o desempenho de atividades, dentro do padrão considerado normal para o ser humano”. Ou ainda, segundo o Ministério da Justiça como “aquela que possui limitação ou incapacidade para o desempenho de algum tipo de atividade” Segundo a Organização das Nações Unidas (ONU) há cerca de 500 milhões de pessoas com defici- ência no mundo e 80% vivem em países em desenvolvimento. Já Organização Mundial da Saúde (OMS)apresenta dados que afirmam que cerca de 10% da população de países em desenvolvimento é formada por pessoas com deficiência. Dessas, 50% possuem deficiência mental; 20% têm deficiência física; 15% deficiência auditiva; 10% deficiência múltipla e 5%, deficiência visual. As estatísticas mais recentes no Brasil indicam que cerca de 24,5 milhões de pessoas no Brasil – 14,5% da população – possuem algum tipo de deficiência. Desses, 8,3% possuem deficiência mental; 4,1% deficiên- cia física; 22,9% deficiência motora; 48,1% deficiência visual e 16,7%, deficiência auditiva. (IBGE, 2000). O Ministério da Educação brasileiro estima que 30% das deficiências são causadas por doenças di- versas; 20% por problemas congênitos; 20% por desnutrição; 7% por acidentes domésticos; 5,5% por acidentes de trânsito; 2,5% devido a acidentes de trabalho e 15% por outras causas. 16
  • 18. Em nosso país, segundo Moraes (2004) o número de pessoas com deficiência está diretamente asso- ciado a fatores como: acidentes automobilísticos, ausência de cuidados na prevenção de acidentes diversos, violência, erros médicos ou utilização de medicamentos com efeitos colaterais desencadea- dores de deficiências, falta de acompanhamento da parturiente e da criança, fatos congênitos e, até mesmo, a desinformação e a ignorância. quAdRo – TIpoLogIA dAS defIcIêncIAS no BRASIL cenSo deMogRáfIco - 2000 Tipo de deficiência Visual Motora Auditiva Mental Física Homem 7.259.074 3.295.071 3.018.218 1.545.462 861.196 Mulher 9.385.768 4.644.713 2.716.881 1.299.474 554.864 Total 16.644.842 7.939.784 5.735.099 2.844.936 1.416.060 Deficiências Pessoas com Deficiência Pessoas com Deficiência (A) (B) Múltiplas (A-B) Homem 15.979.021 11.420.544 4.558.477 Mulher 18.601.700 13.179.712 5.421.988 Total 34.580.721 24.600.256 9.980.465 1 - O censo indica um número maior de deficiências do que de pessoas com deficiência, uma vez que “as pessoas incluídas em mais de um tipo de deficiência foram contadas apenas uma vez” (Fonte: IBGE, Censo Demográfico 2000, nota 1), portanto o número de pessoas que apresentam mais de uma deficiência é de quase 10 milhões. Se necessitar de dados mais específicos, como por exemplo, número de pessoas com deficiência por Es- tado consulte o site www.ibge.gov.br Fonte: IBGE - Censo Demográfico / * http://www.cedipod.org.br/Ibge1.htm 17
  • 19. conceIToS geRAIS Decreto nº. 5.296/2004 e ABNT NBR 9050:2004 • Acessibilidade - Condição para utilização, com impossibilite a expressão ou o recebimento de segurança e autonomia, total ou assistida, dos mensagens por intermédio dos dispositivos, espaços, mobiliários e equipamentos urbanos, meios ou sistemas de comunicação, sejam ou das edificações, dos serviços de transporte e dos não de massa, bem como aqueles que dificultem dispositivos, sistemas e meios de comunicação e ou impossibilitem o acesso à informação. informação, por pessoa com deficiência ou com mobilidade reduzida. • Cão-guia - Animal treinado e responsável pela condução com segurança da pessoa com defici- • Acessibilidade virtual - Garantia de mobilidade ência visual. e usabilidade de recursos computacionais. • Desenho Universal - Concepção de espaços, ar- • Ajudas técnicas – Produtos, instrumentos, equi- tefatos e produtos que visam atender simultane- pamentos e tecnologia adaptados ou especial- amente todas as pessoas, com diferentes carac- mente projetados para melhorar a funcionalida- terísticas antropométricas e sensoriais, de forma de da pessoa com deficiência ou com mobilidade autônoma, segura e confortável, constituindo-se reduzida, favorecendo a sua autonomia pessoal, nos elementos ou soluções que compõem a aces- total ou assistida. sibilidade. • Barreiras – Qualquer entrave ou obstáculo que • Edificações de uso coletivo - Destinadas a ativi- limite ou impeça o acesso, a liberdade de movi- dades de natureza comercial, hoteleira, cultural, mento, a circulação com segurança e a possibi- esportiva, turística, recreativa, social, religiosa, lidade de as pessoas se comunicarem ou terem educacional e de saúde. acesso à informação. • Edificações de uso público - Administradas por • Barreira urbanística - as existentes nas vias pú- entidades da Administração Pública direta e in- blicas e nos espaços de uso público. direta ou por empresas concessionárias ou per- missionárias de serviços públicos, destinadas ao • Barreira nas edificações - as existentes no en- público em geral. torno e interior das edificações de uso público e coletivo e nas áreas internas de uso comum nas • Edificações de uso privado - Destinadas a habi- edificações de uso privado multifamiliar. tações uni ou multifamiliares. • Barreiras nos transportes - as existentes nos ser- • Elementos de urbanização - Componentes da viços de transportes que impedem ou dificultam urbanização tais como pavimentação, sanea- o ingresso ao interior dos veículos de transporte mento, distribuição de energia elétrica, ilumina- público, privado, aos terminais, às estações e aos ção pública, abastecimento de água e paisagis- pontos de parada. mo, dentre outros. • Barreira das informações e comunicações – • Equipamento urbano - Bens públicos e priva- qualquer entrave ou obstáculo que dificulte ou dos, de utilidade pública, destinados à prestação 18
  • 20. de serviços necessários ao funcionamento da ci- públicos, fontes públicas, lixeiras, toldos, mar- dade, implantados mediante autorização do po- quises, quiosques e outros. der público, em espaços públicos e privados. • Rota acessível - Trajeto contínuo, desobstruí- • Incapacidade - Impedimento ou limitação de do e sinalizado que conecta ambientes externos ações causadas em conseqüência da deficiência. ou internos de espaços e edificações, e que pode ser utilizado de forma autônoma e segura por • Mobilidade reduzida – Aquela pessoa que, não todas as pessoas, inclusive as com deficiência. se enquadrando no conceito de pessoa com defi- A rota acessível externa pode incorporar esta- ciência, tenha por qualquer motivo, dificuldade cionamentos, calçadas rebaixadas, faixas de de movimentar-se permanente ou temporaria- travessia de pedestres, rampas; a interna pode mente, gerando redução efetiva de mobilidade, incluir corredores, pisos, rampas, escadas, ele- flexibilidade, coordenação motora e percepção. vadores. • Mobilidade urbana - Conjunto de objetos exis- • Símbolo Internacional de Acesso - Indica exis- tentes nas vias e espaços públicos, como semáfo- tência de equipamentos, mobiliário e de serviços ros, postes de sinalização e iluminação, telefones voltados à pessoa com deficiência. TIpoLogIA dA defIcIêncIA e MoBILIdAde ReduzIdA O Ministério da Justiça do Brasil classifica como pessoas com deficiência o indivíduo que possui li- mitação ou incapacidade para o desempenho de algum tipo de atividade. A tipologia utilizada para caracterizar a deficiência pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e usualmente aceita se divide em: deficiência física (tetraplegia, paraplegia e outros), deficiência intelectual (leve, moderada, severa e profunda), deficiência auditiva (total ou parcial), deficiência visual (cegueira total e baixa visão) e deficiência múltipla (duas ou mais deficiências associadas). Acrescenta-se a este grupo as demais parcelas da população que possuem mobilidade reduzida. A seguir, uma breve caracterização de cada tipo de deficiência. peSSoA coM defIcIêncIA InTeLecTuAL A deficiência intelectual ou mental é aquela em que o indivíduo apresenta funcionamento intelec- tual significativamente inferior à média, com manifestação antes dos dezoitos anos, e limitações as- sociadas a duas ou mais áreas de habilidades adaptativas, tais como: comunicação, cuidado pessoal, habilidades sociais, utilização dos recursos da comunicação, saúde e segurança, habilidades acadê- micas, lazer e trabalho. Ela tem sido graduada em níveis de comprometimento que variam entre leve, moderado, grave (ou severo) e profundo. Entre as mais diversas complicações que estes níveis podem evidenciar, é de ex- trema importância a concepção de que quanto maior o nível de comprometimento maior a necessi- 19
  • 21. dade de recursos e estratégias (apoios) para a promoção do bem estar da pessoa com deficiência. Conhecida anterior- mente como retardo mental ou deficiência mental, hoje em dia é reconhecida como deficiência intelectual (Declaração Segundo a declaração de di- de Montreal – 06/10/2004). reitos do Deficiente Mental, proclamada pela Assembléia peSSoA coM pARALISIA ceReBRAL Geral das Nações Unidas em 20 de dezembro de 1971, devem Cabe ressaltar que pessoas com paralisia cerebral - lesão de ser resguardados os direitos: uma ou mais áreas do sistema nervoso central - podem ter como conseqüência alterações psicomotoras, podendo ou • À igualdade com os demais seres humanos; não causar deficiência intelectual. Paralisia cerebral não é doença grave ou contagiosa. é fruto de lesão cerebral oca- • À atenção médica, física, sionada antes, durante ou após o nascimento, provocando educação, qualificação e reabi- desordem sobre os controles dos músculos do corpo. Trata- litação profissional; se de uma condição e não de doença. • À segurança econômica e Pessoas com paralisia cerebral podem ter dificuldades para an- exercício de atividade produti- dar, podem fazer movimentos involuntários com pernas e bra- va ou ocupacional; ços e apresentar expressões faciais exacerbadas. Porém em geral, elas têm inteligência normal e, às vezes, até acima da média. • À família e a um lar que lhe ofereça assistência; Se o indivíduo tiver dificuldade de fala e e isso puder dificul- • A um tutor qualificado, tar o entendimento, é importante solicitar que ele repita o quando indispensável; que disse, demonstrando assim interesse pela informação. • À proteção de toda forma de peSSoA coM defIcIêncIA fíSIcA exploração, abuso ou trata- mento degradante; A pessoa com deficiência física é o indivíduo com alteração completa ou parcial de um ou mais segmentos do corpo, • A um processo justo, que acarretando o comprometimento da função física, apresen- leve em conta suas faculdades tando-se sob diversas formas. mentais preservadas; • À salvaguardas jurídicas Segundo a coordenadoria nacional para Integração da Pessoa contra qualquer abuso, em Portadora de Deficiência - CORDE (1996) a deficiência física “tra- situações de maior compro- duz-se como alteração completa ou parcial de um ou mais seg- metimento. mentos do corpo humano, tendo como conseqüência o compro- metimento da função motora”. Resende (2001) complementa dizendo que se apresenta sob diversas formas, dentre as quais: 20
  • 22. a) Perda total ou parcial das funções motoras do(s) membro(s) inferior(es) e/ou superior(es) (pa- raplegia, paraparesia, monoplegia, monoparesia, tetraparesia, triplegia, triparesia). b) Perda total ou parcial das funções motoras de um hemisfério do corpo - direito ou esquerdo (hemiplegia, hemiparesia). c) Perda total de um determinado segmento de um membro superior ou inferior (amputação). peSSoA coM defIcIêncIA AudITIvA/SuRdo Deficiência auditiva é a perda da capacidade de ouvir, seja perda bilateral, parcial ou total, de quaren- ta e um decibéis (dB) ou mais, aferida por audiograma nas freqüências de 500Hz, 1.000Hz, 2.000Hz e 3.000Hz. Em termos clínico-patológicos, é classificada conforme o nível de perda: leve, moderada, severa ou profunda. A pessoa surda é o indivíduo que apresenta um rebaixamento auditivo parcial ou total onde pode haver prejuízo na compreensão dos sons. O termo deficiente auditivo segue o conceito médico-pato- lógico, ou seja, uma visão clínica. Portanto, em lugar de deficiente auditivo, recomenda-se utilizar a terminologia surdo. Essa terminologia não está ligada ao grau de perda auditiva da pessoa e, sim, à forma como ela se vê, ou seja, é um traço de identidade pessoal e do grupo. Portanto, o termo surdo está associado à visão sócio-psico-antropológica dessa pessoa e não ao seu nível de capacidade de ouvir. Alguns surdos usam a fala oral e fazem leitura labial (ambas desenvolvidas através de treino fonoar- ticulatório) e têm resto auditivo e, às vezes, usam aparelho auditivo para amplificar a sua capacidade de audição. Entretanto, a grande maioria dos surdos comunica-se, de forma eficiente, apenas através da Língua Brasileira de Sinais (Libras), que será melhor abordada no terceiro volume desta série: Bem Atender no Turismo Acessível. peSSoA coM defIcIêncIA vISuAL/cego A deficiência visual pode ser caracterizada como cegueira, na qual a acuidade visual é igual ou menor que 0,05 no melhor olho, com a melhor correção óptica; ou como baixa visão, que significa acuidade visual entre 0,3 e 0,05 no melhor olho, com a melhor correção óptica. Há ainda os casos nos quais a somatória da medida do campo visual em ambos os olhos é igual ou menor que 60°; ou a ocorrência simultânea de quaisquer das condições anteriores (Decreto 5.296/2004). Existem dois grupos dentro da deficiência visual: a cegueira e a visão subnormal, conforme segue: • A pessoa cega apresenta desde ausência total de visão até a perda da percepção luminosa. 21
  • 23. • A pessoa com baixa visão ou visão subnormal apresenta desde a capacidade de perce- ber luminosidade até o grau em que a deficiência visual interfira ou limite seu desem- penho. no volume Bem Atender no Turismo Acessível é possível compreender melhor as formas de comuni- cação com os cegos. peSSoA SuRdocegA Os indivíduos surdocegos são definidos como aqueles que têm perda substancial de visão e audição, de tal forma que a combinação das duas deficiências causa extrema dificuldade na conquista de me- tas educacionais, vocacionais, de lazer e sociais. peSSoA coM defIcIêncIA MúLTIpLA Associação de duas ou mais deficiências. peSSoA coM MoBILIdAde ReduzIdA Pessoa com mobilidade reduzida é o indivíduo que, não se enquadrando no conceito de pessoa com deficiência, tenha, por qualquer motivo, dificuldade de movimentar-se permanente ou temporaria- mente, gerando redução efetiva de mobilidade, flexibilidade, coordenação motora e percepção. A NBR 9050:2004 entende por pessoa com mobilidade reduzida, além da pessoa com deficiência, o idoso, o obeso, a gestante, dentre outros, conforme apresentado a seguir: • Pessoa idosa – Indivíduo que atingiu a plenitude da idade, mas apresenta limitações fí- sicas, cardíacas e neurológicas. No Brasil, é considerada idosa a pessoa com 60 anos ou mais; • Pessoa obesa – Indivíduo que excedeu o índice de massa corporal (IMC) adequado para sua constituição física; • Outros - Mulheres gestantes, pessoas com crianças de colo etc. 3.2 MARcoS LegAIS o Ministério do Turismo adota como parte da sua política estrutural a inclusão das pessoas com de- ficiência ou com mobilidade reduzida. A partir desse contexto, busca promover a acessibilidade dos espaços, equipamentos, serviços e informações turísticas. Versam sobre o assunto, entre outras, as seguintes legislações: 22
  • 24. • Lei n.º 4.169, de 4 de dezembro de 1962 – oficializa as convenções Braille para uso na escrita e leitura dos cegos e o Código de Contrações e Abreviaturas Braille. • Lei n.º 7.405, de 12 de novembro de 1985 – torna obrigatória a colocação do Símbolo Interna- cional de Acesso em todos os locais e serviços que permitam sua utilização por pessoas porta- doras de deficiência e dá outras providências. • Lei n.º 7.853, de 24 de outubro de 1989 – dispõe sobre o apoio às pessoas portadoras de deficiên- cia, sua integração social, sobre a coordenadoria nacional para Integração da Pessoa Portadora de Deficiência - Corde, institui a tutela jurisdicional de interesses coletivos ou difusos dessas pessoas, disciplina a atuação do Ministério Público, define crimes, e dá outras providências. • Lei n.º 8.160, de 8 de janeiro de 1991 – dispõe sobre a caracterização de símbolo que permita a identificação de pessoas portadoras de deficiência auditiva. • Lei n.º 8.899, de 29 de junho de 1994 – dispõe sobre o passe livre às pessoas com deficiência no sistema de transporte coletivo interestadual. • Decreto n.º 3.298, de 20 de dezembro de 1999 – disoõe sobre a Política Nacional para integra- ção da pessoa com deficiência. • Lei n.º 10.048, de 19 de dezembro de 2000 – dá prioridade de atendimento às pessoas que especi- fica e dá outras providências. • Lei n.º 10.098, de 19 de dezembro de 2000 – estabelece normas gerais e critérios básicos para a promoção da acessibilidade das pessoas portadoras de deficiência ou com mobilidade reduzida. • Decreto n.º 3.691, de 19 de dezembro de 2000 – regulamenta a Lei 8.899/1994. • Lei n.º 10.436, de 24 de abril de 2002 – dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais - Libras e dá outras providências. • Lei n.º 10.741, de 01 de outubro de 2003 – dispõe sobre o Estatuto do Idoso. • Instrução Normativa IPHAN n.º 1, de 25 de novembro de 2003 – dispõe sobre a acessibilidade em Bens culturais. • Decreto n.º 5.296, de 02 de dezembro de 2004 – regulamenta a Lei n.º 10.048/2000, que dá priori- dade e atendimento às pessoas, e a Lei n.º 10.098/2000, que estabelece normas gerais e critérios bá- sicos para a promoção da acessibilidade das pessoas com deficiência ou com mobilidade reduzida. • Lei n.º 11.126, de 27 de junho de 2005 – dispõe sobre o direito da pessoa com deficiência visual de ingressar e permanecer em ambientes de uso coletivo acompanhada de cão-guia. • Decreto n.º 5.626, de 22 de dezembro de 2005 – regulamenta a Lei n.º 10.436/2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais – Libras, e o art. 18 da Lei n.º 10.098/2000. • Portaria n.º 310, de 31 de março de 2006 do Ministério das Comunicações – aprova a norma com- plementar n.º 01/2006, que trata de recursos de acessibilidade para pessoas com deficiência, na pro- gramação veiculada nos serviços de radiodifusão de sons e imagens e de retransmissão de televisão. 23
  • 25. • Decreto n.º 5.904, de 21 de setembro de 2006 – regulamenta a Lei n.º 11.126, de 27 de junho de 2005, que dispõe sobre o direito da pessoa com deficiência visual de ingressar e permanecer em ambientes de uso coletivo acompanhada de cão-guia e dá outras providências. • Decreto Legislativo 186, de 09 de julho de 2008 – aprova o texto da Convenção Internacional Direitos da Pessoa com Deficiência. • ABNT NBR 14020:1997 – dispõe sobre a acessibilidade à pessoa portadora de deficiência em trem de longo percurso. • ABNT NBR 14022:1998 – dispõe sobre a acessibilidade à pessoa portadora de deficiência em ônibus e trólebus, para atendimento urbano e intermunicipal. • ABNT NBR 14273:1999 – dispõe sobre a acessibilidade à pessoa portadora de deficiência no transporte aéreo comercial. • ABNT NBR 13994:2000 – dispõe sobre os elevadores de passageiros – elevadores para trans- porte de pessoa portadora de deficiência. • ABNT NBR 9050:2004 – dispõe sobre a acessibilidade a edificações, mobiliário, espaços e equipamentos urbanos. • ABNT NBR 14021:2005 – dispõe sobre o transporte – acessibilidade no sistema de trem urbano ou metropolitano. • ABNT NBR 15250:2005 – dispõe sobre a acessibilidade em caixa de auto-atendimento bancário. • ABNT NBR 15290:2005 – dispõe sobre a acessibilidade em comunicação na televisão. • ABNT NBR 15320:2005 – dispõe sobre a acessibilidade à pessoa com deficiência no transporte rodoviário. • ABNT NBR 15450:2006 – dispõe sobre a acessibilidade em transporte aquaviário. • ABNT NBR 15599:2008 – dispõe sobre a acessibilidade na comunicação da prestação de serviços. • ABNT NBR 15646:2008 – dispõe sobre a plataforma elevatória veicular e rampa de acesso vei- cular para acessibilidade em veículos com características urbanas para o transporte coletivo de passageiros - Requisitos de desempenho, projeto, instalação e manutenção. • ABNT NBR 15570:2009 – dispõe sobre as especificações técnicas para fabricação de veículos de características urbanas para transporte coletivo de passageiros. Recomendações gerais e prazos – para desenvolvimento da acessibilidade, é importante observar as orientações contidas no documento Turismo e Acessibilidade: Manual de Orientações (Ministério do Turismo, 2006), incorporando recomendações e legislações pertinentes: • A acessibilidade no meio urbano deve ser observada no Plano Diretor Municipal, nos Planos Diretores de Transporte e de Trânsito, no Código de Obras, no Código de Postura, na Lei de Uso e ocupação do Solo e na Lei do Sistema Viário, conforme decreto n.º 5.296/2004. 24
  • 26. • Para a concessão de Alvará de Funcionamento e da Carta de Habite-se, deve ser observado o cumprimento da acessibilidade previsto respectivamente no § 1º e § 2º do art. 13 do decreto n.º 5.296/2004 e nas normas técnicas de acessibilidade da ABnT. • A aprovação de financiamento de projetos com a utilização de recursos públicos, entre eles os de natu- reza arquitetônica e urbanística, os tocantes à comunicação e informação e os referentes ao transporte coletivo, por meio de qualquer instrumento (convênio, acordo, ajuste, contrato ou similar), fica sujeita ao cumprimento das disposições do Decreto n.º 5.296/2004, conforme disposto no inciso III do artigo 2º. • As edificações de uso público já existentes devem estar adaptadas para a acessibilidade das pessoas com deficiência (§ 1º, art. 19, Decreto n.º 5.296/2004) a partir junho de 2007. • Os estabelecimentos de uso coletivo tiveram o prazo até dezembro de 2008 para realizarem as adaptações para acessibilidade (§ 8º, art. 23, Decreto n.º 5.296/2004). • Todos os veículos do transporte coletivo rodoviário, aquaviário, metroferroviário, ferroviário e aéreo deverão ser fabricados de acordo com as Normas de Acessibilidade até dezembro de 2007 (art. 40 e art. 42, § 2º, Decreto n.º 5.296/2004). • Os serviços de transporte coletivo aéreo e os equipamentos de acesso às aeronaves deveriam estar acessíveis e disponíveis para serem operados por pessoas com deficiência ou com mobili- dade reduzida até dezembro de 2007 (art. 44, Decreto n.º 5.296/2004). • Toda a frota de veículos do transporte coletivo rodoviário, metroferroviário e ferroviário deve estar acessível a partir de dezembro de 2014 (art. 38, § 3º e art. 42, Decreto n.º 5.296/2004). • As empresas concessionárias e permissionárias dos serviços de transporte coletivo aquaviário devem garantir a acessibilidade da frota de veículos em circulação, inclusive de seus equipa- mentos, a partir de junho de 2009 (art. 41, Decreto n.º 5.296/2004). • A acessibilidade aos portais e endereços eletrônicos da Administração Pública deve estar acessí- vel às pessoas com deficiência visual a partir dezembro de 2005 (art. 47, Decreto n.º 5.296/2004). • Para a obtenção de financiamento público, é exigido o cumprimento da acessibilidade para as pessoas com deficiência visual, em portais e endereços eletrônicos de interesse público, a partir de junho de 2005 (art. 48, Decreto n.º 5.296/2004). • Os pronunciamentos do Presidente da República em rede de televisão devem ser acessíveis por meio de janela de Libras a partir de junho de 2005 (parágrafo único, art. 57, Decreto n.º 5.296/2004). Importante referir que, para a plena aplicabilidade do Decreto n.º 5.296/2004 e da Lei n.º 10.098/2000, os governos federal, estadual e municipal devem fortalecer a legislação sobre a acessibilidade nas respectivas instâncias para garantir que todas as pessoas tenham o mesmo direito de acesso aos espaços públicos, aos equipamentos, atrativos e serviços turísticos. 25
  • 27. Sendo assim, nas regiões turísticas, onde as questões da acessi- bilidade são reais para os próprios habitantes e para os turistas, cabe também mencionar a todo o esforço deve ser feito pelos gestores públicos e agentes convenção Interamericana para locais para inserir nas políticas de turismo as necessidades de a Eliminação de todas as for- acessibilidade de todos os cidadãos. o setor turístico também mas de discriminação contra as deve empreender ações visando à inserção das pessoas com de- Pessoas Portadoras de Deficiên- ficiência no mercado de trabalho pela prestação de serviços tu- cia, promulgada pelo decreto rísticos, em cumprimento à legislação. 3.956/2001, que tem por objeti- vo propiciar a plena integração à compete ao conselho nacional dos direitos da Pessoa Portadora sociedade das pessoas portado- de Deficiência (CONADE), aos Conselhos estaduais, municipais e ras de deficiência. do Distrito Federal e às organizações representativas de pessoas com deficiência acompanhar e sugerir medidas para o cumpri- mento da acessibilidade. 3.3 AceSSIBILIdAde e TuRISMo Se por um lado os receptivos turísticos no Brasil, de modo em geral, ainda demonstram sérias lacunas na acessibilidade das instalações e no atendimento com hospitalidade da pessoa com deficiência ou mobilidade reduzida, por outro temos a Constituição Brasileira, que afirma que toda pessoa com deficiência deve ter as mesmas oportunidades na sociedade e alcançar a sua independência social e econômica para integrar-se plenamente na sociedade, como parte de um processo em defesa da cidadania e do direito à inclusão social da pessoa com deficiência. Esta afirmação é corroborada pelo Programa de Ação Mundial para Pessoas Portadoras de Deficiência das Nações Unidas (ONU, 1982) que diz: “Os países membros [da ONU] devem garantir que pessoas com deficiência tenham as mesmas oportunidades de desfrutar de atividades recreativas que têm os outros cidadãos. Isto envolve a possibilidade de freqüentar restaurantes, cinemas, teatros, bibliotecas, etc., assim como locais de lazer, estádios esportivos, hotéis, praias e outros lugares de recreação. os países membros devem tomar a iniciativa removendo todos os obstáculos neste senti- do. As autoridades de turismo, as agências de viagens, organizações voluntárias e outras envolvidas na organização de atividades recreativas ou oportunidades de viagem devem oferecer serviços a todos e não discriminar as pessoas com deficiência.” Para que isso aconteça, é preciso mobilizar e conscientizar os empresários e órgãos ligados ao turis- mo, qualificando-os por meio do conhecimento sobre os conceitos, normas e legislação referentes à inclusão e acessibilidade. 26
  • 28. As barreiras arquitetônicas, comumente encontradas nas cidades, tanto nos espaços públicos como pri- vados, são fatores que dificultam e, em algumas situações, impedem o deslocamento de pessoas com deficiência ou mobilidade reduzida. Promover a acessibilidade faz parte do processo de inclusão social não só das pessoas com deficiência, mas de todos que, permanentemente ou temporariamente, apresentam dificuldade de locomoção, incluindo nesta categoria crianças, pessoas idosas, gestantes e obesos. Acessibilidade é garantir que todos exerçam seus direitos de ir e vir, de acesso ao transporte, à comu- nicação, à educação, ao trabalho e ao lazer. Qualquer que seja o estabelecimento - turístico, comercial etc. - deve possuir adaptações que o turista com deficiência tenha independência, autonomia e dignidade de forma coletiva ou individual. Estas edificações deverão seguir o desenho universal que será utilizado na produção de espaços ou de ob- jetos, permitindo a igualdade no seu emprego por todos, inclusive pelas pessoas com deficiências e mobilidade reduzida. A acessibilidade às edificações de uso público, coletivo ou privado deve ser garantida às pessoas com deficiência ou mobilidade reduzida, conforme declina o Decreto Federal n.º 5296/2004 e as recomenda- ções da NBR 9050:2004. Nos projetos arquitetônicos, design de produtos e equipamentos e adaptações de edificações é fundamental que se leve em consideração a diversidade humana para que qualquer pessoa, independentemente de suas limitações físicas, possa utilizar os espaços com conforto, autono- mia e segurança. O desenho universal baseia-se no respeito aos diferentes padrões humanos e na inclusão de todas as pessoas nas mais diversas atividades, visando simplificar a vida para todos e beneficiando assim pessoas com diversas limitações e capacidades. conforme a ABnT nBR 9050:2004 Para colocar em prática o conceito de desenho universal nos projetos e acessível é: produtos turísticos, deve-se levar em consideração as dimensões refe- renciais para deslocamento das pessoas com deficiência ou mobilidade “Espaço, edificação, mobili- reduzida, juntamente com os equipamentos auxiliares que utilizam ário, equipamento urbano como: cadeira de rodas, bengalas, muletas, andadores ou cão-guia. ou elemento que possa ser alcançado, acionado, utiliza- Turismo Acessível é, portanto, o termo técnico para definir a “pos- do e vivenciado por qualquer sibilidade e condição do portador de deficiência alcançar e utilizar, pessoa, inclusive aquelas com segurança e autonomia, edificações e equipamentos de inte- com mobilidade reduzida. O resse turístico”. termo acessível implica tanto acessibilidade física como de Segundo AGUIRRE (2003) para estabelecimentos tornarem-se aces- comunicação.” síveis, alguns importantes aspectos devem ser observados: 27
  • 29. • Estabelecimentos para informação e comercialização: acessos (estacionamento, desníveis e portas), circulação interior (desníveis e passagens livres, iluminação e revestimentos), mo- biliário (mesa, balcões e expositores), informação e sinalização acessível, e comunicação do Símbolo Internacional de Acessibilidade (SIA); • Estabelecimentos para alojamento: acessos (estacionamento, percurso até o edifício, zona de manobra, desníveis e portas de entrada e saída), circulação interior (passagens e percursos, zonas de manobra, elevadores e revestimentos), dormitórios, banheiros e cozinhas (dimensões, zona de manobra, porta de acesso), uso de sanitários (acessórios, comandos, ajudas técnicas, revestimento, alarmes), mobiliário (mesa e cadeiras, camas e armários), instalações (telefone, televisão, iluminação e temperatura - comando e controles), informação e sinalização acessí- vel, e comunicação do SIA; • Estabelecimentos de restauração: acessos (igual aos anteriores), circulação interior (distri- buição do espaço, passagens entre movéis e desníveis), sanitários (acesso e área de manobra, acessório, comandos, ajuda técnicas, revestimentos e alarmes), mobiliário (mesa, cadeiras, bar- ras e balcões), informação e sinalização acessível, e comunicação do SIA; • Estabelecimentos para lazer e recreação: neles é preciso estudar a acessibilidade individual a cada elemento e a acessibilidade ao conjunto geral. O mesmo autor afirma que os estabelecimentos turísticos devem informar a sua situação atual e as possibilidades reais de prestar um serviço turístico de qualidade a pessoa portadora de necessida- des especiais. Caso não parta deles, as agências de viagens deverão buscar e divulgar a informação (Aguirre, 2003). Por fim, qualificar os profissionais responsáveis pelo atendimento direto à pessoa com deficiência ou mobilidade reduzida gera um compromisso de respeito e de acolhimento a este segmento. Certamente, a garantia de satisfação no atendimento será um diferencial significativo para um am- plo mercado consumidor, o de viajantes com deficiência ou mobilidade reduzida, naquelas localida- des que estejam acessíveis às suas necessidades, desde agências e receptivos de viagem, aeroportos e empresas aéreas, hotéis, atrativos, bares, restaurantes e similares. 28
  • 30. BASeS pARA o deSenvoLvIMenTo do TuRISMo AceSSíveL 4.1 pRepARAndo o deSTIno pARA A AceSSIBILIdAde 4.2 pLAneJAMenTo pARTIcIpATIvo 4 4.3 BuScAndo pARceIRAS e fInAncIAMenTo 4.4 eSTABeLecendo eSTRATégIAS de coMunIcAção 4.5 ModeLo de pLAno de Ação 29
  • 31. 4.1 pRepARAndo o deSTIno pARA A AceSSIBILIdAde O início de um projeto de acessibilidade turística nos municípios dá-se pela revisão das leis e normas locais complementares que disciplinam o uso do território e a prestação de serviços públicos. nesta revisão, é necessário incluir o conceito de acessibilidade e inclusão por meio do Plano diretor Mu- nicipal, Código de Posturas, Código de Obras e Edificações, Lei de Perímetro Urbano, Lei de Parcelamento do Solo urbano e Lei de uso de ocupação do Solo e o Plano diretor de Transporte. A base conceitual e normativa para promover a acessibilidade é o Art. 14 do decreto nº. 5.296/2004 e a nBr 9050:2004. Em seguida, é necessário realizar uma pré-avaliação da situação de acessibilidade nos serviços, atra- tivos e edificações de interesse turístico públicos e privados, além do acesso aos meios de transportes, mobiliário urbano, atendimento à pessoa com deficiência e a existência de sistemas de comunicação específicos. Com esta pré-avaliação é possível delimitar as diretrizes gerais de um projeto de acessibilidade tu- rística, vislumbrando-se as necessidades iniciais de parcerias e financiamentos e identificando os processos-chave para o deslanche do projeto. Os itens a seguir indicam os passos do planejamento para um projeto integrado de acessibilidade turística no município. 4.2 pLAneJAMenTo pARTIcIpATIvo Como foi visto anteriormente, o turismo se desenvolve pelo trabalho de diferentes agentes que es- timulam e facilitam o consumo de produtos turísticos e envolvem os setores públicos, privados e não-governamentais. Visando seu planejamento e execução de forma otimizada, eficaz e eficiente, um projeto de turismo acessível deve compreender um processo de planejamento participativo que inclua os diferentes atores e, entre outras, as seguintes ações: • Articulação para a participação da comunidade e trade turístico (prestadores de serviço lo- cais) envolvidos direta ou indiretamente com o turismo no município por meio da criação de uma Comissão de Acessibilidade; • Articulação com as associações comerciais, Conselho Municipal de Turismo e entidades lo- cais que desenvolvem trabalhos com pessoas com deficiência para influenciar a sua participa- ção e, principalmente, respaldar as atividades a serem realizadas no destino; •Articulação junto aos órgãos do governo federal, fóruns estadual e regional de turismo e pre- feituras de entorno para um melhor envolvimento no projeto, de forma que seja a base para 30
  • 32. uma mobilização ampla na região, visando estimular o trade turístico e os empreendimentos particulares a se adaptarem às normas de acessibilidade. Estabelecido um fórum oficial de debates por meio da Comissão Permanente de Acessibilidade no município, organizam-se reuniões de trabalho para definição e planejamento das estratégias e ati- vidades do Projeto. Estas reuniões são úteis para a organização das ações, metas e responsabilidades com as diferentes entidades e organizações parceiras, e para o estabelecimento de um mecanismo regular de envolvimento e participação que gere compromisso de ações e facilite o monitoramento de seu cumprimento por meio de cronogramas factíveis e definição clara dos objetivos do projeto. Desta forma, nas reuniões com os parceiros são debatidos os principais temas e fases de um projeto de acessibilidade turística no município, tais como: • Análises diagnósticas da situação atual e das necessidades básicas visando a acessibilidade no município; • Planos e projetos para a acessibilidade, definindo-se as ações estratégicas e os investimentos mínimos necessários para o sucesso do projeto, suas metas, responsabilidades e prazos de exe- cução; • Informes de atualizações e manutenção do envolvimento e participação dos parceiros, por meio de uma análise crítica do cumprimento do cronograma de ações previstas e executadas; • Avaliação dos resultados alcançados pelas organizações parceiras do projeto em sua área de atuação a fim de se manter uma mesma linha de trabalho e a adoção da mesma metodologia por todos, garantindo desta forma o maior aproveitamento e absorção das ações realizadas; • Avaliação final das ações aplicadas pelas organizações e empresas parceiras do projeto, por meio de relatórios da conclusão das ações, inclusive para registro histórico das fases do Projeto. Durante a execução do projeto, deve-se estabelecer um grupo de monitoramento do planejamento visando acompanhar a eficiência na execução das atividades do projeto. Este monitoramento se dá por meio de visitas técnicas de trabalho com parceiros e prestadores de serviços para avaliação da situação em que se encontram as ações programadas, visitas estas que devem ser comunicadas com antecedência a todos os parceiros envolvidos. A metodologia participativa tem também como objetivo perpetuar as ações iniciadas como um pro- cesso contínuo de planejamento. Ações centralizadas por uma única organização correm risco de descontinuidade administrativa e dificuldades de execução e monitoramento diante de um conjunto complexo de ações que envolvem diferentes setores da sociedade local. 31
  • 33. 4.3 BuScAndo pARceRIAS e fInAncIAMenTo Na fase de planejamento, dois itens são fundamentais para o sucesso da promoção da acessibilidade nos destinos turísticos: as parcerias entre os agentes públicos e privados do turismo e a busca por financiamento para obras de adaptação nas instalações, no mobiliário urbano, na aquisição de equi- pamentos e para a qualificação de pessoal, entre outros itens. Em âmbito local, as parcerias de um projeto de acessibilidade no turismo devem envolver os agentes locais direta e indiretamente ligados ao turismo, tais como os órgãos da Prefeitura (Secretarias de Turismo, Planejamento, Cultura, Esportes, entre outras), a Comissões de Acessibilidade, associações de defesa dos interesses das pessoas com deficiência e empresas turísticas de demais serviços asso- ciados (individualmente ou por meio de associações de empresas turísticas e do comércio local). Estas parcerias iniciam-se pela formação da Comissão de Acessibilidade, preferencialmente por estí- mulo e condução da prefeitura. Neste agrupamento de interesses não somente as ações de planeja- mento e monitoramento são prioritárias, mas também assegurar um ambiente saudável de debates para a criação e fortalecimento de parcerias visando: • aproximar as visões sobre os objetivos gerais da proposta de acessibilidade; •reunir melhores condições para o financiamento de ações públicas e privadas para a acessibi- lidade (mapeamento da acessibilidade; cursos de qualificação etc.); •desenvolver e operar roteiros integrados beneficiando um conjunto de prestadores de servi- ços da cadeia turística. pARceIRoS do pRoJeTo ÓRgãoS púBLIcoS TeRceIRo SeToR InIcIATIvA pRIvAdA 32
  • 34. Além disso, o município deve buscar informações e conhecer os programas e ações desenvolvidos em âm- bito federal, em especial no Ministério do Turismo e na Secretaria Especial dos Direitos Humanos, que coordena o Programa Nacional de Acessibilidade. Este Programa pode contribuir para as seguintes ações: I - apoio e promoção de qualificação e especialização de recursos humanos em acessibilidade e ajudas técnicas; II - acompanhamento e aperfeiçoamento da legislação sobre acessibilidade; III - edição, publicação e distribuição de títulos referentes à temática da acessibilidade; IV - cooperação com Estados, Distrito Federal e Municípios para a elaboração de estudos e diag- nósticos sobre a situação da acessibilidade arquitetônica, urbanística, de transporte, comuni- cação e informação; V - apoio e realização de campanhas informativas e educativas sobre acessibilidade; VI - promoção de concursos nacionais sobre a temática da acessibilidade; e VII - estudos e proposição da criação e normatização do Selo Nacional de Acessibilidade. Uma alternativa para a municipalidade é buscar o apoio técnico de organizações não ligadas direta- mente às questões de acessibilidade, mas que contribuem em diferentes momentos do planejamen- to, tais como Universidades (especialmente na fase de mapeamento da acessibilidade), associações de engenheiros e arquitetos (para a execução e monitoramento de obras) e também bancos oficiais ou privados (como futuros agentes financiadores). Caso necessário, pode-se também recorrer à contratação de consultorias especializadas no assun- to, muitas das quais são organizações não-governamentais, que possuem corpo técnico especiali- zado para o desenvolvimento de um plano adequado à municipalidade, ou mesmo para contribuir na condução gerencial do projeto, visto que muitas frentes de trabalho ocorrem concomitante- mente. Para regiões turísticas organizadas em associações ou consórcios municipais, é importante observar a Lei Federal nº. 11.107/2005 de Consórcios Públicos, que permite a associação entre dois ou mais mu- nicípios para a solução de problemas comuns da região. As parcerias também são importantes para facilitar a obtenção de financiamentos para o projeto de acessibilidade, seja por meio da reunião de recursos próprios entre os agentes públicos e privados para pequenas obras e cursos de qualificação, seja para reunir melhores condições técnicas e fiduciá- rias para obtenção de financiamentos mais significativos. 33
  • 35. O município poderá obter financiamento nos bancos públicos, em linhas de crédito específicos ou não para turismo; ou em programas estaduais ou federais de apoio a projetos de estruturação de produtos turísticos ou de incentivo à mobilidade urbana e acessibilidade. oS ITenS fInAncIáveIS São: • Revitalização da infra-estrutura do sistema viário em áreas degradadas: pavimentação de vias, implantação ou manutenção das calçadas, guias e sarjetas e sinalização viária necessária, que viabilizem a mobilidade e acessibilidade universal da população com conforto e seguran- ça, incluindo, quando couber, a implantação de ciclovias ou ciclofaixas; • Pavimentação de sistemas viários prioritários (itinerários de transporte coletivo nos bair- ros periféricos): implantação de pavimento novo nas vias não pavimentadas que fazem parte dos itinerários dos serviços de transporte coletivo, devendo constar do projeto a im- plantação ou manutenção das calçadas, guias e sarjetas e a sinalização viária necessária que viabilizem a mobilidade e acessibilidade universal da população com conforto e segu- rança; •Recuperação do sistema viário degradado: implantação de serviços de manutenção (fresa e recape) nas vias que fazem parte do itinerário dos serviços de transporte coletivo, cujo pavi- mento necessita de recuperação, devendo constar do projeto a implantação ou manutenção das calçadas, guias e sarjetas e a sinalização viária necessária, que viabilizem a mobilidade e acessibilidade universal da população com conforto e segurança; •Implantação de terminais, estações de embarque/desembarque e abrigos para pontos de pa- rada: implantação de infra-estrutura para o transporte coletivo urbano, tais como terminais de transporte, estações de embarque/desembarque e abrigos para pontos de parada, devendo ser incluídos projetos de sinalização viária necessária, garantindo acessibilidade universal, bem como a implantação de bicicletários e paraciclos, onde couber; • Pavimentação/recuperação de estradas vicinais municipais: implantação ou recuperação de estradas vicinais municipais ligando os distritos à sede, devendo ser incluído projeto de sinali- zação viária necessária, que viabilize a mobilidade e acessibilidade universal da população com conforto e segurança. Para o setor privado, o Proger Turismo Investimento financia empresas do segmento turístico, com faturamento bruto anual de até R$ 5 milhões, para a reforma de suas instalações ou a compra de bens e equipamentos. O apoio financeiro para investimento ou investimento com capital de giro associado possui recursos do Fundo de Amparo do Trabalhador (FAT), a projetos turísticos que proporcionem a geração ou manutenção de emprego e renda nos segmentos turísticos definidos pelos Ministérios 34
  • 36. do Trabalho e Emprego e do Turismo. Informações sobre prazos e condições são disponibilizadas pe- los bancos públicos que operam as linhas de crédito, como o Banco do Brasil ou a Caixa Econômica Federal. Os financiamentos são destinados para empresários individuais ou pessoas jurídicas de direito priva- do do setor turístico legalmente estabelecidos e cadastrados no no sistema de cadastro dos prestado- res de serviços turísticos, o cAdASTur, gerenciado pelo Ministério do Turismo. Especificamente para a adaptação dos negócios à acessibilidade, as linhas de crédito podem atender às seguintes oportunidades de negócios: • Comércio varejista de artesanato e souvenires; • Estabelecimentos hoteleiros, com ou sem restaurantes, exceto motéis; • Alojamento turístico, camping e outros tipos de alojamentos; • Transporte rodoviário de passageiros, não urbano; • Serviços de locação de veículos; • Transportes regular de bondes, funiculares, teleféricos ou trens próprios para exploração de pontos turísticos; • Atividades de agência de viagens e organizadores de viagens; • Aluguel de automóveis; • Gestão de salas de espetáculos e centros de convenções; • Outras atividades relacionadas ao lazer - parques temáticos e aquáticos. Os itens indispensáveis ao funcionamento do empreendimento turístico que podem ser financiados são, entre outros: • Bens e serviços; • Construção civil (edificações comerciais novas) e reformas em edificações comerciais existentes; • Instalações comerciais (elétrica, hidráulica, vitrines, balcões, etc), depuradores de resíduos, máqui- nas e equipamentos novos ou usados com até cinco anos de uso - inclusive de origem estrangeira, já internalizados, móveis e utensílios; 35
  • 37. • Veículos de fabricação nacional, modelo básico, novos ou usados com até cinco anos de uso, desti- nados a utilização na atividade comercial do empreendimento financiado, compreendendo ônibus, microônibus, vans e jipe, pick-up e furgão de até 2.000 cc, reboque e semi-reboques, motocicleta de até 125 cc. Motoneta, triciclo e quadricíclo de até 175 cc; • Despesas de transporte e seguro das máquinas e equipamentos objetos do financiamento; • Recuperação, montagem, engenharia, supervisão, manutenção e aquisição de partes e peças de máquinas e equipamentos; • Gestão empresarial, sistemas de qualidade, qualificação e treinamento. O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) também possui linhas de crédito específicas para o turismo com o objetivo de financiar empreendimentos do setor nas localidades que apresentem potencial para esta atividade, contribuindo para o desenvolvimento e competitividade do setor no país. Os empreendimentos financiáveis são: • Meios de hospedagem (hotéis, resorts, pousadas e assemelhados, exceto hotel-residência); • Equipamentos e prédios históricos (igrejas, casas de cultura e museus); • Parques temáticos; teatros e anfiteatros; teleféricos; sítios históricos, ambientais e arqueológicos; • Centros de compras e de convenções; • Parques de exposições e rodeios; • Parques de estâncias climáticas, termais e hidrominerais; • Marinas que incluam a guarda de embarcações, prestação de serviços náuticos e serviços públicos básicos; • Infra-estrutura turística, como urbanização, estradas, ferrovias, terminais rodoviários e ferroviários, estações marítimas e de passageiros; • Escolas destinadas à qualificação de mão-de-obra para o setor; • Outros segmentos integrados ao turismo. 36
  • 38. Os itens financiáveis, associados ao projeto de investimentos são: • Gastos com obras civis (construção e reforma), materiais e instalações; • Equipamentos hoteleiros; • Máquinas e equipamentos nacionais (elevador, escada rolante, equipamentos para cozinha indus- trial, sistemas de refrigeração e de telefonia etc.); • Qualificação profissional e treinamento de mão-de-obra; • Informatização, incluindo a aquisição de equipamentos de processamento de dados e software; • Embarcações e ônibus de fabricação nacional, destinados ao transporte de turistas; • Desenvolvimento e implantação de sistemas para melhoria de qualidade e produtividade; • Outros investimentos fixos. O Fundo Geral de Turismo (Fungetur) é um fundo especial ligado ao turismo que objetiva a concessão de crédito para implantação, melhoria, conservação e manutenção de empreendimentos turísticos. Recentemente foi reformulado e hoje é operado em uma parceria do Ministério do Turismo com a Caixa Econômica Federal. Também podem ser acessadas por prestadores de serviços turísticos linhas de crédito não-específicas para turismo, de acordo com o porte da empresa. 4.4 eSTABeLecendo eSTRATégIAS de coMunIcAção Uma comunicação eficiente entre os parceiros e executores é uma das premissas para o alcance de maior eficiência do projeto e item obrigatoriamente presente em todas as suas fases. A comunicação é relevante tanto para assegurar a mobilização, envolvimento e participação de amplos setores envolvidos no tema turismo e acessibilidade, quanto para dirigir-se com eficiência junto aos mercados emissores de turistas. As dicas a seguir auxiliam os gestores dos projetos a desenvolver um mecanismo de comunicação eficiente e que otimize os resultados finais. fASe de MoBILIzAção e SenSIBILIzAção dA coMunIdAde • Realizar palestras com especialistas focadas em diferentes públicos: empresários, comunida- de local, técnicos dos órgãos públicos; • Publicar anúncios em jornais e rádios locais e distribuição de folheteria no comércio local e aos agentes turísticos acerca da importância do tema; 37
  • 39. • Manter um canal de comunicação permanente via telefone e e-mail, por meio de técnicos e profissionais previamente treinados para esclarecimentos e informações; • Manter um sítio eletrônico atualizado sobre o tema; • Promover eventos nos atrativos turísticos com empresários, gestores públicos e sociedade civil, convidando também pessoas com deficiência; • Realizar reuniões abertas à participação de quaisquer interessados para divulgar o início do projeto. fASe de pLAneJAMenTo e execução do pRoJeTo • Envolver especialistas em comunicação como parceiros importantes do projeto; • Manter uma comunicação eficiente com todos os parceiros por meio de boletins regulares, tanto em materiais impressos quanto por meio de sítios eletrônicos; • Comunicar amplamente o agendamento de reuniões técnicas da Comissão de Acessibilidade, assim como registrar e divulgar os resultados de cada uma delas; • Manter as ações planejadas no projeto em evidência na mídia impressa e em outros meios de comunicação, especialmente as rádios locais; • Elaborar informativos e releases para distribuição à mídia especializada, visando iniciar o processo de comercialização dos produtos turísticos acessíveis. fASe de fInALIzAção do pRoJeTo e InícIo dA dISTRIBuIção e coMeRcIALIzAção de pRoduToS e SeRvIçoS AceSSíveIS •Desenvolver um plano de marketing turístico, especialmente visando a promoção e distribui- ção dos roteiros, serviços e produtos de turismo acessível; • Manter um centro de visitantes com profissionais treinados para um receptivo eficiente e informativos em braille, tipos ampliados e outras formas de comunicação; • Elaborar folheteria para diferentes públicos – material promocional para agentes de viagens, fo- lheteria diversas para feiras e eventos de turismo, folheteria para comunicação direta com o visi- tante; • Manter um canal de comunicação eficiente via telefone, sítio eletrônico e e-mails. 4.5 ModeLo de pLAno de Ação com a orientação das cartilhas desta série será possível propor e debater um plano de ação visando a acessibilidade turística no município. O planejamento de ações no formato organizado facilita o entendimento global do projeto, os esforços para seu financiamento, esclarece sobre a participação dos diferentes atores envolvidos e permite monitorar suas diferentes fases. 38
  • 40. Cabe lembrar que o processo de planejamento é contínuo e que as ações estratégicas devem ser re- vistas, especialmente após a elaboração do mapeamento e diagnóstico da acessibilidade, quando as ações e investimentos necessários ficam melhor pontuados. A seguir, um modelo básico de plano. Ao mesmo tempo em que o plano disposto numa matriz organizada facilita sua execução e monito- ramento, o cronograma de trabalho permite aos gestores e parceiros do projeto estabelecer priorida- des de ações em função da disponibilidade de recursos e da sua capacidade de execução de tarefas simultâneas. Vale ressaltar que devem compor o projeto itens como introdução, objetivos, metas, metodologia e orçamento, além dos itens apresentados a seguir. pLAnILHA de AçÕeS do pRoJeTo Estratégia 1: Articulação e Parcerias Ação Prazo Responsáveis Custo Fontes de Financiamento Estratégia 2: Comunicação Ação Prazo Responsáveis Custo Fontes de Financiamento Estratégia 3: Obras no Mobiliário Urbano Ação Prazo Responsáveis Custo Fontes de Financiamento Estratégia 4: Desenvolvimento de Cursos de Qualificação Ação Prazo Responsáveis Custo Fontes de Financiamento 39
  • 41. Estratégia 5: Mapeamento e Diagnóstico da Acessibilidade Ação Prazo Responsáveis Custo Fontes de Financiamento Estratégia 6: Elaboração de Roteiros Acessíveis Ação Prazo Responsáveis Custo Fontes de Financiamento Estratégia 7: Promoção e Comercialização Ação Prazo Responsáveis Custo Fontes de Financiamento cRonogRAMA de execução Ação Responsáveis Mês 1 Mês 2 Mês 3 Descrever Descrever 40
  • 42. BIBLIogRAfIA 5 41
  • 43. RefeRêncIA BIBLIogRáfIcA AGUIRRE, Rafael Sanjuanbenito. Recreação E Turismo Para Todos. Rio de Janeiro: Educs, 2003 AMErIcAn ASSocIATIon on MEnTAL rETArdATIon. Retardo mental: definição, classificação e siste- mas de apoio. 10. Ed. Porto Alegre: Artmed, 2006. BRASIL. Coordenadoria Nacional para Integração da Pessoa Portadora de Deficiência. Acessibilidade. Brasília: Secretaria Especial dos direitos humanos, 2005. BrASIL. Ministério das cidades. Programa Brasileiro de Acessibilidade Urbana Brasil Acessível – Aten- dimento Adequado às Pessoas com Deficiência e Restrição de Mobilidade. Brasília, 2005 BrASIL. Ministério do Turismo. Turismo e acessibilidade: Manual de Orientações. Brasília, 2006. cAPoVILLA, F. c., rAPhAEL, W. d. Dicionário Enciclopédico Ilustrado Trilingüe da Língua de Sinais Brasileira. São Paulo: Edusp, 2001. dIAS, r. Sociologia do Turismo. São Paulo: Atlas, 2003. FErnAndES, E. Problemas lingüísticos e cognitivos do surdo.Rio de Janeiro: Agir, 1990. FErrEIrA, L. Por uma gramática das línguas de sinais. São Paulo: Tempo Brasileiro, UFRJ, 1993. FUNDAÇÃO VANZOLINI - Certificação pela NBR 9050:2004 - acessibilidade a edificações, mobiliário, espaços e equipamentos urbanos - Informações básicas para clientes. disponível em http://www. vanzolini.org.br/areas/certificacao/construquali/nbr9050/infobas-nbr9050-fcav.pdf hELEn KELLEr nATIonAL cEnTEr – noVA yorK. Comunicando com uma pessoa Surdocega (tradução de folheto). IBgE. Censo Demográfico. nErI, Marcelo. Retratos da Deficiência no Brasil. FGV, Rio de Janeiro, vol. 1, 2003. oMT. Introdução ao turismo. São Paulo: roca, 2001. PRADO, Adriana de Almeida; BARBOSA, Maria Beatriz. Oficina de Trabalho: o Direito de ir e vir – Acessibilidade nas Viagens Interestaduais. Salvador, 2004. 42
  • 44. QuAdroS, r.M. O tradutor e intérprete de língua brasileira de sinais e Língua Portuguesa. Brasilia: MEC-SEESP, 2004. SAcKS, o.W. Vendo vozes: uma viagem ao mundo dos surdos. Tradução Laura Teixeira Motta. São Paulo: companhia das Letras, 2002. SASSAKI, r. K. Como chamar as pessoas que têm deficiência? disponível em http://sivc.saci.org.br/ files/chamar.pdf SASSAKI, r. K. Inclusão no lazer e turismo em busca da qualidade de vida. São Paulo: áurea, 2003. SocIEdAdE BrASILEIrA dE oToLogIA. Campanha da Saúde Auditiva – Perda Auditiva - Dicas para comunicação com deficientes auditivos. disponível em http://www.saudeauditiva.org.br/imprensa/ imprensa_releases_detalhe.asp?id=8 VygoTSKy, L.S. Pensamento e Linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 1996. LegISLAção Lei nº 8.078, de 11 de setembro de 1990 – Dispõe sobre a Proteção do Consumidor e dá outras Provi- dências. Decreto nº 5.296, de 2 de Dezembro de 2004 – regulamenta a Lei nº 10.048, de 8 de novembro de 2000, que dá prioridade de atendimento às pessoas que especifica, e a Lei 10.098, de 19 de dezembro de 2000, que estabelece normas gerais e critérios básicos para a promoção da acessibilidade das pes- soas portadoras de deficiência ou com mobilidade reduzida, e dá outras providências. Lei Federal nº 11.079, de 30 de dezembro de 2004 – Dispõe sobre as Parcerias Público-Privadas. Lei Federal nº 11.107, de 6 de abril de 2005 - Dispõe sobre contratação de Consórcios Públicos. Lei do Turismo – Lei Federal nº 11.771, de 17 de setembro de 2008 – Dispõe sobre a Política Nacional de Turismo, define as atribuições do Governo Federal no planejamento, desenvolvimento e estímulo ao setor turístico; revoga a Lei no 6.505, de 13 de dezembro de 1977, o Decreto-Lei no 2.294, de 21 de no- vembro de 1986, e dispositivos da Lei no 8.181, de 28 de março de 1991; e dá outras providências. 43
  • 45. RefeRêncIA noRMATIvA ABNT NBR 9050:2004 - Acessibilidade a edificações, mobiliário, espaços e equipamentos urbanos. RefeRêncIAS ATRAvéS de SITeS • www.abnt.org.br • www.bb.com.br • www.bndes.gov.br • www.caixa.gov.br • www.cc.msnscache.com • www.cedipod.org.br • www.cidades.gov.br • www.cvi.org.br • www.educ.fc.ul.pt • www.entreamigos.com.br • www.entreamigos.com.br • www.feneis.com.br • www.fundacaodorina.org.br • www.iape.org.br • www.ibc.gov.br • www.info-handicap.lu • www.laramara.org.br • www.lerparaver.com • www.mj.gov.br/sedh/ct/corde/ • www.planalto.gov.br • www.presidencia.gov.br/cndi • www.presidencia.gov.br/sedh/conade • www.presidencia.gov.br/sedh/cord • www.sarah.br • www.seed.pr.gov.br 44
  • 46. www.todosnos.unicamp.br • www.turismo.gov.br • www.turismo.gov.br • www.wikipedia.org • www6.senado.gov.br/sicon/ 45
  • 47.