SlideShare uma empresa Scribd logo
Prof. Glauco Corrêa de Queiróz
Senac-Zahran / Campo Grande-MS
O Brasil possui atualmente 12.904.523 (Doze Milhões, Novecentos e Quatro Mil, Quinhentos
e Vinte e Três) empreendimentos, incluindo seus estabelecimentos matriz e filiais.
Destes, 11.663.454 são de empresas e empreendimentos privados (90%), 1.144.081 de
entidades privadas sem fins lucrativos (9%), e 96.988 de entidades públicas governamentais
(1%).
O Setor de Serviços é o que mais possui empreendimentos, com 43,91% do total, seguido
pelo comércio, com 42,07%, Indústria com 7,16%, Agronegócio com 4,72%, Setor Financeiro
com 1,38% e Serviços Públicos com 0,75% do total dos estabelecimentos.
O Subsetor com mais empreendimentos é o Comércio Varejista, com 32,60% do total,
seguido de Serviços Diversos com 13,13% e Turismo, Lazer, Esportes e Serviços Especializados
com 9,16%.
A atividade com maior número de empreendimentos é o Comércio Varejista de Artigos do
Vestuário e Acessórios com 6,22% do total, seguida da atividade de Comércio Varejista de
Mercadorias (Minimercados, Mercearias e Armazéns) com 3,78% do total e Lanchonetes,
Casas de Chá, Sucos e Similares com 2,72%.
Fonte: IBPT (Instituto Brasileiro de Planejamento e Tributação)
Tributação
• Importante decisão tributária deve ser efetivada, anualmente, pelos
administradores empresariais, relativamente às opções: Lucro Real, Lucro
Presumido ou Simples Nacional.
• Como a legislação não permite mudança de sistemática no mesmo exercício, a
opção por uma das modalidades será definitiva. Se a decisão for equivocada, ela
terá efeito no ano todo.
• A opção é definida no primeiro pagamento do imposto (que normalmente é
recolhido em fevereiro de cada ano), ou, no caso das optantes pelo Simples
Nacional, por opção até o último dia útil de janeiro.
• A apuração do Imposto de Renda da Pessoa Jurídica (IRPJ) e da Contribuição Social
Sobre o Lucro Líquido (CSLL) pode ser feita de três formas:
• 1. Lucro Real (apuração anual ou trimestral);
• 2. Lucro Presumido e
• 3. Simples Nacional (opção exclusiva para Microempresas e Empresas de Pequeno
Porte).
Regimes de tributação
Lucro Real
• Tributação incidente quando o lucro for maior do que R$
78 milhões anuais ou R$ 6,5 milhões de Reais mensais;
• As empresas devem ter escrituração contábil rigorosa,
pois a tributação incide no faturamento mensal ou
trimestral da companhia;
• No Lucro Real Anual a empresa deve antecipar os tributos mensalmente,
com base no faturamento mensal, sobre o qual aplicam-se percentuais
predeterminados, de acordo com o enquadramento das atividades, para
obter uma margem de lucro estimada (estimativa), sobre a qual recai o
IRPJ e a CSLL, de forma semelhante ao Lucro Presumido.
• Nesta opção, há, ainda, a possibilidade de levantar balanços ou balancetes
mensais, reduzindo ou suspendendo-se o recolhimento do IRPJ e da CSLL,
caso demonstre-se que o lucro real efetivo é menor do que aquele
estimado ou que a pessoa jurídica está operando com prejuízo fiscal.
•
• No final do ano, a pessoa jurídica levanta o balanço anual e apura o lucro
real do exercício, calculando em definitivo o IRPJ e a CSLL e descontando
as antecipações realizadas mensalmente. Em alguns casos,
eventualmente, as antecipações podem ser superiores aos tributos
devidos, ocasionando um crédito em favor do contribuinte.
Lucro Real
Lucro Presumido
• Tributação incidente quando o lucro for menor ou igual
do que R$ 78 milhões anuais ou R$ 6,5 milhões de Reais
mensais;
• As empresas devem ter escrituração contábil rigorosa,
pois a tributação incide no faturamento mensal ou
trimestral da companhia;
Lucro Presumido
O IRPJ e a CSLL pelo Lucro Presumido são apurados trimestralmente.
A alíquota de cada tributo (15% ou 25% de IRPJ e 9% da CSLL) incide sobre as receitas com
base em percentual de presunção variável (1,6% a 32% do faturamento, dependendo da
atividade).
Este percentual deriva da presunção de uma margem de lucro para cada atividade (daí a
expressão Lucro Presumido) e é predeterminado pela legislação tributária.
Há alguns tipos de receita que são acrescidas integralmente ao resultado tributável, como
os ganhos de capital e as receitas de aplicações financeiras.
Destaque-se, no entanto, que nem todas empresas podem optar pelo lucro presumido,
pois há restrições relativas ao objeto social e o faturamento.
Lucro Presumido
O limite da receita bruta para poder optar pelo lucro presumido, a partir de 2014, é de até
R$ 78 milhões da receita bruta total, no ano-calendário anterior.
Esta modalidade de tributação pode ser vantajosa para empresas com margens de
lucratividade superior a presumida, podendo, inclusive, servir como instrumento de
planejamento tributário. Empresas que possuam boa margem de lucro podem, respeitados
eventuais impedimentos, utilizar-se do Lucro Presumido, por exemplo: determinada
empresa comercial possui uma margem de lucro efetivo de 15%, no entanto a
administração observou que optando pelo Lucro Presumido a referida margem, para fins
tributários, estaria fixada em 8%, demonstrando que este regime seria o mais interessante
para este caso concreto.
Outra análise a ser feita é que as empresas tributadas pelo Lucro Presumido não podem
aproveitar os créditos do PIS e da COFINS, por estarem fora do sistema não cumulativo, no
entanto recolhem com alíquotas mais baixas.
Portanto, a análise do regime deve ser realizada considerando a repercussão no IRPJ, na
CSLL, no PIS e na COFINS.
Simples Nacional
• Tributação incidente quando o lucro for menor ou igual
no caso da microempresa, faturar, em cada ano-calendário,
receita bruta igual ou inferior a R$ 360.000,00 (trezentos e
sessenta mil reais) e no caso da empresa de pequeno
porte, faturar, em cada ano-calendário, receita bruta
superior a R$ 360.000,00 (trezentos e sessenta mil reais) e
igual ou inferior a R$ 3.600.000,00 (três milhões e
seiscentos mil reais).
• As empresas devem ter escrituração contábil rigorosa,
pois a tributação incidirá caso passe o valor faturado anual
da companhia;
Simples Nacional
Contexto
Está em trâmite na Câmara dos Deputados agora em 2016, o Projeto de Lei Complementar
(PLP) 448/14 que institui novos limites de faturamento para micro e pequenas empresas do
Simples Nacional. A proposta é aumentar em 400% o limite de R$ 3,6 milhões de
faturamento ao ano para R$ 14,4.
Completando 10 anos em 2016, o Simples Nacional (também conhecido como Super
Simples) foi um marco para o empreendedorismo no Brasil, e sua revisão é fundamental
para ampliar o acesso ao programa e desafogar empreendedores que contribuem, hoje,
com uma carga de impostos alta.
A aparente simplicidade do regime do Simples Nacional e a possibilidade de economia no
pagamento dos vários tributos são os grandes atrativos para as pequenas empresas.
Entretanto, há restrições legais para opção além do limite de receita bruta anual.
Apesar da abrangência do Simples incluir, a partir de 2015, atividades de serviços
profissionais (como clínicas médicas, corretores e outras profissões liberais) - as alíquotas de
incidência previstas para serviços são muito elevadas. As empresas de serviços que não
tenham ou tenham poucos empregados poderão vir a ser oneradas se optarem por este
regime.
Há questões que exigem análise detalhada, como a ausência de créditos do IPI e sublimites
estaduais para recolhimento do ICMS. Outro detalhe do Simples Nacional é que as alíquotas
são progressivas, podendo ser, nas faixas superiores de receita, especialmente para
empresas de serviços, mais onerosas para do que os regimes de Lucro Real ou Presumido.
Observe-se, também, que determinadas atividades exigem o pagamento, além do
percentual sobre a receita, do INSS sobre a folha.
Diante destes fatos, o melhor é comparar as opções do Lucro Real e Presumido, antes de
optar pelo Simples Nacional.
Simples Nacional
Quem não pode entrar no SIMPLES?
• Empresa cujo sócio seja administrador de outra empresa que tem
faturamento de até R$ 3,6 (Faturamento limite do simples);
• Quem tem capital pertencente a outra pessoa jurídica;
• Sócio com participação em outra empresa do SIMPLES cujo os
faturamentos somados sejam superiores a R$ 3,6 mi;
• Se o responsável de uma empresa for acionista ou sócio com cota
acima de 10% e o faturamento for superior a R$ 3,6 mi;
Atividade em grupo
• Dividir a sala em 3 grupos.
•Cada grupo irá pesquisar uma modalidade de enquadramento.
•Irá pesquisar, e apresentar uma empresa qual esta enquadrada em
determinada modalidade, informar as taxas e impostos que cada
modalidade recolhe.
•Entregar em power point
•Entrega dia ?
Até a próxima aula!!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Rácios financeiros e económicos
Rácios financeiros e económicosRácios financeiros e económicos
Rácios financeiros e económicos
Universidade Pedagogica
 
DRE - Demonstração do Resultado do Exercício
DRE - Demonstração  do Resultado do ExercícioDRE - Demonstração  do Resultado do Exercício
DRE - Demonstração do Resultado do Exercício
Wandick Rocha de Aquino
 
60 Exercícios Resolvidos de Administração Financeira para Concursos
60 Exercícios Resolvidos de Administração Financeira para Concursos60 Exercícios Resolvidos de Administração Financeira para Concursos
60 Exercícios Resolvidos de Administração Financeira para Concursos
Milton Henrique do Couto Neto
 
Analise das demonstrações financeiras
Analise das demonstrações financeirasAnalise das demonstrações financeiras
Analise das demonstrações financeiras
belyalmeida
 
Gestão Financeira
Gestão FinanceiraGestão Financeira
Gestão Financeira
Cadernos PPT
 
Contabilidade Básica
Contabilidade BásicaContabilidade Básica
Contabilidade Básica
André Faria Gomes
 
Aulas de Custos (Tributos e Impostos)
Aulas de Custos (Tributos e Impostos)Aulas de Custos (Tributos e Impostos)
Aulas de Custos (Tributos e Impostos)
Adriano Bruni
 
Apuramento do custo de produto (ggf)
Apuramento do custo de produto (ggf)Apuramento do custo de produto (ggf)
Apuramento do custo de produto (ggf)
Universidade Pedagogica
 
Cap 13 formação do preço de venda e do lucro
Cap 13 formação do preço de venda e do lucroCap 13 formação do preço de venda e do lucro
Cap 13 formação do preço de venda e do lucro
PROFESSORA_LIVIA
 
Contabilidade de Custos - Classificação dos Custos - Parte 2
Contabilidade de Custos - Classificação dos Custos - Parte 2Contabilidade de Custos - Classificação dos Custos - Parte 2
Contabilidade de Custos - Classificação dos Custos - Parte 2
Diego Lopes
 
Estrutura dre
Estrutura dreEstrutura dre
Estrutura dre
simuladocontabil
 
Formação de preço
Formação de preçoFormação de preço
Formação de preço
Carlos Rocha
 
Custos metodos de custeio
Custos metodos de custeioCustos metodos de custeio
Custos metodos de custeio
custos contabil
 
Lucro Real
Lucro RealLucro Real
Entendendo Custos, Despesas e Formação do Preço de Venda
Entendendo Custos, Despesas e Formação do Preço de VendaEntendendo Custos, Despesas e Formação do Preço de Venda
Entendendo Custos, Despesas e Formação do Preço de Venda
Wandick Rocha de Aquino
 
Aula 4-analise-vertical-e-horizontal
Aula 4-analise-vertical-e-horizontalAula 4-analise-vertical-e-horizontal
Aula 4-analise-vertical-e-horizontal
Reginaldo Santana
 
Formação de preços e vendas
Formação de preços e vendasFormação de preços e vendas
Exercicios resolvidos contabilidade aula 03
Exercicios resolvidos contabilidade   aula 03Exercicios resolvidos contabilidade   aula 03
Exercicios resolvidos contabilidade aula 03
contacontabil
 
1ª Lista de exercício de administração financeira completa com respostas
1ª Lista de exercício de administração financeira completa com respostas1ª Lista de exercício de administração financeira completa com respostas
1ª Lista de exercício de administração financeira completa com respostas
Felipe Pontes
 
Sistemas de custeio nas empresas.Pdf
Sistemas de custeio nas empresas.Pdf Sistemas de custeio nas empresas.Pdf
Sistemas de custeio nas empresas.Pdf
RichardSariaZacarias
 

Mais procurados (20)

Rácios financeiros e económicos
Rácios financeiros e económicosRácios financeiros e económicos
Rácios financeiros e económicos
 
DRE - Demonstração do Resultado do Exercício
DRE - Demonstração  do Resultado do ExercícioDRE - Demonstração  do Resultado do Exercício
DRE - Demonstração do Resultado do Exercício
 
60 Exercícios Resolvidos de Administração Financeira para Concursos
60 Exercícios Resolvidos de Administração Financeira para Concursos60 Exercícios Resolvidos de Administração Financeira para Concursos
60 Exercícios Resolvidos de Administração Financeira para Concursos
 
Analise das demonstrações financeiras
Analise das demonstrações financeirasAnalise das demonstrações financeiras
Analise das demonstrações financeiras
 
Gestão Financeira
Gestão FinanceiraGestão Financeira
Gestão Financeira
 
Contabilidade Básica
Contabilidade BásicaContabilidade Básica
Contabilidade Básica
 
Aulas de Custos (Tributos e Impostos)
Aulas de Custos (Tributos e Impostos)Aulas de Custos (Tributos e Impostos)
Aulas de Custos (Tributos e Impostos)
 
Apuramento do custo de produto (ggf)
Apuramento do custo de produto (ggf)Apuramento do custo de produto (ggf)
Apuramento do custo de produto (ggf)
 
Cap 13 formação do preço de venda e do lucro
Cap 13 formação do preço de venda e do lucroCap 13 formação do preço de venda e do lucro
Cap 13 formação do preço de venda e do lucro
 
Contabilidade de Custos - Classificação dos Custos - Parte 2
Contabilidade de Custos - Classificação dos Custos - Parte 2Contabilidade de Custos - Classificação dos Custos - Parte 2
Contabilidade de Custos - Classificação dos Custos - Parte 2
 
Estrutura dre
Estrutura dreEstrutura dre
Estrutura dre
 
Formação de preço
Formação de preçoFormação de preço
Formação de preço
 
Custos metodos de custeio
Custos metodos de custeioCustos metodos de custeio
Custos metodos de custeio
 
Lucro Real
Lucro RealLucro Real
Lucro Real
 
Entendendo Custos, Despesas e Formação do Preço de Venda
Entendendo Custos, Despesas e Formação do Preço de VendaEntendendo Custos, Despesas e Formação do Preço de Venda
Entendendo Custos, Despesas e Formação do Preço de Venda
 
Aula 4-analise-vertical-e-horizontal
Aula 4-analise-vertical-e-horizontalAula 4-analise-vertical-e-horizontal
Aula 4-analise-vertical-e-horizontal
 
Formação de preços e vendas
Formação de preços e vendasFormação de preços e vendas
Formação de preços e vendas
 
Exercicios resolvidos contabilidade aula 03
Exercicios resolvidos contabilidade   aula 03Exercicios resolvidos contabilidade   aula 03
Exercicios resolvidos contabilidade aula 03
 
1ª Lista de exercício de administração financeira completa com respostas
1ª Lista de exercício de administração financeira completa com respostas1ª Lista de exercício de administração financeira completa com respostas
1ª Lista de exercício de administração financeira completa com respostas
 
Sistemas de custeio nas empresas.Pdf
Sistemas de custeio nas empresas.Pdf Sistemas de custeio nas empresas.Pdf
Sistemas de custeio nas empresas.Pdf
 

Destaque

Lucro presumido legislação e apuração
Lucro presumido legislação e apuraçãoLucro presumido legislação e apuração
Lucro presumido legislação e apuração
Bruno_fbrandao
 
Lucro presumido
Lucro presumidoLucro presumido
Lucro presumido
apostilacontabil
 
Trabalho top. iii lucro presumido
Trabalho top. iii lucro presumidoTrabalho top. iii lucro presumido
Trabalho top. iii lucro presumido
Antonio Bezerra ON
 
Lucro real legislação e apuração
Lucro real legislação e apuraçãoLucro real legislação e apuração
Lucro real legislação e apuração
Bruno_fbrandao
 
Planejamento tributario para_empreendedores
Planejamento tributario para_empreendedoresPlanejamento tributario para_empreendedores
Planejamento tributario para_empreendedores
Marcelino Fernandes
 
63094155 lucro-real-teoria-pratica
63094155 lucro-real-teoria-pratica63094155 lucro-real-teoria-pratica
63094155 lucro-real-teoria-pratica
Janielle Alves
 
Gestão tributária aplicável às microempresas (me) e empresas de pequeno porte...
Gestão tributária aplicável às microempresas (me) e empresas de pequeno porte...Gestão tributária aplicável às microempresas (me) e empresas de pequeno porte...
Gestão tributária aplicável às microempresas (me) e empresas de pequeno porte...
berbone
 
Emenda Constitucional nº 87/2015
Emenda Constitucional nº 87/2015Emenda Constitucional nº 87/2015
Emenda Constitucional nº 87/2015
Pactum Consultoria Empresarial
 
Emenda Constitucional 87/2015 - Adequações paulistas à nova legislação do ICMS
Emenda Constitucional 87/2015 - Adequações paulistas à nova legislação do ICMSEmenda Constitucional 87/2015 - Adequações paulistas à nova legislação do ICMS
Emenda Constitucional 87/2015 - Adequações paulistas à nova legislação do ICMS
Edgar Gonçalves
 
SEDIF-SN - SPED do Simples Nacional
SEDIF-SN - SPED do Simples NacionalSEDIF-SN - SPED do Simples Nacional
SEDIF-SN - SPED do Simples Nacional
Jose Adriano Pinto
 
Apresentação novo simples nacional
Apresentação novo simples nacionalApresentação novo simples nacional
Apresentação novo simples nacional
Fabio Moura
 
A Escolha Da Modalidade De TributaçãO E Economia TributáRia
A Escolha Da Modalidade De TributaçãO E Economia TributáRiaA Escolha Da Modalidade De TributaçãO E Economia TributáRia
A Escolha Da Modalidade De TributaçãO E Economia TributáRia
Rafhael Sena
 
Modelo simples para descrição do funcionamento de interfaces eletrônicas/di...
Modelo simples para descrição do funcionamento de interfaces eletrônicas/di...Modelo simples para descrição do funcionamento de interfaces eletrônicas/di...
Modelo simples para descrição do funcionamento de interfaces eletrônicas/di...
Rodrigo Freese Gonzatto
 
curso basico_simples_nacional
curso basico_simples_nacionalcurso basico_simples_nacional
curso basico_simples_nacional
Marcus Oliveira
 
SIMPLES NACIONAL: Alterações promovidas pela Lei Complementar 147/2014
SIMPLES NACIONAL: Alterações promovidas pela Lei Complementar 147/2014SIMPLES NACIONAL: Alterações promovidas pela Lei Complementar 147/2014
SIMPLES NACIONAL: Alterações promovidas pela Lei Complementar 147/2014
Fabio Rodrigues de Oliveira
 
Como Abrir uma Empresa Simples
Como Abrir uma Empresa SimplesComo Abrir uma Empresa Simples
Como Abrir uma Empresa Simples
Érico Machado
 
PLANEJ. CONTABIL TRIBUTARIO
PLANEJ. CONTABIL TRIBUTARIOPLANEJ. CONTABIL TRIBUTARIO
PLANEJ. CONTABIL TRIBUTARIO
Michelle Moraes
 
APRESENTAÇÃO - MEI DECLARAÇÃO ANUAL
APRESENTAÇÃO - MEI DECLARAÇÃO ANUALAPRESENTAÇÃO - MEI DECLARAÇÃO ANUAL
APRESENTAÇÃO - MEI DECLARAÇÃO ANUAL
INSTITUTO VOZ POPULAR
 
Simples nacional
Simples nacionalSimples nacional
Simples nacional
Helenvitoria
 
Finanças para gestores de rh
Finanças para gestores de rhFinanças para gestores de rh
Finanças para gestores de rh
Karla Carioca
 

Destaque (20)

Lucro presumido legislação e apuração
Lucro presumido legislação e apuraçãoLucro presumido legislação e apuração
Lucro presumido legislação e apuração
 
Lucro presumido
Lucro presumidoLucro presumido
Lucro presumido
 
Trabalho top. iii lucro presumido
Trabalho top. iii lucro presumidoTrabalho top. iii lucro presumido
Trabalho top. iii lucro presumido
 
Lucro real legislação e apuração
Lucro real legislação e apuraçãoLucro real legislação e apuração
Lucro real legislação e apuração
 
Planejamento tributario para_empreendedores
Planejamento tributario para_empreendedoresPlanejamento tributario para_empreendedores
Planejamento tributario para_empreendedores
 
63094155 lucro-real-teoria-pratica
63094155 lucro-real-teoria-pratica63094155 lucro-real-teoria-pratica
63094155 lucro-real-teoria-pratica
 
Gestão tributária aplicável às microempresas (me) e empresas de pequeno porte...
Gestão tributária aplicável às microempresas (me) e empresas de pequeno porte...Gestão tributária aplicável às microempresas (me) e empresas de pequeno porte...
Gestão tributária aplicável às microempresas (me) e empresas de pequeno porte...
 
Emenda Constitucional nº 87/2015
Emenda Constitucional nº 87/2015Emenda Constitucional nº 87/2015
Emenda Constitucional nº 87/2015
 
Emenda Constitucional 87/2015 - Adequações paulistas à nova legislação do ICMS
Emenda Constitucional 87/2015 - Adequações paulistas à nova legislação do ICMSEmenda Constitucional 87/2015 - Adequações paulistas à nova legislação do ICMS
Emenda Constitucional 87/2015 - Adequações paulistas à nova legislação do ICMS
 
SEDIF-SN - SPED do Simples Nacional
SEDIF-SN - SPED do Simples NacionalSEDIF-SN - SPED do Simples Nacional
SEDIF-SN - SPED do Simples Nacional
 
Apresentação novo simples nacional
Apresentação novo simples nacionalApresentação novo simples nacional
Apresentação novo simples nacional
 
A Escolha Da Modalidade De TributaçãO E Economia TributáRia
A Escolha Da Modalidade De TributaçãO E Economia TributáRiaA Escolha Da Modalidade De TributaçãO E Economia TributáRia
A Escolha Da Modalidade De TributaçãO E Economia TributáRia
 
Modelo simples para descrição do funcionamento de interfaces eletrônicas/di...
Modelo simples para descrição do funcionamento de interfaces eletrônicas/di...Modelo simples para descrição do funcionamento de interfaces eletrônicas/di...
Modelo simples para descrição do funcionamento de interfaces eletrônicas/di...
 
curso basico_simples_nacional
curso basico_simples_nacionalcurso basico_simples_nacional
curso basico_simples_nacional
 
SIMPLES NACIONAL: Alterações promovidas pela Lei Complementar 147/2014
SIMPLES NACIONAL: Alterações promovidas pela Lei Complementar 147/2014SIMPLES NACIONAL: Alterações promovidas pela Lei Complementar 147/2014
SIMPLES NACIONAL: Alterações promovidas pela Lei Complementar 147/2014
 
Como Abrir uma Empresa Simples
Como Abrir uma Empresa SimplesComo Abrir uma Empresa Simples
Como Abrir uma Empresa Simples
 
PLANEJ. CONTABIL TRIBUTARIO
PLANEJ. CONTABIL TRIBUTARIOPLANEJ. CONTABIL TRIBUTARIO
PLANEJ. CONTABIL TRIBUTARIO
 
APRESENTAÇÃO - MEI DECLARAÇÃO ANUAL
APRESENTAÇÃO - MEI DECLARAÇÃO ANUALAPRESENTAÇÃO - MEI DECLARAÇÃO ANUAL
APRESENTAÇÃO - MEI DECLARAÇÃO ANUAL
 
Simples nacional
Simples nacionalSimples nacional
Simples nacional
 
Finanças para gestores de rh
Finanças para gestores de rhFinanças para gestores de rh
Finanças para gestores de rh
 

Semelhante a Tributação lucro real lucro presumido simples nacional

Regimes de tributação
Regimes de tributaçãoRegimes de tributação
Regimes de tributação
William Ribeiro
 
A Escolha Da Modalidade De TributaçãO como forma de Economia TributáRia
A Escolha Da Modalidade De TributaçãO como forma de Economia TributáRiaA Escolha Da Modalidade De TributaçãO como forma de Economia TributáRia
A Escolha Da Modalidade De TributaçãO como forma de Economia TributáRia
Rafhael Sena
 
TÉCNICO EM LOGÍSTICA - LOGÍSTICA FISCAL.pptx
TÉCNICO EM LOGÍSTICA - LOGÍSTICA FISCAL.pptxTÉCNICO EM LOGÍSTICA - LOGÍSTICA FISCAL.pptx
TÉCNICO EM LOGÍSTICA - LOGÍSTICA FISCAL.pptx
Ederronio Mederos
 
A escolha da modalidade de tributação e economia tributária
A escolha da modalidade de tributação e economia tributáriaA escolha da modalidade de tributação e economia tributária
A escolha da modalidade de tributação e economia tributária
Rafhael Sena
 
Lucro presumido - legislação empresarial
Lucro presumido - legislação empresarial Lucro presumido - legislação empresarial
Lucro presumido - legislação empresarial
MarianaSantos561
 
Artigo 06 simples nacional
Artigo 06   simples nacionalArtigo 06   simples nacional
Artigo 06 simples nacional
C Ed C Ed
 
Guia Simples Nacional.pdf
Guia Simples Nacional.pdfGuia Simples Nacional.pdf
Guia Simples Nacional.pdf
JeffersonDanzer1
 
Simples[1]
Simples[1]Simples[1]
Simples[1]
Davi Jabes Lobo
 
2050 sebraemg-palestras sebrae-mg - lei geral os novos benefícios da lei geral
2050 sebraemg-palestras sebrae-mg - lei geral os novos benefícios da lei geral2050 sebraemg-palestras sebrae-mg - lei geral os novos benefícios da lei geral
2050 sebraemg-palestras sebrae-mg - lei geral os novos benefícios da lei geral
zairazaira
 
Tributação para clínicas odontológicas
Tributação para clínicas odontológicasTributação para clínicas odontológicas
Tributação para clínicas odontológicas
Senior Consultoria em Gestão e Marketing
 
Perguntas e respostas
Perguntas e respostasPerguntas e respostas
Perguntas e respostas
razonetecontabil
 
E-Book Grátis Palestra Simples Nacional
E-Book Grátis Palestra Simples NacionalE-Book Grátis Palestra Simples Nacional
E-Book Grátis Palestra Simples Nacional
Carlos Rocha
 
Livros Fiscais e IRPJ.pptx
Livros Fiscais e IRPJ.pptxLivros Fiscais e IRPJ.pptx
Livros Fiscais e IRPJ.pptx
Carla Dimarães
 
Agosto e setembro 2016
Agosto e setembro 2016Agosto e setembro 2016
Agosto e setembro 2016
Aportesol
 
Apresentação em slides Trabalho Acadêmico Simples Nacional
Apresentação em slides Trabalho Acadêmico Simples NacionalApresentação em slides Trabalho Acadêmico Simples Nacional
Apresentação em slides Trabalho Acadêmico Simples Nacional
ERICK THALIS SANTOS PINTO
 
Aula 3
Aula 3Aula 3
Lucro real - Aprenda como calcular este imposto
Lucro real - Aprenda como calcular este impostoLucro real - Aprenda como calcular este imposto
Lucro real - Aprenda como calcular este imposto
LuizGustavoPereiraGo1
 
Super Simples: o que ele tem a ver com você - corretor de imóveis
Super Simples: o que ele tem a ver com você - corretor de imóveisSuper Simples: o que ele tem a ver com você - corretor de imóveis
Super Simples: o que ele tem a ver com você - corretor de imóveis
UnionSoftwares
 
Contabilidade gerencial prof
Contabilidade gerencial  profContabilidade gerencial  prof
Contabilidade gerencial prof
simuladocontabil
 
O simples nacional provoca o recolhimento de tributos sobre a renda nas micro...
O simples nacional provoca o recolhimento de tributos sobre a renda nas micro...O simples nacional provoca o recolhimento de tributos sobre a renda nas micro...
O simples nacional provoca o recolhimento de tributos sobre a renda nas micro...
berbone
 

Semelhante a Tributação lucro real lucro presumido simples nacional (20)

Regimes de tributação
Regimes de tributaçãoRegimes de tributação
Regimes de tributação
 
A Escolha Da Modalidade De TributaçãO como forma de Economia TributáRia
A Escolha Da Modalidade De TributaçãO como forma de Economia TributáRiaA Escolha Da Modalidade De TributaçãO como forma de Economia TributáRia
A Escolha Da Modalidade De TributaçãO como forma de Economia TributáRia
 
TÉCNICO EM LOGÍSTICA - LOGÍSTICA FISCAL.pptx
TÉCNICO EM LOGÍSTICA - LOGÍSTICA FISCAL.pptxTÉCNICO EM LOGÍSTICA - LOGÍSTICA FISCAL.pptx
TÉCNICO EM LOGÍSTICA - LOGÍSTICA FISCAL.pptx
 
A escolha da modalidade de tributação e economia tributária
A escolha da modalidade de tributação e economia tributáriaA escolha da modalidade de tributação e economia tributária
A escolha da modalidade de tributação e economia tributária
 
Lucro presumido - legislação empresarial
Lucro presumido - legislação empresarial Lucro presumido - legislação empresarial
Lucro presumido - legislação empresarial
 
Artigo 06 simples nacional
Artigo 06   simples nacionalArtigo 06   simples nacional
Artigo 06 simples nacional
 
Guia Simples Nacional.pdf
Guia Simples Nacional.pdfGuia Simples Nacional.pdf
Guia Simples Nacional.pdf
 
Simples[1]
Simples[1]Simples[1]
Simples[1]
 
2050 sebraemg-palestras sebrae-mg - lei geral os novos benefícios da lei geral
2050 sebraemg-palestras sebrae-mg - lei geral os novos benefícios da lei geral2050 sebraemg-palestras sebrae-mg - lei geral os novos benefícios da lei geral
2050 sebraemg-palestras sebrae-mg - lei geral os novos benefícios da lei geral
 
Tributação para clínicas odontológicas
Tributação para clínicas odontológicasTributação para clínicas odontológicas
Tributação para clínicas odontológicas
 
Perguntas e respostas
Perguntas e respostasPerguntas e respostas
Perguntas e respostas
 
E-Book Grátis Palestra Simples Nacional
E-Book Grátis Palestra Simples NacionalE-Book Grátis Palestra Simples Nacional
E-Book Grátis Palestra Simples Nacional
 
Livros Fiscais e IRPJ.pptx
Livros Fiscais e IRPJ.pptxLivros Fiscais e IRPJ.pptx
Livros Fiscais e IRPJ.pptx
 
Agosto e setembro 2016
Agosto e setembro 2016Agosto e setembro 2016
Agosto e setembro 2016
 
Apresentação em slides Trabalho Acadêmico Simples Nacional
Apresentação em slides Trabalho Acadêmico Simples NacionalApresentação em slides Trabalho Acadêmico Simples Nacional
Apresentação em slides Trabalho Acadêmico Simples Nacional
 
Aula 3
Aula 3Aula 3
Aula 3
 
Lucro real - Aprenda como calcular este imposto
Lucro real - Aprenda como calcular este impostoLucro real - Aprenda como calcular este imposto
Lucro real - Aprenda como calcular este imposto
 
Super Simples: o que ele tem a ver com você - corretor de imóveis
Super Simples: o que ele tem a ver com você - corretor de imóveisSuper Simples: o que ele tem a ver com você - corretor de imóveis
Super Simples: o que ele tem a ver com você - corretor de imóveis
 
Contabilidade gerencial prof
Contabilidade gerencial  profContabilidade gerencial  prof
Contabilidade gerencial prof
 
O simples nacional provoca o recolhimento de tributos sobre a renda nas micro...
O simples nacional provoca o recolhimento de tributos sobre a renda nas micro...O simples nacional provoca o recolhimento de tributos sobre a renda nas micro...
O simples nacional provoca o recolhimento de tributos sobre a renda nas micro...
 

Tributação lucro real lucro presumido simples nacional

  • 1. Prof. Glauco Corrêa de Queiróz Senac-Zahran / Campo Grande-MS
  • 2. O Brasil possui atualmente 12.904.523 (Doze Milhões, Novecentos e Quatro Mil, Quinhentos e Vinte e Três) empreendimentos, incluindo seus estabelecimentos matriz e filiais. Destes, 11.663.454 são de empresas e empreendimentos privados (90%), 1.144.081 de entidades privadas sem fins lucrativos (9%), e 96.988 de entidades públicas governamentais (1%). O Setor de Serviços é o que mais possui empreendimentos, com 43,91% do total, seguido pelo comércio, com 42,07%, Indústria com 7,16%, Agronegócio com 4,72%, Setor Financeiro com 1,38% e Serviços Públicos com 0,75% do total dos estabelecimentos. O Subsetor com mais empreendimentos é o Comércio Varejista, com 32,60% do total, seguido de Serviços Diversos com 13,13% e Turismo, Lazer, Esportes e Serviços Especializados com 9,16%. A atividade com maior número de empreendimentos é o Comércio Varejista de Artigos do Vestuário e Acessórios com 6,22% do total, seguida da atividade de Comércio Varejista de Mercadorias (Minimercados, Mercearias e Armazéns) com 3,78% do total e Lanchonetes, Casas de Chá, Sucos e Similares com 2,72%. Fonte: IBPT (Instituto Brasileiro de Planejamento e Tributação) Tributação
  • 3. • Importante decisão tributária deve ser efetivada, anualmente, pelos administradores empresariais, relativamente às opções: Lucro Real, Lucro Presumido ou Simples Nacional. • Como a legislação não permite mudança de sistemática no mesmo exercício, a opção por uma das modalidades será definitiva. Se a decisão for equivocada, ela terá efeito no ano todo. • A opção é definida no primeiro pagamento do imposto (que normalmente é recolhido em fevereiro de cada ano), ou, no caso das optantes pelo Simples Nacional, por opção até o último dia útil de janeiro. • A apuração do Imposto de Renda da Pessoa Jurídica (IRPJ) e da Contribuição Social Sobre o Lucro Líquido (CSLL) pode ser feita de três formas: • 1. Lucro Real (apuração anual ou trimestral); • 2. Lucro Presumido e • 3. Simples Nacional (opção exclusiva para Microempresas e Empresas de Pequeno Porte). Regimes de tributação
  • 4. Lucro Real • Tributação incidente quando o lucro for maior do que R$ 78 milhões anuais ou R$ 6,5 milhões de Reais mensais; • As empresas devem ter escrituração contábil rigorosa, pois a tributação incide no faturamento mensal ou trimestral da companhia;
  • 5. • No Lucro Real Anual a empresa deve antecipar os tributos mensalmente, com base no faturamento mensal, sobre o qual aplicam-se percentuais predeterminados, de acordo com o enquadramento das atividades, para obter uma margem de lucro estimada (estimativa), sobre a qual recai o IRPJ e a CSLL, de forma semelhante ao Lucro Presumido. • Nesta opção, há, ainda, a possibilidade de levantar balanços ou balancetes mensais, reduzindo ou suspendendo-se o recolhimento do IRPJ e da CSLL, caso demonstre-se que o lucro real efetivo é menor do que aquele estimado ou que a pessoa jurídica está operando com prejuízo fiscal. • • No final do ano, a pessoa jurídica levanta o balanço anual e apura o lucro real do exercício, calculando em definitivo o IRPJ e a CSLL e descontando as antecipações realizadas mensalmente. Em alguns casos, eventualmente, as antecipações podem ser superiores aos tributos devidos, ocasionando um crédito em favor do contribuinte. Lucro Real
  • 6. Lucro Presumido • Tributação incidente quando o lucro for menor ou igual do que R$ 78 milhões anuais ou R$ 6,5 milhões de Reais mensais; • As empresas devem ter escrituração contábil rigorosa, pois a tributação incide no faturamento mensal ou trimestral da companhia;
  • 7. Lucro Presumido O IRPJ e a CSLL pelo Lucro Presumido são apurados trimestralmente. A alíquota de cada tributo (15% ou 25% de IRPJ e 9% da CSLL) incide sobre as receitas com base em percentual de presunção variável (1,6% a 32% do faturamento, dependendo da atividade). Este percentual deriva da presunção de uma margem de lucro para cada atividade (daí a expressão Lucro Presumido) e é predeterminado pela legislação tributária. Há alguns tipos de receita que são acrescidas integralmente ao resultado tributável, como os ganhos de capital e as receitas de aplicações financeiras. Destaque-se, no entanto, que nem todas empresas podem optar pelo lucro presumido, pois há restrições relativas ao objeto social e o faturamento.
  • 8. Lucro Presumido O limite da receita bruta para poder optar pelo lucro presumido, a partir de 2014, é de até R$ 78 milhões da receita bruta total, no ano-calendário anterior. Esta modalidade de tributação pode ser vantajosa para empresas com margens de lucratividade superior a presumida, podendo, inclusive, servir como instrumento de planejamento tributário. Empresas que possuam boa margem de lucro podem, respeitados eventuais impedimentos, utilizar-se do Lucro Presumido, por exemplo: determinada empresa comercial possui uma margem de lucro efetivo de 15%, no entanto a administração observou que optando pelo Lucro Presumido a referida margem, para fins tributários, estaria fixada em 8%, demonstrando que este regime seria o mais interessante para este caso concreto. Outra análise a ser feita é que as empresas tributadas pelo Lucro Presumido não podem aproveitar os créditos do PIS e da COFINS, por estarem fora do sistema não cumulativo, no entanto recolhem com alíquotas mais baixas. Portanto, a análise do regime deve ser realizada considerando a repercussão no IRPJ, na CSLL, no PIS e na COFINS.
  • 9. Simples Nacional • Tributação incidente quando o lucro for menor ou igual no caso da microempresa, faturar, em cada ano-calendário, receita bruta igual ou inferior a R$ 360.000,00 (trezentos e sessenta mil reais) e no caso da empresa de pequeno porte, faturar, em cada ano-calendário, receita bruta superior a R$ 360.000,00 (trezentos e sessenta mil reais) e igual ou inferior a R$ 3.600.000,00 (três milhões e seiscentos mil reais). • As empresas devem ter escrituração contábil rigorosa, pois a tributação incidirá caso passe o valor faturado anual da companhia;
  • 10. Simples Nacional Contexto Está em trâmite na Câmara dos Deputados agora em 2016, o Projeto de Lei Complementar (PLP) 448/14 que institui novos limites de faturamento para micro e pequenas empresas do Simples Nacional. A proposta é aumentar em 400% o limite de R$ 3,6 milhões de faturamento ao ano para R$ 14,4. Completando 10 anos em 2016, o Simples Nacional (também conhecido como Super Simples) foi um marco para o empreendedorismo no Brasil, e sua revisão é fundamental para ampliar o acesso ao programa e desafogar empreendedores que contribuem, hoje, com uma carga de impostos alta.
  • 11. A aparente simplicidade do regime do Simples Nacional e a possibilidade de economia no pagamento dos vários tributos são os grandes atrativos para as pequenas empresas. Entretanto, há restrições legais para opção além do limite de receita bruta anual. Apesar da abrangência do Simples incluir, a partir de 2015, atividades de serviços profissionais (como clínicas médicas, corretores e outras profissões liberais) - as alíquotas de incidência previstas para serviços são muito elevadas. As empresas de serviços que não tenham ou tenham poucos empregados poderão vir a ser oneradas se optarem por este regime. Há questões que exigem análise detalhada, como a ausência de créditos do IPI e sublimites estaduais para recolhimento do ICMS. Outro detalhe do Simples Nacional é que as alíquotas são progressivas, podendo ser, nas faixas superiores de receita, especialmente para empresas de serviços, mais onerosas para do que os regimes de Lucro Real ou Presumido. Observe-se, também, que determinadas atividades exigem o pagamento, além do percentual sobre a receita, do INSS sobre a folha. Diante destes fatos, o melhor é comparar as opções do Lucro Real e Presumido, antes de optar pelo Simples Nacional. Simples Nacional
  • 12. Quem não pode entrar no SIMPLES? • Empresa cujo sócio seja administrador de outra empresa que tem faturamento de até R$ 3,6 (Faturamento limite do simples); • Quem tem capital pertencente a outra pessoa jurídica; • Sócio com participação em outra empresa do SIMPLES cujo os faturamentos somados sejam superiores a R$ 3,6 mi; • Se o responsável de uma empresa for acionista ou sócio com cota acima de 10% e o faturamento for superior a R$ 3,6 mi;
  • 13. Atividade em grupo • Dividir a sala em 3 grupos. •Cada grupo irá pesquisar uma modalidade de enquadramento. •Irá pesquisar, e apresentar uma empresa qual esta enquadrada em determinada modalidade, informar as taxas e impostos que cada modalidade recolhe. •Entregar em power point •Entrega dia ?
  • 14. Até a próxima aula!!