SlideShare uma empresa Scribd logo
TREINAMENTO PARA TRABALHO EM ALTURA
RISCO DESNECESSÁRIO
Objetivo:
Fornecer orientações básicas de prevenção de quedas em serviços
realizados em níveis diferentes.
2.Definições:
2.0.Abrangência: os serviços considerados neste procedimento abrangem
aqueles de altura superior a 2 metros, profundidade superior a 1,20 metros
ou onde haja riscos de quedas com potencial de lesão grave ou fatal.
TÉCNICAS BÁSICAS DE PREVENÇÃO DE QUEDAS :
Devem ser aplicadas, estudando-se caso a caso, sempre em uma sequência,
para cada tipo de atividade operacional.
Redução do tempo de exposição ao risco: transferindo na medida do possível,
serviços para serem executados no solo, eliminando-se o risco de queda de
altura.
Exemplo: pré- montagem e pintura de peças no solo e etc.…
Impedir a queda: eliminando o risco através da concepção e organização do
trabalho na obra.
Exemplo: colocação de proteções rígidas como: guarda-corpo metálico
Proteção individual:
Na impossibilidade da adoção de medidas que reduzam o tempo de
exposição, impeçam ou limitem a queda de pessoas, deve-se recorrer aos
equipamentos de proteção individual.
Exemplo: cinto de segurança tipo pára-quedista com dois
talabartes,mosquetão,rodana,freio oito,capacete,luvas,oculos,botas,cabos
solteiro
Responsabilidades:
Todas as pessoas envolvidas nas atividades abrangidas por este
procedimento são responsáveis pelo cumprimento destas orientações.
Locais onde são desenvolvidos atividades com riscos de queda :
Telhados, forros, lajes, torres, andaimes, escadas, estruturas,
escavações, out-doors, caixas d’água, fundações, postes,
plataformas, pontes rolantes, máquinas e equipamentos,
carrocerias de caminhões e outros.
Identificação dos empregados:
Todo empregado habilitado para atividades com riscos de queda deverão ter
identificação específica, sendo encontrado na analise de risco e na ficha de
prevenção a quedas.
Supervisão dos empregados que irão executar a atividade:
•Ter equipe definida, aptas do ponto de vista médico e com treinamento específico
sobre prevenção de quedas.
•Planejamento baseado na prevenção
•Elaboração prévia dos documentos: ficha de prevenção de queda e os demais
obrigatórios ( Travamento de Fonte de Energia, Áreas Confinadas, etc).
•Instruir os empregados sobre a atividade operacional e medidas
preventivas, contidas nos documentos
•Fazer avaliação médica de todos os empregados antes do serviço a ser
executado.
•Fazer inspeção prévia dos equipamentos e condições do local da atividade.
•Realizar verificações periódicas sobre o andamento das atividades, condições dos
equipamentos e cumprimento das medidas preventivas.
•Realizar inspeção geral no término da atividade sobre a organização e limpeza do
local, em conjunto com a supervisão da área
Supervisão da área onde a atividade será realizada:
•Participar do planejamento prévio da atividade, definindo disponibilidades, data e
hora de início e término, interferências e isolamentos necessários. Estas
definições constarão da ficha de analise de risco.
•Liberar a área conforme ficha de analise de risco.
•Realizar verificações periódicas sobre o andamento das atividades, condições
dos equipamentos e cumprimento das medidas preventivas.
•Realizar inspeção geral no término da atividade sobre a organização e limpeza
do local, em conjunto com a supervisão executante.
Empregados executantes:
Somente executar serviços com riscos de queda se forem treinados, aptos por
avaliação médica e identificados conforme padrão utilizado.
Segurança do trabalho:
•Manter atualizado o procedimento e divulgar novas técnicas de prevenção.
•Assessorar as pessoas envolvidas nessas actividades.
•Auditar periodicamente as atividades que envolvam riscos de queda, solicitando
correção de irregularidade e propondo melhorias ao procedimento.
Serviço médico:
Realizar exames médicos necessários para detecção de problemas de
saúde que impeçam a execução de atividades em níveis elevados.
Roteiro resumido / seqüência de ações:
(este roteiro resumido pode ser usado como ferramenta de divulgação do procedimento)
•Os empregados relacionados para atividades que envolvam riscos de
queda devem ser qualificados e identificados para tal.
•Antes que um empregado inicie trabalhos que envolva riscos de queda,
deverá ser feito o planejamento e conseqüente preenchimento da ficha de
prevenção de quedas com a sua supervisão.
•O supervisor do executante deverá preencher a ficha de prevenção de
quedas com antecedência, junto ao supervisor do local onde será
executado a atividade. Quando o serviço se estender por mais de um turno,
a supervisão de cada turno deve participar e assinar a ficha.
•As supervisões em conjunto devem cumprir todos os requisitos do procedimento
de prevenção de quedas para o preenchimento adequado da analise de risco.
•Devem ser consultados os itens referentes às técnicas básicas de prevenção e
instruções básicas de segurança. Ênfase especial também será dado ao
travamento de todas as fontes de energia, interferências com outras atividades e
planejamento de resgates em caso de acidente ou outras emergências.
empregados devem receber as orientações contidas na ficha de analise de risco
que, depois de preenchida e assinada, deverá ser afixada no local de trabalho.
•Para a execução do serviço com segurança, as supervisões envolvidas devem
garantir a devida preparação do local, verificando condições e uso dos
equipamentos, o acompanhamento temporário do cumprimento das medidas
preventivas determinadas e, após o término do trabalho, assegurar a
reorganização e limpeza do local de trabalho.
Após o término do trabalho a ficha de analise de risco deverá ser entregue à
supervisão do executante, que deverá arquivá-la por 21 anos.
•No caso de serviços realizados por empresas contratadas, a ficha de analise de
risco ser anexada à autorização para execução de serviços,. A manutenção
deverá participar no planejamento de todos os serviços com riscos de queda.
É proibido usar cestos acoplados em empilhadeiras para efetuar içamento de
pessoas.
Treinamento:
•Todos os empregados envolvidos em atividades com risco de queda devem
realizar treinamento específico contendo : técnicas de prevenção, instruções
básicas de segurança, primeiros socorros e princípios de resgate.
•Devem ser realizados periodicamente atividades de divulgação e
conscientização de todos os empregados sobre os riscos de queda
•O treinamento específico deve ser registrado e controlado pela seção de
segurança e higiene do trabalho.
•Cada seção deverá possuir lista de pessoas habilitadas a realizar atividades com
riscos de queda.
•Os operadores de Plataformas Elevatórias alem da obrigação de serem
habilitados, devem ter cursos específicos .
INSTRUÇÕES BÁSICAS DE EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL
1.1.OBJETIVO:
Dispositivos de uso individual de fabricação nacional ou estrangeira utilizada para
medidas e ações a serem tomadas por responsáveis e empregados envolvidos
nas atividades de risco.
1.2.DEFINIÇÃO:
Para os fins de aplicação da Norma Regulamentadora – NR 6 considera-se
Equipamento de Proteção Individual, EPI, todo dispositivo ou produto, de uso
individual utilizado pelo trabalhador, destinado à proteção de riscos suscetíveis de
ameaçar a segurança e a saúde no trabalho.
APLICAÇÃO:OBRIGAÇÃO DO EMPREGADOR:
Adquirir o tipo adequado para a atividade e fornecer somente EPI aprovado pelo
MTE (MINSTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO);
Treinar o empregado quanto ao uso;
Substituí-lo quando for necessário;
Responsabilizar-se pela higienização e manutenção periódica;
Comunicar ao MTE (MINSTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO) qualquer
irregularidade.
INSTRUÇÕES BÁSICAS DE EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL
1.7.OBRIGAÇÃO DO EMPREGADO:
Usá-lo apenas para a finalidade que se destina;
Responsabilizar-se pela guarda e conservação;
Comunicar ao Superior imediato qualquer alteração que o torne impróprio para
uso.
1.8.OBRIGAÇÃO DO FABRICANTE:
Comercializar e vender os EPI’s com C.A. (CERTIFICADO DE APROVAÇÃO)
expedido pelo Ministério do Trabalho e Emprego;
Renovar o C.A., o CRF e o C.R.I. quando vencido o prazo de validade;
(CRF: CERTIFICADO DE REGISTRO DE FABRICANTE)
(CRI: CERTIFICADO DE REGISTRO DE IMPORTADOR)
O equipamento de proteção individual é utilizado quando na atividade a ser
executada, oferecendo complemento da proteção coletiva e contra os riscos
de acidentes do trabalho e /ou de doenças profissionais e do trabalho.
• 1.4.RESPONSABILIDADE:
• Cabe a todos empregados envolvidos em serviços com risco de quedas na empresa em
todos os níveis e os representantes técnicos das empresas Contratadas, cumprir e fazer
cumprir todos os itens constantes nesta Instrução Básica. O descumprimento de qualquer
item é considerado FALTA GRAVE, sujeita ás medidas administrativas e disciplinares
internas cabíveis, além do enquadramento legal a critério das autoridades competentes
1.9.OBRIGAÇÃO DO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO:
Receber, examinar, aprovar e registrar o EPI;
Credenciar os órgãos Federais, Estaduais e Municipais para avaliar e verificar a
durabilidade e conformidade do EPI;
Emitir e renovar o C.A., CRF e o C.R.I.;
Cancelar o C.A., CRF e o C.R.I.;
Fiscalizar a qualidade do EPI.
1.10. TRABALHO:
A supervisão do executante tem a responsabilidade de utilizar, fornecer
gratuitamente, treinar, obrigar quanto ao uso de acordo com o risco da atividade
a ser executada.
1.11. UTILIZAÇÃO:
• É de responsabilidade de o empregado utilizar o equipamento de proteção individual de
acordo as instruções de sua supervisão e suas atividades executadas na empresa. Cabe ao
empregado comunicar todas as irregularidades apresentadas impedindo o uso perfeito do
mesmo. O empregado que não utilizá-los comete falta grave, descumprindo as normas da
empresa.
1.12. EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO NDIVIDUAL UTILIZADOS
Trava quedas km
cable para uso em cabo
de aço
Trava quedas para uso
com corda poliamida 12mm
Trava quedas retrátil
com absorvedor de energia
Trava quedas
retrátil – 30 metros
Talabarte em y com 02
mosquetões e
absorvedor de energia
Corda poliamida
trançada 12mm
Gancho de ancoragem
150 mm
Cinto de segurança
com duplo talabarte
Vara telescópica em fibra
Capacete de segurança
com aba frontal com
jugular.
2)INSTRUÇÕES BÁSICAS DE EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO
COLETIVA
2.1.OBJETIVO:
Dispositivos de uso coletivo de fabricação nacionais ou estrangeiros
utilizados para medidas e ações a serem tomadas por responsáveis e
empregados envolvidos nas atividades de risco, garantindo o uso de
equipamentos de proteção individual e, garantindo um trabalho seguro e
produtivo.
2.2.DEFINIÇÃO:
Dispositivos de uso coletivo destinado a proteger a saúde e integridade
física do trabalhador.
2.3.APLICAÇÃO:
O uso do equipamento de proteção coletiva é utilizado quando as atividades
a ser executada forem tecnicamente inviáveis ou não, oferecendo completa
proteção contra os riscos de acidentes do trabalho e /ou de doenças
profissionais e do trabalho.
2.4.RESPONSABILIDADE:
Cabe a todos empregados envolvidos em serviços com risco de quedas na
empresas em todos os níveis e os representantes técnicos das empresas
Contratadas, cumprir e fazer cumprir todos os itens constantes nesta Instrução
Básica. O descumprimento de qualquer item é considerado FALTA GRAVE,
sujeita ás medidas administrativas e disciplinares internas cabíveis, além do
enquadramento legal a critério das autoridades competentes.
2.5.OBRIGAÇÃO DA EMPRESA:
Projetar e instalar as proteções coletivas de acordo ao risco da atividade e em
perfeito estado de conservação e funcionamento.
2.6.OBRIGAÇÃO DO EMPREGADOR:
Instalar a proteção adequada para a atividade que apresenta risco;
Treinar o empregado quanto ao uso;
Substituí-lo quando for necessário;
Responsabilizar-se pela manutenção periódica;
Comunicar ao MTE qualquer irregularidade
2.7.OBRIGAÇÃO DO EMPREGADO:
Não remover as proteções;
Usá-lo apenas para a finalidade que se destina;
Responsabilizar-se pela conservação;
Comunicar ao Superior imediato qualquer alteração que o torne perigoso.
2.8. TRABALHO:
A supervisão do executante tem a responsabilidade de, instalar, utilizar,
treinar,obrigar quanto ao uso de acordo o risco da atividade a ser executada.
2.9. UTILIZAÇÃO:
É de responsabilidade do empregado em utilizar o equipamento de proteção
coletiva de acordo as instruções de sua supervisão e suas atividades executadas
na empresa. Cabe ao empregado comunicar todas as
irregularidades apresentadas impedindo o uso perfeito do mesmo. O empregado
que não utilizá-los é de falta grave e descumprido as normas da empresa.
2.10. DISPOSITIVOS E PROTEÇÃO COLETIVOS:
Edificações, máquinas e equipamentos devem possuir os dispositivos ou meios
para a prevenção de acidentes e conforto aos que nela trabalhem.
Principais equipamentos de proteção coletiva que podem ser utilizados nas
mais variadas atividades em altura:
2.11.CABO DE AÇO GUIA:
APLICAÇÃO NA HORIZONTAL:
Todo trabalho onde não haja pontos para fixação do cinto de segurança, deverá
ser instalado cabo de aço guia em toda extensão do trabalho posicionado acima
da cabeça do usuário, com objetivo de reduzir impacto em uma possível queda
deve ser no mínimo de 3/8’ fixado em suportes resistentes através de grampos
(no mínimo três) em cada extremidade;
APLICAÇÃO NA VERTICAL:
Utilizados em conjunto com trava-quedas nos serviços, como: acesso a
plataforma de andaimes, escadas, bate-estacas, balancim, cadeira suspensa,
telhados e outros.
UTILIZAÇÃO DE CABO DE AÇO
TRABALHOS COM USO DE PLATAFROMA ELEVATÓRIA
TRABALHE SEMPRE DE FORMA SEGURA !
OBRIGADO.
SEJA UM PROFISSIONAL ALTAMENTE QUALIFICADO

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Treinamento lixadeira
Treinamento lixadeiraTreinamento lixadeira
Treinamento lixadeira
Andre Cruz
 
TRABALHO EM ALTURA - Gianfranco
TRABALHO EM ALTURA - GianfrancoTRABALHO EM ALTURA - Gianfranco
TRABALHO EM ALTURA - Gianfranco
Alex Souza
 
Integração construção civil
Integração construção civilIntegração construção civil
Integração construção civil
Thalles Henrique Marcelino
 
TRABALHO EM ALTURA - Treinamento (SENAI).ppt
TRABALHO EM ALTURA - Treinamento (SENAI).pptTRABALHO EM ALTURA - Treinamento (SENAI).ppt
TRABALHO EM ALTURA - Treinamento (SENAI).ppt
PalomaRibeirodeOlive
 
NR33
NR33NR33
Trabalho em altura nr 35
Trabalho em altura nr 35Trabalho em altura nr 35
Trabalho em altura nr 35
Joziane Pimentel
 
Apr modelo
Apr modeloApr modelo
Apr modelo
Antonio Ricardo
 
Trabalho em Altura (NR-35) + Anexos I e II
Trabalho em Altura (NR-35) + Anexos I e IITrabalho em Altura (NR-35) + Anexos I e II
Trabalho em Altura (NR-35) + Anexos I e II
Claudio Cesar Pontes ن
 
Check list trabalho em altura.
Check list trabalho em altura.Check list trabalho em altura.
Check list trabalho em altura.
Cristian7Martin
 
28 modelos de ordens de servicos mega seguranca do trabalho
28 modelos de ordens de servicos   mega seguranca do trabalho28 modelos de ordens de servicos   mega seguranca do trabalho
28 modelos de ordens de servicos mega seguranca do trabalho
quantizar
 
Movimentação e içamento de cargas
 Movimentação e içamento de cargas Movimentação e içamento de cargas
Movimentação e içamento de cargas
Karol Oliveira
 
Power+point+nr+35
Power+point+nr+35Power+point+nr+35
Power+point+nr+35
Gil Mendes
 
Segurança e Saúde no Transporte, Movimentação e Armazenagem de Materiais - NR 11
Segurança e Saúde no Transporte, Movimentação e Armazenagem de Materiais - NR 11Segurança e Saúde no Transporte, Movimentação e Armazenagem de Materiais - NR 11
Segurança e Saúde no Transporte, Movimentação e Armazenagem de Materiais - NR 11
GAC CURSOS ONLINE
 
TREINAMENTO NR-33 ESPACO CONFINADO.pptx
TREINAMENTO NR-33 ESPACO CONFINADO.pptxTREINAMENTO NR-33 ESPACO CONFINADO.pptx
TREINAMENTO NR-33 ESPACO CONFINADO.pptx
JoyceMarina2
 
Nr 18 Segurança na Industria da Construção
Nr 18 Segurança na Industria da Construção Nr 18 Segurança na Industria da Construção
Nr 18 Segurança na Industria da Construção
Ana Paula Santos de Jesus Souza
 
Máquinas e equipamentos
Máquinas e equipamentosMáquinas e equipamentos
Máquinas e equipamentos
Mauricio Cesar Soares
 
NR-33 - Espaço Confinado - Modulo III
NR-33 - Espaço Confinado - Modulo IIINR-33 - Espaço Confinado - Modulo III
NR-33 - Espaço Confinado - Modulo III
emanueltstegeon
 
Resgate em altura
Resgate em alturaResgate em altura
Resgate em altura
Beatriz Bauer Bauer
 
Apr montagem de andaime
Apr montagem de andaimeApr montagem de andaime
Apr montagem de andaime
Lazaro Carvalho Neto
 
Apresentação NR33 ESPAÇO CONFINADO
Apresentação NR33 ESPAÇO CONFINADOApresentação NR33 ESPAÇO CONFINADO
Apresentação NR33 ESPAÇO CONFINADO
Robson Peixoto
 

Mais procurados (20)

Treinamento lixadeira
Treinamento lixadeiraTreinamento lixadeira
Treinamento lixadeira
 
TRABALHO EM ALTURA - Gianfranco
TRABALHO EM ALTURA - GianfrancoTRABALHO EM ALTURA - Gianfranco
TRABALHO EM ALTURA - Gianfranco
 
Integração construção civil
Integração construção civilIntegração construção civil
Integração construção civil
 
TRABALHO EM ALTURA - Treinamento (SENAI).ppt
TRABALHO EM ALTURA - Treinamento (SENAI).pptTRABALHO EM ALTURA - Treinamento (SENAI).ppt
TRABALHO EM ALTURA - Treinamento (SENAI).ppt
 
NR33
NR33NR33
NR33
 
Trabalho em altura nr 35
Trabalho em altura nr 35Trabalho em altura nr 35
Trabalho em altura nr 35
 
Apr modelo
Apr modeloApr modelo
Apr modelo
 
Trabalho em Altura (NR-35) + Anexos I e II
Trabalho em Altura (NR-35) + Anexos I e IITrabalho em Altura (NR-35) + Anexos I e II
Trabalho em Altura (NR-35) + Anexos I e II
 
Check list trabalho em altura.
Check list trabalho em altura.Check list trabalho em altura.
Check list trabalho em altura.
 
28 modelos de ordens de servicos mega seguranca do trabalho
28 modelos de ordens de servicos   mega seguranca do trabalho28 modelos de ordens de servicos   mega seguranca do trabalho
28 modelos de ordens de servicos mega seguranca do trabalho
 
Movimentação e içamento de cargas
 Movimentação e içamento de cargas Movimentação e içamento de cargas
Movimentação e içamento de cargas
 
Power+point+nr+35
Power+point+nr+35Power+point+nr+35
Power+point+nr+35
 
Segurança e Saúde no Transporte, Movimentação e Armazenagem de Materiais - NR 11
Segurança e Saúde no Transporte, Movimentação e Armazenagem de Materiais - NR 11Segurança e Saúde no Transporte, Movimentação e Armazenagem de Materiais - NR 11
Segurança e Saúde no Transporte, Movimentação e Armazenagem de Materiais - NR 11
 
TREINAMENTO NR-33 ESPACO CONFINADO.pptx
TREINAMENTO NR-33 ESPACO CONFINADO.pptxTREINAMENTO NR-33 ESPACO CONFINADO.pptx
TREINAMENTO NR-33 ESPACO CONFINADO.pptx
 
Nr 18 Segurança na Industria da Construção
Nr 18 Segurança na Industria da Construção Nr 18 Segurança na Industria da Construção
Nr 18 Segurança na Industria da Construção
 
Máquinas e equipamentos
Máquinas e equipamentosMáquinas e equipamentos
Máquinas e equipamentos
 
NR-33 - Espaço Confinado - Modulo III
NR-33 - Espaço Confinado - Modulo IIINR-33 - Espaço Confinado - Modulo III
NR-33 - Espaço Confinado - Modulo III
 
Resgate em altura
Resgate em alturaResgate em altura
Resgate em altura
 
Apr montagem de andaime
Apr montagem de andaimeApr montagem de andaime
Apr montagem de andaime
 
Apresentação NR33 ESPAÇO CONFINADO
Apresentação NR33 ESPAÇO CONFINADOApresentação NR33 ESPAÇO CONFINADO
Apresentação NR33 ESPAÇO CONFINADO
 

Destaque

Trabalho em altura nr35
Trabalho em altura nr35Trabalho em altura nr35
Trabalho em altura nr35
NRFACIL www.nrfacil.com.br
 
SEP-SEGUNDO MÓDULO - 1º PARTE
SEP-SEGUNDO MÓDULO - 1º PARTESEP-SEGUNDO MÓDULO - 1º PARTE
SEP-SEGUNDO MÓDULO - 1º PARTE
dendezinham12
 
Nr10 treinamentos eletroalta
Nr10   treinamentos eletroaltaNr10   treinamentos eletroalta
Nr10 treinamentos eletroalta
João Pires de Moraes
 
Nr 10 senai
Nr 10 senaiNr 10 senai
Nr 10 senai
Silmara Vieira
 
Nutrição Cartilha Merendeira 2
Nutrição  Cartilha  Merendeira 2Nutrição  Cartilha  Merendeira 2
Nutrição Cartilha Merendeira 2
TomateVerdeFrito
 
Sep 1 cap 2 introducao a sep -modo de compatibilidade
Sep 1   cap 2 introducao a sep -modo de compatibilidadeSep 1   cap 2 introducao a sep -modo de compatibilidade
Sep 1 cap 2 introducao a sep -modo de compatibilidade
Ewerton Farias
 
SEP - SISTEMA ELETRICO POTENCIA - OPERADORES
SEP - SISTEMA ELETRICO POTENCIA - OPERADORES SEP - SISTEMA ELETRICO POTENCIA - OPERADORES
SEP - SISTEMA ELETRICO POTENCIA - OPERADORES
helygalvaojr
 
Apresentação de sistemas elétricos demanda e potência
Apresentação de sistemas elétricos   demanda e potênciaApresentação de sistemas elétricos   demanda e potência
Apresentação de sistemas elétricos demanda e potência
Feracity
 
Treinamento para serviços de apoio
Treinamento para serviços de apoioTreinamento para serviços de apoio
Treinamento para serviços de apoio
Welder Souza Goulão
 
Slide sep nr10
Slide sep nr10Slide sep nr10
Slide sep nr10
sinergia323
 
Sep NR-10
Sep NR-10Sep NR-10
SISTEMA ELÉTRICO DE POTÊNCIA - Histórico no Brasil
SISTEMA ELÉTRICO DE POTÊNCIA - Histórico no BrasilSISTEMA ELÉTRICO DE POTÊNCIA - Histórico no Brasil
SISTEMA ELÉTRICO DE POTÊNCIA - Histórico no Brasil
Robson Josué Molgaro
 
MANUAL PARA FUNCIONÁRIOS DA MERENDA ESCOLAR DA CURSAN
MANUAL PARA FUNCIONÁRIOS DA MERENDA ESCOLAR DA CURSANMANUAL PARA FUNCIONÁRIOS DA MERENDA ESCOLAR DA CURSAN
MANUAL PARA FUNCIONÁRIOS DA MERENDA ESCOLAR DA CURSAN
Dennis Moliterno
 
Acidentes de origem elétrica
Acidentes de origem elétricaAcidentes de origem elétrica
Acidentes de origem elétrica
Universidade Federal Fluminense
 
Riscos associados a electricidade
Riscos associados a electricidadeRiscos associados a electricidade
Riscos associados a electricidade
isabelourenco
 
Curso NR10 SEP
Curso NR10 SEPCurso NR10 SEP
Curso NR10 SEP
sinergia323
 
SegurançA Em InstalaçõEs E ServiçOs Com Eletricidade Mod I
SegurançA Em InstalaçõEs E ServiçOs Com Eletricidade     Mod ISegurançA Em InstalaçõEs E ServiçOs Com Eletricidade     Mod I
SegurançA Em InstalaçõEs E ServiçOs Com Eletricidade Mod I
Santos de Castro
 
Choque elétrico
Choque elétricoChoque elétrico
Choque elétrico
Leticiaefernando
 
Apostila para Treinamento no Curso de NR 10 - Autor Eng. José Reis Eletricis...
Apostila para Treinamento no Curso de NR 10  - Autor Eng. José Reis Eletricis...Apostila para Treinamento no Curso de NR 10  - Autor Eng. José Reis Eletricis...
Apostila para Treinamento no Curso de NR 10 - Autor Eng. José Reis Eletricis...
José Reis
 
Riscos eletricos
Riscos eletricosRiscos eletricos
Riscos eletricos
weslley26
 

Destaque (20)

Trabalho em altura nr35
Trabalho em altura nr35Trabalho em altura nr35
Trabalho em altura nr35
 
SEP-SEGUNDO MÓDULO - 1º PARTE
SEP-SEGUNDO MÓDULO - 1º PARTESEP-SEGUNDO MÓDULO - 1º PARTE
SEP-SEGUNDO MÓDULO - 1º PARTE
 
Nr10 treinamentos eletroalta
Nr10   treinamentos eletroaltaNr10   treinamentos eletroalta
Nr10 treinamentos eletroalta
 
Nr 10 senai
Nr 10 senaiNr 10 senai
Nr 10 senai
 
Nutrição Cartilha Merendeira 2
Nutrição  Cartilha  Merendeira 2Nutrição  Cartilha  Merendeira 2
Nutrição Cartilha Merendeira 2
 
Sep 1 cap 2 introducao a sep -modo de compatibilidade
Sep 1   cap 2 introducao a sep -modo de compatibilidadeSep 1   cap 2 introducao a sep -modo de compatibilidade
Sep 1 cap 2 introducao a sep -modo de compatibilidade
 
SEP - SISTEMA ELETRICO POTENCIA - OPERADORES
SEP - SISTEMA ELETRICO POTENCIA - OPERADORES SEP - SISTEMA ELETRICO POTENCIA - OPERADORES
SEP - SISTEMA ELETRICO POTENCIA - OPERADORES
 
Apresentação de sistemas elétricos demanda e potência
Apresentação de sistemas elétricos   demanda e potênciaApresentação de sistemas elétricos   demanda e potência
Apresentação de sistemas elétricos demanda e potência
 
Treinamento para serviços de apoio
Treinamento para serviços de apoioTreinamento para serviços de apoio
Treinamento para serviços de apoio
 
Slide sep nr10
Slide sep nr10Slide sep nr10
Slide sep nr10
 
Sep NR-10
Sep NR-10Sep NR-10
Sep NR-10
 
SISTEMA ELÉTRICO DE POTÊNCIA - Histórico no Brasil
SISTEMA ELÉTRICO DE POTÊNCIA - Histórico no BrasilSISTEMA ELÉTRICO DE POTÊNCIA - Histórico no Brasil
SISTEMA ELÉTRICO DE POTÊNCIA - Histórico no Brasil
 
MANUAL PARA FUNCIONÁRIOS DA MERENDA ESCOLAR DA CURSAN
MANUAL PARA FUNCIONÁRIOS DA MERENDA ESCOLAR DA CURSANMANUAL PARA FUNCIONÁRIOS DA MERENDA ESCOLAR DA CURSAN
MANUAL PARA FUNCIONÁRIOS DA MERENDA ESCOLAR DA CURSAN
 
Acidentes de origem elétrica
Acidentes de origem elétricaAcidentes de origem elétrica
Acidentes de origem elétrica
 
Riscos associados a electricidade
Riscos associados a electricidadeRiscos associados a electricidade
Riscos associados a electricidade
 
Curso NR10 SEP
Curso NR10 SEPCurso NR10 SEP
Curso NR10 SEP
 
SegurançA Em InstalaçõEs E ServiçOs Com Eletricidade Mod I
SegurançA Em InstalaçõEs E ServiçOs Com Eletricidade     Mod ISegurançA Em InstalaçõEs E ServiçOs Com Eletricidade     Mod I
SegurançA Em InstalaçõEs E ServiçOs Com Eletricidade Mod I
 
Choque elétrico
Choque elétricoChoque elétrico
Choque elétrico
 
Apostila para Treinamento no Curso de NR 10 - Autor Eng. José Reis Eletricis...
Apostila para Treinamento no Curso de NR 10  - Autor Eng. José Reis Eletricis...Apostila para Treinamento no Curso de NR 10  - Autor Eng. José Reis Eletricis...
Apostila para Treinamento no Curso de NR 10 - Autor Eng. José Reis Eletricis...
 
Riscos eletricos
Riscos eletricosRiscos eletricos
Riscos eletricos
 

Semelhante a Treinamento para trabalho em altura

Procedimento para trabalho em altura.pptx
Procedimento para trabalho em altura.pptxProcedimento para trabalho em altura.pptx
Procedimento para trabalho em altura.pptx
alunoswss
 
Permissao de Trabalho segurança do trabalho
Permissao de Trabalho segurança do trabalhoPermissao de Trabalho segurança do trabalho
Permissao de Trabalho segurança do trabalho
consultoriacasi72
 
Nr 36
Nr 36Nr 36
Risco em Altura Mkall.pptx
Risco em Altura Mkall.pptxRisco em Altura Mkall.pptx
Risco em Altura Mkall.pptx
LucianoMachado59
 
Treinamento NR 35_2023.pptx
Treinamento NR 35_2023.pptxTreinamento NR 35_2023.pptx
Treinamento NR 35_2023.pptx
Tiago Hensel
 
NR-35
NR-35NR-35
NR-35
NewAge16
 
Trabalho em altura FI ENGENHARIA
Trabalho em altura FI ENGENHARIATrabalho em altura FI ENGENHARIA
Trabalho em altura FI ENGENHARIA
Renan Biscaglia
 
NR 35 Trabalho em Altura
NR 35 Trabalho em AlturaNR 35 Trabalho em Altura
NR 35 Trabalho em Altura
HelitonCosta2
 
Apostila trab alturappt
Apostila trab alturapptApostila trab alturappt
Apostila trab alturappt
Andreia Marques
 
Capacitacao-Multiplicadores-pptx.pptx
Capacitacao-Multiplicadores-pptx.pptxCapacitacao-Multiplicadores-pptx.pptx
Capacitacao-Multiplicadores-pptx.pptx
GuilhermeLopes297537
 
Trabalho em Altura
Trabalho em AlturaTrabalho em Altura
Trabalho em Altura
Allan Almeida de Araújo
 
Aula 5
Aula 5Aula 5
Prevencao de-risco-no-trabalho-em-altura
Prevencao de-risco-no-trabalho-em-alturaPrevencao de-risco-no-trabalho-em-altura
Prevencao de-risco-no-trabalho-em-altura
co100za
 
TRABALHO EM ALTURA.pdf
TRABALHO EM ALTURA.pdfTRABALHO EM ALTURA.pdf
TRABALHO EM ALTURA.pdf
Isvaldo Gomes De Oliveira
 
Norma regulamentadora NR35 - TRABALHO EM ALTURA.pptx
Norma regulamentadora NR35 - TRABALHO EM ALTURA.pptxNorma regulamentadora NR35 - TRABALHO EM ALTURA.pptx
Norma regulamentadora NR35 - TRABALHO EM ALTURA.pptx
Weelton1
 
Treinamento-de-NR35-Trabalho-em-Altura-Slide.pptx
Treinamento-de-NR35-Trabalho-em-Altura-Slide.pptxTreinamento-de-NR35-Trabalho-em-Altura-Slide.pptx
Treinamento-de-NR35-Trabalho-em-Altura-Slide.pptx
Alexandre Rosa Oliveira
 
trabalho em altura.pptx
trabalho em altura.pptxtrabalho em altura.pptx
trabalho em altura.pptx
MENTORAMONIZEALMEIDA
 
Trabalho em altura nr 35
Trabalho em altura nr 35Trabalho em altura nr 35
Trabalho em altura nr 35
Mayra Átila Souza da Silva
 
1 - SLIDE TREINAMENTO NR 35.pptx
1 - SLIDE TREINAMENTO NR 35.pptx1 - SLIDE TREINAMENTO NR 35.pptx
1 - SLIDE TREINAMENTO NR 35.pptx
DafiniSantos1
 
094783e976d7629e760691b45b824a13Treinamento NR 35_002-2022.pptx
094783e976d7629e760691b45b824a13Treinamento NR 35_002-2022.pptx094783e976d7629e760691b45b824a13Treinamento NR 35_002-2022.pptx
094783e976d7629e760691b45b824a13Treinamento NR 35_002-2022.pptx
LeandroGomes875705
 

Semelhante a Treinamento para trabalho em altura (20)

Procedimento para trabalho em altura.pptx
Procedimento para trabalho em altura.pptxProcedimento para trabalho em altura.pptx
Procedimento para trabalho em altura.pptx
 
Permissao de Trabalho segurança do trabalho
Permissao de Trabalho segurança do trabalhoPermissao de Trabalho segurança do trabalho
Permissao de Trabalho segurança do trabalho
 
Nr 36
Nr 36Nr 36
Nr 36
 
Risco em Altura Mkall.pptx
Risco em Altura Mkall.pptxRisco em Altura Mkall.pptx
Risco em Altura Mkall.pptx
 
Treinamento NR 35_2023.pptx
Treinamento NR 35_2023.pptxTreinamento NR 35_2023.pptx
Treinamento NR 35_2023.pptx
 
NR-35
NR-35NR-35
NR-35
 
Trabalho em altura FI ENGENHARIA
Trabalho em altura FI ENGENHARIATrabalho em altura FI ENGENHARIA
Trabalho em altura FI ENGENHARIA
 
NR 35 Trabalho em Altura
NR 35 Trabalho em AlturaNR 35 Trabalho em Altura
NR 35 Trabalho em Altura
 
Apostila trab alturappt
Apostila trab alturapptApostila trab alturappt
Apostila trab alturappt
 
Capacitacao-Multiplicadores-pptx.pptx
Capacitacao-Multiplicadores-pptx.pptxCapacitacao-Multiplicadores-pptx.pptx
Capacitacao-Multiplicadores-pptx.pptx
 
Trabalho em Altura
Trabalho em AlturaTrabalho em Altura
Trabalho em Altura
 
Aula 5
Aula 5Aula 5
Aula 5
 
Prevencao de-risco-no-trabalho-em-altura
Prevencao de-risco-no-trabalho-em-alturaPrevencao de-risco-no-trabalho-em-altura
Prevencao de-risco-no-trabalho-em-altura
 
TRABALHO EM ALTURA.pdf
TRABALHO EM ALTURA.pdfTRABALHO EM ALTURA.pdf
TRABALHO EM ALTURA.pdf
 
Norma regulamentadora NR35 - TRABALHO EM ALTURA.pptx
Norma regulamentadora NR35 - TRABALHO EM ALTURA.pptxNorma regulamentadora NR35 - TRABALHO EM ALTURA.pptx
Norma regulamentadora NR35 - TRABALHO EM ALTURA.pptx
 
Treinamento-de-NR35-Trabalho-em-Altura-Slide.pptx
Treinamento-de-NR35-Trabalho-em-Altura-Slide.pptxTreinamento-de-NR35-Trabalho-em-Altura-Slide.pptx
Treinamento-de-NR35-Trabalho-em-Altura-Slide.pptx
 
trabalho em altura.pptx
trabalho em altura.pptxtrabalho em altura.pptx
trabalho em altura.pptx
 
Trabalho em altura nr 35
Trabalho em altura nr 35Trabalho em altura nr 35
Trabalho em altura nr 35
 
1 - SLIDE TREINAMENTO NR 35.pptx
1 - SLIDE TREINAMENTO NR 35.pptx1 - SLIDE TREINAMENTO NR 35.pptx
1 - SLIDE TREINAMENTO NR 35.pptx
 
094783e976d7629e760691b45b824a13Treinamento NR 35_002-2022.pptx
094783e976d7629e760691b45b824a13Treinamento NR 35_002-2022.pptx094783e976d7629e760691b45b824a13Treinamento NR 35_002-2022.pptx
094783e976d7629e760691b45b824a13Treinamento NR 35_002-2022.pptx
 

Mais de NRFACIL www.nrfacil.com.br

PERSPECTIVA SST 2019
PERSPECTIVA SST 2019PERSPECTIVA SST 2019
PERSPECTIVA SST 2019
NRFACIL www.nrfacil.com.br
 
Manual de produtos perigosos
Manual de produtos perigososManual de produtos perigosos
Manual de produtos perigosos
NRFACIL www.nrfacil.com.br
 
20passosescalada
20passosescalada20passosescalada
20passosescalada
NRFACIL www.nrfacil.com.br
 
E book-extintores-de-incêndio
E book-extintores-de-incêndioE book-extintores-de-incêndio
E book-extintores-de-incêndio
NRFACIL www.nrfacil.com.br
 
Metodologia hrn-avaliação-de-riscos
Metodologia hrn-avaliação-de-riscosMetodologia hrn-avaliação-de-riscos
Metodologia hrn-avaliação-de-riscos
NRFACIL www.nrfacil.com.br
 
amianto
amiantoamianto
Amia
AmiaAmia
15 dicas que você precisa saber sobre linha
15 dicas que você precisa saber sobre linha15 dicas que você precisa saber sobre linha
15 dicas que você precisa saber sobre linha
NRFACIL www.nrfacil.com.br
 
Capacitação nr 35
Capacitação nr 35Capacitação nr 35
Capacitação nr 35
NRFACIL www.nrfacil.com.br
 
Apostila investigacao-de-acidentes.pdf
Apostila investigacao-de-acidentes.pdfApostila investigacao-de-acidentes.pdf
Apostila investigacao-de-acidentes.pdf
NRFACIL www.nrfacil.com.br
 
Gabriel Gueiros - Artigo Ciências Aeronáuticas
Gabriel Gueiros - Artigo Ciências AeronáuticasGabriel Gueiros - Artigo Ciências Aeronáuticas
Gabriel Gueiros - Artigo Ciências Aeronáuticas
NRFACIL www.nrfacil.com.br
 
Informativo spinelli 6
Informativo spinelli 6Informativo spinelli 6
Informativo spinelli 6
NRFACIL www.nrfacil.com.br
 
Segurança e-utilização-de-abrasivos
Segurança e-utilização-de-abrasivosSegurança e-utilização-de-abrasivos
Segurança e-utilização-de-abrasivos
NRFACIL www.nrfacil.com.br
 
Pl0891 2013
Pl0891 2013Pl0891 2013
Safe design
Safe designSafe design
Ibutg como calcular_sem_decorar
Ibutg como calcular_sem_decorarIbutg como calcular_sem_decorar
Ibutg como calcular_sem_decorar
NRFACIL www.nrfacil.com.br
 
Fispq quim-amonia-industrial
Fispq quim-amonia-industrialFispq quim-amonia-industrial
Fispq quim-amonia-industrial
NRFACIL www.nrfacil.com.br
 
Faq sesmt
Faq sesmtFaq sesmt
Alquilbenzeno 9
Alquilbenzeno 9Alquilbenzeno 9
06 fispq emulsão asfáltica rr
06 fispq emulsão asfáltica rr06 fispq emulsão asfáltica rr
06 fispq emulsão asfáltica rr
NRFACIL www.nrfacil.com.br
 

Mais de NRFACIL www.nrfacil.com.br (20)

PERSPECTIVA SST 2019
PERSPECTIVA SST 2019PERSPECTIVA SST 2019
PERSPECTIVA SST 2019
 
Manual de produtos perigosos
Manual de produtos perigososManual de produtos perigosos
Manual de produtos perigosos
 
20passosescalada
20passosescalada20passosescalada
20passosescalada
 
E book-extintores-de-incêndio
E book-extintores-de-incêndioE book-extintores-de-incêndio
E book-extintores-de-incêndio
 
Metodologia hrn-avaliação-de-riscos
Metodologia hrn-avaliação-de-riscosMetodologia hrn-avaliação-de-riscos
Metodologia hrn-avaliação-de-riscos
 
amianto
amiantoamianto
amianto
 
Amia
AmiaAmia
Amia
 
15 dicas que você precisa saber sobre linha
15 dicas que você precisa saber sobre linha15 dicas que você precisa saber sobre linha
15 dicas que você precisa saber sobre linha
 
Capacitação nr 35
Capacitação nr 35Capacitação nr 35
Capacitação nr 35
 
Apostila investigacao-de-acidentes.pdf
Apostila investigacao-de-acidentes.pdfApostila investigacao-de-acidentes.pdf
Apostila investigacao-de-acidentes.pdf
 
Gabriel Gueiros - Artigo Ciências Aeronáuticas
Gabriel Gueiros - Artigo Ciências AeronáuticasGabriel Gueiros - Artigo Ciências Aeronáuticas
Gabriel Gueiros - Artigo Ciências Aeronáuticas
 
Informativo spinelli 6
Informativo spinelli 6Informativo spinelli 6
Informativo spinelli 6
 
Segurança e-utilização-de-abrasivos
Segurança e-utilização-de-abrasivosSegurança e-utilização-de-abrasivos
Segurança e-utilização-de-abrasivos
 
Pl0891 2013
Pl0891 2013Pl0891 2013
Pl0891 2013
 
Safe design
Safe designSafe design
Safe design
 
Ibutg como calcular_sem_decorar
Ibutg como calcular_sem_decorarIbutg como calcular_sem_decorar
Ibutg como calcular_sem_decorar
 
Fispq quim-amonia-industrial
Fispq quim-amonia-industrialFispq quim-amonia-industrial
Fispq quim-amonia-industrial
 
Faq sesmt
Faq sesmtFaq sesmt
Faq sesmt
 
Alquilbenzeno 9
Alquilbenzeno 9Alquilbenzeno 9
Alquilbenzeno 9
 
06 fispq emulsão asfáltica rr
06 fispq emulsão asfáltica rr06 fispq emulsão asfáltica rr
06 fispq emulsão asfáltica rr
 

Treinamento para trabalho em altura

  • 3. Objetivo: Fornecer orientações básicas de prevenção de quedas em serviços realizados em níveis diferentes. 2.Definições: 2.0.Abrangência: os serviços considerados neste procedimento abrangem aqueles de altura superior a 2 metros, profundidade superior a 1,20 metros ou onde haja riscos de quedas com potencial de lesão grave ou fatal. TÉCNICAS BÁSICAS DE PREVENÇÃO DE QUEDAS : Devem ser aplicadas, estudando-se caso a caso, sempre em uma sequência, para cada tipo de atividade operacional. Redução do tempo de exposição ao risco: transferindo na medida do possível, serviços para serem executados no solo, eliminando-se o risco de queda de altura. Exemplo: pré- montagem e pintura de peças no solo e etc.… Impedir a queda: eliminando o risco através da concepção e organização do trabalho na obra. Exemplo: colocação de proteções rígidas como: guarda-corpo metálico
  • 4. Proteção individual: Na impossibilidade da adoção de medidas que reduzam o tempo de exposição, impeçam ou limitem a queda de pessoas, deve-se recorrer aos equipamentos de proteção individual. Exemplo: cinto de segurança tipo pára-quedista com dois talabartes,mosquetão,rodana,freio oito,capacete,luvas,oculos,botas,cabos solteiro Responsabilidades: Todas as pessoas envolvidas nas atividades abrangidas por este procedimento são responsáveis pelo cumprimento destas orientações. Locais onde são desenvolvidos atividades com riscos de queda : Telhados, forros, lajes, torres, andaimes, escadas, estruturas, escavações, out-doors, caixas d’água, fundações, postes, plataformas, pontes rolantes, máquinas e equipamentos, carrocerias de caminhões e outros.
  • 5. Identificação dos empregados: Todo empregado habilitado para atividades com riscos de queda deverão ter identificação específica, sendo encontrado na analise de risco e na ficha de prevenção a quedas. Supervisão dos empregados que irão executar a atividade: •Ter equipe definida, aptas do ponto de vista médico e com treinamento específico sobre prevenção de quedas. •Planejamento baseado na prevenção •Elaboração prévia dos documentos: ficha de prevenção de queda e os demais obrigatórios ( Travamento de Fonte de Energia, Áreas Confinadas, etc). •Instruir os empregados sobre a atividade operacional e medidas preventivas, contidas nos documentos •Fazer avaliação médica de todos os empregados antes do serviço a ser executado. •Fazer inspeção prévia dos equipamentos e condições do local da atividade. •Realizar verificações periódicas sobre o andamento das atividades, condições dos equipamentos e cumprimento das medidas preventivas. •Realizar inspeção geral no término da atividade sobre a organização e limpeza do local, em conjunto com a supervisão da área
  • 6. Supervisão da área onde a atividade será realizada: •Participar do planejamento prévio da atividade, definindo disponibilidades, data e hora de início e término, interferências e isolamentos necessários. Estas definições constarão da ficha de analise de risco. •Liberar a área conforme ficha de analise de risco. •Realizar verificações periódicas sobre o andamento das atividades, condições dos equipamentos e cumprimento das medidas preventivas. •Realizar inspeção geral no término da atividade sobre a organização e limpeza do local, em conjunto com a supervisão executante. Empregados executantes: Somente executar serviços com riscos de queda se forem treinados, aptos por avaliação médica e identificados conforme padrão utilizado. Segurança do trabalho: •Manter atualizado o procedimento e divulgar novas técnicas de prevenção. •Assessorar as pessoas envolvidas nessas actividades. •Auditar periodicamente as atividades que envolvam riscos de queda, solicitando correção de irregularidade e propondo melhorias ao procedimento.
  • 7. Serviço médico: Realizar exames médicos necessários para detecção de problemas de saúde que impeçam a execução de atividades em níveis elevados. Roteiro resumido / seqüência de ações: (este roteiro resumido pode ser usado como ferramenta de divulgação do procedimento) •Os empregados relacionados para atividades que envolvam riscos de queda devem ser qualificados e identificados para tal. •Antes que um empregado inicie trabalhos que envolva riscos de queda, deverá ser feito o planejamento e conseqüente preenchimento da ficha de prevenção de quedas com a sua supervisão. •O supervisor do executante deverá preencher a ficha de prevenção de quedas com antecedência, junto ao supervisor do local onde será executado a atividade. Quando o serviço se estender por mais de um turno, a supervisão de cada turno deve participar e assinar a ficha.
  • 8. •As supervisões em conjunto devem cumprir todos os requisitos do procedimento de prevenção de quedas para o preenchimento adequado da analise de risco. •Devem ser consultados os itens referentes às técnicas básicas de prevenção e instruções básicas de segurança. Ênfase especial também será dado ao travamento de todas as fontes de energia, interferências com outras atividades e planejamento de resgates em caso de acidente ou outras emergências. empregados devem receber as orientações contidas na ficha de analise de risco que, depois de preenchida e assinada, deverá ser afixada no local de trabalho. •Para a execução do serviço com segurança, as supervisões envolvidas devem garantir a devida preparação do local, verificando condições e uso dos equipamentos, o acompanhamento temporário do cumprimento das medidas preventivas determinadas e, após o término do trabalho, assegurar a reorganização e limpeza do local de trabalho. Após o término do trabalho a ficha de analise de risco deverá ser entregue à supervisão do executante, que deverá arquivá-la por 21 anos. •No caso de serviços realizados por empresas contratadas, a ficha de analise de risco ser anexada à autorização para execução de serviços,. A manutenção deverá participar no planejamento de todos os serviços com riscos de queda. É proibido usar cestos acoplados em empilhadeiras para efetuar içamento de pessoas.
  • 9. Treinamento: •Todos os empregados envolvidos em atividades com risco de queda devem realizar treinamento específico contendo : técnicas de prevenção, instruções básicas de segurança, primeiros socorros e princípios de resgate. •Devem ser realizados periodicamente atividades de divulgação e conscientização de todos os empregados sobre os riscos de queda •O treinamento específico deve ser registrado e controlado pela seção de segurança e higiene do trabalho. •Cada seção deverá possuir lista de pessoas habilitadas a realizar atividades com riscos de queda. •Os operadores de Plataformas Elevatórias alem da obrigação de serem habilitados, devem ter cursos específicos .
  • 10. INSTRUÇÕES BÁSICAS DE EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL 1.1.OBJETIVO: Dispositivos de uso individual de fabricação nacional ou estrangeira utilizada para medidas e ações a serem tomadas por responsáveis e empregados envolvidos nas atividades de risco. 1.2.DEFINIÇÃO: Para os fins de aplicação da Norma Regulamentadora – NR 6 considera-se Equipamento de Proteção Individual, EPI, todo dispositivo ou produto, de uso individual utilizado pelo trabalhador, destinado à proteção de riscos suscetíveis de ameaçar a segurança e a saúde no trabalho. APLICAÇÃO:OBRIGAÇÃO DO EMPREGADOR: Adquirir o tipo adequado para a atividade e fornecer somente EPI aprovado pelo MTE (MINSTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO); Treinar o empregado quanto ao uso; Substituí-lo quando for necessário; Responsabilizar-se pela higienização e manutenção periódica; Comunicar ao MTE (MINSTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO) qualquer irregularidade.
  • 11. INSTRUÇÕES BÁSICAS DE EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL 1.7.OBRIGAÇÃO DO EMPREGADO: Usá-lo apenas para a finalidade que se destina; Responsabilizar-se pela guarda e conservação; Comunicar ao Superior imediato qualquer alteração que o torne impróprio para uso. 1.8.OBRIGAÇÃO DO FABRICANTE: Comercializar e vender os EPI’s com C.A. (CERTIFICADO DE APROVAÇÃO) expedido pelo Ministério do Trabalho e Emprego; Renovar o C.A., o CRF e o C.R.I. quando vencido o prazo de validade; (CRF: CERTIFICADO DE REGISTRO DE FABRICANTE) (CRI: CERTIFICADO DE REGISTRO DE IMPORTADOR) O equipamento de proteção individual é utilizado quando na atividade a ser executada, oferecendo complemento da proteção coletiva e contra os riscos de acidentes do trabalho e /ou de doenças profissionais e do trabalho. • 1.4.RESPONSABILIDADE: • Cabe a todos empregados envolvidos em serviços com risco de quedas na empresa em todos os níveis e os representantes técnicos das empresas Contratadas, cumprir e fazer cumprir todos os itens constantes nesta Instrução Básica. O descumprimento de qualquer item é considerado FALTA GRAVE, sujeita ás medidas administrativas e disciplinares internas cabíveis, além do enquadramento legal a critério das autoridades competentes
  • 12. 1.9.OBRIGAÇÃO DO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO: Receber, examinar, aprovar e registrar o EPI; Credenciar os órgãos Federais, Estaduais e Municipais para avaliar e verificar a durabilidade e conformidade do EPI; Emitir e renovar o C.A., CRF e o C.R.I.; Cancelar o C.A., CRF e o C.R.I.; Fiscalizar a qualidade do EPI. 1.10. TRABALHO: A supervisão do executante tem a responsabilidade de utilizar, fornecer gratuitamente, treinar, obrigar quanto ao uso de acordo com o risco da atividade a ser executada. 1.11. UTILIZAÇÃO: • É de responsabilidade de o empregado utilizar o equipamento de proteção individual de acordo as instruções de sua supervisão e suas atividades executadas na empresa. Cabe ao empregado comunicar todas as irregularidades apresentadas impedindo o uso perfeito do mesmo. O empregado que não utilizá-los comete falta grave, descumprindo as normas da empresa.
  • 13. 1.12. EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO NDIVIDUAL UTILIZADOS Trava quedas km cable para uso em cabo de aço Trava quedas para uso com corda poliamida 12mm Trava quedas retrátil com absorvedor de energia Trava quedas retrátil – 30 metros Talabarte em y com 02 mosquetões e absorvedor de energia Corda poliamida trançada 12mm Gancho de ancoragem 150 mm Cinto de segurança com duplo talabarte Vara telescópica em fibra Capacete de segurança com aba frontal com jugular.
  • 14. 2)INSTRUÇÕES BÁSICAS DE EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO COLETIVA 2.1.OBJETIVO: Dispositivos de uso coletivo de fabricação nacionais ou estrangeiros utilizados para medidas e ações a serem tomadas por responsáveis e empregados envolvidos nas atividades de risco, garantindo o uso de equipamentos de proteção individual e, garantindo um trabalho seguro e produtivo. 2.2.DEFINIÇÃO: Dispositivos de uso coletivo destinado a proteger a saúde e integridade física do trabalhador. 2.3.APLICAÇÃO: O uso do equipamento de proteção coletiva é utilizado quando as atividades a ser executada forem tecnicamente inviáveis ou não, oferecendo completa proteção contra os riscos de acidentes do trabalho e /ou de doenças profissionais e do trabalho.
  • 15. 2.4.RESPONSABILIDADE: Cabe a todos empregados envolvidos em serviços com risco de quedas na empresas em todos os níveis e os representantes técnicos das empresas Contratadas, cumprir e fazer cumprir todos os itens constantes nesta Instrução Básica. O descumprimento de qualquer item é considerado FALTA GRAVE, sujeita ás medidas administrativas e disciplinares internas cabíveis, além do enquadramento legal a critério das autoridades competentes. 2.5.OBRIGAÇÃO DA EMPRESA: Projetar e instalar as proteções coletivas de acordo ao risco da atividade e em perfeito estado de conservação e funcionamento. 2.6.OBRIGAÇÃO DO EMPREGADOR: Instalar a proteção adequada para a atividade que apresenta risco; Treinar o empregado quanto ao uso; Substituí-lo quando for necessário; Responsabilizar-se pela manutenção periódica; Comunicar ao MTE qualquer irregularidade
  • 16. 2.7.OBRIGAÇÃO DO EMPREGADO: Não remover as proteções; Usá-lo apenas para a finalidade que se destina; Responsabilizar-se pela conservação; Comunicar ao Superior imediato qualquer alteração que o torne perigoso. 2.8. TRABALHO: A supervisão do executante tem a responsabilidade de, instalar, utilizar, treinar,obrigar quanto ao uso de acordo o risco da atividade a ser executada. 2.9. UTILIZAÇÃO: É de responsabilidade do empregado em utilizar o equipamento de proteção coletiva de acordo as instruções de sua supervisão e suas atividades executadas na empresa. Cabe ao empregado comunicar todas as irregularidades apresentadas impedindo o uso perfeito do mesmo. O empregado que não utilizá-los é de falta grave e descumprido as normas da empresa. 2.10. DISPOSITIVOS E PROTEÇÃO COLETIVOS: Edificações, máquinas e equipamentos devem possuir os dispositivos ou meios para a prevenção de acidentes e conforto aos que nela trabalhem.
  • 17. Principais equipamentos de proteção coletiva que podem ser utilizados nas mais variadas atividades em altura: 2.11.CABO DE AÇO GUIA: APLICAÇÃO NA HORIZONTAL: Todo trabalho onde não haja pontos para fixação do cinto de segurança, deverá ser instalado cabo de aço guia em toda extensão do trabalho posicionado acima da cabeça do usuário, com objetivo de reduzir impacto em uma possível queda deve ser no mínimo de 3/8’ fixado em suportes resistentes através de grampos (no mínimo três) em cada extremidade; APLICAÇÃO NA VERTICAL: Utilizados em conjunto com trava-quedas nos serviços, como: acesso a plataforma de andaimes, escadas, bate-estacas, balancim, cadeira suspensa, telhados e outros.
  • 19. TRABALHOS COM USO DE PLATAFROMA ELEVATÓRIA
  • 20. TRABALHE SEMPRE DE FORMA SEGURA ! OBRIGADO.
  • 21. SEJA UM PROFISSIONAL ALTAMENTE QUALIFICADO