SlideShare uma empresa Scribd logo
Treinamento Bahiana de medicina – 2ª etapa – Prof. Emanuel
01. A heroína é uma droga do grupo dos opióides, também conhecidos como
analgésicos narcóticos. Outros opióides como o ópio, a codeína e a morfina
são substâncias naturalmente extraídas da papoula. A heroína é uma
substância depressora do Sistema Nervoso Central sendo capaz de alterar as
sensações de prazer e dor. É usada com o objetivo de aumentar a auto-estima
e diminuir o desânimo.
Todas as células são envolvidas por uma membrana plasmática que controla a
entrada e a saída de substâncias. A membrana plasmática possibilita a
diferenciação bioquímica entre a célula e o meio, pois é dotada de
seletividade. Com base em seus conhecimentos sobre a dinâmica e estrutura
da membrana responda:
a) O que confere a plamalema sua capacidade de seletividade?
b) Das drogas citadas no texto qual a que deve transitar mais facilmente
através da barreira hematoencefálica? Justifique sua resposta
c) A figura que se segue apresenta vários tipos de transporte, que permitem a
passagem da glicose, através da célula intestinal, da luz do intestino até o
sangue. Com base nesta figura, explique a participação da bomba de sódio e
potássio no mecanismo de transporte da glicose, da luz do intestino até os
vasos sanguíneos.
Treinamento Bahiana de medicina – 2ª etapa – Prof. Emanuel
02. O manitol tem uma estrutura semelhante ao monossacarídeo manose. Por
ter sabor adocicado, o manitol frequentemente é usado na confecção de balas
e doces. Ao contrário do açúcar comum, porém, o manitol não é absorvido pelo
intestino, de modo que uma ingestão exagerada de produtos contendo manitol
pode causar diarreia.
Médicos se aproveitam das propriedades osmóticas do manitol e o administram
oralmente em altas concentrações para que a diarreia resultante esvazie o
intestino de pacientes antes de exames de imagens.
Explique de que maneira altas doses de manitol provocam a diarreia.
03. Especialistas em saúde pública dizem que ações de prevenção a doenças
e à mortalidade infantil precisam estar associadas a boa condições sanitárias.
A água pode ser um importante veiculo de proliferação de doenças conforme
observado na tabela.
Com base em seus conhecimentos identifique o grupo biológico a que
pertencem os agentes etiológicos de cada uma das doenças listadas e explique
porque as doenças da primeira coluna fazem parte do grupo se as mesmas
não são transmitidas pela ingestão de água contaminada.
04. O esquema a seguir refere-se a um rio (linha espessa) e seus afluentes.
Em suas margens, encontram-se diferentes áreas impactadas pela ação
humana. A área I representa a atividade de um garimpo clandestino. A área II é
ocupada por uma extensa lavoura de milho que utiliza fertilizantes químicos e
agrotóxicos. A área III refere-se à ocupação urbana, que utiliza a água do rio
para consumo, porém, ainda não realiza tratamento do esgoto doméstico,
lançando-o no rio. A área IV refere-se a uma área de preservação ambiental,
com mata virgem, e corresponde à nascente do rio. Analise a figura e as áreas
mencionadas e responda ao que se pede.
Treinamento Bahiana de medicina – 2ª etapa – Prof. Emanuel
a) Qual a principal consequência para a população humana que se alimenta de
peixes obtidos na área I?
b) Quais as principais consequências, para a vida aquática local, da liberação
de produtos no rio, gerados pela atividade realizada na área II.
c) Cite a denominação do processo que será desencadeado no rio, como
consequência da liberação dos efluentes gerados pela área III. Cite uma
solução para o impacto gerado por essa área.
d) Qual a principal consequência para o leito do rio se houvesse um
desmatamento na área IV e a longo prazo o que poderia ocorrer?
05. Em famílias constituídas a partir da união de primos em primeiro grau, é
mais alta a ocorrência de distúrbios genéticos, em comparação com famílias
formadas por casais que não têm consanguinidade.
a) A que se deve essa maior ocorrência de distúrbios genéticos em uniões
consanguíneas?
b) A fenilcetonúria (FCU) é um distúrbio genético que se deve a uma mutação
no gene que expressa a enzima responsável pelo metabolismo do aminoácido
fenilalanina. Na ausência da enzima, a fenilalanina se acumula no organismo e
pode afetar o desenvolvimento neurológico da criança. Esse distúrbio é
facilmente detectado no recém-nascido pelo exame do pezinho. No caso de ser
constatada a doença, a alimentação dessa criança deve ser controlada. Que
tipos de alimento devem ser evitados: os ricos em carboidratos, lipídeos ou
proteínas?
06. As pessoas são incentivadas a praticar atividades físicas visando a uma
vida saudável. Especialistas em fisiologia do exercício determinaram a
porcentagem de fibras do tipo I e do tipo II encontradas em músculos estriados
esqueléticos de quatro grupos de pessoas: atletas maratonistas (*), atletas
velocistas (**), pessoas sedentárias, e pessoas com atividade física moderada.
Os resultados desse estudo são mostrados na figura a seguir. As
características funcionais de cada uma das fibras estão listadas na tabela.
(*) corredores de longas distâncias; (**) corredores de curtas distâncias (ex.100
m rasos)
Treinamento Bahiana de medicina – 2ª etapa – Prof. Emanuel
a) Analise as informações da tabela e indique, entre os quatro grupos de
pessoas (A, B, C ou D) mostrados na figura, qual grupo corresponde aos
maratonistas e qual grupo corresponde aos velocistas. Justifique.
b) Se os dois grupos de atletas não fizerem um treinamento adequado, pode
ocorrer nesses atletas dor muscular intensa durante ou após uma competição.
A que se deve essa dor muscular? Explique.
07. Em busca de um melhor condicionamento, muitos atletas especialistas em
provas de longa distância - 10 km e maratona - treinam em localidades de
altitude elevada, onde a atmosfera é rarefeita e há menos concentração de
oxigênio. Passado algum tempo (cerca de 10 a 15 dias) observa-se, ente
outros efeitos, que o sangue dos atletas apresenta um aumento do número de
hemácias. Esse aumento é uma consequência da adaptação do organismo às
menores concentrações de O2. Ao participarem de provas em locais em que há
maiores concentrações de O2 (por exemplo ao nível do mar), esses atletas
exibem maior capacidade respiratória do que aqueles que não passaram pelo
mesmo condicionamento.
As hemácias, ou glóbulos vermelhos, são células que apresentam cerca de 1
bilhão de complexos protéicos conhecidos como hemoglobina.
Cada molécula de hemoglobina apresenta quatro sítios de ligação, sendo,
portanto, capaz de transportar um máximo de quatro moléculas de oxigênio
(O2).
O complexo formado pela hemoglobina e o oxigênio é chamado de
oxiemoglobina. O processo pode ser descrito pelo equilíbrio em múltiplas
etapas.
Se nem todos os atletas podem se beneficiar de treinos em regiões de altitude
elevada, alguns procuram aumentar a sua capacidade aeróbica por um
mecanismo controverso e antiético. Já foram registrados casos de atletas que,
cerca de três meses antes da prova, retiraram uma amostra de sangue de
cerca de 500 mL, volume usual em uma doação para bancos de sangue, para
injetá-la em si mesmos três meses depois, às vésperas da competição. Esse
procedimento é caracterizado como ilegal, constituindo-se em caso de
"doping".
a) Explique de que maneira o treinamento em altitudes elevadas pode melhorar
a capacidade respiratória dos atletas em competições ao nível do mar. A sua
resposta deve considerar as condições dos equilíbrios envolvidos no transporte
de oxigênio.
b) Descreva o efeito esperado no caso de "doping" citado no texto. Compare-o
com o treinamento em altitude elevadas.
Treinamento Bahiana de medicina – 2ª etapa – Prof. Emanuel
08. RADICAIS LIVRES - UM ASSUNTO DA MODA
Há muito tempo que a Medicina já reconhece os radicais livres como verdadeiros
vilões do nosso organismo. Eles são átomos ou moléculas livres dotados de cargas
elétricas, resultantes, muitas vezes, das próprias reações intracelulares, ou
provenientes do meio externo, que se mostram prejudiciais à saúde. São
consequências do estresse, dos desvios alimentares, do fumo, das atividades físicas
exageradas e da poluição ambiental. Atualmente, estão sendo muito comentados,
tendo em vista os avanços da Medicina Ortomolecular.
A partir do exposto, responda:
a) De que maneira os radicais livres agem no organismo humano?
b) Cite um exemplo de local e forma de ação dos radicais livres no organismo do
homem
09. Os antibióticos, largamente usados no combate às infecções bacterianas,
deveriam matar as bactérias de modo seletivo, sem interferir no metabolismo das
células do corpo humano, o que nem sempre ocorre.
a) Os derivados de cloranfenicol, apesar de terem sido usados como antibióticos, por
atuarem sobre o ribossomo de bactérias, também interferem na função de uma
organela humana. Indique o processo que é inibido pelo cloranfenicol e explique por
que apenas uma organela humana é afetada por sua ação.
b) O tratamento prolongado com qualquer antibiótico por via oral pode levar à carência
de algumas vitaminas. Cite uma dessas vitaminas e explique como a antibioticoterapia
oral pode provocar sua carência.
10. O hormônio cortisol, devido a sua acentuada ação anti-inflamatória, é muito usado
como medicamento.
Observe o seguinte procedimento de terapia hormonal prescrito para um paciente:
- administração de doses altas de cortisol diariamente, durante trinta dias;
- diminuição progressiva das doses, após esse prazo, até o final do tratamento.
No gráfico a seguir, são mostradas a taxa de produção de cortisol pelo organismo do
paciente e a concentração desse hormônio no sangue, nos primeiros trinta dias de
tratamento.
a) Descreva a alteração da taxa de produção de cortisol durante os primeiros trinta
dias.
b) Explique o motivo pelo qual, ao final do tratamento, as doses de cortisol devem ser
diminuídas progressivamente
Treinamento Bahiana de medicina – 2ª etapa – Prof. Emanuel
11. As duas curvas (A e B) do gráfico mostram a concentração de anticorpos
produzidos por um camundongo, durante oito semanas, em resposta a duas injeções
de um determinado antígeno. Essas injeções foram realizadas com intervalo de seis
meses.
a) Identifique as curvas que correspondem a primeira e a segunda injeção de
antígenos.
b) Quais são as características das duas curvas que permitem distinguir a curva
correspondente à primeira injeção de antígenos daquela que representa a segunda
injeção?
c) Por que as respostas a essas duas injeções de antígenos são diferentes?
12. Os conhecimentos atuais de biologia celular, biologia molecular e engenharia
genética podem, muitas vezes, estabelecer com segurança o parentesco entre
pessoas, mesmo quando elas pertencem a gerações afastadas entre si.
O heredograma a seguir mostra os descendentes do casal João e Maria.
Atualmente, de toda essa família, apenas Maria e todos os seus bisnetos estão vivos,
e se apresentaram para a identificação de herdeiros do casal citado. Por não haver
documentos legais comprobatórios da relação de parentesco, nem ser possível a
coleta de material genético dos membros falecidos da família, foi utilizada, dentre
outras, a técnica de identificação por meio do estudo do DNA extranuclear.
Indique o número de:
a) bisnetos do sexo masculino e do sexo feminino que poderiam ser identificados com
aproximadamente 100% de certeza, por técnicas que determinam a homologia entre
amostras de DNA extranuclear, e justifique sua resposta;
b) netos e bisnetos de João e Maria que possuíram ou possuem o cromossomo Y
idêntico ao de João e justifique sua resposta.
Treinamento Bahiana de medicina – 2ª etapa – Prof. Emanuel
13. Os esquemas I e II abaixo mostram as etapas da expressăo gênica em dois
organismos distintos, um procarioto e um eucarioto.
a) Indique, com justificativa, qual esquema se refere ao eucarioto. Em qual ou quais
compartimentos celulares ocorrem as etapas indicadas por 1 e 2 no esquema I, e as
etapas 3 e 5 do esquema II?
b) A remoçăo diferencial de íntrons do RNA mensageiro pode resultar na produçăo de
diferentes peptídeos. Qual das etapas indicadas nos esquemas corresponde ao
processo de remoçăo de íntrons? Explique por que a remoçăo diferencial de introns
pode acarretar a produçăo de diferentes peptídeos.
14. Em 1928, Griffith relatou em um trabalho que Pneumococcus não capsulados
podiam começar a apresentar cápsulas quando misturados com Pneumococcus
capsulados e mortos pelo calor (figura abaixo). Em 1944, Avery e colaboradores
demonstraram que o DNA era a molécula envolvida nesse processo.
Posteriormente outros trabalhos mostraram que as bactérias, apesar de não
apresentarem reprodução sexuada, podem receber genes de outras bactérias por três
mecanismos diferentes de recombinação: transformação, transdução e conjugação.
a) Que mecanismo de recombinação foi observado por Griffith? Explique como o DNA
está envolvido nesse processo.
b) Em qual dos mecanismos de transferência de material genético é necessário o
contato físico entre as células bacterianas? Justifique sua resposta.
c) Em qual dos três mecanismos os vírus bacteriófagos podem servir de vetores na
recombinação bacteriana? Justifique sua resposta.
Treinamento Bahiana de medicina – 2ª etapa – Prof. Emanuel
15. No Brasil, são registradas diferentes espécies de Leishmania, parasitas de
humanos e animais, que causam doenças conhecidas como leishmanioses. Acerca
das leishmanioses, são apresentadas duas situações para análise.
Situação 1
“Leishmaniose deixa Goiânia em alerta Em menos de um mês 13 cães foram
contaminados na capital. Secretaria Municipal de Saúde investiga o avanço da
doença”.
Situação 2
Representação gráfica do efeito das medidas profiláticas no controle das
leishmanioses humana e canina no Vale do Rio Doce, MG, Brasil, no período de 1965
a 1978.
Após a leitura e a análise das situações apresentadas, responda ao que se pede.
a) Em relação à situação 1, qual o papel do cão no ciclo da leishmaniose?
b) O efeito das medidas profiláticas foi satisfatório no controle dos casos de
leishmaniose, segundo a situação 2? Justifique.
c) Quais as medidas profiláticas poderiam ter sido adotadas no controle da
leishmaniose, conforme a situação 2?
16. A maior parte dos copinhos de café, copos de água e mamadeiras é feita de
policarbonato com bisfenol A, substância que é liberada quando algum líquido quente
é colocado nesses recipientes. O bisfenol A é um composto químico cuja estrutura
molecular é muito semelhante à do hormônio estrógeno. A ingestão do bisfenol A pode
resultar em alterações do ciclo menstrual e também causar alterações no
amadurecimento sexual principalmente em adolescentes do sexo feminino.
a) Considerando a semelhança do bisfenol A com o estrógeno e a sua presença em
adolescentes, explique como o bisfenol A poderia influenciar no amadurecimento
sexual desses adolescentes e no espessamento do endométrio no início do ciclo
menstrual.
Treinamento Bahiana de medicina – 2ª etapa – Prof. Emanuel
b) Embora o amadurecimento sexual ocorra para meninos e meninas em torno dos 12
anos, no sexo feminino a divisão celular meiótica começa muito antes e pode durar
décadas. Quando esse processo de divisão começa no sexo feminino e por que essa
divisão pode ser tão longa?
17. Marcos e Paulo são filhos do mesmo pai, mas de mães diferentes.
Com relação aos tipos sanguíneos dos sistemas ABO e Rh, Marcos é um “doador
universal”. Contudo, ao invés de doar sangue, Marcos é obrigado a recebê-lo por
doação, pois tem hemofilia tipo A, uma característica ligada ao sexo. Nas vezes em
que recebeu transfusão sanguínea, Marcos teve por doadores Paulo e a mãe de
Paulo. Sua mãe e seu pai não puderam doar sangue, embora fossem compatíveis
pelo sistema Rh, mas não o eram pelo sistema ABO.
Já adultos, Marcos e Paulo casaram-se com mulheres em cujas famílias não havia
histórico de hemofilia, e ambos os casais esperam um bebê do sexo masculino.
Contudo, estão receosos de que seus filhos possam vir a ter hemofilia. O
heredograma representa as famílias de Marcos e de Paulo. O indivíduo apontado pela
seta é Marcos.
Considerando o histórico acima, qual o provável tipo sanguíneo da mãe e do pai de
Marcos e qual a probabilidade de que os filhos de Marcos e de Paulo sejam
hemofílicos? Justifique suas respostas.
18. Os gráficos a seguir apresentam o crescimento de uma espécie de bactéria e de
um vírus bacteriófago em ciclo lítico, ambos em ambientes sem limitação de recursos.
Identifique qual gráfico (A ou B) representa o crescimento das bactérias e qual
representa o crescimento dos bacteriófagos. Justifique sua resposta.
19. A revista Veja publicou, em sua edição de 29.07.2009, a reportagem “Não há
motivo para alarme” onde cita dados do Ministério da Saúde mostrando que a gripe
comum matou, no mesmo período em 2008, 4.500 pessoas, contra 33 mortes
Treinamento Bahiana de medicina – 2ª etapa – Prof. Emanuel
causadas pelo vírus H1N1 em 2009. A mesma reportagem mostra que um estudo
realizado com ratos comprovou que o vírus H1N1 tem dez vezes mais capacidade de
infectar o tecido pulmonar do que o vírus da gripe comum. Desta forma, o problema
maior da gripe causada por este vírus é sua habilidade em “conquistar hospedeiros” e
não sua letalidade.
a) Quais são as principais atitudes individuais a serem tomadas para se evitar o
contágio, amplamente veiculadas pelo Ministério da Saúde?
b) Sobre a reprodução do H1N1 no interior das células foi feita a seguinte afirmação:
“Sendo o H1N1 um vírus de RNA, a duplicação do genoma viral ocorre pela ação de
uma enzima, a RNA polimerase, que catalisa a síntese de RNA a partir do DNA da
célula hospedeira para a produção de novos vírus”. Avalie se esta informação está
correta ou não, justificando a sua resposta.
20. Apelo assexual – Caso único na natureza, espécie de formiga dispensou seus
machos e descobriu que, ao menos para ela, sexo não vale a pena.
Trata-se da Mycocepurus smithii, uma espécie de formiga que não tem machos: a
rainha bota ovos que crescem sem precisar de fertilização, originando operárias
estéreis ou futuras rainhas. Aparentemente, este mecanismo de reprodução traz uma
desvantagem, que é a falta de diversidade genética que pode garantir a sobrevivência
da espécie em desafios ambientais futuros.
Duas hipóteses foram levantadas para explicar a origem destes ovos diploides: a
primeira delas diz que os ovos são produzidos por mitoses e permanecem diploides
sem passar por uma fase haploide; a segunda sugere que se formam dois ovos
haploides que fertilizam um ao outro.
Considere as duas hipóteses apresentadas pelo texto. Cada uma dessas hipóteses,
isoladamente, reforça ou fragiliza a suposição de que essa espécie teria desvantagem
por perda de variabilidade genética? Justifique suas respostas.
Treinamento Bahiana de medicina – 2ª etapa – Prof. Emanuel
Gabarito proposto
01. a) A organização estrutural e funcional da camada fosfolipídica e a presença de
proteínas de transporte conferem à membrana plasmática a capacidade de ser permeável
apenas a algumas substâncias.
b) A heroína é mais lipossolúvel que a morfina, logo a passagem de heroína através da
membrana plasmática é mais rápida, pois os lipídios têm maior afinidade por compostos
apolares, sem carga e de pequeno tamanho. A heroína ultrapassa a barreira
hematoencefálicapor difusão simples.
c) Se a bomba de sódio e potássio não diminuir a concentração de sódio intracelular,
não haverá a formação do gradiente Na+ que determina sua entrada na célula e
consequente o co-transporte de glicose
02. O manitol não é absorvido pela mucosa intestinal sendo osmoticamente ativo e,
assim, a alta concentração local faz que o intestino se torne hipertônico com relação ao
sangue aumentando a pressão osmótica da luz intestinal. Desse modo, a água corporal é
transportada para a luz do intestino provocando, então, a diarréia
03. Malária, giardíase e disenteria amebiana são causadas por protozoários
Febre amarela ,dengue, poliomielite e hepatite A são causadas por vírus
Elefantíase é causada por um verme nematelminto
As doenças da primeira coluna não são transmitidas pela ingestão de água, mas sim pela
ação de mosquitos vetores que reproduzem em água parada.
04. a) Magnificação trófica com problemas neurológicos devido a bioacumulação do
mercúrio
b) Os agrotóxicos sofreram magnificação trófica e os fertilizantes ricos em nitratos e
fosfatos vão intensificar a floração das águas.
c) O processo de Eutrofização. A solução seria tratamento do esgoto, saneamento básico
e despoluição da água do rio;
d) Assoreamento com a possibilidade de uma sucessão ecológica secundária.
05. a) Muitos genes que causam distúrbios genéticos são recessivos, ou seja, só se
manifestam em dose dupla. Como primos em primeiro grau possuem patrimônio
genético muito parecido, já que têm ascendentes comuns, a probabilidade de os dois
terem o mesmo gene deletério é maior do que em indivíduos não aparentados. Portanto,
a chance desses genes aparecerem em dose dupla no filho ou filha também é mais alta.
b) Os fenilcetonúricos não conseguem metabolizar o aminoácido fenilalanina, portanto,
devem ser evitados os alimentos ricos em proteínas, principalmente as que contenham
fenilalanina
06. a) Maratonistas: C, possuem maior quantidade de fibras tipo I, que garante elevada
resistência em longos percursos.
Velocistas: A, possuem maior quantidade de fibras tipo II, estas garantem contrações
rápidas e anaeróbias. Um exemplo pode ser uma corrida de curto percurso.
b) Acúmulo de ácido láctico na musculatura. A deficiência de oxigenação pode levar à
fermentação láctica. Essa fermentação é o mecanismo pelo qual a célula muscular
reoxida o NADH + H+, permitindo o funcionamento contínuo da glicólise em condições
anaeróbias.
Treinamento Bahiana de medicina – 2ª etapa – Prof. Emanuel
07. a) O ar rarefeito em altitudes elevadas provoca no corpo a maior produção de
eritropoietina gerando uma poliglobulia compensatória (aumento no número de
hemácias), portanto aumento das taxas de hemoglobina. Neste caso o equilíbrio será
deslocado para a formação de mais oxiemoglobina.
4 O2 + Hb Hb (O2)4
b) A injeção de mais 500ml de sangue aumentará o número de hemácias sendo
comparada com a poliglobulia causada pelo ar rarefeito.
08. a) Os radicais livres têm ação oxidante sobre compostos de relevante papel na
atividade celular e orgânica, como enzimas, ácidos nucléicos e proteínas da membrana
plasmática. Dessa forma, eles contribuem para o processo de envelhecimento das
células e dos tecidos.
b) - Mitocôndrias: o DNA mitocondrial pode ser afetado pelos radicais livres, e, nessa
circunstância, a mitocôndria diminui sua atividade no processo de liberação de energia
para a célula.
- Cromossomos: a ação negativa dos radicais livres sobre as moléculas de DNA na
estrutura dos cromossomos perturba a produção de proteínas e pode contribuir para
desvios funcionais celulares e orgânicos.
- Membrana plasmática: a oxidação de proteínas e lipídios na estrutura da membrana
provoca distúrbios nas trocas de substâncias entre os meios extra e intracelular.
- Enzimas e anticorpos: os radicais livres desativam muitas enzimas por oxidação,
prejudicando o metabolismo celular. Da mesma forma, eles afetam a produção de
anticorpos em células do sistema imunológico.
09. a) Síntese de proteínas.
O mecanismo de biossíntese protéica das mitocôndrias é o único similar ao das bactérias
devido a origem endossimbiótica da organela.
b) Uma dentre as vitaminas:
- vitamina K
- vitaminas do complexo B
A antibioticoterapia oral pode eliminar as bactérias intestinais que são importante fonte
dessas vitaminas para o homem
10. a) O nível aumentado de cortisol na circulação, após sua administração, inibe por
feedback negativo a produção do hormônio adrenocorticotrófico (ACTH) pelo lobo
anterior da hipófise , o que promove uma diminuição do estímulo da produção do
cortisol pelas glândulas supra-renais.
b) A retirada progressiva do cortisol permite um aumento também progressivo do
ACTH circulante, evitando um quadro de hipofunção do córtex supra-renal após o
término do tratamento.
11. a) B e A, respectivamente.
b) A curva B indica a resposta imunológica primária, após a primeira injeção, ocorrendo
uma produção inicial de anticorpos mais demorada e menos duradoura e produção de
células de memória. A curva A indica a resposta imunológica secundária após a segunda
injeção, ocorrendo uma produção imediata, mais rápida e intensa de anticorpos.
c) A resposta secundária é mais eficiente graças à ação das células de memória
específicas em relação ao antígeno aplicado.
12. a) 2 do sexo masculino e 2 do sexo feminino.
Treinamento Bahiana de medicina – 2ª etapa – Prof. Emanuel
Nas condições propostas, homologias entre amostras de DNA só seriam possíveis se
fossem comparadas amostras de origem mitocondrial. Como as mitocôndrias dos
embriões formados originam-se, na grande maioria dos casos, diretamente dos óvulos,
só poderíamos obter aproximadamente 100% de homologia comparando o DNA
mitocondrial de Maria com os de seus bisnetos e bisnetas cujas mães e avós sejam
descendentes diretos de Maria.
b) 2 netos e 1 bisneto.
O cromossomo Y é único e característico do sexo masculino. Esse cromossomo existe
em cerca de 50% dos espermatozoides mas não em óvulos. Cromossomos Y homólogos
ao de João serão encontrados, portanto, nos netos do sexo masculino descendentes dos
filhos homens de João, e nos bisnetos de sexo masculino que sejam filhos destes
13.
a) O esquema II refere-se a um organismo eucarioto. Nos procariotos (esquema I) o
genoma não contém íntrons. Nos organismos procariotos a transcrição (1) e a tradução
(2) ocorrem simultaneamente no citoplasma celular. Em eucariotos, a transcrição (3)
ocorre no núcleo e a tradução (5) se passa no citoplasma.
b) A remoção diferencial dos íntrons ocorre na etapa 4. O agrupamento alternativo dos
íntrons (regiões codificantes) pode dar origem a diferentes tipos de RNAs mensageiros
que serão traduzidos em peptídeos distintos.
14.
a) O mecanismo é a Transformação. Fragmentos do DNA da bactéria morta chegam ao
citoplasma da bactéria viva e se recombinam com seu material genético, conferindo à
bactéria receptora a característica de apresentar cápsula e patogenicidade.
b) O mecanismo é a Conjugação, pois é necessária a presença do pillus interligando as
células bacterianas para que possa ocorrer a transferência do material genético.
c) Transdução. O material genético do vírus se integra ao genoma da célula bacteriana,
para que o ácido nucleico viral possa ser duplicado. Dessa forma, sequências do DNA
bacteriano podem permanecer ligadas ao DNA viral e, consequentemente, serem
transportadas por outra bactéria.
15.
a) Hospedeiro vertebrado que, epidemiologicamente, comporta-se como reservatório
doméstico.
b) Sim. Observa-se no gráfico que a adoção e o aumento das medidas profiláticas
adotadas naquela região e naquele período diminuíram o porcentual de casos humanos e
caninos de leishmaniose.
c) Diagnóstico e tratamento dos doentes, evitando-se a transmissão da doença: combate
às formas adultas do inseto vetor (exemplo: dedetização das casas) e sacrifício dos cães
com sorologia positiva.
16.
a) O bisfenol A provoca o amadurecimento sexual precoce e, consequentemente, o
aumento do espessamento do endométrio (mucosa uterina).
b) O processo de gametogênese feminino é iniciado durante o desenvolvimento
embrionário. As mulheres nascem com um número determinado de ovócitos II em
meiose interrompida. Caso ocorra a fecundação, o ovócito II se divide e as cromátides
irmãs são separadas em um glóbulo polar secundário e um óvulo funcional. O óvulo
funcional fecundado originará o zigoto ou célula-ovo.
Treinamento Bahiana de medicina – 2ª etapa – Prof. Emanuel
17.
Marcos é um doador universal com tipo sanguíneo O Rh-
e não pode receber sangue de
seus pais que pertencem aos grupos A ou B e Rh-
. Os filhos de Marcos e Paulo não
serão hemofílicos porque o gene para hemofilia é ligado ao cromossomo X e não há
casos de hemofilia entre os parentes biológicos das mães.
18.
Bactéria, B; bacteriófago, A. As bactérias possuem divisão binária, por isso seu número
dobra a cada ciclo. Os bacteriófagos são vírus que infectam as bactérias e utilizam seu
metabolismo para formar novos vírus. A cada ciclo lítico, um único bacteriófago gera
muitos outros.
19.
Para evitar o contágio com o vírus H1N1 devemos:
Evitar o contato direto com pessoas infectadas;
lavar as mãos frequentemente com água e sabão ou usar álcool gel nas mãos;
usar lenços e copos descartáveis;
evitar ambientes fechados e pouco ventilados.
A informação está incorreta, pois um vírus de RNA utiliza seu próprio RNA para
duplicar seu genoma. Não usa o DNA da célula hospedeira para catalisar a síntese de
RNA. Os ribovírus utilizam a RNA replicase.
20.
A hipótese de que ovos diploides surgem por divisões mitóticas de células precursoras
diploides reforça a suposição de que essa espécie de formiga apresenta desvantagem por
perda de variabilidade genética, pois a mitose produz células cromossômica e
geneticamente idênticas.
A hipótese de que os ovos diploides são resultantes da fusão de células haploides
pressupõe que essas células haploides foram formadas por divisões meióticas, nas quais
ocorrem fenômenos que ampliam a variabilidade genética: o crossing-over
(permutação), a segregação independente dos cromossomos homólogos e a união de
células recombinadas. Essa hipótese fragiliza a suposição de perda de variabilidade
genética na população de formigas.
Treinamento Bahiana de medicina – 2ª etapa – Prof. Emanuel

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Educação ambiental
Educação ambientalEducação ambiental
Educação ambiental
Alex Santiago Nina
 
Biodiversidade: preservação das espécies para o equilíbrio do planeta
Biodiversidade: preservação das espécies para o equilíbrio do planeta Biodiversidade: preservação das espécies para o equilíbrio do planeta
Biodiversidade: preservação das espécies para o equilíbrio do planeta
Ibá – Indústria Brasileira de Árvores
 
Saneamento Básico
Saneamento BásicoSaneamento Básico
Saneamento Básico
andre barbosa
 
Aula Biologia: introdução à biologia [1° Ano Ensino Médio]
Aula Biologia: introdução à biologia [1° Ano Ensino Médio]Aula Biologia: introdução à biologia [1° Ano Ensino Médio]
Aula Biologia: introdução à biologia [1° Ano Ensino Médio]
Ronaldo Santana
 
Mutação slide.
Mutação slide.Mutação slide.
Mutação slide.
Ajudar Pessoas
 
Biologia molecular 1
Biologia molecular 1Biologia molecular 1
Biologia molecular 1
César Milani
 
Pirâmides ecológicas
Pirâmides ecológicasPirâmides ecológicas
Pirâmides ecológicas
URCA
 
Biotecnologia
Biotecnologia Biotecnologia
Questoes da bahiana com gabarito
Questoes da bahiana com gabarito Questoes da bahiana com gabarito
Questoes da bahiana com gabarito
brandaobio
 
Energia e matéria nos ecossistemas
Energia e matéria nos ecossistemasEnergia e matéria nos ecossistemas
Energia e matéria nos ecossistemas
mainamgar
 
A síntese de proteínas
A síntese de proteínasA síntese de proteínas
A síntese de proteínas
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Revisão Bahiana de medicina
Revisão Bahiana de medicinaRevisão Bahiana de medicina
Revisão Bahiana de medicina
emanuel
 
Camadas da Atmosfera
Camadas da AtmosferaCamadas da Atmosfera
Camadas da Atmosfera
Luan Freitas
 
Genética
GenéticaGenética
Genética
Andreia Maria
 
SEMANA 05 - BIOLOGIA - 3ª SÉRIE - BIOTECNOLOGIA
SEMANA 05 - BIOLOGIA - 3ª SÉRIE - BIOTECNOLOGIASEMANA 05 - BIOLOGIA - 3ª SÉRIE - BIOTECNOLOGIA
SEMANA 05 - BIOLOGIA - 3ª SÉRIE - BIOTECNOLOGIA
GernciadeProduodeMat
 
Biologia no ENEM
Biologia no ENEMBiologia no ENEM
Biologia no ENEM
Professora Helen Guimarães
 
1 conceitos básicos de ecologia e relações ecológicas
1   conceitos básicos de ecologia e relações ecológicas1   conceitos básicos de ecologia e relações ecológicas
1 conceitos básicos de ecologia e relações ecológicas
Nataliana Cabral
 
EXERCÍCIOS - REPRODUÇÃO VEGETAL
EXERCÍCIOS - REPRODUÇÃO VEGETALEXERCÍCIOS - REPRODUÇÃO VEGETAL
EXERCÍCIOS - REPRODUÇÃO VEGETAL
Alexandre Pusaudse
 
Exercícios 7 ano
Exercícios 7 anoExercícios 7 ano
Exercícios 7 ano
Naria Dias Costa Costa
 
Polialelia alelos multiplos - pelagem de coelhos
Polialelia   alelos multiplos - pelagem de coelhosPolialelia   alelos multiplos - pelagem de coelhos
Polialelia alelos multiplos - pelagem de coelhos
Elaine
 

Mais procurados (20)

Educação ambiental
Educação ambientalEducação ambiental
Educação ambiental
 
Biodiversidade: preservação das espécies para o equilíbrio do planeta
Biodiversidade: preservação das espécies para o equilíbrio do planeta Biodiversidade: preservação das espécies para o equilíbrio do planeta
Biodiversidade: preservação das espécies para o equilíbrio do planeta
 
Saneamento Básico
Saneamento BásicoSaneamento Básico
Saneamento Básico
 
Aula Biologia: introdução à biologia [1° Ano Ensino Médio]
Aula Biologia: introdução à biologia [1° Ano Ensino Médio]Aula Biologia: introdução à biologia [1° Ano Ensino Médio]
Aula Biologia: introdução à biologia [1° Ano Ensino Médio]
 
Mutação slide.
Mutação slide.Mutação slide.
Mutação slide.
 
Biologia molecular 1
Biologia molecular 1Biologia molecular 1
Biologia molecular 1
 
Pirâmides ecológicas
Pirâmides ecológicasPirâmides ecológicas
Pirâmides ecológicas
 
Biotecnologia
Biotecnologia Biotecnologia
Biotecnologia
 
Questoes da bahiana com gabarito
Questoes da bahiana com gabarito Questoes da bahiana com gabarito
Questoes da bahiana com gabarito
 
Energia e matéria nos ecossistemas
Energia e matéria nos ecossistemasEnergia e matéria nos ecossistemas
Energia e matéria nos ecossistemas
 
A síntese de proteínas
A síntese de proteínasA síntese de proteínas
A síntese de proteínas
 
Revisão Bahiana de medicina
Revisão Bahiana de medicinaRevisão Bahiana de medicina
Revisão Bahiana de medicina
 
Camadas da Atmosfera
Camadas da AtmosferaCamadas da Atmosfera
Camadas da Atmosfera
 
Genética
GenéticaGenética
Genética
 
SEMANA 05 - BIOLOGIA - 3ª SÉRIE - BIOTECNOLOGIA
SEMANA 05 - BIOLOGIA - 3ª SÉRIE - BIOTECNOLOGIASEMANA 05 - BIOLOGIA - 3ª SÉRIE - BIOTECNOLOGIA
SEMANA 05 - BIOLOGIA - 3ª SÉRIE - BIOTECNOLOGIA
 
Biologia no ENEM
Biologia no ENEMBiologia no ENEM
Biologia no ENEM
 
1 conceitos básicos de ecologia e relações ecológicas
1   conceitos básicos de ecologia e relações ecológicas1   conceitos básicos de ecologia e relações ecológicas
1 conceitos básicos de ecologia e relações ecológicas
 
EXERCÍCIOS - REPRODUÇÃO VEGETAL
EXERCÍCIOS - REPRODUÇÃO VEGETALEXERCÍCIOS - REPRODUÇÃO VEGETAL
EXERCÍCIOS - REPRODUÇÃO VEGETAL
 
Exercícios 7 ano
Exercícios 7 anoExercícios 7 ano
Exercícios 7 ano
 
Polialelia alelos multiplos - pelagem de coelhos
Polialelia   alelos multiplos - pelagem de coelhosPolialelia   alelos multiplos - pelagem de coelhos
Polialelia alelos multiplos - pelagem de coelhos
 

Semelhante a Treinamento Bahiana - 2ª etapa

Lista de-exercícios-com-gabarito-bio 2º ano -4º-bim-2017
Lista de-exercícios-com-gabarito-bio 2º ano -4º-bim-2017Lista de-exercícios-com-gabarito-bio 2º ano -4º-bim-2017
Lista de-exercícios-com-gabarito-bio 2º ano -4º-bim-2017
James Martins
 
Lista de-exercícios-com-gabarito-2º ano -bio-4º-bim-2016
Lista de-exercícios-com-gabarito-2º ano -bio-4º-bim-2016Lista de-exercícios-com-gabarito-2º ano -bio-4º-bim-2016
Lista de-exercícios-com-gabarito-2º ano -bio-4º-bim-2016
James Martins
 
Lista de-exercícios- 2º ano - bio-4º-bim-2016
Lista de-exercícios- 2º ano - bio-4º-bim-2016Lista de-exercícios- 2º ano - bio-4º-bim-2016
Lista de-exercícios- 2º ano - bio-4º-bim-2016
James Martins
 
Lista de-exercícios-bio 2º ano -4º-bim-2017
Lista de-exercícios-bio 2º ano -4º-bim-2017Lista de-exercícios-bio 2º ano -4º-bim-2017
Lista de-exercícios-bio 2º ano -4º-bim-2017
James Martins
 
Treinamento aberto III - Bahiana de Medicina
Treinamento aberto III -  Bahiana de MedicinaTreinamento aberto III -  Bahiana de Medicina
Treinamento aberto III - Bahiana de Medicina
emanuel
 
Lista de exercícios 7 - Bio frente 1 - 4º bim 2015 - Prof. James Martins
Lista de exercícios  7 -  Bio frente 1 - 4º bim 2015 - Prof. James MartinsLista de exercícios  7 -  Bio frente 1 - 4º bim 2015 - Prof. James Martins
Lista de exercícios 7 - Bio frente 1 - 4º bim 2015 - Prof. James Martins
James Martins
 
Revisão Bahiana - 2ª etapa
Revisão Bahiana - 2ª etapaRevisão Bahiana - 2ª etapa
Revisão Bahiana - 2ª etapa
emanuel
 
Lista de exercícios - Bio frente 1 e 2 - 4º bim - Profo James e Vagner
Lista de exercícios  - Bio frente 1 e 2 - 4º bim - Profo James e VagnerLista de exercícios  - Bio frente 1 e 2 - 4º bim - Profo James e Vagner
Lista de exercícios - Bio frente 1 e 2 - 4º bim - Profo James e Vagner
James Martins
 
Discursivo.14
Discursivo.14Discursivo.14
Lista de exercícios - BIOLOGIA frente 1 e 2 - 4º bim 2014 - profos James e Ma...
Lista de exercícios - BIOLOGIA frente 1 e 2 - 4º bim 2014 - profos James e Ma...Lista de exercícios - BIOLOGIA frente 1 e 2 - 4º bim 2014 - profos James e Ma...
Lista de exercícios - BIOLOGIA frente 1 e 2 - 4º bim 2014 - profos James e Ma...
James Martins
 
Lista de exercícios - BIO frente 3 e 4 - 2º bim - 3º ano - prof.James COM GAB...
Lista de exercícios - BIO frente 3 e 4 - 2º bim - 3º ano - prof.James COM GAB...Lista de exercícios - BIO frente 3 e 4 - 2º bim - 3º ano - prof.James COM GAB...
Lista de exercícios - BIO frente 3 e 4 - 2º bim - 3º ano - prof.James COM GAB...
James Martins
 
Lista de exercícios - Biologia - Digestão, Respiração e Circulação
Lista de exercícios - Biologia - Digestão, Respiração e CirculaçãoLista de exercícios - Biologia - Digestão, Respiração e Circulação
Lista de exercícios - Biologia - Digestão, Respiração e Circulação
James Martins
 
Lista de exercícios 7 COM GABARITO - Bio frente 1 - 4º bim 2015 - Prof. James...
Lista de exercícios 7 COM GABARITO - Bio frente 1 - 4º bim 2015 - Prof. James...Lista de exercícios 7 COM GABARITO - Bio frente 1 - 4º bim 2015 - Prof. James...
Lista de exercícios 7 COM GABARITO - Bio frente 1 - 4º bim 2015 - Prof. James...
James Martins
 
Lista bio 2 ano 4 bim 2017 com gabarito - prof james martins
Lista bio 2 ano 4 bim 2017 com gabarito - prof james martinsLista bio 2 ano 4 bim 2017 com gabarito - prof james martins
Lista bio 2 ano 4 bim 2017 com gabarito - prof james martins
James Martins
 
Biologia B aula 3
Biologia B aula 3Biologia B aula 3
Biologia B aula 3
ricardo.gaucho
 
Lista de exercícios COM GABARITO Bio frente 1 e 2 - 4º bim 2014 - Profos Jam...
Lista de exercícios COM GABARITO  Bio frente 1 e 2 - 4º bim 2014 - Profos Jam...Lista de exercícios COM GABARITO  Bio frente 1 e 2 - 4º bim 2014 - Profos Jam...
Lista de exercícios COM GABARITO Bio frente 1 e 2 - 4º bim 2014 - Profos Jam...
James Martins
 
Prova 2010 uerj biologia
Prova 2010 uerj biologiaProva 2010 uerj biologia
Prova 2010 uerj biologia
cavip
 
farmacologia AOL1.pdf
farmacologia AOL1.pdffarmacologia AOL1.pdf
farmacologia AOL1.pdf
RebeccaMaria12
 
Metas curriculares ciencias_naturais_9_ano_0
Metas curriculares ciencias_naturais_9_ano_0Metas curriculares ciencias_naturais_9_ano_0
Metas curriculares ciencias_naturais_9_ano_0
Thayz Rodrigues
 
Fisiologia
FisiologiaFisiologia
Fisiologia
Acássio Lacerda
 

Semelhante a Treinamento Bahiana - 2ª etapa (20)

Lista de-exercícios-com-gabarito-bio 2º ano -4º-bim-2017
Lista de-exercícios-com-gabarito-bio 2º ano -4º-bim-2017Lista de-exercícios-com-gabarito-bio 2º ano -4º-bim-2017
Lista de-exercícios-com-gabarito-bio 2º ano -4º-bim-2017
 
Lista de-exercícios-com-gabarito-2º ano -bio-4º-bim-2016
Lista de-exercícios-com-gabarito-2º ano -bio-4º-bim-2016Lista de-exercícios-com-gabarito-2º ano -bio-4º-bim-2016
Lista de-exercícios-com-gabarito-2º ano -bio-4º-bim-2016
 
Lista de-exercícios- 2º ano - bio-4º-bim-2016
Lista de-exercícios- 2º ano - bio-4º-bim-2016Lista de-exercícios- 2º ano - bio-4º-bim-2016
Lista de-exercícios- 2º ano - bio-4º-bim-2016
 
Lista de-exercícios-bio 2º ano -4º-bim-2017
Lista de-exercícios-bio 2º ano -4º-bim-2017Lista de-exercícios-bio 2º ano -4º-bim-2017
Lista de-exercícios-bio 2º ano -4º-bim-2017
 
Treinamento aberto III - Bahiana de Medicina
Treinamento aberto III -  Bahiana de MedicinaTreinamento aberto III -  Bahiana de Medicina
Treinamento aberto III - Bahiana de Medicina
 
Lista de exercícios 7 - Bio frente 1 - 4º bim 2015 - Prof. James Martins
Lista de exercícios  7 -  Bio frente 1 - 4º bim 2015 - Prof. James MartinsLista de exercícios  7 -  Bio frente 1 - 4º bim 2015 - Prof. James Martins
Lista de exercícios 7 - Bio frente 1 - 4º bim 2015 - Prof. James Martins
 
Revisão Bahiana - 2ª etapa
Revisão Bahiana - 2ª etapaRevisão Bahiana - 2ª etapa
Revisão Bahiana - 2ª etapa
 
Lista de exercícios - Bio frente 1 e 2 - 4º bim - Profo James e Vagner
Lista de exercícios  - Bio frente 1 e 2 - 4º bim - Profo James e VagnerLista de exercícios  - Bio frente 1 e 2 - 4º bim - Profo James e Vagner
Lista de exercícios - Bio frente 1 e 2 - 4º bim - Profo James e Vagner
 
Discursivo.14
Discursivo.14Discursivo.14
Discursivo.14
 
Lista de exercícios - BIOLOGIA frente 1 e 2 - 4º bim 2014 - profos James e Ma...
Lista de exercícios - BIOLOGIA frente 1 e 2 - 4º bim 2014 - profos James e Ma...Lista de exercícios - BIOLOGIA frente 1 e 2 - 4º bim 2014 - profos James e Ma...
Lista de exercícios - BIOLOGIA frente 1 e 2 - 4º bim 2014 - profos James e Ma...
 
Lista de exercícios - BIO frente 3 e 4 - 2º bim - 3º ano - prof.James COM GAB...
Lista de exercícios - BIO frente 3 e 4 - 2º bim - 3º ano - prof.James COM GAB...Lista de exercícios - BIO frente 3 e 4 - 2º bim - 3º ano - prof.James COM GAB...
Lista de exercícios - BIO frente 3 e 4 - 2º bim - 3º ano - prof.James COM GAB...
 
Lista de exercícios - Biologia - Digestão, Respiração e Circulação
Lista de exercícios - Biologia - Digestão, Respiração e CirculaçãoLista de exercícios - Biologia - Digestão, Respiração e Circulação
Lista de exercícios - Biologia - Digestão, Respiração e Circulação
 
Lista de exercícios 7 COM GABARITO - Bio frente 1 - 4º bim 2015 - Prof. James...
Lista de exercícios 7 COM GABARITO - Bio frente 1 - 4º bim 2015 - Prof. James...Lista de exercícios 7 COM GABARITO - Bio frente 1 - 4º bim 2015 - Prof. James...
Lista de exercícios 7 COM GABARITO - Bio frente 1 - 4º bim 2015 - Prof. James...
 
Lista bio 2 ano 4 bim 2017 com gabarito - prof james martins
Lista bio 2 ano 4 bim 2017 com gabarito - prof james martinsLista bio 2 ano 4 bim 2017 com gabarito - prof james martins
Lista bio 2 ano 4 bim 2017 com gabarito - prof james martins
 
Biologia B aula 3
Biologia B aula 3Biologia B aula 3
Biologia B aula 3
 
Lista de exercícios COM GABARITO Bio frente 1 e 2 - 4º bim 2014 - Profos Jam...
Lista de exercícios COM GABARITO  Bio frente 1 e 2 - 4º bim 2014 - Profos Jam...Lista de exercícios COM GABARITO  Bio frente 1 e 2 - 4º bim 2014 - Profos Jam...
Lista de exercícios COM GABARITO Bio frente 1 e 2 - 4º bim 2014 - Profos Jam...
 
Prova 2010 uerj biologia
Prova 2010 uerj biologiaProva 2010 uerj biologia
Prova 2010 uerj biologia
 
farmacologia AOL1.pdf
farmacologia AOL1.pdffarmacologia AOL1.pdf
farmacologia AOL1.pdf
 
Metas curriculares ciencias_naturais_9_ano_0
Metas curriculares ciencias_naturais_9_ano_0Metas curriculares ciencias_naturais_9_ano_0
Metas curriculares ciencias_naturais_9_ano_0
 
Fisiologia
FisiologiaFisiologia
Fisiologia
 

Mais de emanuel

Revisão bahiana 2ª etapa
Revisão bahiana 2ª etapaRevisão bahiana 2ª etapa
Revisão bahiana 2ª etapa
emanuel
 
Revisão ENEM EVOLUÇÃO
Revisão ENEM EVOLUÇÃORevisão ENEM EVOLUÇÃO
Revisão ENEM EVOLUÇÃO
emanuel
 
Revisão de Ecologia
Revisão de Ecologia   Revisão de Ecologia
Revisão de Ecologia
emanuel
 
3° simulado ENEM - matematica e linguagens
3° simulado ENEM -  matematica e linguagens3° simulado ENEM -  matematica e linguagens
3° simulado ENEM - matematica e linguagens
emanuel
 
3º simulado enem - ciencias humanas e naturais
3º simulado enem -  ciencias humanas e naturais3º simulado enem -  ciencias humanas e naturais
3º simulado enem - ciencias humanas e naturais
emanuel
 
Noções de Biotecnologia
Noções de BiotecnologiaNoções de Biotecnologia
Noções de Biotecnologia
emanuel
 
Noções de Cladistica
Noções de CladisticaNoções de Cladistica
Noções de Cladistica
emanuel
 
Sistema digestório e circulatório
Sistema digestório e circulatórioSistema digestório e circulatório
Sistema digestório e circulatório
emanuel
 
2º simulado Enem - Matematica e Linguagens
2º simulado Enem - Matematica e Linguagens2º simulado Enem - Matematica e Linguagens
2º simulado Enem - Matematica e Linguagens
emanuel
 
2º simulado Enem- Ciências Humanas e Naturais
2º simulado Enem- Ciências Humanas e Naturais2º simulado Enem- Ciências Humanas e Naturais
2º simulado Enem- Ciências Humanas e Naturais
emanuel
 
1º simulado Enem Compacto
1º simulado   Enem Compacto 1º simulado   Enem Compacto
1º simulado Enem Compacto
emanuel
 
Simulado Bahiana 2015.1
Simulado Bahiana 2015.1Simulado Bahiana 2015.1
Simulado Bahiana 2015.1
emanuel
 
1º simulado ENEM - Matematica e Linguagens
1º simulado ENEM - Matematica e Linguagens1º simulado ENEM - Matematica e Linguagens
1º simulado ENEM - Matematica e Linguagens
emanuel
 
1º simulado ENEM - Humanas e Naturais
1º simulado ENEM - Humanas e Naturais1º simulado ENEM - Humanas e Naturais
1º simulado ENEM - Humanas e Naturais
emanuel
 
Ecologia - Níveis de organização
Ecologia - Níveis de organizaçãoEcologia - Níveis de organização
Ecologia - Níveis de organização
emanuel
 
Câncer ( arquivo atualizado)
Câncer ( arquivo atualizado)Câncer ( arquivo atualizado)
Câncer ( arquivo atualizado)
emanuel
 
Lista de Histologia Animal
Lista de Histologia AnimalLista de Histologia Animal
Lista de Histologia Animal
emanuel
 
Reino Monera 2015
Reino Monera 2015Reino Monera 2015
Reino Monera 2015
emanuel
 
Aula dica 2014
Aula dica 2014Aula dica 2014
Aula dica 2014
emanuel
 
Aula Dica 2014 - Lâminas
Aula Dica 2014 - Lâminas Aula Dica 2014 - Lâminas
Aula Dica 2014 - Lâminas
emanuel
 

Mais de emanuel (20)

Revisão bahiana 2ª etapa
Revisão bahiana 2ª etapaRevisão bahiana 2ª etapa
Revisão bahiana 2ª etapa
 
Revisão ENEM EVOLUÇÃO
Revisão ENEM EVOLUÇÃORevisão ENEM EVOLUÇÃO
Revisão ENEM EVOLUÇÃO
 
Revisão de Ecologia
Revisão de Ecologia   Revisão de Ecologia
Revisão de Ecologia
 
3° simulado ENEM - matematica e linguagens
3° simulado ENEM -  matematica e linguagens3° simulado ENEM -  matematica e linguagens
3° simulado ENEM - matematica e linguagens
 
3º simulado enem - ciencias humanas e naturais
3º simulado enem -  ciencias humanas e naturais3º simulado enem -  ciencias humanas e naturais
3º simulado enem - ciencias humanas e naturais
 
Noções de Biotecnologia
Noções de BiotecnologiaNoções de Biotecnologia
Noções de Biotecnologia
 
Noções de Cladistica
Noções de CladisticaNoções de Cladistica
Noções de Cladistica
 
Sistema digestório e circulatório
Sistema digestório e circulatórioSistema digestório e circulatório
Sistema digestório e circulatório
 
2º simulado Enem - Matematica e Linguagens
2º simulado Enem - Matematica e Linguagens2º simulado Enem - Matematica e Linguagens
2º simulado Enem - Matematica e Linguagens
 
2º simulado Enem- Ciências Humanas e Naturais
2º simulado Enem- Ciências Humanas e Naturais2º simulado Enem- Ciências Humanas e Naturais
2º simulado Enem- Ciências Humanas e Naturais
 
1º simulado Enem Compacto
1º simulado   Enem Compacto 1º simulado   Enem Compacto
1º simulado Enem Compacto
 
Simulado Bahiana 2015.1
Simulado Bahiana 2015.1Simulado Bahiana 2015.1
Simulado Bahiana 2015.1
 
1º simulado ENEM - Matematica e Linguagens
1º simulado ENEM - Matematica e Linguagens1º simulado ENEM - Matematica e Linguagens
1º simulado ENEM - Matematica e Linguagens
 
1º simulado ENEM - Humanas e Naturais
1º simulado ENEM - Humanas e Naturais1º simulado ENEM - Humanas e Naturais
1º simulado ENEM - Humanas e Naturais
 
Ecologia - Níveis de organização
Ecologia - Níveis de organizaçãoEcologia - Níveis de organização
Ecologia - Níveis de organização
 
Câncer ( arquivo atualizado)
Câncer ( arquivo atualizado)Câncer ( arquivo atualizado)
Câncer ( arquivo atualizado)
 
Lista de Histologia Animal
Lista de Histologia AnimalLista de Histologia Animal
Lista de Histologia Animal
 
Reino Monera 2015
Reino Monera 2015Reino Monera 2015
Reino Monera 2015
 
Aula dica 2014
Aula dica 2014Aula dica 2014
Aula dica 2014
 
Aula Dica 2014 - Lâminas
Aula Dica 2014 - Lâminas Aula Dica 2014 - Lâminas
Aula Dica 2014 - Lâminas
 

Treinamento Bahiana - 2ª etapa

  • 1. Treinamento Bahiana de medicina – 2ª etapa – Prof. Emanuel 01. A heroína é uma droga do grupo dos opióides, também conhecidos como analgésicos narcóticos. Outros opióides como o ópio, a codeína e a morfina são substâncias naturalmente extraídas da papoula. A heroína é uma substância depressora do Sistema Nervoso Central sendo capaz de alterar as sensações de prazer e dor. É usada com o objetivo de aumentar a auto-estima e diminuir o desânimo. Todas as células são envolvidas por uma membrana plasmática que controla a entrada e a saída de substâncias. A membrana plasmática possibilita a diferenciação bioquímica entre a célula e o meio, pois é dotada de seletividade. Com base em seus conhecimentos sobre a dinâmica e estrutura da membrana responda: a) O que confere a plamalema sua capacidade de seletividade? b) Das drogas citadas no texto qual a que deve transitar mais facilmente através da barreira hematoencefálica? Justifique sua resposta c) A figura que se segue apresenta vários tipos de transporte, que permitem a passagem da glicose, através da célula intestinal, da luz do intestino até o sangue. Com base nesta figura, explique a participação da bomba de sódio e potássio no mecanismo de transporte da glicose, da luz do intestino até os vasos sanguíneos.
  • 2. Treinamento Bahiana de medicina – 2ª etapa – Prof. Emanuel 02. O manitol tem uma estrutura semelhante ao monossacarídeo manose. Por ter sabor adocicado, o manitol frequentemente é usado na confecção de balas e doces. Ao contrário do açúcar comum, porém, o manitol não é absorvido pelo intestino, de modo que uma ingestão exagerada de produtos contendo manitol pode causar diarreia. Médicos se aproveitam das propriedades osmóticas do manitol e o administram oralmente em altas concentrações para que a diarreia resultante esvazie o intestino de pacientes antes de exames de imagens. Explique de que maneira altas doses de manitol provocam a diarreia. 03. Especialistas em saúde pública dizem que ações de prevenção a doenças e à mortalidade infantil precisam estar associadas a boa condições sanitárias. A água pode ser um importante veiculo de proliferação de doenças conforme observado na tabela. Com base em seus conhecimentos identifique o grupo biológico a que pertencem os agentes etiológicos de cada uma das doenças listadas e explique porque as doenças da primeira coluna fazem parte do grupo se as mesmas não são transmitidas pela ingestão de água contaminada. 04. O esquema a seguir refere-se a um rio (linha espessa) e seus afluentes. Em suas margens, encontram-se diferentes áreas impactadas pela ação humana. A área I representa a atividade de um garimpo clandestino. A área II é ocupada por uma extensa lavoura de milho que utiliza fertilizantes químicos e agrotóxicos. A área III refere-se à ocupação urbana, que utiliza a água do rio para consumo, porém, ainda não realiza tratamento do esgoto doméstico, lançando-o no rio. A área IV refere-se a uma área de preservação ambiental, com mata virgem, e corresponde à nascente do rio. Analise a figura e as áreas mencionadas e responda ao que se pede.
  • 3. Treinamento Bahiana de medicina – 2ª etapa – Prof. Emanuel a) Qual a principal consequência para a população humana que se alimenta de peixes obtidos na área I? b) Quais as principais consequências, para a vida aquática local, da liberação de produtos no rio, gerados pela atividade realizada na área II. c) Cite a denominação do processo que será desencadeado no rio, como consequência da liberação dos efluentes gerados pela área III. Cite uma solução para o impacto gerado por essa área. d) Qual a principal consequência para o leito do rio se houvesse um desmatamento na área IV e a longo prazo o que poderia ocorrer? 05. Em famílias constituídas a partir da união de primos em primeiro grau, é mais alta a ocorrência de distúrbios genéticos, em comparação com famílias formadas por casais que não têm consanguinidade. a) A que se deve essa maior ocorrência de distúrbios genéticos em uniões consanguíneas? b) A fenilcetonúria (FCU) é um distúrbio genético que se deve a uma mutação no gene que expressa a enzima responsável pelo metabolismo do aminoácido fenilalanina. Na ausência da enzima, a fenilalanina se acumula no organismo e pode afetar o desenvolvimento neurológico da criança. Esse distúrbio é facilmente detectado no recém-nascido pelo exame do pezinho. No caso de ser constatada a doença, a alimentação dessa criança deve ser controlada. Que tipos de alimento devem ser evitados: os ricos em carboidratos, lipídeos ou proteínas? 06. As pessoas são incentivadas a praticar atividades físicas visando a uma vida saudável. Especialistas em fisiologia do exercício determinaram a porcentagem de fibras do tipo I e do tipo II encontradas em músculos estriados esqueléticos de quatro grupos de pessoas: atletas maratonistas (*), atletas velocistas (**), pessoas sedentárias, e pessoas com atividade física moderada. Os resultados desse estudo são mostrados na figura a seguir. As características funcionais de cada uma das fibras estão listadas na tabela. (*) corredores de longas distâncias; (**) corredores de curtas distâncias (ex.100 m rasos)
  • 4. Treinamento Bahiana de medicina – 2ª etapa – Prof. Emanuel a) Analise as informações da tabela e indique, entre os quatro grupos de pessoas (A, B, C ou D) mostrados na figura, qual grupo corresponde aos maratonistas e qual grupo corresponde aos velocistas. Justifique. b) Se os dois grupos de atletas não fizerem um treinamento adequado, pode ocorrer nesses atletas dor muscular intensa durante ou após uma competição. A que se deve essa dor muscular? Explique. 07. Em busca de um melhor condicionamento, muitos atletas especialistas em provas de longa distância - 10 km e maratona - treinam em localidades de altitude elevada, onde a atmosfera é rarefeita e há menos concentração de oxigênio. Passado algum tempo (cerca de 10 a 15 dias) observa-se, ente outros efeitos, que o sangue dos atletas apresenta um aumento do número de hemácias. Esse aumento é uma consequência da adaptação do organismo às menores concentrações de O2. Ao participarem de provas em locais em que há maiores concentrações de O2 (por exemplo ao nível do mar), esses atletas exibem maior capacidade respiratória do que aqueles que não passaram pelo mesmo condicionamento. As hemácias, ou glóbulos vermelhos, são células que apresentam cerca de 1 bilhão de complexos protéicos conhecidos como hemoglobina. Cada molécula de hemoglobina apresenta quatro sítios de ligação, sendo, portanto, capaz de transportar um máximo de quatro moléculas de oxigênio (O2). O complexo formado pela hemoglobina e o oxigênio é chamado de oxiemoglobina. O processo pode ser descrito pelo equilíbrio em múltiplas etapas. Se nem todos os atletas podem se beneficiar de treinos em regiões de altitude elevada, alguns procuram aumentar a sua capacidade aeróbica por um mecanismo controverso e antiético. Já foram registrados casos de atletas que, cerca de três meses antes da prova, retiraram uma amostra de sangue de cerca de 500 mL, volume usual em uma doação para bancos de sangue, para injetá-la em si mesmos três meses depois, às vésperas da competição. Esse procedimento é caracterizado como ilegal, constituindo-se em caso de "doping". a) Explique de que maneira o treinamento em altitudes elevadas pode melhorar a capacidade respiratória dos atletas em competições ao nível do mar. A sua resposta deve considerar as condições dos equilíbrios envolvidos no transporte de oxigênio. b) Descreva o efeito esperado no caso de "doping" citado no texto. Compare-o com o treinamento em altitude elevadas.
  • 5. Treinamento Bahiana de medicina – 2ª etapa – Prof. Emanuel 08. RADICAIS LIVRES - UM ASSUNTO DA MODA Há muito tempo que a Medicina já reconhece os radicais livres como verdadeiros vilões do nosso organismo. Eles são átomos ou moléculas livres dotados de cargas elétricas, resultantes, muitas vezes, das próprias reações intracelulares, ou provenientes do meio externo, que se mostram prejudiciais à saúde. São consequências do estresse, dos desvios alimentares, do fumo, das atividades físicas exageradas e da poluição ambiental. Atualmente, estão sendo muito comentados, tendo em vista os avanços da Medicina Ortomolecular. A partir do exposto, responda: a) De que maneira os radicais livres agem no organismo humano? b) Cite um exemplo de local e forma de ação dos radicais livres no organismo do homem 09. Os antibióticos, largamente usados no combate às infecções bacterianas, deveriam matar as bactérias de modo seletivo, sem interferir no metabolismo das células do corpo humano, o que nem sempre ocorre. a) Os derivados de cloranfenicol, apesar de terem sido usados como antibióticos, por atuarem sobre o ribossomo de bactérias, também interferem na função de uma organela humana. Indique o processo que é inibido pelo cloranfenicol e explique por que apenas uma organela humana é afetada por sua ação. b) O tratamento prolongado com qualquer antibiótico por via oral pode levar à carência de algumas vitaminas. Cite uma dessas vitaminas e explique como a antibioticoterapia oral pode provocar sua carência. 10. O hormônio cortisol, devido a sua acentuada ação anti-inflamatória, é muito usado como medicamento. Observe o seguinte procedimento de terapia hormonal prescrito para um paciente: - administração de doses altas de cortisol diariamente, durante trinta dias; - diminuição progressiva das doses, após esse prazo, até o final do tratamento. No gráfico a seguir, são mostradas a taxa de produção de cortisol pelo organismo do paciente e a concentração desse hormônio no sangue, nos primeiros trinta dias de tratamento. a) Descreva a alteração da taxa de produção de cortisol durante os primeiros trinta dias. b) Explique o motivo pelo qual, ao final do tratamento, as doses de cortisol devem ser diminuídas progressivamente
  • 6. Treinamento Bahiana de medicina – 2ª etapa – Prof. Emanuel 11. As duas curvas (A e B) do gráfico mostram a concentração de anticorpos produzidos por um camundongo, durante oito semanas, em resposta a duas injeções de um determinado antígeno. Essas injeções foram realizadas com intervalo de seis meses. a) Identifique as curvas que correspondem a primeira e a segunda injeção de antígenos. b) Quais são as características das duas curvas que permitem distinguir a curva correspondente à primeira injeção de antígenos daquela que representa a segunda injeção? c) Por que as respostas a essas duas injeções de antígenos são diferentes? 12. Os conhecimentos atuais de biologia celular, biologia molecular e engenharia genética podem, muitas vezes, estabelecer com segurança o parentesco entre pessoas, mesmo quando elas pertencem a gerações afastadas entre si. O heredograma a seguir mostra os descendentes do casal João e Maria. Atualmente, de toda essa família, apenas Maria e todos os seus bisnetos estão vivos, e se apresentaram para a identificação de herdeiros do casal citado. Por não haver documentos legais comprobatórios da relação de parentesco, nem ser possível a coleta de material genético dos membros falecidos da família, foi utilizada, dentre outras, a técnica de identificação por meio do estudo do DNA extranuclear. Indique o número de: a) bisnetos do sexo masculino e do sexo feminino que poderiam ser identificados com aproximadamente 100% de certeza, por técnicas que determinam a homologia entre amostras de DNA extranuclear, e justifique sua resposta; b) netos e bisnetos de João e Maria que possuíram ou possuem o cromossomo Y idêntico ao de João e justifique sua resposta.
  • 7. Treinamento Bahiana de medicina – 2ª etapa – Prof. Emanuel 13. Os esquemas I e II abaixo mostram as etapas da expressăo gênica em dois organismos distintos, um procarioto e um eucarioto. a) Indique, com justificativa, qual esquema se refere ao eucarioto. Em qual ou quais compartimentos celulares ocorrem as etapas indicadas por 1 e 2 no esquema I, e as etapas 3 e 5 do esquema II? b) A remoçăo diferencial de íntrons do RNA mensageiro pode resultar na produçăo de diferentes peptídeos. Qual das etapas indicadas nos esquemas corresponde ao processo de remoçăo de íntrons? Explique por que a remoçăo diferencial de introns pode acarretar a produçăo de diferentes peptídeos. 14. Em 1928, Griffith relatou em um trabalho que Pneumococcus não capsulados podiam começar a apresentar cápsulas quando misturados com Pneumococcus capsulados e mortos pelo calor (figura abaixo). Em 1944, Avery e colaboradores demonstraram que o DNA era a molécula envolvida nesse processo. Posteriormente outros trabalhos mostraram que as bactérias, apesar de não apresentarem reprodução sexuada, podem receber genes de outras bactérias por três mecanismos diferentes de recombinação: transformação, transdução e conjugação. a) Que mecanismo de recombinação foi observado por Griffith? Explique como o DNA está envolvido nesse processo. b) Em qual dos mecanismos de transferência de material genético é necessário o contato físico entre as células bacterianas? Justifique sua resposta. c) Em qual dos três mecanismos os vírus bacteriófagos podem servir de vetores na recombinação bacteriana? Justifique sua resposta.
  • 8. Treinamento Bahiana de medicina – 2ª etapa – Prof. Emanuel 15. No Brasil, são registradas diferentes espécies de Leishmania, parasitas de humanos e animais, que causam doenças conhecidas como leishmanioses. Acerca das leishmanioses, são apresentadas duas situações para análise. Situação 1 “Leishmaniose deixa Goiânia em alerta Em menos de um mês 13 cães foram contaminados na capital. Secretaria Municipal de Saúde investiga o avanço da doença”. Situação 2 Representação gráfica do efeito das medidas profiláticas no controle das leishmanioses humana e canina no Vale do Rio Doce, MG, Brasil, no período de 1965 a 1978. Após a leitura e a análise das situações apresentadas, responda ao que se pede. a) Em relação à situação 1, qual o papel do cão no ciclo da leishmaniose? b) O efeito das medidas profiláticas foi satisfatório no controle dos casos de leishmaniose, segundo a situação 2? Justifique. c) Quais as medidas profiláticas poderiam ter sido adotadas no controle da leishmaniose, conforme a situação 2? 16. A maior parte dos copinhos de café, copos de água e mamadeiras é feita de policarbonato com bisfenol A, substância que é liberada quando algum líquido quente é colocado nesses recipientes. O bisfenol A é um composto químico cuja estrutura molecular é muito semelhante à do hormônio estrógeno. A ingestão do bisfenol A pode resultar em alterações do ciclo menstrual e também causar alterações no amadurecimento sexual principalmente em adolescentes do sexo feminino. a) Considerando a semelhança do bisfenol A com o estrógeno e a sua presença em adolescentes, explique como o bisfenol A poderia influenciar no amadurecimento sexual desses adolescentes e no espessamento do endométrio no início do ciclo menstrual.
  • 9. Treinamento Bahiana de medicina – 2ª etapa – Prof. Emanuel b) Embora o amadurecimento sexual ocorra para meninos e meninas em torno dos 12 anos, no sexo feminino a divisão celular meiótica começa muito antes e pode durar décadas. Quando esse processo de divisão começa no sexo feminino e por que essa divisão pode ser tão longa? 17. Marcos e Paulo são filhos do mesmo pai, mas de mães diferentes. Com relação aos tipos sanguíneos dos sistemas ABO e Rh, Marcos é um “doador universal”. Contudo, ao invés de doar sangue, Marcos é obrigado a recebê-lo por doação, pois tem hemofilia tipo A, uma característica ligada ao sexo. Nas vezes em que recebeu transfusão sanguínea, Marcos teve por doadores Paulo e a mãe de Paulo. Sua mãe e seu pai não puderam doar sangue, embora fossem compatíveis pelo sistema Rh, mas não o eram pelo sistema ABO. Já adultos, Marcos e Paulo casaram-se com mulheres em cujas famílias não havia histórico de hemofilia, e ambos os casais esperam um bebê do sexo masculino. Contudo, estão receosos de que seus filhos possam vir a ter hemofilia. O heredograma representa as famílias de Marcos e de Paulo. O indivíduo apontado pela seta é Marcos. Considerando o histórico acima, qual o provável tipo sanguíneo da mãe e do pai de Marcos e qual a probabilidade de que os filhos de Marcos e de Paulo sejam hemofílicos? Justifique suas respostas. 18. Os gráficos a seguir apresentam o crescimento de uma espécie de bactéria e de um vírus bacteriófago em ciclo lítico, ambos em ambientes sem limitação de recursos. Identifique qual gráfico (A ou B) representa o crescimento das bactérias e qual representa o crescimento dos bacteriófagos. Justifique sua resposta. 19. A revista Veja publicou, em sua edição de 29.07.2009, a reportagem “Não há motivo para alarme” onde cita dados do Ministério da Saúde mostrando que a gripe comum matou, no mesmo período em 2008, 4.500 pessoas, contra 33 mortes
  • 10. Treinamento Bahiana de medicina – 2ª etapa – Prof. Emanuel causadas pelo vírus H1N1 em 2009. A mesma reportagem mostra que um estudo realizado com ratos comprovou que o vírus H1N1 tem dez vezes mais capacidade de infectar o tecido pulmonar do que o vírus da gripe comum. Desta forma, o problema maior da gripe causada por este vírus é sua habilidade em “conquistar hospedeiros” e não sua letalidade. a) Quais são as principais atitudes individuais a serem tomadas para se evitar o contágio, amplamente veiculadas pelo Ministério da Saúde? b) Sobre a reprodução do H1N1 no interior das células foi feita a seguinte afirmação: “Sendo o H1N1 um vírus de RNA, a duplicação do genoma viral ocorre pela ação de uma enzima, a RNA polimerase, que catalisa a síntese de RNA a partir do DNA da célula hospedeira para a produção de novos vírus”. Avalie se esta informação está correta ou não, justificando a sua resposta. 20. Apelo assexual – Caso único na natureza, espécie de formiga dispensou seus machos e descobriu que, ao menos para ela, sexo não vale a pena. Trata-se da Mycocepurus smithii, uma espécie de formiga que não tem machos: a rainha bota ovos que crescem sem precisar de fertilização, originando operárias estéreis ou futuras rainhas. Aparentemente, este mecanismo de reprodução traz uma desvantagem, que é a falta de diversidade genética que pode garantir a sobrevivência da espécie em desafios ambientais futuros. Duas hipóteses foram levantadas para explicar a origem destes ovos diploides: a primeira delas diz que os ovos são produzidos por mitoses e permanecem diploides sem passar por uma fase haploide; a segunda sugere que se formam dois ovos haploides que fertilizam um ao outro. Considere as duas hipóteses apresentadas pelo texto. Cada uma dessas hipóteses, isoladamente, reforça ou fragiliza a suposição de que essa espécie teria desvantagem por perda de variabilidade genética? Justifique suas respostas.
  • 11. Treinamento Bahiana de medicina – 2ª etapa – Prof. Emanuel Gabarito proposto 01. a) A organização estrutural e funcional da camada fosfolipídica e a presença de proteínas de transporte conferem à membrana plasmática a capacidade de ser permeável apenas a algumas substâncias. b) A heroína é mais lipossolúvel que a morfina, logo a passagem de heroína através da membrana plasmática é mais rápida, pois os lipídios têm maior afinidade por compostos apolares, sem carga e de pequeno tamanho. A heroína ultrapassa a barreira hematoencefálicapor difusão simples. c) Se a bomba de sódio e potássio não diminuir a concentração de sódio intracelular, não haverá a formação do gradiente Na+ que determina sua entrada na célula e consequente o co-transporte de glicose 02. O manitol não é absorvido pela mucosa intestinal sendo osmoticamente ativo e, assim, a alta concentração local faz que o intestino se torne hipertônico com relação ao sangue aumentando a pressão osmótica da luz intestinal. Desse modo, a água corporal é transportada para a luz do intestino provocando, então, a diarréia 03. Malária, giardíase e disenteria amebiana são causadas por protozoários Febre amarela ,dengue, poliomielite e hepatite A são causadas por vírus Elefantíase é causada por um verme nematelminto As doenças da primeira coluna não são transmitidas pela ingestão de água, mas sim pela ação de mosquitos vetores que reproduzem em água parada. 04. a) Magnificação trófica com problemas neurológicos devido a bioacumulação do mercúrio b) Os agrotóxicos sofreram magnificação trófica e os fertilizantes ricos em nitratos e fosfatos vão intensificar a floração das águas. c) O processo de Eutrofização. A solução seria tratamento do esgoto, saneamento básico e despoluição da água do rio; d) Assoreamento com a possibilidade de uma sucessão ecológica secundária. 05. a) Muitos genes que causam distúrbios genéticos são recessivos, ou seja, só se manifestam em dose dupla. Como primos em primeiro grau possuem patrimônio genético muito parecido, já que têm ascendentes comuns, a probabilidade de os dois terem o mesmo gene deletério é maior do que em indivíduos não aparentados. Portanto, a chance desses genes aparecerem em dose dupla no filho ou filha também é mais alta. b) Os fenilcetonúricos não conseguem metabolizar o aminoácido fenilalanina, portanto, devem ser evitados os alimentos ricos em proteínas, principalmente as que contenham fenilalanina 06. a) Maratonistas: C, possuem maior quantidade de fibras tipo I, que garante elevada resistência em longos percursos. Velocistas: A, possuem maior quantidade de fibras tipo II, estas garantem contrações rápidas e anaeróbias. Um exemplo pode ser uma corrida de curto percurso. b) Acúmulo de ácido láctico na musculatura. A deficiência de oxigenação pode levar à fermentação láctica. Essa fermentação é o mecanismo pelo qual a célula muscular reoxida o NADH + H+, permitindo o funcionamento contínuo da glicólise em condições anaeróbias.
  • 12. Treinamento Bahiana de medicina – 2ª etapa – Prof. Emanuel 07. a) O ar rarefeito em altitudes elevadas provoca no corpo a maior produção de eritropoietina gerando uma poliglobulia compensatória (aumento no número de hemácias), portanto aumento das taxas de hemoglobina. Neste caso o equilíbrio será deslocado para a formação de mais oxiemoglobina. 4 O2 + Hb Hb (O2)4 b) A injeção de mais 500ml de sangue aumentará o número de hemácias sendo comparada com a poliglobulia causada pelo ar rarefeito. 08. a) Os radicais livres têm ação oxidante sobre compostos de relevante papel na atividade celular e orgânica, como enzimas, ácidos nucléicos e proteínas da membrana plasmática. Dessa forma, eles contribuem para o processo de envelhecimento das células e dos tecidos. b) - Mitocôndrias: o DNA mitocondrial pode ser afetado pelos radicais livres, e, nessa circunstância, a mitocôndria diminui sua atividade no processo de liberação de energia para a célula. - Cromossomos: a ação negativa dos radicais livres sobre as moléculas de DNA na estrutura dos cromossomos perturba a produção de proteínas e pode contribuir para desvios funcionais celulares e orgânicos. - Membrana plasmática: a oxidação de proteínas e lipídios na estrutura da membrana provoca distúrbios nas trocas de substâncias entre os meios extra e intracelular. - Enzimas e anticorpos: os radicais livres desativam muitas enzimas por oxidação, prejudicando o metabolismo celular. Da mesma forma, eles afetam a produção de anticorpos em células do sistema imunológico. 09. a) Síntese de proteínas. O mecanismo de biossíntese protéica das mitocôndrias é o único similar ao das bactérias devido a origem endossimbiótica da organela. b) Uma dentre as vitaminas: - vitamina K - vitaminas do complexo B A antibioticoterapia oral pode eliminar as bactérias intestinais que são importante fonte dessas vitaminas para o homem 10. a) O nível aumentado de cortisol na circulação, após sua administração, inibe por feedback negativo a produção do hormônio adrenocorticotrófico (ACTH) pelo lobo anterior da hipófise , o que promove uma diminuição do estímulo da produção do cortisol pelas glândulas supra-renais. b) A retirada progressiva do cortisol permite um aumento também progressivo do ACTH circulante, evitando um quadro de hipofunção do córtex supra-renal após o término do tratamento. 11. a) B e A, respectivamente. b) A curva B indica a resposta imunológica primária, após a primeira injeção, ocorrendo uma produção inicial de anticorpos mais demorada e menos duradoura e produção de células de memória. A curva A indica a resposta imunológica secundária após a segunda injeção, ocorrendo uma produção imediata, mais rápida e intensa de anticorpos. c) A resposta secundária é mais eficiente graças à ação das células de memória específicas em relação ao antígeno aplicado. 12. a) 2 do sexo masculino e 2 do sexo feminino.
  • 13. Treinamento Bahiana de medicina – 2ª etapa – Prof. Emanuel Nas condições propostas, homologias entre amostras de DNA só seriam possíveis se fossem comparadas amostras de origem mitocondrial. Como as mitocôndrias dos embriões formados originam-se, na grande maioria dos casos, diretamente dos óvulos, só poderíamos obter aproximadamente 100% de homologia comparando o DNA mitocondrial de Maria com os de seus bisnetos e bisnetas cujas mães e avós sejam descendentes diretos de Maria. b) 2 netos e 1 bisneto. O cromossomo Y é único e característico do sexo masculino. Esse cromossomo existe em cerca de 50% dos espermatozoides mas não em óvulos. Cromossomos Y homólogos ao de João serão encontrados, portanto, nos netos do sexo masculino descendentes dos filhos homens de João, e nos bisnetos de sexo masculino que sejam filhos destes 13. a) O esquema II refere-se a um organismo eucarioto. Nos procariotos (esquema I) o genoma não contém íntrons. Nos organismos procariotos a transcrição (1) e a tradução (2) ocorrem simultaneamente no citoplasma celular. Em eucariotos, a transcrição (3) ocorre no núcleo e a tradução (5) se passa no citoplasma. b) A remoção diferencial dos íntrons ocorre na etapa 4. O agrupamento alternativo dos íntrons (regiões codificantes) pode dar origem a diferentes tipos de RNAs mensageiros que serão traduzidos em peptídeos distintos. 14. a) O mecanismo é a Transformação. Fragmentos do DNA da bactéria morta chegam ao citoplasma da bactéria viva e se recombinam com seu material genético, conferindo à bactéria receptora a característica de apresentar cápsula e patogenicidade. b) O mecanismo é a Conjugação, pois é necessária a presença do pillus interligando as células bacterianas para que possa ocorrer a transferência do material genético. c) Transdução. O material genético do vírus se integra ao genoma da célula bacteriana, para que o ácido nucleico viral possa ser duplicado. Dessa forma, sequências do DNA bacteriano podem permanecer ligadas ao DNA viral e, consequentemente, serem transportadas por outra bactéria. 15. a) Hospedeiro vertebrado que, epidemiologicamente, comporta-se como reservatório doméstico. b) Sim. Observa-se no gráfico que a adoção e o aumento das medidas profiláticas adotadas naquela região e naquele período diminuíram o porcentual de casos humanos e caninos de leishmaniose. c) Diagnóstico e tratamento dos doentes, evitando-se a transmissão da doença: combate às formas adultas do inseto vetor (exemplo: dedetização das casas) e sacrifício dos cães com sorologia positiva. 16. a) O bisfenol A provoca o amadurecimento sexual precoce e, consequentemente, o aumento do espessamento do endométrio (mucosa uterina). b) O processo de gametogênese feminino é iniciado durante o desenvolvimento embrionário. As mulheres nascem com um número determinado de ovócitos II em meiose interrompida. Caso ocorra a fecundação, o ovócito II se divide e as cromátides irmãs são separadas em um glóbulo polar secundário e um óvulo funcional. O óvulo funcional fecundado originará o zigoto ou célula-ovo.
  • 14. Treinamento Bahiana de medicina – 2ª etapa – Prof. Emanuel 17. Marcos é um doador universal com tipo sanguíneo O Rh- e não pode receber sangue de seus pais que pertencem aos grupos A ou B e Rh- . Os filhos de Marcos e Paulo não serão hemofílicos porque o gene para hemofilia é ligado ao cromossomo X e não há casos de hemofilia entre os parentes biológicos das mães. 18. Bactéria, B; bacteriófago, A. As bactérias possuem divisão binária, por isso seu número dobra a cada ciclo. Os bacteriófagos são vírus que infectam as bactérias e utilizam seu metabolismo para formar novos vírus. A cada ciclo lítico, um único bacteriófago gera muitos outros. 19. Para evitar o contágio com o vírus H1N1 devemos: Evitar o contato direto com pessoas infectadas; lavar as mãos frequentemente com água e sabão ou usar álcool gel nas mãos; usar lenços e copos descartáveis; evitar ambientes fechados e pouco ventilados. A informação está incorreta, pois um vírus de RNA utiliza seu próprio RNA para duplicar seu genoma. Não usa o DNA da célula hospedeira para catalisar a síntese de RNA. Os ribovírus utilizam a RNA replicase. 20. A hipótese de que ovos diploides surgem por divisões mitóticas de células precursoras diploides reforça a suposição de que essa espécie de formiga apresenta desvantagem por perda de variabilidade genética, pois a mitose produz células cromossômica e geneticamente idênticas. A hipótese de que os ovos diploides são resultantes da fusão de células haploides pressupõe que essas células haploides foram formadas por divisões meióticas, nas quais ocorrem fenômenos que ampliam a variabilidade genética: o crossing-over (permutação), a segregação independente dos cromossomos homólogos e a união de células recombinadas. Essa hipótese fragiliza a suposição de perda de variabilidade genética na população de formigas.
  • 15. Treinamento Bahiana de medicina – 2ª etapa – Prof. Emanuel