SlideShare uma empresa Scribd logo
Prof° Dr. Enf° Gilberto de Jesus
 Aberto
 Fechado
 Ex; arma branca , projétil de arma de fogo...
 Ex: colisão, atropelamento, queda, agressão...
 Presença de lesão significativa
 - História: Paciente / Resgate
 - Mecanismo de trauma
 - Tempo decorrido
 - Tratamento / Resposta
 Velocidade
 -Tipo de colisão
 - Deformidade / Intrusão
 -Dispositivos de segurança
 - Restrição
 - Air bag (acionamento)
 - Posição / Ejeção
 Impacto Frontal
 Agressão
 - Tempo
 - Tipo de arma
 - Distância
 - Ferimentos (quantos / onde)
 - Sangramento externo
 De acordo com Buff, no politraumatizado, o
tórax e o abdome são atingidos em 23% dos
casos.
 No RJ, no Hospital GV, até 1990, os traumas
abertos eram quase três vezes mais freqüentes
dos que os fechados.
 Em 35 anos (1955-1990), foram atendidos 6.166
pacientes com trauma abdominal; destes 4.478
com trauma abdominal aberto e 1.688,
correspondiam ao trauma fechado.
 Um estudo realizado em 1990, no HPS, em
Porto Alegre, mostrou que o acidente
automobilístico é a causa mais freqüente
de trauma abdominal fechado (68 %). (NASI,
2005)
 Quando não identificado o trauma abdominal é
uma das principais causas de morte.
 A ausência de sinais e sintomas locais não afasta a
possibilidade de trauma abdominal (mecanismo
do trauma).
 O objetivo principal é detectar
se há lesão abdominal interna.
 Na anamnese procura-se
identificar o tipo de trauma e o
seu mecanismo.
 Inspeção
- Distúrbios respiratórios;
- Marcas do trauma;
- Feridas por projétil ou por arma branca;
- Hematomas, escoriações;
- Distensão abdominal;
- Evisceração;
- Deformidade da bacia;
- Alterações no períneo e
genitália.
 Detectar diminuição ou ausência
de ruídos hidroaéreos (analisar
com outros dados clínicos do
paciente)
-
Dor difusa ( Ex: líquido extravasado
e irritante na cavidade)
- Dor localizada é menos comum (Ex:
hematoma hepático)
-
Macicez (presença de líquido
intraperitoneal)
- Desaparecer a macicez hepática
(possibilidade de presença de ar
cavidade em caso de lesões do
tubo digestivo)
 Vigilância (sinais e sintomas, ssvv)
 “O primeiro exame não deve ser o último”
 Paciente instável (provável lesão interna)
 Repetir exame físico
 Lavado peritonial diagnóstico (LPD)
 É um procedimento médico, para
irrigação da cavidade peritonial e
exame do líquido de irrigação com
a finalidade de avaliar os efeitos
dos traumatismos abdominais.
Realizado na sala de emergência e
pode definir a indicação de
laparotomia e diagnosticar lesões
intra-abdominais.
 Hematúria franca
 Hipotensão na admissão
 Fraturas de últimas costelas
 Hematoma ou escoriação de parede
abdominal
 O QUE EU FAÇO ????????????????
 Preparar material (catéter, SF, equipo)
 Explicar o procedimento...
 Realizar SVD e SNG.
 Colocar o paciente em posição supina.
 Realizar anti-sepsia abdominal.
 A punção e a lavagem ajudam a detectar
hemorragias intra-abdominais.
 O líquido peritonial normal é de aspecto
amarelo claro.
 Sangue grosso, bile, urina ou material fecal
indicam lesão com necessidade de cirurgia.
 Se não aparecer nenhum material citado, o
médico poderá fazer a lavagem infundindo 1
litro de SF.
 O paciente deve ser cuidadosamente
inclinado de um lado para o outro.
 Um coletor colocado em nível mais
baixo que o abdome coleta o líquido
por drenagem gravitacional.
 Sonda gástrica (naso/oro)
 Sonda vesical
 Exames especiais (final)
Lavagem peritoneal diagnóstica
Radiografias / Ultra-som /
Tomografia
Estudos contrastados
 É uma complicação
do trauma abdominal. Caracteriza-se
por efeitos adversos no coração, rins,
pulmões entre outros órgãos, além de
alterações metabólicas importantes
que são causadas pelo aumento da
Pressão Intra – Abdominal (PIA).
 A PIA é importante parâmetro
indicador do estado fisiológico do
paciente.
 Aumento da PIA hipertensão Intra –
Abdominal (IA)
 Hipertensão IA ocorre por alterações
do conteúdo ou da forma abdominal.
 A SCA é definida como uma PIA > 20 a 25 mmHg e
ocorre em 30 % das grandes cirurgias abdominais e
em 40% das cirurgias abdominais de emergência
 Quando lesados, os órgãos sólidos e
vasculares (fígado, baço, aorta e
cava) sangram e os órgãos ocos
(intestino, vesícula biliar e bexiga)
derramam seu conteúdo dentro da
cavidade peritoneal (peritonite).
 Lesões do estômago, jejuno, íleo,
mesentério e cólons.
 Causas: FAF e FAB
 Compressão
direta da víscera, compressão do
intestino contra a coluna (“efeito
guilhotina”) e lesões por
desaceleração.
- O baço é um reservatório sangüíneo e também
tem função importante de filtro imunológico.
É um dos órgãos mais freqüentemente lesados
no trauma abdominal, com grande e fatais
hemorragias.
A esplenectomia é uma cirurgia de emergência.
 As lesões renais representam em torno
de 10% dos traumas abdominais.
 Sinais e Sintomas: o mais importante é
a hematúria, dor e equimose local,
fratura de costelas e orifício de entrada
( FAF ).
 São na maioria das vezes,
decorrentes de acidentes de trânsito,
FAF, acidente de trabalho, agressão
sexual e auto erotismo.

São classificados em: ferimentos,
contusões e empalamentos.
 No caso de auto erotismo raramente há lesão
de esfíncter ou do reto.
 O diagnóstico é feito pela história, toque
retal e RX.
 O tratamento consiste na
retirada do corpo estranho sob anestesia
geral ou raquidiana e dilatação do esfincter
anal.
 Cuidados de Enfermagem no Trauma abdominal
FIQUEM NA PAZ DE
JESUS CRISTO DE NAZARÉ
Prof° Dr. Enf° Gilberto de Jesus

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Suporte Básico de Vida 2019
Suporte Básico de Vida 2019Suporte Básico de Vida 2019
Suporte Básico de Vida 2019
Walber Alves Frazão Júnior
 
Atendimento inicial ao politraumatizado
Atendimento inicial ao politraumatizadoAtendimento inicial ao politraumatizado
Atendimento inicial ao politraumatizado
Sylvania Paiva
 
Assistência ao Paciente Grande Queimado
Assistência ao Paciente Grande QueimadoAssistência ao Paciente Grande Queimado
Assistência ao Paciente Grande Queimado
Janaína Lassala
 
Aph conceitos, modalidades, histórico (aula 1)
Aph   conceitos, modalidades, histórico (aula 1)Aph   conceitos, modalidades, histórico (aula 1)
Aph conceitos, modalidades, histórico (aula 1)
Prof Silvio Rosa
 
Parada cardiorrespiratória acls
Parada cardiorrespiratória aclsParada cardiorrespiratória acls
Parada cardiorrespiratória acls
dapab
 
Trauma torácico
Trauma torácicoTrauma torácico
Trauma torácico
Camila Lopes
 
Primeiros socorros SBV
Primeiros socorros SBVPrimeiros socorros SBV
Primeiros socorros SBV
Zeca Ribeiro
 
Novas diretrizes na pcr
Novas diretrizes na pcrNovas diretrizes na pcr
Novas diretrizes na pcr
Barbara Oliveira
 
3ª aula atendimento inicial no trauma
3ª aula   atendimento inicial no trauma3ª aula   atendimento inicial no trauma
3ª aula atendimento inicial no trauma
Prof Silvio Rosa
 
Avaliação pré operatória
Avaliação pré operatóriaAvaliação pré operatória
Avaliação pré operatória
Fernando de Oliveira Dutra
 
Atendimento inicial ao politraumatizado
Atendimento inicial ao politraumatizadoAtendimento inicial ao politraumatizado
Atendimento inicial ao politraumatizado
rozenaisna
 
Atendimento pré hospitalar -1
Atendimento pré hospitalar -1Atendimento pré hospitalar -1
Atendimento pré hospitalar -1
Eduardo Gomes da Silva
 
Punção venosa.
Punção venosa.Punção venosa.
Punção venosa.
Centro Universitário Ages
 
Abordagem geral - Trauma abdominal
Abordagem geral - Trauma abdominalAbordagem geral - Trauma abdominal
Abordagem geral - Trauma abdominal
Jeferson Espindola
 
Suporte avançado de vida em cardiologia em adultos
Suporte avançado de vida em cardiologia em adultosSuporte avançado de vida em cardiologia em adultos
Suporte avançado de vida em cardiologia em adultos
Aroldo Gavioli
 
Cinemática do trauma ii
Cinemática do  trauma iiCinemática do  trauma ii
Cinemática do trauma ii
Edrisio Oliveira Ferreira
 
Aula de cuidados com drenos
Aula de cuidados com drenosAula de cuidados com drenos
Aula de cuidados com drenos
Laiane Alves
 
Pré e Pós Operatório em Cirurgia
Pré e Pós Operatório em CirurgiaPré e Pós Operatório em Cirurgia
Pré e Pós Operatório em Cirurgia
Aillyn F. Bianchi, Faculdade de Medicina - UNIC
 
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar em Adultos
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar em AdultosNovas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar em Adultos
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar em Adultos
resenfe2013
 
Carro de Emergência
Carro de EmergênciaCarro de Emergência
Carro de Emergência
resenfe2013
 

Mais procurados (20)

Suporte Básico de Vida 2019
Suporte Básico de Vida 2019Suporte Básico de Vida 2019
Suporte Básico de Vida 2019
 
Atendimento inicial ao politraumatizado
Atendimento inicial ao politraumatizadoAtendimento inicial ao politraumatizado
Atendimento inicial ao politraumatizado
 
Assistência ao Paciente Grande Queimado
Assistência ao Paciente Grande QueimadoAssistência ao Paciente Grande Queimado
Assistência ao Paciente Grande Queimado
 
Aph conceitos, modalidades, histórico (aula 1)
Aph   conceitos, modalidades, histórico (aula 1)Aph   conceitos, modalidades, histórico (aula 1)
Aph conceitos, modalidades, histórico (aula 1)
 
Parada cardiorrespiratória acls
Parada cardiorrespiratória aclsParada cardiorrespiratória acls
Parada cardiorrespiratória acls
 
Trauma torácico
Trauma torácicoTrauma torácico
Trauma torácico
 
Primeiros socorros SBV
Primeiros socorros SBVPrimeiros socorros SBV
Primeiros socorros SBV
 
Novas diretrizes na pcr
Novas diretrizes na pcrNovas diretrizes na pcr
Novas diretrizes na pcr
 
3ª aula atendimento inicial no trauma
3ª aula   atendimento inicial no trauma3ª aula   atendimento inicial no trauma
3ª aula atendimento inicial no trauma
 
Avaliação pré operatória
Avaliação pré operatóriaAvaliação pré operatória
Avaliação pré operatória
 
Atendimento inicial ao politraumatizado
Atendimento inicial ao politraumatizadoAtendimento inicial ao politraumatizado
Atendimento inicial ao politraumatizado
 
Atendimento pré hospitalar -1
Atendimento pré hospitalar -1Atendimento pré hospitalar -1
Atendimento pré hospitalar -1
 
Punção venosa.
Punção venosa.Punção venosa.
Punção venosa.
 
Abordagem geral - Trauma abdominal
Abordagem geral - Trauma abdominalAbordagem geral - Trauma abdominal
Abordagem geral - Trauma abdominal
 
Suporte avançado de vida em cardiologia em adultos
Suporte avançado de vida em cardiologia em adultosSuporte avançado de vida em cardiologia em adultos
Suporte avançado de vida em cardiologia em adultos
 
Cinemática do trauma ii
Cinemática do  trauma iiCinemática do  trauma ii
Cinemática do trauma ii
 
Aula de cuidados com drenos
Aula de cuidados com drenosAula de cuidados com drenos
Aula de cuidados com drenos
 
Pré e Pós Operatório em Cirurgia
Pré e Pós Operatório em CirurgiaPré e Pós Operatório em Cirurgia
Pré e Pós Operatório em Cirurgia
 
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar em Adultos
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar em AdultosNovas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar em Adultos
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar em Adultos
 
Carro de Emergência
Carro de EmergênciaCarro de Emergência
Carro de Emergência
 

Semelhante a Cuidados de Enfermagem no Trauma abdominal

Cirurgia abdominal completa (2012)
Cirurgia abdominal   completa (2012)Cirurgia abdominal   completa (2012)
Cirurgia abdominal completa (2012)
Jucie Vasconcelos
 
Trabalho semiologia do abdome.
Trabalho semiologia do abdome.Trabalho semiologia do abdome.
Trabalho semiologia do abdome.
Mariana Andrade
 
7 abdomen agudo
7 abdomen agudo7 abdomen agudo
7 abdomen agudo
Alan Kardec Zica
 
Traumatismo Abdominal trabalho medicina 3
Traumatismo Abdominal trabalho medicina 3Traumatismo Abdominal trabalho medicina 3
Traumatismo Abdominal trabalho medicina 3
JssicaMorais30
 
TRAUMATISMO ABDOMINAL E PE_LVICO.pptx
TRAUMATISMO ABDOMINAL E PE_LVICO.pptxTRAUMATISMO ABDOMINAL E PE_LVICO.pptx
TRAUMATISMO ABDOMINAL E PE_LVICO.pptx
Priscila Cunha
 
Trauma(1) abdominal.ppt
Trauma(1)   abdominal.pptTrauma(1)   abdominal.ppt
Trauma(1) abdominal.ppt
RodolfoFreitas21
 
7. trauma do abdome rx do trauma
7. trauma do abdome  rx do trauma7. trauma do abdome  rx do trauma
7. trauma do abdome rx do trauma
Juan Zambon
 
7. texto trauma abdome masella 2012
7. texto trauma abdome masella 20127. texto trauma abdome masella 2012
7. texto trauma abdome masella 2012
Juan Zambon
 
resumo Semiologia Cirurgica I medicina.pdf
resumo Semiologia Cirurgica I medicina.pdfresumo Semiologia Cirurgica I medicina.pdf
resumo Semiologia Cirurgica I medicina.pdf
LucianaGuimares30
 
IMPRIMIR - ABDOM. CLASE 01.04.2024 (2).pdf
IMPRIMIR - ABDOM. CLASE 01.04.2024 (2).pdfIMPRIMIR - ABDOM. CLASE 01.04.2024 (2).pdf
IMPRIMIR - ABDOM. CLASE 01.04.2024 (2).pdf
LucianaGuimares30
 
Trauma abdominal fechado internato
Trauma abdominal fechado  internatoTrauma abdominal fechado  internato
Trauma abdominal fechado internato
Luciano De Barros Mendes
 
Suporte Básico de Vida no Trauma Lesões Especificas Trauma Torácico e Abdomin...
Suporte Básico de Vida no Trauma Lesões Especificas Trauma Torácico e Abdomin...Suporte Básico de Vida no Trauma Lesões Especificas Trauma Torácico e Abdomin...
Suporte Básico de Vida no Trauma Lesões Especificas Trauma Torácico e Abdomin...
DEPTFIRESERVIOS
 
Avaliação fisioterapêutica e monitorização em UTI.pptx
 Avaliação fisioterapêutica e monitorização em UTI.pptx Avaliação fisioterapêutica e monitorização em UTI.pptx
Avaliação fisioterapêutica e monitorização em UTI.pptx
LdioBarbosa
 
Ultrassonografia veterinária em emergencias
Ultrassonografia veterinária em emergencias Ultrassonografia veterinária em emergencias
Ultrassonografia veterinária em emergencias
Cibele Carvalho
 
Abdome Agudo
Abdome AgudoAbdome Agudo
Trauma abdominal
Trauma abdominalTrauma abdominal
Trauma abdominal
Willian Pegoraro Kus
 
Propedeutica abdominal
Propedeutica abdominalPropedeutica abdominal
Propedeutica abdominal
Paulo Rodrigo Pinto
 
Us gastrico pocus
Us gastrico pocus  Us gastrico pocus
Us gastrico pocus
Carlos D A Bersot
 
apendicite-aguda-aula-unic-uma tentativa
apendicite-aguda-aula-unic-uma tentativaapendicite-aguda-aula-unic-uma tentativa
apendicite-aguda-aula-unic-uma tentativa
Danielle619759
 
Dicionário de termos médicos
Dicionário de termos médicosDicionário de termos médicos
Dicionário de termos médicos
Cleyton Veríssimo
 

Semelhante a Cuidados de Enfermagem no Trauma abdominal (20)

Cirurgia abdominal completa (2012)
Cirurgia abdominal   completa (2012)Cirurgia abdominal   completa (2012)
Cirurgia abdominal completa (2012)
 
Trabalho semiologia do abdome.
Trabalho semiologia do abdome.Trabalho semiologia do abdome.
Trabalho semiologia do abdome.
 
7 abdomen agudo
7 abdomen agudo7 abdomen agudo
7 abdomen agudo
 
Traumatismo Abdominal trabalho medicina 3
Traumatismo Abdominal trabalho medicina 3Traumatismo Abdominal trabalho medicina 3
Traumatismo Abdominal trabalho medicina 3
 
TRAUMATISMO ABDOMINAL E PE_LVICO.pptx
TRAUMATISMO ABDOMINAL E PE_LVICO.pptxTRAUMATISMO ABDOMINAL E PE_LVICO.pptx
TRAUMATISMO ABDOMINAL E PE_LVICO.pptx
 
Trauma(1) abdominal.ppt
Trauma(1)   abdominal.pptTrauma(1)   abdominal.ppt
Trauma(1) abdominal.ppt
 
7. trauma do abdome rx do trauma
7. trauma do abdome  rx do trauma7. trauma do abdome  rx do trauma
7. trauma do abdome rx do trauma
 
7. texto trauma abdome masella 2012
7. texto trauma abdome masella 20127. texto trauma abdome masella 2012
7. texto trauma abdome masella 2012
 
resumo Semiologia Cirurgica I medicina.pdf
resumo Semiologia Cirurgica I medicina.pdfresumo Semiologia Cirurgica I medicina.pdf
resumo Semiologia Cirurgica I medicina.pdf
 
IMPRIMIR - ABDOM. CLASE 01.04.2024 (2).pdf
IMPRIMIR - ABDOM. CLASE 01.04.2024 (2).pdfIMPRIMIR - ABDOM. CLASE 01.04.2024 (2).pdf
IMPRIMIR - ABDOM. CLASE 01.04.2024 (2).pdf
 
Trauma abdominal fechado internato
Trauma abdominal fechado  internatoTrauma abdominal fechado  internato
Trauma abdominal fechado internato
 
Suporte Básico de Vida no Trauma Lesões Especificas Trauma Torácico e Abdomin...
Suporte Básico de Vida no Trauma Lesões Especificas Trauma Torácico e Abdomin...Suporte Básico de Vida no Trauma Lesões Especificas Trauma Torácico e Abdomin...
Suporte Básico de Vida no Trauma Lesões Especificas Trauma Torácico e Abdomin...
 
Avaliação fisioterapêutica e monitorização em UTI.pptx
 Avaliação fisioterapêutica e monitorização em UTI.pptx Avaliação fisioterapêutica e monitorização em UTI.pptx
Avaliação fisioterapêutica e monitorização em UTI.pptx
 
Ultrassonografia veterinária em emergencias
Ultrassonografia veterinária em emergencias Ultrassonografia veterinária em emergencias
Ultrassonografia veterinária em emergencias
 
Abdome Agudo
Abdome AgudoAbdome Agudo
Abdome Agudo
 
Trauma abdominal
Trauma abdominalTrauma abdominal
Trauma abdominal
 
Propedeutica abdominal
Propedeutica abdominalPropedeutica abdominal
Propedeutica abdominal
 
Us gastrico pocus
Us gastrico pocus  Us gastrico pocus
Us gastrico pocus
 
apendicite-aguda-aula-unic-uma tentativa
apendicite-aguda-aula-unic-uma tentativaapendicite-aguda-aula-unic-uma tentativa
apendicite-aguda-aula-unic-uma tentativa
 
Dicionário de termos médicos
Dicionário de termos médicosDicionário de termos médicos
Dicionário de termos médicos
 

Mais de Gilberto de Jesus

Apostila de cuidador
Apostila de cuidador Apostila de cuidador
Apostila de cuidador
Gilberto de Jesus
 
Aula de microbiologia Prof. Gilberto de Jesus
Aula de  microbiologia Prof. Gilberto de JesusAula de  microbiologia Prof. Gilberto de Jesus
Aula de microbiologia Prof. Gilberto de Jesus
Gilberto de Jesus
 
Historia da enfermagem período pré-cristão
Historia da enfermagem   período pré-cristãoHistoria da enfermagem   período pré-cristão
Historia da enfermagem período pré-cristão
Gilberto de Jesus
 
Medicação em pediatria
Medicação em pediatriaMedicação em pediatria
Medicação em pediatria
Gilberto de Jesus
 
Exame fisico cabeça e pescoço
Exame fisico cabeça e pescoçoExame fisico cabeça e pescoço
Exame fisico cabeça e pescoço
Gilberto de Jesus
 
Erros de medicação Prof° Gilberto de Jesus
 Erros de medicação Prof° Gilberto de Jesus Erros de medicação Prof° Gilberto de Jesus
Erros de medicação Prof° Gilberto de Jesus
Gilberto de Jesus
 
Primeiros socorros Proº Gilberto de Jesus
Primeiros socorros  Proº Gilberto de JesusPrimeiros socorros  Proº Gilberto de Jesus
Primeiros socorros Proº Gilberto de Jesus
Gilberto de Jesus
 
Calculos de medicação- Profº Gilberto de Jesus
Calculos de medicação- Profº Gilberto de JesusCalculos de medicação- Profº Gilberto de Jesus
Calculos de medicação- Profº Gilberto de Jesus
Gilberto de Jesus
 
Drogas - Profº Gilberto de Jesus
Drogas - Profº Gilberto de JesusDrogas - Profº Gilberto de Jesus
Drogas - Profº Gilberto de Jesus
Gilberto de Jesus
 
Etica e postura profissional- Profº Gilberto de Jesus
Etica e postura profissional- Profº Gilberto de JesusEtica e postura profissional- Profº Gilberto de Jesus
Etica e postura profissional- Profº Gilberto de Jesus
Gilberto de Jesus
 
Calculo de Medicação- Peofº Gilberto de Jesus
Calculo de Medicação- Peofº Gilberto de JesusCalculo de Medicação- Peofº Gilberto de Jesus
Calculo de Medicação- Peofº Gilberto de Jesus
Gilberto de Jesus
 
ÉTica e cidadania Profº Gilberto de Jesus
ÉTica e cidadania Profº Gilberto de JesusÉTica e cidadania Profº Gilberto de Jesus
ÉTica e cidadania Profº Gilberto de Jesus
Gilberto de Jesus
 

Mais de Gilberto de Jesus (12)

Apostila de cuidador
Apostila de cuidador Apostila de cuidador
Apostila de cuidador
 
Aula de microbiologia Prof. Gilberto de Jesus
Aula de  microbiologia Prof. Gilberto de JesusAula de  microbiologia Prof. Gilberto de Jesus
Aula de microbiologia Prof. Gilberto de Jesus
 
Historia da enfermagem período pré-cristão
Historia da enfermagem   período pré-cristãoHistoria da enfermagem   período pré-cristão
Historia da enfermagem período pré-cristão
 
Medicação em pediatria
Medicação em pediatriaMedicação em pediatria
Medicação em pediatria
 
Exame fisico cabeça e pescoço
Exame fisico cabeça e pescoçoExame fisico cabeça e pescoço
Exame fisico cabeça e pescoço
 
Erros de medicação Prof° Gilberto de Jesus
 Erros de medicação Prof° Gilberto de Jesus Erros de medicação Prof° Gilberto de Jesus
Erros de medicação Prof° Gilberto de Jesus
 
Primeiros socorros Proº Gilberto de Jesus
Primeiros socorros  Proº Gilberto de JesusPrimeiros socorros  Proº Gilberto de Jesus
Primeiros socorros Proº Gilberto de Jesus
 
Calculos de medicação- Profº Gilberto de Jesus
Calculos de medicação- Profº Gilberto de JesusCalculos de medicação- Profº Gilberto de Jesus
Calculos de medicação- Profº Gilberto de Jesus
 
Drogas - Profº Gilberto de Jesus
Drogas - Profº Gilberto de JesusDrogas - Profº Gilberto de Jesus
Drogas - Profº Gilberto de Jesus
 
Etica e postura profissional- Profº Gilberto de Jesus
Etica e postura profissional- Profº Gilberto de JesusEtica e postura profissional- Profº Gilberto de Jesus
Etica e postura profissional- Profº Gilberto de Jesus
 
Calculo de Medicação- Peofº Gilberto de Jesus
Calculo de Medicação- Peofº Gilberto de JesusCalculo de Medicação- Peofº Gilberto de Jesus
Calculo de Medicação- Peofº Gilberto de Jesus
 
ÉTica e cidadania Profº Gilberto de Jesus
ÉTica e cidadania Profº Gilberto de JesusÉTica e cidadania Profº Gilberto de Jesus
ÉTica e cidadania Profº Gilberto de Jesus
 

Cuidados de Enfermagem no Trauma abdominal

  • 1. Prof° Dr. Enf° Gilberto de Jesus
  • 3.  Ex; arma branca , projétil de arma de fogo...
  • 4.  Ex: colisão, atropelamento, queda, agressão...
  • 5.  Presença de lesão significativa  - História: Paciente / Resgate  - Mecanismo de trauma  - Tempo decorrido  - Tratamento / Resposta
  • 6.  Velocidade  -Tipo de colisão  - Deformidade / Intrusão  -Dispositivos de segurança  - Restrição  - Air bag (acionamento)  - Posição / Ejeção
  • 8.  - Tempo  - Tipo de arma  - Distância  - Ferimentos (quantos / onde)  - Sangramento externo
  • 9.  De acordo com Buff, no politraumatizado, o tórax e o abdome são atingidos em 23% dos casos.  No RJ, no Hospital GV, até 1990, os traumas abertos eram quase três vezes mais freqüentes dos que os fechados.
  • 10.  Em 35 anos (1955-1990), foram atendidos 6.166 pacientes com trauma abdominal; destes 4.478 com trauma abdominal aberto e 1.688, correspondiam ao trauma fechado.  Um estudo realizado em 1990, no HPS, em Porto Alegre, mostrou que o acidente automobilístico é a causa mais freqüente de trauma abdominal fechado (68 %). (NASI, 2005)
  • 11.  Quando não identificado o trauma abdominal é uma das principais causas de morte.  A ausência de sinais e sintomas locais não afasta a possibilidade de trauma abdominal (mecanismo do trauma).
  • 12.  O objetivo principal é detectar se há lesão abdominal interna.  Na anamnese procura-se identificar o tipo de trauma e o seu mecanismo.
  • 13.  Inspeção - Distúrbios respiratórios; - Marcas do trauma; - Feridas por projétil ou por arma branca; - Hematomas, escoriações;
  • 14. - Distensão abdominal; - Evisceração; - Deformidade da bacia; - Alterações no períneo e genitália.
  • 15.  Detectar diminuição ou ausência de ruídos hidroaéreos (analisar com outros dados clínicos do paciente)
  • 16. - Dor difusa ( Ex: líquido extravasado e irritante na cavidade) - Dor localizada é menos comum (Ex: hematoma hepático)
  • 17. - Macicez (presença de líquido intraperitoneal) - Desaparecer a macicez hepática (possibilidade de presença de ar cavidade em caso de lesões do tubo digestivo)
  • 18.  Vigilância (sinais e sintomas, ssvv)  “O primeiro exame não deve ser o último”  Paciente instável (provável lesão interna)  Repetir exame físico  Lavado peritonial diagnóstico (LPD)
  • 19.  É um procedimento médico, para irrigação da cavidade peritonial e exame do líquido de irrigação com a finalidade de avaliar os efeitos dos traumatismos abdominais. Realizado na sala de emergência e pode definir a indicação de laparotomia e diagnosticar lesões intra-abdominais.
  • 20.  Hematúria franca  Hipotensão na admissão  Fraturas de últimas costelas  Hematoma ou escoriação de parede abdominal
  • 21.  O QUE EU FAÇO ????????????????
  • 22.  Preparar material (catéter, SF, equipo)  Explicar o procedimento...  Realizar SVD e SNG.  Colocar o paciente em posição supina.  Realizar anti-sepsia abdominal.
  • 23.  A punção e a lavagem ajudam a detectar hemorragias intra-abdominais.  O líquido peritonial normal é de aspecto amarelo claro.  Sangue grosso, bile, urina ou material fecal indicam lesão com necessidade de cirurgia.  Se não aparecer nenhum material citado, o médico poderá fazer a lavagem infundindo 1 litro de SF.
  • 24.  O paciente deve ser cuidadosamente inclinado de um lado para o outro.  Um coletor colocado em nível mais baixo que o abdome coleta o líquido por drenagem gravitacional.
  • 25.  Sonda gástrica (naso/oro)  Sonda vesical  Exames especiais (final) Lavagem peritoneal diagnóstica Radiografias / Ultra-som / Tomografia Estudos contrastados
  • 26.  É uma complicação do trauma abdominal. Caracteriza-se por efeitos adversos no coração, rins, pulmões entre outros órgãos, além de alterações metabólicas importantes que são causadas pelo aumento da Pressão Intra – Abdominal (PIA).
  • 27.  A PIA é importante parâmetro indicador do estado fisiológico do paciente.  Aumento da PIA hipertensão Intra – Abdominal (IA)  Hipertensão IA ocorre por alterações do conteúdo ou da forma abdominal.
  • 28.  A SCA é definida como uma PIA > 20 a 25 mmHg e ocorre em 30 % das grandes cirurgias abdominais e em 40% das cirurgias abdominais de emergência
  • 29.  Quando lesados, os órgãos sólidos e vasculares (fígado, baço, aorta e cava) sangram e os órgãos ocos (intestino, vesícula biliar e bexiga) derramam seu conteúdo dentro da cavidade peritoneal (peritonite).
  • 30.  Lesões do estômago, jejuno, íleo, mesentério e cólons.  Causas: FAF e FAB  Compressão direta da víscera, compressão do intestino contra a coluna (“efeito guilhotina”) e lesões por desaceleração.
  • 31. - O baço é um reservatório sangüíneo e também tem função importante de filtro imunológico. É um dos órgãos mais freqüentemente lesados no trauma abdominal, com grande e fatais hemorragias. A esplenectomia é uma cirurgia de emergência.
  • 32.  As lesões renais representam em torno de 10% dos traumas abdominais.  Sinais e Sintomas: o mais importante é a hematúria, dor e equimose local, fratura de costelas e orifício de entrada ( FAF ).
  • 33.  São na maioria das vezes, decorrentes de acidentes de trânsito, FAF, acidente de trabalho, agressão sexual e auto erotismo.  São classificados em: ferimentos, contusões e empalamentos.
  • 34.  No caso de auto erotismo raramente há lesão de esfíncter ou do reto.  O diagnóstico é feito pela história, toque retal e RX.  O tratamento consiste na retirada do corpo estranho sob anestesia geral ou raquidiana e dilatação do esfincter anal.
  • 36. FIQUEM NA PAZ DE JESUS CRISTO DE NAZARÉ Prof° Dr. Enf° Gilberto de Jesus