SlideShare uma empresa Scribd logo
I INSTITUTO DE ENSINO TECNOLÓGICO CENTEC FACULDADE DE TECNOLOGIA CENTEC – FATEC CARIRI DISCIPLINA:TRATAMENTO DE ÁGUAS RESIDUARIAS II PROFESSORA: RAIMUNDA     ALAN DELAMAYKON  ANTôNIO SOARES BARROS
Tratamento de Águas Residuárias: uma proposta para a sustentabilidade ambiental
1 INTRODUÇÃO A utilização de esgotos tratados;  (Silva e Hespanhol, 2002). No Brasil;   (Sousa   et al., 2006). Uma forma inteligente de poupar água;
2 MATERIAL E MÉTODOS O experimento foi construído, instalado e monitorado na Estação de Tratamento Biológico de Esgotos (EXTRABES) localizada em área pertencente à Companhia de Águas e Esgotos do Estado da Paraíba (CAGEPA), no município de Campina Grande – PB .
2 MATERIAL E MÉTODOS Um reator UASB de 5m 3  construído de fibra de vidro; Tempo de Detenção Hidráulica (TDH) de seis horas; 1)filtro anaeróbio de chicanas, 1m 3  e TDH de 7 dias; 2)lagoa de polimento de 10 metros de comprimento e 1 de largura e 0,60 de profundidade  e TDH  de 7 dias; 3)terra úmida não vegetada, com área de 10m 2 ; 4)terra úmida vegetada.
2 MATERIAL E MÉTODOS   Os parâmetros referentes à matéria orgânica, DQO, sólidos e suas frações, nitrogênio amoniacal e kjeldahl total, fósforo total e ortofosfato e coliformes termotolerantes, todas as análises obedeceram às recomendações do Standard Methods for the Examination of Wastewater (APHA, 1995), enquanto que os ovos de helmintos foram determinados pelo método de Bailenger (WHO, 1989).
3 RESULTADOS E DISCUSSÃO A utilização de águas residuárias tratadas; Água; Nutrientes; Matéria orgânica; Conservam o solo e Agem como fertilizantes.
3 RESULTADOS E DISCUSSÃO
3 RESULTADOS E DISCUSSÃO Remoção de nutrientes
3 RESULTADOS E DISCUSSÃO Remoção de nutrientes
3 RESULTADOS E DISCUSSÃO Organismos patogênicos
4 CONCLUSÃO   L agoa rasa de polimento com TDH de 15 dias, produz efluente de excelente qualidade sanitária, 1000 UFC.mL-1 da amostra e ausência de ovos de helmintos. Altos valores de pH, 8,4 a 9,8; ocorreu uma remoção de fósforo e nitrogênio, disponibilizando menos nutrientes para irrigação.    A remoção de material carbonáceo expresso em DQO nos três sistemas foi considerável, e praticamente igual.
4 CONCLUSÃO Durante o período experimental a eficiência de remoção de material carbonáceo expresso em DQO nos três sistemas foi considerável, não se observando diferenças significativas (p> 0,05) entre os efluentes do filtro anaeróbio, terras úmidas vegetadas e terras úmidas não vegetadas.
4 CONCLUSÃO Os efluentes produzidos pelos sistemas: filtro anaeróbio, terras úmidas vegetadas e não vegetadas apresentaram nutrientes suficientes para a maioria das culturas cultivadas na região nordeste. No entanto, a concentração de coliformes termotolerantes manteve-se acima das recomendações da OMS para irrigação irrestrita .
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS APHA. AWWA. WPCF.  Standard Methods For The Examination Of Water And Wastewater . 15 ed. Washington, DC. American Public Health Association. American Water Works Association, Water Pollution control Federation, 1998. 1134p. BAILENGER, J.  Mechanisms of parasitological concentration in coprology and their practical consequences . Journal of American Medical Technology, 41, apud AYRES, R & MARA, D. Analysis of wastewater for use in agriculture. A laboratory manual of parasitological and bacteriological techniques. Geneva: WHO, p.65-71, 1989. BRADY, N. C.  Natureza e propriedades dos solos . 7ª edição, Livraria Freitas Bastos. Rio de Janeiro, 1989. 878p.
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula 09 legislação aplicada e padrões - prof. nelson (area 1)
Aula 09   legislação aplicada e padrões - prof. nelson (area 1)Aula 09   legislação aplicada e padrões - prof. nelson (area 1)
Aula 09 legislação aplicada e padrões - prof. nelson (area 1)
Nelson Virgilio Carvalho Filho
 
Principais processos de_tratamento_de_água_de_abastecimento_-_tania
Principais processos de_tratamento_de_água_de_abastecimento_-_taniaPrincipais processos de_tratamento_de_água_de_abastecimento_-_tania
Principais processos de_tratamento_de_água_de_abastecimento_-_tania
João Siqueira da Mata
 
Palestra ucdb - campo grande
Palestra   ucdb - campo grandePalestra   ucdb - campo grande
Palestra ucdb - campo grande
Samara RH
 
Aula 01 inicial - apresentação e introdução
Aula 01   inicial - apresentação e introduçãoAula 01   inicial - apresentação e introdução
Aula 01 inicial - apresentação e introdução
Nelson Virgilio Carvalho Filho
 
Tratamento anaeróbio esgoto
Tratamento anaeróbio esgotoTratamento anaeróbio esgoto
Tratamento anaeróbio esgoto
Movimento Verde
 
parametros qualidade agua
parametros qualidade aguaparametros qualidade agua
parametros qualidade agua
Raquel Gastao Daniel
 
Trabalho tratamento esgoto final.ppt 2
Trabalho tratamento esgoto final.ppt 2Trabalho tratamento esgoto final.ppt 2
Trabalho tratamento esgoto final.ppt 2
João Boos Boos
 
04 relatorio-avaliacão-participativa-da-qualidade-agua-do-capibaribe
04 relatorio-avaliacão-participativa-da-qualidade-agua-do-capibaribe04 relatorio-avaliacão-participativa-da-qualidade-agua-do-capibaribe
04 relatorio-avaliacão-participativa-da-qualidade-agua-do-capibaribe
Comite
 
PARÂMETROS NACIONAIS UTILIZADOS NO CONTROLE DE QUALIDADE DE ÁGUA NOS SETORES...
PARÂMETROS  NACIONAIS UTILIZADOS NO CONTROLE DE QUALIDADE DE ÁGUA NOS SETORES...PARÂMETROS  NACIONAIS UTILIZADOS NO CONTROLE DE QUALIDADE DE ÁGUA NOS SETORES...
PARÂMETROS NACIONAIS UTILIZADOS NO CONTROLE DE QUALIDADE DE ÁGUA NOS SETORES...
Daiane Batista
 
Controle ph
Controle phControle ph
Controle ph
EDER OLIVEIRA
 
Digestão anaeróbia de efluentes industriais
Digestão anaeróbia de efluentes industriaisDigestão anaeróbia de efluentes industriais
Digestão anaeróbia de efluentes industriais
edu_m_k
 
01
0101
POTENCIAL DE USO DO LODO DE ESTAÇÔES DE TRATAMENTO DE ÁGUA E ESGOTO
POTENCIAL DE USO DO LODO DE ESTAÇÔES DE TRATAMENTO DE ÁGUA E ESGOTOPOTENCIAL DE USO DO LODO DE ESTAÇÔES DE TRATAMENTO DE ÁGUA E ESGOTO
POTENCIAL DE USO DO LODO DE ESTAÇÔES DE TRATAMENTO DE ÁGUA E ESGOTO
Rural Pecuária
 
Livro tratamento de_esgotos[1]
Livro tratamento de_esgotos[1]Livro tratamento de_esgotos[1]
Livro tratamento de_esgotos[1]
lucio-vicente
 
Qualidade da água
Qualidade da águaQualidade da água
Qualidade da água
Limnos Ufsc
 
Tecnologia de Tratamento de Água e Efluente. Parte1
Tecnologia de Tratamento de Água e Efluente. Parte1Tecnologia de Tratamento de Água e Efluente. Parte1
Tecnologia de Tratamento de Água e Efluente. Parte1
Roberto Emery-Trindade
 
09 esgostos vazao dbo dqo
09   esgostos vazao dbo dqo09   esgostos vazao dbo dqo
09 esgostos vazao dbo dqo
Marlos Nogueira
 
Texto 1 -_caracterização
Texto 1 -_caracterizaçãoTexto 1 -_caracterização
Texto 1 -_caracterização
Cleverson Ivonel Fiatkoski
 

Mais procurados (18)

Aula 09 legislação aplicada e padrões - prof. nelson (area 1)
Aula 09   legislação aplicada e padrões - prof. nelson (area 1)Aula 09   legislação aplicada e padrões - prof. nelson (area 1)
Aula 09 legislação aplicada e padrões - prof. nelson (area 1)
 
Principais processos de_tratamento_de_água_de_abastecimento_-_tania
Principais processos de_tratamento_de_água_de_abastecimento_-_taniaPrincipais processos de_tratamento_de_água_de_abastecimento_-_tania
Principais processos de_tratamento_de_água_de_abastecimento_-_tania
 
Palestra ucdb - campo grande
Palestra   ucdb - campo grandePalestra   ucdb - campo grande
Palestra ucdb - campo grande
 
Aula 01 inicial - apresentação e introdução
Aula 01   inicial - apresentação e introduçãoAula 01   inicial - apresentação e introdução
Aula 01 inicial - apresentação e introdução
 
Tratamento anaeróbio esgoto
Tratamento anaeróbio esgotoTratamento anaeróbio esgoto
Tratamento anaeróbio esgoto
 
parametros qualidade agua
parametros qualidade aguaparametros qualidade agua
parametros qualidade agua
 
Trabalho tratamento esgoto final.ppt 2
Trabalho tratamento esgoto final.ppt 2Trabalho tratamento esgoto final.ppt 2
Trabalho tratamento esgoto final.ppt 2
 
04 relatorio-avaliacão-participativa-da-qualidade-agua-do-capibaribe
04 relatorio-avaliacão-participativa-da-qualidade-agua-do-capibaribe04 relatorio-avaliacão-participativa-da-qualidade-agua-do-capibaribe
04 relatorio-avaliacão-participativa-da-qualidade-agua-do-capibaribe
 
PARÂMETROS NACIONAIS UTILIZADOS NO CONTROLE DE QUALIDADE DE ÁGUA NOS SETORES...
PARÂMETROS  NACIONAIS UTILIZADOS NO CONTROLE DE QUALIDADE DE ÁGUA NOS SETORES...PARÂMETROS  NACIONAIS UTILIZADOS NO CONTROLE DE QUALIDADE DE ÁGUA NOS SETORES...
PARÂMETROS NACIONAIS UTILIZADOS NO CONTROLE DE QUALIDADE DE ÁGUA NOS SETORES...
 
Controle ph
Controle phControle ph
Controle ph
 
Digestão anaeróbia de efluentes industriais
Digestão anaeróbia de efluentes industriaisDigestão anaeróbia de efluentes industriais
Digestão anaeróbia de efluentes industriais
 
01
0101
01
 
POTENCIAL DE USO DO LODO DE ESTAÇÔES DE TRATAMENTO DE ÁGUA E ESGOTO
POTENCIAL DE USO DO LODO DE ESTAÇÔES DE TRATAMENTO DE ÁGUA E ESGOTOPOTENCIAL DE USO DO LODO DE ESTAÇÔES DE TRATAMENTO DE ÁGUA E ESGOTO
POTENCIAL DE USO DO LODO DE ESTAÇÔES DE TRATAMENTO DE ÁGUA E ESGOTO
 
Livro tratamento de_esgotos[1]
Livro tratamento de_esgotos[1]Livro tratamento de_esgotos[1]
Livro tratamento de_esgotos[1]
 
Qualidade da água
Qualidade da águaQualidade da água
Qualidade da água
 
Tecnologia de Tratamento de Água e Efluente. Parte1
Tecnologia de Tratamento de Água e Efluente. Parte1Tecnologia de Tratamento de Água e Efluente. Parte1
Tecnologia de Tratamento de Água e Efluente. Parte1
 
09 esgostos vazao dbo dqo
09   esgostos vazao dbo dqo09   esgostos vazao dbo dqo
09 esgostos vazao dbo dqo
 
Texto 1 -_caracterização
Texto 1 -_caracterizaçãoTexto 1 -_caracterização
Texto 1 -_caracterização
 

Destaque

Etar e eta
Etar e etaEtar e eta
Etar e eta
genarui
 
Eta
EtaEta
IRA e ETA
IRA e ETAIRA e ETA
Eta Reuso de Água
Eta Reuso de ÁguaEta Reuso de Água
Eta Reuso de Água
tfgodoy
 
Resolvendo a falta de água: normas para captação de água de chuva e reuso de...
Resolvendo a falta de água: normas para captação de água de chuva e reuso de...Resolvendo a falta de água: normas para captação de água de chuva e reuso de...
Resolvendo a falta de água: normas para captação de água de chuva e reuso de...
greenhausbr
 
ÁGUA DE REÚSO
ÁGUA DE REÚSOÁGUA DE REÚSO
ÁGUA DE REÚSO
Hamilton5
 
Reuso da água
Reuso da águaReuso da água
Reuso da água
Patrícia Ventura
 
Reuso da agua
Reuso da aguaReuso da agua
Reuso da agua
Luana Barros
 
Taa 7
Taa 7Taa 7
Aula 07 - Tecnicas de tratamento - parte 3 - 08.09
Aula 07 - Tecnicas de tratamento - parte 3 - 08.09Aula 07 - Tecnicas de tratamento - parte 3 - 08.09
Aula 07 - Tecnicas de tratamento - parte 3 - 08.09
Nelson Virgilio Carvalho Filho
 
Aula 15 - Tratamento do lodo e reuso - 03.11
Aula 15 - Tratamento do lodo e reuso - 03.11Aula 15 - Tratamento do lodo e reuso - 03.11
Aula 15 - Tratamento do lodo e reuso - 03.11
Nelson Virgilio Carvalho Filho
 
Reúso da água como alternativa sustentável
Reúso da água como alternativa sustentávelReúso da água como alternativa sustentável
Reúso da água como alternativa sustentável
Micheli Bianchini
 
Estação de tratamento de água
Estação de tratamento de águaEstação de tratamento de água
Estação de tratamento de água
espacoaberto
 

Destaque (13)

Etar e eta
Etar e etaEtar e eta
Etar e eta
 
Eta
EtaEta
Eta
 
IRA e ETA
IRA e ETAIRA e ETA
IRA e ETA
 
Eta Reuso de Água
Eta Reuso de ÁguaEta Reuso de Água
Eta Reuso de Água
 
Resolvendo a falta de água: normas para captação de água de chuva e reuso de...
Resolvendo a falta de água: normas para captação de água de chuva e reuso de...Resolvendo a falta de água: normas para captação de água de chuva e reuso de...
Resolvendo a falta de água: normas para captação de água de chuva e reuso de...
 
ÁGUA DE REÚSO
ÁGUA DE REÚSOÁGUA DE REÚSO
ÁGUA DE REÚSO
 
Reuso da água
Reuso da águaReuso da água
Reuso da água
 
Reuso da agua
Reuso da aguaReuso da agua
Reuso da agua
 
Taa 7
Taa 7Taa 7
Taa 7
 
Aula 07 - Tecnicas de tratamento - parte 3 - 08.09
Aula 07 - Tecnicas de tratamento - parte 3 - 08.09Aula 07 - Tecnicas de tratamento - parte 3 - 08.09
Aula 07 - Tecnicas de tratamento - parte 3 - 08.09
 
Aula 15 - Tratamento do lodo e reuso - 03.11
Aula 15 - Tratamento do lodo e reuso - 03.11Aula 15 - Tratamento do lodo e reuso - 03.11
Aula 15 - Tratamento do lodo e reuso - 03.11
 
Reúso da água como alternativa sustentável
Reúso da água como alternativa sustentávelReúso da água como alternativa sustentável
Reúso da água como alternativa sustentável
 
Estação de tratamento de água
Estação de tratamento de águaEstação de tratamento de água
Estação de tratamento de água
 

Semelhante a Tratamento de Águas Residuárias II

Tratamento de águas residuárias raimunda
Tratamento de águas residuárias raimundaTratamento de águas residuárias raimunda
Tratamento de águas residuárias raimunda
FATEC Cariri
 
Agricultura orgânica e Análise físico-química dos diferentes tipos de agua.
Agricultura orgânica e Análise físico-química dos diferentes tipos de agua.Agricultura orgânica e Análise físico-química dos diferentes tipos de agua.
Agricultura orgânica e Análise físico-química dos diferentes tipos de agua.
Fagner Aquino
 
04
0404
Macroinvertebrados Aquáticos como Bioindicadores da Avaliação da Qualidade de...
Macroinvertebrados Aquáticos como Bioindicadores da Avaliação da Qualidade de...Macroinvertebrados Aquáticos como Bioindicadores da Avaliação da Qualidade de...
Macroinvertebrados Aquáticos como Bioindicadores da Avaliação da Qualidade de...
Samuel J. Tacuana
 
3137 6247-1-pb
3137 6247-1-pb3137 6247-1-pb
3137 6247-1-pb
William Breternitz
 
17/03 - tarde_Mesa 2 - Ricardo de Oliveira Figueiredo
17/03 - tarde_Mesa 2 - Ricardo de Oliveira Figueiredo17/03 - tarde_Mesa 2 - Ricardo de Oliveira Figueiredo
17/03 - tarde_Mesa 2 - Ricardo de Oliveira Figueiredo
Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio Doce - CBH-Doce
 
Artigo bioterra v17_n2_01
Artigo bioterra v17_n2_01Artigo bioterra v17_n2_01
Artigo bioterra v17_n2_01
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
Bioflocos autotróficos (ABFT) usando Chlorella vulgaris e Scenedesmus obliquu...
Bioflocos autotróficos (ABFT) usando Chlorella vulgaris e Scenedesmus obliquu...Bioflocos autotróficos (ABFT) usando Chlorella vulgaris e Scenedesmus obliquu...
Bioflocos autotróficos (ABFT) usando Chlorella vulgaris e Scenedesmus obliquu...
tgandr
 
I 242
I 242I 242
Dissertação de mestrado ufpe utilização do lodo proveniente de uma eta
Dissertação de mestrado ufpe   utilização do lodo proveniente de uma etaDissertação de mestrado ufpe   utilização do lodo proveniente de uma eta
Dissertação de mestrado ufpe utilização do lodo proveniente de uma eta
Elton Oliveira
 
RESULTADO BIOREMEDIAÇÃO - CASE ZOOLÓGICO DE BRASÍLIA
RESULTADO BIOREMEDIAÇÃO - CASE ZOOLÓGICO DE BRASÍLIARESULTADO BIOREMEDIAÇÃO - CASE ZOOLÓGICO DE BRASÍLIA
RESULTADO BIOREMEDIAÇÃO - CASE ZOOLÓGICO DE BRASÍLIA
ECOCLÃ BIOTECNOLOGIA
 
Patricia di sessa
Patricia di sessaPatricia di sessa
Patricia di sessa
Carlos Elson Cunha
 
nucleos-do-io-nucleo-oceanograifa-quimica.pdf
nucleos-do-io-nucleo-oceanograifa-quimica.pdfnucleos-do-io-nucleo-oceanograifa-quimica.pdf
nucleos-do-io-nucleo-oceanograifa-quimica.pdf
LeandroFerraz22
 
04 relatorio-avaliacao-participativa-da-qualidade-agua-do-capibaribe
04 relatorio-avaliacao-participativa-da-qualidade-agua-do-capibaribe04 relatorio-avaliacao-participativa-da-qualidade-agua-do-capibaribe
04 relatorio-avaliacao-participativa-da-qualidade-agua-do-capibaribe
Comite
 
tratamento e pós tratamento de esgoto.ppt
tratamento e pós tratamento de esgoto.ppttratamento e pós tratamento de esgoto.ppt
tratamento e pós tratamento de esgoto.ppt
Alessandro409980
 
contagem
contagemcontagem
Manual analise agua
Manual analise aguaManual analise agua
Manual analise agua
Jaqueline Sousa
 
Manual de Analise de Agua 2ªed
Manual de Analise de Agua 2ªedManual de Analise de Agua 2ªed
Manual de Analise de Agua 2ªed
Clarival Galdino dos Santos Júnior MSc.
 
Manual analise agua_2ed
Manual analise agua_2edManual analise agua_2ed
Manual analise agua_2ed
Bruno Monteiro
 

Semelhante a Tratamento de Águas Residuárias II (20)

Tratamento de águas residuárias raimunda
Tratamento de águas residuárias raimundaTratamento de águas residuárias raimunda
Tratamento de águas residuárias raimunda
 
Agricultura orgânica e Análise físico-química dos diferentes tipos de agua.
Agricultura orgânica e Análise físico-química dos diferentes tipos de agua.Agricultura orgânica e Análise físico-química dos diferentes tipos de agua.
Agricultura orgânica e Análise físico-química dos diferentes tipos de agua.
 
04
0404
04
 
Macroinvertebrados Aquáticos como Bioindicadores da Avaliação da Qualidade de...
Macroinvertebrados Aquáticos como Bioindicadores da Avaliação da Qualidade de...Macroinvertebrados Aquáticos como Bioindicadores da Avaliação da Qualidade de...
Macroinvertebrados Aquáticos como Bioindicadores da Avaliação da Qualidade de...
 
3137 6247-1-pb
3137 6247-1-pb3137 6247-1-pb
3137 6247-1-pb
 
17/03 - tarde_Mesa 2 - Ricardo de Oliveira Figueiredo
17/03 - tarde_Mesa 2 - Ricardo de Oliveira Figueiredo17/03 - tarde_Mesa 2 - Ricardo de Oliveira Figueiredo
17/03 - tarde_Mesa 2 - Ricardo de Oliveira Figueiredo
 
Artigo bioterra v17_n2_01
Artigo bioterra v17_n2_01Artigo bioterra v17_n2_01
Artigo bioterra v17_n2_01
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
Bioflocos autotróficos (ABFT) usando Chlorella vulgaris e Scenedesmus obliquu...
Bioflocos autotróficos (ABFT) usando Chlorella vulgaris e Scenedesmus obliquu...Bioflocos autotróficos (ABFT) usando Chlorella vulgaris e Scenedesmus obliquu...
Bioflocos autotróficos (ABFT) usando Chlorella vulgaris e Scenedesmus obliquu...
 
I 242
I 242I 242
I 242
 
Dissertação de mestrado ufpe utilização do lodo proveniente de uma eta
Dissertação de mestrado ufpe   utilização do lodo proveniente de uma etaDissertação de mestrado ufpe   utilização do lodo proveniente de uma eta
Dissertação de mestrado ufpe utilização do lodo proveniente de uma eta
 
RESULTADO BIOREMEDIAÇÃO - CASE ZOOLÓGICO DE BRASÍLIA
RESULTADO BIOREMEDIAÇÃO - CASE ZOOLÓGICO DE BRASÍLIARESULTADO BIOREMEDIAÇÃO - CASE ZOOLÓGICO DE BRASÍLIA
RESULTADO BIOREMEDIAÇÃO - CASE ZOOLÓGICO DE BRASÍLIA
 
Patricia di sessa
Patricia di sessaPatricia di sessa
Patricia di sessa
 
nucleos-do-io-nucleo-oceanograifa-quimica.pdf
nucleos-do-io-nucleo-oceanograifa-quimica.pdfnucleos-do-io-nucleo-oceanograifa-quimica.pdf
nucleos-do-io-nucleo-oceanograifa-quimica.pdf
 
04 relatorio-avaliacao-participativa-da-qualidade-agua-do-capibaribe
04 relatorio-avaliacao-participativa-da-qualidade-agua-do-capibaribe04 relatorio-avaliacao-participativa-da-qualidade-agua-do-capibaribe
04 relatorio-avaliacao-participativa-da-qualidade-agua-do-capibaribe
 
tratamento e pós tratamento de esgoto.ppt
tratamento e pós tratamento de esgoto.ppttratamento e pós tratamento de esgoto.ppt
tratamento e pós tratamento de esgoto.ppt
 
contagem
contagemcontagem
contagem
 
Manual analise agua
Manual analise aguaManual analise agua
Manual analise agua
 
Manual de Analise de Agua 2ªed
Manual de Analise de Agua 2ªedManual de Analise de Agua 2ªed
Manual de Analise de Agua 2ªed
 
Manual analise agua_2ed
Manual analise agua_2edManual analise agua_2ed
Manual analise agua_2ed
 

Último

Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Falcão Brasil
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Falcão Brasil
 
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
Manuais Formação
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Falcão Brasil
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Falcão Brasil
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Falcão Brasil
 
Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...
Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...
Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...
Falcão Brasil
 
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsxQue Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Luzia Gabriele
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
Falcão Brasil
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdfSistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Falcão Brasil
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
principeandregalli
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Miguel Delamontagne
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Falcão Brasil
 

Último (20)

Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
 
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
 
Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...
Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...
Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...
 
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsxQue Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdfSistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
 
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
 

Tratamento de Águas Residuárias II

  • 1. I INSTITUTO DE ENSINO TECNOLÓGICO CENTEC FACULDADE DE TECNOLOGIA CENTEC – FATEC CARIRI DISCIPLINA:TRATAMENTO DE ÁGUAS RESIDUARIAS II PROFESSORA: RAIMUNDA ALAN DELAMAYKON ANTôNIO SOARES BARROS
  • 2. Tratamento de Águas Residuárias: uma proposta para a sustentabilidade ambiental
  • 3. 1 INTRODUÇÃO A utilização de esgotos tratados; (Silva e Hespanhol, 2002). No Brasil; (Sousa et al., 2006). Uma forma inteligente de poupar água;
  • 4. 2 MATERIAL E MÉTODOS O experimento foi construído, instalado e monitorado na Estação de Tratamento Biológico de Esgotos (EXTRABES) localizada em área pertencente à Companhia de Águas e Esgotos do Estado da Paraíba (CAGEPA), no município de Campina Grande – PB .
  • 5. 2 MATERIAL E MÉTODOS Um reator UASB de 5m 3 construído de fibra de vidro; Tempo de Detenção Hidráulica (TDH) de seis horas; 1)filtro anaeróbio de chicanas, 1m 3 e TDH de 7 dias; 2)lagoa de polimento de 10 metros de comprimento e 1 de largura e 0,60 de profundidade e TDH de 7 dias; 3)terra úmida não vegetada, com área de 10m 2 ; 4)terra úmida vegetada.
  • 6. 2 MATERIAL E MÉTODOS Os parâmetros referentes à matéria orgânica, DQO, sólidos e suas frações, nitrogênio amoniacal e kjeldahl total, fósforo total e ortofosfato e coliformes termotolerantes, todas as análises obedeceram às recomendações do Standard Methods for the Examination of Wastewater (APHA, 1995), enquanto que os ovos de helmintos foram determinados pelo método de Bailenger (WHO, 1989).
  • 7. 3 RESULTADOS E DISCUSSÃO A utilização de águas residuárias tratadas; Água; Nutrientes; Matéria orgânica; Conservam o solo e Agem como fertilizantes.
  • 8. 3 RESULTADOS E DISCUSSÃO
  • 9. 3 RESULTADOS E DISCUSSÃO Remoção de nutrientes
  • 10. 3 RESULTADOS E DISCUSSÃO Remoção de nutrientes
  • 11. 3 RESULTADOS E DISCUSSÃO Organismos patogênicos
  • 12. 4 CONCLUSÃO L agoa rasa de polimento com TDH de 15 dias, produz efluente de excelente qualidade sanitária, 1000 UFC.mL-1 da amostra e ausência de ovos de helmintos. Altos valores de pH, 8,4 a 9,8; ocorreu uma remoção de fósforo e nitrogênio, disponibilizando menos nutrientes para irrigação. A remoção de material carbonáceo expresso em DQO nos três sistemas foi considerável, e praticamente igual.
  • 13. 4 CONCLUSÃO Durante o período experimental a eficiência de remoção de material carbonáceo expresso em DQO nos três sistemas foi considerável, não se observando diferenças significativas (p> 0,05) entre os efluentes do filtro anaeróbio, terras úmidas vegetadas e terras úmidas não vegetadas.
  • 14. 4 CONCLUSÃO Os efluentes produzidos pelos sistemas: filtro anaeróbio, terras úmidas vegetadas e não vegetadas apresentaram nutrientes suficientes para a maioria das culturas cultivadas na região nordeste. No entanto, a concentração de coliformes termotolerantes manteve-se acima das recomendações da OMS para irrigação irrestrita .
  • 15. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS APHA. AWWA. WPCF. Standard Methods For The Examination Of Water And Wastewater . 15 ed. Washington, DC. American Public Health Association. American Water Works Association, Water Pollution control Federation, 1998. 1134p. BAILENGER, J. Mechanisms of parasitological concentration in coprology and their practical consequences . Journal of American Medical Technology, 41, apud AYRES, R & MARA, D. Analysis of wastewater for use in agriculture. A laboratory manual of parasitological and bacteriological techniques. Geneva: WHO, p.65-71, 1989. BRADY, N. C. Natureza e propriedades dos solos . 7ª edição, Livraria Freitas Bastos. Rio de Janeiro, 1989. 878p.
  • 16.