SlideShare uma empresa Scribd logo
Transportadores Contínuos para Granéis Sólidos
48
CAPITULO 6 – ELEVADOR DE CANECAS (EC)
Com os estudos efetuados sobre movimentação de granéis sólidos,
podemos notar que, para transporte em elevação, tanto os transportadores de
correia quanto os transportadores helicoidais possuem limitações. Para os TC’s
vimos que em transportes verticais é imprescindível a utilização de correias
aletadas e que os Transportadores helicoidais não são adequados para
transportes pesados.
Para vencer essas dificuldades utilizamos os elevadores de canecas, de
uma ou duas colunas, que conseguem efetuar transportes verticais com eficiência
e economia de custos e espaço físico. Os elevadores de canecas constituem um
meio econômico de transporte vertical de material a granel, podendo ser
inclinados de até 70°, havendo casos especiais de equipamentos horizontais.
São fabricados em vários tipos, em função das características do material
a ser transportado. Podem ser do tipo centrífugo ou contínuo e com as canecas
fixas em correia ou em correntes.
Fig. 29 - Desenho dimensional de um elevador de canecas
Transportadores Contínuos para Granéis Sólidos
49
Fig. 30 – EC de 1 coluna Fig. 31 – EC de 2 Colunas
6.1 – Tipo de elevadores de caneca (EC)
6.1.1 – Elevadores contínuos
Estes elevadores caracterizam-se por suas canecas espaçadas, por sua
baixa velocidade e também por na maioria das vezes, trabalharem em plano
inclinado de 30º com a vertical, porem podem operar verticalmente.
Este tipo de elevador foi projetado para elevação de materiais abrasivos e
de alta e de alta granulometria, mas são também empregados na elevação de
materiais frágeis ou extremamente finos como cimento e cal.
Sua inclinação e baixa velocidade lhe proporcionam excelente rendimento
devido à facilidade de alimentação total das canecas assim como descarga mais
suave.
Entre as canecas praticamente não existe espaçamento e o seu formato
alem de proporcionar total carregamento, faz como que na descarga a caneca da
frente sirva de calha de descarga do material da caneca seguinte.
Transportadores Contínuos para Granéis Sólidos
50
Fig. 32 – Alimentação por gravidade do
EC continuo
Fig. 33 – Descarga natural (a caneca da
frente guia o material)
Os EC contínuos podem ser:
Contínuo de correia – normalmente encontrados em transportes de materiais
frágeis, pulverizáveis ou fluidos. Possuem carregamento por alimentação direta e
operam em baixas velocidades e seus conjuntos de cabeceira são maiores que o
dos centrífugos;
Fig. 34 – EC continuo de correia
Contínuos de corrente – utilizado no transporte de materiais pesados e de maior
granulometria, sendo as canecas fixadas por um par de correntes que são
acionadas por rodas dentadas.
Fig. 35 – EC continuo de corrente
Transportadores Contínuos para Granéis Sólidos
51
6.1.2 – Elevadores Centrífugos
Este tipo de elevador tem as canecas espaçadas, operam na vertical e em
velocidade maior que os contínuos. A descarga do material elevado é feita pela
ação da força centrifuga desenvolvida quando as canecas passam ao redor do
tambor de acionamento. É indicado para elevação de materiais de livre vazão,
tais como grãos, areia, carvão triturado e produtos químicos secos.
Na elevação de grãos,a velocidade da correia pode atingir até 250 m/mim,
enquanto que para o uso industrial, na elevação e outros produtos a velocidade
pode chegar no Maximo a apenas 130 m/mim.
O espaçamento das canecas na elevação de grãos em elevadores de alta
velocidade e alta capacidade pode variar de 1,5 a 2 vezes o valor de sua
projeção, enquanto que para os elevadores industriais deve ser de 2 a 3 vezes o
valor de sua projeção.
Os EC centrífugos podem ser:
Centrífugos de correia – normalmente utilizados para transporte de materiais
finos, secos e de fácil escoamento, e que não possuem fragmentos que possam
danificar a correia. Suas canecas são fixadas diretamente na correia por
parafusos, com o espaçamento ideal para permitir o basculamento da caneca;
Fig. 36 – EC Centrifugo de correia
Centrífugos de corrente – também utilizados para materiais de escoamento fácil e
não abrasivos, que possam estar depositados no fundo do transportador. Para o
deslocamento da corrente são utilizadas rodas dentadas, que impossibilitam o
deslizamento durante os carregamentos;
Fig. 37 – EC Centrifugo de corrente
Transportadores Contínuos para Granéis Sólidos
52
6.2 – Operação de carga e descarga do EC
6.2.1 – Alimentação
A alimentação do material nas canecas pode ser por gravidade ou
alimentação direta e por captação ou dragagem.
Alimentação direta – a entrada de materiais no EC é efetuada diretamente sobre
a caneca, provocando o seu enchimento;
Dragagem – as canecas do EC precisam passar pelo fundo do transportador para
“carregar” o material que nele está depositado.
Na alimentação por captação ou dragagem, quanto menor for o
espaçamento entre as canecas, mais suavemente é feita a carga com menor
esforço para a correia.
O fundo do poço do elevador deve ter uma curva de concordância com o
movimento das canecas, pois isso auxilia na alimentação, bem como na sua
própria limpeza. O pé do elevador, também chamado de poço do elevador, deve
ser mantido permanentemente limpo. O acumulo de material no poço do
elevador, principalmente se o material for de natureza agregável, provocara
impactos contra as canecas e por conseguinte seu arrancamento ou ruptura da
correia.
Para evitar danos a correia e ao tambor, por materiais que possam vim a
cair entre esses no momento da alimentação; é utilizado pouco acima do tambor
de retorno um protetor em V invertido.
6.2.2 – Descarga
Devemos levar em conta a relação entre a força peso do conjunto caneca-
material-tambor e a força centrifuga, velocidade do EC e tipo de descarga:
Centrífugos – elevador que utiliza a força centrífuga para efetuar a descarga do
material do interior de suas canecas. Precisa, portanto, operar com maiores
velocidades para que o material consiga ser “lançado” para as calhas de
descarga;
Gravidade – elevador que utiliza o peso do material para realização da descarga,
este tipo de descarga possuem velocidade baixa;
Misto – O elevador utiliza a força centrifuga mas também suas canecas estão
montadas em seqüência, como nos de gravidade.
Transportadores Contínuos para Granéis Sólidos
53
Fig. 38 – Influencia da força centrifuga na descarga das canecas
Pólo – Ponto de interseção entre o prolongamento das linhas das
resultantes da composição das forças peso e centrífuga (Fig 38).
Distância polar – Distância entre o pólo e o centro do tambor (OM).
Caso 1: Quanto maior a velocidade desenvolvida no EC, maior será a força
centrífuga. Isto fará com que o pólo mude de posição indo à direção do centro do
tambor. Nas velocidades elevadas à descarga dar-se-á por ação da força
centrífuga.
Caso 2: Se a velocidade diminui, o pólo tende a se deslocar na direção oposta,
chegando o mesmo a elevar-se à cima da caneca. A descarga se dará por força
da gravidade.
A descarga de um EC pode ser efetuada de duas formas:
Periférica – utilizada nos casos dos transportadores contínuos e centrífugos, onde
o material é descarregado por uma saída lateral ao equipamento;
Central – utilizada em condições especiais em que seja necessária uma descarga
na parte central do EC, utilizando-se correntes com canecas pivotadas que, ao
passarem pelo ponto mais alto do trajeto sofrem ação de batentes que fazem
com que as canecas girem sobre os tambores vazados, e conseqüentemente o
material seja despejado em calhas situadas entre os lados do transportador.
Transportadores Contínuos para Granéis Sólidos
54
6.3 – Componentes do EC
Fig. 39 – Componentes de um EC
1- Correia 8- Janelas de inspeção
2- Canecas 9- Unidade de acionamento
3- Tambor de acionamento 10- Esticador
4- Tambor de retorno 11- Contra-recuo (freio)
5- Cabeça do elevador 12- Calha de descarga
6- Estrutura central 13- Calha de alimentação
7- Pé do elevador 14- Porta de inspeção e limpeza
6.3.1 – Tambor de acionamento
Também conhecido como tambor de cabeça, esta localizado na parte
superior do elevador. Conforme visto no capitulo de TC este tambor deve ser
ranhurado para garantir um mais alto coeficiente de atrito com a correia, evitando
Transportadores Contínuos para Granéis Sólidos
55
assim o deslizamento e o desgaste. Para evitar o deslizamento pode-se usar
ainda tambores com revestimento de borracha, quanto do transporte de materiais
muito fino(pó), que pelo confinamento dentro da estrutura do EC poderiam se
acumular entre a correia e o tambor.
6.3.2 – Tambor de retorno
O tambor de retorno ou do pé se localiza na parte inferior do elevador de
correia. Este tambor deve ser aletado a fim de evitar danos a correia.
6.3.3 – Cabeça do elevador
É a parte superior da estrutura do elevador, na qual é posicionado o
tambor de acionamento. Fazem parte também da cabeça do elevador a unidade
completa de acionamento, o contra recuo e calha de descarga.
A cabeça do elevador é também chamada de cabeça de motorização.
6.3.4 – Estrutura central
É à parte que interliga a cabeça e o pé do elevador. É construída em
chapa soldada ou madeira com reforço de cantoneiras, tipo modular, e em lances
de comprimento padronizados. A fixação entre os módulos é feita por parafusos.
6.3.5 – Pé do elevador
É a parte inferior do elevador na qual esta posicionado o tambor de
retorno. Fazem parte também do pé do elevador a calha de alimentação e o
dispositivo esticador. Nesta parte do elevador existem portas de inspeção e
limpeza do poço.
6.3.6 – Janelas de inspeção
Localizados em diversos pontos da estrutura do elevador, tem por objetivo
permitir o acesso local para inspeção e manutenção de certas partes do
equipamento.
6.3.7 – Unidade de acionamento (Drive)
Localizada na cabeça do elevador, sustentada por uma plataforma; é
constituída de motor com base e redutor de velocidade. O redutor de velocidade
pode ser ligado direto ao tambor de acionamento ou através de luvas elásticas.
6.3.8 – Esticador
Possui a função de manter as tensões ideais para a movimentação dos
materiais. Fica instalado geralmente no conjunto do pé e pode ser de duas
formas: por parafuso ou por gravidade. Seu funcionamento ocorre do mesmo
modo que nos transportadores de correia, sendo que no elevador de canecas ele
sempre vai atuar sobre o eixo do tambor tensor, deslocando sobre apoios móveis
instalados nas laterais da carcaça do transportador.
Transportadores Contínuos para Granéis Sólidos
56
6.3.9 – Contra recuo
Dispositivo de segurança ligado diretamente ao eixo do tambor de
acionamento, o contra recuo tem livre movimentação no sentido de elevação. No
caso de uma parada do elevador com as canecas carregadas, o contra recuo
trava-se evitando o retorno da correia e conseqüentemente descarga do material
no fundo do elevador.
6.3.10 – Canecas
As canecas (caçambas) são fabricadas em chapas soldadas ou em
plástico reforçado e são projetadas de acordo com a operação do EC. Para os
contínuos o dorso das canecas deve ser a própria calha de descarga do
transporte, o que não ocorre nos centrífugos.
Podem ser classificadas da seguinte forma:
Abertas – hP = (1 a 1,5) x A;
Profundas – hP = (> 1,5) x A;
Em “V”– utilizadas para EC contínuos;
Em “R” ( fundo arredondado) – utilizadas também para EC contínuos.
Fig. 40 - Tipos de canecas
Para sua utilização em EC’s de correia suas fixações são feitas por
parafusos que perfuram a correia e são rosqueados no interior das canecas.
Fig. 41 – Parafuso de fixação das canecas em correias
Transportadores Contínuos para Granéis Sólidos
57
E para sua utilização em EC’s de correntes suas fixações podem ser de
formas diferentes, de acordo com o porte do transportador.
No caso de transportadores com descarga central as canecas são fixadas
a eixos pivotados que se unem às correntes por meio de juntas articuladas para
promover o giro durante as descargas.
Fig. 42 - Fixação de canecas em EC de corrente
6.4 – Cálculos de capacidade e dimensionamento de um EC.
Tendo o manual FAÇO como base, deve-se seguir as seguintes etapas para o
calculo.
Preparação: materiais necessários
• Régua;
• Calculadora;.
• Papel quadriculado e isométrico (Tamanho adequado ao “layout” da
fábrica);
• Tabela com as propriedades dos materiais;
• Manual FAÇO;
Dados de entrada
• Características dos materiais a serem transportados;
• Peso específico (t/m3
);
• Altura de levantamento – H – (m);
• Capacidade desejada – Q – (t/h);
• Condições de operação;
• Condição de serviço – contínuo ou intermitente;
Transportadores Contínuos para Granéis Sólidos
58
Definições e Cálculos
• Fazer desenhos de simulação dos elevadores e seus acessórios;
• Em função do material a ser transportado escolher o tipo de elevador e a
localização do esticador (Tab. 4-04 do Manual FAÇO);
• Escolher a velocidade de operação das canecas em função do tipo de
elevador a ser utilizado (Tab. 4-01 do Manual FAÇO);
• Escolher a série do elevador, em função da capacidade (t/h) e do peso
especifico do material (t/m3
) (Tab. 4-02 do Manual do FAÇO);
• Calcular a distância entre os centros dos tambores do elevador(L) em (m):
275
,
0
+
+
+
= Q
M
H
L
Onde: H = altura de elevação do material e
M e Q são dimensões do transportador escolhido (ver Tab. 4-08 do manual
FAÇO)
• Determinar as características dos principais componentes com base na
serie do elevador escolhido (Tab. 4-05 do manual FAÇO);
• Calcular a potência do motor(N) em (HP):
( )
η
75
12 2
D
L
P
V
N
+
⋅
⋅
=
C
q
P C
⋅
⋅
=
γ
1000
Onde: V = velocidade da correia (m/s)
η = rendimento
P = Peso do material (Kg/m)
L = distancia entre os centros dos tambores (m) (calculado no item
anterior)
D2 = diâmetro do tambor do pé (m) (Tab. 4-05 do Manual FAÇO)
γ = Peso especifico do material (t/m3
)
qc = capacidade de cada caneca (m3
) (Tab. 4-06 do Manual FAÇO)
C = passo das canecas (m)
• Escolher o conjunto de acionamento tendo como base a serie escolhida e
a potencia do motor calculada no item anterior (Tab. 4-07 do Manual
FAÇO);
• Determinar as dimensões gerais do EC (Tab. 4-08 do Manual FAÇO);
• Verificar a capacidade Q (t/h) do EC:
C
v
q
Q C γ
⋅
⋅
⋅
=
3600
Onde: V = velocidade da correia (m/s)
γ = Peso especifico do material (t/m3
)
qc = capacidade de cada caneca (m3
) (Tab. 4-06 do Manual FAÇO)
Transportadores Contínuos para Granéis Sólidos
59
C = passo das canecas (m)
• Cálculo das tensões efetiva e máxima da correia;
( )
C
q
D
H
T C
e
γ
⋅
⋅
⋅
+
=
1000
12 2 ( ) e
T
K
T ⋅
+
= 1
1
Onde: H = Altura de elevação do material (m)
D2 = diâmetro do tambor do pé (m) (Tab. 4-05 do Manual FAÇO)
γ = Peso especifico do material (t/m3
)
qc = capacidade de cada caneca (m3
) (Tab. 4-06 do Manual FAÇO)
C = passo das canecas (m)
Te = Tensão efetiva (Kg)
T1 = Tensão máxima (Kg)
K = Fator devido ao abraçamento da correia no tambor de acionamento
(Tab. 4-09 do Manual FAÇO)
• Selecionar a correia (para os casos de EC de correia);
Resultados esperados
• Memorial de cálculo;
• Especificação do elevador;
• Memorial descritivo sobre as considerações no projeto;
• Desenhos;
• Lista de materiais para a construção da estrutura para montagem;
6.5 – Exercícios resolvidos
Questão 1: Calcular o EC para milho integral com vazão de 78 t/h para uma altura
de 8 metros:
MAT: MILHO INTEGRAL
Dados:
H = 8m
Q: 78 t/h
AA = 30-44
C35N
C - Granular – abaixo de ½”
3 – Escoamento médio – ângulo de repouso entre 30° e 39°.
5 – Não abrasivo.
N – Contém poeira explosiva.
γ: 0,9 t/m3
Transportadores Contínuos para Granéis Sólidos
60
Para este material verificamos, na tabela do Faço indica-se que o tipo de EL é o
SB – Centrífugo de correia. Elevador centrífugo c/ velocidade entre 1,1 e 1,52
(m/s)
Utilizando a tabela 4-02 vamos procurar o peso específico mais próximo que é
0,8 t/m3
. Verifiquei que dentro dessa coluna de peso específico não tinha uma
vazão maior do que a exigida no problema e assim procurei um outro mais
próximo e que tivesse a vazão de no mínimo 78 t/h.
Valores tabelados:
γ = 1,2 t/m3
Q = 87,9 t/h Série n° E-6000
Dist. Entre centro dos tambores
L = H + M + Q + 0,275 (m) = 8 + 0,7 + 0,5 + 0,275 = 9,475m
Característica dos principais componente:
Caixa de dimensões internas AxB (mm) = 580x1220
Bitola n° 10
Largura de correia (pol) = 18”
(C) Passo das canecas (mm) = 460
D1 (diâmetro de cabeça) = 600mm
D2 (diâmetro de pé) = 450mm
41 rpm
Velocidade (m/s) = 1,3
Dimensões da caneca
A (mm) = 215
B(mm) = 400
C(mm) = 200
R(mm) = 045
Bitola = 3/16”
Peso (Kgf) = 11,3
Capacidade (dm3
) = x.x = 6 y.y = 9,6
Cálculo da Potência do motor
( ) Kw
N 87
,
7
9
,
0
75
45
,
0
12
475
,
9
52
,
30
3
,
1
=
×
×
+
×
×
=
Onde:
m
Kgf
P /
52
,
30
46
,
0
0156
,
0
9
,
0
100
=
×
×
=
Escolho um motor de 10 HP pela tabela 4-07 η = 78,7%
04 Conjuntos de acionamento
Transportadores Contínuos para Granéis Sólidos
61
Verificação da capacidade Q (t/h) do elevador
h
t
Q /
84
,
142
46
,
0
9
,
0
3
,
1
0156
,
0
3600
=
×
×
×
=
Cálculo da tensão da correia
Tensão efetiva
( ) Kgf
Te 01
,
454
46
,
0
1000
9
,
0
0156
,
0
45
,
0
12
745
,
9
=
×
×
×
×
+
=
Tensão máxima da correia
( ) Kgf
T 4
,
894
454
97
,
0
1
max =
×
+
=
Conclusão: O tambor a ser usado é o liso com esticador por parafuso.

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a transportadora de caneca.pdf

Seguranca na operacao de pontes rolantes
Seguranca na operacao de pontes rolantesSeguranca na operacao de pontes rolantes
Seguranca na operacao de pontes rolantes
Eliane Damião Alves
 
Apresentação - Sonda de Perfuração (onshore)
Apresentação - Sonda de Perfuração (onshore)Apresentação - Sonda de Perfuração (onshore)
Apresentação - Sonda de Perfuração (onshore)
Indepedent Freelancer
 
MOD 2 tipos de guindastes.pdf
MOD 2 tipos de guindastes.pdfMOD 2 tipos de guindastes.pdf
MOD 2 tipos de guindastes.pdf
Sérgio Alves
 
empilhadeiras.pdf
empilhadeiras.pdfempilhadeiras.pdf
empilhadeiras.pdf
sergio1779
 
Apostila azimutal 2019
Apostila azimutal 2019Apostila azimutal 2019
Apostila azimutal 2019
R.A. DA SILVA BECKMA-ME
 
Lista de exercícios perfuração resolução
Lista de exercícios perfuração   resoluçãoLista de exercícios perfuração   resolução
Lista de exercícios perfuração resolução
Pedro Monteiro
 
Lista de exercícios perfuração resolução
Lista de exercícios perfuração   resoluçãoLista de exercícios perfuração   resolução
Lista de exercícios perfuração resolução
Pedro Monteiro
 
Betoneiras v3
Betoneiras v3Betoneiras v3
Polias
PoliasPolias
Polias
olivema91
 
Apostila de ponte rolante
Apostila de ponte rolanteApostila de ponte rolante
Apostila de ponte rolante
Larissa Silva
 
Ponte Levadiça e simulação de um protótip.
Ponte Levadiça e simulação de um protótip. Ponte Levadiça e simulação de um protótip.
Ponte Levadiça e simulação de um protótip.
Hebert Chaves
 
Cálculo de Correias transportadoras
Cálculo de Correias transportadorasCálculo de Correias transportadoras
Cálculo de Correias transportadoras
Marcelo Campos
 
cargas em pontes
cargas em pontescargas em pontes
cargas em pontes
repos itorio
 
Manual de inspeção e manutenção de correias transportadoras
Manual de inspeção e manutenção de correias transportadorasManual de inspeção e manutenção de correias transportadoras
Manual de inspeção e manutenção de correias transportadoras
Valmir Mendes
 
Manual de inspeção e manutenção de correias transportadoras (1)
Manual de inspeção e manutenção de correias transportadoras (1)Manual de inspeção e manutenção de correias transportadoras (1)
Manual de inspeção e manutenção de correias transportadoras (1)
Gilcimar Santos
 
Lancer preso estaleiro30-09-14
Lancer preso estaleiro30-09-14Lancer preso estaleiro30-09-14
Lancer preso estaleiro30-09-14
Lancer Castigo
 
Aula 2.pdf
Aula 2.pdfAula 2.pdf
Aula 2.pdf
AfonsoCuamba1
 
Movimentação de Materiais
Movimentação de MateriaisMovimentação de Materiais
Movimentação de Materiais
Cristiano S da Silva
 
Operadores mecânicos educação tecnológica
Operadores mecânicos  educação tecnológicaOperadores mecânicos  educação tecnológica
Operadores mecânicos educação tecnológica
Agostinho NSilva
 
Apostila de sistemas de sonda
Apostila de sistemas de sondaApostila de sistemas de sonda
Apostila de sistemas de sonda
Nilton Braga
 

Semelhante a transportadora de caneca.pdf (20)

Seguranca na operacao de pontes rolantes
Seguranca na operacao de pontes rolantesSeguranca na operacao de pontes rolantes
Seguranca na operacao de pontes rolantes
 
Apresentação - Sonda de Perfuração (onshore)
Apresentação - Sonda de Perfuração (onshore)Apresentação - Sonda de Perfuração (onshore)
Apresentação - Sonda de Perfuração (onshore)
 
MOD 2 tipos de guindastes.pdf
MOD 2 tipos de guindastes.pdfMOD 2 tipos de guindastes.pdf
MOD 2 tipos de guindastes.pdf
 
empilhadeiras.pdf
empilhadeiras.pdfempilhadeiras.pdf
empilhadeiras.pdf
 
Apostila azimutal 2019
Apostila azimutal 2019Apostila azimutal 2019
Apostila azimutal 2019
 
Lista de exercícios perfuração resolução
Lista de exercícios perfuração   resoluçãoLista de exercícios perfuração   resolução
Lista de exercícios perfuração resolução
 
Lista de exercícios perfuração resolução
Lista de exercícios perfuração   resoluçãoLista de exercícios perfuração   resolução
Lista de exercícios perfuração resolução
 
Betoneiras v3
Betoneiras v3Betoneiras v3
Betoneiras v3
 
Polias
PoliasPolias
Polias
 
Apostila de ponte rolante
Apostila de ponte rolanteApostila de ponte rolante
Apostila de ponte rolante
 
Ponte Levadiça e simulação de um protótip.
Ponte Levadiça e simulação de um protótip. Ponte Levadiça e simulação de um protótip.
Ponte Levadiça e simulação de um protótip.
 
Cálculo de Correias transportadoras
Cálculo de Correias transportadorasCálculo de Correias transportadoras
Cálculo de Correias transportadoras
 
cargas em pontes
cargas em pontescargas em pontes
cargas em pontes
 
Manual de inspeção e manutenção de correias transportadoras
Manual de inspeção e manutenção de correias transportadorasManual de inspeção e manutenção de correias transportadoras
Manual de inspeção e manutenção de correias transportadoras
 
Manual de inspeção e manutenção de correias transportadoras (1)
Manual de inspeção e manutenção de correias transportadoras (1)Manual de inspeção e manutenção de correias transportadoras (1)
Manual de inspeção e manutenção de correias transportadoras (1)
 
Lancer preso estaleiro30-09-14
Lancer preso estaleiro30-09-14Lancer preso estaleiro30-09-14
Lancer preso estaleiro30-09-14
 
Aula 2.pdf
Aula 2.pdfAula 2.pdf
Aula 2.pdf
 
Movimentação de Materiais
Movimentação de MateriaisMovimentação de Materiais
Movimentação de Materiais
 
Operadores mecânicos educação tecnológica
Operadores mecânicos  educação tecnológicaOperadores mecânicos  educação tecnológica
Operadores mecânicos educação tecnológica
 
Apostila de sistemas de sonda
Apostila de sistemas de sondaApostila de sistemas de sonda
Apostila de sistemas de sonda
 

Mais de Luis Gomes

GESTÃO DE IMPLANTAÇÃO E MANUTENÇÃO DE SISTEMAS DE SEGURANÇA EM MÁQUINAS E EQU...
GESTÃO DE IMPLANTAÇÃO E MANUTENÇÃO DE SISTEMAS DE SEGURANÇA EM MÁQUINAS E EQU...GESTÃO DE IMPLANTAÇÃO E MANUTENÇÃO DE SISTEMAS DE SEGURANÇA EM MÁQUINAS E EQU...
GESTÃO DE IMPLANTAÇÃO E MANUTENÇÃO DE SISTEMAS DE SEGURANÇA EM MÁQUINAS E EQU...
Luis Gomes
 
Guia+Essencial+Telemecanique.pdf
Guia+Essencial+Telemecanique.pdfGuia+Essencial+Telemecanique.pdf
Guia+Essencial+Telemecanique.pdf
Luis Gomes
 
NR12_Trefilacao_2013.pdf
NR12_Trefilacao_2013.pdfNR12_Trefilacao_2013.pdf
NR12_Trefilacao_2013.pdf
Luis Gomes
 
correia transportadora 4 - Tabela.pdf
correia transportadora 4 - Tabela.pdfcorreia transportadora 4 - Tabela.pdf
correia transportadora 4 - Tabela.pdf
Luis Gomes
 
Empilhadeiras-Seguranca Industrial.pptx
Empilhadeiras-Seguranca Industrial.pptxEmpilhadeiras-Seguranca Industrial.pptx
Empilhadeiras-Seguranca Industrial.pptx
Luis Gomes
 
TCC Textual SENAI .pdf
TCC Textual SENAI .pdfTCC Textual SENAI .pdf
TCC Textual SENAI .pdf
Luis Gomes
 
Manual_de_ergonomia_para_uso_de_dispositivos_de_tela_em_home_office.pdf
Manual_de_ergonomia_para_uso_de_dispositivos_de_tela_em_home_office.pdfManual_de_ergonomia_para_uso_de_dispositivos_de_tela_em_home_office.pdf
Manual_de_ergonomia_para_uso_de_dispositivos_de_tela_em_home_office.pdf
Luis Gomes
 
Tópicos_em_ergonomia_e_segurança_no_trabalho_Editora_Poisson_2017.pdf
Tópicos_em_ergonomia_e_segurança_no_trabalho_Editora_Poisson_2017.pdfTópicos_em_ergonomia_e_segurança_no_trabalho_Editora_Poisson_2017.pdf
Tópicos_em_ergonomia_e_segurança_no_trabalho_Editora_Poisson_2017.pdf
Luis Gomes
 
Atualização da NR 33.pptx
Atualização da NR 33.pptxAtualização da NR 33.pptx
Atualização da NR 33.pptx
Luis Gomes
 
Manual pratico do mecanico
Manual pratico do mecanicoManual pratico do mecanico
Manual pratico do mecanicoLuis Gomes
 

Mais de Luis Gomes (10)

GESTÃO DE IMPLANTAÇÃO E MANUTENÇÃO DE SISTEMAS DE SEGURANÇA EM MÁQUINAS E EQU...
GESTÃO DE IMPLANTAÇÃO E MANUTENÇÃO DE SISTEMAS DE SEGURANÇA EM MÁQUINAS E EQU...GESTÃO DE IMPLANTAÇÃO E MANUTENÇÃO DE SISTEMAS DE SEGURANÇA EM MÁQUINAS E EQU...
GESTÃO DE IMPLANTAÇÃO E MANUTENÇÃO DE SISTEMAS DE SEGURANÇA EM MÁQUINAS E EQU...
 
Guia+Essencial+Telemecanique.pdf
Guia+Essencial+Telemecanique.pdfGuia+Essencial+Telemecanique.pdf
Guia+Essencial+Telemecanique.pdf
 
NR12_Trefilacao_2013.pdf
NR12_Trefilacao_2013.pdfNR12_Trefilacao_2013.pdf
NR12_Trefilacao_2013.pdf
 
correia transportadora 4 - Tabela.pdf
correia transportadora 4 - Tabela.pdfcorreia transportadora 4 - Tabela.pdf
correia transportadora 4 - Tabela.pdf
 
Empilhadeiras-Seguranca Industrial.pptx
Empilhadeiras-Seguranca Industrial.pptxEmpilhadeiras-Seguranca Industrial.pptx
Empilhadeiras-Seguranca Industrial.pptx
 
TCC Textual SENAI .pdf
TCC Textual SENAI .pdfTCC Textual SENAI .pdf
TCC Textual SENAI .pdf
 
Manual_de_ergonomia_para_uso_de_dispositivos_de_tela_em_home_office.pdf
Manual_de_ergonomia_para_uso_de_dispositivos_de_tela_em_home_office.pdfManual_de_ergonomia_para_uso_de_dispositivos_de_tela_em_home_office.pdf
Manual_de_ergonomia_para_uso_de_dispositivos_de_tela_em_home_office.pdf
 
Tópicos_em_ergonomia_e_segurança_no_trabalho_Editora_Poisson_2017.pdf
Tópicos_em_ergonomia_e_segurança_no_trabalho_Editora_Poisson_2017.pdfTópicos_em_ergonomia_e_segurança_no_trabalho_Editora_Poisson_2017.pdf
Tópicos_em_ergonomia_e_segurança_no_trabalho_Editora_Poisson_2017.pdf
 
Atualização da NR 33.pptx
Atualização da NR 33.pptxAtualização da NR 33.pptx
Atualização da NR 33.pptx
 
Manual pratico do mecanico
Manual pratico do mecanicoManual pratico do mecanico
Manual pratico do mecanico
 

Último

Apresentação concreto autodesempenho 123
Apresentação concreto autodesempenho 123Apresentação concreto autodesempenho 123
Apresentação concreto autodesempenho 123
GabrielGarcia356832
 
AULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdf
AULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdfAULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdf
AULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdf
MaxwellBentodeOlivei1
 
ÁREAS DE ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO CIVIL.pdf
ÁREAS DE ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO CIVIL.pdfÁREAS DE ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO CIVIL.pdf
ÁREAS DE ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO CIVIL.pdf
RoemirPeres
 
Aula Vigor de Sementes - Aula Vigor de Sementes
Aula Vigor de Sementes - Aula Vigor de SementesAula Vigor de Sementes - Aula Vigor de Sementes
Aula Vigor de Sementes - Aula Vigor de Sementes
WeltonAgostinhoDias1
 
AE03 - LOGISTICA EMPRESARIAL UNICESUMAR 52/2024
AE03 - LOGISTICA EMPRESARIAL UNICESUMAR 52/2024AE03 - LOGISTICA EMPRESARIAL UNICESUMAR 52/2024
AE03 - LOGISTICA EMPRESARIAL UNICESUMAR 52/2024
Consultoria Acadêmica
 
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...
Consultoria Acadêmica
 
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
Consultoria Acadêmica
 
Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...
Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...
Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...
pereiramarcossantos0
 
Segurança nos trabalhos em altura, normas SST
Segurança nos trabalhos em altura, normas SSTSegurança nos trabalhos em altura, normas SST
Segurança nos trabalhos em altura, normas SST
ClaudioArez
 
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdfDimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
RodrigoQuintilianode1
 
Elementos de Máquina aplicados na tornearia mecânica.ppt
Elementos de Máquina aplicados na tornearia mecânica.pptElementos de Máquina aplicados na tornearia mecânica.ppt
Elementos de Máquina aplicados na tornearia mecânica.ppt
Wagner Moraes
 

Último (11)

Apresentação concreto autodesempenho 123
Apresentação concreto autodesempenho 123Apresentação concreto autodesempenho 123
Apresentação concreto autodesempenho 123
 
AULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdf
AULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdfAULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdf
AULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdf
 
ÁREAS DE ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO CIVIL.pdf
ÁREAS DE ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO CIVIL.pdfÁREAS DE ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO CIVIL.pdf
ÁREAS DE ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO CIVIL.pdf
 
Aula Vigor de Sementes - Aula Vigor de Sementes
Aula Vigor de Sementes - Aula Vigor de SementesAula Vigor de Sementes - Aula Vigor de Sementes
Aula Vigor de Sementes - Aula Vigor de Sementes
 
AE03 - LOGISTICA EMPRESARIAL UNICESUMAR 52/2024
AE03 - LOGISTICA EMPRESARIAL UNICESUMAR 52/2024AE03 - LOGISTICA EMPRESARIAL UNICESUMAR 52/2024
AE03 - LOGISTICA EMPRESARIAL UNICESUMAR 52/2024
 
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...
 
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
 
Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...
Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...
Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...
 
Segurança nos trabalhos em altura, normas SST
Segurança nos trabalhos em altura, normas SSTSegurança nos trabalhos em altura, normas SST
Segurança nos trabalhos em altura, normas SST
 
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdfDimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
 
Elementos de Máquina aplicados na tornearia mecânica.ppt
Elementos de Máquina aplicados na tornearia mecânica.pptElementos de Máquina aplicados na tornearia mecânica.ppt
Elementos de Máquina aplicados na tornearia mecânica.ppt
 

transportadora de caneca.pdf

  • 1. Transportadores Contínuos para Granéis Sólidos 48 CAPITULO 6 – ELEVADOR DE CANECAS (EC) Com os estudos efetuados sobre movimentação de granéis sólidos, podemos notar que, para transporte em elevação, tanto os transportadores de correia quanto os transportadores helicoidais possuem limitações. Para os TC’s vimos que em transportes verticais é imprescindível a utilização de correias aletadas e que os Transportadores helicoidais não são adequados para transportes pesados. Para vencer essas dificuldades utilizamos os elevadores de canecas, de uma ou duas colunas, que conseguem efetuar transportes verticais com eficiência e economia de custos e espaço físico. Os elevadores de canecas constituem um meio econômico de transporte vertical de material a granel, podendo ser inclinados de até 70°, havendo casos especiais de equipamentos horizontais. São fabricados em vários tipos, em função das características do material a ser transportado. Podem ser do tipo centrífugo ou contínuo e com as canecas fixas em correia ou em correntes. Fig. 29 - Desenho dimensional de um elevador de canecas
  • 2. Transportadores Contínuos para Granéis Sólidos 49 Fig. 30 – EC de 1 coluna Fig. 31 – EC de 2 Colunas 6.1 – Tipo de elevadores de caneca (EC) 6.1.1 – Elevadores contínuos Estes elevadores caracterizam-se por suas canecas espaçadas, por sua baixa velocidade e também por na maioria das vezes, trabalharem em plano inclinado de 30º com a vertical, porem podem operar verticalmente. Este tipo de elevador foi projetado para elevação de materiais abrasivos e de alta e de alta granulometria, mas são também empregados na elevação de materiais frágeis ou extremamente finos como cimento e cal. Sua inclinação e baixa velocidade lhe proporcionam excelente rendimento devido à facilidade de alimentação total das canecas assim como descarga mais suave. Entre as canecas praticamente não existe espaçamento e o seu formato alem de proporcionar total carregamento, faz como que na descarga a caneca da frente sirva de calha de descarga do material da caneca seguinte.
  • 3. Transportadores Contínuos para Granéis Sólidos 50 Fig. 32 – Alimentação por gravidade do EC continuo Fig. 33 – Descarga natural (a caneca da frente guia o material) Os EC contínuos podem ser: Contínuo de correia – normalmente encontrados em transportes de materiais frágeis, pulverizáveis ou fluidos. Possuem carregamento por alimentação direta e operam em baixas velocidades e seus conjuntos de cabeceira são maiores que o dos centrífugos; Fig. 34 – EC continuo de correia Contínuos de corrente – utilizado no transporte de materiais pesados e de maior granulometria, sendo as canecas fixadas por um par de correntes que são acionadas por rodas dentadas. Fig. 35 – EC continuo de corrente
  • 4. Transportadores Contínuos para Granéis Sólidos 51 6.1.2 – Elevadores Centrífugos Este tipo de elevador tem as canecas espaçadas, operam na vertical e em velocidade maior que os contínuos. A descarga do material elevado é feita pela ação da força centrifuga desenvolvida quando as canecas passam ao redor do tambor de acionamento. É indicado para elevação de materiais de livre vazão, tais como grãos, areia, carvão triturado e produtos químicos secos. Na elevação de grãos,a velocidade da correia pode atingir até 250 m/mim, enquanto que para o uso industrial, na elevação e outros produtos a velocidade pode chegar no Maximo a apenas 130 m/mim. O espaçamento das canecas na elevação de grãos em elevadores de alta velocidade e alta capacidade pode variar de 1,5 a 2 vezes o valor de sua projeção, enquanto que para os elevadores industriais deve ser de 2 a 3 vezes o valor de sua projeção. Os EC centrífugos podem ser: Centrífugos de correia – normalmente utilizados para transporte de materiais finos, secos e de fácil escoamento, e que não possuem fragmentos que possam danificar a correia. Suas canecas são fixadas diretamente na correia por parafusos, com o espaçamento ideal para permitir o basculamento da caneca; Fig. 36 – EC Centrifugo de correia Centrífugos de corrente – também utilizados para materiais de escoamento fácil e não abrasivos, que possam estar depositados no fundo do transportador. Para o deslocamento da corrente são utilizadas rodas dentadas, que impossibilitam o deslizamento durante os carregamentos; Fig. 37 – EC Centrifugo de corrente
  • 5. Transportadores Contínuos para Granéis Sólidos 52 6.2 – Operação de carga e descarga do EC 6.2.1 – Alimentação A alimentação do material nas canecas pode ser por gravidade ou alimentação direta e por captação ou dragagem. Alimentação direta – a entrada de materiais no EC é efetuada diretamente sobre a caneca, provocando o seu enchimento; Dragagem – as canecas do EC precisam passar pelo fundo do transportador para “carregar” o material que nele está depositado. Na alimentação por captação ou dragagem, quanto menor for o espaçamento entre as canecas, mais suavemente é feita a carga com menor esforço para a correia. O fundo do poço do elevador deve ter uma curva de concordância com o movimento das canecas, pois isso auxilia na alimentação, bem como na sua própria limpeza. O pé do elevador, também chamado de poço do elevador, deve ser mantido permanentemente limpo. O acumulo de material no poço do elevador, principalmente se o material for de natureza agregável, provocara impactos contra as canecas e por conseguinte seu arrancamento ou ruptura da correia. Para evitar danos a correia e ao tambor, por materiais que possam vim a cair entre esses no momento da alimentação; é utilizado pouco acima do tambor de retorno um protetor em V invertido. 6.2.2 – Descarga Devemos levar em conta a relação entre a força peso do conjunto caneca- material-tambor e a força centrifuga, velocidade do EC e tipo de descarga: Centrífugos – elevador que utiliza a força centrífuga para efetuar a descarga do material do interior de suas canecas. Precisa, portanto, operar com maiores velocidades para que o material consiga ser “lançado” para as calhas de descarga; Gravidade – elevador que utiliza o peso do material para realização da descarga, este tipo de descarga possuem velocidade baixa; Misto – O elevador utiliza a força centrifuga mas também suas canecas estão montadas em seqüência, como nos de gravidade.
  • 6. Transportadores Contínuos para Granéis Sólidos 53 Fig. 38 – Influencia da força centrifuga na descarga das canecas Pólo – Ponto de interseção entre o prolongamento das linhas das resultantes da composição das forças peso e centrífuga (Fig 38). Distância polar – Distância entre o pólo e o centro do tambor (OM). Caso 1: Quanto maior a velocidade desenvolvida no EC, maior será a força centrífuga. Isto fará com que o pólo mude de posição indo à direção do centro do tambor. Nas velocidades elevadas à descarga dar-se-á por ação da força centrífuga. Caso 2: Se a velocidade diminui, o pólo tende a se deslocar na direção oposta, chegando o mesmo a elevar-se à cima da caneca. A descarga se dará por força da gravidade. A descarga de um EC pode ser efetuada de duas formas: Periférica – utilizada nos casos dos transportadores contínuos e centrífugos, onde o material é descarregado por uma saída lateral ao equipamento; Central – utilizada em condições especiais em que seja necessária uma descarga na parte central do EC, utilizando-se correntes com canecas pivotadas que, ao passarem pelo ponto mais alto do trajeto sofrem ação de batentes que fazem com que as canecas girem sobre os tambores vazados, e conseqüentemente o material seja despejado em calhas situadas entre os lados do transportador.
  • 7. Transportadores Contínuos para Granéis Sólidos 54 6.3 – Componentes do EC Fig. 39 – Componentes de um EC 1- Correia 8- Janelas de inspeção 2- Canecas 9- Unidade de acionamento 3- Tambor de acionamento 10- Esticador 4- Tambor de retorno 11- Contra-recuo (freio) 5- Cabeça do elevador 12- Calha de descarga 6- Estrutura central 13- Calha de alimentação 7- Pé do elevador 14- Porta de inspeção e limpeza 6.3.1 – Tambor de acionamento Também conhecido como tambor de cabeça, esta localizado na parte superior do elevador. Conforme visto no capitulo de TC este tambor deve ser ranhurado para garantir um mais alto coeficiente de atrito com a correia, evitando
  • 8. Transportadores Contínuos para Granéis Sólidos 55 assim o deslizamento e o desgaste. Para evitar o deslizamento pode-se usar ainda tambores com revestimento de borracha, quanto do transporte de materiais muito fino(pó), que pelo confinamento dentro da estrutura do EC poderiam se acumular entre a correia e o tambor. 6.3.2 – Tambor de retorno O tambor de retorno ou do pé se localiza na parte inferior do elevador de correia. Este tambor deve ser aletado a fim de evitar danos a correia. 6.3.3 – Cabeça do elevador É a parte superior da estrutura do elevador, na qual é posicionado o tambor de acionamento. Fazem parte também da cabeça do elevador a unidade completa de acionamento, o contra recuo e calha de descarga. A cabeça do elevador é também chamada de cabeça de motorização. 6.3.4 – Estrutura central É à parte que interliga a cabeça e o pé do elevador. É construída em chapa soldada ou madeira com reforço de cantoneiras, tipo modular, e em lances de comprimento padronizados. A fixação entre os módulos é feita por parafusos. 6.3.5 – Pé do elevador É a parte inferior do elevador na qual esta posicionado o tambor de retorno. Fazem parte também do pé do elevador a calha de alimentação e o dispositivo esticador. Nesta parte do elevador existem portas de inspeção e limpeza do poço. 6.3.6 – Janelas de inspeção Localizados em diversos pontos da estrutura do elevador, tem por objetivo permitir o acesso local para inspeção e manutenção de certas partes do equipamento. 6.3.7 – Unidade de acionamento (Drive) Localizada na cabeça do elevador, sustentada por uma plataforma; é constituída de motor com base e redutor de velocidade. O redutor de velocidade pode ser ligado direto ao tambor de acionamento ou através de luvas elásticas. 6.3.8 – Esticador Possui a função de manter as tensões ideais para a movimentação dos materiais. Fica instalado geralmente no conjunto do pé e pode ser de duas formas: por parafuso ou por gravidade. Seu funcionamento ocorre do mesmo modo que nos transportadores de correia, sendo que no elevador de canecas ele sempre vai atuar sobre o eixo do tambor tensor, deslocando sobre apoios móveis instalados nas laterais da carcaça do transportador.
  • 9. Transportadores Contínuos para Granéis Sólidos 56 6.3.9 – Contra recuo Dispositivo de segurança ligado diretamente ao eixo do tambor de acionamento, o contra recuo tem livre movimentação no sentido de elevação. No caso de uma parada do elevador com as canecas carregadas, o contra recuo trava-se evitando o retorno da correia e conseqüentemente descarga do material no fundo do elevador. 6.3.10 – Canecas As canecas (caçambas) são fabricadas em chapas soldadas ou em plástico reforçado e são projetadas de acordo com a operação do EC. Para os contínuos o dorso das canecas deve ser a própria calha de descarga do transporte, o que não ocorre nos centrífugos. Podem ser classificadas da seguinte forma: Abertas – hP = (1 a 1,5) x A; Profundas – hP = (> 1,5) x A; Em “V”– utilizadas para EC contínuos; Em “R” ( fundo arredondado) – utilizadas também para EC contínuos. Fig. 40 - Tipos de canecas Para sua utilização em EC’s de correia suas fixações são feitas por parafusos que perfuram a correia e são rosqueados no interior das canecas. Fig. 41 – Parafuso de fixação das canecas em correias
  • 10. Transportadores Contínuos para Granéis Sólidos 57 E para sua utilização em EC’s de correntes suas fixações podem ser de formas diferentes, de acordo com o porte do transportador. No caso de transportadores com descarga central as canecas são fixadas a eixos pivotados que se unem às correntes por meio de juntas articuladas para promover o giro durante as descargas. Fig. 42 - Fixação de canecas em EC de corrente 6.4 – Cálculos de capacidade e dimensionamento de um EC. Tendo o manual FAÇO como base, deve-se seguir as seguintes etapas para o calculo. Preparação: materiais necessários • Régua; • Calculadora;. • Papel quadriculado e isométrico (Tamanho adequado ao “layout” da fábrica); • Tabela com as propriedades dos materiais; • Manual FAÇO; Dados de entrada • Características dos materiais a serem transportados; • Peso específico (t/m3 ); • Altura de levantamento – H – (m); • Capacidade desejada – Q – (t/h); • Condições de operação; • Condição de serviço – contínuo ou intermitente;
  • 11. Transportadores Contínuos para Granéis Sólidos 58 Definições e Cálculos • Fazer desenhos de simulação dos elevadores e seus acessórios; • Em função do material a ser transportado escolher o tipo de elevador e a localização do esticador (Tab. 4-04 do Manual FAÇO); • Escolher a velocidade de operação das canecas em função do tipo de elevador a ser utilizado (Tab. 4-01 do Manual FAÇO); • Escolher a série do elevador, em função da capacidade (t/h) e do peso especifico do material (t/m3 ) (Tab. 4-02 do Manual do FAÇO); • Calcular a distância entre os centros dos tambores do elevador(L) em (m): 275 , 0 + + + = Q M H L Onde: H = altura de elevação do material e M e Q são dimensões do transportador escolhido (ver Tab. 4-08 do manual FAÇO) • Determinar as características dos principais componentes com base na serie do elevador escolhido (Tab. 4-05 do manual FAÇO); • Calcular a potência do motor(N) em (HP): ( ) η 75 12 2 D L P V N + ⋅ ⋅ = C q P C ⋅ ⋅ = γ 1000 Onde: V = velocidade da correia (m/s) η = rendimento P = Peso do material (Kg/m) L = distancia entre os centros dos tambores (m) (calculado no item anterior) D2 = diâmetro do tambor do pé (m) (Tab. 4-05 do Manual FAÇO) γ = Peso especifico do material (t/m3 ) qc = capacidade de cada caneca (m3 ) (Tab. 4-06 do Manual FAÇO) C = passo das canecas (m) • Escolher o conjunto de acionamento tendo como base a serie escolhida e a potencia do motor calculada no item anterior (Tab. 4-07 do Manual FAÇO); • Determinar as dimensões gerais do EC (Tab. 4-08 do Manual FAÇO); • Verificar a capacidade Q (t/h) do EC: C v q Q C γ ⋅ ⋅ ⋅ = 3600 Onde: V = velocidade da correia (m/s) γ = Peso especifico do material (t/m3 ) qc = capacidade de cada caneca (m3 ) (Tab. 4-06 do Manual FAÇO)
  • 12. Transportadores Contínuos para Granéis Sólidos 59 C = passo das canecas (m) • Cálculo das tensões efetiva e máxima da correia; ( ) C q D H T C e γ ⋅ ⋅ ⋅ + = 1000 12 2 ( ) e T K T ⋅ + = 1 1 Onde: H = Altura de elevação do material (m) D2 = diâmetro do tambor do pé (m) (Tab. 4-05 do Manual FAÇO) γ = Peso especifico do material (t/m3 ) qc = capacidade de cada caneca (m3 ) (Tab. 4-06 do Manual FAÇO) C = passo das canecas (m) Te = Tensão efetiva (Kg) T1 = Tensão máxima (Kg) K = Fator devido ao abraçamento da correia no tambor de acionamento (Tab. 4-09 do Manual FAÇO) • Selecionar a correia (para os casos de EC de correia); Resultados esperados • Memorial de cálculo; • Especificação do elevador; • Memorial descritivo sobre as considerações no projeto; • Desenhos; • Lista de materiais para a construção da estrutura para montagem; 6.5 – Exercícios resolvidos Questão 1: Calcular o EC para milho integral com vazão de 78 t/h para uma altura de 8 metros: MAT: MILHO INTEGRAL Dados: H = 8m Q: 78 t/h AA = 30-44 C35N C - Granular – abaixo de ½” 3 – Escoamento médio – ângulo de repouso entre 30° e 39°. 5 – Não abrasivo. N – Contém poeira explosiva. γ: 0,9 t/m3
  • 13. Transportadores Contínuos para Granéis Sólidos 60 Para este material verificamos, na tabela do Faço indica-se que o tipo de EL é o SB – Centrífugo de correia. Elevador centrífugo c/ velocidade entre 1,1 e 1,52 (m/s) Utilizando a tabela 4-02 vamos procurar o peso específico mais próximo que é 0,8 t/m3 . Verifiquei que dentro dessa coluna de peso específico não tinha uma vazão maior do que a exigida no problema e assim procurei um outro mais próximo e que tivesse a vazão de no mínimo 78 t/h. Valores tabelados: γ = 1,2 t/m3 Q = 87,9 t/h Série n° E-6000 Dist. Entre centro dos tambores L = H + M + Q + 0,275 (m) = 8 + 0,7 + 0,5 + 0,275 = 9,475m Característica dos principais componente: Caixa de dimensões internas AxB (mm) = 580x1220 Bitola n° 10 Largura de correia (pol) = 18” (C) Passo das canecas (mm) = 460 D1 (diâmetro de cabeça) = 600mm D2 (diâmetro de pé) = 450mm 41 rpm Velocidade (m/s) = 1,3 Dimensões da caneca A (mm) = 215 B(mm) = 400 C(mm) = 200 R(mm) = 045 Bitola = 3/16” Peso (Kgf) = 11,3 Capacidade (dm3 ) = x.x = 6 y.y = 9,6 Cálculo da Potência do motor ( ) Kw N 87 , 7 9 , 0 75 45 , 0 12 475 , 9 52 , 30 3 , 1 = × × + × × = Onde: m Kgf P / 52 , 30 46 , 0 0156 , 0 9 , 0 100 = × × = Escolho um motor de 10 HP pela tabela 4-07 η = 78,7% 04 Conjuntos de acionamento
  • 14. Transportadores Contínuos para Granéis Sólidos 61 Verificação da capacidade Q (t/h) do elevador h t Q / 84 , 142 46 , 0 9 , 0 3 , 1 0156 , 0 3600 = × × × = Cálculo da tensão da correia Tensão efetiva ( ) Kgf Te 01 , 454 46 , 0 1000 9 , 0 0156 , 0 45 , 0 12 745 , 9 = × × × × + = Tensão máxima da correia ( ) Kgf T 4 , 894 454 97 , 0 1 max = × + = Conclusão: O tambor a ser usado é o liso com esticador por parafuso.