SlideShare uma empresa Scribd logo
Transmissão do impulso nervoso
Em um neurônio, os estímulos se propagam sempre no mesmo sentido: são recebidos
pelos dendritos, seguem pelo corpo celular, percorrem o axônio e, da extremidade deste,
são passados à célula seguinte (dendrito – corpo celular – axônio). O impulso nervoso
que se propaga através do neurônio é de origem elétrica e resulta de alterações nas
cargas elétricas das superfícies externa e interna da membrana celular.
A membrana de um neurônio em repouso apresenta-se com carga elétrica positiva do
lado externo (voltado para fora da célula) e negativa do lado interno (em contato com o
citoplasma da célula). Quando essa membrana se encontra em tal situação, diz-se que
está polarizada. Essa diferença de cargas elétricas é mantida pela bomba de sódio e
potássio. Assim separadas, as cargas elétricas estabelecem uma energia elétrica
potencial através da membrana: o potencial de membrana ou potencial de repouso
(diferença entre as cargas elétricas através da membrana).
Quando um estímulo químico, mecânico ou elétrico chega ao neurônio, pode ocorrera
alteração da permeabilidade da membrana, permitindo grande entrada de sódio na célula
e pequena saída de potássio dela. Com isso, ocorre uma inversão das cargas ao redor
dessa membrana, que fica despolarizada gerando um potencial de ação. Essa
despolarização propaga-se pelo neurônio caracterizando o impulso nervoso.
Imediatamente após a passagem do impulso, a membrana sofre repolarização,
recuperando seu estado de repouso, e a transmissão do impulso cessa.
O estímulo que gera o impulso nervoso deve ser forte o suficiente, acima de
determinado valor crítico, que varia entre os diferentes tipos de neurônios, para induzir
a despolarização que transforma o potencial de repouso em potencial de ação. Esse é o
estímulo limiar. Abaixo desse valor o estímulo só provoca alterações locais na
membrana, que logo cessam e não desencadeiam o impulso nervoso.
Qualquer estímulo acima do limiar gera o mesmo potencial de ação que é transmitido ao
longo do neurônio. Assim, não existe variação de intensidade de um impulso nervoso
em função do aumento do estímulo; o neurônio obedece à regra do “tudo ou nada”.
Dessa forma, a intensidade das
sensações vai depender do número de
neurônios despolarizados e da
freqüência de impulsos. Imagine uma
queimadura no dedo. Quanto maior a
área queimada, maior a dor, pois mais
receptores serão estimulados e mais
neurônios serão despolarizados.
A transmissão do impulso nervoso de
um neurônio a outro ou às células de
órgãos efetores é realizada por meio
de uma região de ligação
especializada denominada sinapse.
O tipo mais comum de sinapse é a
química, em que as membranas de
duas células ficam separadas por um
espaço chamado fenda sináptica.
Na porção terminal do axônio, o impulso nervoso proporciona a liberação das vesículas
que contêm mediadores químicos, denominados neuro-transmissores. Os mais comuns
são acetilcolina e adrenalina.
Esses neurotransmissores caem na fenda sináptica e dão origem ao impulsos nervosos
na célula seguinte. Logo a seguir, os neurotransmissores que estão na fenda sináptica
são degradados por enzimas específicas, cessando seus efeitos.
No sistema nervoso, verifica-se que os neurônios dispõem-se diferenciadamente de
modo a dar origem a duas regiões com coloração distinta entre si e que podem ser
notadas macroscopicamente: a substância cinzenta, onde estão os corpos celulares, e a
substância branca, onde estão os axônios. No encéfalo (com exceção do bulbo) a
substância cinzenta está localizada externamente em relação a substância branca, e na
medula espinha e no bulbo ocorre o inverso.
Os nervos são conjuntos de fibras nervosas organizadas em feixes, unidos por tecidos
conjuntivo denso.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Sistema nervoso slides
Sistema nervoso slidesSistema nervoso slides
Sistema nervoso slides
Fabiano Reis
 
Impulso nervoso
Impulso nervosoImpulso nervoso
Impulso nervoso
Rita Pereira
 
Mutações do material genético
Mutações do material genéticoMutações do material genético
Mutações do material genético
UERGS
 
Sistema límbico
Sistema límbicoSistema límbico
Aula - Farmacologia básica - Farmacodinâmica
Aula - Farmacologia básica - FarmacodinâmicaAula - Farmacologia básica - Farmacodinâmica
Aula - Farmacologia básica - Farmacodinâmica
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
Mecanismo de sinapses
Mecanismo de sinapsesMecanismo de sinapses
Mecanismo de sinapses
James Linneker Cartaxo
 
Embriologia
EmbriologiaEmbriologia
14 o sistema nervoso
14   o sistema nervoso14   o sistema nervoso
14 o sistema nervoso
Rebeca Vale
 
Sistema nervoso periférico
Sistema nervoso periféricoSistema nervoso periférico
Sistema nervoso periférico
Ewerton Marinho
 
Mutações
Mutações Mutações
Mutações
Isabel Lopes
 
(10) biologia e geologia 10º ano - regulação nos seres vivos
(10) biologia e geologia   10º ano - regulação nos seres vivos(10) biologia e geologia   10º ano - regulação nos seres vivos
(10) biologia e geologia 10º ano - regulação nos seres vivos
Hugo Martins
 
Biomoléculas
BiomoléculasBiomoléculas
Biomoléculas
margaridabt
 
Aula - SNA - Introdução ao Sistema Nervoso Autônomo
Aula - SNA - Introdução ao Sistema Nervoso AutônomoAula - SNA - Introdução ao Sistema Nervoso Autônomo
Aula - SNA - Introdução ao Sistema Nervoso Autônomo
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
Célula nervosa pronto mesmo!
Célula nervosa pronto mesmo!Célula nervosa pronto mesmo!
Célula nervosa pronto mesmo!
Ana Carolina
 
Aula 08 sistema sensorial - anatomia e fisiologia
Aula 08   sistema sensorial - anatomia e fisiologiaAula 08   sistema sensorial - anatomia e fisiologia
Aula 08 sistema sensorial - anatomia e fisiologia
Hamilton Nobrega
 
Membrana celular
Membrana celularMembrana celular
Membrana celular
Luís Filipe Marinho
 
Fotossíntese e quimiossíntese
Fotossíntese e quimiossínteseFotossíntese e quimiossíntese
Fotossíntese e quimiossíntese
margaridabt
 
Descontinuidades Internas
Descontinuidades InternasDescontinuidades Internas
Descontinuidades Internas
Tânia Reis
 
Neurofisiologia - sentidos especiais - Paladar - aula 8 capítulo 5
Neurofisiologia - sentidos especiais - Paladar - aula 8 capítulo 5Neurofisiologia - sentidos especiais - Paladar - aula 8 capítulo 5
Neurofisiologia - sentidos especiais - Paladar - aula 8 capítulo 5
Cleanto Santos Vieira
 
Resumo biologia e geologia 10º e 11º ano
Resumo biologia e geologia 10º e 11º anoResumo biologia e geologia 10º e 11º ano
Resumo biologia e geologia 10º e 11º ano
Rita Pereira
 

Mais procurados (20)

Sistema nervoso slides
Sistema nervoso slidesSistema nervoso slides
Sistema nervoso slides
 
Impulso nervoso
Impulso nervosoImpulso nervoso
Impulso nervoso
 
Mutações do material genético
Mutações do material genéticoMutações do material genético
Mutações do material genético
 
Sistema límbico
Sistema límbicoSistema límbico
Sistema límbico
 
Aula - Farmacologia básica - Farmacodinâmica
Aula - Farmacologia básica - FarmacodinâmicaAula - Farmacologia básica - Farmacodinâmica
Aula - Farmacologia básica - Farmacodinâmica
 
Mecanismo de sinapses
Mecanismo de sinapsesMecanismo de sinapses
Mecanismo de sinapses
 
Embriologia
EmbriologiaEmbriologia
Embriologia
 
14 o sistema nervoso
14   o sistema nervoso14   o sistema nervoso
14 o sistema nervoso
 
Sistema nervoso periférico
Sistema nervoso periféricoSistema nervoso periférico
Sistema nervoso periférico
 
Mutações
Mutações Mutações
Mutações
 
(10) biologia e geologia 10º ano - regulação nos seres vivos
(10) biologia e geologia   10º ano - regulação nos seres vivos(10) biologia e geologia   10º ano - regulação nos seres vivos
(10) biologia e geologia 10º ano - regulação nos seres vivos
 
Biomoléculas
BiomoléculasBiomoléculas
Biomoléculas
 
Aula - SNA - Introdução ao Sistema Nervoso Autônomo
Aula - SNA - Introdução ao Sistema Nervoso AutônomoAula - SNA - Introdução ao Sistema Nervoso Autônomo
Aula - SNA - Introdução ao Sistema Nervoso Autônomo
 
Célula nervosa pronto mesmo!
Célula nervosa pronto mesmo!Célula nervosa pronto mesmo!
Célula nervosa pronto mesmo!
 
Aula 08 sistema sensorial - anatomia e fisiologia
Aula 08   sistema sensorial - anatomia e fisiologiaAula 08   sistema sensorial - anatomia e fisiologia
Aula 08 sistema sensorial - anatomia e fisiologia
 
Membrana celular
Membrana celularMembrana celular
Membrana celular
 
Fotossíntese e quimiossíntese
Fotossíntese e quimiossínteseFotossíntese e quimiossíntese
Fotossíntese e quimiossíntese
 
Descontinuidades Internas
Descontinuidades InternasDescontinuidades Internas
Descontinuidades Internas
 
Neurofisiologia - sentidos especiais - Paladar - aula 8 capítulo 5
Neurofisiologia - sentidos especiais - Paladar - aula 8 capítulo 5Neurofisiologia - sentidos especiais - Paladar - aula 8 capítulo 5
Neurofisiologia - sentidos especiais - Paladar - aula 8 capítulo 5
 
Resumo biologia e geologia 10º e 11º ano
Resumo biologia e geologia 10º e 11º anoResumo biologia e geologia 10º e 11º ano
Resumo biologia e geologia 10º e 11º ano
 

Destaque

Impulso Nervoso
Impulso NervosoImpulso Nervoso
Impulso Nervoso
Weslei Correa
 
Impulso nervoso
Impulso nervosoImpulso nervoso
Impulso nervoso
Pelo Siro
 
03 Sn Impulso Nervoso Tc 0809
03 Sn Impulso Nervoso Tc 080903 Sn Impulso Nervoso Tc 0809
03 Sn Impulso Nervoso Tc 0809
Teresa Monteiro
 
Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervoso
dicadoprofessoralpha
 
02 SN Neuronio Tc 0809
02 SN Neuronio Tc 080902 SN Neuronio Tc 0809
02 SN Neuronio Tc 0809
Teresa Monteiro
 
27 impulso nervoso
27 impulso nervoso27 impulso nervoso
27 impulso nervoso
Pelo Siro
 
Sistema nervoso 9º ano
Sistema nervoso 9º ano Sistema nervoso 9º ano
Sistema nervoso 9º ano
Rosana Cunha Bueno
 
Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervoso
Tânia Reis
 
Sistema Nervoso
Sistema NervosoSistema Nervoso
Sistema Nervoso
Catarinabiogeo
 
Síndrome de Guillain-Barré
Síndrome de Guillain-BarréSíndrome de Guillain-Barré
Síndrome de Guillain-Barré
Ankol Educação Continuada
 
Ppt 1 RegulaçãO Nervosa E Hormonal Nos Animais (Impulso Nervoso)
Ppt 1   RegulaçãO Nervosa E Hormonal Nos Animais (Impulso Nervoso)Ppt 1   RegulaçãO Nervosa E Hormonal Nos Animais (Impulso Nervoso)
Ppt 1 RegulaçãO Nervosa E Hormonal Nos Animais (Impulso Nervoso)
Nuno Correia
 
Sinapses
SinapsesSinapses
Sinapses
nayara775
 
Neurotransmissores
NeurotransmissoresNeurotransmissores
Neurotransmissores
Raquel Bezerra
 
Aula sobre a Síndrome de guillain barré (sgb) - Adriana
Aula sobre a Síndrome de guillain barré (sgb) - AdrianaAula sobre a Síndrome de guillain barré (sgb) - Adriana
Aula sobre a Síndrome de guillain barré (sgb) - Adriana
SMS - Petrópolis
 
Os neurónios
Os neuróniosOs neurónios
Os neurónios
Luis De Sousa Rodrigues
 
08 nervos espinhais e cranianos
08   nervos espinhais e cranianos08   nervos espinhais e cranianos
08 nervos espinhais e cranianos
Caroline Augusta
 
Apresentação Fisiologia
Apresentação FisiologiaApresentação Fisiologia
Apresentação Fisiologia
gede31
 
Sistema Neuro-hormonal
Sistema Neuro-hormonalSistema Neuro-hormonal
Sistema Neuro-hormonal
cnaturais9
 
As fases do luto
As fases do luto   As fases do luto
As fases do luto
Marcos Natal
 
Pares cranianos.
Pares cranianos.Pares cranianos.
Pares cranianos.
Rafaella
 

Destaque (20)

Impulso Nervoso
Impulso NervosoImpulso Nervoso
Impulso Nervoso
 
Impulso nervoso
Impulso nervosoImpulso nervoso
Impulso nervoso
 
03 Sn Impulso Nervoso Tc 0809
03 Sn Impulso Nervoso Tc 080903 Sn Impulso Nervoso Tc 0809
03 Sn Impulso Nervoso Tc 0809
 
Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervoso
 
02 SN Neuronio Tc 0809
02 SN Neuronio Tc 080902 SN Neuronio Tc 0809
02 SN Neuronio Tc 0809
 
27 impulso nervoso
27 impulso nervoso27 impulso nervoso
27 impulso nervoso
 
Sistema nervoso 9º ano
Sistema nervoso 9º ano Sistema nervoso 9º ano
Sistema nervoso 9º ano
 
Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervoso
 
Sistema Nervoso
Sistema NervosoSistema Nervoso
Sistema Nervoso
 
Síndrome de Guillain-Barré
Síndrome de Guillain-BarréSíndrome de Guillain-Barré
Síndrome de Guillain-Barré
 
Ppt 1 RegulaçãO Nervosa E Hormonal Nos Animais (Impulso Nervoso)
Ppt 1   RegulaçãO Nervosa E Hormonal Nos Animais (Impulso Nervoso)Ppt 1   RegulaçãO Nervosa E Hormonal Nos Animais (Impulso Nervoso)
Ppt 1 RegulaçãO Nervosa E Hormonal Nos Animais (Impulso Nervoso)
 
Sinapses
SinapsesSinapses
Sinapses
 
Neurotransmissores
NeurotransmissoresNeurotransmissores
Neurotransmissores
 
Aula sobre a Síndrome de guillain barré (sgb) - Adriana
Aula sobre a Síndrome de guillain barré (sgb) - AdrianaAula sobre a Síndrome de guillain barré (sgb) - Adriana
Aula sobre a Síndrome de guillain barré (sgb) - Adriana
 
Os neurónios
Os neuróniosOs neurónios
Os neurónios
 
08 nervos espinhais e cranianos
08   nervos espinhais e cranianos08   nervos espinhais e cranianos
08 nervos espinhais e cranianos
 
Apresentação Fisiologia
Apresentação FisiologiaApresentação Fisiologia
Apresentação Fisiologia
 
Sistema Neuro-hormonal
Sistema Neuro-hormonalSistema Neuro-hormonal
Sistema Neuro-hormonal
 
As fases do luto
As fases do luto   As fases do luto
As fases do luto
 
Pares cranianos.
Pares cranianos.Pares cranianos.
Pares cranianos.
 

Semelhante a Transmissão do impulso nervoso

36804136 10-biologia-e-geologia-10º-ano-regulacao-nos-seres-vivos
36804136 10-biologia-e-geologia-10º-ano-regulacao-nos-seres-vivos36804136 10-biologia-e-geologia-10º-ano-regulacao-nos-seres-vivos
36804136 10-biologia-e-geologia-10º-ano-regulacao-nos-seres-vivos
Pelo Siro
 
Regulação nervosa e hormonal nos animais
Regulação nervosa e hormonal nos animaisRegulação nervosa e hormonal nos animais
Regulação nervosa e hormonal nos animais
margaridabt
 
SNC - Sistema Nervoso Central
SNC - Sistema Nervoso CentralSNC - Sistema Nervoso Central
SNC - Sistema Nervoso Central
Revila Santos
 
Neuronio
NeuronioNeuronio
Neuronio
Carlos Super
 
Sistema nervoso 2° resumo
Sistema nervoso 2° resumoSistema nervoso 2° resumo
Sistema nervoso 2° resumo
BriefCase
 
Sistema nervoso resumo
Sistema nervoso resumoSistema nervoso resumo
Sistema nervoso resumo
BriefCase
 
Regulação nervosa e hormonal nos animais
Regulação nervosa e hormonal nos animaisRegulação nervosa e hormonal nos animais
Regulação nervosa e hormonal nos animais
margaridabt
 
Tecido nervoso
Tecido nervosoTecido nervoso
Tecido nervoso
Heloisa Frigini
 
Frente 2 módulo 12 O Sistema Nervoso
Frente 2 módulo 12 O  Sistema NervosoFrente 2 módulo 12 O  Sistema Nervoso
Frente 2 módulo 12 O Sistema Nervoso
Colégio Batista de Mantena
 
Tecido nervoso
Tecido nervosoTecido nervoso
99257205 tecido-nervoso
99257205 tecido-nervoso99257205 tecido-nervoso
99257205 tecido-nervoso
Maria Jaqueline Mesquita
 
2016 Frente 2 módulo 12 sistema nervoso
2016 Frente 2 módulo 12 sistema nervoso2016 Frente 2 módulo 12 sistema nervoso
2016 Frente 2 módulo 12 sistema nervoso
Colégio Batista de Mantena
 
2016 Frente 2 módulo 12 sistema nervoso
2016 Frente 2 módulo 12 sistema nervoso2016 Frente 2 módulo 12 sistema nervoso
2016 Frente 2 módulo 12 sistema nervoso
Colégio Batista de Mantena
 
Sistema Nervoso
Sistema NervosoSistema Nervoso
Sistema Nervoso
Catarinabiogeo
 
Fisiologia sistema nervoso
Fisiologia sistema nervosoFisiologia sistema nervoso
Fisiologia sistema nervoso
mianaalexandra
 
Resumo Sistema Nervoso
Resumo Sistema NervosoResumo Sistema Nervoso
Resumo Sistema Nervoso
BriefCase
 
Neuronios e potencial de accao
Neuronios e potencial de accaoNeuronios e potencial de accao
Neuronios e potencial de accao
Mariana Ferreira
 
As bases fisicas da função neuronal
As bases fisicas da função neuronalAs bases fisicas da função neuronal
As bases fisicas da função neuronal
Thuane Sales
 
CoordenaçãO Nos Animais
CoordenaçãO Nos AnimaisCoordenaçãO Nos Animais
CoordenaçãO Nos Animais
Cristina Vitória
 
Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervoso
Juarez Silva
 

Semelhante a Transmissão do impulso nervoso (20)

36804136 10-biologia-e-geologia-10º-ano-regulacao-nos-seres-vivos
36804136 10-biologia-e-geologia-10º-ano-regulacao-nos-seres-vivos36804136 10-biologia-e-geologia-10º-ano-regulacao-nos-seres-vivos
36804136 10-biologia-e-geologia-10º-ano-regulacao-nos-seres-vivos
 
Regulação nervosa e hormonal nos animais
Regulação nervosa e hormonal nos animaisRegulação nervosa e hormonal nos animais
Regulação nervosa e hormonal nos animais
 
SNC - Sistema Nervoso Central
SNC - Sistema Nervoso CentralSNC - Sistema Nervoso Central
SNC - Sistema Nervoso Central
 
Neuronio
NeuronioNeuronio
Neuronio
 
Sistema nervoso 2° resumo
Sistema nervoso 2° resumoSistema nervoso 2° resumo
Sistema nervoso 2° resumo
 
Sistema nervoso resumo
Sistema nervoso resumoSistema nervoso resumo
Sistema nervoso resumo
 
Regulação nervosa e hormonal nos animais
Regulação nervosa e hormonal nos animaisRegulação nervosa e hormonal nos animais
Regulação nervosa e hormonal nos animais
 
Tecido nervoso
Tecido nervosoTecido nervoso
Tecido nervoso
 
Frente 2 módulo 12 O Sistema Nervoso
Frente 2 módulo 12 O  Sistema NervosoFrente 2 módulo 12 O  Sistema Nervoso
Frente 2 módulo 12 O Sistema Nervoso
 
Tecido nervoso
Tecido nervosoTecido nervoso
Tecido nervoso
 
99257205 tecido-nervoso
99257205 tecido-nervoso99257205 tecido-nervoso
99257205 tecido-nervoso
 
2016 Frente 2 módulo 12 sistema nervoso
2016 Frente 2 módulo 12 sistema nervoso2016 Frente 2 módulo 12 sistema nervoso
2016 Frente 2 módulo 12 sistema nervoso
 
2016 Frente 2 módulo 12 sistema nervoso
2016 Frente 2 módulo 12 sistema nervoso2016 Frente 2 módulo 12 sistema nervoso
2016 Frente 2 módulo 12 sistema nervoso
 
Sistema Nervoso
Sistema NervosoSistema Nervoso
Sistema Nervoso
 
Fisiologia sistema nervoso
Fisiologia sistema nervosoFisiologia sistema nervoso
Fisiologia sistema nervoso
 
Resumo Sistema Nervoso
Resumo Sistema NervosoResumo Sistema Nervoso
Resumo Sistema Nervoso
 
Neuronios e potencial de accao
Neuronios e potencial de accaoNeuronios e potencial de accao
Neuronios e potencial de accao
 
As bases fisicas da função neuronal
As bases fisicas da função neuronalAs bases fisicas da função neuronal
As bases fisicas da função neuronal
 
CoordenaçãO Nos Animais
CoordenaçãO Nos AnimaisCoordenaçãO Nos Animais
CoordenaçãO Nos Animais
 
Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervoso
 

Mais de Acqua Blue Fitnnes

Relatorio da aula pratica microbiologia 04 09 2016
Relatorio da aula pratica microbiologia 04 09 2016Relatorio da aula pratica microbiologia 04 09 2016
Relatorio da aula pratica microbiologia 04 09 2016
Acqua Blue Fitnnes
 
Tendinopatia do epicondilo lateral 19 10 2016
Tendinopatia do epicondilo lateral 19 10 2016Tendinopatia do epicondilo lateral 19 10 2016
Tendinopatia do epicondilo lateral 19 10 2016
Acqua Blue Fitnnes
 
Avaliação multidimensional do idoso (1)
Avaliação multidimensional do idoso (1)Avaliação multidimensional do idoso (1)
Avaliação multidimensional do idoso (1)
Acqua Blue Fitnnes
 
APS ( Atividades Praticas Supervisionadas)
APS ( Atividades Praticas Supervisionadas)APS ( Atividades Praticas Supervisionadas)
APS ( Atividades Praticas Supervisionadas)
Acqua Blue Fitnnes
 
12 hidroclorotiazida
12 hidroclorotiazida12 hidroclorotiazida
12 hidroclorotiazida
Acqua Blue Fitnnes
 
Dores aguda.sub aguda, cronica
Dores aguda.sub aguda, cronicaDores aguda.sub aguda, cronica
Dores aguda.sub aguda, cronica
Acqua Blue Fitnnes
 
Artrologia estudodasarticulaes-120709144004-phpapp01
Artrologia estudodasarticulaes-120709144004-phpapp01Artrologia estudodasarticulaes-120709144004-phpapp01
Artrologia estudodasarticulaes-120709144004-phpapp01
Acqua Blue Fitnnes
 
Tipos de depressão
Tipos de depressãoTipos de depressão
Tipos de depressão
Acqua Blue Fitnnes
 
Introducao metabolismo
Introducao metabolismoIntroducao metabolismo
Introducao metabolismo
Acqua Blue Fitnnes
 

Mais de Acqua Blue Fitnnes (9)

Relatorio da aula pratica microbiologia 04 09 2016
Relatorio da aula pratica microbiologia 04 09 2016Relatorio da aula pratica microbiologia 04 09 2016
Relatorio da aula pratica microbiologia 04 09 2016
 
Tendinopatia do epicondilo lateral 19 10 2016
Tendinopatia do epicondilo lateral 19 10 2016Tendinopatia do epicondilo lateral 19 10 2016
Tendinopatia do epicondilo lateral 19 10 2016
 
Avaliação multidimensional do idoso (1)
Avaliação multidimensional do idoso (1)Avaliação multidimensional do idoso (1)
Avaliação multidimensional do idoso (1)
 
APS ( Atividades Praticas Supervisionadas)
APS ( Atividades Praticas Supervisionadas)APS ( Atividades Praticas Supervisionadas)
APS ( Atividades Praticas Supervisionadas)
 
12 hidroclorotiazida
12 hidroclorotiazida12 hidroclorotiazida
12 hidroclorotiazida
 
Dores aguda.sub aguda, cronica
Dores aguda.sub aguda, cronicaDores aguda.sub aguda, cronica
Dores aguda.sub aguda, cronica
 
Artrologia estudodasarticulaes-120709144004-phpapp01
Artrologia estudodasarticulaes-120709144004-phpapp01Artrologia estudodasarticulaes-120709144004-phpapp01
Artrologia estudodasarticulaes-120709144004-phpapp01
 
Tipos de depressão
Tipos de depressãoTipos de depressão
Tipos de depressão
 
Introducao metabolismo
Introducao metabolismoIntroducao metabolismo
Introducao metabolismo
 

Último

Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
valdeci17
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
deboracorrea21
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Falcão Brasil
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
Sandra Pratas
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
felipescherner
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptxAPA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
orquestrasinfonicaam
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
Falcão Brasil
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
Sandra Pratas
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Falcão Brasil
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 

Último (20)

Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptxAPA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 

Transmissão do impulso nervoso

  • 1. Transmissão do impulso nervoso Em um neurônio, os estímulos se propagam sempre no mesmo sentido: são recebidos pelos dendritos, seguem pelo corpo celular, percorrem o axônio e, da extremidade deste, são passados à célula seguinte (dendrito – corpo celular – axônio). O impulso nervoso que se propaga através do neurônio é de origem elétrica e resulta de alterações nas cargas elétricas das superfícies externa e interna da membrana celular. A membrana de um neurônio em repouso apresenta-se com carga elétrica positiva do lado externo (voltado para fora da célula) e negativa do lado interno (em contato com o citoplasma da célula). Quando essa membrana se encontra em tal situação, diz-se que está polarizada. Essa diferença de cargas elétricas é mantida pela bomba de sódio e potássio. Assim separadas, as cargas elétricas estabelecem uma energia elétrica potencial através da membrana: o potencial de membrana ou potencial de repouso (diferença entre as cargas elétricas através da membrana). Quando um estímulo químico, mecânico ou elétrico chega ao neurônio, pode ocorrera alteração da permeabilidade da membrana, permitindo grande entrada de sódio na célula e pequena saída de potássio dela. Com isso, ocorre uma inversão das cargas ao redor dessa membrana, que fica despolarizada gerando um potencial de ação. Essa despolarização propaga-se pelo neurônio caracterizando o impulso nervoso. Imediatamente após a passagem do impulso, a membrana sofre repolarização, recuperando seu estado de repouso, e a transmissão do impulso cessa.
  • 2. O estímulo que gera o impulso nervoso deve ser forte o suficiente, acima de determinado valor crítico, que varia entre os diferentes tipos de neurônios, para induzir a despolarização que transforma o potencial de repouso em potencial de ação. Esse é o estímulo limiar. Abaixo desse valor o estímulo só provoca alterações locais na membrana, que logo cessam e não desencadeiam o impulso nervoso. Qualquer estímulo acima do limiar gera o mesmo potencial de ação que é transmitido ao longo do neurônio. Assim, não existe variação de intensidade de um impulso nervoso em função do aumento do estímulo; o neurônio obedece à regra do “tudo ou nada”. Dessa forma, a intensidade das sensações vai depender do número de neurônios despolarizados e da freqüência de impulsos. Imagine uma queimadura no dedo. Quanto maior a área queimada, maior a dor, pois mais receptores serão estimulados e mais neurônios serão despolarizados. A transmissão do impulso nervoso de um neurônio a outro ou às células de órgãos efetores é realizada por meio de uma região de ligação especializada denominada sinapse. O tipo mais comum de sinapse é a química, em que as membranas de duas células ficam separadas por um espaço chamado fenda sináptica. Na porção terminal do axônio, o impulso nervoso proporciona a liberação das vesículas que contêm mediadores químicos, denominados neuro-transmissores. Os mais comuns são acetilcolina e adrenalina. Esses neurotransmissores caem na fenda sináptica e dão origem ao impulsos nervosos na célula seguinte. Logo a seguir, os neurotransmissores que estão na fenda sináptica são degradados por enzimas específicas, cessando seus efeitos.
  • 3. No sistema nervoso, verifica-se que os neurônios dispõem-se diferenciadamente de modo a dar origem a duas regiões com coloração distinta entre si e que podem ser notadas macroscopicamente: a substância cinzenta, onde estão os corpos celulares, e a substância branca, onde estão os axônios. No encéfalo (com exceção do bulbo) a substância cinzenta está localizada externamente em relação a substância branca, e na medula espinha e no bulbo ocorre o inverso. Os nervos são conjuntos de fibras nervosas organizadas em feixes, unidos por tecidos conjuntivo denso.