SlideShare uma empresa Scribd logo
Taxa de juros
Santa Maria, RS.
2009
Taxa de juros
Trabalho de graduação apresentado a área do direito, do Centro Universitário
Franciscano como requisito parcial para conclusão do curso de direito.
Orientadora: professora Taize de Andrade Machado
Santa Maria, RS.
2009
2
Sumário
Introdução...................................................................................................................................4
Considerações finais.................................................................................................................10
Referências................................................................................................................................11
..................................................................................................................................................11
3
Introdução
O trabalho apresentado tem por primazia demonstrar através de um relato objetivo os
principais agregados atribuídos a taxa de juros. Visou através de uma busca sistemática de
fontes de conteúdos sintetizar uma ideia sobre o tema. Aliás, tema esse que exerce influência
notável nos aspectos econômicos de um determinado país sendo, dessa forma, um tema de
importantíssima relevância para discussão. Esse trabalho objetiva também trazer para debate
uma questão primordial da economia brasileira e repassar uma sintética, mas bem elaborada
visão sobre o tema.
4
Taxa de juros
A taxa de juros representa o valor que os detentores do dinheiro cobram para concederem um
empréstimo. O Estado determina uma taxa básica que rege a economia brasileira e os
negócios com títulos públicos registrados no Banco Central. Todo esse sistema é controlado
por um órgão central, o Copom. Esse órgão criado pelo Banco Central em 20 de junho de
1996, por meio da resolução 2.698, visa estabelecer as diretrizes da política monetária e
definir a taxa básica de juros. Ainda, tem a competência específica de manipular a liquidez
econômica, por meio dos instrumentos de política monetária.O Copom é composto pelos oito
membros da Diretoria Colegiada do Banco Central e é presidido pelo presidente da autoridade
monetária. Também integram o grupo de discussões os chefes de departamentos, consultores,
o secretário-executivo da diretoria, o coordenador do grupo de comunicação institucional e o
assessor de Imprensa. Os membros dessa instituição se reúnem, geralmente num conselho a
cada 40 dias e estabelecem as perspectivas econômcas do país, estipulando as medidas
adotadas pelo Estado pra controlar a economia, além de propor uma previsão das possíveis
medidas que serão utilizadas pelo Banco Central na próxima reunião, através do viés. Ele é
um instrumento do Banco Central para reduzir ou elevar a taxa de juros sem precisar esperar
até a próxima reunião mensal do Copom. Quando os juros são mantidos no mesmo patamar,
mas é adotado um viés de baixa, por exemplo, o BC está dizendo que pode reduzir os juros a
qualquer momento. Se o viés determinado é o de alta, é um sinal de que os juros podem subir
antes da próxima reunião Esse encontro é dividido em dois momentos, num primeiro encontro
os chefes de departamento e o gerente-executivo apresentam uma análise da conjuntura
econômica incluindo variáveis tais como inflação, atividade econômica, evolução dos
agregados monetários, finanças públicas, balanço de pagamentos, economia internacional,
mercado de câmbio, reservas internacionais, mercado monetário, operações de mercado
aberto, avaliação prospectiva das tendências da inflação e expectativas gerais para variáveis
macroeconômicas. Num segundo momento, participam dessa reunião os membros do Comitê
e o chefe do Dep, sem direito a voto, os diretores de Política Monetária e de Política
Econômica, após análise das projeções atualizadas para a inflação, apresentam alternativas
para a meta da Selic e recomendações para a da política monetária. Após participação dos
demais membros, as propostas são votadas, buscando-se, quando possível, o consenso. Outro
elemento muito acompanhado pelo mercado é a ata da reunião, que traz as razões para as
decisões e pode trazer tendências das próximas medidas do conselho.
Outro documento preparado pelo Copom é o Relatório de Inflação, publicado ao final de cada
5
trimestre. Este relatório analisa a economia brasileira e traz as projeções do colegiado para a
taxa de inflação. O modelo adotado no Brasil é similar ao do Federal Reserve o banco central
norte-americano, que tem no Federal Open Market Committee (FOMC) a centralização das
decisões de política monetária, trazendo mais transparência ao processo decisório.
Os brasileiros são cercados de juros por todos os lados e, muitas vezes, nem mesmo se dão
conta disto. Para mostrar o peso que o custo do crédito tem na vida dos trabalhadores, Zero
Hora simula com a ajuda do economista especialista em finanças pessoais Éverton Batista
Lopes como o custo do crédito e a redução das taxas podem afetar a carteira da população.
Pela estimativa de Lopes, em apenas quatro operações de financiamento contratadas pela
população a queda da Selic resultaria numa economia de R$ 9,26 mil.
IMÓVEL
Financiamento: R$ 100 mil.
Juros: cerca de 6% ao ano.
Estimativa com a queda na Selic, para o mesmo.
Perfil: tende a cair para 5,8% ao ano.
Tempo: 20 anos.
Prestação mensal: cerca de R$ 900.
Com a nova Selic: cairia para em torno de R$ 880.
Economia total: R$ 4,8 mil.
EMPRÉSTIMO PESSOAL
Valor: R$ 3 mil.
Juros: 5,2% ao mês ou 83,73% ao ano.
Estimativa com a queda na Selic, para o mesmo.
Perfil: 4,5% ao mês ou 69,59% ao ano.
Tempo: 24 meses.
Prestação mensal: em torno de R$ 222.
Com a nova Selic: R$ 207.
Economia total: R$ 360.
CHEQUE ESPECIAL
Valor: cerca de R$ 2 mil.
6
Juros: 9% ao mês ou 181,27% ao ano.
Estimativa com a queda na Selic, para o mesmo.
Perfil: 8% ao mês ou 151,82% ao ano.
Em um ano se a dívida não fosse paga: R$ 5,6 mil.
Com a nova Selic: R$ 5 mil.
Economia de: R$ 600.
CARRO
Financiamento: R$ 20 mil.
Juros: 1,78% ao mês.
Estimativa com a queda na Selic, para o mesmo.
Perfil: tende a cair para 1,20% ao mês.
Tempo: 48 meses.
Prestação mensal: cerca de R$ 625.
Com a nova Selic: R$ 550,55.
Economia total: R$ 3,5 mil.
Observação: na simulação não foram considerados taxas e seguro, sendo considerada uma
taxa de juros selic de 11,25.
Todos esses dados apresentados mostram a influência exercida pelos juros no nosso dia-a-dia,
se as taxas se mantêm elevadas o custo do crédito continuaria alto, o que prejudicaria mais
ainda os trabalhadores, com o aumento do desemprego, e a indústria, com a queda da
produção e das vendas. Isso tudo nos remete a uma pergunta lógica por que o governo no
reduz os juros então?. No entanto a estrutura econômica é muito complexa e o governo utiliza
a taxa de juros para controlar a inflação. Assim, ela é usada como instrumento para controle
dos preços. Quanto mais alta é a taxa, mais ela dificulta o crédito ao consumidor e ao setor
produtivo. Com mais dificuldades ao financiamento de bens, a demanda (procura) por
produtos à venda se reduz. Por exemplo, uma pessoa quer adquirir uma geladeira, mas não
consegue financiá-la porque os juros estão muito elevados. Então, ela deixa de comprar a
geladeira e o produto começa a ficar estocado no depósito da loja. Para vendê-la, a loja reduz
o preço dela, fazendo a inflação cair. A taxa alta também atrai investimento especulativo.
Quem investir em títulos brasileiros ganhará juros altos. Assim, entram dólares no mercado
interno, aumentando a oferta da moeda norte-americana e mantendo a cotação dela
controlada. Como os preços ao consumidor também sofrem influência do câmbio, a atração de
7
investimentos usando juros altos também impede uma disparada da inflação. Já quando a taxa
caí representa um estímulo à economia. Seria um sinal importante para o setor produtivo,
pois com um maior acesso ao crédito as pessoas passam a comprar mais e isso aquece a
economia. Atualizando essa ideia temos a atual política monetária adotada pelo Banco Central
que reduziu a taxa para o patamar de 10,25 visando contornar os efeitos da crise econômica
mundial e manter a economia brasileira fortalecida e ainda, evitar uma possível crise nos
setores econômicos do país. É importante trazer como força de denúncia que apesar dos
esforços do Banco Central existe instituição que para obter uma maior lucratividade estão
mantendo elevadas suas taxas como mostra a reportagem do jornal O povo do dia 19 de maio,
de 2009, Edição 27027; que relata q o Banco do Brasil:
Mesmo com a saída do cearense Antonio Francisco Lima Neto do comando do
Banco do Brasil, a instituição vem elevando as taxas de juros, motivo pelo qual ele
foi tirado do cargo em abril.
É preciso também ressaltar que nem todas as instituições estão exercendo esse tipo de atitude
de certa medida monopolistas, pois segundo matéria, realizada no dia 27 de Maio de 2009 por
Kelly Oliveira Repórter da Agência Brasil, contatou redução nas taxas de juros cobradas de
pessoas físicas e jurídicas e aumento da inadimplência para as empresas de março para abril,
causadas principalmente por um maior acesso ao crédito. Segundo dadas divulgados pelo
Banco Central houve redução nos principais meios de obtenção de crédito:
A taxa média de juros cobrada das empresas teve ligeira queda de 0,1 ponto
percentual de março para abril (28,8% ao ano). Para as famílias, os juros anuais
caíram de 50,1% para 48,8%. A taxa do cheque especial diminuiu de 158,6% para
156,3% ao ano.
Já o crédito para a compra de carros subiu 0,1 ponto percentual e chegou a 19,5% ao
ano em abril. No caso do crédito pessoal, que inclui operações consignadas em
folha, a redução foi de 40,5% em março para 38,5% em abril.
Acompanhe agora os principais indicadores da taxa de juros do país nos últimos 12 meses:
Reunião/data
Período de vigência
Meta SELIC
% a.a.
29/04/2009 30/04/2009 – 10,25
11/03/2009
12/03/2009 -
29/04/2009
11,25
21/01/2009
22/01/2009 -
11/03/2009
12,75
8
10/12/2008
11/12/2008 -
21/01/2009
13,75
29/10/2008
30/10/2008 -
10/12/2008
13,75
10/09/2008
11/09/2008 -
29/10/2008
13,75
23/07/2008
24/07/2008 -
10/09/2008
13,00
04/06/2008
05/06/2008 -
23/07/2008
12,25
16/04/2008
17/04/2008 -
04/06/2008
11,75
05/03/2008
06/03/2008 -
16/04/2008
11,25
9
Considerações finais
O presente trabalho buscou depois de ampla pesquisa sistematizar de forma rigorosa os
principais pontos da pesquisa visando compactar todo o trabalho, ficando com a visão central
e fundamental do tema. Desse modo, ele não foi muito prorrogado em função da grande
complexidade do tema que, muitas vezes, foge de uma visão própria do direito encontrando
base numa análise mais na disciplina de economia. Com isso, ele se limitou em cumprir sua
função informativa expondo o tema de forma simples, no entanto utilizando um método que
proporciona um aprendizado sobre a proposta contribuindo, dessa forma, de maneira positiva
para uma boa aula.
10
Referências
http://www.bcb.gov.br/?COPOMJUROS
http://economia.uol.com.br/ultnot/2009/03/11/ult4294u2336.jhtm
www.prasaber.mais.com.br
www.fernandobarrichelo.com.br
http://www.estadao.com.br/noticias/economia
11

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Modelo de contrato social
Modelo de contrato socialModelo de contrato social
Modelo de contrato social
Luiz Piovesana
 
061 relatorio modelo
061 relatorio modelo061 relatorio modelo
061 relatorio modelo
Marcos Azevedo
 
Modelo de-relatorio-neuropsicopedagogico (1)
Modelo de-relatorio-neuropsicopedagogico (1)Modelo de-relatorio-neuropsicopedagogico (1)
Modelo de-relatorio-neuropsicopedagogico (1)
lucianacarvalho
 
Artigo Bullying e seus efeitos na parendizagem
Artigo  Bullying e seus efeitos na parendizagemArtigo  Bullying e seus efeitos na parendizagem
Artigo Bullying e seus efeitos na parendizagem
guest44dfeb3
 
relatorio
relatoriorelatorio
relatorio
themis dovera
 
Terminologias contabeis para custos
Terminologias contabeis para custosTerminologias contabeis para custos
Terminologias contabeis para custos
razonetecontabil
 
1ª reuniao de pais emsa 6º ao 9º ano
1ª reuniao de pais emsa 6º ao 9º ano1ª reuniao de pais emsa 6º ao 9º ano
1ª reuniao de pais emsa 6º ao 9º ano
Jussara Moreira
 
CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1988 - RESUMO DOS PONTOS PRINCIPAIS
CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1988 - RESUMO DOS PONTOS PRINCIPAISCONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1988 - RESUMO DOS PONTOS PRINCIPAIS
CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1988 - RESUMO DOS PONTOS PRINCIPAIS
William Gonçalves
 
Relatorio estagio supervisionado quimica
Relatorio estagio supervisionado quimicaRelatorio estagio supervisionado quimica
Relatorio estagio supervisionado quimica
Willian Charles Silva
 
Termo de entrega
Termo de entregaTermo de entrega
Termo de entrega
Jamer Tomaz Da Silva
 
Neuro jogos no escotismo genius
Neuro jogos no escotismo genius Neuro jogos no escotismo genius
Neuro jogos no escotismo genius
SimoneHelenDrumond
 
Curso de Direito Administrativo para Concurso Polícia Federal
Curso de Direito Administrativo para Concurso Polícia FederalCurso de Direito Administrativo para Concurso Polícia Federal
Curso de Direito Administrativo para Concurso Polícia Federal
Estratégia Concursos
 
Modelo de relatório de visita
Modelo de relatório de visitaModelo de relatório de visita
Modelo de relatório de visita
Giovanna Ortiz
 
NOÇÃO DE DIREITO
NOÇÃO DE DIREITONOÇÃO DE DIREITO
NOÇÃO DE DIREITO
URCAMP
 
Como elaborar um trabalho escrito
Como elaborar um trabalho escritoComo elaborar um trabalho escrito
Como elaborar um trabalho escrito
colegio elite
 
Relatórios do Conselho Tutelar de Agrestina sobre Escolas Públicas
Relatórios do Conselho Tutelar de Agrestina sobre Escolas PúblicasRelatórios do Conselho Tutelar de Agrestina sobre Escolas Públicas
Relatórios do Conselho Tutelar de Agrestina sobre Escolas Públicas
Adriano Monteiro
 
Eoca procedimentos durante o teste de psicopedagogia
Eoca procedimentos durante o teste de psicopedagogiaEoca procedimentos durante o teste de psicopedagogia
Eoca procedimentos durante o teste de psicopedagogia
Maria Bernadete Lizareli Wippich
 
Aços inox
Aços inoxAços inox
Aços inox
ritzona
 
Portfolio adaptação curricular
Portfolio adaptação curricularPortfolio adaptação curricular
Portfolio adaptação curricular
Juvenal Alves
 
NORMAS PARA TRABALHOS E TCC
NORMAS PARA TRABALHOS E TCCNORMAS PARA TRABALHOS E TCC
NORMAS PARA TRABALHOS E TCC
mendesso
 

Mais procurados (20)

Modelo de contrato social
Modelo de contrato socialModelo de contrato social
Modelo de contrato social
 
061 relatorio modelo
061 relatorio modelo061 relatorio modelo
061 relatorio modelo
 
Modelo de-relatorio-neuropsicopedagogico (1)
Modelo de-relatorio-neuropsicopedagogico (1)Modelo de-relatorio-neuropsicopedagogico (1)
Modelo de-relatorio-neuropsicopedagogico (1)
 
Artigo Bullying e seus efeitos na parendizagem
Artigo  Bullying e seus efeitos na parendizagemArtigo  Bullying e seus efeitos na parendizagem
Artigo Bullying e seus efeitos na parendizagem
 
relatorio
relatoriorelatorio
relatorio
 
Terminologias contabeis para custos
Terminologias contabeis para custosTerminologias contabeis para custos
Terminologias contabeis para custos
 
1ª reuniao de pais emsa 6º ao 9º ano
1ª reuniao de pais emsa 6º ao 9º ano1ª reuniao de pais emsa 6º ao 9º ano
1ª reuniao de pais emsa 6º ao 9º ano
 
CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1988 - RESUMO DOS PONTOS PRINCIPAIS
CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1988 - RESUMO DOS PONTOS PRINCIPAISCONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1988 - RESUMO DOS PONTOS PRINCIPAIS
CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1988 - RESUMO DOS PONTOS PRINCIPAIS
 
Relatorio estagio supervisionado quimica
Relatorio estagio supervisionado quimicaRelatorio estagio supervisionado quimica
Relatorio estagio supervisionado quimica
 
Termo de entrega
Termo de entregaTermo de entrega
Termo de entrega
 
Neuro jogos no escotismo genius
Neuro jogos no escotismo genius Neuro jogos no escotismo genius
Neuro jogos no escotismo genius
 
Curso de Direito Administrativo para Concurso Polícia Federal
Curso de Direito Administrativo para Concurso Polícia FederalCurso de Direito Administrativo para Concurso Polícia Federal
Curso de Direito Administrativo para Concurso Polícia Federal
 
Modelo de relatório de visita
Modelo de relatório de visitaModelo de relatório de visita
Modelo de relatório de visita
 
NOÇÃO DE DIREITO
NOÇÃO DE DIREITONOÇÃO DE DIREITO
NOÇÃO DE DIREITO
 
Como elaborar um trabalho escrito
Como elaborar um trabalho escritoComo elaborar um trabalho escrito
Como elaborar um trabalho escrito
 
Relatórios do Conselho Tutelar de Agrestina sobre Escolas Públicas
Relatórios do Conselho Tutelar de Agrestina sobre Escolas PúblicasRelatórios do Conselho Tutelar de Agrestina sobre Escolas Públicas
Relatórios do Conselho Tutelar de Agrestina sobre Escolas Públicas
 
Eoca procedimentos durante o teste de psicopedagogia
Eoca procedimentos durante o teste de psicopedagogiaEoca procedimentos durante o teste de psicopedagogia
Eoca procedimentos durante o teste de psicopedagogia
 
Aços inox
Aços inoxAços inox
Aços inox
 
Portfolio adaptação curricular
Portfolio adaptação curricularPortfolio adaptação curricular
Portfolio adaptação curricular
 
NORMAS PARA TRABALHOS E TCC
NORMAS PARA TRABALHOS E TCCNORMAS PARA TRABALHOS E TCC
NORMAS PARA TRABALHOS E TCC
 

Destaque

Slides taxa SELIC
Slides taxa SELICSlides taxa SELIC
Slides taxa SELIC
Licianny Maria Rodrigues
 
7 - 2014 taxas de juros
7  - 2014 taxas de juros7  - 2014 taxas de juros
7 - 2014 taxas de juros
Milton Henrique do Couto Neto
 
Juros, poupança, Cdb, Copom, Selic, Tr
Juros, poupança, Cdb, Copom, Selic, TrJuros, poupança, Cdb, Copom, Selic, Tr
Juros, poupança, Cdb, Copom, Selic, Tr
Zbmed
 
Taxa SELIC
Taxa SELICTaxa SELIC
Taxa SELIC
Fernanda Aquino
 
Juros Simples
Juros SimplesJuros Simples
Juros Simples
Carlos Castro
 
Modelos financeiros
Modelos financeirosModelos financeiros
Modelos financeiros
Maita Landim
 
Taxa SELIC - Ana Paula, Turma B
Taxa SELIC - Ana Paula, Turma BTaxa SELIC - Ana Paula, Turma B
Taxa SELIC - Ana Paula, Turma B
ferreiraalvesanapaula
 
Os problemas da taxa de juros para a economia brasileira
Os problemas da taxa de juros para a economia brasileiraOs problemas da taxa de juros para a economia brasileira
Os problemas da taxa de juros para a economia brasileira
Deputado Paulo Rubem - PDT
 
Taxas de juros e avaliação de titulos rf - Professor Alexandre Pereira
Taxas de juros e avaliação de titulos rf - Professor Alexandre PereiraTaxas de juros e avaliação de titulos rf - Professor Alexandre Pereira
Taxas de juros e avaliação de titulos rf - Professor Alexandre Pereira
Alexandre Pereira
 
A ECONOMIA DE LISBOA EM NÚMEROS 2014
A ECONOMIA DE LISBOA EM NÚMEROS 2014A ECONOMIA DE LISBOA EM NÚMEROS 2014
A ECONOMIA DE LISBOA EM NÚMEROS 2014
Paulo Carvalho
 
Slide unid 1-_nocoes_fin_e_econ_-__merc_capitais (1)
Slide unid 1-_nocoes_fin_e_econ_-__merc_capitais (1)Slide unid 1-_nocoes_fin_e_econ_-__merc_capitais (1)
Slide unid 1-_nocoes_fin_e_econ_-__merc_capitais (1)
José Mota
 
Dados estatístico Região norte
Dados estatístico Região norteDados estatístico Região norte
Dados estatístico Região norte
Werika Fernanda Lima Silva
 
Acréscimos e Diferimentos
Acréscimos e DiferimentosAcréscimos e Diferimentos
Acréscimos e Diferimentos
Luís Bastos
 
Dir trabalho resumo-resumido
Dir trabalho resumo-resumidoDir trabalho resumo-resumido
Dir trabalho resumo-resumido
duartejn
 
Economia 11.12 trabalho
Economia 11.12 trabalhoEconomia 11.12 trabalho
Economia 11.12 trabalho
André Barroso
 
Intermediação Financeira 1
Intermediação Financeira   1Intermediação Financeira   1
Intermediação Financeira 1
Juliana Costa Ferreira
 
Direito do Trabalho - Noções
Direito do Trabalho - NoçõesDireito do Trabalho - Noções
Direito do Trabalho - Noções
abarros
 
Região norte
Região norteRegião norte
Região norte
Rosemildo Lima
 
Apresentação região norte
Apresentação região norteApresentação região norte
Apresentação região norte
Naty Arantes
 
Direito do Trabalho - alguns casos práticos resolvidos.
Direito do Trabalho - alguns casos práticos resolvidos. Direito do Trabalho - alguns casos práticos resolvidos.
Direito do Trabalho - alguns casos práticos resolvidos.
Palovel
 

Destaque (20)

Slides taxa SELIC
Slides taxa SELICSlides taxa SELIC
Slides taxa SELIC
 
7 - 2014 taxas de juros
7  - 2014 taxas de juros7  - 2014 taxas de juros
7 - 2014 taxas de juros
 
Juros, poupança, Cdb, Copom, Selic, Tr
Juros, poupança, Cdb, Copom, Selic, TrJuros, poupança, Cdb, Copom, Selic, Tr
Juros, poupança, Cdb, Copom, Selic, Tr
 
Taxa SELIC
Taxa SELICTaxa SELIC
Taxa SELIC
 
Juros Simples
Juros SimplesJuros Simples
Juros Simples
 
Modelos financeiros
Modelos financeirosModelos financeiros
Modelos financeiros
 
Taxa SELIC - Ana Paula, Turma B
Taxa SELIC - Ana Paula, Turma BTaxa SELIC - Ana Paula, Turma B
Taxa SELIC - Ana Paula, Turma B
 
Os problemas da taxa de juros para a economia brasileira
Os problemas da taxa de juros para a economia brasileiraOs problemas da taxa de juros para a economia brasileira
Os problemas da taxa de juros para a economia brasileira
 
Taxas de juros e avaliação de titulos rf - Professor Alexandre Pereira
Taxas de juros e avaliação de titulos rf - Professor Alexandre PereiraTaxas de juros e avaliação de titulos rf - Professor Alexandre Pereira
Taxas de juros e avaliação de titulos rf - Professor Alexandre Pereira
 
A ECONOMIA DE LISBOA EM NÚMEROS 2014
A ECONOMIA DE LISBOA EM NÚMEROS 2014A ECONOMIA DE LISBOA EM NÚMEROS 2014
A ECONOMIA DE LISBOA EM NÚMEROS 2014
 
Slide unid 1-_nocoes_fin_e_econ_-__merc_capitais (1)
Slide unid 1-_nocoes_fin_e_econ_-__merc_capitais (1)Slide unid 1-_nocoes_fin_e_econ_-__merc_capitais (1)
Slide unid 1-_nocoes_fin_e_econ_-__merc_capitais (1)
 
Dados estatístico Região norte
Dados estatístico Região norteDados estatístico Região norte
Dados estatístico Região norte
 
Acréscimos e Diferimentos
Acréscimos e DiferimentosAcréscimos e Diferimentos
Acréscimos e Diferimentos
 
Dir trabalho resumo-resumido
Dir trabalho resumo-resumidoDir trabalho resumo-resumido
Dir trabalho resumo-resumido
 
Economia 11.12 trabalho
Economia 11.12 trabalhoEconomia 11.12 trabalho
Economia 11.12 trabalho
 
Intermediação Financeira 1
Intermediação Financeira   1Intermediação Financeira   1
Intermediação Financeira 1
 
Direito do Trabalho - Noções
Direito do Trabalho - NoçõesDireito do Trabalho - Noções
Direito do Trabalho - Noções
 
Região norte
Região norteRegião norte
Região norte
 
Apresentação região norte
Apresentação região norteApresentação região norte
Apresentação região norte
 
Direito do Trabalho - alguns casos práticos resolvidos.
Direito do Trabalho - alguns casos práticos resolvidos. Direito do Trabalho - alguns casos práticos resolvidos.
Direito do Trabalho - alguns casos práticos resolvidos.
 

Semelhante a Trabalho sobre Taxa de Juros

Politicas macroeconomicas
Politicas macroeconomicasPoliticas macroeconomicas
Politicas macroeconomicas
alissondinizteixeira
 
Clipping cnc 21012016 versão de impressão
Clipping cnc 21012016   versão de impressãoClipping cnc 21012016   versão de impressão
Clipping cnc 21012016 versão de impressão
Paulo André Colucci Kawasaki
 
Acoi Expert Network Quarterly Q1 2013
Acoi Expert Network Quarterly Q1 2013Acoi Expert Network Quarterly Q1 2013
Acoi Expert Network Quarterly Q1 2013
Fernando Moura
 
Boletim 39 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
Boletim 39 - Grupo de conjuntura econômica da UFESBoletim 39 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
Boletim 39 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
economiaufes
 
Relatório economia 2011
Relatório economia 2011Relatório economia 2011
Relatório economia 2011
hasaverus
 
Como Fazer os juros serem mais baixos no brasil - Febraban
Como Fazer os juros serem mais baixos no brasil - FebrabanComo Fazer os juros serem mais baixos no brasil - Febraban
Como Fazer os juros serem mais baixos no brasil - Febraban
Édila F.
 
Trabalho em grupo administração de empresas
Trabalho em grupo administração de empresasTrabalho em grupo administração de empresas
Trabalho em grupo administração de empresas
Jailton Barbosa
 
Rico matinal
Rico matinalRico matinal
Rico matinal
Alexandre Carvalho
 
Economia + Aposentadoria
Economia + AposentadoriaEconomia + Aposentadoria
Economia + Aposentadoria
Leandro de Lima Strasser-CFP
 
Cointimes Report Fevereiro
Cointimes Report FevereiroCointimes Report Fevereiro
Cointimes Report Fevereiro
Cointimes News
 
Esperanças Veladas | Comentários Diários de Economia e Negócios
Esperanças Veladas | Comentários Diários de Economia e NegóciosEsperanças Veladas | Comentários Diários de Economia e Negócios
Esperanças Veladas | Comentários Diários de Economia e Negócios
Banco Pine
 
Política monetária2
Política  monetária2Política  monetária2
Política monetária2
FelixSouza
 
Trabalho cenários econ pier ietto
Trabalho cenários econ   pier iettoTrabalho cenários econ   pier ietto
Trabalho cenários econ pier ietto
Pier Ietto
 
Calendário Econômico Pine: Um mix de conjuntura
Calendário Econômico Pine: Um mix de conjunturaCalendário Econômico Pine: Um mix de conjuntura
Calendário Econômico Pine: Um mix de conjuntura
Banco Pine
 
Investimentos.ppt
Investimentos.pptInvestimentos.ppt
Investimentos.ppt
TatianeAlmeida83
 
Ata do Copom: Redenção sem Rendição| Comentários Diários de Economia e Negócios
Ata do Copom: Redenção sem Rendição| Comentários Diários de Economia e NegóciosAta do Copom: Redenção sem Rendição| Comentários Diários de Economia e Negócios
Ata do Copom: Redenção sem Rendição| Comentários Diários de Economia e Negócios
Banco Pine
 
Vicissitudes do BC | Comentários Diários de Economia e Negócios
Vicissitudes do BC | Comentários Diários de Economia e NegóciosVicissitudes do BC | Comentários Diários de Economia e Negócios
Vicissitudes do BC | Comentários Diários de Economia e Negócios
Banco Pine
 
Juros e Spread Bancário - Banco Central do Brasil
Juros e Spread Bancário - Banco Central do BrasilJuros e Spread Bancário - Banco Central do Brasil
Juros e Spread Bancário - Banco Central do Brasil
Fábio Fumio Wada
 
Aprenda a investir
Aprenda a investirAprenda a investir
Aprenda a investir
Evaldo Lopes
 
Pine Flash Note: Câmbio no Brasil – “termômetros” e projeções
Pine Flash Note: Câmbio no Brasil – “termômetros” e projeçõesPine Flash Note: Câmbio no Brasil – “termômetros” e projeções
Pine Flash Note: Câmbio no Brasil – “termômetros” e projeções
Banco Pine
 

Semelhante a Trabalho sobre Taxa de Juros (20)

Politicas macroeconomicas
Politicas macroeconomicasPoliticas macroeconomicas
Politicas macroeconomicas
 
Clipping cnc 21012016 versão de impressão
Clipping cnc 21012016   versão de impressãoClipping cnc 21012016   versão de impressão
Clipping cnc 21012016 versão de impressão
 
Acoi Expert Network Quarterly Q1 2013
Acoi Expert Network Quarterly Q1 2013Acoi Expert Network Quarterly Q1 2013
Acoi Expert Network Quarterly Q1 2013
 
Boletim 39 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
Boletim 39 - Grupo de conjuntura econômica da UFESBoletim 39 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
Boletim 39 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
 
Relatório economia 2011
Relatório economia 2011Relatório economia 2011
Relatório economia 2011
 
Como Fazer os juros serem mais baixos no brasil - Febraban
Como Fazer os juros serem mais baixos no brasil - FebrabanComo Fazer os juros serem mais baixos no brasil - Febraban
Como Fazer os juros serem mais baixos no brasil - Febraban
 
Trabalho em grupo administração de empresas
Trabalho em grupo administração de empresasTrabalho em grupo administração de empresas
Trabalho em grupo administração de empresas
 
Rico matinal
Rico matinalRico matinal
Rico matinal
 
Economia + Aposentadoria
Economia + AposentadoriaEconomia + Aposentadoria
Economia + Aposentadoria
 
Cointimes Report Fevereiro
Cointimes Report FevereiroCointimes Report Fevereiro
Cointimes Report Fevereiro
 
Esperanças Veladas | Comentários Diários de Economia e Negócios
Esperanças Veladas | Comentários Diários de Economia e NegóciosEsperanças Veladas | Comentários Diários de Economia e Negócios
Esperanças Veladas | Comentários Diários de Economia e Negócios
 
Política monetária2
Política  monetária2Política  monetária2
Política monetária2
 
Trabalho cenários econ pier ietto
Trabalho cenários econ   pier iettoTrabalho cenários econ   pier ietto
Trabalho cenários econ pier ietto
 
Calendário Econômico Pine: Um mix de conjuntura
Calendário Econômico Pine: Um mix de conjunturaCalendário Econômico Pine: Um mix de conjuntura
Calendário Econômico Pine: Um mix de conjuntura
 
Investimentos.ppt
Investimentos.pptInvestimentos.ppt
Investimentos.ppt
 
Ata do Copom: Redenção sem Rendição| Comentários Diários de Economia e Negócios
Ata do Copom: Redenção sem Rendição| Comentários Diários de Economia e NegóciosAta do Copom: Redenção sem Rendição| Comentários Diários de Economia e Negócios
Ata do Copom: Redenção sem Rendição| Comentários Diários de Economia e Negócios
 
Vicissitudes do BC | Comentários Diários de Economia e Negócios
Vicissitudes do BC | Comentários Diários de Economia e NegóciosVicissitudes do BC | Comentários Diários de Economia e Negócios
Vicissitudes do BC | Comentários Diários de Economia e Negócios
 
Juros e Spread Bancário - Banco Central do Brasil
Juros e Spread Bancário - Banco Central do BrasilJuros e Spread Bancário - Banco Central do Brasil
Juros e Spread Bancário - Banco Central do Brasil
 
Aprenda a investir
Aprenda a investirAprenda a investir
Aprenda a investir
 
Pine Flash Note: Câmbio no Brasil – “termômetros” e projeções
Pine Flash Note: Câmbio no Brasil – “termômetros” e projeçõesPine Flash Note: Câmbio no Brasil – “termômetros” e projeções
Pine Flash Note: Câmbio no Brasil – “termômetros” e projeções
 

Trabalho sobre Taxa de Juros

  • 1. Taxa de juros Santa Maria, RS. 2009
  • 2. Taxa de juros Trabalho de graduação apresentado a área do direito, do Centro Universitário Franciscano como requisito parcial para conclusão do curso de direito. Orientadora: professora Taize de Andrade Machado Santa Maria, RS. 2009 2
  • 4. Introdução O trabalho apresentado tem por primazia demonstrar através de um relato objetivo os principais agregados atribuídos a taxa de juros. Visou através de uma busca sistemática de fontes de conteúdos sintetizar uma ideia sobre o tema. Aliás, tema esse que exerce influência notável nos aspectos econômicos de um determinado país sendo, dessa forma, um tema de importantíssima relevância para discussão. Esse trabalho objetiva também trazer para debate uma questão primordial da economia brasileira e repassar uma sintética, mas bem elaborada visão sobre o tema. 4
  • 5. Taxa de juros A taxa de juros representa o valor que os detentores do dinheiro cobram para concederem um empréstimo. O Estado determina uma taxa básica que rege a economia brasileira e os negócios com títulos públicos registrados no Banco Central. Todo esse sistema é controlado por um órgão central, o Copom. Esse órgão criado pelo Banco Central em 20 de junho de 1996, por meio da resolução 2.698, visa estabelecer as diretrizes da política monetária e definir a taxa básica de juros. Ainda, tem a competência específica de manipular a liquidez econômica, por meio dos instrumentos de política monetária.O Copom é composto pelos oito membros da Diretoria Colegiada do Banco Central e é presidido pelo presidente da autoridade monetária. Também integram o grupo de discussões os chefes de departamentos, consultores, o secretário-executivo da diretoria, o coordenador do grupo de comunicação institucional e o assessor de Imprensa. Os membros dessa instituição se reúnem, geralmente num conselho a cada 40 dias e estabelecem as perspectivas econômcas do país, estipulando as medidas adotadas pelo Estado pra controlar a economia, além de propor uma previsão das possíveis medidas que serão utilizadas pelo Banco Central na próxima reunião, através do viés. Ele é um instrumento do Banco Central para reduzir ou elevar a taxa de juros sem precisar esperar até a próxima reunião mensal do Copom. Quando os juros são mantidos no mesmo patamar, mas é adotado um viés de baixa, por exemplo, o BC está dizendo que pode reduzir os juros a qualquer momento. Se o viés determinado é o de alta, é um sinal de que os juros podem subir antes da próxima reunião Esse encontro é dividido em dois momentos, num primeiro encontro os chefes de departamento e o gerente-executivo apresentam uma análise da conjuntura econômica incluindo variáveis tais como inflação, atividade econômica, evolução dos agregados monetários, finanças públicas, balanço de pagamentos, economia internacional, mercado de câmbio, reservas internacionais, mercado monetário, operações de mercado aberto, avaliação prospectiva das tendências da inflação e expectativas gerais para variáveis macroeconômicas. Num segundo momento, participam dessa reunião os membros do Comitê e o chefe do Dep, sem direito a voto, os diretores de Política Monetária e de Política Econômica, após análise das projeções atualizadas para a inflação, apresentam alternativas para a meta da Selic e recomendações para a da política monetária. Após participação dos demais membros, as propostas são votadas, buscando-se, quando possível, o consenso. Outro elemento muito acompanhado pelo mercado é a ata da reunião, que traz as razões para as decisões e pode trazer tendências das próximas medidas do conselho. Outro documento preparado pelo Copom é o Relatório de Inflação, publicado ao final de cada 5
  • 6. trimestre. Este relatório analisa a economia brasileira e traz as projeções do colegiado para a taxa de inflação. O modelo adotado no Brasil é similar ao do Federal Reserve o banco central norte-americano, que tem no Federal Open Market Committee (FOMC) a centralização das decisões de política monetária, trazendo mais transparência ao processo decisório. Os brasileiros são cercados de juros por todos os lados e, muitas vezes, nem mesmo se dão conta disto. Para mostrar o peso que o custo do crédito tem na vida dos trabalhadores, Zero Hora simula com a ajuda do economista especialista em finanças pessoais Éverton Batista Lopes como o custo do crédito e a redução das taxas podem afetar a carteira da população. Pela estimativa de Lopes, em apenas quatro operações de financiamento contratadas pela população a queda da Selic resultaria numa economia de R$ 9,26 mil. IMÓVEL Financiamento: R$ 100 mil. Juros: cerca de 6% ao ano. Estimativa com a queda na Selic, para o mesmo. Perfil: tende a cair para 5,8% ao ano. Tempo: 20 anos. Prestação mensal: cerca de R$ 900. Com a nova Selic: cairia para em torno de R$ 880. Economia total: R$ 4,8 mil. EMPRÉSTIMO PESSOAL Valor: R$ 3 mil. Juros: 5,2% ao mês ou 83,73% ao ano. Estimativa com a queda na Selic, para o mesmo. Perfil: 4,5% ao mês ou 69,59% ao ano. Tempo: 24 meses. Prestação mensal: em torno de R$ 222. Com a nova Selic: R$ 207. Economia total: R$ 360. CHEQUE ESPECIAL Valor: cerca de R$ 2 mil. 6
  • 7. Juros: 9% ao mês ou 181,27% ao ano. Estimativa com a queda na Selic, para o mesmo. Perfil: 8% ao mês ou 151,82% ao ano. Em um ano se a dívida não fosse paga: R$ 5,6 mil. Com a nova Selic: R$ 5 mil. Economia de: R$ 600. CARRO Financiamento: R$ 20 mil. Juros: 1,78% ao mês. Estimativa com a queda na Selic, para o mesmo. Perfil: tende a cair para 1,20% ao mês. Tempo: 48 meses. Prestação mensal: cerca de R$ 625. Com a nova Selic: R$ 550,55. Economia total: R$ 3,5 mil. Observação: na simulação não foram considerados taxas e seguro, sendo considerada uma taxa de juros selic de 11,25. Todos esses dados apresentados mostram a influência exercida pelos juros no nosso dia-a-dia, se as taxas se mantêm elevadas o custo do crédito continuaria alto, o que prejudicaria mais ainda os trabalhadores, com o aumento do desemprego, e a indústria, com a queda da produção e das vendas. Isso tudo nos remete a uma pergunta lógica por que o governo no reduz os juros então?. No entanto a estrutura econômica é muito complexa e o governo utiliza a taxa de juros para controlar a inflação. Assim, ela é usada como instrumento para controle dos preços. Quanto mais alta é a taxa, mais ela dificulta o crédito ao consumidor e ao setor produtivo. Com mais dificuldades ao financiamento de bens, a demanda (procura) por produtos à venda se reduz. Por exemplo, uma pessoa quer adquirir uma geladeira, mas não consegue financiá-la porque os juros estão muito elevados. Então, ela deixa de comprar a geladeira e o produto começa a ficar estocado no depósito da loja. Para vendê-la, a loja reduz o preço dela, fazendo a inflação cair. A taxa alta também atrai investimento especulativo. Quem investir em títulos brasileiros ganhará juros altos. Assim, entram dólares no mercado interno, aumentando a oferta da moeda norte-americana e mantendo a cotação dela controlada. Como os preços ao consumidor também sofrem influência do câmbio, a atração de 7
  • 8. investimentos usando juros altos também impede uma disparada da inflação. Já quando a taxa caí representa um estímulo à economia. Seria um sinal importante para o setor produtivo, pois com um maior acesso ao crédito as pessoas passam a comprar mais e isso aquece a economia. Atualizando essa ideia temos a atual política monetária adotada pelo Banco Central que reduziu a taxa para o patamar de 10,25 visando contornar os efeitos da crise econômica mundial e manter a economia brasileira fortalecida e ainda, evitar uma possível crise nos setores econômicos do país. É importante trazer como força de denúncia que apesar dos esforços do Banco Central existe instituição que para obter uma maior lucratividade estão mantendo elevadas suas taxas como mostra a reportagem do jornal O povo do dia 19 de maio, de 2009, Edição 27027; que relata q o Banco do Brasil: Mesmo com a saída do cearense Antonio Francisco Lima Neto do comando do Banco do Brasil, a instituição vem elevando as taxas de juros, motivo pelo qual ele foi tirado do cargo em abril. É preciso também ressaltar que nem todas as instituições estão exercendo esse tipo de atitude de certa medida monopolistas, pois segundo matéria, realizada no dia 27 de Maio de 2009 por Kelly Oliveira Repórter da Agência Brasil, contatou redução nas taxas de juros cobradas de pessoas físicas e jurídicas e aumento da inadimplência para as empresas de março para abril, causadas principalmente por um maior acesso ao crédito. Segundo dadas divulgados pelo Banco Central houve redução nos principais meios de obtenção de crédito: A taxa média de juros cobrada das empresas teve ligeira queda de 0,1 ponto percentual de março para abril (28,8% ao ano). Para as famílias, os juros anuais caíram de 50,1% para 48,8%. A taxa do cheque especial diminuiu de 158,6% para 156,3% ao ano. Já o crédito para a compra de carros subiu 0,1 ponto percentual e chegou a 19,5% ao ano em abril. No caso do crédito pessoal, que inclui operações consignadas em folha, a redução foi de 40,5% em março para 38,5% em abril. Acompanhe agora os principais indicadores da taxa de juros do país nos últimos 12 meses: Reunião/data Período de vigência Meta SELIC % a.a. 29/04/2009 30/04/2009 – 10,25 11/03/2009 12/03/2009 - 29/04/2009 11,25 21/01/2009 22/01/2009 - 11/03/2009 12,75 8
  • 9. 10/12/2008 11/12/2008 - 21/01/2009 13,75 29/10/2008 30/10/2008 - 10/12/2008 13,75 10/09/2008 11/09/2008 - 29/10/2008 13,75 23/07/2008 24/07/2008 - 10/09/2008 13,00 04/06/2008 05/06/2008 - 23/07/2008 12,25 16/04/2008 17/04/2008 - 04/06/2008 11,75 05/03/2008 06/03/2008 - 16/04/2008 11,25 9
  • 10. Considerações finais O presente trabalho buscou depois de ampla pesquisa sistematizar de forma rigorosa os principais pontos da pesquisa visando compactar todo o trabalho, ficando com a visão central e fundamental do tema. Desse modo, ele não foi muito prorrogado em função da grande complexidade do tema que, muitas vezes, foge de uma visão própria do direito encontrando base numa análise mais na disciplina de economia. Com isso, ele se limitou em cumprir sua função informativa expondo o tema de forma simples, no entanto utilizando um método que proporciona um aprendizado sobre a proposta contribuindo, dessa forma, de maneira positiva para uma boa aula. 10