SlideShare uma empresa Scribd logo
Colégio Técnico de CampinasProf. Ionara Moura - BiologiaDOENÇASBactérias,Vírus e Protozoários2º Eletro-Eletrônica DiurnoFelipe Batista	09048	Guilherme Elias	09051     João Marcus	09053                                   José Olegário	09054	Leonardo Bedin	09057     Leonardo Carvalho 09737 Thiago Lugli	09075       Vitor Dall’Acqua	09078
Índice GeralBotulismo    ( Clostridium botulinum)		         3Giardíase     ( Giardia lamblia )                                  10Herpes     ( HSV-1 ; HSV-2 )                                   16 Hepatite     ( HAV, HBV, HCV )                             22Febre Maculosa     (Rickettsia rickettsii )                     28Esquistossomose    ( Schistosoma mansoni )                 35Disenteria Bacteriana   ( bactérias do gênero Shiguella )  41Pneumonia Bacteriana    ( Streptococcus pneumoniae )   48
Febre MaculosaO QUE É		A Febre Maculosaé uma doença febril aguda, de gravidade variável, causada por uma bactéria transmitida por carrapatos. Essa doença provém de uma bactéria chamada Ricketsia rickettsii.
trabalho de bio   doenças completo parte 2
Febre MaculosaSINTOMAS		A pessoa infectada pode desenvolver sintomas de 2 a 14 dias após a picada. Estes sintomas podem ser muito fracos, o que dificulta o diagnóstico. Nas pessoas que desenvolveram o quadro mais característico pode apresentar febre moderada a alta que pode durar de 2 a 3 semanas, dor de cabeça, calafrios e edema dos olhos e conjuntivas.
Febre MaculosaORGANISMO CAUSADOR		A Rickettsia é uma bactéria que sobrevive basicamente dentro das células dos carrapatos. No Brasil, o carrapato mais comum e também o que mais comumente é vetor desta infecção é do tipo Amblyomma cajennense. Estes carrapatos também conhecidos como “carrapato-estrela”.
Febre MaculosaCONTÁGIOO carrapato infectado pica o hospedeiro e através de sua regurgitação inocula a bactéria na corrente sanguínea do animal ou, mais raramente, em feridas abertas. No homem, isso não é comum porque para que haja a infecção o carrapato tem que ficar aderido de 4 a 6 horas.
Febre MaculosaPROFILAXIA		Evitar o contato com animais domésticos e silvestres em regiões reconhecidamente de alta incidência da doença.Se necessitar andar em locais de vegetação alta, usar calça comprida e botas. Não esmagar o carrapato, já que a bactéria pode entrar em algum ferimento do homem	 Usar carrapaticida em animais domésticos com a frequencia recomendada
Febre MaculosaCOMPLICAÇÕES E SEQUELASA doença pode evoluir para cura espontânea em 3 semanas. Porém nas formas mais graves, as lesões de pele são mais hemorrágicas podendo até ocorrer áreas de necrose nos dedos, nas orelhas, no palato mole e nos genitais. Podem ser acompanhados de sangramento de gengivas, no nariz, vômitos e tosse seca intensa.
EsquistosomosseO QUE É		É uma infecção causada por verme parasita que ataca milhões de brasileiros, os quais entram em lagoas os rios infectados pelas larvas do Shistosoma mansoni, vermeque se utiliza do caramujo como hospedeiro intermediário.
trabalho de bio   doenças completo parte 2
EsquistosomosseSINTOMASA esquistosomosse apresenta sintomas que consistem, basicamente, no acúmulo de líquidos no abdômen e inchaço no fígado.
EsquistosomosseORGANISMO CAUSADOR		O Shistosoma mansoni apresentam em média 1 cm de comprimento. O macho apresenta a região anterior curta e cilíndrica e a posterior achatada, geralmente enrolada, já a fêmea é mais delgada e longa. Ambos apresentam duas ventosas, que serve de fixação no interior dos vasos sanguíneos do hospedeiro Ele vive em valas, canais de irrigação, tanques, represas, água estagnada com vegetação, margens de rios e lagoas, evitando as correntezas.
EsquistosomosseCONTÁGIO		Os ovos do Shistosoma mansoni são eliminados pelas fezes do hospedeiro infectado (homem). Na água, eclodem, liberando uma larva ciliada denominada miracídio, que infecta o caramujo. Após 4 a 6 semanas, abandonam o caramujo, na forma de cercária, ficando livres nas águas naturais. O contato humano com águas infectadas pelas cercárias é a maneira pela qual o indivíduo adquire a esquistossomose.
EsquistosomossePROFILAXIA		Saneamento básico com esgotos e água tratadas. Erradicação dos caramujos que são hospedeiros intermediários da doença. Proteção dos pés e pernas com botas de borracha com solado antiderrapante.
Disenteria BacterianaO QUE ÉDisenteria Bacteriana é uma infecção causada por uma bactéria do gênero Shiguella que ocorre principalmente em países pouco desenvolvidos, uma vez que a transmissão é combatida de forma eficaz pelas medidas básicas de higiene.
trabalho de bio   doenças completo parte 2
Disenteria BacterianaSINTOMAS		O principal sintoma da Disenteria é a diarréia e além disso febre, mal estar e desconforto abdominal estão geralmente associados, além de episódios de vômitos
Disenteria BacterianaORGANISMO CAUSADOR		As Shigella são bacilos não-móveis Gram-negativos anaérobios facultativos, pertencentes à familia Enterobacteriaceae. Há várias espécies que podem causar disenteria, como S.dysenteriae, S.flexneri, S.boydii e S.sonnei.	Ao contrário de outros patogénios	 intestinais, as Shigella são altamente 	invasivas. As Shigella produzem	 a shiga-toxina que destroem os	 ribossomas das células humanas, 	impedindo a síntese protéica e matando a célula.
Disenteria BacterianaCONTÁGIO		Os microorganismos que causam disenteria são disseminados por mãos, alimentos e águas contaminados com fezes ou resíduos fecais. O curioso é que a contaminação através das mãos contaminadas é muito eficiente e apenas um pequeno número de bactérias já podem causar a disenteria;
Disenteria BacterianaPROFILAXIA		Ingerir somente água tratada, fazer higiene pessoal e dos alimentos.
Disenteria BacterianaCOMPLICAÇÕES E SEQUELAS		Os sintomas podem surgir em tempo variável, mas geralmente não ultrapassam uma semana após o contato.     Em razão da perda excessiva de água e sais minerais, o indivíduo pode ter desidratação e ir a óbito caso não seja tratado.
Pneumonia BacterianaO QUE ÉA pneumonia bacteriana é uma infecção dos pulmões causada por alguns tipos de bactérias como Streptococcus pneumoniae e Staphylococcus aureus.
Pneumonia BacterianaSINTOMAS 		A pneumonia bacteriana clássica inicia abruptamente, com febre, calafrios, dor no tórax e tosse com expectoração (catarro) amarelada ou esverdeada que pode ter um pouco de sangue misturado à secreção. A tosse pode ser seca no início.		A respiração pode ficar mais curta e dolorosa, a pessoa pode ter falta de ar e em torno dos lábios a coloração da pele pode ficar azulada, nos casos mais graves.
Pneumonia BacterianaORGANISMO CAUSADORStreptococcus pneumoniae ou informalmente Pneumococo é uma espécie de bactérias Gram-positivas, pertencentes ao gênero Streptococcus, com forma de cocos que são uma das principais causas de pneumonia e meningite em adultos, e causam outras doenças no ser humano.
Pneumonia BacterianaCONTÁGIOGeralmente uma bactéria entra aos pulmões por inalação, ainda que pode chegar por via sanguínea tendo entrado à circulação por uma infecção em outra parte do corpo.
Pneumonia BacterianaPROFILAXIAExiste uma vacina que imuniza ao recém nascido e adultos na contramão de infecções por neumococo. A vacina é recomendada para lactantes, menores de 2 anos e para adultos maiores de 65 anos. No geral, esta é uma vacina conjugada com vários serotipos do organismo e se produz dependendo das cepas mais frequentes da cada país.
Pneumonia BacterianaCOMPLICAÇÕES E SEQUELAS		A pneumonia bacteriana pode estar associada à complicações importantes, mais do que ocorre com pneumonias de outras etiologias.
FontesSites:http://www.santalucia.com.br/infectologia/botulismo/default.htmhttp://www.brasilescola.com/doencas/botulismo.htm http://www.todabiologia.com/doencas/giardiase.htmhttp://www.abcdasaude.com.br/artigo.php?216http://www.aids.gov.br/data/Pages/LUMIS41C28ECDPTBRIE.htmhttp://www.dermatologia.net/novo/base/doencas/herpeslabial.shtml
FontesSites:http://www.cives.ufrj.br/informacao/hepatite/hepA-iv.htmlhttp://www.abcdasaude.com.br/artigo.php?229 www.abcdasaude.com.br/artigo.php?610 ftp://ftp.cve.saude.sp.gov.br/doc_tec/ZOO/INF_MACULOSA.pdf
FontesLivros:Apostila de Microbiologia e Parasitologia – Dep. De Enfermagem – CTC 2009Apostila de Enfermagem em Saúde do adulto: situações clinicas – Dep. De Enfermagem – CTC 2010

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

DOENÇA DE CHAGAS
DOENÇA DE CHAGAS DOENÇA DE CHAGAS
DOENÇA DE CHAGAS
Sandra Tomaz
 
Aula de enterobius vermicularis
Aula de  enterobius vermicularisAula de  enterobius vermicularis
Aula de enterobius vermicularis
Rossana Martins
 
Toxoplasmose
ToxoplasmoseToxoplasmose
Toxoplasmose
Maria Eliane Santos
 
Helmintos - Enfermegem
Helmintos - EnfermegemHelmintos - Enfermegem
Helmintos - Enfermegem
João Paulo Viana
 
Aula 6 Teniase E Cisticercose
Aula 6   Teniase E CisticercoseAula 6   Teniase E Cisticercose
Aula 6 Teniase E Cisticercose
ITPAC PORTO
 
Ascaris lumbricoides
Ascaris lumbricoidesAscaris lumbricoides
Ascaris lumbricoides
Nathália Vasconcelos
 
Parasitologia - Balantidium coli
Parasitologia - Balantidium coliParasitologia - Balantidium coli
Parasitologia - Balantidium coli
pHrOzEn HeLL
 
Ancilostomose 2º ano C
Ancilostomose 2º ano CAncilostomose 2º ano C
Ancilostomose 2º ano C
Bruno Maryano
 
Apresentação catapora
Apresentação cataporaApresentação catapora
Apresentação catapora
Laboratório Sérgio Franco
 
Parasitologia - Giardia lamblia
Parasitologia - Giardia lambliaParasitologia - Giardia lamblia
Parasitologia - Giardia lamblia
pHrOzEn HeLL
 
Doenças causadas por bacterias
Doenças  causadas por bacteriasDoenças  causadas por bacterias
Doenças causadas por bacterias
Adrianne Mendonça
 
Toxoplasmose
ToxoplasmoseToxoplasmose
Toxoplasmose
Priscyla Karla
 
Esquistossomose
EsquistossomoseEsquistossomose
Esquistossomose
naiellyrodrigues
 
Ascaridíase - Lombriga - Ascaris Lumbricoides
Ascaridíase - Lombriga - Ascaris LumbricoidesAscaridíase - Lombriga - Ascaris Lumbricoides
Ascaridíase - Lombriga - Ascaris Lumbricoides
Fernanda Gomes
 
Dengue, Zica E cHIKUNGUNYA
Dengue, Zica E cHIKUNGUNYADengue, Zica E cHIKUNGUNYA
Dengue, Zica E cHIKUNGUNYA
Nicole Gouveia
 
Ascaridíase
AscaridíaseAscaridíase
Ascaridíase
3a2011
 
Doença de chagas
Doença de chagasDoença de chagas
Doença de chagas
resenfe2013
 
Trabalho de chagas. power point
Trabalho de chagas. power pointTrabalho de chagas. power point
Trabalho de chagas. power point
Geovanna Borges
 
Giardia lamblia
Giardia lambliaGiardia lamblia
Giardia lamblia
Cleber Lima
 
Aula de Parasitologia Médica sobre os Platelmintos
Aula de Parasitologia Médica sobre os Platelmintos Aula de Parasitologia Médica sobre os Platelmintos
Aula de Parasitologia Médica sobre os Platelmintos
Jaqueline Almeida
 

Mais procurados (20)

DOENÇA DE CHAGAS
DOENÇA DE CHAGAS DOENÇA DE CHAGAS
DOENÇA DE CHAGAS
 
Aula de enterobius vermicularis
Aula de  enterobius vermicularisAula de  enterobius vermicularis
Aula de enterobius vermicularis
 
Toxoplasmose
ToxoplasmoseToxoplasmose
Toxoplasmose
 
Helmintos - Enfermegem
Helmintos - EnfermegemHelmintos - Enfermegem
Helmintos - Enfermegem
 
Aula 6 Teniase E Cisticercose
Aula 6   Teniase E CisticercoseAula 6   Teniase E Cisticercose
Aula 6 Teniase E Cisticercose
 
Ascaris lumbricoides
Ascaris lumbricoidesAscaris lumbricoides
Ascaris lumbricoides
 
Parasitologia - Balantidium coli
Parasitologia - Balantidium coliParasitologia - Balantidium coli
Parasitologia - Balantidium coli
 
Ancilostomose 2º ano C
Ancilostomose 2º ano CAncilostomose 2º ano C
Ancilostomose 2º ano C
 
Apresentação catapora
Apresentação cataporaApresentação catapora
Apresentação catapora
 
Parasitologia - Giardia lamblia
Parasitologia - Giardia lambliaParasitologia - Giardia lamblia
Parasitologia - Giardia lamblia
 
Doenças causadas por bacterias
Doenças  causadas por bacteriasDoenças  causadas por bacterias
Doenças causadas por bacterias
 
Toxoplasmose
ToxoplasmoseToxoplasmose
Toxoplasmose
 
Esquistossomose
EsquistossomoseEsquistossomose
Esquistossomose
 
Ascaridíase - Lombriga - Ascaris Lumbricoides
Ascaridíase - Lombriga - Ascaris LumbricoidesAscaridíase - Lombriga - Ascaris Lumbricoides
Ascaridíase - Lombriga - Ascaris Lumbricoides
 
Dengue, Zica E cHIKUNGUNYA
Dengue, Zica E cHIKUNGUNYADengue, Zica E cHIKUNGUNYA
Dengue, Zica E cHIKUNGUNYA
 
Ascaridíase
AscaridíaseAscaridíase
Ascaridíase
 
Doença de chagas
Doença de chagasDoença de chagas
Doença de chagas
 
Trabalho de chagas. power point
Trabalho de chagas. power pointTrabalho de chagas. power point
Trabalho de chagas. power point
 
Giardia lamblia
Giardia lambliaGiardia lamblia
Giardia lamblia
 
Aula de Parasitologia Médica sobre os Platelmintos
Aula de Parasitologia Médica sobre os Platelmintos Aula de Parasitologia Médica sobre os Platelmintos
Aula de Parasitologia Médica sobre os Platelmintos
 

Destaque

Experiencias do diagnostico da fmb fund. ezequiel dias
Experiencias do diagnostico da fmb fund. ezequiel diasExperiencias do diagnostico da fmb fund. ezequiel dias
Experiencias do diagnostico da fmb fund. ezequiel dias
UFRRJ
 
Desafios e perspectivas no diagnóstico laboaratorial das rickettsioses
Desafios e perspectivas no diagnóstico laboaratorial das rickettsiosesDesafios e perspectivas no diagnóstico laboaratorial das rickettsioses
Desafios e perspectivas no diagnóstico laboaratorial das rickettsioses
UFRRJ
 
Vigilância epidemiológica de febre maculosa em sc
Vigilância epidemiológica de febre maculosa em scVigilância epidemiológica de febre maculosa em sc
Vigilância epidemiológica de febre maculosa em sc
UFRRJ
 
Experiências dos serviços de vigilância e controle da febre maculosa brasileira
Experiências dos serviços de vigilância e controle da febre maculosa brasileiraExperiências dos serviços de vigilância e controle da febre maculosa brasileira
Experiências dos serviços de vigilância e controle da febre maculosa brasileira
UFRRJ
 
Doenças transmitidas por carrapatos experiência df
Doenças transmitidas por carrapatos   experiência dfDoenças transmitidas por carrapatos   experiência df
Doenças transmitidas por carrapatos experiência df
UFRRJ
 
Doenças transmitidas por carrapatos
Doenças transmitidas por carrapatosDoenças transmitidas por carrapatos
Doenças transmitidas por carrapatos
UFRRJ
 
Equídeos e seus hibridos
Equídeos e seus hibridosEquídeos e seus hibridos
Equídeos e seus hibridos
João Felix
 
História do TIFO
História do TIFOHistória do TIFO
História do TIFO
Mariana Freire
 
Febre Maculosa
Febre MaculosaFebre Maculosa
Febre Maculosa
ecsette
 
Tratamiento de la Disentería
Tratamiento de la DisenteríaTratamiento de la Disentería
Tratamiento de la Disentería
ssucbba
 
9 Sx Diarreico y Disenterico
9 Sx Diarreico y Disenterico9 Sx Diarreico y Disenterico
9 Sx Diarreico y Disenterico
Mel PMurphy
 
Disentería
Disentería Disentería
Disentería
Carlos F Cruz
 
Disenteria
DisenteriaDisenteria
Disentería
DisenteríaDisentería
Disentería
zloko18
 
Carrapatos - Parasitologia
Carrapatos - ParasitologiaCarrapatos - Parasitologia
Carrapatos - Parasitologia
Janaina Alves
 

Destaque (15)

Experiencias do diagnostico da fmb fund. ezequiel dias
Experiencias do diagnostico da fmb fund. ezequiel diasExperiencias do diagnostico da fmb fund. ezequiel dias
Experiencias do diagnostico da fmb fund. ezequiel dias
 
Desafios e perspectivas no diagnóstico laboaratorial das rickettsioses
Desafios e perspectivas no diagnóstico laboaratorial das rickettsiosesDesafios e perspectivas no diagnóstico laboaratorial das rickettsioses
Desafios e perspectivas no diagnóstico laboaratorial das rickettsioses
 
Vigilância epidemiológica de febre maculosa em sc
Vigilância epidemiológica de febre maculosa em scVigilância epidemiológica de febre maculosa em sc
Vigilância epidemiológica de febre maculosa em sc
 
Experiências dos serviços de vigilância e controle da febre maculosa brasileira
Experiências dos serviços de vigilância e controle da febre maculosa brasileiraExperiências dos serviços de vigilância e controle da febre maculosa brasileira
Experiências dos serviços de vigilância e controle da febre maculosa brasileira
 
Doenças transmitidas por carrapatos experiência df
Doenças transmitidas por carrapatos   experiência dfDoenças transmitidas por carrapatos   experiência df
Doenças transmitidas por carrapatos experiência df
 
Doenças transmitidas por carrapatos
Doenças transmitidas por carrapatosDoenças transmitidas por carrapatos
Doenças transmitidas por carrapatos
 
Equídeos e seus hibridos
Equídeos e seus hibridosEquídeos e seus hibridos
Equídeos e seus hibridos
 
História do TIFO
História do TIFOHistória do TIFO
História do TIFO
 
Febre Maculosa
Febre MaculosaFebre Maculosa
Febre Maculosa
 
Tratamiento de la Disentería
Tratamiento de la DisenteríaTratamiento de la Disentería
Tratamiento de la Disentería
 
9 Sx Diarreico y Disenterico
9 Sx Diarreico y Disenterico9 Sx Diarreico y Disenterico
9 Sx Diarreico y Disenterico
 
Disentería
Disentería Disentería
Disentería
 
Disenteria
DisenteriaDisenteria
Disenteria
 
Disentería
DisenteríaDisentería
Disentería
 
Carrapatos - Parasitologia
Carrapatos - ParasitologiaCarrapatos - Parasitologia
Carrapatos - Parasitologia
 

Semelhante a trabalho de bio doenças completo parte 2

Reino monera bactérias patogênicas prof Ivanise Meyer
Reino monera bactérias patogênicas prof Ivanise MeyerReino monera bactérias patogênicas prof Ivanise Meyer
Reino monera bactérias patogênicas prof Ivanise Meyer
Ivanise Meyer
 
Doenças
DoençasDoenças
Doenças
eld09
 
Bactérias patogênicas
Bactérias patogênicasBactérias patogênicas
Bactérias patogênicas
floripa-lucas
 
Enfermidades
EnfermidadesEnfermidades
Doenças Causadas Por Bactérias
Doenças Causadas Por BactériasDoenças Causadas Por Bactérias
Doenças Causadas Por Bactérias
Simone Miranda
 
trabalho de bio doenças completo parte 1
trabalho de bio   doenças completo parte 1trabalho de bio   doenças completo parte 1
trabalho de bio doenças completo parte 1
eld09
 
Doenças transmitidas pela falta de tratamento da água.pptx
Doenças transmitidas pela falta de tratamento da água.pptxDoenças transmitidas pela falta de tratamento da água.pptx
Doenças transmitidas pela falta de tratamento da água.pptx
RaquelOlimpio1
 
Doenças transmitidas pela falta de tratamento da água.pptx
Doenças transmitidas pela falta de tratamento da água.pptxDoenças transmitidas pela falta de tratamento da água.pptx
Doenças transmitidas pela falta de tratamento da água.pptx
RaquelOlimpio1
 
Doenças causadas por bactérias
Doenças causadas por bactériasDoenças causadas por bactérias
Doenças causadas por bactérias
Rafael Serafim
 
Biologia A, Profª Lara, 1ª Série - EM | Infecções bacterianas
Biologia A, Profª Lara, 1ª Série - EM | Infecções bacterianasBiologia A, Profª Lara, 1ª Série - EM | Infecções bacterianas
Biologia A, Profª Lara, 1ª Série - EM | Infecções bacterianas
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Doenças causadas por Bactérias
Doenças causadas por BactériasDoenças causadas por Bactérias
Doenças causadas por Bactérias
Rafael Serafim
 
SLIDES 12 e 14 BACTERIOSES antibioticos.pptx
SLIDES 12 e 14  BACTERIOSES  antibioticos.pptxSLIDES 12 e 14  BACTERIOSES  antibioticos.pptx
SLIDES 12 e 14 BACTERIOSES antibioticos.pptx
Luiz BORGES
 
Trabalho de Biologia
Trabalho de BiologiaTrabalho de Biologia
Trabalho de Biologia
2° Ta - cotuca
 
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Bacterioses
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre BacteriosesSlides da aula de Biologia (Renato) sobre Bacterioses
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Bacterioses
Turma Olímpica
 
Microbiologia - Parte 3 (2).pdf
Microbiologia - Parte 3 (2).pdfMicrobiologia - Parte 3 (2).pdf
Microbiologia - Parte 3 (2).pdf
TawaneBalsanuff
 
Prevencao de doenças
Prevencao de doençasPrevencao de doenças
Prevencao de doenças
pdprevencao
 
Feira da cultura
Feira da culturaFeira da cultura
Doenças-Biologia-COTUCA
Doenças-Biologia-COTUCADoenças-Biologia-COTUCA
Doenças-Biologia-COTUCA
eld09
 
Ii unidade aula 1
Ii unidade   aula 1Ii unidade   aula 1
Ii unidade aula 1
miriam torres
 
Trab de biologia
Trab de biologiaTrab de biologia
Trab de biologia
2° Ta - cotuca
 

Semelhante a trabalho de bio doenças completo parte 2 (20)

Reino monera bactérias patogênicas prof Ivanise Meyer
Reino monera bactérias patogênicas prof Ivanise MeyerReino monera bactérias patogênicas prof Ivanise Meyer
Reino monera bactérias patogênicas prof Ivanise Meyer
 
Doenças
DoençasDoenças
Doenças
 
Bactérias patogênicas
Bactérias patogênicasBactérias patogênicas
Bactérias patogênicas
 
Enfermidades
EnfermidadesEnfermidades
Enfermidades
 
Doenças Causadas Por Bactérias
Doenças Causadas Por BactériasDoenças Causadas Por Bactérias
Doenças Causadas Por Bactérias
 
trabalho de bio doenças completo parte 1
trabalho de bio   doenças completo parte 1trabalho de bio   doenças completo parte 1
trabalho de bio doenças completo parte 1
 
Doenças transmitidas pela falta de tratamento da água.pptx
Doenças transmitidas pela falta de tratamento da água.pptxDoenças transmitidas pela falta de tratamento da água.pptx
Doenças transmitidas pela falta de tratamento da água.pptx
 
Doenças transmitidas pela falta de tratamento da água.pptx
Doenças transmitidas pela falta de tratamento da água.pptxDoenças transmitidas pela falta de tratamento da água.pptx
Doenças transmitidas pela falta de tratamento da água.pptx
 
Doenças causadas por bactérias
Doenças causadas por bactériasDoenças causadas por bactérias
Doenças causadas por bactérias
 
Biologia A, Profª Lara, 1ª Série - EM | Infecções bacterianas
Biologia A, Profª Lara, 1ª Série - EM | Infecções bacterianasBiologia A, Profª Lara, 1ª Série - EM | Infecções bacterianas
Biologia A, Profª Lara, 1ª Série - EM | Infecções bacterianas
 
Doenças causadas por Bactérias
Doenças causadas por BactériasDoenças causadas por Bactérias
Doenças causadas por Bactérias
 
SLIDES 12 e 14 BACTERIOSES antibioticos.pptx
SLIDES 12 e 14  BACTERIOSES  antibioticos.pptxSLIDES 12 e 14  BACTERIOSES  antibioticos.pptx
SLIDES 12 e 14 BACTERIOSES antibioticos.pptx
 
Trabalho de Biologia
Trabalho de BiologiaTrabalho de Biologia
Trabalho de Biologia
 
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Bacterioses
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre BacteriosesSlides da aula de Biologia (Renato) sobre Bacterioses
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Bacterioses
 
Microbiologia - Parte 3 (2).pdf
Microbiologia - Parte 3 (2).pdfMicrobiologia - Parte 3 (2).pdf
Microbiologia - Parte 3 (2).pdf
 
Prevencao de doenças
Prevencao de doençasPrevencao de doenças
Prevencao de doenças
 
Feira da cultura
Feira da culturaFeira da cultura
Feira da cultura
 
Doenças-Biologia-COTUCA
Doenças-Biologia-COTUCADoenças-Biologia-COTUCA
Doenças-Biologia-COTUCA
 
Ii unidade aula 1
Ii unidade   aula 1Ii unidade   aula 1
Ii unidade aula 1
 
Trab de biologia
Trab de biologiaTrab de biologia
Trab de biologia
 

Mais de eld09

Reino metaphyta
Reino metaphytaReino metaphyta
Reino metaphyta
eld09
 
Trabalho biologia - reino vegetal
Trabalho   biologia - reino vegetalTrabalho   biologia - reino vegetal
Trabalho biologia - reino vegetal
eld09
 
Botânica
Botânica Botânica
Botânica
eld09
 
Botânica
BotânicaBotânica
Botânica
eld09
 
Trabalho - Reino Metaphyta
Trabalho - Reino MetaphytaTrabalho - Reino Metaphyta
Trabalho - Reino Metaphyta
eld09
 
Trabalho de biologia
Trabalho de biologia   Trabalho de biologia
Trabalho de biologia
eld09
 
Trab Bio Doenças-Cotuca
Trab Bio Doenças-CotucaTrab Bio Doenças-Cotuca
Trab Bio Doenças-Cotuca
eld09
 

Mais de eld09 (7)

Reino metaphyta
Reino metaphytaReino metaphyta
Reino metaphyta
 
Trabalho biologia - reino vegetal
Trabalho   biologia - reino vegetalTrabalho   biologia - reino vegetal
Trabalho biologia - reino vegetal
 
Botânica
Botânica Botânica
Botânica
 
Botânica
BotânicaBotânica
Botânica
 
Trabalho - Reino Metaphyta
Trabalho - Reino MetaphytaTrabalho - Reino Metaphyta
Trabalho - Reino Metaphyta
 
Trabalho de biologia
Trabalho de biologia   Trabalho de biologia
Trabalho de biologia
 
Trab Bio Doenças-Cotuca
Trab Bio Doenças-CotucaTrab Bio Doenças-Cotuca
Trab Bio Doenças-Cotuca
 

trabalho de bio doenças completo parte 2

  • 1. Colégio Técnico de CampinasProf. Ionara Moura - BiologiaDOENÇASBactérias,Vírus e Protozoários2º Eletro-Eletrônica DiurnoFelipe Batista 09048 Guilherme Elias 09051 João Marcus 09053 José Olegário 09054 Leonardo Bedin 09057 Leonardo Carvalho 09737 Thiago Lugli 09075 Vitor Dall’Acqua 09078
  • 2. Índice GeralBotulismo ( Clostridium botulinum) 3Giardíase ( Giardia lamblia ) 10Herpes ( HSV-1 ; HSV-2 ) 16 Hepatite ( HAV, HBV, HCV ) 22Febre Maculosa (Rickettsia rickettsii ) 28Esquistossomose ( Schistosoma mansoni ) 35Disenteria Bacteriana ( bactérias do gênero Shiguella ) 41Pneumonia Bacteriana ( Streptococcus pneumoniae ) 48
  • 3. Febre MaculosaO QUE É A Febre Maculosaé uma doença febril aguda, de gravidade variável, causada por uma bactéria transmitida por carrapatos. Essa doença provém de uma bactéria chamada Ricketsia rickettsii.
  • 5. Febre MaculosaSINTOMAS A pessoa infectada pode desenvolver sintomas de 2 a 14 dias após a picada. Estes sintomas podem ser muito fracos, o que dificulta o diagnóstico. Nas pessoas que desenvolveram o quadro mais característico pode apresentar febre moderada a alta que pode durar de 2 a 3 semanas, dor de cabeça, calafrios e edema dos olhos e conjuntivas.
  • 6. Febre MaculosaORGANISMO CAUSADOR A Rickettsia é uma bactéria que sobrevive basicamente dentro das células dos carrapatos. No Brasil, o carrapato mais comum e também o que mais comumente é vetor desta infecção é do tipo Amblyomma cajennense. Estes carrapatos também conhecidos como “carrapato-estrela”.
  • 7. Febre MaculosaCONTÁGIOO carrapato infectado pica o hospedeiro e através de sua regurgitação inocula a bactéria na corrente sanguínea do animal ou, mais raramente, em feridas abertas. No homem, isso não é comum porque para que haja a infecção o carrapato tem que ficar aderido de 4 a 6 horas.
  • 8. Febre MaculosaPROFILAXIA Evitar o contato com animais domésticos e silvestres em regiões reconhecidamente de alta incidência da doença.Se necessitar andar em locais de vegetação alta, usar calça comprida e botas. Não esmagar o carrapato, já que a bactéria pode entrar em algum ferimento do homem Usar carrapaticida em animais domésticos com a frequencia recomendada
  • 9. Febre MaculosaCOMPLICAÇÕES E SEQUELASA doença pode evoluir para cura espontânea em 3 semanas. Porém nas formas mais graves, as lesões de pele são mais hemorrágicas podendo até ocorrer áreas de necrose nos dedos, nas orelhas, no palato mole e nos genitais. Podem ser acompanhados de sangramento de gengivas, no nariz, vômitos e tosse seca intensa.
  • 10. EsquistosomosseO QUE É É uma infecção causada por verme parasita que ataca milhões de brasileiros, os quais entram em lagoas os rios infectados pelas larvas do Shistosoma mansoni, vermeque se utiliza do caramujo como hospedeiro intermediário.
  • 12. EsquistosomosseSINTOMASA esquistosomosse apresenta sintomas que consistem, basicamente, no acúmulo de líquidos no abdômen e inchaço no fígado.
  • 13. EsquistosomosseORGANISMO CAUSADOR O Shistosoma mansoni apresentam em média 1 cm de comprimento. O macho apresenta a região anterior curta e cilíndrica e a posterior achatada, geralmente enrolada, já a fêmea é mais delgada e longa. Ambos apresentam duas ventosas, que serve de fixação no interior dos vasos sanguíneos do hospedeiro Ele vive em valas, canais de irrigação, tanques, represas, água estagnada com vegetação, margens de rios e lagoas, evitando as correntezas.
  • 14. EsquistosomosseCONTÁGIO Os ovos do Shistosoma mansoni são eliminados pelas fezes do hospedeiro infectado (homem). Na água, eclodem, liberando uma larva ciliada denominada miracídio, que infecta o caramujo. Após 4 a 6 semanas, abandonam o caramujo, na forma de cercária, ficando livres nas águas naturais. O contato humano com águas infectadas pelas cercárias é a maneira pela qual o indivíduo adquire a esquistossomose.
  • 15. EsquistosomossePROFILAXIA Saneamento básico com esgotos e água tratadas. Erradicação dos caramujos que são hospedeiros intermediários da doença. Proteção dos pés e pernas com botas de borracha com solado antiderrapante.
  • 16. Disenteria BacterianaO QUE ÉDisenteria Bacteriana é uma infecção causada por uma bactéria do gênero Shiguella que ocorre principalmente em países pouco desenvolvidos, uma vez que a transmissão é combatida de forma eficaz pelas medidas básicas de higiene.
  • 18. Disenteria BacterianaSINTOMAS O principal sintoma da Disenteria é a diarréia e além disso febre, mal estar e desconforto abdominal estão geralmente associados, além de episódios de vômitos
  • 19. Disenteria BacterianaORGANISMO CAUSADOR As Shigella são bacilos não-móveis Gram-negativos anaérobios facultativos, pertencentes à familia Enterobacteriaceae. Há várias espécies que podem causar disenteria, como S.dysenteriae, S.flexneri, S.boydii e S.sonnei. Ao contrário de outros patogénios intestinais, as Shigella são altamente invasivas. As Shigella produzem a shiga-toxina que destroem os ribossomas das células humanas, impedindo a síntese protéica e matando a célula.
  • 20. Disenteria BacterianaCONTÁGIO Os microorganismos que causam disenteria são disseminados por mãos, alimentos e águas contaminados com fezes ou resíduos fecais. O curioso é que a contaminação através das mãos contaminadas é muito eficiente e apenas um pequeno número de bactérias já podem causar a disenteria;
  • 21. Disenteria BacterianaPROFILAXIA Ingerir somente água tratada, fazer higiene pessoal e dos alimentos.
  • 22. Disenteria BacterianaCOMPLICAÇÕES E SEQUELAS Os sintomas podem surgir em tempo variável, mas geralmente não ultrapassam uma semana após o contato. Em razão da perda excessiva de água e sais minerais, o indivíduo pode ter desidratação e ir a óbito caso não seja tratado.
  • 23. Pneumonia BacterianaO QUE ÉA pneumonia bacteriana é uma infecção dos pulmões causada por alguns tipos de bactérias como Streptococcus pneumoniae e Staphylococcus aureus.
  • 24. Pneumonia BacterianaSINTOMAS A pneumonia bacteriana clássica inicia abruptamente, com febre, calafrios, dor no tórax e tosse com expectoração (catarro) amarelada ou esverdeada que pode ter um pouco de sangue misturado à secreção. A tosse pode ser seca no início. A respiração pode ficar mais curta e dolorosa, a pessoa pode ter falta de ar e em torno dos lábios a coloração da pele pode ficar azulada, nos casos mais graves.
  • 25. Pneumonia BacterianaORGANISMO CAUSADORStreptococcus pneumoniae ou informalmente Pneumococo é uma espécie de bactérias Gram-positivas, pertencentes ao gênero Streptococcus, com forma de cocos que são uma das principais causas de pneumonia e meningite em adultos, e causam outras doenças no ser humano.
  • 26. Pneumonia BacterianaCONTÁGIOGeralmente uma bactéria entra aos pulmões por inalação, ainda que pode chegar por via sanguínea tendo entrado à circulação por uma infecção em outra parte do corpo.
  • 27. Pneumonia BacterianaPROFILAXIAExiste uma vacina que imuniza ao recém nascido e adultos na contramão de infecções por neumococo. A vacina é recomendada para lactantes, menores de 2 anos e para adultos maiores de 65 anos. No geral, esta é uma vacina conjugada com vários serotipos do organismo e se produz dependendo das cepas mais frequentes da cada país.
  • 28. Pneumonia BacterianaCOMPLICAÇÕES E SEQUELAS A pneumonia bacteriana pode estar associada à complicações importantes, mais do que ocorre com pneumonias de outras etiologias.
  • 31. FontesLivros:Apostila de Microbiologia e Parasitologia – Dep. De Enfermagem – CTC 2009Apostila de Enfermagem em Saúde do adulto: situações clinicas – Dep. De Enfermagem – CTC 2010