SlideShare uma empresa Scribd logo
TRABALHO COLABORATIVO
AUTORAL - DIVERSIDADE
• Alunos:
• Nicolle Mikaela Silva
• Stephanie Santana Santos
• Camila Moura
• Fernanda Batista
• Isabela Felix
• Ligia Castilho
• Ana Cláudia S. dos Santos Wanderley
• PROFª ORIENTADORA – FRANCELY MARTINS
(PORTUGUÊS)
• EMEF Gal. EUCLYDES DE OLIVEIRA FIGUEIREDO
•Rodrigo Luiz Camargo
•Anna Larissa do Vale
•Luana Carolina Cavalcante
•Jennifer Santos da Silva
•Thais Costa de Oliveira
•Isabele Lira
Dentro do tema Diversidade escolhemos tratar do assunto inclusão
das pessoas com necessidades especiais, que é muito importante, pois é
algo que vivemos no nosso dia a dia, seja convivendo com colegas
especiais na escola, com membros da família de alguns de nós, ou também
com pessoas conhecidas.
Com este trabalho queremos chamar a atenção de todos para a
necessidade de mudar o cotidiano de muitas pessoas que sofrem de
síndromes, autismos ou são cadeirantes. Essas pessoas são como nós, só
que com algo especial, por isso não se justifica o fato de muita gente tratá-
los como anormais, com preconceito ou discriminação, sendo que todos
deveriam proporcionar às pessoas especiais uma inclusão da melhor
forma possível.
Queremos também fazer uma boa ação e fazer com que outras
pessoas nos ajudem a fazer um mundo melhor, sem preconceito e, com
isso, podermos ajudar as pessoas com necessidades especiais na questão
da luta pela acessibilidade e também na melhoria da autoestima.
Por isso fizemos este trabalho para que todos conheçam mais sobre
as síndromes de down, kabuki, autismo e cadeirantes, que dentre muitos
outros assuntos foram escolhidos por nós para tratarmos aqui, conforme
segue o trabalho.
FILME- MEU FILHO É DOWN E
AGORA?
• Síndrome de Down ou trissomia 21 é um distúrbio genético causado
pela presença de um cromossomo 21 extra, total ou parcial.
• Recebe essa homenagem a John Langdon Down, medico britânico que
descreveu a síndrome em 1862.
• A sua causa genética foi descoberta em 1958 pelo professor Jérôme
Leguem, que descobriu uma cópia extra do cromossomo 21. É o
distúrbio genético mais comum, estimado em um a casa 100
nascimentos.
• A síndrome é caracterizada por uma combinação de diferenças
maiores e menores na estrutura corporal.
• Geralmente a síndrome de down está associada a algumas
dificuldades de habilidade cognitiva e desenvolvimento físico, assim
como aparência facial. Ela é geralmente identificada no nascimento.
Pessoas com síndrome de Down podem ter uma habilidade cognitiva
abaixo da média, geralmente variando de retardo mental leve a
moderado.
Síndrome de downSíndrome de down
CaraCterístiCas da síndrome de downCaraCterístiCas da síndrome de down
Olhos amendoados;
Uma praga palmar transversal única;
Dedos curtinhos;
Fissuras palpebrais oblíquas;
Ponte nasal achatada
Língua pontua;
Pescoço curto;
Pontos brancos na íris;
Flexibilidade excessiva nas articulações;
Defeitos cardíacos congênitos;
Espaço excessivo entre o hálux e o segundo dedo do pé;
Bocas alongadas;
Orelha abaixo dos olhos;
Precisam de explicações simples para aprender.
• SÍNDROME DE DONW NÃO É DOENÇA!
• A síndrome de Down ocorre quando, ao invés da pessoa nascer com duas cópias do cromossomo
21, ela nasce com 3 cópias. Isso é uma ocorrência genética e não uma doença. Por isso, não é
correto dizer que a síndrome de Down é uma doença ou que uma pessoa que tem síndrome de
Down é doente.
• PESSOAS COM SÍNDROME DE DOWN TÊM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL
• Deficiência intelectual não é o mesmo que deficiência mental. Por isso, não é apropriado usar o
termo “deficiência mental” para se referir às pessoas com síndrome de Down. Deficiência mental é
um comprometimento de ordem psicológica.
• PESSOAS COM SÍNDROME DE DOWN TÊM OPINIÃO
• As pessoas com síndrome de Down estudam, trabalham e convivem com todos. Esses indivíduos
têm opinião e podem se expressar sobre assuntos que lhes dizem respeito. Em caso de entrevistas,
procure falar com as próprias pessoas com deficiência, não apenas com familiares, acompanhantes
ou especialistas.
• DIREITOS CONSTITUCIONAIS À INCLUSÃO E CIDADANIA
• A Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência foi aprovada no Brasil em 2008 como
norma constitucional. Ela diz que cabe ao Estado e a sociedade buscar formas de garantir os
direitos de todas as pessoas com deficiência em igualdade de condições com os demais.
•
• No Brasil, são mais de 270 mil pessoas com a síndrome de Down.
Curiosidades
O que é autismo ?
• O autismo é uma disfunção global do 
desenvolvimento. É uma alteração que afeta a 
capacidade de comunicação do indivíduo, de 
socialização (estabelecer relacionamentos) e de 
comportamento (responder apropriadamente ao 
ambiente — segundo as normas que regulam 
essas respostas). Esta desordem faz parte de um 
grupo de síndromes conhecidas como  transtorno 
global do desenvolvimento, embora também seja 
cunhado o termo transtorno do especto autista 
QUAIS SÃO SEUS SINTOMAS?
• Os principais sintomas são:
• - Isolamento do mundo exterior e recusa do contato com os outros. 
(Tanto no nível da voz quanto no do olhar).
• - Alterações da linguagem que podem ir desde uma ausência total da fala 
até uma verbiagem ininteligível. Em algumas ocasiões, repetição de 
fragmentos de frases retiradas de filmes ou que foram escutadas de 
alguém, estabelecendo verdadeiros solilóquios.
• - É uma fala que não se dirige a ninguém, que não é usada nem para 
comunicar nem para estabelecer um diálogo mínimo.
• - Ausência de interação com os outros.
• - Ausência de jogo simbólico.
• - Estereotipias
• - Rituais
• - Temor das mudanças e insistência em manter uma imobilidade naquilo 
que o rodeia.
Causas
• As causas são desconhecidas apesar das 
investigações e estudos feitos.
Parabéns a todos pelo belo 
trabalho!
TRABALHO COLABORATIVO AUTORAL DIVERSIDADE
TRABALHO COLABORATIVO AUTORAL DIVERSIDADE

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Sindrome De Downn
Sindrome De DownnSindrome De Downn
Sindrome De Downn
Mônica Barreto
 
Trissomia 21 - aspetos médicos, psicológicos e sociais
Trissomia 21 - aspetos médicos, psicológicos e sociaisTrissomia 21 - aspetos médicos, psicológicos e sociais
Trissomia 21 - aspetos médicos, psicológicos e sociais
joanadebarros
 
Síndrome de DOWN - guia de orientação e comunicação
Síndrome de DOWN - guia de orientação e comunicaçãoSíndrome de DOWN - guia de orientação e comunicação
Síndrome de DOWN - guia de orientação e comunicação
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Síndrome de down - Seminário de Biologia Celular e Molecular
Síndrome de down - Seminário de Biologia Celular e MolecularSíndrome de down - Seminário de Biologia Celular e Molecular
Síndrome de down - Seminário de Biologia Celular e Molecular
PHenrique23
 
sd-m2
sd-m2sd-m2
10 coisas que todo mundo deve saber sobre síndrome de down
10 coisas que todo mundo deve saber sobre síndrome de down10 coisas que todo mundo deve saber sobre síndrome de down
10 coisas que todo mundo deve saber sobre síndrome de down
Maria Eudes Melo
 
[c7s] Síndrome de Down
[c7s] Síndrome de Down[c7s] Síndrome de Down
[c7s] Síndrome de Down
7 de Setembro
 
Síndrome de Down
Síndrome de Down Síndrome de Down
Síndrome de Down
Bruno Djvan Ramos Barbosa
 
Diretrizes de atenção à pessoa com síndrome de Down
Diretrizes de atenção à pessoa com síndrome de DownDiretrizes de atenção à pessoa com síndrome de Down
Diretrizes de atenção à pessoa com síndrome de Down
Hevlyn Celso
 
Sindrome de-down everton
Sindrome de-down evertonSindrome de-down everton
Sindrome de-down everton
JOSÉ MONTEIRO LIMA
 
Hermi Down(2)
Hermi Down(2)Hermi Down(2)
Hermi Down(2)
lane
 

Mais procurados (11)

Sindrome De Downn
Sindrome De DownnSindrome De Downn
Sindrome De Downn
 
Trissomia 21 - aspetos médicos, psicológicos e sociais
Trissomia 21 - aspetos médicos, psicológicos e sociaisTrissomia 21 - aspetos médicos, psicológicos e sociais
Trissomia 21 - aspetos médicos, psicológicos e sociais
 
Síndrome de DOWN - guia de orientação e comunicação
Síndrome de DOWN - guia de orientação e comunicaçãoSíndrome de DOWN - guia de orientação e comunicação
Síndrome de DOWN - guia de orientação e comunicação
 
Síndrome de down - Seminário de Biologia Celular e Molecular
Síndrome de down - Seminário de Biologia Celular e MolecularSíndrome de down - Seminário de Biologia Celular e Molecular
Síndrome de down - Seminário de Biologia Celular e Molecular
 
sd-m2
sd-m2sd-m2
sd-m2
 
10 coisas que todo mundo deve saber sobre síndrome de down
10 coisas que todo mundo deve saber sobre síndrome de down10 coisas que todo mundo deve saber sobre síndrome de down
10 coisas que todo mundo deve saber sobre síndrome de down
 
[c7s] Síndrome de Down
[c7s] Síndrome de Down[c7s] Síndrome de Down
[c7s] Síndrome de Down
 
Síndrome de Down
Síndrome de Down Síndrome de Down
Síndrome de Down
 
Diretrizes de atenção à pessoa com síndrome de Down
Diretrizes de atenção à pessoa com síndrome de DownDiretrizes de atenção à pessoa com síndrome de Down
Diretrizes de atenção à pessoa com síndrome de Down
 
Sindrome de-down everton
Sindrome de-down evertonSindrome de-down everton
Sindrome de-down everton
 
Hermi Down(2)
Hermi Down(2)Hermi Down(2)
Hermi Down(2)
 

Destaque

TRABALHO COLABORATIVO AUTORAL CAPITALISMO
TRABALHO COLABORATIVO AUTORAL CAPITALISMOTRABALHO COLABORATIVO AUTORAL CAPITALISMO
TRABALHO COLABORATIVO AUTORAL CAPITALISMO
Carla Fernandes
 
TRABALHO COLABORATIVO AUTORAL MEIO AMBIENTE
TRABALHO COLABORATIVO AUTORAL MEIO AMBIENTETRABALHO COLABORATIVO AUTORAL MEIO AMBIENTE
TRABALHO COLABORATIVO AUTORAL MEIO AMBIENTE
Carla Fernandes
 
TRABALHO COLABORATIVO AUTORAL SOBRE NUTRIÇÃO SAUDÁVEL
TRABALHO COLABORATIVO AUTORAL SOBRE NUTRIÇÃO SAUDÁVELTRABALHO COLABORATIVO AUTORAL SOBRE NUTRIÇÃO SAUDÁVEL
TRABALHO COLABORATIVO AUTORAL SOBRE NUTRIÇÃO SAUDÁVEL
Carla Fernandes
 
TRABALHO COLABORATIVO AUTORAL SOBRE JOGOS E TECNOLOGIA
TRABALHO COLABORATIVO AUTORAL SOBRE JOGOS E TECNOLOGIATRABALHO COLABORATIVO AUTORAL SOBRE JOGOS E TECNOLOGIA
TRABALHO COLABORATIVO AUTORAL SOBRE JOGOS E TECNOLOGIA
Carla Fernandes
 
TRABALHO COLABORATIVO AUTORAL ROCK E SKATE
TRABALHO COLABORATIVO AUTORAL ROCK  E SKATETRABALHO COLABORATIVO AUTORAL ROCK  E SKATE
TRABALHO COLABORATIVO AUTORAL ROCK E SKATE
Carla Fernandes
 
TRABALHO COLABORATIVO AUTORAL SOBRE INDUSTRIALIZAÇÃO
TRABALHO COLABORATIVO AUTORAL SOBRE INDUSTRIALIZAÇÃOTRABALHO COLABORATIVO AUTORAL SOBRE INDUSTRIALIZAÇÃO
TRABALHO COLABORATIVO AUTORAL SOBRE INDUSTRIALIZAÇÃO
Carla Fernandes
 
TRABALHO COLABORATIVO AUTORAL SOBRE CULTURA JAPONESA
TRABALHO COLABORATIVO AUTORAL SOBRE CULTURA JAPONESATRABALHO COLABORATIVO AUTORAL SOBRE CULTURA JAPONESA
TRABALHO COLABORATIVO AUTORAL SOBRE CULTURA JAPONESA
Carla Fernandes
 
TRABALHO COLABORATIVO AUTORAL SOBRE ESPORTES E SAÚDE
TRABALHO COLABORATIVO AUTORAL SOBRE ESPORTES E SAÚDETRABALHO COLABORATIVO AUTORAL SOBRE ESPORTES E SAÚDE
TRABALHO COLABORATIVO AUTORAL SOBRE ESPORTES E SAÚDE
Carla Fernandes
 
TRABALHO COLABORATIVO AUTORAL HIP HOP
TRABALHO COLABORATIVO AUTORAL HIP HOPTRABALHO COLABORATIVO AUTORAL HIP HOP
TRABALHO COLABORATIVO AUTORAL HIP HOP
Carla Fernandes
 
Jornal larissa e gabriele lefundes 6 b
Jornal larissa e gabriele lefundes 6 bJornal larissa e gabriele lefundes 6 b
Jornal larissa e gabriele lefundes 6 b
Carla Fernandes
 
Regimento Escolar EMEF Gal Euclydes de Oliveira Figueiredo 2014
Regimento Escolar EMEF Gal Euclydes de Oliveira Figueiredo 2014Regimento Escolar EMEF Gal Euclydes de Oliveira Figueiredo 2014
Regimento Escolar EMEF Gal Euclydes de Oliveira Figueiredo 2014
Carla Fernandes
 
Foto novela júlia, giovanna, bruna e rennan
Foto novela   júlia, giovanna, bruna e rennanFoto novela   júlia, giovanna, bruna e rennan
Foto novela júlia, giovanna, bruna e rennan
Carla Fernandes
 
Olimpíadas municipais 2012
Olimpíadas municipais 2012Olimpíadas municipais 2012
Olimpíadas municipais 2012
Carla Fernandes
 
Folheto heitor villa lobos
Folheto heitor villa lobosFolheto heitor villa lobos
Folheto heitor villa lobos
Carla Fernandes
 

Destaque (14)

TRABALHO COLABORATIVO AUTORAL CAPITALISMO
TRABALHO COLABORATIVO AUTORAL CAPITALISMOTRABALHO COLABORATIVO AUTORAL CAPITALISMO
TRABALHO COLABORATIVO AUTORAL CAPITALISMO
 
TRABALHO COLABORATIVO AUTORAL MEIO AMBIENTE
TRABALHO COLABORATIVO AUTORAL MEIO AMBIENTETRABALHO COLABORATIVO AUTORAL MEIO AMBIENTE
TRABALHO COLABORATIVO AUTORAL MEIO AMBIENTE
 
TRABALHO COLABORATIVO AUTORAL SOBRE NUTRIÇÃO SAUDÁVEL
TRABALHO COLABORATIVO AUTORAL SOBRE NUTRIÇÃO SAUDÁVELTRABALHO COLABORATIVO AUTORAL SOBRE NUTRIÇÃO SAUDÁVEL
TRABALHO COLABORATIVO AUTORAL SOBRE NUTRIÇÃO SAUDÁVEL
 
TRABALHO COLABORATIVO AUTORAL SOBRE JOGOS E TECNOLOGIA
TRABALHO COLABORATIVO AUTORAL SOBRE JOGOS E TECNOLOGIATRABALHO COLABORATIVO AUTORAL SOBRE JOGOS E TECNOLOGIA
TRABALHO COLABORATIVO AUTORAL SOBRE JOGOS E TECNOLOGIA
 
TRABALHO COLABORATIVO AUTORAL ROCK E SKATE
TRABALHO COLABORATIVO AUTORAL ROCK  E SKATETRABALHO COLABORATIVO AUTORAL ROCK  E SKATE
TRABALHO COLABORATIVO AUTORAL ROCK E SKATE
 
TRABALHO COLABORATIVO AUTORAL SOBRE INDUSTRIALIZAÇÃO
TRABALHO COLABORATIVO AUTORAL SOBRE INDUSTRIALIZAÇÃOTRABALHO COLABORATIVO AUTORAL SOBRE INDUSTRIALIZAÇÃO
TRABALHO COLABORATIVO AUTORAL SOBRE INDUSTRIALIZAÇÃO
 
TRABALHO COLABORATIVO AUTORAL SOBRE CULTURA JAPONESA
TRABALHO COLABORATIVO AUTORAL SOBRE CULTURA JAPONESATRABALHO COLABORATIVO AUTORAL SOBRE CULTURA JAPONESA
TRABALHO COLABORATIVO AUTORAL SOBRE CULTURA JAPONESA
 
TRABALHO COLABORATIVO AUTORAL SOBRE ESPORTES E SAÚDE
TRABALHO COLABORATIVO AUTORAL SOBRE ESPORTES E SAÚDETRABALHO COLABORATIVO AUTORAL SOBRE ESPORTES E SAÚDE
TRABALHO COLABORATIVO AUTORAL SOBRE ESPORTES E SAÚDE
 
TRABALHO COLABORATIVO AUTORAL HIP HOP
TRABALHO COLABORATIVO AUTORAL HIP HOPTRABALHO COLABORATIVO AUTORAL HIP HOP
TRABALHO COLABORATIVO AUTORAL HIP HOP
 
Jornal larissa e gabriele lefundes 6 b
Jornal larissa e gabriele lefundes 6 bJornal larissa e gabriele lefundes 6 b
Jornal larissa e gabriele lefundes 6 b
 
Regimento Escolar EMEF Gal Euclydes de Oliveira Figueiredo 2014
Regimento Escolar EMEF Gal Euclydes de Oliveira Figueiredo 2014Regimento Escolar EMEF Gal Euclydes de Oliveira Figueiredo 2014
Regimento Escolar EMEF Gal Euclydes de Oliveira Figueiredo 2014
 
Foto novela júlia, giovanna, bruna e rennan
Foto novela   júlia, giovanna, bruna e rennanFoto novela   júlia, giovanna, bruna e rennan
Foto novela júlia, giovanna, bruna e rennan
 
Olimpíadas municipais 2012
Olimpíadas municipais 2012Olimpíadas municipais 2012
Olimpíadas municipais 2012
 
Folheto heitor villa lobos
Folheto heitor villa lobosFolheto heitor villa lobos
Folheto heitor villa lobos
 

Semelhante a TRABALHO COLABORATIVO AUTORAL DIVERSIDADE

Ser down e por que
Ser down e por queSer down e por que
Ser down e por que
Claudia Vicente
 
Rafa
RafaRafa
Rafa e Vitor
Rafa e VitorRafa e Vitor
Rafa e Vitor
Vitor Carvalho
 
Rafa
RafaRafa
14 afirmações sobre a síndrome de down
14 afirmações sobre a síndrome de down14 afirmações sobre a síndrome de down
14 afirmações sobre a síndrome de down
Raquel Freitas
 
Trabalho
TrabalhoTrabalho
Trabalho
luisvpr
 
TCC
TCCTCC
Síndrome de down
Síndrome de downSíndrome de down
Síndrome de down
PTAI
 
Sindromedown Grupo F Rs 01
Sindromedown Grupo F Rs 01Sindromedown Grupo F Rs 01
Sindromedown Grupo F Rs 01
marlidf
 
0520 incapacidades - Daniela
0520 incapacidades - Daniela0520 incapacidades - Daniela
0520 incapacidades - Daniela
laiscarlini
 
Musica e inclusao
Musica e inclusaoMusica e inclusao
Musica e inclusao
Elis Santos
 
Deficiência Mental e Intelectual
Deficiência Mental e Intelectual Deficiência Mental e Intelectual
Deficiência Mental e Intelectual
Jose Luiz França
 
Sindrome de-down (1)
Sindrome de-down (1)Sindrome de-down (1)
Sindrome de-down (1)
Ana Paula Custodio
 
Sindromedown
SindromedownSindromedown
Sindromedown
Milena Rebouças
 
Cartilhas de Saúde Movimento Down
Cartilhas de Saúde Movimento DownCartilhas de Saúde Movimento Down
Cartilhas de Saúde Movimento Down
Andreia Andrade
 
Ser diferente é normal
Ser diferente  é normalSer diferente  é normal
Ser diferente é normal
Suzana Duraes
 
Slide -Sindrome de Down
Slide -Sindrome de DownSlide -Sindrome de Down
Slide -Sindrome de Down
Eugenionem
 
Sídroma de down
Sídroma de downSídroma de down
Sídroma de down
ana_sebastiao
 
Autismo os educadores são a chave para inclusão!
Autismo  os educadores são a chave para inclusão!Autismo  os educadores são a chave para inclusão!
Autismo os educadores são a chave para inclusão!
Raline Guimaraes
 
Sindrome de down
Sindrome de downSindrome de down

Semelhante a TRABALHO COLABORATIVO AUTORAL DIVERSIDADE (20)

Ser down e por que
Ser down e por queSer down e por que
Ser down e por que
 
Rafa
RafaRafa
Rafa
 
Rafa e Vitor
Rafa e VitorRafa e Vitor
Rafa e Vitor
 
Rafa
RafaRafa
Rafa
 
14 afirmações sobre a síndrome de down
14 afirmações sobre a síndrome de down14 afirmações sobre a síndrome de down
14 afirmações sobre a síndrome de down
 
Trabalho
TrabalhoTrabalho
Trabalho
 
TCC
TCCTCC
TCC
 
Síndrome de down
Síndrome de downSíndrome de down
Síndrome de down
 
Sindromedown Grupo F Rs 01
Sindromedown Grupo F Rs 01Sindromedown Grupo F Rs 01
Sindromedown Grupo F Rs 01
 
0520 incapacidades - Daniela
0520 incapacidades - Daniela0520 incapacidades - Daniela
0520 incapacidades - Daniela
 
Musica e inclusao
Musica e inclusaoMusica e inclusao
Musica e inclusao
 
Deficiência Mental e Intelectual
Deficiência Mental e Intelectual Deficiência Mental e Intelectual
Deficiência Mental e Intelectual
 
Sindrome de-down (1)
Sindrome de-down (1)Sindrome de-down (1)
Sindrome de-down (1)
 
Sindromedown
SindromedownSindromedown
Sindromedown
 
Cartilhas de Saúde Movimento Down
Cartilhas de Saúde Movimento DownCartilhas de Saúde Movimento Down
Cartilhas de Saúde Movimento Down
 
Ser diferente é normal
Ser diferente  é normalSer diferente  é normal
Ser diferente é normal
 
Slide -Sindrome de Down
Slide -Sindrome de DownSlide -Sindrome de Down
Slide -Sindrome de Down
 
Sídroma de down
Sídroma de downSídroma de down
Sídroma de down
 
Autismo os educadores são a chave para inclusão!
Autismo  os educadores são a chave para inclusão!Autismo  os educadores são a chave para inclusão!
Autismo os educadores são a chave para inclusão!
 
Sindrome de down
Sindrome de downSindrome de down
Sindrome de down
 

Último

AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogiaAVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
KarollayneRodriguesV1
 
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
GracinhaSantos6
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
TiagoLouro8
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
AlineOliveira625820
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
CarlosJean21
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
AdrianoMontagna1
 
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
Pr Davi Passos - Estudos Bíblicos
 
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdfPrimeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Maurício Bratz
 
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicosDNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
jonny615148
 
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdfRazonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Demetrio Ccesa Rayme
 
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
AlessandraRibas7
 
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptxDEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
ConservoConstrues
 
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdfsaid edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
ThiagoRORISDASILVA1
 
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
Manuais Formação
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica BasicaExercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
ElinarioCosta
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 

Último (20)

AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogiaAVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
 
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
 
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
 
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdfPrimeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
 
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicosDNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
 
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
 
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdfRazonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
 
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
 
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptxDEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
 
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdfsaid edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
 
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica BasicaExercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 

TRABALHO COLABORATIVO AUTORAL DIVERSIDADE

  • 1. TRABALHO COLABORATIVO AUTORAL - DIVERSIDADE • Alunos: • Nicolle Mikaela Silva • Stephanie Santana Santos • Camila Moura • Fernanda Batista • Isabela Felix • Ligia Castilho • Ana Cláudia S. dos Santos Wanderley • PROFª ORIENTADORA – FRANCELY MARTINS (PORTUGUÊS) • EMEF Gal. EUCLYDES DE OLIVEIRA FIGUEIREDO •Rodrigo Luiz Camargo •Anna Larissa do Vale •Luana Carolina Cavalcante •Jennifer Santos da Silva •Thais Costa de Oliveira •Isabele Lira
  • 2. Dentro do tema Diversidade escolhemos tratar do assunto inclusão das pessoas com necessidades especiais, que é muito importante, pois é algo que vivemos no nosso dia a dia, seja convivendo com colegas especiais na escola, com membros da família de alguns de nós, ou também com pessoas conhecidas. Com este trabalho queremos chamar a atenção de todos para a necessidade de mudar o cotidiano de muitas pessoas que sofrem de síndromes, autismos ou são cadeirantes. Essas pessoas são como nós, só que com algo especial, por isso não se justifica o fato de muita gente tratá- los como anormais, com preconceito ou discriminação, sendo que todos deveriam proporcionar às pessoas especiais uma inclusão da melhor forma possível. Queremos também fazer uma boa ação e fazer com que outras pessoas nos ajudem a fazer um mundo melhor, sem preconceito e, com isso, podermos ajudar as pessoas com necessidades especiais na questão da luta pela acessibilidade e também na melhoria da autoestima. Por isso fizemos este trabalho para que todos conheçam mais sobre as síndromes de down, kabuki, autismo e cadeirantes, que dentre muitos outros assuntos foram escolhidos por nós para tratarmos aqui, conforme segue o trabalho.
  • 3. FILME- MEU FILHO É DOWN E AGORA?
  • 4. • Síndrome de Down ou trissomia 21 é um distúrbio genético causado pela presença de um cromossomo 21 extra, total ou parcial. • Recebe essa homenagem a John Langdon Down, medico britânico que descreveu a síndrome em 1862. • A sua causa genética foi descoberta em 1958 pelo professor Jérôme Leguem, que descobriu uma cópia extra do cromossomo 21. É o distúrbio genético mais comum, estimado em um a casa 100 nascimentos. • A síndrome é caracterizada por uma combinação de diferenças maiores e menores na estrutura corporal. • Geralmente a síndrome de down está associada a algumas dificuldades de habilidade cognitiva e desenvolvimento físico, assim como aparência facial. Ela é geralmente identificada no nascimento. Pessoas com síndrome de Down podem ter uma habilidade cognitiva abaixo da média, geralmente variando de retardo mental leve a moderado. Síndrome de downSíndrome de down
  • 5. CaraCterístiCas da síndrome de downCaraCterístiCas da síndrome de down Olhos amendoados; Uma praga palmar transversal única; Dedos curtinhos; Fissuras palpebrais oblíquas; Ponte nasal achatada Língua pontua; Pescoço curto; Pontos brancos na íris; Flexibilidade excessiva nas articulações; Defeitos cardíacos congênitos; Espaço excessivo entre o hálux e o segundo dedo do pé; Bocas alongadas; Orelha abaixo dos olhos; Precisam de explicações simples para aprender.
  • 6. • SÍNDROME DE DONW NÃO É DOENÇA! • A síndrome de Down ocorre quando, ao invés da pessoa nascer com duas cópias do cromossomo 21, ela nasce com 3 cópias. Isso é uma ocorrência genética e não uma doença. Por isso, não é correto dizer que a síndrome de Down é uma doença ou que uma pessoa que tem síndrome de Down é doente. • PESSOAS COM SÍNDROME DE DOWN TÊM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL • Deficiência intelectual não é o mesmo que deficiência mental. Por isso, não é apropriado usar o termo “deficiência mental” para se referir às pessoas com síndrome de Down. Deficiência mental é um comprometimento de ordem psicológica. • PESSOAS COM SÍNDROME DE DOWN TÊM OPINIÃO • As pessoas com síndrome de Down estudam, trabalham e convivem com todos. Esses indivíduos têm opinião e podem se expressar sobre assuntos que lhes dizem respeito. Em caso de entrevistas, procure falar com as próprias pessoas com deficiência, não apenas com familiares, acompanhantes ou especialistas. • DIREITOS CONSTITUCIONAIS À INCLUSÃO E CIDADANIA • A Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência foi aprovada no Brasil em 2008 como norma constitucional. Ela diz que cabe ao Estado e a sociedade buscar formas de garantir os direitos de todas as pessoas com deficiência em igualdade de condições com os demais. • • No Brasil, são mais de 270 mil pessoas com a síndrome de Down. Curiosidades
  • 7.
  • 8.
  • 9. O que é autismo ? • O autismo é uma disfunção global do  desenvolvimento. É uma alteração que afeta a  capacidade de comunicação do indivíduo, de  socialização (estabelecer relacionamentos) e de  comportamento (responder apropriadamente ao  ambiente — segundo as normas que regulam  essas respostas). Esta desordem faz parte de um  grupo de síndromes conhecidas como  transtorno  global do desenvolvimento, embora também seja  cunhado o termo transtorno do especto autista 
  • 10. QUAIS SÃO SEUS SINTOMAS? • Os principais sintomas são: • - Isolamento do mundo exterior e recusa do contato com os outros.  (Tanto no nível da voz quanto no do olhar). • - Alterações da linguagem que podem ir desde uma ausência total da fala  até uma verbiagem ininteligível. Em algumas ocasiões, repetição de  fragmentos de frases retiradas de filmes ou que foram escutadas de  alguém, estabelecendo verdadeiros solilóquios. • - É uma fala que não se dirige a ninguém, que não é usada nem para  comunicar nem para estabelecer um diálogo mínimo. • - Ausência de interação com os outros. • - Ausência de jogo simbólico. • - Estereotipias • - Rituais • - Temor das mudanças e insistência em manter uma imobilidade naquilo  que o rodeia.