SlideShare uma empresa Scribd logo
TRABALHADOR URBANO
DURANTE A REPÚBLICA
História
Wilton
CARÁTER INTERNACIONAL DAS
MANIFESTAÇÕES OPERÁRIAS
 Expansão Industrial (Século XIX)  Articulação e a
eclosão do Movimento Operário, que devido às
péssimas condições de trabalho, combatem o
Capitalismo e propõe novas formas de viver e de se
organizar socialmente.
 Ausência de Direitos Trabalhistas: organização do
Internacionalismo, que divide o mundo entre
“exploradores” e “explorados”, onde ocorreria a
derrubada do Capitalismo e o mundo se dirigindo à
uma sociedade igualitária.
 Contra este Internacionalismo, havia a ideologia
nacionalista do século XIX, que pretendia esvaziar a
luta entre “exploradores” e “explorados”, a luta de
classes.
INÍCIO DO SÉCULO XX NO BRASIL
 Concentração de operários nas grandes cidades.
 Os principais organizadores do movimento eram os
Imigrantes Europeus, que lentamente, o movimento
operário começou a se organizar, na luta por seus direitos,
utilizando para isso, o anarquismo e o socialismo.
 Até 1920  Prevalecem duas tendências: os trabalhistas e
os anarcossindicalistas, esta última de caráter mais radical.
 Relações com as autoridades: repressão e violência.
 Autoridades sindicais = não eram reconhecidas.
 1906  Organização do Primeiro Movimento Operário. Em
defesa de seus interesses, os trabalhadores lançavam mão
de sua principal arma: a greve.
 Como resposta e para conter a situação e evitar
manifestações, o governo aprovou a Lei Adolfo Gordo, que
autorizava a expulsão de estrangeiros que perturbassem a
ordem pública.
 O auge do movimento operário foi em 1917, quando
aconteceu a maior greve até então promovida.
A DÉCADA DE 1920
 Apesar da repressão, são aprovadas algumas
conquistas: leis sobre acidente de trabalho, férias,
trabalho de menores, entre outros.
 1920  2° Congresso Operário, onde a classe
operária decide pela criação do Partido Comunista
Brasileiro, que só ocorreria de fato, em 1922.
 Os socialistas defendiam: jornada de oito horas,
salário mínimo, entre outras coisas.
 Apesar de organizar o Conselho Nacional do
Trabalho, em 1923, com a função de apresentar
estudos sobre a questão trabalhista.
 Vitória da Revolução de 1930: Aprovada uma
extensa Legislação Trabalhista, consolidando o papel
do Estado como mediador das relações entre o
capital e o trabalho.
PERIODIZAÇÃO DO MOVIMENTO OPERÁRIO
 Durante a I Guerra  Início do processo de
substituição das importações. Podemos dividir
o movimento operário em:
1ª fase 1910 - 1917 Tendências:
Trabalhistas/anarcossindicalistas
2ª fase 1917 – 1930 Tendências: trabalhistas,
anarquistas e comunistas
3ª fase 1930 - Hoje Crescimento das posições
trabalhistas e esvaziamento dos
comunistas
1ª FASE: TRABALHISTAS/ANARCOSSINDICALISTAS
 Os Trabalhistas defendiam que os
trabalhadores nada tinham “a ver com a
política” e por isso, trocavam-se votos por
favores políticos. Era forte entre os
Servidores Públicos e os Portuários.
 Anarcossindicalismo  eram contrários
ao Capitalismo, propondo uma
sociedade sem classes, sem partidos e
sem Estado. Colocam-se contra a “ação
política” e propõem a “ação direta”.
 Foram os responsáveis pela Greve Geral
de 1917.
2ª FASE:TRABALHISTAS/ANARQUISTAS/COMUNISTAS
 Depois da Revolução Russa  Os Anarquistas
ficaram empolgados com a vitória de 1917, mas
com o caráter anti-anarquista da Revolução
Russa, passou a assumir uma postura
antissoviética, antibolchevista e antiestalinista.
 1922 = Organização do Partido Comunista do
Brasil, que levaria o Brasil ao comunismo através
da revolução, que destruiria o sistema capitalista.
 Principais lideranças: José Oiticica, Edgar
Leuenroth, Everardo Dias, Astrojildo Pereira, Agildo
Barata e Luis Carlos Prestes.
3ª FASE – DE 1930 ATÉ OS DIAS DE HOJE
 Após 1930, houve um crescimento das posições
trabalhistas e esvaziamento dos comunistas.
 GV utilizou das lutas operárias para aprovar uma
extensão legislação trabalhista.
 O Estado aparece como o mediador da relações
Capital-Trabalho.
 Os Sindicatos são corporações que recebem
“contribuição social”, que é obrigatória, e atuam
como geradores de empregos, grupos de
pressão e “aparelhos” de partidos políticos.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

O embate entre as correntes liberais e os socialismos no século XIX. http://b...
O embate entre as correntes liberais e os socialismos no século XIX. http://b...O embate entre as correntes liberais e os socialismos no século XIX. http://b...
O embate entre as correntes liberais e os socialismos no século XIX. http://b...
Washington Souza
 
Movimento Operário e Doutrinas Sociais
Movimento Operário e Doutrinas SociaisMovimento Operário e Doutrinas Sociais
Movimento Operário e Doutrinas Sociais
eiprofessor
 
Liberalismo, Nacionalismo, Socialismo
Liberalismo, Nacionalismo, SocialismoLiberalismo, Nacionalismo, Socialismo
Liberalismo, Nacionalismo, Socialismo
histicasa
 
Movimento operario
Movimento operarioMovimento operario
Movimento operario
pcgpnl
 
O movimento operário brasileiro
O movimento operário brasileiroO movimento operário brasileiro
O movimento operário brasileiro
Edenilson Morais
 
Resistência dos trabalhadores a exploração e opressão no brasil
Resistência dos trabalhadores a exploração e opressão no brasilResistência dos trabalhadores a exploração e opressão no brasil
Resistência dos trabalhadores a exploração e opressão no brasil
profdu
 
Revolução Socialista
Revolução SocialistaRevolução Socialista
Revolução Socialista
Alessandro Ferreira
 
Revolução Russa
Revolução RussaRevolução Russa
Revolução Russa
Gilmar Rodrigues
 
Socialismo 9º Ano
Socialismo 9º AnoSocialismo 9º Ano
Socialismo 9º Ano
Lucas Weiby
 
Doutrinas sociais do séc xix
Doutrinas  sociais do séc xix Doutrinas  sociais do séc xix
Doutrinas sociais do séc xix
Celso Firmino História, Filosofia, Sociologia
 
Socialismo
SocialismoSocialismo
Socialismo
cleiton denez
 
As lutas dos trabalhadores no brasil
As lutas dos trabalhadores no brasilAs lutas dos trabalhadores no brasil
As lutas dos trabalhadores no brasil
Marcia Santiago
 
O movimento Operário
O movimento OperárioO movimento Operário
O movimento Operário
Giulia Soares
 
O ludismo e o cartismo.
O ludismo e o cartismo.O ludismo e o cartismo.
O ludismo e o cartismo.
Zelma Alzareth Almeida
 
Ideologias do século xix
Ideologias do século xixIdeologias do século xix
Ideologias do século xix
profmarloncardozo
 
Movimentos sociais e politicos da europa no século
Movimentos sociais e politicos da europa no séculoMovimentos sociais e politicos da europa no século
Movimentos sociais e politicos da europa no século
Vagner Roberto
 
Resumo - Revoluções Socialistas
Resumo - Revoluções SocialistasResumo - Revoluções Socialistas
Resumo - Revoluções Socialistas
Acrópole - História & Educação
 
Aula sobre a europa no século xix
Aula sobre a europa no século xixAula sobre a europa no século xix
Aula sobre a europa no século xix
Geraldo Phonteboa
 
Ideias sociais e políticas do Século XIX
Ideias sociais  e políticas do Século XIXIdeias sociais  e políticas do Século XIX
Ideias sociais e políticas do Século XIX
lourenco_comcedilha
 
Questões história simulado enem
Questões   história simulado enemQuestões   história simulado enem
Questões história simulado enem
José Soares
 

Mais procurados (20)

O embate entre as correntes liberais e os socialismos no século XIX. http://b...
O embate entre as correntes liberais e os socialismos no século XIX. http://b...O embate entre as correntes liberais e os socialismos no século XIX. http://b...
O embate entre as correntes liberais e os socialismos no século XIX. http://b...
 
Movimento Operário e Doutrinas Sociais
Movimento Operário e Doutrinas SociaisMovimento Operário e Doutrinas Sociais
Movimento Operário e Doutrinas Sociais
 
Liberalismo, Nacionalismo, Socialismo
Liberalismo, Nacionalismo, SocialismoLiberalismo, Nacionalismo, Socialismo
Liberalismo, Nacionalismo, Socialismo
 
Movimento operario
Movimento operarioMovimento operario
Movimento operario
 
O movimento operário brasileiro
O movimento operário brasileiroO movimento operário brasileiro
O movimento operário brasileiro
 
Resistência dos trabalhadores a exploração e opressão no brasil
Resistência dos trabalhadores a exploração e opressão no brasilResistência dos trabalhadores a exploração e opressão no brasil
Resistência dos trabalhadores a exploração e opressão no brasil
 
Revolução Socialista
Revolução SocialistaRevolução Socialista
Revolução Socialista
 
Revolução Russa
Revolução RussaRevolução Russa
Revolução Russa
 
Socialismo 9º Ano
Socialismo 9º AnoSocialismo 9º Ano
Socialismo 9º Ano
 
Doutrinas sociais do séc xix
Doutrinas  sociais do séc xix Doutrinas  sociais do séc xix
Doutrinas sociais do séc xix
 
Socialismo
SocialismoSocialismo
Socialismo
 
As lutas dos trabalhadores no brasil
As lutas dos trabalhadores no brasilAs lutas dos trabalhadores no brasil
As lutas dos trabalhadores no brasil
 
O movimento Operário
O movimento OperárioO movimento Operário
O movimento Operário
 
O ludismo e o cartismo.
O ludismo e o cartismo.O ludismo e o cartismo.
O ludismo e o cartismo.
 
Ideologias do século xix
Ideologias do século xixIdeologias do século xix
Ideologias do século xix
 
Movimentos sociais e politicos da europa no século
Movimentos sociais e politicos da europa no séculoMovimentos sociais e politicos da europa no século
Movimentos sociais e politicos da europa no século
 
Resumo - Revoluções Socialistas
Resumo - Revoluções SocialistasResumo - Revoluções Socialistas
Resumo - Revoluções Socialistas
 
Aula sobre a europa no século xix
Aula sobre a europa no século xixAula sobre a europa no século xix
Aula sobre a europa no século xix
 
Ideias sociais e políticas do Século XIX
Ideias sociais  e políticas do Século XIXIdeias sociais  e políticas do Século XIX
Ideias sociais e políticas do Século XIX
 
Questões história simulado enem
Questões   história simulado enemQuestões   história simulado enem
Questões história simulado enem
 

Semelhante a Trabalhador urbano durante a república (capítulo 16)

Taylorismo e Fordismo _ Movimento operário brasileiro.pptx
Taylorismo e Fordismo _ Movimento operário brasileiro.pptxTaylorismo e Fordismo _ Movimento operário brasileiro.pptx
Taylorismo e Fordismo _ Movimento operário brasileiro.pptx
HitaloSantos7
 
Revolução Russa
Revolução RussaRevolução Russa
Revolução Russa
Bruno Silva
 
Slide livro Sociologia ensino médio capitulo 17 do Tomazi
Slide livro Sociologia ensino médio capitulo 17 do TomaziSlide livro Sociologia ensino médio capitulo 17 do Tomazi
Slide livro Sociologia ensino médio capitulo 17 do Tomazi
pascoalnaib
 
Sociologia Capítulo 17-os movimentos sociais no Brasil
Sociologia Capítulo 17-os movimentos sociais no BrasilSociologia Capítulo 17-os movimentos sociais no Brasil
Sociologia Capítulo 17-os movimentos sociais no Brasil
Miro Santos
 
Movimentos sociais
Movimentos sociaisMovimentos sociais
Movimentos sociais
Juliana Corvino de Araújo
 
Pré vestibular Murialdo - Idade Contemporânea - aula 01
Pré vestibular Murialdo - Idade Contemporânea - aula 01Pré vestibular Murialdo - Idade Contemporânea - aula 01
Pré vestibular Murialdo - Idade Contemporânea - aula 01
Daniel Alves Bronstrup
 
A Era Estalinista
A Era EstalinistaA Era Estalinista
A Era Estalinista
Rainha Maga
 
A Era Vargas
A Era VargasA Era Vargas
A Era Vargas
Gilmar Rodrigues
 
AS_LUTAS_OPERARIAS_DAS_PRIMEIRAS_DECADAS_DO_SECULO_-XX - 1.ppt
AS_LUTAS_OPERARIAS_DAS_PRIMEIRAS_DECADAS_DO_SECULO_-XX - 1.pptAS_LUTAS_OPERARIAS_DAS_PRIMEIRAS_DECADAS_DO_SECULO_-XX - 1.ppt
AS_LUTAS_OPERARIAS_DAS_PRIMEIRAS_DECADAS_DO_SECULO_-XX - 1.ppt
SauloRodrigoBastosVe
 
Movimento operário
Movimento operárioMovimento operário
Movimento operário
SullyMaria1
 
Resumo - Revolução Industrial.pdf
Resumo - Revolução Industrial.pdfResumo - Revolução Industrial.pdf
Resumo - Revolução Industrial.pdf
RAFAELASCARI1
 
Slide livro Sociologia ensino médio capitulo 22 do Tomazi
Slide livro Sociologia ensino médio capitulo 22 do TomaziSlide livro Sociologia ensino médio capitulo 22 do Tomazi
Slide livro Sociologia ensino médio capitulo 22 do Tomazi
pascoalnaib
 
Brasil Republica Velha - declinio
Brasil Republica Velha - declinioBrasil Republica Velha - declinio
Brasil Republica Velha - declinio
Alexandre Protásio
 
Século xix
Século xixSéculo xix
Século xix
Murilo Benevides
 
Revolução Industrial
Revolução IndustrialRevolução Industrial
Revolução Industrial
Allan Almeida de Araújo
 
hsi9_revolucao_sovietica.pptx
hsi9_revolucao_sovietica.pptxhsi9_revolucao_sovietica.pptx
hsi9_revolucao_sovietica.pptx
sandrapassos320
 
REVOLUÇÃO DE 1930 E ERA VARGAS UM PASSEIO PELA A HISTÓRIA.pptx
REVOLUÇÃO DE 1930  E ERA VARGAS UM PASSEIO PELA A HISTÓRIA.pptxREVOLUÇÃO DE 1930  E ERA VARGAS UM PASSEIO PELA A HISTÓRIA.pptx
REVOLUÇÃO DE 1930 E ERA VARGAS UM PASSEIO PELA A HISTÓRIA.pptx
luluzivania
 
A Era Vargas
A Era VargasA Era Vargas
A Era Vargas
Gilmar Rodrigues
 
Socialismo e revolução russa 9 ano
Socialismo e revolução russa 9 anoSocialismo e revolução russa 9 ano
Socialismo e revolução russa 9 ano
AEDFL
 
41 brasil-modernizacaoe conflito
41 brasil-modernizacaoe conflito41 brasil-modernizacaoe conflito
41 brasil-modernizacaoe conflito
Alunos Alunos
 

Semelhante a Trabalhador urbano durante a república (capítulo 16) (20)

Taylorismo e Fordismo _ Movimento operário brasileiro.pptx
Taylorismo e Fordismo _ Movimento operário brasileiro.pptxTaylorismo e Fordismo _ Movimento operário brasileiro.pptx
Taylorismo e Fordismo _ Movimento operário brasileiro.pptx
 
Revolução Russa
Revolução RussaRevolução Russa
Revolução Russa
 
Slide livro Sociologia ensino médio capitulo 17 do Tomazi
Slide livro Sociologia ensino médio capitulo 17 do TomaziSlide livro Sociologia ensino médio capitulo 17 do Tomazi
Slide livro Sociologia ensino médio capitulo 17 do Tomazi
 
Sociologia Capítulo 17-os movimentos sociais no Brasil
Sociologia Capítulo 17-os movimentos sociais no BrasilSociologia Capítulo 17-os movimentos sociais no Brasil
Sociologia Capítulo 17-os movimentos sociais no Brasil
 
Movimentos sociais
Movimentos sociaisMovimentos sociais
Movimentos sociais
 
Pré vestibular Murialdo - Idade Contemporânea - aula 01
Pré vestibular Murialdo - Idade Contemporânea - aula 01Pré vestibular Murialdo - Idade Contemporânea - aula 01
Pré vestibular Murialdo - Idade Contemporânea - aula 01
 
A Era Estalinista
A Era EstalinistaA Era Estalinista
A Era Estalinista
 
A Era Vargas
A Era VargasA Era Vargas
A Era Vargas
 
AS_LUTAS_OPERARIAS_DAS_PRIMEIRAS_DECADAS_DO_SECULO_-XX - 1.ppt
AS_LUTAS_OPERARIAS_DAS_PRIMEIRAS_DECADAS_DO_SECULO_-XX - 1.pptAS_LUTAS_OPERARIAS_DAS_PRIMEIRAS_DECADAS_DO_SECULO_-XX - 1.ppt
AS_LUTAS_OPERARIAS_DAS_PRIMEIRAS_DECADAS_DO_SECULO_-XX - 1.ppt
 
Movimento operário
Movimento operárioMovimento operário
Movimento operário
 
Resumo - Revolução Industrial.pdf
Resumo - Revolução Industrial.pdfResumo - Revolução Industrial.pdf
Resumo - Revolução Industrial.pdf
 
Slide livro Sociologia ensino médio capitulo 22 do Tomazi
Slide livro Sociologia ensino médio capitulo 22 do TomaziSlide livro Sociologia ensino médio capitulo 22 do Tomazi
Slide livro Sociologia ensino médio capitulo 22 do Tomazi
 
Brasil Republica Velha - declinio
Brasil Republica Velha - declinioBrasil Republica Velha - declinio
Brasil Republica Velha - declinio
 
Século xix
Século xixSéculo xix
Século xix
 
Revolução Industrial
Revolução IndustrialRevolução Industrial
Revolução Industrial
 
hsi9_revolucao_sovietica.pptx
hsi9_revolucao_sovietica.pptxhsi9_revolucao_sovietica.pptx
hsi9_revolucao_sovietica.pptx
 
REVOLUÇÃO DE 1930 E ERA VARGAS UM PASSEIO PELA A HISTÓRIA.pptx
REVOLUÇÃO DE 1930  E ERA VARGAS UM PASSEIO PELA A HISTÓRIA.pptxREVOLUÇÃO DE 1930  E ERA VARGAS UM PASSEIO PELA A HISTÓRIA.pptx
REVOLUÇÃO DE 1930 E ERA VARGAS UM PASSEIO PELA A HISTÓRIA.pptx
 
A Era Vargas
A Era VargasA Era Vargas
A Era Vargas
 
Socialismo e revolução russa 9 ano
Socialismo e revolução russa 9 anoSocialismo e revolução russa 9 ano
Socialismo e revolução russa 9 ano
 
41 brasil-modernizacaoe conflito
41 brasil-modernizacaoe conflito41 brasil-modernizacaoe conflito
41 brasil-modernizacaoe conflito
 

Mais de Wilton Moretto

A i g.m.
A i g.m.A i g.m.
A i g.m.
Wilton Moretto
 
Introdução ao pensamento político
Introdução ao pensamento políticoIntrodução ao pensamento político
Introdução ao pensamento político
Wilton Moretto
 
Liberdade, propriedade, fraternidade
Liberdade, propriedade, fraternidadeLiberdade, propriedade, fraternidade
Liberdade, propriedade, fraternidade
Wilton Moretto
 
Democracias, ditaduras e cidadania
Democracias, ditaduras e cidadaniaDemocracias, ditaduras e cidadania
Democracias, ditaduras e cidadania
Wilton Moretto
 
Estratificação social
Estratificação socialEstratificação social
Estratificação social
Wilton Moretto
 
Relações sociais e identidade
Relações sociais e identidadeRelações sociais e identidade
Relações sociais e identidade
Wilton Moretto
 
Introducao à filosofia (aula 1)
Introducao à filosofia (aula 1)Introducao à filosofia (aula 1)
Introducao à filosofia (aula 1)
Wilton Moretto
 
Liberdade e linguagem habermas
Liberdade e linguagem habermasLiberdade e linguagem habermas
Liberdade e linguagem habermas
Wilton Moretto
 
Movimento conflitos sociais e estratificação
Movimento   conflitos sociais e estratificaçãoMovimento   conflitos sociais e estratificação
Movimento conflitos sociais e estratificação
Wilton Moretto
 
As revoluções de 1830 e 1848
As revoluções de 1830 e 1848As revoluções de 1830 e 1848
As revoluções de 1830 e 1848
Wilton Moretto
 
Rebeliões no século xix (faag)
Rebeliões no século xix (faag)Rebeliões no século xix (faag)
Rebeliões no século xix (faag)
Wilton Moretto
 
Periodo regencial (faag)
Periodo regencial (faag)Periodo regencial (faag)
Periodo regencial (faag)
Wilton Moretto
 
Periodo regencial (faag)
Periodo regencial (faag)Periodo regencial (faag)
Periodo regencial (faag)
Wilton Moretto
 
Renascimento (capítulo 18)
Renascimento (capítulo 18)Renascimento (capítulo 18)
Renascimento (capítulo 18)
Wilton Moretto
 
Renascimento cultural (cap.8)
Renascimento cultural (cap.8)Renascimento cultural (cap.8)
Renascimento cultural (cap.8)
Wilton Moretto
 
As ditaduras militares na américa latina
As ditaduras militares na américa latinaAs ditaduras militares na américa latina
As ditaduras militares na américa latina
Wilton Moretto
 
Os anos de chumbo (aula 13)
Os anos de chumbo (aula 13)Os anos de chumbo (aula 13)
Os anos de chumbo (aula 13)
Wilton Moretto
 
A formação das monarquias nacionais modernas (aula 10)
A formação das monarquias nacionais modernas (aula 10)A formação das monarquias nacionais modernas (aula 10)
A formação das monarquias nacionais modernas (aula 10)
Wilton Moretto
 
Formação das monarquias nacionais (faag)
Formação das monarquias nacionais (faag)Formação das monarquias nacionais (faag)
Formação das monarquias nacionais (faag)
Wilton Moretto
 
Formação das monarquias nacionais (faag)
Formação das monarquias nacionais (faag)Formação das monarquias nacionais (faag)
Formação das monarquias nacionais (faag)
Wilton Moretto
 

Mais de Wilton Moretto (20)

A i g.m.
A i g.m.A i g.m.
A i g.m.
 
Introdução ao pensamento político
Introdução ao pensamento políticoIntrodução ao pensamento político
Introdução ao pensamento político
 
Liberdade, propriedade, fraternidade
Liberdade, propriedade, fraternidadeLiberdade, propriedade, fraternidade
Liberdade, propriedade, fraternidade
 
Democracias, ditaduras e cidadania
Democracias, ditaduras e cidadaniaDemocracias, ditaduras e cidadania
Democracias, ditaduras e cidadania
 
Estratificação social
Estratificação socialEstratificação social
Estratificação social
 
Relações sociais e identidade
Relações sociais e identidadeRelações sociais e identidade
Relações sociais e identidade
 
Introducao à filosofia (aula 1)
Introducao à filosofia (aula 1)Introducao à filosofia (aula 1)
Introducao à filosofia (aula 1)
 
Liberdade e linguagem habermas
Liberdade e linguagem habermasLiberdade e linguagem habermas
Liberdade e linguagem habermas
 
Movimento conflitos sociais e estratificação
Movimento   conflitos sociais e estratificaçãoMovimento   conflitos sociais e estratificação
Movimento conflitos sociais e estratificação
 
As revoluções de 1830 e 1848
As revoluções de 1830 e 1848As revoluções de 1830 e 1848
As revoluções de 1830 e 1848
 
Rebeliões no século xix (faag)
Rebeliões no século xix (faag)Rebeliões no século xix (faag)
Rebeliões no século xix (faag)
 
Periodo regencial (faag)
Periodo regencial (faag)Periodo regencial (faag)
Periodo regencial (faag)
 
Periodo regencial (faag)
Periodo regencial (faag)Periodo regencial (faag)
Periodo regencial (faag)
 
Renascimento (capítulo 18)
Renascimento (capítulo 18)Renascimento (capítulo 18)
Renascimento (capítulo 18)
 
Renascimento cultural (cap.8)
Renascimento cultural (cap.8)Renascimento cultural (cap.8)
Renascimento cultural (cap.8)
 
As ditaduras militares na américa latina
As ditaduras militares na américa latinaAs ditaduras militares na américa latina
As ditaduras militares na américa latina
 
Os anos de chumbo (aula 13)
Os anos de chumbo (aula 13)Os anos de chumbo (aula 13)
Os anos de chumbo (aula 13)
 
A formação das monarquias nacionais modernas (aula 10)
A formação das monarquias nacionais modernas (aula 10)A formação das monarquias nacionais modernas (aula 10)
A formação das monarquias nacionais modernas (aula 10)
 
Formação das monarquias nacionais (faag)
Formação das monarquias nacionais (faag)Formação das monarquias nacionais (faag)
Formação das monarquias nacionais (faag)
 
Formação das monarquias nacionais (faag)
Formação das monarquias nacionais (faag)Formação das monarquias nacionais (faag)
Formação das monarquias nacionais (faag)
 

Último

Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Mary Alvarenga
 
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.pptNR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
Vanessa F. Rezende
 
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdfGuia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
FLAVIOROBERTOGOUVEA
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
LeilaVilasboas
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
arodatos81
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da químicaTEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
VictorEmanoel37
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
C4io99
 
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
beathrizalves131
 
Seminário de Gestão Pública e Defesa Civil
Seminário de Gestão Pública e Defesa CivilSeminário de Gestão Pública e Defesa Civil
Seminário de Gestão Pública e Defesa Civil
EduardoLealSilva
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
marcos oliveira
 
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 

Último (20)

Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
 
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.pptNR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdfGuia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da químicaTEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
 
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
 
Seminário de Gestão Pública e Defesa Civil
Seminário de Gestão Pública e Defesa CivilSeminário de Gestão Pública e Defesa Civil
Seminário de Gestão Pública e Defesa Civil
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
 
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
 

Trabalhador urbano durante a república (capítulo 16)

  • 1. TRABALHADOR URBANO DURANTE A REPÚBLICA História Wilton
  • 2. CARÁTER INTERNACIONAL DAS MANIFESTAÇÕES OPERÁRIAS  Expansão Industrial (Século XIX)  Articulação e a eclosão do Movimento Operário, que devido às péssimas condições de trabalho, combatem o Capitalismo e propõe novas formas de viver e de se organizar socialmente.  Ausência de Direitos Trabalhistas: organização do Internacionalismo, que divide o mundo entre “exploradores” e “explorados”, onde ocorreria a derrubada do Capitalismo e o mundo se dirigindo à uma sociedade igualitária.  Contra este Internacionalismo, havia a ideologia nacionalista do século XIX, que pretendia esvaziar a luta entre “exploradores” e “explorados”, a luta de classes.
  • 3. INÍCIO DO SÉCULO XX NO BRASIL  Concentração de operários nas grandes cidades.  Os principais organizadores do movimento eram os Imigrantes Europeus, que lentamente, o movimento operário começou a se organizar, na luta por seus direitos, utilizando para isso, o anarquismo e o socialismo.  Até 1920  Prevalecem duas tendências: os trabalhistas e os anarcossindicalistas, esta última de caráter mais radical.  Relações com as autoridades: repressão e violência.  Autoridades sindicais = não eram reconhecidas.  1906  Organização do Primeiro Movimento Operário. Em defesa de seus interesses, os trabalhadores lançavam mão de sua principal arma: a greve.  Como resposta e para conter a situação e evitar manifestações, o governo aprovou a Lei Adolfo Gordo, que autorizava a expulsão de estrangeiros que perturbassem a ordem pública.  O auge do movimento operário foi em 1917, quando aconteceu a maior greve até então promovida.
  • 4. A DÉCADA DE 1920  Apesar da repressão, são aprovadas algumas conquistas: leis sobre acidente de trabalho, férias, trabalho de menores, entre outros.  1920  2° Congresso Operário, onde a classe operária decide pela criação do Partido Comunista Brasileiro, que só ocorreria de fato, em 1922.  Os socialistas defendiam: jornada de oito horas, salário mínimo, entre outras coisas.  Apesar de organizar o Conselho Nacional do Trabalho, em 1923, com a função de apresentar estudos sobre a questão trabalhista.  Vitória da Revolução de 1930: Aprovada uma extensa Legislação Trabalhista, consolidando o papel do Estado como mediador das relações entre o capital e o trabalho.
  • 5. PERIODIZAÇÃO DO MOVIMENTO OPERÁRIO  Durante a I Guerra  Início do processo de substituição das importações. Podemos dividir o movimento operário em: 1ª fase 1910 - 1917 Tendências: Trabalhistas/anarcossindicalistas 2ª fase 1917 – 1930 Tendências: trabalhistas, anarquistas e comunistas 3ª fase 1930 - Hoje Crescimento das posições trabalhistas e esvaziamento dos comunistas
  • 6. 1ª FASE: TRABALHISTAS/ANARCOSSINDICALISTAS  Os Trabalhistas defendiam que os trabalhadores nada tinham “a ver com a política” e por isso, trocavam-se votos por favores políticos. Era forte entre os Servidores Públicos e os Portuários.  Anarcossindicalismo  eram contrários ao Capitalismo, propondo uma sociedade sem classes, sem partidos e sem Estado. Colocam-se contra a “ação política” e propõem a “ação direta”.  Foram os responsáveis pela Greve Geral de 1917.
  • 7. 2ª FASE:TRABALHISTAS/ANARQUISTAS/COMUNISTAS  Depois da Revolução Russa  Os Anarquistas ficaram empolgados com a vitória de 1917, mas com o caráter anti-anarquista da Revolução Russa, passou a assumir uma postura antissoviética, antibolchevista e antiestalinista.  1922 = Organização do Partido Comunista do Brasil, que levaria o Brasil ao comunismo através da revolução, que destruiria o sistema capitalista.  Principais lideranças: José Oiticica, Edgar Leuenroth, Everardo Dias, Astrojildo Pereira, Agildo Barata e Luis Carlos Prestes.
  • 8. 3ª FASE – DE 1930 ATÉ OS DIAS DE HOJE  Após 1930, houve um crescimento das posições trabalhistas e esvaziamento dos comunistas.  GV utilizou das lutas operárias para aprovar uma extensão legislação trabalhista.  O Estado aparece como o mediador da relações Capital-Trabalho.  Os Sindicatos são corporações que recebem “contribuição social”, que é obrigatória, e atuam como geradores de empregos, grupos de pressão e “aparelhos” de partidos políticos.