SlideShare uma empresa Scribd logo
C
SISTEMA SENSORIAL
VETERINÁRIA
Prof. Marília Gomes
Os órgãos dos sentidos
fundamentais do corpo humano constituem
as funções que
propiciam o nosso relacionamento com o
ambiente
Por meio dos sentidos,
o nosso corpo pode perceber
muitas coisas que nos rodeiam,
contribuindo para a nossa sobrevivência e
integração
com o ambiente em que vivemos
Isso só acontece porque
estruturas aperfeiçoadas existentes
na periferia do nosso corpo
recebem os estímulos externos
Em seguida nervos locais
conduzem os impulsos nervosos
ao cérebro e, finalmente,
esses impulsos são "processados"
resultando na capacidade de distinguir
percepções diversas
•Funções:
Caça
Defesa
Orientação
Reprodução
Alimentação
Sistema sensorial
• Constituído pelos órgãos do sentido:
1. Pele
2. Fossas nasais
3. Língua
4. Olhos
5. Ouvidos
•Sistema nervoso periférico possui
terminações sensitivas
•Os diferentes estímulos do
ambiente são transformados em
impulsos nervosos
Receptores
podem ser
classificados:
• De acordo com o local onde captam estímulos
• De acordo com a natureza do estímulo que captam
Local onde
captam
estímulos:
Exterorreceptores: superfície do corpo, estímulos
ambientais (luz, calor, sons, pressão)
Propriorreceptores: estímulos do interior do
corpo (músculos, tendões, juntas e órgãos)
Interorreceptores: percebem as condições
internas do corpo (pH, pressão osmótica, temperatura,
composição do sangue)
•Natureza do estímulo que captam:
1. Quimiorreceptores: subst. químicas
2. Fotorreceptores: luminosos
3. Termorreceptores: térmicos
4. Mecanorreceptores: mecânicos
1 – Quimiorreceptores:
• Língua e nariz (paladar e o olfato)
• Percebem substâncias químicas
• Papilas gustativas distinguem os sabores
• Epitélio olfatório no teto das cavidades
nasais
2 – Termorreceptores:
• Pele (tato)
• Percebem estímulos de
natureza térmica
• Captam variações de
temperatura
3 – Mecanorreceptores:
• Pele (tato)
• Ouvidos externo e médio e a cóclea (ondas sonoras)
• Correspondem à percepção dos estímulos mecânicos
4 – Fotorreceptores:
• Olhos (luminosidade)
• Na retina situam-se células
fotorreceptoras, cones e
bastonetes
TATO – PELE
•Termorreceptores
•Mecanorreceptores
• Percebe diferentes sensações na pele
• Terminações nervosas livres e corpúsculos = receptores táteis
• Mãos, pés e lábios tem maior número de receptores táteis
Terminações nervosas livres: percebe estímulos
mecânicos, térmicos e dolorosos
Corpúsculo de Ruffini: capta sensações de calor
Corpúsculo de Krause: capta sensações de frio
Corpúsculo de Meissner: capta sensações por toque
Receptores táteis:
Receptores captam informações e
transmitem aos nervos
Nervos encaminham as
informações ao SNC
No córtex cerebral as informações
são processadas e devolvidas
OLFATO – FOSSAS NASAIS
• Quimiorreceptores
• Localizado no crânio
• Formado por espessamento epidérmico
• Capta odores quando os neuroreceptores recebem as moléculas
de uma substância por meio da dissolução no muco
• O teto das cavidades nasais
abriga o órgão olfatório
• Células sensoriais e neurônios
são estimulados e originam
impulsos nervosos
• Encaminhados ao lobo olfatório
cerebral produzindo a sensação
de cheiro
PALADAR – LÍNGUA
• Quimiorreceptores
• Papilas gustatórias - língua e palato
• Promovem sensações táteis (papilas
filiformes)
• Sabores (papilas circunvaladas,
fungiformes e foliáceas)
• Sabor = combinação de odores (80%) e gostos (20%)
• Textura, temperatura, ardência e cor dos alimentos influenciam
nas sensações palatais
• O gosto final é resultante do somatório de estímulos recebidos e
enviados ao cérebro
VISÃO - OLHOS
• Fotorreceptores
• Captam a luminosidade
• Olhos são bolsas membranosas cheias de líquido
• Embutidas em cavidades ósseas do crânio - órbitas oculares
• Estão associadas a estruturas acessórias – pálpebras, cílios,
sobrancelhas, canal lacrimal, músculos
• Cílios, sobrancelhas e pálpebras: protegem
os olhos
• Pálpebras: ajudam a distribuir a lágrima
• Conjuntiva: película resistente que envolve
externamente o olho (tecido fibroso e
elástico)
• Aparelho lacrimal: glândula produtora de
lágrima - lubrifica o olho
• No canto interno palpebral existem um
orifício e um canal que levam a lágrima já
usada para o nariz
• Lágrima: limpa, facilita o ato de piscar e nutri o olho
• Músculos: permitem movimento ocular, limitado pelo nervo
óptico, um feixe de fibras nervosas (do interior do globo ocular
em direção ao encéfalo)
• Cada olho gira dentro de sua órbita
• Globo ocular:
1. Esclerótica: cobertura protetora que confere rigidez ao olho,
proporciona resistência e elasticidade suficiente para suportar a
pressão intra-ocular, possui o tom branco
2. Córnea: membrana transparente, permite a entrada de raios de
luz no olho e a formação de uma imagem nítida na retina
3. Cristalino: lente biconvexa, transparente, flexível situada no
interior do olho, atrás da pupila, permite passar raios de luz até
focá-los sobre a retina, para conseguir uma imagem nítida
4. Humor vítreo: substância viscosa e transparente, que preenche
a porção entre o cristalino e a retina
5. Retina: camada nervosa, transforma estímulos luminosos em
nervosos, enviados ao cérebro pelo nervo óptico, localizada na
porção interna do olho, onde se encontram célula
fotorreceptoras:
Cones: responsáveis pela visão central e pelas cores e
Bastonetes: responsáveis pela visão periférica e noturna
• Águias possuem 2 centros de visão,
conseguem olhar pra frente e pra
baixo ao mesmo tempo
• Corujas conseguem ver a 80 metros
na penumbra e viram a cabeça 180°
• Os gatos possuem a
cavidade ocular maior
do que outros animais
• Em situações de pouca
luz consegue dilatar a
pupila para cobrir
praticamente toda a íris
• Os cães tem dificuldade em distinguir as cores verde e vermelho
• São míopes, só consegue ver detalhes a uma distância de 6m
AUDIÇÃO - OUVIDOS
• Mecanorreceptores
• O corpo vibra e o ar ao redor
também
• As vibrações são percebidas pelo
ouvido, capaz de captar ondas que se
repetem de 16 a 20.000 vezes por
segundo
• O ouvido é dividido em três partes:
1. ouvido externo
2. ouvido médio
3. ouvido interno
• Transforma a energia das ondas em vibrações mais potentes para
serem captadas pelo sistema nervoso auditivo
• OUVIDO EXTERNO:
• Pavilhão e canal auditivo
• Termina no tímpano
• Pavilhão externo: capta som, pode ser fixo ou móvel
• Canal auditivo ou meato acústico externo: revestido internamente por
pele, pelos e glândulas sebáceas e ceruminosas
• Função: proteger o tímpano
• OUVIDO MÉDIO:
• Do tímpano até as janelas redonda e oval (membranas entre o ouvido
médio e interno)
• Contêm três minúsculos ossos que transmitem a vibração do tímpano
até a janela oval
1. Martelo
2. Bigorna
3. Estribo
• Um canal chamado trompa de
Eustáquio comunica o ouvido médio
com a faringe
• Este tubo serve para que as
pressões do ar de um lado e do
outro do tímpano fiquem
equilibradas
• OUVIDO INTERNO:
• Janela oval que transmite vibrações ao ouvido interno
• Formado por:
1. Cóclea ou caracol (percepção dos sons) - terminações do nervo
auditivo
2. Canais semicirculares (relacionados com o equilíbrio)
CURIOSIDADE
1. O ornitorrinco é o único mamífero que possui eletrorrecepção. Assim, quando
está em águas turvas, ele utiliza os sensores no seu bico para detectar impulsos
elétricos enviados pelas presas;
2. Os elefantes são extremamente sensíveis quando o assunto é vibração. Eles
utilizam a atividade sísmica gerada pelas suas trombas e patas para se comunicar
com outros elefantes e avisar sobre perigos, territórios ou parceiros;
3. A toupeira-nariz-de-estrela tem 22 pequenas trombas que somam
cerca de cem mil fibras nervosas – número que representa seis vezes mais
receptores táteis do que o encontrado em uma mão humana. E cada um
dos pequenos tentáculos se move com uma velocidade maior do que os
olhos humanos podem detectar;
4. As focas são famosas pelos seus bigodes e não é para menos – é
através deles que elas conseguem detectar o rastro hidrodinâmico de
peixes que nadam em uma distância de até 180 metros;
5. Além de saborear suas presas, as cobras usam a língua para rastreá-las
através do cheiro. O órgão bifurcado é capaz de captar moléculas de cheiro de
outros animais através de ductos especiais que as cobras têm na boca. Esses
ductos ligam ao órgão de Jacobson, que é capaz de detectar onde a presa se
encontra;
6. Ratos e toupeiras comuns conseguem identificar os cheiros de maneira
independente em suas narinas. Com tal habilidade, os pesquisadores têm
utilizado esses animais para localizar minas e outros explosivos na África;
7. Até 40% do cérebro de um tubarão é dedicado ao olfato. É por isso que os
especialistas acreditam que esses animais sejam capazes de farejar uma presa
há cinco mil metros de distância no meio do oceano;
8. Para as aves de rapina, a visão é o sentido mais importante. Enquanto voam
a 160 km/h ou mais, os falcões conseguem enxergar suas presas graças ao
número reduzido de vasos sanguíneos que possuem na retina. Como os vasos
espalham a luz, ter menos deles significa ter uma visão mais acurada;
9. Os cientistas acreditam que as vieiras – que são moluscos bivalves – sejam
capazes de distinguir entre o claro e o escuro graças aos cem olhos que
possuem em seu manto. A superfície reflexiva que se encontra por trás de
cada olho focaliza a luz com duas retinas para formar uma imagem;
10. Algumas espécies de aranhas-saltadoras possuem oito olhos
posicionados na cabeça não só para criar uma visão de quase 360°, mas
também porque assim elas conseguem detectar a radiação ultravioleta, o
que facilita o acasalamento;
11. O peixe quatro-olhos (Anableps anableps), apesar do nome, tem apenas
dois olhos. A diferença é que eles são divididos: as partes superiores cuidam
dos possíveis predadores que podem surgir acima da superfície da água,
enquanto as partes inferiores ficam atentas a tudo que acontece debaixo da
água;
12. Os lobos mostram que sabem o que é afinação e, para que sua voz não
se confunda no bando, cada um elege uma nota única;
13. O bagre tem seu corpo coberto de papilas gustativas. É como se ele
fosse uma grande língua que consegue identificar as presas mais saborosas
onde quer que vá;
14. De maneira semelhante, as minhocas têm seu corpo inteiro coberto
por receptores que conseguem detectar alterações químicas no solo e
captar sabores;
15. Mais do que buscar alimentos, os pássaros da espécie Zonotrichia
leucophrys e alguns tipos de cervos são capazes de sentir se seu
organismo está precisando de algum nutriente importante. Com essa
capacidade, eles costumam buscar alimentos ricos em aminoácidos que
não podem ser produzidos ou armazenados no organismo;
16. As abelhas operárias navegam utilizando anéis de óxido de ferro
paramagnético que existem em seus abdomens. Esses anéis se alteram de
acordo com as mudanças magnéticas externas, o que permite que os insetos
encontrem o caminho para casa seguindo os campos magnéticos da Terra;
17. Os besouros-joia possuem sensores que captam a radiação infravermelha
proveniente de incêndios florestais que ocorram em até 80 quilômetros de
distância. Curiosamente, os insetos dessa espécie utilizam áreas recém-
queimadas para acasalar – o que faz com que essa habilidade seja essencial
para a continuação da espécie.
C
OBRIGADA

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Sistema endócrino veterinária
Sistema endócrino veterináriaSistema endócrino veterinária
Sistema endócrino veterinária
Marília Gomes
 
Sistema urinário - Anatomia veterinária
Sistema urinário - Anatomia veterináriaSistema urinário - Anatomia veterinária
Sistema urinário - Anatomia veterinária
Marília Gomes
 
Sistema respiratório veterinária
Sistema respiratório veterináriaSistema respiratório veterinária
Sistema respiratório veterinária
Marília Gomes
 
Fisiologia do sistema nervoso - Anatomia e Funções
Fisiologia do sistema nervoso - Anatomia e FunçõesFisiologia do sistema nervoso - Anatomia e Funções
Fisiologia do sistema nervoso - Anatomia e Funções
Pedro Augusto
 
Tegumento comum veterinária
Tegumento comum veterináriaTegumento comum veterinária
Tegumento comum veterinária
Marília Gomes
 
Exame clínico neurológico de cães pedro augusto cordeiro borges
Exame clínico neurológico de cães   pedro augusto cordeiro borgesExame clínico neurológico de cães   pedro augusto cordeiro borges
Exame clínico neurológico de cães pedro augusto cordeiro borges
Pedro Augusto
 
Tireoide ( Anatomia Veterinária)
 Tireoide ( Anatomia Veterinária) Tireoide ( Anatomia Veterinária)
Tireoide ( Anatomia Veterinária)
Jacqueline Gomes
 
Sistema sensorial veterinária
Sistema sensorial veterináriaSistema sensorial veterinária
Sistema sensorial veterinária
Marília Gomes
 
Sistema reprodutor - Anatomia veterinária
Sistema reprodutor - Anatomia veterináriaSistema reprodutor - Anatomia veterinária
Sistema reprodutor - Anatomia veterinária
Marília Gomes
 
Os 5 sentidos do cão
Os 5 sentidos do cãoOs 5 sentidos do cão
Os 5 sentidos do cão
Hospital Veterinário do Porto
 
Osteologia animal - anatomia animal I
Osteologia animal - anatomia animal IOsteologia animal - anatomia animal I
Osteologia animal - anatomia animal I
Marília Gomes
 
Sistema respiratório
Sistema respiratórioSistema respiratório
Sistema respiratório
Marília Gomes
 
Termorregulação
TermorregulaçãoTermorregulação
Termorregulação
Helena Amaral
 
Patologia do Sistema Respiratório
Patologia do Sistema RespiratórioPatologia do Sistema Respiratório
Patologia do Sistema Respiratório
Raimundo Tostes
 
Topografia veterinária - cabeça
Topografia veterinária - cabeçaTopografia veterinária - cabeça
Topografia veterinária - cabeça
Marília Gomes
 
patologias do sistema cardiovascular
patologias do sistema cardiovascularpatologias do sistema cardiovascular
patologias do sistema cardiovascular
Marília Gomes
 
Sistema digestório - anatomia humana II
Sistema digestório - anatomia humana IISistema digestório - anatomia humana II
Sistema digestório - anatomia humana II
Marília Gomes
 
Etiopatogenia da Osteoartrite Equina
Etiopatogenia da Osteoartrite EquinaEtiopatogenia da Osteoartrite Equina
Etiopatogenia da Osteoartrite Equina
Pedro Augusto
 
Sistema sensorial humano
Sistema sensorial humanoSistema sensorial humano
Sistema sensorial humano
Elisa Margarita Orlandi
 
Fisiologia renal Veterinária
Fisiologia renal VeterináriaFisiologia renal Veterinária
Fisiologia renal Veterinária
Patrícia Oliver
 

Mais procurados (20)

Sistema endócrino veterinária
Sistema endócrino veterináriaSistema endócrino veterinária
Sistema endócrino veterinária
 
Sistema urinário - Anatomia veterinária
Sistema urinário - Anatomia veterináriaSistema urinário - Anatomia veterinária
Sistema urinário - Anatomia veterinária
 
Sistema respiratório veterinária
Sistema respiratório veterináriaSistema respiratório veterinária
Sistema respiratório veterinária
 
Fisiologia do sistema nervoso - Anatomia e Funções
Fisiologia do sistema nervoso - Anatomia e FunçõesFisiologia do sistema nervoso - Anatomia e Funções
Fisiologia do sistema nervoso - Anatomia e Funções
 
Tegumento comum veterinária
Tegumento comum veterináriaTegumento comum veterinária
Tegumento comum veterinária
 
Exame clínico neurológico de cães pedro augusto cordeiro borges
Exame clínico neurológico de cães   pedro augusto cordeiro borgesExame clínico neurológico de cães   pedro augusto cordeiro borges
Exame clínico neurológico de cães pedro augusto cordeiro borges
 
Tireoide ( Anatomia Veterinária)
 Tireoide ( Anatomia Veterinária) Tireoide ( Anatomia Veterinária)
Tireoide ( Anatomia Veterinária)
 
Sistema sensorial veterinária
Sistema sensorial veterináriaSistema sensorial veterinária
Sistema sensorial veterinária
 
Sistema reprodutor - Anatomia veterinária
Sistema reprodutor - Anatomia veterináriaSistema reprodutor - Anatomia veterinária
Sistema reprodutor - Anatomia veterinária
 
Os 5 sentidos do cão
Os 5 sentidos do cãoOs 5 sentidos do cão
Os 5 sentidos do cão
 
Osteologia animal - anatomia animal I
Osteologia animal - anatomia animal IOsteologia animal - anatomia animal I
Osteologia animal - anatomia animal I
 
Sistema respiratório
Sistema respiratórioSistema respiratório
Sistema respiratório
 
Termorregulação
TermorregulaçãoTermorregulação
Termorregulação
 
Patologia do Sistema Respiratório
Patologia do Sistema RespiratórioPatologia do Sistema Respiratório
Patologia do Sistema Respiratório
 
Topografia veterinária - cabeça
Topografia veterinária - cabeçaTopografia veterinária - cabeça
Topografia veterinária - cabeça
 
patologias do sistema cardiovascular
patologias do sistema cardiovascularpatologias do sistema cardiovascular
patologias do sistema cardiovascular
 
Sistema digestório - anatomia humana II
Sistema digestório - anatomia humana IISistema digestório - anatomia humana II
Sistema digestório - anatomia humana II
 
Etiopatogenia da Osteoartrite Equina
Etiopatogenia da Osteoartrite EquinaEtiopatogenia da Osteoartrite Equina
Etiopatogenia da Osteoartrite Equina
 
Sistema sensorial humano
Sistema sensorial humanoSistema sensorial humano
Sistema sensorial humano
 
Fisiologia renal Veterinária
Fisiologia renal VeterináriaFisiologia renal Veterinária
Fisiologia renal Veterinária
 

Semelhante a Topografia animal - órgãos do sentido

Sistema sensorial - anatomia humana
Sistema sensorial - anatomia humanaSistema sensorial - anatomia humana
Sistema sensorial - anatomia humana
Marília Gomes
 
Sistema sensorial .. anatomia
Sistema sensorial   .. anatomiaSistema sensorial   .. anatomia
Sistema sensorial .. anatomia
Alenice Aliane
 
Os 5 sentidos do cão
Os 5 sentidos do cãoOs 5 sentidos do cão
Os 5 sentidos do cão
Hospital Veterinário do Porto
 
Órgãos dos Sentidos
Órgãos dos SentidosÓrgãos dos Sentidos
Órgãos dos Sentidos
Daniela José Arozi
 
Sistema sensorial fisiologia
Sistema sensorial   fisiologiaSistema sensorial   fisiologia
Sistema sensorial fisiologia
Malu Correia
 
óRgãOs Do Sentido
óRgãOs Do SentidoóRgãOs Do Sentido
óRgãOs Do Sentido
gueste74a91
 
Histologia vegetal
Histologia vegetalHistologia vegetal
Histologia vegetal
Adrian Rafael Macedo
 
Apresentação de ciências
Apresentação de ciênciasApresentação de ciências
Apresentação de ciências
Reinaldo Baptista De Oliveira
 
orgãos do sentido.pdf
orgãos do sentido.pdforgãos do sentido.pdf
orgãos do sentido.pdf
rickriordan
 
Apresentação orgaos do sentidos
Apresentação orgaos do  sentidosApresentação orgaos do  sentidos
Apresentação orgaos do sentidos
Marcionedes De Souza
 
Aula 08 sistema sensorial - anatomia e fisiologia
Aula 08   sistema sensorial - anatomia e fisiologiaAula 08   sistema sensorial - anatomia e fisiologia
Aula 08 sistema sensorial - anatomia e fisiologia
Hamilton Nobrega
 
Estímulos Nervosos
Estímulos NervososEstímulos Nervosos
Estímulos Nervosos
marco :)
 
Órgãos do Sentido.ppt
Órgãos do Sentido.pptÓrgãos do Sentido.ppt
Órgãos do Sentido.ppt
carlasuzane2
 
Sentidos
SentidosSentidos
Sistema Sensorial Completo
Sistema Sensorial CompletoSistema Sensorial Completo
Sistema Sensorial Completo
Renata Oliveira
 
Sistema sensorial anatomia cetesp
Sistema sensorial anatomia cetespSistema sensorial anatomia cetesp
Sistema sensorial anatomia cetesp
Laercio Leao
 
+Texto+informativo+ +os+órgãos+dos+sentidos-13+cópias
+Texto+informativo+ +os+órgãos+dos+sentidos-13+cópias+Texto+informativo+ +os+órgãos+dos+sentidos-13+cópias
+Texto+informativo+ +os+órgãos+dos+sentidos-13+cópias
sibelems
 
O ouvido-humano-estrutura-e-funcionamento
O ouvido-humano-estrutura-e-funcionamentoO ouvido-humano-estrutura-e-funcionamento
O ouvido-humano-estrutura-e-funcionamento
Maria Teixiera
 
Órgãos dos sentidos
Órgãos dos sentidosÓrgãos dos sentidos
Órgãos dos sentidos
ClaudiaFael1
 
Sistema sensorial dos vertebrados - UFPA
Sistema sensorial dos vertebrados  - UFPASistema sensorial dos vertebrados  - UFPA
Sistema sensorial dos vertebrados - UFPA
Guellity Marcel
 

Semelhante a Topografia animal - órgãos do sentido (20)

Sistema sensorial - anatomia humana
Sistema sensorial - anatomia humanaSistema sensorial - anatomia humana
Sistema sensorial - anatomia humana
 
Sistema sensorial .. anatomia
Sistema sensorial   .. anatomiaSistema sensorial   .. anatomia
Sistema sensorial .. anatomia
 
Os 5 sentidos do cão
Os 5 sentidos do cãoOs 5 sentidos do cão
Os 5 sentidos do cão
 
Órgãos dos Sentidos
Órgãos dos SentidosÓrgãos dos Sentidos
Órgãos dos Sentidos
 
Sistema sensorial fisiologia
Sistema sensorial   fisiologiaSistema sensorial   fisiologia
Sistema sensorial fisiologia
 
óRgãOs Do Sentido
óRgãOs Do SentidoóRgãOs Do Sentido
óRgãOs Do Sentido
 
Histologia vegetal
Histologia vegetalHistologia vegetal
Histologia vegetal
 
Apresentação de ciências
Apresentação de ciênciasApresentação de ciências
Apresentação de ciências
 
orgãos do sentido.pdf
orgãos do sentido.pdforgãos do sentido.pdf
orgãos do sentido.pdf
 
Apresentação orgaos do sentidos
Apresentação orgaos do  sentidosApresentação orgaos do  sentidos
Apresentação orgaos do sentidos
 
Aula 08 sistema sensorial - anatomia e fisiologia
Aula 08   sistema sensorial - anatomia e fisiologiaAula 08   sistema sensorial - anatomia e fisiologia
Aula 08 sistema sensorial - anatomia e fisiologia
 
Estímulos Nervosos
Estímulos NervososEstímulos Nervosos
Estímulos Nervosos
 
Órgãos do Sentido.ppt
Órgãos do Sentido.pptÓrgãos do Sentido.ppt
Órgãos do Sentido.ppt
 
Sentidos
SentidosSentidos
Sentidos
 
Sistema Sensorial Completo
Sistema Sensorial CompletoSistema Sensorial Completo
Sistema Sensorial Completo
 
Sistema sensorial anatomia cetesp
Sistema sensorial anatomia cetespSistema sensorial anatomia cetesp
Sistema sensorial anatomia cetesp
 
+Texto+informativo+ +os+órgãos+dos+sentidos-13+cópias
+Texto+informativo+ +os+órgãos+dos+sentidos-13+cópias+Texto+informativo+ +os+órgãos+dos+sentidos-13+cópias
+Texto+informativo+ +os+órgãos+dos+sentidos-13+cópias
 
O ouvido-humano-estrutura-e-funcionamento
O ouvido-humano-estrutura-e-funcionamentoO ouvido-humano-estrutura-e-funcionamento
O ouvido-humano-estrutura-e-funcionamento
 
Órgãos dos sentidos
Órgãos dos sentidosÓrgãos dos sentidos
Órgãos dos sentidos
 
Sistema sensorial dos vertebrados - UFPA
Sistema sensorial dos vertebrados  - UFPASistema sensorial dos vertebrados  - UFPA
Sistema sensorial dos vertebrados - UFPA
 

Mais de Marília Gomes

Possibilidades de tratamentos integrativos na medicina veterinária
Possibilidades de tratamentos integrativos na medicina veterináriaPossibilidades de tratamentos integrativos na medicina veterinária
Possibilidades de tratamentos integrativos na medicina veterinária
Marília Gomes
 
Patologias do sistema reprodutor
Patologias do sistema reprodutorPatologias do sistema reprodutor
Patologias do sistema reprodutor
Marília Gomes
 
Patologias do sistema urinário
Patologias do sistema urinárioPatologias do sistema urinário
Patologias do sistema urinário
Marília Gomes
 
Bem-estar em avicultura e suinocultura
Bem-estar em avicultura e suinoculturaBem-estar em avicultura e suinocultura
Bem-estar em avicultura e suinocultura
Marília Gomes
 
Principais doenças que acometem aves comerciais
Principais doenças que acometem aves comerciaisPrincipais doenças que acometem aves comerciais
Principais doenças que acometem aves comerciais
Marília Gomes
 
Necropsia em aves
Necropsia em avesNecropsia em aves
Necropsia em aves
Marília Gomes
 
Tratamento via água e ração
Tratamento via água e raçãoTratamento via água e ração
Tratamento via água e ração
Marília Gomes
 
Medicina de mamíferos selvagens
Medicina de mamíferos selvagensMedicina de mamíferos selvagens
Medicina de mamíferos selvagens
Marília Gomes
 
Medicina de répteis
Medicina de répteisMedicina de répteis
Medicina de répteis
Marília Gomes
 
Medicina de aves selvagens
Medicina de aves selvagensMedicina de aves selvagens
Medicina de aves selvagens
Marília Gomes
 
Semiologia de animais selvagens
Semiologia de animais selvagensSemiologia de animais selvagens
Semiologia de animais selvagens
Marília Gomes
 
Conceitos, biosseguridade e conservação de animais selvagens
Conceitos, biosseguridade e conservação de animais selvagensConceitos, biosseguridade e conservação de animais selvagens
Conceitos, biosseguridade e conservação de animais selvagens
Marília Gomes
 
Anatomia topográfica das aves
Anatomia topográfica das avesAnatomia topográfica das aves
Anatomia topográfica das aves
Marília Gomes
 
Topografia veterinária - membros torácicos e pélvicos
Topografia veterinária - membros torácicos e pélvicosTopografia veterinária - membros torácicos e pélvicos
Topografia veterinária - membros torácicos e pélvicos
Marília Gomes
 
Patologias do sistema respiratório
Patologias do sistema respiratórioPatologias do sistema respiratório
Patologias do sistema respiratório
Marília Gomes
 
Topografia veterinária - abdômen
Topografia veterinária - abdômenTopografia veterinária - abdômen
Topografia veterinária - abdômen
Marília Gomes
 
Topografia veterinária - tórax
Topografia veterinária - tóraxTopografia veterinária - tórax
Topografia veterinária - tórax
Marília Gomes
 
Pigmentos e pigmentações
Pigmentos e pigmentaçõesPigmentos e pigmentações
Pigmentos e pigmentações
Marília Gomes
 
Calcificações patológicas
Calcificações patológicasCalcificações patológicas
Calcificações patológicas
Marília Gomes
 
Lesões celulares reversíveis e irreversíveis 15.09.21
Lesões celulares reversíveis e irreversíveis 15.09.21Lesões celulares reversíveis e irreversíveis 15.09.21
Lesões celulares reversíveis e irreversíveis 15.09.21
Marília Gomes
 

Mais de Marília Gomes (20)

Possibilidades de tratamentos integrativos na medicina veterinária
Possibilidades de tratamentos integrativos na medicina veterináriaPossibilidades de tratamentos integrativos na medicina veterinária
Possibilidades de tratamentos integrativos na medicina veterinária
 
Patologias do sistema reprodutor
Patologias do sistema reprodutorPatologias do sistema reprodutor
Patologias do sistema reprodutor
 
Patologias do sistema urinário
Patologias do sistema urinárioPatologias do sistema urinário
Patologias do sistema urinário
 
Bem-estar em avicultura e suinocultura
Bem-estar em avicultura e suinoculturaBem-estar em avicultura e suinocultura
Bem-estar em avicultura e suinocultura
 
Principais doenças que acometem aves comerciais
Principais doenças que acometem aves comerciaisPrincipais doenças que acometem aves comerciais
Principais doenças que acometem aves comerciais
 
Necropsia em aves
Necropsia em avesNecropsia em aves
Necropsia em aves
 
Tratamento via água e ração
Tratamento via água e raçãoTratamento via água e ração
Tratamento via água e ração
 
Medicina de mamíferos selvagens
Medicina de mamíferos selvagensMedicina de mamíferos selvagens
Medicina de mamíferos selvagens
 
Medicina de répteis
Medicina de répteisMedicina de répteis
Medicina de répteis
 
Medicina de aves selvagens
Medicina de aves selvagensMedicina de aves selvagens
Medicina de aves selvagens
 
Semiologia de animais selvagens
Semiologia de animais selvagensSemiologia de animais selvagens
Semiologia de animais selvagens
 
Conceitos, biosseguridade e conservação de animais selvagens
Conceitos, biosseguridade e conservação de animais selvagensConceitos, biosseguridade e conservação de animais selvagens
Conceitos, biosseguridade e conservação de animais selvagens
 
Anatomia topográfica das aves
Anatomia topográfica das avesAnatomia topográfica das aves
Anatomia topográfica das aves
 
Topografia veterinária - membros torácicos e pélvicos
Topografia veterinária - membros torácicos e pélvicosTopografia veterinária - membros torácicos e pélvicos
Topografia veterinária - membros torácicos e pélvicos
 
Patologias do sistema respiratório
Patologias do sistema respiratórioPatologias do sistema respiratório
Patologias do sistema respiratório
 
Topografia veterinária - abdômen
Topografia veterinária - abdômenTopografia veterinária - abdômen
Topografia veterinária - abdômen
 
Topografia veterinária - tórax
Topografia veterinária - tóraxTopografia veterinária - tórax
Topografia veterinária - tórax
 
Pigmentos e pigmentações
Pigmentos e pigmentaçõesPigmentos e pigmentações
Pigmentos e pigmentações
 
Calcificações patológicas
Calcificações patológicasCalcificações patológicas
Calcificações patológicas
 
Lesões celulares reversíveis e irreversíveis 15.09.21
Lesões celulares reversíveis e irreversíveis 15.09.21Lesões celulares reversíveis e irreversíveis 15.09.21
Lesões celulares reversíveis e irreversíveis 15.09.21
 

Último

-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
fagnerlopes11
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
LILIANPRESTESSCUDELE
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
MarceloMonteiro213738
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
Manuais Formação
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
JoeteCarvalho
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
JoanaFigueira11
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdfAULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
SthafaniHussin1
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
joaresmonte3
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
CarinaSantos916505
 

Último (20)

-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdfAULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
 

Topografia animal - órgãos do sentido

  • 2. Os órgãos dos sentidos fundamentais do corpo humano constituem as funções que propiciam o nosso relacionamento com o ambiente
  • 3. Por meio dos sentidos, o nosso corpo pode perceber muitas coisas que nos rodeiam, contribuindo para a nossa sobrevivência e integração com o ambiente em que vivemos
  • 4. Isso só acontece porque estruturas aperfeiçoadas existentes na periferia do nosso corpo recebem os estímulos externos
  • 5. Em seguida nervos locais conduzem os impulsos nervosos ao cérebro e, finalmente, esses impulsos são "processados" resultando na capacidade de distinguir percepções diversas
  • 7. Sistema sensorial • Constituído pelos órgãos do sentido: 1. Pele 2. Fossas nasais 3. Língua 4. Olhos 5. Ouvidos
  • 8. •Sistema nervoso periférico possui terminações sensitivas •Os diferentes estímulos do ambiente são transformados em impulsos nervosos
  • 9. Receptores podem ser classificados: • De acordo com o local onde captam estímulos • De acordo com a natureza do estímulo que captam
  • 10. Local onde captam estímulos: Exterorreceptores: superfície do corpo, estímulos ambientais (luz, calor, sons, pressão) Propriorreceptores: estímulos do interior do corpo (músculos, tendões, juntas e órgãos) Interorreceptores: percebem as condições internas do corpo (pH, pressão osmótica, temperatura, composição do sangue)
  • 11. •Natureza do estímulo que captam: 1. Quimiorreceptores: subst. químicas 2. Fotorreceptores: luminosos 3. Termorreceptores: térmicos 4. Mecanorreceptores: mecânicos
  • 12. 1 – Quimiorreceptores: • Língua e nariz (paladar e o olfato) • Percebem substâncias químicas • Papilas gustativas distinguem os sabores • Epitélio olfatório no teto das cavidades nasais
  • 13. 2 – Termorreceptores: • Pele (tato) • Percebem estímulos de natureza térmica • Captam variações de temperatura
  • 14. 3 – Mecanorreceptores: • Pele (tato) • Ouvidos externo e médio e a cóclea (ondas sonoras) • Correspondem à percepção dos estímulos mecânicos
  • 15.
  • 16. 4 – Fotorreceptores: • Olhos (luminosidade) • Na retina situam-se células fotorreceptoras, cones e bastonetes
  • 18.
  • 19. • Percebe diferentes sensações na pele • Terminações nervosas livres e corpúsculos = receptores táteis • Mãos, pés e lábios tem maior número de receptores táteis
  • 20. Terminações nervosas livres: percebe estímulos mecânicos, térmicos e dolorosos Corpúsculo de Ruffini: capta sensações de calor Corpúsculo de Krause: capta sensações de frio Corpúsculo de Meissner: capta sensações por toque Receptores táteis:
  • 21.
  • 22.
  • 23. Receptores captam informações e transmitem aos nervos Nervos encaminham as informações ao SNC No córtex cerebral as informações são processadas e devolvidas
  • 24. OLFATO – FOSSAS NASAIS • Quimiorreceptores • Localizado no crânio • Formado por espessamento epidérmico • Capta odores quando os neuroreceptores recebem as moléculas de uma substância por meio da dissolução no muco
  • 25. • O teto das cavidades nasais abriga o órgão olfatório • Células sensoriais e neurônios são estimulados e originam impulsos nervosos • Encaminhados ao lobo olfatório cerebral produzindo a sensação de cheiro
  • 26.
  • 27.
  • 28. PALADAR – LÍNGUA • Quimiorreceptores • Papilas gustatórias - língua e palato • Promovem sensações táteis (papilas filiformes) • Sabores (papilas circunvaladas, fungiformes e foliáceas)
  • 29. • Sabor = combinação de odores (80%) e gostos (20%) • Textura, temperatura, ardência e cor dos alimentos influenciam nas sensações palatais • O gosto final é resultante do somatório de estímulos recebidos e enviados ao cérebro
  • 30.
  • 31.
  • 32. VISÃO - OLHOS • Fotorreceptores • Captam a luminosidade
  • 33. • Olhos são bolsas membranosas cheias de líquido • Embutidas em cavidades ósseas do crânio - órbitas oculares • Estão associadas a estruturas acessórias – pálpebras, cílios, sobrancelhas, canal lacrimal, músculos
  • 34.
  • 35.
  • 36. • Cílios, sobrancelhas e pálpebras: protegem os olhos • Pálpebras: ajudam a distribuir a lágrima • Conjuntiva: película resistente que envolve externamente o olho (tecido fibroso e elástico)
  • 37. • Aparelho lacrimal: glândula produtora de lágrima - lubrifica o olho • No canto interno palpebral existem um orifício e um canal que levam a lágrima já usada para o nariz
  • 38. • Lágrima: limpa, facilita o ato de piscar e nutri o olho • Músculos: permitem movimento ocular, limitado pelo nervo óptico, um feixe de fibras nervosas (do interior do globo ocular em direção ao encéfalo) • Cada olho gira dentro de sua órbita
  • 39. • Globo ocular: 1. Esclerótica: cobertura protetora que confere rigidez ao olho, proporciona resistência e elasticidade suficiente para suportar a pressão intra-ocular, possui o tom branco 2. Córnea: membrana transparente, permite a entrada de raios de luz no olho e a formação de uma imagem nítida na retina
  • 40. 3. Cristalino: lente biconvexa, transparente, flexível situada no interior do olho, atrás da pupila, permite passar raios de luz até focá-los sobre a retina, para conseguir uma imagem nítida 4. Humor vítreo: substância viscosa e transparente, que preenche a porção entre o cristalino e a retina
  • 41. 5. Retina: camada nervosa, transforma estímulos luminosos em nervosos, enviados ao cérebro pelo nervo óptico, localizada na porção interna do olho, onde se encontram célula fotorreceptoras: Cones: responsáveis pela visão central e pelas cores e Bastonetes: responsáveis pela visão periférica e noturna
  • 42.
  • 43.
  • 44. • Águias possuem 2 centros de visão, conseguem olhar pra frente e pra baixo ao mesmo tempo • Corujas conseguem ver a 80 metros na penumbra e viram a cabeça 180°
  • 45. • Os gatos possuem a cavidade ocular maior do que outros animais • Em situações de pouca luz consegue dilatar a pupila para cobrir praticamente toda a íris
  • 46. • Os cães tem dificuldade em distinguir as cores verde e vermelho • São míopes, só consegue ver detalhes a uma distância de 6m
  • 47.
  • 48.
  • 49. AUDIÇÃO - OUVIDOS • Mecanorreceptores • O corpo vibra e o ar ao redor também • As vibrações são percebidas pelo ouvido, capaz de captar ondas que se repetem de 16 a 20.000 vezes por segundo
  • 50.
  • 51. • O ouvido é dividido em três partes: 1. ouvido externo 2. ouvido médio 3. ouvido interno • Transforma a energia das ondas em vibrações mais potentes para serem captadas pelo sistema nervoso auditivo
  • 52. • OUVIDO EXTERNO: • Pavilhão e canal auditivo • Termina no tímpano • Pavilhão externo: capta som, pode ser fixo ou móvel • Canal auditivo ou meato acústico externo: revestido internamente por pele, pelos e glândulas sebáceas e ceruminosas • Função: proteger o tímpano
  • 53. • OUVIDO MÉDIO: • Do tímpano até as janelas redonda e oval (membranas entre o ouvido médio e interno) • Contêm três minúsculos ossos que transmitem a vibração do tímpano até a janela oval 1. Martelo 2. Bigorna 3. Estribo
  • 54. • Um canal chamado trompa de Eustáquio comunica o ouvido médio com a faringe • Este tubo serve para que as pressões do ar de um lado e do outro do tímpano fiquem equilibradas
  • 55. • OUVIDO INTERNO: • Janela oval que transmite vibrações ao ouvido interno • Formado por: 1. Cóclea ou caracol (percepção dos sons) - terminações do nervo auditivo 2. Canais semicirculares (relacionados com o equilíbrio)
  • 56.
  • 57.
  • 58.
  • 59. CURIOSIDADE 1. O ornitorrinco é o único mamífero que possui eletrorrecepção. Assim, quando está em águas turvas, ele utiliza os sensores no seu bico para detectar impulsos elétricos enviados pelas presas; 2. Os elefantes são extremamente sensíveis quando o assunto é vibração. Eles utilizam a atividade sísmica gerada pelas suas trombas e patas para se comunicar com outros elefantes e avisar sobre perigos, territórios ou parceiros;
  • 60. 3. A toupeira-nariz-de-estrela tem 22 pequenas trombas que somam cerca de cem mil fibras nervosas – número que representa seis vezes mais receptores táteis do que o encontrado em uma mão humana. E cada um dos pequenos tentáculos se move com uma velocidade maior do que os olhos humanos podem detectar; 4. As focas são famosas pelos seus bigodes e não é para menos – é através deles que elas conseguem detectar o rastro hidrodinâmico de peixes que nadam em uma distância de até 180 metros;
  • 61. 5. Além de saborear suas presas, as cobras usam a língua para rastreá-las através do cheiro. O órgão bifurcado é capaz de captar moléculas de cheiro de outros animais através de ductos especiais que as cobras têm na boca. Esses ductos ligam ao órgão de Jacobson, que é capaz de detectar onde a presa se encontra; 6. Ratos e toupeiras comuns conseguem identificar os cheiros de maneira independente em suas narinas. Com tal habilidade, os pesquisadores têm utilizado esses animais para localizar minas e outros explosivos na África;
  • 62. 7. Até 40% do cérebro de um tubarão é dedicado ao olfato. É por isso que os especialistas acreditam que esses animais sejam capazes de farejar uma presa há cinco mil metros de distância no meio do oceano; 8. Para as aves de rapina, a visão é o sentido mais importante. Enquanto voam a 160 km/h ou mais, os falcões conseguem enxergar suas presas graças ao número reduzido de vasos sanguíneos que possuem na retina. Como os vasos espalham a luz, ter menos deles significa ter uma visão mais acurada;
  • 63. 9. Os cientistas acreditam que as vieiras – que são moluscos bivalves – sejam capazes de distinguir entre o claro e o escuro graças aos cem olhos que possuem em seu manto. A superfície reflexiva que se encontra por trás de cada olho focaliza a luz com duas retinas para formar uma imagem; 10. Algumas espécies de aranhas-saltadoras possuem oito olhos posicionados na cabeça não só para criar uma visão de quase 360°, mas também porque assim elas conseguem detectar a radiação ultravioleta, o que facilita o acasalamento;
  • 64. 11. O peixe quatro-olhos (Anableps anableps), apesar do nome, tem apenas dois olhos. A diferença é que eles são divididos: as partes superiores cuidam dos possíveis predadores que podem surgir acima da superfície da água, enquanto as partes inferiores ficam atentas a tudo que acontece debaixo da água; 12. Os lobos mostram que sabem o que é afinação e, para que sua voz não se confunda no bando, cada um elege uma nota única; 13. O bagre tem seu corpo coberto de papilas gustativas. É como se ele fosse uma grande língua que consegue identificar as presas mais saborosas onde quer que vá;
  • 65. 14. De maneira semelhante, as minhocas têm seu corpo inteiro coberto por receptores que conseguem detectar alterações químicas no solo e captar sabores; 15. Mais do que buscar alimentos, os pássaros da espécie Zonotrichia leucophrys e alguns tipos de cervos são capazes de sentir se seu organismo está precisando de algum nutriente importante. Com essa capacidade, eles costumam buscar alimentos ricos em aminoácidos que não podem ser produzidos ou armazenados no organismo;
  • 66. 16. As abelhas operárias navegam utilizando anéis de óxido de ferro paramagnético que existem em seus abdomens. Esses anéis se alteram de acordo com as mudanças magnéticas externas, o que permite que os insetos encontrem o caminho para casa seguindo os campos magnéticos da Terra; 17. Os besouros-joia possuem sensores que captam a radiação infravermelha proveniente de incêndios florestais que ocorram em até 80 quilômetros de distância. Curiosamente, os insetos dessa espécie utilizam áreas recém- queimadas para acasalar – o que faz com que essa habilidade seja essencial para a continuação da espécie.