SlideShare uma empresa Scribd logo
Todo sistema de serviços de saúde possui duas metas principais. A primeira é
otimizar a saúde da população por meio do emprego do estado mais avançado
do conhecimento sobre a causa das enfermidades, manejo das doenças e
maximização da saúde. A segunda meta, e igualmente importante, é minimizar
as disparidades entre subgrupos populacionais, de modo que determinados
grupos não estejam em desvantagem sistemática em relação ao seu acesso
aos serviços de saúde e ao alcance de um ótimo nível de saúde.
Conforme o conhecimento se acumula, os profissionais tendem a, cada vez
mais, se subespecializar para lidar com o volume de novas informações e
administrá-lo. Portanto, em quase todos os países, vemos as profissões da
área de saúde ficarem mais fragmentadas, com um crescente estreitamento de
interesses e competências e um enfoque sobre enfermidades ou tipos de
enfermidades específicas em vez de sobre a saúde geral das pessoas e
comunidades.
Um sistema de saúde orientado para a subespecialização possui outro
problema: ele ameaça os objetivos de eqüidade. Nenhuma sociedade possui
recursos ilimitados para fornecer serviços de saúde. A atenção
subespecializada é mais cara do que a atenção primária e, portanto, menos
acessível para os indivíduos com menos recursos poderem pagar por ela. Além
disso, os recursos necessários para a atenção altamente técnica orientada
para a enfermidade competem com aqueles exigidos para oferecer serviços
básicos, especialmente para as pessoas que não podem pagar por eles.
Os níveis de atenção, as
estratégias para organização da atenção à saúde e uma “ filosofia”
estão inter-relacionados, sendo que a definição de atenção primária utilizada
neste livro capta suas inter-relações. A atenção primária difere da atenção por
consulta, de curta duração (atenção secundária) e do manejo da enfermidade a
longo prazo (atenção terciária) por várias características. A atenção primária
lida com os problemas mais comuns e menos definidos, geralmente em
unidades comunitárias como consultórios, centros de saúde, escolas e lares.
Os pacientes têm acesso direto a uma fonte adequada de atenção que é
continuada ao longo do tempo, para diversos problemas e que inclui a
necessidade de serviços preventivos.
Em 1920, oito anos após a instituição do seguro nacional de saúde na Grã-
Bretanha, foi divulgado um “ texto oficial” (Lord Dawson of Penn, 1920)
tratando da organização do sistema de serviços de saúde. Distinguia três níveis
principais de serviços de saúde: centros de saúde primários, centros de saúde
secundários e hospitais-escola. Foram propostos vínculos formais entre os três
níveis e foram descritas as funções de cada um. Esta formulação foi a base
para o conceito de regionalização: um sistema de organização de serviços
planejado para responder aos vários níveis de necessidade de serviços
médicos da população.
A atenção primária, conforme foi definida no Capítulo 1, oferece o suporte
filosófico para a organização de um sistema de serviços de saúde. Mas as
definições gerais não ajudam quando a tarefa é determinar se um dado sistema
merece a descrição de atenção primária. É necessário que sejamos mais
específicos. Historicamente, a atenção primária tem sido definida pelo tipo de
médico que a exerce; mesmo atualmente é comum que seja caracterizada
como aquele atendimento oferecido por clínicos gerais (ou médicos de família).
O problema com esta caracterização é que a norma para a atenção primária
transformase naquela que descreve as unidades de medicina de família. Como
isto pode variar de lugar para lugar e de país para país, é necessária uma
melhor alternativa para especificar suas funções.
As abordagens para a administração variam desde aqueles
com menos poder (capacidade de ser ouvido) aos com mais poder
(capacidade de controlar a organização). A variação consiste de
três tipos principais: controle, escolha e persuasão moral/legal
(Saltman, 1994). O controle político, no qual as pessoas têm
autoridade sobre os orçamentos e alocação de recursos, é a forma
mais direta de administração; também condiz com a tomada de
decisão coletiva, democrática. A escolha, como uma forma
alternativa de administração, é um método muito mais indireto
baseado no princípio de que permitir às pessoas que escolham
onde e de quem desejam receber seus serviços encorajará a
competição, e assim, por omissão, a responsabilidade será
alcançada. Levando o princípio da escolha à sua conclusão lógica,
o financiamento dos serviços permitiria às pessoas buscarem
atendimento por prestadores de serviços de saúde alternativos e
receberem reembolso como se tivessem sido atendidas por
profissionais médicos convencionais.
Como já foi anteriormente declarado, são necessários um
dos quatro elementos estruturais (acessibilidade, variedade de
serviços, população eletiva e continuidade) e um dos dois elementos
processuais (utilização, reconhecimento do problema) para medir
o potencial e o alcance de cada um dos atributos da atenção
primária: atenção ao primeiro contato, longitudinalidade,
integralidade e coordenação. Cada um dos quatro atributos é
suficientemente importante para garantir um capítulo em separado.
A seção seguinte descreve resumidamente os elementos estruturais
e processuais necessários para medir cada um.
undidas com as tarefas que são necessárias para realizar
algumas delas. Assim, a atenção primária, freqüentemente, é
caracterizada pelo tipo de serviços que oferece dentro dos interesses
de obtenção da integralidade. Exemplos típicos de tais serviços
são a promoção de saúde, a prevenção de enfermidades (incluindo
tanto a prevenção primária como a secundária, ou seja, a detecção
precoce por meio de exames), diagnóstico e manejo de uma ampla
variedade de problemas médicos, atenção à saúde materno-infantil,
atenção emergencial, atenção reabilitadora, atenção paliativa,
encaminhamentos quando apropriados, manutenção do prontuário
médico, proteção do paciente, educação em saúde e participação
em programas de saúde comunitária e de proteção da saúde
(Alberta Medical Association, 1996). Definir e medir a atenção
primária pela da obtenção de suas funções cardinais resultará, pelo
efeito destas funções, em uma lista de tarefas similar ou idêntica.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Humanização da assistência em uma unidade de atenção básica à saúde de votupo...
Humanização da assistência em uma unidade de atenção básica à saúde de votupo...Humanização da assistência em uma unidade de atenção básica à saúde de votupo...
Humanização da assistência em uma unidade de atenção básica à saúde de votupo...
Tais Queiroz
 
O acolhimento nas práticas de produção de saúde hrms
O acolhimento nas práticas de produção de saúde  hrmsO acolhimento nas práticas de produção de saúde  hrms
O acolhimento nas práticas de produção de saúde hrms
Adélia Correia
 
Homero_Acolhimento
Homero_AcolhimentoHomero_Acolhimento
Homero_Acolhimento
comunidadedepraticas
 
Humanização na assistência de enfermagem
Humanização na assistência de enfermagemHumanização na assistência de enfermagem
Humanização na assistência de enfermagem
Estephane ingrid Souza Pessoa
 
Acolhimento IV CMMFC
Acolhimento IV CMMFCAcolhimento IV CMMFC
Acolhimento IV CMMFC
Leonardo Savassi
 
Atendimento humanizado 4
Atendimento humanizado 4Atendimento humanizado 4
Atendimento humanizado 4
Artur Wagner
 
Acolhimento (Conferência Municipal de Saúde de Brumadinho)
Acolhimento (Conferência Municipal de Saúde de Brumadinho)Acolhimento (Conferência Municipal de Saúde de Brumadinho)
Acolhimento (Conferência Municipal de Saúde de Brumadinho)
Leonardo Savassi
 
Acolhimento praticas producao_saude
Acolhimento praticas producao_saudeAcolhimento praticas producao_saude
Acolhimento praticas producao_saude
Aline Santana
 
Acolhimentoehumanização
AcolhimentoehumanizaçãoAcolhimentoehumanização
Acolhimentoehumanização
Saúde Hervalense
 
HUMANIZAÇÃO NO ATENDIMENTO DE EMERGÊNCIA: A ATUAÇÃO DA ENFERMAGEM
HUMANIZAÇÃO NO ATENDIMENTO DE EMERGÊNCIA: A ATUAÇÃO DA ENFERMAGEMHUMANIZAÇÃO NO ATENDIMENTO DE EMERGÊNCIA: A ATUAÇÃO DA ENFERMAGEM
HUMANIZAÇÃO NO ATENDIMENTO DE EMERGÊNCIA: A ATUAÇÃO DA ENFERMAGEM
Gabriela Montargil
 
Panfleto humanização e acolhimento no atendimento em saude
Panfleto humanização e acolhimento no atendimento em saudePanfleto humanização e acolhimento no atendimento em saude
Panfleto humanização e acolhimento no atendimento em saude
Renata Silva
 
Você faz a diferença!
Você faz a diferença!Você faz a diferença!
Você faz a diferença!
Associação Viva e Deixe Viver
 
4ª aula 1º slid humaniza sus
4ª aula 1º slid humaniza sus4ª aula 1º slid humaniza sus
4ª aula 1º slid humaniza sus
Francisco Fialho
 
Sergio_Componentes_rede
Sergio_Componentes_redeSergio_Componentes_rede
Sergio_Componentes_rede
comunidadedepraticas
 
Tratamento Humanizado - Pascoal Marracini
Tratamento Humanizado - Pascoal MarraciniTratamento Humanizado - Pascoal Marracini
Tratamento Humanizado - Pascoal Marracini
Oncoguia
 
3. acolhimento
3. acolhimento3. acolhimento
3. acolhimento
Leonardo Savassi
 
Apresentação sobre acolhimento
Apresentação sobre acolhimentoApresentação sobre acolhimento
Apresentação sobre acolhimento
Felipe Cavalcanti
 
Humanização
HumanizaçãoHumanização
Humanização Na Assistencia de Enfermagem
Humanização Na Assistencia de  EnfermagemHumanização Na Assistencia de  Enfermagem
Humanização Na Assistencia de Enfermagem
Charles Lima
 
Pet e Clínica Ampliada
Pet e Clínica AmpliadaPet e Clínica Ampliada
Pet e Clínica Ampliada
petsmufrn
 

Mais procurados (20)

Humanização da assistência em uma unidade de atenção básica à saúde de votupo...
Humanização da assistência em uma unidade de atenção básica à saúde de votupo...Humanização da assistência em uma unidade de atenção básica à saúde de votupo...
Humanização da assistência em uma unidade de atenção básica à saúde de votupo...
 
O acolhimento nas práticas de produção de saúde hrms
O acolhimento nas práticas de produção de saúde  hrmsO acolhimento nas práticas de produção de saúde  hrms
O acolhimento nas práticas de produção de saúde hrms
 
Homero_Acolhimento
Homero_AcolhimentoHomero_Acolhimento
Homero_Acolhimento
 
Humanização na assistência de enfermagem
Humanização na assistência de enfermagemHumanização na assistência de enfermagem
Humanização na assistência de enfermagem
 
Acolhimento IV CMMFC
Acolhimento IV CMMFCAcolhimento IV CMMFC
Acolhimento IV CMMFC
 
Atendimento humanizado 4
Atendimento humanizado 4Atendimento humanizado 4
Atendimento humanizado 4
 
Acolhimento (Conferência Municipal de Saúde de Brumadinho)
Acolhimento (Conferência Municipal de Saúde de Brumadinho)Acolhimento (Conferência Municipal de Saúde de Brumadinho)
Acolhimento (Conferência Municipal de Saúde de Brumadinho)
 
Acolhimento praticas producao_saude
Acolhimento praticas producao_saudeAcolhimento praticas producao_saude
Acolhimento praticas producao_saude
 
Acolhimentoehumanização
AcolhimentoehumanizaçãoAcolhimentoehumanização
Acolhimentoehumanização
 
HUMANIZAÇÃO NO ATENDIMENTO DE EMERGÊNCIA: A ATUAÇÃO DA ENFERMAGEM
HUMANIZAÇÃO NO ATENDIMENTO DE EMERGÊNCIA: A ATUAÇÃO DA ENFERMAGEMHUMANIZAÇÃO NO ATENDIMENTO DE EMERGÊNCIA: A ATUAÇÃO DA ENFERMAGEM
HUMANIZAÇÃO NO ATENDIMENTO DE EMERGÊNCIA: A ATUAÇÃO DA ENFERMAGEM
 
Panfleto humanização e acolhimento no atendimento em saude
Panfleto humanização e acolhimento no atendimento em saudePanfleto humanização e acolhimento no atendimento em saude
Panfleto humanização e acolhimento no atendimento em saude
 
Você faz a diferença!
Você faz a diferença!Você faz a diferença!
Você faz a diferença!
 
4ª aula 1º slid humaniza sus
4ª aula 1º slid humaniza sus4ª aula 1º slid humaniza sus
4ª aula 1º slid humaniza sus
 
Sergio_Componentes_rede
Sergio_Componentes_redeSergio_Componentes_rede
Sergio_Componentes_rede
 
Tratamento Humanizado - Pascoal Marracini
Tratamento Humanizado - Pascoal MarraciniTratamento Humanizado - Pascoal Marracini
Tratamento Humanizado - Pascoal Marracini
 
3. acolhimento
3. acolhimento3. acolhimento
3. acolhimento
 
Apresentação sobre acolhimento
Apresentação sobre acolhimentoApresentação sobre acolhimento
Apresentação sobre acolhimento
 
Humanização
HumanizaçãoHumanização
Humanização
 
Humanização Na Assistencia de Enfermagem
Humanização Na Assistencia de  EnfermagemHumanização Na Assistencia de  Enfermagem
Humanização Na Assistencia de Enfermagem
 
Pet e Clínica Ampliada
Pet e Clínica AmpliadaPet e Clínica Ampliada
Pet e Clínica Ampliada
 

Destaque

Infecção do Trato Urinário na Infância (ITU)
Infecção do Trato Urinário na Infância (ITU) Infecção do Trato Urinário na Infância (ITU)
Infecção do Trato Urinário na Infância (ITU)
blogped1
 
Problemas comuns da infancia22 04 2014
Problemas comuns da infancia22 04 2014Problemas comuns da infancia22 04 2014
Problemas comuns da infancia22 04 2014
Inaiara Bragante
 
Urología Infantil
Urología InfantilUrología Infantil
Urología Infantil
Andrea Salazar
 
Infecção do Trato Urinário na Infância (ITU)
Infecção do Trato Urinário na Infância (ITU)Infecção do Trato Urinário na Infância (ITU)
Infecção do Trato Urinário na Infância (ITU)
Laped Ufrn
 
Sistematização da assistência de enfermagem
Sistematização da assistência de enfermagemSistematização da assistência de enfermagem
Sistematização da assistência de enfermagem
Danilo Nunes Anunciação
 
Apresentação de slides pronto
Apresentação de slides prontoApresentação de slides pronto
Apresentação de slides pronto
candidacbertao
 

Destaque (6)

Infecção do Trato Urinário na Infância (ITU)
Infecção do Trato Urinário na Infância (ITU) Infecção do Trato Urinário na Infância (ITU)
Infecção do Trato Urinário na Infância (ITU)
 
Problemas comuns da infancia22 04 2014
Problemas comuns da infancia22 04 2014Problemas comuns da infancia22 04 2014
Problemas comuns da infancia22 04 2014
 
Urología Infantil
Urología InfantilUrología Infantil
Urología Infantil
 
Infecção do Trato Urinário na Infância (ITU)
Infecção do Trato Urinário na Infância (ITU)Infecção do Trato Urinário na Infância (ITU)
Infecção do Trato Urinário na Infância (ITU)
 
Sistematização da assistência de enfermagem
Sistematização da assistência de enfermagemSistematização da assistência de enfermagem
Sistematização da assistência de enfermagem
 
Apresentação de slides pronto
Apresentação de slides prontoApresentação de slides pronto
Apresentação de slides pronto
 

Semelhante a Todo sistema de serviços de saúde possui duas metas principais

Aps
ApsAps
aula 2 saude coletiva II_1691079403 (1).pptx
aula 2 saude coletiva II_1691079403 (1).pptxaula 2 saude coletiva II_1691079403 (1).pptx
aula 2 saude coletiva II_1691079403 (1).pptx
Francielttonsantos
 
Especialização em Saúde da Família UNA - SUS
Especialização em Saúde da Família UNA - SUSEspecialização em Saúde da Família UNA - SUS
Especialização em Saúde da Família UNA - SUS
Sebástian Freire
 
Slide paara quebra de paradigmas
Slide paara quebra de paradigmasSlide paara quebra de paradigmas
Slide paara quebra de paradigmas
Cristina de Souza
 
AULA 2 SAÚDE PÚBLICA saude coletiva.pptx
AULA 2 SAÚDE PÚBLICA saude coletiva.pptxAULA 2 SAÚDE PÚBLICA saude coletiva.pptx
AULA 2 SAÚDE PÚBLICA saude coletiva.pptx
EnfaVivianeCampos
 
Organização da atenção.pdf
Organização da atenção.pdfOrganização da atenção.pdf
Organização da atenção.pdf
Manoel Zózimo
 
Manual do Ministério Público de Santa Catarina na Defesa da Saúde
Manual do Ministério Público de Santa Catarina na Defesa da SaúdeManual do Ministério Público de Santa Catarina na Defesa da Saúde
Manual do Ministério Público de Santa Catarina na Defesa da Saúde
Ministério Público de Santa Catarina
 
A Importância Da Relação Médico Versao Explicita
A Importância Da Relação Médico Versao ExplicitaA Importância Da Relação Médico Versao Explicita
A Importância Da Relação Médico Versao Explicita
Josiane M F Tonelotto
 
Entenda o SUS
Entenda o SUSEntenda o SUS
Apresentação sus
Apresentação susApresentação sus
Apresentação sus
ismar26
 
Apresentação sus
Apresentação susApresentação sus
Apresentação sus
EDNARDDRANDE
 
Clinica ampliada 2 d_ireitos humanos e saude
Clinica ampliada 2 d_ireitos humanos e saudeClinica ampliada 2 d_ireitos humanos e saude
Clinica ampliada 2 d_ireitos humanos e saude
Roxane Sales
 
Princípios e diretrizes do sus
Princípios e diretrizes do susPrincípios e diretrizes do sus
Princípios e diretrizes do sus
Marcos Nery
 
HUMANIZAÇÃO.pptx
HUMANIZAÇÃO.pptxHUMANIZAÇÃO.pptx
HUMANIZAÇÃO.pptx
tuttitutti1
 
Atenção Primária à Saúde
Atenção Primária à SaúdeAtenção Primária à Saúde
Rede - Intersetorialidade - Necessidades em saúde
Rede - Intersetorialidade - Necessidades em saúdeRede - Intersetorialidade - Necessidades em saúde
Rede - Intersetorialidade - Necessidades em saúde
feraps
 
362 rccs 85_mauro_serapioni
362 rccs 85_mauro_serapioni362 rccs 85_mauro_serapioni
362 rccs 85_mauro_serapioni
Leandro Ribeiro
 
FamíLia E Equipe De SaúDe
FamíLia E Equipe De SaúDeFamíLia E Equipe De SaúDe
FamíLia E Equipe De SaúDe
Luiza Farias
 
Saúde Coletiva.pptx
Saúde Coletiva.pptxSaúde Coletiva.pptx
Saúde Coletiva.pptx
irisneth duarte
 
Apostila tratamento da dependência química
Apostila   tratamento da dependência químicaApostila   tratamento da dependência química
Apostila tratamento da dependência química
karol_ribeiro
 

Semelhante a Todo sistema de serviços de saúde possui duas metas principais (20)

Aps
ApsAps
Aps
 
aula 2 saude coletiva II_1691079403 (1).pptx
aula 2 saude coletiva II_1691079403 (1).pptxaula 2 saude coletiva II_1691079403 (1).pptx
aula 2 saude coletiva II_1691079403 (1).pptx
 
Especialização em Saúde da Família UNA - SUS
Especialização em Saúde da Família UNA - SUSEspecialização em Saúde da Família UNA - SUS
Especialização em Saúde da Família UNA - SUS
 
Slide paara quebra de paradigmas
Slide paara quebra de paradigmasSlide paara quebra de paradigmas
Slide paara quebra de paradigmas
 
AULA 2 SAÚDE PÚBLICA saude coletiva.pptx
AULA 2 SAÚDE PÚBLICA saude coletiva.pptxAULA 2 SAÚDE PÚBLICA saude coletiva.pptx
AULA 2 SAÚDE PÚBLICA saude coletiva.pptx
 
Organização da atenção.pdf
Organização da atenção.pdfOrganização da atenção.pdf
Organização da atenção.pdf
 
Manual do Ministério Público de Santa Catarina na Defesa da Saúde
Manual do Ministério Público de Santa Catarina na Defesa da SaúdeManual do Ministério Público de Santa Catarina na Defesa da Saúde
Manual do Ministério Público de Santa Catarina na Defesa da Saúde
 
A Importância Da Relação Médico Versao Explicita
A Importância Da Relação Médico Versao ExplicitaA Importância Da Relação Médico Versao Explicita
A Importância Da Relação Médico Versao Explicita
 
Entenda o SUS
Entenda o SUSEntenda o SUS
Entenda o SUS
 
Apresentação sus
Apresentação susApresentação sus
Apresentação sus
 
Apresentação sus
Apresentação susApresentação sus
Apresentação sus
 
Clinica ampliada 2 d_ireitos humanos e saude
Clinica ampliada 2 d_ireitos humanos e saudeClinica ampliada 2 d_ireitos humanos e saude
Clinica ampliada 2 d_ireitos humanos e saude
 
Princípios e diretrizes do sus
Princípios e diretrizes do susPrincípios e diretrizes do sus
Princípios e diretrizes do sus
 
HUMANIZAÇÃO.pptx
HUMANIZAÇÃO.pptxHUMANIZAÇÃO.pptx
HUMANIZAÇÃO.pptx
 
Atenção Primária à Saúde
Atenção Primária à SaúdeAtenção Primária à Saúde
Atenção Primária à Saúde
 
Rede - Intersetorialidade - Necessidades em saúde
Rede - Intersetorialidade - Necessidades em saúdeRede - Intersetorialidade - Necessidades em saúde
Rede - Intersetorialidade - Necessidades em saúde
 
362 rccs 85_mauro_serapioni
362 rccs 85_mauro_serapioni362 rccs 85_mauro_serapioni
362 rccs 85_mauro_serapioni
 
FamíLia E Equipe De SaúDe
FamíLia E Equipe De SaúDeFamíLia E Equipe De SaúDe
FamíLia E Equipe De SaúDe
 
Saúde Coletiva.pptx
Saúde Coletiva.pptxSaúde Coletiva.pptx
Saúde Coletiva.pptx
 
Apostila tratamento da dependência química
Apostila   tratamento da dependência químicaApostila   tratamento da dependência química
Apostila tratamento da dependência química
 

Mais de Diego Santiago De Lima

Disciplina zea0662 -fenomenos_de_transpo
Disciplina zea0662 -fenomenos_de_transpoDisciplina zea0662 -fenomenos_de_transpo
Disciplina zea0662 -fenomenos_de_transpo
Diego Santiago De Lima
 
Doebelin calibracao estatica_dinamica
Doebelin calibracao estatica_dinamicaDoebelin calibracao estatica_dinamica
Doebelin calibracao estatica_dinamica
Diego Santiago De Lima
 
Respostas do livro geometria analítica alfredo steinbruch e paulo-winterle 16...
Respostas do livro geometria analítica alfredo steinbruch e paulo-winterle 16...Respostas do livro geometria analítica alfredo steinbruch e paulo-winterle 16...
Respostas do livro geometria analítica alfredo steinbruch e paulo-winterle 16...
Diego Santiago De Lima
 
Problemas resolvidos e_propostos_mecanic (1)
Problemas resolvidos e_propostos_mecanic (1)Problemas resolvidos e_propostos_mecanic (1)
Problemas resolvidos e_propostos_mecanic (1)
Diego Santiago De Lima
 
02.03.18
02.03.1802.03.18
Sociedade sintese
Sociedade sinteseSociedade sintese
Sociedade sintese
Diego Santiago De Lima
 

Mais de Diego Santiago De Lima (6)

Disciplina zea0662 -fenomenos_de_transpo
Disciplina zea0662 -fenomenos_de_transpoDisciplina zea0662 -fenomenos_de_transpo
Disciplina zea0662 -fenomenos_de_transpo
 
Doebelin calibracao estatica_dinamica
Doebelin calibracao estatica_dinamicaDoebelin calibracao estatica_dinamica
Doebelin calibracao estatica_dinamica
 
Respostas do livro geometria analítica alfredo steinbruch e paulo-winterle 16...
Respostas do livro geometria analítica alfredo steinbruch e paulo-winterle 16...Respostas do livro geometria analítica alfredo steinbruch e paulo-winterle 16...
Respostas do livro geometria analítica alfredo steinbruch e paulo-winterle 16...
 
Problemas resolvidos e_propostos_mecanic (1)
Problemas resolvidos e_propostos_mecanic (1)Problemas resolvidos e_propostos_mecanic (1)
Problemas resolvidos e_propostos_mecanic (1)
 
02.03.18
02.03.1802.03.18
02.03.18
 
Sociedade sintese
Sociedade sinteseSociedade sintese
Sociedade sintese
 

Último

Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
jetroescola
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Colaborar Educacional
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docxPlanejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
marcos oliveira
 
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
AngelicaCostaMeirele2
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Mary Alvarenga
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
SupervisoEMAC
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Mary Alvarenga
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
felipescherner
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
C4io99
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
Sandra Pratas
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
shirleisousa9166
 

Último (20)

Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docxPlanejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
 
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
 

Todo sistema de serviços de saúde possui duas metas principais

  • 1. Todo sistema de serviços de saúde possui duas metas principais. A primeira é otimizar a saúde da população por meio do emprego do estado mais avançado do conhecimento sobre a causa das enfermidades, manejo das doenças e maximização da saúde. A segunda meta, e igualmente importante, é minimizar as disparidades entre subgrupos populacionais, de modo que determinados grupos não estejam em desvantagem sistemática em relação ao seu acesso aos serviços de saúde e ao alcance de um ótimo nível de saúde. Conforme o conhecimento se acumula, os profissionais tendem a, cada vez mais, se subespecializar para lidar com o volume de novas informações e administrá-lo. Portanto, em quase todos os países, vemos as profissões da área de saúde ficarem mais fragmentadas, com um crescente estreitamento de interesses e competências e um enfoque sobre enfermidades ou tipos de enfermidades específicas em vez de sobre a saúde geral das pessoas e comunidades. Um sistema de saúde orientado para a subespecialização possui outro problema: ele ameaça os objetivos de eqüidade. Nenhuma sociedade possui recursos ilimitados para fornecer serviços de saúde. A atenção subespecializada é mais cara do que a atenção primária e, portanto, menos acessível para os indivíduos com menos recursos poderem pagar por ela. Além disso, os recursos necessários para a atenção altamente técnica orientada para a enfermidade competem com aqueles exigidos para oferecer serviços básicos, especialmente para as pessoas que não podem pagar por eles. Os níveis de atenção, as estratégias para organização da atenção à saúde e uma “ filosofia” estão inter-relacionados, sendo que a definição de atenção primária utilizada neste livro capta suas inter-relações. A atenção primária difere da atenção por consulta, de curta duração (atenção secundária) e do manejo da enfermidade a longo prazo (atenção terciária) por várias características. A atenção primária lida com os problemas mais comuns e menos definidos, geralmente em unidades comunitárias como consultórios, centros de saúde, escolas e lares. Os pacientes têm acesso direto a uma fonte adequada de atenção que é continuada ao longo do tempo, para diversos problemas e que inclui a necessidade de serviços preventivos. Em 1920, oito anos após a instituição do seguro nacional de saúde na Grã- Bretanha, foi divulgado um “ texto oficial” (Lord Dawson of Penn, 1920) tratando da organização do sistema de serviços de saúde. Distinguia três níveis principais de serviços de saúde: centros de saúde primários, centros de saúde secundários e hospitais-escola. Foram propostos vínculos formais entre os três níveis e foram descritas as funções de cada um. Esta formulação foi a base
  • 2. para o conceito de regionalização: um sistema de organização de serviços planejado para responder aos vários níveis de necessidade de serviços médicos da população. A atenção primária, conforme foi definida no Capítulo 1, oferece o suporte filosófico para a organização de um sistema de serviços de saúde. Mas as definições gerais não ajudam quando a tarefa é determinar se um dado sistema merece a descrição de atenção primária. É necessário que sejamos mais específicos. Historicamente, a atenção primária tem sido definida pelo tipo de médico que a exerce; mesmo atualmente é comum que seja caracterizada como aquele atendimento oferecido por clínicos gerais (ou médicos de família). O problema com esta caracterização é que a norma para a atenção primária transformase naquela que descreve as unidades de medicina de família. Como isto pode variar de lugar para lugar e de país para país, é necessária uma melhor alternativa para especificar suas funções. As abordagens para a administração variam desde aqueles com menos poder (capacidade de ser ouvido) aos com mais poder (capacidade de controlar a organização). A variação consiste de três tipos principais: controle, escolha e persuasão moral/legal (Saltman, 1994). O controle político, no qual as pessoas têm autoridade sobre os orçamentos e alocação de recursos, é a forma mais direta de administração; também condiz com a tomada de decisão coletiva, democrática. A escolha, como uma forma alternativa de administração, é um método muito mais indireto baseado no princípio de que permitir às pessoas que escolham onde e de quem desejam receber seus serviços encorajará a competição, e assim, por omissão, a responsabilidade será alcançada. Levando o princípio da escolha à sua conclusão lógica, o financiamento dos serviços permitiria às pessoas buscarem atendimento por prestadores de serviços de saúde alternativos e receberem reembolso como se tivessem sido atendidas por profissionais médicos convencionais.
  • 3. Como já foi anteriormente declarado, são necessários um dos quatro elementos estruturais (acessibilidade, variedade de serviços, população eletiva e continuidade) e um dos dois elementos processuais (utilização, reconhecimento do problema) para medir o potencial e o alcance de cada um dos atributos da atenção primária: atenção ao primeiro contato, longitudinalidade, integralidade e coordenação. Cada um dos quatro atributos é suficientemente importante para garantir um capítulo em separado. A seção seguinte descreve resumidamente os elementos estruturais e processuais necessários para medir cada um. undidas com as tarefas que são necessárias para realizar algumas delas. Assim, a atenção primária, freqüentemente, é caracterizada pelo tipo de serviços que oferece dentro dos interesses de obtenção da integralidade. Exemplos típicos de tais serviços são a promoção de saúde, a prevenção de enfermidades (incluindo tanto a prevenção primária como a secundária, ou seja, a detecção precoce por meio de exames), diagnóstico e manejo de uma ampla variedade de problemas médicos, atenção à saúde materno-infantil, atenção emergencial, atenção reabilitadora, atenção paliativa, encaminhamentos quando apropriados, manutenção do prontuário médico, proteção do paciente, educação em saúde e participação em programas de saúde comunitária e de proteção da saúde (Alberta Medical Association, 1996). Definir e medir a atenção primária pela da obtenção de suas funções cardinais resultará, pelo efeito destas funções, em uma lista de tarefas similar ou idêntica.