SlideShare uma empresa Scribd logo
"Quando o homem beijou a lua"
      “No momento em que o Homem chegou à Lua, a Lua estava a dormir
profundamente, depois de ter passado várias noites agitada por estranhos
pesadelos. Quando acordava, não conseguia recordar-se deles, mas sentia o
desconforto que os sonhos maus costumam deixar-nos no corpo, na
memória e até à flor da pele."
                            José Jorge Letria, in "Quando o Homem Beijou a Lua", Alfragide, Oficina do Livro, 2009



       O dia dos namorados chegou e a Lua recebeu uma carta. Ao abrir a carta a Lua
encontrou as seguintes palavras:

                                      Lua é o teu nome,
                                      Lua fica-te bem.
                                      Lua, eu amo-te,
                                      mas não contes a ninguém.

        A partir desse dia, a Lua deixou de ter pesadelos e só pensava em quem seria o
seu admirador secreto. Como é que a Lua não podia contar a ninguém se, ela própria, não
sabia quem era? Cada dia que passava a Lua pensava mais no seu admirador. Os
pesadelos deram lugar a sonhos fantásticos em que o admirador era um cantor, um poeta,
um príncipe, um cavaleiro de armadura...Mas o tempo foi passando e a Lua não sabia
mais nada dele.
       Até que um dia a Lua teve um visitante, um asteróide que tinha saído da sua órbita.

A Lua nunca tinha visto um asteróide tão pequeno e tão intrometido, que decidido a
descobrir o seu segredo, começou a pressioná-la com falinhas mansas, implorando-lhe
que contasse o seu segredo.
        O asteróide olhou a Lua com um ar solene e começou a contar a história do seu
coração. Contou-lhe que se tinha apaixonado por uma estrela. E não era nenhuma outra,
senão a estrela polar, por isso tinha iniciado uma jornada, em busca dela.
Porém, a viagem já durava há muito tempo e o pequeno asteróide nunca obtivera
quaisquer resultados e, por isso, receava nunca mais voltar a vê-la.
        Ao ouvir isto, a Lua, decepcionada, decidiu continuar a procurar o seu admirador
secreto.
        Desceu do espaço, veio até próximo de nós. Era dia de Carnaval e vivia-se a magia
 da fantasia, todos se empenhavam para arranjar um disfarce.
        O admirador secreto da Lua soube que a sua amada tinha vindo passar esta época
 do ano junto dos Homens, aqui bem pertinho de nós. Como ele a admirava imenso
 fantasiou-se de Sol, pois assim poderia aproximar-se mais e andar sempre com ela.
        Quando a Lua avistou o Sol sentiu um aperto no seu coração e no seu pensamento.
        - O Sol, aqui? Não percebo… Não pára de me perseguir… Que estranho!
        A Lua, curiosa com a situação, aproximou-se do Sol e perguntou-lhe:
        - Olhe, desculpe, ando à procura do meu admirador, por acaso não o viu?
        - Por acaso até o vi.
        A Lua muito atrapalhada, responde:
        - Pode-me dizer onde, por favor?
        - Sim, posso... estou mesmo aqui.
        A Lua não queria acreditar no sucedido e ficou espantada.
        O Sol acrescentou:
        - Então, não me dizes nada?
        Ficaram a falar e, por fim, foram tomar um sorvete.
        Até que um dia o Sol desapareceu.
        A Lua já estava farta de esperar e, então, decidiu ir à procura do seu verdadeiro
 admirador secreto. No dia seguinte, falou com o pássaro Kúru que era feiticeiro e algum
 feitiço que lhe pedissem, ele concretizava. Assim sendo, a Lua pediu-lhe para se tornar
humana, mas o Kúru respondeu-lhe que lhe faltava o ingrediente mais importante, a pena
de Fénix, avermelhada.
              A Lua lembrou-se, então, que tinha uma boa amiga de nome Bela, a Fénix.
     Chamou-a com a sua voz mágica e a Bela apareceu a voar como por encanto, até
     parecia uma leve pena brilhante a cair ligeiramente numa poça de água. A Lua
     explicou o sucedido e a Fénix, muito comovida, deu-lhe a pena mais bela do seu
     manto encantado. A Lua agradeceu-lhe e entregou a pena ao pássaro Kúru que logo
     fez a poção, dizendo as palavras mágicas. De repente... poof! A Lua acordava na
     cama, com pernas, braços e uma bela e expressiva cara.
              Tinha chegado a hora de começar a busca do seu admirador secreto.
     Pensava constantemente "como é que eu vou encontrá-lo num mundo grande como
     este?"
              Mal tinha acabado de meditar nestas palavras de desânimo, quando apareceu
     uma cegonha com uma caixa cor-de-rosa na boca. A Lua abriu-a e de lá saiu um
     menino com uma rosa. Ela perguntou-lhe quem era e ele respondeu-lhe, cheio de
     ternura, que era o seu admirador secreto.
              A Lua, comovida, começou a chorar de alegria, pois o seu esforço tinha sido
     compensado.
              Mas, nos dias seguintes, continuaram a aparecer cartas.
              Ao abrir uma delas, a lua encontrou as seguintes palavras:

                          Das telhas do meu telhado
                          caem águas sem chover
                          são lágrimas que eu choro
                          com vontade de te ver.

             A lua, ainda mais entusiasmada, começou a chorar de alegria. Passou noites
      acordada a tentar saber quem era. Passava horas a pensar nisso.
             Até que ao fim de duas semanas recebeu uma outra carta, mas desta vez a
      dizer:

                          Minha lua bonita,
                          minha flor,
                          anda ter comigo à Invicta
                          se queres o meu amor.

               Nesse mesmo instante, toda produzida, apressou-se no tempo e dirigiu-se ao
      local.
             Foi o momento mais feliz da sua vida... pois quem iria pensar que o seu
      admirador era o mar?

             A Lua nunca chegou a saber quem era verdadeiramente o seu admirador;
      porém, recebeu muitos galanteios, sentiu-se, inúmeras vezes, lisonjeada, pelo Sol,
      pelo Mar e pelos Humanos. Afinal, a Lua seduz e atrai corações, é de todos e não é
      de ninguém…!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

1981 (poesia).doc
1981 (poesia).doc1981 (poesia).doc
1981 (poesia).doc
Roosevelt F. Abrantes
 
GeraçõEs PoéTicas Site
GeraçõEs PoéTicas SiteGeraçõEs PoéTicas Site
GeraçõEs PoéTicas Site
andreguerra
 
"Não sei se é sonhe, se realidade"
"Não sei se é sonhe, se realidade""Não sei se é sonhe, se realidade"
"Não sei se é sonhe, se realidade"
MiguelavRodrigues
 
Feras da Poetica
Feras da PoeticaFeras da Poetica
Feras da Poetica
Luna Di Primo
 
Boa noite amor
Boa noite amorBoa noite amor
Boa noite amor
Mensagens Virtuais
 
Aula 24 simbolismo
Aula 24   simbolismoAula 24   simbolismo
Aula 24 simbolismo
Mauro Marcel
 
O livro-d-ele
O livro-d-eleO livro-d-ele
O livro-d-ele
Eliudson Sousa
 
Florbela Espanca
Florbela Espanca Florbela Espanca
Florbela Espanca
Davi Lima
 
amor impossível
amor impossívelamor impossível
amor impossível
paml-ts
 
Um coração, um cúpido e um beijo por um poema de amor em português
Um coração, um cúpido e um beijo por um poema de amor em portuguêsUm coração, um cúpido e um beijo por um poema de amor em português
Um coração, um cúpido e um beijo por um poema de amor em português
Leonor Costa
 
O Floral Poético - Com outra apresentação mais atual.
O Floral Poético - Com outra apresentação mais atual.O Floral Poético - Com outra apresentação mais atual.
O Floral Poético - Com outra apresentação mais atual.
Daniel Amaral
 
O Eu profundo e os outros Eus Fernando Pessoa
O Eu profundo e os outros Eus   Fernando PessoaO Eu profundo e os outros Eus   Fernando Pessoa
O Eu profundo e os outros Eus Fernando Pessoa
Zanah
 
Meus oito anos
Meus oito anosMeus oito anos
Meus oito anos
gaby_advent
 
Especial água viva
Especial água vivaEspecial água viva
Especial água viva
Ana Batista
 
Lira dos vinte anos álvares de azevedo
Lira dos vinte anos   álvares de azevedoLira dos vinte anos   álvares de azevedo
Lira dos vinte anos álvares de azevedo
Monica Recusani
 
Calendário Mensal: Julho 2010
Calendário Mensal: Julho 2010Calendário Mensal: Julho 2010
Calendário Mensal: Julho 2010
Gisele Santos
 

Mais procurados (16)

1981 (poesia).doc
1981 (poesia).doc1981 (poesia).doc
1981 (poesia).doc
 
GeraçõEs PoéTicas Site
GeraçõEs PoéTicas SiteGeraçõEs PoéTicas Site
GeraçõEs PoéTicas Site
 
"Não sei se é sonhe, se realidade"
"Não sei se é sonhe, se realidade""Não sei se é sonhe, se realidade"
"Não sei se é sonhe, se realidade"
 
Feras da Poetica
Feras da PoeticaFeras da Poetica
Feras da Poetica
 
Boa noite amor
Boa noite amorBoa noite amor
Boa noite amor
 
Aula 24 simbolismo
Aula 24   simbolismoAula 24   simbolismo
Aula 24 simbolismo
 
O livro-d-ele
O livro-d-eleO livro-d-ele
O livro-d-ele
 
Florbela Espanca
Florbela Espanca Florbela Espanca
Florbela Espanca
 
amor impossível
amor impossívelamor impossível
amor impossível
 
Um coração, um cúpido e um beijo por um poema de amor em português
Um coração, um cúpido e um beijo por um poema de amor em portuguêsUm coração, um cúpido e um beijo por um poema de amor em português
Um coração, um cúpido e um beijo por um poema de amor em português
 
O Floral Poético - Com outra apresentação mais atual.
O Floral Poético - Com outra apresentação mais atual.O Floral Poético - Com outra apresentação mais atual.
O Floral Poético - Com outra apresentação mais atual.
 
O Eu profundo e os outros Eus Fernando Pessoa
O Eu profundo e os outros Eus   Fernando PessoaO Eu profundo e os outros Eus   Fernando Pessoa
O Eu profundo e os outros Eus Fernando Pessoa
 
Meus oito anos
Meus oito anosMeus oito anos
Meus oito anos
 
Especial água viva
Especial água vivaEspecial água viva
Especial água viva
 
Lira dos vinte anos álvares de azevedo
Lira dos vinte anos   álvares de azevedoLira dos vinte anos   álvares de azevedo
Lira dos vinte anos álvares de azevedo
 
Calendário Mensal: Julho 2010
Calendário Mensal: Julho 2010Calendário Mensal: Julho 2010
Calendário Mensal: Julho 2010
 

Semelhante a Texto1

Uma Porta Para a Vida- Um conto surreal
Uma Porta Para a Vida- Um conto surrealUma Porta Para a Vida- Um conto surreal
Uma Porta Para a Vida- Um conto surreal
Katia CaettanoRosa
 
O monstroda lua 7ºc
O monstroda lua 7ºcO monstroda lua 7ºc
O monstroda lua 7ºc
Celeste Gregório Lopes
 
C.s.lewis as crônicas de nárnia - vol v - a viagem do peregrino da alvorada
C.s.lewis   as crônicas de nárnia - vol v - a viagem do peregrino da alvoradaC.s.lewis   as crônicas de nárnia - vol v - a viagem do peregrino da alvorada
C.s.lewis as crônicas de nárnia - vol v - a viagem do peregrino da alvorada
Alex Martins
 
Observar a realidade através do desejo
Observar a realidade através do desejoObservar a realidade através do desejo
Observar a realidade através do desejo
shar-1
 
C.s.lewis as crônicas de nárnia - vol. 5 - a viagem do peregrino da alvorada
C.s.lewis   as crônicas de nárnia - vol. 5 - a viagem do peregrino da alvoradaC.s.lewis   as crônicas de nárnia - vol. 5 - a viagem do peregrino da alvorada
C.s.lewis as crônicas de nárnia - vol. 5 - a viagem do peregrino da alvorada
Ariovaldo Cunha
 
Coletânea HADITHI NJOO 1
Coletânea HADITHI NJOO 1Coletânea HADITHI NJOO 1
Coletânea HADITHI NJOO 1
oficinativa
 
Capítulo promocional
Capítulo promocionalCapítulo promocional
Capítulo promocional
lupiras80
 
Ria5
Ria5Ria5
Super Star- conto
Super Star- contoSuper Star- conto
Super Star- conto
italo-oliveira
 
A mariposa e a estrela
A mariposa e a estrelaA mariposa e a estrela
A mariposa e a estrela
Mensagens Virtuais
 
Capítulo promocional Equinócio
Capítulo promocional EquinócioCapítulo promocional Equinócio
Capítulo promocional Equinócio
Axwell Godoi
 
Lua nova
Lua novaLua nova
Lua nova
camilarossi
 
A Ilha Das Palavras
A Ilha Das PalavrasA Ilha Das Palavras
A Ilha Das Palavras
guest89ce531
 
Contos português 5ªs A e B 2011
Contos português 5ªs A e B 2011Contos português 5ªs A e B 2011
Contos português 5ªs A e B 2011
ConexaoAlvim
 
Lua nova
Lua novaLua nova
Lua nova
guest73a03bc
 
Pp
PpPp
mila
milamila
Jose luiz-da-luz-pena-dourada
Jose luiz-da-luz-pena-douradaJose luiz-da-luz-pena-dourada
Jose luiz-da-luz-pena-dourada
Josykanind
 
A estrela partida
A   estrela   partidaA   estrela   partida
A estrela partida
teresarsilva1
 
Lua Nova
Lua NovaLua Nova
Lua Nova
Gabriel Abreu
 

Semelhante a Texto1 (20)

Uma Porta Para a Vida- Um conto surreal
Uma Porta Para a Vida- Um conto surrealUma Porta Para a Vida- Um conto surreal
Uma Porta Para a Vida- Um conto surreal
 
O monstroda lua 7ºc
O monstroda lua 7ºcO monstroda lua 7ºc
O monstroda lua 7ºc
 
C.s.lewis as crônicas de nárnia - vol v - a viagem do peregrino da alvorada
C.s.lewis   as crônicas de nárnia - vol v - a viagem do peregrino da alvoradaC.s.lewis   as crônicas de nárnia - vol v - a viagem do peregrino da alvorada
C.s.lewis as crônicas de nárnia - vol v - a viagem do peregrino da alvorada
 
Observar a realidade através do desejo
Observar a realidade através do desejoObservar a realidade através do desejo
Observar a realidade através do desejo
 
C.s.lewis as crônicas de nárnia - vol. 5 - a viagem do peregrino da alvorada
C.s.lewis   as crônicas de nárnia - vol. 5 - a viagem do peregrino da alvoradaC.s.lewis   as crônicas de nárnia - vol. 5 - a viagem do peregrino da alvorada
C.s.lewis as crônicas de nárnia - vol. 5 - a viagem do peregrino da alvorada
 
Coletânea HADITHI NJOO 1
Coletânea HADITHI NJOO 1Coletânea HADITHI NJOO 1
Coletânea HADITHI NJOO 1
 
Capítulo promocional
Capítulo promocionalCapítulo promocional
Capítulo promocional
 
Ria5
Ria5Ria5
Ria5
 
Super Star- conto
Super Star- contoSuper Star- conto
Super Star- conto
 
A mariposa e a estrela
A mariposa e a estrelaA mariposa e a estrela
A mariposa e a estrela
 
Capítulo promocional Equinócio
Capítulo promocional EquinócioCapítulo promocional Equinócio
Capítulo promocional Equinócio
 
Lua nova
Lua novaLua nova
Lua nova
 
A Ilha Das Palavras
A Ilha Das PalavrasA Ilha Das Palavras
A Ilha Das Palavras
 
Contos português 5ªs A e B 2011
Contos português 5ªs A e B 2011Contos português 5ªs A e B 2011
Contos português 5ªs A e B 2011
 
Lua nova
Lua novaLua nova
Lua nova
 
Pp
PpPp
Pp
 
mila
milamila
mila
 
Jose luiz-da-luz-pena-dourada
Jose luiz-da-luz-pena-douradaJose luiz-da-luz-pena-dourada
Jose luiz-da-luz-pena-dourada
 
A estrela partida
A   estrela   partidaA   estrela   partida
A estrela partida
 
Lua Nova
Lua NovaLua Nova
Lua Nova
 

Mais de Nuno Pedroso

ae_nmsi6_solgeometricos_ppt_1.pptx
ae_nmsi6_solgeometricos_ppt_1.pptxae_nmsi6_solgeometricos_ppt_1.pptx
ae_nmsi6_solgeometricos_ppt_1.pptx
Nuno Pedroso
 
Semana das leituras março
Semana das leituras marçoSemana das leituras março
Semana das leituras março
Nuno Pedroso
 
História de um papagaio
História de um papagaioHistória de um papagaio
História de um papagaioNuno Pedroso
 
História de um papagaio
História de um papagaioHistória de um papagaio
História de um papagaio
Nuno Pedroso
 
Relatório final Avaliação Interna Pires de Lima julho de 2011
Relatório final Avaliação Interna Pires de Lima julho de 2011Relatório final Avaliação Interna Pires de Lima julho de 2011
Relatório final Avaliação Interna Pires de Lima julho de 2011
Nuno Pedroso
 
Relatório do inquérito aos pais 2011
Relatório do inquérito aos pais 2011Relatório do inquérito aos pais 2011
Relatório do inquérito aos pais 2011
Nuno Pedroso
 
Inquérito aos docentes
Inquérito aos docentes Inquérito aos docentes
Inquérito aos docentes
Nuno Pedroso
 
Relatório avaliação interna
Relatório avaliação internaRelatório avaliação interna
Relatório avaliação interna
Nuno Pedroso
 
Cronograma da ai 2010 2012
Cronograma da ai 2010   2012Cronograma da ai 2010   2012
Cronograma da ai 2010 2012
Nuno Pedroso
 
Relatório avaliação interna
Relatório avaliação internaRelatório avaliação interna
Relatório avaliação interna
Nuno Pedroso
 
Programa da Semana das leituras
Programa da  Semana das leiturasPrograma da  Semana das leituras
Programa da Semana das leituras
Nuno Pedroso
 
Texto2
Texto2Texto2
Texto2
Nuno Pedroso
 
Poster exposi __o 2010-vers__o final
Poster exposi  __o 2010-vers__o finalPoster exposi  __o 2010-vers__o final
Poster exposi __o 2010-vers__o final
Nuno Pedroso
 
Regras super tmatik
Regras super tmatikRegras super tmatik
Regras super tmatik
Nuno Pedroso
 
PmII1 -ciclo
PmII1 -cicloPmII1 -ciclo
PmII1 -ciclo
Nuno Pedroso
 

Mais de Nuno Pedroso (15)

ae_nmsi6_solgeometricos_ppt_1.pptx
ae_nmsi6_solgeometricos_ppt_1.pptxae_nmsi6_solgeometricos_ppt_1.pptx
ae_nmsi6_solgeometricos_ppt_1.pptx
 
Semana das leituras março
Semana das leituras marçoSemana das leituras março
Semana das leituras março
 
História de um papagaio
História de um papagaioHistória de um papagaio
História de um papagaio
 
História de um papagaio
História de um papagaioHistória de um papagaio
História de um papagaio
 
Relatório final Avaliação Interna Pires de Lima julho de 2011
Relatório final Avaliação Interna Pires de Lima julho de 2011Relatório final Avaliação Interna Pires de Lima julho de 2011
Relatório final Avaliação Interna Pires de Lima julho de 2011
 
Relatório do inquérito aos pais 2011
Relatório do inquérito aos pais 2011Relatório do inquérito aos pais 2011
Relatório do inquérito aos pais 2011
 
Inquérito aos docentes
Inquérito aos docentes Inquérito aos docentes
Inquérito aos docentes
 
Relatório avaliação interna
Relatório avaliação internaRelatório avaliação interna
Relatório avaliação interna
 
Cronograma da ai 2010 2012
Cronograma da ai 2010   2012Cronograma da ai 2010   2012
Cronograma da ai 2010 2012
 
Relatório avaliação interna
Relatório avaliação internaRelatório avaliação interna
Relatório avaliação interna
 
Programa da Semana das leituras
Programa da  Semana das leiturasPrograma da  Semana das leituras
Programa da Semana das leituras
 
Texto2
Texto2Texto2
Texto2
 
Poster exposi __o 2010-vers__o final
Poster exposi  __o 2010-vers__o finalPoster exposi  __o 2010-vers__o final
Poster exposi __o 2010-vers__o final
 
Regras super tmatik
Regras super tmatikRegras super tmatik
Regras super tmatik
 
PmII1 -ciclo
PmII1 -cicloPmII1 -ciclo
PmII1 -ciclo
 

Último

PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdfPrimeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Maurício Bratz
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
SidneySilva523387
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Nertan Dias
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Mauricio Alexandre Silva
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
geiseortiz1
 
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdfConcurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
TathyLopes1
 
formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...
JakiraCosta
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
Manuais Formação
 
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica BasicaExercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
ElinarioCosta
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
AdrianoMontagna1
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
AlineOliveira625820
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
AntonioAngeloNeves
 
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdfCD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
Manuais Formação
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
HelenStefany
 

Último (20)

PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdfPrimeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
 
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdfConcurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
 
formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
 
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica BasicaExercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
 
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdfCD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
 

Texto1

  • 1. "Quando o homem beijou a lua" “No momento em que o Homem chegou à Lua, a Lua estava a dormir profundamente, depois de ter passado várias noites agitada por estranhos pesadelos. Quando acordava, não conseguia recordar-se deles, mas sentia o desconforto que os sonhos maus costumam deixar-nos no corpo, na memória e até à flor da pele." José Jorge Letria, in "Quando o Homem Beijou a Lua", Alfragide, Oficina do Livro, 2009 O dia dos namorados chegou e a Lua recebeu uma carta. Ao abrir a carta a Lua encontrou as seguintes palavras: Lua é o teu nome, Lua fica-te bem. Lua, eu amo-te, mas não contes a ninguém. A partir desse dia, a Lua deixou de ter pesadelos e só pensava em quem seria o seu admirador secreto. Como é que a Lua não podia contar a ninguém se, ela própria, não sabia quem era? Cada dia que passava a Lua pensava mais no seu admirador. Os pesadelos deram lugar a sonhos fantásticos em que o admirador era um cantor, um poeta, um príncipe, um cavaleiro de armadura...Mas o tempo foi passando e a Lua não sabia mais nada dele. Até que um dia a Lua teve um visitante, um asteróide que tinha saído da sua órbita. A Lua nunca tinha visto um asteróide tão pequeno e tão intrometido, que decidido a descobrir o seu segredo, começou a pressioná-la com falinhas mansas, implorando-lhe que contasse o seu segredo. O asteróide olhou a Lua com um ar solene e começou a contar a história do seu coração. Contou-lhe que se tinha apaixonado por uma estrela. E não era nenhuma outra, senão a estrela polar, por isso tinha iniciado uma jornada, em busca dela. Porém, a viagem já durava há muito tempo e o pequeno asteróide nunca obtivera quaisquer resultados e, por isso, receava nunca mais voltar a vê-la. Ao ouvir isto, a Lua, decepcionada, decidiu continuar a procurar o seu admirador secreto. Desceu do espaço, veio até próximo de nós. Era dia de Carnaval e vivia-se a magia da fantasia, todos se empenhavam para arranjar um disfarce. O admirador secreto da Lua soube que a sua amada tinha vindo passar esta época do ano junto dos Homens, aqui bem pertinho de nós. Como ele a admirava imenso fantasiou-se de Sol, pois assim poderia aproximar-se mais e andar sempre com ela. Quando a Lua avistou o Sol sentiu um aperto no seu coração e no seu pensamento. - O Sol, aqui? Não percebo… Não pára de me perseguir… Que estranho! A Lua, curiosa com a situação, aproximou-se do Sol e perguntou-lhe: - Olhe, desculpe, ando à procura do meu admirador, por acaso não o viu? - Por acaso até o vi. A Lua muito atrapalhada, responde: - Pode-me dizer onde, por favor? - Sim, posso... estou mesmo aqui. A Lua não queria acreditar no sucedido e ficou espantada. O Sol acrescentou: - Então, não me dizes nada? Ficaram a falar e, por fim, foram tomar um sorvete. Até que um dia o Sol desapareceu. A Lua já estava farta de esperar e, então, decidiu ir à procura do seu verdadeiro admirador secreto. No dia seguinte, falou com o pássaro Kúru que era feiticeiro e algum feitiço que lhe pedissem, ele concretizava. Assim sendo, a Lua pediu-lhe para se tornar
  • 2. humana, mas o Kúru respondeu-lhe que lhe faltava o ingrediente mais importante, a pena de Fénix, avermelhada. A Lua lembrou-se, então, que tinha uma boa amiga de nome Bela, a Fénix. Chamou-a com a sua voz mágica e a Bela apareceu a voar como por encanto, até parecia uma leve pena brilhante a cair ligeiramente numa poça de água. A Lua explicou o sucedido e a Fénix, muito comovida, deu-lhe a pena mais bela do seu manto encantado. A Lua agradeceu-lhe e entregou a pena ao pássaro Kúru que logo fez a poção, dizendo as palavras mágicas. De repente... poof! A Lua acordava na cama, com pernas, braços e uma bela e expressiva cara. Tinha chegado a hora de começar a busca do seu admirador secreto. Pensava constantemente "como é que eu vou encontrá-lo num mundo grande como este?" Mal tinha acabado de meditar nestas palavras de desânimo, quando apareceu uma cegonha com uma caixa cor-de-rosa na boca. A Lua abriu-a e de lá saiu um menino com uma rosa. Ela perguntou-lhe quem era e ele respondeu-lhe, cheio de ternura, que era o seu admirador secreto. A Lua, comovida, começou a chorar de alegria, pois o seu esforço tinha sido compensado. Mas, nos dias seguintes, continuaram a aparecer cartas. Ao abrir uma delas, a lua encontrou as seguintes palavras: Das telhas do meu telhado caem águas sem chover são lágrimas que eu choro com vontade de te ver. A lua, ainda mais entusiasmada, começou a chorar de alegria. Passou noites acordada a tentar saber quem era. Passava horas a pensar nisso. Até que ao fim de duas semanas recebeu uma outra carta, mas desta vez a dizer: Minha lua bonita, minha flor, anda ter comigo à Invicta se queres o meu amor. Nesse mesmo instante, toda produzida, apressou-se no tempo e dirigiu-se ao local. Foi o momento mais feliz da sua vida... pois quem iria pensar que o seu admirador era o mar? A Lua nunca chegou a saber quem era verdadeiramente o seu admirador; porém, recebeu muitos galanteios, sentiu-se, inúmeras vezes, lisonjeada, pelo Sol, pelo Mar e pelos Humanos. Afinal, a Lua seduz e atrai corações, é de todos e não é de ninguém…!