SlideShare uma empresa Scribd logo
Teste Global de Biologia e Geologia 11º

Nome : ___________________________________ Nr. _____ Avaliação: _______________________


Cotação                                                                                                  Correção
                                                         Grupo I


              Documento I
              Uma dupla de jovens pesquisadores brasileiros radicados nos Estados Unidos
              descobriu que, sem uma determinada proteína, os seres eucariontes não
              conseguem desempenhar uma função vital para sua sobrevivência: destruir
              proteínas que foram erroneamente produzidas por suas próprias células.
              Organismos desprovidos da proteína listerina perdem a capacidade de
              identificar alguns tipos de proteínas aberrantes recém-fabricadas e de eliminá-
              las por meio do seu sistema de controle de qualidade das células.
              A ausência da listerina leva à acumulação de proteínas tóxicas nas células cujo
              excesso      pode       estar       implicado   no     aparecimento       de     doenças
              neurodegenerativas, como a Alzheimer e o Parkinson.
              Este tipo de desordem neurodegenerativa parece ser desencadeada pela
              ocorrência exagerada de proteínas defeituosas. Conforme relatam no artigo da
              Nature, estes investigadores desligaram na levedura Saccharomyces cerevisiae
              um gene chamado LTN1 e viram que as suas células eram incapazes de
              reconhecer e destruir algumas formas de proteínas aberrantes e acabavam por
              morrer. Sem a listerina, o controle de qualidade celular falhava. Os brasileiros
              não só descobriram o que faz a listerina, mas também como a proteína exerce
              seu papel de sentinela das células, de delatora da presença de proteínas
              defeituosas. Ela liga-se aos ribossomas e marca as proteínas defeituosas recém-
              fabricadas com uma espécie de etiqueta química da morte: moléculas de
              ubiquitina, uma família de proteínas fundamentais para o processo de regulação
              celular. As ubiquitinas receberam esse nome justamente por serem ubíquas, por
              estarem presentes em praticamente                todas as células de organismos
              eucariontes. Proteínas aberrantes (ou desnecessárias) que carregam esse selo
              químico da destruição são encaminhadas para o proteassoma, estruturas
              encarregadas de degradá-las e reduzi-las a cadeias químicas de uns poucos
              aminoácidos.            http://www.revistapesquisa.fapesp.br/?art=6739&bd=2&pg=1&lg=
              Nas questões, de 1. a 4., seleccione a alternativa que permite preencher os espaços, de
              modo a obter uma afirmação correcta.
              1. O proteassoma é um complexo proteico capaz de degradar as proteínas defeituosas
                 em compostos_____ mais simples, quebrando as ligações_____.
                 [A]. quaternários ... peptídicas

   7             [B]. ternários ... peptídicas
                 [C]. quaternários ... glicosídicas
                 [D]. ternários... glicosídicas

          1   Nuno Correia
2. As proteínas listerina permitem o controlo da qualidade celular, e o organelo responsável pelo controlo da
            síntese destas biomoléculas é o_____e_____.

7            [A]. RER ... é comum às células eucarióticas e procarióticas
             [B]. núcleo ... está presente exclusivamente nas células eucarióticas
             [C]. RER ... está presente exclusivamente nas células eucarióticas
             [D]. núcleo ... é comum às células eucarióticas e procarióticas


        3. A ausência da proteína listerina, _____ a marcação das proteínas defeituosas com moléculas de ubiquitina
            o que, consequentemente,____a sua degradação.
             [A]. impede... impede
             [B]. favorece...promove
             [C]. não interfere com ... promove
             [D]. favorece ... impede

7       4. A listerina actua ao nível da ____________ que ocorre nas células. A sua ________ impede a acumulação de
            proteínas tóxicas nas células.
             [A]. Tradução ... inactividade
             [B]. Tradução ... actividade
             [C]. Transcrição ... actividade
             [D]. Transcrição ... inactividade

7       5. A síntese de proteínas é um processo complexo e que envolve várias estruturas celulares. Classifica em
            verdadeiras (V) e falsas (F) as afirmações seguintes, relativas à síntese proteica.
             [A]. A transcrição de informação genética é efectuada por intermédio do RNA mensageiro.
             [B]. Cada molécula de RNA mensageiro possui, normalmente, a sequência de bases correspondente a
                 várias proteínas diferentes, as quais poderão ser sintetizadas simultaneamente.
             [C]. Um codão corresponde à sequência de três desoxirribonucleótidos e codifica um aminoácido.
             [D]. Para a formação de uma proteína, além do RNAm é necessária também a participação do RNAt e
                 dos ribossomas.
             [E]. Os RNAt são moléculas produzidas nos ribossomas e são capazes de reconhecer um aminoácido
                 específico.
             [F]. Sequências idênticas de aminoácidos são sempre codificadas por sequências idênticas de
                 nucleótidos.
             [G]. O anticodão UUG reconhece a sequência AAC.
             [H]. A RNA-polimerase é responsável pela transcrição.


9
            Critérios :
              Afirmações                                             Cotação
              7 ou 8                                                 9
              5 ou 6                                                 6
              3 ou 4                                                 3
              0 ou 1 ou 2                                            0




    2   Nuno Correia
Grupo II
        Documento II
        Os peixes-boi são mamíferos marinhos que apresentam duas nadadeiras em vez de
        patas dianteiras e uma grande nadadeira caudal no lugar das patas traseiras.
        As duas espécies de peixe-boi existentes no Brasil estão presentes em diversas
        listas de animais ameaçados.             Uma pesquisa coordenada pelo geneticista Fabrício
                                                  Santos, da Universidade Federal de Minas Gerais
                                                  (UFMG), concluiu que o processo de extinção poder-
                                                  se-á dever a factores genéticos.
                                                  O estudo constatou uma baixíssima variabilidade
                                                  genética dos peixes-boi marinhos, facto que torna a
                                                  população mais vulnerável a doenças e a mudanças
                                                  climáticas. O estudo foi feito com amostras de pele,
                                                  sangue e tecido cartilagíneo da nadadeira caudal de
        duas espécies de peixe-boi. Procedeu-se à sequenciação do DNA mitocondríal de 34
        peixes-boi marinhos (Trichechus manatus) e de 78 amazónicos (Trichechus inunguis).
        Esse tipo de DNA permite estimar a variabilidade genética de uma população e análise
        dos resultados é utilizada para avaliar o risco de extinção de uma espécie, bem como
        para planificar estratégias de conservação. No caso dos peixes-boi marinhos, todos os
        indivíduos apresentaram um mesmo haplótipo - a mesma sequência de DNA
        mitocôndrial constituída por 400 nucleótidos. "Isto provavelmente é o reflexo de uma
        drástica redução populacional, que deve estar a levar a vários acasalamentos
        consanguíneos", esclarece Fabrício. "Daqui a 20 ou 30 anos, talvez só existam na
        natureza os animais reintroduzidos". Já no caso da espécie amazónica, foram
        encontrados 15 haplótipos diferentes. Adaptado de Ciência Hoje on-line


        1.   O estabelecimento de relações filogenéticas entre duas espécies de peixes-boi
             recorrendo à comparação de sequências de nucleótidos é feito com recurso a dados
             ______. As duas espécies referidas no documento II apresentam em comum as
             categorias taxonómicas hierarquicamente superiores_______.
              [A]. bioquímicos (...) à espécie
7             [B]. bioquímicos (...) ao género
              [C]. citológicos (...) ao género
              [D]. citológicos (...) à espécie




    3   Nuno Correia
2. As afirmações seguintes dizem respeito ao peixe-boi. Seleccione a alternativa que as
            avalia correctamente.
         1. As nadadeiras anteriores do peixe-boi, as asas de um morcego e as patas dianteiras
         de um cavalo são estruturas homólogas e reflectem fenómenos de evolução
7        convergente.
         2. Nas células diplóldes do peixe-boi o número de cromossomas é 2n= X. Durante a
         formação das células sexuais do peixe-boi uma célula, imediatamente após o período S,
         apresentará X/2 pares de cromossomas e 2X cromatídios.
         3. 0 peixe-boi pertence inequivocamente ao Reino Animal pois á eucarionte e pluricelular
         com elevada diferenciação celular.
         (A) 1 e 3 são falsas; 2 é verdadeira
         (B) 1 e 2 são verdadeiras; 3 é falsa
         (C) 2 e 3 são verdadeiras; 1 é falsa
         (D) 2 e 3 são falsas; 1 é verdadeira


         3. "É hoje consensual entre os biólogos a ideia de que as células eucarióticas terão
            tido     como    ancestrais    seres    procariontes   que   estabeleceram   relações
            endossimbióticos."
         Analise as afirmações seguintes relativas à Hipótese endossimblótlca e seleccione a
         alternativa que as avalia correctamente.

7        1. As mitocôndrias das células da pele dos peixes-boi devem ter tido bactérias aeróbias
         como ancestrais.
         2. Durante o estabelecimento da simbiose, os seres procariontes de menores
         dimensões, sofreram processos de digestão intracelular.
         3. As células das plantas superiores são o resultado da evolução de uma célula formada
         por simbiose entre células procarióticas, uma das quais capaz de utilizar energia
         luminosa.
         (A) 3 é verdadeira; 1 e 2 são falsas.
         (B) 1 é verdadeira; 2 e 3 são falsas.
         (C) 1 e 2 são verdadeiras; 3 é falsa.
         (D) 1 e 3 são verdadeiras; 2 é falsa.


             4.    Diferentes estudos vieram confirmar que o DNA mitocôndrial permite avaliar o
                   risco de extinção de uma espécie, bem como planificar estratégias de
                   conservação". Relacione o resultado obtido nos estudos realizados com a
                   capacidade de sobrevivência das populações de peixes-boi marinhos.

12                       A análise do DNA conclui-se que nesta população existe o mesmo
                          halotipo. Este resultado permite inferir a existência de uma baixa
                          variabilidade no seio da população.
                         Verifica-se assim que a capacidade adaptativa perante alterações
                          ambientais conduz a uma menor capacidade de sobrevivência, logo
                          baixa axa “evolutiva”.




     4   Nuno Correia
Grupo III
        Documento III -       Peixe-escorpião ou Rascasso (Scorpaena scrofa) pode ser chave
        para evolução das espécies.


        Quando os pescadores de Maine começaram a encontrar um peixe dos mares,
                                           conhecido como peixe-escorpião em estuários, Kelly
                                                         Hyndman e David Evans, zoólogos da
                                                           Universidade da Flórida, em Gainesville,
                                                           decidiram    examiná-lo       com       mais
                                                           cuidado.    Colocaram     o    peixe     em
                                                           aquários       contendo         diferentes
        concentrações de água do mar e, após 24 e 72 horas, mediram as concentrações de
        sódio, potássio e iões cloro no seu sangue, bem como os níveis de três proteínas nas
        guelras que ajudam a regular a presença dos iões. O peixe-escorpião poderia estar
        prestes a fazer a transição para a água doce, à medida que pressões selectivas - como
        o facto de haver mais predadores de água salgada - o empurrassem para outro
        ambiente. Como o peixe marinho gerou a primeira espécie de peixe de água doce ao
        passar para estuários de água salobra, a oportunidade de assistir ao peixe-escorpião
        fazer uma transição similar é inestimável. O biólogo William Marshall, da Universidade
        de Saint Francis Xavier, em Antigonish, Canadá, que não participou do estudo, disse:
        "Acredito que encontramos uma espécie prestes a inventar, por evolução, um modo
        melhor de se adaptar à água doce." Ciência Hoje on-line
        Nota : Um estuário é a parte de um rio que se encontra em contacto com o mar. Por esta razão,
        um estuário sofre a influência das marés e possui tipicamente água salobra. Água salobra é
        aquela que tem mais sais dissolvidos que a água doce e menos que a água do mar.


        Nas questões de 1. a 3., seleccione a alternativa que permite preencher os espaços, de
        modo a obter uma afirmação correcta.
        1. O peixe escorpião, para sobreviver em água salgada, tende a_____. No entanto, o
           facto de este local estar____sujeito a predadores, leva à sua deslocação para um
7          meio com água salobra.
           [A]. absorver selectivamente[...] mais
           [B]. absorver sal por difusão [...] menos
           [C]. excretar sal activamente [...] menos
           [D]. excretar sal activamente [...] mais


        2. O   peixe   escorpião     possui    mecanismos______________     para   regular     a    sua
           osmolaridade em água salgada. Um desses mecanismos relaciona-se com o facto
           deste peixe possuir glomerulos de Malpighi ____________ desenvolvidos, como
7          estratégia de preservação de água no interior do seu organismo.
               [A]. comportamentais [...] pouco
               [B]. fisiológicos [...] pouco
               [C]. fisiológicos.[...] muito
               [D]. comportamentais [...] muito


    5   Nuno Correia
3. Segundo Darwin, a evolução do peixe-escorpião, tal como o Scorpaena scrofa,

7             ocorre ao nível da(o) ___________________ sendo que o meio_____________
              [A]. indivíduo[...] tem um papel seleccionador .
              [B]. população [...] tem um papel seleccionador
              [C]. população [...] cria necessidades
              [D]. indivíduo [...] cria necessidades


         4. O peixe-escorpião apresentam capacidade osmorreguladora como forma de
              adaptação aos diversos habitais. Relacione o metabolismo das células branquiais
              deste peixe com a necessidade de manutenção da concentração dos seus fluidos
              corporais, quando sujeito a pressões selectivas de um ambiente marinho.


20                  Em meio marinho a concentração osmótica é superior à concentração nos
                     fluidos corporais do Peixe.
                    Para manter estas condições é necessário que certas células branquiais
                     desencadeiem mecanismos de               excreção de sais com transporte activo,
                     contra o gradiente e com gastos energéticos
                    A produção de energia necessária ao transporte activo implica uma maior
                     taxa metabólica (respiração celular)



         5.   O peixe-escorpião, peixe de água salgada, poderia estar prestes a fazer a transição
              para a água doce, uma vez que neste local existem menos predadores. Explique, do
              ponto de vista neodarwinista, o processo evolutivo do peixe-escorpião que lhe
              permite, nos dias de hoje, sobreviver em ambientes de água doce.
20
                  Tópicos
                         Numa população existem sempre indivíduos com variações.
                         As   variações     resultam,    essencialmente     de     mutações       e     das
                          recombinações      genicas.    As    recombinações      genicas   para       serem
                          hereditárias têm de fazer parte das células reprodutoras.
                         Os indivíduos com o fenótipo mais apto ao meio são selecionados
                          diferencialmente. De geração em geração, as caraterísticas vão sendo
                          transmitidas aos descendentes, acumulando-se diferenças significativas;
                         Estas diferenças contribuem para que alguns seres, em condições
                          especiais de isolamento, originem vias evolutivas de novas espécies.




     6   Nuno Correia
Grupo IV


    Documento IV - Reprodução na alface-do-mar
                                                  A alface-do-mar, Ulva, ( é uma alga verde
                                                  cujo talo laminar lhe conferiu o nome. É
                                                  uma alga muito comum na nossa costa.
                                                  Frequentemente atirada para a praia, por
                                                  marés vivas, é comum encontrá-la à
                                                  beira-mar. Não nos é possível, contudo
                                                  distinguir        morfologicamente             os
                                                  organismos A e B(1 e 2). Os gâmetas
                                                  femininos produzidos pelo organismo B2
                                                  e   os       masculinos      produzidos     pelo
                                                  organismo B1 encontram-se ao acaso na
                                                  água     para     que       possa    ocorrer    a
                                                  fecundação.      O     organismo     B2    pode,
                                                  também, produzir esporos por mitose e,
    deste modo, aumentar a população B2.


                                                           Documento V - Reprodução em
                                                           medusas
                                                           A Aurélia aurita é, provavelmente,
                                                           a medusa mais frequente nas,
                                                           cada vez mais quentes, águas
                                                           mediterrânicas. Este animal passa
                                                           pela forma juvenil chamada éfira,
                                                           mais simples do que a forma
                                                           adulta - a medusa. As medusas
                                                           podem        ser    encontradas       em
                                                           grandes grupos ou, isoladamente,
                                                           nadando            activamente        ou
                                                           simplesmente sendo arrastadas
                                                           pelas       correntes.     Os    adultos
                                                           apresentam ovários ou testículos -
                                                           onde, por meiose, se formam os
                                                           gâmetas. Os machos libertam os
                                                           espermatozóides que
                                                           rapidamente são captados pela
                                                           fêmea de forma a proteger a
    fecundação que ocorre na cavidade gastrovascular. Os descendentes só são libertados
    para o mar depois de completar a fase embrionária e de atingida a forma plânula, uma
    larva nadante. A larva fixa-se ao leito oceânico e cresce transformando-se no pólipo. Os
    pólipos têm a capacidade de, por gemulação, originar novos pólipos e, por estrobilação,
    originar novas éfiras. A estrobilação é um processo de reprodução em que o pólipo se
    divide transversalmente em inúmeras éfiras que, crescendo, se diferenciam em


7   Nuno Correia
medusas. As medusas apresentam tentáculos venenosos, que utilizam para defesa dos
        seus predadores mais comuns (atuns, os tubarões e tartarugas) e na predação de
        pequenos peixes e de zooplâncton.
        Nas questões 1 a 4 seleccione a alternativa que permite preencher os espaços, de modo
        a obter uma afirmação correcta.
        1. Em relação à taxa de sucesso no desenvolvimento embrionário podemos afirmar
         que_____.
           [A]. a Ulva tem maior sucesso do que a Aurélia aurita
           [B]. ambas têm igual sucesso
           [C]. a Aurélia aurita tem maior sucesso do que a Ulva
7          [D]. ambas apresentam baixa taxa de sucesso


           2.   Os fenómenos indicados na figura 4 pelas letras X, Y e Z correspondem,
                respectivamente, a.
           [A]. meiose, mitose e fecundação.
           [B]. mitose, fecundação e meiose.
           [C]. meiose, fecundação e mitose.
7          [D]. fecundação, meiose, mitose


           3.   A Aurélia aurita apresenta no seu genoma dois genes de vital importância. O
                gene FixR2 responsável pela produção de proteínas que realizam a fixação do
                pólipo ao leito oceânico. E o gene LocR4 que codifica a proteína contráctil
                responsável pela locomoção da medusa. O gene FixR2 está_____no pólipo
                e_____na medusa e o gene LocR4 está_____no pólipo e_____na medusa.
           [A]. inactivo (...) activo (...) activo (...) inactivo
           [B]. activo (...) inactivo (...) inactivo (...) activo
7          [C]. activo (...) activo (...) inactivo (...) inactivo
           [D]. inactivo (...) inactivo (...) activo (...) activo


           4. As afirmações seguintes dizem respeito aos ciclos de vida representados nas
                figuras 4 e 5. Seleccione a alternativa que as avalia correctamente.
           1. Podemos afirmar que na Ulva o ciclo de vida é diplonte enquanto que na Aurélia
                aurita é haplonte.
           2. A meiose da Aurélia aurita e da Ulva são, respectivamente pré-gamética e pré-
                espórica.
           3. A reprodução feita pelo pólipo e pela forma B1 estão directamente relacionadas
                com a variabilidade genética, e o aumento da população, respectivamente.
7          [A]. 2 e 3 são verdadeiras; 1 é falsa
           [B]. 1 e 2 são verdadeiras; 3 é falsa
           [C]. 1 e 2 são falsas; 3 é verdadeira
           [D]. 1 e 3 são falsas; 2 é verdadeira




        5. Analise as afirmações que se seguem, relativas ao ciclo de vida da alface-do-mar.


    8   Nuno Correia
Reconstitua a sequência temporal dos acontecimentos que culminam na formação de
           um ovo, colocando por ordem as letras que os identificam.
             [A]. União de gamelas haplóides com restabelecimento da diploidia.
             [B]. Mitoses e diferenciação celular originam um organismo pluricelular.
 12          [C]. Mitoses e expressão diferencial do genoma dão origem a gametófitos monóicos
             [D]. Meiose e formação de esporos.
             [E]. Produção de células de linha germinativa.
                 BDCEA
          6. Classifique como verdadeira (V) ou falsa (F) cada uma das seguintes afirmações,
            relativas à análise e interpretação dos documentos IV e V.
             [A]. A éfira é diplóide.
             [B]. O estróbilo e o organismo B2 reproduzem-se assexuadamente.
             [C]. No estróbilo não ocorre crossing-over.
             [D]. No ciclo da Aurélia aurita a haplofase é dominante.
             [E]. Entre a plânula e a éfira ocorre a segregação dos cromossomas homólogos.
 9           [F]. A redução cromática ocorre depois de Y e antes de Z.
             [G]. As éfiras resultantes de um mesmo pólipo apresentam variabilidade.
             [H]. Ocorrem fenómenos de recombinação génica na medusa adulta


          7. "Existem plantas adaptadas às condições do deserto, nas quais a fotossíntese é do
            tipo CAM. Essa fotossintese caracteriza-se pela absorção do dióxido de carbono (C0 )
                                                                                              2



            pelos estomas, durante a noite. O C0 acumula-se dentro da célula, ligando-se ao
                                                    2



            ácido málico. Durante o dia os estomas fecham, mas a planta pode usar, na
            fotossíntese, o C0 retido no ácido málico." Explique em que medida a existência da
 20
                                2



            fotossintese CAM, em muitas plantas que vivem nos desertos, assegura a sua
            sobrevivência nestes ambientes extremos no que diz respeito à disponibilidade de
            água.


               Tópicos :
              Os estomas estão fechados durante o dia, logo não ocorre
               transpiração.
Total         As plantas com metabolismo CAM apresentam a maior
               eficiência de uso da água
200           Este processo é claramente favorável em condições de alta
               luminosidade e escassez de água.

                 Acrescentar esta nota na correção: Estas plantas dependem
                 muito deste processo, pelo fato de seus estomas estarem
                 fechados durante o dia a fim de evitar a perda de água. As
                 células estomáticas são as únicas células pidérmicas que
                 fazem fotossíntese e produzem glicose.




      9   Nuno Correia

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

1_BG11_T3a_21_CC.pdf
1_BG11_T3a_21_CC.pdf1_BG11_T3a_21_CC.pdf
1_BG11_T3a_21_CC.pdf
José Luís Alves
 
Bg 11 reprodução assexuada (exercícios)
Bg 11   reprodução assexuada (exercícios)Bg 11   reprodução assexuada (exercícios)
Bg 11 reprodução assexuada (exercícios)
Nuno Correia
 
Teste BG - Síntese Proteica
Teste BG - Síntese ProteicaTeste BG - Síntese Proteica
Teste BG - Síntese Proteica
José Luís Alves
 
Teste 5 de novembro revisto
Teste 5 de novembro revistoTeste 5 de novembro revisto
Teste 5 de novembro revisto
Estela Costa
 
Teste de Avaliação nr. 2 (Biologia 10º) Soluções
Teste de Avaliação nr. 2  (Biologia 10º) SoluçõesTeste de Avaliação nr. 2  (Biologia 10º) Soluções
Teste de Avaliação nr. 2 (Biologia 10º) Soluções
Isaura Mourão
 
Testes Intermédios 10ºano
Testes Intermédios 10ºanoTestes Intermédios 10ºano
Testes Intermédios 10ºano
sandranascimento
 
EXERCÍCIOS DE BIOLOGIA 10º
EXERCÍCIOS DE BIOLOGIA 10ºEXERCÍCIOS DE BIOLOGIA 10º
EXERCÍCIOS DE BIOLOGIA 10º
sandranascimento
 
Exercicios de exame bio11
Exercicios de exame bio11Exercicios de exame bio11
Exercicios de exame bio11
emanuelcarvalhal765
 
Resumo 11º ano - rochas sedimentares
Resumo   11º ano - rochas sedimentaresResumo   11º ano - rochas sedimentares
Resumo 11º ano - rochas sedimentares
Hugo Martins
 
Biologia 11 reprodução assexuada
Biologia 11   reprodução assexuadaBiologia 11   reprodução assexuada
Biologia 11 reprodução assexuada
Nuno Correia
 
fósseis - 7º ano
fósseis - 7º anofósseis - 7º ano
fósseis - 7º ano
olgacacao
 
Ppt 17 Vantagens E Desvantagens Da ReproduçãO Sexuada
Ppt 17   Vantagens E Desvantagens Da ReproduçãO SexuadaPpt 17   Vantagens E Desvantagens Da ReproduçãO Sexuada
Ppt 17 Vantagens E Desvantagens Da ReproduçãO Sexuada
Nuno Correia
 
Biologia 11 preparação para exame 1
Biologia 11   preparação para exame 1Biologia 11   preparação para exame 1
Biologia 11 preparação para exame 1
Nuno Correia
 
Ciclos de vida
Ciclos de vidaCiclos de vida
Ciclos de vida
Mariana Cordeiro
 
1o teste pratico_v1prof-15-16 (1)
1o teste pratico_v1prof-15-16 (1)1o teste pratico_v1prof-15-16 (1)
1o teste pratico_v1prof-15-16 (1)
ecolealcamara
 
Idade Relativa e Idade Radiométrica
Idade Relativa e Idade RadiométricaIdade Relativa e Idade Radiométrica
Idade Relativa e Idade Radiométrica
Gabriela Bruno
 
Princípios estratigráficos
Princípios estratigráficosPrincípios estratigráficos
Princípios estratigráficos
Catir
 
Areal teste 11 bg_outubro 2021
Areal teste 11 bg_outubro 2021Areal teste 11 bg_outubro 2021
Areal teste 11 bg_outubro 2021
Vanda Sirgado
 
Teste 2 versão ii
Teste 2 versão iiTeste 2 versão ii
Teste 2 versão ii
joseeira
 
Teste 1 versão ii
Teste 1 versão iiTeste 1 versão ii
Teste 1 versão ii
joseeira
 

Mais procurados (20)

1_BG11_T3a_21_CC.pdf
1_BG11_T3a_21_CC.pdf1_BG11_T3a_21_CC.pdf
1_BG11_T3a_21_CC.pdf
 
Bg 11 reprodução assexuada (exercícios)
Bg 11   reprodução assexuada (exercícios)Bg 11   reprodução assexuada (exercícios)
Bg 11 reprodução assexuada (exercícios)
 
Teste BG - Síntese Proteica
Teste BG - Síntese ProteicaTeste BG - Síntese Proteica
Teste BG - Síntese Proteica
 
Teste 5 de novembro revisto
Teste 5 de novembro revistoTeste 5 de novembro revisto
Teste 5 de novembro revisto
 
Teste de Avaliação nr. 2 (Biologia 10º) Soluções
Teste de Avaliação nr. 2  (Biologia 10º) SoluçõesTeste de Avaliação nr. 2  (Biologia 10º) Soluções
Teste de Avaliação nr. 2 (Biologia 10º) Soluções
 
Testes Intermédios 10ºano
Testes Intermédios 10ºanoTestes Intermédios 10ºano
Testes Intermédios 10ºano
 
EXERCÍCIOS DE BIOLOGIA 10º
EXERCÍCIOS DE BIOLOGIA 10ºEXERCÍCIOS DE BIOLOGIA 10º
EXERCÍCIOS DE BIOLOGIA 10º
 
Exercicios de exame bio11
Exercicios de exame bio11Exercicios de exame bio11
Exercicios de exame bio11
 
Resumo 11º ano - rochas sedimentares
Resumo   11º ano - rochas sedimentaresResumo   11º ano - rochas sedimentares
Resumo 11º ano - rochas sedimentares
 
Biologia 11 reprodução assexuada
Biologia 11   reprodução assexuadaBiologia 11   reprodução assexuada
Biologia 11 reprodução assexuada
 
fósseis - 7º ano
fósseis - 7º anofósseis - 7º ano
fósseis - 7º ano
 
Ppt 17 Vantagens E Desvantagens Da ReproduçãO Sexuada
Ppt 17   Vantagens E Desvantagens Da ReproduçãO SexuadaPpt 17   Vantagens E Desvantagens Da ReproduçãO Sexuada
Ppt 17 Vantagens E Desvantagens Da ReproduçãO Sexuada
 
Biologia 11 preparação para exame 1
Biologia 11   preparação para exame 1Biologia 11   preparação para exame 1
Biologia 11 preparação para exame 1
 
Ciclos de vida
Ciclos de vidaCiclos de vida
Ciclos de vida
 
1o teste pratico_v1prof-15-16 (1)
1o teste pratico_v1prof-15-16 (1)1o teste pratico_v1prof-15-16 (1)
1o teste pratico_v1prof-15-16 (1)
 
Idade Relativa e Idade Radiométrica
Idade Relativa e Idade RadiométricaIdade Relativa e Idade Radiométrica
Idade Relativa e Idade Radiométrica
 
Princípios estratigráficos
Princípios estratigráficosPrincípios estratigráficos
Princípios estratigráficos
 
Areal teste 11 bg_outubro 2021
Areal teste 11 bg_outubro 2021Areal teste 11 bg_outubro 2021
Areal teste 11 bg_outubro 2021
 
Teste 2 versão ii
Teste 2 versão iiTeste 2 versão ii
Teste 2 versão ii
 
Teste 1 versão ii
Teste 1 versão iiTeste 1 versão ii
Teste 1 versão ii
 

Destaque

Ficha de Trabalho nr 3 - Experiência de Hershey e Chase
Ficha de Trabalho nr 3 - Experiência de Hershey e ChaseFicha de Trabalho nr 3 - Experiência de Hershey e Chase
Ficha de Trabalho nr 3 - Experiência de Hershey e Chase
Isaura Mourão
 
Teste de Biologia 11 (3º Teste) - Global
Teste de Biologia 11 (3º Teste) - GlobalTeste de Biologia 11 (3º Teste) - Global
Teste de Biologia 11 (3º Teste) - Global
Isaura Mourão
 
Teste de Biologia (3º Teste) - Global
Teste de Biologia (3º Teste) - GlobalTeste de Biologia (3º Teste) - Global
Teste de Biologia (3º Teste) - Global
Isaura Mourão
 
Teste de Avaliação nr. 1 (Biologia 10º)
Teste de Avaliação nr. 1 (Biologia 10º)Teste de Avaliação nr. 1 (Biologia 10º)
Teste de Avaliação nr. 1 (Biologia 10º)
Isaura Mourão
 
Teste de Biologia (2º Teste) - Biologia 11
Teste de Biologia (2º Teste) - Biologia 11Teste de Biologia (2º Teste) - Biologia 11
Teste de Biologia (2º Teste) - Biologia 11
Isaura Mourão
 
Biologia - Sistema Nervoso
Biologia - Sistema NervosoBiologia - Sistema Nervoso
Biologia - Sistema Nervoso
Isaura Mourão
 
Ácidos, Bases e pH - 11ºano FQ A
Ácidos, Bases e pH - 11ºano FQ AÁcidos, Bases e pH - 11ºano FQ A
Ácidos, Bases e pH - 11ºano FQ A
adelinoqueiroz
 
Teste de Biologia (3º Teste) - Global - correcção
Teste de Biologia (3º Teste) - Global - correcçãoTeste de Biologia (3º Teste) - Global - correcção
Teste de Biologia (3º Teste) - Global - correcção
Isaura Mourão
 
Ficha de Trabalho 4 (Soluções)
Ficha de Trabalho 4 (Soluções)Ficha de Trabalho 4 (Soluções)
Ficha de Trabalho 4 (Soluções)
Isaura Mourão
 
1S- Exercícios divisão celular 70 questoes- respondida
1S- Exercícios divisão celular   70 questoes- respondida1S- Exercícios divisão celular   70 questoes- respondida
1S- Exercícios divisão celular 70 questoes- respondida
Ionara Urrutia Moura
 
Resumo - Módulo Inicial - A geologia, os geólogos e os seus métodos
Resumo - Módulo Inicial - A geologia, os geólogos e os seus métodosResumo - Módulo Inicial - A geologia, os geólogos e os seus métodos
Resumo - Módulo Inicial - A geologia, os geólogos e os seus métodos
Isaura Mourão
 
Ficha de Trabalho nr 1 - Experiência de Frederick Griffith (resolução)
Ficha de Trabalho nr 1 - Experiência de Frederick Griffith (resolução)Ficha de Trabalho nr 1 - Experiência de Frederick Griffith (resolução)
Ficha de Trabalho nr 1 - Experiência de Frederick Griffith (resolução)
Isaura Mourão
 
Ficha Informativa - Biomoléculas
Ficha Informativa - BiomoléculasFicha Informativa - Biomoléculas
Ficha Informativa - Biomoléculas
Isaura Mourão
 
Testes zoologia
Testes zoologiaTestes zoologia
Testes zoologia
denilsonbio
 
Resumo - Síntese Proteica
Resumo - Síntese ProteicaResumo - Síntese Proteica
Resumo - Síntese ProteicaIsaura Mourão
 
Ficha Informativa - Esquema da Célula
Ficha Informativa - Esquema da CélulaFicha Informativa - Esquema da Célula
Ficha Informativa - Esquema da CélulaIsaura Mourão
 
Testes divisão celular
Testes divisão celularTestes divisão celular
Testes divisão celular
denilsonbio
 
Ti inf teste_bg11_dez2013
Ti inf teste_bg11_dez2013Ti inf teste_bg11_dez2013
Ti inf teste_bg11_dez2013
margaridabt
 
Bg 11 mitose (exercícios)
Bg 11   mitose (exercícios)Bg 11   mitose (exercícios)
Bg 11 mitose (exercícios)
Nuno Correia
 
Ficha de Trabalho 2
Ficha de Trabalho 2Ficha de Trabalho 2
Ficha de Trabalho 2
Isaura Mourão
 

Destaque (20)

Ficha de Trabalho nr 3 - Experiência de Hershey e Chase
Ficha de Trabalho nr 3 - Experiência de Hershey e ChaseFicha de Trabalho nr 3 - Experiência de Hershey e Chase
Ficha de Trabalho nr 3 - Experiência de Hershey e Chase
 
Teste de Biologia 11 (3º Teste) - Global
Teste de Biologia 11 (3º Teste) - GlobalTeste de Biologia 11 (3º Teste) - Global
Teste de Biologia 11 (3º Teste) - Global
 
Teste de Biologia (3º Teste) - Global
Teste de Biologia (3º Teste) - GlobalTeste de Biologia (3º Teste) - Global
Teste de Biologia (3º Teste) - Global
 
Teste de Avaliação nr. 1 (Biologia 10º)
Teste de Avaliação nr. 1 (Biologia 10º)Teste de Avaliação nr. 1 (Biologia 10º)
Teste de Avaliação nr. 1 (Biologia 10º)
 
Teste de Biologia (2º Teste) - Biologia 11
Teste de Biologia (2º Teste) - Biologia 11Teste de Biologia (2º Teste) - Biologia 11
Teste de Biologia (2º Teste) - Biologia 11
 
Biologia - Sistema Nervoso
Biologia - Sistema NervosoBiologia - Sistema Nervoso
Biologia - Sistema Nervoso
 
Ácidos, Bases e pH - 11ºano FQ A
Ácidos, Bases e pH - 11ºano FQ AÁcidos, Bases e pH - 11ºano FQ A
Ácidos, Bases e pH - 11ºano FQ A
 
Teste de Biologia (3º Teste) - Global - correcção
Teste de Biologia (3º Teste) - Global - correcçãoTeste de Biologia (3º Teste) - Global - correcção
Teste de Biologia (3º Teste) - Global - correcção
 
Ficha de Trabalho 4 (Soluções)
Ficha de Trabalho 4 (Soluções)Ficha de Trabalho 4 (Soluções)
Ficha de Trabalho 4 (Soluções)
 
1S- Exercícios divisão celular 70 questoes- respondida
1S- Exercícios divisão celular   70 questoes- respondida1S- Exercícios divisão celular   70 questoes- respondida
1S- Exercícios divisão celular 70 questoes- respondida
 
Resumo - Módulo Inicial - A geologia, os geólogos e os seus métodos
Resumo - Módulo Inicial - A geologia, os geólogos e os seus métodosResumo - Módulo Inicial - A geologia, os geólogos e os seus métodos
Resumo - Módulo Inicial - A geologia, os geólogos e os seus métodos
 
Ficha de Trabalho nr 1 - Experiência de Frederick Griffith (resolução)
Ficha de Trabalho nr 1 - Experiência de Frederick Griffith (resolução)Ficha de Trabalho nr 1 - Experiência de Frederick Griffith (resolução)
Ficha de Trabalho nr 1 - Experiência de Frederick Griffith (resolução)
 
Ficha Informativa - Biomoléculas
Ficha Informativa - BiomoléculasFicha Informativa - Biomoléculas
Ficha Informativa - Biomoléculas
 
Testes zoologia
Testes zoologiaTestes zoologia
Testes zoologia
 
Resumo - Síntese Proteica
Resumo - Síntese ProteicaResumo - Síntese Proteica
Resumo - Síntese Proteica
 
Ficha Informativa - Esquema da Célula
Ficha Informativa - Esquema da CélulaFicha Informativa - Esquema da Célula
Ficha Informativa - Esquema da Célula
 
Testes divisão celular
Testes divisão celularTestes divisão celular
Testes divisão celular
 
Ti inf teste_bg11_dez2013
Ti inf teste_bg11_dez2013Ti inf teste_bg11_dez2013
Ti inf teste_bg11_dez2013
 
Bg 11 mitose (exercícios)
Bg 11   mitose (exercícios)Bg 11   mitose (exercícios)
Bg 11 mitose (exercícios)
 
Ficha de Trabalho 2
Ficha de Trabalho 2Ficha de Trabalho 2
Ficha de Trabalho 2
 

Semelhante a Teste de Biologia 11 (3º Teste) - Global - correcção

1S_ Questoes ac nucleicos
1S_ Questoes ac nucleicos  1S_ Questoes ac nucleicos
1S_ Questoes ac nucleicos
Ionara Urrutia Moura
 
Questoes para 1 s sem resposta
Questoes para 1 s  sem respostaQuestoes para 1 s  sem resposta
Questoes para 1 s sem resposta
Ionara Urrutia Moura
 
Aula Sobre Citologia
Aula Sobre CitologiaAula Sobre Citologia
Aula Sobre Citologia
Alzeir Virlene
 
Gabarito caderno 1 - Terceirão e extensivo manhã BIO 2017
Gabarito caderno 1 - Terceirão e extensivo manhã BIO 2017Gabarito caderno 1 - Terceirão e extensivo manhã BIO 2017
Gabarito caderno 1 - Terceirão e extensivo manhã BIO 2017
James Martins
 
Biologia 11 (1º Teste 1º Período)
Biologia 11 (1º Teste 1º Período)Biologia 11 (1º Teste 1º Período)
Biologia 11 (1º Teste 1º Período)
Isaura Mourão
 
Td 06 bio ii protoctista e fungi
Td 06 bio ii protoctista e fungiTd 06 bio ii protoctista e fungi
Td 06 bio ii protoctista e fungi
MatheusMesquitaMelo
 
Nono plano de sheila coelho
Nono plano de sheila coelhoNono plano de sheila coelho
Nono plano de sheila coelho
Sheila Lorena Araujo Coelho
 
Nono plano de sheila coelho
Nono plano de sheila coelhoNono plano de sheila coelho
Nono plano de sheila coelho
Sheila Lorena Araujo Coelho
 
T.D CITOLOGIA
T.D CITOLOGIAT.D CITOLOGIA
T.D CITOLOGIA
Joselito Oliveira Neto
 
Uespi 2008 ( biologia quimica )
Uespi 2008 ( biologia   quimica )Uespi 2008 ( biologia   quimica )
Uespi 2008 ( biologia quimica )
tamandarealfamanha
 
Plano de luzia alterado 10
Plano de luzia alterado 10Plano de luzia alterado 10
Plano de luzia alterado 10
luziabiologa2010
 
odis10_eNL_teste4.docx
odis10_eNL_teste4.docxodis10_eNL_teste4.docx
odis10_eNL_teste4.docx
MiguelMarques649382
 
Projeto cesgranrio
Projeto cesgranrioProjeto cesgranrio
Projeto cesgranrio
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Aula01 organizao celular-da-vidacbm15122021
Aula01 organizao celular-da-vidacbm15122021Aula01 organizao celular-da-vidacbm15122021
Aula01 organizao celular-da-vidacbm15122021
SandroMendes25
 
2)A célula-Estrutura e Função.pdf
2)A célula-Estrutura e Função.pdf2)A célula-Estrutura e Função.pdf
2)A célula-Estrutura e Função.pdf
Carla Carrasco
 
Aula 01_Dogma Central da Biologia Molecular.pptx
Aula 01_Dogma Central da Biologia Molecular.pptxAula 01_Dogma Central da Biologia Molecular.pptx
Aula 01_Dogma Central da Biologia Molecular.pptx
Tatilobato
 
Características dos seres vivos 9 ano
Características dos seres vivos 9 anoCaracterísticas dos seres vivos 9 ano
Características dos seres vivos 9 ano
Ricardo Mateus Brito Menezes
 
Características dos seres vivos 9 ano
Características dos seres vivos 9 anoCaracterísticas dos seres vivos 9 ano
Características dos seres vivos 9 ano
Ricardo Mateus Brito Menezes
 
Oitavo plano de sheila coelho
Oitavo plano de sheila coelhoOitavo plano de sheila coelho
Oitavo plano de sheila coelho
Sheila Lorena Araujo Coelho
 
Sistemática, Vírus, Reino Protista, Monera e Fungi
Sistemática, Vírus, Reino Protista, Monera e FungiSistemática, Vírus, Reino Protista, Monera e Fungi
Sistemática, Vírus, Reino Protista, Monera e Fungi
Sheila Lorena Araujo Coelho
 

Semelhante a Teste de Biologia 11 (3º Teste) - Global - correcção (20)

1S_ Questoes ac nucleicos
1S_ Questoes ac nucleicos  1S_ Questoes ac nucleicos
1S_ Questoes ac nucleicos
 
Questoes para 1 s sem resposta
Questoes para 1 s  sem respostaQuestoes para 1 s  sem resposta
Questoes para 1 s sem resposta
 
Aula Sobre Citologia
Aula Sobre CitologiaAula Sobre Citologia
Aula Sobre Citologia
 
Gabarito caderno 1 - Terceirão e extensivo manhã BIO 2017
Gabarito caderno 1 - Terceirão e extensivo manhã BIO 2017Gabarito caderno 1 - Terceirão e extensivo manhã BIO 2017
Gabarito caderno 1 - Terceirão e extensivo manhã BIO 2017
 
Biologia 11 (1º Teste 1º Período)
Biologia 11 (1º Teste 1º Período)Biologia 11 (1º Teste 1º Período)
Biologia 11 (1º Teste 1º Período)
 
Td 06 bio ii protoctista e fungi
Td 06 bio ii protoctista e fungiTd 06 bio ii protoctista e fungi
Td 06 bio ii protoctista e fungi
 
Nono plano de sheila coelho
Nono plano de sheila coelhoNono plano de sheila coelho
Nono plano de sheila coelho
 
Nono plano de sheila coelho
Nono plano de sheila coelhoNono plano de sheila coelho
Nono plano de sheila coelho
 
T.D CITOLOGIA
T.D CITOLOGIAT.D CITOLOGIA
T.D CITOLOGIA
 
Uespi 2008 ( biologia quimica )
Uespi 2008 ( biologia   quimica )Uespi 2008 ( biologia   quimica )
Uespi 2008 ( biologia quimica )
 
Plano de luzia alterado 10
Plano de luzia alterado 10Plano de luzia alterado 10
Plano de luzia alterado 10
 
odis10_eNL_teste4.docx
odis10_eNL_teste4.docxodis10_eNL_teste4.docx
odis10_eNL_teste4.docx
 
Projeto cesgranrio
Projeto cesgranrioProjeto cesgranrio
Projeto cesgranrio
 
Aula01 organizao celular-da-vidacbm15122021
Aula01 organizao celular-da-vidacbm15122021Aula01 organizao celular-da-vidacbm15122021
Aula01 organizao celular-da-vidacbm15122021
 
2)A célula-Estrutura e Função.pdf
2)A célula-Estrutura e Função.pdf2)A célula-Estrutura e Função.pdf
2)A célula-Estrutura e Função.pdf
 
Aula 01_Dogma Central da Biologia Molecular.pptx
Aula 01_Dogma Central da Biologia Molecular.pptxAula 01_Dogma Central da Biologia Molecular.pptx
Aula 01_Dogma Central da Biologia Molecular.pptx
 
Características dos seres vivos 9 ano
Características dos seres vivos 9 anoCaracterísticas dos seres vivos 9 ano
Características dos seres vivos 9 ano
 
Características dos seres vivos 9 ano
Características dos seres vivos 9 anoCaracterísticas dos seres vivos 9 ano
Características dos seres vivos 9 ano
 
Oitavo plano de sheila coelho
Oitavo plano de sheila coelhoOitavo plano de sheila coelho
Oitavo plano de sheila coelho
 
Sistemática, Vírus, Reino Protista, Monera e Fungi
Sistemática, Vírus, Reino Protista, Monera e FungiSistemática, Vírus, Reino Protista, Monera e Fungi
Sistemática, Vírus, Reino Protista, Monera e Fungi
 

Mais de Isaura Mourão

UFCD-pele e a sua integridade - ensino profissional.pdf
UFCD-pele e a sua integridade -  ensino profissional.pdfUFCD-pele e a sua integridade -  ensino profissional.pdf
UFCD-pele e a sua integridade - ensino profissional.pdf
Isaura Mourão
 
BiologiaProfissional Planificação completa.pdf
BiologiaProfissional Planificação completa.pdfBiologiaProfissional Planificação completa.pdf
BiologiaProfissional Planificação completa.pdf
Isaura Mourão
 
Powerpoint de Sismologia - Completo.pdf10º ano de escolaridade
Powerpoint de Sismologia - Completo.pdf10º ano de escolaridadePowerpoint de Sismologia - Completo.pdf10º ano de escolaridade
Powerpoint de Sismologia - Completo.pdf10º ano de escolaridade
Isaura Mourão
 
bg10 - outubro com principios e correção.docx
bg10 - outubro com principios e correção.docxbg10 - outubro com principios e correção.docx
bg10 - outubro com principios e correção.docx
Isaura Mourão
 
Tectónica de placas (1).pptx
Tectónica de placas (1).pptxTectónica de placas (1).pptx
Tectónica de placas (1).pptx
Isaura Mourão
 
2 - Biossíntese de proteínas.pptx
2 - Biossíntese de proteínas.pptx2 - Biossíntese de proteínas.pptx
2 - Biossíntese de proteínas.pptx
Isaura Mourão
 
Doencas de Pele (1).ppt
Doencas de Pele (1).pptDoencas de Pele (1).ppt
Doencas de Pele (1).ppt
Isaura Mourão
 
62 Arquivos históricos da Terra.pptx
62 Arquivos históricos da Terra.pptx62 Arquivos históricos da Terra.pptx
62 Arquivos históricos da Terra.pptx
Isaura Mourão
 
odis11_bio_ppt_cap6.pptx
odis11_bio_ppt_cap6.pptxodis11_bio_ppt_cap6.pptx
odis11_bio_ppt_cap6.pptx
Isaura Mourão
 
BIOLOGIA11_Rmag.Aula Nº 1.pptx
BIOLOGIA11_Rmag.Aula Nº 1.pptxBIOLOGIA11_Rmag.Aula Nº 1.pptx
BIOLOGIA11_Rmag.Aula Nº 1.pptx
Isaura Mourão
 
56 Argumentos do evolucionismo.pptx
56 Argumentos do evolucionismo.pptx56 Argumentos do evolucionismo.pptx
56 Argumentos do evolucionismo.pptx
Isaura Mourão
 
63 Rochas magmáticas.pptx
63 Rochas magmáticas.pptx63 Rochas magmáticas.pptx
63 Rochas magmáticas.pptx
Isaura Mourão
 
11º PTAS- RESUMO Sistema urinário.pptx
11º PTAS- RESUMO Sistema urinário.pptx11º PTAS- RESUMO Sistema urinário.pptx
11º PTAS- RESUMO Sistema urinário.pptx
Isaura Mourão
 
50 Ciclo celular (3).pptx
50 Ciclo celular (3).pptx50 Ciclo celular (3).pptx
50 Ciclo celular (3).pptx
Isaura Mourão
 
51 Reprodução assexuada (1).pptx
51 Reprodução assexuada (1).pptx51 Reprodução assexuada (1).pptx
51 Reprodução assexuada (1).pptx
Isaura Mourão
 
1- DNA.pptx
1- DNA.pptx1- DNA.pptx
1- DNA.pptx
Isaura Mourão
 
48 DNA.pptx
48 DNA.pptx48 DNA.pptx
48 DNA.pptx
Isaura Mourão
 
M5-nervoso.pptx
M5-nervoso.pptxM5-nervoso.pptx
M5-nervoso.pptx
Isaura Mourão
 
Trocas gasosas.pptx
Trocas gasosas.pptxTrocas gasosas.pptx
Trocas gasosas.pptx
Isaura Mourão
 
Alcoolismo.ppt
Alcoolismo.pptAlcoolismo.ppt
Alcoolismo.ppt
Isaura Mourão
 

Mais de Isaura Mourão (20)

UFCD-pele e a sua integridade - ensino profissional.pdf
UFCD-pele e a sua integridade -  ensino profissional.pdfUFCD-pele e a sua integridade -  ensino profissional.pdf
UFCD-pele e a sua integridade - ensino profissional.pdf
 
BiologiaProfissional Planificação completa.pdf
BiologiaProfissional Planificação completa.pdfBiologiaProfissional Planificação completa.pdf
BiologiaProfissional Planificação completa.pdf
 
Powerpoint de Sismologia - Completo.pdf10º ano de escolaridade
Powerpoint de Sismologia - Completo.pdf10º ano de escolaridadePowerpoint de Sismologia - Completo.pdf10º ano de escolaridade
Powerpoint de Sismologia - Completo.pdf10º ano de escolaridade
 
bg10 - outubro com principios e correção.docx
bg10 - outubro com principios e correção.docxbg10 - outubro com principios e correção.docx
bg10 - outubro com principios e correção.docx
 
Tectónica de placas (1).pptx
Tectónica de placas (1).pptxTectónica de placas (1).pptx
Tectónica de placas (1).pptx
 
2 - Biossíntese de proteínas.pptx
2 - Biossíntese de proteínas.pptx2 - Biossíntese de proteínas.pptx
2 - Biossíntese de proteínas.pptx
 
Doencas de Pele (1).ppt
Doencas de Pele (1).pptDoencas de Pele (1).ppt
Doencas de Pele (1).ppt
 
62 Arquivos históricos da Terra.pptx
62 Arquivos históricos da Terra.pptx62 Arquivos históricos da Terra.pptx
62 Arquivos históricos da Terra.pptx
 
odis11_bio_ppt_cap6.pptx
odis11_bio_ppt_cap6.pptxodis11_bio_ppt_cap6.pptx
odis11_bio_ppt_cap6.pptx
 
BIOLOGIA11_Rmag.Aula Nº 1.pptx
BIOLOGIA11_Rmag.Aula Nº 1.pptxBIOLOGIA11_Rmag.Aula Nº 1.pptx
BIOLOGIA11_Rmag.Aula Nº 1.pptx
 
56 Argumentos do evolucionismo.pptx
56 Argumentos do evolucionismo.pptx56 Argumentos do evolucionismo.pptx
56 Argumentos do evolucionismo.pptx
 
63 Rochas magmáticas.pptx
63 Rochas magmáticas.pptx63 Rochas magmáticas.pptx
63 Rochas magmáticas.pptx
 
11º PTAS- RESUMO Sistema urinário.pptx
11º PTAS- RESUMO Sistema urinário.pptx11º PTAS- RESUMO Sistema urinário.pptx
11º PTAS- RESUMO Sistema urinário.pptx
 
50 Ciclo celular (3).pptx
50 Ciclo celular (3).pptx50 Ciclo celular (3).pptx
50 Ciclo celular (3).pptx
 
51 Reprodução assexuada (1).pptx
51 Reprodução assexuada (1).pptx51 Reprodução assexuada (1).pptx
51 Reprodução assexuada (1).pptx
 
1- DNA.pptx
1- DNA.pptx1- DNA.pptx
1- DNA.pptx
 
48 DNA.pptx
48 DNA.pptx48 DNA.pptx
48 DNA.pptx
 
M5-nervoso.pptx
M5-nervoso.pptxM5-nervoso.pptx
M5-nervoso.pptx
 
Trocas gasosas.pptx
Trocas gasosas.pptxTrocas gasosas.pptx
Trocas gasosas.pptx
 
Alcoolismo.ppt
Alcoolismo.pptAlcoolismo.ppt
Alcoolismo.ppt
 

Teste de Biologia 11 (3º Teste) - Global - correcção

  • 1. Teste Global de Biologia e Geologia 11º Nome : ___________________________________ Nr. _____ Avaliação: _______________________ Cotação Correção Grupo I Documento I Uma dupla de jovens pesquisadores brasileiros radicados nos Estados Unidos descobriu que, sem uma determinada proteína, os seres eucariontes não conseguem desempenhar uma função vital para sua sobrevivência: destruir proteínas que foram erroneamente produzidas por suas próprias células. Organismos desprovidos da proteína listerina perdem a capacidade de identificar alguns tipos de proteínas aberrantes recém-fabricadas e de eliminá- las por meio do seu sistema de controle de qualidade das células. A ausência da listerina leva à acumulação de proteínas tóxicas nas células cujo excesso pode estar implicado no aparecimento de doenças neurodegenerativas, como a Alzheimer e o Parkinson. Este tipo de desordem neurodegenerativa parece ser desencadeada pela ocorrência exagerada de proteínas defeituosas. Conforme relatam no artigo da Nature, estes investigadores desligaram na levedura Saccharomyces cerevisiae um gene chamado LTN1 e viram que as suas células eram incapazes de reconhecer e destruir algumas formas de proteínas aberrantes e acabavam por morrer. Sem a listerina, o controle de qualidade celular falhava. Os brasileiros não só descobriram o que faz a listerina, mas também como a proteína exerce seu papel de sentinela das células, de delatora da presença de proteínas defeituosas. Ela liga-se aos ribossomas e marca as proteínas defeituosas recém- fabricadas com uma espécie de etiqueta química da morte: moléculas de ubiquitina, uma família de proteínas fundamentais para o processo de regulação celular. As ubiquitinas receberam esse nome justamente por serem ubíquas, por estarem presentes em praticamente todas as células de organismos eucariontes. Proteínas aberrantes (ou desnecessárias) que carregam esse selo químico da destruição são encaminhadas para o proteassoma, estruturas encarregadas de degradá-las e reduzi-las a cadeias químicas de uns poucos aminoácidos. http://www.revistapesquisa.fapesp.br/?art=6739&bd=2&pg=1&lg= Nas questões, de 1. a 4., seleccione a alternativa que permite preencher os espaços, de modo a obter uma afirmação correcta. 1. O proteassoma é um complexo proteico capaz de degradar as proteínas defeituosas em compostos_____ mais simples, quebrando as ligações_____. [A]. quaternários ... peptídicas 7 [B]. ternários ... peptídicas [C]. quaternários ... glicosídicas [D]. ternários... glicosídicas 1 Nuno Correia
  • 2. 2. As proteínas listerina permitem o controlo da qualidade celular, e o organelo responsável pelo controlo da síntese destas biomoléculas é o_____e_____. 7 [A]. RER ... é comum às células eucarióticas e procarióticas [B]. núcleo ... está presente exclusivamente nas células eucarióticas [C]. RER ... está presente exclusivamente nas células eucarióticas [D]. núcleo ... é comum às células eucarióticas e procarióticas 3. A ausência da proteína listerina, _____ a marcação das proteínas defeituosas com moléculas de ubiquitina o que, consequentemente,____a sua degradação. [A]. impede... impede [B]. favorece...promove [C]. não interfere com ... promove [D]. favorece ... impede 7 4. A listerina actua ao nível da ____________ que ocorre nas células. A sua ________ impede a acumulação de proteínas tóxicas nas células. [A]. Tradução ... inactividade [B]. Tradução ... actividade [C]. Transcrição ... actividade [D]. Transcrição ... inactividade 7 5. A síntese de proteínas é um processo complexo e que envolve várias estruturas celulares. Classifica em verdadeiras (V) e falsas (F) as afirmações seguintes, relativas à síntese proteica. [A]. A transcrição de informação genética é efectuada por intermédio do RNA mensageiro. [B]. Cada molécula de RNA mensageiro possui, normalmente, a sequência de bases correspondente a várias proteínas diferentes, as quais poderão ser sintetizadas simultaneamente. [C]. Um codão corresponde à sequência de três desoxirribonucleótidos e codifica um aminoácido. [D]. Para a formação de uma proteína, além do RNAm é necessária também a participação do RNAt e dos ribossomas. [E]. Os RNAt são moléculas produzidas nos ribossomas e são capazes de reconhecer um aminoácido específico. [F]. Sequências idênticas de aminoácidos são sempre codificadas por sequências idênticas de nucleótidos. [G]. O anticodão UUG reconhece a sequência AAC. [H]. A RNA-polimerase é responsável pela transcrição. 9 Critérios : Afirmações Cotação 7 ou 8 9 5 ou 6 6 3 ou 4 3 0 ou 1 ou 2 0 2 Nuno Correia
  • 3. Grupo II Documento II Os peixes-boi são mamíferos marinhos que apresentam duas nadadeiras em vez de patas dianteiras e uma grande nadadeira caudal no lugar das patas traseiras. As duas espécies de peixe-boi existentes no Brasil estão presentes em diversas listas de animais ameaçados. Uma pesquisa coordenada pelo geneticista Fabrício Santos, da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), concluiu que o processo de extinção poder- se-á dever a factores genéticos. O estudo constatou uma baixíssima variabilidade genética dos peixes-boi marinhos, facto que torna a população mais vulnerável a doenças e a mudanças climáticas. O estudo foi feito com amostras de pele, sangue e tecido cartilagíneo da nadadeira caudal de duas espécies de peixe-boi. Procedeu-se à sequenciação do DNA mitocondríal de 34 peixes-boi marinhos (Trichechus manatus) e de 78 amazónicos (Trichechus inunguis). Esse tipo de DNA permite estimar a variabilidade genética de uma população e análise dos resultados é utilizada para avaliar o risco de extinção de uma espécie, bem como para planificar estratégias de conservação. No caso dos peixes-boi marinhos, todos os indivíduos apresentaram um mesmo haplótipo - a mesma sequência de DNA mitocôndrial constituída por 400 nucleótidos. "Isto provavelmente é o reflexo de uma drástica redução populacional, que deve estar a levar a vários acasalamentos consanguíneos", esclarece Fabrício. "Daqui a 20 ou 30 anos, talvez só existam na natureza os animais reintroduzidos". Já no caso da espécie amazónica, foram encontrados 15 haplótipos diferentes. Adaptado de Ciência Hoje on-line 1. O estabelecimento de relações filogenéticas entre duas espécies de peixes-boi recorrendo à comparação de sequências de nucleótidos é feito com recurso a dados ______. As duas espécies referidas no documento II apresentam em comum as categorias taxonómicas hierarquicamente superiores_______. [A]. bioquímicos (...) à espécie 7 [B]. bioquímicos (...) ao género [C]. citológicos (...) ao género [D]. citológicos (...) à espécie 3 Nuno Correia
  • 4. 2. As afirmações seguintes dizem respeito ao peixe-boi. Seleccione a alternativa que as avalia correctamente. 1. As nadadeiras anteriores do peixe-boi, as asas de um morcego e as patas dianteiras de um cavalo são estruturas homólogas e reflectem fenómenos de evolução 7 convergente. 2. Nas células diplóldes do peixe-boi o número de cromossomas é 2n= X. Durante a formação das células sexuais do peixe-boi uma célula, imediatamente após o período S, apresentará X/2 pares de cromossomas e 2X cromatídios. 3. 0 peixe-boi pertence inequivocamente ao Reino Animal pois á eucarionte e pluricelular com elevada diferenciação celular. (A) 1 e 3 são falsas; 2 é verdadeira (B) 1 e 2 são verdadeiras; 3 é falsa (C) 2 e 3 são verdadeiras; 1 é falsa (D) 2 e 3 são falsas; 1 é verdadeira 3. "É hoje consensual entre os biólogos a ideia de que as células eucarióticas terão tido como ancestrais seres procariontes que estabeleceram relações endossimbióticos." Analise as afirmações seguintes relativas à Hipótese endossimblótlca e seleccione a alternativa que as avalia correctamente. 7 1. As mitocôndrias das células da pele dos peixes-boi devem ter tido bactérias aeróbias como ancestrais. 2. Durante o estabelecimento da simbiose, os seres procariontes de menores dimensões, sofreram processos de digestão intracelular. 3. As células das plantas superiores são o resultado da evolução de uma célula formada por simbiose entre células procarióticas, uma das quais capaz de utilizar energia luminosa. (A) 3 é verdadeira; 1 e 2 são falsas. (B) 1 é verdadeira; 2 e 3 são falsas. (C) 1 e 2 são verdadeiras; 3 é falsa. (D) 1 e 3 são verdadeiras; 2 é falsa. 4. Diferentes estudos vieram confirmar que o DNA mitocôndrial permite avaliar o risco de extinção de uma espécie, bem como planificar estratégias de conservação". Relacione o resultado obtido nos estudos realizados com a capacidade de sobrevivência das populações de peixes-boi marinhos. 12  A análise do DNA conclui-se que nesta população existe o mesmo halotipo. Este resultado permite inferir a existência de uma baixa variabilidade no seio da população.  Verifica-se assim que a capacidade adaptativa perante alterações ambientais conduz a uma menor capacidade de sobrevivência, logo baixa axa “evolutiva”. 4 Nuno Correia
  • 5. Grupo III Documento III - Peixe-escorpião ou Rascasso (Scorpaena scrofa) pode ser chave para evolução das espécies. Quando os pescadores de Maine começaram a encontrar um peixe dos mares, conhecido como peixe-escorpião em estuários, Kelly Hyndman e David Evans, zoólogos da Universidade da Flórida, em Gainesville, decidiram examiná-lo com mais cuidado. Colocaram o peixe em aquários contendo diferentes concentrações de água do mar e, após 24 e 72 horas, mediram as concentrações de sódio, potássio e iões cloro no seu sangue, bem como os níveis de três proteínas nas guelras que ajudam a regular a presença dos iões. O peixe-escorpião poderia estar prestes a fazer a transição para a água doce, à medida que pressões selectivas - como o facto de haver mais predadores de água salgada - o empurrassem para outro ambiente. Como o peixe marinho gerou a primeira espécie de peixe de água doce ao passar para estuários de água salobra, a oportunidade de assistir ao peixe-escorpião fazer uma transição similar é inestimável. O biólogo William Marshall, da Universidade de Saint Francis Xavier, em Antigonish, Canadá, que não participou do estudo, disse: "Acredito que encontramos uma espécie prestes a inventar, por evolução, um modo melhor de se adaptar à água doce." Ciência Hoje on-line Nota : Um estuário é a parte de um rio que se encontra em contacto com o mar. Por esta razão, um estuário sofre a influência das marés e possui tipicamente água salobra. Água salobra é aquela que tem mais sais dissolvidos que a água doce e menos que a água do mar. Nas questões de 1. a 3., seleccione a alternativa que permite preencher os espaços, de modo a obter uma afirmação correcta. 1. O peixe escorpião, para sobreviver em água salgada, tende a_____. No entanto, o facto de este local estar____sujeito a predadores, leva à sua deslocação para um 7 meio com água salobra. [A]. absorver selectivamente[...] mais [B]. absorver sal por difusão [...] menos [C]. excretar sal activamente [...] menos [D]. excretar sal activamente [...] mais 2. O peixe escorpião possui mecanismos______________ para regular a sua osmolaridade em água salgada. Um desses mecanismos relaciona-se com o facto deste peixe possuir glomerulos de Malpighi ____________ desenvolvidos, como 7 estratégia de preservação de água no interior do seu organismo. [A]. comportamentais [...] pouco [B]. fisiológicos [...] pouco [C]. fisiológicos.[...] muito [D]. comportamentais [...] muito 5 Nuno Correia
  • 6. 3. Segundo Darwin, a evolução do peixe-escorpião, tal como o Scorpaena scrofa, 7 ocorre ao nível da(o) ___________________ sendo que o meio_____________ [A]. indivíduo[...] tem um papel seleccionador . [B]. população [...] tem um papel seleccionador [C]. população [...] cria necessidades [D]. indivíduo [...] cria necessidades 4. O peixe-escorpião apresentam capacidade osmorreguladora como forma de adaptação aos diversos habitais. Relacione o metabolismo das células branquiais deste peixe com a necessidade de manutenção da concentração dos seus fluidos corporais, quando sujeito a pressões selectivas de um ambiente marinho. 20  Em meio marinho a concentração osmótica é superior à concentração nos fluidos corporais do Peixe.  Para manter estas condições é necessário que certas células branquiais desencadeiem mecanismos de excreção de sais com transporte activo, contra o gradiente e com gastos energéticos  A produção de energia necessária ao transporte activo implica uma maior taxa metabólica (respiração celular) 5. O peixe-escorpião, peixe de água salgada, poderia estar prestes a fazer a transição para a água doce, uma vez que neste local existem menos predadores. Explique, do ponto de vista neodarwinista, o processo evolutivo do peixe-escorpião que lhe permite, nos dias de hoje, sobreviver em ambientes de água doce. 20 Tópicos  Numa população existem sempre indivíduos com variações.  As variações resultam, essencialmente de mutações e das recombinações genicas. As recombinações genicas para serem hereditárias têm de fazer parte das células reprodutoras.  Os indivíduos com o fenótipo mais apto ao meio são selecionados diferencialmente. De geração em geração, as caraterísticas vão sendo transmitidas aos descendentes, acumulando-se diferenças significativas;  Estas diferenças contribuem para que alguns seres, em condições especiais de isolamento, originem vias evolutivas de novas espécies. 6 Nuno Correia
  • 7. Grupo IV Documento IV - Reprodução na alface-do-mar A alface-do-mar, Ulva, ( é uma alga verde cujo talo laminar lhe conferiu o nome. É uma alga muito comum na nossa costa. Frequentemente atirada para a praia, por marés vivas, é comum encontrá-la à beira-mar. Não nos é possível, contudo distinguir morfologicamente os organismos A e B(1 e 2). Os gâmetas femininos produzidos pelo organismo B2 e os masculinos produzidos pelo organismo B1 encontram-se ao acaso na água para que possa ocorrer a fecundação. O organismo B2 pode, também, produzir esporos por mitose e, deste modo, aumentar a população B2. Documento V - Reprodução em medusas A Aurélia aurita é, provavelmente, a medusa mais frequente nas, cada vez mais quentes, águas mediterrânicas. Este animal passa pela forma juvenil chamada éfira, mais simples do que a forma adulta - a medusa. As medusas podem ser encontradas em grandes grupos ou, isoladamente, nadando activamente ou simplesmente sendo arrastadas pelas correntes. Os adultos apresentam ovários ou testículos - onde, por meiose, se formam os gâmetas. Os machos libertam os espermatozóides que rapidamente são captados pela fêmea de forma a proteger a fecundação que ocorre na cavidade gastrovascular. Os descendentes só são libertados para o mar depois de completar a fase embrionária e de atingida a forma plânula, uma larva nadante. A larva fixa-se ao leito oceânico e cresce transformando-se no pólipo. Os pólipos têm a capacidade de, por gemulação, originar novos pólipos e, por estrobilação, originar novas éfiras. A estrobilação é um processo de reprodução em que o pólipo se divide transversalmente em inúmeras éfiras que, crescendo, se diferenciam em 7 Nuno Correia
  • 8. medusas. As medusas apresentam tentáculos venenosos, que utilizam para defesa dos seus predadores mais comuns (atuns, os tubarões e tartarugas) e na predação de pequenos peixes e de zooplâncton. Nas questões 1 a 4 seleccione a alternativa que permite preencher os espaços, de modo a obter uma afirmação correcta. 1. Em relação à taxa de sucesso no desenvolvimento embrionário podemos afirmar que_____. [A]. a Ulva tem maior sucesso do que a Aurélia aurita [B]. ambas têm igual sucesso [C]. a Aurélia aurita tem maior sucesso do que a Ulva 7 [D]. ambas apresentam baixa taxa de sucesso 2. Os fenómenos indicados na figura 4 pelas letras X, Y e Z correspondem, respectivamente, a. [A]. meiose, mitose e fecundação. [B]. mitose, fecundação e meiose. [C]. meiose, fecundação e mitose. 7 [D]. fecundação, meiose, mitose 3. A Aurélia aurita apresenta no seu genoma dois genes de vital importância. O gene FixR2 responsável pela produção de proteínas que realizam a fixação do pólipo ao leito oceânico. E o gene LocR4 que codifica a proteína contráctil responsável pela locomoção da medusa. O gene FixR2 está_____no pólipo e_____na medusa e o gene LocR4 está_____no pólipo e_____na medusa. [A]. inactivo (...) activo (...) activo (...) inactivo [B]. activo (...) inactivo (...) inactivo (...) activo 7 [C]. activo (...) activo (...) inactivo (...) inactivo [D]. inactivo (...) inactivo (...) activo (...) activo 4. As afirmações seguintes dizem respeito aos ciclos de vida representados nas figuras 4 e 5. Seleccione a alternativa que as avalia correctamente. 1. Podemos afirmar que na Ulva o ciclo de vida é diplonte enquanto que na Aurélia aurita é haplonte. 2. A meiose da Aurélia aurita e da Ulva são, respectivamente pré-gamética e pré- espórica. 3. A reprodução feita pelo pólipo e pela forma B1 estão directamente relacionadas com a variabilidade genética, e o aumento da população, respectivamente. 7 [A]. 2 e 3 são verdadeiras; 1 é falsa [B]. 1 e 2 são verdadeiras; 3 é falsa [C]. 1 e 2 são falsas; 3 é verdadeira [D]. 1 e 3 são falsas; 2 é verdadeira 5. Analise as afirmações que se seguem, relativas ao ciclo de vida da alface-do-mar. 8 Nuno Correia
  • 9. Reconstitua a sequência temporal dos acontecimentos que culminam na formação de um ovo, colocando por ordem as letras que os identificam. [A]. União de gamelas haplóides com restabelecimento da diploidia. [B]. Mitoses e diferenciação celular originam um organismo pluricelular. 12 [C]. Mitoses e expressão diferencial do genoma dão origem a gametófitos monóicos [D]. Meiose e formação de esporos. [E]. Produção de células de linha germinativa. BDCEA 6. Classifique como verdadeira (V) ou falsa (F) cada uma das seguintes afirmações, relativas à análise e interpretação dos documentos IV e V. [A]. A éfira é diplóide. [B]. O estróbilo e o organismo B2 reproduzem-se assexuadamente. [C]. No estróbilo não ocorre crossing-over. [D]. No ciclo da Aurélia aurita a haplofase é dominante. [E]. Entre a plânula e a éfira ocorre a segregação dos cromossomas homólogos. 9 [F]. A redução cromática ocorre depois de Y e antes de Z. [G]. As éfiras resultantes de um mesmo pólipo apresentam variabilidade. [H]. Ocorrem fenómenos de recombinação génica na medusa adulta 7. "Existem plantas adaptadas às condições do deserto, nas quais a fotossíntese é do tipo CAM. Essa fotossintese caracteriza-se pela absorção do dióxido de carbono (C0 ) 2 pelos estomas, durante a noite. O C0 acumula-se dentro da célula, ligando-se ao 2 ácido málico. Durante o dia os estomas fecham, mas a planta pode usar, na fotossíntese, o C0 retido no ácido málico." Explique em que medida a existência da 20 2 fotossintese CAM, em muitas plantas que vivem nos desertos, assegura a sua sobrevivência nestes ambientes extremos no que diz respeito à disponibilidade de água. Tópicos :  Os estomas estão fechados durante o dia, logo não ocorre transpiração. Total  As plantas com metabolismo CAM apresentam a maior eficiência de uso da água 200  Este processo é claramente favorável em condições de alta luminosidade e escassez de água. Acrescentar esta nota na correção: Estas plantas dependem muito deste processo, pelo fato de seus estomas estarem fechados durante o dia a fim de evitar a perda de água. As células estomáticas são as únicas células pidérmicas que fazem fotossíntese e produzem glicose. 9 Nuno Correia