SlideShare uma empresa Scribd logo
TEORIAS PEDAGÓGICAS DE ENSINO-APRENDIZAGEM.
1. TEORIAS COMPORTAMENTALISTAS/BEHAVORISTA/DO CONDICIONAMENTO OU COMPORTAMENTALISMO
John Broadus Watson, psicólogo americano (Greenville, 09/01/1878 — 25/09/1958, NY: 80 anos) criou o termo behaviorismo para deixar claro que sua preocupa-
ção era com os aspectos observáveis do comportamento (estímulos e reações a esses estímulos). O Behaviorismo supõe que o comportamento inclui respostas que
podem ser observadas e relacionadas com eventos que as precedem (estímulos) e as sucedem (conseqüências). São também chamadas teorias estímulo-resposta. Wat-
son, Pavlov, Guthrie, Skinner e Thorndike, são os autores que mais se destacaram nesta linha de pensamento. O enfoque comportamentalista:
 Provê uma base para o estudo de manifestações que produzem mudanças comportamentais;
 Aprendiz é o ser que responde a estímulos fornecidos pelo ambiente externo;
 Limita-se ao estudo de comportamentos manifestos e mensuráveis controlados por suas conseqüências;
 Não considera o que ocorre dentro da mente do indivíduo durante o processo de aprendizagem;
 Aprendiz é visto como objeto (APRENDER A FAZER).
1.1. Teoria do Condicionamento clássico - Ivan Petrovich Pavlov, filósofo, fisiologista e médico russo (Rússia, 26/09/1849 a 27/02/1936, Leningrado: 87 anos) –
Nobel Fisiologia em 1904. A idéia básica do condicionamento clássico consiste em que algumas respostas comportamentais são reflexos in-
condicionados, ou seja, são inatas em vez de aprendidas, enquanto que outras são reflexos condicionados, aprendidos através do emparelha-
mento com situações agradáveis ou aversivas simultâneas ou imediatamente posteriores. Através da repetição consistente desses emparelha-
mentos é possível criar ou remover respostas fisiológicas e psicológicas em seres humanos e animais. Um estímulo neutro quando repetido
com um estímulo eficaz produz uma resposta que anteriormente não existia, ou seja, ocorre um processo de associação (campainha, comida,
cães).
1.2. Teoria do Condicionamento operante - Burrhus Frederic Skinner, escritor e psicólogo americano (Susquehanna, 20/03/1904 a 18/08/1990, Cambridge: 86
anos). Reforço é a ocorrência que estimula um comportamento. A repetição de um ato que causa um resultado agradável (reforço positivo), aumenta a probabili-
dade de ocorrência deste ato. A resposta é fortalecida pelo reforço ou enfraquecida pela sua extinção. O reforço vem antes da resposta. Comportamento Respon-
dente é provocado por estímulos específicos. Comportamento Operante não é determinado por estímulos específicos. Escola Comportamentalista.
Skinner influenciou a Tendência Liberal Tecnicista de Ensino-Aprendizagem.
1.3.Teoria do Ensaio e Erro - Edward Lee Thorndike, psicólogo americano (Williamsburg, 31/08/1874 a 09/08/1949, Montrose: 75 anos). eliminação gradual e
ensaios/tentativas erradas até se obter a correta. Lei do Efeito: um ato é alterado pelos se seus efeitos são desfavoráveis, senão continuam. Lei do Exercício: a
conexão estímulo-resposta é fortalecida pela repetição.
2. TEORIAS COGNITIVISTAS OU COGNITIVISMO.
As teorias cognitivas tratam da cognição, de como o indivíduo "conhece"; processa a informação, compreende e dá significados a ela. Dentre as teorias cognitivas
de aprendizagem mais antigas, destacam-se a de Tolman, a da Gestalt e a de Lewin. As teorias cognitivistas mais recentes e de bastante influência no processo instrucio-
nal são as Vygotsky, Piaget, Ausubel e Wallon. O enfoque cognitivista:
 Encara a aprendizagem como um processo de armazenamento de informações;
 Auxilia na organização do conteúdo e de suas idéias a respeito de um assunto, em uma área particular de conhecimento;
 Busca definir e descrever como os indivíduos percebem, direcionam a atenção, coordenam as suas interações com o ambiente;
 Como aprendem, compreendem e reutilizam informações integradas em suas memórias a longo prazo;
 Como os indivíduos efetuam a transferência dos conhecimentos adquiridos de um contexto para o outro;
2.1. Teoria Sócio-Interacionaista  Lev Semyonovich Vygotsky, advogado, psicanalista bielo-russo (Orsha, 17/09/1896 a 11/06/1934, Moscou: 38 anos) -
o desenvolvimento/conhecimento ocorre na interação social e cultura: de fora para dentro da criança. Era necessário, na época, a construção de uma ponte
que ligasse a psicologia "natural", mais quantitativa, à psicologia "mental", mais subjetiva. Criticou as ideias de Pavlov (Comportamentalismo: condicio-
namento clássico) em relação ao que este dizia sobre a influência do ambiente na aprendizagem. A oposição social x individual deve ser substituída por in-
dividual x coletiva, pois a psique é sempre efetivamente construída no social e afetivo. Para ele, os signos (a linguagem simbólica desenvolvida pelas pes-
soas), têm um papel similar ao dos instrumentos (objetos que os signos representam): tanto os instrumentos de trabalho quanto os signos são construções da
mente humana, que estabelecem uma relação de mediação entre a pessoa e a realidade. Assim, denominava-os de instrumentos simbólicos, com especial
atenção à linguagem. Ao aprender a linguagem meio sociocultural, transformamos radicalmente os rumos de nosso desenvolvimento. Portanto, a sua visão
dá importância à dimensão social, interpessoal, na construção do sujeito psicológico. Os conceitos são construções culturais ao longo da vida.
Formação de Conceitos:
1. Pensamento Sincrético: os objetos são classificados de acordo com as impressões feitas na mente (nexo desconexo
do pensamento infantil).
2. Pensamento por Complexos: excesso de relações entre objetos e pouca abstração
a. complexo associativo.
b. complexo coleção
c. complexo em cadeia.
d. complexo difuso.
e. pseudoconceito.
3. Pensamento por Conceitos: Em todo o processo de Formação de conceitos, o biológico vai se transformando em só-
cio-histórico. Não existe um método Vygotsky. Como Piaget, o psicólogo bielo-russo é mais uma fonte de
inspiração do que um guia para os pedagogos.
a. Conceitos Espontâneos.
b. Conceitos Científicos.
Há 2 níveis de desenvolvimento: desenvolvimento real (o que já aprendeu sozinha) e desenvolvimento potencial (o que ainda pode ser aprendido). A Zona de Desen-
volvimento Proximal (ZDP) é a diferença/distância entre o que a criança consegue realizar sozinha e aquilo que, embora ainda não consiga realizar sozinha, é capaz de aprender e
fazer com a ajuda de uma pessoa mais experiente (adulto, criança mais velha ou com maior facilidade de aprendizado, etc.). ZDP = espaço entre o desenvolvimento real e o de-
senvolvimento potencial. Essa distância não é estático/constante, mas dinâmico/crescente. Então a ZDP é tudo o que a criança pode adquirir em termos intelectuais quando lhe é
dado o suporte educacional devido. Para ele, o que aprende e o que ensina têm relação interligada: são partícipes de um mesmo processo que dá base a outro conceito chave: a
mediação (pressuposto da relação eu-outro social). A relação mediatizada não se dá necessariamente com/por alguém, mas pela interação com signos, símbolos culturais e obje-
tos. Um dos pressupostos básicos desse autor é que o ser humano se constitui enquanto tal na sua relação com o outro. Para Vygotsky a aprendizagem acorre desde o nascimento
e é a principal causa do desenvolvimento do ser.
2.2. Teoria Construtivista Piagetiana, Teoria Psicogenética ou Epistemologia Genética  Jean William Fritz Piaget, biólogo suíço (Neuchâtel,
09/08/1896 a 16/09/1980, Genebra: 84 anos) - o desenvolvimento/conhecimento se dá pela maturação biológica; A interação com o meio (pessoas e objetos)
são necessários para o desenvolvimento do indivíduo; Enfatiza o processo de cognição à medida que o
ser se situa no mundo e atribui significados à realidade em que se encontra; Preocupa-se com o proces-
so de compreensão, transformação, armazenamento e uso da informação envolvida na cognição. Para
ele o conhecimento é gerado através de uma interação do sujeito com seu meio, a partir de estruturas
existentes no sujeito. Assim sendo, a aquisição de conhecimentos depende tanto das estruturas cognitivas do sujeito como
de sua relação com o objeto.
S = sujeito/aluno/aprendiz. O = objeto/matéria/conteúdo/meio.  S  O
O pensamento infantil passa por quatro estágios, desde o nascimento até o início da adolescência, quando a capaci-
dade plena de raciocínio é atingida.
1º Estágio – Estágio Sensório- Motor (0 a 2 anos): a criança representa o mundo em termos de ações (chupar de-
do, olhar, deixar cair...).
2º Estágio – Estágio Pré-Operatório (2 a 7 anos): a criança lida com imagens concretas e é limitada por proble-
mas de concretude, irreversibilidade, egocentrismo e centralização.
3º Estágio – Estágio Operatório-Concreto (7 a 11 anos): opera mentalmente, relação entre objetos e realizar ope-
rações lógicas.
4º Estágio – Estágio Operatório Lógico-Formal (> 11 anos): é o ápice do desenvolvimento da inteligência e cor-
responde ao nível de pensamento hipotético-dedutivo ou lógico-matemático e abstrato.
Assim, o conhecimento vai sendo construído pela criança a partir de suas descobertas, quando em contato
com o mundo e com os objetos. Para ele, educar é provocar a atividade – isto é, estimular a procura do conhecimen-
to.
Palavra-chave: estágios do desenvolvimento cognitivo.
Papel do professor: observar o aluno, investigar quais são os seus conhecimentos prévios, seus interesses
e, a partir daí, procurar apresentar diversos elementos para que o aluno construa o conhecimento. O professor cria
situações para que o aluno chegue ao conhecimento. Como se aprende: experimentando, vivenciando. Onde está o
foco: no aluno e em suas operações mentais. Que tipo de indivíduo espera-se formar: pessoas com autonomia,
que contam consigo mesmas e com sua capacidade de construir saber. Gente que interage com o meio, que tem i-
déias próprias e é capaz de criar, com uma visão particular do mundo. Etapas da aprendizagem: Assimilação,
desequilíbrio, acomodação e adaptação.
2.3. Teoria da Aprendizagem Significativa  David Paul Ausubel, psicólogo americano (NY, 25/10/1918 a 09/07/2008, NY: 90 anos) - Os novos
conhecimentos são relacionados com conceitos previamente disponíveis (ideias âncoras) na estrutura cognitiva. A nova informação deverá interagir e se ancorar nos
conceitos prévios e já existentes na estrutura cognitiva do aluno. Então a Aprendizagem Significativa ocorre quando as novas idéias vão se relacionando com os conceitos
já existentes na mente do aluno. Por isso deve haver as informações e recursos introdutórios, que devem ser apresentados antes dos conteúdos da matriz curricular, uma
vez que tem a função de servir de ponte entre o que o aluno já sabe e o que ele deve saber para que o conteúdo possa ser realmente aprendido de forma significativa. Para
isso deve ter: disposição do aluno para aprender e material didático significativo para o aluno.
Condições Essenciais: Disposição do Aluno para aprender e Material didático desenvolvido, que deve ser, so-
bretudo, significativo para o aluno.
São 4 as Dimensões da aprendizagem:
1º) Aprendizagem Significativa: os novos conhecimentos são relacionados conceitos relevantes previamente
disponíveis na estrutura cognitiva da pessoa.
2º) Aprendizagem Memorística ou Mecânica: os novos conhecimentos não estão relacionados conceitos relevantes
previamente disponíveis na estrutura cognitiva da pessoa.
3º) Aprendizagem por Recepção: o conhecimento é fornecido directamente ao aluno, podendo este aprendê-lo ou
não de modo significativo.
4º) Aprendizagem por Descoberta Autônoma: o conhecimento não é fornecido ao aluno, este tem de identificar e
selecionar por si a informação necessária.
Organizadores Prévios: São informações e recursos introdutórios, que devem ser apresentados antes dos conteúdos da matriz
curricular, uma vez que tenha função de servir de ponte entre o que o aluno já sabe e o que ele deve saber. Para que o conteúdo
possa ser realmente aprendido de forma significativa. “O fator isolado mais importante influenciando a aprendizagem é aquilo
que o aluno já sabe; determine isso e ensine-o de acordo”.
Ausubel
2.4. Teoria de Desenvolvimento de Wallon ou Teoria Walloniana  Henri Paul Hyacinthe Wallon, filósofo. Médico e psicólogo francês (França,
15/06/1879 a 01/12/1962: 84 anos) - o processo de aprendizagem é dialético: não há verdades absolutas, mas apenas direções e possibilidades. O desenvolvimento é sempre
biológico e sócio-cultural, como Vigotsky, mas também ocorre por estágios sequenciais, como na teoria de Piaget. É marxista e materialismo dialético. Durante o desenvol-
vimento, a criança oscila entre a afetividade e a inteligência. A passagem de uma estágio para o outro causa conflitos (= acomodação, assimilação, equilíbrio na teoria de Pi-
aget), podendo haver regressão. A cognição (desenvolvimento psicológico) abrange 4 “campos funcionais”: Movimento, Afetividade, Inteligência e Pessoa.
1º) Movimento: motricidade. A criança não pode ficar parada. Há dois tipos: Mov. Instrumentais (objetivo imediato sem relação com alguém – andar, pular, tocar em algo) e
Mov. Expressivo (comunicar-se – sorrir, chorar, gesticular, falar).
2º) Afetividade: À medida que o movimento proporciona experiências à criança, ela vai respondendo através de emoções, isso é afetividade. A afetividade é expressa nas relações sociais e ambi-
entais. A afetividade é expressa de três maneiras diferentes: emoção (instintiva), sentimento (quando a pessoa fala o que sente) e paixão (alto-controle).
3º) Inteligência: está relacionada com duas importantes atividades cognitivas humanas: o raciocínio simbólico e a linguagem. Ambos e a abstração vão se desenvolvendo simultaneamente.
4º) Pessoa: campo funcional que coordena os outros três, formando sua consciência e identidade pessoal: seu eu.
Estágios de Desenvolvimento.
Cada estágio tem idades e durações variáveis e relativas. Isso indica que tudo é relativo e flexível em todo o desenvolvimento da criança.
Estágio Características Representação
1º) Estágio impulsivo-emocional
(1º ano de vida):
As emoções fazem a interação com o meio, afeiçoando-se ao lugar. A relação com o ambiente de-
senvolve sentimentos e afetividade. Volta-se para o interior: para a construção do indivíduo.
2º) Estágio sensório-motor e projetivo
(até aos 3 anos):
Manipulação de objetos e a imitação; Os pensamentos se projetam em atos motores: movimentos,
coordenação motora e linguagem. Engatinha, manipula objetos e explora espaços. Linguagem es-
trutura o pensamento. Volta-se para o exterior: relações orientadas para com os outros e objetos.
3º) Estágio do personalismo
(3 aos 6 anos):
Formação da personalidade do indivíduo e da autoconsciência. Insistência em ter posse de algo,
propriedade. Oposição: A criança precisa se opor ao outro para demarcar seu espaço, em busca da
afirmação de si. Sedução: criança sente necessidade de ser admirada e Imitação: criança busca in-
corporar o outro imitando-o.
4º) Estágio categorial
(6 a 11 anos):
COGNITIVO/CONSTRUÇÃO DO REAL: Conquistar e conhecer o mundo exterior. Opõem-se ao outro
na busca de autoafirmação. Forma conceitos abstratos. Desenvolve a atenção. Necessidade de ser
admirada. Volta-se para o exterior: interesse especial por alguns objetos.
5º) Estágio da adolescência
(12 em diante):
AFETIVO/CONSTRUÇÃO DE SI: Caracterizadamente afetivo, onde o indivíduo passa por uma série
de conflitos internos e externos, pois sua personalidade está sendo reformulada por fatores inter-
nos e externos. Busca de autoafirmação e compreender sua sexualidade.
Wallon
2.5. Teoria da Aprendizagem Social (Por Imitação ou Por Observação): Albert Bandura, psicólogo canadense. Inicialmente
behaviorista, mudou de posição. Aprende-se melhor na interação com o seu meio e na observação dos outros (ex. dirigir). A aprendiza-
gem é observacional. Fases:
 Atenção - o aprendiz observa o modelo e reconhece as caracteristicas distintivas da sua conduta;
 Retenção - as respostas do modelo são activamente armazenada na memória;
 Reprodução - se o aprendiz aceita o comportamento do modelo como apropriado e possivel de levar as consequências por ele valorizado, o aprendiz o
reproduz;
 Motivação – se a consequencia for favorável, a reprodução é fortalecida e, se desfavorável, enfraquecida.
Fatores que influenciam a aprendizagem social: Atenção, Retenção, Produção, Incentivo ou Motivação.
Auto Reforço (Recompensa): Tangíveis (concreta: nota boacinema; nota ruimnão vai ao cinema), Intangíveis (abstrata: nota boaorgulho/satisfação,
nota ruimvergonha, culpa, depressão).
Concepções ou Tendências Pedagógicas Relacionadas: Liberal Renovada Pragmatista.
Bandura
TEORIA HUMANÍSTICA OU HUMANISMO.
O fundador foi Abraham Maslov, psicólogo americano (NY, 01/04/1908
a Califórnia, 08/06/1970: 62 anos). O Humanismo ou Teoria Humanista surgiu
na década de 50 e ganhou força nos anos 60 e 70, como uma reação às idéias de
análise apenas do comportamento, defendida pelo Behaviorismo e do enfoque no
inconsciente e seu determinismo, defendido pela Psicanálise. A grande divergência
com o Behaviorismo é que o Humanismo não aceita a idéia do ser humano como
máquina ou animal, sujeitos aos processos de condicionamento. Já em relação à
Psicanálise, a reação foi à ênfase dada no inconsciente, nas questões biológicas e
eventos passados, nas neuroses, psicoses e na divisão do seu humano em compar-
timentos.
A idéia que norteia esta teoria está baseada no princípio do ensino centrado no aluno. Este possui liber-
dade para aprender, e o crescimento pessoal é valorizado. O pensamento, sentimentos e ações estão integrados.
O autor humanista mais conhecido é Rogers.
Carl Ransom Rogers, psicólogo americano (Illinois, 08/01/1902 a 04/02/1987, Califórnia: 85 anos) 
 Vê o ser que aprende primordialmente como pessoa;
 Valoriza a auto-realização e o crescimento pessoal;
 Vê o indivíduo como fonte de seus atos e livre para fazer escolhas;
 A aprendizagem não se limita a um aumento de conhecimentos, ela influi nas escolhas e atitudes do aprendiz;
 O aprendiz é visto como sujeito, e a auto-realização é enfatizada.
Alexander Sutherland Neill, educador, escritor e fundador da escola Summerhill (Forfar, 17/10/1883 -23/09/1973:  90 anos) 
 A felicidade é fundamental para o desenvolvimento das crianças e que essa felicidade tem origem num senso de liberdade das mesmas.
 A educação não pode ignorar inteiramente as emoções da vida.
 “Se as emoções tivessem livre expansão, o intelecto saberia cuidar de si próprio.”
 Em Summerhill, as crianças não são obrigadas a assistir as aulas e, além disso, as decisões da escola são tomadas em assembléias onde todos
votam, incluindo professores, alunos e funcionários. Para o autor, a experiência nessa escola mostrou que, sem a coerção das escolas tradicionais, os
estudantes orientam sua aprendizagem através do seu próprio interesse, ao invés de orientar pelo que lhe é imposto.
 Em sua escola o teatro, a dança, os trabalhos manuais, ganham um destaque grande frente às disciplinas tradicionais. As aulas das matérias
convencionais existem, mas não são o centro da escola.
 Como diretor, ele dava aulas de álgebra, geometria e trabalhos manuais. Geralmente dizia que admirava mais aqueles que possuíam habilidades para o trabalho manual
do que aqueles que se restringiam ao trabalho intelectual.
Rogers
Neill

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Escolas da Psicologia 1a. Aula
Escolas da Psicologia 1a. AulaEscolas da Psicologia 1a. Aula
Escolas da Psicologia 1a. Aula
rosariasperotto
 
Teorias da aprendizagem
Teorias da aprendizagemTeorias da aprendizagem
Teorias da aprendizagem
Marcelo Assis
 
Jean Piaget
Jean PiagetJean Piaget
Apresentação Cognitivismo
Apresentação Cognitivismo Apresentação Cognitivismo
Apresentação Cognitivismo
Maurino Atanásio
 
Desenvolvimento infantil piaget-vygtsky-maturama-wallon
Desenvolvimento infantil piaget-vygtsky-maturama-wallonDesenvolvimento infantil piaget-vygtsky-maturama-wallon
Desenvolvimento infantil piaget-vygtsky-maturama-wallon
Elisa Maria Gomide
 
Rev03 04
Rev03 04Rev03 04
Vygotsky e o desenvolvimento humano
Vygotsky e o desenvolvimento humanoVygotsky e o desenvolvimento humano
Vygotsky e o desenvolvimento humano
Caio Grimberg
 
Jean piaget PPT
Jean piaget PPTJean piaget PPT
Jean piaget 1
Jean piaget  1Jean piaget  1
Jean piaget 1
Felipe Mago
 
Quadro comparativo das concepções de aprendizagem entre os teóricos piaget, v...
Quadro comparativo das concepções de aprendizagem entre os teóricos piaget, v...Quadro comparativo das concepções de aprendizagem entre os teóricos piaget, v...
Quadro comparativo das concepções de aprendizagem entre os teóricos piaget, v...
LD35
 
Biografia de jean piaget
Biografia de jean piagetBiografia de jean piaget
Biografia de jean piaget
veralicepeq
 
Revista da Educação: CONCEITOS CENTRAIS DE VYGOSTKY: IMPLICAÇÕES PEDAGÓGICAS
Revista da Educação: CONCEITOS CENTRAIS DE VYGOSTKY: IMPLICAÇÕES PEDAGÓGICASRevista da Educação: CONCEITOS CENTRAIS DE VYGOSTKY: IMPLICAÇÕES PEDAGÓGICAS
Revista da Educação: CONCEITOS CENTRAIS DE VYGOSTKY: IMPLICAÇÕES PEDAGÓGICAS
Elisms88
 
As concepções da aprendizagem
As concepções da aprendizagemAs concepções da aprendizagem
As concepções da aprendizagem
UNIME
 
Interacionismo
InteracionismoInteracionismo
Interacionismo
drycaaa
 
A epistemologia genética de jean piaget
A epistemologia genética de jean piagetA epistemologia genética de jean piaget
A epistemologia genética de jean piaget
Karla Schymeny
 
Atividade 1 - teorias de aprendizagem - puc-rs
Atividade 1  - teorias de aprendizagem - puc-rsAtividade 1  - teorias de aprendizagem - puc-rs
Atividade 1 - teorias de aprendizagem - puc-rs
Márcio Emílio
 
Teorias 1 - Concepções de aprendizagem
Teorias 1 - Concepções de aprendizagemTeorias 1 - Concepções de aprendizagem
Teorias 1 - Concepções de aprendizagem
Kelly Moraes
 
Contribuições de piaget e vygotski para a educação 2012
Contribuições de piaget e vygotski para a educação 2012Contribuições de piaget e vygotski para a educação 2012
Contribuições de piaget e vygotski para a educação 2012
vera lúcia
 
Principais teorias da aprendizagem
Principais teorias da aprendizagemPrincipais teorias da aprendizagem
Principais teorias da aprendizagem
cristina-ricardo
 
Teorias contemporâneas da aprendizagem
Teorias contemporâneas da aprendizagemTeorias contemporâneas da aprendizagem
Teorias contemporâneas da aprendizagem
Carlos Caldas
 

Mais procurados (20)

Escolas da Psicologia 1a. Aula
Escolas da Psicologia 1a. AulaEscolas da Psicologia 1a. Aula
Escolas da Psicologia 1a. Aula
 
Teorias da aprendizagem
Teorias da aprendizagemTeorias da aprendizagem
Teorias da aprendizagem
 
Jean Piaget
Jean PiagetJean Piaget
Jean Piaget
 
Apresentação Cognitivismo
Apresentação Cognitivismo Apresentação Cognitivismo
Apresentação Cognitivismo
 
Desenvolvimento infantil piaget-vygtsky-maturama-wallon
Desenvolvimento infantil piaget-vygtsky-maturama-wallonDesenvolvimento infantil piaget-vygtsky-maturama-wallon
Desenvolvimento infantil piaget-vygtsky-maturama-wallon
 
Rev03 04
Rev03 04Rev03 04
Rev03 04
 
Vygotsky e o desenvolvimento humano
Vygotsky e o desenvolvimento humanoVygotsky e o desenvolvimento humano
Vygotsky e o desenvolvimento humano
 
Jean piaget PPT
Jean piaget PPTJean piaget PPT
Jean piaget PPT
 
Jean piaget 1
Jean piaget  1Jean piaget  1
Jean piaget 1
 
Quadro comparativo das concepções de aprendizagem entre os teóricos piaget, v...
Quadro comparativo das concepções de aprendizagem entre os teóricos piaget, v...Quadro comparativo das concepções de aprendizagem entre os teóricos piaget, v...
Quadro comparativo das concepções de aprendizagem entre os teóricos piaget, v...
 
Biografia de jean piaget
Biografia de jean piagetBiografia de jean piaget
Biografia de jean piaget
 
Revista da Educação: CONCEITOS CENTRAIS DE VYGOSTKY: IMPLICAÇÕES PEDAGÓGICAS
Revista da Educação: CONCEITOS CENTRAIS DE VYGOSTKY: IMPLICAÇÕES PEDAGÓGICASRevista da Educação: CONCEITOS CENTRAIS DE VYGOSTKY: IMPLICAÇÕES PEDAGÓGICAS
Revista da Educação: CONCEITOS CENTRAIS DE VYGOSTKY: IMPLICAÇÕES PEDAGÓGICAS
 
As concepções da aprendizagem
As concepções da aprendizagemAs concepções da aprendizagem
As concepções da aprendizagem
 
Interacionismo
InteracionismoInteracionismo
Interacionismo
 
A epistemologia genética de jean piaget
A epistemologia genética de jean piagetA epistemologia genética de jean piaget
A epistemologia genética de jean piaget
 
Atividade 1 - teorias de aprendizagem - puc-rs
Atividade 1  - teorias de aprendizagem - puc-rsAtividade 1  - teorias de aprendizagem - puc-rs
Atividade 1 - teorias de aprendizagem - puc-rs
 
Teorias 1 - Concepções de aprendizagem
Teorias 1 - Concepções de aprendizagemTeorias 1 - Concepções de aprendizagem
Teorias 1 - Concepções de aprendizagem
 
Contribuições de piaget e vygotski para a educação 2012
Contribuições de piaget e vygotski para a educação 2012Contribuições de piaget e vygotski para a educação 2012
Contribuições de piaget e vygotski para a educação 2012
 
Principais teorias da aprendizagem
Principais teorias da aprendizagemPrincipais teorias da aprendizagem
Principais teorias da aprendizagem
 
Teorias contemporâneas da aprendizagem
Teorias contemporâneas da aprendizagemTeorias contemporâneas da aprendizagem
Teorias contemporâneas da aprendizagem
 

Destaque

Henri paul hyacinthe wallon 2 psicologia
Henri paul hyacinthe   wallon 2 psicologiaHenri paul hyacinthe   wallon 2 psicologia
Henri paul hyacinthe wallon 2 psicologia
Ana Rita Rochynski
 
Henri wallon (trabalho)
Henri wallon (trabalho)Henri wallon (trabalho)
Henri wallon (trabalho)
borboletas1
 
Wallon (1)
Wallon (1)Wallon (1)
Wallon (1)
Reginaldo Nobrega
 
Henri paul hyacinthe wallon 2 psicologia
Henri paul hyacinthe   wallon 2 psicologiaHenri paul hyacinthe   wallon 2 psicologia
Henri paul hyacinthe wallon 2 psicologia
Ana Rita Rochynski
 
Equações que mudaram o mundo ian stewart
Equações que mudaram o mundo   ian stewartEquações que mudaram o mundo   ian stewart
Equações que mudaram o mundo ian stewart
CDIM Daniel
 
Teorias da aprendizagem e modelos pedagógicos
Teorias da aprendizagem e modelos pedagógicosTeorias da aprendizagem e modelos pedagógicos
Teorias da aprendizagem e modelos pedagógicos
CDIM Daniel
 
A Tour Through Open Source Creative Tools.Take4
A Tour Through Open Source Creative Tools.Take4A Tour Through Open Source Creative Tools.Take4
A Tour Through Open Source Creative Tools.Take4
Máirín Duffy
 
O Tabernáculo do Senhor
O Tabernáculo do SenhorO Tabernáculo do Senhor
O Tabernáculo do Senhor
CDIM Daniel
 
Representação da relação ensino aprendizagem
Representação da relação ensino aprendizagemRepresentação da relação ensino aprendizagem
Representação da relação ensino aprendizagem
CDIM Daniel
 
Tipos de telas de televisores crt, plasma, lcd, led, 3 d
Tipos de telas de televisores   crt, plasma, lcd, led, 3 dTipos de telas de televisores   crt, plasma, lcd, led, 3 d
Tipos de telas de televisores crt, plasma, lcd, led, 3 d
CDIM Daniel
 
Hyperkitty: Updating Mailman's UI
Hyperkitty: Updating Mailman's UIHyperkitty: Updating Mailman's UI
Hyperkitty: Updating Mailman's UI
Máirín Duffy
 
Teorias cognitivas tabela comparativa
Teorias cognitivas   tabela comparativaTeorias cognitivas   tabela comparativa
Teorias cognitivas tabela comparativa
CDIM Daniel
 
Teoria das inteligências múlitplas
Teoria das inteligências múlitplasTeoria das inteligências múlitplas
Teoria das inteligências múlitplas
CDIM Daniel
 
How To Theme Fedora
How To Theme FedoraHow To Theme Fedora
How To Theme Fedora
Máirín Duffy
 
Tendências ou concepções pedagógicas brasileiras
Tendências ou concepções pedagógicas brasileirasTendências ou concepções pedagógicas brasileiras
Tendências ou concepções pedagógicas brasileiras
CDIM Daniel
 
Beginner's Guide to UI Design
Beginner's Guide to UI DesignBeginner's Guide to UI Design
Beginner's Guide to UI Design
Máirín Duffy
 
Designing UI Mockups in Inkscape
Designing UI Mockups in InkscapeDesigning UI Mockups in Inkscape
Designing UI Mockups in Inkscape
Máirín Duffy
 
Gentile, enzo r. notas de álgebra i (1984)-versión ocr
Gentile, enzo r. notas de álgebra i (1984)-versión ocrGentile, enzo r. notas de álgebra i (1984)-versión ocr
Gentile, enzo r. notas de álgebra i (1984)-versión ocr
Nicolas Arguello
 
Getting Involved in an Free/Open Source Operating System
Getting Involved in an Free/Open Source Operating SystemGetting Involved in an Free/Open Source Operating System
Getting Involved in an Free/Open Source Operating System
Máirín Duffy
 
Design Bounties
Design BountiesDesign Bounties
Design Bounties
Máirín Duffy
 

Destaque (20)

Henri paul hyacinthe wallon 2 psicologia
Henri paul hyacinthe   wallon 2 psicologiaHenri paul hyacinthe   wallon 2 psicologia
Henri paul hyacinthe wallon 2 psicologia
 
Henri wallon (trabalho)
Henri wallon (trabalho)Henri wallon (trabalho)
Henri wallon (trabalho)
 
Wallon (1)
Wallon (1)Wallon (1)
Wallon (1)
 
Henri paul hyacinthe wallon 2 psicologia
Henri paul hyacinthe   wallon 2 psicologiaHenri paul hyacinthe   wallon 2 psicologia
Henri paul hyacinthe wallon 2 psicologia
 
Equações que mudaram o mundo ian stewart
Equações que mudaram o mundo   ian stewartEquações que mudaram o mundo   ian stewart
Equações que mudaram o mundo ian stewart
 
Teorias da aprendizagem e modelos pedagógicos
Teorias da aprendizagem e modelos pedagógicosTeorias da aprendizagem e modelos pedagógicos
Teorias da aprendizagem e modelos pedagógicos
 
A Tour Through Open Source Creative Tools.Take4
A Tour Through Open Source Creative Tools.Take4A Tour Through Open Source Creative Tools.Take4
A Tour Through Open Source Creative Tools.Take4
 
O Tabernáculo do Senhor
O Tabernáculo do SenhorO Tabernáculo do Senhor
O Tabernáculo do Senhor
 
Representação da relação ensino aprendizagem
Representação da relação ensino aprendizagemRepresentação da relação ensino aprendizagem
Representação da relação ensino aprendizagem
 
Tipos de telas de televisores crt, plasma, lcd, led, 3 d
Tipos de telas de televisores   crt, plasma, lcd, led, 3 dTipos de telas de televisores   crt, plasma, lcd, led, 3 d
Tipos de telas de televisores crt, plasma, lcd, led, 3 d
 
Hyperkitty: Updating Mailman's UI
Hyperkitty: Updating Mailman's UIHyperkitty: Updating Mailman's UI
Hyperkitty: Updating Mailman's UI
 
Teorias cognitivas tabela comparativa
Teorias cognitivas   tabela comparativaTeorias cognitivas   tabela comparativa
Teorias cognitivas tabela comparativa
 
Teoria das inteligências múlitplas
Teoria das inteligências múlitplasTeoria das inteligências múlitplas
Teoria das inteligências múlitplas
 
How To Theme Fedora
How To Theme FedoraHow To Theme Fedora
How To Theme Fedora
 
Tendências ou concepções pedagógicas brasileiras
Tendências ou concepções pedagógicas brasileirasTendências ou concepções pedagógicas brasileiras
Tendências ou concepções pedagógicas brasileiras
 
Beginner's Guide to UI Design
Beginner's Guide to UI DesignBeginner's Guide to UI Design
Beginner's Guide to UI Design
 
Designing UI Mockups in Inkscape
Designing UI Mockups in InkscapeDesigning UI Mockups in Inkscape
Designing UI Mockups in Inkscape
 
Gentile, enzo r. notas de álgebra i (1984)-versión ocr
Gentile, enzo r. notas de álgebra i (1984)-versión ocrGentile, enzo r. notas de álgebra i (1984)-versión ocr
Gentile, enzo r. notas de álgebra i (1984)-versión ocr
 
Getting Involved in an Free/Open Source Operating System
Getting Involved in an Free/Open Source Operating SystemGetting Involved in an Free/Open Source Operating System
Getting Involved in an Free/Open Source Operating System
 
Design Bounties
Design BountiesDesign Bounties
Design Bounties
 

Semelhante a Teorias pedagógicas de ensino aprendizagem

Psicologia
Psicologia Psicologia
Psicologia
Alelis Gomes
 
Psicologia da educação 25.06.11
Psicologia da educação 25.06.11Psicologia da educação 25.06.11
Psicologia da educação 25.06.11
Ana Lucia Gouveia
 
CORRENTES TEORICAS.docx
CORRENTES TEORICAS.docxCORRENTES TEORICAS.docx
CORRENTES TEORICAS.docx
EscolaGraas
 
Teorias da aprendizagem
Teorias da aprendizagemTeorias da aprendizagem
Teorias da aprendizagem
Quelen Fogaça
 
AULA-psicologia-do-desenv-e-aprendizagem.pptx
AULA-psicologia-do-desenv-e-aprendizagem.pptxAULA-psicologia-do-desenv-e-aprendizagem.pptx
AULA-psicologia-do-desenv-e-aprendizagem.pptx
HeltonJaime1
 
Aula psicologia-do-desenv-e-aprendizagem
Aula psicologia-do-desenv-e-aprendizagemAula psicologia-do-desenv-e-aprendizagem
Aula psicologia-do-desenv-e-aprendizagem
WillianOliveira744573
 
SLIDES PSICOLOGIA (1).pptx
SLIDES PSICOLOGIA (1).pptxSLIDES PSICOLOGIA (1).pptx
SLIDES PSICOLOGIA (1).pptx
TharykBatatinha
 
Construtivismo
ConstrutivismoConstrutivismo
Construtivismo
sgessy
 
História da psicologia
História da psicologiaHistória da psicologia
História da psicologia
Leila Bezerra
 
Aula semsa 2015
Aula semsa 2015Aula semsa 2015
Referencial -teorico_-_piaget
Referencial  -teorico_-_piagetReferencial  -teorico_-_piaget
Referencial -teorico_-_piaget
angelafreire
 
Referencial -teorico_-_piaget
Referencial  -teorico_-_piagetReferencial  -teorico_-_piaget
Referencial -teorico_-_piaget
angelafreire
 
Teorias da aprendizagem
Teorias da aprendizagemTeorias da aprendizagem
Teorias da aprendizagem
SUZILEY
 
Teorias da aprendizagem
Teorias da aprendizagemTeorias da aprendizagem
Teorias da aprendizagem
ecleiamb
 
Colorful Childish Handmade Scheme Concept Mind Map Graph.pdf
Colorful Childish Handmade Scheme Concept Mind Map Graph.pdfColorful Childish Handmade Scheme Concept Mind Map Graph.pdf
Colorful Childish Handmade Scheme Concept Mind Map Graph.pdf
LeilaLessa
 
Vygotsky slides
Vygotsky slidesVygotsky slides
Vygotsky slides
Guilherme Monteiro
 
AULA 2 SLIDE 1 de Desenvolvimento Humano Infância cap 1.pptx
AULA 2 SLIDE 1 de Desenvolvimento Humano Infância cap 1.pptxAULA 2 SLIDE 1 de Desenvolvimento Humano Infância cap 1.pptx
AULA 2 SLIDE 1 de Desenvolvimento Humano Infância cap 1.pptx
PregadorJonasKoncept
 
Vocês dizematualizado
Vocês dizematualizado Vocês dizematualizado
Vocês dizematualizado
Oldair Ammom
 
Behavorismo
BehavorismoBehavorismo
Behavorismo
Patricia Fernandes
 
Uma teoria social do desenvolvimento e da aprendizagem
Uma teoria social do desenvolvimento e da aprendizagemUma teoria social do desenvolvimento e da aprendizagem
Uma teoria social do desenvolvimento e da aprendizagem
Vygotsky2011
 

Semelhante a Teorias pedagógicas de ensino aprendizagem (20)

Psicologia
Psicologia Psicologia
Psicologia
 
Psicologia da educação 25.06.11
Psicologia da educação 25.06.11Psicologia da educação 25.06.11
Psicologia da educação 25.06.11
 
CORRENTES TEORICAS.docx
CORRENTES TEORICAS.docxCORRENTES TEORICAS.docx
CORRENTES TEORICAS.docx
 
Teorias da aprendizagem
Teorias da aprendizagemTeorias da aprendizagem
Teorias da aprendizagem
 
AULA-psicologia-do-desenv-e-aprendizagem.pptx
AULA-psicologia-do-desenv-e-aprendizagem.pptxAULA-psicologia-do-desenv-e-aprendizagem.pptx
AULA-psicologia-do-desenv-e-aprendizagem.pptx
 
Aula psicologia-do-desenv-e-aprendizagem
Aula psicologia-do-desenv-e-aprendizagemAula psicologia-do-desenv-e-aprendizagem
Aula psicologia-do-desenv-e-aprendizagem
 
SLIDES PSICOLOGIA (1).pptx
SLIDES PSICOLOGIA (1).pptxSLIDES PSICOLOGIA (1).pptx
SLIDES PSICOLOGIA (1).pptx
 
Construtivismo
ConstrutivismoConstrutivismo
Construtivismo
 
História da psicologia
História da psicologiaHistória da psicologia
História da psicologia
 
Aula semsa 2015
Aula semsa 2015Aula semsa 2015
Aula semsa 2015
 
Referencial -teorico_-_piaget
Referencial  -teorico_-_piagetReferencial  -teorico_-_piaget
Referencial -teorico_-_piaget
 
Referencial -teorico_-_piaget
Referencial  -teorico_-_piagetReferencial  -teorico_-_piaget
Referencial -teorico_-_piaget
 
Teorias da aprendizagem
Teorias da aprendizagemTeorias da aprendizagem
Teorias da aprendizagem
 
Teorias da aprendizagem
Teorias da aprendizagemTeorias da aprendizagem
Teorias da aprendizagem
 
Colorful Childish Handmade Scheme Concept Mind Map Graph.pdf
Colorful Childish Handmade Scheme Concept Mind Map Graph.pdfColorful Childish Handmade Scheme Concept Mind Map Graph.pdf
Colorful Childish Handmade Scheme Concept Mind Map Graph.pdf
 
Vygotsky slides
Vygotsky slidesVygotsky slides
Vygotsky slides
 
AULA 2 SLIDE 1 de Desenvolvimento Humano Infância cap 1.pptx
AULA 2 SLIDE 1 de Desenvolvimento Humano Infância cap 1.pptxAULA 2 SLIDE 1 de Desenvolvimento Humano Infância cap 1.pptx
AULA 2 SLIDE 1 de Desenvolvimento Humano Infância cap 1.pptx
 
Vocês dizematualizado
Vocês dizematualizado Vocês dizematualizado
Vocês dizematualizado
 
Behavorismo
BehavorismoBehavorismo
Behavorismo
 
Uma teoria social do desenvolvimento e da aprendizagem
Uma teoria social do desenvolvimento e da aprendizagemUma teoria social do desenvolvimento e da aprendizagem
Uma teoria social do desenvolvimento e da aprendizagem
 

Mais de CDIM Daniel

Curso completo de excel
Curso completo de excelCurso completo de excel
Curso completo de excel
CDIM Daniel
 
Questões de informática em concursos públicos
Questões de informática em concursos públicosQuestões de informática em concursos públicos
Questões de informática em concursos públicos
CDIM Daniel
 
Noções de redes de computadores para concursos
Noções de redes de computadores para concursosNoções de redes de computadores para concursos
Noções de redes de computadores para concursos
CDIM Daniel
 
Noções de hardware e software
Noções de hardware e softwareNoções de hardware e software
Noções de hardware e software
CDIM Daniel
 
Dicionário de informática
Dicionário de informáticaDicionário de informática
Dicionário de informática
CDIM Daniel
 
Internet, e mail, navegação e segurança
Internet, e mail, navegação e segurançaInternet, e mail, navegação e segurança
Internet, e mail, navegação e segurança
CDIM Daniel
 
Informática comparação sistemas operacionais, navegadores, editores de texto ...
Informática comparação sistemas operacionais, navegadores, editores de texto ...Informática comparação sistemas operacionais, navegadores, editores de texto ...
Informática comparação sistemas operacionais, navegadores, editores de texto ...
CDIM Daniel
 
Informática para concursos públicos completa
Informática para concursos públicos completaInformática para concursos públicos completa
Informática para concursos públicos completa
CDIM Daniel
 
Figuras de linguagem completo
Figuras de linguagem completoFiguras de linguagem completo
Figuras de linguagem completo
CDIM Daniel
 
Direito civil
Direito civilDireito civil
Direito civil
CDIM Daniel
 
Tipos de conexão com a internet
Tipos de conexão com a internetTipos de conexão com a internet
Tipos de conexão com a internet
CDIM Daniel
 
Tipos de conexão com a internet
Tipos de conexão com a internetTipos de conexão com a internet
Tipos de conexão com a internet
CDIM Daniel
 
Refinamento da pesquisa google
Refinamento da pesquisa googleRefinamento da pesquisa google
Refinamento da pesquisa google
CDIM Daniel
 
Legislação e pedagogia simulado (64 questões)+gabarito
Legislação e pedagogia   simulado (64 questões)+gabaritoLegislação e pedagogia   simulado (64 questões)+gabarito
Legislação e pedagogia simulado (64 questões)+gabarito
CDIM Daniel
 
Teoria de vygotsky
Teoria de vygotskyTeoria de vygotsky
Teoria de vygotsky
CDIM Daniel
 
Técnicas de ensino
Técnicas de ensinoTécnicas de ensino
Técnicas de ensino
CDIM Daniel
 
Comparação entre piaget e vygotsky
Comparação entre piaget e vygotskyComparação entre piaget e vygotsky
Comparação entre piaget e vygotsky
CDIM Daniel
 
Apostila conhecimentos pedagógicos
Apostila   conhecimentos pedagógicosApostila   conhecimentos pedagógicos
Apostila conhecimentos pedagógicos
CDIM Daniel
 
Vírus e antivírus pragas virtuais
Vírus e antivírus   pragas virtuaisVírus e antivírus   pragas virtuais
Vírus e antivírus pragas virtuais
CDIM Daniel
 

Mais de CDIM Daniel (19)

Curso completo de excel
Curso completo de excelCurso completo de excel
Curso completo de excel
 
Questões de informática em concursos públicos
Questões de informática em concursos públicosQuestões de informática em concursos públicos
Questões de informática em concursos públicos
 
Noções de redes de computadores para concursos
Noções de redes de computadores para concursosNoções de redes de computadores para concursos
Noções de redes de computadores para concursos
 
Noções de hardware e software
Noções de hardware e softwareNoções de hardware e software
Noções de hardware e software
 
Dicionário de informática
Dicionário de informáticaDicionário de informática
Dicionário de informática
 
Internet, e mail, navegação e segurança
Internet, e mail, navegação e segurançaInternet, e mail, navegação e segurança
Internet, e mail, navegação e segurança
 
Informática comparação sistemas operacionais, navegadores, editores de texto ...
Informática comparação sistemas operacionais, navegadores, editores de texto ...Informática comparação sistemas operacionais, navegadores, editores de texto ...
Informática comparação sistemas operacionais, navegadores, editores de texto ...
 
Informática para concursos públicos completa
Informática para concursos públicos completaInformática para concursos públicos completa
Informática para concursos públicos completa
 
Figuras de linguagem completo
Figuras de linguagem completoFiguras de linguagem completo
Figuras de linguagem completo
 
Direito civil
Direito civilDireito civil
Direito civil
 
Tipos de conexão com a internet
Tipos de conexão com a internetTipos de conexão com a internet
Tipos de conexão com a internet
 
Tipos de conexão com a internet
Tipos de conexão com a internetTipos de conexão com a internet
Tipos de conexão com a internet
 
Refinamento da pesquisa google
Refinamento da pesquisa googleRefinamento da pesquisa google
Refinamento da pesquisa google
 
Legislação e pedagogia simulado (64 questões)+gabarito
Legislação e pedagogia   simulado (64 questões)+gabaritoLegislação e pedagogia   simulado (64 questões)+gabarito
Legislação e pedagogia simulado (64 questões)+gabarito
 
Teoria de vygotsky
Teoria de vygotskyTeoria de vygotsky
Teoria de vygotsky
 
Técnicas de ensino
Técnicas de ensinoTécnicas de ensino
Técnicas de ensino
 
Comparação entre piaget e vygotsky
Comparação entre piaget e vygotskyComparação entre piaget e vygotsky
Comparação entre piaget e vygotsky
 
Apostila conhecimentos pedagógicos
Apostila   conhecimentos pedagógicosApostila   conhecimentos pedagógicos
Apostila conhecimentos pedagógicos
 
Vírus e antivírus pragas virtuais
Vírus e antivírus   pragas virtuaisVírus e antivírus   pragas virtuais
Vírus e antivírus pragas virtuais
 

Último

Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Leonel Morgado
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Mary Alvarenga
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
LeideLauraCenturionL
 
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdfCALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CristviaFerreira
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Mary Alvarenga
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
pattyhsilva271204
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Mary Alvarenga
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
arodatos81
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
marcos oliveira
 
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docxPlanejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
marcos oliveira
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
DirceuSilva26
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
marcos oliveira
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 

Último (20)

Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdfCALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
 
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docxPlanejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
 
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
 

Teorias pedagógicas de ensino aprendizagem

  • 1. TEORIAS PEDAGÓGICAS DE ENSINO-APRENDIZAGEM. 1. TEORIAS COMPORTAMENTALISTAS/BEHAVORISTA/DO CONDICIONAMENTO OU COMPORTAMENTALISMO John Broadus Watson, psicólogo americano (Greenville, 09/01/1878 — 25/09/1958, NY: 80 anos) criou o termo behaviorismo para deixar claro que sua preocupa- ção era com os aspectos observáveis do comportamento (estímulos e reações a esses estímulos). O Behaviorismo supõe que o comportamento inclui respostas que podem ser observadas e relacionadas com eventos que as precedem (estímulos) e as sucedem (conseqüências). São também chamadas teorias estímulo-resposta. Wat- son, Pavlov, Guthrie, Skinner e Thorndike, são os autores que mais se destacaram nesta linha de pensamento. O enfoque comportamentalista:  Provê uma base para o estudo de manifestações que produzem mudanças comportamentais;  Aprendiz é o ser que responde a estímulos fornecidos pelo ambiente externo;  Limita-se ao estudo de comportamentos manifestos e mensuráveis controlados por suas conseqüências;  Não considera o que ocorre dentro da mente do indivíduo durante o processo de aprendizagem;  Aprendiz é visto como objeto (APRENDER A FAZER). 1.1. Teoria do Condicionamento clássico - Ivan Petrovich Pavlov, filósofo, fisiologista e médico russo (Rússia, 26/09/1849 a 27/02/1936, Leningrado: 87 anos) – Nobel Fisiologia em 1904. A idéia básica do condicionamento clássico consiste em que algumas respostas comportamentais são reflexos in- condicionados, ou seja, são inatas em vez de aprendidas, enquanto que outras são reflexos condicionados, aprendidos através do emparelha- mento com situações agradáveis ou aversivas simultâneas ou imediatamente posteriores. Através da repetição consistente desses emparelha- mentos é possível criar ou remover respostas fisiológicas e psicológicas em seres humanos e animais. Um estímulo neutro quando repetido com um estímulo eficaz produz uma resposta que anteriormente não existia, ou seja, ocorre um processo de associação (campainha, comida, cães). 1.2. Teoria do Condicionamento operante - Burrhus Frederic Skinner, escritor e psicólogo americano (Susquehanna, 20/03/1904 a 18/08/1990, Cambridge: 86 anos). Reforço é a ocorrência que estimula um comportamento. A repetição de um ato que causa um resultado agradável (reforço positivo), aumenta a probabili- dade de ocorrência deste ato. A resposta é fortalecida pelo reforço ou enfraquecida pela sua extinção. O reforço vem antes da resposta. Comportamento Respon- dente é provocado por estímulos específicos. Comportamento Operante não é determinado por estímulos específicos. Escola Comportamentalista. Skinner influenciou a Tendência Liberal Tecnicista de Ensino-Aprendizagem. 1.3.Teoria do Ensaio e Erro - Edward Lee Thorndike, psicólogo americano (Williamsburg, 31/08/1874 a 09/08/1949, Montrose: 75 anos). eliminação gradual e ensaios/tentativas erradas até se obter a correta. Lei do Efeito: um ato é alterado pelos se seus efeitos são desfavoráveis, senão continuam. Lei do Exercício: a conexão estímulo-resposta é fortalecida pela repetição.
  • 2. 2. TEORIAS COGNITIVISTAS OU COGNITIVISMO. As teorias cognitivas tratam da cognição, de como o indivíduo "conhece"; processa a informação, compreende e dá significados a ela. Dentre as teorias cognitivas de aprendizagem mais antigas, destacam-se a de Tolman, a da Gestalt e a de Lewin. As teorias cognitivistas mais recentes e de bastante influência no processo instrucio- nal são as Vygotsky, Piaget, Ausubel e Wallon. O enfoque cognitivista:  Encara a aprendizagem como um processo de armazenamento de informações;  Auxilia na organização do conteúdo e de suas idéias a respeito de um assunto, em uma área particular de conhecimento;  Busca definir e descrever como os indivíduos percebem, direcionam a atenção, coordenam as suas interações com o ambiente;  Como aprendem, compreendem e reutilizam informações integradas em suas memórias a longo prazo;  Como os indivíduos efetuam a transferência dos conhecimentos adquiridos de um contexto para o outro; 2.1. Teoria Sócio-Interacionaista  Lev Semyonovich Vygotsky, advogado, psicanalista bielo-russo (Orsha, 17/09/1896 a 11/06/1934, Moscou: 38 anos) - o desenvolvimento/conhecimento ocorre na interação social e cultura: de fora para dentro da criança. Era necessário, na época, a construção de uma ponte que ligasse a psicologia "natural", mais quantitativa, à psicologia "mental", mais subjetiva. Criticou as ideias de Pavlov (Comportamentalismo: condicio- namento clássico) em relação ao que este dizia sobre a influência do ambiente na aprendizagem. A oposição social x individual deve ser substituída por in- dividual x coletiva, pois a psique é sempre efetivamente construída no social e afetivo. Para ele, os signos (a linguagem simbólica desenvolvida pelas pes- soas), têm um papel similar ao dos instrumentos (objetos que os signos representam): tanto os instrumentos de trabalho quanto os signos são construções da mente humana, que estabelecem uma relação de mediação entre a pessoa e a realidade. Assim, denominava-os de instrumentos simbólicos, com especial atenção à linguagem. Ao aprender a linguagem meio sociocultural, transformamos radicalmente os rumos de nosso desenvolvimento. Portanto, a sua visão dá importância à dimensão social, interpessoal, na construção do sujeito psicológico. Os conceitos são construções culturais ao longo da vida. Formação de Conceitos: 1. Pensamento Sincrético: os objetos são classificados de acordo com as impressões feitas na mente (nexo desconexo do pensamento infantil). 2. Pensamento por Complexos: excesso de relações entre objetos e pouca abstração a. complexo associativo. b. complexo coleção c. complexo em cadeia. d. complexo difuso. e. pseudoconceito. 3. Pensamento por Conceitos: Em todo o processo de Formação de conceitos, o biológico vai se transformando em só- cio-histórico. Não existe um método Vygotsky. Como Piaget, o psicólogo bielo-russo é mais uma fonte de inspiração do que um guia para os pedagogos. a. Conceitos Espontâneos. b. Conceitos Científicos. Há 2 níveis de desenvolvimento: desenvolvimento real (o que já aprendeu sozinha) e desenvolvimento potencial (o que ainda pode ser aprendido). A Zona de Desen- volvimento Proximal (ZDP) é a diferença/distância entre o que a criança consegue realizar sozinha e aquilo que, embora ainda não consiga realizar sozinha, é capaz de aprender e fazer com a ajuda de uma pessoa mais experiente (adulto, criança mais velha ou com maior facilidade de aprendizado, etc.). ZDP = espaço entre o desenvolvimento real e o de- senvolvimento potencial. Essa distância não é estático/constante, mas dinâmico/crescente. Então a ZDP é tudo o que a criança pode adquirir em termos intelectuais quando lhe é dado o suporte educacional devido. Para ele, o que aprende e o que ensina têm relação interligada: são partícipes de um mesmo processo que dá base a outro conceito chave: a mediação (pressuposto da relação eu-outro social). A relação mediatizada não se dá necessariamente com/por alguém, mas pela interação com signos, símbolos culturais e obje- tos. Um dos pressupostos básicos desse autor é que o ser humano se constitui enquanto tal na sua relação com o outro. Para Vygotsky a aprendizagem acorre desde o nascimento e é a principal causa do desenvolvimento do ser.
  • 3. 2.2. Teoria Construtivista Piagetiana, Teoria Psicogenética ou Epistemologia Genética  Jean William Fritz Piaget, biólogo suíço (Neuchâtel, 09/08/1896 a 16/09/1980, Genebra: 84 anos) - o desenvolvimento/conhecimento se dá pela maturação biológica; A interação com o meio (pessoas e objetos) são necessários para o desenvolvimento do indivíduo; Enfatiza o processo de cognição à medida que o ser se situa no mundo e atribui significados à realidade em que se encontra; Preocupa-se com o proces- so de compreensão, transformação, armazenamento e uso da informação envolvida na cognição. Para ele o conhecimento é gerado através de uma interação do sujeito com seu meio, a partir de estruturas existentes no sujeito. Assim sendo, a aquisição de conhecimentos depende tanto das estruturas cognitivas do sujeito como de sua relação com o objeto. S = sujeito/aluno/aprendiz. O = objeto/matéria/conteúdo/meio.  S  O O pensamento infantil passa por quatro estágios, desde o nascimento até o início da adolescência, quando a capaci- dade plena de raciocínio é atingida. 1º Estágio – Estágio Sensório- Motor (0 a 2 anos): a criança representa o mundo em termos de ações (chupar de- do, olhar, deixar cair...). 2º Estágio – Estágio Pré-Operatório (2 a 7 anos): a criança lida com imagens concretas e é limitada por proble- mas de concretude, irreversibilidade, egocentrismo e centralização. 3º Estágio – Estágio Operatório-Concreto (7 a 11 anos): opera mentalmente, relação entre objetos e realizar ope- rações lógicas. 4º Estágio – Estágio Operatório Lógico-Formal (> 11 anos): é o ápice do desenvolvimento da inteligência e cor- responde ao nível de pensamento hipotético-dedutivo ou lógico-matemático e abstrato. Assim, o conhecimento vai sendo construído pela criança a partir de suas descobertas, quando em contato com o mundo e com os objetos. Para ele, educar é provocar a atividade – isto é, estimular a procura do conhecimen- to. Palavra-chave: estágios do desenvolvimento cognitivo. Papel do professor: observar o aluno, investigar quais são os seus conhecimentos prévios, seus interesses e, a partir daí, procurar apresentar diversos elementos para que o aluno construa o conhecimento. O professor cria situações para que o aluno chegue ao conhecimento. Como se aprende: experimentando, vivenciando. Onde está o foco: no aluno e em suas operações mentais. Que tipo de indivíduo espera-se formar: pessoas com autonomia, que contam consigo mesmas e com sua capacidade de construir saber. Gente que interage com o meio, que tem i- déias próprias e é capaz de criar, com uma visão particular do mundo. Etapas da aprendizagem: Assimilação, desequilíbrio, acomodação e adaptação.
  • 4. 2.3. Teoria da Aprendizagem Significativa  David Paul Ausubel, psicólogo americano (NY, 25/10/1918 a 09/07/2008, NY: 90 anos) - Os novos conhecimentos são relacionados com conceitos previamente disponíveis (ideias âncoras) na estrutura cognitiva. A nova informação deverá interagir e se ancorar nos conceitos prévios e já existentes na estrutura cognitiva do aluno. Então a Aprendizagem Significativa ocorre quando as novas idéias vão se relacionando com os conceitos já existentes na mente do aluno. Por isso deve haver as informações e recursos introdutórios, que devem ser apresentados antes dos conteúdos da matriz curricular, uma vez que tem a função de servir de ponte entre o que o aluno já sabe e o que ele deve saber para que o conteúdo possa ser realmente aprendido de forma significativa. Para isso deve ter: disposição do aluno para aprender e material didático significativo para o aluno. Condições Essenciais: Disposição do Aluno para aprender e Material didático desenvolvido, que deve ser, so- bretudo, significativo para o aluno. São 4 as Dimensões da aprendizagem: 1º) Aprendizagem Significativa: os novos conhecimentos são relacionados conceitos relevantes previamente disponíveis na estrutura cognitiva da pessoa. 2º) Aprendizagem Memorística ou Mecânica: os novos conhecimentos não estão relacionados conceitos relevantes previamente disponíveis na estrutura cognitiva da pessoa. 3º) Aprendizagem por Recepção: o conhecimento é fornecido directamente ao aluno, podendo este aprendê-lo ou não de modo significativo. 4º) Aprendizagem por Descoberta Autônoma: o conhecimento não é fornecido ao aluno, este tem de identificar e selecionar por si a informação necessária. Organizadores Prévios: São informações e recursos introdutórios, que devem ser apresentados antes dos conteúdos da matriz curricular, uma vez que tenha função de servir de ponte entre o que o aluno já sabe e o que ele deve saber. Para que o conteúdo possa ser realmente aprendido de forma significativa. “O fator isolado mais importante influenciando a aprendizagem é aquilo que o aluno já sabe; determine isso e ensine-o de acordo”. Ausubel
  • 5. 2.4. Teoria de Desenvolvimento de Wallon ou Teoria Walloniana  Henri Paul Hyacinthe Wallon, filósofo. Médico e psicólogo francês (França, 15/06/1879 a 01/12/1962: 84 anos) - o processo de aprendizagem é dialético: não há verdades absolutas, mas apenas direções e possibilidades. O desenvolvimento é sempre biológico e sócio-cultural, como Vigotsky, mas também ocorre por estágios sequenciais, como na teoria de Piaget. É marxista e materialismo dialético. Durante o desenvol- vimento, a criança oscila entre a afetividade e a inteligência. A passagem de uma estágio para o outro causa conflitos (= acomodação, assimilação, equilíbrio na teoria de Pi- aget), podendo haver regressão. A cognição (desenvolvimento psicológico) abrange 4 “campos funcionais”: Movimento, Afetividade, Inteligência e Pessoa. 1º) Movimento: motricidade. A criança não pode ficar parada. Há dois tipos: Mov. Instrumentais (objetivo imediato sem relação com alguém – andar, pular, tocar em algo) e Mov. Expressivo (comunicar-se – sorrir, chorar, gesticular, falar). 2º) Afetividade: À medida que o movimento proporciona experiências à criança, ela vai respondendo através de emoções, isso é afetividade. A afetividade é expressa nas relações sociais e ambi- entais. A afetividade é expressa de três maneiras diferentes: emoção (instintiva), sentimento (quando a pessoa fala o que sente) e paixão (alto-controle). 3º) Inteligência: está relacionada com duas importantes atividades cognitivas humanas: o raciocínio simbólico e a linguagem. Ambos e a abstração vão se desenvolvendo simultaneamente. 4º) Pessoa: campo funcional que coordena os outros três, formando sua consciência e identidade pessoal: seu eu. Estágios de Desenvolvimento. Cada estágio tem idades e durações variáveis e relativas. Isso indica que tudo é relativo e flexível em todo o desenvolvimento da criança. Estágio Características Representação 1º) Estágio impulsivo-emocional (1º ano de vida): As emoções fazem a interação com o meio, afeiçoando-se ao lugar. A relação com o ambiente de- senvolve sentimentos e afetividade. Volta-se para o interior: para a construção do indivíduo. 2º) Estágio sensório-motor e projetivo (até aos 3 anos): Manipulação de objetos e a imitação; Os pensamentos se projetam em atos motores: movimentos, coordenação motora e linguagem. Engatinha, manipula objetos e explora espaços. Linguagem es- trutura o pensamento. Volta-se para o exterior: relações orientadas para com os outros e objetos. 3º) Estágio do personalismo (3 aos 6 anos): Formação da personalidade do indivíduo e da autoconsciência. Insistência em ter posse de algo, propriedade. Oposição: A criança precisa se opor ao outro para demarcar seu espaço, em busca da afirmação de si. Sedução: criança sente necessidade de ser admirada e Imitação: criança busca in- corporar o outro imitando-o. 4º) Estágio categorial (6 a 11 anos): COGNITIVO/CONSTRUÇÃO DO REAL: Conquistar e conhecer o mundo exterior. Opõem-se ao outro na busca de autoafirmação. Forma conceitos abstratos. Desenvolve a atenção. Necessidade de ser admirada. Volta-se para o exterior: interesse especial por alguns objetos. 5º) Estágio da adolescência (12 em diante): AFETIVO/CONSTRUÇÃO DE SI: Caracterizadamente afetivo, onde o indivíduo passa por uma série de conflitos internos e externos, pois sua personalidade está sendo reformulada por fatores inter- nos e externos. Busca de autoafirmação e compreender sua sexualidade. Wallon
  • 6. 2.5. Teoria da Aprendizagem Social (Por Imitação ou Por Observação): Albert Bandura, psicólogo canadense. Inicialmente behaviorista, mudou de posição. Aprende-se melhor na interação com o seu meio e na observação dos outros (ex. dirigir). A aprendiza- gem é observacional. Fases:  Atenção - o aprendiz observa o modelo e reconhece as caracteristicas distintivas da sua conduta;  Retenção - as respostas do modelo são activamente armazenada na memória;  Reprodução - se o aprendiz aceita o comportamento do modelo como apropriado e possivel de levar as consequências por ele valorizado, o aprendiz o reproduz;  Motivação – se a consequencia for favorável, a reprodução é fortalecida e, se desfavorável, enfraquecida. Fatores que influenciam a aprendizagem social: Atenção, Retenção, Produção, Incentivo ou Motivação. Auto Reforço (Recompensa): Tangíveis (concreta: nota boacinema; nota ruimnão vai ao cinema), Intangíveis (abstrata: nota boaorgulho/satisfação, nota ruimvergonha, culpa, depressão). Concepções ou Tendências Pedagógicas Relacionadas: Liberal Renovada Pragmatista. Bandura
  • 7. TEORIA HUMANÍSTICA OU HUMANISMO. O fundador foi Abraham Maslov, psicólogo americano (NY, 01/04/1908 a Califórnia, 08/06/1970: 62 anos). O Humanismo ou Teoria Humanista surgiu na década de 50 e ganhou força nos anos 60 e 70, como uma reação às idéias de análise apenas do comportamento, defendida pelo Behaviorismo e do enfoque no inconsciente e seu determinismo, defendido pela Psicanálise. A grande divergência com o Behaviorismo é que o Humanismo não aceita a idéia do ser humano como máquina ou animal, sujeitos aos processos de condicionamento. Já em relação à Psicanálise, a reação foi à ênfase dada no inconsciente, nas questões biológicas e eventos passados, nas neuroses, psicoses e na divisão do seu humano em compar- timentos. A idéia que norteia esta teoria está baseada no princípio do ensino centrado no aluno. Este possui liber- dade para aprender, e o crescimento pessoal é valorizado. O pensamento, sentimentos e ações estão integrados. O autor humanista mais conhecido é Rogers. Carl Ransom Rogers, psicólogo americano (Illinois, 08/01/1902 a 04/02/1987, Califórnia: 85 anos)   Vê o ser que aprende primordialmente como pessoa;  Valoriza a auto-realização e o crescimento pessoal;  Vê o indivíduo como fonte de seus atos e livre para fazer escolhas;  A aprendizagem não se limita a um aumento de conhecimentos, ela influi nas escolhas e atitudes do aprendiz;  O aprendiz é visto como sujeito, e a auto-realização é enfatizada. Alexander Sutherland Neill, educador, escritor e fundador da escola Summerhill (Forfar, 17/10/1883 -23/09/1973:  90 anos)   A felicidade é fundamental para o desenvolvimento das crianças e que essa felicidade tem origem num senso de liberdade das mesmas.  A educação não pode ignorar inteiramente as emoções da vida.  “Se as emoções tivessem livre expansão, o intelecto saberia cuidar de si próprio.”  Em Summerhill, as crianças não são obrigadas a assistir as aulas e, além disso, as decisões da escola são tomadas em assembléias onde todos votam, incluindo professores, alunos e funcionários. Para o autor, a experiência nessa escola mostrou que, sem a coerção das escolas tradicionais, os estudantes orientam sua aprendizagem através do seu próprio interesse, ao invés de orientar pelo que lhe é imposto.  Em sua escola o teatro, a dança, os trabalhos manuais, ganham um destaque grande frente às disciplinas tradicionais. As aulas das matérias convencionais existem, mas não são o centro da escola.  Como diretor, ele dava aulas de álgebra, geometria e trabalhos manuais. Geralmente dizia que admirava mais aqueles que possuíam habilidades para o trabalho manual do que aqueles que se restringiam ao trabalho intelectual. Rogers Neill