SlideShare uma empresa Scribd logo
TENSÕES
Seja o corpo da figura sob ação dos esforços internos externos e ativos e relativos e
em equilíbrio.
Vamos dividi-la através da seção divisora s e considerar a área elementar û8
Nestas condições definimos a tensão 
s
F
∆
∆
= limρ
A variação de é mais facilmente feita quando trabalhamos com suas componentes
ûσ (sigma) tem sua direção perpendicular à área s∆ ( TENSÃO NORMAL)
û2(Táu) Tem a direção da área s∆ (TENSÃO DE CISALHAMENTO)
Tensão Normal
ds
s
N .∫= σ
Tensão de Cisalhamento
∫=
s
dsQ .τ
Momento Torsor
∫=
s
t dsRM ..τ - Onde R é o raio que localiza o ponto onde se está calculando o Mt
Ruína de uma estrutura
Dizemos que uma estrutura entra em ruína quando se deixa de verificar um
ou mais requisitos para o bom funcionamento.
- Ruptura
- Escoamento
- Flambagem
- Fadiga
As tensões de ruína são obtidas experimentalmente através de ensaios mecânicos.
σ r Tensões de Ruptura
2 r
σ r Tensões de Ruptura
2 r
Tensões admissíveis
É o máximo valor de tensão (menor que o da ruína) que se permite trabalhar
na estrutura. As tensões Admissíveis são obtidas de:
σ = r
σ Tensão admissível a ruptura em relação à forca normal
s
2= 2r Tensão admissível a ruptura em relação à forca cortante
s
σ = e
σ Tensão admissível ao escoamento em relação à forca normal
s
2= 2e Tensão admissível ao escoamento em relação à forca cortante
s
Onde s é o número maior que um chamado coeficiente de segurança, leva em
consideração:
- Erros de cálculo
- Erros de execução
- Falha do material
- Falhas de material
- Má utilização
Etc...
TENSÃO NORMAL
Em barras com seção transversal constante a tensão é constante
S
N
=σ Onde N é a tensão em Niltons e S a área da seção transversal

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

E flexao pura
E   flexao puraE   flexao pura
Tungstenio
TungstenioTungstenio
Tungstenio
emc5714
 
F flexao simples
F   flexao simplesF   flexao simples
F flexao simples
Everton Costa
 
Flexão pura ii
Flexão pura iiFlexão pura ii
Flexão pura ii
Carlos Valenzuela
 
Apostila apostila do dagoberto
Apostila apostila do dagobertoApostila apostila do dagoberto
Apostila apostila do dagoberto
TarcsioBrito2
 
Tensoes em-vigas
Tensoes em-vigasTensoes em-vigas
Tensoes em-vigas
Sandra Prates
 
Desgaste por deslizamento - parte 3
Desgaste por deslizamento - parte 3Desgaste por deslizamento - parte 3
Desgaste por deslizamento - parte 3
Instituto Nacional de Engenharia de Superfícies
 
Desgaste por deslizamento
Desgaste por deslizamentoDesgaste por deslizamento
Cap 3
Cap 3Cap 3
Desgaste por deslizamento - parte 2
Desgaste por deslizamento - parte 2Desgaste por deslizamento - parte 2
Desgaste por deslizamento - parte 2
Instituto Nacional de Engenharia de Superfícies
 
Resistência dos Materiais II
Resistência dos Materiais IIResistência dos Materiais II
Resistência dos Materiais II
Ana Cristina Vieira
 
Capítulo 2 mecânica da conformação plástica dos metais
Capítulo 2 mecânica da conformação plástica dos metaisCapítulo 2 mecânica da conformação plástica dos metais
Capítulo 2 mecânica da conformação plástica dos metais
Maria Adrina Silva
 
Criterios resistencia
Criterios resistenciaCriterios resistencia
Criterios resistencia
Luiz Roberto Prado
 
Capítulo 2 mecânica da conformação
Capítulo 2 mecânica da conformaçãoCapítulo 2 mecânica da conformação
Capítulo 2 mecânica da conformação
Maria Adrina Silva
 
resumao resistencia dos materiais
resumao resistencia dos materiaisresumao resistencia dos materiais
resumao resistencia dos materiais
Eclys Montenegro
 
Molas mec nicas_1
Molas mec nicas_1Molas mec nicas_1
Molas mec nicas_1
Lucas Gonçalves
 
Resistência dos Materiais II
Resistência dos Materiais IIResistência dos Materiais II
Resistência dos Materiais II
Ana Cristina Vieira
 
5 projeto de vigas em flexao
5 projeto de vigas em flexao5 projeto de vigas em flexao
5 projeto de vigas em flexao
Dande_Dias
 
Tensoes
TensoesTensoes
Tensoes
Marcelo Jesus
 

Mais procurados (19)

E flexao pura
E   flexao puraE   flexao pura
E flexao pura
 
Tungstenio
TungstenioTungstenio
Tungstenio
 
F flexao simples
F   flexao simplesF   flexao simples
F flexao simples
 
Flexão pura ii
Flexão pura iiFlexão pura ii
Flexão pura ii
 
Apostila apostila do dagoberto
Apostila apostila do dagobertoApostila apostila do dagoberto
Apostila apostila do dagoberto
 
Tensoes em-vigas
Tensoes em-vigasTensoes em-vigas
Tensoes em-vigas
 
Desgaste por deslizamento - parte 3
Desgaste por deslizamento - parte 3Desgaste por deslizamento - parte 3
Desgaste por deslizamento - parte 3
 
Desgaste por deslizamento
Desgaste por deslizamentoDesgaste por deslizamento
Desgaste por deslizamento
 
Cap 3
Cap 3Cap 3
Cap 3
 
Desgaste por deslizamento - parte 2
Desgaste por deslizamento - parte 2Desgaste por deslizamento - parte 2
Desgaste por deslizamento - parte 2
 
Resistência dos Materiais II
Resistência dos Materiais IIResistência dos Materiais II
Resistência dos Materiais II
 
Capítulo 2 mecânica da conformação plástica dos metais
Capítulo 2 mecânica da conformação plástica dos metaisCapítulo 2 mecânica da conformação plástica dos metais
Capítulo 2 mecânica da conformação plástica dos metais
 
Criterios resistencia
Criterios resistenciaCriterios resistencia
Criterios resistencia
 
Capítulo 2 mecânica da conformação
Capítulo 2 mecânica da conformaçãoCapítulo 2 mecânica da conformação
Capítulo 2 mecânica da conformação
 
resumao resistencia dos materiais
resumao resistencia dos materiaisresumao resistencia dos materiais
resumao resistencia dos materiais
 
Molas mec nicas_1
Molas mec nicas_1Molas mec nicas_1
Molas mec nicas_1
 
Resistência dos Materiais II
Resistência dos Materiais IIResistência dos Materiais II
Resistência dos Materiais II
 
5 projeto de vigas em flexao
5 projeto de vigas em flexao5 projeto de vigas em flexao
5 projeto de vigas em flexao
 
Tensoes
TensoesTensoes
Tensoes
 

Mais de Eduardo Spech

Resistencia dos materiais e dimensionamento de estruturas
Resistencia dos materiais e dimensionamento de estruturasResistencia dos materiais e dimensionamento de estruturas
Resistencia dos materiais e dimensionamento de estruturas
Eduardo Spech
 
Beer mecanica de_materiales_5e_manual_de_soluciones_c01_y_c02
Beer mecanica de_materiales_5e_manual_de_soluciones_c01_y_c02Beer mecanica de_materiales_5e_manual_de_soluciones_c01_y_c02
Beer mecanica de_materiales_5e_manual_de_soluciones_c01_y_c02
Eduardo Spech
 
Beer mecanica de_materiales_5e_manual_de_soluciones_c01_y_c02 (2)
Beer mecanica de_materiales_5e_manual_de_soluciones_c01_y_c02 (2)Beer mecanica de_materiales_5e_manual_de_soluciones_c01_y_c02 (2)
Beer mecanica de_materiales_5e_manual_de_soluciones_c01_y_c02 (2)
Eduardo Spech
 
Beer mecanica de_materiales_5e_manual_de_soluciones_c01_y_c02 (1)
Beer mecanica de_materiales_5e_manual_de_soluciones_c01_y_c02 (1)Beer mecanica de_materiales_5e_manual_de_soluciones_c01_y_c02 (1)
Beer mecanica de_materiales_5e_manual_de_soluciones_c01_y_c02 (1)
Eduardo Spech
 
CONCEITOS FUNDAMENTAIS DE TEORIA DAS ESTRUTURAS
CONCEITOS FUNDAMENTAIS DE TEORIA DAS ESTRUTURAS CONCEITOS FUNDAMENTAIS DE TEORIA DAS ESTRUTURAS
CONCEITOS FUNDAMENTAIS DE TEORIA DAS ESTRUTURAS
Eduardo Spech
 
FLEXÕES
FLEXÕESFLEXÕES
FLEXÕES
Eduardo Spech
 
Resolução da lista de exercícios 1 complementos de rm-7
Resolução da lista de exercícios 1  complementos de rm-7Resolução da lista de exercícios 1  complementos de rm-7
Resolução da lista de exercícios 1 complementos de rm-7
Eduardo Spech
 
Beer mecanica de_materiales_5e_manual_de_soluciones_c01_y_c02 (1)
Beer mecanica de_materiales_5e_manual_de_soluciones_c01_y_c02 (1)Beer mecanica de_materiales_5e_manual_de_soluciones_c01_y_c02 (1)
Beer mecanica de_materiales_5e_manual_de_soluciones_c01_y_c02 (1)
Eduardo Spech
 

Mais de Eduardo Spech (8)

Resistencia dos materiais e dimensionamento de estruturas
Resistencia dos materiais e dimensionamento de estruturasResistencia dos materiais e dimensionamento de estruturas
Resistencia dos materiais e dimensionamento de estruturas
 
Beer mecanica de_materiales_5e_manual_de_soluciones_c01_y_c02
Beer mecanica de_materiales_5e_manual_de_soluciones_c01_y_c02Beer mecanica de_materiales_5e_manual_de_soluciones_c01_y_c02
Beer mecanica de_materiales_5e_manual_de_soluciones_c01_y_c02
 
Beer mecanica de_materiales_5e_manual_de_soluciones_c01_y_c02 (2)
Beer mecanica de_materiales_5e_manual_de_soluciones_c01_y_c02 (2)Beer mecanica de_materiales_5e_manual_de_soluciones_c01_y_c02 (2)
Beer mecanica de_materiales_5e_manual_de_soluciones_c01_y_c02 (2)
 
Beer mecanica de_materiales_5e_manual_de_soluciones_c01_y_c02 (1)
Beer mecanica de_materiales_5e_manual_de_soluciones_c01_y_c02 (1)Beer mecanica de_materiales_5e_manual_de_soluciones_c01_y_c02 (1)
Beer mecanica de_materiales_5e_manual_de_soluciones_c01_y_c02 (1)
 
CONCEITOS FUNDAMENTAIS DE TEORIA DAS ESTRUTURAS
CONCEITOS FUNDAMENTAIS DE TEORIA DAS ESTRUTURAS CONCEITOS FUNDAMENTAIS DE TEORIA DAS ESTRUTURAS
CONCEITOS FUNDAMENTAIS DE TEORIA DAS ESTRUTURAS
 
FLEXÕES
FLEXÕESFLEXÕES
FLEXÕES
 
Resolução da lista de exercícios 1 complementos de rm-7
Resolução da lista de exercícios 1  complementos de rm-7Resolução da lista de exercícios 1  complementos de rm-7
Resolução da lista de exercícios 1 complementos de rm-7
 
Beer mecanica de_materiales_5e_manual_de_soluciones_c01_y_c02 (1)
Beer mecanica de_materiales_5e_manual_de_soluciones_c01_y_c02 (1)Beer mecanica de_materiales_5e_manual_de_soluciones_c01_y_c02 (1)
Beer mecanica de_materiales_5e_manual_de_soluciones_c01_y_c02 (1)
 

Tensoes

  • 1. TENSÕES Seja o corpo da figura sob ação dos esforços internos externos e ativos e relativos e em equilíbrio. Vamos dividi-la através da seção divisora s e considerar a área elementar û8 Nestas condições definimos a tensão s F ∆ ∆ = limρ A variação de é mais facilmente feita quando trabalhamos com suas componentes ûσ (sigma) tem sua direção perpendicular à área s∆ ( TENSÃO NORMAL) û2(Táu) Tem a direção da área s∆ (TENSÃO DE CISALHAMENTO)
  • 2. Tensão Normal ds s N .∫= σ Tensão de Cisalhamento ∫= s dsQ .τ Momento Torsor ∫= s t dsRM ..τ - Onde R é o raio que localiza o ponto onde se está calculando o Mt Ruína de uma estrutura Dizemos que uma estrutura entra em ruína quando se deixa de verificar um ou mais requisitos para o bom funcionamento. - Ruptura - Escoamento - Flambagem - Fadiga As tensões de ruína são obtidas experimentalmente através de ensaios mecânicos. σ r Tensões de Ruptura 2 r σ r Tensões de Ruptura 2 r Tensões admissíveis É o máximo valor de tensão (menor que o da ruína) que se permite trabalhar na estrutura. As tensões Admissíveis são obtidas de: σ = r σ Tensão admissível a ruptura em relação à forca normal s 2= 2r Tensão admissível a ruptura em relação à forca cortante s
  • 3. σ = e σ Tensão admissível ao escoamento em relação à forca normal s 2= 2e Tensão admissível ao escoamento em relação à forca cortante s Onde s é o número maior que um chamado coeficiente de segurança, leva em consideração: - Erros de cálculo - Erros de execução - Falha do material - Falhas de material - Má utilização Etc... TENSÃO NORMAL Em barras com seção transversal constante a tensão é constante S N =σ Onde N é a tensão em Niltons e S a área da seção transversal